Você está na página 1de 28

PÁGINA VIRADA

Ela tentou tirar


a própria vida,
mas sobreviveu
e teve a chance
de reescrever sua
história

37273 – Quebrando Silêncio 2018


ALERTA
VERMELHO


O bullying

� E
na escola

R
fragiliza

M �
crianças e

O
adolescentes

Q � E � ajuda

�O
Rocha

isade Designer

N
pre o
dio luçã Editor

suicí a so
sa em gar um C.Qualidade

m pen enxer
Que para
Depto. Arte

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 1 19/01/2018 11:41


EDITORIAL
Segundo a Organização Mundial da
S
2 ED
Saúde (OMS), o suicídio é a 17a principal

PEDIDO DE SOCORRO
causa de mortes em todo o mundo, com
800 mil vítimas anuais. Isso equivale a
um óbito a cada 40 segundos. O quadro
ainda é mais preocupante se levada em conta
a estimativa de que, para cada caso registrado, 4 E N
existem 20 tentativas de suicídio. Assim, é Ps
provável que você conviva ou já tenha entrado e
em contato com pessoas que não mais apre-
sentam interesse pela vida. A recorrência
desse problema exige que estejamos prepa-
rados para enfrentar essa situação. 6 R A
O ponto é que a maioria dos suicídios pode- E
POR MARLI PEYERL
ria ser evitada se estivéssemos mais atentos vi

R
aos avisos enviados pelos que ­planejam tirar a
ecentemente escutei uma pes- própria vida. Cansaço emocional, isolamento
soa dizer: “Acho que já vivi o social e sono excessivo podem ser “pedidos

14 L
suficiente. Minha vida não é tão de socorro” de quem não está lidando bem
importante assim. Tenho certeza com seus problemas e que pode enxergar na
de que, se morrer, ninguém vai morte uma solução, ainda que ilusória.
sentir minha falta.” Provavelmente, Os motivos que levam ao suicídio são D
você já tenha ouvido frases semelhan- variados e complexos. Podem ser decorrentes O
tes ditas por alguém desanimado ou de um distúrbio mental, como depressão e a
cansado de carregar os fardos da ansiedade, de um abuso sexual, e de proble- d
vida. Apesar de situações assim serem mas sociais. Independentemente da causa, s
comuns, é preciso estar atento para precisamos estar preparados para oferecer
distinguir entre um simples desabafo apoio e saber como agir preventivamente.

16 B
PRECISAMOS e o sinal de um distúrbio mental ou Por isso, agora é o momento de conhecer
FALAR SOBRE de um real desejo de morrer. mais sobre esse desafio complexo e crescente.

MAIS UM TABU,
Até frases que não tenham uma
explícita ideação suicida devem ser
Nas próximas páginas você encontrará orien-
tações de como identificar aqueles que pensam B
O SUICÍDIO, E levadas a sério, pois escondem dores em tirar a própria vida e intervir positivamente P
intensas. Expressões como “não sei nesses casos. Juntos podemos contribuir para p
UNIR FORÇAS
por quê nasci” e “tenho vontade de a queda desses índices e colaborar para que os a
NA LUTA PELA sumir” podem revelar um sofrimento que sofrem com seus dramas pessoais tenham t
VIDA que precisa ser urgentemente aliviado. uma vida plena. n
Afinal, todos merecem viver bem. Leia cada página desta revista com atenção e
Nesta edição, a campanha Que- seja o ombro amigo de quem
Fotos: ©BillionPhotos – Fotolia / Victor Trivelato

brando o Silêncio encara um pro- chora e a mão estendida


blema que não pode mais ser tratado para alguém que perdeu a
como tabu: o suicídio. Já considerado esperança. Contamos com
uma questão de saúde pública global, você nessa luta pela vida!
precisamos unir forças não somente Editores
Projeto
para evitar que mais pessoas atentem MARLI PEYERL é educadora e coorde- Design g
Renan M
contra a própria vida, mas para aju- nadora da campanha Quebrando o Capa: A
Foto de
dar os que sofrem a voltar a sorrir. Silêncio na América do Sul

2 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 2 19/01/2018 11:41


al da
SUMÁRIO 8 CAMINHO QUE TEM VOLTA
O suicídio é uma epidemia global, mas
você pode ajudar a mudar esse cenário

2 EDITORIAL
ncipal
com
ale a
uadro
conta
rado, 4 ENTREVISTA
im, é Psicóloga explica como previnir
trado e superar o cyberbullying
apre-
ência
repa-
6 RAZÃO PARA VIVER
pode- Encontrar sentido para
entos vida é o que nos move
irar a
mento
didos

14 LUZ NO FIM 20 NOVA CHANCE


bem
ar na
.
DO TÚNEL Depois de quase
23 O MUNDO PRECISA
o são
rentes O que morrer, ela
encontrou na

37273 – Quebrando Silêncio 2018


são e a Bíblia
oble- diz sobre família e em Deus DE ESPERANÇA
ausa, força para vencer Livro gratuito ensina como
suicídio?
recer nutrir a saúde emocional
ente.

16 BULLYING NÃO É
hecer
cente.
orien-
nsam BRINCADEIRA 24 APOIO QUE SALVA
mente Pais e professores Mostrar preocupação
r para precisam estar por alguém pode ser
que os atentos a esse decisivo na escolha
nham tipo de violência entre a vida e a morte
na escola
nção e

Rocha
Fotos: ©BillionPhotos – Fotolia / Victor Trivelato

Designer

Sinais dos Tempos é Marca


Registrada no Instituto Nacional Editor
Diretor-geral: José Carlos de Lima
de Propriedade Industrial. Todos os
Edição Especial • 2018 Casa Publicadora Brasileira
Diretor financeiro: Uilson Garcia direitos reservados. Não é permitida a reprodução
Editores: Jefferson Paradello e Wendel Lima Rodovia Estadual SP 127, km 106
Projeto gráfico: Eduardo Olszewski total ou parcial de matérias deste periódico sem C.Qualidade
Caixa Postal 34; CEP 18270-970 – Tatuí, SP Redator-chefe: Marcos De Benedicto
Design gráfico: Alexandre Rocha, Cleusa Santos, autorização por escrito da editora.
Fone (15) 3205-8800 – Fax (15) 3205-8900
Renan Martin, Renato Gomes e Rodrigo Neto Gerente de produção: Reisner Martins
Capa: Alexandre Rocha Site: www.cpb.com.br
Atendimento ao cliente: sac@cpb.com.br Gerente de vendas: João Vicente Pereyra Tiragem: 902.620 exemplares Depto. Arte
Foto de capa: William de Moraes 16701/37273

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 3 19/01/2018 11:42


Co
filhos
E N T R E V I S TA
Pri

BLOQUEAR É PRECISO
pesso
vulne
funda
devem
assun
intern
histór
progr
o ace
tamb
convi
e pro
deles.
crian
imedi
confia

Eq
P O R VA N E S S A A R B A
para
Ele

F
vídeo
erramenta de suporte, Terapia Cognitivo-Comportamental, ela posta
respostas e denúncia explica como lidar com esse fenômeno princ
PSICÓLOGA FALA em muitas situações de moderno. ou in
COMO EVITAR O violência, a internet pode numa
ser, por outro lado, o Quais são as diferenças entre bullying é excl
CYBERBULLYING próprio meio pelo qual agressões e cyberbullying? (se es
são cometidas. Estudos concluem O bullying é o comportamento site p
que vítimas de cyberbullying, agressivo, intencional e frequente em que págin
ou seja, que são hostilizadas na o agressor está numa posição assimétrica deve
web, apresentam maior risco de em relação à vítima, seja por ser mais
pensar em sucídio e de até mesmo forte, maior ou ter alguma ascendência Qu
tirar a própria vida. Uma dessas sobre o abusado. Nesses casos, a vítima pode
pesquisas, realizada com 7 mil conhece o agressor e se sente ameaçada na Pos
estudantes na Itália, apontou que presença dele. agres
11% das vítimas de cyberbullying Se o bullying é limitado em termos de então
tentaram o suicídio. tempo e espaço, o cyberbullying, não. (ident
Conversar com quem passou por Ele também não envolve necessariamente para
esse tipo de situação pode evitar o uma relação assimétrica entre agressor na sit
desejo de dar um fim à vida, explica e vítima; na verdade, eles costumam devem
a psicóloga Simone Bohry, que nem se conhecer. Porém, é exatamente para
Foto: Jefferson Paradello

há alguns anos atende pessoas o anonimato que torna o cyberbullying o agr


que vivem esse dilema. Mestre geralmente mais hostil, e a exposição nos apres
em Psicologia Clínica e Cultura e meios digitais favorece a propagação e a cyber
especialista em Neuropsicologia e visibilidade dessas ofensas. O fat

4 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 4 19/01/2018 11:42


Como os pais podem evitar que os internet costuma apenas refletir o que
filhos passem por essa situação? a pessoa vivencia quando está off-line.
Principalmente adolescentes e Por isso, via de regra, a qualidade dos
pessoas do sexo feminino são mais relacionamentos, a prática de atividades
vulneráveis ao cyberbullying; por isso, é físicas, uma alimentação saudável, a
fundamental a orientação dos pais. Eles satisfação com o trabalho e o cuidado
devem conversar com os filhos sobre o com as emoções e a espiritualidade
assunto, estipular horários de uso da determinam se o uso da tecnologia será
internet, acompanhá-los por meio do equilibrado ou não.
histórico do navegador, além de instalar
programas de segurança que controlem É possível identificar quando alguém
o acesso a determinados sites. Devem está pensando em suicídio, seja por
também instruir os filhos a não aceitar causa do cyberbullying ou outra razão?
convites de estranhos nas redes sociais Estima-se que 90% dos suicídios podem
e procurar conhecer todos os amigos ser prevenidos. Daí a necessidade de
deles. Se o bullying virtual ocorrer, a conversar abertamente sobre isso, como
criança ou adolescente deve conversar está fazendo esta revista, a fim de que
imediatamente sobre isso com alguém de haja tempo para uma intervenção eficaz.
confiança, de preferência os pais. Deve-se atentar para frases sutis como
“não aguento mais”, “sou um perdedor”,
E quais cuidados os adultos devem ter “só trago problemas” ou “eu preferiria
para se prevenirem do cyberbullying? estar morto”. Essas são mensagens
Eles devem evitar a publicação de fotos, indicativas de que a pessoa apresenta
vídeos e informações pessoais, bem como dificuldades para enfrentar a realidade.

37273 – Quebrando Silêncio 2018


ela postar qualquer conteúdo sem refletir, O simples fato de ter alguém que a ouça já
o principalmente quando movido por raiva proporciona certo alívio emocional.
ou indignação. Se ocorrer uma agressão Existem quatro sinais de alerta que
numa rede social, a primeira coisa a fazer potencializam o comportamento suicida.
ying é excluir o agressor da lista de amigos Eles são conhecidos como os quatro
(se estiver), bloqueá-lo e denunciá-lo no “dês”: depressão, desespero, desesperança
site para que não tenha mais acesso à sua e desamparo. E se a pessoa apresenta
que página. Importante: uma agressão nunca comportamento impulsivo, o risco se
rica deve ser revidada. torna iminente.
s Alguém que planeja tirar a própria vida
ia Que tipo de documentação a vítima também pode dar indícios das suas
ma pode reunir para denunciar o agressor? intenções nas redes sociais, porque são
da na Postagens ou envio de mensagens espaços em que os usuários se sentem
agressivas podem ter implicações judiciais, mais livres para expor suas ideias e
e então, é importante saber identificar o IP acabam sinalizando que algo não vai bem,
. (identificação do dispositivo na internet) numa espécie de pedido de socorro.
Rocha
ente para reconhecer o aparelho utilizado Além disso, é muito importante Designer
or na situação. Todas as mensagens atentar para mudanças bruscas
devem ser impressas com data e hora de comportamento, retirar objetos de Editor
e para os devidos fins judiciais contra potencial risco do ambiente, como
Foto: Jefferson Paradello

ng o agressor. As próprias redes sociais medicamentos, facas, venenos, e


C.Qualidade
nos apresentam mecanismos de denúncia do encaminhar a pessoa a um profissional
ea cyberbullying. especializado, seja psiquiatra ou Depto. Arte
O fato é que o que se busca ou posta na psicólogo.

QUEBRANDO O SILÊNCIO 5

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 5 19/01/2018 11:42


PA N O R A M A

A revista Quebrando m
o Silêncio perguntou a com

Razão para viver


pessoas de diferentes faixas quan
etárias, profissões e crenças que va
religiosas: o que motiva Tantos
você a viver? abr
co
ENCONTRAR UM SENTIDO
NA VIDA É FUNDAMENTAL
PARA ENXERGAR UMA SAÍDA
“É saber
ALTERNATIVA AO SUICÍDIO que vou continuar
comendo churros.”
A L I N E D O VA L L E
Nathália, 17 anos,
estudante

A
cada 40 segundos, alguém depois disso”, explica o psiquia-
comete suicídio ao redor tra Ricardo Falavigna, membro “Manter o bom
do mundo. No entanto, da Associação Brasileira de humor mesmo nos
segundo a Organização Psiquiatria. momentos difíceis da vida.”
das Nações Unidas (ONU), Contudo, por vezes, é muito Pedro, 21 anos, jornalista
90% dos casos poderiam ser difícil alguém que está imerso em
evitados, se os sinais claros de problemas complexos reencon-
pedido de ajuda fossem identifi- trar o propósito da existência.
cados em tempo e essas pessoas É nessas situações que pequenos “Ainda
tivessem o encaminhamento gestos podem fazer grande dife- tenho muitos
adequado para tratar seus pro- rença. “A melhor atitude é o res- sonhos para
blemas emocionais. peito, a solidariedade e a empa- realizar.”
Um dos aspectos mais impor- tia. Com isso, abrimos espaço Raniele, 24 anos,
tantes na prevenção é ajudar para que a pessoa exponha publicitária
quem tem ideias suicidas a o que está sentindo e seja levada
encontrar ou redescobrir um ao tratamento”, pontua o psi-
sentido para a vida. A logote- quiatra. “Aproveitar o máximo
rapia, sistema teórico criado por O médico explica que sentir-se de tempo possível com as
pessoas de quem eu gosto,
Viktor Frankl, um psiquiatra acolhido ajuda o corpo a produ-
fazendo o que eu gosto.”
austríaco sobrevivente dos cam- zir serotonina, hormônio funda-
Raul Thales, 23 anos, designer
pos de concentração da Segunda mental na regulação do humor,
Guerra Mundial, é uma aborda- das sensações de dor, medo,
gem que trabalha nessa direção. ansiedade e depressão. Ele com- “Meus cachorros,
“Ter um sentido para a vida pleta dizendo que, ao estudar o anjinhos de patas; a beleza
é o que permite ao ser humano cérebro de pessoas que comete- da natureza, o céu, as flores,
passar por crises sem evoluir para ram suicídio, cientistas confirma- as árvores; e saber que, por
um processo autodestrutivo. ram a redução de serotonina em mais difícil que seja, a vida é
Recuperar o sentido de viver algumas áreas. “As mais afeta- um presente que tenho que
é o objetivo último e funda- das foram aquelas responsáveis guardar com muito carinho.”
mental para que alguém saia pela inibição do comportamento Renata, 22 anos, estudante
da depressão e permaneça bem e tomada de decisões”, destaca.

6 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 6 19/01/2018 11:42


“Eu já
‘morri’ uma vez. Foi
muito sofrido. Fiquei em “A vida é um
“Espero fazer algo
coma, tetraplégico, e penso em sopro; por isso,
pelo mundo, ser alguém
s quantas coisas teria perdido. O quero ter certeza que
melhor. Melhor para mim e
s que vale a pena? Ajudar as pessoas. demonstrei ao máximo
para o outro. Devo fazer minha
Tantos estão sofrendo sem comida, cada sentimento que tive
parte na evolução do planeta.
abrigo, abraço. Faça alguma às pessoas com as quais
Vivo porque Deus me criou e
coisa por alguém. Isso vai convivi.”
certamente não foi em vão.”
valer a pena.” Victor, fotógrafo, 21 anos
Leisa, 22 anos, tradutora
Éder, 51 anos, médico

“Minha mãe.”
Rosely, 35 anos, assistente
de escritório

“Um Deus
que cuida de mim
e uma família que “Minha
me ama.” família, que amo
Amélia, 65 anos, incondicionalmente.”
da.” costureira Helma, 43 anos, coordenadora
pedagógica

37273 – Quebrando Silêncio 2018


“Acredito que Deus
atribui um valor incalculável
para cada pessoa. Isso me dá “Minha
força. Eu poderia até não ser filha, meu
querido por ninguém, pois me trabalho e
bastaria o amor Dele.” o futebol.”
João, 21 anos, cantor e compositor Rafael, 31 anos,
contador

___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________ O QUE Rocha

___________________________________________ MOTIVA Designer

VOCÊ A
___________________________________________ VIVER? Editor

___________________________________________
C.Qualidade
___________________________________________
Depto. Arte

QUEBRANDO O SILÊNCIO 7

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 7 19/01/2018 11:42


C O M P O RTA M E N T O

Caminho que te
ENTENDA POR QUE O SUICÍDIO É CONSIDERADO UMA
EPIDEMIA GLOBAL E COMO VOCÊ PODE AJUDAR A
MUDAR ESSE CENÁRIO PREOCUPANTE

L EON A R DO SIQU E IR A

O
suicídio é a 17a principal causa de mortes em sobrevivente, termo dado a filhos ou parentes próximos
todo o mundo. Entre os jovens, é a segunda. de alguém que cometeu suicídio.
Por ano, 800 mil pessoas tiram a própria Ao contrário do que o senso comum poderia suge-
vida, segundo dados da Organização Mun- rir, sua mãe não apresentava sinais de tristeza nem
dial da Saúde (OMS), que considera a ques- depressão no dia em que tirou a própria vida. “Ela
tão um problema prioritário de saúde pública global. até parecia mais disposta naquela semana”, acentua.
Embora a ciência não tenha compreendido ainda A mãe, Cristina, sinalizava ter superado a depressão e
completamente as razões que levam alguém a dar fi m à episódios recentes de tentativa de suicídio. os fam
existência, pesquisadores das Universidades de Glasgow “O histórico dela era muito complicado. Chegou a mento
(Reino Unido) e Harvard (EUA) sugerem que essa ati- fazer um tratamento psiquiátrico bem pesado e as cri- Foi qu
tude drástica seja resultado de uma interação complexa ses pararam. Mas havia os sintomas da depressão e os encon
de vários fatores. pensamentos dela eram muito negativos. Pouco antes a levo
Para Rory O’Connor, do Laboratório de Pesquisas do de morrer, o quadro dela piorou porque uma pessoa foi po
Comportamento Suicida da Universidade de Glasgow, e querida faleceu. Porém, com terapia, ela melhorou bas- Par
Matthew K. Nock, do Departamento de Psicologia da tante. Até os assuntos mudaram. Por orientação de uma tina T
Universidade de Harvard, aspectos da personalidade, terapeuta, ela se envolveu em alguns projetos, achou São P
cognitivos e sociais, além de experiências negativas ou que estava bem e, por conta disso, parou de tomar uma d
traumáticas desempenham um importante papel na os medicamentos, além de interromper o tratamento. própr
Foto: © mark_hubskyi – Fotolia

adoção de um comportamento suicida. Contudo, ninguém sabia disso”, revela. tativa


A fatalidade pegou todos na família de surpresa. sofrim
SOBREVIVENTES “Fiquei nervosa e me bateu um sentimento de tris- quer m
“Foi um choque”, lembra Paloma (nome fictício), que teza. Não conseguia acreditar que ela havia feito isso”, desejo
perdeu a mãe por overdose de medicamentos. Ela é uma desabafa Paloma. Cristina deixou algumas cartas para sível e

8 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 8 19/01/2018 11:42


e tem volta

37273 – Quebrando Silêncio 2018


ximos

suge-
nem
“Ela
ntua.
ssão e
os familiares e tomou vários medica- suicida tem a perceção de que já esgo- passava em casa. Porém, eu sofria
gou a mentos. Depois disso, ficou parada. tou as tentativas de fazer a situação abuso mental e emocional, e era
as cri- Foi quando o padrasto de Paloma a melhorar. É por isso que a pessoa fica estuprada por meu companheiro”,
o e os encontrou, quase sem respiração, e idealizando não o ato de se matar, revela a docente, que não chegou a
antes a levou ao pronto-socorro, mas não mas de deixar de existir”, esclarece. tentar o suicídio, mas precisou lutar
essoa foi possível salvá-la. Ela conta que seus sintomas seriamente contra a depressão e o
u bas- Para a professora de idiomas Mar- de depressão apareceram após a preconceito.
e uma tina Tejano, que vive no interior de perda de um bebê. Mesmo convi- “Fiz um pouco de psicoterapia,
Rocha
achou São Paulo e por anos lutou contra vendo com a doença, depois da morte o que me ajudou tremendamente, Designer
omar uma depressão, a vontade de tirar a do filho e do divórcio, ela se mudou muito mais do que remédio”, com-
mento. própria vida é, na verdade, uma ten- para os Estados Unidos, onde aca- para, ao explicar como lidou com a
Foto: © mark_hubskyi – Fotolia

Editor
tativa desesperada de dar fim a um bou sofrendo também num relacio- depressão. “É uma luta física e men-
presa. sofrimento insuportável. “Ninguém namento abusivo. tal. É aprender a ouvir seu diálogo
C.Qualidade
e tris- quer morrer. A vontade de morrer é o “Eu achava que se tratava ape- interno, analisá-lo, e depois mos-
isso”, desejo de que acabe aquela dor invi- nas de um relacionamento ‘compli- trar quem é que manda na situa- Depto. Arte
s para sível e pesada. O problema é que o cado’. Nunca contei a ninguém o que ção”, detalha.

QUEBRANDO O SILÊNCIO 9

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 9 19/01/2018 11:42


ALERTA GLOBAL
Martina compara a depressão – a são alguns sinais de alerta. Porém, “Eles
principal causa de morte por suicídio outros diversos fatores podem impe- cídio”
– com um disco arranhado que repete dir a identificação precoce do pro- Camp
a mesma fala de conotação negativa. blema, como receio de falar sobre o sidade
Contudo, é preciso fazer esse “disco” assunto. a doc
800 mil parar. “Tudo não dá errado; isso é nor-
mal. Não acontece só comigo, acon-
Por isso, ele acredita que esse
assunto precise ser encarado de forma
para t
enforc
pessoas tiram a própria tece com todos. Eu mereço coisa boa honesta. “Um tabu como esse não ingest
vida todos os anos
também”, salienta, ao repetir pensa- desaparece sem o esforço de todos Ela
mentos que evidenciam a necessidade nós. A dificuldade em buscar ajuda, a livro E
de uma reestruturação mental. falta de conhecimento e atenção sobre rica d
o assunto por profissionais de saúde na Am
EM BUSCA DE AJUDA e a ideia de que o comportamento temen

O suicídio
No estudo publicado por suicida não seja um evento frequente ritual
O’Connor e Nock na revista cientí- dificultam a prevenção”, enumera. seu pa
é a segunda maior fica Lancet Psychiatry, em 2014, os soas r
causa de mortes entre pesquisadores apontaram que boa EPIDEMIA GLOBAL vas da
jovens de 15 a 29 anos parte das pessoas que lutam contra Contudo, o desafio de enfrentar esse explic
pensamentos suicidas não recebe tabu social e um problema de saúde dor. O
tratamento. “Algumas evidências pública é um desafio para nações de ritual
sugerem que diferentes formas de todo o mundo (veja o quadro ao lado reaçõ
terapias cognitivas e comportamen- “Alerta global”). Em países como os ‘volun

78%
dos suicídios ocorrem
tais possam reduzir o risco de novas
tentativas de suicídio”, escreveram
os cientistas, embora reconheçam
Estados Unidos, por exemplo, o sui-
cídio chega a ser a décima principal
causa de mortes. Segundo a OMS,
Ap
aprese
cídio,
em países de renda que há poucas evidências na lite- trata-se de um fenômeno mundial, com o
média e baixa ratura acadêmica sobre os “fatores cujo impacto maior tem sido sentido Lituân
de proteção” contra esse problema. nos países mais pobres e em desenvol- Sul. Is
Para quem infelizmente chora a vimento, onde 78% dos suicídios de que e
perda de uma pessoa querida, um 2015 foram resgistrados. por aq
recurso fundamental é buscar ajuda É nesses países também que os núme- que ou

Pesticidas
na própria família. “Aceitar ajuda da ros podem talvez não refletir tão bem mais c
família e de amigos que conheceram a realidade porque, segundo a OMS, “Eles
e armas de fogo são os bem aquela pessoa também é bené- para cada adulto que tira a própria vida, permi
métodos mais comuns fico”, garante Paloma, a filha que pode haver outros 20 tentando fazer a masca
hoje é orfã de mãe. mesma coisa. Entre jovens e adolescen- profes
No entanto, talvez o maior desa- tes, os números são mais elevados do casos
fio para que mais pessoas busquem e que a média geral. O suicídio já repre- ficado
recebam auxílio seja vencer o estigma senta a segunda causa de morte das pes- conhe
que envolve o tema. Todo problema soas de 15 a 29 anos. De acordo com fiabili

O causa
suicídio
mais mortes
que é um tabu acaba não sendo discu-
tido como deveria pela sociedade. De
o relatório Jovens do Brasil 2014, as
taxas de suicídio haviam crescido quase
acordo com o psiquiatra Jorge Salton, 63% entre 1980 e 2012, aumentando
do que guerras e professor de Medicina da Universi- o ritmo a partir da virada do século,
Foto: © diy13 – Fotolia

assassinatos juntos dade Federal de Passo Fundo (RS), tanto na população em geral quanto
perdas recentes, transtornos men- entre os jovens.
Fonte: relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) tais, uso de drogas e álcool, histó- Por sua vez, no Equador, os jovens
de agosto de 2017, disponível em who.int/en rico de suicídio na família e bullying também parecem ser vulneráveis.

10 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 10 19/01/2018 11:42

SILÊNCIO QUE MATA


orém, “Eles são os que mais cometem sui- LINHA DO BEM Em 2013, ela arrecadou 23 mil dólares
impe- cídio”, diz a pesquisadora Lorena Para mudar esse quadro, muita por meio de uma ferramenta digital
o pro- Campo Aráuz, professora da Univer- gente ao redor do mundo tem traba- de financiamento colaborativo para
obre o sidade Politécnica Salesiana. Segundo lhado para apoiar quem luta contra viajar pelos Estados Unidos a fim de
a docente, o método mais comum a depressão e os pensamentos suici- tirar fotos e coletar relatos. Até agosto
e esse para tirar a própria vida no país é o das. Na Argentina existe o Centro de 2016, ela havia fotografado 166
forma enforcamento e, entre as mulheres, a de Assistência ao Suicida (CAS); no pessoas, em 28 cidades americanas.
e não ingestão de substâncias tóxicas. Uruguai, a ONG Último Recurso; no Outro veículo para dar voz a esse
todos Ela é uma das organizadoras do Chile, Colômbia, Equador, Espanha drama é o blog The Suicide Project,
uda, a livro Etnografías del Suicidio en Amé- e Portugal, a organização de volun- por meio do qual pessoas são enco-
sobre rica del Sur (Etnografias do Suicídio tariado Telefone da Esperança e, no rajadas a contar como encontraram
saúde na América do Sul) e publicou recen- Brasil, o Centro de Valorização da forças para desistir do suicídio.
mento temente um estudo sobre o processo Vida (CVV).
quente ritual de significação do suicídio em Nos Estados Unidos, instituições NAVEGAÇÃO PERIGOSA
mera. seu país. “Na hora de morrer, as pes- como a Fundação Americana para Se por um lado a internet conecta
soas reproduzem cenas representati- a Prevenção do Suicídio (AFSP), e a pessoas e oferece auxílio e motiva-
vas da própria vida e de sua cultura”, Aliança Nacional de Saúde Mental ção para indivíduos que lutam para
ar esse explica. “Falar do suicídio é falar da (Nami, na sigla em inglês), oferecem sobreviver, a rede mundial de com-
saúde dor. O que se evidencia é o processo programas de apoio a sobreviventes putadores também pode ser uma teia
ões de ritual, o de dar sentido ao ato, e as e pessoas que lidam com pensamen- perigosa para quem está vulnerável.
o lado reações sociais frente a uma morte tos suicidas, além de informações e No início de 2017, surgiu nas
mo os ‘voluntária’”, sublinha a pesquisadora. estatísticas atualizadas sobre o pro- redes sociais um jogo chamado
o sui- Apesar de os países sul-americanos blema no país. Baleia Azul, no qual os participan-
ncipal apresentarem taxas expressivas de sui- No campo da saúde pública, paí- tes são incentivados a cumprir uma

37273 – Quebrando Silêncio 2018


OMS, cídio, elas são baixas em comparação ses como Chile e Argentina desenvol- série de tarefas. Entre elas está a de
ndial, com os números da Finlândia, China, veram seus próprios projetos, como assistir filmes de terror, mutilar-se
entido Lituânia, Hungria, Rússia e Coreia do o Programa Nacional de Prevenção e, por fi m, tirar a própria vida. O
envol- Sul. Isso não significa necessariamente do Suicídio, que adota, entre outras game, que parece ter sido produ-
ios de que esse problema de saúde pública frentes de ação, avaliações de risco, zido na Rússia, espalhou-se pelo
por aqui seja menos alarmante, mas planos regionais intersetoriais, siste- mundo, causou algumas mortes e
núme- que outros países apresentam registros mas de ajuda em situações de crise e tirou o sono de pais e educadores.
o bem mais confiáveis dos casos de suicídio. capacitações a profissionais de saúde. Segundo o jornal inglês The Sun,
OMS, “Eles têm registros mais rígidos, que Há também iniciativas independen- ao menos 130 mortes foram asso-
a vida, permitem diminuir a possibilidade de tes, como o projeto Live This Through, ciadas ao jogo.
azer a mascaramento dos dados”, completa a da psicóloga, fotógrafa e escritora Também no início de 2017, uma
escen- professora. Na América do Sul, muitos Dese’Rae Stage. O trabalho dessa ati- série do Netflix sobre o suicídio
dos do casos de suicídio acabam sendo noti- vista, que já tentou tirar a própria vida, colocou o tema em discussão na
repre- ficados como acidente ou causa des- consiste em divulgar uma coleção de sociedade. A polêmica produção
as pes- conhecida, o que compromete a con- retratos e histórias contadas por quem 13 Reasons Why foi considerada
o com fiabilidade das estatísticas nacionais. sobreviveu a uma tentativa de suicídio. pelo epidemiologista John Ayers
Rocha
14, as Designer
quase Precisa de ajuda?
tando
Disque 188 ou acesse cvv.org.br Editor
éculo,
Foto: © diy13 – Fotolia

uanto
Para saber mais: C.Qualidade

ovens quebrandoosilencio.org
Depto. Arte
áveis.

QUEBRANDO O SILÊNCIO 11

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 11 19/01/2018 11:42


e outros quatro pesquisadores como mencionado, o tabu sobre o assunto “Como ajudar uma pessoa com
irresponsável na abordagem de um impede uma discussão mais aberta depressão? Convide-a para sair,
assunto tão delicado. De acordo com a respeito do tema. O ponto é que arranque a pessoa de dentro de
os cientistas, nos 19 dias seguintes ao perguntar sobre o suicídio não irá casa para distrair um pouco e dar
lançamento dessa série, a busca na necessariamente incentivar o ato risada. Se você já teve depressão,
internet por termos relacionados ao em si (veja o quadro abaixo “Mitos sabe como a luta é dura; por isso,
suicídio cresceu 19%. Detalhe: boa e fatos”). Ao contrário, falar sobre apadrinhe alguém que passa pelo
parte das pesquisas era sobre como isso de modo responsável é uma mesmo problema. Fale sobre o que
tirar a própria vida. forma de oferecer acolhimento para você sente, troque experiências e
“Não está claro se as buscas pre- quem pensa em tirar a própria vida fique de olho em quem você está
cederam alguma tentativa real. No e ajudar a reduzir a ansiedade de acompanhando”, aconselha a pro-
entanto, a pesquisa por informações quem não tem visto saída para o fessora Martina.
sobre métodos precisos de suicídio sofrimento. Se as causas do suicídio são
aumentaram após o lançamento da Outra medida de prevenção é múltiplas, a prevenção dessa epi-
série”, alertam. A principal crítica restringir o acesso a objetos peri- demia também é resultado de inú-
desses especialistas é que a produção gosos e a exposição às situações meros fatores. Quebrar o silêncio
poderia ter seguido as orientações da que possam facilitar o suicídio. para falar a respeito desse tema
OMS de como abordar o tema na “É necessário tornar os trata- pode ser o primeiro passo que
mídia, o que prevê não exibir cenas de mentos psiquiátricos mais aces- levará a outros. Por isso, leia todo
suicídio e incluir os contatos de servi- síveis para a população em geral, o conteúdo desta revista a fim
ços de ajuda em cada episódio da série. tendo em vista que quase todos de cuidar melhor de você e de
os casos de suicídio têm relação alguém que talvez precise de sua
PREVENÇÃO com doenças mentais”, observa o ajuda.
Embora a epidemia de suicídio psiquiatra Jorge Salton, professor
seja preocupante, ela pode ser com- da Universidade Federal de Passo LEONARDO SIQUEIRA é jornalista e pós-graduado em
batida e evitada. Por vezes, como já Fundo (RS). Jornalismo Científico pela Unicamp (SP)

MITOS FATOS
 alar abertamente pode dar à pessoa outras opções ou o
F
Falar sobre suicídio pode estimular o ato.
tempo que precisa para repensar essa decisão radical.

 uitas pessoas que estão pensando nisso falam sobre sua


M
 essoas que falam sobre suicídio não
P
experiência de ansiedade, depressão e falta de esperança,
pretendem cometê-lo.
e podem achar que não há nenhuma outra opção.

A maioria dos suicídios acontece  maioria dos suicídios é precedida por alertas
A

MKT CPB | Fotolia


repentinamente. verbais ou comportamentais.

 s suicidas costumam ser ambivalentes com respeito a


O
O suicida quer morrer. viver ou morrer. Por isso, o apoio emocional no
momento certo pode evitar a tragédia.
Foto: © Photographee.eu – Fotolia

 epois que alguém tenta o suicídio


D  risco maior de suicídio é de curta duração e está ligado
O
Foto: © dlphoto6 – Fotolia

sempre repetirá essa ação. a uma situação específica.

 omente pessoas com


S  comportamento suicida indica profunda infelicidade,
O
desordens mentais são suicidas. mas não necessariamente desordem mental.
c
12 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 12 19/01/2018 11:42


a com
sair,
ro de
Problemas emocionais?
Aprenda a lidar com eles
e dar
essão,
isso,
pelo
o que
cias e
ê está
a pro-

o são
a epi-

PROPAGANDA
e inú-
êncio
tema
o que
todo
a fim
e de
e sua

37273 – Quebrando Silêncio 2018


uado em

o
MKT CPB | Fotolia

Rocha
Designer
Foto: © Photographee.eu – Fotolia

o Editor
Foto: © dlphoto6 – Fotolia

C.Qualidade

WhatsApp
cpb.com.br |
Depto. Arte
0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073
/casapublicadora
QUEBRANDO O SILÊNCIO 13

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 13 19/01/2018 11:42


R E L I G I ÃO

Luz
acon
dos i

no fim
Ait
Absal
que o
(2 Sam

túnel
por m
ao ver

do
cou fo
(1 Rei
bado e
de

A BÍBLIA CONDENA O SUICÍDIO, MAS TAMBÉM APRESENTA


UM DEUS QUE JULGARÁ CADA CASO COM JUSTIÇA E MISERICÓRDIA

ÁNGEL MANUEL RODRÍGUEZ

P
ara quem perde para uma atitude desesperada para fugir o rei havia feito, seu
o suicídio alguém que de uma existência percebida como escudeiro tomou a
amava, além da dor da insuportável. mesma decisão
ausência, essa pessoa cos- Na Bíblia, há relatos de martírio (v. 5). Isso foi
tuma carregar o peso da e de suicídio. Uma rápida análise motivado
“culpa” de não ter evitado a tragédia das histórias do segundo caso nos pelo medo
e a incerteza quanto ao destino de ajuda a entender as implicações que do que
quem morreu. Para muitos cristãos, isso teria para nós hoje.
escolher tirar a própria vida é um
caminho sem volta em termos tam- CASOS DE SUICÍDIO NA BÍBLIA
bém de salvação eterna. Contudo, Abimeleque foi mortalmente
quando lemos a Bíblia com mais ferido por uma roda de moinho
atenção é possível chegar a outra lançada por uma mulher; por
conclusão, que traz esperança. isso, ele pediu a seu escudeiro
Foto: © Sondem | Fotolia

Em primeiro lugar é importante que o matasse para evitar


diferenciar suicídio de martírio. Mar- aquilo que considerava
tírio é a opção de entregar a vida uma grande vergonha
movido por convicções fundamen- (Juízes 9:54). Saul,
tais e valores não negociáveis, o que depois de ser grave-
inclui atos heróicos de sacrifício pes- mente ferido na
soal que resultam na preservação de batalha, come-
outras vidas. Por sua vez, o suicídio teu suicídio
é basicamente uma negação do valor (1 ­Samuel 31:4).
da vida como um presente de Deus e Ao ver o que

14 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 14 19/01/2018 11:42


aconteceria com eles nas mãos muitos dos suicídios ocorreram em por um quadro de desequilíbrio
dos inimigos. um contexto de guerra, em que os mental, em que o indivíduo não ava-
Aitofel, um dos conselheiros de suicidas parecem ter tomado essa lia bem o que faz. Por isso, confiar
Absalão, se enforcou depois de saber decisão por causa de medo ou vergo- na bondade de Deus é o consolo
que o rei havia recusado seu conselho nha. Segundo, outros casos são mais para quem chora a perda e a espe-
(2 Samuel 17:23). Zinri se tornou rei pessoais e refletem, além de medo, rança para quem é assediado por
por meio de um golpe de Estado, mas baixa autoestima. Todos ocorrem pensamentos suicidas.
ao ver que o povo não o apoiava, colo- no contexto de um estado mental
cou fogo em seu castelo e em si mesmo emocionalmente perturbado. ORIENTAÇÃO PARA HOJE
(1 Reis 16:18). Judas ficou tão pertur- Terceiro, o suicídio é mencionado Diante disso, como devemos rea-
bado emocionalmente que se enforcou na Bíblia sem que os autores expres- gir se perdermos para o suicídio
depois de trair Jesus (Mateus sem qualquer juízo de valor a res- alguém que amamos? Primeiro, a
27:5). Após um terremoto, o peito da ação. Isso não significa que psicologia e a psiquiatria revelaram
carcereiro de Filipos con- o suicídio seja moralmente correto, que, na maioria dos casos, o suicídio
cluiu que os prisioneiros mas assinala que o escritor bíblico é resultado de uma profunda agita-
haviam fugido e, cheio de se dedicou simplesmente a descrever ção emocional ou de um desequi-
temor, tentou cometer o acontecimento. líbrio bioquímico associado a um
suicídio, mas Paulo o O quarto ponto é que podemos estado de depressão profunda ou de
convenceu a não fazer concluir que o suicídio fere princípios medo. Portanto, não devemos julgar
isso (Atos 16:26-28). bíblicos claros: Deus criou a vida alguém que, sob tais circunstâncias,
(Jó 1:21) e a considera sagrada optar pelo suicídio.
MENSAGEM DO TEXTO (Gênesis 9:5, 6), nós não somos Segundo, a justiça de Deus leva
Dos incidentes donos dela (1 Coríntios 6:19; em consideração a intensidade de
mencionados, per- ­Romanos 14:7, 8) e devemos apro- nossa mente atribulada; Ele nos

37273 – Quebrando Silêncio 2018


cebemos algu- veitá-la dedicando nossa existên- entende melhor do que ninguém.
mas questões. cia para Ele (Mateus 25:14-30; Por isso, devemos confiar, crendo
Primeiro, ­Filipenses 1:21). O sexto manda- que o futuro de nossos queridos está
mento tem algo a dizer a respeito nas mãos de um Deus misericor-
do tema também (Êxodo 20:13). dioso. Terceiro, com a ajuda Dele,
Assim sendo, o cristão não deveria podemos enfrentar a culpa de forma
considerar o suicídio uma solução construtiva. Lembre-se de que aquele
moralmente válida para o desafio que cometeu suicídio necessitava de
de viver neste mundo marcado por ajuda profissional que muitos de nós
dores físicas e emocionais. somos incapazes de oferecer.
Porém, não nos cabe jul- Finalmente, se alguma vez você
gar o destino eterno de um tentou cometer suicídio, busque
suicida. O juízo final ajuda e conte com o apoio de
pertence a Deus, que amigos e familiares que o amam.
Foto: © Sondem | Fotolia

é justo e miseri- Sobretudo, há um Deus que deseja


cordioso. Fre- ampará-lo por meio de pessoas
Rocha
quentemente amorosas, quando você estiver Designer
o suicídio atravessando o vale da sombra da
é moti- morte. Portanto, nunca perca a Editor
vado esperança!
C.Qualidade
ÁNGEL MANUEL RODRÍGUEZ é teólogo e diretor
associado do Instituto de Pesquisas Bíblicas da Depto. Arte
sede mundial da Igreja Adventista

QUEBRANDO O SILÊNCIO 15

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 15 19/01/2018 11:42


E D U CAÇÃO

Esse tipo de violência física e emocional, que muitas vezes começa


na escola, pode ser um estímulo ao comportamento suicida

ANNE SEIXAS

Foto: © Paolês, doctorado – Fotolia

16 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 16 19/01/2018 11:42


Descobri o bullying aos 11 anos”, lamenta
Stéphany (nome fictício), que no fi m da
infância percebeu o que palavras e ações
depreciativas podem fazer. Para ela, aquilo

37273 – Quebrando Silêncio 2018


não foi uma “besteirinha”, expressão fre-
quentemente usada por quem vivenciou situações como
essa, mas não se sentiu prejudicado de forma grave.
O termo bullying ganhou notoriedade nos últimos
anos e está diretamente relacionado às agressões ver-
bais ou físicas direcionadas a alguém, sem que haja um
motivo específico. Elas geram humilhação e ocorrem
geralmente contra pessoas com baixa capacidade de
defesa. Como resultado, várias dessas vítimas carre-
gam traumas para a vida adulta.
“O ambiente escolar é um dos que mais con-
centram casos de bullying”, afi rma a psiquiatra
Alexandrina Meleiro, do Instituto de Psiquiatria do
Hospital das Clínicas de São Paulo. Por isso, identi-
ficar o que acontece nas dependências de uma insti-
tuição de ensino pode ajudar a evitar tragédias e a
Rocha
educar crianças e adolescentes sobre a forma correta Designer
de tratar o próximo.
Editor

C.Qualidade

Depto. Arte

QUEBRANDO O SILÊNCIO 17

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 17 19/01/2018 11:42


COISA SÉRIA que a
De origem inglesa, bully significa “valentão” ou aluno
“briguento” e define o que quase 21% dos estudantes Ap
brasileiros praticam no ambiente escolar, segundo vençã
pesquisa do Ministério da Saúde e do Instituto Brasi- Quan
leiro de Geografia e Estatística (IBGE), realizada em gica e
parceria com a Escola de Enfermagem de Ribeirão para l
Preto da Universidade de São Paulo (USP). Metade com a
dos entrevistados não soube dizer por que dispara e os ad
dos estudantes ofensas gratuitas aos colegas. frequ
brasileiros praticam esse Os motivos da chacota são muitos. As características vulne
tipo de violência físicas costumam estar no topo da lista. Peso, altura, de pr
cor da pele, sotaque, orientação sexual, religião e local mas e
de origem, tudo isso pode acabar servindo de pretexto
para a prática desse tipo de violência. VÁLVU
No caso de Stéphany, o motivo das “brincadeiras” Ess
dos entrevistados não foi sua gagueira. “Começou quando mudei de cidade precis
souberam dizer por que e fui para uma escola nova. Ali havia um menino Stéph
ofendem os colegas que vivia falando coisas ofensivas para mim e outros ção”
colegas”, conta. boca
De acordo com a doutora Alexandrina Meleiro, a situaç
forma como o bullying na escola afeta os alunos “vai o psic
depender da estrutura emocional de cada adolescente que h
ou criança. Em alguns casos, isso pode ter uma conse- dram
quência mais séria e acabar prejudicando a autoestima ainda
de alguém”. Segundo a psiquiatra, esse comportamento qualq

Fotos: © Paolês, bestvector083, smastepanov2012, svtdesign, frrlbt, volha, Arcady, ponomariova_m, Tural, mimacz – Fotolia
favorece a reação depressiva, que leva a sentimentos de Ten
desesperança, pensamentos de agressividade e impulsi- riame
vidade, podendo chegar ao suicídio. sua p
foram
peso altura
NO LUGAR DO OUTRO quan
Assim que se sentiu incomodada com as falas do falam
colega, Stéphany imediatamente procurou a mãe, que De
decidiu reclamar junto à direção do colégio. No entanto, nham
cor da pele sotaque nenhuma providência foi tomada. Porém, para a garota, um p
o grande baque veio alguns anos depois, quando uma preco
professora orientou outro aluno a não fazer um traba- que in
lho em grupo com ela. “Eu a ouvi dizer para que ele gente
não me convidasse, porque minha gagueira atrapalharia cada
orientação religião a apresentação. Foi a pior coisa que ouvi”, sublinha. adapt
sexual
Para ajudar quem enfrenta esse tipo de circunstância,
o psicólogo Eduardo Araújo, que atua diretamente com VIGILÂ
adolescentes, desenvolveu dois projetos. Um deles se Co
chama “Intervenção”. Durante seis semanas, adolescen- vir. “
origem e etnia tes de uma escola particular participaram de reuniões comu
em grupo para aprender a se colocar no lugar do outro. difere
As atividades ajudaram os estudantes a desenvolver cia. E
Fontes: Ministério da Saúde do Brasil, IBGE e
Universidade de São Paulo (USP), campus Ribeirão Preto melhor suas habilidades sociais. Esse processo fez com decid

18 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 18 19/01/2018 11:42


que as situações de bullying e a falta de confiança entre Tomou uma cartela inteira de medicamento controlado.
o” ou alunos e professores fossem praticamente eliminadas. Foi imediatamente internada e sobreviveu. “Não foi
antes A psicopedagoga Marisa Silvana ressalta que a pre- uma coisa planejada. Ninguém quer morrer”, garante.
undo venção do bullying na escola começa com a observação. Stéphany lamenta não ter começado o tratamento
Brasi- Quando se depara com alguma agressão física ou psicoló- antes. “Foi ruim, mas hoje sou outra pessoa”, assegura,
da em gica entre os alunos, o corpo docente deve ser preparado ao dizer que os dias mais sombrios ficaram para trás. Ape-
eirão para lidar com isso. A partir de então, é preciso seguir sar de viver uma vigilância diária, o conhecimento acerca
etade com atividades que promovam empatia entre as crianças do problema e o controle sobre seus gatilhos (pessoas,
spara e os adolescentes, identificando quem são as vítimas mais ambientes ou situações que levam ao pânico ou compor-
frequentes e protegendo-as de possíveis situações de tamentos maléficos) fazem com que há pouco mais de
sticas vulnerabilidade. Marisa ainda destaca que esse olhar um ano ela venha levando uma vida diferente.
ltura, de prevenção não pode se restringir aos professores,
local mas envolver toda a comunidade escolar. ANNE SEIXAS é jornalista
texto
VÁLVULA DE ESCAPE
eiras” Essa relação entre professores, gestores e alunos
idade precisa ser de confiança. No entanto, na história da
enino Stéphany, a realidade foi bem diferente. A “valida-
utros ção” de todos os comentários que ela ouvia veio da
boca de uma docente que, além de não ter resolvido a
iro, a situação anterior, agravou o quadro. De acordo com
s “vai o psicólogo Eduardo Araújo, se a vítima não sente
scente que haverá, de fato, alguma ação para solucionar o
onse- drama que se passa naquele ambiente, ela se retrai

37273 – Quebrando Silêncio 2018


stima ainda mais, evitando assim expor seu sofrimento para
mento qualquer outro adulto.
Fotos: © Paolês, bestvector083, smastepanov2012, svtdesign, frrlbt, volha, Arcady, ponomariova_m, Tural, mimacz – Fotolia

tos de Tendo em vista que o constrangimento vivido dia-


pulsi- riamente parecia não ter fi m, aos 15 anos Stéphany fez
sua primeira tentativa de suicídio. Os cortes no pulso
foram o primeiro grito por socorro. “O problema é
quando você passa a acreditar em tudo aquilo que
as do falam para você”, desabafa.
e, que Depois desse episódio, ela começou a ter acompa-
tanto, nhamento profissional. Porém, para buscar ajuda de
arota, um psiquiatra, Stéphany teve que vencer o próprio
o uma preconceito de que aquilo era coisa para doido. “O
raba- que influencia muito é a falta de conhecimento que a
ue ele gente tem dessa área”, reconhece. Ela foi diagnosti-
lharia cada com distúrbio bipolar e sociopatia e teve que se
nha. adaptar à medicação.
Rocha
ância, Designer
e com VIGILÂNCIA CONSTANTE
les se Contudo, as piores experiências ainda estavam por Editor
escen- vir. “Comecei a me machucar, e isso é muito mais
niões comum do que a gente pensa”, destaca. Para ela, o
C.Qualidade
outro. diferencial foi ter pais sempre atentos ao que aconte-
volver cia. Em seu aniversário de 20 anos, porém, Stéphany Depto. Arte
z com decidiu que precisava aliviar sua crise mais intensa.

QUEBRANDO O SILÊNCIO 19

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 19 19/01/2018 11:42


E M P R I M E I R A P E S S OA

N uma das piores crises de depressão,


recebi alta da perícia e tive que retor-
nar ao trabalho, embora os sinais da
doença ainda me acompanhassem.
Tomando muitas medicações, eu tentava viver
normalmente, mas era impossível. A falta
2015, ouvi de um assistente social que eu
não poderia mais atuar no setor do qual fazia
parte e que, embora tivesse aptidão para o
cargo, não me queriam lá. Senti-me um nada,
desrespeitada e rejeitada.
Naquele dia, meu esposo iria me buscar.
de concentração, energia, alterações no ape- Eu chorava muito e, com vergonha de que
tite e no sono me fi zeram emagrecer muito. alguém me visse naquela condição, me tran-
Os dias eram cinzas. Nada me motivava. quei no banheiro do escritório. Ouvi uma
Dor, angústia e solidão eram minhas com- amiga me chamar pedindo que eu abrisse
panhias, e com elas uma sensação de vazio, de a porta, pois ela sabia que meu estado era
culpa e falta de perspectiva. Os pensamen- grave. Porém, não vi mais nada. Pulei do
tos de morte me perseguiam. Eu não vivia. terceiro andar do edifício. Não sei como
Apenas existia. foi. Não vi a altura, não percebi o risco, não
No trabalho, era exposta a uma situação vi a queda, só me lembro de estar no chão
de conflito e assédio, em que me sentia muito sendo socorrida, com uma dor terrível por
humilhada. Em uma tarde de fevereiro de causa das múltiplas fraturas.

NOVA CHANCE
DA DEPRESSÃO À TENTATIVA DE SUICÍDIO, ENCONTREI NA FAMÍLIA
E EM DEUS A FORÇA QUE PRECISAVA PARA VENCER

ELIANE BARROS
Foto: © ipopba | Fotolia

20 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 20 19/01/2018 11:42


A dor era emocional também porque me lembrei acontece comigo interfere na vida daqueles que me
da minha filha, Raíssa. Com a sensação de que a amam, e não quero vê-los sofrer, seja por culpa, ver-
morte era certa, disse ao meu esposo: “Peça à Raíssa gonha ou preconceito. Percebi que quero estar com
que me perdoe.” E ele perguntou: “Por que você eles em muitos momentos. Não quero ser apenas
fez isso? Peça perdão a Deus.” Hoje vejo que essa uma triste lembrança na memória da minha família.
frase foi uma grande prova de amor, pois naquele
momento a preocupação dele foi com minha salvação OUTRA PERSPECTIVA
eterna. Ele sabia que eu poderia morrer em minutos. O fato de ter perdido os movimentos e precisar de
ajuda para as atividades básicas tem me ensinado a
LUTA PARA VIVER agradecer pelas coisas mais simples e a reconhecer
Foi então que uma luta pela minha vida come- que o que é mais importante na vida não se compra
çou a ser travada, já que meu estado era grave. e que não importa o que pensem de mim ou façam
Tive momentos de lucidez e confusão mental contra mim. A questão mais importante é minha
durante vários dias. Internada na UTI, eu estava reação diante das situações. Hoje sei que sou amada
com hemorragia interna, além de rupturas nos por Deus e pela minha família, que cuidou de mim
pés, braços, costelas, vértebras da coluna e no sem me julgar. Foi toda essa dedicação deles que
quadril. Passei por várias cirurgias e transfusões me deu forças para lutar pela vida.
de sangue. Tive inúmeras complicações, como Viver não é fácil e, quando somos atacados
trombose e derrame na pleura, membrana que por doenças mentais, a luta fica mais dura ainda,
recobre o pulmão. pois a batalha é contra um inimigo invisível. Há
Fiquei acamada, perdi o movimento das per- muito preconceito e falta de informação sobre
nas e usei fraldas descartáveis. Permaneci na essas enfermidades emocionais, a ponto de ser
cadeira de rodas durante meses. Foi um longo um grande tabu falar sobre suicídio, ainda que
processo de reabilitação para recuperar minha a cada ano cerca de 800 mil pessoas tirem a

37273 – Quebrando Silêncio 2018


mobilidade. Naquela situação, voltar a andar própria vida. O fato é que é muito penoso para
era um sonho. Para tanto, passei por mais três a família que perdeu alguém tocar no assunto,
cirurgias. Cheguei a ficar isolada por 26 dias. ou quem sobreviveu encarar o julgamento da
Por causa da ação de bactérias multirresistentes, sociedade.
eu não podia tocar em ninguém. Em meio a toda essa dor, começamos nas redes
Perdi uma parte do calcâneo, osso de apoio do sociais o movimento #todoscontradepressao.
calcanhar, e precisei de 60 sessões hiperbáricas, Percebi que as perguntas das pessoas sobre
uma modalidade terapêutica com base em pressão minha experiência de sobrevivência não eram
e oxigenação para ajudar a cicatrizar fraturas. mera curiosidade nem tinham a intenção de me
Convivi com muitas pessoas lutando pela vida, constranger. A questão é que muitos se identifi -
tendo seus corpos mutilados pelas amputações. cavam com os sentimentos e as circunstâncias
Tudo foi aprendizado. Ainda estou em recupe- que me levaram a tomar a atitude desesperada que
ração. Hoje, dois anos e meio depois, meu pé tive. Por isso, decidi abrir minha “caixa preta”
ainda não cicatrizou. Necessito de curativos e a fi m de me dedicar à missão de ajudar quem
não consigo realizar nenhuma tarefa em casa. está sofrendo. Creio que é necessário pedir, acei-
Cada atividade precisa ser planejada. Por exem- tar e oferecer ajuda quando identifi camos sin-
Rocha
plo, ficar sentada ou em pé me causa dores cons- tomas das doenças mentais. Precisamos estar Designer
tantes e limitantes. atentos a isso.
Contudo, tenho aprendido a ser grata a Deus Hoje eu poderia ser apenas uma saudade, mas
Foto: © ipopba | Fotolia

Editor
em cada conquista. Foi um choque ter estado de Deus me deu uma nova chance, e aqui estou com
cara com a morte e correr o risco de não mais ver minha família.
C.Qualidade
minha família. Naquele dia do incidente percebi
o que realmente é importante. Percebi que o que ELIANE BARROS é funcionária pública Depto. Arte

QUEBRANDO O SILÊNCIO 21

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 21 19/01/2018 11:42


LITER

O
Milh
emoc

MIC

Depressão
Entenda como sair dessa doença e comece a viver E
ciona
m
o
c
p

trans
não h
educa
mode
vem h
lugar
cartã
Mas
tempo
perce
ção n
penso
feito,
Em
tos em
fatos,
são a
dio en
se per
blema
vanta
tencia
MKT CPB | Fotolia

condi
cultu
COMO SAIR SETE DIAS PARA com e
que fa
DA DEPRESSÃO COMEÇAR A VIVER
com e
Neil Nedley Elias Oliveira Lima At
gente
WhatsApp nistra
cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073 Por is
/casapublicadora

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 22 19/01/2018 11:42


L I T E R AT U R A

O mundo precisa de esperança


Milhões de exemplares de livro que relaciona espiritualidade e saúde
emocional serão distribuídos gratuitamente

MICHELSON BORGES

o
r E m novembro de 2016, tive a
oportunidade de visitar duas
cidades da Suíça. Pense em um
país perfeito... Ali tudo fun-
ciona bem. As ruas são limpas, o
desistido de viver. O ano de 2017,
por exemplo, terminou com a notí-
cia do suicídio do famoso cantor
sul-coreano Kim Jong-hyun, de 27
anos. Detalhe: a Coreia do Sul tem
transporte público é impecável, um dos maiores índices de suicídio do
não há pedintes nas calçadas, a mundo. Kim Jong-hyun deixou uma
educação é de primeira qualidade, mensagem de despedida: “Estou
modernidade e antiguidade convi- quebrado por dentro. A depressão que
vem harmoniosamente, e em todo lentamente foi me destruindo já me
lugar para onde a gente olha há um devorou, e não consegui superá-la.
cartão postal ao vivo e em cores. É incrível o quanto dói. Ninguém

37273 – Quebrando Silêncio 2018


Mas nada como conviver algum está mais atormentado nem debi- BAIXE GRATUITAMENTE UM EXEMPLAR EM
tempo com as pessoas do local para litado do que eu.” LIVRO.ESPERANCA.COM.BR
perceber o óbvio: não existe perfei- Depressão, ansiedade, estresse e
ção neste planeta. Então, se você vícios são doenças que defi nitiva- impacto no corpo e na alma, pois,
pensou que a Suíça é um país per- mente não escolhem país, faixa etá- afi nal, precisamos cuidar do nosso
feito, infelizmente, está enganado. ria, fi liação religiosa, nem mesmo bem-estar integral. Além do con-
Embora os suíços sejam discre- se a pessoa é famosa ou não. Neste teúdo científico e religioso, o livro
tos em relação a certos números e mundo que está longe do ideal, conta também a história de qua-
fatos, tomei conhecimento de que todo ser humano está sujeito a tro personagens com os quais cer-
são alarmantes os índices de suicí- padecer de qualquer desses males. tamente todos os leitores vão se
dio entre jovens ali. Alguém pode Foi justamente pensando nessa identificar.
se perguntar: Mas qual seria o pro- situação aparentemente sem solu- O Poder da Esperança ajuda a
blema deles em um país com tantas ção que a Igreja Adventista do quebrar o silêncio do preconceito
vantagens? Simples: o vazio exis- Sétimo Dia decidiu produzir, e da ignorância sobre temas que
tencial não escolhe território, nem publicar e distribuir massivamente têm causado tristeza, doença e
condição econômica nem formação O Poder da Esperança (CPB, 2017, até morte. Gostaria muito que ele
Rocha
cultural. Todo ser humano nasce 96 p.), livro que discute a relação alcançasse suíços, brasileiros, ricos, Designer
Designer
com esse senso de incompletude. O entre espiritualidade e saúde emo- pobres, anônimos, famosos, cren-
que faz a diferença é como lidamos cional e de como alcançar essa con- tes e descrentes, afi nal, o mundo Editor
Editor
com esse sentimento. dição de bem-estar. precisa desesperadamente de espe-
A triste constatação é que muita A obra está dividida em dez capí- rança!
C.Qualidade
C.Qualidade
gente não tem conseguido admi- tulos que tratam dos principais pro-
nistrar bem esse e outros dilemas. blemas relacionados com a saúde MICHELSON BORGES é jornalista e coautor do Depto. Arte
Arte
Depto.
Por isso, milhares de pessoas têm da mente que, por sua vez, têm livro O Poder da Esperança

QUEBRANDO O SILÊNCIO 23

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 23 19/01/2018 11:42


Apoio que S
FA M Í L I A

UMA CONVERSA, UM ABRAÇO E A CERTEZA DE QUE ALGUÉM SE PREOCUPA


COM O OUTRO PODE SER DECISIVO NA ESCOLHA DE CONTINUAR A VIVER

CESAR VASCONCELOS

D
iariamente, 2.192 pes- a combinação de doenças, como
soas comentem suicídio. depressão e alcoolismo ou ansiedade
São 91 casos por hora e e agitação. Isso não quer dizer que
mais de um por minuto. todo suicídio está relacionado com
Se as tentativas tam- uma doença mental nem que todo
bém forem considera- mundo que sofre de uma enfermi-
das, a estimativa sobe para 15 a 25 dade dessa natureza irá tirar a pró-
milhões de vítimas por ano. pria vida. Porém, é importante aten-
As causas são variadas. ­Envolvem tar para os distúrbios emocionais
fatores socioculturais, genéticos, psi- como um sério fator de risco.
codinâmicos, filosóficos, ­existenciais Vários eventos negativos podem
e ambientais. A ocorrência de uma desencadear esse quadro emocio-
doença mental é um importante fator nal: a perda do emprego, o fim de
de risco. Uma revisão de 31 artigos um relacionamento amoroso, abuso
científicos publicados entre 1959 e de drogas, falência financeira, fale-
2001, englobando 15.629 suicídios, cimento de alguém querido ou crise
demonstrou que em mais de 90% psicótica. As condições sociais por
dos casos caberia um diagnóstico si só também não explicam um
médico precoce, o que poderia ter suicídio. Pessoas que interrom-
evitado a tragédia. É o que informa- pem a própria vida e que estavam
ram os pesquisadores J. M. Berto- vivendo uma situação como essas
lote e A. Fleischmann, num artigo muito provavelmente apresentas-
de 2002 da revista acadêmica World sem também um transtorno mental
Psychiatry. subjacente, o que as tornou mais
Nesse estudo, verificou-se que vulneráveis.
3,2% dos suicidas não tinham
diagnóstico; 10,6% deles apre- Ombro amigo
sentavam esquizofrenia; 11,6% O ponto é que o suicida não quer
transtorno de personalidade; morrer. Ele apenas não sabe como
Foto: © Ssewcream – Fotolia

22,4% transtornos ligados ao uso continuar vivendo com a sensação


de álcool e drogas e 35,8% tinham de que está num beco sem saída. Por
algum transtorno do humor, como isso, os familiares precisam entender
depressão e doença bipolar. e aceitar que o que para eles parece
Os casos mais graves envolviam ser algo fácil de resolver, na mente de

24 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 24 19/01/2018 11:42


e Salva

37273 – Quebrando Silêncio 2018


Rocha
Designer

Editor
Foto: © Ssewcream – Fotolia

C.Qualidade

Depto. Arte

QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 25 19/01/2018 11:42


MKT CPB | Fotolia
quem sofre se mostra sem solução.
Nesse contexto, comentários como
“pare com essa bobagem” ou “você
não tem fé?” não ajudam em nada,
porque denunciam a falta de empatia
e até de misericórdia para com aquele
que passa por esse drama.
Será importante conversar com a
pessoa que fala em suicídio e tentar
mostrar que sempre há uma saída
para a dor, mesmo que a solução do
problema não ocorra da maneira permanente e que o tratamento ade- do desgaste que envolve esse acom-
ideal e imediata. Ele vai precisar de quado pode fazer o cérebro voltar panhamento, os familiares também
ajuda para aprender a suportar seus a funcionar de maneira saudável. devem buscar para si suporte pro-
sentimentos de perda e frustração, Diga para a pessoa que você a fissional.
bem como de indignação contra a está ajudando, e que na hora de Tocar no assunto do suicídio não
realidade que o cerca e de raiva que uma forte crise de pensamento sui- estimula o ato. Na verdade, dialo-
ele direciona contra si mesmo. cida, ela deve compartilhar o que gar francamente sobre o tema pode
Pessoas que se suicidaram deram sente com quem estiver por perto. oferecer para a pessoa que sofre
sinais de que pensavam seriamente Caso esteja só, a pessoa deve tele- soluções para o que a aflige, além
em se matar. Um auxílio impor- fonar para um amigo ou parente de dar a ela tempo para repensar
tante da família em relação ao sui- e falar sobre o assunto, além de sobre uma decisão trágica. A­ judá-la
cida em potencial é observar como deixar o local em que está sozinha a refletir no que tem funcionado
ele se refere à própria dor, tristeza para se encontrar com alguém que bem na própria vida colabora bas-
e desesperança. É preciso redobrar lhe possa dar suporte. O Centro tante para sair do momento difícil
a atenção diante de frases típicas de Valorização da Vida (CVV), no de pressão mental negativa ligada
de quem pensa no pior, como “por número 188, também presta aten- à ideia de morte. Lembrá-la sobre
que Deus não me leva?” e “não sei dimento gratuito para quem estiver o que Deus tem feito por ela e da
para que continuar vivendo”. Espe- em qualquer região do Brasil. importância terapêutica da grati-
cial cuidado deve-se ter se essas dão também são caminhos positi-
falas vieram acompanhadas de Atenção constante vos. Vale ressaltar que as pessoas
diminuição da capacidade produ- Para os pais que têm filhos ado- que já tentaram o suicídio formam
tiva, isolamento, tristeza constante lescentes, qualquer mudança impor- o maior grupo de risco.
e perda da energia. A família deve tante de comportamento deve ser Por fim, eu recomendaria o c­ ultivo
procurar conversar com essa pes- acompanhada, como o isolamento de uma espiritualidade saudável.
soa a fim de entender a razão de no quarto, de quem antes era sociá- Orar contribui para diminuir a ansie-
sua tristeza e incentivá-la a buscar vel; ou o excesso de sono ou a falta dade e a controlar e afastar ideias
ajuda profissional. dele; a manifestação de rebeldia pessimistas. Nutrir a confiança em
Nesses contextos, é importante intensa ou tristeza profunda; a queda Deus por meio da leitura de Suas pro-
lembrar quem sofre de que ele é significativa no rendimento escolar e messas na Bíblia (leia Isaías 57:15,
importante na vida daqueles que um possível afastamento dos amigos. por exemplo) conviver numa comu-
o cercam. Ajuda também explicar Nesses casos, os pais precisam nidade cristã acolhedora, seja em
que num estado depressivo a neu- conversar com o filho e descobrir o seus momentos de culto, confra-
roquímica cerebral é alterada, favo- que está acontecendo. Dependendo ternização ou serviço ao próximo,
recendo assim uma visão negativa do nível de mudança de comporta- pode também fazer diferença.
Foto: © Martinan

e distorcida da vida e que, quando mento, será necessário encaminhar


isso for corrigido, o alívio surgirá. esse adolescente para uma avaliação CESAR VASCONCELOS é psiquiatra e apresentador
Comente que essa alteração não é psicológica e psiquiátrica. Por causa do programa Claramente, da TV Novo Tempo
c
26 QUEBRANDO O SILÊNCIO

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 26 19/01/2018 11:42


para tudo Existe
MKT CPB | Fotolia

uma saida

acom-
mbém
e pro-

o não
dialo-
pode
sofre
além
ensar
udá-la
nado
a bas-

37273 – Quebrando Silêncio 2018


difícil
igada
sobre
e da
grati-
positi-
ssoas
rmam

ultivo
dável.
ansie-
ideias
ça em
s pro-
57:15,
Rocha
omu- Designer
ja em
nfra- Editor
ximo,
.
Foto: © Martinan

C.Qualidade

entador Depto. Arte


WhatsApp
po
cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073
/casapublicadora
QUEBRANDO O SILÊNCIO 27

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 27 19/01/2018 11:42


Sonhe, arrisque-se, viaje nessas

POSSIBILIDADES
Publicidade
SONHE ALTO
Ben S. Carson e Cecil Murphey
MKT CPB | Fotolia

Sonhe Alto é uma ampliação do último capítulo da autobiografia intitulada Ben


Carson, que conta a história do menino pobre que se tornou um neurocirurgião
de fama mundial. Neste livro, o Dr. Carson prescreve a sua fórmula pessoal para
obter sucesso na vida. Não oferece soluções mágicas nem um caminho fácil, mas
mostra como a pessoa deve se posicionar perante os problemas, para vencê-los.
A filosofia de Sonhe Alto pode ser aplicada por você também, e certamente o
ajudará a tirar o máximo proveito dos seus talentos.

RISCO CALCULADO
Ben S. Carson e Gregg Lewis

Em nossa cultura que tenta evitar o risco a todo custo, estimamos muito o
valor da segurança. Mas, ao nos protegermos dos riscos, perdemos a grande
aventura de desfrutar a vida em todo o seu potencial. Com exemplos pessoais,
o Dr. Carson nos convida a enfrentar os riscos presentes em nossa vida. Você
encontrará informações que o ajudarão a se livrar do medo de se arriscar para
que seja capaz de sonhar alto, agir com confiança e colher recompensas que
jamais imaginou.

WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | Fontes:


CPBMapalivraria | contra
da Violência 15Idosos
98100-5073
(2013) e Mapa SMS
da Violência contra a Mulher (2012)
/casapublicadora

37273_QuebrandoSilencio_ROCHA.indd 28 19/01/2018 11:42