Você está na página 1de 51

FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL

PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

1. Introdução

Olá candidato!

Espero que tenham gostado da nossa segunda aula. Esse nosso terceiro
encontro seguirá praticamente os mesmos moldes da aula anterior.

Estou gostando de ver as perguntas nos fóruns, é sinal de que a matéria está
começando a se fixar na cabeça de vocês. Continuem mandando suas dúvidas,
perguntas e sugestões.

Como de costume, escolhi para a aula de eletricidade uma série de questões


aplicadas em provas anteriores de concursos para órgãos como o Inmetro,
CBM, todos realizados pelo Cespe.

Abaixo segue o conteúdo programático do assunto de eletricidade previsto no


edital para Papiloscopista da PF/2012 (Cespe).

Eletricidade: carga elétrica; condutores e isolantes; campo elétrico; potencial


elétrico; corrente elétrica; resistores; capacitores; circuitos elétricos.

É um assunto muito longo, a única coisa que foi retirada do conteúdo de


eletricidade do ensino médio foi o eletromagnetismo. Portanto, temos muitas
fórmulas e conceitos para explicar nessa aula, apesar de ser uma aula de
exercícios.

Mais uma vez, a matéria possui algumas equações e leis físicas


exteriorizadas por meio de expressões matemáticas que devem ser
memorizadas. Portanto, vamos atentar para as fórmulas matemáticas,
memorizá-las e conhecer a aplicação de cada uma delas.

Mãos à obra, pois o caminho até a aprovação é longo.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 1


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

2. QUESTÕES COMENTADAS

1. (UNB) Um buckyball é um sistema molecular eletricamente neutro, mas


pode tornar-se iônico, com a retirada de elétrons. A figura ao lado mostra três
buckyballs ionizados, formados por 60 átomos de carbono cada, fixos nos
vértices de um triângulo eqüilátero de lado igual a 50 Å, que se encontra no
vácuo. De cada um dos três buckyballs, foi retirado um elétron. A partir dessas
informações, julgue os itens a seguir, sabendo que o número de Avogadro é
igual a 6,022 × 1023, que a constante gravitacional é igual a 6,67 × 10-11
Nmkg-2, que a constante eletrostática do vácuo é igual a 9 × 10 9 NmC-2 e que
a carga elementar de um elétron é igual a -1,6 × 10-19 C.

A questão acima se insere no estudo da eletrostática. A eletrostática que será


trabalhada nas questões dessa aula tem como objeto de estudo a Força
elétrica, o Campo Elétrico gerado por cargas puntiformes e o potencial
elétrico gerado por cargas puntiformes.

1.1 Em cada buckyball, as forças elétrica e gravitacional resultantes têm o


mesmo sentido.

Item incorreto.

Vamos entender os dois tipos de força envolvidas na questão acima.

 Força elétrica:

A força elétrica é uma força de ação à distância, a qual surge quando dois
corpos eletrizados (positiva ou negativamente) são colocados a certa distância
gerando um no outro uma força FE.

As características dessa força são as seguintes:

• Direção: a mesma da reta que liga as duas cargas.


• Sentido: a depender dos sinais das respectivas cargas. Veja o
esquema abaixo.
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 2
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: infoescola.com

Ou seja, cargas de sinais opostos se atraem, enquanto que cargas de mesmo


sinal se repelem.

• O módulo da Força elétrica foi estudado pelo Físico francês Charles


Augustin de Coulomb que, no fim do século XVIII, demonstrou, por
meio de uma balança de torção, que a força elétrica é diretamente
proporcional ao módulo das cargas elétricas e inversamente
proporcional ao quadrado da distância.

Matematicamente, poderíamos equacionar a Lei de Coulomb da seguinte


forma:

Q q
FE ∝
d2
Para transformar uma proporcionalidade em igualdade, devemos introduzir
uma constante de proporcionalidade. Assim, a fórmula acima transformar-se-ia
em:

KQ q
FE =
d2
Acima, a Lei de Coulomb para o cálculo do módulo da força elétrica entre duas
cargas puntiformes distanciadas de “d”.

A constante “K” depende apenas do meio no qual estão imersas as cargas, e é


chamada de constante elétrica.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 3


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Professor, essa constante elétrica é


a mesma constante de dielétrica de
um meio?

NÃO ADERBAL!

Muito cuidado para não confundir a constante elétrica de um meio com a


constante dielétrica, que é a razão entre duas permissividades elétricas.

ε1
k=
ε2
A primeira constante é a que usaremos no cálculo do módulo da força elétrica
(Lei de Coulomb) a segunda é razão entre as permissividades, que, por sua
vez, é a facilidade que um meio apresenta de polarizar-se.

Note que são conceitos totalmente diferentes, mas existe uma relação entre a
constante elétrica do meio e a permissividade do meio, e pode cair na sua
prova. Veja.

1
K=
4πε 0

Reescrevendo a Lei de Coulomb:

1 Q q
FE = ⋅
4πε 0 d2
No vácuo, os valores de ε0 e K são:

 ε0 = 8,85 × 10-12 C2/Nm


 K = 9,0 × 109 Nm/C2

Podemos ainda montar um gráfico que mostra a força elétrica de acordo com a
distância entre as cargas. Veja.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 4


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: virtual.ufc.br

Em linhas gerais o que foi visto acima sobre força elétrica é suficiente para
comentar a questão na UNB.

 Força de atração gravitacional.

Não perderei muitas linhas no comentário da Força de Atração Gravitacional,


pois se trata de uma força oriunda do estudo da mecânica dos corpos celestes,
que não está prevista no edital. Portanto vejamos o que nos interessa para a
resolução do problema.

A Força Gravitacional é análoga em tudo com a Força Elétrica, a mudança fica


por conta da Massa no lugar da Carga.

Então, vamos à fórmula para o cálculo do módulo da Força Gravitacional.

GM 1M 2
FG =
d2
Voltando ao item que estamos avaliando, facilmente notamos que o item 1.1
está incorreto, uma vez que a força gravitacional é sempre de atração,
por outro lado, a força elétrica pode ser de repulsão ou atração. No caso
em apreço, a força elétrica é de repulsão, pois todos os buckyballs possuem
carga positiva.

Cada buckyball terá a carga equivalente a carga positiva de um elétron, ou


seja, + 1,6 × 10-19 C.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 5


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Professor, o que
garante que a carga dos
buckyballs é positiva?

Aderbal, o texto afirmou que de cada átomo de carbono, inicialmente neutro,


foi retirado um elétron, tornando-os positivos (força de repulsão).

Observe o esquema abaixo para identificar se uma carga elétrica é positiva,


negativa ou neutra.

Prótons e elétrons Natureza da carga


NP>NE POSITIVA
NE>NP NEGATIVA
NP=NE NEUTRA

Cuidado! Um corpo neutro não é aquele que não apresenta carga positiva e
nem negativa. Corpo neutro é aquele no qual as cargas positivas são iguais as
cargas negativas, anulando umas o efeito das outras.

1.2 Em cada buckyball o módulo da força gravitacional resultante equivale à


metade da força elétrica resultante.

Item incorreto.

Vamos calcular o módulo da força elétrica e da força gravitacional a fim de


possamos comparar os valores e verificar realmente se FG= FE/2.

Observe abaixo os vetores força elétrica e o vetor força resultante em um


buckyball.

uur
uuuuur FE
FE RES

uur
FE

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 6


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

A figura acima mostra as duas forças de natureza elétrica que agem sobre um
buckyball. A resultante vetorial dessas duas forças é calculada por meio da
regra do paralelogramo e da lei dos cossenos.

FERES = FE 2 + FE 2 + 2 FE FE cos 60°

FERES = 2 FE 2 + 2 FE FE 1
2
FERES = FE 3

Já o cálculo da FE é feito por meio da aplicação da lei de Coulomb (veja item


1.1), a qual nos permite calcular o módulo da força elétrica. Observe a fórmula
abaixo.

Ke e
FE =
d2
9, 0 ⋅109 ⋅1, 62 ⋅10−32
FE =
(50 ⋅10−10 ) 2
FE = 9, 21 ⋅10−6 N
Portanto,

FE RES = 3 ⋅ FE
FE RES = 3 ⋅ 9, 21 ⋅10−6
FE RES = 1, 60 ⋅10−5 N

Calculando agora o módulo da força gravitacional:

GM 1M 2
FG =
d2

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 7


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Professor, eu entendi que a carga de um


buckyball é a mesma carga de um
elétron, positiva. Mas, agora como vou
saber a massa de um buckyball?

É simples Aderbal. Você deve ter percebido que no enunciado é afirmado que
cada buckyball é formado por 60 átomos de carbono, os quais têm massa
equivalente a de 12 prótons cada um (lembre-se que na Química um átomo de
carbono possui número de massa igual a 12).

Portanto, calculando a massa de um buckyball:

M B = 60 ⋅12 ⋅1, 67 ⋅10−27 kg


M B = 1, 20 ⋅10−24 kg
Voltando para a fórmula da força de atração gravitacional:

GM 1M 2
FG =
d2
6, 67 ⋅10 −11 ⋅ (1, 2 ⋅10−24 ) 2
FG =
(50 ⋅10 −10 ) 2
FG = 3,84 ⋅10 −42 N
A força resultante gravitacional é calculada vetorialmente da mesma maneira
que a força resultante elétrica, a única diferença é o sentido, uma vez que a
força gravitacional é de atração.

uur
FG

uur uuuuur
FG FG RES

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 8


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

FGRES = FG 2 + FG 2 + 2 FG FG cos 60°

FGRES = 2 FG 2 + 2 FG FG 1
2
FGRES = FG 3
FGRES = 6, 65 ⋅10−42 N

Logo, a força gravitacional é muito menor que a metade da força elétrica.

1.3 O vetor campo elétrico resultante no buckyball 3 aponta para o sentido do


centro do triângulo mostrado.

Item incorreto

Voltando ao desenho mostrado abaixo, no qual podemos observar os campos


elétricos dos buckyballs 1 e 2 sobre o buckyball 3, é possível notar que a
resultante dos campos aponta para fora do triângulo e não para o seu centro.

ur
uuuur E
ERES

ur
E

A resultante apontaria para o centro caso as cargas fossem negativas, com


sinal contrário. Veja.

ur
E

uuuur
ur E RES
E

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 9


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Como os campos elétricos são divergentes, pois foram retirados elétrons dos 3
buckyballs, fazendo com que eles apresentem cargas positivas de mesmo
sinal, o sentido do campo elétrico de cada buckyball é “para fora”.

2. (CESPE – CBM – ES – 2008) O campo elétrico é um campo vetorial


produzido por cargas puntiformes ou corpos carregados. As linhas de campo,
ou linhas de força, de um campo elétrico permitem visualizar a configuração do
campo em determinada região. Acerca de campo elétrico, potencial elétrico e
linhas de campo, julgue os itens a seguir.

2.1 Na situação ilustrada abaixo, em que são mostradas linhas de campo


elétrico produzido por uma carga puntiforme + q, é correto afirmar que a
intensidade do campo elétrico no ponto A é superior à intensidade do campo
elétrico no ponto B.

A
++
++

Item correto.

A questão aborda mais uma vez os conteúdos de força, campo e potencial


elétrico.

O campo elétrico é um vetor gerado ao redor de um corpo carregado positiva


ou negativamente. Nos corpos puntiformes, a configuração do vetor campo
elétrico é a mostrada abaixo.

Fonte: educacao.uol.com.br

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 10


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

As linhas que aparecem nas figuras são chamadas de linhas de força. As linhas
de força são as representações do campo elétrico no meio em que está
inserida a carga puntiforme.

O campo divergente, saindo da carga, é o campo elétrico gerado por uma


carga positiva.

O campo convergente, aproximando-se da carga, é o campo elétrico gerado


por uma carga negativa.

Uma carga de prova solta nessa região de campo elétrico sofrerá a ação do
campo, aproximando-se ou afastando-se do centro.

As linhas de campo representam também servem para indicar o campo


resultante em cada ponto do campo. Veja.

Fonte: efisica.if.usp.br

Em cada ponto os vetores E1, E2 e E3 são os vetores representam os campos


elétricos resultantes.

Veja abaixo outra figura onde são mostradas outras linhas de campo, oriundas
da interação de duas cargas puntiformes de sinais contrários.

Fonte: colegioweb.com.br

No ponto “P” também se representa o vetor campo elétrico resultante.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 11


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Professor, duas linhas de


campo podem se cruzar?

NÃO ADERBAL!

Dica de prova: duas linhas de campo elétrico nunca se cruzam!

Vamos raciocinar por absurdo. Suponha que duas linhas de campo pudessem
se cruzar. Teríamos então um ponto no qual haveria dois vetores campo
elétrico resultante e isso é um absurdo, pois só há um campo elétrico
resultante para cada ponto no espaço.

Fonte: efisica.if.usp.br

Logo, encontramos um absurdo e então quer dizer que a nossa hipótese está
incorreta. Portanto duas linhas de campo nunca se cruzarão.

Outra característica importante das linhas de campo é o fato de que quanto


mais juntas elas estão, mais intenso é o campo elétrico.

Acerca do módulo do campo elétrico, a fórmula para o seu cálculo é a


seguinte:

K⋅Q
E=
d2
Onde K é a constante elétrica do meio, d é a distância e |Q| é o módulo da
carga elétrica puntiforme geradora do campo elétrico.

Graficamente teríamos:

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 12


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: colegioweb.com.br

Voltando ao item, ele afirma que na figura abaixo o campo elétrico em “A” é
maior que em “B”.

A
++
++

O item está correto, pois quanto mais próximo da carga, maior será o módulo
do campo elétrico. Isso pode ser comprovado analisando-se tanto o gráfico,
como a fórmula para o cálculo do módulo do campo elétrico.

2.2 Na configuração a seguir, os pontos A, B e C têm o mesmo potencial.

ur
E

Item correto.
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 13
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Na figura acima temos o que é chamado na eletricidade de superfícies


equipotenciais. São superfícies nas quais os valores dos potenciais elétricos
são sempre os mesmos.

Para linhas de campo elétrico paralelas como as da figura acima, as superfícies


equipotenciais são retas perpendiculares em cada ponto de cada linha de
campo.

Fonte: alfaconnection.net

Fonte: alfaconnection.net

Fonte: brasilescola.com

Acima você pode perceber os dois tipos de superfícies equipotenciais mais


comuns em provas.

A dica que fica é: EM UMA EQUIPOTENCIAL O POTENCIAL ELÉTRICO É


IGUAL EM TODOS OS PONTOS DA SUPERFÍCIE.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 14


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Abaixo segue a fórmula para o cálculo do potencial elétrico gerado por uma
carga elétrica puntiforme.

KQ
V=
d

Onde K é a constante elétrica do meio, Q é a carga elétrica (aqui se considera


o sinal da carga, tendo potencial positivo uma carga positiva e potencial
negativo uma carga negativa) e d é a distância ao ponto em que se quer
calcular o módulo do potencial elétrico.

2.3 Em um condutor carregado, em equilíbrio eletrostático, as linhas de campo


são sempre perpendiculares à superfície do condutor.

Item correto.

Em um condutor em equilíbrio eletrostático, as cargas estão distribuídas pela


sua superfície. Observe abaixo um condutor em equilíbrio eletrostático.

Fonte: alfaconnection.net

A carga elétrica distribuída pela superfície nos trás outra conseqüência que é o
campo elétrico nulo no interior do condutor e o potencial elétrico
constante no seu interior.

Abaixo seguem os gráficos do campo e potencial elétrico para um condutor em


equilíbrio eletrostático.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 15


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: potencialdeumcondutorcarregado.blogspot.com

2.4 Pode-se estimar a intensidade de um campo elétrico em determinada


região por meio do fluxo do vetor campo elétrico nessa região, ou seja, pelo
número de linhas de força que atravessam determinada superfície. Assim, em
regiões onde as linhas de campo elétrico estão mais próximas, a intensidade
do campo elétrico é menor que em regiões onde as linhas desse campo estão
mais separadas.

Item incorreto.

O item até começa correto, quando afirma ser possível calcular a intensidade
do campo elétrico por meio do fluxo do vetor campo elétrico, que é a
quantidade de linhas de campo que atravessam determinada região fechada.

Fonte: if.ufrgs.br
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 16
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Esse é o princípio da lei de Gauss para o campo elétrico. Gauss enunciou uma
lei na qual afirmou que o fluxo do vetor campo elétrico sobre uma superfície
fechada é igual à carga envolta por essa superfície dividida pela permissividade
elétrica do meio. Matematicamente:

qINT
φ=
ε
A incorreção do item está no final, onde é afirmado que em uma região de
grande concentração de linhas de força a intensidade do campo elétrico é
menor que em uma região de menor densidade de linhas.

É justamente o contrário. Onde há maior densidade de linhas de campo, o


campo elétrico tem intensidade maior. Por outro lado, em regiões de baixa
densidade de linhas de campo, a sua intensidade é menor.

3. (CESPE – INMETRO – 2007) A figura acima ilustra uma casca esférica


condutora de raio interno R1 e raio externo R2. Considerando que essa casca
esférica tenha sido carregada com carga total igual a 4Q, e que, após o
carregamento seja mantida eletricamente isolada, em equilíbrio eletrostático,
julgue os itens subseqüentes.

3.1 O campo elétrico na região R1 < r < R2 é nulo.

Item correto.

Na figura acima temos uma casca esférica condutora carregada e em equilíbrio


eletrostático. Portanto trata-se de um condutor em equilíbrio.

Já vimos na questão anterior que um condutor em equilíbrio eletrostático


possui algumas particularidades, uma das quais se refere ao campo elétrico.

O campo elétrico no interior de um condutor em equilíbrio é nulo, ou seja, para


uma distância r, tal que R1 < r < R2, teremos um ponto interno.

Assim, o campo elétrico nesse ponto será nulo.


Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 17
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

3.2 O potencial elétrico na região R1 < r < R2 é igual a zero.

Item incorreto.

Por outro lado, o potencial elétrico é constante e diferente de zero para um


ponto no interior do condutor em equilíbrio, e não nulo.

Vamos aprender a calcular o campo elétrico para um ponto qualquer tal que R1
< r < R 2.

Conforme foi aprendido nas questões anteriores o potencial elétrico interior é


constante e obedece à fórmula abaixo.

K ⋅ 4Q
VINT =
R2
3.3 Tanto o campo elétrico quanto o potencial elétrico em um ponto no
exterior da casca esférica, ou seja, para r > R2, são diferentes de zero.

Item correto.

Para um ponto no exterior o campo elétrico é não nulo e o potencial que já era
diferente de zero passará a ser menor, quanto maior for a distância. Veja nos
gráficos abaixo novamente o comportamento do campo e potencial elétrico em
função da distância.

Fonte: potencialdeumcondutorcarregado.blogspot.com
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 18
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

4. (CESPE – CBM DF – CFO - 2006)

Algumas nanoestruturas moleculares de carbono apresentam condutividade


elétrica. A figura acima mostra um conjunto de cinco nanoestruturas esféricas,
de dimensões diferentes, cujos raios satisfazem à relação rn+1 = 2rn, em que rn
corresponde ao raio da esfera indicada pelo número n, n = 1, 2,..., 5. As
esferas de 2 a 5 estão conectadas por nanofios condutores elétricos e existe
uma chave que, quando fechada, permite a conexão dessas esferas à esfera 1.
Com a chave aberta, a esfera 1 tem carga elétrica equivalente à carga de 620
elétrons e as outras esferas estão eletricamente neutras. Considerando que a
chave mencionada no texto tenha sido fechada e que, após isso, o sistema
tenha adquirido equilíbrio eletrostático, julgue os itens a seguir, sabendo que a
carga elementar do elétron é igual a -1,6 × 10-19 C e admitindo que, nesse
equilíbrio, não haja elétrons nos fios condutores.

4.1 Como as nanoestruturas estão em equilíbrio eletrostático, elas têm o


mesmo potencial eletrostático.

Item correto.

Mais uma vez a questão aborda o conceito de condutor em equilíbrio


eletrostático.

Para um condutor da forma mostrada no enunciado, o equilíbrio eletrostático é


atingido quando os potenciais eletrostáticos de todos os condutores são iguais.

Esse potencial chama-se potencial de equilíbrio eletrostático.

4.2 Se r3 é igual a 50 Å, então o valor absoluto do potencial eletrostático da


esfera 3 é menor que 1,6 × 10-9 V.

Item incorreto.

Nesse ponto da questão, vamos precisar dos valores de cada carga após
atingido o equilíbrio eletrostático. Vamos proceder a um cálculo simples, mas
que deve ser acompanhado detalhadamente para que não fiquem dúvidas.

Partiremos do equilíbrio eletrostático entre as esferas 1 e 2, a fim de calcular a


carga da esfera 2.

Lembre-se que ao fechar a chave, a carga inicial armazenada na esfera 1 será


redistribuída para as duas esferas (1 e 2) de modo que seus potenciais
elétricos permaneçam iguais.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 19


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

V2 = V1 (equilíbrio)
KQ2 KQ1
=
R2 R1
Q2 Q1
=
R2 R1
R2
Q2 = Q1
R1
Q2 = 2Q1

Desta forma, podemos generalizar o cálculo da seguinte maneira:

Q2 = 2Q1
Q3 = 2Q2
Q4 = 2Q3
Q5 = 2Q4
Modificando e deixando todas as cargas em função da carga da esfera 1 após o
equilíbrio.

Q1 = Q1
Q2 = 2Q1
Q3 = 4Q1
Q4 = 8Q1
Q5 = 16Q1
Generalizando,
Qn = 2n −1 Q1

Outro princípio que nos ajudará a resolver essa questão é o da conservação


das cargas. A carga inicial de 620 elétrons será conservada e distribuída para
as esferas de 1 a 5 de forma que elas possuam o mesmo potencial elétrico.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 20


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Aplicando o princípio, teremos:

QTOTALINICIAL = QTOTALFINAL
620e − = Q1 + 2Q1 + 4Q1 + 8Q1 + 16Q1
31Q1 = 620e−
Q1 = 20e−
Q1 = −3, 2 ⋅10−18 C

Do calculo acima, poderemos calcular a carga de quaisquer das esferas:

Q1 = −3, 2 ⋅10−18 C
Q2 = −6, 4 ⋅10−18 C
Q3 = −1, 28 ⋅10−17 C
Q4 = −2,56 ⋅10−17 C
Q5 = −5,12 ⋅10−17 C

Calculando o potencial elétrico da esfera 3, sabendo que seu raio mede 50 Å:

K ⋅ Q3
V3 =
R3
9, 0 ⋅109 ⋅ (−1, 28 ⋅10−17 )
V3 =
50.10−10
V3 ≅ −23V

Portanto, fica provado que o módulo do potencial elétrico da esfera 3 é bem


maior que o valor apresentado pelo item (1,6 × 10-9).

4.3 Considere que Qn seja a carga da n-ésima esfera na situação de equilíbrio

eletrostático. Nesse caso,

Item correto.

Vamos proceder ao cálculo da expressão da esquerda:

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 21


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Q1 + 2Q2 + 3Q3 + 4Q4 + 5Q5


r1 + 2r2 + 3r3 + 4r4 + 5r5
5
nQn
∑ nr
1 n
5
n2n −1 Q1
∑1 n2n−1 r
1

Q1 5 n2n −1

r1 1 n2n −1
Q1
r1

Mas a expressão da direita pode ser simplificada também. Veja:

Q2 2Q1 Q1
= =
r2 2r1 r1
Portanto as duas expressões são iguais.

4.4 No equilíbrio eletrostático, há 320 elétrons na esfera 5.

Item correto.

Voltando ao cálculo no qual ficou provado quanto vale a carga de cada esfera:

Q1 = −3, 2 ⋅10−18 C
Q2 = −6, 4 ⋅10−18 C
Q3 = −1, 28 ⋅10−17 C
Q4 = −2,56 ⋅10−17 C
Q5 = −5,12 ⋅10−17 C

Dividindo a carga da esfera 5 pela carga do elétron:

5,12 ⋅10−17
= 320
1, 6 ⋅10−19
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 22
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Portanto a esfera 5 acumula em sua superfície uma quantidade de 320


elétrons. O que era de se esperar já que se trata da esfera de maior raio. E
carga e raio são grandezas diretamente proporcionais.

4.5 Suponha que, em vez de 5, o sistema descrito tenha N esferas, que, antes
do fechamento da chave, a esfera 1 tenha carga elétrica inicial igual a 1.890
vezes a carga do elétron, e que, na situação de equilíbrio eletrostático obtido
após o fechamento da chave, a carga elétrica da esfera 3 seja igual a 120
vezes a carga do elétron. Nesse caso, N > 8.

Item incorreto.

Vamos usar algumas expressões demonstradas nos itens anteriores.

As cargas em cada esfera seguirão a mesma lei de formação:

Qn = 2n −1 Q1
mas, Q3 = 120e −
então,
Q3 = 22 Q1
4Q1 = 120e−
Q1 = 30e −

Usando mais uma vez ao princípio da conservação da carga elétrica:

n
1890e = ∑ 2n −1 Q1

1890e = 30e − (20 + 21 + 23 + ... + 2n )


20 (2n − 1) a1 ( q n − 1)
63 = , lembre − se da fórmula da soma dos termos de uma PG : S =
2 −1 q −1
2n − 1 = 63
2n = 64
n=6

Portanto, teríamos na situação um total de 6 esferas e não 8 como afirma o


item.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 23


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

5. (CESPE – CBM-ES – 2008)

Considerando que, no circuito esquematizado na figura acima, a fonte g que


alimenta o circuito seja contínua e forneça 25 V, e R1 = R2 = R3 = R4 = 3Ω, e
considerando, ainda, que os elementos desse circuito sejam ideais, julgue o
item que se segue.

5.1 A diferença de potencial entre os pontos A e B indicados no circuito é


inferior a 12 V.

Item correto.

A questão versa sobre circuitos elétricos.

Sobre esse assunto seguem abaixo algumas fórmulas importantes que você
deve memorizar para o dia 6 de maio.

 Primeira lei de Ohm


U = R ⋅i
 Associação de resistores em série e paralelo:

R e q = R1 + R2

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 24


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

 Associação em paralelo:

R1 R2
Req =
R1 + R2

 Corrente elétrica em um circuito simples:

ε
i=
R e xt + Rint

A lei acima é conhecida como lei de Ohm Poulliet.

Vamos agora aplicar essas fórmulas e determinar o valor da diferença de


potencial no trecho desejado.

Primeiramente, vamos determinar a resistência equivalente no circuito, após


determinaremos o valor da corrente elétrica no circuito simples aplicando a lei
de Ohm Poulliet.

Finalmente, vamos aplicar a primeira lei de ohm a fim de determinar o valor da


ddp entre os pontos A e B.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 25


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

série
R1 A R3

R2 R4

B
C A
paralelo
R1

R2 R3+R4= 6

D B
C A série

3
3⋅6
=2
6+3

D B
Calculando a corrente nessa malha:

ε 25
i= = = 5A
3+ 2 5

Por tan to, a ddp entre A e B é igual a ddp entre C e D :


U CD = ε − R1 ⋅ i
U AB = 25 − 3 ⋅ 5
U AB = 10 V

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 26


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

6. (CESPE - PMDF – CFO – 2007) Considerando que, no circuito


esquematizado acima, a fonte e o amperímetro sejam ideais e que a força
eletromotriz da bateria seja igual a 12 V, julgue os seguintes itens.

6.1 Se o amperímetro e a fonte fossem trocados de posição, a medida da


corrente registrada pelo amperímetro não mudaria.

Item correto.

O amperímetro é o instrumento por meio do qual se pode calcular o valor da


corrente que atravessa o circuito naquele ponto.

Aplicando a mesma técnica da questão anterior, vamos encontrar


primeiramente a resistência equivalente e após a corrente no circuito.

3⋅ 6
=2
6+3

12 12
i= = = 3A
2+2 4

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 27


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Agora voltamos ao circuito original para calcularmos a corrente elétrica no


amperímetro:

Teremos que calcular o valor de i2.

Note que os resistores de 3 e 6 ohms estão conectados em paralelo, e,


portanto, apresentam a mesma ddp. Com a mesma ddp, sendo um resistor o
dobro do outro, então as correntes, como são inversamente proporcionais
devem ser uma a metade da outra, tal que a soma seja igual a 3A.

Assim, não há outra solução a não ser a corrente que passa pelo resistor de 6Ω
ser igual a 1A e a corrente que passa pelo resistor de 3Ω ser igual a 2A.

Invertendo a bateria e o amperímetro de lugar, a resistência equivalente irá


mudar, bem como a corrente elétrica no circuito, vejamos:

2⋅3
R eq = +6
2+3
R eq = 7, 2Ω

12 5
i= = A
7, 2 3

Precisamos agora calcular i1 e i2 para comprovar se a leitura do amperímetro


irá ou não mudar. Veja.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 28


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

associação em paralelo, mesma ddp nos resistores de 3Ω e 3Ω :


3i1 = 2i2
Lei dos " nós " :
5
i1 + i2 =
3
Sistematizando :
3i1 = 2i2
5
i1 + i2 = (× − 3) ⇒ −3i1 − 3i2 = −5 ( somando com a outra equação)
3
−3i2 = −5 + 2i2
−5i2 = −5
i2 = 1A

Portanto, a leitura no amperímetro (i2) continuará sendo de 1A.

6.2 A potência dissipada pelo resistor de resistência igual a 2Ω é menor que 12


W.

Item incorreto.

Voltando ao circuito original, percebemos que a corrente que atravessa o


resistor de 2Ω é igual a 3A. Veja.

O cálculo da potencia dissipada por uma resistência por efeito Joule é dado
por:

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 29


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Pot = R ⋅ i 2
ou
U2
Pot =
R
ou ainda
Pot = U ⋅ i
Usando a primeira fórmula apresentada, já que foi dada a resistência e
acabamos de descobrir o valor da corrente que atravessa o resistor:

Pot = R ⋅ i 2
Pot = 2 ⋅ 32
Pot = 18W
6.3 A leitura registrada pelo amperímetro é igual a 1 A.

Item correto.

Depois de todas as explicações desenhos esquemáticos e equações, fica fácil


saber o motivo pelo qual o item está correto.

7. (CESPE – CBM-DF – 2011) A lei dos nós estabelece que a soma das
correntes que chegam e saem de um nó deve ser nula. A lei das malhas
estabelece que a soma das diferenças de potencial em um circuito simples
fechado deve ser nula. Considere o circuito elétrico abaixo, com duas malhas,
indicadas pelos números I (à esquerda) e II (à direita) percorridas por
correntes i1, i2 e i3.

Considerando nesse circuito, o valor da força eletromotriz fornecida pelo


gerador igual a ε = 10 V e que os valores das resistências elétricas R1, R2 e R3
sejam iguais, em cada trecho do circuito, respectivamente a 1Ω, 2Ω e 3Ω,
julgue os itens subsequentes.
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 30
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

7.1 O circuito apresentado pode ser reduzido a um circuito de uma única


malha, bastando substituir as resistências R1 e R2 por uma única resistência
equivalente e igual a 2/3 Ω

Item correto.

O circuito fornecido no enunciado da questão pode ser reescrito, observando a


associação em paralelo que existe no ramo da esquerda do circuito. Veja
abaixo o circuito redesenhado.

R1 R2
Req =
R1 + R2
1⋅ 2
Req =
1+ 2
2
Req = Ω
3

Portanto, podemos afirmar que o circuito pode ser redesenhado como um


circuito de malha única, substituindo as duas resistência R1 e R2 por uma
resistência equivalente de 2/3Ω.
7.2 O sentido real da corrente i2 é contrário ao adotado no diagrama do
circuito apresentado.

Item incorreto.

Nesse item, vamos calcular o valor de cada corrente elétrica nos ramos do
circuito fornecido. Ao encontrar os valores das correntes, vamos avaliar o sinal,
ficando certo que se o sinal da corrente for negativo, então o sentido fornecido
na figura está invertido.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 31


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

cálculo da correte usando a lei de Ohm − Poulliet :


R1 R2 ε
i=
Req = Rint + R e xt
R1 + R2 10
i=
1⋅ 2 2 +3
Req = 3
1+ 2 i=
30
A
11
2
Req = Ω
3

O cálculo do valor da corrente total no circuito encontra-se na figura acima.


Essa corrente seria a corrente i3. Para calcular o valor das correntes i1 e i2,
vamos destacar o nó “A”, pois a corrente i se divide nesse nó nas duas
correntes i1 e i2.

i1 + i2 = 30
11
2 ⋅ i2 = 1 ⋅ i1 (mesma ddp )
substituindo :
2i2 + i2 = 30
11
3i2 = 30
11
10 20
i2 = A e i1 = A
11 11

Como as três correntes elétricas tiveram como resultado valores positivos,


então os sentidos adotados na figura estão corretos.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 32


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

7.3 A potência elétrica total gerada pelo gerador é igual a 200/11 W.

Item incorreto.

Vamos primeiramente entender quais as potências envolvidas no gerador:

Pottotal = Potútil + Potdissipada


Da equação do gerador :
U = ε − r ⋅ i (multiplicando por " i ")
Ui = ε i − r ⋅ i 2
ε i = Ui + r ⋅ i 2
identificando as potências :
Potútil = Ui
Pottotal = ε i
Potdissipada = r ⋅ i 2

Entendido o esquema acima, vamos aplicar as fórmulas encontradas para


resolver o item acima.

Pottotal = ε ⋅ i
30
Pottotal = 10 ⋅
11
300
Pottotal = W
11

Portanto a potência total gerada pela bateria seria, na verdade, de 300/11 W.


7.4 Os valores das correntes i1, i2 e i3 serão duplicados se, tanto a força
eletromotriz quanto as resistências R1, R2 e R3 forem duas vezes maiores do
que os valores iniciais.

Item Incorreto.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 33


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Esse item é um pouco complexo. Para resolvê-lo, devemos duplicar os valores


da força eletromotriz, bem como das resistências e ao final calcular a corrente
total no novo circuito. Vejamos.

Paralelo
i1 i2

R1 R2 R3

i3

cálculo da correte usando a lei de Ohm − Poulliet :


R1 R2 ε
Req = i=
R1 + R2 Rint + R e xt
i R3 20
2⋅4 i=
Req = 4 +6
2+4 3
4 60 30
i= A⇒i = A
Req = Ω 22 11
3

Vamos agora calcular os novos valores de i1 e i2:

i1 + i2 = 30
11
4 ⋅ i2 = 2 ⋅ i1 (mesma ddp )
Simplificando :
2 ⋅ i2 = 1⋅ i1
Substituindo :
2i2 + i2 = 30
11
3i2 = 30
11
10 20
i2 = A e i1 = A
11 11

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 34


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Observem então, que os valores de corrente elétrica no circuito permanecem


inalterados.

8. (CESPE – INMETRO – 2007) Considerando-se um circuito R-C, formado


por um resistor em série com um capacitor e alimentado por uma bateria,
julgue o item a seguir, a respeito do capacitor nesse circuito.

8.1 Considere que o capacitor esteja inicialmente descarregado. Nesse caso,


no processo de carregamento do capacitor, à medida que a diferença de
potencial através do resistor vai diminuindo, a corrente que o percorre vai
diminuindo também; a carga e a diferença de potencial no capacitor continuam
a aumentar até que o capacitor esteja totalmente carregado.

Item correto.

Esse item versa sobre o assunto de capacitores. Capacitores são dispositivos


elétricos presentes em diversos tipos de circuitos eletrônicos, que têm por
fundamental atribuição a acumulação de energia potencial eletrostática.

Uma aplicação dos capacitores muito comum e simples de entender é a do


flash da câmera fotográfica. Ele acumula energia das pilhas, e ao dispará-lo ele
descarrega a energia acumulada em uma lâmpada, gerando uma luminosidade
intensa em um intervalo de tempo curto.

Fonte: osfundamentosdafisica.blogspot.com

Na figura abaixo seguem alguns capacitores, os mais comuns encontrados nos


circuitos.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 35


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: china-capacitores.com

O capacitor mais estudado e possível de cair em provas é o capacitor plano.


Isso se dá por conta da matemática envolvida, que não é das mais complexas,
como, por exemplo, a do capacitor cilíndrico.

Abaixo segue uma figura com as principais informações e equações acerca do


capacitor plano.

Voltando para o item 8.1, percebemos que o item versa sobre o carregamento
de um capacitor em um circuito RC. O circuito RC é um circuito formado por
um capacitor, um gerador e um resistor. Quando o circuito é fechado, uma
corrente passa pelo resistor e pelo capacitor, fazendo com que a carga do
capacitor aumente, provocando um acúmulo de energia potencial elétrica.

Abaixo segue uma figura de um circuito RC.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 36


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Fonte: monografias.com

Simplificando os elementos do circuito, teríamos:

O processo de carregamento se inicia quando fechamos a chave e uma


corrente passa a circular no circuito RC.

A corrente e a ddp no capacitor são variáveis durante o processo de


carregamento e podemos montar um gráfico com os respectivos valores de
acordo com o tempo, gerando a figura que segue abaixo:

Fonte: nerdeletrico.blogspot.com

Note que a corrente parte de um valor máximo e tende a zero quando o tempo
tende para o infinito, o que significa que a corrente se anula quando o
capacitor completa o seu carregamento.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 37


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

A ddp, por outro lado, cresce, saindo de um valor inicial igual a zero e
aumentando até chegar a um valor constante.

Voltando ao questionamento do item em apreço, que afirma que a medida que


a ddp no resistor diminui, a corrente também diminui, podemos afirmar que o
item está correto, pois de acordo com a primeira lei de Ohm:

U = R ⋅i
U↓
↓i =
R
Se a ddp (U) diminuir, a corrente elétrica segue a redução por serem
grandezas diretamente proporcionais.

O item prossegue dizendo que a carga e a diferença de potencial no capacitor


continuam a aumentar até que o capacitor esteja totalmente carregado.

Observando o gráfico da ddp no capacitor, fica fácil enxergar a correção do


item.

Em relação á carga elétrica que vai se acumulando no capacitor, veja o gráfico


abaixo que ilustra o fenômeno.

Ou seja, a carga vai aumentando até que atinge um valor constante.

Aliás, é bom lembrar uma equação de fundamental importância para os


capacitores:

Q = C ⋅U
Também existem para os capacitores as associações em paralelo e em série.
Veja abaixo como calcular a capacitância equivalente:

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 38


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

 Série:

C1 ⋅ C2
Ce q =
C1 + C2

 Paralelo:

C1C2
Ce q =
C1 + C2

Para finalizar esse breve resumo acerca dos capacitores, você deve memorizar
a fórmula da energia potencial elétrica acumulada em um capacitor. Na
verdade existem três fórmulas que conduzem ao mesmo resultado. Veja.

No gráfico acima, para calcular a energia elétrica acumulada, basta calcular a


área sob o gráfico.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 39


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Q ⋅U
EP =
2
ou, usando Q = C ⋅U
Q2
EP =
2C
ou
C ⋅U 2
EP =
2

9. (UNB-2012)

O circuito elétrico ilustrado acima permite modelar a descarga elétrica


produzida por um peixe elétrico. Esse circuito é formado por uma fem ε, um
capacitor de capacitância C e uma resistência interna r. A parte externa é
representada pelo capacitor ligado a um resistor de resistência R, o qual
representa um objeto que eventualmente sofre uma descarga do peixe
elétrico. Quando a chave A é fechada, o capacitor carrega-se, se estiver
descarregado. Nesse caso, a carga q armazenada no capacitor em função do
tempo é dada por

O capacitor, quando está completamente carregado, com a chave A aberta e a


chave B fechada, descarrega-se. Nesse caso, a carga q armazenada no
capacitor, em função do tempo, é expressa por

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 40


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Com base nas informações acima, julgue os itens abaixo.

9.1. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B está aberta, a


diferença de potencial no capacitor será constante durante todo o processo de
carregamento.

Item incorreto.

Essa é fácil de entender depois de tudo que já comentamos acerca do


carregamento do capacitor.

Lembre-se de que durante o carregamento, o capacitor terá sua diferença de


potencial variável, aumentando até atingir um valor praticamente constante.

Se ainda não tiver entendido, volte ao item 8.1 e veja o gráfico de ddp (U) x t
(tempo).

9.2. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B está aberta, não
haverá corrente através da resistência r, se o capacitor estiver completamente
carregado.

Item correto.

Após o capacitor se carregar por completo, não haverá mais corrente elétrica
circulando, o que nos permitirá afirmar que também não haverá corrente
elétrica no resistor de resistência “r”.

Ademais, a ddp (U) no capacitor será a mesma força eletromotriz da bateria.

9.3. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B é fechada após o


completo carregamento do capacitor, se ε = 200 V e R = 50Ω, então,
imediatamente após o fechamento de B, a resistência R irá dissipar uma
potência igual a 1.000 W.

Item incorreto.

Vamos calcular a potência dissipada, usando as fórmulas já mostradas


anteriormente:

Pot = R ⋅ i 2
ou
U2
Pot =
R
ou ainda
Pot = U ⋅ i
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 41
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Assim, basta que saibamos calcular a corrente elétrica no circuito. Veja.

U = R ⋅i
U 200
i= ⇒i =
R 50
i = 4A

Potdiss = R ⋅ i 2
Potdiss = 50 ⋅ 42
Potdiss = 800W

9.4. Se, após o capacitor estar completamente carregado, a chave B for


fechada, será gerado um campo elétrico, devido à variação da corrente elétrica
no circuito que contém a resistência R.

Item incorreto.

O item acima foi muito bem elaborado, pois mescla dois conteúdos muito
interessantes, que é o da eletricidade, com o do eletromagnetismo.

No eletromagnetismo, uma corrente elétrica tem a capacidade de gerar um


campo magnético.

É bom que você saiba também a lei de Lenz, a qual afirma que quando há uma
variação no campo magnético, então surgirá um campo magnético conhecido
como campo induzido, o qual terá sentido oposto à variação do fluxo do campo
magnético provocado pela primeira variação.

O conceito parece complexo, mas para a nossa questão, basta notar que o
item fala em campo elétrico, enquanto que o correto seria campo
magnético.

9.5. Considerando-se que a capacitância do peixe elétrico seja obtida por meio
da ligação em paralelo de 10.000 microcapacitores idênticos, é correto inferir
que, se o peixe armazenar uma carga de 12 C, então cada microcapacitor irá
armazenar uma carga de 0,0012 C.

Item correto.
Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 42
FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

A associação em paralelo foi vista nos itens anteriores. Nesse tipo de


associação, os capacitores associados estão submetidos a mesma ddp (U) e
aplica-se o princípio da conservação da quantidade de carga elétrica.

Assim, a quantidade de carga elétrica total final, acumulada no capacitor


equivalente é igual a soma das cargas em cada capacitor.

Na figura acima,

Q = Q1 + Q2 + ... + Q10000
12 = 10.000QCap
QCap = 0, 0012C
Onde, QCap é a carga em cada capacitor associado.

9.6. Considere que, em um capacitor de placas condutoras paralelas, uma


dessas placas esteja em um potencial de 100 V e a outra, em um potencial de
50 V. Se um elétron escapar da placa de potencial mais baixo, então a sua
variação de energia cinética, quando ele atingir a outra placa, será 50e J, em
que e é a carga elementar do elétron.

Item correto.

Esse item na verdade está dentro do conteúdo de eletrostática.

Vamos aplicar o teorema da energia cinética que diz: “o trabalho da força


resultante é igual a variação da energia cinética”.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 43


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

τ F = ∆EC
E

q(Vsaída − Vchegada ) = ∆EC


−e(100 − 50) = ∆EC
∆EC = 50eJ

Obs. Considerou-se nesse item que a carga do elétron é igual a “–e”, uma vez
que o elétron possui carga negativa. “e” será apenas o módulo da carga
elétrica.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 44


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

QUESTÕES COMENTADAS NA AULA

1. (UNB) Um buckyball é um sistema molecular eletricamente neutro, mas


pode tornar-se iônico, com a retirada de elétrons. A figura ao lado mostra três
buckyballs ionizados, formados por 60 átomos de carbono cada, fixos nos
vértices de um triângulo eqüilátero de lado igual a 50 Å, que se encontra no
vácuo. De cada um dos três buckyballs, foi retirado um elétron. A partir dessas
informações, julgue os itens a seguir, sabendo que o número de Avogadro é
igual a 6,022 × 1023, que a constante gravitacional é igual a 6,67 × 10-11
Nmkg-2, que a constante eletrostática do vácuo é igual a 9 × 10 9 NmC-2 e que
a carga elementar de um elétron é igual a -1,6 × 10-19 C.

A questão acima se insere no estudo da eletrostática. A eletrostática que será


trabalhada nas questões dessa aula tem como objeto de estudo a Força
elétrica, o Campo Elétrico gerado por cargas puntiformes e o potencial
elétrico gerado por cargas puntiformes.

1.1 Em cada buckyball, as forças elétrica e gravitacional resultantes têm o


mesmo sentido.

1.2 Em cada buckyball o módulo da força gravitacional resultante equivale à


metade da força elétrica resultante.

1.3 O vetor campo elétrico resultante no buckyball 3 aponta para o sentido do


centro do triângulo mostrado.

2. (CESPE – CBM – ES – 2008) O campo elétrico é um campo vetorial


produzido por cargas puntiformes ou corpos carregados. As linhas de campo,
ou linhas de força, de um campo elétrico permitem visualizar a configuração do
campo em determinada região. Acerca de campo elétrico, potencial elétrico e
linhas de campo, julgue os itens a seguir.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 45


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

2.1 Na situação ilustrada abaixo, em que são mostradas linhas de campo


elétrico produzido por uma carga puntiforme + q, é correto afirmar que a
intensidade do campo elétrico no ponto A é superior à intensidade do campo
elétrico no ponto B.

A
++
++

2.2 Na configuração a seguir, os pontos A, B e C têm o mesmo potencial.

ur
E

2.3 Em um condutor carregado, em equilíbrio eletrostático, as linhas de campo


são sempre perpendiculares à superfície do condutor.

2.4 Pode-se estimar a intensidade de um campo elétrico em determinada


região por meio do fluxo do vetor campo elétrico nessa região, ou seja, pelo
número de linhas de força que atravessam determinada superfície. Assim, em
regiões onde as linhas de campo elétrico estão mais próximas, a intensidade
do campo elétrico é menor que em regiões onde as linhas desse campo estão
mais separadas.

3. (CESPE – INMETRO – 2007) A figura acima ilustra uma casca esférica


condutora de raio interno R1 e raio externo R2. Considerando que essa casca
esférica tenha sido carregada com carga total igual a 4Q, e que, após o
carregamento seja mantida eletricamente isolada, em equilíbrio eletrostático,
julgue os itens subseqüentes.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 46


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

3.1 O campo elétrico na região R1 < r < R2 é nulo.

3.2 O potencial elétrico na região R1 < r < R2 é igual a zero.

3.3 Tanto o campo elétrico quanto o potencial elétrico em um ponto no


exterior da casca esférica, ou seja, para r > R2, são diferentes de zero.

4. (CESPE – CBM DF – CFO - 2006)

Algumas nanoestruturas moleculares de carbono apresentam condutividade


elétrica. A figura acima mostra um conjunto de cinco nanoestruturas esféricas,
de dimensões diferentes, cujos raios satisfazem à relação rn+1 = 2rn, em que rn
corresponde ao raio da esfera indicada pelo número n, n = 1, 2,..., 5. As
esferas de 2 a 5 estão conectadas por nanofios condutores elétricos e existe
uma chave que, quando fechada, permite a conexão dessas esferas à esfera 1.
Com a chave aberta, a esfera 1 tem carga elétrica equivalente à carga de 620
elétrons e as outras esferas estão eletricamente neutras. Considerando que a
chave mencionada no texto tenha sido fechada e que, após isso, o sistema
tenha adquirido equilíbrio eletrostático, julgue os itens a seguir, sabendo que a
carga elementar do elétron é igual a -1,6 × 10-19 C e admitindo que, nesse
equilíbrio, não haja elétrons nos fios condutores.

4.1 Como as nanoestruturas estão em equilíbrio eletrostático, elas têm o


mesmo potencial eletrostático.

4.2 Se r3 é igual a 50 Å, então o valor absoluto do potencial eletrostático da


esfera 3 é menor que 1,6 × 10-9 V.

4.3 Considere que Qn seja a carga da n-ésima esfera na situação de equilíbrio

eletrostático. Nesse caso,

4.4 No equilíbrio eletrostático, há 320 elétrons na esfera 5.

4.5 Suponha que, em vez de 5, o sistema descrito tenha N esferas, que, antes
do fechamento da chave, a esfera 1 tenha carga elétrica inicial igual a 1.890
vezes a carga do elétron, e que, na situação de equilíbrio eletrostático obtido
após o fechamento da chave, a carga elétrica da esfera 3 seja igual a 120
vezes a carga do elétron. Nesse caso, N > 8.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 47


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

5. (CESPE – CBM-ES – 2008)

Considerando que, no circuito esquematizado na figura acima, a fonte g que


alimenta o circuito seja contínua e forneça 25 V, e R1 = R2 = R3 = R4 = 3Ω, e
considerando, ainda, que os elementos desse circuito sejam ideais, julgue o
item que se segue.

5.1 A diferença de potencial entre os pontos A e B indicados no circuito é


inferior a 12 V.

6. (CESPE - PMDF – CFO – 2007) Considerando que, no circuito


esquematizado acima, a fonte e o amperímetro sejam ideais e que a força
eletromotriz da bateria seja igual a 12 V, julgue os seguintes itens.

6.1 Se o amperímetro e a fonte fossem trocados de posição, a medida da


corrente registrada pelo amperímetro não mudaria.

6.2 A potência dissipada pelo resistor de resistência igual a 2Ω é menor que 12


W.

6.3 A leitura registrada pelo amperímetro é igual a 1 A.

7. (CESPE – CBM-DF – 2011) A lei dos nós estabelece que a soma das
correntes que chegam e saem de um nó deve ser nula. A lei das malhas
estabelece que a soma das diferenças de potencial em um circuito simples
fechado deve ser nula. Considere o circuito elétrico abaixo, com duas malhas,
indicadas pelos números I (à esquerda) e II (à direita) percorridas por
correntes i1, i2 e i3.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 48


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

Considerando nesse circuito, o valor da força eletromotriz fornecida pelo


gerador igual a ε = 10 V e que os valores das resistências elétricas R1, R2 e R3
sejam iguais, em cada trecho do circuito, respectivamente a 1Ω, 2Ω e 3Ω,
julgue os itens subsequentes.

7.1 O circuito apresentado pode ser reduzido a um circuito de uma única


malha, bastando substituir as resistências R1 e R2 por uma única resistência
equivalente e igual a 2/3 Ω

7.2 O sentido real da corrente i2 é contrário ao adotado no diagrama do


circuito apresentado.

7.3 A potência elétrica total gerada pelo gerador é igual a 200/11 W.

7.4 Os valores das correntes i1, i2 e i3 serão duplicados se, tanto a força
eletromotriz quanto as resistências R1, R2 e R3 forem duas vezes maiores do
que os valores iniciais.

8. (CESPE – INMETRO – 2007) Considerando-se um circuito R-C, formado


por um resistor em série com um capacitor e alimentado por uma bateria,
julgue o item a seguir, a respeito do capacitor nesse circuito.

8.1 Considere que o capacitor esteja inicialmente descarregado. Nesse caso,


no processo de carregamento do capacitor, à medida que a diferença de
potencial através do resistor vai diminuindo, a corrente que o percorre vai
diminuindo também; a carga e a diferença de potencial no capacitor continuam
a aumentar até que o capacitor esteja totalmente carregado.

9. (UNB-2012)

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 49


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

O circuito elétrico ilustrado acima permite modelar a descarga elétrica


produzida por um peixe elétrico. Esse circuito é formado por uma fem ε, um
capacitor de capacitância C e uma resistência interna r. A parte externa é
representada pelo capacitor ligado a um resistor de resistência R, o qual
representa um objeto que eventualmente sofre uma descarga do peixe
elétrico. Quando a chave A é fechada, o capacitor carrega-se, se estiver
descarregado. Nesse caso, a carga q armazenada no capacitor em função do
tempo é dada por

O capacitor, quando está completamente carregado, com a chave A aberta e a


chave B fechada, descarrega-se. Nesse caso, a carga q armazenada no
capacitor, em função do tempo, é expressa por

Com base nas informações acima, julgue os itens abaixo.

9.1. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B está aberta, a


diferença de potencial no capacitor será constante durante todo o processo de
carregamento.

9.2. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B está aberta, não
haverá corrente através da resistência r, se o capacitor estiver completamente
carregado.

9.3. Na situação em que a chave A está fechada e a chave B é fechada após o


completo carregamento do capacitor, se ε = 200 V e R = 50Ω, então,
imediatamente após o fechamento de B, a resistência R irá dissipar uma
potência igual a 1.000 W.

9.4. Se, após o capacitor estar completamente carregado, a chave B for


fechada, será gerado um campo elétrico, devido à variação da corrente elétrica
no circuito que contém a resistência R.

9.5. Considerando-se que a capacitância do peixe elétrico seja obtida por meio
da ligação em paralelo de 10.000 microcapacitores idênticos, é correto inferir
que, se o peixe armazenar uma carga de 12 C, então cada microcapacitor irá
armazenar uma carga de 0,0012 C.

9.6. Considere que, em um capacitor de placas condutoras paralelas, uma


dessas placas esteja em um potencial de 100 V e a outra, em um potencial de
50 V. Se um elétron escapar da placa de potencial mais baixo, então a sua
variação de energia cinética, quando ele atingir a outra placa, será 50e J, em
que e é a carga elementar do elétron.

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 50


FÍSICA EM EXERCÍCIOS CESPE – PAPILOSCOPISTA DA POLÍCIA FEDERAL
PROFESSOR: VINÍCIUS SILVA

GABARITO.

1.1 E
1.2 E
1.3 E
2.1 C
2.2 C
2.3 C
2.4 E
3.1 C
3.2 E
3.3 C
4.1 C
4.2 E
4.3 C
4.4 C
4.5 E
5.1 C
6.1 C
6.2 E
6.3 C
7.1 C
7.2 E
7.3 E
7.4 E
8.1 C
9.1 E
9.2 C
9.3 E
9.4 E
9.5 C
9.6 C

Prof. Vinícius Silva www.pontodosconcursos.com.br 51