Você está na página 1de 2

VARÍOLA

Doença infecciosa muito contagiosa, endêmica e epidêmica, exceto onde a vacinação


antivariólica é generalizada. O agente patogênico é um vírus filtrável de 0,20 a 0,23
praticamente insensível, transmitido pelas roupas e objetivos de uso dos doentes (contágio
indireto). Existem vários tipos de varíola: a) o mais frequente é a varíola verdadeira de
gravidade média. Manifesta-se de 10 a 15 dias depois do contagio por uma sensação de
cansaço, vertigens, dores de cabeça, dores no membro e nas costas e febre alta em torno de
400. No segundo dia, em geral aparece uma erupção cutânea semelhante à que caracteriza a
escarlatina e o sarampo, acompanhada as vezes de inúmeras petéquias (hemorragias capilares
subcutâneas), principalmente no rosto, baixo-ventre e parte superior das coxas, mas as vezes
também em todo o corpo: a erupção de hábito desaparece ao fim de 12 a 24 horas, mas as
petequias ao contrário persiste. No fim do terceiro dia ou do quarto dia, quando a febre cai a
cerca de 380 começa o estágio de erupção variólica propriamente dita: aparecem na pele do
rosto, tronco e das pernas pequenas manchas ligeiramente salientes, que logo se transformam
em pústulas um pouco retraídas no centro. A febre, que tinha cedido no momento de
aparecerem as pústulas, geralmente recrudesce em torno do quinto dia (40-41 0),
acompanhada de delírio e calafrios. A erupção se manifesta também nas mucosas da boca, do
laringe, do esôfagi e, as vezes, da traqueia, o que contribui para agravar mais o estado geral. A
partir do 100 ao 120 dia as pústulas secam, formando crostas. Nesse momento surgem coceiras
muito intensas, a febre cai nos casos favoráveis e o doente entra em convalescença; em caso
contrario, a doença se agrava e o paciente morre. Quando as crostas caem, deixam
frequentemente mas não sempre cicatrizes típicas (rosto bexigoso) que persistirão por toda a
vida. A mortalidade varia de 15 a 30%, conforme as epidemias. B) a varíola negra (varíola
hemorrágica) é mais grave. O período de incubação não vai além de dez dias. A afecção se
caracteriza por tendência geral as hemorragias ( sangramento nas pústulas, hemorragias
difusas da pele ou das mucosas, hemorragias internas); geralmente é fatal. C) devem ser
citadas também duas varíolas benignas: alastrim, que existe na África e no Brasil, e a
varioloide. Nestas duas evolução dos estágios é rápida e favorável. O período de incubação
geralmente é inferior a 10 dias, a febre é menos forte e de mais curta duração, a erupção é
menos extensa e as pústulas secam rapidamente, sem supuração nem cicatrizes; as
inflamações das mucosas curam-se mais depressa. A varíola ás vezes provoca complicações
graves. Estas se manifestam principalmente no estágio das pústulas; consistem em supurações
profundas e abscessos diversos, erisipela, gangrena, septicemia e piemia. Inflamações
purulentas dos brônquios ou da pleura podem pôr em perigo a vida do paciente. Lesões
inflamatórias da mucosa da boca e da garganta, do laringe, da parótida, do ouvido médio e dos
olhos também podem trazer consequências graves (cegueira, surdez).

TRATAMENTO

A única medida hoje conhecida é a vacinação que alias é imposição legal e que deve ser
difundida. Em caso de varíola declarada, o tratamento, puramente sintomático por falta de
medicamentos específicos, consiste em alimentação leve, por causa da febre e das dificuldades
à deglutinação causadas pela inflamação das mucosas da boca e da garganta, e em medidas
gerais: tonicardíacos, antitérmicos, antipruriginosos para evitar que o doente não se coce. Para
que as crostas se soltem com maior facilidade, banham-se com água morna e sabão ou untam-
se as mesmas com azeite doce. O doente, evidentemente, tem de ser isolado; só quando as
crostas tiverem caído completamente é que poderá ser considerado não contagioso. O pessoal
que dele cuida deverá estar vacinado e os locais de permanência e os objetos de uso do doente
deverão ser desinfetados. No terreno da prevenção, a melhor defesa contra a varíola é a
vacinação jeneriana generalizada. Outrora grave, o mal regrediu em consequência da
progressiva generalização da vacinação. Atualmente, irrompe em pequenos focos isolados,
graças aos rápidos meios de transporte que levam as pessoas de um para outro ponto da terra.
É preciso, portanto, continuar sistematicamente com a vacinação e a revacinação.