Você está na página 1de 2

Aula 04 - Direito Civil 2 - Unicap - Espécies de Obrigação

1 – obrigação de dar

1.1 – obrigação de dar coisa certa

1.2 – obrigação de restituir (já vistas na aula passada)

1.3 – obrigação de dar coisa incerta: nesta espécie de obrigação a coisa não é
única, singular, exclusiva e preciosa como na obrigação de dar coisa certa, mas
sim é uma coisa genérica determinável pelo gênero e pela quantidade (243).
Ao invés de uma coisa determinada/certa, temos aqui uma coisa
determinável/incerta (ex: cem sacos de café; dez cabeças de gado, um carro
popular, etc). Tal coisa incerta, indicada apenas pelo gênero e pela quantidade
no início da relação obrigacional, vem a se tornar determinada por escolha no
momento do pagamento. Ressalto que coisa “incerta” não é “qualquer coisa”,
mas coisa sujeita a determinação futura. Então se João deve cem laranjas a
José, estas frutas precisam ser escolhidas no momento do pagamento para
serem entregues ao credor.

Esta escolha chama-se juridicamente de concentração. Conceito: processo de


escolha da coisa devida, de média qualidade, feita via de regra pelo devedor
(244). A concentração implica também em separação, pesagem, medição,
contagem e expedição da coisa, conforme o caso. As partes podem combinar
que a escolha será feita pelo credor, ou por um terceiro, tratando-se este
artigo 244 de uma norma supletiva, que apenas completa a vontade das partes
em caso de omissão no contrato entre elas.

Após a concentração a coisa incerta se torna certa (245). Antes da


concentração a coisa devida não se perde pois genus nunquam perit (o gênero
nunca perece). Se João deve cem laranjas a José não pode deixar de cumprir a
obrigação alegando que as laranjas se estragaram, pois cem laranjas são cem
laranjas, e se a plantação de João se perdeu ele pode comprar as frutas em
outra fazenda (246).

Todavia, após a concentração, caso as laranjas se percam (ex: incêndio no


armazém) a obrigação se extingue, voltando as partes ao estado anterior,
devolvendo-se eventual preço pago, sem se exigir perdas e danos (234, 389,
402). Pela importância da concentração, o credor deve ser cientificado quando
o devedor for realizá-la, até para que o credor fiscalize a qualidade média da
coisa a ser escolhida.

2 – obrigação de fazer: conduta humana que tem por objeto um serviço.


Conceito: espécie de obrigação positiva pela qual o devedor se compromete a
praticar algum serviço lícito em benefício do credor. Enquanto na obrigação de
dar o objeto da prestação é uma coisa, na obrigação de fazer o objeto da
prestação é um serviço (ex: professor ministrar uma aula, advogado redigir
uma petição, cantor fazer um show, pedreiro construir um muro, médico
realizar uma consulta, etc.). E se eu quero comprar um quadro e encomendo a
um artista, a obrigação será de fazer ou de dar? Se o quadro já estiver pronto a
obrigação será de dar, se ainda for confeccionar o quadro a obrigação será de
fazer.

A obrigação de fazer tem duas espécies:

2.1 – fungível: quando o serviço puder ser prestado por uma terceira
pessoa, diferente do devedor, ou seja, quando o devedor for facilmente
substituível, sem prejuízo para o credor, a obrigação é fungível (ex: pedreiro,
eletricista, mecânico, caso não possam fazer o serviço e mandem um
substituto, a princípio para o credor não há problema). As obrigações de dar
são sempre fungíveis pois visam a uma coisa, não importa quem seja o
devedor (304).

2.2 – infungível: ao credor só interessa que o devedor, pelas suas


qualidades pessoais, faça o serviço (ex: médico e advogado são profissionais de
estrita confiança dos pacientes e clientes). Chama-se esta espécie de obrigação
de personalíssima ou intuitu personae ( = em razão da pessoa). São as
circunstâncias do caso e a vontade do credor que tornarão a obrigação de fazer
fungível ou não.

Em caso de inexecução da obrigação de fazer o credor só pode exigir


perdas e danos (247). Viola a dignidade humana constranger o devedor a fazer
o serviço por ordem judicial, de modo que na obrigação de fazer não se pode
exigir a execução forçada como na obrigação de dar coisa certa (art. 475 –
sublinhemexigir-lhe o cumprimento). Imaginem um cantor se recusar a subir
no palco, não é razoável o Juiz mandar a polícia para forçá-lo a trabalhar
“manu militari”, o coerente é o credor do show exigir perdas e danos (389).
Ninguém pode ser diretamente coagido a praticar o ato a que se obrigara.
Assim, a execução “in natura” do art. 475 do CC deve ser substituída por
perdas e danos quando for impossível (ex: a coisa devida não está mais com o
devedor) ou quando causar constrangimento físico ao devedor (ex: obrigação
de fazer).

Se ocorrer recusa do devedor de executar obrigação fungível, o credor


pode pedir a um terceiro para fazer o serviço, às custas do devedor
(249). Havendo urgência, o credor pode agir sem ordem judicial, num
autêntico caso de realização de Justiça pelas próprias mãos (pú do 249, ex:
consertar o telhado de casa ameaçando cair).

Mas se tal recusa decorre de um caso fortuito (ex: o cantor gripou e


perdeu a voz), extingue-se a obrigação (248).