Você está na página 1de 14

Curso completo

• Estudo do Conteúdo
• Estudo da Estrutura
• Estudo da Expressão
• Propostas temáticas para o
desenvolvimento de quatro
redações.
Temas Diversidade Cultural Deslocamentos humanos

preferenciais Sociedade da diversidade x sociedade da coletividade

da banca
O papel do Estado
A ocupação do espaço urbano

Liberdade de Expressão Os limites da liberdade de expressão

Os limites da liberdade de imprensa

O papel da publicidade

O papel da cultura/arte A simples fruição

A indústria cultural

O engajamento
Critérios avaliativos
Conteúdo: Estrutura Expressão

a) perspectiva adotada a) respeito ao gênero a) desempenho


no tratamento do solicitado; linguístico;;
tema; b) progressão textual e b) adequação do nível
b) capacidade de análise encadeamento de de linguagem
e senso crítico em ideias; adotado à produção
relação ao tema c) articulação de frases e proposta e
proposto; parágrafos (coesão coerência no uso;
c) consistência dos textual). c) c) domínio da
argumentos, clareza e norma culta formal.
coerência no seu
encadeamento.
Conteúdo do texto: diversidade cultural
- Meados do século XIX e início do século XX.
- Dedicou-se a sistematizar a sociologia.
- Obra de expressão: As regras do método
sociológico.
- Criou a teoria dos fatos sociais.
Fatos Sociais: são comportamentos generalistas,
coercitivos e exteriores de um grupo social.
Exemplos: regras, leis, habitualidades, costumes,
escola, trabalho etc.
Conteúdo do texto: diversidade cultural

Charles
Taylor
Anthony
Giddens

Stuart
Hall
Conteúdo do texto: diversidade cultural
Obra: “A Identidade Cultural na Pós- Modernidade”
- “Crise de Identidade” do homem pós-moderno em face de todas
as mudanças da era contemporânea. Resultado: fragmentação de
valores.
- As sociedades tardias são caracterizadas pela diferença
(multiplicidade de identidades).
- Individualismo moderno: origem no Iluminismo.
- Narrativa do ideal de nação x a realidade global.
- Impactos da Globalização sobre as noções de espaço e de tempo.
- Contexto de hibridismo x fundamentalismo.
- Saiba mais em
https://diariandopedagogicamente.wordpress.com/2015/02/25/resumo-do-livro-de-
stuart-hall-a-identidade-cultural-na-pos-modernidade/
Conteúdo do texto: diversidade cultural
Obra: “Consequências da Modernidade”
- O que é modernidade? 1º. Referência ao estilo de vida que emergiu na Europa
do século XVII. 2º. No final do século XX, correspondência a ideias como era
da informação, sociedade do consumo“.
- A modernidade compreendida pelo ideal de mudança = descontinuidade.
- Incertezas e riscos manufaturados.
- Mecanismo do desencaixe: perda da segurança temporal ou espacial.
- Promovem o desencaixe as fichas simbólicas e os sistemas peritos.
- Saiba mais em
http://informacaoepolitica.blogspot.com.br/2013/03/resenha-consequencias-da-
modernidade.html
http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/ric/article/view/73/75
Conteúdo do texto: diversidade cultural
Obra: “O multiculturalismo e a política do reconhecimento”
- Multiculturalismo: convivência de grupos distintos culturalmente
num mesmo espaço territorial, o que o torna um fenômeno
antigo e que atinge a quase todas as sociedades contemporâneas
em virtude das migrações, tanto no nível dos Estados nacionais
como no nível global.
- Políticas públicas: reconhecimento da diferença.
- Exercício dialógico e o reconhecimento de si em face do outro.
- Política da identidade x Política da diferença.
- O papel do Estado: aplicação do princípio da equidade (John
Rawls) por meio das instituições.
Saiba mais em
http://unisinos.br/blogs/ndh/2014/12/15/a-politica-de-reconhecimento-de-charles-
taylor-para-uma-cultura-de-direitos-humanos/
Temas da FCC
O equilíbrio entre os corpos sociais é bastante difícil e exige que não se simplifiquem ou meramente se oponham
campos como religiosidade, direitos humanos e diferentes culturas. Frente a tamanha complexidade, se as leis
não abarcam todos os casos sem incorrer em injustiça, resta-nos talvez o princípio da equidade.
Com base no texto acima, redija um texto dissertativo-argumentativo defendendo seu ponto de vista. (TRE-
SP/TJA/2017)
Na sociedade contemporânea, formada essencialmente pela diferença e pela diversidade, é complexo
para o Estado equilibrar seu atendimento à variedade das demandas de seus administrados. Infelizmente, as
leis, fruto da concepção do Estado-nação, por manifestarem a pretensão da universalidade, nem sempre
funcionam como o instrumento ideal para garantir direitos a todos. Assim, caberá ao Estado basear-se no
princípio da equidade para minimizar os conflitos decorrentes de seus diferentes grupos sociais.
Hoje, o mundo passa por mudanças altamente complexas em função da Globalização. Esta promove a
ruptura de fronteiras entre os Estados, porque permite que diferentes culturas e etnias se encontrem e se
mesclem. O resultado disso, conforme preceitua Hall, é a formação de identidades híbridas que passam a
demandar ao Estado a amplitude do reconhecimento de direitos pertinentes a esses grupos.
O Estado poderia se valer das leis, instrumento clássico empregado para garantir a ordem social. As leis,
teoricamente, visam estabelecer direitos e deveres de aplicação universal, isto é, voltados para proteger e
ordenar todos os cidadãos, sem diferenciá-los. Charles Taylor, todavia, desconstrói esse preceito, porque
demonstra que, desde o Iluminismo até os dias atuais, as leis não foram capazes de estabelecer justiça
igualitária entre grupos ou indivíduos formadores de uma só sociedade.
Assim, como saída para a modernização do Estado, cabe a aplicação do princípio da equidade. Por
esse princípio, Taylor sugere a capacidade de as instituições, em especial a justiça, reduzirem o fosso social entre
pobres e ricos, e entre outros grupos vistos conceitualmente como opostos. Exemplo prático da equidade se
observa em juízo quando o julgador, empregando subsidiariamente o princípio da proporcionalidade, calcula,
dentro do justo a ser aplicado às partes, a indenização por dano moral concedida ao reclamado.
O que se vê, portanto, é que não há saída simplificada para se equilibrarem corpos da diversidade.
Soluções e políticas que visam à estabilização dos conflitos precisam ser objeto de ampla reflexão. Acreditar
também que a atividade legislativa será suficiente para atender a sociedade global consiste em crer, com efeito,
que o mundo se estabilizou na visão pretendida pelos ideais revolucionários do passado ocidental.
Estrutura do texto
Estrutura do texto