Você está na página 1de 2

UniCEUB – Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais

1
Direito Internacional Público
reconhecidos pelo DI. Ato jurídico como fator direto e
determinante do dano. A relação entre a ação ou omissão e
SOLUÇÃO DE CONTROVÉRSIAS o dano deve ser imputável ao Estado.
INTERNACIONAIS Causas de exclusão da ilicitude

Responsabilidade Internacional1 - consentimento da vítima;


- contramedidas legítimas;
Princípio de direito internacional: qualquer violação de um - estado de necessidade;
compromisso comporta a obrigação de reparação. - força maior e caso fortuito;
Portanto, os Estados podem ser responsabilizados - prescrição liberatória;
internacionalmente em caso de violação ao direito - agressões mútuas.
internacional ou de danos provocados a outros Estados ou a
particulares. (Varella, 2012) Principais formas de reparação:

Conflito ou litígio internacional: todo desacordo sobre certo - desculpas formais do Estado, com a assunção de sua culpa
ponto de direito ou de fato, toda contradição ou oposição pelo dano;
de teses jurídicas ou de interesses entre dois Estados. CPJI - punição dos indivíduos responsáveis pelo dano;
- implementação de medidas preventivas para evitar a
Conflito jurídico x conflito político ocorrência do dano ou mesmo pagamento de uma
compensação financeira, compatível com o dano sofrido.
A base da responsabilidade civil é a mesma dos diversos
direitos nacionais, mas os caminhos seguidos pela teoria Soluções Pacíficas de Controvérsias
jurídica nacional e internacional são distintos. Em direito
interno, a responsabilidade civil, penal e administrativa foi Uma controvérsia é um desacordo sobre uma questão de
erigida com base na existência de uma ordem jurídica acima direito ou de fato, uma contradição, uma oposição de teses
dos sujeitos de direito e na possibilidade de coerção jurídicas ou interesses entre duas pessoas. (CPJI)
legítima. No direito internacional, trata-se de um conceito
que evolui conforme o grau de integração entre os Estados. - Carta da ONU (1945): Capítulo VI – art. 1º e 33 §1º: meios
(Varella, 2012) diplomáticos, políticos e jurisdicionais. Não há entre eles um
escalonamento hierárquico.
O dever de indenizar decorre da existência de uma ação ou
omissão de um Estado, de um dano e de uma relação causal Capítulo VI
entre a ação ou omissão e o dano. SOLUÇÃO PACÍFICA DE CONTROVÉRSIAS
Artigo 33.º
- Não existem tratados multilaterais genéricos sobre o tema. 1. As partes numa controvérsia, que possa vir a
Regulado por costumes internacionais. constituir uma ameaça à paz e à segurança internacionais,
procurarão, antes de tudo, chegar a uma solução por
Requisitos para responsabilidade civil internacional: negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem,
via judicial, recurso a organizações ou acordos regionais, ou
- ato passível de responsabilização: ação ou omissão. Ato qualquer outro meio pacífico à sua escolha.
ilícito ou não proibido. 2. O Conselho de Segurança convidará, se o julgar
necessário, as referidas partes a resolver por tais meios as
suas controvérsias.
- dano: diferentes naturezas: material e moral.
Deve ser grave, ainda que impossível de ser reduzido a - art. 4º, VII, CF/1988 – princípio das relações internacionais.
valores monetários – serious injury.
O Estado é a vítima, que pode representar o interesse
Instrumentos:
próprio ou de um particular (endosso). Exceção: direitos
humanos.
- Negociação Direta
O dano deve ser concreto: Não há ação em defesa de
- Bons ofícios
direitos coletivos: a violação ao direito, ainda que jus cogens,
- Sistema de consultas
ou uma obrigação erga omnes, assim como um ato ilícito
- Mediação
que não gere dano individualizável, não é suficiente para
- Conciliação
acarretar a responsabilidade internacional do Estado.
- Arbitragem
- Solução Judicial
- nexo de causalidade entre o ato e o dano e
imputabilidade da ação ao Estado ou OI. É preciso que a
relação causal esteja bem definida. Danos indiretos não são

1
VARELLA, 2012
Profª: Renata Tavares Henrique Referências: disponíveis no Plano de Ensino da disciplina.
UniCEUB – Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais
2
Direito Internacional Público

Meios diplomáticos 1907 – Convenção para a Solução Pacífica dos Conflitos


Internacionais.
- Negociação direta: os Estados decidem, por sua própria Função: disponível permanentemente para auxiliar tribunais
iniciativa, promover uma solução; arbitrais, comissões de inquérito e conciliação.

- Sistema de consultas: negociação direta pré-estabelecida. * Regime multilateral de comércio: costumam adotar
Determinam encontros com regularidade, para solucionar arbitragem como mecanismo de solução de controvérsias.
confrontos que eventualmente possam surgir; - Organização Mundial de Comércio (OMC): Órgão de
Solução de Controvérsias (OSC);
- Bons ofícios: terceiro Estado, sem nenhuma relação com a - MERCOSUL: Tribunal Permanente de Revisão (TPR).
controvérsia, tenta aproximar as partes a fim de que estas
encontrem uma solução para o conflito. O terceiro não - Solução judicial: Corte – tribunal internacional composto
intervém na negociação, apenas apresenta as condições previamente por juízes togados. Os Estados em conflito
para que as partes a façam; deverão obedecer à decisão dos juízes internacionais.
Emite sentença – OBRIGATÓRIA
- Mediação: atuação de um terceiro que, não só aproxima os
contendentes, mas também participa e intervém na Corte Internacional de Justiça: CIJ – Estados
negociação, propondo uma solução para a controvérsia. As
partes não estão obrigadas a seguir a sugestão trazida pelo Sede: Haia
mediador;
Criação: 1945, Estatuto da Corte, anexo à Carta da ONU.
- Conciliação: os próprios Estados designam pelo menos três Sucessora da Corte Permanente de Justiça Internacional
atores que, reunidos, propõem uma solução para a (Sociedade das Nações).
controvérsia. Os contendentes também não estão obrigados
a aceitar a decisão. Funções: 1) consultiva (ONU); 2) contenciosa: entre Estados

- Inquérito: Não é necessariamente um mecanismo de Competência: todas as questões, bem como todos os
solução de controvérsias. Trata-se de etapa preparatória que assuntos especialmente previstos na Carta ou em tratados
antecede procedimentos mais aperfeiçoados de solução de em vigor (art. 36 do Estatuto).
controvérsias. É um instrumento composto por uma série de
documentos e informações relevantes para solucionar a Cláusula facultativa de jurisdição obrigatória: Estados
questão. podem declarar a qualquer momento que reconhecem
como obrigatória a jurisdição da Corte em todas as
Meios políticos controvérsias de ordem jurídica que tenham por objeto:
- interpretação de um tratado;
- Presença de uma OI: - qualquer ponto de direito internacional;
Atuação da OI pode ser através de uma série de condutas, - fato que viole um compromisso internacional;
como as negociações coletivas ou os bons ofícios oferecidos - natureza ou extensão da reparação devida pela
pela organização. ruptura de um compromisso internacional.

Os Estados se movem, para obter êxito, em configurações Compromete-se a aceitar a Corte nos conflitos com Estados
variáveis, sem alinhamentos fixos, conforme a diversidade que tiverem feito o mesmo.
dos interesses em causa. (AMARAL JR, 2011)
Executoriedade: art. 94 – Estado recalcitrante pode ser
denunciado pela outra parte ao CSNU, que pode determinar
Meios jurisdicionais medidas para executar o acórdão.
Composição: quinze juízes eleitos pela AGNU e CSNU,
- Arbitragem Internacional Pública: as próprias partes mandatos de 9 anos, não pode haver mais de um do mesmo
envolvidas irão escolher o árbitro. Sempre um número ímpar país.
de árbitros. Decidem acerca do conflito, trazendo uma Juízes brasileiros: Rui Barbosa (CPJI), José Francisco Rezek
solução para ele, e, diferentemente dos mecanismos (1996-2006), Antônio Augusto Cançado Trindade (2009-
diplomáticos, as partes terão que acatar e obedecer a atual), dentre outros.
solução proferida pelos árbitros. Uma vez empregada a
arbitragem, não haverá de se falar em solução judicial.
Sentença obrigatória, irrecorrível, definitiva. Carece de
executoriedade (boa-fé das partes, pacta sunt servanda).

Corte Permanente de Arbitragem Internacional – CPAI –


Sede: Haia (Palácio da Paz)
Criação: 1899, I Conferência de Paz da Haia.

Profª: Renata Tavares Henrique Referências: disponíveis no Plano de Ensino da disciplina.