Você está na página 1de 4

CAPÍTULO 5 – CRITÉRIO POPULAÇÃO DOS

ICMS Solidário 2016


50 MUNICÍPIOS MAIS POPULOSOS

Carolina de Resende Pires Miranda Rodrigues


Consultora da Gerência-Geral de Consultoria Temática. Gerência de
Direito Constitucional e Administração Pública – ALMG.

Cristina de Noronha Magalhães


Consultora da Gerência-Geral de Consultoria Temática. Gerência de Economia – ALMG.

1 DESCRIÇÃO DO CRITÉRIO

Esse critério é apurado pela relação percentual entre a população residente em cada
um dos cinquenta municípios mais populosos do Estado e a população total desses
municípios, medida segundo dados do IBGE, tendo como objetivo contemplar os 50
municípios mais populosos do Estado. Nos termos do Anexo I da Lei do ICMS
Solidário1, o percentual da distribuição dos recursos para esse critério é 2,00%.

O critério População dos 50 Municípios Mais Populosos é apurado pela Fundação João

Pinheiro2 – FJP –, com base nos dados fornecidos pelo IBGE. Nem a forma de apuração nem o

seu percentual foram alterados pela Lei nº 18.030, de 2009, comparativamente à lei que a

antecedeu, ou seja, a Lei nº 13.803, de 2000 3, a chamada Lei Robin Hood (art. 1º, IV).

2 ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS DO CRITÉRIO

Percebe-se na prática que esse critério, População dos 50 Municípios Mais Populosos, jun-

tamente com o critério População, objetiva contribuir para diminuir a tendência à concen-tração

representado pelo critério VAF. Assim, assim como o critério população, o critério Po-pulação

dos 50 Municípios Mais Populosos objetiva possibilitar uma melhor distribuição do ICMS entre

os Municípios. Além disso, ao se analisar o ICMS solidário em contraponto com o Fundo de

Participação dos Municípios – FPM –, percebe-se uma tentativa de incremento na distribuição

do imposto, no sentido oposto à distorção criada pelo FPM. Assim, um município que já recebe

pelo critério População pode vir a receber também pelo critério População dos 50 Municípios

Mais Populosos. Tais critérios, somados, equivalem a 4,70%.

1 MINAS GERAIS. Lei nº 18.030, de 12 de janeiro de 2009. Dispõe sobre a distribuição da parcela da receita do
produto da arrecadação do ICMS pertencente aos Municípios.
2 FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Centro de Estudos de Políticas Públicas. Distribuição de ICMS aos municípios
do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013. (Banco de Dados.)
3 MINAS GERAIS. Lei nº 13.803, de 27 de dezembro de 200. Dispõe sobre a distribuição da parcela da receita
do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos municípios.

77
idário 2016
Analisando-se os dados, observa-se que a maior parte do percentual distribuído por esse

critério, isto é, 51,62%, foi destinada à região Central, a mais populosa do Estado e o

percentual restante, 48,38%, foi destinado às outras regiões de planejamento.

Ainda, o valor repassado a Belo Horizonte por esse critério foi de 23,15% do valor
distri-buído, o que corresponde à R$ 30.173.260,80. Verifica-se que a capital foi
beneficiada em relação aos municípios de outras regiões de planejamento como
Montes Claros, no Norte de Minas, que recebeu R$ 4.630.760,91 por esse critério, e
Coronel Fabriciano, no Rio Doce, que recebeu R$ 1.317.568,48, embora concentre
uma maior atividade econômica (maior VAF).

Analisando os municípios de Ribeirão das Neves e Betim, ambos incluídos


dentre os 50 municípios mais populosos, podemos observar o explicado acima:

Tabela 1 – Transferência de ICMS, total e pelos critérios População e População dos 50


Municípios mais Populosos, e de FPM para Ribeirão das Neves e Betim – Minas Gerais, 2012

Município

População (hab.)

Transferência de ICMS (R$)

Transferência de ICMS pelo critério População (R$)

Participação relativa do critério População na transferência de ICMS (%)

Transferência de ICMS pelo critério 50 municípios mais populosos (R$)

Participação relativa do critério População dos 50 municípios mais

populosos na transferência de ICMS (%)

FPM (R$)

Fonte: MINAS GERAIS. Assembleia Legislativa. Diretoria de Processo Legislativo. Gerência-Geral de Consultoria Temática.
Fonte primária: FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Centro de Estudos de Políticas Públicas. Distribuição de ICMS aos
municípios do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2013. (Banco de Dados.)

Por um outro lado, de uma maneira ampla, mas nem sempre verdadeira, municípios
mais populosos tendem a possuir melhor infraestrutura para prestação de serviços.
Assim, esses municípios acabam tendo um papel importante em algumas politicas
pú-blicas realizadas de maneira regionalizada, atendendo, assim, cidadãos de
municípios menores que se localizam próximos dos municípios mais bem equipados.
Consequen-temente, esses municípios se tornam polos e tendem a ter despesas
maiores, e, por-tanto, é justo que eles sejam compensados pelo gasto a mais
derivado do atendimento à população de outros municípios.

Pensando nessa linha, garantir que esses “municípios polo”, e não necessariamente
os mais populosos possam ser compensados através do repasse do ICMS Solidário
poderia dar mais
efetividade ao critério
ora analisado.
78
Observamos, portanto, a importância do critério População dos 50 Municípios Mais Po-

ICMS Solidário 2016


pulosos. Podemos exemplificar positivamente a adoção desse critério para municípios que
têm população elevada, mas baixa atividade econômica, como aqueles que têm
característica de cidade-dormitório, por exemplo, o Município de Ribeirão das Neves. No
entanto, tal critério não é isento de críticas, pois pode haver um município com popula-ção
elevada, mas também atividade econômica elevada, como o Município de Betim, o que
não refletiria um caráter tão expressivo de diminuição da concentração que o VAF
representa, além de distribuir para um município com atividade econômica elevada um
recurso que acaba sendo irrisório diante de seu orçamento, e que, por outro lado, poderia
ser bastante significativo para um município com menor atividade econômica.

REFERÊNCIAS

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Centro de Estudos de Políticas


Públicas. Distribuição de ICMS aos municípios do Estado de Minas
Gerais. Belo Horizonte, 2013. (Banco de Dados.)

MINAS GERAIS. Lei nº 13.803, de 27 de dezembro de 200. Dispõe sobre a distribuição da


parcela da receita do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos municípios.
Disponível em: <https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa. html?
tipo=LEI&num=13803&comp=&ano=2000>. Acesso em 17 ago. 2015.

MINAS GERAIS. Lei nº 18.030, de 12 de janeiro de 2009. Dispõe sobre a distribuição da


parcela da receita do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos municípios.
Disponível em: <https://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa. html?
tipo=LEI&num=18030&comp=&ano=2009>. Acesso em: 14 ago. 2015.
79

Interesses relacionados