Você está na página 1de 139

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA

INTENSIDADE DOS SOLOS DO ESTADO DE MATO GROSSO


Parte 2: Sistematização das Informações Temáticas
NÍVEL COMPILATÓRIO
DSEE-PD-RT-004
PLANO DA OBRA

PROJETO DE DESENVOLVIMENTOAGROAMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO - PRODEAGRO

ZONEAMENTO SÓCIO-ECONÔMICO-ECOLÓGICO: DIAGNÓSTICO SÓCIO-


ECONÔMICO-ECOLÓGICO DO ESTADO DE MATO GROSSO E ASSISTÊNCIA
TÉCNICA NA FORMULAÇÃO DA 2ª APROXIMAÇÃO

Parte 1: Consolidação de Dados Secundários


Parte 2: Sistematização das Informações Temáticas
Parte 3: Integração Temática
Parte 4: Consolidação das Unidades
Governo do Estado de Mato Grosso - Secretaria de Estado de Planejamento e
Coordenação Geral (SEPLAN)
Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD)

PROJETO DE DESENVOLVIMENTOAGROAMBIENTAL DO ESTADO DE MATO GROSSO - PRODEAGRO

ZONEAMENTO SÓCIO-ECONÔMICO-ECOLÓGICO: DIAGNÓSTICO SÓCIO-


ECONÔMICO-ECOLÓGICO DO ESTADO DE MATO GROSSO E ASSISTÊNCIA
TÉCNICA NA FORMULAÇÃO DA 2ª APROXIMAÇÃO

LEVANTAMENTO DE RECONHECIMENTO DE BAIXA INTENSIDADE DOS SOLOS DO


ESTADO DE MATO GROSSO
Parte 2: Sistematização das Informações Temáticas
NÍVEL COMPILATÓRIO

MÁRIO VITAL DOS SANTOS

CUIABÁ

DEZEMBRO, 2000

CNEC – Engenharia S.A.


GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO
Dante Martins de Oliveira

VICE-GOVERNADOR
José Rogério Salles

SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO GERAL


Guilherme Frederico de Moura Müller

SUB SECRETÁRIO
João José de Amorim

GERENTE ESTADUAL DO PRODEAGRO


Mário Ney de Oliveira Teixeira

COORDENADORA DO ZONEAMENTO SÓCIO-ECONÔMICO-ECOLÓGICO


Márcia Silva Pereira Rivera

MONITOR TÉCNICO DO ZONEAMENTO SÓCIO-ECONÔMICO-ECOLÓGICO


Wagner de Oliveira Filippetti

ADMINISTRADOR TÉCNICO DO PNUD


Arnaldo Alves Souza Neto
EQUIPE TÉCNICA DE ACOMPANHAMENTO E SUPERVISÃO DA SEPLAN

Coordenadora do Módulo Físico


MARIA LUCIDALVA COSTA MOREIRA (Engª Agrônoma)

Supervisor dos Temas Pedologia/Aptidão Agrícola


JOÃO BENEDITO PEREIRA LEITE SOBRINHO (Engº Agrônomo)

Supervisora dos Temas Pedologia/Aptidão Agrícola


MARIA LUCIDALVA COSTA MOREIRA (Engª Agrônoma)

Consultor dos Temas Pedologia/Aptidão Agrícola


Dr. PAULO KLINGER TITO JACOMINE (Engº Agrônomo)
EQUIPE TÉCNICA DE EXECUÇÃO

CNEC – Engenharia S.A.

LUIZ MÁRIO TORTORELLO (Gerente do Projeto)


KALIL A. A. FARRAN (Coordenador Técnico)
MARIO VITAL DOS SANTOS (Coordenador Técnico do Meio Físico - Biótico)

TÉCNICA

VIRLEI ÁLVARO DE OLIVEIRA (Engº Agrônomo)


SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO

01

2. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

02

2.1. DOCUMENTAÇÃO

02

2.2. INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS (SATÉLITE/RADAR)

02

2.3. TRABALHOS DE CAMPO

03

2.4. MÉTODOS DE LABORATÓRIO

04

2.4.1. Análises Físicas (AGROLAB e CNPS/


EMBRAPA)

04

2.4.2. Análises Químicas (AGROLAB)

06

2.5. TRABALHOS DE ESCRITÓRIO

07

3. SOLOS

09

3.1. CRITÉRIOS ADOTADOS PARA SEPARAÇÃO E


CARACTERIZAÇÃO DAS CLASSES DE SOLOS E DE
FASES DE UNIDADES DE MAPEAMENTO
09

3.1.1. Atributos Diagnósticos

09

3.1.2. Horizontes Diagnósticos

11

3.1.3. Natureza Intermediária ou Extraordinária de


Unidade Taxonômica

13

3.1.4. Grupamentos de Classes de Textura

15

3.1.5. Critérios para Distinção de Fases de Unidades


de Mapeamento

15

3.1.5.1. Fases de Vegetação

15

3.1.5.2. Fases de Relevo

16

3.1.5.3. Fases de Pedregosidade

16

3.1.5.4. Fases de Rochosidade

17

3.1.5.5. Fases de Substrato

17

3.1.6. Classes de Profundida dos Solos

17

3.1.7. Outros Critérios

17
3.2. DESCRIÇÃO DAS CLASSES DE SOLOS

18

3.2.1. Latossolo Roxo

18

3.2.2. Latossolo Vermelho-Escuro

19

3.2.3. Latossolo Vermelho-Amarelo

21

3.2.4. Latossolo Vermelho-Amarelo Podzólico

22

3.2.5. Terra Roxa Estruturada

23

3.2.6. Brunizém Avermelhado

24

3.2.7. Podzólico Amarelo

25

3.2.8. Podzólico Vermelho-Amarelo

26

3.2.9. Podzólico Vermelho-Escuro

27

3.2.10. Planossolo

28

3.2.11. Solonetz Solodizado

29

3.2.12. Cambissolo
29

3.2.13. Plintossolo

31

3.2.14. Vertissolo

32

3.2.15. Glei Pouco Húmico

33

3.2.16. Areias Quartzosas

34

3.2.17. Areias Quartzosas Hidromórficas

35

3.2.18. Solos Aluviais

36

3.2.19. Solos Litólicos

37

3.2.20. Solos Concrecionários Latossólicos

38

3.2.21. Solos Concrecionários Podzólicos

39

3.2.22. Solos Concrecionários Câmbicos

39

3.2.23. Afloramentos de Rocha

40

3.3. DETERMINAÇÃO DA ERODIBILIDADE DOS SOLOS

40
3.3.1. Critérios e Métodos Utilizados

41

3.3.1.1. Métodos Empíricos para Determinação


do Fato K

41

3.3.1.2. Hierarquização dos Solos

44

3.3.2. Caracterização das Classes de Erodibilidade


dos Solos

46

4. LEGENDA DE IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES DE MAPEAMENTO

48

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

89

6. FOTOGRAFIAS

91

7. BIBLIOGRAFIA

119

ANEXO

ANEXO I - MAPAS

A001 MAPA DE SOLOS DO ESTADO DO MATO GROSSO


LISTA DE QUADROS

001 QUANTIFICAÇÃO DOS DADOS FÍSICOS DAS CAMPANHAS DE


CAMPO

05

002 CLASSES DE PROFUNDIDADE DOS SOLOS

17

003 VALORES MÉDIOS DA ERODIBILIDADE DOS SOLOS (FATOR K),


DETERMINADOS PELO NOMOGRAMA DE WISCHMEIER ET AL.
(1971), A PARTIR DOS DADOS DE 59 PERFIS DE SOLOS
COLETADOS NO ESTADO DE MATO GROSSO

42

004 RESULTADOS DE VALORES DE ERODIBILIDADE (K)


DETERMINADOS PARA VÁRIOS SOLOS BRASILEIROS

43

005 VALORES MÉDIOS DA ERODIBILIDADE (K) E DA RELAÇÃO DE


EROSÃO (RE), POR ORDENS DE SOLO, SEGUNDO MÉTODO
NOMOGRÁFICO DE WISCHMEIER ET AL. (1971) E LOMBARDI
NETO & BERTONI (1975), RESPECTIVAMENTE

44

006 ESQUEMA GERAL DE HIERARQUIZAÇÃO DOS SOLOS DO


ESTADO DE MATO GROSSO, DE ACORDO COM SUA
ERODIBILIDADE

45
LISTA DE FOTOGRAFIAS

001 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO DISTRÓFICO A


MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ENTRE
CAMPO NOVO DOS PARECIS E SÃO JOSÉ DO RIO CLARO.

91

002 LAVOURA DE SOJA SOBRE LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO


DISTRÓFICO A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO
PLANO. ENTRE DIAMANTINO E SÃO JOSÉ DO RIO CLARO.

92

003 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO A


MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ENTRE
JUÍNA E BRASNORTE.

93

004 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO A


MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. BR-
163, PRÓXIMO AO RIO TELES PIRES.

94

005 PERFIL DE TERRA ROXA ESTRUTURADA EUTRÓFICA A


MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO ONDULADO.
PRÓXIMO À SALTO DO CÉU.

95

006 PAISAGEM DA ÁREA DE TERRA ROXA ESTRUTURADA


EUTRÓFICA A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO
ONDULADO. PRÓXIMO À SALTO DO CÉU.

96

007 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO- ESCURO LATOSSÓLICO


DISTRÓFICO A MODERADO ABRÚPTICO TEXTURA
MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO A PONTES E
LACERDA.

97

008 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-ESCURO


LATOSSÓLICO DISTRÓFICO A MODERADO ABRÚPTICO
TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À
PONTES E LACERDA.

98

009 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO Tb A


MODERADO TEXTURA ARENOSA/MÉDIA FASE RELEVO PLANO.
PRÓXIMO À BARRA DO BUGRES.

99

010 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO


DISTRÓFICO Tb A MODERADO TEXTURA ARENOSA/MÉDIA FASE
RELEVO PLANO. PRÓXIMO À BARRA DO BUGRES.

100

011 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO Tb A


CHERNOZÊMICO TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO
PLANO. ESTRADA NOBRES-MARZAGÃO, PRÓXIMO AO RIO
CUIABÁ.

101

012 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO


EUTRÓFICO Tb A CHERNOZÊMICO TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA
FASE RELEVO PLANO. ESTRADA NOBRES-MARZAGÃO,
PRÓXIMO AO RIO CUIABÁ.

102

013 PERFIL DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A MODERADO


VÉRTICO PLÍNTICO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO PLANO.
RODOVIA TRANSPANTANEIRA, ENTRE O POSTO DO IBAMA E
PORTO JOFRE.

103

014 PERFIL DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A MODERADO


ENDOPETROPLÍNTICO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO PLANO.
PRÓXIMO À JACIARA.

104

015 PAISAGEM DA ÁREA DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A


MODERADO ENDOPETROPLÍNTICO TEXTURA MÉDIA FASE
RELEVO PLANO. PRÓXIMO À JACIARA.

105
016 PERFIL DE PLINTOSSOLO DISTRÓFICO Tb A MODERADO
TEXTURA MEDIA/ARGILOSA. PLANÍCIE DO ARAGUAIA, ENTRE
ÁGUA BOA E BARRA DO GARÇAS.

106

017 PERFIL DE PLINTOSSOLO DISTRÓFICO Tb A MODERADO


TEXTURA MEDIA/ARGILOSA. ESTRADA QUE LIGA A BR-158 A
COCALINHO.

107

018 PERFIL DE SOLO ALUVIAL GLEICO Tb A MODERADO TEXTURA


ARGILOSA. BR-158, BARRANCO DO RIO PINDAÍBA.

108

019 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO TEXTURA


ARGILOSA FASE RELEVO SUAVE ONDULADO. PRÓXIMO À
PARANATINGA.

109

020 PAISAGEM DA ÁREA DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO


TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO SUAVE ONDULADO.
DEPRESSÃO DE PARANATINGA, PRÓXIMO AO PLANALTO DA
SERRA.

110

021 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO PLÍNTICO


CONCRECIONÁRIO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO SUAVE
ONDULADO. PRÓXIMO AO PLANALTO DA SERRA.

111

022 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO


CASCALHENTO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO FORTE
ONDULADO. PRÓXIMO À NOVA BRASILÂNDIA.

112

023 PERFIL DE AREIA QUARTZOSA DISTRÓFICA A MODERADO FASE


RELEVO PLANO. ENTRE PARANATINGA E CANARANA.

113
024 PERFIL DE SOLO CONCRECIONÁRIO LATOSSÓLICO A
MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO SUAVE
ONDULADO. PRÓXIMO À CANARANA.

114

025 ASPECTO DA VEGETAÇÃO SOBRE SOLO CONCRECIONÁRIO


LATOSSÓLICO A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE
RELEVO SUAVE ONDULADO. PRÓXIMO À CANARANA.

115

026 PERFIL DE SOLO CONCRECIONÁRIO CÂMBICO ÁLICO Tb A


MODERADO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO SUAVE ONDULADO.
ESTRADA CUIABÁ – CHAPADA DOS GUIMARÃES.

116

027 PERFIL DE SOLO LITÓLICO ÁLICO A MODERADO


CASCALHENTO FASE RELEVO FORTE ONDULADO, SUBSTRATO
FILITO. BORDO NORTE DA CHAPADA DOS GUIMARÃES,
PRÓXIMO À NOVA BRASILÂNDIA.

117

028 PAISAGEM DA ÁREA DE SOLO LITÓLICO ÁLICO A MODERADO


CASCALHENTO FASE RELEVO FORTE ONDULADO, SUBSTRATO
FILITO. BORDO NORTE DA CHAPADA DOS GUIMARÃES,
PRÓXIMO À NOVA BRASILÂNDIA.

118
1

1. INTRODUÇÃO

Tendo o Zoneamento do Estado de Mato Grosso como meta final, foi realizado o
Levantamento de Reconhecimento dos Solos do Estado, pertinente ao nível compilatório da
metodologia adotada e parte integrante dos levantamentos realizados para elaboração do
Diagnóstico Sócio-Econômico-Ecológico do Estado.

O referido levantamento foi elaborado a nível de Reconhecimento de Baixa


Intensidade e os mapas foram publicados na escala 1:250.000, em 67 encartes distintos.

O trabalho no seu todo teve alguns momentos distintos. Um primeiro que consistiu no
levantamento, organização e atualização de todos os dados pedológicos (perfis de solos)
existentes no Estado, provenientes de vários trabalhos de levantamento em níveis diversos,
que foram devidamente organizados na forma de Banco de Dados, ao mesmo tempo em que
se procurou sintetizar em forma de mapa na escala 1:1.500.000, todas as informações
cartográficas disponíveis.

Em outro momento se elaborou o Levantamento dos Solos do Estado a nível de


Reconhecimento de Baixa Intensidade, que constou de trabalhos de campo visando, além de
uma melhoria e atualização dos conhecimentos, um adensamento da amostragem pré-
existente, de forma que esta ficasse compatível com o detalhamento requerido pela escala
estabelecida de 1:250.000, junto a uma reinterpretação pedológica sistemática de todo o
Estado, com uso de imagens de satélite e radar.

Um terceiro momento foi marcado pela elaboração do mapa de solos na escala


1:1.500.000 para o Estado e respectivo relatório técnico de acompanhamento, que são os
objetos do presente relatório.

Visando atender aos objetivos do Diagnóstico Sócio-Econômico-Ecológico, que


permite entre outras coisas a possibilidade de se dispor de uma visão integrada do Estado,
algumas etapas do trabalho foram executadas de forma conjunta com as equipes responsáveis
por outros temas componentes do meio-físico, tais como geologia e geomorfologia.

Outro aspecto importante foi a utilização preferencial por ocasião das interpretações
das imagens, de alguns tipos de sensores para determinadas regiões, como por exemplo as
imagens de radar para as regiões de topografia muito acidentada e em contrapartida as
imagens de satélite em locais mais homogêneos, onde a cobertura vegetal e o uso agrícola
assumiram maior relevância.

O presente trabalho trouxe significativas alterações na distribuição geográfica e


mesmo no conhecimento dos solos do Estado, considerando-se, obviamente, aqueles
existentes anteriormente. Várias regiões importantes puderam desta feita serem visitadas por
acesso terrestre, o que promoveu consideráveis modificações no panorama geral dos solos. De
maneira análoga, várias distorções com relação aos limites e composição de unidades de
mapeamento puderam ser corrigidas.
2

2. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS

Esta etapa envolveu o levantamento e análise da documentação pedológica; a


interpretação de imagens de satélite e radar; a elaboração dos trabalhos de campo; as análises
laboratoriais das amostras coletadas e os trabalhos de escritório com integração das
informações coletadas.

2.1. DOCUMENTAÇÃO

Com relação à documentação básica, procedeu-se a busca de todos os trabalhos de


levantamentos de solos realizados na área do Estado, chegando-se a uma quantidade
apreciável, conforme pode ser visto no item 7 (Bibliografia).

De posse desses trabalhos, toda a amostragem existente foi recuperada e passou


em seguida por um processo de análise e triagem, com seleção de informações e cadastros
em fichas padronizadas.

Aquela parcela considerada de boa qualidade, com procedência conhecida e


confiável foi ainda separada em três categorias: Perfis Completos, Amostras Extras e Outros.
Como Perfis Completos consta toda a amostragem de perfis de solos que contém a seqüência
de horizontes completa, com descrição morfológica e resultados analíticos; como Amostras
Extras foram agrupadas pontos que não continham toda a seqüência de horizontes do solo
coletado, embora com descrição morfológica e resultados analíticos, e por último, na categoria
Outros foram agrupados todos os demais tipos incompletos de amostras.

Dentre as principais fontes de informações, pode-se citar o Projeto RADAMBRASIL -


vários volumes (BRASIL, 1974, 1978, 1979, 1980, 1981a, 1981b, 1982a, 1982b e 1983) e a
EMBRAPA-SNLCS/CNPS (EMBRAPA, 1975, 1980, 1982 e 1989).

2.2. INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS (SATÉLITE/RADAR)

Esta fase, elaborada para a execução dos mapas de reconhecimento na escala


1:250.000, e foi marcada por duas etapas distintas em razão de se tratar de um trabalho
integrado. Numa primeira, procedeu-se a uma interpretação básica comum, elaborada de
forma conjunta entre os vários temas do meio físico (geologia, geomorfologia e pedologia),
onde foram separados os elementos comuns aos três temas, tais como limites de aluviões,
limites estruturais e escarpas, entre outros.

Numa segunda fase, procedeu-se à interpretação temática propriamente dita, ou


seja, à separação das unidades de mapeamento de solos.

Paralelamente à interpretação das imagens, elaborou-se Memórias Técnicas de


Interpretação, com o objetivo de orientar os trabalhos de campo.

Cada Memória Técnica contemplou, além de uma legenda preliminar, informações


sobre as relações solos/padrões de imagem, indicação de áreas problemas ou duvidosas, e
outras questões levantadas pelo intérprete, julgadas importantes para melhor orientar os
trabalho de campo.
3

Nas áreas de chapada, as imagens de satélite tiveram maior importância por


questões de uso e cobertura vegetal e, indiretamente, os solos. Em áreas de topografia
movimentada, as imagens de radar foram mais exploradas, por apresentarem um melhor
contraste de formas de relevo e neste caso, salientar melhor os limites pedológicos, embora
sempre se tenha utilizado essas duas ferramentas como base para as interpretações.

Importante mencionar ainda que nesta fase do trabalho, cada folha 1:250.000, ao ser
trabalhada, condicionou o manuseio de quatro (04) imagens de satélite, em média, e uma (01)
imagem de radar, em virtude da não coincidência de limites entre o corte geográfico
internacional que delimita as imagens de radar, onde as folhas têm dimensões de 1o de latitude
por 1o 30’ de longitude, e os limites das imagens de satélite, que são definidos pelas órbitas
dos satélites geradores.

2.3. TRABALHOS DE CAMPO

Os trabalhos de campo foram planejados, considerando-se os seguintes fatores:

 Experiência anterior da equipe em cada região;

 Distribuição das chuvas no Estado;

 Grau de complexidade da área no tocante a arranjamento dos solos;

 Manutenção de cada equipe dentro da mesma paisagem e/ou compartimento


geomorfológico;

 Tempo de duração dos trabalhos;

 Condições de acesso e trafegabilidade.

Com base neste fatores, foram organizados e desenvolvidos os trabalhos de campo


da seguinte forma:

 Os técnicos foram distribuídos em sete (07) equipes de trabalhos;

 Cada equipe foi constituída de um pedólogo e um auxiliar técnico/motorista;

 Os trabalhos tiveram início ao norte do Estado desenvolvendo-se no sentido sul.

A amostragem foi elaborada através de perfis coletados em trincheiras, meia-


trincheiras e barrancos de estrada e, eventualmente, tradagem em locais planos, quando o solo
já havia sido bem caracterizado na região.

A quilometragem total percorrida foi da ordem de 111.400 Km, tendo sido coletados
157 perfis completos e 454 pontos de amostras extras.

Ao todo foram realizadas 16 campanhas de campo, com duração média de 15 dias


cada.

Todas as equipes foram à campo portando GPS, para facilitar a localização.

Buscando efetuar um controle de qualidade, principalmente no tocante à


uniformidade de critérios e conceitos, bem como possibilitar uma visão integrada e geral do
Estado em relação à ocorrência dos solos, além de propiciar o treinamento de profissionais do
governo estadual, foram realizadas 5 (cinco) viagens de classificação e correlação de solos,
4

que percorreram as diversas regiões do Estado. Estas viagens tiveram a participação


constante de técnicos do governo estadual e de seus consultores. Eventualmente técnicos de
outras instituições e do Comitê Executivo de elaboração do Sistema Brasileiro de Classificação
de Solos, foram convidados e participaram.

O Quadro 001, apresentado a seguir, sintetiza os quantitativos dos trabalhos de


campo.

2.4. MÉTODOS DE LABORATÓRIO

As amostras coletadas foram enviadas para dois laboratórios distintos: o do


CNPS/EMBRAPA no Rio de Janeiro, onde se procederam as determinações físicas em
amostras indeformadas e análises químicas por ataque sulfúrico e, o laboratório particular
AGROLAB de Recife-PE, que procedeu todas as demais determinações, ou seja
granulometria, complexo sortivo, pH e matéria orgânica.

A seguir será descrita sucintamente a metodologia empregada nas referidas análises,


sendo que a descrição detalhada pode ser encontrada no “Manual de Métodos de Análises de
Solo”, (EMBRAPA, 1979).

2.4.1. Análises Físicas (AGROLAB e CNPS/EMBRAPA)

- Calhaus e Cascalhos: separados por tamização, empregando-se peneiras de


malha de 20mm e 2mm respectivamente, para retenção dos calhaus e dos
cascalhos nesse fracionamento inicial da amostra total, previamente preparada
mediante secagem ao ar e destorroamento.

- Terra Fina: separada por tamização, no mesmo fracionamento da determinação


anterior, recolhendo-se o material mais fino, passando em peneira da malha de
2mm com furo circular.

- Composição Granulométrica: dispersão com solução de Hexametafosfato de


Sódio e Hidróxido de Sódio e agitação de alta rotação.

- Areia Grossa e Areia Fina: separados por tamização em peneiras de malha


0,2mm e 0,053mm, respectivamente. Argila foi determinada pelo método do
densímetro e o silte, obtido por diferença.

- Argila Dispersa em Água: determinada pelo método do densímetro, como na


determinação da argila total, sendo usado agitador da alta rotação, e somente
água destilada como dispersante.

- Grau de Floculação: 100 (Argila Total - Argila Dispersa em Água)/Argila Total.

- Umidade a 1/3, 1,0 e 15 atmosferas: utilizando o extrator de Richards com placa


de cerâmica. Quando o teor da argila foi menor que 20%, a umidade foi
determinada a 1/10 de atm. Para alguns solos fez-se a determinação a 0,06 atm.
5

QUADRO 001 QUANTIFICAÇÃO DOS DADOS FÍSICOS DAS CAMPANHAS DE CAMPO

TIPO DE AMOSTRAGEM
EQUIPES NÚMERO DE DIAS DE QUILOMETRAGEM TOTAL FOLHAS PERCORRIDAS (MIR)
CAMPANHAS CAMPO PERFIS AMOSTRAS AMOSTRAS (Km)
COMPLETOS EXTRAS ESPECIAIS
4 45 46 79 12 18.200 244-245-246-270-271-272-295-
I 296-297-372-373-317-337-386-
402
II 2 40 19 31 15 15.000 273-298-318-274-275-299-300
3 52 37 94 18 21.500 276-277-278-301-302-303-321-
III 322-323-341-342-343-358-359-
360-373-389-405-419-404-418
IV 3 59 22 80 28 16.500 374-375-376-391-353-369-370-
385-386-401-402-389-390-406-
420
V 1 16 4 4 6 4.500 317-337-354
2 57 25 134 18 20.500 319-320-339-300-340-356-357-
VI
338-355-371
VII 1 19 4 19 - 6.700 386-402-370-371-387-403-417
Viagens de 5 25 - 13 - 8.500 Principais rodovias
Correlação
TOTAIS 21 313 157 454 97 111.400 -
FONTE: CNEC,1997.
6

- Densidade Aparente: determinada pelo método da proveta ou pelo método do


anel volumétrico.

- Densidade Real: determinada pela relação entre o peso de 20g, de terra fina
seca a 105o C e seu volume. O volume é medido com álcool etílico em balão
aferido de 50 cm3.

- Porosidade Total: é calculada utilizando a seguinte expressão:

Porosidade = (Densidade Real - Densidade Aparente) x 100


Densidade Real

- Condutividade Hidráulica: determinada por método de laboratório, usando TFSA.

- Condutividade Elétrica: medida no extrato de saturação.

- Porcentagem de Saturação: água de saturação, usando TFSA.

2.4.2. Análises Químicas (AGROLAB)

- pH em H2O e KCl N: determinados potenciometricamente na suspensão


solo/líquido, na proporção de 1:2,5 e 1:1, respectivamente, com tempo de contato
não inferior a uma hora e agitação da suspensão imediatamente antes da leitura.

- Carbono Orgânico: determinado através da oxidação da matéria orgânica pelo


bicromato de potássio 0,4 N em meio sulfúrico e titulação pelo sulfato ferroso 0,1
N.

- Matéria Orgânica: obtida a partir de teor do carbono orgânico, e expressa pela


fórmula:

MO (%) = CARBONO (%) x 1,724.

- Nitrogênio Total: determinado por digestão da amostra com mistura ácida


sulfúrica na presença de sulfatos de cobre e de sódio, dosagem do N por
volumetria com HCl 0,01 N, após reação do NH 3 com ácido bórico, em câmara de
difusão.

- Fósforo Assimilável: extraído com solução de HCl 0,05 N e H2SO4 0,125 M


(North Caroline) e determinado, colorimetricamente, em presença de molibdato
de amônia e ácido ascórbico.

- Cálcio, Magnésio e Alumínio: extraídos com solução de KCl N na proporção 1:10,


juntamente com Al+++ extraível. O cálcio e magnésio são determinados por
EDTA 0,025 N e o alumínio com NaOH 0,025 N.

- Potássio e Sódio Trocáveis: extraídos com solução de HCl 0,05 N + H2SO4 0,025
N na proporção 1:10, e determinados por fotometria de chama.

- Valor “S” (Soma de Cátions Trocáveis): calculado pela fórmula:

S = Ca+++ + Mg++ + K+ + Na+

- Hidrogênio Extraível: extraído com Ca (CH3COO)2 0,5 M e dosado com NaOH.

- Valor “T” (Capacidade de Troca de Cátions): calculado pela fórmula:


7

T = Valor S + H+ + Al+++

- Valor “V” (Percentagem de Saturação de Bases): calculado pela fórmula:

V % = 100 S/T

- Ataque Sulfúrico (CNPS/EMBRAPA): aplicado como pré-tratamento à terra fina


para extração do ferro, alumínio, titânio, manganês, fósforo e subseqüentemente
extração de sílica no resíduo. O tratamento da terra fina foi realizado com
solução de H2SO4 1.47 g/ml - por fervura sob refluxo com posterior resfriamento,
diluição e filtração. No resíduo é determinado SiO 2 e no filtrado Fe2O3, Al2O3,
conforme métodos citados a seguir:

1. SiO2: determinado pelo método colorimétrico (terra fina), usando molibdato de


amônia e ácido ascórbico. Para obtenção do padrão da sílica, usou-se
quartzo puro.

2. Fe2O3: determinado em alíquota do extrato sulfúrico por volumetria, com a


solução de EDTA 0,01 M em presença de ácido sulfossalicílico como
indicador.

3. Al2O3: determinado na mesma alíquota de Fe2O3, por volumetria, usando-se


solução de CDTA 0,31M e sulfato de zinco 0,0156 M, feita a correção do TiO 2
dosado juntamente.

 Relação molecular SiO2/Al2O3(Ki), calculada pela fórmula:

Ki = % SiO2 x 1,7/% Al2O3.

 Relação molecular SiO2/R2O3 (Kr), calculada pela fórmula:

Kr = (% SiO2 x 1,70)/% Al2O3 + (% de Fe2O3 x 0,64)

 Relação molecular

Al2O3 / Fe2O3 = Al2O3 x 1,57/Fe2O3

2.5. TRABALHOS DE ESCRITÓRIO

Ao término dos trabalhos de campo, iniciou-se a fase caracterizada como de


trabalhos de escritório, onde cada equipe ficou encarregada de elaborar o mapeamento da
área em que trabalhou.

A primeira tarefa foi organizar as descrições de solos conforme modelos pré-


estabelecidos, seguida do trabalho de reinterpretação ou correção da interpretação preliminar,
com elaboração e reestruturação da legenda preliminar de solos.

De posse dos resultados analíticos, procedeu-se ao apronto final dos pontos


amostrados e pode-se então elaborar a legenda definitiva dos solos para cada carta
trabalhada.

O passo seguinte foi lançar os limites das unidades de mapeamento sobre a base
cartográfica definitiva, tarefa realizada segundo procedimento clássico, onde os limites são
ajustados sobre a base pelo pedólogo executor do levantamento ou sob orientação deste,
8

tendo como orientação alguns elementos físicos como a rede de drenagem, formas salientes
de relevo, estradas, etc.

Após concluídos os mapas de solos de cada folha cartográfica na escala 1:250.000,


procedeu-se a elaboração dos respectivos mapas interpretativos: Aptidão Agrícola das Terras e
Erodibilidade dos Solos.

A tarefa seguinte foi a elaboração das “Memórias Técnicas de Aptidão Agrícola das
Terras”, que totalizaram 53 para cada um destes temas.

Concluídos os mapas e relatórios (Memórias Técnicas) referentes à escala


1:250.000, iniciaram-se os trabalhos de confecção dos mapas generalizados na escala
1:1.500.000.

Para este objetivo, procedeu-se a uma generalização cartográfica (redução) seguida


de uma adequação e recomposição das legendas (unidades de mapeamento) de solos a partir
dos mapas e legendas na escala 1:250.000.

Devido a complexidade no arranjamento dos solos, que junto com a escala


generalizada de trabalho foi responsável pelo seu mapeamento na forma de associações, que
contemplam além dos solos outras variáveis ambientais tais como relevo e vegetação, não foi
possível proceder as necessárias generalizações cartográficas e respectivas composições e
recomposições de associações de solos através de um critério único, executado em meio
digital.

Em razão disto, esse processo foi elaborado analogicamente, estudando-se caso a


caso, de forma que não se omitissem informações importantes e estabelecendo-se as
melhores formas de recomposição das associações de solos.

Esse passo ocorreu em duas fases distintas. A primeira com a passagem da escala
1:250.000 para 1:500.000 e a segunda na passagem de 1:500.000 para 1:1.000.000.

Em cada fase procederam-se a generalizações e adequações já projetando-se a fase


seguinte, assim na segunda fase (escala 1:1.000.000), procedeu-se às generalizações
prevendo-se a redução final para a escala 1:1.500.000.

As análises e avaliações para se eliminar, agrupar ou mesmo criar unidades de


mapeamento, foram efetuadas para cada mancha de solo individualmente, julgando-se, além
da sua representatividade cartográfica, a importância de cada situação e suas implicações no
todo, buscando-se assim as melhores alternativas para cada situação em particular.

A seqüência básica desta etapa dos trabalhos foi:

- Redução cartográfica das cartas originais na escala 1:250.000 para escala


intermediária de1:500.000;

- Avaliação e análise das unidades que deveriam ser eliminadas por falta de
representatividade cartográfica;

- Estudo da melhor forma de incorporar as informações eliminadas no corpo das


unidades remanescentes (recomposição);

- Nova redução cartográfica do produto na escala 1:500.000 para escala


1:1.000.000;
9

- Repete-se as operações dos ítens dois e três, e projeta-se nesta ocasião as manchas
que deverão ser eliminadas visando a redução para a escala final (1:1.500.000). Nesta
fase também avalia-se a distribuição espacial das unidades de mapeamento, bem como a
uniformidade e homogeneidade dos vários polígonos, de forma que guardadas as
devidas proporções, seja mantido um desenho e arranjamento harmônico de linhas e
polígonos;

- Procede-se, então, a redução para a escala 1:1.500.000;

- Os delineamentos nesta escala são então ajustados sobre a base cartográfica elaborada
para este fim e em seguida introduzidos no meio digital;

- Procede-se o julgamento da aptidão agrícola das terras para elaboração do respectivo


mapa.

- Elaboração dos relatórios finais de Pedologia e Aptidão Agrícola das Terras.

3. SOLOS

3.1. CRITÉRIOS ADOTADOS PARA A SEPARAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DAS


CLASSES DE SOLOS E DE FASES DE UNIDADES DE MAPEAMENTO

A seguir serão descritos sucintamente os principais atributos diagnósticos, horizontes


diagnósticos e características de natureza intermediária de unidades taxonômicas. Definições
mais pormenorizadas poderão ser encontradas nas publicações do SNLCS/EMBRAPA –
“Critérios para Distinção de Classes de Solos e de Fases de Unidades de Mapeamento” –
“Normas em Uso pelo SNLCS”, (EMBRAPA,1988) e “Súmula da X Reunião Técnica de
Levantamento de Solos”, (EMBRAPA,1979) .

3.1.1. Atributos Diagnósticos

- Argila de atividade alta (Ta) e de atividade baixa (Tb): atividade das argilas refere-
se à capacidade de troca de cátions (valor T) da fração mineral. Atividade alta
designa valor igual ou superior a 24 meq/100g de argila e atividade baixa valor
inferior a esse, após correção referente ao carbono, empregado valor médio
universal de 4,5 mEq de CTC por 1% de carbono orgânico.

- Mudança textural abrupta: consiste em um considerável aumento no conteúdo de


argila dentro de uma pequena distância na zona de transição entre horizonte A ou
E e o horizonte B.

- Saturação por bases (Valor V%): refere-se à proporção de cátions básicos


trocáveis em relação à capacidade de troca de cátions determinada a pH7. Alta
saturação - especifica distinção de solos com saturação por bases igual ou
superior a 65%; média saturação - especifica distinção de solos com saturação
por bases igual ou superior a 35% e inferior 65%; e baixa saturação - especifica
distinção de solos com saturação por bases inferior a 35%.

- Distrófico e Eutrófico: refere-se à proporção (taxa percentual) de cátions básicos


trocáveis em relação à capacidade de troca de cátions determinada a pH7.
Distrófico especifica distinção de solos com saturação por bases inferior a 50% e
eutrófico especifica distinção de solos com saturação igual ou superior a 50%.
10

- Epidistrófico: indica que solos eutróficos ou álicos são superficialmente


distróficos.

- Epieutrófico: indica que solos distróficos ou álicos são superficialmente


eutróficos.

- Álico: especifica distinção de relação alumínio/bases (100 Al3+) / (Al3+ + S) igual


ou superior a 50%. Para essa distinção é considerada a relação alumínio/bases
no horizonte B, ou no C quando não existe B, sendo levada em conta também
essa característica no horizonte A de alguns solos, mormente no caso de solos
Litólicos.

- Epiálico: indica que solos distróficos são superficialmente álicos.

- Característica solódica: o termo solódico especifica distinção de percentagem de


saturação por sódio (100 x Na+)/T, entre 8% e 20%, pelo menos na parte inferior
do horizonte B, admitindo-se valores pouco inferiores a 8%; na ausência de
horizonte B, valores de 8% ou mais são exigidos pelo menos na parte superior do
horizonte C.

- Característica sódica: o termo sódico especifica distinção de percentagem de


saturação por sódio (100 x Na+/T), maior ou igual a 20% no horizonte B ou C,
dentro de dois metros de profundidade a contar da superfície do solo.

- Salino: propriedade referente à presença de sais mais solúveis em água fria que
o sulfato de cálcio (gesso), em quantidades que interferem com o
desenvolvimento da maioria das culturas, expressa por condutividade elétrica do
extrato de saturação igual ou maior que 4 mmhos/cm (a 25º C).

- Cerosidade: são filmes muito finos de material inorgânico de natureza diversa,


orientados ou não, constituindo revestimento ou superfícies brilhantes nas faces
de elementos estruturais, poros ou canais, resultantes de movimentação,
segregação ou rearranjamento de material coloidal inorgânico (< 0,002mm);
quando bem desenvolvidos são facilmente perceptíveis, apresentando aspecto
lustroso e brilho graxo, sendo as superfícies dos revestimentos usualmente livres
de grãos desnudos de areia e silte.

- Plintita: é uma formação constituída de mistura de argila, pobre em húmus e rica


em ferro, com quartzo e outros minerais. Ocorre comumente sob a forma de
mosqueados vermelhos e vermelhos-escuros, com padrões usualmente
laminares, poligonais ou reticulados. É caráter inerente às formações dessa
natureza transformarem-se irreversivelmente, por consolidação, sob o efeito de
ciclos alternados de umedecimento e secagem, resultando na produção de
material nodular neoformado. Quanto à gênese, a plintita se forma pela
segregação de ferro, importando em mobilização, transporte e concentração final
dos compostos de ferro que pode se processar em qualquer solo onde o teor de
ferro é suficiente para permitir a segregação do mesmo, sob a forma de manchas
vermelhas brandas. O ferro ora existente tanto pode ser proveniente do material
de origem, como translocado de outros horizontes, ou proveniente de solos de
áreas adjacentes mais elevadas. O material afetado pela migração do ferro é
normalmente de consistência macia e forma mosqueado vermelho ou vermelho-
escuro.

- Petroplintita: material proveniente da plintita, que sob efeito de ciclos repetidos de


umidecimento e secagem sofre consolidação irreversível, dando lugar à formação
11

de concreções ferruginosas (ironstones, concreções lateríticas, canga,


tapanhoacanga) de dimensões e formas variadas, individualizadas, podendo
mesmo configurar camadas maciças, contínuas, de espessura variável, ou
segundo conceituação proposta mais recentemente, o endurecimento de camada
de plintita pode vir a gerar um horizonte litoplíntico.

3.1.2. Horizontes Diagnósticos

- Horizonte B textural: é um horizonte mineral sub-superficial onde houve


incremento de argila, orientada ou não, desde que não exclusivamente por
descontinuidade, resultante de acumulação ou concentração absoluta ou relativa,
decorrente de processos de iluviação e/ou formação in situ e/ou herdado do
material de origem e/ou infiltração de argila mais silte, com ou sem matéria
orgânica e/ou destruição de argila no horizonte A e/ou perda de argila no
horizonte A por erosão diferencial. O conteúdo de argila do horizonte B textural é
maior que o do horizonte A e pode ou não ser maior que o horizonte C.

A natureza coloidal da argila a torna susceptível de mobilidade com a água no solo e


a percolação é aí relevante. Transportadas pela água, as argilas translocadas tendem a formar
películas de partículas argilosas, com orientação paralela às superfícies que revestem, ao
contrário das argilas formadas in situ, que apresentam orientação desordenada. Entretanto,
outros tipos de revestimento de material coloidal inorgânico são também levados em conta
como características de horizonte B textural e reconhecidos como cerosidade.

Na identificação de campo da maioria dos horizontes B texturais, a cerosidade é


importante. No entanto, a cerosidade sozinha é muita vezes inadequada para identificar um
horizonte B textural pois, devido ao escoamento turbulento da água por fendas, a mesma pode
se formar devido a uma única chuva ou inundação.

Entretanto uma série de outras condições são necessárias para a caracterização


deste horizonte e estão relacionadas a: espessura, ocorrência de lamelas, presença de
horizonte E (eluvial), incremento de argila, relação estrutura/cerosidade/teor de argila entre
outras.

- Horizonte B latossólico: é um horizonte mineral sub-superficial cujos constituintes


evidenciam avançado estágio de intemperização, explícita pela alteração
completa ou quase completa dos minerais primários menos resistentes ao
intemperismo e/ou de minerais de argila 2:1, seguida de intensa dessilicificação,
lixiviação de bases e concentração residual de sesquióxidos, argilas do tipo 1:1 e
minerais primários resistentes ao intemperismo. Em geral é constituído por
quantidades variáveis de óxidos de ferro e de alumínio, minerais de argila 1:1,
quartzo e outros minerais mais resistentes ao intemperismo, podendo haver a
predominância de quaisquer desses minerais.

Alguns horizontes B latossólicos apresentam valores de pH determinados em solução


de KCl N mais elevados que os determinados em H 2O, evidenciando saldo de cargas positivo,
característica condizente com estágio de intemperização muito avançado.

Em síntese, horizonte B latossólico é um horizonte sub-superficial que não apresenta


características diagnósticas de horizonte glei, B textural e horizonte plíntico.

- Horizonte B incipiente (câmbico): trata-se de horizonte subsuperficial, subjacente


ao A, que sofreu alteração física e química em grau não muito avançado, porém
suficiente para o desenvolvimento de cor ou de estrutura e no qual mais da
12

metade do volume de todos os sub-horizontes não deve consistir em estrutura de


rocha original.

- Horizonte B nátrico: é um horizonte mineral sub-superficial que apresenta em


adição às características para identificar um horizonte B textural marcante
diferença de textura entre A e o B, e os requisitos abaixo, mesmo que tenham
características para identificar um horizonte B plíntico ou horizonte glei.

 Estrutura colunar ou prismática em alguma parte do horizonte B ou mais


raramente estrutura em blocos angulares grandes com alguma penetração de
material eluvial com grãos de areia e silte sem revestimentos, pelo menos na
parte superior do horizonte B.

 Saturação com sódio trocável (Na+) igual ou maior que 15% em qualquer sub-
horizonte dentro de 40 cm superiores do horizonte B, ou que tenha Mg + Na
permutáveis maior que Ca permutável + acidez extraível nesses 40 cm
superiores, desde que haja saturação com Na igual ou maior do que 15% em
algum sub-horizonte dentro de 2 metros de profundidade a contar da
superfície do solo.

- Horizonte B espódico (B podzol): é um horizonte mineral sub-superficial que


apresenta acumulação de matéria orgânica e compostos de alumínio amorfo,
com maior ou menor presença ou ausência de ferro iluvial.

Ocorre normalmente sob qualquer tipo de horizonte A, sob horizonte turfoso, ou


ainda, sob um horizonte E (álbico ou não).

A estrutura no horizonte B espódico, de um modo geral, está ausente (grãos simples


ou maciça), entretanto, pode ocorrer estrutura prismática ou em blocos, com um fraco grau de
desenvolvimento, ou estrutura granular, ou grumosa, ou laminar. No horizonte B espódico há
presença de partículas de areia e silte, com revestimentos de matéria orgânica, matéria
orgânica e alofana ou alofana e sesquióxidos livres, bem como grânulos arredondados a sub-
angulares de matéria orgânica e sesquióxidos de diâmetro entre 20 e 50 micra.

Horizonte B espódico deve apresentar um ou mais das seguintes características:

 Ter um sub-horizonte com espessura maior que 2,5 cm, que está cimentado
por alguma combinação de matéria orgânica com ferro e/ou alumínio.

 Ter textura arenosa ou média e com grãos de areia cobertos por películas de
ferro ou matéria orgânica que apresentam fissuras ou presença de grânulos
pretos e distintos do tamanho da fração grosseira do silte, ou ambos.

- Horizonte plíntico: caracteriza-se fundamentalmente pela presença de plintita em


quantidade igual ou superior a 15% e espessura de pelo menos 15 cm.

É um horizonte mineral B e/ou C que apresenta um arranjamento de cores vermelhas


e acinzentadas ou brancas, com ou sem cores amareladas ou brunadas, formando um padrão
reticulado, poligonal ou laminar. A coloração é usualmente variada, com predominância de
cores avermelhadas, bruno-amareladas, amarelo-brunadas, acinzentadas e esbranquiçadas
(menos frenqüentemente amarelo-claras). Muitos horizontes plínticos possuem matriz
acinzentada ou esbranquiçada, com mosqueados abundantes de cores avermelhadas,
ocorrendo também mosqueados com tonalidades amareladas.
13

A presença de concreções de ferro imediatamente acima da zona do horizonte


plíntico, pode ser uma comprovação de plintita no perfil, evidenciando, desse modo, o final do
processo de hidratação e desidratação nestes pontos. Este processo é acelerado quando o
material é exposto em trincheiras, valas ou corte de estradas antigas, sendo neste caso
característica diagnóstica.

- Horizonte glei: é um horizonte sub-superficial ou eventualmente superficial, com


espessura de 15 cm ou mais, caracterizado por redução de ferro e prevalência do
Estado reduzido, no todo ou em parte, devido principalmente à água estagnada,
como evidenciado por cores neutras ou próximas de neutras na matriz do
horizonte, com ou sem mosqueados de cores mais vivas, cuja quantidade seja
menor que 15% quando consista em plintita. Trata-se de horizonte fortemente
influenciado pelo lençol freático em regime de umidade redutor, virtualmente livre
de oxigênio dissolvido em razão da saturação com água durante todo o ano, ou
pelo menos por um longo período, associada a demanda de oxigênio pela
atividade biológica.

- Horizonte A chernozêmico: é um horizonte mineral superficial, relativamente


espesso, escuro, com alta saturação por bases, predominantemente saturado
com cátions bivalentes.

- Horizonte A proeminente: é um horizonte mineral superficial que satisfaz as


condições de cor, carbono orgânico, consistência, estrutura e espessura
requeridas para o horizonte A chernozêmico, diferindo deste essencialmente por
apresentar saturação por bases inferior a 50%, podendo ser de espessura
crescente quanto menos rico for em matéria orgânica.

- Horizonte A húmico: é um horizonte mineral superficial que além de possuir todas


as características do horizonte A proeminente, apresenta maior desenvolvimento,
expresso por maior espessura e/ou maior riqueza em matéria orgânica,
associada à cor mais escura, desde que não satisfaça os requisitos de horizonte
turfoso.

- Horizonte A moderado: é um horizonte superficial que apresenta teores de


carbono orgânico variáveis, espessura e/ou cor que não satisfaça as condições
requeridas para caracterizar um horizonte A chernozêmico, proeminente ou
húmico, além de não satisfazer, também, os requisitos para caracterizar um
horizonte A antrópico, turfoso ou fraco.

- Horizonte turfoso: trata-se de horizonte essencialmente orgânico, formado ou


formando-se em decorrência de acumulações de resíduos vegetais, depositados
superficialmente sob condições de excesso de d’água permanente ou temporário,
ainda que possa encontrar-se presentemente recoberto por horizonte(s)
orgânico(s) ou minerais mais recentes.

3.1.3. Natureza Intermediária ou Extraordinária de Unidade Taxonômica

Expressa pelas designações qualificativas integrantes das classes de solos.

- Podzólico: qualificação pertinente à unidade de solos, cujas características são


intermediárias com Podzólicos.

- Latossólico: qualificação pertinente à unidade de solo, cujas características são


intermediárias com Latossolos.
14

- Câmbico: qualificação pertinente à unidade de solo, cujas características são


intermediárias com Cambissolos.

- Plíntico: qualificação referente à unidade de solo, cujas características são


intermediárias com Plintossolos.

- Vértico: qualificação referente à unidade de solo, cujas características são


intermediárias com Vertissolos.

- Glêico: qualificação referente à unidade de solo, cujas características são


intermediárias com solos Glei.

- Concrecionário (Petroplíntico): indica material proveniente de plintita que sob


alternância de umidade, forma nódulos e concreções ferruginosas, sem formar
entretanto, camada maciça contínua.

- Endoconcrecionário (Endopetroplíntico): qualificação referente a ocorrência de


petroplintita (concreções), porém somente nas camadas internas do perfil,
estando as superficiais livres.

- Epiconcrecionário (Epipetroplíntico): qualificação referente a ocorrência de


petroplintita (concreções), porém somente na parte superficial do perfil, estando a
parte interna livre.

- Cascalhento: qualificação utilizada para indicar ocorrência significativa de


cascalhos na fração grosseira.

- Pouco profundo: termo empregado para distinguir variedades menos espessas


de solos considerados tipicamente profundos.

- Raso: termo empregado para distinguir variedade menos espessa de solos, cujos
exemplares típicos têm menos de 2 m de profundidade. Expressa profundidade
de solum igual ou inferior a 50 cm.

- Constituição Macroclástica: está relacionada à ocorrência e proporção de


cascalhos de natureza diversa em relação a TFSA. Representa modificador da
classe textural. Foram reconhecidas as seguintes distinções:

 Muito cascalhenta: indica a ocorrência de cascalhos em quantidade superior a


50%;

 Cascalhenta: indica a ocorrência de cascalhos em quantidade entre 15 e


50%;

 Pouco cascalhenta: indica a ocorrência de cascalhos em quantidade entre 8 e


15%.
15

3.1.4. Grupamentos de Classes de Textura

Constitui característica distintiva de unidades de solo, diferençadas segundo


composição granulométrica (fração < 2mm), consideradas as classes primárias de textura em
nível mais generalizado, compondo as seguintes agregações:

- Textura arenosa: Compreende as classes texturais areia e areia franca.

- Textura média: Compreende composição granulométrica com menos de 35% de


argila e mais de 15% de areia, excluídas as classes texturais areia e areia franca.

- Textura argilosa: Compreende classes texturais ou parte delas tendo na


composição granulométrica de 35 a 60% de argila.

- Textura muito argilosa: Compreende classe textural com mais de 60% de argila.

- Textura siltosa: Compreende composições granulométricas com menos de 35%


de argila e menos de 15% de areia.

Para essas distinções é considerada a prevalência textural do B ou do C quando não


existe B, sendo também levado em conta o horizonte A de alguns solos, especialmente no caso
dos solos Litólicos.

Nos casos de expressiva variação textural no solum, ou entre A e C quando não


existe B, quer se trate ou não de mudança textural abrupta, as gradações bem evidentes de
granulometria qualificam distinções de unidades de solo, expressas por contraste textural
acentuado em descenso no solo. A designação é feita pelo registro de textura binária, expressa
sob a forma de fração.

3.1.5. Critérios para Distinção de Fases de Unidades de Mapeamento

As fases são estabelecidas para divisão de unidade de mapeamento, segundo


seleção de critérios referentes às condições das terras e que interferem, direta ou
indiretamente, com o comportamento e qualidade de solos, no referente às possibilidades de
alternativas de uso e manejo para fins essencialmente agrícolas.

3.1.5.1. Fases de Vegetação

Na insuficiência de dados de clima do solo (temperatura e umidade, principalmente),


fases de vegetação são empregadas para facultar inferências sobre relevantes variações
estacionais de condições de umidade dos solos, uma vez que vegetação primária reflete
diferenças climáticas imperantes nas diversas condições de ocorrência dos solos.
Reconhecidamente, além do significado pedogenético, as distinções em questão assumem
ampla implicação ecológica, a qual abre possibilidades para o estabelecimento de relações
entre unidades de solo e sua aptidão agrícola, aumentando, pois a utilidade aplicada dos
mapeamentos de solos.

No presente trabalho, os seguintes tipos de vegetação foram identificados:

- Floresta Equatorial: Subperenifólia, Subcaducifólia, Higrófila e Hidrófila de


Várzea.

- Floresta Tropical: Subperenifólia, Subcaducifólia, Caducifólia, Higrófila e Hidrófila


de Várzea.
16

- Cerrado: Cerrado Equatorial Subperenifólio, Campo Cerrado Equatorial, Cerrado


e Cerradão Tropical (Subperenifólio, Subcaducifólio, Caducifólio), Campo
Cerrado Tropical, Vereda Tropical.

- Vegetação Campestre: Campo Tropical Higrófilo e Hidrófilo de Várzea.

3.1.5.2. Fases de Relevo

Qualificam circunstâncias de condições de declividade, comprimento de encostas e


configuração superficial dos terrenos, implicadas nas formas de modelado (formas
topográficas) de áreas de ocorrência das unidades de solo.

Distinções baseadas nessas condicionantes são empregadas para prover informação


sobre praticabilidade de emprego de equipamentos agrícolas, mormente os mecanizados, e
facultar inferências sobre susceptibilidade dos solos à erosão.

Foram reconhecidas as seguintes classes de relevo:

- Plano: superfície de topografia esbatida ou horizontal, onde os desnivelamentos


são muito pequenos, com declividades variáveis de 0 a 3%.

- Suave ondulado: superfície de topografia pouco movimentada, constituída por


conjunto de colinas ou outeiros (elevações de altitudes relativas até 50 m e de 50
a 100 m), apresentando declives suaves, predominantemente variáveis de 3 a
8%.

- Ondulado: superfícies de topografia pouco movimentada, constituída por conjunto


de colinas ou outeiros, apresentando declives moderados, predominantemente
variáveis de 8 a 20%.

- Forte ondulado: superfícies de topografia movimentada, formada por outeiros ou


morros (elevações de 50 a 100 m e de 100 a 200 m de altitude relativas) e
raramente colinas, com declives fortes, predominantemente variáveis de 20 a
45%.

- Montanhoso: superfície de topografia vigorosa, com predomínio de formas


acidentadas, usualmente constituídas por morros, montanhas, maciços
montanhosos e alinhamentos montanhosos, apresentando desnivelamentos
relativamente grandes e declives fortes ou muito fortes, predominantemente
variáveis de 45 a 75%.

- Escarpado: áreas com predomínio de formas abruptas, compreendendo


superfícies muito íngremes, tais como: aparados, itaimbés, frentes de cuestas,
falésias, vertentes de declives muito fortes, usualmente ultrapassando 75%.

3.1.5.3. Fases de Pedregosidade

Qualificam áreas em que a presença superficial ou sub-superficial de quantidades


expressivas de calhaus (2-20 cm) e matacões (20-100 cm) interfere no uso das terras,
sobretudo no referente ao emprego de equipamento agrícola, ou seja, 3% ou mais do material
macroclástico em apreço. Essa quantificação abrange as classes de pedregosidade
denominadas pedregosa, muito pedregosa e extremamente pedregosa, conforme descrição no
item 2.7 da “Súmula da X Reunião Técnica de Levantamento de Solos”, (1979). No presente
trabalho, as seguintes fases de pedregosidade foram identificadas:
17

- Fase Pedregosa I (fase pedregosa)

O solo contém calhaus e/ou matacões ao longo de todo perfil ou no(s) horizonte(s)
superior(es) e até profundidade maior que 40 cm.

- Fase Pedregosa III (fase endopedregosa)

O solo contém calhaus e/ou matacões a partir de profundidade maiores que 40 cm.
Nesta fase estão incluídas tanto os solos que apresentam intercalações de uma seção de
pedregosidade, como aqueles nos quais a pedregosidade é contínua em profundidade, porém
a partir de 40 cm abaixo da superfície do solo.

3.1.5.4. Fases de Rochosidade

Refere-se à exposição do substrato rochoso, lages de rochas, parcelas de camadas


delgadas de solos sobre rochas e/ou predominância de boulders com diâmetro médio maior
que 10 cm, na superfície ou na massa do solo, em quantidades tais que tornam impraticável o
uso de máquinas agrícolas.

A fase rochosa é identificada no solo que apresenta as seguintes classes de


rochosidade: rochosa, muito rochosa e extremamente rochosa, conforme
descrições contidas no item 2.8 da “Súmula da X Reunião Técnica de
Levantamento de Solos”, (1979).

3.1.5.5. Fases de Substrato

Qualifica distinções pertinentes aos solos compreendidos na classe dos Solos


Litólicos. Visam discriminações devidas a variações de atributos, em razão da herança
concernente à constituição e propriedades do material de partida.

3.1.6. Classes de Profundidade dos Solos

São denominações genéricas aplicadas às descrições generalizadas de classes de


solos, não utilizadas para diferenciar taxas (unidades taxonômicas). Quadro 002.

QUADRO 002 CLASSES DE PROFUNDIDADE DOS SOLOS


Raso < 50 cm de profundidade
Pouco profundo > 50 cm < 100 cm de profundidade
Profundo > 100 cm < 200 cm de profundidade
Muito profundo > 200 cm de profundidade
FONTE: EMBRAPA, 1988

3.1.7. Outros Critérios

Nas descrições dos perfis de solos, quando não especificado o estágio de umidade
da amostra na determinação da cor, significa que se trata da amostra úmida. Definições de
outras características usadas para este fim poderão ser encontradas no “Manual de Descrição
e Coleta de Solo no Campo”, (LEMOS & SANTOS, 1982). A nomenclatura dos horizontes e
camadas dos solo, adotada neste trabalho, está em conformidade com a publicação –
“Definição e Notação de Horizontes e Camadas de Solo”, (EMBRAPA, 1988).

A seguir serão comentados resumidamente alguns outros critérios que auxiliaram na


elaboração do trabalho.
18

- Solo Dominante: se refere ao componente que ocupa a maior extensão de terras


na associação (unidade de mapeamento), geralmente mais de 50% da área da
unidade.

- Solo Subdominante: se refere a outros componentes que ocorrem na unidade de


mapeamento, porém ocupando entre 20 a 50% da unidade.

- Inclusão: se refere ao componente constatado na unidade de mapeamento


porém em proporções muito reduzidas (< 20%).

3.2. DESCRIÇÃO DAS CLASSES DE SOLOS

3.2.1. Latossolo Roxo

- Caracterização Sumária

São solos minerais, não hidromórficos, com horizonte B latossólico de cor vermelho-
escura com tonalidades arroxeadas e teores de Fe2O3 proveniente do ataque sulfúrico maior
que 18%. Apresentam normalmente forte atração magnética.

São profundos, friáveis ou muito friáveis, argilosos ou muito argilosos, porosos e


permeáveis.

São eutróficos e distróficos e estão cobertos por vegetação de Cerrado e Floresta.

Nesta área ocorrem na maioria das vezes em condições de relevo plano e suave
ondulado, o que junto às suas excelentes características físicas, é responsável pelo intenso
uso agrícola mecanizado.

Originam-se de intemperismo de rochas básicas, particularmente basaltos da


Formação Tapirapuã, e via de regra estão associados a Terras Roxas Estruturadas.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Os Latossolos Roxos possuem excelentes condições físicas que, aliadas ao relevo


plano ou suavemente ondulado onde ocorrem, permitem o cultivo de diversas culturas
climaticamente adaptadas. A principal limitação decorre da baixa fertilidade natural quando os
solos são distróficos, porém, quando comparados com outros Latossolos com baixa saturação
de bases, são melhores em decorrência da presença de micronutrientes.

- Susceptibilidade à Erosão

Com relação à erosão, quando em condições naturais ou quando bem manejados


são bastante resistentes ao tipo superficial, em razão de suas características físicas de boa
permeabilidade e porosidade.

Quando submetidos a cultivos intensivos com uso de máquinas pesadas, sofrem


compactação interna, geralmente entre 6 e 10 cm abaixo da superfície, formando o conhecido
“pé de grade”, e isto aumenta consideravelmente a susceptibilidade à erosão e diminui a
produtividade.

Em condições de fortes agressões, permitem o desenvolvimento de ravinas e


pequenas voçorocas com facilidade.
19

- Áreas de Ocorrência

A sua ocorrência mais expressiva e praticamente única é no Planalto de Tapirapuã,


onde ocupam uma superfície de cerca de 1576,34 Km2 , contemplando municípios como
Tangará da Serra, Nova Olímpia, Arenápolis e Nortelândia.

Pequenas ocorrências foram verificadas também na parte sul da Serra dos Caiabis,
município de Juara e ao sul do Estado, nas proximidades de Torixoréu, porém com pequena
expressividade cartográfica.

3.2.2. Latossolo Vermelho-Escuro

- Caracterização Sumária

São solos minerais, profundos, bastante intemperizados, caracterizados por


apresentar um horizonte B latossólico, de cor vermelho-escura, geralmente no matiz 2,5 YR e
teores de Fe2O3 entre 8 e 18% nos solos argilosos podendo ser menor que 8% nos de textura
média.

Seu elevado grau de intemperização é refletido em valores de Ki muito baixos


(menores que 2) e mineralogia caulinítica/gibbsítica na fração argila.

Apresentam boa drenagem interna, condicionada por elevada porosidade e


homogeneidade de características ao longo do perfil e, em razão disto, elevada
permeabilidade. Este fato os coloca como solos de razoável resistência à erosão de superfície
(laminar e sulcos).

São sem dúvida alguns dos solos mais expressivos em termos de ocorrência no
Estado de Mato Grosso, distribuindo-se por todas as regiões, tendo entretanto no Planalto dos
Parecis sua maior ocorrência.

Apresentam textura média e argilosa e estão relacionados a litologias diversas, desde


arenitos das Formações Utiariti, Dardanelos e Ponta Grossa a coberturas sobre litologias do
Complexo Xingu e Grupo Cuiabá e em especial sobre as Superfícies Peneplanizadas
Terciárias.

São cobertos tanto por vegetação de Cerrado, quanto por Floresta.

Os solos argilosos, em geral, são muito utilizados com lavouras cíclicas em sistemas
de manejo desenvolvidos, enquanto os de textura média são mais explorados com pastagens
plantadas. Ambos apresentam nos aspectos químicos as principais limitações ao uso agrícola,
impondo a necessidade de correções pesadas para uma utilização plena.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Os Latossolos Vermelhos-Escuros possuem ótimas condições físicas que aliadas ao


relevo plano ou suavemente ondulado onde ocorrem, favorecem sua utilização com as mais
diversas culturas adaptadas à região. Estes solos por serem ácidos e distróficos, ou seja, com
baixa saturação de bases, requerem sempre correção de acidez e fertilização. A ausência de
elementos tanto os considerados macros quanto os micronutrientes é uma constante para
estes solos.

Em geral, não apresentam nenhum tipo de impedimento físico, tais como presença
de cascalhos, pedras, matacões ou outros, que comprometam o uso de máquinas ou o
desenvolvimento de raízes.
20

- Susceptibilidade à Erosão

Com relação à erosão superficial, pouco se diferenciam dos Latossolos Roxos


considerados anteriormente, ou seja, têm relativamente boa resistência ao processo em
condições naturais ou de bom manejo.

No que diz respeito à erosão em profundidade, são muito susceptíveis, tanto os


originados de arenitos quanto os da Superfície Peneplanizada Terciária, cabendo destaque
para os de textura média.

Os argilosos, localizados nos chapadões, por possibilitarem uma utilização intensiva


de máquinas, via de regra, apresentam problemas de compactação de sua camada
subsuperficial junto a uma pulverização excessiva da camada superficial, o que facilita a
erosão e algumas vezes até mesmo a erosão eólica, além de reduzir a produtividade.

- Áreas de Ocorrência

Ocupam cerca de 212.170,37 Km2 de área em carater de dominância, sendo na


região do Planalto dos Parecis a sua principal expressão.

Neste Planalto é importante destacar a porção oeste, contemplado os municípios de


Campo Novo dos Parecis, Tangará da Serra e Diamantino, onde são argilosos e ocorrem sob
vegetação de Cerrado.

À medida que se caminha para leste, adentrando a bacia do Rio Xingu, apresentam
textura média dominantemente e ocorrem sob Floresta e neste caso são mais utilizados com
pastagens plantadas.

São expressivos também à sudeste, abrangendo parte dos municípios de Campo


Verde e Primavera do Leste na Chapada dos Guimarães e Itiquira e Alto Araguaia no extremo
sudeste. Neste caso são também dominantemente argilosos e estão sob vegetação de
Cerrado.

Expressivas manchas foram detectadas, a noroeste, nos municípios de Aripuanã e


Juina, sobre a Chapada de Dardanelos, onde são argilosos e estão sob vegetação de Floresta
Equatorial.

No restante do Estado ocorrem manchas esparsas sobre litologias do Complexo


Xingu (municípios de Juruena, Alta Floresta, Colider e Pontes e Lacerda), e do Grupo Cuiabá
(municípios de Cuiabá, Poconé e Marzagão, entre outros).
21

3.2.3. Latossolo Vermelho-Amarelo

- Caracterização Sumária

Assim são denominados solos bem drenados, caracterizados pela ocorrência de


horizonte B latossólico de cores vermelhas a vermelho-amareladas, com teores de Fe 2O3 iguais
ou inferiores a 11% e normalmente maiores que 7%, quando a textura é argilosa ou muito
argilosa.

São profundos, bastante intemperizados, o que se reflete na baixa capacidade troca


de cátions e saturação de bases.

As características físicas são muito favoráveis ao aproveitamento agrícola, refletidas


em boa drenagem interna, boa aeração e ausência de impedimentos físicos à mecanização e
penetração de raízes.

Têm nas características químicas as principais limitações ao aproveitamento agrícola,


impondo a execução de práticas para correção química (adubação e calagem).

Os de textura média apresentam deficiência hídrica acentuada no período seco, o


que de certa forma é limitante ao seu aproveitamento agrícola.

Originam-se a partir da intemperização de rochas diversas, desde sedimentos


recentes, quaternários, das planícies do Pantanal, do Araguaia e do Guaporé, de sedimentos
da Superfície Peneplanizada Terciária, de arenitos diversos e de coberturas sobre litologias do
Grupo Cuiabá e do Complexo Xingu.

Ocorrem na área tanto com textura argilosa quanto média. Em ambos os casos são
bastante utilizados, ora com pastagens plantadas (textura média) e ora com lavouras (textura
argilosa). O relevo de sua ocorrência é suave ondulado ou plano, sob vegetação de Cerrado e
Floresta.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Estes Latossolos, assim como os demais, também possuem boas condições físicas,
que aliadas ao relevo plano ou suavemente ondulado, favorecem a utilização com diversas
culturas adaptadas ao clima da região. As principais limitações decorrem da acidez elevada e
da fertilidade baixa. Requerem um manejo adequado, preocupado com correção da acidez e
fertilidade e controle de erosão, sobretudo nos solos de textura média que são mais
susceptíveis. A deficiência de micronutrientes ocorre também, sobretudo nos solos de textura
média.

- Susceptibilidade à Erosão

Seu comportamento com relação à erosão é semelhante aos Latossolos Vermelhos-


Escuros, considerados anteriormente.

- Áreas de Ocorrência
22

Ocupam no total uma superfície de 154.219,44 Km2, distribuídos por praticamente


todas as regiões do Estado.

As ocorrências mais significativas podem ser relacionadas como segue:

 Extremo Norte, município de Apiacás, sob Floresta e relacionadas aos arenitos


do Grupo Beneficente e da Formação Prainha.

 Noroeste, municípios de Aripuanã e Juína sobre a Chapada se Dardanelos, sob


vegetação de Floresta e relacionadas à litologias da Formação Dardanelos.

 Planalto dos Parecis, porção oeste com textura média e sob Cerrado, ligados à
Formação Utiariti; na parte central, argilosos, sob Cerrado e ligados à Superfície
Peneplanizada Terciária e na porção leste, sob floresta, textura média e ligados à
arenitos da Formação Utiariti.

 Planície do Guaporé, abrangendo os municípios de Comodoro e Vila Bela da


Santíssima Trindade, sob Floresta, argilosos.

 Bacia do Alto Paraguai, municípios de Diamantino, Nortelândia, Denise e Barra


do Bugres, entre outros, sob Cerrado e Floresta, ligados a sedimentos
quaternários da Formação Pantanal.

 Várias manchas ao longo da Província Serrana entre e no topo plano das serras
e na Depressão Cuiabana, sobre litologias do Grupo Cuiabá e sob vegetação de
Cerrado.

 Chapada dos Guimarães, sob cerrado com textura argilosa e média e


relacionados aos sedimentos da Superfície Peneplanizada Terciária.

 Planície do Araguaia, várias manchas em sua parte alta, ligados à Formação


Ponta Grossa, nos municípios de Barra do Garças, Água Boa e Canarana, entre
outros e à nordeste do Estado em várias manchas como no município de São
Félix do Araguaia.

3.2.4. Latossolo Vermelho-Amarelo Podzólico

- Caracterização Sumária

Estes solos diferem dos Latossolos Vermelho-Amarelos anteriormente descritos, pela


ocorrência de um gradiente textural excepcionalmente elevado para a classe dos Latossolos.
Quanto às demais características, ocorrem dentro dos parâmetros exigidos para caracterizar
Latossolos.

Têm textura média e ocorrem sob vegetação de Cerrado Tropical Subcaducifólio em


relevo plano e suave ondulado, associados a Podzólicos Vermelho-Amarelos. Nesta área estão
relacionados a sedimentos das Formações Pantanal, Araras e Puga.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Praticamente apenas limitações de ordem química, são significativas nestes solos.


Práticas de adubação e calagem são inevitáveis, para sua colocação no processo produtivo.

- Susceptibilidade à Erosão
23

Apenas a diferença textural marcante atua como um fator indutor dos processos
erosivos de superfície, considerando-se os demais Latossolos. Portanto, esta característica
lhes atribui uma maior vulnerabilidade frente aos processos erosivos.

- Áreas de Ocorrência

Foram cartografados significativamente a nível de dominância na porção sudoeste do


Estado, abrangendo terras do município de Cáceres.

Somam um total de 5.373,76 Km2.

3.2.5. Terra Roxa Estruturada

- Caracterização Sumária

São solos minerais, não hidromórficos, com horizonte B textural, argila de atividade
baixa, cerosidade moderada a forte, estrutura moderada a fortemente desenvolvida em blocos
e/ou prismas, cor vermelho-escura com tonalidades arroxeadas e teores de Fe 2O3
relativamente elevados (> 15%).

A fertilidade natural é média a alta, a textura é argilosa ou muito argilosa, o gradiente


textural é baixo e a profundidade é mediana. A fase pedregosa foi detectada para alguns
componentes subdominantes de algumas unidades de mapeamento.

Ocorrem em relevo desde suave ondulado a forte ondulado e estão relacionados ao


basalto da Formação Tapirapuã a corpos básicos na região do Complexo Xingu.

Quando não estão em condições de relevo acidentado ou com ocorrência de


pedregosidade, apresentam boas características para o aproveitamento agrícola,
particularmente os eutróficos.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

São solos com boas condições físicas e que apresentam como principais limitações
ao uso agrícola sua ocorrência em relevo ondulado e forte ondulado, a elevada
susceptibilidade à erosão e a presença de pedregosidade e rochosidade em algumas
unidades. Quando em áreas de relevo suavemente ondulado podem ser usados para
agricultura, tomando-se os devidos cuidados com a erosão.

- Susceptibilidade à Erosão

Neste particular, deve-se ressaltar a elevada susceptibilidade à erosão superficial,


condicionada principalmente pela presença do horizonte B textural argiloso, que condiciona
uma permeabilidade lenta das águas pluviais.

A erosão em profundidade nestes solos encontra maior dificuldade de


desenvolvimento, principalmente devido ao substrato resistente e às características do
horizonte B textural.

- Áreas de Ocorrência

Em caráter de dominância ocupam um total de 312,68 Km2 distribuídos nas regiões


norte e sudoeste do Estado.
24

Foram verificados como componentes subdominantes na região de Tangará da Serra


e Salto do Céu e como dominantes em pequenas ocorrências nos municípios de Comodoro,
Juína e Castanheira.

Pequenas ocorrências não cartografáveis nesta escala foram detectadas na região


de Torixoréu, ao sul do Estado.

3.2.6. Brunizém Avermelhado

- Caracterização Sumária

Solos minerais, não hidromórficos, que se caracterizam por apresentar horizonte A


chernozêmico sobrejacente a um horizonte B textural com argila de atividade alta e saturação
por bases alta (> 50%).

São solos moderadamente profundos a rasos com distinta diferenciação entre os


horizontes, normalmente com textura média nos horizontes superficiais e argilosa nos sub-
superficiais. A estrutura é geralmente prismática ou em blocos no horizonte Bt, com evidência
de cerosidade bastante nítida entre os blocos. Apresentam permeabilidade moderada no
horizonte superficial e lenta no horizonte Bt, sendo portanto, muito susceptíveis a processos
erosivos.

Do ponto de vista químico, estes solos apresentam valores elevados de saturação e


soma de bases, enquanto os valores de saturação com alumínio são baixos ou até
praticamente inexistentes. A capacidade de troca de cátions é também alta, devido a
significativa contribuição de minerais de argila do tipo 2:1.

Têm sua origem relacionada à litologias do Complexo Xingu na borda do Planalto dos
Parecis.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Tratam-se de solos que apresentam características químicas excelentes para o uso


agrícola, com um elevado elevado potencial nutricional, refletido em alta saturação de bases e
capacidade de troca de cátions, além de apresentar uma acidez praticamente nula. No entanto,
ocorrem em locais onde o relevo é acidentado e associados a solos rasos. Portanto,
prevalecem as limitações decorrentes das fortes declividades que lhes conferem alto risco de
erosão. Em razão disto, são mais usados com pastagens.

- Susceptibilidade à Erosão

São naturalmente muito propensos à erosão superficial em razão da presença do B


textural de permeabilidade lenta e da relativamente pequena profundidade. As condições de
relevo acidentado, na maioria das vezes contribui para agravar a situação.

Sulcos e ravinas são os tipos de erosão mais comuns sobre os mesmos.

- Áreas de Ocorrência

Ocupam uma mancha contínua de terras situada no bordo ocidental do Planalto dos
Parecis, abrangendo parte dos municípios de Pontes e Lacerda e Vila Bela da Santíssima
Trindade, perfazendo um total de 591,78 Km2.
25

Algumas outras ocorrências menores foram detectadas, como próximo à cidade de


Nobres, porém foram cartografadas apenas na escala 1:250.000.

3.2.7. Podzólico Amarelo

- Caracterização Sumária

Tratam-se de solos minerais, bem drenados, profundos, e que se caracterizam pela


ocorrência de um horizonte B textural sob um horizonte A, que na área é do tipo moderado.

O horizonte B textural é assim caracterizado mais pela ocorrência de um razoável


gradiente textural que por suas características intrínsecas. Não se verifica ocorrência de
cerosidade e a estrutura tem desenvolvimento fraco a moderado. Este fato é agravado por
serem de grande vulnerabilidade aos processos erosivos e, nos locais perturbados, quase
sempre restar muito pouco do horizonte A.

Apresentam cores amareladas no horizonte Bt, geralmente nas matizes 7,5 YR e 10


YR, o que os distingue dos demais Podzólicos da área, junto com grande coesão do horizonte
Bt.

O conjunto de características analíticas revela tratar-se de solo bastante


intemperizado, o que de certa forma poderia ser atribuído a um eventual retrabalhamento a que
teriam sido submetidos os sedimentos que lhes deram origem.

A textura varia de franco-arenosa no horizonte A até argila arenosa no Bt, já a


profundidades superiores a 100 cm. Ocorrem sob cobertura da Floresta Equatorial
Subperenifólia em condição de relevo plano e suave ondulado.

Quimicamente são caracterizados como álicos, sendo pois desprovidos de elementos


nutrientes para os vegetais.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

A baixa fertilidade natural é o principal empecilho destes solos para o seu


aproveitamento pleno, entretanto a relativamente alta erodibilidade é também fator restritivo.
Correções químicas são determinantes para a sua utilização plena.

- Susceptibilidade à Erosão

Da mesma forma que nos demais Podzólicos, o horizonte B textural apresenta


permeabilidade mais lenta que o horizonte superficial, favorecendo o escoamento de água em
superfície e com isto proporcionando o arraste de partículas do solo.

- Áreas de Ocorrência

Têm ocorrência ligada a sedimentos possivelmente retrabalhados, posicionados na


baixa vertente dos principais rios da região noroeste do Estado (Aripuanã, Guariba, Rosevelt e
Arinos), ora associados como subdominantes em várias unidades de mapeamento e ora como
dominantes, como é o caso da região de Colniza e próximo ao Rio Canamã, no município de
Aripuanã, onde ocupam uma área de 739,97 Km2.
26

3.2.8. Podzólico Vermelho-Amarelo

- Caracterização Sumária

São solos minerais, não hidromórficos, com horizontes B textural, de cor vermelho-
amarelada e distinta diferenciação entre os horizontes no tocante a cor, estrutura e textura,
principalmente. São profundos, com argila de atividade baixa, horizonte A dos tipos moderado e
chernozêmico e textura média/argilosa em sua maioria.

Solos com textura arenosa/média, foram constatados também, porém com menor
freqüência. A presença de cascalho e os caracteres plíntico e epiconcrecionário, bem como as
fases pedregosa e rochosa foram verificados, particularmente nos solos derivados de rochas
do Complexo Xingu ao norte do Estado.

Ocorrem solos álicos, distróficos e eutróficos e são cobertos por vegetação de


Floresta e Cerrado. O principal tipo de uso verificado sobre os mesmos é a pastagem plantada.

Originam-se da intemperização de material litológico diverso, relativo a unidades


geológicas referidas desde o Cenozóico ao pré-Cambriano.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Em face da grande diversidade de características que interferem no uso agrícola, tais


como saturação de bases e por alumínio, textura, profundidade, atividade da argila, presença
de cascalhos e pedras, além da ocorrência nos mais variados relevos, não se pode generalizar
para a classe como um todo suas qualidades e limitações ao uso agrícola. De uma maneira
geral, pode-se dizer que os Podzólicos são solos bastante susceptíveis à erosão, sobretudo
quando há maior diferença de textura do A para o B, presença de cascalhos e relevo mais
movimentado com fortes declividades. Neste caso, não são recomendados para agricultura,
prestando-se para pastagem e reflorestamento ou preservação da flora e fauna.

Quando localizados em áreas de relevo plano e suavemente ondulado, livres de


cascalhos, pedras e outros impedimentos físicos, estes solos podem ser usados para diversas
culturas, desde que sejam feitas correção da acidez e adubação, principalmente quando se
tratar de solos distróficos ou álicos.

- Susceptibilidade à Erosão

Pode-se afirmar que a presença do B textural é um fator negativo particularmente no


caso de erosão do tipo superficial. Entretanto, outras características têm também grande
importância no processo erosivo. Assim, diferenças com relação à classe textural, ao gradiente
textural, ao tipo de estrutura, à permeabilidade etc., infuenciarão na maior ou menor
erodibilidade. A erosão em profundidade, no caso de solos com B textural argiloso ou muito
argiloso, encontra maior dificuldade para desenvolvimento.

- Áreas de Ocorrência

Constituem uma das classes de solos mais importantes do Estado de Mato Grosso,
perfazendo no total, cerca de 216.286,72 Km2 de superfície em regime de dominância.

Uma extensa faixa na porção norte do Estado, constitui sua principal concentração,
estendendo-se de leste a oeste do mesmo.
27

Nesta região o predomínio absoluto é de solos distróficos, verificando-se ocorrência


mais esporádica de eutróficos, restritos aos municípios de Juara e Aripuanã e, de solos álicos,
com sua maior concentração a oeste desta faixa, no município de Aripuanã.

Outra grande concentração é verificada na porção sudoeste do Estado, municípios de


Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Jauru, Figueirópolis d’Oeste, São José dos Quatro Marcos
e Araputanga, entre outros. Nesta região ocorrem solos eutróficos e distróficos, com e sem
cascalhos e se originam fundamentalmente das litologias do Complexo Xingu.

Com textura arenosa/média e distróficos pode-se destacar também os solos


derivados de arenitos que ocorrem na Serra dos Caiabis associados a Plintossolos e, no
Planalto de Tapirapuã.

Outra expressiva ocorrência é verificada a sudeste, abrangendo área dos municípios


de Jaciara, Rondonópolis e Poxoréu. Neste caso, são na maioria eutróficos e estão ligados as
litologias da Formação Ponta Grossa.

3.2.9. Podzólico Vermelho-Escuro

- Caracterização Sumária

Diferem dos demais Podzólicos principalmente pela coloração mais avermelhada do


horizonte B, comumente nos matizes 2,5 YR e 10 R.

O material de origem está relacionado a rochas cristalinas do Complexo Xingu,


particularmente corpos graníticos e prováveis intrusões básicas e a litologias do Grupo Iriri
(efusivas ácidas).

Ocorrem em relevo desde suave a forte ondulado e a cobertura vegetal natural é a


Floresta.

- Principais Limitações no Uso Agrícola

Baixa fertilidade natural no caso dos solos distróficos, relevo acidentado em algumas
unidades de mapeamento e a relativamente alta vulnerabilidade à erosão, são as principais
limitações ao uso agrícola destes solos.

- Susceptibilidade à Erosão

Assim como os demais Podzólicos, a presença do horizonte B textural, condiciona


uma maior propensão à erosão do que solos com horizonte B latossólico por exemplo.

- Áreas de Ocorrência

São componentes subdominantes em algumas unidades de mapeamento no norte do


Estado na região do embasamento cristalino.

A nível de dominância ocorrem em pequenas manchas à norte (Guarantã do Norte) e


na região sudoeste do Estado (Mirassol d’Oeste e Salto do Céu), perfazendo um total de
1.282,66 Km2.
28

3.2.10. Planossolo

- Caracterização Sumária

Solos minerais hidromórficos, com mudança de textura abrúptica entre o A ou o E e o


horizonte B textural que tem alta densidade aparente, cores de redução e/ou mosqueados,
decorrentes de drenagem imperfeita ou má.

São solos rasos ou de profundidade média, com permeabilidade lenta abaixo da


superfície, em decorrência da porosidade total muito baixa. Isto favorece o encharcamento
temporário a que estão sujeitos em conseqüência da situação topográfica baixa que ocupam
em áreas receptoras de águas, provenientes dos terrenos de cotas mais elevadas. Em
contraposição ao período em que permanecem molhados, durante a época seca, estes solos
tornam-se duros a extremamente duros e usualmente fendilham-se no horizonte Bt. Quanto à
saturação por bases e por alumínio ocorrem solos eutróficos, distróficos ou álicos, porém são
predominantemente eutróficos. Alguns desses Planossolos possuem teores de sódio trocável
entre 8 e 20%, sendo neste caso, caracterizados como Planossolo Solódico.

Quanto a textura há também grande variação, sendo mais freqüente arenosa no A e


média no B ou média no A e argilosa no Bt.

São desenvolvidos a partir de sedimentos semi-consolidados e inconsolidados da


Formação Pantanal (Quaternário) e encontram-se cobertos por vegetação Florestal ou
campestre em relevo plano.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

As principais limitações decorrem de: drenagem imperfeita ou má; alta densidade


aparente e permeabilidade lenta no horizonte Bt.

Nos Planossolos Solódicos, além das limitações decorrentes das propriedades físicas
já mencionadas, há restrições ao uso em função dos teores médios de sódio trocável no Bt e/
ou C.

Deve-se assinalar que na região do Pantanal, estes solos estão sujeitos a períodos
de encharcamento alternados com períodos secos durante os quais os solos tornam-se duros a
extremamente duros e usualmente fendilham-se no horizonte Bt. São mais usados com
pastagens.

- Susceptibilidade à Erosão

São, do ponto de vista morfológico, muito propensos aos processos erosivos,


particularmente àqueles de ação superficial. A presença do horizonte B textural de muito baixa
permeabilidade e a mudança textural abrúptica, são os principais condicionantes de sua
elevada erodibilidade, entretanto há que se ressaltar que a sua ocorrência em locais planos e
abaciados, com tendência à acumulação de água e sedimentos, de certa forma ameniza o
problema.

- Áreas de Ocorrência

Ocorrem expressivamente na região do Pantanal Matogrossense, ao sul do Estado,


abrangendo municípios como os de Cáceres, Poconé e Barão de Melgaço. Totalizam 18.339,99
Km2 em caráter de dominância.
29

3.2.11. Solonetz Solodizado

- Caracterização Sumária

São solos minerais, hidromórficos ou não, com horizonte B nátrico abaixo de um


horizonte A ou E, e com grande contraste estrutural entre os mesmos. O horizonte B, cuja
estrutura é normalmente colunar, apresenta cores claras ou acinzentadas, por vezes com
mosqueados, denotando uma drenagem imperfeita ou má.

São solos com alta densidade aparente no horizonte B e com porosidade total
extremamente baixa, que indicam más condições físicas para o desenvolvimento vegetal.
Quando secos, os horizontes abaixo da superfície ficam extremamente duros e compactos,
tornando a permeabilidade muito lenta, o que dificulta a penetração do ar, água e raízes.

A principal característica química destes solos é a presença de sódio trocável, cujos


valores nos horizontes E e/ou C, são iguais ou maiores que 20%, considerados tóxicos para a
maioria das plantas cultivadas. De um modo geral, têm reação ácida no A e alcalina no B e C.

Desenvolveram-se a partir de sedimentos recentes da Formação Pantanal


(Quaternário).

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

As principais limitações estão relacionadas a:

 Más condições físicas, resultante da alta densidade aparente, baixa porosidade e


lenta permeabilidade nos horizontes B e C;

 Restrição imposta pela drenagem imperfeita ou má;

 Teores elevados em sódio trocável que inibem o desenvolvimento da maioria das


plantas cultivadas.

- Susceptibilidade à Erosão

Do mesmo modo que nos Planossolos, as características físicas e morfológicas


tornam estes solos de grande propensão à erosão superficial. Porém, da mesma forma que
aqueles, a situação de sua ocorrência em locais, de recepção e acúmulo, atenua este
problema. Entretanto, em áreas onde se fez alguma intervenção (abertura de estrada, por
exemplo), é comum o horizonte A ser totalmente transportado e o topo das estruturas colunares
serem expostos.

- Áreas de Ocorrência

A ocorrência destes solos restringe-se a pequenas ocorrências na região do


Pantanal, município de Poconé.

3.2.12. Cambissolo

- Caracterização Sumária

Solos minerais não hidromórficos, com horizonte A sobre horizonte B incipiente, ou


seja, um horizonte pouco evoluído, no qual apenas se manifestam as características de cor
e/ou estrutura, sem contudo haver outras características indicadoras de maior evolução para
30

caracterizar outros horizontes tais como B textural, B latossólico, B espódico ou horizonte


plíntico.

São solos pouco profundos a rasos, com pequena diferenciação de horizontes,


ausência de acumulação de argila, textura franco-arenosa ou mais fina (mais argilosa), cores
normalmente amareladas e brunadas. Quando derivados de rochas cristalinas (gnaisses,
granitos, migmatitos etc.), de um modo geral apresentam materiais primários facilmente
decomponíveis no interior de sua massa. A textura é média ou argilosa, podendo ocorrer
cascalhos.

No Estado predominam os cambissolos com argila de atividade baixa e quanto à


saturação de bases são distróficos, ou seja, apresentam saturação de bases e com alumínio
baixas, sendo entretanto mais freqüente a ocorrência de solos com saturação com alumínio
alta, maior que 50%, tendo, portanto, caráter álico.

Estão relacionados tanto a rochas pré-cambrianas do Complexo Xingu como rochas


do Grupo Cuiabá (metassiltitos, filitos, metarcóseos etc.) e da Formação Diamantino (siltitos e
arcóseos calcíferos).

Na região de Nova Brasilândia há o predomínio de Cambissolos ligados aos filitos do


Grupo Cuiabá. Neste caso são rasos, pedregosos, cascalhentos e ocorrem em relevo forte
ondulado sob vegetação de Floresta.

Na Depressão de Paranatinga se originam de siltitos, não são pedregosos, poucas


vezes são cascalhentos, ocorrem em relevo desde plano a ondulado nas planícies e forte
ondulado nas áreas serranas.

As características presença de plintita e de concreções (epiconcrecionários), são


comuns em áreas mais abaciadas.

Algumas unidades se prestam bem ao uso agrícola no nível de manejo C, sendo que
o uso mais comum atualmente é a pastagem plantada. Num passado próximo, suportaram
expressivas lavouras de arroz, principalmente na região de Paranatinga. Hoje nesta região
prosperam algumas fazendas de criação de gado e produção de sementes de forrageiras.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Em face da grande diversidade de propriedades e também de relevo, não se pode


generalizar o uso e as limitações destes solos. De um modo geral, são solos bastante
susceptíveis à erosão. A maior parte da área destes solos tem relevo ondulado, forte ondulado
ou montanhoso, onde as limitações são fortes ou muito fortes em decorrência da
susceptibilidade à erosão.

Nas áreas de relevo plano e suavemente ondulado, quando os solos tem boa
profundidade e não apresentam pedregosidade e/ou rochosidade, podem ser usados para
agricultura, porém tem que haver controle da erosão, além da correção da acidez e adubação,
tendo em vista que os solos são álicos ou distróficos.

As áreas mais acidentadas, sobretudo com relevo forte ondulado e montanhoso,


devem ser preservadas para a proteção da flora e fauna.

- Susceptibilidade à Erosão

Têm também erodibilidade bastante variável em razão da diversidade de suas


características de textura, profundidade, permeabilidade etc.
31

Pode-se de maneira genérica separar os rasos (Grupo Cuiabá e Complexo Xingu)


com muito alta erodibilidade, principalmente devido a este caráter e, os da Formação
Diamantino, de maior profundidade, como tendo menor erodibilidade.

Sulcos e ravinas são muito comuns sobre estes solos.

- Áreas de Ocorrência

Derivados de materiais diversos, principalmente de litologias do Complexo Xingu,


encontram-se dispersos por várias regiões do Estado, particularmente nas porções norte e
sudoeste, onde via de regra são componentes subdominantes de unidades de mapeamento.

De forma expressiva e em caráter de dominância, ocorrem os derivados de rochas do


Grupo Cuiabá e da Formação Diamantino, que são encontrados em alguns vãos entre serras
na Província Serrana, região da Depressão Cuiabana, abrangendo municípios como Nossa
Senhora do Livramento, Poconé e Rosário Oeste e na Depressão de Paranatinga, abrangendo
municípios como Nova Brasilândia, Paranatinga, Campinápolis, Água Boa e Canarana.

Cabe observar que nesta região (Paranatinga) verifica-se uma das mais contínuas e
maiores ocorrências deste tipo de solo, nestas condições de relevo, vegetação e material de
origem, do território brasileiro. Totalizam 42.636,09 Km2 como componentes dominantes.

3.2.13. Plintossolo

- Caracterização Sumária

São solos minerais hidromórficos ou pelo menos com sérias restrições de drenagem,
tendo como característica principal a presença de horizonte plíntico dentro de 40 cm da
superfície ou a maiores profundidades quando subseqüente a horizonte E ou abaixo de
horizontes com muitos mosqueados de cores de redução ou de horizontes petroplínticos.

Geralmente ocorrem em locais planos e baixos, onde há oscilação do lençol freático.

São solos imperfeitamente ou mal drenados, tendo horizonte plíntico de coloração


variegada com cores acinzentadas alternadas com cores avermelhadas e intermediárias entre
estas. Este horizonte submetido a ciclos de umedecimento e secagem e após rebaixamento
drástico e prolongado do lençol freático, desidrata-se irreversivelmente e torna-se
extremamente duro quando seco.

Apresentam uma grande diversificação em textura, tendo-se constatado desde solos


arenosos até argilosos, sendo característica a grande diferença de textura do A ou E para o
horizonte B, por vezes, com mudança textural abrúptica.

Quanto às características químicas, foram constatados solos normalmente com argila


de atividade baixa. Quanto à saturação de bases e alumínio verifica-se uma grande
diversidade, ocorrendo solos distróficos e eutróficos e também álicos, sendo que estes últimos
e os distróficos predominam no Estado, havendo portanto dominância de solos ácidos.

Originam-se em geral de sedimentos recentes do Quaternário comuns em planícies


de inundação de rios/córregos e de arenitos, como os das Formações Prainha e Dardanelos ao
norte do Estado. A cobertura vegetal natural é de Campo, Campo Cerrado e Floresta, via de
regra em relevo plano ou suave ondulado com murundus (covoal).

- Principais Limitações ao Uso Agrícola


32

A principal limitação relaciona-se com a drenagem imperfeita ou má, que limita


bastante o uso destes solos durante uma parte do ano, quando ficam saturados com água. Em
face da diversidade da textura e de suas características químicas, há que se considerar estes
aspectos no uso destes solos.

Em condições naturais são mais usados com pastagens. Na Ilha do Bananal, partes
destes solos, os mais argilosos, estão sendo usados com arroz irrigado, tendo apresentado
grande produtividade.

Quanto à drenagem, há que se ter cuidado no dimensionamento dos drenos, para


que não haja ressecamento do solo e conseqüente endurecimento do horizonte plíntico.

- Susceptibilidade à Erosão

A questão é semelhante aos Planossolos e Solonetz Solodizados. Por ocorrerem em


áreas de recepção, estão sujeitas a um regime especial de sedimentação/remoção, que está
diretamente ligado à dinâmica hídrica regional.

Porém, a ocorrência do horizonte plíntico de baixa permeabilidade é responsável por


elevadíssima erodibilidade. A presença constante de covoais em suas áreas de ocorrência é
tida como conseqüência de processos erosivos, embora haja controvérsias. Entretanto é válido
mencionar que em todas as áreas de covoais verificadas no Estado, desde o extremo norte até
a região do Pantanal, a presença de solos com presença de plintita ou petroplintita é uma
constante.

- Áreas de Ocorrência

Na porção norte do Estado foram verificados como dominantes em algumas


situações elevadas a norte (município de Aripuanã) e sobre a Serra dos Apiacás, onde se
relacionam a arenitos e ocorrem sob vegetação de Campo Cerrado e Campo.

São também importantes nas planícies de rios na região do embasamento cristalino,


relacionados a sedimentos recentes e sob floresta, não cartografados na escala 1:1.500.000.

Têm sua grande expressão nas Planícies do Bananal, Guaporé e do Pantanal


Matogrossense. Neste caso sob Campo Cerrado em relevo plano com murundus (covoal).
Totalizam 65.684,06 Km2.

3.2.14. Vertissolo

- Caracterização Sumária

São solos minerais hidromórficos ou não, argilosos (mais de 30% de argila), com
argilas de alta atividade (expansivas), que apresentam grande mudança de volume em função
da variação do teor de umidade, tendo como características morfológicas típicas a presença de
fendas profundas e largas (mais de 1 cm) ao longo do perfil, nos períodos de estiagem e
superfícies de fricção (slickensides), ou seja, superfície espelhada e alisada com estriamento,
formando grandes unidades estruturais em relação ao prumo do perfil. Nas áreas dos solos
onde há maior concentração e expansão da sua massa, pode ocorrer o microrrelevo “gilgai”, ou
seja, microdepressão na superfície do terreno.

Os teores relativamente altos em argila com atividade alta tornam os solos muito
plásticos e muito pegajosos quando molhados e de consistência extremamente dura quando
secos, além de terem lenta permeabilidade.
33

Quimicamente são solos ricos, com alta saturação de bases, além de argila do grupo
da montmorilonita, que conferem ao solo uma grande atividade de fração argila. Quanto à
reação, são solos neutros ou alcalinos, com pH normalmente entre 7,0 e 8,0.

Originam-se a partir de sedimentos argilosos da Formação Pantanal.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Decorrem das más condições físicas que conferem aos solos uma lenta
permeabilidade aliada a baixa condutividade hidráulica e grande plasticidade e pegajosidade
quando molhados, que dificultam o manejo, sobretudo quanto ao uso de implementos
agrícolas. Quando secos tornam-se extremamente duros e fendilham-se prejudicando o
sistema radicular das plantas.

- Susceptibilidade à Erosão

Em decorrência de suas características, os Vertissolos são muito susceptíveis à


erosão e requerem um manejo cuidadoso, com práticas de conservação dos solos.

Assim como outros solos já considerados, ocorrem em relevo plano com um regime
hídrico especial, o que se torna determinante para os processos erosivos.

Importante se ter em mente que se utilizados intensivamente surgirão problemas de


erosão laminar, principalmente.

- Áreas de Ocorrência

A ocorrência de tais solos está restrita ao Pantanal Matogrossense, como


subdominantes associados a Solos Aluviais eutróficos na unidade Ae.

3.2.15. Glei Pouco Húmico

- Caracterização Sumária

Solos minerais hidromórficos, com horizontes glei abaixo do horizonte superficial (A


ou H com menos de 40 cm) e cores de redução (normalmente cinzentas ou azuladas) em
decorrência da presença de ferro em sua forma reduzida (Fe+2).

São mal ou muito mal drenados, encharcados, ocorrendo em áreas baixas, com
textura variável de média a muito argilosa, argila de atividade baixa, saturação de bases
normalmente baixas, por vezes, álicos e menos freqüentemente com alta saturação de bases.

Invariavelmente se desenvolvem a partir de sedimentos do Quaternário Recente,


geralmente aluvionares.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

As principais limitações ao uso agrícola decorrem da má drenagem, com presença de


lençol freático alto e dos riscos de inundação que são freqüentes. A drenagem artificial é
imprescindível para torná-los aptos à utilização agrícola com um maior número de culturas. Há
limitações também ao emprego de máquinas agrícolas.

Após drenagem e correção das deficiências químicas, sobretudo nos solos álicos e
distróficos, prestam-se para pastagens, capineiras, e diversas culturas, principalmente cana-
34

de-açúcar, banana e olericultura. Em áreas próximas aos grandes centros consumidores, estes
solos podem ser usados intensivamente com olericultura.

- Susceptibilidade à Erosão

Também têm erodibilidade variável em razão de fatores como, textura,


descontinuidades litológicas, etc. Porém, sua ocorrência em locais inundáveis, os coloca na
mesma condição dos Planossolos e outros.

- Áreas de Ocorrência

Esta classe ocupa dominantemente uma extensão de 14.219,40 Km2 no Estado.

Por se tratarem de solos hidromórficos, têm ocorrência preferencial em locais


permanentemente alagados, como é o caso das planícies de inundação dos rios.

Dentre os rios da Bacia Amazônica, são expressivos nos trechos instalados sobre o
Planalto do Parecis, com exceção dos rios Guaporé e Araguaia, cujos planícies ocupam áreas
deprimidas.

Portanto, com áreas expressivas, cartografáveis na escala 1:1.500.000, verificam-se


trechos das planícies dos rios Juruena, Arinos, Xingu e principais afluentes, Araguaia e
principais afluentes, Guaporé e principais afluentes e ainda trecho da bacia do Rio Piquiri,
afluente do Rio Paraguai.

3.2.16. Areias Quartzosas

- Caracterização Sumária

Esta classe compreende solos minerais arenosos, bem a fortemente drenados,


normalmente profundos ou muito profundos, essencialmente quartzosos, virtualmente
destituídos de minerais primários pouco resistentes ao intemperismo.

Possuem textura nas classes areia e areia franca até pelo menos 2 metros de
profundidade, cores vermelhas, amarelas ou mais claras. São solos normalmente muito pobres
com capacidade de troca de cátions e saturação de bases baixas, freqüentemente álicas e
distróficas.

Têm cores vermelhas, amarelas e vermelho-amareladas, baixa fertilidade natural,


baixa capacidade de retenção de água e de nutrientes, excessiva drenagem e grande
propensão ao desenvolvimento de erosão profunda (voçorocas e ravinas).

Ocorrem geralmente em relevo que varia do plano ao ondulado, sob vegetação tanto
de Cerrado quanto de Floresta e têm como material de origem arenitos diversos e mais
raramente sedimentos arenosos quaternários.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Decorrem da extrema pobreza dos solos, com capacidade de troca de cátions e


saturação de bases muito baixas.

A textura muito arenosa condiciona uma baixa retenção de umidade e de eventuais


elementos nutrientes aplicados, caracterizando-se como uma fortíssima limitação ao seu
aproveitamento agrícola.
35

A preservação da vegetação natural seria a melhor recomendação no caso destes


solos. Entretanto, podem ser usados para cultivo de espécies adaptadas como o cajueiro e
reflorestamentos com espécies pouco exigentes em nutrientes, e ainda para pastagens nativas
ou plantadas.

- Susceptibilidade à Erosão

São particularmente susceptíveis à erosão em profundidade, em razão de sua


constituição arenosa com grãos soltos, que possibilitam o fácil desbarrancamento,
principalmente no caso de barrancos de beira de estradas e de caixas de empréstimo de
material para construção, devido a fácil desagregabilidade de seu material constituinte.

A erosão superficial também é verificada, porém perde sua eficácia em razão da


grande permeabilidade dos solos, determinada principalmente pela textura arenosa.

- Áreas de Ocorrência

Distribuem-se por cerca de 116.202,38 Km2 em regime de dominância, dispersos por


praticamente todas as regiões do Estado.

A ocorrência mais significativa é verificada sobre o Planalto dos Parecis, mais


especificamente em suas porções sul e oeste, onde estão sob Cerrado e ligados aos arenito da
Formação Utiariti.

Outra grande concentração é verificada à sudeste, relacionada aos arenitos do Grupo


Bauru na Chapada dos Guimarães, e das Formações Botucatu e Aquidauana mais à sudeste
contemplando principalmente municípios como Alto Araguaia, Alto Garças, Itiquira, Poxoréu e
General Carneiro.

Ocorrências significativas também são verificadas nas regiões norte, principalmente


sobre os relevos elevados da Chapada de Dardanelos, Serra dos Apiacás e Caiabis.

3.2.17. Areias Quartzosas Hidromórficas

- Caracterização Sumária

São solos minerais, hidromórficos, com textura nas classes areia ou areia franca até
a profundidade de 2 metros pelo menos.

Ocorrem em ambientes com restrição de drenagem, geralmente com lençol freático


elevado, condicionando a ocorrência de cores claras, com mosqueados ao longo do perfil do
solo. Colorações mais escuras são verificadas no horizonte superficial A em razão da matéria
orgânica que encontra dificuldades de mineralização nestes ambientes.

Originam-se, via de regra, de sedimentos arenosos recentes, referidos ao


Quaternário e estão cobertos quase sempre por vegetação de Floresta Hidrófila de Várzea.
Mais esporadicamente se verificam Campos Hidrófilos e Vereda Tropical.

A fertilidade natural é baixa (álicos ou distróficos), o que impõe sempre a necessidade


de correções químicas para seu aproveitamento.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola


36

A textura muito arenosa, a presença do lençol freático elevado e as possibilidades de


inundação, são os principais fatores limitantes ao aproveitamento agrícola.

- Susceptibilidade à Erosão

Por ocorrerem sob regime hídrico especial, sujeitos a constantes inundações, este
fato determina também um comportamento especial destes solos no tocante a susceptibilidade
a erosão.

- Áreas de Ocorrência

Tratam-se de solos pouco expressivos com termos de ocorrência. Foram verificados


como dominantes apenas em pequenos trechos das planícies do Rio Itiquira na área do
Pantanal Matogrossense e do rio Corixão do Meio na Planície do Bananal (Rio Araguaia),
totalizando 574,99 Km2.

3.2.18. Solos Aluviais

- Caracterização Sumária

Solos minerais não hidromórficos, pouco evoluídos, formados em depósitos aluviais


recentes, nas margens de cursos d’água. Apresentam apenas um horizonte A sobre camadas
estratificadas, sem relação pedogenética entre si.

Devido a sua origem de fontes as mais diversas, esses solos são muito heterogêneos
quanto à textura e demais propriedades físicas e químicas que podem variar num mesmo perfil
entre as diferentes camadas, e podem ser tanto eutróficos como distróficos ou álicos. A
atividade da argila varia de alta a baixa.

Tratam-se de deposições sucessivas de natureza aluvionar, relativamente recentes,


onde ainda não houve tempo para o desenvolvimento completo do perfil do solo.

Alguns casos, como na planície do Rio Cuiabá, ao sul do Estado, apresentam


também os caracteres solódico e vértico.

Geralmente constituem os diques marginais à água dos rios e quase sempre estão
cobertos por vegetação Florestal.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Decorrem dos riscos de inundação por cheias periódicas ou por acumulação de água
de chuvas na época de intensa pluviosidade. De uma maneira geral, os solos aluviais são
considerados de grande potencialidade agrícola, mesmo os de baixa saturação de bases. As
áreas de várzeas onde ocorrem, são de relevo plano, favorecendo a prática de mecanização
agrícola intensiva. Pela própria origem, são solos heterogêneos no que diz respeito às
características físicas e químicas, o que certamente vai influenciar seu uso. Os solos
eutróficos, de textura média, são os mais apropriados para diversas culturas.

- Susceptibilidade à Erosão

Como já mencionado, são solos que apresentam grande diversificação de


características e isto faz com que também tenham grande diversificação no tocante a
erodibilidade. Porém, de uma maneira geral apresentam razoável vulnerabilidade à erosão
37

laminar, por quase sempre apresentarem camadas de diferentes permeabilidades


internamente.

Quanto à erosão em profundidade, via de regra, são muito susceptíveis, em razão de


se tratarem de camadas descontínuas e muito distintas entre si.

- Áreas de Ocorrência

Invariavelmente ocorrem nas diversas planícies de inundação de rios e córregos,


dispersos por todo o Estado, entretanto quase sempre como componentes subdominantes em
planícies muitas vezes não cartografáveis em escalas pequenas.

A nível de dominância, ocupam uma superfície de 3.073,51 Km2, em vários trechos


das planícies dos rios Paraguai, Cuiabá e São Lourenço no sul do Estado.

3.2.19. Solos Litólicos

- Caracterização Sumária

São solos minerais não hidromórficos, pouco desenvolvidos, muito rasos ou rasos,
com horizonte A sobre a rocha ou sobre horizonte C, sendo que estes horizontes apresentam,
geralmente, fragmentos de rocha.

São de textura variável, freqüentemente arenosa ou média, ocorrendo textura


argilosa e raramente siltosa. São também heterogêneos quanto às propriedades químicas,
podendo ser álicos, distróficos ou eutróficos, com capacidade de troca de cátions variando de
baixa a alta.

Têm sua origem relacionada a vários tipos de material geológico, tanto de rochas
ígneas como sedimentares e metamórficas e desde básicas a ácidas, e ocorrem sob vegetação
Campestre, de Cerrado e Floresta.

Preferencialmente ocupam locais com forte declividades, geralmente encostas de


morros e bordas de chapadas.

As fases pedregosa e/ou rochosa são comuns para esta classe de solos.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

A pequena espessura do solo, a freqüente ocorrência de cascalhos e fragmentos de


rocha no seu perfil, a grande susceptibilidade à erosão, mormente nas áreas de relevo
acidentado que são as mais freqüentes onde estes solos ocorrem, são as limitações mais
comuns para este tipo de solo.

Nos solos distróficos e álicos, há também o problema da baixa fertilidade natural, que
impõe a necessidade de correções químicas.

As áreas de ocorrência destes solos, sobretudo quando acidentadas, são mais


apropriadas para preservação da flora e fauna.

- Susceptibilidade à Erosão

A susceptibilidade à erosão é altíssima em qualquer dos casos e é determinada


basicamente pela ocorrência do substrato rochoso à pequena profundidade. Este fato é
agravado pela sua ocorrência preferencialmente em locais declivosos.
38

- Áreas de Ocorrência

A nível de dominância, estão mapeados de forma dispersa nas várias regiões do


Estado, perfazendo um total de 21.607,14 Km2.

Algumas situações em particular como as serras de Santa Bárbara e da Borda, a


Província Serrana e bordas das Chapadas de Dardanelos e Serra dos Apiacás, merecem
destaque em função de sua grande expressão a nível de dominância.

3.2.20. Solos Concrecionários Latossólicos

- Caracterização Sumária

Com esta denominação foram classificados solos minerais, bem drenados, com
horizonte B latossólico e ocorrência de elevada quantidade de concreções ferruginosas ao
longo do perfil (geralmente acima de 50% por volume).

O horizonte A é quase sempre do tipo moderado, a fertilidade natural é baixa, são


distróficos ou álicos, a textura é média ou argilosa.

São profundos, bem drenados, minerais, com seqüência de horizontes Ac, Bwc e C,
com transição quase sempre difusa entre os horizontes Bwc.

Geralmente ocorrem em superfícies aplanadas dos Planaltos elevados, relacionados


a Superfície Peneplanizada Terciária, sob vegetação de Cerrado, Carrasco e mesmo Floresta.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Decorrem da grande quantidade de concreções lateríticas consolidadas na massa do


solo (normalmente mais de 50% do seu volume), que dificultam muito o uso de máquinas
agrícolas e a penetração de raízes. Além disso, os solos são pobres, com baixa saturação de
bases.

Suas áreas de ocorrência são mais apropriadas para pastagens e para preservação
de flora e fauna.

- Susceptibilidade à Erosão

A presença da característica “latossólica” atribuída aos mesmos, é um fator que


funciona como atenuante dos processos erosivos, pois pressupõe um material de melhor
permeabilidade, pelo menos em relação a outros solos, como os Solos Concrecionários
Podzólicos ou Câmbicos.

- Áreas de Ocorrência

Suas ocorrências mais expressivas cartografáveis na escala 1:1.500.000, são nas


Chapadas de Dardanelos, Serras dos Apiacás e Caiabis ao norte do Estado; sobre o Planalto
dos Parecis na altura do município de Serra Nova do Norte e Peixoto de Azevedo; na região de
Canarana e Água Boa à leste do Estado e por fim na região da Depressão Cuiabana. Perfazem
um total de 12.204,62 Km2.
39

3.2.21. Solos Concrecionários Podzólicos

- Caracterização Sumária

Assim são denominados solos minerais, bem drenados, profundos, caracterizados


por apresentar um horizonte B textural e presença de concreções de ferro ao longo do perfil em
quantidade maior que 50% por volume, na massa do solo.

O horizonte A é do tipo moderado, a textura é média/argilosa, estão sob vegetação


de Cerrado Tropical Subcaducifólio e o relevo de ocorrência é suave ondulado.

Estão relacionados à litologias do Grupo Cuiabá, são distróficos, ocorrem em relevo


suave ondulado e estão associados a Latossolos Vermelho-Amarelos.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Assim como no caso dos Solos Concrecionários Latossólicos, são limitados pela
presença excessiva de concreções ferruginosas no perfil e pela baixa fertilidade natural.

- Susceptibilidade à Erosão

A presença do caráter podzólico, implica em um horizonte superficial mais


impermeável que os Solos Concrecionários Latossólicos, e por conseguinte uma maior
propensão aos processos erosivos que aqueles.

- Áreas de Ocorrência

Em caráter de dominância foram varificados em mancha única na Depressão


Cuiabana, abrangendo os municípios de Poconé e Nossa Senhora do Livramento, onde
ocupam uma extensão de 1.982,52 Km2.

3.2.22. Solos Concrecionários Câmbicos

- Caracterização Sumária

Assim são denominados solos minerais, bem drenados, de profundidade mediana,


caracterizados por apresentar um horizonte B câmbico e presença de concreções de ferro ao
longo do perfil em quantidade maior que 50% por volume, na massa do solo.

O horizonte A é do tipo moderado, a textura é média ou argilosa, estão sob


vegetação de Cerrado Tropical Subcaducifólio e o relevo de ocorrência é suave ondulado.

Não se prestam à utilização com lavouras, sendo a pastagem de capim brachiária o


tipo de utilização mais comum sobre estes solos.

Estão relacionados aos filitos do Grupo Cuiabá, em sua maioria.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

A presença expressiva de concreções e a baixa fertilidade natural, associam-se neste


caso a uma menor profundidade do perfil do solo, para restringir as possibilidades de uso
agrícola sobre os mesmos.

- Susceptibilidade à Erosão
40

Em relação aos Solos Concrecionários Podzólicos considerados anteriormente, estes


solos apresentam maior propensão à erosão, em razão da presença de um horizonte B
câmbico, com menores profundidades e maiores teores de silte.

- Áreas de Ocorrência

Sua maior expressividade, em termos de dominância, é verificada na região da


Depressão Cuiabana, em terras dos municípios de Cuiabá, Vargem Grande e Rosário Oeste,
entre outros,onde ocupam cerca de 5.238,95 Km2.

3.2.23. Afloramentos de Rocha

- Caracterização Sumária

Tratam-se de unidades onde rochas encontram-se expostas na superfície do terreno,


tanto em forma descontínua (matacões e/ou boulders) como em forma contínua (lageado).

Tratam de locais onde os vegetais superiores não encontram meios para se


desenvolverem.

- Principais Limitações ao Uso Agrícola

Não se prestam à utilização agrícola, considerando-se tanto os aspectos físicos,


quanto químicos e mineralógicos.

- Áreas de Ocorrência

Encontram-se distribuídos por praticamente toda a área do Estado, sendo mais


comuns em áreas acidentadas. São componentes subdominantes em várias unidades de
mapeamento e ocorrem associados a vários solos, principalmente Solos Litólicos.

3.3. DETERMINAÇÃO DA ERODIBILIDADE DOS SOLOS

Este ítem trata da maior ou menor resistência dos solos à ação dos agentes da
erosão e pretende estabelecer a hierarquização dos diversos solos do Estado de Mato Grosso
quanto a esta característica.

Sabe-se que em condições de igualdade dos vários fatores ambientais


condicionantes da erosão, tais como relevo, características das chuvas, cobertura vegetal e
características de manejo e uso da terra, persistem diferenças significativas na quantidade de
terra perdida por erosão, que são atribuídas às diferenças intrínsecas dos diversos tipos de
solos, e que tem a denominação de erodibilidade.

Para efeito de previsão de perdas de solo por erosão em condições de uso agrícola,
permitindo que se estabeleça previamente os tipos e dimensionamento de práticas
conservacionistas, foi desenvolvida a “Equação Universal de Perdas de Solo” (USLE),
elaborado por WISCHMEIER & SMITH, (1961), que se constitui numa ferramenta muito útil
para a conservação do solo e pode assim ser expressa:

A = R.K.LS.C.P., onde:

A= perda média anual de solo (t/ha);


41

R= fator erosividade da chuva (MJ.mm/ha.h);

K= fator erodibilidade do solo {t/ha/(MJ.mm/ha.h)};

LS= fator topográfico (declive/comprimento de encosta)

C= fator uso e manejo;

P= fator prática conservacionista.

Desde então, pesquisadores vêm trabalhando no sentido de obter os valores de K


para os diferentes tipos de solos nas várias regiões do Brasil, e de forma análoga, para todos
os demais fatores constituintes da Equação.

A determinação destes fatores por sua vez, pode ser conseguida por medições a
campo, ou em condições experimentais, com controle de determinados fatores, e também por
métodos empíricos.

Algumas instituições de pesquisa já têm determinados, por algum destes meios,


valores de K para alguns tipos de solos do Brasil, particularmente em estados das regiões sul e
sudeste, sem no entanto existir trabalhos sistemáticos de alcance regional no Brasil.

A Fundação IBGE em convênio com o governo do Mato Grosso do Sul, com base nos
dados de K determinados para diversos tipos de solos do Brasil e também em valores de K
determinados para os principais solos daquele Estado, com base em métodos empíricos,
procedeu a hierarquização dos vários solos do Estado de Mato Grosso do Sul em função de
sua erodibilidade, (DEL’ARCO et al., 1992).

3.3.1. Critérios e Métodos Utilizados

Neste trabalho, para caracterização e hierarquização dos solos com relação ao fator
K da Equação Universal de Perdas de Solo, adotou-se procedimento semelhante àquele
adotado pela Fundação IBGE, (DEL’ARCO et al., op.cit.).

Nos trabalhos de campo, elaborou-se amostragem especial, para os solos mais


representativos dos principais compartimentos do Estado, de forma que se pudesse efetuar a
caracterização do seu valor K.

Os valores de K determinados (Quadro 003) e aqueles disponíveis na literatura


(Quadros 004 e 005), permitiram junto às evidências de campo, e ao conhecimento da
influência de algumas características dos solos não contempladas nos métodos empíricos
(relação textural, profundidade dos solos, atividade das argilas, etc.), elaborar a hierarquização
dos vários solos ocorrentes no Estado de Mato Grosso, com uma base bem realística. O
resultado final da hierarquização dos solos encontra-se expresso no Quadro 006.

3.3.1.1. Métodos Empíricos para Determinação do fator K

O método de WISCHMEIER et al., (1971), considera para esta determinação os


teores de silte e areia muito fina, areia, matéria orgânica, o tipo de estrutura e a classe de
permeabilidade do solo, e pode ser expresso pela fórmula:

100 K = 2,1 M1,14 (10-4) (12-a) + 3,25 (b-2) + 2,5 (c-3)


42

onde:
K= erodibilidade do solo
M= % de silte e % de areia muito fina
a= % de matéria orgânica
b= código da estrutura
c= código de classe de permeabilidade

Esta fórmula deu origem a um nomograma, que proporcionou maior facilidade para a
referida determinação e é muito utilizado por pesquisadores da área de conservação de solos.
Foi também utilizado no presente trabalho, cujos resultados constam do Quadro 003.

QUADRO 003 VALORES MÉDIOS DA ERODIBILIDADE DOS SOLOS (FATOR K), DETERMINADOS PELO
NOMOGRAMA DE WISCHMEIER ET AL., (1971), A PARTIR DOS DADOS DE 59 PERFIS DE
SOLOS COLETADOS NO ESTADO DE MATO GROSSO.

TIPO DE SOLOS HORIZONTES


A B C
Latossolo Roxo, textura muito argilosa 0.12 0.04 -

Latossolo Vermelho-Escuro, texturas argilosa e muito 0.08 0.06 -


argilosa

Latossolo Vermelho-Amarelo, textura argilosa 0.08 0.04 -

Latossolos Vermelho-Amarelo e Vermelho-Escuro, 0.09 0.07 -


textura média

Terra Roxa Estruturada, textura argilosa e muito 0.23 0.25 -


argilosa

Podzólico Vermelho-Amarelo, textura média/argilosa e 0.17 0.22 -


argilosa e Brunizém Avermelhado, textura argilosa

Podzólico Vermelho-Amarelo, textura média e 0.24 0.24 -


arenosa/ média

Plintossolos, textura média/argilosa 0.24 0.39 -

Plintossolos, textura média e arenosa/média 0.21 0.32 -

Cambissolos, textura média e argilosa 0.26 0.36 -

Solos Concrecionários Latossólicos, textura média 0.12 0.12 -

Areias Quartzosas e Areias Quartzosas Hidromórficas 0.05 - 0.06

Solos Litólicos, textura média 0.13 - 0.24


FONTE: CNEC,1997.

Outro método utilizado foi a equação de LOMBARDI NETO & BERTONI, (1975), onde
o fator K é dado pela relação de erosão que é determinada pela fórmula:

c= a/b, onde:

a= relação de dispersão (teor de argila natural/teor de argila dispersa)


b= relação argila dispersa/umidade equivalente
c= relação de erosão (a/b)
43

QUADRO 004 RESULTADOS DE VALORES DE ERODIBILIDADE (K) DETERMINADOS PARA VÁRIOS


SOLOS BRASILEIROS

SOLO CARACTERÍSTICAS VALOR K ESTADO CONDIÇÕES DE


DETERMINAÇÃO
Textura argilosa 0.102 SP N
Fase rasa 0.143 SP N
Latossolo Vermelho-Amarelo Textura média 0.205 SP N
Fase terraço 0.107 SP N
- 0.503 PB N
Húmico 0.100 SP N
Textura argilosa 0.080 SP N
Textura média 0.340 SP N
Textura argilosa 0.070 PR C
Latossolo Vemelho-Escuro Textura média 0.093 PR C
Textura média 0.0875 PR S
Textura argilosa 0.238 PR S
Álico 0.210 RS S
Textura argilosa 0.120 PB N
Álico 0.080 RS N
Distrófico 0.097 RS N
Distrófico 0.380 PR C
Latossolo Roxo Distrófico 0.268 PR C
Uso recente 0.148 PR S
Uso antigo 0.370 PR C
Uso antigo 0.375 PR S
Textura média 0.468 SP N
Textura média abrúptica 0.534 SP N
Com cascalho 0.218 SP N
Podzólicos Latossólico 0.240 SP N
Variação Laras 0.493 SP N
Variação Piracicaba 0.320 SP N
Orto 0.272 SP N
- 0.094 PB N
Câmbico/terraço 0.220 MG S
Terra Roxas Meditarrâneo 0.162 SP S
São Jerônimo 0.310 RS S
- 0.030 SP N
- 0.120 SP N
Bruno Não-Cálcicos 0.170 PB N
Vértico 0.290 PB N
Planossolos Solódico 0.200 PB N

Solonetz Solodizado - 0.400 PB N

Vertissolos - 0.210 PB N

Regossolos - 0.080 PB N
- 0.396 SP N
Latossólico-Podzólico 0.440 SP N
Cambissolos Latossólico 0.085 PB N
Campos do Jordão 0.110 SP N
-
Substrato folhelho-argilito 0.240 SP N
Substrato arenito calcário 0.475 SP N
Litólicos Substrato basalto 0.120 N
Substrato granito- gnaisse 0.130 N
Substrato filito-xistoso 0.240 N
0.185 PB N
Podzol Hidromórfico - 0.540 SP N

FONTE: RESENDE, 1985.


OBS.: Valores de K determinados por N - Método do Nomograma; C - Chuva Natural; S - Chuva Simulada
(simulador de chuvas).
44

QUADRO 005 VALORES MÉDIOS DA ERODIBILIDADE (K) E DA RELAÇÃO DE EROSÃO (RE), POR
ORDENS DE SOLO, SEGUNDO MÉTODO NOMOGRÁFICO DE WISCHMEIER ET AL.,
(1971) E LOMBARDI NETO & BERTONI, (1975), RESPECTIVAMENTE.
VALOR DE K* VALOR DE RE
GRUPOS DE SOLOS CLASSE TEXTURAL HORIZONTES HORIZONTES
A B/C A B/C
Solos com B latossólico Muito argilosa 0.019 0.005 0 0.021
Argilosa 0.031 0.004 0.027 0.023
Média 0.015 0.007 0.064 0.084
Solos com B textural Argilosa 0.083 0.023 0.086 0.040
Média 0.027 0.011 0.176 0.309
Média/argilosa 0.053 0.027 0.179 0.212
Arenosa/média 0.020 0.016 0.428 0.225
Solos com B incipiente Média 0.013 0.057 0.172 0.355

Solos pouco desenvolvidos Muito argilosa 0.150 0.022 0.034 0.064


(profundo) Argilosa 0.258 0.014 0.473 0.123
Média 0.045 0.010 0.251 0.157
Arenosa 0.001 0.005 0.037 0.181
Solos pouco desenvolvidos Argilosa 0.018 - 0.051 -
(rasos) Média 0.021 - 0.145 -
FONTE: DEL’ARCO et al., (1992).
OBS.: (*) No Sistema Métrico Internacional: T.ha.h.ha-1.MJ-1.mm-1

3.3.1.2. Hierarquização dos Solos

Os referidos métodos (WISCHMEIER et al.,1971 e LOMBARDI NETO &


BERTONI,1975), visam a determinação da erodibilidade do solo em uma ou outra de suas
camadas ou horizontes (geralmente a superficial), entretanto, existem solos com diferenças
muito significativas entre as suas diversas camadas e por conseguinte com grandes diferenças
em sua erodibilidade, conforme demonstrado por RIOS, (2000).

Em razão destes fatos, no presente trabalho elaborou-se a determinação do fator K


para os horizontes superficiais e diagnósticos dos principais solos do Estado, associou-se
estas informações a outras características dos mesmos (relação textural, profundidade, tipo de
B, etc.) e estabeleceu-se o seu agrupamento em classes conforme mostrado no Quadro 006.

Em síntese, este quadro resultou da combinação dos valores da erodibilidade


determinados neste trabalho ou constantes da literatura com a ocorrência de algumas
características que têm influência no processo erosivo, amplamente comprovadas pela
pesquisa e dentre as quais, pode-se citar:

 Classe textural: característica com grande importância na maior ou menor


resistência à dispersão das partículas do solo e na infiltração d’água no perfil, além
de ser condicionante de várias outras propriedades.

 Matéria orgânica: ajuda a manter as partículas do solo na forma de agregados.

 Estrutura, permeabilidade e porosidade: a estrutura diz respeito ao arranjamento


das partículas do solo. Os tipos e tamanhos de estrutura determinam a porosidade
do solo, ou seja, a presença de espaços entre as partes sólidas do mesmo. O
tamanho e a quantidade destes espaços determina a maior ou menor
permeabilidade dos solos, (DEL’ ARCO, 1992).
45

QUADRO 006 ESQUEMA GERAL DE HIERARQUIZAÇÃO DOS SOLOS DO ESTADO DE MATO GROSSO,
DE ACORDO COM SUA ERODIBILIDADE

CARACTERÍSTICAS DOS SOLOS


CLASSES DE HORIZONTE OUTRAS CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS NO ESTADO
ERODIBILIDADE SUBSUPERFICIAL
B latossólico Profundos, com Latossolos Roxos;
homogeneidade vertical, Latossolos Vermelho-
Muito Fraca textura argilosa, muito argilosa Escuros;
e algumas textura média; Latossolo Vermelho-Amarelos
Baixa erodibilidade calculada
B latossólico Profundos, relativamente Latossolo textura média leve
B textural homogêneos verticalmente, Podzólicos textura
Fraca C textura média (leve) ou arenosa/média ou média;
arenosa/média ou arenosa Podzol Hidromórfico;
(caso de areia) Areia Quartzosa e Areia
Baixa erodibilidade calculada Quartzosa Hidromórfica
B textural B textural de textura argilosa ou Podzólicos textura argilosa ou
Horizonte plíntico muita argilosa sem mudança média/argilosa;
textural abruptíca; Terras Roxas Estruturadas
Horizonte plíntico de textura Plintossolos e solos com
Moderada média e sem mudança textural caráter plíntico de textura
abrúptica; média
Solos profundos;
Erodibilidade ;calculada
intermediária
B textural Alta relação textural nos solos Podzólico abrúpticos;
B nátrico com B textural, B nátrico e Solonetz Solodizado;
B câmbico horizonte plíntico; Planossolos;
Horizonte plíntico Textura argilosa no horizonte Plintossolos argilosos;
Forte plíntico; Cambissolos da região de
Solos profundos ou de Paranatinga
mediana profundidade;
Solos de argila de atividade alta
Erodibilidade elevada calculada
Solos com São solos rasos ou têm Solos Litólicos;
sequência de mudança textural abrúptica e Cambissolos e Podzólicos
horizontes: argila de atividade alta; rasos;
Muito Forte A,C, R Ambas as situações; Podzólicos abrúpticos e com
A,Bi, R Alguns outros impedimentos atividade alta.
A,R físicos à percolação d’água;
B textural Pequena profundidade
FONTE: CNEC,1997. Adaptado de DEL’ ARCO, et al., (1992).

Em geral os solos com estrutura grande e de formato poligonal têm menor


permeabilidade por apresentarem a quantidade de microporos maior que a de macroporos, é o
caso dos solos com horizonte B dos tipos textural e nátrico, enquanto estruturas redondas e
pequenas têm predomínio de macro em relação a microporos e têm maior permeabilidade,
como é o caso do horizonte B latossólico.

- Relação textural: representa a relação entre o teor de argila do horizonte B e o do


horizonte A dos solos. Quanto maior esta relação, maior o contraste de diversas
características do solo em profundidade e geralmente menor a permeabilidade
interna, o que induz a um maior escoamento superficial.

- Profundidade dos solos e presença de impedimentos físicos à livre percolação


d’água no perfil: embora não considerada nos métodos tradicionais, estas
características são importantíssimas no tocante à resistência maior ou menor dos
solos aos agentes erosivos. Solos mais profundos e sem impedimentos físicos,
são mais resistentes a erosão, pela sua maior capacidade de absorção da água
pluvial.
46

- Atividade das argilas: solos com argilas expansivas (alta atividade) são mais
propensos à ação erosiva.

Para a ordenação e agrupamento dos vários tipos de solos, considerou-se o tipo de


horizonte B ou horizonte diagnóstico (que indiretamente contempla as várias combinações de
características dos solos importantes no processo), associado às características mencionadas
acima e, os valores de K determinados empiricamente.

Desta forma, procedeu-se a uma adaptação da tabela proposta no trabalho de


avaliação da Susceptibilidade à Erosão da Macrorregião da Bacia do Paraná no Mato Grosso
do Sul, (DEL’ ARCO, 1992),cujo resultado é apresentado no Quadro 006.

3.3.2. Caracterização das Classes de Erodibilidade dos Solos

Para efeito de ordenação e representação cartográfica, procurou-se agrupar os


diversos tipos de solos em cinco categorias (classes) de erodibilidade distinta, assim
caracterizadas:

- Muito Fraca

 Características diagnósticas: nesta classe constam solos com horizonte B


latossólico, de textura muito argilosa, argilosa e alguns de textura média;

 Características adicionais: solos profundos, com grande homogeneidade de


características ao longo do perfil, bastante porosos, permeáveis e com
valores baixos de erodibilidade calculada;

 Principais representantes no Estado: Latossolos Roxos, Latossolos Vermelho-


Escuros e Vermelhos-Amarelos;

 Áreas de ocorrência: ocupam porções significativas do Estado de Mato


Grosso, correspondendo a algo em torno de 50% de sua superfície total, em
caráter de dominância.

- Fraca

 Características diagnósticas: alguns solos com horizonte B latossólico e com


textura média tendendo para arenosa; solos com horizonte B textural e
espódico de textura arenosa/média e média; solos de textura argilosa
intermediários para Latossolos e solos com seqüência de horizontes A e C de
textura arenosa;

 Características adicionais: solos profundos, relativamente homogêneos


verticalmente, porosos, permeáveis e com baixa erodibilidade calculada;

 Principais representantes no Estado: nesta classe estão incluídos os


Podzólicos de textura arenosa/média e média, Podzol Hidromórfico, alguns
Latossolos de textura média leve, Areias Quartzosas Hidromórficas;

 Áreas de ocorrência: Areias Quartzosas e Latossolos de textura muito leve


são os solos mais expressivos. Grandes ocorrências são verificadas na
porção ocidental do Planalto dos Parecis e extremo sudeste do Estado.
47

- Moderada

 Características diagnósticas: nesta foram enquadrados solos com horizonte B


textural de textura argilosa ou muito argilosa e solos com horizonte plíntico de
textura média;

 Características adicionais: geralmente têm relação textural moderada, são


profundos e com valores intermediários de erodibilidade calculada;

 Principais representantes no Estado: incluem-se todos os solos Podzólicos


não abrúpticos de textura argilosa ou muito argilosa, as Terras Roxas
Estruturadas e Plintossolos de textura média ou arenosa/média;

 Áreas de ocorrência: grandes ocorrências são verificadas na faixa norte do


Estado (área do embasamento cristalino), depressões do Araguaia, Guaporé
e Pantanal.

- Forte

 Características diagnósticas: solos com presença de horizonte B textural, B


nátrico, B câmbico ou horizonte plíntico de textura argilosa;

 Características adicionais: no caso de solos com B textural ou nátrico,


apresentam elevada relação textural (abrúpticos), em todo os casos ou são
profundos ou têm mediana profundidade, muitas vezes têm argila de atividade
alta. Têm valores médios e altos de erodibilidade calculada;

 Principais representantes no Estado: nesta classe incluem-se Podzólicos


abrúpticos, Solonetz Solodizados, Planossolos, Plintossolos argilosos e os
Cambissolos da Depressão de Paranatinga.

 Áreas de ocorrência: as áreas mais expressivas destes solos são verificadas


nas depressões do Araguaia, Guaporé e Pantanal e, na Depressão de
Paranatinga.

- Muito Forte

 Características diagnósticas: inclui solos em vários estágios de


desenvolvimento, porém com predomínio de solos jovens, com seqüência de
horizonte dos tipos A, C; A, C, R e A, Bi, R. Esporadicamente ocorrem solos
com B textural e com os seguintes condicionantes;

 Características adicionais: ou são rasos (< 50 cm profundidade) ou, têm


mudança textural abrúptica e argila de atividade alta, ou apresentam ambas
as características e têm valores geralmente altos de erodibilidade calculada;

 Principais representantes no Estado: nesta categoria são agrupados todos os


Solos Litólicos, os Cambissolos de pequena profundidade, alguns Brunizéns
Avermelhados e Podzólicos abrúpticos de argila de atividade alta;

 Áreas de ocorrência: via de regra estão relacionados à áreas de relevo muito


íngremes, como bordas de chapadas e/ou platôs, morros, escarpas, etc.
Distribuem-se de maneira irregular por todo o Estado.
48

4. LEGENDA DE IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES DE MAPEAMENTO

LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO ÁLICO


LEa1 Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifolio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano.
LEa2 Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifolio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano.
LEa3 Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
LEa4 Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO DISTRÓFICO
LEd1 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muita argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano.
LEd2 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd3 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano.
LEd4 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo plano e suave ondulado.
LEd5 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura muito argilosa e argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado.
LEd6 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifolio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifolio relevo plano e suave ondulado.
49

LEd7 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LEd8 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd9 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano.
LEd10 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano.
LEd11 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa cascalhenta fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e suave ondulado.
LEd12 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Cambissolo distrófico e álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado.
LEd13 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico (epieutrófico) A moderado textura argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LEd14 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
LEd15 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico e álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LEd16 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico e álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano e suave ondulado;
LEd17 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerradão (Carrasco) Tropical Subcaducifólio relevo
plano.
LEd18 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura muito argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
50

LEd19 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

PodzólicoVermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado.

LEd20 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase contato Cerradão - Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado plíntico e não plíntico textura média/argilosa


fase contato Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase contato Cerradão
- Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LEd21 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.

Latossolo Vermelho Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano.
LEd22 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
LEd23 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico e álico A moderado textura argilosa fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A chernozêmico textura arenosa/média fase Floresta


Tropical Subcaducifólia relevo plano.
LEd24 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd25 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
51

LEd26 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Campo Cerrado
Tropical relevo ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd27 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado e Floresta
Tropical Subcaducifólios relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado e Floresta


Tropical Subcaducifólios relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fases Campo Cerrado e Cerrado
Tropical Subcaducifólios, Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado substrato calcário.
LEd28 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Floresta e Cerradão Tropical


Subcaducifólios relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta e Cerradão


Tropical Subcaducifólios relevo plano e suave ondulado.
LEd29 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd30 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical relevo
plano;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical
relevo suave ondulado e ondulado.
LEd31 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura muito argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb e Ta A moderado textura média cascalhenta / média e


média cascalhenta/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo cascalhento e


não cascalhento textura média e média / argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo
ondulado e forte ondulado;

Cambissolo eutrófico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média e argilosa fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado
LEd32 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase contato Cerradão - Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase


contato Cerrado-Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase contato Cerradão
- Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase contato Cerradão - Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
52

LEd33 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Arcias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média fases Campo Cerrado e Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano.

LEd34 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento epiconcrecionário e não


epiconcrecionário textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e
ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LEd35 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd36 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LEd37 Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase contato Cerradão -Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase contato Cerrado -
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase contato Cerradão - Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano.

LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO EUTRÓFICO


LEe Latossolo Vermelho-Escuro eutrófico A moderado e chernozêmico textura argilosa e muito argilosa
fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado e chernozêmico textura média e média/argilosa


fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
53

LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO ÁLICO


LVa1 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano.
LVa2 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado.
LVa3 Latossolo Vermelho-Amarelo álico e distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e plano.
LVa4 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
LVa5 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado.
LVa6 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fases Cerrado e Floresta de Transição relevo plano e suave
ondulado.
LVa7 Latossolo Vermelho-Amarelo álico e distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e plano.
LVa8 Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.

LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO


LVd1 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano.
LVd2 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano.
LVd3 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo plano e suave ondulado.
LVd4 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano.
LVd5 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano.
LVd6 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa e argilosa/muito


argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo ondulado.
LVd7 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
e Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico (epieutrófico) A moderado textura argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo plano.
54

LVd8 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico e álico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado e
Cerradão Tropical Subcaducifólios relevo plano e suave ondulado.
LVd9 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
LVd10 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LVd11 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A chernozêmico textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
LVd12 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
LVd13 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LVd14 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Solos Concrecionários Podzólicos distróficos Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LVd15 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado concrecionário textura média e argilosa fase
contato Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fase contato
Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LVd16 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
LVd17 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado plíntico textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LVd18 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta e Cerradão Tropical
Subcaducifólios relevo plano.
LVd19 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta e Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano.
55

LVd20 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano.
LVd21 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado e Cerradão
Tropical Subcaducifólios relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fases Carrasco e Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
suave ondulado.
LVd22 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerradão e Cerrado Tropical Subcaducifólios relevo
suave ondulado.
LVd23 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
LVd24 Latossolo Vermelho Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano.
LVd25 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano.
LVd26 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LVd27 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Campo Cerrado Tropical
relevo plano e suave ondulado;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus.
LVd28 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico plíntico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano.
56

LVd29 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado e plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/ argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado.
LVd30 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo plano;

Plintossolo álico e distrófico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fases Floresta e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo plano.
LVd31 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico textura argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LVd32 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase contato Cerradão -Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase contato Cerradão -
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase contato Cerradão -


Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LVd33 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado substrato rochas pelíticas.
LVd34 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Câmbicos álicos Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LVd35 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.
LVd36 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico endoconcrecionário A moderado textura argilosa e média
fase Cerradão Equatorial Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolos Vermelho-Amarelo distrófico plíntico e não plíntico A moderado textura argilosa e média
fase Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
57

LVd37 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Solos Concrecionários Podzólicos distróficos Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
LVd38 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase FlorestaTropical
Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano.
LVd39 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
LVd40 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fases Carrasco e Cerradão Tropical Subcaducifólio relevo
plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
LVd41 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fases Floresta e Cerradão Tropical
Subcaducifólios relevo suave ondulado e plano;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado
e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado e plano.
LVd42 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo plano.
LVd43 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
LVd44 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo plano.
58

LVd45 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fases Cerradão e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fases Cerrado e Cerradão (Carrasco) Tropical
Subcaducifólios relevo suave ondulado.
LVd46 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
LVd47 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média cascalhenta fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário textura média e argilosa fase


Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado.
LVd48 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
LVd49 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical e Campo
Cerrado Tropical Subcaducifólios relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura média fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus.
LVd50 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e arenosa/argilosa fase Campo Cerrado


(covoal) relevo plano com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus.
LVd51 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico e não plíntico textura média fase
Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
59

LVd52 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico e distrófico Tb A moderado e chernozêmico textura


média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo plano;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano.
LVd53 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão Equatorial
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerradão Equatorial


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado endoconcrecionário textura média/argilosa


fase Cerradão Equatorial Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa fase contato Cerradão –
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado.
LVd54 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado concrecionário e não concrecionário textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado.

LVd55 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo ondulado substrato filito.
LVd56 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano;

Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fae Floresta Tropical Hidrófila de
Várzea relevo plano.
LVd57 Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
suave ondulado;

Solos Litólicos eutróficos A moderado textura indiscriminada fase Cerradão Tropical Subcaducifólio
relevo forte ondulado, substrato cálcario;

Afloramento de Rochas relevo forte ondulado.


60

LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO PODZÓLICO DISTRÓFICO


LVPd Latossolo Vermelho-Amarelo Podzólico distrófico A moderado textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura arenosa/média e


média/argilosa fase Cerradão Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.

LATOSSOLO ROXO EUTRÓFICO


LRe Latossolo Roxo eutrófico e distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Terra Roxa Estruturada Latossólica eutrófica A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.

TERRA ROXA ESTRUTURADA EUTRÓFICA


TRe1 Terra Roxa Estruturada eutrófica A chernozêmico textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado;

Terra Roxa Estruturada eutrófica A moderado e chernozêmico textura argilosa fases Floresta
Equatorial Subperenifólia e Pedregosa relevo forte ondulado.
TRe2 Terra Roxa Estruturada eutrófica A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo ondulado;

Brunizém Avermelhado textura média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado.

BRUNIZÉM AVERMELHADO
BV Brunizém Avermelhado textura argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado pouco profundo textura argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A chernozêmico pouco profundo textura média fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado.

PODZÓLICO AMARELO ÁLICO


PAa Podzólico Amarelo álico A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo suave ondulado e plano;

Podzolico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado.

PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO ÁLICO


PVa1 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa e média fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico textura média/argilosa e média fase


Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVa2 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Podzólico Amarelo álico A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo plano e suave ondulado.
PVa3 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário plíntico e não plíntico textura


média/argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifolia relevo suave ondulado e ondulado.
61

PVa4 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura argilosa/muito argilosa e média/argilosa


fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado.
PVa5 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico e não plíntico textura arenosa/média e
média fase Cerrado e Cerradão Equatorial Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura média e arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano e suave ondulado com murundus.
PVa6 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVa7 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado concrecionário textura média/argilosa fase
Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Ta A moderado textura média/argilosa fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo ondulado.
PVa8 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase transição Floresta/Cerrado relevo suave ondulado.
PVa9 Podzólico Vermelho-Anarelo álico e distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos eutróficos A moderado textura argilosa fases Floresta Equatorial Subcaducifólia,
Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado substrato granito.
PVa10 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa e média fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo forte
ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo forte
ondulado.
PVa11 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.

Solos Litóticos álicos A moderado textura indiscriminada fases Cerrado Tropical Subcaducifólio e
Pedregosa relevo forte ondulado substrato arenito;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado
PVa12 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média e
arenosa/média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura indiscriminada fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo forte ondulado, substrato arenito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado e forte ondulado.
62

PVa13 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado.
PVa14 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado.
PVa15 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico textura média/média cascalhenta fase
Campo Cerrado Tropical relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado endoconcrecionário textura média fase Campo Cerrado Tropical
relevo plano e suave ondulado;

Plintossolo álico Tb A moderado textura média e argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
e suave ondulado com murundus.
PVa16 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado substrato rochas pelíticas.
PVa17 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo textura


média/argilosa fases Floresta Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Solos litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo forte ondulado substrato rochas pelíticas.
PVa18 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos álicos textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte ondulado,
substrato arenito;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico e distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e plano;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado.
63

PVa19 Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média e
arenosa/média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano;

Solos Litólicos álicos Tb A moderado cascalhentos textura indiscriminada fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo forte ondulado substrato arenito e siltito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado e forte ondulado.

PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO


PVd1 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase
Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado.
PVd2 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVd3 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVd4 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerradão e
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
PVd5 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo suave ondulado.
PVd6 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb plíntico A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVd7 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado.
PVd8 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta
Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo forte ondulado e ondulado.
PVd9 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média cascalhenta /argilosa fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
PVd10 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano e suave
ondulado.
PVd11 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico abrúptico e não abrúptico Tb A moderado textura
arenosa/média fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano
e suave ondulado.
PVd12 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Cerradão,
Floresta Tropical Subcaducifólia e Pedregosa relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura arenosa e média fase Cerradão Tropical Caducifólio
relevo forte ondulado substrato quartzito.
64

PVd13 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano.
PVd14 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo textura


média/argilosa fases Floresta Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado.
PVd15 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado plíntico textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário plíntico e não plíntico textura


média/argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado.
PVd16 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário plíntico e não plíntico textura


média/argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado.
PVd17 Podzólico Vermelho Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo textura
média/argilosa fases Floresta Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos e eutróficos A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo forte ondulado substrato granito.
PVd18 Podzólico Vermelho Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado e ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado e ondulado substrato rochas granítico-gnáissicas.
PVd19 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase
Floresta Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Cambissolo eutrófico e distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subeperenifólia relevo forte ondulado e ondulado;

Solos Litólicos distróficos e eutróficos A moderado textura média fases Floresta Equatorial
Subperenifólia, Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado e ondulado, substrato rochas
granítico/gnáissicas.

PVd20 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta


Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo forte ondulado e ondulado.
65

PVd21 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo textura


média/argilosa fases Floresta Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato granito.
PVd22 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média e arenosa/média fase
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
PVd23 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa e argilosa fase
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
PVd24 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVd25 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura argilosa fases Pedregosa e Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado raso textura média fases Pedregosa e


Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado;

Solos Litólicos distróficos e álicos A moderado textura média e argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia, relevo forte ondulado e montanhoso substrato granito.
PVd26 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Pedregosa e
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Concrecionários Podzólicos distróficos Tb A moderado textura argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo forte ondulado substrato arenito.
PVd27 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico e álico A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado cascalhento textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVd28 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase contato Cerradão
– Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase contato Cerradão –


Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase contato Cerradão –
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
66

PVd29 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado plíntico textura média e arenosa / média fase
contato Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico textura média e arenosa / média fase
contato Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico e não plíntico textura média fase contato
Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVd30 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado endoconcrecionário textura média/argilosa
fase contato Cerradão - Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase contato Cerradão -
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado endoconcrecionário textura argilosa fase contato


Cerradão-Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
PVd31 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário textura arenosa/ média fase
Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo plano;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Equatorial
Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado concrecionário e endoconcrecionário textura


média fase Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo plano.
PVd32 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado plíntico textura arenosa/média e média fase


Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média e arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
PVd33 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVd34 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase
Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fases Floresta Equatorial Subperenifólia
e Rochosa relevo forte ondulado, substrato rochas pelíticas;

Afloramentos de Rocha, relevo forte ondulado.


PVd35 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo forte ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado e ondulado, substrato rochas pelíticas;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
67

PVd36 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos e álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo forte ondulado, substrato granitos e gnaisses.

Afloramento de Rochas
PVd37 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura
média/argilosa e média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta


Equatorial Subcaducifólia e Pedregosa relevo ondulado e forte ondulado;

Cambissolo distrófico e álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fases
Floresta Equatorial Subcaducifólia e Pedregosa relevo forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos e álicos A moderado textura média fases Floresta e Cerrado Tropical
Subcaducifólios e Rochosa relevo forte ondulado, substrato efusivas ácidas e arenitos.

PVd38 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e suave ondulado, forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVd39 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado, ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado e ondulado substrato rochas granítico-gnáissicas;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVd40 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média / argilosa fases Pedregosa e
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fases Cerradão e Floresta Equatorial
Subcaducifólios relevo montanhoso e escarpado, substrato arenito;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fases Pedregosa, Cerrado e Cerradão Equatorial
Subcaducifólios relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramento de Rocha.
PVd41 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média / argilosa fases Pedregosa e
Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo forte ondulado e montanhoso, substrato arenito;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado raso textura argilosa e média fases Pedregosa
e Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.
68

PVd42 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta e Cerradão Tropical Subcaducifólios relevo
plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus.
PVd43 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVd44 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado cascalhento textura média/argilosa fase
Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média e argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
PVd45 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado e proeminente textura média/argilosa fases
Floresta Tropical Caducifólia, Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado.

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fases Floresta Tropical Caducifólia e
Rochosa, relevo forte ondulado, substrato granito e quartzitos;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta e


Cerradão Tropical Subcaducifólios, Pedregosa e Rochosa relevo suave ondulado e ondulado;

Afloramentos de Rocha.

PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO E ÁLICO


PVda1 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerradão
Tropical Subcaducifólio relevo plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerradão


Tropical Subcaducifólio relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus.
PVda2 Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase
Cerrado Tropical Subcaducifolio relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Ta e Tb A chernozêmico cascalhento e não cascalhento pouco


profundo textura média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e
ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifolio relevo suave
ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos e eutróficos A moderado textura média/média cascalhenta fase Cerrado
Tropical Subcaducifolio relevo suave ondulado e ondulado, substrato siltito e calcário.
69

PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO E EUTRÓFICO


PVde Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura média cascalhenta/argilosa
cascalhenta fase Floresta Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.

Cambissolo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura média cascalhenta e argilosa cascalhenta


fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.

PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO


PVe1 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado e chernozêmico textura média/argilosa fase
Floresta Tropical Caducifólia e Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVe2 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVe3 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média cascalhenta/argilosa
cascalhenta fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVe4 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVe5 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa e média fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVe6 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
PVe7 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário e não concrecionário textura


média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVe8 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado plíntico e não plíntico cascalhento e não
cascalhento textura média /argilosa fases Floresta Tropical Subcaducifólia e Pedregosa relevo suave
ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média cascalhenta/ argilosa


cascalhenta fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PVe9 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado.
PVe10 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A chermozêmico textura média/argilosa fase Floresta


Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado;
PVe11 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb e Ta A moderado textura média cascalhenta/média e
média cascalhenta/argilosa fase Floresta Tropical Caducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado cascalhento textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado.

Cambissolo distrófico e eutrófico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado e Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado.
70

PVe12 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A chernozêmico cascalhento textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado epicascalhento textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo ondulado.
PVe13 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo cascalhento e não
cascalhento textura média e média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e
forte ondulado;

Cambissolo eutrófico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média e argilosa fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Solos Litólicos eutróficos A moderado cascalhentos textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo forte ondulado substrato siltito e arenito.
PVe14 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado concrecionário e não concrecionário textura


média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Solos Concrecionários Câmbicos distróficos Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
PVe15 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo eutrófico Tb A moderado textura média fases Pedregosa e Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Terra Roxa Estruturada eutrófica A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo ondulado;

Solos Litólicos eutróficos A moderado textura média fases Pedregosa e Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo forte ondulado, substrato metavulcânicas.
PVe16 Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado plíntico textura média/argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado pouco profundo e profundo cascalhento


textura média e média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte
ondulado;

Cambissolo eutrófico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média e argilosa fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Solos Litólicos eutróficos A moderado cascalhentos textura média fase Cerradão Tropical
Subcaducifólio relevo forte ondulado substrato arenito e siltito.

PODZÓLICO VERMELHO-ESCURO EUTRÓFICO


PEe1 Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
PEe2 Podzólico Vermelho-Escuro eutrófico Tb A moderado textura média, média/argilosa e média
cascalhenta/argilosa cascalhenta fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado.

PODZÓLICO VERMELHO-ESCURO DISTRÓFICO


PEd1 Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Terra Roxa Estruturada distrófica A moderado textura muito argilosa e argilosa fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado.
71

PEd2 Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Terra Roxa Estruturada eutrófica A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo suave ondulado;

Afloramentos de Rocha.

PLANOSSOLO ÁLICO
PLa1 Planossolo álico Tb A moderado textura média/ argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano;

Plintossolo álico Tb A moderado abrúptico textura média/ argilosa fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
PLa2 Planossolo álico Tb A moderado plíntico e não plíntico textura arenosa/argilosa fase Campo Cerrado
Tropical relevo plano;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado Tropical relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado Tropical relevo plano.

PLANOSSOLO EUTRÓFICO
PLe1 Planossolo eutrófico Ta e Tb A moderado vértico e não vértico textura média/argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Planossolo eutrófico Tb A moderado e fraco solódico textura média/argilosa e arenosa/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano.
PLe2 Planossolo eutrófico Ta A moderado textura arenosa/média e arenosa/argilosa fase Campo Tropical
Hidrófilo de Várzea relevo plano com murundus;

Planossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano.
PLe3 Planossolo eutrófico Ta e Tb A moderado solódico e não solódico textura média/argilosa fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Glei Pouco Húmico eutrófico Ta e Tb A moderado textura muito argilosa fase Campo Tropical
Hidrófilo de Várzea relevo plano.
PLe4 Planossolo eutrófico Ta A moderado solódico e não solódico textura arenosa/média e média/argilosa
fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Glei Pouco Húmico eutrófico Ta A moderado textura média e argilosa fases Campo e Floresta
Tropical Hidrófila de Várzea relevo plano;

Solonetz Solodizado eutrófico Ta A moderado textura arenosa/média e argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo plano.
PLe5 Planossolo eutrófico Ta e Tb A moderado vértico e não vértico textura média/argilosa fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Planossolo eutrófico Tb A moderado e fraco solódico textura média/argilosa e arenosa/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano

CAMBISSOLO ÁLICO
Ca1 Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fases Floresta Tropical Subcaducifólia e
Pedregosa relevo forte ondulado e ondulado.
Ca2 Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fases Cerrado
Tropical Subcaducifólio, Pedregosa e não Pedregosa relevo suave ondulado e ondulado.
72

Ca3 Cambissolo álico Tb A moderado pouco profundo textura média e argilosa fase Floresta Tropical
Caducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário plíntico e não plíntico textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.
Ca4 Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado cascalhento textura média fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado plíntico e não plíntico textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
Ca5 Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado textura média e argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado e forte ondulado.
Ca6 Cambissolo álico Tb A moderado textura média e argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário plíntico e não plíntico textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.
Ca7 Cambissolo álico Tb A moderado textura média fases Cerrado Tropical Subcaducifólio, Pedregosa e
Rochosa, relevo forte ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fases Floresta Tropical Subcaducifólia,
Pedregosa e Rochosa, relevo forte ondulado, substrato arenito.
Ca8 Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fases Campo Cerrado Tropical,
Pedregosa e não Pedregosa, relevo forte ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura média fases Campo Cerrado Tropical e
Pedregosa, relevo forte ondulado, substrato filitos.
Ca9 Cambissolo álico Tb A moderado textura média e argilosa fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico e distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado substrato rochas pelíticas.
Ca10 Cambissolo álico Tb A moderado não cascalhento e cascalhento textura média fase Cerradão
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Câmbicos álicos Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.

Cambissolo álico Tb A húmico cascalhento e não cascalhento textura média fase Floresta Tropical
Caducifólia relevo suave ondulado e ondulado.
Ca11 Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado cascalhento textura média fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa e média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
Ca12 Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário plíntico e não plíntico textura média fase
Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fases Floresta e Cerrado Tropical
Subcaducifólios relevo forte ondulado e montanhoso substrato siltito.
73

Ca13 Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura indiscriminada fase
Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado, substrato folhelho, arenitos e
siltitos.
Ca14 Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura arenosa e média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo forte ondulado substrato arenito.
Ca15 Cambissolo álico Tb A moderado concrecionário e não concrecionário textura média e argilosa fases
Cerrado Tropical Subcaducifólio e Pedregosa relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado epiconcrecionário textura média/argilosa fase


Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado concrecionários textura média fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo forte ondulado substrato arenito e siltito.
Ca16 Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado cascalhento textura média fases Cerrado Tropical
Subcaducifólio e Pedregosa relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado cascalhentos textura média fases Pedregosa e Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado substrato quartzito;

Cambissolo álico Tb A moderado plíntico e não plíntico textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
Ca17 Cambissolo álico Tb A moderado concrecionário textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifolio
relevo forte ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura média fases Cerrado
Tropical Subcaducifolio e Pedregosa relevo forte ondulado e escarpado substrato arenito.

Afloramento de Rochas
Ca18 Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta Equatorial


Subperenifólia, Pedregosa e não Pedregosa relevo forte ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo forte
ondulado, substrato rochas pelíticas e granítico-gnáissicas;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa e muito argilosa fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e plano.
Ca19 Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerradão Tropical Subcaducifólio relevo
ondulado e forte ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura indiscriminada fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
forte ondulado, substrato arenito e siltito;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado.
74

CAMBISSOLO DISTRÓFICO
Cd Cambissolo distrófico Tb A moderado cacalhento textura média fases Campo Cerrado Tropical e
Pedregosa relevo forte ondulado e ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado cascalhentos textura média fases Campo Cerrado Tropical e
Pedregosa relevo forte ondulado.

CAMBISSOLO EUTRÓFICO
Ce Cambissolo eutrófico Tb A moderado textura média cascalhenta/média e argilosa
cascalhenta/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado textura média cascalhenta/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Solos Litólicos eutróficos Tb A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura média e argilosa
fases Floresta Tropical Subcaducifólia e Rochosa relevo montanhoso substrato siltito.

PLINTOSSOLO ÁLICO
PTa1 Plíntossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média relevo plano fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
PTa2 Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico textura arenosa/média fase Campo


Cerrado (covoal) relevo plano e suave ondulado com murundus.
PTa3 Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano e suave ondulado com murundus;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado plíntico textura arenosa/média e média fase


Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo suave ondulado.
PTa4 Plintossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Planossolo eutrófico Tb e Ta A moderado solódico e não solódico textura arenosa/média fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano.
PTa5 Plintossolo álico Tb A moderado abrúptico e não abrúptico textura arenosa/média fase Campo
Cerrado (covoal) relevo plano e suave ondulado com murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano e
suave ondulado com murundus.
PTa6 Plintossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado plíntico textura argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus.
PTa7 Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus;

Plintossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus.
PTa8 Plíntossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média relevo plano fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus;

Planossolo álico Tb A moderado textura média/ argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
plano;

Plintossolo álico Tb A moderado abrúptico textura média/ argilosa fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
75

PTa9 Plintossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa e arenosa/média fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Planossolo eutrófico Tb e Ta A moderado solódico e não solódico textura arenosa/média fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado.
PTa10 Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média/argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Planossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e arenosa/argilosa fase Campo Cerrado


(covoal) relevo plano com murundus.
PTa11 Plintossolo álico Tb A moderado textura média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura média fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus.
PTa12 Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Glei Pouco Húmico álico Tb A moderado textura indiscriminada fase Campo Hidrófilo de Várzea
relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado plíntico textura média fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.

PLINTOSSOLO DISTRÓFICO
PTd1 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus.
PTd2 Plíntossolo distrófico e álico Tb A moderado textura arenosa/média e média/argilosa fase Campo
Cerrado (covoal) relevo plano com murundus;

Planossolo distrófico e eutrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano.
PTd3 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Higrófilo de Várzea relevo
plano;

Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Campo Hidrófilo de Várzea relevo
plano.
PTd4 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Campo Cerrado
relevo plano;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Campo Cerrado relevo plano.


76

PTd5 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
PTd6 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus.

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus;

Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Campo Cerrado (covoal) relevo
plano com murundus.
PTd7 Plintossolo distrófico Tb A moderado textura média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Plintossolo álico Tb A moderado textura média fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano com
murundus;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado plíntico textura média fase Campo Cerrado
(covoal) relevo plano com murundus.

GLEI POUCO HÚMICO ÁLICO


HGPa1 Glei Pouco Húmico álico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Hidrófila de
Várzea relevo plano;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A proeminente e moderado fase Floresta Equatorial


Hidrófila de Várzea relevo plano.
HGPa2 Glei Pouco Húmico álico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Hidrófila de
Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Higrófila de
Várzea relevo plano;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Tropical Hidrófilo de Várzea
relevo plano.
HGPa3 Glei Pouco Húmico álico Tb A moderado textura indiscriminada fase Campo Tropical Hidrófilo de
Várzea relevo plano;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média/argilosa fase Campo Cerrado


(covoal) relevo plano com murundus;

Planossolo álico Tb A moderado textura média/argilosa e arenosa/argilosa fase Campo Tropical


Hidrófilo de Várzea relevo plano.

GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO


HGPd1 Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial
Hidrófila de Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Higrófila de
Várzea relevo plano.
HGPd2 Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Hidrófila
de Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Higrófila de
Várzea relevo plano.
HGPd3 Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical Hidrófila de
Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Higrófila de
Várzea relevo plano.
77

HGPd4 Glei Pouco Húmico distrófico e eutrófico Ta e Tb A moderado textura média e argilosa fase Floresta
Tropical Hidrófila de Várzea relevo plano.

Planossolo distrófico e eutrófico Ta e Tb A moderado textura arenosa/média e arenosa/argilosa


fase Floresta Tropical Hidrófila de Várzea relevo plano.
HGPd5 Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Hidrófila
de Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos e eutróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical
Higrófila de Várzea relevo plano;

Plintossolo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa e argilosa fase Campo Cerrado
(covoal) e Floresta Tropical Higrófila de Várzea relevo plano com murundus.
HGPd6 Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial
Hidrófila de Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos e eutróficos Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta


Equatorial Higrófila de Várzea relevo plano;

Plintossolo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa e argilosa fase Floresta


Equatorial Higrófila de Várzea relevo plano.

GLEI POUCO HÚMICO EUTRÓFICO


HGPe Glei Pouco Húmico eutrófico e distrófico Ta e Tb A moderado textura argilosa fase Campo Tropical
Hidrófilo de Várzea relevo plano.

Planossolo eutrófico Ta e Tb A moderado solódico e não solódico textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano

AREIAS QUARTZOSAS HIDROMÓRFICAS ÁLICAS


HAQa1 Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado fase Campo Cerrado (covoal) relevo plano
com murundus;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado e Campo Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano.
HAQa2 Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado e fraco fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano;

Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura média e argilosa fase Floresta Tropical
Hidrófila de Várzea relevo plano;

Areias Quartzosas álicas A moderado e fraco fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano.

AREIAS QUARTZOSAS ÁLICAS


AQa1 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave ondulado.
AQa2 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado.
AQa3 Areias Quartzosas álicas e distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
suave ondulado.
AQa4 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave
ondulado;

Plintossolo álico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano.
AQa5 Areias Quartzosas álicas e distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado e plano.
78

AQa6 Areias Quartzosas álicas A moderado fase contato Floresta/Cerrado relevo plano e suave
ondulado;

Areias Quartzosas Hidrómorficas álicas A moderado e proeminente fase Campo Tropical Hidrófilo
de Várzea relevo plano.
AQa7 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado e ondulado.
AQa8 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólia
relevo plano e suave ondulado.
AQa9 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Equatorial Subcaducifólio relevo suave
ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Equatorial


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
AQa10 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado
e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado.
AQa11 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
AQa12 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Campo


CerradoTropical relevo suave ondulado.
AQa13 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Carrasco relevo
ondulado;
AQa14 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas.
AQa15 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave
ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado e plano;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
ondulado e forte ondulado.
79

AQa16 Areias Quartzosas álicas A moderado fase transição Floresta/Cerrado relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase transição Floresta /Cerrado
relevo plano e suave ondulado;

Areias Quartzosas Hidromórficas álicas A moderado e proeminente fase Campo Hidrófilo de


Várzea relevo plano.
AQa17 Areias Quartzosas álicas A moderado fase contato Floresta/Cerrado relevo plano e suave
ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos e distróficos A moderado textura média fase Carrasco
relevo ondulado;

Plintossolo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média e média fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
AQa18 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado.
AQa19 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado.
AQa20 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado
e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura indiscriminada fase Campo Cerrado Tropical relevo
ondulado, substrato arenito.
AQa21 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo plano e suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura arenosa e média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo ondulado, substrato arenito.
AQa22 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Câmbicos álicos Tb A moderado textura média e argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos e distróficos A moderado textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
80

AQa23 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
forte ondulado, substrato arenito;

Cambissolo álico e distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo ondulado e forte ondulado.
AQa24 Areias Quartzosas álicas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado
e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro álico A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura indiscriminada fase Campo Cerrado Tropical relevo
ondulado, substrato arenito.

AREIAS QUARTZOSAS DISTRÓFICAS


AQd1 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo plano.
AQd2 Areias Quartzosas distróficas e álicas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano
e suave ondulado.
AQd3 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Contato Cerrado/Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo suave ondulado.
AQd4 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
AQd5 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
AQd6 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio e Carrasco relevo
suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado e Cerradão Tropical
Subcaducifólios relevo suave ondulado;
AQd7 Areias Quartzosas distróficas A moderado fases Cerrado Tropical Subcaducifólio e Carrasco relevo
plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fases Cerrado Tropical


Subcaducifólio e Carrasco relevo plano e suave ondulado.
AQd8 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducífólia relevo suave
ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
AQd9 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano.
81

AQd10 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
AQd11 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Solos Concrecionários Câmbicos álicos Tb A moderado textura indiscriminada fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário e não epiconcrecionário textura média fase


Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.
AQd12 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Podzólico Vermelho-Escuro distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado.
AQd13 Areias Quartzosas distróficas A moderado profundas e pouco profundas fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura arenosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
ondulado e forte ondulado, substrato arenito.
AQd14 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerradão (Carrasco) Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerradão Tropical


Subcaducifolio relevo plano.
AQd15 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase Cerradão


(Carrasco) Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado.
AQd16 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo suave
ondualado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura arenosa/média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano.
82

AQd17 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo suave
ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo forte ondulado, substrato rochas pelíticas;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de rocha relevo forte ondulado.


AQd18 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado e plano;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário e não epiconcrecionário textura média fase


Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado concrecionários e não concrecionários textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo ondulado, substrato siltito.
AQd19 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado não cascalhento e cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Litólicos álicos e distróficos A moderado não concrecionários e concrecionários textura


indiscriminada fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado, substrato arenito e siltito.
AQd20 Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado;

Solos Litólicos álicos A moderado textura arenosa fase Carrasco relevo forte ondulado, substrato
arenito;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Carrasco relevo
ondulado;

Afloramentos de Rocha (arenito).

SOLOS ALUVIAIS DISTRÓFICOS


Ad1 Solos Aluviais distróficos Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Higrófila de Várzea
relevo plano;

Glei Pouco Húmico distrófico Tb A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Hidrófila
de Várzea relevo plano.
Ad2 Solos Aluviais distróficos e álicos Tb A moderado textura arenosa fase Floresta Tropical Higrófilo de
Várzea relevo plano;

Solos Aluviais distróficos e álicos gleicos Tb A moderado textura argilosa/média fase Floresta
Tropical Higrófila de Várzea relevo plano;

Plintossolo distrófico e álico Tb A moderado textura média/ argilosa fase Campo Cerrado (covoal)
relevo plano com murundus.
83

SOLOS ALUVIAIS EUTRÓFICOS


Ae Solos Aluviais eutróficos Ta e Tb A moderado vérticos e não vérticos textura indiscriminada fase
Floresta Tropical Higrófila de Várzea relevo plano;

Glei Pouco Húmico eutrófico Ta A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical Hidrófila de
Várzea relevo plano;

Vertissolo eutrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Tropical Hidrófila de Várzea relevo
plano.

SOLOS LITÓLICOS ÁLICOS


Ra1 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura indiscriminada fases
Campo Cerrado Tropical e Pedregosa relevo forte ondulado substrato quartzito e argilito;

Afloramentos de Rochas.
Ra2 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura média fases Campo Cerrado Tropical e
Pedregosa relevo forte ondulado substrato filitos e arenitos;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fases Campo Cerrado Tropical e
Pedregosa relevo forte ondulado.
Ra3 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura média fases Campo Cerrado, Cerrado
Tropical Subcaducifólio e Pedregosa relevo forte ondulado substrato filito e quartzito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fases Cerrado Tropical Subcaducifólio e
Pedregosa relevo forte ondulado e ondulado
Ra4 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo forte ondulado, substrato arenito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo forte ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura


arenosa/média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado e ondulado.
Ra5 Solos Litólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo forte
ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo forte
ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado textura média/argilosa e média fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo plano e suave ondulado.
Ra6 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos textura média fases Cerrado Tropical Subcaducifólio
e Pedregosa relevo forte ondulado e montanhoso, substrato arenito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.
Ra7 Solos Litólicos álicos A moderado textura indiscriminada fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
forte ondulado, substrato arenitos e siltitos;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte
ondulado e ondulado;

Afloramento de Rocha relevo forte ondulado.


84

Ra8 Solos Litólicos álicos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado e montanhoso, substrato arenito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo forte ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo álico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura


arenosa/média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado e ondulado;

Afloramentos de Rocha.

SOLOS LITÓLICOS ÁLICOS E DISTRÓFICOS


Rad1 Solos Litólicos álicos e distróficos A moderado não concrecionários e concrecionários textura
indiscriminada fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado substrato arenito e siltito;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifolio relevo forte
ondulado.
Rad2 Solos Litólicos álicos e distróficos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura
indiscriminada fase Cerradão Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado, substrato siltito e
folhelho;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo ondulado
e suave ondulado;

Cambissolo distrófico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerradão Tropical


Subcaducifólio relevo ondulado.
Rad3 Solos Litólicos álicos e distróficos A moderado cascalhentos textura indiscriminada fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado, substrato arenito e siltito;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado cascalhento textura média/argilosa fase


Floresta Tropical Subcaducifólia relevo ondulado.
Rad4 Solos Litólicos álicos e distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo forte ondulado, substrato rochas granítico-gnáissicas ;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos textura indiscriminada fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo suave ondulado e ondulado;

SOLOS LITÓLICOS DISTRÓFICOS


Rd1 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas e granítico-gnáissicas;

Solos Concressionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de Rocha relevo forte ondulado.


Rd2 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fases Pedregosa e Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo forte ondulado e montanhoso substrato granito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura argilosa fases Pedregosa, não


Pedregosa e Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo forte ondulado e ondulado

Afloramentos de Rocha.
85

Rd3 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta


Equatorial Subperenifólia e Rochosa relevo forte ondulado.
Rd4 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado.
Rd5 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo forte ondulado substrato arenitos;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo forte ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média e média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo forte ondulado e suave ondulado.
Rd6 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Tropical Subcaducifólia
relevo forte ondulado e ondulado, substrato meta-arenitos;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta Tropical


Subcaducifólia relevo ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave
ondulado.
Rd7 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo forte ondulado, montanhoso e escarpado, substrato filito;

Solos Litólicos distróficos A moderado cascalhentos textura indiscriminada fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo montanhoso e escarpado, substrato filito.

Afloramentos de Rocha relevo escarpado.


Rd8 Solos Litólicos distróficos e álicos cascalhentos e não cascalhentos A moderado textura média fases
Cerrado Tropical Subcaducifólio e Rochosa relevo forte ondulado, substrato arenito;

Cambissolo distrófico Tb A moderado textura média fases Cerrado Tropical Subcaducifólio,


Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.
Rd9 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fases Cerrado e Floresta Tropical
Subcaducifólios relevo ondulado e forte ondulado, substrato meta-arenito;

Cambissolo distrófico Tb A moderado textura média fases Cerrado e Floresta Tropical


Subcaducifólios relevo ondulado e forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado pouco profundo textura média/argilosa fases


Cerrado e Floresta Tropical Subcaducifólios relevo ondulado e forte ondulado.
Rd10 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo
forte ondulado substrato meta-arenito e quartzitos;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.
86

Rd11 Solos Litólicos distróficos e eutróficos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura
indiscriminada fases Campo Cerrado e Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo forte ondulado e
montanhoso, substrato filitos, argilitos e arenitos;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura media e argilosa fases Campo Cerrado Tropical,
Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado, substrato calcário;

Afloramentos de Rocha.
Rd12 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fases Campo Cerrado e Cerrado
Tropical Subcaducifólio, Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado, substrato calcário;

Cambissolo distrófico Tb A moderado textura média fases Cerrado Tropical Subcaducifólio,


Pedregosa e Rochosa relevo forte ondulado;

Afloramentos de Rocha
Rd13 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas e granítico-gnáissicas;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos e distróficos A moderado textura média fase Floresta
Equatorial Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de Rocha relevo forte ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico e álico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo forte ondulado e ondulado;
Rd14 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subperenifólia
relevo forte ondulado, substrato rochas pelíticas;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subperenifólia relevo plano e suave ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado.
Rd15 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato arenito;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado;

Afloramentos de Rocha relevo forte ondulado.


Rd16 Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado substrato rochas pelíticas;

Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de Rocha;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fase Cerradão Equatorial Subcaducifólio relevo
suave ondulado e ondulado.
87

Rd17 Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Cerradão e Cerrado Equatorial
Subcaducifólios relevo montanhoso e escarpado substrato arenito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média / argilosa fases Pedregosa e


Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado textura média fases Pedregosa, Cerrado e Cerradão Equatorial
Subcaducifólios relevo ondulado e forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.

SOLOS LITÓLICOS EUTRÓFICOS


Re1 Solos Litólicos eutróficos A moderado textura argilosa fases Floresta Equatorial Subperenifólia,
Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado substrato granito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia, Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado e ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado.
Re2 Solos Litólicos eutróficos A moderado textura argilosa fases Floresta Equatorial Subperenífolia,
Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado, substrato granito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fases Floresta


Equatorial Subperenífolia, Rochosa e não Rochosa, relevo forte ondulado e ondulado;

Afloramentos de Rocha, relevo forte ondulado.


Re3 Solos Litólicos eutróficos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura indiscriminada fase
Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado e montanhoso, substrato arenito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura


média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Cambissolo eutrófico Tb A moderado cascalhento textura média e argilosa fase Floresta Tropical
Subcaducifólia relevo forte ondulado.
Re4 Solos Litólicos eutróficos A moderado cascalhentos e não cascalhentos textura média fase Floresta
Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado e montanhoso, substrato arenito;

Podzólico Vermelho-Amarelo eutrófico Tb A moderado cascalhento e não cascalhento textura


média/argilosa fase Floresta Tropical Subcaducifólia relevo forte ondulado;

Afloramentos de Rocha.

SOLOS CONCRECIONÁRIOS LATOSSÓLICOS ÁLICOS


SCLa1 Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Carrasco relevo
ondulado;

Areias Quartzosas álicas e distróficas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado.
SCLa2 Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Carrasco relevo
ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado Substrato rochas pelíticas.
SCLa3 Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura média fase Carrasco relevo ondulado;

Areias Quartzosas álicas A moderado fase Carrasco relevo suave ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo plano;

Podzol Hidromórfico distrófico A moderado textura arenosa fase transição Floresta/Cerrado relevo
plano.
88

SCLa4 Solos Concrecionários Latossólicos álicos A moderado textura fases Carrasco e Floresta Equatorial
Subcaducifólia relevo ondulado e suave ondulado;

Areias Quartzosas álicas e distróficas A moderado fases Carrasco e Floresta Equatorial


Subcaducifólios relevo suave ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subcaducifólia relevo
forte ondulado substrato rochas pelíticas;

Afloramentos de Rocha.

SOLOS CONCRECIONÁRIOS LATOSSÓLICOS DISTRÓFICOS


SCLd1 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado.
SCLd2 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média e argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.
SCLd3 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo ondulado, substrato arenito;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura média fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado.
SCLd4 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial
Subperenifólia relevo suave ondulado e ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo suave
ondulado;

Podzol Hidromórfico distrófico A moderado textura arenosa fase transição Cerrado/Floresta relevo
plano.
SCLd5 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Tropical
Subperenifólia relevo ondulado;

Areias Quartzosas distróficas A moderado fase Floresta Tropical Subperenifólia relevo suave
ondulado.

Solos Litólicos distróficos A moderado textura média fase Floresta Equatorial Subperenifólia relevo
forte ondulado, substrato rochas pelíticas;
SCLd6 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado cascalhento textura média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio
relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado.
SCLd7 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura argilosa e média fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado concrecionário textura média fase Cerrado


Tropical Subcaducifólio relevo plano e suave ondulado;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado.
89

SCLd8 Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta
Equatorial Subcaducifólia relevo ondulado e forte ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Floresta Equatorial


Subcaducifólia relevo suave ondulado e plano;

Solos Litólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Floresta Equatorial Subcaducifólia
relevo forte ondulado, substrato arenito;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média/argilosa fase Floresta


Equatorial Subcaducifólia relevo forte ondulado e ondulado.
SCLd9 Solos Concresionários Latossólicos distróficos A moderado textura indiscriminada fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo ondulado e suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano;

Podzólico Vermelho-Amarelo distrófico Tb A moderado textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Latossolo Vermelho-Escuro distrófico A moderado textura argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado.

SOLOS CONCRECIONÁRIOS PODZÓLICOS DISTRÓFICOS


SCPd Solos Concrecionários Podzólicos distróficos Tb A moderado textura média/argilosa fase Cerrado
Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado.

SOLOS CONCRECIONÁRIOS CÂMBICOS ÁLICOS


SCCa1 Solos Concrecionários Câmbicos álicos e distróficos Tb A moderado plíntico e não plíntico textura
média fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Plintossolo álico Tb A moderado epicocrecionário textura média/argilosa fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário plíntico e não plíntico textura média fases
Cerrado Tropical Subcaducifólio e Pedregosa relevo ondulado.
SCCa2 Solos Concrecionários Câmbicos álicos Tb A moderado plínticos e não plínticos textura média e
argilosa fase Cerrado Tropical Subcaducifólio relevo suave ondulado e ondulado;

Solos Concrecionários Latossólicos distróficos A moderado textura média fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado;

Cambissolo álico Tb A moderado epiconcrecionário textura média fase Cerrado Tropical


Subcaducifólio relevo ondulado;

Latossolo Vermelho-Amarelo distrófico A moderado textura média e argilosa fase Cerrado Tropical
Subcaducifólio relevo suave ondulado e plano.
FONTE: CNEC, 1997

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O trabalho realizado promoveu importantes melhorias no tocante ao conhecimento


sobre os solos do Estado de Mato Grosso. No âmbito geral, pode-se salientar uma cartografia
mais apurada, que se deveu ao emprego de sensores remotos atuais e de melhor precisão,
além de se ter alternado a sua utilização em função das características de cada local. Some-se
a isso uma consideravelmente maior quantidade de acessos por via terrestre, o que favoreceu
em muito, tanto os trabalhos de cartografia quanto os de identificação dos solos.
90

Com relação aos solos propriamente ditos, pode-se salientar grosseiramente entre
outras, as seguintes modificações em relação aos mapeamentos anteriores:

- Retração nas áreas de Solos Litólicos, associada a uma expansão nas áreas de
Podzólicos na faixa norte do Estado, sobre litologias do Complexo Xingu;

- Melhor definição das áreas de Podzólicos eutróficos nesta faixa norte, tendo
havido praticamente o fim de solos eutróficos na porção noroeste;

- Sobre a Chapada de Dardanelos, expansão de áreas de Latossolos em


detrimento de áreas de Solos Concrecionários e Solos Litólicos;

- Sobre a Serra dos Caiabis, eliminação quase total das áreas de Areias
Quartzosas e aumento de áreas de solos de maior potencialidade agrícola, como
Plintossolos;

- Na região de Colíder, eliminação total das áreas anteriormente mapeadas como


Terra Roxa Estrururada;

- Ainda na faixa norte do Estado, alteração de várias manchas de Latossolos


Vermelho-Amarelos que passaram para Podzólicos Vermelhos-Amarelos e
aparecimento de algumas pequenas manchas de Latossolos Vermelhos-Escuros
e de Terras Roxa Estruturadas;

- Na região do Planalto dos Parecis, alteração de Latossolos Vermelho-Amarelos


para Latossolos Vermelhos-Escuros na dominância dos solos do vale do Rio
Xingu e detecção de áreas de covoais com presença de solos plínticos;

- As áreas de Brunizéns Avermelhados foram eliminadas na região de Porto


Esperidião e restringidas no bordo da Chapada dos Parecis;

- Foram detectadas grandes áreas de Latossolos, tanto Vermelho-Amarelos


quanto Vermelhos-Escuros, na região sudoeste sobre litologias do Complexo
Xingu, na Depressão Cuiabana sobre litologias da Formação Cuiabá e na
Depressão de Paranatinga sobre litologias da Formação Diamantino, onde
anteriormente não haviam sido detectados;

- Na Chapada dos Guimarães, alteração na dominãncia dos solos que passou de


Latossolo Vermelho-Amarelo para Latossolo Vermelho-Escuro;

- Na região pantaneira, através de uma boa correlação solos/vegetação se


conseguiu uma melhor separação das classes de solos dominantes que são os
Plintossolos e os Planossolos e ao mesmo tempo se procedeu a eliminação
quase total dos Solonetz Solodizados.

- No que diz respeito a erodibilidade dos solos, a área mostra-se com grande
variabilidade, embora os efeitos da erosão sejam ainda muito incipientes para o
Estado como um todo. Isto pode se dever ao fato de que os solos que sofrem as
maiores agressões com o manejo das lavouras até o momento, são justamente
os de menor erodibilidade, como é o caso dos Latossolos dos Chapadões.

No geral a área do Estado apresentou um melhoramento significativo no tocante a


limites de unidades de mapeamento e composição das mesmas. o que certamente se refletirá
em um mais eficiente aproveitamento das informações para os mais diferentes fins.
91

6. FOTOGRAFIAS

FOTO 001 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO DISTRÓFICO A MODERADO TEXTURA ARGILOSA


FASE RELEVO PLANO. ENTRE CAMPO NOVO DOS PARECIS E SÃO JOSÉ DO RIO CLARO.

FONTE: CNEC, 1997


92

FOTO 002 LAVOURA DE SOJA SOBRE LATOSSOLO VERMELHO-ESCURO DISTRÓFICO A MODERADO


TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ENTRE DIAMANTINO E SÃO JOSÉ DO RIO CLARO.

FONTE: CNEC, 1997


93

FOTO 003 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO A MODERADO TEXTURA


ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ENTRE JUÍNA E BRASNORTE.

FONTE: CNEC, 1997


94

FOTO 004 PERFIL DE LATOSSOLO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO A MODERADO TEXTURA


ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. BR-163, PRÓXIMO AO RIO TELES PIRES.

FONTE: CNEC, 1997


95

FOTO 005 PERFIL DE TERRA ROXA ESTRUTURADA EUTRÓFICA A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE
RELEVO ONDULADO. PRÓXIMO À SALTO DO CÉU.

FONTE: CNEC, 1997


96

FOTO 006 PAISAGEM DA ÁREA DE TERRA ROXA ESTRUTURADA EUTRÓFICA A MODERADO TEXTURA
ARGILOSA FASE RELEVO ONDULADO. PRÓXIMO À SALTO DO CÉU.

FONTE: CNEC, 1997


97

FOTO 007 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO-ESCURO LATOSSÓLICO DISTRÓFICO A MODERADO


ABRÚPTICO TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À PONTES E
LACERDA.

FONTE: CNEC, 1997


98

FOTO 008 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-ESCURO LATOSSÓLICO DISTRÓFICO A


MODERADO ABRÚPTICO TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À
PONTES E LACERDA.

FONTE: CNEC, 1997


99

FOTO 009 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO Tb A MODERADO TEXTURA


ARENOSA/MÉDIA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À BARRA DO BUGRES.

FONTE: CNEC, 1997


100

FOTO 010 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO DISTRÓFICO Tb A MODERADO


TEXTURA ARENOSA/MÉDIA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À BARRA DO BUGRES.

FONTE: CNEC, 1997


101

FOTO 011 PERFIL DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO Tb A CHERNOZÊMICO TEXTURA


MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ESTRADA NOBRES-MARZAGÃO, PRÓXIMO AO RIO
CUIABÁ.

FONTE: CNEC, 1997


102

FOTO 012 PAISAGEM DA ÁREA DE PODZÓLICO VERMELHO-AMARELO EUTRÓFICO Tb A CHERNOZÊMICO


TEXTURA MÉDIA/ARGILOSA FASE RELEVO PLANO. ESTRADA NOBRES-MARZAGÃO, PRÓXIMO
AO RIO CUIABÁ.

FONTE: CNEC, 1997


103

FOTO 013 PERFIL DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A MODERADO VÉRTICO PLÍNTICO TEXTURA
MÉDIA FASE RELEVO PLANO. RODOVIA TRANSPANTANEIRA, ENTRE O POSTO DO IBAMA E
PORTO JOFRE.

FONTE: CNEC, 1997


104

FOTO 014 PERFIL DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A MODERADO ENDOPETROPLÍNTICO


TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À JACIARA.

FONTE: CNEC, 1997


105

FOTO 015 PAISAGEM DA ÁREA DE GLEI POUCO HÚMICO DISTRÓFICO Tb A MODERADO


ENDOPETROPLÍNTICO TEXTURA MÉDIA FASE RELEVO PLANO. PRÓXIMO À JACIARA.

FONTE: CNEC, 1997


106

FOTO 016 PERFIL DE PLINTOSSOLO DISTRÓFICO Tb A MODERADO TEXTURA MEDIA/ARGILOSA.


PLANÍCIE DO ARAGUAIA, ENTRE ÁGUA BOA E BARRA DO GARÇAS.

FONTE: CNEC, 1997


107

FOTO 017 PERFIL DE PLINTOSSOLO DISTRÓFICO Tb A MODERADO TEXTURA MEDIA/ARGILOSA.


ESTRADA QUE LIGA A BR-158 A COCALINHO.

FONTE: CNEC, 1997


108

FOTO 018 PERFIL DE SOLO ALUVIAL GLEICO Tb A MODERADO TEXTURA ARGILOSA. BR-158, BARRANCO
DO RIO PINDAÍBA.

FONTE: CNEC, 1997


109

FOTO 019 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO SUAVE
ONDULADO. PRÓXIMO À PARANATINGA.

FONTE: CNEC, 1997


110

FOTO 020 PAISAGEM DA ÁREA DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE
RELEVO SUAVE ONDULADO. DEPRESSÃO DE PARANATINGA, PRÓXIMO AO PLANALTO DA
SERRA.

FONTE: CNEC, 1997


111

FOTO 021 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO PLÍNTICO CONCRECIONÁRIO TEXTURA


MÉDIA FASE RELEVO SUAVE ONDULADO. PRÓXIMO AO PLANALTO DA SERRA.

FONTE: CNEC, 1997


112

FOTO 022 PERFIL DE CAMBISSOLO ÁLICO Tb A MODERADO CASCALHENTO TEXTURA MÉDIA FASE
RELEVO FORTE ONDULADO. PRÓXIMO À NOVA BRASILÂNDIA.

FONTE: CNEC, 1997


113

FOTO 023 PERFIL DE AREIA QUARTZOSA DISTRÓFICA A MODERADO FASE RELEVO PLANO. ENTRE
PARANATINGA E CANARANA.

FONTE: CNEC, 1997


114

FOTO 024 PERFIL DE SOLO CONCRECIONÁRIO LATOSSÓLICO A MODERADO TEXTURA ARGILOSA FASE
RELEVO SUAVE ONDULADO. PRÓXIMO À CANARANA.

FONTE: CNEC, 1997


115

FOTO 025 ASPECTO DA VEGETAÇÃO SOBRE SOLO CONCRECIONÁRIO LATOSSÓLICO A MODERADO


TEXTURA ARGILOSA FASE RELEVO SUAVE ONDULADO. PRÓXIMO À CANARANA.

FONTE: CNEC, 1997


116

FOTO 026 PERFIL DE SOLO CONCRECIONÁRIO CÂMBICO ÁLICO Tb A MODERADO TEXTURA MÉDIA FASE
RELEVO SUAVE ONDULADO. ESTRADA CUIABÁ – CHAPADA DOS GUIMARÃES.

FONTE: CNEC, 1997


117

FOTO 027 PERFIL DE SOLO LITÓLICO ÁLICO A MODERADO CASCALHENTO FASE RELEVO FORTE
ONDULADO, SUBSTRATO FILITO. BORDO NORTE DA CHAPADA DOS GUIMARÃES, PRÓXIMO À
NOVA BRASILÂNDIA.

FONTE: CNEC, 1997


118

FOTO 028 PAISAGEM DA ÁREA DE SOLO LITÓLICO ÁLICO A MODERADO CASCALHENTO FASE RELEVO
FORTE ONDULADO, SUBSTRATO FILITO. BORDO NORTE DA CHAPADA DOS GUIMARÃES,
PRÓXIMO À NOVA BRASILÂNDIA.

FONTE: CNEC, 1997


119

7. BIBLIOGRAFIA

ASSIS, A. F. F. de. O Solo e as Práticas de Controle à Erosão. 2a ed. Campinas, Secretaria de


Agricultura. CATI. Departamento de Orientação Técnica. 1973. 64p.
BERTONI, J., LOMBARDI NETO, F. & BENATI JÚNIOR, R. Equação de Perdas de Solo.
Campinas. Instituto Agronômico, 1975. 25p. (Boletim Técnico, 21).
BERTONI, J. & LOMBARDI NETO, F. Conservação do Solo. São Paulo: Ícone, 1990.
BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto
RADAM. Folha SB.21 - Tapajós. Rio de Janeiro. 1974. 418p. (Lev. de Rec. Naturais, 7).
_______. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SC.20 -
Porto Velho. Rio de Janeiro. 1978. (Lev. de Rec. Naturais, 16).
_______. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD.20 -
Guaporé. Rio de Janeiro. 1979. (Lev. de Rec. Naturais, 19).
_______. Departamento Nacional de Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SC.21 -
Juruena. Rio de Janeiro. 1980. (Lev. de Rec. Naturais, 20).
_______. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SC.22 - Tocantins. Rio de Janeiro.
1981. (Lev. de Rec. Naturais, 22).
_______. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD.22 - Goiás. Rio de Janeiro.
1981. (Lev. de Rec. Naturais, 25).
_______. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD.21 - Cuiabá. Rio de Janeiro.
1982. (Lev. de Rec. Naturais, 26).
_______. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SE.21 - Corumbá e parte da SE-20.
Rio de Janeiro. 1982. (Lev. de Rec. Naturais, 27).
_______. Secretaria Geral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SE.22 - Goiânia. Rio de Janeiro.
1983. (Lev. de Rec. Naturais, 31).
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia legal. Secretaria
de Coordenação de Assuntos do Meio Ambiente. Programa Nacional do Meio Ambiente.
Projeto Pantanal. Plano de Conservação da Bacia do Alto Paraguai:PCBAP. Brasília: 1997.
3v. 7 tomos.
CRITÉRIOS PARA DISTINÇÃO DE CLASSES DE SOLOS E DE FASES DE UNIDADES DE
MAPEAMENTO - NORMAS EM USO PELO SNLCS. Rio de Janeiro. Serviço Nacional de
Levantamento e Conservação de Solos. 1988. 67p. (EMBRAPA-SNLCS. Documentos, 11).
DEFINIÇÃO E NOTAÇÃO DE HORIZONTES E CAMADAS DE SOLO. 2 a ed. Rio de Janeiro.
Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. 1988. 54p. (EMBRAPA-
SNLCS. Documento, 03).
DEL’ ARCO, D. M. et al. Susceptibilidade à Erosão da Macrorregião da Bacia do Paraná.
Campo Grande. 1992. 277p. Convênio de Cooperação Técnico - Científica IBGE/Estado de
Mato Grosso do Sul.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro de Pesquisas Pedológicas.
Mapa Esquemático dos Solos das Regiões Norte, Meio-Norte e Centro-Oeste do Brasil;
texto explicativo. Rio de Janeiro. 1975. 553p. Mapa (Boletim Técnico).
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Centro Nacional de Pesquisa de
Solos. Manual de Métodos de Análise de Solos. 2a ed. revista e atualizada. 212p. Rio de
Janeiro, 1997. 1v.
EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Serviço Nacional de Levantamento
e Conservação de Solos. Manual de Métodos de Análise de Solos. Rio de Janeiro, 1979.
1v.
_______. Estudo Expedito dos Solos da Bacia do Rio Paraguai no Brasil, para fins de
classificação, correlação e legenda preliminar. Rio de Janeiro. 1980. 129p. (Boletim
Técnico, 71).
120

_______. Levantamento de Reconhecimento de Média Intensidade, Avaliação da Aptidão


Agrícola das Terras e Indicação de Culturas em Áreas Homogêneas de Solos de alguns
Municípios do Sudoeste do Estado de Mato Grosso. Rio de Janeiro. 1982. (Boletim de
Pesquisa, 17).
_______. Estudo Expedito dos Solos da Área de Aripuanã-MT, para fins de Legenda Preliminar,
Correlação e Classificação. Rio de Janeiro. 1989. 95p. Datilografado.
E.U.A. Departament of Agriculture. Soil Taxonomy: a basic system of soil classification for
making and interpreting soil surveys. Washington, D.C., Government Printing Office. 1975.
754p. (Agriculture Handobook, 436).
FALESI, I. C. Ecossistema da Pastagem Cultivada na Amazônia Brasileira. EMBRAPA -
CPATU. Belém. 1976. 193p. (Boletim Técnico).
FAO, Roma, Itália. Soil map of the world 1:5.000.000 legend. Paris. UNESCO. (1974)
FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Projeto Zoneamento
das Potencialidades dos Recursos Naturais da Amazônia Legal. Convênio IBGE/SUDAM.
Rio de Janeiro. 1990. 212p.
JACOMINE, P. K. T. et al. Guia para Identificação dos Principais Solos do Estado do Mato
Grosso. Cuiabá. 1995. 118p. Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral.
Projeto PNUD-BRA/94/006.
LEITE SOBRINHO, J. B. P. & MOREIRA, M. L. C. Levantamento de Reconhecimento de Média
Intensidade dos Solos da Região Noroeste do Mato Grosso. In: Fisiomorfologia, solos e
uso atual da terra. Cuiabá. 1982. Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação
Geral. 124p.
LEMOS, R. C. de & SANTOS, R. D. dos. Manual de descrição e coleta de solos no campo. 2 a
ed. Campinas. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo/Serviço Nacional de Levantamento
e Conservação do Solos. 1982. 46p.
LOMBARDI NETO, F. & BERTONI, J. Erodibilidade de Solos Paulistas. Campinas. Instituto
Agronômico. 1975. 12p. (Boletim Técnico, 27).
MIDDLETON, H. E. Properties of soil which influence soil erosion. Washington, D.C., USDA.
1930. 16p. (Technical Bulletin, 178).
MOREIRA, M. L. C. Levantamento de Reconhecimento de Média Intensidade dos Solos da
Fazenda Agrochapada. Cuiabá. 1993a. (Datilografado).
_____________ Levantamento dos Solos do Município de Juruena-Mato Grosso. Cuiabá.
1993b. 140p. (Datilografado).
MOREIRA, M. L. C. & LEITE SOBRINHO, J. B. P. Levantamento de Reconhecimento de Alta
Intensidade dos Solos e Avaliação da Aptidão Agrícola das Terras do Município de Jauru-
MT. Cuiabá. sem data. (Datilografado).
MUNSELL. Soil color charts. Baltimore, Munsell Color Company, 1971. tab.
OLIVEIRA, V. A. de, RIOS, A. J. W. & DEL’ ARCO, D. M. Metodologia do Mapa de
Susceptibilidade à Erosão da Macrorregião da Bacia do Paraná-MS. Escala 1:1.000.000.
In: Congresso Brasileiro de Geologia, 35. Belém-PA. 1988. p.2587-2597 (Anais).
ORIOLI, A. L. Levantamento Detalhado dos Solos do Campo Experimental de Tangará da
Serra-MT. Cuiabá. 1985. EMPA-MT (Boletim de Pesquisa, 02).
RESENDE, M. Aplicações de conhecimentos pedológicos a conservação de solos. Informe
Agropecuário. Belo Horizonte. 11 (128) 3-18, agosto, 1985.
RESENDE, M. & ALMEIDA, J. R. de. Modelos de predição de perda de solo: uma ferramenta
para manejo e conservação do solo. Informe Agropecuário. Belo Horizonte, 11 (128) 38-54,
agosto, 1985.
REUNIÃO TÉCNICA DE LEVANTAMENTO DE SOLOS, 10. Rio de Janeiro. 1979. Súmula.
Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. 1979. 83p. (SNLCS- Ser.
Miscelânea, 01).
RIOS, A.J.W., Uso dos Levantamentos Pedológicos na separação de áreas com resistência
variável aos agentes erosivos e na recomendação de práticas de manejo e conservação do
solo. Goiânia 2000. Monografia (Especialização) – Universidade Federal de Goiás, 2000.
WISCHMEIER, W. H. & SMITH, D. D. Rainfall energy and its relationships to soil loss. Trans.
Am. Geophys. Un., 39:285-291.1958.
121

________________ A universal soil-loss estimating equation to guide conservation farm


planning. 7th Cong. Int. Soil Sci. Soc. Trans., 1961. V.01, paper 2.
________________ Predicting rainfall-erosion losses from cropland east of the Rock
Mountains. Washington, D.C., Government Printing Office, 1965. (Agriculture Handboock,
282).
WISCHMEIER, W. H., JOHNSON, C. B. & CROSS, B. V. A soil erodibility nomografh for
farmland and construction sites. Soil and Water Conservation Journal. 26: 189-193, 1971.
ANEXOS
ANEXO I - MAPAS