Você está na página 1de 23

PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I

Março 2003

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL


PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I Fundações usuais em relação
ao “PORTE” do edifício
Pequenos edifícios T Rasas

FUNDAÇÕES
blocos e alicerces, sapatas, radiers
(casas e sobrados)
T

T Profundas indiretas
Pequenas cargas brocas, strauss, pré-moldadas
Edifícios Altos
T

Diretas Rasas
T sapatas, radiers

Profs. Luiz Sergio Franco, Mercia M. B. Barros, Edifícios altos T Diretas Profundas
tubulões
cargas elevadas
T
Fernando Henrique Sabbatini e Francisco F. Cardoso
T Indiretas Profundas
T estacas (moldado no local,
concreto pré-moldado, aço)
AULAS 7 e 8

FUNDAÇÕES: Edifícios ALTOS TUBULÕES Fundação Direta Profunda

Grandes cargas
TUBULÃO A CÉU ABERTO
Tipos mais comuns

T
1. Tubulões T aberto manualmente
2. Estacas moldadas no local T aberto mecanicamente

T encamisado ou não
3. Estacas pré-moldadas
4. Sapatas e Blocos T TUBULÃO A AR COMPRIMIDO
5. Radiers T para situações de N.A. alto

TUBULÕES TUBULÕES a céu aberto


PILAR
BLOCO DE T Poço aberto manualmente
FUNDAÇÃO
T Diâmetro mínimo 70 cm

T Terreno seco, acima N.A. (natural


ou rebaixado)
FUSTE T CUIDADOS:
T TERRENOS COLAPSÍVEIS
ALARGAMENTO T ACÚMULO DE GÁS NA ESCAVAÇÃO
DA BASE

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
1
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

PROCESSO EXECUTIVO PROCESSO EXECUTIVO

T DEMARCAÇÃO – piquete ou caixa

PROCESSO EXECUTIVO PROCESSO EXECUTIVO

T 2 operários
T Ferramentas:
T Sarrilho
T Vanga
T Baldes

T Verificação do diâmetro e prumo


T Verificação da profundidade
T Corrente

PROCESSO EXECUTIVO PROCESSO EXECUTIVO

T ALARGAMENTO DA BASE
T LIBERAÇÃO POR CONSULTOR
T Verificar tipo de solo
T POSICIONAMENTO DE ARMADURA
(parte final do fuste)
T CONCRETAGEM (CONCRETO AUTO-
ADENSÁVEL) COM TREMONHA

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
2
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

PROCESSO EXECUTIVO Tubulão com escavação mecânica


Perfuradora Wirth

T POSSIBILIDADE DE
ENCAMISAMENTO
T ESCAVAÇÃO MECÂNICA 1 – Trado
2 – Balde
(do fuste ou fuste e base) 3 – Alargamento
4 – Bit a air lift
T clam-shell p/ rocha

T perfuratriz

Tubulão encamisado com TUBULÕES A AR COMPRIMIDO


escavação mecânica
ENCAMISAMENTO
CONCRETO OU METÁLICO
T Camisa Concreto Armado

T 1o Trecho: pré-moldado
T Camisa Aço
T Cravação manual ou mecânica
T Pode servir de armadura ou ser

recuperada

TUBULÕES A AR COMPRIMIDO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO

T CÂMARA DE AR COMPRIMIDO
T CUIDADOS COM PESSOAL
T CAMARA BAROMÉTRICA
T ALARGAMENTO DA BASE Æ
ESCORAR CAMISA
T ARMAÇÃO
T CONCRETAGEM
T ATRAVÉS DAS CÂMARAS DUPLAS

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
3
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

Tubulões TUBULÕES A
a Ar AR
Comprimido COMPRIMIDO

TUBULÕES A AR COMPRIMIDO TUBULÕES A AR COMPRIMIDO

TUBULÕES A AR COMPRIMIDO TUBULÕES - Vantagens

T Apoio de pilares em fuste único


T Possibilidade de descida do operário
nas escavações para limpeza da base
T Menor custo de mobilização
T Menor intensidade de vibração e ruído

T Possibilidade de verificação do solo local

T Ajuste nas dimensões

T Controle de matacões

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
4
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

TUBULÕES: bloco de coroamento ESTACAS Fundação Indireta Profunda

PRÉ-MOLDADAS
T CONCRETO
T Armado
T Protendido
T Centrifugado (circular)

T Mega (reforço de fundação)

T AÇO
T Perfil
T Trilho – simples, duplo, triplo
T MADEIRA Æ DESUSO

ESTACAS Fundação Indireta Profunda

T MOLDADAS NO LOCAL
T ESCAVADA
ESTACAS
T ESTACÃO
PRÉ-
T BARRETE
MOLDADAS
T STRAUSS AULA PASSADA

T FRANKI

T RAIZ

T HÉLICE CONTÍNUA

Estacas Estacas Pré-moldadas de Concreto


Concreto
Pré-moldado
CENTRIFUGADAS

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
5
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

Estacas Pré-moldadas de Concreto ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


' EMPRESAS DE MÉDIO PORTE
' RESPONSABILIDADE DA EMPRESA
É BEM DEFINIDA
' CAPACIDADE DE CARGA DE 20 A
90 tf
' COMPRIMENTO 3-10 m sem
emenda
' SISTEMA DE EMENDA COM SOLDA

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS

SEQÜÊNCIA EXECUTIVA
T MARCAÇÃO Æ PIQUETES MARCAÇÃO
T POSICIONAMENTO DO BATE- PIQUETES:
ESTACA posicionamento
T ERGUE-SE A ESTACA (GUINCHO do local das
DO BATE ESTACA) estacas
T POSICIONA-SE E APRUMA-SE

ESTACA
ESTACA PRÉ-
PRÉ- MOLDADA
MOLDADA

Bate-estacas

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
6
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA PRÉ- ESTACA PRÉ-MOLDADA


MOLDADA Bate-estacas

Bate-estacas

Estacas Pré-moldadas de concreto Estacas Pré-moldadas de concreto

Bate-estacas
Bate-estacas

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


SEQÜÊNCIA EXECUTIVA

CRAVAÇÃO ATÉ A NEGA


ALTURA DO MARTELO 2,0 a 1,5 M
T ABAIXO Æ FALSA NEGA

T ACIMA Æ QUEBRA A ESTACA

PROTEÇÃO DA CABEÇA DA
ESTACA

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
7
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

Estacas Pré-moldadas de concreto

ESTACAS Martelo
PRÉ-
MOLDADAS Proteção da
cabeça

Estacas Pré-moldadas de concreto ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


SEQÜÊNCIA EXECUTIVA

PARA CHEGAR À COTA DE


Proteção da ARRASAMENTO
cabeça das T CORTA-SE A SOBRA DA ESTACA
estacas
T USO DE COMPLEMENTO

ESTACAS
PRÉ-
MOLDADAS
ESTACAS
PRÉ- emenda
MOLDADAS

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
8
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

Estacas Pré-moldadas de concreto Estacas Pré-moldadas de concreto

Final da Final da
cravação, cravação,
com retirada da
ocorrência sobra da
da “nega” estaca

Estacas Estacas
PREPARO DA CABEÇA DE ESTACA: PREPARO DA CABEÇA DE ESTACA:

Armadura

Bloco das estacas ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


de aço
„ Perfis laminados `I`, `H`,
soldados ou trilhos
„ Cargas Î 25 a 70 t
„ Profundidade Î 24 m
„ Durabilidade Î sempre
Estacas
enterradas

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
9
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS Proteção da


cabeça da
de aço estaca

EXECUÇÃO E CONTROLE
ESTACAS
T CRAVADAS por percussão Î Bate-estacas
com proteção no martelo PRÉ-MOLDADAS
T Ligação c/ bloco de coroamento:
T Chapas (em desuso)
de aço
T Embutidas em blocos (com fretamento
espiral)
T Base Î Alargamento da ponta

ESTACAS PRÉ- ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


MOLDADAS de de aço: solda dos perfis
aço

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS
de aço
ESTACAS
PRÉ-
MOLDADAS
de aço

Guia para içamento


cravação

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
10
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS
ESTACAS de aço: emenda de estacas
PRÉ-
MOLDADAS
de aço

ESTACAS PRÉ-MOLDADAS ESTACAS PRÉ-MOLDADAS


de aço de aço

BATE-ESTACAS DIESEL
ESTACAS PRÉ-MOLDADAS
de aço Localização do
bloco de
coroamento

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
11
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

BATE-ESTACAS DIESEL

MARTELO
VIBRATÓRIO

MARTELO VIBRATÓRIO ESTACA MEGA


T Recuperação de fundações e
estrutura
T Níveis reduzidos de vibração e barulho
T Profundidade Î emendas
T Segurança da carga Î checagem no
próprio processo
T Cravadas por PRENSAGEM CONTRA A
ESTRUTURA

ESTACA MEGA ESTACA


MEGA

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
12
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACAS Fundação Indireta Profunda

„ MOLDADAS NO LOCAL
ESTACA T ESCAVADA
T ESTACÃO
MEGA
T BARRETE

T STRAUSS AULA PASSADA

T FRANKI

T RAIZ

T HÉLICE CONTÍNUA

ESTACA ESTACA
ESCAVADA MECANICAMENTE ESCAVADA MECANICAMENTE
TRADO HELICOIDAL
TRADO HELICOIDAL
T Pequenos e Grandes Π24 a 120cm
T Profundidade 15 a 60m

T Cargas 40 a 150 t

ESTACA
ESCAVADA MECANICAMENTE
TRADO HELICOIDAL
ESTACA
T Execução: ESCAVADA
T Perfuração até a cota por trado MECANICAMENTE
helicoidal
T Posicionamento da armadura

T Lançamento do concreto:

T fundo apiloado
T vibração 2/2m

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
13
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA HÉLICE CONTÍNUA


ESTACA T Cargas Î até 400 t
ESCAVADA
MECANICAMENTE T Œ até 100cm

T Profundidade até 24 m

T Baixo grau de ruído e


vibração
T Perfuração em solos pouco
coesos e abaixo N.A.

ESTACA HÉLICE CONTÍNUA

T Execução e Controle
T Escavada com hélice mecânica ESTACA
T Concretagem simultânea à
HÉLICE
retirada da hélice
T limpeza manual da hélice
CONTÍNUA
T Colocação de armadura

ESTACA HÉLICE CONTÍNUA

ESTACA
HÉLICE
CONTÍNUA

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
14
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA HÉLICE CONTÍNUA

ESTACA
HÉLICE
CONTÍNUA

ESTACÃO ESTACÃO
T HASTES TELESCÓPICAS - ESTACÃO T Execução:

T Œ 20 a 200 cm T Perfuração
Profundidade 30, 50, 70 m
T
(estacão)
T Estabilização com Lama
T Cargas até 500t Bentonítica
T Solos com lençol e pequenos T Içamento da armadura
matacões
T Concretagem

ESTACÃO ESTACÃO

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
15
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACÃO ESTACÃO

ESTACÃO ESTACÃO

ESTACÃO ESTACÃO

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
16
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACÃO ESTACÃO

ESTACA BARRETE ESTACA BARRETE


T Painéis Î disposição em várias T Execução e Controle
formas T Escavação em trincheira:
T Elevada capacidade de carga Î haste telescópica ou clam
150 a 500 t sheel
T Estabilização Î Lama

Bentonítica
T Posiconamento da armadura

T Lançamento do concreto

ESTACA BARRETE ESTACA BARRETE

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
17
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA BARRETE ESTACA BARRETE

ESTACA BARRETE

ESTACA
BARRETE

ESTACA BARRETE ESTACA FRANKI


T Empresa de Grande Porte:
custos equipamentos
T Responsabilidade bem
definida
T Pessoal qualificado na
execução
T Decisões Æ consultor

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
18
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA FRANKI ESTACA FRANKI: Execução


T Solos menos compactos CRAVADAS por PERCUSSÃO
T Cravação de tubo de aço com bucha
T Cargas Î 30 a 130 t
T Expulsão da bucha Î base alargada
T Profundidade até 18 m T Armadura (se necessário)

T Œ 30 a 60 cm T Concretagem (últimos 150l concreto

vigorosamente apiloados)
T Uso em `diminuição`Î T Retirada do tubo (tubo perdido em
vibração e barulho solos menos coesos)

ESTACA ESTACA
FRANKI FRANKI

ESTACA ESTACA
FRANKI FRANKI

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
19
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA ESTACA
FRANKI FRANKI

ESTACA FRANKI

T CONTROLE
T AMOSTRAGEM DO
CONCRETO DURANTE A
EXECUÇÃO
ESTACA T VOLUME DE CONCRETO
FRANKI T COTA DE PONTA DA ESTACA
T RETIRADA DA CAMISA

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

T Solos menos coesos


T Cargas até 150 t
T Π10-40 cm
T Execução
T INJETADAS

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
20
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
21
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

ESTACA RAIZ ESTACA RAIZ

ESTACA RAIZ ESTACAS DE MADEIRA


T Utilização em declínio
T Fundações provisórias Î
Eucalipto
T Profundidade Î Troncos Î 12m
T Durabilidade Î sempre
submersas
T CRAVADAS por percussão

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
22
PCC-2435 – Tecnologia da Construção de Edifícios I
Março 2003

ESTACAS DE MADEIRA CUSTOS Custos comparativos de fundações profundas


para edifícios (valores em R$).
Edifício com 30 pilares – carga total de 7.180 tf
– carga média por pilar de 239 tf
INSTALAÇÃO ESTACA TIPO ESTACA TIPO TOTAL CONCRETO CONCRETO TOTAL OUTROS TOTAL TOTAL/
1 2 ESTACAS PARA PARA CONCRETO TF DE
ESTACAS BLOCOS CARGA

PRÉ- 1.300,00 31.795,00 40.269,00 73.364,00 17.980,00 17.980,00 1.204,00 92.548,00 12,89
MOLDADA (cravação 48 (cravação 52 (cravação (58 m3 de (100
estacas de estacas de 100 concreto) emendas
70 tf e comp. 90 tf e comp. estacas) soldadas)
de 16 m) de 16 m)

FRANKI 6.000,00 35.200,00 30.720,00 71.920,00 41.126,00 23.560,00 64.686,00 136.606,00 19,03
(perfuração (perfuração 32 (perfuração (1.368 ml de (76 m3 de
44 estacas de estacas de 76 estacas) concreto) concreto)
45 cm / 95 tf e 52 cm / 130 tf
comp. de e comp. de
16 m) 16 m)

HÉLICE 13.000,00 27.600,00 9.520,00 50.120,00 40.025,00 15.810,00 55.835,00 3.000,00 108.955,00 15,17
CONTÍNUA (execução 38 (execução 8 (execução (299 m3 de (51 m3 de (retirada de
estacas de 60 estacas de 46 estacas) concreto) concreto) lama)
ou 80 cm e 100 cm e
comp. de comp. de
16 m) 17 m)

ESTACÃO 12.800,00 36.910,00 15.028,00 64.738,00 53.376,00 9.610,00 62.986,00 10.000,00 137.724,00 19,18
(perfuração (perfuração 10 (perfuração (406 m3 de (31 m3 de (retirada de
32 estacas de estacas de 42 estacas) concreto) concreto) terra, lama,
70, 80 ou 100 ou 100 cm forn. de
90 cm e e comp. de água)
comp. de 17 m)
16 m)
Fonte : Damasco Penna – 11/1996

CUSTOS CARACTERÍSTICAS DOS PRINCIPAIS TIPOS DE


FUNDAÇÃO
BROCA STRAUSS TRADO PRÉ- PRÉ- FRANKI TUBULÃO A HÉLICE ESTACÃO BARRETE RAIZ
APILOADA ESPIRAL MOLDADA MOLDADA CÉU ABERTO CONTÍNUA (ESTACA (ESTACA
Alguns custos de fundações profundas para edifícios VIBRADA CENTRIFUG . DIAFRAGNA) INJETADA)
DIÂMETRO 0,20 a 0,25 a 0,25 a 0,15 a 0,20 a 0,30 a >=0,70 0,40 a 0,60 a Retangular 0,10 a 0,41
(M ) 0,30 0,45 0,50 0,27 (seç. 0,70 0,60 1,00 2,00
STRAUSS TRADO METÁLICA PRÉ- PRÉ- FRANKI TUBULÃO A RAIZ quad.)
ESPIRAL MOLDADA MOLDADA CÉU (ESTACA CARGA (TF) 8 a 12 20 a 100 25 a 80 30 a 110 30 a 330 40 a 230 200 a 1.500 40 a 400 150 a 1.300 10 a 130
VIBRADA CENTRIFUG ABERTO INJETADA) COMPRIM . Até 6 m 6 a 30 m Pré-definido Até 30 m Até 25 m Até 60 m Inclinada
TECNOLOGI Acessível Acessível Trado Bate-estacas (a Equipamt. Acessível Sofisticada Lama Lama Equip.
DIÂMETRO 38 50 (12 “) 26 35 60 80 20 A mecânic percussão, por pilão de Pesado bentonítica bentonítica especial
(CM) o queda livre ou por “Cabeça “clamshell” Ar
martelos diesel) hidráulica” comprimido
CARGA (TF) 40 50 45 a 60 55 170 50 CUSTO Baixo Baixo Baixo
NA Não Não Não Sim Sim Não Sim Sim Sim
PRESENÇA
CUSTO(ML) 22,50 7,70 15,60 29,20 42,00 35,00 60,00 206,00 50 a 350,00 DE LENÇOL

BARULHO / Não Não Não Sim Sim Não Não Não Não
CUSTO incluído 200,00 1.800,00 Sob Sob 6.000,00 6.000,00 2.800,00 VIBRAÇÕES
INSTALAÇÃO consulta consulta OUTROS Flexibilida Rapidez Qualidade Grandes Elevada Rapidez Elevada capacidade Porte equip
ASPECTOS de Mobilida Rapidez profundids. capacidade Qualidade Rapidez (>= 3,0m)
OBSERVAÇÃO Mínimo Só Concreto Solo / POSITIVOS (mobilidad de Controle pela “nega” Qualidade Não armado terreno Grandes profundidades Tração e
300 ml escavação incluído rocha e, pé- compressã
direito,
divisa)
Fonte : Construção São Paulo – 23/02/1998 OUTROS Nível Dificuldade Acesso Transporte Obra de Solos Obra de Sujeira canteiro Consumo d
ASPECTOS confiabili- de controle equip. Cota arrasamento porte coesivos porte Solos arenosos e rocha água
NEGATIVOS dade Solos Necessidade emenda mínimo Segurança mínimo mole Cota
coesivos ou corte durante Terreno Concretagem submersa arrasament
execução plano

Fernando Henrique Sabbatini


Escola Politécnica da USP Francisco Ferreira Cardoso
Depto. de Engenharia de Construção Civil Luiz Sérgio Franco
Mercia Maria S. Bottura de Barros
23