Você está na página 1de 9

Os Símbolos Planetários

Círculo, semi-círculo, cruz e seta

por Astrolink em Astrologia

Os símbolos (ou Glifos) planetários têm uma história e significado. Ao contrário do que muitos pensam, não são só desenhos
aleatórios e desconexos. São ideias simples e singulares que se montam para criar um símbolo mais complexo, que consiga externar
as energias envolvidas. Para saber mais sobre eles, devemos voltar séculos atrás, quando a astrologia andava de mãos dadas com a
alquimia.

Precursoras das ciências modernas como astronomia e a química, a astrologia e a alquimia deram origem aos símbolos que até hoje
usamos para representar os planetas e signos. Se esses símbolos foram conscientemente concebidos como combinações dos
significados alquímicos (ou se sua correlação com símbolos alquímicos é pura coincidência ou sincronicidade), não importa. O que é
digno de nota sobre eles é o seu uso ancestral, mul cultural e internacional.

Tais símbolos atravessaram várias culturas, civilizações e segmentos de tempo da história humana até a ngirem o nosso mundo
contemporâneo, e isto foi uma tarefa muito árdua, principalmente em séculos mais recentes onde a ciência lógica e radical passou e
obter domínio sobre temas mais etéreos e análogos.

Para começar, vamos analisar os símbolos básicos, que nada mais são que os componentes que formam os diversos símbolos
planetários:

CÍRCULO: Espírito, essência, energias vitais de criação da vida.

CRESCENTE (OU SEMI-CÍRCULO): Recep vidade, percepção, contato com novas realidades, assimilação. O Crescente pode captar
vários níveis de informação:

Para cima em direção ao superconsciente;

Horizontalmente em direção à percepção do lado esquerdo ou direito do cérebro;

O para baixo, em direção ao subconsciente.

CRUZ: Matéria, pragma smo, aplicação prá ca.

SETA: Indica o direcionamento da energia para um obje vo específico.

Todos estes são símbolos que posteriormente se montam para expressar cada energia planetária e sua função dentro da mecânica
astrológica. Ao se posicionarem nos signos e casas na delineação de um mapa astral, vão sendo filtrados e se tornando passíveis de
novas interações, a medida que formam aspectos uns com os outros, gerando as energias complementares que irão influenciar na
ação e manutenção da personalidade e dos acontecimentos na cronologia universal.

Vejamos abaixo os significados de cada símbolo e sua função potencial:

SOL
No glifo do Sol, o Círculo do espírito e vitalidade contém um ponto no centro, que simboliza a posição do Sol
em relação ao resto dos nossos planetas. O Sol é em muitos aspectos a fonte de vida, a fonte primária de
energia do nosso sistema planetário pessoal, o "Astro-Rei" nos dá a energia vital. Se formos inseguros ou
complacentes, isso pode se manifestar como arrogância, falta de consideração com os outros e uma veia
dramá ca.

No entanto, se equilibrarmos todas as energias do Sol, avançaremos para o autocontrole, coragem e consideração. O Sol nos guia
para o nosso propósito principal na vida através da integração de todos os níveis de consciência e da reflexão introspec va. Para
exercitar este senso de Ego de uma maneira ideal, devemos primeiro nos importar com as outras pessoas antes de efe vamente nos
afirmarmos de forma equilibrada, alcançando assim a autoconfiança e a verdadeira coragem.

LUA
A Lua é uma extensão da Terra. Como seu satélite, nos sintoniza com as impressões do aqui e agora. Muitas
vezes ela traz referências do nosso passado pessoal e do passado cole vo, nos tentando a permanecer lá. No
símbolo astrológico da Lua, as Linhas Crescentes são dobradas, indicando o alto nível de recep vidade,
percep vidade e sensibilidade envolvidos.
Enquanto a Lua sica orbita a Terra, entre Vênus e Marte, ela geralmente vem imediatamente após o Sol nos esquemas astrológicos,
uma vez que reflete a luz solar para o nosso planeta durante a noite. Os raios do Sol descem em suaves reflexos, enviados para nós
pela Lua enquanto descansamos, restaurando nossas energias para as a vidades do dia seguinte. Pelo alto grau de recep vidade
envolvido, o astro simboliza nossos sonhos, intuição e subconsciente.

MERCÚRIO
No glifo de Mercúrio, o Crescente acima simboliza a recep vidade às percepções do
superconsciente. Mercúrio é responsável pelas funções elementares do intelecto. O planeta torna possível
comunicar nossas ideias, unindo o superconsciente, o consciente e o inconsciente à medida que nos
relacionamos uns com os outros.

Se o Círculo abaixo do Crescente es ver sob tensão, podemos nos tornar intelectualmente arrogantes. Se o Crescente for muito
acentuado, podemos nos tornar muito idealistas. Já se a Cruz (que fica abaixo do Círculo) ver muito foco e destaque, pode indicar
que uma maneira de se comunicar mais forma calculista ou manipuladora, mo vada pelo materialismo e impulsionada a par r do
subconsciente.

A consciência das leis universais de causa e efeito e a administração de energias mais harmônicas potencializam posi vamente
Mercúrio, fazendo assim com que nos comuniquemos de maneira precisa para transmi r nossas ideias.

VÊNUS
Em comparação com Mercúrio, Vênus está mais distante do nosso Sol e mais próximo da Terra. Vênus tenta abarcar ideais do
superconsciente cole vo junto com as realidades atuais e conscientes, fundamentando tudo no material e nos sen mentos e
impulsos subconscientes cole vos. Assim, está sempre preocupado em encontrar conforto material e cole vo e em harmonizar as
realidades terrenas e materiais através de ideais e valores compar lhados, por isso a cruz da matéria de
posiciona abaixo de tudo.

A semelhança do glifo de Vênus com um espelho de mão é interessante, já que Vênus determina como nos
refle mos nos outros e os outros em nós mesmos. Determina também como ponderamos nossas semelhanças
e interesses em comum através dos valores que compar lhamos. Astronomicamente, Vênus pode ser
considerado irmão da Terra. Ambos possuem densidade, diâmetro e composição química similares. Dessa forma, Vênus também pode
manifestar-se como nosso complemento - ou parceiro simbólico. Não é à toa que a versão do Glifo da Terra é composta da Cruz
sobre o Círculo, uma espécie de Vênus inver do.

O símbolo de Vênus enfa za a importância de equilibrar o espiritual e o material se quisermos encontrar a real e mais genuína
sa sfação.

MARTE
No glifo de Marte, o círculo do espírito está dirigido para obje vos específicos, simbolizados pela seta. Este é
o primeiro planeta da força de vontade individual, muitas vezes focada nos ins ntos, nas tarefas básicas de
sobrevivência diária e nos impulsos primários envolvidos na perpetuação da vida humana. A seta também
simboliza a a vidade dinâmica. Com uma seta acentuada, podemos ser impulsivos ou dissipar energia em
exibições quase inconscientes de paixão desenfreada ou raiva. Com o Círculo muito acentuado, podemos parecer egoístas e
arrogantes.

Com os símbolos do glifo de Marte em equilíbrio, temos confiança e autodisciplina para alcançarmos nossos obje vos de forma
eficaz. Enviamos nossa vitalidade para o mundo e em troca conseguimos o que queremos de uma forma pragmá ca, sem desgastes
ou conflitos de interesse.
JÚPITER
No glifo de Júpiter, um Crescente recep vo às percepções do lado esquerdo do cérebro está ligado à Cruz da
matéria, que também simboliza realidades materiais e obje vas. Júpiter nos dá a capacidade de perceber o
potencial das circunstâncias e muitas vezes nos leva à exploração sica ou mental, a fim de ampliar nossa
experiência e gerando uma maior sustentação para vivermos nossas vidas no plano material.

No símbolo de Júpiter, se o Crescente prevalece sobre a Cruz, podemos ficar fascinados pela aventura, perder de vista o propósito
de nossos empreendimentos e nos tornarmos pouco prá cos, inquietos e exagerados. Se a Cruz supera o Crescente, podemos nos
tornar superficiais e materialistas. Passamos a não compreender o impacto que a nossa expansividade ou materialismo exacerbado
pode causar na vida dos outros.

Quando a Cruz e o Crescente de Júpiter estão em equilíbrio, canalizamos nossas explorações, nossa fé e estado de graça para o uso
prá co sem permi r qualquer coisa ofusque nossa consideração pelos outros.

SATURNO
Aqui a Cruz da matéria subs tui e domina as percepções do inconsciente cole vo. A compreensão de nossa
herança e experiências passadas traz a maturidade e uma compreensão real de causa e efeito.

No símbolo de Saturno, se a Cruz supera o Crescente, corremos o risco de nos tornarmos muito materialistas,
frios e insensíveis às necessidades dos outros. Se o Crescente descendente supera a Cruz, ficamos presos no
passado, temerosos do futuro, ignorantes de ideais ou dependentes do cole vo.
Quando o Crescente e a Cruz estão em equilíbrio, nos tornarmos altamente pragmá cos e conscientes, com base na nossa
compreensão do passado e das leis de causa e efeito. Aprendemos a viver em sociedade com responsabilidade e paciência.

URANO
No glifo de Urano, a Cruz da matéria está aberta tanto para as percepções dos lados direito e esquerdo do
cérebro. Ela está enraizada no espírito do inconsciente cole vo. O complexo símbolo de Urano indica como
percebemos as coisas de maneira rápida e intui va. São es mulos mul dimensionais que parecem "flashs", nos
proporcionando uma compreensão fora das percepções convencionais, como verdadeiros "insights".

Não é diferente de uma antena de rádio ou televisão que capta sinais de longe, e tais "sinais" nos es mulam com novas ideias. Um
outro símbolo de Urano, que tem a seta sobre um círculo solar, simboliza uma outra perspec va sobre Urano: são o espírito e
vitalidade dirigidos com entusiasmo para cima, em direção a ideais, de forma espontânea.

Neste outro símbolo de Urano que possui a seta, as energias são dirigidas para cima, em direção reta, ao contrário de Marte cuja seta
está em diagonal. Tais energias vão direto para os ideais superconscientes. Enquanto isso, os crescentes virados lateralmente incidem
sobre as percepções conscientes no presente, relacionando-as justamente com os ideais superconscientes.

Se não for controlada, a eletricidade de Urano pode desencadear energias destru vas ou explosivas. No entanto, se fundamentada
em considerações prá cas e experiência, Urano incen va invenções e inovações prá cas que injetam nova vida a estruturas e
conceitos desgastados, direcionando nossas energias em direção ao futuro.

NETUNO
No glifo de Netuno o Crescente é ascendente, e pela primeira vez desde Mercúrio, volta nossa atenção para
o superconsciente, trabalhando para vinculá-lo com as realidades materiais, sobre a Cruz. Com Netuno,
tentamos trazer o idealismo dos mitos, das fantasias e dos heróis superconscientes para a realidade. Muitas
vezes temos sucesso, mas para isso temos que ter total compreensão das nossas limitações e da realidade que
nos cerca. Dessa forma, nossas ideias podem de fato se concre zar e não apenas servirem de base para ilusões
ou escapismo conveniente, mas sim agindo como propulsoras de algo a mais, algo condizente com nossos
ideais.

Quando o Crescente supera a Cruz, ficamos perdidos no idealismo impra cável, deixando de enxergar o que é realis camente
possível dadas as circunstâncias. Se a Cruz supera o Crescente, tentamos negar o desapontamento que sen mos quando não
conseguimos manifestar nossas ideias. Passamos a ser escapistas, sonhamos acordados e alimentamos fantasias.

Quando a Cruz e o Crescente estão em equilíbrio, Netuno nos dá a capacidade de transformar nossos sonhos em realidade.
Entretanto, isso requer paciência, compromisso inabalável e disposição para fazer sacri cios. Impressões e inspiração são postos em
ação para inovar, criando formas ar s cas ou invenções (especialmente quando Netuno é ajudado por outras energias planetárias).

Outro símbolo de Netuno que é usado na Europa mostra o círculo no lugar da cruz, enfa zando o aspecto mais dinâmico de Netuno
e sua associação com o processo de visualização e criação de imagens. Outras representações do glifo de Netuno ainda mostram
uma pequena flecha no topo da barra ver cal central, ou todas as três linhas ascendentes, enfa zando o direcionamento da energia
para os ideais.

PLUTÃO
O glifo de Plutão se parece um pouco o de Netuno. Porém, com o Círculo do espírito dentro do Crescente ascendente, Plutão
indica recep vidade a outros mundos e outras realidades. Descobertas astronômicas implicam que Plutão poderia ser um visitante
que está temporariamente em órbita ao redor do nosso Sol, construindo uma ponte para outros sistemas e
realidades solares. Na astrologia, Plutão é aquele que nos dá o poder de mudar a nossa vida.

Se a Cruz supera o Crescente, corremos o risco de perder de vista o propósito dessas energias
transformadoras, nos tornando pessoas egoístas e obcecadas pelo poder. Se o Crescente ascendente e o
Círculo superam a Cruz, corremos o risco de nos desconectarmos da realidade e ter surtos de estresse (ou
episódios psicó cos). Plutão também nos introduz aos Transnetunianos gasosos, que foram considerados por muito tempo como
"irreais" e de certa forma simbolizam um novo nível de realidade.

O an go símbolo de Plutão contém as duas primeiras letras de Plutão que, coincidentemente, são as iniciais do astrônomo Percival
Lowell, creditado por sua descoberta. Um terceiro glifo de Plutão, usado amplamente no norte da Europa, traz um Crescente
ascendente duplo, direcionado para o Círculo do espírito, enfa zando a recep vidade a energias estelares vitais e transformadoras.
Tais energias são filtradas através do superconsciente e da percepção que Plutão oferece.

Há ainda um quarto símbolo de Plutão que começa com a vitalidade subconsciente primordial coroada pela Cruz da matéria no nível
consciente, com dois Crescentes acima apontados para baixo. Este glifo simboliza o domínio das energias vitais primi vas através da
compreensão e de esforços prá cos conscientes, aliados a recep vidade do superconsciente.

Os Crescentes talvez indiquem a necessidade de um equilíbrio entre as percepções intui vas do lado direito do cérebro e as
percepções racionais do seu lado esquerdo, a fim de maximizar o potencial dessa energia planetária transformadora. O que é notável
sobre as variações nestes glifos de Plutão é que todas elas se correlacionam com as várias perspec vas interpreta vas do planeta,
descritas em literatura disponível em várias línguas e diferentes culturas.