Você está na página 1de 4

MySQL WorkBench (Introdução)

O WorkBench é uma ferramenta sucessora ao DbDesigner, desenvolvido para realizar diversas operações na criação e
manutenção de bases de dados do SGBD MySQL. A ferramenta é disponibilizada pela MySQL através do endereço
http://dev.MySQL.com/downloads/tools/workbench/ e existe nas versões Windows, Linux e Mac Os.
As principais tarefas que podem ser destacadas no WorkBench são:

• Criação de tabelas, campos, relacionamentos;

• Sincronização de dados do esquema gerado para o SGBD;

• Engenharia reversa recuperando dados de um banco de dados existente;

• Exportação de scripts de criação de esquema de banco de dados;

• Criação e manipulação de View’s;

• Criação e manipulação de Stored procedures;

Criação de Tabelas, campos e relacionamentos


Para a criação de tabelas é utilizado o painel Data Modeling, onde pode-se abrir uma modelagem existente ou criar uma nova.
Para criar uma nova modelagem é necessário acessar a opção Create New EER Model. Em seguida é necessário adicionar um
novo diagrama em Add Diagram

Faculdade de Tecnologia SENAC PELOTAS - Credenciado pela Portaria nº. 3.071, de 01 de outubro de 2004.
Para criar tabelas juntamente com os campos utiliza-se a barra de ferramentas localizada na parte esquerda da tela do ambiente
WorkBench. Tabelas podem ser criadas, excluídas, modificadas a qualquer momento. A manipulação dos componentes de
tabelas e relacionamentos é bastante semelhante a ferramenta phpMyAdmin, disponível nos pacotes Xampp e EasyPHP,
reduzindo bastante a curva de aprendizado.

Exemplo de tela de manipulação de tabelas e relacionamentos:

Na figura anterior, está sendo demonstrado uma interação com tabelas. Atualmente percebe-se que é editada a tabela ator,
podendo visualizar as configurações de seus campos na região inferior da tela. Os campos podem ser alterados a qualquer
momento, as definições de chave, not null, e demais configurações são vistas nas colunas de opções da edição de campos.

Sincronização do esquema gerado para o SGBD

Pág|1
Utiliza-se a exportação de dados quando o atual banco de dados modelado não existe no SGBD e deve ser criado. A
sincronização utiliza-se quando o banco já existe e é necessário apenas atualizar as informações existentes no banco.
Exportação
Para exportar os dados que foram modelados no esquema e direcioná-los ao SGBD é necessário que exista uma conexão
ativada com algum servidor MySQL para que o WorkBench possa encontra-lo e realizar a exportação. Em seguida é utilizada a
opção Database / forward engineer.

Será solicitado o endereço da conexão com a base que está se utilizando e uma senha de usuário root para realizar a operação,
algumas configurações padrões que podem ser marcadas posteriormente, os elementos a serem exportados (tabelas, views,
procedures, etc), um script final que foi gerado pelo workbench que será executado ao final, e para qual conexão a operação
deve ser executada. Ao final a operação será executada a o banco de dados será criado no MySQL.

Sincronização
Para sincronizar o modelo criado no diagrama atual é necessário acessar a opção Database / Syncronize Model, a opção de
solicitação de endereço de servidor MySQL será novamente encontrada, e em seguida será solicitado qual esquema a
sincronizar, e as modificações que serão realizadas na base.

Faculdade de Tecnologia SENAC PELOTAS - Credenciado pela Portaria nº. 3.071, de 01 de outubro de 2004.
OBSERVAÇÃO: Na sincronização geralmente é comum que o modelo seja atualizado e a base receba as novas tabelas,
procedures, etc. No entanto se forem criados novos elementos diretamente na base eles serão indicados como elementos a
serem atualizados no modelo WorkBench.

Exemplo da tela de Sincronização em fase de comparação dos dados:

Na imagem está sendo ilustrada uma das fases da sincronização, onde são comparados os dados existentes no modelo
desenvolvido com a base de dados armazenada no SGBD. Caso existam divergências estas serão alertadas pelo WorkBench
através de setas indicativas entre as colunas MODEL, UPDATE e SOURCE.

Pág|2
Engenharia Reversa recuperando dados de um banco de dados existente

A engenharia reversa consiste em recuperar os dados existentes no SGBD e gerar o modelo ER para o WorkBench, e é
necessária quando a base de dados já existe e necessita de uma visão administrativa para que os seus campos e ligações sejam
visualizados pela equipe de desenvolvedores, DBA’s e demais administradores.
É possível realizar a engenharia reversa através de duas formas: Abrindo um modelo ER vazio ou diretamente através do painel
inicial do WorkBench.

Exemplo de Engenharia Reversa diretamente do painel do WorkBench:


Selecionar a opção Create EER Model from Existing Database / selecionar a conexão / selecionar a database desejada

Figura 1 - Opção de criar modelo via banco existente

Faculdade de Tecnologia SENAC PELOTAS - Credenciado pela Portaria nº. 3.071, de 01 de outubro de 2004.
Figura 2 - Modelagem após engenharia reversa

Exemplo de engenharia reversa após gerar um modelo ER vazio:

OBSERVAÇÃO: Um incômodo que costuma ser comum é o fato de quando realiza-se a engenharia reversa as tabelas virem
umas por cima das outras. Isto deve-se ao fato de o WorkBench não recuperar uma forma padrão de posicionamento do banco
de dados, então são posicionadas desta forma. Para mantar o posicionamento após ajustadas, deve-se salvar o arquivo de
modelagem no formato do WorkBench.

Pág|3
Manipulação de Scripts no Workbench

Os scripts podem ser criados através do painel da esquerda que é visualizado durante a manipulação da modelagem ER ou
ainda, é possível abrir um script criado diretamente. Para abrir um script é necessário acessar o painel inicial e escolher a opção
EDIT SQL SCRIP, localizada no painel inicial do WorkBench.

Após, é necessário selecionar o arquivo de script que será editado, e em seguida abrir. Ao final é aberto um novo painel para a
edição dos scripts. Podem ser importados scripts criados anteriormente. A vantagem da utilização de Scripts através do
WorkBench é a sua ajuda quando a sintaxe dos comandos.
Exemplo de tela de manipulação de scripts

Faculdade de Tecnologia SENAC PELOTAS - Credenciado pela Portaria nº. 3.071, de 01 de outubro de 2004.
As View’s e procedures podem ser manipuladas diretamente pelo painel da esquerda da tela. Onde são abertas novas janelas
para que sejam feitas as criações ou edições.

Pág|4