Você está na página 1de 2

FICHAMENTO

Texto: SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto


Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45

CATEGORIA
Pag. CITAÇÃO
ANALÍTICA
“O Brasil fez duas grandes reformas burocráticas no século XX, em
contexto autoritário e fortemente centralizador, os modelos do
Dasp e do Decreto-lei nº 200. Em nenhuma delas houve a
preocupação de criar e/ou melhorar as administrações públicas
estaduais, até porque não havia um projeto de repasse de funções
Grandes reformas burocráticas
405 aos estados e municípios. Muito menos houve um impulso brasileiras
democratizador de tais instâncias, já que as elites regionais,
mesmo com a centralização de poder, continuaram, em maior ou
menor medida nas diferentes unidades estaduais, a manter o
domínio patrimonial e oligárquico do poder, inclusive no período
militar.”
“A modernização da gestão pública estadual depende de três
fatores até então ausentes. O primeiro refere-se à obtenção de
informações para a tomada de decisão e a proposição de projetos
mais consistentes de reforma. A realização de um amplo
diagnóstico é imprescindível porque não há, hoje, dados
fidedignos e articulados que retratem a situação completa das Fatores que influenciam a
406
modernização da gestão pública
máquinas públicas estaduais. Como mencionado, as poucas
pesquisas acadêmicas trazem uma radiografia bastante
incompleta sobre o assunto e os organismos governamentais
federais também não têm investido na obtenção de dados nesta
área”
“Os governos estaduais vêm procurando aprofundar suas
estratégias de regionalização, com maior descentralização das
24-26 Principais avanços
políticas, aumento das parcerias com os municípios e a criação de
instrumentos que melhorem a ação em seu território”
“O Estado possui uma autonomia relativa. É sabido que
O papel dos governos
26-27 existem diversos fatores, como organizações sociais,
interesses privados, entre outros, que podem limitar a ação do
Estado. Contudo, alguns teóricos argumentam que apesar de
tornarem a governabilidade mais complexa, eles não
conseguem, de fato, inibir a ação do governo.”
“O neo-institucionalismo, que enfatiza a importância crucial
das instituições para a decisão, formulação e implementação
de políticas públicas tem sido um grande influenciador no
debate das políticas públicas.”
“Suas contribuições são importantes não apenas por enfatizar
a relação entre agent e principal, mas por mostrar que a luta
por poder se encontra no certa da formulação de políticas.
Essa luta é mediada por grupos políticos, econômicos e
O papel das instituições na decisão e
37-39
interesses outros, e por meio deste embate e que decidirá qual formulação de políticas públicas
será o curso da política pública.”
“Ao adotar as teorias neo-institucionalistas para a análise de
políticas públicas é preciso ter em mente como e quando as
mesmas devem ser utilizadas. Os procedimentos
metodológicos desta teoria são marcados pela simplicidade e
pela parcimônia o que nem sempre é aplicável em políticas
públicas.”