ARM - Associação Regina Mundi | arm.boanova.pt | geral@arm.org.pt | BOLETIM N.

º 120 | FEVEREIRO DE 2017

escrever esta obra no sentido de dar voz
àqueles apóstatas sem voz.
De facto, a essência de Silêncio não é o
grupo de mártires mas sim a expressão
do conflito dos apóstatas, em especial
a angústia do P. Rodrigo, o protago-
nista do romance, jesuíta português.
Trata-se de um exemplo de literatura
P. Adelino Ascenso como terreno privilegiado para elabo-
[Superior Geral da SMBN] ração teológica. Pode dizer-se que Ro-
drigo é símbolo da reflexão dos anos
Muito se tem escrito e discutido sobre 60 que daria origem ao II Concílio do
o último filme do realizador Scorcese, Vaticano, nomeadamente no que diz

SILÊNCIO
intitulado Silêncio. Sabe-se que o filme respeito às mudanças vertiginosamente
é baseado no romance homónimo do rápidas da sociedade e ao diálogo entre
escritor católico japonês Shūsaku Endō culturas e religiões diferentes.
e que o realizador demorou décadas O filme Silêncio pode contribuir
para realizar este filme. Há uma grande Com Silêncio, Shūsaku Endō iniciou para o reiniciar de um debate vivo so-
espectativa sobre a forma como ele terá uma nova fase, numa tentativa para li- bre os temas teológicos que, explícita
captado a mensagem que o escritor pro- gar o cristianismo à cultura japonesa. ou implicitamente aparecem nas pági-
curou transmitir. Ele fora baptizado juntamente com a nas do romance, tais como o «silêncio»
O romance Silêncio, publicado em sua mãe, mas sentia-se como se esta lhe de Deus, uma nova imagem de Cristo,
1966 e traduzido para o inglês em 1969 tivesse dado uma esposa que ele nunca o forte (mártir) e o débil (apóstata),
e, a partir do inglês, para muitas outras vira antes; como se lhe tivesse dado um o pecado de apostasia e a salvação do
línguas, incluindo o português, é uma fato ocidental desajustado ao seu corpo. apóstata.
história dramática, que tem lugar no Assim, ele teria de procurar um cami-
Japão durante as perseguições ao cris- nho de «emendar» o seu «desajustado
tianismo, primeiras décadas do século fato ocidental», de modo a que lhe ser-
XVII. O protagonista, Rodrigues, é um visse e ele se sentisse confortável como
missionário jesuíta português que entra japonês e como cristão.
no Japão, em segredo, para se certificar Endō tinha três questões em mente
da veracidade dos rumores que haviam quando escreveu Silêncio. Primeiro, ele
chegado a Roma, nomeadamente que interrogava-se se, caso tivesse vivido
o P. Ferreira, Provincial dos Jesuítas no naquele tempo das perseguições, não te-
Japão, renunciara ao cristianismo (apos- ria, também ele, apostatado. A segunda
tatara). O P. Rodrigues chega ao Japão, e a terceira questões estavam relaciona- Não Faltes!
escondeu-se mas é, finalmente, captu- das com os próprios apóstatas: qual terá
rado. Acaba por apostatar, por com- sido o seu sentimento ao apostatarem? ASSEMBLEIA GERAL DA ARM
paixão para com os japoneses cristãos Que tipo de pessoas seriam eles? Ele
que estavam a ser torturados, uma vez sabia que, a par do denominado «silên-
ELEIÇÃO DE NOVA DIREÇÃO
que as autoridades lhe tinham garanti- cio» teológico de Deus estava também
PARA O TRIÉNIO 2017-2020
do que libertariam os cristãos japoneses o silêncio da história e da Igreja sobre SEMINÁRIO DE S. FRANCISCO XAVIER
se ele pisasse a imagem de Cristo (o que aqueles que tinham apostatado duran- FÁTIMA | 21 DE MAIO DE 2017
significava apostatar). te as perseguições. Por isso, ele decidiu
2 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

Fernando Silva
Presidente da ARM

EDITORIAL
SER ARMISTA É SER MISSIONÁRIO
AUTOR: SÉRGIO CABRAL
vém da identidade armista, mas a “pas-
Caros Armistas, 1. Como discípulos de Jesus, temos sagem” pelo seminário talvez o tenha
ao longo do ano de 2016, no seio da consciência de que somos missionári- levado a aprofundar a fé e a situar-se
ARM, foram desenvolvidas diversas os. Não há alternativa. Não podemos como cristão no mundo e, por conse-
atividades, umas com mais adesão e considerar-nos cristãos adultos na fé guinte, a ser missionário no ambiente
outras com menos. se negarmos a nossa responsabilidade em que vive.
A face mais visível são sempre os no anúncio da boa nova, remetendo-a 4. Como frequentemente diz o nosso
diversos encontros, em que todos para os “profissionais” da religião, presidente Fernando Silva, a ARM não
nós que passámos pelos semanários como os padres, os bispos e todos os é um movimento excursionista, que só
da Sociedade Missionária, aproveita- consagrados. Na verdade, não existem serve para reviver o passado, onde se
mos para rever os antigos colegas e “profissionais” da religião e estes nem partilham memórias épicas, algumas
formadores e as casas que nos aco- sequer têm mais responsabilidade do das quais dignas de serem imortaliza-
lheram durante esse período de for- que qualquer outro cristão na tarefa das em livro. Embora seja importante
mação. Neste âmbito, queria desta- de evangelizar, independentemente, da olharmos para o passado, julgo ser mais
car, que no próximo mês de maio, no função que exercem. Como nos diz o importante olharmos para o futuro.
domingo dia 21, decorrerá, como é decreto Ad Gentes (n.º 2), a Igreja é por 5. Ao longo de tantos anos, a ARM
habito, a Assembleia Geral da ARM, natureza missionária e como nos disse tem frutificado em apoios financeiros
em Fátima. Seria importante uma o Papa Francisco no Angelus de 24 de generosos, principalmente, para as
participação expressiva, para que janeiro de 2016, “ser cristão e ser mis- necessidades das “missões” em Áfri-
possamos trocar ideias em relação sionário é a mesma coisa”. ca, mas também em apoio nas áreas
ao presente e, principalmente, em 2. Para criar mais consciência da jurídica, social e cultural. É de louvar
relação ao futuro. Nesta Assembleia missionariedade de cada cristão, os todo o esforço levado a cabo por tantos
será feita a eleição de uma nova di- Missionários da Boa Nova e os Leigos armistas! Estes são missionários, sem
reção para o triénio 2017-2020. Por- Boa Nova estamparam nas suas cami- dúvida. No entanto, penso que está na
tanto, mais uma razão para uma par- solas o slogan “Ser Cristão é Ser Mis- hora de outros tantos armistas viverem
ticipação expressiva. sionário” e, no que se refere aos Leigos, a sua missionariedade partindo para as
Paralelamente aos encontros, o estes levaram a cabo uma iniciativa no “missões” da SMBN em África.
Projeto “Um Sorriso para Ti” con- ano 2010 sob este mesmo mote (http:// 6. Numa altura em que escasseiam
tinuará a ser implementado ao longo www.missionarios.boanova.pt/gale- os padres, os irmãos consagrados e as
do ano de 2017, sendo importante ria-de-videos). Estas foram iniciativas leigas consagradas para o anúncio do
a contribuição dos Armistas. Nesta importantes, mas sabemos que o mais Evangelho e dada a necessidade de se
edição será dada conta de como está importante é estampar este “modo de combater as graves carências locais, no-
a decorrer e da forma como cada um ser” na vida de cada um de nós. meadamente, ao nível da saúde e da edu-
pode participar. 3. Como antigos alunos dos seminá- cação em África, o apelo torna-se ainda
Nesta edição destacamos também rios da SMBN, salvo uma pequena mais audível. Sabemos que haverá sem-
a partida do Sérgio Cabral e da sua percentagem que terá abandonado a pre entraves logísticos (e nós somos
esposa, Ana Sofia, para Moçambique, fé (conheço alguns casos), parto do especialistas em criá-los!), mas nada
onde estão a desenvolver um impor- princípio que cada armista é cristão, poderá obstaculizar o amor de Deus
tante trabalho missionário na Cidade ou que, pelo menos, continue a recon- em nós. Ele levar-nos-á, também, àque-
de Pemba, desde outubro de 2016. hecer-se como cristão. Neste sentido, les que se encontram geograficamente
Ainda nesta edição será feita uma ouso completar o silogismo, ao dizer: longe de nós.
retrospetiva dos projetos “Salama ser armista é ser missionário. A mis- 7. Que sejamos sempre armistas mis-
Malema” e “Missão 4x4”. sionariedade, como é óbvio, não lhe ad- sionários.
3 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

O objetivo principal é o apoio das
crianças dos 2 aos 5 anos de idade na
sua educação, formação, desenvolvi-
mento físico e psicossocial e ao nível da
nutrição (3 refeições ao longo do dia,
pequeno-almoço, almoço e lanche).
O Jardim Infantil N. S. Boa Nova sen-
do uma escolinha da Paróquia prioriza
na sua admissão crianças de famílias
carenciadas e/ou em situação de vul-
nerabilidade. São crianças órfãos de
pai, mãe ou ambos; crianças sem re-
taguarda familiar; crianças de famílias
monoparentais; muitas vivem com os
avós com fracos recursos financeiros.
Muitas das crianças apenas comem
quando frequentam a escola. Para além
da alimentação há os cuidados de hi-

UM SORRISO PARA TI
giene, educação, afetividade e segu-
rança.
Mais uma vez, agradecemos a vossa
generosidade e partilha!
São apresentados, de seguida, o resumo Mediante o nosso contexto social e Padre Amaro Ferreira
dos relatórios relativos ao ano de 2016, en- económico, a inflação dos produtos de
primeira necessidade obriga-nos a al- MALEMA
viados pelos párocos das paróquias do Chi-
guma ginástica para a sustentabilidade A alegria e o sorriso das crianças são
buto (Padre Amaro Ferreira), Malema (Pa- da escolinha. Para além da situação o principal motivo da existência da Es-
dre Luís Figueiredo) e Pemba (Padre Ricar- económica e social do país, temos tam- colinha Mukatithi. A preciosa ajuda da
do Marques), que têm a seu cargo a respon- bém grandes tempos de seca e nestes ARM ajuda-nos a concretizar este ob-
sabilidade da gestão das escolinhas que são últimos meses abunda as chuvas ti- jetivo. Por este motivo, a Equipa Mis-
financiadas, em parte, pela ARM, no âmbito rando toda a esperança de finalmente sionária de Malema agradece mais uma
poderem fazer o cultivo das suas ma- vez a ajuda disponibilizada pela ARM
do projeto “Um sorriso para ti”. chambas dificultando mais uma vez a através do projeto “Um Sorriso para Ti”
sobrevivência de muitas famílias. ao longo do ano de 2016.
CHIBUTO O Jardim Infantil Nossa Senhora da
Eu, na pessoa do Padre Amaro quero Boa Nova nestes dois últimos anos teve
mais uma vez agradecer a vossa ajuda um grande desenvolvimento a nível de
e solidariedade com este projeto: “Um infraestruturas, através de um projeto
sorriso para ti” no Chibuto que visa o das Manos Unidas Espanhola, que já
apoio a um grupo de crianças. Estas concluímos. Para além das infraestru-
crianças são sinalizadas pelo Ministério turas apostamos também na admissão
da Cáritas pela sua situação de grande de mais monitoras, um guarda como
vulnerabilidade estão totalmente ao en- também na formação de todo o pessoal
cargo da escolinha e que seria impos- para melhorarem o seu conteúdo e en-
sível sem o vosso apoio. riquecimento pedagógico.

Durante o ano de 2016 foram matri-
culadas 88 crianças na Escolinha Mu-
katithi. Destas 88 crianças, chegaram
ao final do ano 70 crianças. 17 crianças
desistiram e uma veio a falecer.
Houve um grupo de 29 crianças que
terminaram a sua etapa na escolinha,
dado que para o ano vão ingressar na
escola primária. São crianças entre os 6
4 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

e 7 anos de idade.
Para marcar esta passagem fizemos a
festa ou cerimónia de graduação, junta-
mente com os seus pais e encarregados
de educação.
Foi um ano muito rico na vida des-
tas crianças, assim como para os mon-
itores. Houve um bom ambiente entre
elas e os próprios monitores.
Ao longo do ano fizemos algumas
reuniões com os pais e encarregados
de educação, para avaliarmos o anda-
mento da escolinha, para ouvir as suas
preocupações e propostas, sendo uma
ajuda fundamental neste processo de
acompanhamento das nossas crianças.
A Equipa Missionária na pessoa do
pároco e das Irmãzinhas da Imaculada tentaremos, com a vossa ajuda, chegar
Conceição, orientaram este trabalho. às 400 crianças. Estamos a ajudar estas PARTICIPE NO PROJETO
Um trabalho que por vezes não é fácil, crianças com um conjunto de fatores
mas que a alegria das crianças é o me- que, devidamente organizados, pro-
UM SORRISO PARA TI II!
lhor fruto que se pode colher no final porcionam uma infância mais feliz às
de cada etapa. crianças desta paróquia: alimentação, CONSIGO, PODEMOS
Em relação ao apoio recebido de 3000
Euros, correspondendo em Meticais ao
roupa, ensino e pedagogia, com parti- AJUDAR MAIS CRIANÇAS
cular incidência para os valores cívicos
valor de 154.500,00, continuamos a e morais, entre outros. EM MOÇAMBIQUE!
trabalhar pelo “sorriso das nossas cri- O orçamento anual para todas as
anças. escolinhas ronda os 25.000 euros FAÇA O SEU DONATIVO ATRAVÉS
Do ano de 2015 restava um valor de (=1.875.000 meticais, ao câmbio atual
2.657,00. de 75 MZN por Euro). Inclui-se neste DE TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA
A ajuda incidiu mais no apoio à ali- orçamento os gastos com a alimen- PARA O NOSSO NIB 0035
mentação das nossas crianças e tam- tação, salários para os 21 funcionários,
bém na remuneração dos monitores. manutenção, combustível, material de 0121 00001413330 34 OU
Houve a necessidade de fazermos enfermagem para pequenos cuidados SE PREFERIR, ENVIE-NOS UM
novos fogões para a cozinha, dado que de saúde, etc.
os que tínhamos, funcionavam a lenha, Embora haja uma mensalidade,
CHEQUE À ORDEM DA ARM -
mas agora estamos a preparar novos a grande parte dos pais/encarregados de ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI.
carvão, porque são mais económicos e educação não podem pagar, devido às
o carvão compensa mais que a lenha. dificuldades económicas que sentem
O saldo que resta para o ano de 2017 no seu dia-a-dia, que se agravaram com
Os objetivos deste projeto continuam a ser
é de 38.114.50 Meticais. a desvalorização acelerada do metical. os mesmos:
Para terminar, mais uma vez os nos- Refira-se que de janeiro de 2015 a ou- 1. Subsidiar ações para um melhor cresci-
sos agradecimentos a todos aqueles que tubro de 2016 o metical desvalorizou mento da dignidade humana;
nos ajudaram através da ARM. Que mais de 100% face ao euro: de 35 me- 2. Prover os destinatários de condições mí-
Deus vos abençoe e cumule de bênçãos. ticais por euro, subiu para 90 meticais nimas de alimentação e vestuário;
Padre Luís Figueiredo por euro. Agora ronda os 75 meticais 3. Fornecer os meios didáticos e pedagógi-
por euro. cos como forma de integração escolar e
PEMBA A ajuda da ARM é encaminhada, social;
Gostaria de dirigir uma palavra de acima de tudo, para a alimentação das 4. Melhorar os níveis de autoestima e confi-
agradecimento à ARM e aos seus mem- crianças.
ança dos destinatários;
bros, por todo o apoio que nos tem Mais uma vez, gostaria de agrade-
dedicado, sobretudo no que se refere cer tudo o que tem feito por nós e por
5. Divulgação da língua portuguesa;
às escolinhas e, mais recentemente, à aqueles que o Senhor confiou ao nosso 6. Expressar em atos e gestos concretos a
aquisição de um novo veículo. cuidado. ARM na sua responsabilidade cristã e social.
Em 2016, ajudámos cerca de 380 cri- Padre Ricardo Marques
anças nas nossas escolinhas. Em 2017
5 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

ASSEMBLEIA GERAL DA ARM
Realizou-se a 8 de maio em Cernache formações acerca do estado em que se
do Bonjardim, a Assembleia Geral anu- encontra este projeto e trocar algumas
al da ARM. ideias sobre o futuro financiamento
O Encontro iniciou-se às 9h30m deste. Trocaram-se também algumas
com o acolhimento dos participantes, ideias sobre os encontros, o boletim e
seguido da Missa às 10h, na Igreja do outras formas de fazer chegar a infor-
Seminário, com a participação dos fiéis mação aos armistas.
de Cernache do Bonjardim. Finda a frutuosa reunião, seguiu-se o
Por volta das 11h15 deu-se início à almoço de confraternização, a foto da
Assembleia Geral, propriamente dita, praxe, e quem conseguiu fugir aos pin-
discutindo-se vários assuntos da vida gos da chuva ainda teve oportunidade
da Associação, com especial relevo de fazer uma breve romagem à Gruta.
para projeto “Um Sorriso para Ti”, em Fernando Silva
que os participantes puderam obter in-

presença “física”. É evidente que com-
preendemos as ausências “físicas” de
outros armistas, mas nem sempre nos
é possível conciliar a azáfama do nosso
dia a dia.
Realçamos com muito agrado e satis-
fação a presença do Senhor Superior
Geral – Padre Adelino Ascenso – que
muito nos honrou e constitui para nós
um grande alento de entrega, determi-
nação e continuidade. No uso da pa-
TRÁS-OS-MONTES lavra o Senhor Superior Geral incen-
tivou-nos a mantermos estes nossos

ENCONTROS REGIONAIS
encontros porque eles, com muitos ou
poucos armistas, são sempre um ponto
de encontro, onde recordamos, con-
agradável para todos. Foi manifesta a vivemos, confraternizamos e damos
TRÁS-OS-MONTES
alegria estampada no rosto na hora da continuidade à nossa amizade tendo
Decorreu no dia 20 de agosto de
despedida. Este terminou por volta das como elo de ligação da Sociedade Mis-
2016, em Macedo de Cavaleiros – no
16:00 horas com os despedimentos de sionária da Boa Nova.
Convento de Balsamão, localizado
“um até já” porque para alguns o re- De igual modo, realçamos com mui-
na freguesia de Chacim – o Encontro
gresso a casa era mesmo muito longe. to agrado e satisfação a presença da Di-
regional a ARM – Região de Trás-os-
Mas registamos com agrado e satis- reção da ARM, cuja presença foi para
Montes.
fação a alegria e confraternização de nós muito honrosa e determinante
O encontro/convívio dos que pude-
todos os que fizeram gosto em marcar para, em conjunto, mantermos viva e
ram e quiseram aparecer foi muito
6 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

VALADARES

LISBOA
A Delegação de Lisboa levou a efeito
o Encontro Anual no dia 19/11/2016
no complexo “Páteo Alfacinha”. O dia
estava excelente, mostra que o S. Pedro
continua a gostar da ARM.
Estiveram presentes 36 armistas e fa-
miliares em franco e fraterno convívio.
Iniciou-se o encontro com a celebração
CERNACHE DO BONJARDIM da Eucaristia em sufrágio dos armistas
já falecidos sendo de um modo par-
ticular recordados aqueles que nos
acesa a chama que nos ilumina. com as nuvens que no dia anterior nos deixaram no último ano (Pe. Firmino,
A Direção fez-se representar pelo tinham apoquentado. Marinho Borges, Francisco Santos, José
armista Alfredo Henriques e no uso Com os cumprimentos mais efusivos, Manuel Teixeira, Aníbal Catarino, Al-
da palavra atualizou-nos da atividade com abraços e beijinhos, Armistas e bertino Pinto da Silva, Jaime Covas,
da ARM. Realço a presença do Senhor suas famílias com alegria se saudavam. Rui Miguel Neves, Pe. Luís Marques
Padre Américo Henriques que nos pre- Pelas 11.00 horas começou a habitual Ribeiro). Presidiu o Senhor Pe. Aires e
senteou com a sua confraternização e conferência, onde todos se manifes- concelebraram os senhores Padres Al-
foi para nós um testemunho vivo da sua tam e põem todas as suas opiniões em bino, Cesário e Kim Min. O “grupo co-
evangelização e deixou bem vincada a dia. Ao meio dia iniciou-se a Eucaristia ral” e animação musical da cerimónia
sua satisfação. comunitária, seguindo-se o almoço e esteve, e muito bem, sob a responsabi-
O nosso encontro decorreu em con- confraternização. lidade do Pisco da Cruz.
formidade com o agendamento previs- Pelas 15.00 horas, o Senhor Padre Seguiu-se a habitual sessão fotográ-
to e divulgado pela Direção da ARM. Anselmo, por ocasião do seu último fica e o repasto. As entradas servidas
Totalizamos 25 presenças e foi recon- livro “DEUS RELIGIÕES (IN)FELI- no terraço inferior acompanhadas de
fortante o convívio proporcionado. CIDADE”, fez uma palestra sob este umas bebidas (com e sem chumbo)
Gabriel Carvalho tema, entusiasmou os presentes que, no tornaram este momento propício à cir-
final, com perguntas e comentários ani- culação, troca de cumprimentos e de
VALADARES maram o evento. palavras em ambiente aprazível e des-
O Seminário da Boa Nova, em Va- Seguiu-se o programado magusto contraído.
ladares, acolheu hoje, dia 13 de novem- com jeropiga (e da boa!) prolongan- Após o almoço, tiveram a palavra to-
bro de 2016, o Encontro Regional dos do-se o convívio até ao escurecer. Na dos aqueles que quiseram passar algu-
Armistas da grande Região do Porto. despedida ficou a saudade e o desejo de ma informação ou mensagem.
As perspetivas de comparências foram novo encontro no próximo ano. Foram dadas algumas informações
ultrapassadas. Logo pelas 9.30 horas da Para testemunho deste encontro aqui sobre a SMBN e sobra a ARM.
manhã começaram a chegar, curiosa- ficam algumas das muitas fotografias No âmbito de “Um Sorriso para
mente, os de mais longe. O dia esteve cedidas pelos repórteres de serviço, Ar- Ti” foi apresentado o projeto de” RE-
maravilhoso e o sol brindou-nos com mindo Henriques. MODELAÇÃO DA ESCOLINHA
o seu precioso calor, arrumando de vez Joaquim Pereira MUKATITHI - Subida de telhados e
7 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

ENCONTRO DO 58º ANIVERSÁRIO
LISBOA
DO CURSO DOS ALUNOS DE 1958
construção de Alpendre” para Malema Ao raiar da aurora já muitos de nós éramos há 58 anos, como foram os nos-
e que nos foi enviado pelo senhor Pe. nos tínhamos feito à estrada rumo ao sos tempos de Seminário, em que mun-
Luís Figueiredo. Seminário de Valadares. Estava uma do vivíamos. Hoje, o mundo é outro.
Pelas 16:30h começou a debandada. manhã primaveril apesar do Outono já Deixámos de ser apenas Portugueses,
Entre despedidas notou-se alguma re- ter chegado. Beirões ou Transmontanos, para ser-
sistência em rumar a casa reiterando a Junto ao átrio fronteiriço à entrada do mos cidadãos do Mundo. (Sócrates,
prova do sadio interesse no Encontro. Seminário de Valadares foi comovente séc. V a.C.).
Santos Ponciano e digno de registo vivenciar os fortes Hoje somos pais e avós. Os avós aju-
abraços, o sorriso aberto, a alegria do dam os pais, cansados ou demasiado
CERNACHE DO BONJARDIM reencontro dos ex-alunos acompanha- ocupados e cuidam dos netos. Ter algu-
Realizou-se no passado dia 8, dia da dos pelas suas esposas, para mais um ma idade não representa velhice ou in-
Imaculada Conceição, no Seminário dia de convívio, de desfolhar de mil re- utilidade, pelo contrário é sinónimo de
de Cernache do Bonjardim, mais um cordações. experiência, de disponibilidade, sabe-
Encontro Regional da ARM-Antigos O Padre Augusto Farias guiou-nos doria. (parafraseando Pedro Strecht)
alunos da SMBN. numa breve visita às instalações do O nosso Presidente, Sr. Fernando Sil-
Depois da chegada de todos aqueles Seminário inaugurado na década de va, deu algumas informações sobre as
que quiseram participar, o encontro 60, mas a precisar de obras e um novo actividades da ARM, nomeadamente
iniciou-se com a Missa às 11.00h, cele- redimensionamento e adequação à re- sobre o projecto vigente em Moçam-
brada pelo Sr. Pe. Amadeu, e conce- alidade que hoje vivemos. bique “Um sorriso para ti”.
lebrada pelos Pe. Castro Afonso e Pe. A Santa Missa foi concelebrada pelo Cantados os parabéns a você, apagou
Paulo Jorge (pároco de Cernache do Padre Domingos Carvalho, nosso 1º as 58 velas o Padre Domingos Carva-
Bonjardim). Seguiu-se a procissão reitor em Tomar em 1958, Padre Au- lho, nosso amigo, guia e conselheiro,
percorrendo, como habitualmente, as gusto Farias, nosso colega e único a ser com a autoridade, vivência e sabedoria
ruas da vila, com regresso à igreja do escolhido para a seara do Senhor e o que lhe conferem os seus noventa e dois
Seminário. diácono Constantino. anos.
Pelas 13.00 horas foi servido o al- Na sua homilia o Padre Domingos O Padre Farias brindou connosco,
moço, seguindo-se uma revisita às ca- colocou todo o enfoque na palavra desejando a todos muita saúde e que
maratas, salas de estudo, biblioteca, à “Gratidão”. «Não foram dez que fica- cada um continuasse a percorrer o seu
quinta e demais sítios, por onde passá- ram curados? Onde estão os outros caminho, sem esquecer as suas raízes,
mos os nossos dias enquanto semina- nove? Não se encontrou quem voltasse escrevendo a sua história para memória
ristas. para dar glória a Deus senão este es- futura.
Não faltou a habitual ida à Gruta e trangeiro?» (Lc 17,11-19). A romagem à gruta de Nossa Senhora
a foto junta à imagem da Imaculada A seguir à foto de família, o almoço constituiu um ponto alto do encontro,
Conceição, que fazia 25 anos da sua in- de convívio foi confeccionado e servido em que cada um segredou à Virgem o
auguração. no refeitório do Seminário. que o seu coração ditou.
À SMBN e especialmente ao Sr. Pe. O nosso colega Fernando Machado O sol ia alto e havia muito caminho
Amadeu, o nosso muito obrigado pela teceu algumas considerações sobre a para percorrer pela maioria.
amabilidade com que sempre nos tem palavra “Amizade” frisando que a sua Aquele grande abraço de despedida e
recebido. vivência enobrece quem a vive com até 8 de outubro de 2017, em Fátima.
Fernando Silva sinceridade. Um grande abraço para todos.
O autor destas linhas recordou quem Domingos Cardoso Fernandes
8 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

TEXTO: SÉRGIO CABRAL NOVE MESES EM PEMBA
Não caímos de para-quedas. O facto foi crescendo em si o desejo de “um partir do que já se faz. Antes de mais, é
de estarmos aqui é fruto de um cami- dia” pisar o mesmo chão africano como preciso mergulhar neste chão, conhecer
nho longo, que teve como ponto de missionária. Esse dia chegou em 2013, as suas propriedades para encontrar as
partida, para mim, a Sociedade Mis- após um ano de formação nos Leigos suas potencialidades. É preciso cami-
sionária da Boa Nova. Para a minha Boa Nova, grupo do qual também, faço nhar com as pessoas, nas suas alegrias e
esposa, Ana Sofia, o ponto de partida parte desde 2003. tristezas, viver com elas, aprender com
foi o testemunho do Padre João Torres. Como Pemba já ocupava um “lugar” elas. A nossa presença não teria senti-
Em 2001, a Paróquia Maria Auxilia- em nós, decidimos que o nosso pri- do sem elas, portanto só com elas é que
dora em Pemba foi o campo de missão meiro ano de casamento era o tempo podemos fazer bem o que é necessário
escolhido pela SMBN para realizar o propício para vivermos em Pemba. E cá fazer.
meu estágio missionário, onde se en- estamos a ocupar um “lugar”, em casa, Não gostaria de terminar este ar-
contrava o padre Albino dos Anjos portanto. tigo sem referir algumas das marcas
e onde, ainda, se encontra o Irmão O nosso trabalho não é avulso, mas deixadas pela SMBN nesta diocese,
Godinho. Estive aqui durante onze de colaboração com a Paróquia Maria quase do tamanho de Portugal, na vida
meses. Um tempo “fora” do tempo a Auxiliadora e com a Diocese de Pemba. das pessoas. Não me refiro às grandes
que estamos habituados, porque aqui O nosso objetivo não é fazer de novo, construções do tempo colonial, como
o tempo costuma desregular-se logo mas fazer nascer a partir do que já se é exemplo a Missão do Mariri, mas
nos primeiros tempos. Primeiro, anda faz para que o bem e a esperança che- aos valores evangélicos deixados no
mais lento para nos ensinar a parar. guem a mais pessoas. Aliás, em nove coração das pessoas que possibili-
Começamos, então, a compreender meses é possível dar à luz novos re- taram a construção de vidas novas.
um pouco mais do chão que pisamos. bentos a partir destes ramos da Igreja Valores como o amor e a justiça, a fé
E nesse confronto com a realidade, so- Moçambicana. No regresso, esperamos e o perdão, o despendimento e a gra-
mos obrigados a “reformularmo-nos” vê-los um pouquinho mais frondosos. tuidade... É frequente encontrar pes-
interiormente. Depois, com naturali- Na paróquia, temos colaborado es- soas que me dizem: “fui batizado pelo
dade, começamos a construir vínculos sencialmente em três áreas: Formação Padre Gonçalves” ou “pelo Padre Zé
de amizade e de crescimento mútuo de lideranças, Ajuda Fraterna (Caritas Marques”, ou até mesmo pelo Padre
consistentes, que até hoje não se apa- Paroquial) e Escolinhas. Na diocese, a António Tavares da Silva, que saiu des-
garam. nossa colaboração centra-se na elabo- ta diocese na altura da independência
Entre 2002 e 2003, o padre João Torres ração e acompanhamento de projetos de Moçambique. É frequente encontrar
era diácono na Paróquia de São Mar- que precisam de financiamento exteri- pessoas que lembram com carinho o
tinho de Tibães, terra natal da minha or, na assessoria à direção do colégio, Padre Albino e o trabalho que desen-
esposa, tendo-o conhecido lá. Após ter no que se refere às áreas pedagógica e volveu nas escolinhas ou no Colégio
sido ordenado sacerdote, partiu para a pastoral, na lecionação de Português Dom Bosco. É bom ouvir pela boca de
diocese de Pemba, concretamente, para de iniciação para um pequeno grupo macuas e macondes palavras de estima
a missão de Ocua, onde se encontra de missionários senegaleses que estão para com os nossos missionários e ver
atualmente um grupo de missionários a preparar-se para iniciarem o seu tra- em cada um dos seus rostos um leve
da arquidiocese de Braga, um dos quais balho apostólico na Missão de São Luís sorriso. É sinal de que algumas das se-
– o padre Jorge Vilaça – que também de Monfort de Mesa, e em outros tra- mentes germinaram.
veio em 2003 com o padre João Torres. balhos pontuais solicitados pelo Bispo Que as sementes de Deus, que nós
A minha esposa sempre acompanhou Dom Luiz Fernando Lisboa. lançamos aqui ou aí, possam também
o seu apostolado em terras de Ocua e No entanto, não basta fazer nascer a um dia germinar.
9 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

da sua terra que ele será enviado para
terras longínquas. Através dele a Arqui-
diocese de Nampula estará presente em
muitos povos, em outras culturas. Isso
é maravilhoso por que se realiza a di-
mensão universal da Igreja”.
No final da homilia, o padre Adelino
Ascenso desejou ao Hipólito que nunca
abandone a alegria do evangelho e de
ser evangelizador, e que seja sempre ins-
trumento de Deus, de justiça, de mi-
sericórdia e de paz.
No final da celebração o padre Adeli-
no Ascenso tornou publica a nomeação
do Hipólito Vida para o Japão. Após
este anúncio, a assembleia expressou
ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE a sua alegria com palmas e “brados de
alegria”.

HIPÓLITO VIDA O chamado copo-d’água foi na casa
de um irmão do Hipólito, à saída da
cidade de Nampula, na estrada que
TEXTO E FOTOS: SÉRGIO CABRAL amadurecimento da vida interior e da segue para Malema. A receção foi calo-
confiança; o entorpecimento da paixão. rosa com os familiares, convidados e
No domingo, dia 11 de dezembro, Há o perigo de cairmos na tentação dos um grupo de mamãs a dar-lhe as boas
Hipólito Vida foi ordenado presbítero. “ses” e dos “mas”. Se cairmos nos cal- vindas, através de cânticos e de danças.
A celebração foi presidida pelo Admi- culismos, condicionamos o comprom- Aos poucos foram chegando os restan-
nistrador Apostólico de Nampula, Dom isso. O amor é incondicional. Por isso, tes convidados vindos da catedral de
Ernesto Maguengue e concelebrada o consagrado não pode ser calculista. Nampula. Entre os convidados, estavam
por muitos padres do clero local e dos O missionário precisa cada vez mais da presentes quase todos os missionários
Missionários da Boa Nova em Moçam- espiritualidade da coragem, da sobrie- da família Boa Nova que se encontram
bique, na presença do Superior Geral, dade e do risco. em Moçambique a trabalhar, faltando
padre Adelino Ascenso, e do Superior O padre Adelino Ascenso falou ainda apenas, o padre Amaro, a Sofia e a Di-
Regional, padre Anastácio Jorge. da diocesaneidade do padre Hipólito ana, e o Irmão António Lopes. Também
A Catedral estava repleta de gente, Vida: “O Hipólito é originário da di- estavam presentes a maior parte do cle-
proveniente de toda a diocese, para fes- ocese de Nampula, por isso tem toda ro diocesano local e muitos religiosos e
tejar o sacerdócio deste filho de Nam- a lógica que ele seja ordenado na sua religiosas que trabalham na diocese de
pula. Os cânticos alegres ritmaram as terra. Será como expressão da missão Nampula.
danças e ajudaram a vivência de cada
momento da celebração.
A homilia foi dividida entre Dom Er-
nesto Maguengue e o Superior Geral da
SMBN, Padre Adelino Ascenso.
Dom Ernesto Maguengue manifestou
a sua alegria e a alegria de toda a Igreja
de Nampula por este acontecimento, e
saudou de forma especial, a sua família
e os padres da SMBN presentes.
Tomando a palavra o padre Adelino
Ascenso, falou um pouco da sua ex-
periência no Japão e falou de alguns
“grãos de areia na engrenagem” que
devem ser combatidos na vida sacerdo-
tal, nomeadamente: a falta de vida co-
munitária. O isolamento conduz a um
individualismo progressivo e ao dese-
quilíbrio da espiritualidade. Por isso a
vida comunitária é fundamental para o
10 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

NOS BRAÇOS DE DEUS
Marinho da Silva Manuel Albertino
Borges Pinto da Silva
Faleceu no dia 4 de Faleceu no dia 21 de
março de 2016, às março de 2016 com
quatro horas da ma- 79 anos o nosso co-
nhã, no Hospital da lega, armista, Manu-
Universidade de Coimbra, o Dr. Mari- el Albertino Pinto Silva, natural da
nho da Silva Borges, 66 anos, casado, freguesia de Gião, concelho de Santa
ORDENAÇÃO DIACONAL pai de 3 filhos, psicólogo. Era natural Maria da Feira. Atualmente, residia na
de Paus, Resende, entrou nos nossos região de Lisboa. Entrou no seminário
DE JOSÉ ANTÔNIO seminários SMBN em 1961 e residia de Tomar em 1949 e frequentou os
em Coimbra. seminários de Tomar e de Cernache do
A celebração da Ordenação Diaco-
Era irmão dos Padres José Tomás Bor- Bonjardim.
nal do José Antônio Lima da Silva,
ges e Anselmo Borges e de Victor Bor- O seu funeral teve lugar na Igreja de
natural de Matina (Bahia, Brasil),
ges, também armista. Amadora no dia 22 de março, tendo
realizou-se no dia 4 de dezembro,
Marinho antes de partir escreveu: sido sepultado no cemitério local.
na Paróquia Maria Auxiliadora em
Pemba (Moçambique) e contou com
“Partirei de manhã bem cedo
a presença do Sr. Bispo de Pemba,
Subirei cá do fundo até S. Cristóvão
D. Luiz Fernando Lisboa, do Supe-
Para rever o milagre do nascer do Sol Jaime Duarte
rior Geral da SMBN, Padre Adelino Surgindo da Serra das Meadas
Ascenso, e do Superior Regional da da Silva Covas
E assistir à explosão de Vida neste nosso Faleceu no dia 26 de
SMBN em Moçambique, P. Anas- vale de Paus
tácio Jorge. março de 2016 com
Partirei de manhã bem cedo 95 anos, Jaime Duarte
E subirei, subirei
da Silva Covas, natu-
Até ganhar folga para esvoaçar com as
ral de Ovar e, atualmente, residente
aves
em Cucujães. Entrou para o Seminário
Não toquem a rebate
de Tomar em 1934, frequentou os
Não chamem a GNR
Não avisem as autoridades seminários de SMBN de onde saiu em
Porque não desapareci 1945. Esteve muitos anos em Angola
Não toquem a finados ao serviço dos Caminhos de Ferro. No
Porque não morri regresso a Portugal foi funcionário da
Apenas subi e parti CGD no Cartaxo. Após a sua aposen-
Ninguém me encontrará morto tação regressou a Cucujães e ao confor-
Subi e parti rumo à Eternidade. to dos seus familiares até ao fim...
Sempre vivo. O seu funeral realizou-se no dia 28 de
O nosso amor continua. março de 2016 na Igreja paroquial de
Sois a minha vida. Cucujães e foi sepultado no cemitério
ORDENAÇÃO DIACONAL Continuareis a sê-la na minha outra da mesma freguesia.
DE RUI FERREIRA vida.
Subi, subi, subi e parti ao raiar da
No dia 8 de dezembro, festa da Ima- madrugada
culada Conceição, no Mosteiro dos Ao encontro de Deus proclamado e Rui Miguel Neves
Jerónimos, o sr. Cardeal-Patriarca, D. experienciado por Jesus Cristo Fernandes
Manuel Clemente, ordenou diácono E testemunhado pela nobreza e honra Faleceu no dia 12 de
o missionário da Boa Nova Rui Jorge dos meus pais e tios abril com 40 anos,
Santos Vieira Ferreira. Rui é natural E pelos percursos de vida exemplares de Rui Miguel Neves
de Torres Vedras e a sua família mora milhões de pessoas ao longo dos séculos. Fernandes, natural
em Santa Cruz, paróquia de Silveira, Não toquem nunca a finados. do Estreito (concelho de Oleiros), que
Porque não morri. entrou para o Seminário de Cernache
no Patriarcado de Lisboa.
Apenas parti...” do Bonjardim no ano letivo de 1987/88.
11 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

Mais tarde ingressou no Seminário de José Manuel Teixeira Augusto Marcos e de Adélia de Jesus
Valadares, tendo realizado, em 1994, Faleceu no dia 21 de Jorge. Entrou no Seminário das Missões
o seu juramento temporário. Em 1996 outubro de 2016, no de Tomar em setembro de 1942 e fez o
acabaria por sair, mas sempre preser- Hospital de Santa primeiro juramento missionário a 15
vou um vínculo muito afetivo com a Maria, em Lisboa, o de setembro de 1952. Foi ordenado
SMBN. armista José Manu- sacerdote a 29 de junho de 1956 no
O Rui esteve presente no encontro da el Teixeira. Era natural de S. Miguel Seminário de Cucujães. Iniciou a sua
ARM do passado dia 8 de dezembro d’Acha, concelho do Fundão, e entrou atividade missionária no Seminário de
de 2015 em Cernache do Bonjardim. no seminário de Tomar em 1957. Foi Tomar como prefeito e vice-reitor. Em
O seu rosto já traduzia bem a luta que quadro superior na CP, mais tarde na 1961 veio para Valadares como pri-
travava contra a doença que acabaria REFER. meiro superior da casa. Partiu para as
por levá-lo para junto de Deus. Mas, ao missões de Moçambique em outubro de
mesmo tempo, sentimo-lo feliz por es- 1964 onde permaneceu praticamente
tar connosco naquele lugar tão especial até 1996, apenas com alguns intervalos
para todos nós. Mário Fernando em Portugal. Depois do seu regresso
Coelho Veiga ficou no Seminário de Valadares, sem-
Em 30 de Novembro pre ligado à economia e aos serviços da
de 2016, pelas 7 horas casa. Faleceu neste Seminário na noite
Padre Luís Marques de 7 de janeiro de 2017.
Ribeiro da manhã, com 89
anos de idade, faleceu Em África, distinguiu-se como homem
O P. Luís Marques Ri- prático. Perante as dificuldades, encon-
beiro faleceu no dia 9 o nosso amigo e colega Armista, Mário
Fernando Coelho Veiga, residente na trava sempre a solução para as coisas
de maio de 2016, ten- às vezes complicadas. Durante os tem-
do sido sepultado em Póvoa do Varzim. Entrou no Seminário
de Tomar (Convento de Cristo) em pos difíceis da revolução, também ele
Alvaiade, Vila Velha de Ródão, de onde foi despojado de tudo como os outros
era natural. Entrou em Tomar em 2 de 1937. Foi funcionário da Caixa Geral
de Depósitos. missionários. Permaneceu sempre em
outubro de 1955, passou por Cernache Moçambique. Perante as dificuldades,
do Bonjardim e Cucujães, tendo sido Todos o conhecíamos pelas suas tiradas
literárias alegres e bem-humoradas, as- descobria sempre maneiras de as ul-
ordenado sacerdote em 28 de julho de trapassar, e com vantagem. Conseguiu
1968. sinadas com o seu pseudónimo “Lapin
Duprès”. Era Presidente honorário da não só sobreviver, mas até, com a sua
Partiu para as missões, onde trabalhou criatividade, livrar outros de grandes
alguns anos. Após o seu regresso, desli- ARM para a qual muito trabalhou em
parceria com todas as Direções forma- dificuldades.
gou-se da SMBN para prestar os seus Quando regressou a Portugal já vinha
serviços na Diocese de Castelo Branco. das desde 1944 até 1990. Um bom e
alegre contador de histórias. Deus cha- bastante debilitado. Teve que ser sub-
Foi Pároco na freguesia de Castelo de metido a várias intervenções cirúrgicas,
Vide. mou-o à sua Glória.
mas nunca desistiu de viver. Devido
ao seu carácter prático e inventivo, foi
capaz de transformar várias situações
Padre André Marcos difíceis em novas iniciativas.
Doutor Francisco Pelas vinte e três ho- Na última fase da vida começou a ter
Gonçalves dos Santos ras e cinquenta e oito vários limites, sobretudo de locução.
O Sr. Doutor Fran- minutos do dia 07 Mas nunca parou. Com a sua scooter
cisco Gonçalves dos de janeiro de 2017, elétrica ele ia a todo o lado: preparou
Santos faleceu no véspera da Epifania, o rampas para subir ao primeiro andar
Porto no dia 11 de INEM chamado para assistir o P. André onde vivia e para ir a todas as refeições
junho de 2016. Natural de Almeida, foi Marcos, viu-se na situação de atestar a na sala de jantar e à Igreja para a euca-
membro da SMBN, professor de Te- sua morte. ristia. Mesmo debilitado, celebrava,
ologia, diretor da Revista Boa Nova e Damos graças a Deus pela riqueza da com a ajuda dos companheiros, a eu-
Reitor do Seminário da Boa Nova em sua vida missionária, pedimos ao Se- caristia diária e tinha ao seu lado o
Valadares. Deixando a SMBN foi pro- nhor da Messe que o receba no Seu Rei- enorme terço com contas de madeira
fessor na escola pública. no e que nos dê a mesma coragem de que rezava pelas missões e por toda a
O seu funeral realizou-se no dia 13 de sermos missionários até ao fim. Sociedade Missionária.
junho, na Igreja do Bonfim pelas 10 O P. André Marcos nasceu em Duas Padre Jerónimo Nunes
horas. Igrejas, Miranda do Douro a 11 de Se-
tembro de 1928. Era filho de Álvaro
12 BOLETIM DA ARM - ASSOCIAÇÃO REGINA MUNDI

SALAMA-MALEMA MISSÃO 4X4
REMODELAÇÃO DA APOIO FINANCEIRO PARA O FICHA TÉCNICA
PAGAMENTO DE UM CARRO PARA
ESCOLINHA MUKATITHI: A PARÓQUIA MARIA
Propriedade:
ARM – Associação Regina Mundi
SUBIDA DE TELHADOS E
AUXILIADORA EM PEMBA Sede:
CONSTRUÇÃO DE ALPENDRE Rua da Bempostinha, 30
A paróquia Maria Auxiliadora, situ- 1150-066 Lisboa
Este projeto foi lançado em 22 de no- ada em Pemba (Moçambique), preci-
vembro de 2016 e foi concluído no dia sa de apoio financeiro para pagar um Tel.: 218 851546 | Fax: 218 850258
2 de dezembro de 2016, uma vez que carro 4x4 que adquiriu recentemente
se conseguiu chegar, rapidamente, à an- NIPC: 503 268 372
para o serviço pastoral e social. Esta NIB: 0035 0121 0000 1300 530 98
gariação do valor orçamentado de 4.000 compra impôs-se por causa das avarias
euros. para a remodelação da Escolinha frequentes dos restantes carros que já Presidente da Direção:
Mukatithi, em Malema (Moçambique). estão velhos. Fernando Manuel da Costa e Silva
Desde já, um grande obrigado a todos A paróquia irá encaixar cerca de
os armistas que contribuíram. Direção, Redação e Administração:
4.000 euros com a venda de dois carros
Seminário das Missões
(um dos quais já foi vendido) para aju- Largo da Igreja
“As salas atualmente existentes, devi- dar no pagamento de um Toyota Hilux Apartado 40
do à sua pouca altura, no tempo do cal- 4x4 de 2013, comprado recentemente 3721-908 Vila de Cucujães
or, são quase insuportáveis o seu uso, pelo preço de 15.000 euros.
(havendo) necessidade de se aumentar Após ter sido lançada esta campanha E-mail:
a altura das mesmas. arm@boanova.pt
em novembro passado, foram angaria-
O projeto mostra o aumento em al- dos 6.685,00 euros. O objetivo é chegar Site: www.arm.boanova.pt
tura e também em largura. O aumento aos 11.000,00 euros. No entanto, como Facebook: www.facebook.com/arm.
em largura é para ser um parrô plano e ainda contamos com a generosidade de reginamundi
coberto com chapas. algumas comunidades paroquiais que
Na junção das duas vontades de dar irão contribuir para esta necessidade, Fotocomposição e impressão:
altura e colocar um parrô para proteção estamos confiantes de que conseguire- Escola Tipográfica das Missões
da chuva leva a que a mudança fique Vila de Cucujães
mos atingir o objetivo, sem um novo
apenas com duas águas. pedido aos armistas. Tiragem desta Edição:
Este aumento estende-se às zonas Obrigado a todos os armistas que 750 Exemplares
da cozinha e lavagem, mas apenas em contribuíram.
cobertura de chapas, para que entre os Sérgio Cabral Colaboradores deste número:
dois blocos de salas de aula se possa cir- Armindo Henriques
cular evitando as chuvas e o sol. Domingos Fernandes
Assim melhoraremos as condições Fernando Silva
Gabriel Carvalho
para as nossas crianças”.
Joaquim Pereira
Santos Ponciano P. Adelino Ascenso
P. Amaro Ferreira
P. Jerónimo Nunes
P. Luís Figueiredo
P. Ricardo Marques
Santos Ponciano
Sérgio Cabral

Design e paginação:
Sérgio Cabral

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful