Você está na página 1de 39

Histologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetal

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)


O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas
células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.


colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.
Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.
Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundário provocaHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)


Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.
Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.
Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea


Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundário provocHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.
Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima
É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente
abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.
Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário
O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundário provocHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.
Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta


Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.
Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea


Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundário provocHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas


A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.
histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima
É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundárioHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.
Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples


Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.
Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.
Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.
Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundárioHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais

Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal


Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)

O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas


células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.
tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.

colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema
É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no
corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.

Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.


Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.

Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundáriHistologia vegetal: resumo dos principais tecidos vegetais
Os tipos de tecidos das plantas

A histologia vegetal estuda a constituição e a formação dos tecidos das plantas. As folhas, a raiz, as
flores entre vário outros órgãos das plantas são formadas por células especializadas, cada uma com sua
função, organizadas na forma de tecidos. Entender essa dinâmica, sua origem, como se forma, quais
suas funçoes, são essenciais para entender um pouco de histologia vegetal. Acompanhe uma vídeo aula
e um slide sobre histologia vegetal.

Introdução à histologia vegetal

Um tecido é uma agregação de células que têm uma origem e estrutura comuns, e desempenham
funções semelhantes. Os tecidos são destinados a satisfazer as necessidades físicas e fisiológicas do
corpo da planta.

Tecido Meristemático (Meristema)


O tecido meristemático é formado exclusivamente por células indiferenciadas ou embrionárias. Essas
células, conhecidas como células meristemáticas, são responsáveis por provocar o crescimento do corpo
da planta devido à sua capacidade de sofrer contínuas divisões mitóticas.

histologia vegetal

Tecidos permanentes (Tecidos maduros)

Os tecidos permanentes são formados pelas células diferenciadas, que se tornam especializadas para
desempenhar funções específicas como proteção, suporte, armazenamento e condução. Os tecidos
permanentes sempre se diferenciam das células meristemáticas, durante o processo de crescimento.

Tecidos Permanentes Simples

Estes tecidos são descritos como homogêneos, uma vez que as células constituintes são idênticas na sua
estrutura.

Parênquima

É o tecido principal no corpo da planta, ocorrendo em quase todas as regiões. É particularmente


abundante na raiz e no caule. É o menos especializado entre os tecidos permanentes. As células dos
tecidos são chamadas células do parênquima. Essas células são geralmente esféricas ou ovais. Às vezes,
as células podem ser alongadas. Muito raramente, as células tornam-se de forma irregular. Geralmente
são dispostos com espaços intercelulares proeminentes. Em certas regiões, como a epiderme, as células
ficam dispostas de forma compacta e, portanto, os espaços intercelulares estão ausentes.

tecido principal no corpo da planta

Tecidos de sustentação.

São o colênquima e o esclerênquima. São responsáveis por dar sustentação aos vegetais.

Veja a imagem abaixo ilustrando esses dois tipos de tecido.


colênquima e esclerênquima

Colênquima

É um tipo de tecido permanente simples, que é principalmente destinado a fornecer suporte mecânico
ao sistema de tiro de uma planta. O Colenquima está completamente ausente na raiz.

Esclerênquima

É um tipo de tecido permanente simples, principalmente para fornecer suporte mecânico e proteção
para diferentes partes do corpo da planta. Assim, o esclerênquima ocorre em todas as partes do corpo
da planta, incluindo a fruta e a semente.

Tecidos permanentes complexos

Estes tecidos são caracterizados pela presença de células dissimilares. Portanto, eles são descritos como
heterogêneos na composição celular deles.

Veja na imagem abaixo os dois tipos de tecido de condução em uma planta. O Xilema e o Floema.

Xilema e floema

Xilema

É um tecido permanente complexo, especializado para a condução de água e substâncias minerais no


corpo da planta. O xilema é um tecido heterogêneo formado por quatro tipos diferentes de elementos
celulares.

Floema

O Phloem é um tecido permanente complexo, especializado para a condução de alimentos e outras


substâncias orgânicas. O Phloem também é um tecido heterogêneo.
Sistemas de tecido no corpo vegetal

A epiderme geralmente forma projeções conhecidas como cabelos epidérmicos. Na raiz, os cabelos
epidérmicos são unicelulares e são chamados de pêlos radiculares. Os cabelos radicais penetram entre
as partículas do solo para absorver a água. No caule e na folha, os cabelos epidérmicos são
multicelulares e são conhecidos como tricomas. Eles estão envolvidos na secreção de alguns compostos
terpenoides.

Anatomia da planta – Anatomia de um caule jovem típico de Dicotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa do caule. É representada por uma única camada de células de
parênquima dispostas de forma cilíndrica. Os espaços intercelulares estão ausentes. As células são
ligeiramente espessadas. A epiderme mostra a presença de numerosas projeções multicelulares
chamadas tricomas. Externamente, uma cobertura cerosa transparente fina chamada cutícula, que evita
a evaporação excessiva da água, envolve a epiderme. A epiderme também contém abertura de vários
minutos chamada estômatos, que são principalmente envolvidos na transpiração.

Anatomia de uma folha de Monocotiledôneas

A epiderme é a cobertura mais externa da haste representada por uma única camada de células de
parênquima em forma de barril compactamente dispostas. Os espaços intercelulares estão ausentes. Os
tricomas estão ausentes. Uma cutícula está presente. A epiderme contém numerosas aberturas
minuciosas chamadas estômatos.

Diferença entre a caule de Dicotiledônea e o caule de Monocotiledônea

Diferenciado em córtex, endoderme, periciclo, raios medulares e medula.

Anatomia de uma raiz típica de Dicotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Portanto, o epítico também é
conhecido como camada pilífera.
Anatomia de uma Raiz de Monocotiledônea

Epiblema é a cobertura mais externa da raiz formada por uma única camada de células de parênquima
dispostas em forma de barril. As células são caracteristicamente de paredes finas, uma vez que estão
envolvidas na absorção de água. Uma lapela e estômatos estão ausentes. Algumas das células epístulas
são produzidas em longas projeções unicelulares chamadas raiz. Por isso, a epítema também é
conhecida como camada pilífera.

Diferenças entre uma raiz de Dicotiledônea e uma haste de dicotiledônea

Circular nas aparências. Contém células de passagem e tiras características.

Anatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos
permanentes secundários, como o xilema secundário, o floema secundário e o córtex secundário. Como
resultado, o crescimento secundário um aumento provoco provoc provoc provocAnatomia da Folha

A folha representa uma parte importante do corpo da planta. Está envolvido em atividades fisiológicas
vitais, como transpiração, respiração e fotossíntese. Ao contrário do tronco e da raiz, a folha é plana e,
portanto, a anatomia da folha difere muito da do tronco ou da raiz.

Crescimento Secundário

O processo normal de crescimento que ocorre em cada corpo da planta é conhecido como crescimento
primário. É o resultado da atividade do meristema primário. O processo de crescimento primário resulta
na formação de tecidos permanentes primários, como o xilema primário, o floema primário e o córtex
primário. No entanto, nas plantas de dicotiledônea, há um processo de crescimento que começa após
um período conhecido de crescimento primário. Esse crescimento é conhecido como crescimento
secundário. É o resultado da atividade do meristema secundário. Isso resulta na formação de tecidos