Você está na página 1de 1

Programa de Ps graduao em Educao (PPEDU/UFSJ) 2017

Disciplina: Tpicos Especiais da Pesquisa em Educao


Profa. Dra. Bruna Sola Da silva Ramos e Prof. Dr. Gabriel Menezes Viana

Gabriel Teodoro Gomes

Vou aprender a ler, para ensinar meus camar. Ouo da boca de Bethnia, que
canta a composio de Roberto Mendes, msico que deu melodia voz dum negro,
parido por um ventre de um navio, ouvido por um vento vazio, do ventre escuro
de um poro. Imediatamente, isso me remete ao meu lugar enquanto sujeito histrico,
vindo de um ventre, situado em um tempo histrico sou sujeito cuja leitura reflete e
refrata a voz, que agora narro em terceira pessoa: o outro. A personagem sujeito
principal da msica. A experincia de estar em contato com os referenciais que norteiam
esta singela leitura dessa msica uma tentativa de eu exemplificar minhas percepes,
ao ler cada um dos textos. Como dialog-los entre si, sem a materialidade de alguma
criao? Como no dialog-los com a histria dessa voz? Ela fala dela e dos outros
negros, e negras, dos outros navios negreiros, objetivados - e objetificados pelos
dominadores, diferendos, doutro tempo. Aqui, na msica, o negro o sujeito que
conversa comigo, coloca-me em uma situao limite, de estranhamento dessa histria
real, que no mais realidade, porm, que me traz sensaes: como compreend-la,
explica-la e comunica-la? Aproximo, ento, pesquisa de arte, e arte de criao
responsvel. Estou em um entrelugar. A voz que canta no navio, veiculada pela voz do
compositor e comunicada pela voz de uma interprete, mostra-me memria e
esquecimento. Este dilogo me d pistas, instiga-me a agir e conhecer, a complet-lo,
em um processo de tomada de conscincia. E ensina-me, tambm, que no preciso
coisificar para compreender. Vejo, nele, e em mim, o confronto entre o mundo da vida
e o mundo da cultura. Identifico-me, ento, com sua histria, sem ao menos ter estado
l. Tambm me excedo, a partir do que vejo. E escrevo: percebo ousadia e resistncia na
anunciao do sujeito ainda que na condio de objeto, de mercadoria carregada no
navio vai aprender a ler para ensinar seus camaradas. Camars que aprenderam
juntos, e ensinaram mais camars, que, com certeza, compreenderam ativamente, o
significado revolucionrio da resistncia em movimento. Ato de resistncia. Da leitura
do mundo, para a palavra, escrevo no pape/lugar de pesquisador em construo, que v
em toda e qualquer manifestao um pedao daquilo que acabou de ler, e quer/precisa
Compreender para transformar.