Você está na página 1de 6

Memorias II Congreso Latinoamericano de Ingeniería Biomédica, Habana 2001, Mayo 23 al 25, 2001, La Habana, Cuba

AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ELÉTRICA DO


MÚSCULO BÍCEPS BRAQUIAL DURANTE O
EXERCÍCIO COM UMA RESISTÊNCIA ELÁSTICA,
COMPARADO AO EXERCÍCIO COM UMA
RESISTÊNCIA FIXA

F. Azevedo, N. Alves., A. Carvalho, R. Negrão Filho

Universidade Estadual Paulista - Faculdade de Ciências e Tecnologia / Departamento de Fisioterapia.


Laboratório de Fisioterapia Aplicada ao Movimento Humano.
Rua Roberto Simonsem, 305 Cep: 19060-900 /Presidente Prudente / São Paulo / Brasil.
micolis@uol.com.br

RESUMO de faixas elásticas (Thera-Band®)1. Estas eram


utilizadas como alternativa aos halteres e aos
Apresenta-se um estudo do comportamento da aparelhos de musculação, pois o custo e a
atividade elétrica (EMG) do músculo bíceps braquial versatilidade do material permitiam que os
de pessoas sadias, quando submetidas a uma série de pacientes se exercitassem em praticamente
exercícios dinâmico resistidos cujas formas de qualquer local, principalmente em suas casas. A
resistências utilizadas foram um tubo de látex corda elástica promove uma resistência
(resistência elástica) e um peso fixo (halteres de progressiva durante um exercício dinâmico e
4Kg). Este estudo teve por objetivo comparar as pode ser utilizada como forma mista de
relações entre a EMG e a força gerada pelo músculo exercício, pois com ela pode-se exercitar tanto
bíceps braquial quando submetido a estes dois tipos positivamente (contração concêntrica) como
de resistência. O sinal elétrico do músculo estudado negativamente (contração excêntrica) um
foi coletado através de um condicionador sinais músculo ou grupo muscular [1,2,3,4].
utilizando-se eletrodos de superfície passivos Alguns terapeutas utilizam usualmente na prática
bipolares do tipo BECKMAN. A força muscular ambulatorial a corda elástica como forma de
dinâmica produzida pelo músculo foi determinada exercitar isocinéticamente um músculo ou grupo
através de algoritmos baseados em um modelo muscular. Estudos recentes apontam como
biomecânico dinâmico do sistema formado pela verdadeira esta afirmação no que diz respeito a
articulação do cotovelo e pelo músculo bíceps geração de força muscular durante um exercício
braquial. Desta forma procuramos indicar de com uma resistência elástica, entretanto eles
maneira objetiva as relações, no domínio do tempo, demonstram também a necessidade de se
do padrão elétrico e da força produzida durante os conhecer de forma mais detalhada as interações
dois tipos de exercícios. Estas relações entre a resistência elástica e a força gerada por
possibilitaram ao final do trabalho, uma melhor um músculo ou grupo muscular e as
compreensão do sistema de exercício com a corda conseqüências da sua aplicação durante um
elástica no aspecto do comportamento muscular protocolo de uso prolongado com o objetivo de
durante o exercício com a resistência elástica. fortalecimento múscular [5,6].
O outro método de exercício, cuja forma de
Palavras chaves: Bíceps braquial, Biomecânica, resistência é a carga fixa, foi inserido neste
Resistência elástica, Exercício dinâmico, EMG de trabalho com o objetivo de nos fornecer
superfície, Força muscular. parâmetros tanto para o melhor entendimento do
comportamento muscular durante o outro tipo de
exercício como também para nos permitir
1. INTRODUÇÃO discutir os resultados com base na ampla
literatura que aborda o treinamento muscular
A melhora na prescrição de protocolos de utilizando-se da carga fixa [1,2].
reeducação muscular (treinamento dinâmico de
força) por parte dos fisioterapeutas passa pelo uso
correto da corda elástica (Tubo de Látex) com fins 1
Thera-band and Associated Colors are trademarks of the
terapêuticos. A corda elástica surgiu na década de 80 Hygenic Corporation. ©1998 The Hygenic Corporation. All
nos ginásios de reabilitação dos E.U.A., em forma rightsreserved.

950-7132-57-5 (c) 2001, Sociedad Cubana de Bioingeniería, artículo 00119


A eletromiografia de superfície (EMG) é uma Para o experimento com a corda elástica, o
ferramenta amplamente utilizada em processos de indivíduo foi posicionado em pé e foi fixado na
avaliação clinica. A EMG pode apresentar de mão, uma das extremidades da corda elástica e a
alguma forma uma correlação com os fenômenos outra foi fixada no chão.
internos e por conta disso, alguns trabalhos tentam
demonstrar a relação entre a EMG Tabela 1
E a força produzida pelo músculo durante um Características antropométricas dos indivíduos
exercício. Estes trabalhos nos mostram que esta utilizados para os experimentos.
relação não é linear e está sujeita à interação de
variáveis incontroláveis [7,8,9,10]. A La c a
Os dados da força gerada pelo músculo bíceps nos I. 1 185 35 37 5
fornece parâmetros de comparação e de avaliação I. 2 179 33 35 5
importantes, pois através destes dados sabemos I. 3 163 30 31,5 4,5
como o músculo está se comportando, em termos de
geração de força, durante o exercício. Os dados A – Altura (cm); La – Comprimento do antebraço (cm)4; c –
Comprimento do braço (cm); a – Distância da articulação do
utilizados foram obtidos através de experimentos cotovelo a inserção do bíceps (cm)4.
nos mesmos indivíduos utilizados neste trabalho.
Com base em modelos biomecânicos simples O indivíduo realizou 10 movimentos de flexão e
bidimensionais e nos algoritmos elaborados extensão do cotovelo, partindo de 0o (posição de
,determinamos a força dinâmica gerada pelo repouso) até aproximadamente 125o, voltando a
músculo durante os dois tipos de exercícios 0o (posição de repouso) concluindo assim um
[6,11,12]. ciclo. A coleta para o um "pacote" de 10 ciclos
Dentro deste contexto propomos avaliar o foi realizada em uma velocidade angular
comportamento elétrico do músculo bíceps de constante, com o auxilio de um metrônomo
indivíduos submetidos ao exercício com a digital que marcava um ritmo de 60bpm (batidas
resistência elástica e com a resistência fixa, por minuto).
utilizando dados da força muscular gerada durante Para a captação da atividade elétrica do músculo
os dois tipos de exercício como referência para o foram utilizados mini eletrodos de superfície,
entendimento da EMG do músculo bíceps. bipolares (Ag/AgCl), tipo BECKMAN, com
diâmetro de 11 mm e superfície de detecção de
2mm. Estes eletrodos foram fixados a 2cm
2. METODOLOGIA abaixo do ponto motor localizado no ventre da
porção longa do músculo bíceps braquial. A
1. Corda elástica (tubo de látex). localização do ponto motor de cada indivíduo foi
feita através de estimulação elétrica. Os eletrodos
Foram utilizadas como cordas elásticas, tubos de foram fixados na pele através de fita adesiva tipo
látex novos, No. 204 da marca Lengruber2, com microporo, com uma distância de 3cm de centro
diâmetro de 12 mm e luz3 de diâmetro de 6mm, de a centro e conectados ao coletor de sinais por
diferentes comprimentos (90cm, 63cm, e 48cm, cabos de 120 cm de comprimento.
respectivamente para o indivíduo 1, 2 e 3) e com O eletrogoniometro foi fixado, na articulação do
coeficiente de elasticidade igual a 20N. Tendo preso, cotovelo.
amarrado com barbante de algodão, em cada ponta A corda elástica foi adaptada a altura do
uma argola de ferro. indivíduo testado de modo a não oferecer
resistência quando em descanso, no entanto esta
2. Indivíduos. também não estava frouxa. Chamamos este
estado inicial da corda antes do movimento como
Colaboraram com o experimento 3 indivíduos do estado de tensão zero.
sexo masculino, sadios, com idade igual a 20 anos e Para o experimento com o peso fixo, seguimos
com variações nas medidas antropométricas os mesmos procedimentos citados acima, no
correspondentes a tabela 1: entanto neste modo de exercício foi utilizado um
halteres de 4Kg.

3. Protocolo de coleta de dados. 4. Coleta de Dados (eletrogoniometria, e EMG).

Os dados coletados durante o experimento foram: o Para a eletrogoniometria, foi utilizado um


ângulo da articulação do cotovelo, e a EMG de eletrogoniometro constituído de duas hastes
superfície do músculo bíceps braquial. plásticas de 30 cm de comprimento, 0.5 cm de
espessura e 3 cm de largura, ligadas em uma das

2 4
Lengruber, Comércio de látex Ltda. São Paulo –SP. Determinado a partir de aferições de radiografias tiradas dos
3
Nome dado à parte interna, oca, do tubo de látex. indivíduos.
extremidades por um potenciômetro linear de 10K.
Os sinais provenientes do eletrogoniometro e da 6. Tratamento estatístico dos dados de EMG.
EMG foram captados em um módulo condicionador
de sinais, modelo MCS 1000 – V2, da marca Lynx5, Após o tratamento dos sinais de EMG estes
com 16 canais de entrada analógica. Um canal foi foram aplicados ao método de comparação
configurado para receber sinais do elétrogoniometro. paramétrica indicado para n ≥ 3, One-Way
Este foi calibrados para receber até 2V, além de uma ANOVA, onde o valor de p ≤ 5 corresponde a
freqüência de 20 Hz no filtro passa baixa. diferenças significativas entre a média dos dados
Outro canal neste condicionador foi calibrado para a submetidos a comparação.
captação dos sinais elétricos do músculo. O canal
para a EMG foi calibrado para filtrar os sinais 3. RESULTADOS
analógicos com freqüência de corte de 20 Hz no
filtro passa alta e 500 Hz no filtro passa baixa
A figura 1 apresenta os gráficos resultantes da
realizada através de filtro analógico, tipo
força dinâmica e da EMG gerada pelo músculo
“Butterworth” de dois pólos e com um ganho final
bíceps braquial durante o exercício com a corda
de 600 vezes.
elástica.
Todos os sinais analógicos foram amplificados e
preparados para serem digitalizados através de uma
Indivíduo1
placa de conversão de sinal analógico para digital Indivíduo2
Indivíduo3
(A/D) modelo CAD 12/36 da empresa Lynx, de 12 200
bits de resolução, com 16 entradas analógicas, a 150

Força (N)
freqüência de amostragem utilizada foi de 1000 Hz. 100
Para a aquisição e armazenamento em arquivos de
50
dados dos sinais digitalizados foi utilizado o
0
software Aqdados, da Lynx, versão 4.0 para o 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100

Porcentagem de ativação
sistema operacional Microsoft – DOS. 3

5. Tratamento dos sinais de EMG. 2

1
Para o tratamento dos dados de EMG foi utilizado o
0
software Microcal Origim ver. 3.54. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Os 10 movimentos de cada indivíduo foram Ciclo do movimento (%)

divididos em 10 pacotes separados para facilitar o


tratamento e posterior análise. Fig. 1 - Gráfico da força dinâmica e da EMG gerada pelo
Todos os sinais de EMG foram tratados para músculo bíceps braquial dos três indivíduos durante o
posterior comparação e análise, conforme descrito exercício com a resistência elástica.
nas seguintes etapas: i) retificação total do sinal –
também conhecido como retificação de onda A figura 2 apresenta os gráficos resultantes da
completa; ii) normalização da amplitude do sinal, força dinâmica e da EMG gerada pelo músculo
que neste caso foi empregado a média do sinal bíceps braquial durante o exercício com a
retificado da atividade dinâmica como valor de resistência fixa (4Kg).
referência; iii) envoltório linear – obtido a partir do Indivíduo1
Indivíduo2
traçado retificado, fazendo uso de um filtro (passa- 600
Indivíduo3

baixa) digital com freqüência de corte de 5Hz e que 500


resulta num envoltório que segue o contorno do sinal 400
Força (N)

de EMG; iv) normalização da base de tempo – 300


procedimento que tem como objetivo normalizar o 200
tempo de atividade dos diferentes sinais coletados, 100
0
onde o tempo é convertido em porcentagem do 5
0 20 40 60 80 100
Porcentagem de ativação

tempo de movimento (0 a 100%) [13,14,15,16]. 4


Os dados provenientes da eletrogoniometria
3
passaram pela normalização na base de tempo, e dos
2
dez sinais obtidos de cada indivíduo foi obtida uma
1
média para cada um que serviu como referencia para
a plotagem dos gráficos apresentados nos resultados. 0
0 20 40 60 80 100
Ciclo do movimento (%)

Fig. 2 - Gráfico da força dinâmica e da EMG gerada pelo


músculo bíceps braquial dos três indivíduos durante o
5
Lynx Tecnologia Eletrônica Ltda. Rua Sales Junior, 476 – São exercício com a resistência fixa (4Kg).
Paulo - Brasil
músculo com outros fenômenos fisiológicos
Observando as figuras 1 e 2 podemos observar que durante o exercício com a resistência elástica.
nos dois modos de exercício os traçados da EMG
são muito parecidos para os três indivíduos. Nos 5. CONCLUSÕES
exercícios com a corda e com o peso fixo o pico
acontece em aproximadamente 40%, próximo a Com base nos resultados apresentados e na
transição do movimento de flexão e extensão. Um literatura estudada podemos concluir que:
aspecto interessante observado é que no exercício
com a resistência elástica os traçados da EMG são a) Apesar de não existir diferença
mais suaves enquanto que no outro modo de estatisticamente significante entre os sinais
exercício os traçados da EMG apresentam picos EMG dos indivíduos exercitados com
menores a direita do movimento. resistência elástica e fixa, podemos afirmar
Após aplicar estes resultados ao tratamento que os resultados evidenciam tendência de
estatístico observou-se que todas as combinações de comportamento elétrico diferentes.
dados da EMG comparadas (para os três indivíduos) b) As diferenças antropométricas entre os
apresentaram p > 5. Este valor permite afirmamos indivíduos testados não representam um fator
que não foram encontradas diferenças significativas de alteração do padrão do traçado
na atividade elétrica do músculo bíceps durante os eletromiográfico gerado pelo músculo bíceps
dois tipos de exercício para os três indivíduos durante os dois tipos de exercício.
testados. c) A mudança no tipo da carga durante o
exercício não representa um fator de
4. DISCUSSÃO alteração do padrão do traçado
eletromiográfico gerado pelo músculo bíceps.
Os resultados apresentados acima nos permite fazer d) Novos estudos devem ser realizados
alguns apontamentos relevantes. Na figura 1 utilizando-se de formas diferentes de
observamos uma discreta relação entre a geração de tratamento do sinal de EMG, como por
força e a EMG do bíceps, no entanto apesar de a exemplo a analises do sinal no domínio da
força permanecer estabilizada em aproximadamente freqüência e a utilização de ferramentas de
60% do ciclo do movimento a amplitude do sinal de análise não linear, no objetivo de se
EMG não se estabiliza junto. Na figura 2 podemos aprimorar o conhecimento do comportamento
observar que apesar de o músculo estar deixando de fisiológico muscular durante o exercício com
gerar força a amplitude do sinal da EMG aumenta. uma resistência elástica.
As analises apresentadas acima correspondem aos
relatos sobre a relação entre EMG X força AGRADECIMENTOS
encontrados na literatura estudada [7,8,9,11].
Um ponto em comum entre os dois tipos de Agradecemos o apoio financeiro da Fundação
exercício é que em aproximadamente 40% do de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo -
movimento os dois gráficos da EMG apresentam seu FAPESP, o Prof. Dr. Orivaldo Lopes pelas
maior pico. Podemos sugerir que este fenômeno valiosas sugestões e colaboração, ao Sr. Milton
pode estar relacionado a algum mecanismo neuro- Hirokazu Shimabukuro, pelo suporte técnico e a
fisiológico que age durante a mudança no tipo de Raquel Napolitano pelo apoio na elaboração dos
contração muscular, pois neste momento o indivíduo ensaios.
esta próximo a transição do movimento de flexão e
extensão [3].
Outro ponto interessante é que as diferenças REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
antropométricas entre os indivíduos e a mudança no
modo de resistência utilizada durante o exercício [1] C. Kisner e L. A. Colby, “Exercícios terapêuticos”, 2a
ed., São Paulo, 1992.
produzem diferenças significativas na geração de [2] L. D. Lehmkuhl, L. K. Smith e E. L. Weiss,
força. Estas diferenças acontecem pela diferença “Cinesisologia clínica”, 5a ed. São Paulo, 1997.
entre os braços de alavancas e as ralações de [3] J. Weineck, “Biologia do esporte” 2a ed, São Paulo,
1991.3
momento a que estas estão sujeitas e pelo tipo de
[4] L. H. V. Vlack, “Princípios da ciência dos materiais”, São
carga a que o indivíduo é submetido[6]. Estas Paulo, 1970.
mesmas relações de momento e a diferença na carga [5] F. A. Mícolis, C. A. P. Valente e A. C. Carvalho, “Estudo
não alteram significativamente o sinal de EMG do da resistência do tubo de látex submetido a
estiramentos”, Anais do X congresso de iniciação
músculo bíceps quando comparamos os dois tipos de
cientifica da UNESP, pp. 295, Araraquara, 1998.
exercício para os três indivíduos testados. [6] F. A. Mícolis; N. Alves; A. C. Carvalho Avaliação do
Diante destes resultados é claro que estudos mais torque e da força gerada pelo músculo bíceps braquial
abrangentes devem ser realizados utilizando-se de durante o exercício com uma resistência elástica,
comparados aos exercícios com uma resistência fixa e
ferramentas que possibilitem a apresentação de
ao isocinético. XII Congresso brasileiro de engenharia
novas relações entre o sinal de EMG gerado pelo biomédica, Florianópolis, 2000. p.167 - 172.
[7] DE Luca, J. C.; Basmajian, J. Muscles alive: Their functions
revealed by eletromyography. 5a edição. USA 1985.
[8] DE Luca, C.J. & Erim, Z. Common drive of motor units in
regulation of muscle force. Trends neurosci, v.17, p.299-305,
1994.
[9] DE Luca, C. J. The use of surface electromyography in
biomechanics. Journal of applied biomechanics. 1997, v.13,
p.135-163.
[10] F. A. Mícolis, R. F. Negrão Filho e A. C. Carvalho. “A
atividade elétrica do músculo bíceps braquial em diferentes
ângulos e resistências”, Revista de fisioterapia da
Universidade de São Paulo, v. 6, pp. 36, suplemento, 1999.
[11]A. C. Amadio, “Fundamentos biomecânicos para a análise do
movimento humano”, Laboratório de Biomecânica /
EEFUSP, São Paulo, 1996.
[12]W. Baumann, “Procedimentos para determinar as forças
internas na biomecânica do ser humano – aspectos da carga
e sobrecarga nas extremidades inferiores”, IV Congresso
Brasileiro de Biomecânica. Brasília. Conferencia de
Abertura, 1995.
[13] D. A. Winter, “Biomechanics in the reabilitation of human
movement”, 1a ed., Waterloo, 1991.
[14] D. A. Winter, “The biomechanics and motor control of
human movement”. 2a ed., Ontário, 1990.
[15] D. A. Winter, “Biomechanics of human movement” 2a ed.
Ontário,1979.
[16] A. Burden, R. Bartlett, "Normalization of EMG amplitude:
an evaluation and comparison of old and new methods".
Medical Engineering e Physics, 21, 247-257, 1999.
EVALUATION OF THE ELECTRIC ACTIVITY OF THE
MUSCLE BICEPS BRACHII DURING THE EXERCISE
WITH A ELASTIC RESISTANCE COMPARED TO THE
EXERCISE WITH A FIXED RESISTANCE.
ABSTRACT
This paper presents a study of the behavior of the electric activity (EMG) of the muscle biceps brachii of
healthy people, when submitted the a series of dynamic resisted exercises whose forms of used resistance
were a tube of latex (elastic resistance) and a fixed weight (4Kg). This study had for objective to compare the
relationships between EMG and the force generated by the muscle biceps brachii when submitted to these two
types of resistance. The electric signal of the studied muscle was collected through a surface EMG being used
a pair of passive electrodes type BECKMAN, with final gain of 600 and frequency of acquisition of 1000Hz.
The dynamic muscular force produced by the muscle it was determined through algorithms based on a
biomechanic dynamic model of the system formed by the joint of the elbow and for the muscle biceps brachii.
This way we tried to indicate in an objective way the relationships, in the domain of the time, of the electric
pattern and of the force produced during these two types of exercises. These relationships made possible at
the end of the work, a better understanding of the exercise system with the elastic rope in the aspect of the
muscular behavior during the exercise with the elastic resistance.

Key words: Biceps brachii, Biomechanic, Elastic resistance, Dynamic exercise, Surface EMG, Force.