Você está na página 1de 5

Alimentos e Alimentação

1) Cite o nome (comum e científico) de cinco gramíneas utilizada para


pastejo?
Braquiária, decumbens - Brachiaria decumbens
Capim Colonião - Panicum maximum
Capim Mombaça - Panicum maximum
Capim Estrela, Coast Cross - Cynodon spp.
Capim elefante - Pennisetum purpureum

2) Em relação as gramíneas citadas acima. Descreva, de forma


completa, quais as mudanças que ocorrem na composição química
e valor nutritivo com o avanço da idade da planta?
A planta forrageira durante o crescimento vegetativo tem uma alta proporção de
folhas e tem alto conteúdo de umidade, proteína e minerais, e baixo em fibras e
lignina. A planta ao passar do estágio de crescimento vegetativo para reprodutivo
sofre várias alterações, resposta em função das características genéticas e é
controlada pelo comprimento do dia e temperatura. As mudanças morfológicas
que ocorrem durante esta fase são alongamento do caule, queda das folhas e
aumento de produtos fotossintéticos. A porção citoplasmática de cada célula
torna-se menos importante e a porcentagem de muitos constituintes, tais como
proteínas, lipídios, carboidratos solúveis e minerais solúveis decrescem. As
paredes das células tornam-se relativamente mais importantes e os constituintes
fibrosos aumentam e tornam-se mais lignificados. A matéria seca total aumenta,
mas ocorre um progressivo decréscimo em qualidade, particularmente na
digestibilidade e em especial da energia digestível. A altura da planta e a
porcentagem de matéria seca aumentam consistentemente, à época do início da
fase reprodutiva, enquanto a relação folha-caule e porcentagem de proteína
declinam.

3) Explique o uso da altura da planta como parâmetro de manejo das


forrageiras em sistema de pastejo?
4) Como podemos caracterizar, de forma geral, o colar nutritivo das
leguminosas?
Em geral, as leguminosas são mais ricas em proteína bruta, cálcio e fósforo do
que as gramíneas. Daí o valor nutritivo mais elevado daquelas plantas.

5) Cana de açúcar (valor nutritivo e manejo): esgote o assunto!


A cana-de-açúcar tem várias características que justificam sua utilização na
alimentação de ruminantes, dentre elas: o alto teor de sacarose, o moderado teor
de fibra insolúvel em detergente neutro (FDN), a alta produção de matéria seca
por unidade de área mesmo com baixa frequência de cortes, a simplicidade do
cultivo agronômico, a relativa resistência a pragas e doenças, a facilidade de
compra e venda, o caráter semiperene, além de ser uma cultura tradicional.
A cana-de-açúcar, como alimento básico para ruminantes, apresenta limitações
de ordem nutricional, devido aos baixos teores de proteína, minerais e ao alto
teor de fibra de baixa degradação ruminal.
Uma das principais limitações da cana-de-açúcar nos experimentos de
desempenho animal é o baixo consumo de matéria seca e de nutrientes. Sendo
assim, a cana-deaçúcar tem sido correlacionada negativamente à ingestão de
matéria seca não apenas pela fração indigestível da fibra mas também pela baixa
taxa de digestão da fibra potencialmente degradável, as quais apresentam
elevado efeito de repleção ruminal.
Os carboidratos estruturais da cana-de-açúcar são fonte potencial de energia de
baixo custo para ruminantes. No entanto, seu potencial como fonte de energia é
limitado devido à sua baixa digestibilidade e taxa de degradação e consequente
baixo consumo voluntário. Este fato está relacionado, principalmente, com a
estrutura da parede celular que protege os nutrientes da digestão microbiana no
rúmen.
6) Quais parâmetros utilizados para classificar a qualidade
fermentativa e nutricional das silagens?
O valor nutritivo da silagem está diretamente relacionado à composição e à
digestibilidade da forrageira original e a ensilagem tem como objetivo conservar
essas características no material estocado. Portanto, o termo qualidade de
silagem geralmente se refere à eficiência do processo fermentativo para
promover a conservação desse valor na forragem ensilada e não tem sido
utilizado para designar o seu valor nutritivo do volumoso. Entre os principais
parâmetros utilizados para avaliar a qualidade do processo fermentativo, estão
características químicas apresentadas pelas silagens, como o conteúdo de MS,
o valor de pH, o conteúdo de nitrogênio amoniacal (N-NH3) como proporção de
nitrogênio total (NT) e os conteúdos de ácidos orgânicos produzidos durante a
fermentação.
7) Explique s principais diferenças entre silagens de milgo/sorgo e as
de capins?

8) A) Qual nome das estrutura do milho?


Conhecido botanicamente como uma cariopse, o grão de milho é formado por
quatro principais estruturas físicas: endosperma, gérmen, pericarpo (casca) e
ponta, as quais diferem em composição química e também na organização
dentro do grão.
B) Descreva quais são os constituintes químicos predominantes em
cada estrutura.
No endosperma, especificamente, na camada de aleurona e no endosperma
vítreo, estão presentes os carotenóides, substâncias lipídicas que conferem a
cor aos grãos de milho. Zeaxantina, luteína, betacriptoxantina, alfa e beta
carotenos são os principais carotenóides nos grãos de milho.
O gérmen representa 11% do grão de milho e concentra quase a totalidade dos
lipídeos (óleo e vitamina E) (83%) e dos minerais (78%) do grão, além de conter
quantidades importantes de proteínas (26%) e açúcares (70%).
O pericarpo representa, em média, 5% do grão, sendo a estrutura que protege
as outras estruturas do grão da elevada umidade do ambiente, insetos e
microrganismos. As camadas de células que compõem essa fração são
constituídas de polissacarídeos do tipo hemicelulose (67%) e celulose (23%),
embora também contenha lignina (0.1%).
A ponta é a menor estrutura, 2% do grão, e é responsável pela conexão do grão
ao sabugo, sendo a única área do grão não coberta pelo pericarpo. Sua
composição é essencialmente de material lignocelulósico.
C) Diferencie as estruturas endosperma vítreo e farináceo,
relacionando suas diferentes características no valor nutritivo.
O endosperma é classificado como vítreo (ou córneo) ou farináceo (ou opaco).
O endosperma vítreo apresenta matriz proteica densa, com corpos proteicos
estruturados, que circundam os grânulos de amido de formato poligonal, não
permitindo espaços entre estas estruturas. Na porção farinácea, os grânulos de
amido são arredondados e estão dispersos, não havendo matriz proteica
circundando esta estrutura (Paes, 2006). O amido da zona vítrea é menos
disponível para a digestão devido à barreira física que a matriz proteica e os
corpos proteicos formam sobre ele (Sullins e Rooney, 1974). Já a zona farinácea
ou opaca do endosperma é caracterizada pela presença de células frouxamente
empacotadas. Pequenos espaços de ar estão presentes entre grânulos de
amido, que são esféricos, maiores e menos densos que os encontrados no
endosperma córneo.
9) Faça uma comparação química e estrutural entre milho e sorgo?
10) O que devemos levar em considerações ao utilizarmos o farelo de
trigo e farelo de arroz. Considere o uso para animais monogástricos
e ruminantes .

11) Pectina e suas implicações no valor nutritivo da polpa cítrica.


Possui menor propensão em causar queda de pH ruminal, porque a sua
fermentação é feita por microrganismos celulolíticos. Favorecendo a produção
de acetato e não lactato e propionato, como na fermentação por microrganismos
que degradam o amido.