Você está na página 1de 2

Visão cristão do trabalho (Gen.

01 E 02)
INTRODUÇAO.
baseado no livro COMO INTEGRAR FÉ E TRABALHO DE TIMOTHY KELLER.
COMO CRISTAO LIDAO COM A VISAO DE TRABALHO
 Alguns justificam suas habilidades pela sua utilidade espiritual (um musico toca na equipe de louvor)
 “Servir no reino” é sinônimo de atividade ministerial de tempo integral (Pastor, missionário etc.)
 Criar alternativas “cristão” de trabalho para proporcionar um ambiente mais favorável.
Três alternativas apresentam uma dicotomia, mostrando como se trabalho e fé não andassem juntos,
como se fosse algo que não agradassem a Deus, se não estiver em um ambiente de trabalho cristão.
Havendo dois tipos diferente de dicotomia (um elemento que apresenta duas fases contrarias)
DICOTOMIA APARENTE  em resumo, um mal testemunho no trabalho (algo no trabalho e outro
na igreja)

DICOTOMIA DISFARÇADA  Em resumo, se mostram moralmente corretas no emprego, mas praticam


atividades incoerente com sua fé. Exemplo. um advogado que trabalho quebrando brechas na lei (Verdade
Absoluta - Nancy Pearcey). O Coaching que nutri sonhos idolatra em função de lucro para empresa.

SOLUÇÕES COMUNS PARA DICOTOMIA: Atividades espirituais (evangelização, reunião de oração,


ouvir música evangélica, etc.); Ética individual (honestidade, pontualidade, submissão às autoridades,
eficiência, etc.), estas soluções não integram fé e trabalho pois ela na verdade nos evidenciam esta
dicotomia, ser um empresário cristão não é somente aquele que a exemplo deixa uma Bíblia em cima da
mesa para que alguém pergunte o motivo e abra oportunidade para testemunhar, ou ora pelos negócios
agradecendo cada êxito profissional , ou compartilha sus lucros com instituições de caridade, isso tudo é
valido mas ainda é pouco, Temos essa noção, mas nenhuma desta atitudes aborda a questão de como a fé
deve influenciar a maneira de trabalhar. Nenhuma das atividades é errada em si mesma, só que elas não
moldam a atividade profissional em si. A ILUSTRAÇAO DO LEGO(se ser cristão no trabalho significa atividades
espirituais e ética individual, você apenas anexou a fé a sua profissão, como duas peças de lego, porém, que
elas não estão fundidas, integradas e qualquer ação contraria as desconecta, porque ainda são duas coisas
separadas.
A Fé tem que permear o seu trabalho como fermento leveda toda massa, deveríamos sempre pensar
sobre os valores que nossas atividades carregam. Precisamos deixar de ser profissionais que são cristãos(fé
anexada à vocação) para nos tornarmos critãos em nossa profissão( fe transformando a vocação)
Porém, não basta só entender, alguém não muda só porque entendeu, pois não é por palavras que
mostramos que cremos, mas sim pela nossa maneira de agir, expressamos nossa crença.” A verdadeira
religião, não é o que esta no quartinho, mas o que está debaixo da terra. Não basta compreender estes
fundamentos, é preciso andar sobre eles

01 – O proposito original do trabalho (CRIAÇAO) (JO 05: 17)

 “TRABALHO COMO VOCAÇÃO” – Gen. 02. 01-03 – O Deus que trabalha, e fez o homem a sua
imagem: criativo, cultivador e gerenciador (Gen. 1.28; 2,15)
A ordem para trabalhar é criacional, não uma maldição (Gen. 03:17). Tal é sua dignidade que trabalho
não é o que você faz para viver, mas o que você vive para fazer. Todos os tipos de trabalho são dignos. Se
somos chamados a trabalhar, precisamos faze ló conforme quem nos chamou.

 SOMOS CHAMADOS A CULTIVAR - Somos chamados a fazer cultura (cultivo) (Gen. 02:15)

 TRABALHO COMO SERVIÇO - precisamos resgatar o sentido de serviço quanto atribuído ao nosso
trabalho (desprendido, suprindo necessidades do próximo). Pois o trabalho só é vocação se dor
serviço a outros, não realizado para nós mesmos. Quando fazemos para os outros somos como
“mascaras de Deus” para o bem-estar do próximo. Colossenses 3:23
Pra vc ter chegado ate aqui preciso do serviço de muita gente

Senso de proposito muda a atitude de trabalho (OS 03 TRABALHADORES construtores da


catedral.)

02 – Os desafios presentes ao trabalho (QUEDA)


A história da queda Gen. 03 – A maldição divina sobre o trabalho (Gen. 3.17-19) não transformou o
trabalho em algo mau, mas evidenciou os empecilhos que o pecado trouxe para o sustento da vida (trabalho
dá trabalho).
- O trabalho ficou quase infrutífero (isso gera uma expectativa maior do que os resultados) sentimos
nos inúteis para transformar o mundo.
- Muitos caem no idealismo utópico (história de Caim) e outros no ceticismo murmurador

- O desenvolvimento profissional na linhagem distante de Deus (Gn 4.17,20-22) foi usado para
atingir poder, fama e autonomia (Gn 11.4). Babel representa os dois anseios natos ao homem (identidade e
relacionamento) sendo buscados à parte de Deus; Babel é o retrato das utopias humanas terminando em
fracasso.
O problema que a queda traz, Eclesiastes oscila entre gratidão do trabalho e seus frutos (EC. 3.13,22)
e uma visão pessimista do trabalho (Ec. 2.17; 4.8) como se estivéssemos ouvindo um niilista (não acredita
em nada, vê tudo sem proposito, sem razão). O que aprendemos com isso?
O livro ilustra a decepção de um cristão que separa o sagrado do secular, o eterno do mundano. Viver
a vida “debaixo do sol” sem referencia ao Senhor traz alegrias passageiras, mas ao final é desesperador.

Quando a fé não é integrada ao trabalho, corremos o risco de vivermos Eclesiastes. Pois a nossa
perspectiva de trabalho se separa da visão do reino, e tudo vira somente vaidade, em uma perspectiva terrena
e não celestial.

03 – A abrangência do evangelho para o trabalho(REDENÇAO)


Um exemplo do que seria trabalhar a luz da redenção, a historia de Esther. Esther se passa durante o
reinado persa, ASSUERO, o rei, poderoso e arbitrário, ele depõe a rainha, aconselhado a fazer um concurso
para nova rainha, onde uma das escolhidas a nova rainha é Esther (cativa, órfão). Capitulo 02 mostra a
dicotomia (entre o que é e o que faz) de Esther, ao não declarar o seu povo, diferente de Daniel e seus amigos.
Modercai propõe porque quer o melhor para Esther, assim, como a maioria dos pais, que trabalham e
ralam, e quando alguém reclama do tipo QUERIA VER VC MAIS EM CASA, geralmente responde eu estou
fazendo isso porque eu quero melhor para nossa família! Que seria ter dinheiro para colocar os filhos em uma
boa escola, viajar, trocar de carro, fazer reforma na casa, comprar algum imóvel. Imagina o que não tem
dinheiro não pode dar o melhor para família. Mas a visão bíblica é bem diferente do que UM PAI DE
FAMILIA DAR DE MELHOR À FAMILIA. O pai de família na escritura sagrada ele aquele que ensina os
seus filhos o TEMOR DO SENHOR. Amam conselho do rei, promove um decreto que os judeus deveriam
morrer. No livro de Esther embora não menciona o nome de Deus, existe um senso de redenção em que Deus
usa pessoas para preservar o seu povo.
No Cap. 4: 14 nos mostra o trabalho como vocação, Esther é chamado a responsabilidade de integrar
o que ele é ao que ela faz. O final da historia é estranha aos nossos olhos, pois, Esther oferece banquete o
tempo todo, trabalho próprio de Rainha, banquete para articular ações políticas, agindo em conformidade a
posição que ela foi colocada, planejando como livrar o povo de uma ação injusta.

O trabalho tem tudo a ver com a nossa visão Crista do homem, a Criação, a queda e a redenção
Trabalho não é aquilo que nos traz deleite, o trabalho é aquilo que traz deleite a todos. Chamando a
atenção que a trabalhos que são privilegiados por talentos que temos, e que são chamados a trabalhar e não
há uma profissão