Você está na página 1de 71

Programa de Melhoria da Comunidade da Construção

Revestimento Cerâmico em Fachadas

C. Rolim Engenharia Ltda

Caltech Engenharia

Construtora Colmeia
REVESTIMENTO CERÂMICO
Construtora LCR EM FACHADAS
Construitora Marquise S.A.
ESTUDO DAS CAUSAS DAS
PATOLOGIAS
Construtora Nossa Senhora de Fátima

Diagonal Engenharia

Fujita Engenharia Ltda

Konnen Ltda

Placic Ltda

Porto Freire RELATÓRIO DA PESQUISA


Reata Arq. Engenharia Ltda

Rolim Machado Ltda

Fortaleza 2004
REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Ma Aridenise Macena Fontenelle Prof. da UNIFOR e Pesq. do NPT

Yolanda Montenegro de Moura Estudante de Engenharia Civil - UNIFOR

Empresas participantes do Programa de Melhoria da Comunidade da Construção de


Fortaleza

• C. Rolim Engenharia Ltda

• Caltech Engenharia

• Construtora Colméia

• Construtora Marquise S.A

• Construtora Nossa Senhora de Fátima

• Diagonal Engenharia Ltda

• Fujita Engenharia Ltda

• Konnen Ltda

• Placic Ltda

• Construtora LCR

• Reata Arq. Engenharia Ltda

• Rolim Machado Ltda

Comunidade da Construção - Fortaleza 2


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

RESUMO

Esta pesquisa foi realizada no período de setembro a novembro de 2003, com dez construtoras
participantes do Programa de Melhoria da Comunidade da Construção Civil de Fortaleza, das quais
duas enviaram mais dois questionários, resultando em 14 obras analisadas. O questionário
respondido por e -mail considerou os aspectos citados a seguir: estrutura de concreto (número de
pavimentos, tipo de fundação, tipo de laje, prazos do empreendimento); projetos (elaboração de um
projeto específico e itens que constam no projeto); planejamento (argamassa, teste em painéis,
substrato, condições de preparo da argamassa, verificação e avaliação de aplicação da argamassa,
planejamento físico e específico para execução de revestimento); suprimentos (tipo de mão -de -obra
para aplicação do revestimento e recebimento dos materiais) e produção (treinamento para
aplicadores e etapas da execução). Os resultados do estudo mostraram que apenas duas empresas
não apresentam problemas de patologia nos revestimentos cerâmicos das fachadas. Sendo que uma
delas utiliza o método de assentamento de cerâmica úmido sobre úmido, e a outra argamassa
industrializada. Todas as demais utilizam este segundo método, entretanto a empresa que não
registrou patologias elabora o projeto de produção do revestimento externo e tem controle do
processo.

Comunidade da Construção - Fortaleza 3


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

SUMÁRIO

RESUMO ................................................................................................................................. 3

SUMÁRIO................................................................................................................................ 4

1. INTRODUÇÃO .................................................................................................................. 5

2. PATOLOGIAS NO REVESTIMENTO CERÂMICO........................................................... 6

2.1. DESTACAMENTOS .......................................................................................................... 6

2.2. TRINCAS, GRETAMENTO E FISSURAS ................................................................................ 7

2.3. EFLORESCÊNCIA ............................................................................................................ 8

2.4. DETERIORAÇÃO DAS JUNTAS........................................................................................... 9

3. PRÁTICA USUAL NA EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA.................... 11

3.1. METODOLOGIA ....................................................................................................... 11

3.2. RESULTADOS.......................................................................................................... 12

3.2.1. Quantitativos....................................................................................................... 12

3.2.2. Qualitativos ......................................................................................................... 21

4. ESTUDO DE CASO ........................................................................................................ 27

4.1. RESULTADOS GERAIS ................................................................................................... 28

4.1.1. Tipologia das obras............................................................................................. 28

4.1.2. Tipo de estudo realizado..................................................................................... 29

4.1.3. Informações coletadas nas entrevistas realizadas com engenheiros


das obras ............................................................................................................ 29

4.1.4. Ensaios laboratoriais........................................................................................... 31

4.1.5. Diagnóstico dos problemas................................................................................. 36

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................................ 39

6. BIBLIOGRAFIA............................................................................................................... 41

Comunidade da Construção - Fortaleza 4


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

1. INTRODUÇÃO

Este estudo foi dividido em duas etapas, sendo que a primeira estapa envolveu um
levantamento da prática usual na execução do revestimento cerâmico em fachadas das
empresas envolvidas no programa de melhoria. A segunda etapa foi a análise de casos
patológicos em 4 obras de forma que no final das duas etapas pode -se identificar os itens
para ações que poderiam minimizar as patologias.

Objetivo: Identificar as causas das patologias em revestimento cerâmico em fachadas de


forma a propor as ações para minimizar estas patologias.

Inicialmente é apresentada as patologias em revestimento cerâmico mais comuns neste tipo


de revestimento: destacamento, trincas, gretamento e fissuras, eflorescência e deterioração
das juntas.

Comunidade da Construção - Fortaleza 5


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

2. PATOLOGIAS NO REVESTIMENTO CERÂMICO

De acordo com CAMPANTE e BAIA (2003), a patologia dá -se quando uma parte do edifício,
em algum momento de sua vida útil, deixa de apresentar desempenho previsto. As
patologias nos revestimentos cerâmicos podem ter origem na fase de projeto - quando são
escolhidos materiais incompatíveis com as condições de uso, ou quando os projetistas
desconsideram as interações do revestimento com outras partes do edifício (esquadrias, por
exemplo), ou na fase de execução - quando os assentadores não dominam a tecnologia de
execução, ou quando os responsáveis pela obra não controlam corretamente o processo de
produção.

As patologias são evidenciadas por alguns sinais que, embora muitas vezes apareçam em
alguns componentes, podem ter origem em outros componentes de revestimento. Quando
há destacamento da placa cerâmica, isto não significa necessariamente que o problema foi
causado pela própria placa, o problema pode ter sido causado, por exemplo, por falta de
treinamento de mão -de -obra, que não respeitou o tempo em aberto da massa colante .

Dentre as patologias dos revestimentos cerâmicos estão: os destacamentos de placas; as


trincas, gretamento e fissuras; as eflorescências e deterioração das juntas.

2.1. Destacamentos

Os destacamentos são caracterizados pela perda de aderência das placas cerâmicas do


substrato, ou da argamassa colante, quando as tensões surgidas no revestimento cerâmico
ultrapassam a capacidade de aderência das ligações entre a placa cerâmica e argamassa
colante e/ou emboço. Devido à probabilidade de acidentes envolvendo os usuários e os
custos para seu reparo, esta patologia é considerada mais séria.

O primeiro sinal desta patologia é a ocorrência de um som cavo (oco) nas placas cerâmicas
(quando percutidas), ou ainda nas áreas em que se observa o estufamento da camada de
acabamento (placas cerâmicas e rejuntes), seguido do destacamento destas áreas, que
pode ser imediato ou não. Geralmente estas patologias ocorrem nos primeiros e últimos
andares do edifício, devido ao maior nível de tensões observados nestes locais.

As causas destes problemas são :

Comunidade da Construção - Fortaleza 6


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

• Instabilidade do suporte, devido a acomodação do edifício como um todo.

• Deformação lenta (fluência) da estrutura de concreto armado, variações higrotérmicas e


de temperatura, características um pouco resilientes dos rejuntes.

• Ausência de detalhes construtivos (contravergas, juntas de dessolidarização).

• Utilização da argamassa colante com um tempo em aberto vencido; assentamento sobre


superfície contaminada.

• Imperícia ou negligência da mão -de -obra na execução e/ou controle dos serviços
(assentadores, mestres e engenheiros).

Uma outra forma de se evitar a ocorrência deste tipo de patologia, além de corrigir todos os
passos citados anteriormente, seria evitar a execução dos revestimentos cerâmicos em uma
fase da construção em que o suporte ainda esteja recém -executado, evitando -se assim as
retrações que podem ocasionar tensões não consideradas no projeto do revestimento
cerâmico.

A recuperação desta patologia é extremamente trabalhosa e, na maior parte das vezes, cara
também, já que o reparo localizado nem sempre é suficiente para acabar com o problema,
que volta a ocorrer em outras áreas do revestimento cerâmico. Muitas vezes a solução é a
retirada total do revestimento, podendo -se chegar até ao emboço e se refazer todas as
camadas.

2.2. Trincas, gretamento e fissuras

Estas patologias aparecem por causa da perda de integridade da superfície da placa


cerâmica, que pode ficar limitada a um defeito estético (no caso de gretamento), ou pode
evoluir para um destacamento (no caso de trincas).

As trincas são rupturas no corpo da placa cerâmica provocadas por esforços mecânicos, que
causam a separação das placas em partes, com aberturas superiores a 1 mm. As fissuras
são rompimentos nas placas cerâmicas, com aberturas inferiores a 1 mm e que não causam
a ruptura total das placas. O gretamento é uma série de aberturas inferiores a 1 mm e que
ocorrem na superfície esmaltada das placas, dando a ela uma aparência de teia de aranha.

No quadro 1, CAMPANTE e BAIA (2003) explicam as causas das trincas, gretamento e fissuras.

Comunidade da Construção - Fortaleza 7


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 1 - Causas das trincas, gretamento e fissuras

Causa das trincas, Descrição


gretamento e
fissuras
Este problema ocorre quando há variação térmica e/ou
de umidade (a expansão por umidade é uma
característica limitada em 0,6 mm/m pela NBR 13818).
Dilatação e retração Estas variações geram um estado de tensões internas
das placas cerâmicas que, quando ultrapassam o limite de resistência da placa
cerâmica, causam trincas e fissuras, e, quando
ultrapassam o limite de resistência da camada de
esmalte, causam gretamento.
Esta deformação do edifício pode criar tensões na
alvenaria que, quando não são completamente
Deformação estrutural absorvidas, podem ser transferidas aos revestimentos.
excessiva Estes, por sua vez, podem não resistir ao nível de
tensões, rompendo -se e, muitas vezes, destacando -se
do substrato.
A falta de alguns detalhes construtivos, tais como vergas,
contravergas nas aberturas de janelas e portas,
Ausência de detalhes
pingadeiras nas janelas, platibandas e juntas de
construtivos
movimentação, podem ajudar a dissipar as tensões que
chegam até os revestimentos.
Este problema ocorre quando se usa argamassa de
fixação dosada em obra em vez de argamassa colante
industrializada. A retração da argamassa causada pela
Retração da hidratação do cimento podem causar um aperto ou
argamassa de fixação “beliscão” na placa cerâmica que, por estar firmemente
aderida a argamassa, pode tornar a superfície convexa e
tracionada, causando gretamento, fissuras ou mesmo
trincas nas placas cerâmicas.
Fonte: Adaptado de CAMPANTE e BAIA (2003).

Estas patologias ocorrem normalmente nos primeiros e últimos andares do edifício, geralmente pela
falta de especificação de juntas de movimentação e detalhes construtivos adequados. A inclusão
destes elementos no projeto de revestimento e o uso da argamassas bem dosadas ou colantes
podem evitar o aparecimento destes problemas.

2.3. Eflorescência

Este problema é evidenciado pelo surgimento na superfície no revestimento, de depósitos


cristalinos de cor esbranquiçada, comprometendo a aparência do revestimento. Estes

Comunidade da Construção - Fortaleza 8


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

depósitos surgem quando os sais solúveis nas placas de cerâmicas, nos componentes na
alvenaria, nas argamassas de emboço, de fixação ou de rejuntamento, são transportados
pela água utilizada na construção, ou vinda de infiltrações, através dos poros dos
componentes de revestimento (placas cerâmicas não esmaltadas, rejuntes). Estes sais em
contato com o ar solidificam, causando depósitos. Em algumas situações (ambientes
constantemente molhados) e com alguns tipos de sais (de difícil secagem), estes depósitos
apresentam -se como uma exsudação na superfície.

Não haverá ocorrência deste problema, quando eliminado qualquer um desses fatores: sais
solúveis, presença de água ou porosidade do componente de revestimento.

Algumas precauções podem ser tomadas para evitar a eflorescência:

• Reduzir o consumo de cimento Portland na argamassa de emboço ou usar cimento com


baixo teor de álcalis.

• Utilizar placas cerâmicas de boa qualidade, ou seja, queimadas em altas temperaturas (o


que elimina os sais solúveis de sua composição e a umidade residual).

• Garantir o tempo necessário para secagem de todas as camadas anteriores à execução


de revestimento cerâmico.

Para a remoção dos depósitos nas áreas já comprometidas com a ocorrência deste
problema, pode -se recorrer a uma simples lavagem da superfície do revestimento, o que
geralmente já é suficiente para a eliminação dos depósitos, mas eles podem voltar a ocorrer,
principalmente se as condições continuarem a serem propícias. Com o passar do tempo,
porém, o problema tende a diminuir, à medida em que os sais forem sendo eliminados.

Quanto à limpeza do revestimento cerâmico, deve -se evitar o uso de ácido muriático. Caso seja
necessário seu uso, fazê -lo em concentrações baixas e em pequena quantidade, enxaguando muito
bem a superfície após seu uso.

2.4. Deterioração das juntas

Este problema, apesar de afetar diretamente as argamassas de preenchimento das juntas


de assentamento (rejuntes) e de movimentação, compromete o desempenho dos
revestimentos cerâmicos como um todo, já que estes componentes são responsáveis pela
estanqueidade do revestimento cerâmico e pela capacidade de absorver deformações. Os

Comunidade da Construção - Fortaleza 9


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

sinais de que está ocorrendo uma deterioração das juntas são: perda de estanqueidade da
junta e envelhecimento do material de preenchimento.

A perda da estanqueidade pode iniciar -se logo após a sua execução, através de
procedimentos de limpeza inadequados. Estes procedimentos de limpeza podem causar
deterioração de parte do material aplicado (uso de ácidos e bases concentrados), que,
somados ataques de agentes atmosféricos agressivos e/ou solicitações mecânicas por
movimentações estruturais, podem causar fissuração (ou mesmo trincas) bem como
infiltração de água.

O envelhecimento das juntas entre componentes, por serem preenchidas com materiais à
base de cimento, normalmente não representa grandes problemas, já que o cimento é um
material de excelente durabilidade, desde que bem executado. Sua deterioração é
observada quando na presença de agentes agressivos, como a chuva ácida ou
aparecimento de fissuras. Quando estes rejuntes possuem uma quantidade grande de
resinas, deve -se considerar que estas são de origem orgânica e podem envelhecer, além
de perder a cor (caso sejam responsáveis pela coloração das juntas de assentamento).

As juntas de movimentação são preenchidas com selantes à base de poliuretano,


polissulfetos, silicone, dentre outros. Estes materiais de origem orgânica apresentam
durabilidade variadas, geralmente em torno de 5 anos, embora existam materiais no
mercado que possuem garantia de 20 anos. Sua deterioração é causada também por
microorganismos, razão pela qual, após o período de garantia, devem ser inspecionados e
trocados.

As maneiras de se evitar a ocorrências desta patologia estão diretamente ligadas ao controle


da execução do rejuntamento / preenchimento das juntas de movimentação, bem como à
escolha de materiais de preenchimento que atendam aos requisitos de projeto.

Comunidade da Construção - Fortaleza 10


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

3. PRÁTICA USUAL NA EXECUÇÃO DO REVESTIMENTO DE FACHADA

Realizada no período de setembro a novembro de 2003, com dez construtoras participantes


do Programa de Melhoria da Comunidade da Construção Civil de Fortaleza, das quais duas
enviaram mais dois questionários, resultando em 14 obras analisadas. O questionário
respondido por e -mail considerou os aspectos citados a seguir: estrutura de concreto
(número de pavimentos, tipo de fundação, tipo de laje, prazos do empreendimento); projetos
(elaboração de um projeto específico e itens que constam no projeto); planejamento
(argamassa, teste em painéis, substrato, condições de preparo da argamassa, verificação e
avaliação de aplicação da argamassa, planejamento físico e específico para execução de
revestimento); suprimentos (tipo de mão -de -obra para aplicação do revestimento e
recebimento dos materiais) e produção (treinamento para aplicadores e etapas da
execução).

3.1. METODOLOGIA

Esta pesquisa foi realizada no período de setembro a novembro de 2003, com dez
construtoras, das quais duas enviaram mais dois questionários, resultando em 14 obras. O
questionário respondido por e -mail abordava os aspectos sintetizados no quadro 2.

Quadro 2 - Detalhamento dos aspectos pesquisados.

Aspectos
Detalhamento
pesquisados
Estrutura de concreto Número de pavimentos, tipo de fundação, tipo de laje,
prazos do empreendimento.
Projetos Elaboração de um projeto específico e itens que constam
no Projeto.
Planejamento Argamassa, teste em painéis, substrato, condições de
preparo da argamassa, verificação e avaliação de
aplicação da argamassa e planejamento físico e
específico para execução de revestimento.
Suprimentos Tipo de mão -de -obra para aplicação do revestimento e
recebimento dos materiais.
Produção Treinamento para aplicadores e etapas da execução.
Controle tecnológico -
Outros -

Comunidade da Construção - Fortaleza 11


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

3.2. RESULTADOS

A pesquisa gerou resultados quantitativos e qualitativos conforme descritos a seguir.

3.2.1. Quantitativos

Das 14 obras pesquisadas 72%, são edifícios com mais de 20 pavimentos, conforme mostra
o gráfico 1.

até 03
14% 7% 7%
De 04 até 19

Mais de 20

72% Não
responderam

Gráfico 1 - Número de pavimentos

A estaca é o tipo de fundação mais utilizado na maioria dos edifícios pesquisados, sobretudo
se considerarmos as pré -moldadas e moldadas in loco que juntos representam 57% (ver o
gráfico 2).

Bloco

7% Sapata
29%
Estaca pré-
36%
7% moldada
21% Estaca molda
in loco
Outros

Gráfico 2 - Tipo de fundação

A laje nervurada foi a solução adotada por 60% das obras estudadas conforme o gráfico 3.

Comunidade da Construção - Fortaleza 12


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

7% 20%
13% Maciça
Nervurada
Protendida
60% Outros

Gráfico 3 - Tipo de laje

Através do gráfico 4, observamos que 21% dos empreendimentos são executados em até 48
meses .

Até 12 meses

7% Até 24 meses
14%
Até 48 meses
51%
21% Acima de 48
7% meses
Não responderam

Gráfico 4 - Prazos do empreendimento

A maioria das empresas não possui um projeto específico para revestimento de argamassa,
observar no gráfico 5.

Sim
7%
43% Não
50%
Não
Responderam

Gráfico 5 - Elaboração do projeto específico para revestimento de argamassa

Comunidade da Construção - Fortaleza 13


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Os itens que as construtoras pesquisadas priorizam mais em relação ao projeto são:


memorial de especificações dos materiais (50%) e a definição geométrica (50%) (ver na
tabela 1).

Tabela 1 - Itens que constam no projeto

% de
Itens que constam no projeto
empresas
Memorial de especificação dos materiais 50%
Definição Geométrica, posicionamento e detalhes 50%
Memorial Executivo 29%
Definições de controle de execução 7%
Definições de controle tecnológico 7%
Definição de rotina de manutenção e inspeção 7%
Das amostras estudadas na pesquisa, verificou -se que 79% dos substratos são executados
com argamassa dosada em obra (gráfico 6).

Dosada em obra
14%
7%
Argamassa
industrializada
79% Não responderam

Gráfico 6 - Tipo de argamassa usada no substrato

Pelas respostas obtidas nos questionários, a maioria não se manifestou sobre a utilização de
painéis em seus canteiros. Dos que responderam, apenas 7% localiza no subsolo, bandeja e
outros, de acordo com gráfico 7.

Comunidade da Construção - Fortaleza 14


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

7% 7% No subsolo
7%
Bandeja
Outros
79% Não responderam

Gráfico 7 - Local de painéis

A escovação é o tipo de procedimento mais utilizado pelas empresas estudadas para


melhorar aderência do concreto, sobretudo se considerarmos a escovação manual e
mecânica que juntas representam 44%, conforme mostra o gráfico 8 .

Escovação
manual
21% Lavagem
36%
Escovação
7% mecânica
7% Outros
29%
Não reponderam

Gráfico 8 - Substrato: Concreto (1)

A maioria das empresas, (44%), utilizam o chapisco convencional com aditivo, ver no gráfico
9.

Convencional 1:3

14% 14% Preparado em


14% 14% obra
Convencional 1:3
com aditivo
Manual
44%
Não responderam

Gráfico 9 - Aplicação chapisco (1)

Comunidade da Construção - Fortaleza 15


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Das empresas que responderam, 14% usam como substrato alvenaria de tijolo cerâmico e
14% bloco de concreto, conforme o gráfico 10.

Alvenaria de tijiolo
14%
cerâmico
14%
Bloco de concreto

72% Não responderam

Gráfico 10 - Substrato (2)

Das amostras estudadas, 21% executam algum tipo de limpeza do substrato, de acordo com
gráfico 11.

14%
7% Escovação manual
Lavagem
Não responderam
79%

Gráfico 11 - Preparo da base

Com relação à aplicação do chapisco, observamos que a maioria das obras utilizam
chapisco convencional, aplicado manualmente, observar no gráfico 12.

Comunidade da Construção - Fortaleza 16


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Convencional 1:3

Preparo em obra
21% 30%
Convencional 1:3
com aditivo
21% Manual
14%
14%
Não responderam

Gráfico 12 - Aplicação do chapisco (2)

No que se refere às condições de preparo da argamassa, 22% faz o uso da mistura


mecânica, 14% utiliza as recomendações de embalagem ou quantidade de água definida
pelo responsável pelo teste ou controlada pelos operadores (ver na tabela 2).

Tabela 2 - Condições de preparo da argamassa

% de
Itens avaliados no processo de preparo da argamassa
empresas
Testa mais de um tipo de argamassa 7%
Utiliza as recomendações de embalagem 14%
Quantidade de água é definida pelo responsável pelo teste 14%
Quantidade de água da mistura é controlada pelo operador 14%
Faz o uso de mistura mecânica 22%
Com relação à espessura do revestimento, 14% é definido pelo responsável ou utiliza
padrão de 3 cm ou usa outro método, de acordo com gráfico 13.

Definido pelo
responsável
14%
Padrão de 3 cm ou
14% putro valor
58% Outros
14%
Não responderam

Gráfico 13 - Espessura de revestimento

Comunidade da Construção - Fortaleza 17


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Através da tabela 3, observa -se que poucas empresas utilizam algum tipo de controle na
aplicação das argamassas.

Tabela 3 - Verificação e avaliação de aplicação das argamassas.

% de
Itens avaliados na aplicação das argamassas
empresas
Testa duas cheias/ duas chapadas no úmido sobre úmido 0%
Testa duas cheias úmido sobre seco 0%
Tempo de puxamento 7%
Faz amostragem da argamassa fresca para ensaios laboratoriais 7%
Rendimento da argamassa 7%
Resistência Superficial 7%
Fissuras por retração plástica 14%
Textura 14%
Trabalhabilidade 14%
Ensaio de aderência 22%
Verificamos que 65% da mão -de -obra usada para aplicação de revestimento é própria, de
acordo com o gráfico 14.

14%
Própria

21% Terceirizada
65% Não responderam

Gráfico 14 - Mão -de -obra para aplicação de revestimento

O tipo de controle de materiais executado pelas empresas pesquisadas é mostrado na


tabela 4.

Comunidade da Construção - Fortaleza 18


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Tabela 4 - Recebimento de materiais

% de
O tipo de controle de materiais executado pelas empresas
empresas
Exige Laudo de caracterização dos materiais - (Água e Areia) 14%

Consulta normas referentes a materiais. Quais? 14%


Faz algum controle expedito no recebimento da areia e outros
43%
materiais. Quais? (Cimento = Laudo específico de água)
Percebe quando recebe lotes diferentes 50%
Com relação ao treinamento para os aplicadores, as empresas apresentam uma boa
conscientização (observar tabela 5).

Tabela 5 - Treinamento para aplicadores

% de
Tipo de treinamento realizado para aplicadores
empresas
Manuseio de argamassa 57%
Detalhes construtivos: juntas, frisos, colocação de tela 57%
Aplicação da argamassa 64%
Segurança NR -18 64%
De acordo com a tabela 6, a maioria das empresas se preocupam com a realização das
etapas de execução para garantir a melhoria da qualidade.

Tabela 6 - Etapas da execução

% de
Controle de qualidade realizado durante a execução
empresas
Existe procedimento de retroalimentação 22%
Faz controle durante a execução 29%
Existe procedimento de aceitação do revestimento 29%
Existe procedimento de verificação antes do início do revestimento 50%
Efetua mapeamento 50%
Exige procedimento de controle durante a execução 50%
Efetua taliscamento 72%

Comunidade da Construção - Fortaleza 19


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Apesar dos controles executados, ainda existe deficiência na execução dos sistemas,
conforme mostra a Tabela 7.

Tabela 7 - Patologias

Grau de importância
Tipo de patologia
Baixo Médio Alto
Fissuras no revestimento nas primeiras idades 29% 14% 0%
Desplacamento de revestimento por esmagamento do 29% 0% 0%
componente de alvenaria
Desplacamento do revestimento por falta de aderência 7% 0% 0%
entre a argamassa e o substrato sem chapisco
Falta de aderência entre a argamassa de emboço e a 0% 29% 43%
argamassa colante do revestimento cerâmico
Formação de bolhas no pintura, com posterior 14% 7% 0%
descamação da superfície da argamassa
Desplacamento do revestimento interno com idade 22% 0% 0%
inferior a 5 anos
Desplacamento do revestimento durante a execução 7% 0% 0%
Identificação de falta de aderência por desmoldante 22% 0% 0%
das formas de concreto
Pulverulência na superficie da argamassa 0% 0% 7%
Falta de aderência do chapisco com argamassa 7% 0% 0%
Presença de manchas/ eflorescência 14% 29% 7%
A partir dos dados coletados, foi constatado que 14% das patologias acontecem na fachada
leste (gráfico 15).

7% 7% Norte

14% Sul
Leste
65% 7% Oeste
Não responderam

Gráfico 15 - Fachadas com Patologia

Comunidade da Construção - Fortaleza 20


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

De acordo com o gráfico 16, verificamos que a maioria das empresas utilizam juntas de
movimentação a cada três pavimentos.

A cada pavimento

14%
29%
A cada três
pavimentos
7%
7% 43% Sem junta

Gráfico 16 - Juntas de movimentação

3.2.2. Qualitativos

Os resultados dos dados coletados sobre o processo praticado no assentamento de


cerâmica em fachadas, o tipo de argamassa e cerâmica são aprensentados a seguir.

Apenas uma das obras estudadas aplica o revestimento externo através do sistema úmido
sobre úmido, não tendo evidenciado problemas patológicos. O referido sistema é detalhado
no quadro 3.

Quadro 3 - Seqüência executiva do sistema de assentamento de


cerâmica úmido sobre úmido.

• Fechamento de falhas na alvenaria (tijolos quebrados, juntas sem argamassa, etc.), com
argamassa no mesmo traço do revestimento.(balança sobe)

• Execução de chapisco aplicado com colher, em todas as áreas a revestir, no traço 1 : 4


(cimento e areia grossa).(balança desce)

• Colocação de telas galvanizadas (largura de 0,50m) nas junções das alvenarias com a
estrutura simultaneamente ao chapisco.

• Execução de emboço/reboco, massa única, no traço 1 : 1 : 7 (l saco de cimento, 1 saco


de cal, e 7 padiolas de areia, 35 x 45 x 28cm, 5 de areia grossa e 2 de areia
vermelha).(balança desce)

Comunidade da Construção - Fortaleza 21


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

• O emboço executado pela manhã deverá receber cerâmica à tarde, sendo evitado a
execução de emboço para a aplicação de cerâmica somente no dia seguinte.

• As cerâmicas permanecem imersas em água, antes da aplicação, por um período não


inferior a 12 horas.

• As cerâmicas são coladas sobre o emboço, com uma pasta de cimento e areia vermelha
peneirada, no traço 2 : 1 (2 de cimento e 1 de areia em volume).

• São executadas juntas horizontais na face inferior das vigas externas a cada dois
pavimentos.

• Em cerâmicas com garras (ex. Gail), é preenchido com a pasta também o tardoz da
cerâmica, dupla colagem.

• As cerâmicas com grande presença de engobe são lavadas e escovadas antes da


aplicação.

• O rejunte das cerâmicas executado após decorrido um prazo mínimo de 30 dias da


aplicação das mesmas. (balança sobe emassando e desce lavando).

A não incidência de patologia foi também evidenciada por uma construtora que utiliza a
argamassa industrializada no assentamento do revestimento cerâmico da fachada. O
procedimento adotado pela referida empresa é detalhado no quadro 4.

Quadro 4 - Seqüência executiva do sistema de assentamento de


cerâmica com argamassa industrializada sem incidência de
patologia

CICLO SOBE DESCE


1º Lixando e lavando Chapiscando
2º Gabaritando Rebocando
3º Protegendo as juntas Revestindo
4º Rejuntando Lavando
O quadro 5 apresenta os procedimentos adotados pelas empresas que utilizam argamassa
industrializada no revestimento externo cerâmico e apresentam patologias.

Comunidade da Construção - Fortaleza 22


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 5 - Seqüência executiva do sistema de assentamento de


cerâmica com argamassa industrializada com incidência de
patologia.

Processo utilizado no assentamento de cerâmica com argamassa


Obra
industrializada com incidência de patologia.
1 1.º - Sobe verificando e limpando - Desce Chapiscando
2º - Sobe emestrando - Desce emboçando
3º - Sobe Ponteando - Desce Colocando Cerâmica
4º - Sobe Rejuntando - Desce Limpando
5 1ª Subida - Limpeza e recorte das rebarbas
1ª Descida - Chapisco
2ª Subida - Prumos e emestramento
2ª Descida - Emboço e ponteamento da cerâmica
3ª Subida - Reboco paulista (fachadas norte e leste)
3ª Descida - Aplicação do revestimento
4ª Subida - Rejuntamento
4ª Descida - Limpeza
6e7 1ª Subida - Limpeza e recorte das rebarbas
1ª Descida - Chapisco
2ª Subida - Prumos e emestramento
2ª Descida - Emboço e ponteamento da cerâmica
3ª Subida - Transporte da balança p/ descer aplicando o revestimento
3ª Descida - Aplicação do revestimento
4ª Subida - Rejuntamento
4ª Descida - Limpeza
13 1ª subida: Tamponamentos em geral e corte de rebarbas das estruturas
1ª descida: Lavando o substrato do concreto, chapiscando com chapisco
aditivado o concreto e colocando tela
2ª subida chapiscando a alvenaria
2ª descida: Emestrando, emboçando e definindo locais das juntas de
dilatação ( paginação vertical)
3ª subida : sem realizar nenhuma atividade
3ª descida: Assentamento cerâmico
4ª subida: Rejuntando e preenchendo as juntas de dilatação
4ªdescida: Lavando a fachada
Comunidade da Construção - Fortaleza 23
REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

14 1º ciclo: sobe - tamponamento dos furos e chapisco da estrutura


desce - chapisco da alvenaria e arame dos prumos
2º ciclo: sobe - emestrando
desce - reboco e emboço de fachada
3º ciclo: sobe - subida da balança
desce - assentamento do revestimento externo e abertura das
juntas
4º ciclo: sobe - rejuntando e tratando as juntas
desce - limpeza
A obra com ausência de patologia utiliza argamassa industrializada dosada em obra 1:1:6
(Cim:Cal:Areia). A tabela 8 mostra uma variedade de traços utilizada pelas obras que
apresentam incidência de patologia.

Comunidade da Construção - Fortaleza 24


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Tabela 8 - Argamassa industrializada

Argamassa
Obra Argamassa dosada em obra industrializada
ensacada
1 1:2:8 - Cim:Cal:Areia
2 1:1 + 2% OBE
3 REJUNTAMIX
4 1:6 (cimento/areia grossa peneirada com aditivo acrílico
da matisica)
5 Assentamento - 1:2 (cimento + areia vermelha)
Chapisco - 1:3 (cimento + areia grossa)
Emboço - 1:6(cimento + areia vermelha)+ SIKANOL +
SIKATARD
Reboco paulista -1:3 (CIM + AG) c/ pavicril na água de
amassamento - 4:1 ( água + pavicril)
6 Chapisco - 1:3 (cimento + areia grossa)
Emboço - 1:5:1 (cimento + areia grossa+ areia vermelha)
7 Assentamento - 1:2 (cimento + areia vermelha)
Chapisco - 1:3 (cimento + areia grossa)
Emboço - 1:5:1 (cimento + areia grossa+ areia vermelha)
11 1:6 (cimento + areia grossa) 200 ml de Alvenarit
12 1 (cimento + areia grossa) + aditivo alvenarit
13 Chapisco - 1:3:X (cimento + areia grossa) + aditivo, no
caso dos concretos
Emboço - 1:4:x (cimento + areia grossa) + aditivo
Reboco - 1:5:X (cimento + areia grossa) + aditivo
Revestimento cerâmico - 1:2:X (cimento + areia grossa) +
aditivo
14 1:5 + 200 ml alvenarit Para
assentamento do
revestimento :
Porcelanato 30 x
30 cm - AC -III e
concremassa
Cerâmica 20 x 20
e pastilha 5 x 5 -
AC - II -
Concremassa

O tipo de cerâmica utilizado pelas obras estudadas é explicitado no quadro 6.

Comunidade da Construção - Fortaleza 25


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 6 - Tipo de Cerâmica utilizado nas obras pesquisadas

Obr
Fabricante Cor Tamanho (cm) Esmaltada
a
1 Cecrisa Branco e Cinza 10 x 10 Sim
2 Cecrisa Bege 20 X 20 Sim
3 Gail Natural 11 x 24 Não
3 Cecrisa Branca 10 x 10 Sim
4 Cecrisa Branca, Azul e Caramelo 10 x 20 Sim
5 Cecrisa Azul Blue, Branca, Verde e Bordeaux 10 x 10 Sim
6 Portobello;Gail Branca, vermelha; Damasco 10 x 10 e 24 x 11.6 Sim
7 Cecrisa Azul royal, Branco e Violeta 10 x 10 Sim
11 Portobelo Branca 10 x 10 Sim
12 Gail Vermelha, Branca, Café 21x 11.6 e 30 x 30 Sim
14 Tec -Cer Cinza 20 X 20 Sim

Comunidade da Construção - Fortaleza 26


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4. ESTUDO DE CASO

Esta pesquisa foi realizada no período de outubro a março de 2003, com quatro obras das
construtoras participantes do Programa de Melhoria da Comunidade da Construção Civil de
Fortaleza.

O estudo das causas das patologias nestas obras foi realizado através de entrevistas com
os engenheiros das construtoras, observações visuais, registros fotográficos, análise
documental e ensaios laboratoriais. As observações visuais, entrevistas com engenheiros,
registros fotográficos foram realizados nas obras A, B C e D. O ensaio de EPU foi realizado
pelo laboratório do SENAI de São Bernardo do Campo somente na obra D. Nas obras A e C
foram considerados dados históricos da cerâmica gail e na obra B foi utilizado já dados de
ensaios realizados por consultoria contratada pela construtora. O quadro 1 sintetiza o tipo
de estudo realizado em cada obra.

O quadro 1 - Tipo de estudo realizado em cada obra.

Obra A
Registros fotográficos
Entrevista com engenheiro
Ensaios de aderência
Obra B
Observações visuais
Registros fotográficos
Entrevista com engenheiro
Ensaios laboratoriais - (relatório consultoria)
Obra C
Observações visuais
Registros fotográficos
Entrevista com engenheiro
Ensaios de aderência

Comunidade da Construção - Fortaleza 27


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Obra D
Observações visuais
Registros fotográficos
Entrevista com engenheiro
Ensaios de aderência e EPU

4.1. Resultados gerais

Para apresentação dos resultados gerais as obras serão denominadas obras A, B, C e D por
data de conclusão que são respectivamente 1996, 1998, 1999 e 2000.

4.1.1. Tipologia das obras

A tipologia das obras estudadas está sintetizada no quadro 2. Todas as edificações


pesquisadas são construídas em concreto armado e utilizam esquadrias de alumínio. O
quadro 2 mostra uma variação significativa de altura dos edifícios. O Referido quadro mostra
o uso de cerâmicas gail, cecrisa e porto belo com predominância da cor branca e dimensões
10 x 10cm.

Quadro 2 - Tipologia das obras pesquisadas

Obra A
Concreto armado convencional, com 01 (um) subsolo, pavimento térreo.
Cerâmica Gail de 24 x 11,6 cm, nas cores Branco brilhante e Vermelho Flash e esquadrias
em alumínio e mezanino e 22 pavimentos.
Obra B
Concreto armado convencional, com estacionamento em pilotis e 02 pavimentos tipo.
Cerâmica Cecrisa de 10 x 10 cm, nas cores branca e cinza e esquadrias em alumínio e
vidros.
Obra C
Concreto armado convencional, com garagens no subsolo pavimento térreo, mezanino, 23
pavimentos tipo e cobertura.
Cerâmica Gail na cores telha nas dimensões de 12 x 24 cm e Porto Belo na cor branca de
10 x 10 cm e esquadrias em alumínio e vidros.
Obra D
Concreto armado convencional, com garagens em subsolo e no pilotis e 14 (quatorze)
pavimentos tipo.

Comunidade da Construção - Fortaleza 28


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Cerâmico das marcas CECRISA na cores verde e dimensões de 10 x 10 cm, Porto Belo na
cor branca rajada e dimensões de 10 x 10 cm, e Porto Belo na cor branca lisa e dimensões
de 10 x 10 cm, pintura em textura acrílica e esquadrias em alumínio e vidros.

4.1.2. Tipo de estudo realizado

O quadro 3 mostra que a fachada oeste e a leste foram as regiões onde ocorreram os
problemas de descolamento de cerâmica com maior e menor freqüência respectivamente.
Nas fachadas Norte e Sul a ocorrência de patologias é da ordem de 50% nas edificações
pesquisadas.

Quadro 3 - Fachadas estudadas

Obra A
Fachadas Norte, Leste e Oeste
Obra B
Fachadas Sul e Oeste
Obra C
Fachadas Norte, Sul e Oeste,
Obra D
Fachadas Sul e Oeste

4.1.3. Informações coletadas nas entrevistas realizadas com engenheiros das obras

A falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre o uso de argamassa


industrializada, ou seja, fator água argamassa e tempo em aberto por parte dos
assentadores que os levaram a produzir grande quantidade de argamassa e a puxar panos
inadequados e ausência de juntas de movimentação e dessolidarização foram apontados
por todos os engenheiros entrevistados como fatores que contribuíram para a incidência de
patologias. O quadro 4 sintetiza as informações fornecidas na entrevista pelo engenheiro de
cada obra.

Comunidade da Construção - Fortaleza 29


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 4 - Informações fornecidas na entrevista pelo engenheiro


de cada obra

Obra A
O processo de descolamento teve início no ano de 2001;
Cerâmicas utilizadas: Cerâmica Gail de 24x11,6 cm, nas cores Branco brilhante e Vermelho
Flash;
Argamassa de Assentamento.
Executada na Obra: Cimento + Areia grossa + Concentrado OBE
Traço: em peso, 5kg : 12,5kg : 0,15kg
Não houve treinamento específico para capacitação da mão de obra;
Quando da execução das fachadas não foram previstas juntas de movimentação
(horizontais e verticais) e dessolidarização;
Foram executadas posteriormente juntas de movimentação horizontal quando do
surgimento dos descolamentos com a utilização de Mástique à base de Poliuretano.
Já foram detectados e corrigidos em torno de 5% de descolamento nas 04 fachadas, com
maior incidência nas cerâmicas Gail de 24x11,6 cm em Vermelho Flash;
Argamassa de rejunte tipo rígida;
Executada na obra. Cimento + Areia grossa (1:3)
Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre, fator água cimento e tempo em
aberto por parte dos assentadores que os levaram a produzir grande quantidade de
argamassa e a puxar grandes panos;
Chapisco convencional;
Executado na obra: Cimento + Areia grossa (1:3)
Emboço;
Executado na obra: Cimento + Areia grossa (1:5) + 200ml de Alvenarit.
Obra B
A processo de descolamento teve início antes da entrega da obra;
Cerâmica utilizada: Cecrisa de 10 x 10 cm nas cores: branca e cinza;
Argamassa utilizada: Argamassa Industrial Carbomil Tipo ACII;
Não houve treinamento específico para capacitação da mão de obra;
Deficiência no processo construtivo por falta de conhecimento por parte dos operários sobre
a utilização de argamassa industrializada;
Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização;
Os problemas ocorridos na obra já foram objeto de estudo pela Consultare em março de
2000.

Comunidade da Construção - Fortaleza 30


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Obra C
Foi realizada intervenção nas fachadas com três anos de conclusão do empreendimento;
Fachada Norte apresentou maior incidência de descolamento de cerâmica sendo
necessária a sua total substituição;
As Fachadas Oeste e Leste foram substituídas todas as áreas que apresentaram alguma
concentração de cerâmicas com som cavo, característico de perda de aderência,
obedecendo ao relatório apresentado pelo condomínio;
Estimou -se que cerca de 35% do revestimento gail em todas as Fachadas apresentou
problema e teve que ser substituído;
Argamassa utilizada na execução das fachadas ACII, fabricante Rejuntamix;
Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre o uso de argamassa
industrializada, fator água argamassa e tempo em aberto por parte dos assentadores que
os levaram a produzir grande quantidade de argamassa e a puxar grandes panos;
Não execução de juntas de movimentação e dessolidarização quando da execução das
fachadas;
Não selagem nos contornos das janelas permitindo a infiltração de água de chuva;
Foram executadas na recuperação juntas em todas as fachadas a cada três pavimentos na
parte superior das vigas.
Obra D
A argamassa utilizada na execução das fachadas foi argamassa cola;
Foram realizadas 03 (três) intervenções na parte curva das fachadas Oeste/ Sul, na área
onde foi assentada cerâmica de marca CECRISA de 10 x 10 cm, cor verde. A 1ª
intervenção em fevereiro de 2001, a 2ª em agosto de 2003 e a 3ª em outubro de 2003;
Quando da 2ª Intervenção de recuperação foram substituídas cerca de 400 peças da
cerâmica CECRISA;
Na 2ª intervenção foi aplicada argamassa colante AC III;
A fachada oeste apresenta, nas áreas onde foram assentadas as cerâmicas de marca Porto
Belo de 10 x 10 cm, cor branca, descolamento sendo necessária substituição de algumas
peças;
Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre o uso de argamassa
industrializada, ou seja, fator água argamassa e tempo em aberto por parte dos
assentadores que os levaram a produzir grande quantidade de argamassa e a puxar panos
inadequados;
Não foram executadas juntas de movimentação e dessolidarização quando da execução
das Fachadas;
Foram executadas juntas de movimentação, quando da recuperação, na parte curva
Fachada Oeste/ Sul e em parte da Fachada Leste, região extrema com a Fachada Norte.

4.1.4. Ensaios laboratoriais

Os quadros 5, 6, 7 e 8 mostram os resultados dos ensaios laboratoriais utilizados no estudo.

Comunidade da Construção - Fortaleza 31


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 5 - Resultados dos ensaios laboratoriais utilizados no


estudo da - Obra A.

ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA


Resistência a
Amostra
Local do ensaio aderência Local de ruptura

MPa
01 Fachada Norte 0,26 50% B
02 Fachada Norte 0,03 25% B
03 Fachada Sul - 35% A
04 Fachada Sul 0,15 10% B e 70% D
05 Fachada Sul 0,41 30%A, 20% C e 50%D
06 Fachada Sul 0,03 30% A
07 Fachada Sul 0,35 100% D
08 Fachada Sul - 50% A
09 Fachada Leste 0,23 100% D
10 Fachada Leste 0,04 100% D
Obs.: A - Ruptura na interface placa cerâmica / argamassa de assentamento
B - Ruptura no interior da argamassa de assentamento
C - Ruptura na interface argamassa de assentamento /substrato(emboço)
D - Ruptura no interior da argamassa do substrato (emboço)
Obs.: 02 Corpos de prova não registraram carregamento.
Obs.: Historicamente a cerâmica Gaill apresenta valores de Absorção em torno de 2,5%
e a Expansão Higroscópica 0,015 mm/m.

Comunidade da Construção - Fortaleza 32


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 6 - Resultados dos ensaios laboratoriais utilizados no


estudo da Obra B.

ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA


Resistência a
Amostra nº Local do ensaio aderência Local de ruptura
MPa
01 Torre Esquerda * 96% (d)/ 4% (c)
02 Fachada Principal 0,28 11% (b)/87 (d)/ 2% ( a)
03 Torre Direita 0,03 31% (a)/ 6% (b)/ 63 (c)
04 Fachada Principal 0,10 100% (a) **
05 Fachada Principal *** 100% (a)**
06 Fachada Principal 0,21 23% (a)/ 77% (c)
Obs.: * Ruptura após o corte, ** Ausência de esmagamento completo dos
cordões, ***Ruptura da placa no início da aplicação da carga.
ºCERÂMICA AMOSTRA N VALOR (%)

Absorção

EPU EPU
CERÂMICA AMOSTRA Nº OCORRIDA
(mm/m) (mm/m)

Cinza 01 0,50 0,25


Cinza 02 1,02 0,48
Cinza 03 0,90 0,30
Expansão Cinza 04 0,87 0,22
Higroscópica
Cinza 05 0,50 0,10
Branca 07 1,14 0,47
Branca 089 1,12 0,47
Branca 07 1,17 0,69
Branca 08 0,99 0,53
Branca 10 1,10 0,50
Obs.: Os ensaios de Aderência e EPU foram fornecidos pela Construtora - relatório da
Consultare.

Comunidade da Construção - Fortaleza 33


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 7 - Resultados dos ensaios laboratoriais utilizados no


estudo da Obra C.

ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA


Resistência a
Amostra nº Local do ensaio aderência Local de ruptura
MPa
01 Fachada Sul 0,71 100 % A
02 Fachada Sul 0,44 020% A / 030 % C
03 Fachada Sul 0,63 100% A
04 Fachada Sul 0,68 100 % A
05 Fachada Oeste 0,33 100 % A
06 Fachada Oeste 0,49 100 % A
07 Fachada Oeste 0,41 050 % C
08 Fachada Oeste 0,08 020% A/ 040% B
Obs.: A - Ruptura no interior da argamassa de emboço
B - Ruptura na interface da placa cerâmica / argamassa de emboço
C - Ruptura no interior da argamassa colante
Obs.: 02 Corpos de prova foram arrancados pelos operários da
Colméia.
Obs.1: Historicamente a cerâmica Gail apresenta valores de Absorção em torno de
2,5% e a Expansão Higroscópica. em torno de 0,015 mm/m
Para se ter uma noção da situação da atual das fachadas realizou -se nas fachadas oeste e
sul ensaios de aderência do revestimento Gail cor telha, dispensando -se os ensaios
laboratoriais de Absorção e Expansão por Umidade devido o conhecimento prévio,
comprovado em laboratório, dos resultados dos ensaios com relação a cerâmica Gaill que
giram em torno de 2,5% de absorção e baixa expansão por umidade, estando de acordo
com às diretrizes da Norma NBR -13818/97.

Comunidade da Construção - Fortaleza 34


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Quadro 8 - Resultados dos ensaios laboratoriais utilizados no


estudo da obra C.

ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA


Resistência a
Amostra nº Local do ensaio aderência Local de ruptura
MPa
01 Fachada Oeste 0,23 100 A
02 Fachada Oeste 0,36 100 A
03 Fachada Oeste 0,77 100 A
04 Fachada Oeste 0,22 100 A
05 Fachada Oeste 0,15 100 A
06 Fachada Norte 0,21 100 B
07 Fachada Oeste 0,49 080 B/ 020 C
08 Fachada Oeste 0,93 060 A/ 020 C
09 Fachada Norte 0,64 050 A/ 010 B/ 015 C
10 Fachada Norte 1,18 080 A/ 010 C
Obs.: A - Ruptura no interior da argamassa de emboço
B - Ruptura na interface da placa cerâmica / argamassa de emboço
C - Ruptura no interior da argamassa colante
Relatório de Ensaio - DITEC Nº 1899, ANEXO.
ºCERÂMICA Amostra Nº VALOR MÉDIO(%)
Porto Belo 9,5x9,5 cm 10 0,7
Absorção
Cecrisa 9,5x9,5 cm 08 3,2

Expansão EPU EPU


Higroscópica CERÂMICA Amostra Nº Ocorrida
(mm/m) (mm/m)

CEMINA / Ouro Velho 05 Unidades 0,08 0,10


9,5 X 9,5 CM
Porto Belo, Pantanal 9,5 05 Unidades 0,00 0,00
X 9,5 CM
Conforme os resultados dos ensaios de Expansão por Umidade, realizados pelo
laboratório do SENAI / São Bernardo do Campo, em anexo, os valores máximos de
0,1 mm/m para a cerâmica CEMINA/ OURO VELHO 9,5 X 9,5 CM, 0,00 mm/m para
cerâmica PORTO BELO, PANTANAL 9,5 X 9,5 CM, estão em conformidade com a
NBR -13818 que admitem valores inferiores a 0,6 mm/m, não sendo pois a causa
determinante para o descolamento das cerâmicas da fachada.

Comunidade da Construção - Fortaleza 35


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.1.5. Diagnóstico dos problemas

Os principais fatores dos destacamentos ocorridos nas edificações pesquisadas,


considerando as informações obtidas através das entrevistas realizadas com os
engenheiros, as observações visuais e os ensaios executados são sintetizados no quadro 9

Quadro 9 - Diagnóstico dos problemas de revestimento nas


Fachadas estudadas

Obra A
A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento. O baixo
desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por vários motivos, dentre os
quais se destaca a falta de capacitação da mão de obra que levaram a: abertura de grandes
panos; não observância do tempo em aberto e adição em excesso de água de
amassamento por parte dos assentadores de cerâmica. Podendo constar nos resultados de
aderência, onde 85 % dos valores encontram -se abaixo de 0,30 MPa;
Baixa resistência da argamassa de emboço;
Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR -13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios pré -
determinados;
Não preenchimento adequado do tardoz da cerâmica Gail (colocação de argamassa no
tardoz para garantir a aderência mecânica as garras), conforme recomendação da NBR
13755/97. Soma -se a esse fato a falta de aderência física pela aplicação de argamassa de
assentamento inadequada, sobre uma cerâmica de baixa absorção, constatado durante a
realização dos ensaios de aderência.

Comunidade da Construção - Fortaleza 36


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Obra B
Especificação inadequada do revestimento cerâmico. Tal fato foi comprovado pelos
resultados dos ensaios de EPU fornecidos que apontam para valores acima do permitido
pela NBR 13818/97, que são da ordem de 0,6 mm/m. A excessiva expansão provoca o
aumento das tensões no revestimento e podem ocasionar o colapso do revestimento.
A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento Os resultados
dos ensaios mostram que dos 06 (seis) executados no revestimento cerâmico todos foram
inferiores a 0,30 MPa, ou seja 100%, abaixo do valor estabelecido pela NBR 13755/96. O
baixo desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por vários motivos,
dentre os quais se destacam a falta de capacitação da mão de obra que possivelmente
levaram a: abertura de grandes panos (segundo informações obtidas durante a vistoria);
não observância do tempo em aberto e adição em excesso de água de amassamento por
parte dos assentadores de cerâmica;
Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR -13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo aos critérios pré -
determinados.
Deficiência no assentamento, pois as cerâmicas não apresentaram o preenchimento
adequado do tardoz quando do assentamento, conforme recomendação da NBR 13755/97.
Obra C
A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento. O baixo
desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por vários motivos, dentre os
quais se destaca a falta de capacitação da mão de obra que levaram a: abertura de grandes
panos; não observância do tempo em aberto e adição em excesso de água de
amassamento por parte dos assentadores de cerâmica;
Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR -13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios pré -
determinados;
Não preenchimento adequado do tardoz da cerâmica Gail (colocação de argamassa no
tardoz para garantir a aderência mecânica as garras), conforme recomendação da NBR
13755/97. Soma -se a esse fato a falta de aderência física pela aplicação inadequada da
argamassa de assentamento sobre uma cerâmica de baixa absorção;
Não selagem nos contornos das janelas permitindo a infiltração de água de chuva e
aceleração do processo de degradação do revestimento.

Resultados dos ensaios nos locais recuperados.


Os resultados dos ensaios mostram que dos 08 (oito) executados no revestimento cerâmico
01 (um) apresentou resultado inferior a 0,30 MPa, ou seja 8%, abaixo do valor estabelecido
pela NBR 13755/96.

Comunidade da Construção - Fortaleza 37


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Obra D
A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento. Os resultados
dos ensaios mostram que dos 10 (dez) executados no revestimento cerâmico, 04 (quatro)
apresentaram valores inferiores a 0,30 MPa, ou seja 40%, abaixo do valor estabelecido pela
NBR 13755/96. O baixo desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por
vários motivos, dentre os quais se destacam a falta de capacitação da mão de obra que
levaram a abertura de grandes panos; não observância do tempo em aberto e adição em
excesso de água de amassamento por parte dos assentadores de cerâmica. Também
contribui para o baixo desempenho da argamassa a sua especificação inadequada, para
cerâmicas de baixa absorção;
Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR -13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios pré -
determinados.
Deficiência no assentamento, pois as cerâmicas não apresentaram o preenchimento
adequado do tardoz quando do assentamento, conforme recomendação da NBR 13755/97.

Comunidade da Construção - Fortaleza 38


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os resultados do estudo mostraram que apenas duas empresas não apresentam problemas
de patologia nos revestimentos cerâmicos das fachadas. Sendo que uma delas utiliza o
método de assentamento de cerâmica úmido sobre úmido, e a outra argamassa
industrializada. Todas as demais utilizam este segundo método, entretanto a empresa que
não registrou patologias elabora o projeto de produção do revestimento externo e tem
controle do processo.

A partir dos dados analisados sobre as fundações e estruturas das edificações estudadas,
não foi possível constatar interferência dos aspectos estruturais nas patologias dos
revestimentos de fachadas. A pesquisa direciona para a necessidade de estudos nessa
linha.

No que diz respeito aos projetos, ficou evidente a necessidade de elaboração de projetos de
revestimento detalhados. Certamente as diretrizes de projetos desenvolvidos no programa
de melhoria serão úteis neste processo de aprimoramento.

Na fase de planejamento, ficou evidente a necessidade de uma série de procedimentos que


certamente influenciarão na redução das patologias dos revestimentos de fachadas. A
experiência da execução monitorada do revestimento de fachadas na obra do minicase será
útil para as empresas que quiserem melhorar neste aspecto.

A fase de suprimento e de produção indica a necessidade de maior controle e o treinamento


como uma alternativa viável por se tratar de mão -de -obra própria na sua maioria.

O estudo não permitiu concluir sobre a influência da cor, das dimensões e da existência de
esmalte de cerâmica utilizada nas causas das patologias. A pesquisa evidenciou a
necessidade de aprofundamentos sobre este aspecto .

Em síntese a pesquisa indicou a necessidade de:

• Execução e melhoria de qualidade dos projetos de revestimento;

• Melhoria do controle das fases de planejamento, suprimentos, produção e;

• Treinamento do pessoal envolvido com revestimento de fachadas.

Comunidade da Construção - Fortaleza 39


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

A ausência de juntas de movimentação e dessolidarização longitudinal e/ou transversal e


deficiência no assentamento das cerâmicas foram considerados fatores críticos no
descolamento das cerâmicas. Isto significa que a elaboração do projeto de fachada e a
capacitação dos assentadores são ações necessárias para evitar que este tipo de problema
volte a acontecer. A introdução de juntas planejadas ajuda a minimizar as patologias
existentes.

Comunidade da Construção - Fortaleza 40


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

6. BIBLIOGRAFIA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 13817: Placas cerâmicas


para revestimento - Classificação. Rio de Janeiro, 1997.

___. NBR 13818: Placas cerâmicas para revestimento - Especificação e métodos de ensaios.
Rio de Janeiro, 1997.

___. NBR 1408: Argamassa colante industrializada para assentamento de placas de cerâmica -
Especificação. Rio de Janeiro, 1998.

___. NBR 13753: Revestimento de piso interno ou externo com placas cerâmicas e com
utilização de argamassa colante - Procedimento. Rio de Janeiro, 1996.

___. NBR 13754: Revestimento de paredes internas com placas cerâmicas e com utilização de
argamassa colante - Procedimento. Rio de Janeiro, 1996.

BAÍA, L.L.M.; SABATTINI, F.H. Projeto e execução de revestimento de argamassa. Coleção


Primeiros Passos da Qualidade no Canteiros de Obras. São Paulo: O Nome da Rosa Editora, 2000.

BARROS, M.M.S.B. ET AL. Recomendações para produção de revestimentos cerâmicos para


paredes de vedação em alvenaria. São Paulo: Projeto EPUSP/ SENAI, 1998.

CAMPANTE, E. F. Metodologia para diagnóstico, prevenção e recuperação de manifestações


patológicas em revestimento cerâmico de fachadas. São Paulo, 2001. Tese de Doutorado,
Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

MEDEIROS, J.S. Tecnologia e projetos de revestimentos cerâmicos de fachadas de edifícios.


São Paulo, 1999.Tese de Doutorado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

SABBATINI, F.H. Tecnologia de produção de revestimentos cerâmicos: PCC 831. São Paulo,
1995. (Notas de aula do curso de Pós -Graduação).

SABBATINI, F.H. Tecnologia de produção de revestimentos cerâmicos: PCC 5831. São Paulo,
1999. (Notas de aula do curso de Pós -Graduação).

SABBATINI, F.H.; BARROS, M.M.S.B. Recomendações para produção de revestimentos


cerâmicos para paredes de vedação em alvenaria. São Paulo: EPUSP/CPqDCC/ENCOL,1990.
(Relatório Técnico R6 -06/90).

Comunidade da Construção - Fortaleza 41


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Anexo 1 - Estudo de Caso da Patologia - Construtora Marquise

PROGRAMA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO


PROJETO: Programa de Melhoria de Rev. Cerâmico em Fachada – Comunidade da
Construção – Fortaleza
EMPRESA: Construtora Marquise
OBRA VISTORIADA: Mercado Central de Fortaleza DATA DE CONCLUSÃO
ENDEREÇO: Alberto Nepomuceno S/N 1998
ENGº RESPONSÁVEL: Renan Rolim

1.0 – OBJETIVO:
Avaliação e diagnóstico do desempenho do revestimento cerâmico das fachadas do
Edifício Mercado Central de Fortaleza

2.0 – CARACTERÍSTICAS DO EDIFÍCIO:


O Mercado Central de Fortaleza localizado na Avenida Alberto Nepomuceno S/N –
Centro – Fortaleza – Ceará, foi construído em concreto armado convencional, com
estacionamento em pilotis e 02 pavimentos tipo. A construção foi concluída e posta em
uso no ano 2000.
As fachadas do edifício foram revestidas com Cerâmica Cecrisa de 10 x 10 cm, nas
cores branca e cinza e esquadrias em alumínio e vidros.

3.0 – CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES:


O trabalho de vistoria técnica e elaboração de relatório final foram realizados pelos
Engenheiros Civis José Ramalho Torres, Roney Sérgio Marinho de Moura e Maria
Aridenise Macena Fontenele. Os trabalhos de vistoria foram concentrados nas
Fachadas Sul e Oeste, nas regiões onde ocorreram os problemas de descolamento de
cerâmica, e envolveram tão somente observações visuais e coleta de informações e
ensaios realizados.

Comunidade da Construção - Fortaleza 42


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – INFORMAÇÕES COLETADAS:


Conforme informações obtidas junto ao Engº Renan Rolim, da Construtora Marquise:
• A processo de descolamento teve início antes da entrega da obra;
• Cerâmica utilizada: Cecrisa de 10 x 10 cm nas cores: branca e cinza;
• Argamassa utilizada: Argamassa Industrial Carbomil Tipo ACII;
• Não houve treinamento específico para capacitação da mão de obra;
• Deficiência no processo construtivo por falta de conhecimento por parte dos
operários sobre a utilização de argamassa industrializada;
• Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização;
• Os problemas ocorridos na obra do Mercado Central já foram objeto de estudo pela
Consultare em março de 2000.
Obs.: Os ensaios de Aderência e EPU foram fornecidos pela Construtora Marquise.
4.0 – ENSAIOS:
4.1 – ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA
LOCAL DO RESISTÊNCIA A
AMOSTRA Nº LOCAL DE RUPTURA
ENSAIO ADERÊNCIA MPa
01 Torre Esquerda * 96% (d)/ 4% (c)
02 Fachada Principal 0,28 11% (b)/87 (d)/ 2% ( a)
03 Torre Direita 0,03 31% (a)/ 6% (b)/ 63 (c)
04 Fachada Principal 0,10 100% (a) **
05 Fachada Principal *** 100% (a)**
06 Fachada Principal 0,21 23% (a)/ 77% (c)
Obs.: * Ruptura após o corte, ** Ausência de esmagamento completo dos
cordões, ***Ruptura da placa no início da aplicação da carga.
4.2 – ºCERÂMICA AMOSTRA N VALOR (%)
Absorção

EPU Ocorrida
CERÂMICA AMOSTRA Nº EPU (mm/m)
(mm/m)
Cinza 01 0,50 0,25
Cinza 02 1,02 0,48
4.3 – Cinza 03 0,90 0,30
Expansão Cinza 04 0,87 0,22
Higroscópica Cinza 05 0,50 0,10
Branca 07 1,14 0,47
Branca 089 1,12 0,47
Branca 07 1,17 0,69
Branca 08 0,99 0,53
Branca 10 1,10 0,50

Comunidade da Construção - Fortaleza 43


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

5 0 – DIAGNÓSTICO DOS PROBLEMAS:


Com base nas informações obtidas através do Engº Renan, nas observações visuais, e
ensaios realizados podem-se afirmar que os principais fatores dos destacamentos
ocorridos no Mercado Central foram:
• Especificação inadequada do revestimento cerâmico. Tal fato foi comprovado pelos
resultados dos ensaios de EPU fornecidos que apontam para valores acima do
permitido pela NBR 13818/97, que são da ordem de 0,6 mm/m. A excessiva
expansão provoca o aumento das tenções no revestimento e podem ocasionar o
colapso do revestimento.
• A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento Os
resultados dos ensaios mostram que dos 06 (seios) executados no revestimento
cerâmico todos foram inferiores a 0,30 MPa, ou seja 100%, abaixo do valor
estabelecido pela NBR 13755/96. O baixo desempenho da argamassa de
assentamento foi ocasionado por vários motivos, dentre os quais se destacam a
falta de capacitação da mão de obra que possivelmente levaram a: abertura de
grandes panos (segundo informações obtidas durante a vistoria); não observância
do tempo em aberto e adição em excesso de água de amassamento por parte dos
assentadores de cerâmica;
• Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR-13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo aos critérios
pré-determinados.
• Deficiência no assentamento, pois as cerâmicas não apresentaram o
preenchimento adequado do tardoz quando do assentamento, conforme
recomendação da NBR 13755/97.

Engª Na 2ª intervenção foi aplicada Engº José Ramalho Torres


argamassa colante C.R.E.A. 5817 - D
C.R.E.A. 10428 - D
Engº Roney Sérgio Marinho de Moura
C.R.E.A. 4599 - D

Comunidade da Construção - Fortaleza 44


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA

Comunidade da Construção - Fortaleza 45


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 01 – DESCOLAMENTO DA CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA ARGAMASSA DE


ASSENTAMENTO E/OU EXPANSÃO DA CERÂMICA, FACHADA OESTE, CAIXA
D’ÁGUA

Comunidade da Construção - Fortaleza 46


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 02 – DESCOLAMENTO DA CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA ARGAMASSA DE


ASSENTAMENTO E/ OU EXPANSÃO DA CERÂMICA, FACHADA LESTE

FOTO 03 – DESCOLAMENTO DA FOTO 05 – AUSÊNCIA DE JUNTAS DE


CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA MOVIMENTAÇÃO E DESCOLAMENTO DA
ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO, CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA
FACHADA OESTE ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO E/OU

Comunidade da Construção - Fortaleza 47


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

EXPANSÃO DO REVESTIMENTO,
FACHADA OESTE

FOTO 04 – DESCOLAMENTO POR


EXPANSÃO DA CERÂMICA NA FACHADA
OESTE

Comunidade da Construção - Fortaleza 48


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Anexo 2 - Estudo de Caso da Patologia - Construtora Colméia


PROGRAMA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO
PROJETO: Programa de Melhoria de Rev. Cerâmico em Fachada – Comunidade
da Construção – Fortaleza
EMPRESA: Construtora Colmeia
OBRA VISTORIADA: Edifício Forest Park DATA DE CONCLUSÃO
ENDEREÇO: Rua Ana Bilhar nº 522 – Meireles julho de 1999
ENGº RESPONSÁVEL: Engº Walmir Esmeraldo Virgíneo

1.0 – OBJETIVO:
Avaliação e diagnóstico do desempenho do revestimento cerâmico das fachadas do
Edifício Forest Park.

2.0 – CARACTERÍSTICAS DO EDIFÍCIO:


O Edifício Forest Park localizado à Rua Ana Bilhar nº 522 – Meireles - Fortaleza -
Ceará, foi construído em concreto armado convencional, com garagens no subsolo
pavimento térreo, mezanino, 23 pavimentos tipo e cobertura. A construção foi concluída
e posta em uso em julho de 1999.
As fachadas do edifício foram revestidas com cerâmica: Gaill na cores telha nas
dimensões de 12 x 24 cm e Porto Belo na cor branca de 10 x 10 cm e esquadrias em
alumínio e vidros.

3.0 – CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES:


O trabalho de vistoria técnica e elaboração de relatório final foram realizados pelos
Engenheiros Civis José Ramalho Torres, Roney Sérgio Marinho de Moura e Maria
Aridenise Macena Fontenele. Os trabalhos de vistoria foram concentrados nas
Fachadas Norte, Sul e Oeste, nas regiões onde ocorreram os problemas de
descolamento de cerâmica, e envolveu tão somente observações visuais, coleta de
informações e realização de ensaios de aderência.

Comunidade da Construção - Fortaleza 49


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – INFORMAÇÕES COLETADAS:


Conforme informações obtidas junto ao Engº Walmir Esmeraldo Virgíneo, Construtora
Colméia;
• Foi realizada intervenção nas fachadas com três anos de conclusão do
empreendimento;
• Fachada Norte apresentou maior incidência de descolamento de cerâmica sendo
necessária a sua total substituição;
• As Fachadas Oeste e Leste foram substituídas todas as áreas que apresentaram
alguma concentração de cerâmicas com som cavo, característico de perda de
aderência, obedecendo ao relatório apresentado pelo condomínio;
• Estimou-se que cerca de 35% do revestimento gail em todas as Fachadas
apresentou problema e teve que ser substituído;
• Argamassa utilizada na execução das fachadas ACII, fabricante Rejuntamix;
• Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre o uso de argamassa
industrializada, fator água argamassa e tempo em aberto por parte dos
assentadores que os levaram a produzir grande quantidade de argamassa e a
puxar grandes panos;
• Não execução de juntas de movimentação e dessolidarização quando da execução
das fachadas;
• Não selagem nos contornos das janelas permitindo a infiltração de água de chuva;
• Foram executadas na recuperação juntas em todas as fachadas a cada três
pavimentos na parte superior das vigas.

Para se ter uma noção da situação da atual das fachadas realizou-se nas fachadas
oeste e sul ensaios de aderência do revestimento Gail cor telha, dispensando-se os
ensaios laboratoriais de Absorção e Expansão por Umidade devido o conhecimento
prévio, comprovado em laboratório, dos resultados dos ensaios com relação a
cerâmica Gaill que giram em torno de 2,5% de absorção e baixa expansão por
umidade, estando de acordo com às diretrizes da Norma NBR-13818/97.

Comunidade da Construção - Fortaleza 50


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – ENSAIOS:
4.1 – ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA
AMOSTRA Nº 7. LOCAL DO RESISTÊNCIA LOCAL DE RUPTURA
ENSAIO A ADERÊNCIA
MPa
01 Fachada Sul 0,71 100 A
02 Fachada Sul 0,44 020 A / 030 C
03 Fachada Sul 0,63 100 A
04 Fachada Sul 0,68 100 A
05 Fachada Oeste 0,33 100 A
06 Fachada Oeste 0,49 100 A
07 Fachada Oeste 0,41 050 C
08 Fachada Oeste 0,08 020 A/ 040 B
09
10
Obs.: A – Ruptura no interior da argamassa de emboço
B – Ruptura na interface da placa cerâmica/argamassa de emboço
C – Ruptura no interior da argamassa colante
Obs.: 02 Corpos de prova foram arrancados pelos operários da
Colmeia.
ºCERÂMICA AMOSTRA N VALOR (%)
4.2 –
Absorção

EPU EPU
CERÂMICA AMOSTRA Nº
OCORRIDA (mm/m)
(mm/m)

4.3 –
Expansão
Higroscópica

Obs.1: Historicamente a cerâmica Gail apresenta valores de Absorção em torno de


2,5% e a Expansão Higroscópica. em torno de 0,015 mm/m

Comunidade da Construção - Fortaleza 51


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

5 0 – DIAGNÓSTICO DOS PROBLEMAS:


Com base nas informações obtidas através do Engº Walmir Esmeraldo Virgíneo e nas
observações visuais e nos ensaios executados, podem-se afirmar que os principais
fatores dos destacamentos ocorridos no Edifício Forest Park foram:

• A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento. O


baixo desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por vários
motivos, dentre os quais se destaca a falta de capacitação da mão de obra que
levaram a: abertura de grandes panos; não observância do tempo em aberto e
adição em excesso de água de amassamento por parte dos assentadores de
cerâmica;
• Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR-13755/96
recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios
pré-determinados;
• Não preenchimento adequado do tardoz da cerâmica Gail (colocação de argamassa
no tardoz para garantir a aderência mecânica as garras), conforme recomendação
da NBR 13755/97. Soma-se a esse fato a falta de aderência física pela aplicação
inadequada da argamassa de assentamento sobre uma cerâmica de baixa
absorção;
• Não selagem nos contornos das janelas permitindo a infiltração de água de chuva e
aceleração do processo de degradação do revestimento.

Resultados dos ensaios nos locais recuperados.


• Os resultados dos ensaios mostram que dos 08 (oito) executados no revestimento
cerâmico 01 (um) apresentou resultado inferior a 0,30 MPa, ou seja 8%, abaixo do
valor estabelecido pela NBR 13755/96.

Engª Maria Aridenise Macena Fontenele Engº José Ramalho Torres


C.R.E.A. 10428 - D C.R.E.A. 5817 - D

Engº Roney Sérgio Marinho de Moura


C.R.E.A. 4599 - D

Comunidade da Construção - Fortaleza 52


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA

Comunidade da Construção - Fortaleza 53


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 01 – DETALHE DE JUNTA EXECUTADA DURANTE A RECUPERAÇÃO

FOTO 02 – NÃO SELAGEM DOS CONTORNOS DAS JANELAS PERMITINDO A


INFILTRAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA E MARCAÇÃO EM CERÂMICAS COM SOM CAVO,
NÃO SUBSTITUÍDAS, FACHADA SUL

Comunidade da Construção - Fortaleza 54


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 03 – SINAIS VISÍVEIS DE


RECUPERAÇÃO RECENTE, FACHADA
SUL

FOTO 05 – PREPARAÇÃO DE CORPO DE


PROVA PARA ENSAIO DE ADERÊNCIA,
FACHADA OESTE

FOTO 04 – PREPARAÇÃO DE CORPO DE


PROVA PARA ENSAIO DE ADERÊNCIA,
FACHADA SUL

Comunidade da Construção - Fortaleza 55


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Anexo 3 - Estudo de Caso da Patologia - Construtora Konnen

PROGRAMA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO


PROJETO: : Programa de Melhoria de Rev. Cerâmico em Fachada – Comunidade
da Construção – Fortaleza
EMPRESA: Construtora Konnen Ltda.
OBRA VISTORIADA: Edifício Arezzo DATA DE CONCLUSÃO
ENDEREÇO: Rua Ana Bilhar nº 979 – Meireles julho de 2000.
ENGº RESPONSÁVEL: Engº Mauro Costa

1.0 – OBJETIVO:
Avaliação e diagnóstico do desempenho do revestimento cerâmico das fachadas do
Edifício Arezzo.

2.0 – CARACTERÍSTICAS DO EDIFÍCIO:


O Edifício Arezzo localizado à Rua Ana Bilhar nº 979 – Meireles - Fortaleza - Ceará, foi
construído em concreto armado convencional, com garagens em subsolo e no pilotis e
14 (quatorze) pavimentos tipo. A construção foi concluída e posta em uso em julho de
2000.
As fachadas do edifício foram executadas com revestimento cerâmico das marcas
CECRISA na cores verde e dimensões de 10 x 10 cm , Porto Belo na cor branca rajada
e dimensões de 10 x 10 cm, e Porto Belo na cor branca lisa e dimensões de 10 x 10
cm, pintura em textura acrílica e esquadrias em alumínio e vidros.

3.0 – CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES:


O trabalho de vistoria técnica e elaboração de relatório final foram realizados pelos
Engenheiros Civis José Ramalho Torres, Roney Sérgio Marinho de Moura e Maria
Aridenise Macena Fontenele. Os trabalhos de vistoria foram concentrados nas
Fachadas Sul e Oeste, nas regiões onde ocorreram os problemas de descolamento de
cerâmica, e envolveram tão somente observações visuais, coleta de informações e
realização de ensaios de aderência e EPU.

Comunidade da Construção - Fortaleza 56


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – INFORMAÇÕES COLETADAS:


Conforme informações obtidas junto ao Engº Mauro Costa, da Construtora Konnen;
A argamassa utilizada na execução das fachadas foi argamassa cola;
Foram realizadas 03 (três) intervenções na parte curva das fachadas Oeste/ Sul, na
área onde foi assentada cerâmica de marca CECRISA de 10 x 10 cm, cor verde. A 1ª
intervenção em fevereiro de 2001, a 2ª em agosto de 2003 e a 3ª em outubro de 2003;
Quando da 2ª Intervenção de recuperação foram substituídas cerca de 400 peças da
cerâmica CECRISA;
Na 2ª intervenção foi aplicada argamassa colante AC III;
A fachada oeste apresenta, nas áreas onde foram assentadas as cerâmicas de marca
Porto Belo de 10 x 10 cm, cor branca, descolamento sendo necessária substituição de
algumas peças;
Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre o uso de argamassa
industrializada, ou seja, fator água argamassa e tempo em aberto por parte dos
assentadores que os levaram a produzir grande quantidade de argamassa e a puxar
panos inadequados;
Não foram executadas juntas de movimentação e dessolidarização quando da
execução das Fachadas;
Foram executadas juntas de movimentação, quando da recuperação, na parte curva
Fachada Oeste/ Sul e em parte da Fachada Leste, região extrema com a Fachada
Norte.

Comunidade da Construção - Fortaleza 57


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – ENSAIOS:
4.1 – ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA
RESISTÊNCIA
AMOSTRA Nº LOCAL DO ENSAIO A ADERÊNCIA LOCAL DE RUPTURA
MPa
01 Fachada Oeste 0,23 100 A
02 Fachada Oeste 0,36 100 A
03 Fachada Oeste 0,77 100 A
04 Fachada Oeste 0,22 100 A
05 Fachada Oeste 0,15 100 A
06 Fachada Norte 0,21 100 B
07 Fachada Oeste 0,49 080 B/ 020 C
08 Fachada Oeste 0,93 060 A/ 020 C
09 Fachada Norte 0,64 050 A/ 010 B/ 015 C
10 Fachada Norte 1,18 080 A/ 010 C
Obs.: A – Ruptura no interior da argamassa de emboço
B – Ruptura na interface da placa cerâmica/argamassa de emboço
C – Ruptura no interior da argamassa colante
Relatório de Ensaio - DITEC Nº 1899, ANEXO.
ºCERÂMICA AMOSTRA Nº VALOR MÉDIO(%)
Porto Belo 9,5x9,5 10 0,7
4.2 – cm
Absorção
Cecrisa 9,5x9,5 cm 08 3,2

EPU Ocorrida EPU


CERÂMICA AMOSTRA Nº
(mm/m) (mm/m)
CEMINA/ OURO
05 Unidades 0,08 0,10
VELHO 9,5 X 9,5 CM
PORTO BELO,
4.3 – PANTANAL 9,5 X 9,5 05 Unidades 0,00 0,00
Expansão CM
Higroscópica

Conforme os resultados dos ensaios de Expansão por Umidade, realizados pelo


laboratório do SENAI / São Bernardo do Campo, em anexo, os valores máximos de 0,1
mm/m para a cerâmica CEMINA/ OURO VELHO 9,5 X 9,5 CM , 0,00 mm/m para
cerâmica PORTO BELO, PANTANAL 9,5 X 9,5 CM, estão em conformidade com a
NBR-13818 que admitem valores inferiores a 0,6 mm/m , não sendo pois a causa
determinante para o descolamento das cerâmicas da fachada.

Comunidade da Construção - Fortaleza 58


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

5 0 – DIAGNÓSTICO DOS PROBLEMAS:


Com base nas informações obtidas através do Engº Mauro Costa e nas observações
visuais, pode-se afirmar que os principais fatores dos destacamentos ocorridos no
Edifício Arezzo foram:
• A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento Os
resultados dos ensaios mostram que dos 10 (dez) executados no revestimento
cerâmico, 04 (quatro) apresentaram valore inferiores a 0,30 MPa, ou seja 40%,
abaixo do valor estabelecido pela NBR 13755/96. O baixo desempenho da
argamassa de assentamento foi ocasionado por vários motivos, dentre os quais se
destacam a falta de capacitação da mão de obra que levaram a abertura de
grandes panos; não observância do tempo em aberto e adição em excesso de água
de amassamento por parte dos assentadores de cerâmica. Também contribui para
o baixo desempenho da argamassa a sua especificação inadequada, para
cerâmicas de baixa absorção;

• Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR-13755/96


recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios
pré-determinados.

• Deficiência no assentamento, pois as cerâmicas não apresentaram o


preenchimento adequado do tardoz quando do assentamento, conforme
recomendação da NBR 13755/97.

Engª Maria Aridenise Macena Fontenele Engº José Ramalho Torres


C.R.E.A. 10428 - D C.R.E.A. 5817 - D

Engº Roney Sérgio Marinho de Moura


C.R.E.A. 4599 - D

Comunidade da Construção - Fortaleza 59


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA

Comunidade da Construção - Fortaleza 60


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 01 – DESCOLAMENTO, POR FALTA DE ADERÊNCIA A ARGAMASSA DE


ASSENTAMENTO, DA CERÂMICA PORTO BELO BRANCO RAJADO

Comunidade da Construção - Fortaleza 61


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 02 – DETALHE DO TARDOZ, CERÂMICA ARRANCADA COM AS MÃOS

FOTO 03 – COLAGEM DE PASTILHAS, PREPARAÇÃO DE CORPOS DE PROVA PARA


ENSAIO DE ARRANCAMENTO

Comunidade da Construção - Fortaleza 62


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 04 – DETALHE DA JUNTA EXECUTADA APÓS A FACHADA, ABERTURA


INSUFICIENTE, CORDÃO DE POLIURETANO FROUXO

Comunidade da Construção - Fortaleza 63


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

Anexo 3 - Estudo de Caso da Patologia - Construtora Reata

PROGRAMA COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO


PROJETO: Programa de Melhoria de Rev. Cerâmico em Fachada – Comunidade da
Construção - Fortaleza
EMPRESA: Reata Arq. e Eng. Ltda:
OBRA VISTORIADA: Edifício Vila Verde DATA DE CONCLUSÃO
ENDEREÇO: Rua Silva Jatahy, 1140 Maio/ 1996
ENGº RESPONSÁVEL: Juliano Monteiro Mariano

1.0 – OBJETIVO:
Avaliação e diagnóstico do desempenho do revestimento cerâmico das fachadas do
Condomínio Edifício Vila Verde.

2.0 – CARACTERÍSTICAS DO EDIFÍCIO:


O Condomínio Edifício Vila Verde localizado na Rua Silva Jatahy, 1140 – Meireles –
Fortaleza – Ceará, foi construído em concreto armado convencional, com 01 (um)
subsolo, pavimento térreo, mezanino e 22 pavimentos tipo. A construção foi concluída
e posta em uso em maio de 1996.
As fachadas do edifício foram revestidas com Cerâmica Gail de 24x11,6 cm, nas cores
Branco brilhante e Vermelho Flash e esquadrias em alumínio e vidros.

3.0 – CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES:


O trabalho de vistoria técnica e elaboração de relatório final foram realizados pelos
Engenheiros Civis Roney Sérgio Marinho de Moura e Maria Aridenise Macena
Fontenele. Os trabalhos de vistoria foram concentrados nas Fachadas Norte, Leste e
Oeste, nas regiões onde ocorreram os problemas de descolamento de cerâmica, e
envolveram tão somente observações visuais e coleta de informações e realização de
ensaios de aderência.

Comunidade da Construção - Fortaleza 64


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – INFORMAÇÕES COLETADAS:

Conforme informações obtidas junto ao Engº Juliano Monteiro da Reata;

• O processo de descolamento teve início no ano de 2001;

• Cerâmicas utilizadas: Cerâmica Gail de 24x11,6 cm, nas cores Branco brilhante e
Vermelho Flash;

• Argamassa de Assentamento.

Executada na Obra: Cimento + Areia grossa + Concentrado OBE

Traço: em peso, 5kg : 12,5kg : 0,15kg

• Não houve treinamento específico para capacitação da mão de obra;

• Quando da execução das fachadas não foram previstas juntas de movimentação


(horizontais e verticais) e dessolidarização;

• Foram executadas posteriormente juntas de movimentação horizontal quando do


surgimento dos descolamentos com a utilização de Mástique à base de Poliuretano.

• Já foram detectados e corrigidos em torno de 5% de descolamento nas 04


fachadas, com maior incidência nas cerâmicas Gail de 24x11,6 cm em Vermelho
Flash;

• Argamassa de rejunte tipo rígida;

• Executada na obra. Cimento + Areia grossa (1:3)

• Falta de treinamento, capacitação e conhecimento, sobre, fator água cimento e


tempo em aberto por parte dos assentadores que os levaram a produzir grande
quantidade de argamassa e a puxar grandes panos;

• Chapisco convencional;

Executado na obra: Cimento + Areia grossa (1:3)

• Emboço;

Executado na obra: Cimento + Areia grossa (1:5) + 200ml de Alvenarit.

Comunidade da Construção - Fortaleza 65


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

4.0 – ENSAIOS:
4.1 – ENSAIO DE ARRANCAMENTO - DETERMINAÇÃO DA ADERÊNCIA
RESISTÊNCIA
AMOSTRA Nº LOCAL DO ENSAIO A ADERÊNCIA LOCAL DE RUPTURA
MPa
01 Fachada Norte 0,26 50% B
02 Fachada Norte 0,03 25% B
03 Fachada Sul - 35% A
04 Fachada Sul 0,15 10% B e 70% D
05 Fachada Sul 0,41 30%A, 20% C e 50%D
06 Fachada Sul 0,03 30% A
07 Fachada Sul 0,35 100% D
08 Fachada Sul - 50% A
09 Fachada Leste 0,23 100% D
10 Fachada Leste 0,04 100% D
Obs.: A – Ruptura na interface placa cerâmica/argamassa de assentamento
B – Ruptura no interior da argamassa de assentamento
C – Ruptura na interface argamassa de assentamento / substrato
(emboço)
D – Ruptura no interior da argamassa do substrato (emboço)
Obs.: 02 Corpos de prova não registraram carregamento.
ºCERÂMICA AMOSTRA Nº VALOR (%)
4.2 –
Absorção

EPU MÉDIA
EPU MÁXIMA
CERÂMICA AMOSTRA Nº OCORRIDA
(mm/m)
4.3 – (mm/m)
Expansão
Higroscópica

Obs.1: Historicamente a cerâmica Gaill apresenta valores de Absorção em torno de


2,5% e a Expansão Higroscópica 0,015 mm/m.

Comunidade da Construção - Fortaleza 66


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

5 0 – DIAGNÓSTICO DOS PROBLEMAS:


Com base nas informações obtidas através do Engº Juliano e nas observações visuais
e nos ensaios executados, podem-se afirmar que os principais fatores dos
destacamentos ocorridos no Edifício Vila Verde:

• A baixa aderência do revestimento cerâmico a argamassa de assentamento. O


baixo desempenho da argamassa de assentamento foi ocasionado por vários
motivos, dentre os quais se destaca a falta de capacitação da mão de obra que
levaram a: abertura de grandes panos; não observância do tempo em aberto e
adição em excesso de água de amassamento por parte dos assentadores de
cerâmica. Podendo constar nos resultados de aderência, onde 85 % dos valores
encontram-se abaixo de 0,30 MPa;

• Baixa resistência da argamassa de emboço;

• Ausência de juntas de movimentação e dessolidarização, onde a NBR-13755/96


recomenda a sua execução, longitudinal e/ou transversal obedecendo a critérios
pré-determinados;

• Não preenchimento adequado do tardoz da cerâmica Gail (colocação de argamassa


no tardoz para garantir a aderência mecânica as garras), conforme recomendação
da NBR 13755/97. Soma-se a esse fato a falta de aderência física pela aplicação de
argamassa de assentamento inadequada, sobre uma cerâmica de baixa absorção,
constatado durante a realização dos ensaios de aderência.

Engª Maria Aridenise Macena Fontenele Engº José Ramalho Torres


C.R.E.A. 10428 - D C.R.E.A. 5817 - D

Engº Roney Sérgio Marinho de Moura


C.R.E.A. 4599 - D

Comunidade da Construção - Fortaleza 67


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA

Comunidade da Construção - Fortaleza 68


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 01 – DESCOLAMENTO DA CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA ARGAMASSA DE


ASSENTAMENTO, FACHADA NORTE

Comunidade da Construção - Fortaleza 69


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 02 – DESCOLAMENTO DA CERÂMICA POR DEFICIÊNCIA DA ARGAMASSA DE


ASSENTAMENTO, FACHADA LESTE

Comunidade da Construção - Fortaleza 70


REVESTIMENTO CERÂMICO EM FACHADAS - ESTUDO DAS CAUSAS DAS PATOLOGIAS

FOTO 03 – FALTA DE ADERÊNCIA DA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO A


CERÂMICA E DEFICIÊNCIA DO EMBOÇO

FOTO 04 – FALTA DE ADERÊNCIA DA ARGAMASSA DE ASSENTAMENTO A


CERÂMICA, TARDOZ PRATICAMENTE LIMPO

Comunidade da Construção - Fortaleza 71