Você está na página 1de 4

Gabarito de exercícios de fixação

01. A - contraste (oposição entre o fato de ser “bonita” e “má”; e = porém): Ela é
bonita, mas muito má. - Ela é bonita, porém muito má.
02. D - conclusão: Ele nos avisou, devemos, então> aguardá-lo. - A oração "devemos,
então (então = portanto), aguardá-lo” exprime uma dedução, isto é, uma conseqüência
lógica do raciocínio feito na oração anterior. Em outras palavras: já que fomos
avisados (causa), espera-se que o aguardemos.
03. C - explicação: Você nâo dormiu, porquanto está cheia de olheiras. - A oração
"porquanto (porquanto = porque) está cheia de olheiras” justifica a afirmação feita
na oração anterior. Notemos que a Ia oração expressa uma opinião - um juízo de
valor - corresponde a “acho que você não dormiu”
04. B - alternância (os dois fatos se alternam: não se pode estar simultaneamente
feliz e angustiado). - Ora você está muito feliz, ora se sente angustiado.
05. C - explicação: Você fecha a janela, uma vez que está frio. - A
oração “uma vez que (uma vez que = porque) está frio” justifica o pedido feito na
oração anterior.
06. A - contraste (o fato de “o pai não fazer nada” contrasta com a ação expressa
na oração anterior, pois era esperado que o pai socorresse o filho; e = porém): Ele
se machucou, e (= porém) o pai não fez nada por ele.
07. B - alternância (os dois fatos se excluem: não é possível ao mesmo
tempo viajar e ficar em casa): Ou viaja, ou fica em casa.
08. A - contraste (o “sorriso” contrasta com a expectativa criada na oração
anterior: geralmente, quando estamos tristes, não sorrimos; e = porém): Estava
muito triste, e (- porém) sorria.
09. D - conclusão: Meu primo estudou muito, e fará uma boa prova. - A oração “e (e
= portanto) fará uma boa prova” expressa uma dedução (conseqüência lógica do
raciocínio feito na oração anterior): Visto que estudou muito, deduz-se que ele
“fará uma boa prova”
10. E - adição: Nao escreveu nem telefonou. - O conectivo "nem” soma argumentos
negativos.
11. D - conclusão: Não seguiram as determinações do chefe, e podem ser demitidos. -
A oração Ke (e = portanto) podem ser demitidos” expressa uma dedução (conseqüência
lógica do raciocínio feito na oração anterior): Visto que "não seguiram as
determinações do chefe” a conseqüência esperada é a demissão.
12. A - contraste: Ganham muito pouco, todavia vivem bem. - "Viver bem” contrasta
com a expectativa criada na oração anterior: geralmente, quando se ganha pouco não
se vive bem; todavia = porém).
13. E - adição: Luís não só é inteligente, mas também é muito esforçado. - existe
uma soma de argumentos a favor da mesma tese, sendo que o segundo (ser muito
esforçado) é o mais forte.
14. E - adição (a conjunção “e” possui valor aditivo, uma vez que acrescenta uma
informação ao que foi expresso na oração anterior): Abro a janela e olho o mar.
15. C - explicação: Vá ao mercado, que os legumes acabaram! - O fato expresso em
“que (que = porque) os legumes acabaram” justifica a ordem para que vá ao mercado.
01. pois (e sinônimos) - conjunção coordenativa explicativa (A segunda oração - o
fato de voltar logo -justifica a ideia expressa na primeira: Fique tranqüilo, pois
voltarei logo.).
02. portanto (e sinônimos) - a oração “Terá sucesso” expressa uma dedução, ou seja,
uma conseqüência lógica do fato de ter estudado: Ele estudou muito, portanto terá
sucesso.
03. porém (e sinônimos) - conjunção coordenativa adversativa (oposição entre o fato
de “trabalhar m uito” e “não ganhar nada”): Trabalhou muito, porém não ganhou nada.
04. portanto (e sinônimos) - conjunção coordenativa conclusiva - a oração “Devemos
preservá-las” é uma dedução, isto é, uma conseqüência lógica do raciocínio feito na
oração anterior: As árvores são preciosas, portanto devemos preservá-las.)
05. e (e sinônimos) - conjunção coordenativa aditiva - a oração “Estudo” acrescenta
uma informação ao que foi expresso anteriormente: Trabalho e estudo.
06. ou - conjunção coordenativa alternativa - os dois fatos se excluem, visto que é
impossível ao mesmo tempo “não estudar” e “tirar boas notas” Estude ou terá
péssimas notas.
3.
01. 2 - concessiva (ainda que = embora) / Ainda que estivéssemos cansados,
prosseguimos a viagem. / Admite-se um argumento
contrário - um obstáculo (= o2.cansaço), mas incapaz de impedir
o prosseguimento da viagem.
02.7 - final (a fim de que = para que)/ Ele mentiu a fim de que não fosse punido. /
A finalidade (= objetivo) da mentira foi a não punição.
03. 8 - proporcional (à medida que = à proporção que) / O ruído aumentava à medida
que nos aproximávamos do clube. / Indica que os dois fatos (o aumento do ruído e a
aproximação do clube) ocorreram simultaneamente.
04. 5 - comparativa / Este livro é mais interessante que o meu. / O conectivo "que”
inicia uma oração que é o segundo elemento de uma comparação, ou seja, estabelece-
se um confronto entre “Este livro” e “o meu”:
05. 4 - conformativa (segundo = conforme) / Segundo me disseram, ontem você viajou.
/ A ação expressa pelo verbo da oração principal (= a viagem) ocorreu de acordo com
“o que me disseram”.
06. 3 - condicional (contanto que = caso) / Irei viajar, contanto que tenha
dinheiro. / Ter dinheiro é uma condição necessária para que possa viajar.
07. 9 - temporal (mal = quando) / Mal me viu, sorriu. / Expressa
uma circunstância de tempo em relação ao ato de sorrir (= sorriu
no momento em que me viu).
08.10 - integrante / É importante que participemos da festa. / O conectivo “que”
introduz uma oração que completa a principal, exercendo, no caso, a função de
sujeito: A
oração “que participemos da festa”
é equivalente a “nossa participação
na festa” = ISSO. / Ordem direta:
Nossa direta (= ISSO = que participemos da festa) - sujeito - é
importante.
09.12 - modal / Saiu sem que fosse
notado. / O conectivo c<sem que”
denota o modo como acontece o
fato expresso na oração principal
(De que modo aconteceu a “saída”?
Resposta: sem ser notado.).
10. 11 - locativa / Morarei onde me
sentir bem. / O advérbio “onde”
introduz um adjunto adverbial
de lugar.
11. 5 - comparativa / Raimundo é
tão inteligente quanto o irmão.
/ Compara-se a inteligência de
“Raimundo” com a do “irmão”.
12.7 - final / Estudou muito para que
fizesse uma boa prova. / A finalidade (= objetivo) da intensidade
do estudo foi fazer uma boa prova.
13. 9 - temporal (Todas as vezes =
quando) / Todas as vezes que vou
ao cinema, encontro meu professor de música. / O conectivo
“Todas as vezes que" inicia uma
oração que expressa uma circunstância de tempo em relação ao ato
de “encontrar meu professor de
música”.
14. 12 ~ m odal / Almoçou sem que
dissesse uma palavra. / O conectivo “sem que” exprime o modo
como acontece o fato expresso na
oração principal (De que modo
aconteceu o “almoço”? Resposta:
sem dizer uma palavra.).
15. 11 - locativa / Dirigiu-se para
onde estavam os pais. / O advérbio “onde” introduz um adjunto
adverbial de lugar.
16. 2 - con cessiva (por ... que =
embora) / Por pior que seja o indivíduo, alguma coisa de bom eleterá. / Admite-se
um argumento
contrário (ruindade do indivíduo
= um obstáculo), mas incapaz de
impedir que ele tenha algo de bom.
17. 3 - condicional (a menos que =
caso não) / A menos que fique doente, não faltarei a teu casamento.
/ Não ficar doente é uma condição
necessária para que não falte ao
casamento.
18. 1 ~ causai (já que - visto que,
porque) / Como estava doente, fui
ao médico. / A insistência é a causa
da aceitação da oferta.
19. 4 - conformativa (como = conforme) / Fizemos o trabalho como
combinamos. / A ação expressa
pelo verbo da oração principal (o
ato de fazer o trabalho) ocorreu
em concordância com “o que foi
combinado.
20.5 - comparativa: O garoto se veste
como o pai. / (como = do mesmo
modo que) - compara-se o modo
de vestir do “garoto” com o do
“Pai”
21. 2 ~ concessiva (conquanto -
embora) / Conquanto chovesse,
fomos à praia. / Admite-se um
argumento contrário (a chuva =
um obstáculo), mas incapaz de
impedir o prosseguimento da ida
à praia.
22. 1 - causai (como = visto que,
porque) / Tá que insiste, aceito sua
oferta. / A doença provocou a ida
ao médico.
23.4 - conformativa (como = conforme) / Cada um colhe consoante semeia. / A ação
expressa pelo verbo
da oração principal (= a colheita)
acontece em concordância com "o
que se semeia”.
24. 3 - condicional (contanto que
= caso) / Digam o que quiserem,
contanto que não me ofendam. /
Não me ofenderem é uma condi
ção necessária para que possam
dizer o que quiserem.
25. 10 - integrante / Desejo que ele
seja feliz. / O conectivo “que” introduz uma oração que completa a
principal, exercendo, no caso, objeto direto. A oração “que ele seja
feliz”, equivalente a “sua felicidade” = ISSO: Desejo sua felicidade
(= ISSO = que ele seja feliz).
26. 6 - consecutiva (que = por isso)
/ O rapaz era tão aplicado que
em pouco tempo foi promovido. /
A rápida promoção do rapaz é a
conseqüência (= resultado) de sua
grande aplicação.
27.6 - consecutiva (que = por isso) / É
feio que assusta. / O susto é a conseqüência (= resultado) da feiúra.
28. 2 - concessiva (posto que = embora) / Posto que ela tivesse sido
clara e objetiva, não foi entendida
pela turma. / Admite-se um argumento contrário (o fato de ser
clara e objetiva = um obstáculo),
mas incapaz de impedir que ela
não fosse entendida pela turma.
29. 6 - consecutiva (que = por isso)
/ Ele berrou que ficou rouco. / A
rouquidão é a conseqüência (=
resultado) dos berros.
30. 12 - modal - Estudarei no meu
quarto sem que ninguém me
atrapalhe. / O conectivo “sem que”
denota o modo como ocorre o fato
expresso na oração principal (De
que modo acontecerá o “estudo”?
Resposta: sem ninguém