Você está na página 1de 9

O PASTOR PARA ESSE TEMPO

Dando continuidade a trilha de ministrações à Igreja (iniciada pelo


BOLO), quando vimos os elementos dos quais se constitui a Igreja,
depois, passando pelo tratamento da IRA quando refletimos que a
mesma advêm porque fazemos o que não queremos, porque
estamos fora de lugar, ou porque as coisas acontecem como nós
não queremos, ou seja, a incapacidade de se aceitar fatos e visões
diferentes da sua visão de mundo. É a pessoa que acha que a
Igreja tem que se ajustar a ela em vez de ela ajustar-se à Igreja...
HOJE, nessa continuidade, refletiremos sobre “O PASTOR PARA
ESSE TEMPO”. - Estamos nessa série de reflexões tendo em
vista a quantidade expressiva de novos irmãos fazendo parte da
Igreja e, a necessidade de sempre consolidarmos esses conceitos
bíblicos em nossas vidas.
Por que a Igreja precisa de um pastor? Por que vocês precisam se
um pastor? A igreja não poderia caminhar sozinha sem um pastor?
Olhando daqui posso ver tantas pessoas capazes: médicos,
dentistas, comerciantes, advogados ... um leva nova de advogados,
universitários, professores e tantas outras pessoas cultas, sábias...
Por que a Igreja precisa investir na vida de um pastor? - Por que
as igrejas que ficam sem o seu pastor, caminham por um
determinado tempo sozinhas, e depois, ficam desesperadas atrás de
um pastor para conduzi-la?
Você já pensou em ser um pastor? - Vamos colocar isso na prática:
imagine você sendo o pastor desta igreja. É! ... estando aqui no
meu lugar ... diante da Igreja. Olhe para quase 500 pessoas às quais
você precisa prestar contas da sua vida moral, da sua vida familiar,
da sua vida financeira, da sua capacidade, da sua idoneidade... (e
dentre essas 500 pessoas, 90% delas, entendendo que sendo
dizimistas, você é um empregado delas.... - Já imaginou ter 500
patrões?). E patrão cobra, exige, reivindica, reclama e o pior: compara.
Pr. Ed René Kivitz em sua palavra dirigida aos pastores disse sobre
uma crise que o incomodou por muito tempo: As pessoas lhe
dirigiam a palavra dizendo: “Já não se fazem mais pastores como
antigamente”. (É claro, num tom pejorativo do “novo” que estava
acontecendo em seu ministério). E diz ele que após um longo tempo
de reflexão ele ficou em paz: “Realmente, já não se fazem mais pastores
como antigamente, PORQUE EU SOU UM PASTOR PARA ESSE TEMPO!”
E eu, particularmente, vejo que existe algo que precisa estar
presente no Pastor de Ontem, no Pastor de Hoje e no Pastor do
Amanhã: integridade, caráter e honestidade! - Alias, o
teólogo John MacArthur Jr. dá atenção especial ao caráter do
Pastor, assinalando que ele há de ser IRREPREENSÍVEL. Adverte,
entretanto, que ao falar a Bíblia NÃO diz que o Pastor deve ser
IMPECÁVEL, PERFEITO... porque nesse caso ninguém se
habilitaria a exercer o Ministério Pastoral.
Por que Deus não chama você para ser o pastor da Igreja?
Quantas crises eu tive nesse chamamento de Deus. - Eu sou
Advogado, eu sou Contador, Experiência em Administração,
Comunicador: “DEUS por que não me colocaste em outra função?”
... e apesar de DEUS conhecer cada coisa estúpida e errada que eu
faço... ELE mesmo assim me escolheu. Me colocou diante de cada
um de vocês... para pastorea-los!!!
Por isso, não importa quão dotado ou informado você seja a respeito
de liderança, é necessário, nesse tempo, rever sua compreensão de
como Deus usa seres humanos para realizar Sua Obra através da
Sua Igreja.

O PASTOR PARA ESSE TEMPO! - EFÉSIOS 4:11-16


Num mundo onde a confiança em ministros parece estar em baixa,
PASTORES são mais necessários do que nunca! - Em muitos
lugares do mundo, hoje em dia, este texto tem sido redescoberto
para enfatizar que uma das principais funções do pastor é preparar
o povo de Deus para o desempenho do serviço.
Uma época como a nossa, quando pastores estão desistindo dos
rebanhos e não esta havendo uma renovação pelos jovens ministros
(isso esta acontecendo também dentro do clero católico), portanto,
um tempo excelente de se refletir, de se repensar sobre o PASTOR
PARA ESSE TEMPO...
Os conceitos que veremos precisa fazer parte da postura bíblica que
a Igreja necessita ter do Ministério Pastoral. Estou completando
quase sete anos de ministério nesta Igreja. Não sei por quanto
tempo ainda DEUS me quer aqui.... - Mas esses conceito são
imutáveis, eles não mudam. Muda-se o Pastor (dentro dos designo
de Deus), mas os conceitos há que se impregnar na mente e no
coração de cada cristão.
Vamos deixar à parte, por enquanto, o texto básico de Efésios,
depois voltaremos a ele para rever as funções do pastor... - Vamos
fazer algumas considerações relevantes sobre o Ministério Pastoral:

1a. CONSIDERAÇÃO: A AUTORIDADE PASTORAL. - Com


certeza alguns podem questionar essa questão: com que autoridade,
com que fundamento, amparado em que o Pastor assume a
liderança da Igreja? O que lhe dá esse direito de presidir sobre nós?

Isso é importante. Até porque todas as funções há que ter um


embasamento legal. Muitas funções são amparadas pela
constituição e leis do país. Você exerce uma função na empresa
porque você esta amparado pela legislação trabalhista e foi
contratado para tal... - E você pastor, está embasado em
que?

Abra sua bíblia: ATOS 20:28 - Bíblia Viva: “E agora tomem


cuidado! Não deixem de alimentar e pastorear o rebanho de
Deus, a igreja Dele, comprada com o seu sangue, pois o
Espírito Santo está entregando-lhes a responsabilidade como
supervisores”.

O v. 17 deste capítulo nos informa que o apóstolo Paulo chegando a


cidade de Mileto manda chamar os presbíteros (as pessoas que
exerciam a função pastoral) da Igreja de Éfeso para uma palavra de
orientação e despedida. - E nesta palavra ele expõe que eles
não haviam sido chamados para ocupar essa função por parte de
qualquer homem mortal, mas sim, através do Espírito Santo de
Deus!

Ou seja, o Ministério Pastoral é divinamente selecionado e


santificado, através da atuação do Espírito Santo. Portanto, a Igreja
não faz pastor. O seminário não faz pastor. Títulos e “status” não faz
pastor.... - E isso significa dizer que não é a Comissão de
Indicação que coloca Pastor na Igreja. Não é um grupinho de
líderes quem coloca ou tira o Pastor da Igreja.

A Bíblia esta dizendo que a orientação vem do ESPÍRITO SANTO. É


ele quem coloca, é ele quem institui, é ele quem dá a este
vocacionado a AUTORIDADE PARA MINISTRAR, PARA
SUPERVISIONAR E PRESIDIR a Igreja do Senhor Jesus.
2a. CONSIDERAÇÃO - A FUNÇÃO PASTORAL. Sim pastor, qual
é afinal o trabalho do Ministério Pastoral? Qual é a responsabilidade
do Pastor dentro da Igreja?

Outra questão importante. Alguns com humor sádico tem dito que é
uma bençao ser pastor: “Ele só trabalha um dia por semana!” ...
Semana passado fui ao médico para uma consulta e ao preencher a
ficha cadastral a secretaria pediu minha profissão... Que vontade
de dizer Advogado, Contador....

Resposta: Pastor Batista (Faço questão de dizer Pastor Batista,


porque “Pastor Evangélico” hoje é sinônimo de piada, de explorador,
de marqueteiro da fé...). Mas não deu outra: “Profissão boa hein
pastor?” Não deixei barato: ela teve que me escutar 20 minutos
sobre o que é um Pastor.... Ficou de visitar a Igreja!!!!

Dê uma olhada mais abrangente no cenário vocacional. Fora da


vocação eclesiástica, o mundo do trabalho é freqüentemente dividido
em profissões, posições, empregos, donos de negócios...

O Ministério Pastoral requer como qualquer uma dessas categorias


uma preparação especializada, porque o Ministério envolve tarefas
claramente definidas que devem ser executadas pontualmente em
situações específicas...

Enquanto outros usam calculadoras, martelos, capacetes, pincel, ....


(e com grandes variações salariais entre si), o pastor haverá
supervisionar e buscar a orientação de Deus à vida da Igreja.
Sabia você que o novo Código Civil diz que o Pastor responde
com seus bens pessoais pelos erros da Igreja? Por isso a
orientação tem sido: Pastor, se inteire de tudo, supervisione,
acompanhe, interfira - VOCÊ É RESPONSÁVEL!

Milo Arnold fez uma exposição interessante: “Engenheiros são


escolhidos por suas habilidades na linha do trabalho, entretanto a sua vida
moral pode ser corrupta e sádica. Médicos são escolhidos pela suas
habilidades no trato com a vida humana, entretanto pouco se importam
com a decadência humana que estamos vivendo. Advogados são
escolhidos por suas habilidades em representar outros diante da lei,
entretanto, ao mesmo tempo, violam as leis de Deus. Mas quanto ao
Pastor, ele precisa prestar contas da sua vida moral, da sua vida familiar,
da sua vida financeira, da sua capacidade, da sua idoneidade...”
Mas a questão é: Pastor, qual é a sua função, a sua
responsabilidade, à luz da Bíblia, dentro da Igreja? - ATOS 6:1-
4

Este é um texto que as Igrejas e Pastores deveriam meditar


continuamente. O texto nos dá luz sobre qual é o trabalho, a função
do Ministério Pastoral. É um texto que pode até escandalizar, mas
ele esta dizendo que os Apóstolos reuniu a Igreja e em outras
palavras disseram:

“Olha, nós não temos a responsabilidade de cuidar das viúvas não!


Portanto vamos delegar esse trabalho a irmãos idôneos, porque
DEUS quer de nós os Pastores, o exercício do Ministério da ORAÇÃO,
PREGAÇÃO e do ENSINO...”

Os Apóstolos orientaram dessa maneira a Igreja porque a pregação


e o ensino exigem tempo e aflição da alma. Qualquer um que já
pregou sabe que a pregação requer pensar, buscar, orar,
aperfeiçoar, ter um tempo de uma terrível agonia de estar perto de
Deus o suficiente para que a sua palavra seja convincente.

Todo pastor, mesmo aquele de igrejas menores, lida com muitas


crises na vida. Muitas dessas crises são tão confidenciais que o
pastor talvez nunca possa discuti-las abertamente. Esta é a razão
pela qual o ministro pode vir a mostrar assustadores sinais de fadiga
emocional que ninguém entende, nem mesmo sua família.
David Fischer em seu livro “O Pastor do século 21” diz que o
psiquiatra Louis McBurney assegurou que a falta de auto-estima é o
problema numero um que os pastores enfrentam. Alega o Dr. Louis
que o Ministério Pastoral é uma profissão de muito trabalho e pouco
reconhecimento e que nossa cultura não valoriza a área de atuação
pastoral. E em função de estarem trabalhando no meio de pessoas
que têm expectativas nada realistas e lá no fundo esperam muito
dos pastores e da Igreja, não é de causar admiração que a
depressão é o segundo problema pastoral mais identificado.

Voltemos ao texto base de Efésios 4:11: “... ele deu uns para
apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros
para pastores...”, com que objetivo? - O v. 12 responde: “...
com o fim de preparar os santos para a obra do ministério...”. -
Por isso os apóstolos orientaram à Igreja: Nosso ministério
consiste da ORAÇÃO, PREGAÇÃO e ENSINO.
3a. CONSIDERAÇÃO - ADVERTENCIAS À IGREJA.
“Seu pastor uma espécie em extinção” um livro da Editora
Eclésia, vai relatar que há tempos de solidão e enormes feridas no
ministério. Todos nós alguma vez já ouvimos: “A família X esta
deixando a Igreja. Não pode ser eles tem estado aqui desde a
fundação da Igreja.... O Pastor foi a razão pela qual eles partiram..”.

Algumas pessoas partem por causa das exigências da disciplina, ou


por causa de sua má vontade em serem administradores fiéis.
Outros partem por causa da pregação biblicamente acurada que
exige que se faça o que DEUS QUER! ... - Portanto, se o
cuidado do pastor e a proclamação da Palavra de Deus forem o
problema, a partida deles devem ser vista como um sintoma
saudável da fidelidade do pastor e do seu chamado...

Pr. Irland Pereira de Azevedo em sua mensagem no Retiro Anual


de Pastores diz há pessoas na Igreja que costumam ferir
mortalmente os pastores. São os chamados, em inglês, “CLERGY
KILLERS”, ou seja, “Os matadores do clero – dos pastores”. Por
outro lado, diz ele, existem os “opositores patológicos” que
costumam opor-se de maneira doentia aos lideres religiosos e
procuram amargura-los ou destruí-los, se possível.

Portanto, duas advertências básicas à Igreja é dada pela Bíblia:

Hebreus 13:17 - Bíblia Viva: “Obedeçam aos seus lideres


espirituais e estejam prontos a fazer o que eles disserem. Porque o
trabalho deles é velar sobre as almas de vocês, e DEUS JULGARÁ SE
ELES FAZEM ISTO BEM. Dêem-lhes motivo para prestarem contas de
vocês ao Senhor com alegria e não com tristeza, POIS NESSE CASO
VOCES TAMBEM SOFRERÃO COM ISTO”.

1 Timóteo 5:17-20
O apóstolo PAULO neste texto se refere à atitude e a ação da Igreja
com respeito ao salário, a disciplina e a excelência do caráter do
ministro. O autor do livro “Seu pastor uma espécie em extinção” diz
que leu esta passagem em muitas versões e consultou comentários
suficientes para saber que isso significa dar aos pastores honra em
abundancia por seu trabalho e pagá-lo o mais generosamente
possível. Porque quando a Igreja quando é abençoada e não
honra, é uma igreja sob risco de não ser honrada pelo Senhor.
CONCLUSÃO:
Caminhando para nossa conclusão quero dizer aos irmãos que
tenho refletido muito em ser “UM PASTOR PARA ESSE TEMPO”.
Minha ótica pessoal é que o sentimento de conservadorismo
impregnado na vida dos mais antigos torna-os resistentes e
medrosos diante do novo.
Esse medo geralmente é fruto da crença de que o NOVO e o
PECADO são sinônimos. De que somos incapazes de atender a
novos desafios. De que o novo gera instabilidade e produz perda de
poder ou prestígios comunitário na vida de alguns.
Há uma dificuldade de se aceitar que, se há coisas que precisam ser
conservadas, também há coisas que precisam ser modificadas. Uma
dificuldade de se aceitar que nosso olhar deve estar voltado para o
futuro e não para o passado, para as necessidades espirituais dos
outros e não de nós mesmos.
Estamos vivendo na era do pós-pentecostalismo, mas continuamos
inimigos do movimento de renovação espiritual da década de 60. E
essa cultura religiosa defensiva, de retaguarda e a política de
partidarismo denominacional nos impedem de ver quem são nossos
verdadeiros inimigos espirituais, quais são os objetivos que
queremos alcançar e que estratégias devemos usar.
Nós continuamos usando discursos ultrapassados, resistentes à
contextualização, porque nossos inimigos continuam sendo o
passado. Não percebemos que eles se modernizam, tomaram outras
formas e que o mundo esta mudando. Por isso, insistimos em
querer o impossível: uma igreja como antigamente, capaz de
responder aos anseios de pessoas que não de antigamente!
Quando olho a experiência de Moisés com o povo na tentativa de
conquistar a terra de Canaã muitas coisas falam sobre ser um
“Pastor para esse tempo”. Depois de entregue o relatório daqueles
que tinham ido espiar a terra prometida o povo começou a
murmurar contra seus líderes...
Diziam que desejavam ter morrido no Egito ou no deserto.
Resmungavam eles: “Deixe escolher um novo líder que nos levará de
volta ao Egito. Ou seja, queremos voltar para o deserto, atravessar o
Mar Vermelho em direção oposta, e pedir a Faraó para nos fazer
escravos novamente... Queremos um líder que nos leve de volta...”
A Igreja Contemporânea faz a mesma coisa. Quando grupos
resistem a aceitar a vontade de Deus para seu futuro, normalmente
murmuram contra os líderes. Foi exatamente o que o povo de Israel
fez: queriam um novo líder para leva-los de volta!

E eu creio que descendentes diretos desse povo cético estão entre


nós. Eles murmuram nos corredores, nos bastidores, nos telefones e
espalham um espírito contagioso que mantém as Igrejas no deserto
por anos a fio.
As conseqüências para aquele povo foram além de tudo o que eles
puderam imaginar. Eles e suas crianças vagaram pelo deserto por
40 anos, com areia nos cabelos, olhos e dentes. Eles perderam a
Terra Prometida porque um espírito negativo se transformou num
medo irracional.
Quero terminar dizendo que as considerações refletidas aqui
procedem do coração de Deus para a vida da Igreja. Deus assim o
determina porque o Pastor prestará contas a ELE por tudo o que
disser, por tudo que fizer e por tudo que deixar de fazer.

E essa prestação de contas será maior do que você que não está
sob o jugo do Ministério Pastoral. TIAGO 3:1 diz assim: “Meus
irmãos, não sejam muitos de vocês mestres (ou pastores), pois
vocês sabem que nós, os que ensinamos (e pregamos) seremos
julgados com maior rigor”.
Ou seja, não é fácil ser pastor. O nosso chefe (DEUS) é o melhor e o
pior dos chefes. É o melhor porque: ampara, socorre, sustenta e
nos fortalece nas nossas angustias. Mas é o pior (humanamente
falando) porque: ELE conhece todas as nossas ações e cobrará de
nós um preço mais elevado.

Por isso irmãos não se preocupem. Um pregador em pecado não


ficará muito tempo do Ministério sem ser desmascarado. E a Bíblia
esta dizendo que é DEUS quem vai fazer isso! Por isso tome muito
cuidado mal ou promover rebeliões contra o seu pastor, porque você
também sofrerá com isso....
O número de Pastores que estão abandonando o ministério e que
estão caindo em pecado é estonteante. Por isso, interceda pelo
seu pastor!
No Brasil e no Mundo pregadores tem caído em terríveis pecados
morais, provocando escândalos e produzindo grandes sofrimentos
ao povo de Deus. Por isso, interceda pelo seu pastor!

O Ministério Pastoral hoje tem sido visto pela sociedade e pela mídia
como uma profissão de marqueteiros. Por isso interceda pelo seu
pastor!

Uma espécie é extinta quando seu número é tão baixo ou reduzido


que, a mesmo que façamos algo, não haverá em breve nenhum
exemplar desta espécie sobrando. E o pastor (plenamente ungido
por Deus) é uma espécie em extinção. Por isso interdeda pelo
seu pastor!

Os últimos números do Instituto de Pesquisas Barna revelam que


dentre 05 cristãos, 04 são cristãos nominais e que menos da metade
(37%) freqüentam os cultos na Igreja semanalmente. E isso torna o
trabalho pastoral ainda mais difícil porque não há compromisso. Por
isso, interceda pelo seu pastor!

A mesma pesquisa estima que 40% dos pastores que hoje servem à
Igreja não estarão mais servindo nos próximos 10 anos. Por isso,
interceda pelo seu pastor!