Você está na página 1de 21

❖ Neolítico.

(12 mil a 8 mil anos atrás)


ETAPA 1 – HISTÓRIA ANTIGA E MEDIEVAL ❖ Idade dos Metais. (6 mil a. C. a 4.500 a. C)

PRÉ-HISTÓRIA DO HOMEM 5. OS ANCESTRAIS DO HOMEM:


 Australopitecos.
 Homo Habilis.
1. CONCEITO:  Pitecantropos Erectus (homem de Java).
É o período que vai do surgimento do homem até a in-  Homo Pekinensis (homem de Pequim).
venção da escrita.  Arcantropinos.
✓ Este conceito não leva em consideração que a pré-  Homo Neandertalenses.
história não acabou nessa época (4.000a.C) para to-  Homo heidelbergensis.
dos os povos e que, ainda hoje, existem povos vi-  Homo de Grimalde.
vendo na pré-história. Ele é válido apenas para a re-  Homo de Cro-Magnon.
gião do Oriente Médio (ou Oriente Próximo).
✓ É o período em que se observa o surgimento do Ho- 6. PALEOLÍTICO:
mem e sua evolução biológica e cultural. a. Idade da Pedra Lascada
✓ É uma fase na evolução de todos os povos. Regime de comunidade primitiva
 Atividades econômicas: caça, pesca e coleta de fru-
2. CRÍTICA AO TERMO PRÉ-HISTÓRIA: tos, raízes e ovos.
❖ O termo pré-história transmite a falsa impressão de  Instrumentos rudimentares feitos de ossos, madeiras ou
que houve um período em que mesmo existindo ho- lascas de pedra (sílex): raspadores, furadores.
mens não houve história.
 Nomadismo.
❖ Leva em consideração como marco para o início da
 Viviam em bandos (hordas).
História a invenção da escrita e não a atuação do Ho-
mem como ser histórico.  Domesticação (controle) do fogo. O domínio do fogo
alterou a vida do homem primitivo, pois veio permitir-
3. A ORIGEM DO HOMEM: Evolucionismo: lhe:
❖ Charles Darwin: seleção natural e primata (pongí- ✓ Aperfeiçoar os instrumentos utilizados na caça e na
deos e hominídeos) pesca;
✓ Cozinhar os alimentos, até aí comidos crus;
Pongidae  Chimpanzé, gorila, orango- ✓ Defender-se melhor dos animais que o cercavam ou
tango, gibão, etc. empurrá-los para os locais pretendidos;
✓ Iluminar as cavernas, onde ocasionalmente se ser-
via, através da utilização da gordura dos animais que
Primatas abatia;
Hominidae  Australopithecus (Habilis, ❖ Habitação: cavernas, copa de árvores ou choças
Erectus), feitas de galhos.
 Homo (Neandertal, Homem  Propriedade coletiva das terras, águas e bosques.
de Cro-Magnon, Homo sapi-  Igualdade social.
ens, Homo sapiens mo-  Ocupação da África à Europa, da Ásia à América e
derno. à Austrália.
 Invenção do arco e da flecha.
 Pintura rupestre.
a. A Bipedia  Sepultamento dos corpos.
❖ Vantagens da bipedia para os hominídeos  Magia.
❖ Mesolítico: início da formação de aldeias e da seden-
▪ Desenvolvimento da habilidade para o transporte de tarização, além do início da agricultura.
alimentos entre lugares;
▪ Redução de pelos sobre as áreas do corpo não ex- b. Arte no Paleolítico Superior
postas ao sol forte; ❖ A Arte das Cavernas
▪ Liberação das mãos para diferentes usos ou para ✓ As primeiras expressões consistiam em traços ou das
cuidar de filhotes; “mãos em negativo”.
▪ Decréscimo do consumo de energia em caminhadas ✓ Após dominarem a técnica das mãos em negativo co-
a velocidades normais; meçaram a desenhar e pintar animais.
▪ Aumento do horizonte de visão e melhoria da prote- ✓ Em muitos casos, a configuração do animal parece ter
ção contra predadores. Períodos da Pré-história sido sugerida pela superfície da rocha, de modo que o
corpo ficou a coincidir com uma protuberância natural,
4. A PERIODIZAÇÃO DA PRÉ-HISTÓRIA: ou o seu contorno segue os veios e fendas da rocha.
Baseada numa visão evolucionista do processo histó-
rico. ❖ Características
❖ Paleolítico. (Cerca de 600 mil a 12 mil anos atrás) ✓ Naturalismo: O artista pintava os seres, do modo como
▪ Inferior (600 mil a 200 mil anos atrás) o via de uma determinada perspectiva, reproduzindo a
▪ Médio (200 mil a 40 mil anos atrás) natureza tal qual sua vista a captava.
▪ Superior (40 mil a 12 mil anos atrás)
❖ Mesolítico. (Período variável)
✓ Essa arte era realizada por caçadores, e fazia parte de ❖ Cerâmica
um ritual mágico por meio do qual procurava-se interfe- ✓ A preocupação com a beleza
rir na captura de animais.
✓ O caçador supunha ter poder sobre o animal verdadeiro ❖ Religião
desde que o representasse ferido mortalmente num de- ✓ A existência de práticas funerárias indicava:
senho. ✓ Preocupação com a continuidade da vida após a
✓ Para ele, os desenhos não eram representações de se- morte;
res, mas os próprios seres. ✓ A criação de rituais animistas (crença de que o ser
humano possui uma alma imortal)
❖ Altamira e Lascaux ✓ O culto à fertilidade;
Em Altamira e Lascaux, talvez a intenção dominante ✓ Montagem de estruturas místicas:
não tenha sido a de “matar” mas sim a de “criar” ani- ✓ Inicialmente formas primitivas (dólmens e menires)
mais, para aumentar os abastecimentos, mediante ritu- ✓ Formas mais sofisticadas (templos)
ais que variavam conforme as estações.
8. Idade dos Metais: dissolução das comunidades neolíti-
❖ Objetos Esculpidos e Pintados: Os homens do Pale- cas
olítico Superior faziam também pequenas gravuras e ❖ Exploração de metais: cobre, bronze (liga do cobre
esculturas de osso, chifre ou pedra e as “Vênus” com o estanho), ferro.
✓ Novas técnicas de exploração do solo: arado.
7. NEOLÍTICO: ✓ Invenção da roda
✓ Produção de excedente.
a. Idade da Pedra Polida
✓ Aumento da população.
Revolução Neolítica ou Agrícola
✓ Produção de armas.
* Agricultura: cultivo de plantas.
✓ Desigualdade social.
* Pecuária: criação (domesticação) de animais.
✓ Desenvolvimento da propriedade privada.
 Importância da mulher. ✓ Formação do Estado.
 Aldeias. ✓ Desenvolvimento da escrita.
 Sedentarização.
 Aumento da população. ❖ Surgimento das primeiras civilizações;
 Cerâmica, tecelagem e metalurgia.
❖ Civilização: sociedades baseadas no regime de servi-
b. Arte no Neolítico dão coletiva, de Estado absoluto (sociedades asiáti-
❖ O Lar cas: Egito e Mesopotâmia); e sociedades escravistas
O homem do Neolítico desenvolveu a técnica de tecer (Grécia e Roma).
panos, de fabricar cerâmica e construiu as primeiras
moradias. Conseguiu ainda produzir o fogo através do
atrito e deu início ao trabalho com metais. PRÉ-HISTÓRICA BRASILEIRA, SAMBAQUIS E ÍNDIOS

❖ Da observação a abstração 1. 1. O POVOAMENTO DA AMÉRICA - Hipóteses


O homem, que se tornara um camponês, não precisava ✓ Autoctonismo: os primeiros habitantes da América
mais ter os sentidos apurados do caçador do Paleolí- seriam originários da própria América.
tico, e o seu poder de observação foi substituído pela ✓ Estreito de Bering: mediante migrações, o homem
abstração e racionalização atingiu a América através do Estreito de Bering
(Ásia)  Alasca (América).
❖ Consequências ✓ Corrente Malaio-polinésia: Pacífico-América do
✓ A consequência imediata foi o abandono do estilo Sul.
naturalista pelo estilo simplificador e geometrizante.
✓ Em lugar de representações que imitam fielmente a 2. 2. Periodização:
natureza, vamos encontrar sinais e figuras que mais ✓ Período dos Predadores (50.000-5000a.C): caça,
sugerem do que reproduzem os seres. pesca e coleta de alimentos.
✓ Período dos Produtores de alimentos (7000a.C.-
❖ Também mudaram os temas 1.492d.C.):
✓ Começaram as representações da vida coletiva; ✓ Cultivo do algodão, abacate, pimenta, abóbora,
✓ As pessoas passaram a ser representadas em suas feijão, milho, batata, mandioca, etc.
atividades cotidianas; ✓ Domesticação de vários animais: lhama, peru,
✓ Um novo problema se colocou para o artista: dar abelhas, etc.
idéia de movimento através da imagem fixa; ✓ Principalmente no México e no Peru.
✓ Essa preocupação fez com que se criassem figuras ✓ Cerâmica.
leves, ágeis, pequenas e de pouca cor.
3. Vestígios Arqueológicos no Brasil
❖ A Escrita Pictográfica ✓ Sambaquis (Concheiros) - monte de conchas de 2
✓ Surgiu dos desenhos; a 30 metros de altura, em cujo interior havia esque-
✓ Consistia em representar seres e ideias pelo dese- letos e objetos de pedra de diversos tipos;
nho.
✓ Potes de barro enterrados (cerâmica lisa ou de- • A influência dos países vizinhos é grande.
corada) - os maiores tinham esqueletos em seu in- • Ao longo da história da Mesopotâmia os contatos co-
terior); merciais, a difusão lenta das tribos estrangeiras e as
✓ Utensílios (pedra lascada ou polida) – machados, confrontações militares têm sido de grande influência.
pilões, bolas, pontas de flecha e etc.; • Características dos rios:
✓ Pinturas rupestres - de animais e sinais diversos ✓ O Tigre é áspero, de rápido escoamento e de difícil
executados em paredões rochosos ao ar livre ou no passagem. O fluxo de água do rio em sua porção su-
interior de grutas ou cavernas; perior escoa por entre cânions e gargantas e que difi-
cilmente podem ser usados para irrigação.
4. Arte Utilitária ✓ O Eufrates é uma tábua de Salvação. Ele pode ser
✓ Quando dizemos que um objeto indígena tem quali- mais facilmente utilizado por navios. Os bancos são
dades artísticas, podemos estar lidando com concei- menores, adequadas para irrigação, com inundações
tos que são próprios da nossa civilização, mas es- menos violentas. A Precipitação nas montanhas ao
tranhos ao índio. norte é grande facilitando a agricultura. Nas terras da
✓ O objeto precisa ser mais perfeito na sua execução Babilônia a precipitação é baixa e, além disso a chuva
do além do que sua utilidade exigiria. Nessa perfei- se concentra no período de inverno dezembro-feve-
ção para além da finalidade é que se encontra a no- reiro. A luz intensa do Sol resseca o solo no verão. Sem
ção indígena de beleza. uma irrigação a agricultura não seria possível.
✓ A arte indígena é mais representativa das tradições
da comunidade em que está inserida do que da per- 2. POVOAMENTO DA MESOPOTÂMIA (“terra entre
sonalidade do indivíduo que a faz. rios”):
✓ Sumérios.
5. Principais Sítios Arqueológicos do Brasil ✓ Acádios.
✓ PEDRA PINTADA (PA): Em 1996, a arqueóloga ✓ Amoritas.
americana Anna Rosevelt achou pinturas com cerca ✓ Hititas e Cassitas.
de 11.000 anos. ✓ Assírios.
✓ PERUAÇU (MG): tem vários estilos de pinturas en- ✓ Caldeus.
tre 2.000 a 10.000 anos. Exibe espetaculares dese-
nhos geométricos. 3. SUMÉRIOS:
✓ LAGOA SANTA (MG): suas pinturas de animais, co- ✓ Os povos sumérios, originários do planalto do Irã, se fi-
nhecidas desde 1834, têm entre 2.000 e 10.000 xaram ao sul da Mesopotâmia, e criaram as primeiras
anos de idade. cidades-estados, isto é, Quish, Ur, Uruk, Lagash, Eridu
✓ SÃO RAIMUNDO NONATO (PI): segundo Niède e Nipur.
Guindon, da Universidade Estadual de Campinas, ✓ A população nestas cidades variava entre 10 mil a 50 mil
possui vestígios humanos de 40.000 anos e pinturas habitantes. No caso da cidade de Ur, a população che-
de 15.000 anos. gou a 200 mil habitantes.
✓ As cidades sumérias eram governadas pelo Patesi, um
6. Luzia representante político, com funções políticas e militares.
✓ Fóssil encontrado em 1975 (Homem de Lagoa Era auxiliado pelos sacerdotes do templo e altos funcio-
Santa); nários. Ele controlava as construções civis e hidráulicas,
✓ Reconstituição feita em tomografias computadoriza- administrava os tributos da população.
das (Universidade de Manchester); ✓ As terras eram consideradas como propriedade dos deu-
✓ Características: sexo feminino, altura de 1,50m; na- ses.
riz achatado; queixo saliente; lábios grossos, pele ✓ Nos templos nas cidades, haviam as ZIGURATES – pi-
negra, cerca de 20 anos; râmides de tijolos maciços - que serviam de santuários
✓ Semelhanças mais com o grupo negroide africano e meio de comunicação entre deuses e humanos, Eram
ou aborígenes (Austrália); erigidos como meio de homenagear e agradecer o deus
✓ Pode provocar uma verdadeira revolução nas teorias patrono de cada cidade.
sobre a origem do homem americano. ✓ Desenvolveram a agricultura e mantiveram um intenso
comércio, que se estendeu do Mediterrâneo ao vale do
______________________________________________ rio Indo. Inventaram a primeira forma de escrita, ou seja,
a escrita cuneiforme.
✓ As cidades da Suméria viviam em constantes lutas em
IDADE ANTIGA busca da hegemonia. Essas lutas acabaram as enfra-
quecendo. Isso favoreceu para que os acádios, povos
A MESOPOTÂMIA de origem semita, invadissem a região, fundando a ci-
dade de Acad.
✓ Entre algumas realizações culturais dos sumérios, te-
1. AS INFLUÊNCIAS DO MEIO FÍSICO-GEOGRÁFICO: mos:
• Crescente Fértil. ✓ ESCRITA: escrita cuneiforme, feita em argila mole, com
• Rios Tigre e Eufrates: obras hidráulicas e fertilidade um estilete em forma de cunha. Foi utilizado nas rela-
enchentes e invasões. ções comerciais com os povos do Mediterrâneo e do
• Região Árida, montanhosa ao Norte, planícies ao Sul. vale do Indo. Com o tempo passou a ser usada não só
• Atual Iraque. no comércio, mas em textos religiosos, literários e jurídi-
• Não tem limites naturais e é difícil de defender. cos.
✓ INVENÇÃO E USO DA RODA: antes os veículos dos ✓ Aos poucos, foi edificado um forte estado militarizado,
Sumérios eram trenós puxados por animais. Por isso a como cavalos e carros de guerra e armas de ferro. Ar-
necessidade de melhorar e acelerar os transportes os mas que eram superiores aos povos vizinhos, facilitando
levou a utilizar a roda. Isso serviu para acelerar as co- a conquista deles.
municações por meios terrestres e revolucionar os ✓ Os Assírios organizaram um dos primeiros exércitos per-
meios de locomoção da época. manentes da época.
✓ Além de terem uma avançada técnica militar, eles eram
4. OS ACÁDIOS: guerreiros cruéis.
✓ Por volta de 2.550 a.C., começam as invasões acadia- ✓ Vencer não era o suficiente: havia o massacre e a tortura
nas às cidades sumérias. dos povos vencidos. Como por exemplo: destruir e quei-
✓ Comandados pelo rei Sargão I, as cidades sumérias fo- mar cidades conquistadas, imobilizar os guerreiros con-
ram conquistadas; quistados, com o esfolamento vivo nas pedras, cortas as
✓ Sargão I unificou politicamente o centro-sul da Mesopo- orelhas, órgãos genitais e narizes. Isto servia de intimi-
tâmia, dando origem ao primeiro império mesopotâmico, dação sobre os povos conquistados.
que se expandiu desde o Golfo Pérsico até ao norte da ✓ Nas conquistas militares houve alguns destaques: com
Mesopotâmia. Sargão II, os assírios conquistaram o reino de Israel.
✓ Sargão I, tornou-se conhecido como “o soberano dos ✓ Com Tiglatfalasar, invadiram a cidade de Babilônia. De-
quatro cantos da terra”. pois, nos reinados de Senaqueribe e de Assurbanípal,
✓ Cidades: Agadê, Sippar, Babilônia. eles chegaram no apogeu, conquistando territórios entre
✓ Assimilaram a cultura sumeriana. o Golfo Pérsico até o Egito.
✓ Embora esse império tenha tido poder, não durou muito. ✓ Com Senaqueribe, citado até mesmo na Bíblia, a capital
As revoltas internas ajudaram a enfraquecer o governo foi Nínive, e com Assurbanipal, foram feitas as últimas
que por volta de 2100 a.C., desapareceu. grandes conquistas onde inclui o Egito. Este rei, além de
ter um espírito guerreiro era apreciador da ciência e da
5. OS AMORITAS: (Primeiro Império Babilônico) literatura, tanto que criou uma grande biblioteca em Ní-
✓ Os amoritas foram uns dos invasores dos acádios. nive.
✓ Vieram do deserto da Arábia e estabeleceram na cidade ✓ Após a morte de Assurbanipal (631 a.C.), o império en-
de Babilônia, sendo depois denominados, babilônios. fraqueceu, isto porque os povos conquistados queriam
✓ No início houve muitas disputas, pois eles tinham de ver-se livres do terror, provocando assim várias revoltas.
conquistar as outras cidades- estados. Estas lutas foram Em 612 a.C., Nabopolassar, rei dos Caldeus, junto com
até meados do século XVIII a.C. os Medos, destruíram Nínive e iniciaram o 2º império ba-
✓ Nesta época, o rei mais conhecido e importante de Ba- bilônico.
bilônia surge: Hamurabi. Ele expandiu o território desde ✓ A sociedade Assíria era composta por uma camada
o Golfo Pérsico até o norte da Assíria. A unificação de aristocrática-sacerdotal e militar, que sujeitava a massa
toda a região, abri a base para o 1º império babilônico. camponesa, através de pagamento de tributos tanto em
✓ Neste, é elaborado o primeiro código jurídico escrito da alimentação com em prestação de serviços gratuitos
humanidade, então conhecido: para o governo.
✓ Código Hamurabi - tinha o objetivo de dar disciplina à ✓ Com a expansão do território Assírio, a produção e os
vida econômica e garantir a propriedade privada e or- serviços públicos ficaram a cargo dos povos conquista-
dem na sociedade. dos que foram reduzidos a escravos, enquanto que os
✓ Baseava-se em um princípio bem prático “olho por olho artesões e os lavradores assírios entraram na maioria
e dente por dente”, este era o “princípio de Talião”, para o exército.
onde o castigo ou punição do criminoso deveria ser equi-
valente ao crime cometido. 7. OS CALDEUS: (Segundo Império Babilônico)
✓ Este código envolvia todos os aspectos da vida babilô- ✓ Os caldeus ou neobabilônios, eram de origem semita.
nica, como por exemplo: comércio, família, adultério, es- Quando derrotaram os assírios fizeram de Babilônia, a
cravidão e outros. Mas as punições variavam de acordo capital da Mesopotâmia, reconstruindo-a e fazendo dela
com a posição social tanto da vítima quanto do infrator. a mais bela da antiguidade.
✓ As contribuições de Hamurabi foram também no aspecto ✓ Este 2º império ocorreu mais de 1000 anos depois do 1º,
religioso. Ele fez uma reforma religiosa, transformando com Hamurabi.
o deus Marduk de babilônia como o principal do império. ✓ O rei mais destacado foi Nabucodonosor (604 a.C.-
✓ Depois da morte de Hamurabi, o império entrou em de- 539 a.C).
cadência. Desta vez por rebeliões internas junto com no- ✓ Neste período, a cidade viveu seu apogeu.
vas invasões dos hititas e cassitas. Que utilizam os ca- ✓ Nabucodonosor foi responsável pela construção dos
valos para fins militares. Eles dominaram a região por Jardins Suspensos de Babilônia, as reformas dos tem-
cerca de 500 anos. plos, principalmente os dedicados a Marduk (Torre de
Babel) e as próprias muralhas da cidade que eram du-
6. OS ASSÍRIOS: plas, faziam de Babilônia a maior cidade murada da
✓ ASSÍRIA quer dizer: lugar de passagem, vem da palavra época.
Assur, cidade do norte mesopotâmico. É o nome da prin- ✓ No campo militar, expandiu o território por conquistar
cipal divindade assíria. boa parte da Fenícia, Síria e Palestina, incluindo em 607
✓ A Assíria era utilizada como passagem natural entre a a.C. o reino de Judá. Este ficou conhecido como “Cati-
Ásia e o Mediterrâneo. Logo ela sofreu várias invasões veiro de Babilônia”.
e por causa dessas invasões foi despertado no povo um ✓ Mesmo com tanto esplendor e glória, esse reinado não
espírito guerreiro. durou muito. Após a morte de Nabucodonosor, a cidade
foi conquistada. Em 539 a.C., o rei Persa Ciro, anexou • Pintura e escultura: estatuária e baixos-relevos.
Babilônia ao império Persa.
6. CONTRIBUIÇÕES DOS SUMÉRIOS E BABILÔNIOS
8. POLÍTICA: ✓ A organização social e política das cidades-estados.
✓ Monarquia Absoluta Teocrática. ✓ Criação de um código de direitos e deveres.
✓ Produção organizada de alimentos: já naquela época,
2. ECONOMIA: empregavam o arado e máquinas de irrigação, por
• Modo de Produção Asiático: Servidão Coletiva. exemplo.
• Agricultura de regadio: obras hidráulicas. ✓ Construção de belos templos e imponentes palácios.
• Cultivava-se cevada, trigo e tâmara, sendo irrigados nas ✓ Os sumérios inventaram a escrita, que permitiu fixar o
cheias dos rios Tigres e Eufrates. Na pecuária, os ani- saber da época.
mais eram usados na agricultura para arar a terra. ✓ Invenção da roda e dos carros puxados por cavalos.
• Destaque para o artesanato, comércio e agropecuá- ✓ Criação da astronomia (estudos dos astros).
ria. O artesanato e o comércio tiveram um grande de- ✓ Astrologia, ou seja, o estudo dos astros e suas influên-
senvolvimento, principalmente com a troca de produtos cias sobre a vida das pessoas.
agrícolas e artesanais por matéria – prima com as regi-
ões vizinhas, através das caravanas que iam da Arábia _____________________________________________
à Índia. E pelo mar através do Golfo Pérsico, com navios
fenícios, através disso, as cidades tornaram-se impor-
tantes pólos comerciais. EGITO ANTIGO

3. SOCIEDADE: 1. AS INFLUÊNCIAS DO MEIO FÍSICO-GEOGRÁFICO:


✓ Desigual, estratificada e hierarquizada. ✓ Localização: no nordeste da África, região seca e árida
✓ A organização social sofreu variações com o passar dos (desértica)  Crescente Fértil.
séculos e de acordo com o povo dominante. Mas a divi- ✓ Segurança: cercada por desertos e mares, a região es-
são básica da sociedade foi: tava naturalmente protegida de invasões.
✓ Rio Nilo: irrigação (obras hidráulicas) e fertilização (hú-
✓ CLASSE DOMINANTE: este era uma aristocracia de mus)  facilidade da atividade agropecuária como meio
governantes, com sacerdotes e funcionários públicos, de sobrevivência.
militares e comerciantes que controlavam a economia, Heródoto: “O Egito é uma dádiva do Nilo”  somente
política e o saber. Isto incluía construções hidráulicas e os fatores naturais não explicam o desenvolvimento da
civis. civilização egípcia. Às condições da natureza, devemos
✓ CLASSE DOMINADA: estes eram os camponeses, ar- acrescentar o valor do trabalho humano.
tesãos e escravos, estes últimos, prisioneiros de guerra
que eram usados em construções e serviços pesados, 7. O PERÍODO PRÉ-DINÁSTICO (5000-3200 a.C.):
além de terem de trabalhar na produção de alimento e ✓ Período de povoamento e formação do Egito.
terem de dar o excedente da produção aos governantes. ✓ Nomos: pequenas comunidades agrícolas (cidades-es-
tados) independentes, nas quais se iniciou a dissolução
4. RELIGIÃO: da propriedade coletiva, com o surgimento no interior de
• Politeísta: Marduk, Ishtar, Shamash. cada um, de uma espécie de aristocracia, proprietária
• Não ofereciam compensações na vida após a morte das melhores terras.
• Desprezo pela vida além-túmulo; ✓ A necessidade de construção das obras hidráulicas (bar-
• Crença em gênios, demônios, heróis, adivinhações e ragens, diques e canais de irrigação) e de controle da
magia; população levou a formação de dois reinos: o Reino do
• Sacrifício de crianças e praticas de orgias sexuais. Alto Egito (sul) e o Reino do Baixo Egito (norte) 
• Para eles, os gênios bons, ajudavam os deuses contra 3500 a.C.
os malignos demônios, contra as enfermidades e a ✓ Em 3200 a.C., Menés, governante do Alto Egito, pro-
morte. Os seres mortais viviam a procura de saber a move a unificação política dos dois reinos, tornando-se
vontade dos deuses, manifestada em sonhos, eclipses rei de todo o Egito  centralização política e criação do
e o movimento dos astros. E deram origem a astrologia. Estado (zelar pelo bem comum: justificativa) egípcio.

5. CULTURA: 8. O PERÍODO DINÁSTICO:


• Escrita: Cuneiforme (uma representação figurada evo- 3.1. O ANTIGO IMPÉRIO (3200-2300 a.C.):
cando a coisa ou o ser), decifrada por Grotefend e Rawli- ✓ Capitais: Tinis, depois Mênfis.
son. ✓ Agricultura de regadio.
• Literatura: “Epopéia de Gilgamesh” e o “Mito da Cria- ✓ Construção de obras hidráulicas.
ção”. ✓ Monarquia Absoluta Teocrática.
• Ciências: Astronomia (movimento dos planetas, estre- ✓ Construção das grandes pirâmides (túmulos): Quéops,
las e previsão de eclipses; calendário com o ano de doze Quéfren e Miquerinos  demonstram o conhecimento
meses, dividido em semanas de sete dias e estes, em arquitetônico e a força da fé dos egípcios.
períodos de doze horas); Matemática (divisão, multipli- ✓ Período “feudal” egípcio: instabilidade política e social 
cação, raiz quadrada, raiz cúbica, divisão do circulo em lutas entre os nomarcas, revoltas sociais e desorganiza-
360 graus). ção da produção.
• Arquitetura: arcos, zigurates (templos).
3.2. O MÉDIO IMPÉRIO EGÍPCIO (2000-1580 a.C.):
✓ Restabelecimento do poder do faraó e da unidade do im- • O Estado era proprietário das terras.
pério. • O Estado apropriava-se do excedente da produção, re-
✓ Capital: Tebas. crutava trabalhadores para as construções públicas e
✓ Invasão dos hicsos (1750 a.C.): povos de origem asiá- cobrava impostos.
tica  usavam cavalos, carros de guerra e a metalurgia
do ferro. 11. SOCIEDADE:
✓ Ocupação dos hebreus: chegaram ao Egito fugindo • Desigual, estratificada e hierarquizada: cristalização das
das secas, da fome e das guerras na Palestina. Chega- camadas sociais, tendo-se formado uma poderosa buro-
ram a participar da administração hicsa (José chegou a cracia estatal (administrativa e religiosa) que tornou seus
ser vice-rei). cargos hereditários: rígida divisão social.
• Os camponeses (felás) eram os responsáveis pela pro-
3.3. O NOVO IMPÉRIO EGÍPCIO (1580-525 a.C.): dução e pelas construções.
• A dominação hicsa desenvolveu sentimentos de união, • A classe sacerdotal era a mais poderosa em virtude do
nacionalismo e militarismo entre os hebreus. papel da religião.
• Os hicsos são expulsos do Egito em 1580 ª.C.  Amó-
sis I. 12. RELIGIÃO:
• Os hebreus são dominados e escravizados pelos egíp- • Politeísta: Amon-Ra, Osíris, Ísis, Set, Hórus, Anúbis,
cios. Ápis.
• Os hebreus conseguem sair do Egito, sob o comando de • Deuses antropomórficos, zoomórficos e antropozoomór-
Moisés, no chamado Êxodo. ficos.
• Capitais: Tebas, depois Akhetaton. • Deuses locais.
• Tutmés III expandiu o império: subjugou os sírios e fe- • Crença na imortalidade da alma e no retorno desta ao
nícios. corpo.
• Amenófis IV (Amen-hotep) promoveu uma revolução • Mumificação.
teológica, substituindo o politeísmo pelo monoteísmo • A lenda de Osíris, que descreve a morte e a ressurrei-
(crença no deus Aton) com o objetivo de diminuir o poder ção desta divindade, reflete além da crença religiosa, a
dos sacerdotes de Amon-Ra. Amenófis mudou seu dependência do povo egípcio, no campo sócio-econô-
nome para Akhenaton e transferiu a capital para Akhe- mico, com relação às cheias e vazantes do rio Nilo.
taton. • Túmulos: mastabas, pirâmides e hipogeus.
• Amenófis foi deposto pelos sacerdotes e substituído por • Orientadora das instituições e da arte, além de embasa-
Tutankhamon, que restituiu o culto politeísta. O túmulo mento social e cultural.
de Tutankhamon foi descoberto intacto em 1922 d.C.
• Ramsés II continuou as conquistas e o expansionismo 13. CULTURA:
militar: hititas. • Influenciada pela religião.
• Declínio da civilização egípcia e domínio assírio (Assur- • Escritas: Hieroglífica (decifrada por Champollion, que
banipal), em 662 a.C. utilizou uma pedra – Pedra de Roseta – encontrada pe-
las tropas napoleônicas), demótica e hierática  facilitar
3.4. O RENASCIMENTO SAÍTA (655-525 a.C.): a contabilidade dos templos.
• Período de restabelecimento do poder do faraó através • Artes: Arquitetura (templos – Karnac e Luxor , palácios
de Psamético I, que expulsou os assírios e promoveu e pirâmides), Escultura (Escriba Sentado) e Pintura (per-
um florescimento econômico e cultural. fil).
• Capital: Sais. • Ciências: Astronomia (calendário), Medicina (doenças
• O faraó Necao financiou o navegador fenício Hamon do estômago, coração, fraturas, intervenções cirúrgicas
numa viagem que contornou toda a costa africana (mar no crânio), Matemática (álgebra e geometria).
Vermelho, Oceano Índico, sul da África, Oceano Atlân- • Literatura: Livro dos Mortos, Hino ao Sol.
tico, mar Mediterrâneo e Egito). • Sua religiosidade e tradicionalismo explicam a estabili-
• Em 525 a.C., o Egito é conquistado pelos persas (Cam- dade e a permanência dos mesmos valores sociais, mo-
bises) na Batalha de Pelusa e transformado em provín- rais e culturais por muitos séculos.
cia do império persa.
• Outras dominações: gregos, macedônios, romanos, ára- _____________________________________________
bes, turcos, e ingleses.
OS HEBREUS
9. POLÍTICA:
• Monarquia Absoluta Teocrática. 1.ORIGEM:
• Constantes conflitos entre o poder central e os poderes • Povo semita, originário de Ur, na Caldéia (Mesopotâmia).
locais. • Abraão  “Terra Prometida”  migração  Palestina
• Estreita relação entre poder político e religião. (Canaã = “Terra Prometida)  ocupada por cananeus e
filisteus  rio Jordão.
10. ECONOMIA:
• Agricultura de regadio. 2.PERÍODO DOS PATRIARCAS:
• Economia sob controle do Estado. • Divididos em tribos seminômades: descentralização polí-
• O comércio e o artesanato se destinavam a suprir com tica.
artigos de luxo os palácios e os templos. • Patriarcas: condutores das tribos hebraicas.
• Modo de Produção Asiático: Servidão Coletiva.
• Período de busca de uma base territorial.
• Patriarcas: Abraão, Isaac, Jacó, José, Moisés e Josué. • Foram libertados por Ciro, rei persa, e retornaram a Pa-
• Nova migração  para o Egito  motivos: guerras, fome lestina.
e secas. • Reconstruíram o Estado hebraico na região de Judá: su-
• No Egito, chegaram a participar da administração hicsa: bordinado ao Império Persa.
José ocupou o cargo de vice-rei.
• Após a expulsão dos hicsos, os hebreus são escraviza- 4.3. Diáspora:
dos no Egito. • A Palestina é conquistada pelos macedônios e, mais
• Êxodo: saída dos hebreus do Egito sob o comando de tarde, pelos romanos.
Moisés. • Domínio romano: pesados impostos e opressão.
• Permanência no deserto  Moisés elabora os funda- • Revoltas judaicas e migrações.
mentos do Judaísmo  O Decálogo (Dez Mandamen- • Em 70 d.C., durante o governo do Imperador Tito, a ci-
tos)  avanço na unidade e coesão do povo hebreu  dade de Jerusalém foi destruída e os hebreus completa-
chefia religiosa, política, militar e jurídica. ram sal dispersão, abandonando a Palestina: essa dis-
• Josué alcança a Palestina, reativando as lutas pela persão do povo hebreu pelas terras do Império Romano
posse do território (conquista a cidade de Jericó). é denominada de Diáspora.

3.PERÍODO DOS JUÍZES: 4.3. Sionismo:


• Período de transição entre a descentralização do período • Movimento feito pelos hebreus espalhados pelo mundo
dos patriarcas e a centralização do período dos reis. inteiro, para a volta à Terra Prometida.
• Lutas de conquista de uma base territorial. • Em 1948, a ONU criou o Estado de Israel.
• Juízes: chefes militares. • Início de novos conflitos: judeus X palestinos (árabes).
• Juízes: Gideão, Sansão, Gefté e Samuel.
• Lutas contra cananeus e filisteus. 5. ECONOMIA:
• Samuel propôs a criação da monarquia hebraica com o • Durante os períodos dos patriarcas e dos juízes, foi es-
objetivo de acabar com as divergências entre as tribos, sencialmente agro-pastoril.
promover a unidade política entre as tribos e, assim, for- • Durante a monarquia desenvolveu-se o comércio.
talecer os hebreus diante dos filisteus.
6. SOCIEDADE:
4.PERÍODO DOS REIS: • Desigual, estratificada e hierarquizada.
• Saul: instituição da monarquia.
• Criação do Estado Hebreu. 7. CULTURA:
• Intensificou as lutas contra os filisteus, mas, vencido em • Influência da cultura mesopotâmica: idéia do fatalismo e
uma batalha, suicidou-se. do caráter transcendental de deus.
• Davi: venceu definitivamente os filisteus. • Influência sumeriana no Antigo Testamento: Mito da
• Consolidação do Estado israelita: exército, burocracia, Criação e Epopéia de Gilgamesh.
expansão militar e Jerusalém como a capital. • Influência amorita na Bíblia: “olho por olho, dente por
• “Salmos”. dente”.
• Salomão: Apogeu da monarquia hebraica, beneficiada • Literatura: Talmud (escrito pelos rabinos=sacerdotes) e
pela debilidade da Mesopotâmia e do Egito. Antigo Testamento (Torá ou Pentateuco, Livros Históri-
cos, Livros Proféticos e Livros Didáticos).
• Desenvolvimento do comércio e da diplomacia.
• Construção de obras públicas: Templo de Jerusalém
8.RELIGIÃO:
(símbolo da unidade do povo hebreu).
• Judaísmo: monoteísmo, messianismo e concepção de
• Aliança com os fenícios.
“povo eleito”, Sabat.
• “Cântico dos Cânticos”.
• Influenciou o Cristianismo e o Islamismo.
• Descontentamento popular: pesados impostos e o traba-
• Bíblia (Antigo Testamento), Tora (Pentateuco) e Talmud.
lho dos camponeses nas grandes obras públicas.
• Festas: Páscoa (relembrando a saída dos hebreus do
Egito), Tabernáculos (rememorando a permanência no
4.1. Cisma: Divisão da monarquia hebraica após a morte
deserto) e Pentecostes (recordando o recebimento do
de Salomão: descontentamento popular, grandes de-
Decálogo por Moisés).
sigualdades sociais e rivalidades entre as tribos do
Norte e do Sul.
______________________________________________
✓ Roboão: duas tribos do Sul  Reino de Judá  capi-
tal em Jerusalém  conquistado por Nabucodonosor
no século VI a.C.  destruição do Templo de Jerusa-
lém  escravizou os sobreviventes no Cativeiro da Ba-
bilônia.
✓ Jeroboão: dez tribos do Norte  Reino de Israel  CIVILIZAÇÃO EGEIA
capital em Samaria  conquistado por Sargão II no
século VIII a.C. 1. Geografia e povoamento:
a. Localização: Mediterrâneo oriental: ilhas de Creta e do
4.2. Cativeiro da Babilônia: mar Egeu.
• Escravidão dos hebreus na cidade da Babilônia. b. Condicionamentos naturais: região montanhosa, com
bons portos naturais e solo pobre.
c. Povoamento: por volta de 3000 a.C., provavelmente
grupos da Anatólia e da Síria ocuparam a região. 3.Evolução Política:
d. Desenvolvimento do comércio marítimo. a. Desenvolvimento de cidades-estados governadas por
um ou dois reis (sufetas); Assessoria de um conselho
2. Evolução política: formado pelos grandes comerciantes.
a. Monarquia: poder exercido de maneira despótica por c. fundação de colônias pelo Mediterrâneo e Egeu
um minos (rei) b. Cada cidade teve seu período de apogeu. Destaque
b. Forças militares: Exército fraco – Marinha bem desen- para Tiro, que fundou a cidade de Cartago e realizou
volvida. uma viagem de circunavegação pela África.
c. Principais cidades: Cnossos e Faístos d. Decadência: as cidades ficaram na dependência dos
d. Apogeu: entre 2000 a.C e 1500 a.C. fundação de colô- grandes impérios da época.
nias no Mediterrâneo oriental (Micenas e Tirinto, na
Grécia; e Tróia, na Ásia Menor) 4. Economia:
e. Talassocracia Cretense: Império do mar a. Comércio marítimo: feito através do mediterrâneo, Ne-
f. Declínio: invasão dos aqueus – Civilização Creto-Mi- gro a Atlântico.
cênica. Por volta de 1500 a.C. b. Comércio terrestre: feito com Síria, Mesopotâmia, Pa-
lestina, Arábia e Egito.
3. Economia: c. Indústria: fabricação naval; púrpura, vidros, cerâmica,
a. Comércio marítimo: Egito, Grécia, Ásia Menor, Chipre, lã, etc.
Fenícia e Síria. d. Agricultura: cultivo de cerais, viderias e oliveiras.
Exportação: produtos naturais e manufaturados: cerâ-
mica, jóias, vinho e azeite. 5. Sociedade:
Importação: ouro, prata, tecidos, marfim, estanho e co- a. Sociedade que oscilou entre castas e classes sociais.
bre. b. Mobilidade social.
b. Agricultura: interior da ilha. c. Principais grupos sociais: nobreza, sacerdotes, aris-
c. Artesanato: ourivesaria, metalurgia, cerâmica e fabri- tocratas, comerciantes, homens livres (artesãos e cam-
cação de armas. poneses) e escravos.

4. Sociedade: 6. Cultura:
a. Sociedade de classes baseada na pose de bens mate- a. Ciências e técnicas: Matemática e Astronomia. Enge-
riais; nharia naval, metalurgia, etc.
b. Mobilidade social; b. Religião: politeísmo. Acreditavam nas forças da natu-
c. posição de destaque para as mulheres: igualdade social reza. Principais deuses: Baal e Astarte.
com os homens; c. Artes: desenvolveram a escultura, a pintura e arquite-
d. escravidão reduzida. tura.
d. Falta de originalidade: quase todos os aspectos cultu-
5. Aspectos culturais rais foram importados.
a. Religião: politeísmo. Destaque para a Deusa-Mãe (ma- e. Alfabeto: principal contribuição dos fenícios para as so-
triarcalismo); ciedades modernas.
b. Artes: liberdade, talento e sensibilidade. desenvolvram
a pintura (afrescos, murais e mosaicos), escultura (es-
tatuetas) e arquitetura (palácios – labirintos);
c. Ciências: desenvolveram a Engenharia e a Matemá-
tica; _____________________________________________
d. Vida cotidiana: apreciação da música, da dança, e dos CIVILIZAÇÃO PERSA
esportes.
e. Escrita: parcialmente decifrada. Três sistemas foram 1. Geografia e povoamento:
usados: pictográfico e linear A e B. a. Localização: Planalto do Irã, a leste da Mesopotâmia,
entre o Mar Cáspio e o Golfo Pérsico
_____________________________________________ b. Condicionamentos naturais: região montanhosa e de-
sértica com solo pobre
CIVILIZAÇÃO FENÍCIA c. Povoamento: por volta de 2000 a.C., grupos nômades
arianos (indo-europeus) se fixaram na região.
1.Características Geográficas: Medos: ao norte na região de Ecbátana, próximo a As-
a. Estreita faixa de terra entre as Montanhas do Líbano e síria;
o Mediterrâneo. Persas: ao sul entre as montanhas do Elam e o Oceano
b. Condicionamentos naturais: terras escassas, solo Índico.
árido. Dificuldades para a agricultura e o pastoreio; d. Desenvolvimento de uma pequena agricultura nas pou-
c. Florestas de cedro: construção de navios; cas áreas férteis.
d. Bons portos naturais.
2. Evolução política:
2.Povoamento: a. Domínio dos medos: por volta de 715 a.C. foram do-
a. povo de origem semita; minados pelos assírios até 612 a.C. quando Ciáxares,
b. Ocupação por volta de 3000 a.C. aliado aos caldeus, destruiu o Império Assírio, ficando
c. Principais cidades: Tiro, Biblos, Sídon e Ugarit
com os territórios da Assíria e da Ásia Menor. Domínio ANTIGÜIDADE CLÁSSICA
sobre os persas.
GRÉCIA ANTIGA
b. O Império Persa:
❖ Ciro: libertou os persas do domínio medo, destronou
1.INFLUÊNCIAS DO MEIO FÍSICO-GEOGRÁFICO:
Astiges em 550 a.C. Foi o fundador do Império Persa
• Localização: Península Balcânica.
(dinastia Aquemênida). Dominou o planalto do Irã.
Conquistou a Lídia e a Babilônia, libertando os judeus. • Interior: solo árido e rochoso  dificultava a agricultura.
Incorporou a Mesopotâmia, a Fenícia e a Palestina. • Litoral: recortado em penínsulas e portos naturais 
• Certa tolerância junto os povos dominados facilitava a navegação e a pesca  comércio marítimo.
❖ Cambises: filho de Ciro, conquistou o Egito em 525 a.C. • O relevo montanhoso dificultava a comunicação entre
e estendeu seus domínios até a Lídia. os núcleos populacionais e estimulava o fracionamento
❖ Dario I (o Grande Rei): estendeu os domínios até as político  cidades-estados (polis).
margens do rio Danúbio, na Europa. • Divisão da Grécia em Continental (Península Balcâ-
➢ Organização do Império: nica), Insular (Ilhas do Mar Egeu) e Asiática (litoral da
✓ Criação de províncias: 20 Satrapias – governadas Ásia menor)
pelos sátrapas e estes vigiados pelos fiscais “os  A Grécia não tinha unidade política  dividida
olhos e ouvidos do rei”; em cidades-estados independentes.
✓ Integração econômica: a rota real (Sardes a Susa,  A Grécia possuía unidade cultural  idioma e
com 2.400 Km); religião.
✓ Moeda-padrão: dárico
✓ Construção de um canal ligando o mar Vermelho ao 2. HOMÉRICO:
Mediterrâneo; ❖ Povoamento: povos indo-europeus.
✓ Capitais: Susa, Sardes, Ecbátana, Babilônia e • Pelágios ou pelasgos.
Persépolis. • Aqueus: fundaram Micenas, Tirinto e Argos.
➢ Invadiram Creta (civilização minóica)  “Minotauro”.
Declínio do Império: derrotas para os gregos nas guer- ➢ Formação da civilização creto-micênica: urbana e
ras Médicas (Greco-pérsicas), enfraquecimento do im- comercial.
pério que acabou conquistado por Alexandre Magno. ➢ Domínio comercial no Mediterrâneo.
➢ Destruição de Troia  “Cavalo de Troia”.
c. Estrutura política: Monarquia absoluta teocrática – ➢ Domínio comercial no Egeu.
união Estado/Religião. • Eólios.
• Jônios.
3. Economia:
• Dórios: destruição da civilização creto-micênica  1ª
a. Comércio: principal atividade econômica;
Diáspora grega (deslocamento de parte da população
b. As regiões conquistadas continuaram produzindo de
acordo com suas condições naturais: agricultura, pasto- para as ilhas do Egeu e para a Ásia Menor  coloniza-
reio, manufaturas, mineração, metalurgia, etc.. ção)  regressão sócio-econômica (agrária e rural) 
formação dos génos.
4. Sociedade:
a. Sociedade de castas: família real, sacerdotes, aristocra- ❖ Génos: pequenas comunidades agrárias, gentílicas,
cia, militares, comerciantes, artesãos, camponeses e coletivistas e de membros aparentados  unidade
escravos. econômica, política, social e religiosa.
• Fontes Históricas: os poemas Ilíada e Odisseia de Ho-
5. Aspectos culturais mero.
a. Religião: Evolução do politeísmo ao dualismo. • Páter: chefe  patriarcal.
• Zoroastrismo ou Mazdeísmo: criado por Zoroastro • Propriedade coletiva dos meios de produção (terras) e
ou Zaratustra (séc. VII a. C.); dos bens produzidos (alimentos).
• Princípios do Bem (Aura-Mazda ou Ormuz-Mazda) • Economia natural.
e do Mal (Ahriman); • Igualdade social.
• O livre-arbítrio – liberdade na escolha dos cami- • Desintegração dos génos: aumento da população e
nhos; do consumo, alta de terras férteis, produção limitada e
• O Juízo Final – vinda de um Messias para o julga- tecnologia rudimentar;
mento dos homens; • Reflexos: conflitos por terras, propriedade privada, de-
• Literatura Sagrada: Zend-Avesta. sigualdade social (eupátridas, georgóis e thetas), 2ª Di-
áspora grega (deslocamento da população excedente
b. Artes e ciências: Ecletismo: junção dos elementos cul- para a Magna Grécia [sul da Itália] e Mediterrâneo oci-
turais de todos os povos dominados. Pouca originali- dental [Nice, Marselha]) e formação das pólis (fratria 
dade. Produção de baixos-relevos tribo [filobasileu]  demos [basileu]  pólis).
• Diversidade geográfica, cultural e étnica.
3. PERÍODO ARCAICO:
_____________________________________________ ❖ Pólis: cidades-estados independentes e autônomas 
Esparta e Atenas.
∎ Esparta:
• Localização: Península do Peloponeso.
• Fundação: dórios  união da três tribos dórias (sine- ❖ Péricles: consolidou a democracia, remuneração dos
cismo). cargos público (participação de todos os cidadãos nos
• Conquista de Messênia (região fértil): solidificou o ca- negócios públicos), “século de ouro” (V a.C.), desenvol-
ráter essencialmente guerreiro, escravista e provocou vimento econômico e cultural, misthoy (soldo para os
uma reforma econômica que aboliu a propriedade fami- soldados do exército).
liar em seu lugar instituiu a propriedade estatal – a terra • Democracia: participavam todos os cidadãos atenien-
cívica – dividida em lotes e entregue aos espartanos. ses, adultos, filhos de pais e mães atenienses: eram
• Economia: agrícola e o Estado era o proprietário das uma minoria.
terras férteis (cívicas) e dos escravos (hilotas). Era direta.
• Sociedade: estamental, rígida, militarista, conserva- Escravista.
dora. Excluía os estrangeiros, os escravos e as mulheres.
❖ Espartanos, esparciatas ou espartíatas: cidadãos + Órgãos: Bulé – Conselho.
(direitos políticos), usavam as terras cívicas, descen- Eclésia – Assembléia popular.
dentes dos dórios, controlavam o poder. Helieu – Tribunal de Justiça.
❖ Periecos: pequenos proprietários (terras menos fér-
teis  periféricas), comerciantes, artesãos, livres, 4. PERÍODO CLÁSSICO: Hegemonias: imperialismo
sem direitos políticos. ■ As Guerras Médicas: gregos X persas (medos).
❖ Hilotas: escravos. Motivo: o avanço do imperialismo persa.
+ lª Guerra Médica: os gregos derrotam os persas na
• Política: Oligarquia  Legislador: Licurgo. Batalha de Maratona.
❖ Diarquia: dois reis (funções religiosas e guerreiras). + 2ª Guerra Médica: os espartanos são derrotados na
❖ Eforato: cinco membros (funções executivas). Batalha das Termópilas, mas os gregos derrotam os
❖ Gerúsia: 28 membros anciãos (funções legislativas) persas nas Batalhas de Salamina e Platéia.
 conselho. + 3ª Guerra Médica: Confederação de Delos (liga mi-
litar das cidades gregas, lideradas por Atenas, que
❖ Ápela: assembléia popular  cidadão maiores de
tinha por objetivo proteger a Grécia dos ataques per-
30 anos.
sas) : as polis contribuíram com navios e dinheiro 
• Educação: rígida e militarista, formação do corpo, aos
Esparta não partipou.
cuidados do Estado, xenofobia, laconismo e kryptia.
- os gregos derrotam definitivamente os persas
∎ Atenas: na Batalha de Eurimedon.
- Tratado de Susa (Paz de Calias ou Paz de Cí-
• Localização: Península Ática.
mon): fim do conflito.
• Fundação: Jônios  união das quatro tribos jônicas (si- + Conseqüência: o imperialismo ateniense sobre as
necismo). cidades participantes da Confederação de Delos
• Economia: no início, agricultura, depois, comércio ma- (que não foi dissolvida): beneficiou-se das riquezas.
rítimo.
• Sociedade: ■ A Guerra do Peloponeso: Atenas (Confederação de
➢ Eupátridas  proprietários das melhores terras, ci- Delos) X Esparta (Liga do Peloponeso)
dadãos. + Motivos: o imperialismo ateniense e as diferenças po-
➢ Georgóis: pequenos proprietários, sem direitos po- líticas e culturais entre Atenas e Esparta.
líticos. + Paz de Nícias: trégua.
➢ Thetas: camponeses, sem direitos políticos. + vitória de Esparta na Batalha de Égos Potamos.
➢ Demiurgos: comerciantes  lutas por direitos polí- + conseqüências: fim do imperialismo ateniense e da
ticos. democracia e início do imperialismo espartano.
➢ Metecos: estrangeiros, sem direitos políticos. + Esparta foi derrotada por Tebas na Batalha de Leu-
➢ Escravos: atuaram em todos os ofícios. tras: início do imperialismo tebano.

• Evolução Política: Monarquia (basileu). ■ Declínio da Grécia:


❖ Oligarquia (arcontado). + Motivos: as constantes guerras entre as polis e a
❖ Tirania: ditadores que usurparam o poder  Psis- falta de unidade grega.
trato  obras públicas. + Conquista da Grécia: Em 338 a.C., o território grego
❖ Oligarquia. é conquistado pelos macedônios de Filipe II na Batalha
❖ Democracia. de Queroneia.
• Legisladores: promotores de reformas que refletiam as
lutas entre as classes sociais e o crescimento da pólis 5. PERÍODO HELENÍSTICO:
e do comércio. ▣ Helenismo:
❖ Drácon: leis escritas e extremamente severas, manteve ■ Alexandre Magno:
os privilégios dos eupátridas, mas acabava o arbítrio. + expansionismo militar e territorial e da cultura grega
❖ Sólon: acabou com a escravidão por dívidas e dividiu a (aprofundamento).
sociedade censitariamente. + incremento do comércio internacional.
❖ Clístenes: implantou a democracia, direitos políticos + fundação de cidades de cultura grega: Alexandria.
para eupátridas, demiurgos, georgóis e thetas. Ostra- + helenismo: fusão da cultura grega com a cultura ori-
cismo (banimento de todo aquele que ameaçasse a de- ental.
mocracia por um período de 10 anos). + formação dos reinos helenísticos.
6. CULTURA: - Os patrícios, através do Senado, derrubaram o último
- Democracia: práticas republicanas e participativas de rei de Roma, o etrusco Tarqüínio, o Soberbo.
poder. - Motivo: o absolutismo real.
- Influência sobre a civilização ocidental. - Objetivo: controlar diretamente o poder.
- Concepções de beleza, equilíbrio e harmonia. - Conseqüências: deposição do rei, extinção da monar-
- Racionalismo, humanismo e antropocentrismo. quia e implantação da República.
- Produção teatral, filosófica e cientifica.
- Religião politeísta e sem dogmas. 6. A REPÚBLICA:
- Estilos arquitetônicos: dórico, jônico e coríntio. • Estrutura Administrativa: Instituições republicanas.
❖ Senado: órgão máximo  controlava toda a adminis-
_____________________________________________ tração, as finanças e decidia pela guerra ou pela paz 
órgão legislativo.
❖ Magistraturas: poder executivo.
ROMA ANTIGA ❖ Cônsules: chefia da república.
❖ Pretor: justiça.
❖ Censor: censo da população.
❖ Edil: conservação das construções públicas.
1. MEIO FÍSICO-GEOGRÁFICO: ❖ Questor: tesouro público.
• Localização: Península Itálica. ❖ Ditador: governava com plenos poderes, 6 meses,
• Solo fértil e litoral pouco recortado. em caso de graves crises.
❖ Assembléias: patrícios e plebeus.
2. POVOAMENTO DA PENÍNSULA ITÁLICA: ❖ Assembléia Centurial: voto.
• Gauleses: norte. ❖ Assembléia Curial: assuntos religiosos.
• Etruscos: centro (Toscana [Etrúria]). ❖ Assembléia Tribal: escolhia questores e edis.
• Latinos: centro.
• Gregos: sul (Magna Grécia). • Lutas Sociais: conflitos entre plebeus e patrícios.
❖ Motivo: a marginalização política dos plebeus.
3. ORIGEM DE ROMA: ❖ Importância social: integravam o exército, paga-
• Lendária: Rômulo e Remo (753 a.C.) vam impostos, garantiam a segurança de Roma,
• Histórica: Roma foi fundada como um forte (fortaleza) participação na economia.
pelos latinos para se defenderem dos ataques etruscos ❖ Protesto: greve e abandonaram Roma.
(1000 a.C.): região do Lácio. ❖ Conquistas plebéias:
• Os povos mais significativos na formação de Roma são ➢ Tribuno da Plebe (comício da plebe  plebis-
os latinos, os sabinos e os etruscos. cito): vetar leis que prejudicassem os plebeus 
• Foram os etruscos os responsáveis pela transformação assembléia centuriata.
da aldeia romana em cidade: na fase final da realeza, ➢ Lei das Doze Tábuas: leis escritas  limitaram
Roma foi dominada pelos etruscos. as arbitrariedades.
➢ Lei Canuléia: casamento entre plebeus e patrí-
4. EVOLUCÃO POLÍTICA DE ROMA: cios.
➢ Eleição dos magistrados plebeus: inclusive
• Monarquia (753 a 509 a.C.).
cônsul.
• República (509 a 27 a.C.).
➢ Lei Licínia-Sêxtia: proibição da escravidão por
• Império (27 a.C. a 476 d.C.).
dívida (nexum): depois, a escravidão de romanos
foi proibida.
5. A MONARQUIA ROMANA:
• Órgãos políticos:
• O Expansionismo Romano:
❖ Realeza: Rômulo, Numa Pompílio, Túlio Hostílio,
❖ Etapas:
Anco Márcio, Tarquínio Prisco (o Antigo), Sérvio Tú- + Conquista da Península Itálica: obter alimentos e
lio e Tarquínio (o Soberbo).
defesa.
❖ Conselho dos Anciãos ou Senado.
+ Conquista do Mediterrâneo Ocidental:
❖ Assembléia ou Cúria.
Guerras Púnicas. Roma X Cartago (antiga colônia
fenícia, agora uma potência marítima comercial).
• Sociedade: Estamental. Motivos: o avanço imperialista romano, a disputa
❖ Patrícios: cidadãos  aristocracia. pela Sicília e o controle comercial do Mediterrâneo.
❖ Plebeus: livres, sem direitos políticos, pequenos Vitória de Roma: abriu as portas do Mediterrâneo a
proprietários, artesãos e comerciantes  represen- Roma.
tavam a maioria da população. + Conquista do Mediterrâneo Oriental: Macedônia,
❖ Clientes: plebeus que viviam agregados as famílias Grécia, Egito, Ásia Menor, Síria.
patrícias.
❖ Escravos: prisioneiros de guerra, instrumentos de ❖ Conseqüências:
trabalho → nessa fase ainda não eram os responsá- ▪ Grande afluxo de riquezas.
veis pela produção do excedente. ▪ Formação de latifúndios e ruína dos pequenos
proprietários.
• O Golpe dos Patrícios (509 a.C.): ▪ Aumento da escravidão: modo de produção es-
cravista.
▪ Êxodo rural. ➢ Centralização do poder: mesmo assim, con-
▪ Empobrecimento da plebe. sentiu que as instituições republicanas conti-
▪ Formação de uma nova classe social: os cavalei- nuassem existindo  sufocar a anarquia e as
ros (comerciantes). rebeliões de escravos.
▪ Crise da República: instabilidade política e social.
▪ Alteração nos costumes; generalização do divór- ❖ O Principado de Otávio Augusto
cio e do adultério. ➢ Obras públicas.
➢ Guarda pretoriana.
• As Lutas Civis ➢ Diminuição da exploração excessiva das provín-
❖ As Reformas dos Irmãos Graco: em favor da cias
plebe. ➢ Novo sistema de cobrança de impostos.
❖ Tibério Graco: Tribuno da Plebe. ➢ Divisão censitária da sociedade imperial: cida-
➢ Reforma agrária: no ager publicus. dãos (ordem senatorial, ordem eqüestre e ordem
➢ Foi assassinado. plebéia.) e provinciais.
❖ Caio Graco: Tribuno da Plebe. ➢ Pax romana: período de paz (tranqüilidade) e
➢ Lei Frumentária: venda de trigo mais barato prosperidade econômica e cultural.
para a plebe. ➢ Política do pão e circo: distribuição de trigo e
➢ Reforma agrária. promoção de diversão para as massas populares
➢ Foi eliminado.  alienação da plebe.
 As propostas foram aprovadas pela Assembléia Popular
e obstaculizadas pelo Senado. 7. O IMPÉRIO:
➢ Evolução Política do Império: geralmente o impera-
❖ As Ditaduras dos Generais Políticos: disputa en- dor indicava seu sucessor. O Exército e a Guarda Pre-
tre facções do exército pelo controle do poder em toriana constantemente derrubaram ou levaram ao po-
benefício próprio. der inúmeros imperadores.
❖ Mário (Cônsul): governo popular.
➢ Instituição do soldo para os soldados (profis- ❖ O Alto Império Romano
sionalização do exército). ➢ Principais imperadores: Tibério, Caio (Calígula),
➢ Serviço militar por vinte anos Cláudio, Nero, Vespasiano, Trajano, Adriano, Antonino,
➢ Distribuição de terras para os militares ao fim Marco Aurélio, Cômodo, Sétimo Severo...
do serviço militar ➢ O Cristianismo – após a morte de Cristo, o Cristia-
❖ Sila (Cônsul): governo conservador. nismo cresceu devido à sua mensagem de amor ao
➢ Governo violento, antipopular e agravamento próximo e crença em Deus. Os cristãos eram acusa-
da situação social. dos de tudo: perseguidos, torturados e mortos, o que
➢ Perseguição ao Partido Popular aumentava o número de seguidores, passando a ter
liberdade com o Edito de Milão (Constantino). Mais
❖ Os Triunviratos: acordos entre políticos e generais tarde, o Cristianismo chegou a ser religião oficial de
para controlar o poder (controle do Estado)  acen- Império Romano (com Teodósio).
tuaram a instabilidade política republicana.
❖ 1º Triunvirato: Pompeu, Júlio César e Crasso ➢ A perseguição aos cristãos (martírio):
(Cônsules). ❖ Motivos: os cristãos não aceitavam o politeísmo
➢ Crasso morre. nem o caráter divino do imperador.
➢ Rivalidade entre os cônsules (triúnviros). ❖ O caráter pacifista e universalista do cristianismo
➢ Pompeu é proclamado cônsul único, desti- chocou-se com o militarismo e o escravismo do Im-
tuindo Júlio César. pério romano.
➢ Júlio César derrota Pompeu. ❖ Nero iniciou as perseguições.
❖ Ditadura de Júlio César:
➢ Apoio do exército e da plebe. ➢ A Crise do século III - Causas:
➢ Oposição do Senado que não aceitava nem o Catástrofes naturais, imensos gastos com o Exér-
absolutismo nem a aproximação do rei com a cito, numerosa burocracia, aumento dos impostos,
plebe e temia a restauração da monarquia. diminuição do número de escravos, declínio do co-
➢ Foi assassinado por uma conspiração promo- mércio, inflação, intranqüilidade política, descuido
vida pelo Senado  provocou uma revolta na nas fronteiras.
população.
❖ 2º Triunvirato: Marco Antônio, Otávio e Lépido ❖ O Baixo Império Romano
(Cônsules). Inicio da crise do Império Romano
➢ Otávio afastou Lépido e declarou guerra a • Tentativas de Reformas:
Marco Antônio, vencendo-o no Egito. ❖ Diocleciano:
➢ Otávio conquistou os soldados com presentes ➢ Edito do Máximo: tabelava os preços máximos
e o povo com distribuição de trigo. para produtos e salários. Não funcionou.
➢ Recebeu do Senado vários títulos: princeps ➢ Tetrarquia: dividiu o governo do império entre
(primeiro cidadão), imperator (o supremo) e quatro pessoas para facilitar a administração.
augustus (o divino). ❖ Constantino:
➢ Fundação de Constantinopla: proteção do Ori-
ente.
➢ Edito de Milão: legalizou o cristianismo.
➢ Lei do Colonato: obrigatoriedade de fixação do
colono à terra (vila) que trabalhava.
❖ Teodósio:
➢ Edito de Tessalônica: oficializou o cristianismo.
➢ Divisão do Império Romano: Império Romano
do Ocidente (capital Roma) e Império Romano de
Oriente (capital Constantinopla).

❖ Decadência do Império Romano: Fatores:


➢ O imperialismo romano.
➢ As guerras civis.
➢ A ascensão do cristianismo.
➢ A crise econômica.
➢ A volta para uma economia rural de subsistência.
➢ A anarquia militar.
➢ A crise do escravismo.
➢ As invasões bárbaras.

❖ Queda de Roma:
➢ Invasões bárbaras: a partir do século IV, inúmeros
povos que moravam nas fronteiras do império foram
penetrando, pacificamente ou não, nos territórios ro-
manos. O Império foi dividido em Oriente e Ocidente.
As invasões continuaram: godos, visigodos, hérulos,
hunos, etc. Rômulo Augústulo foi destronado e o Im-
pério Romano do Ocidente chegou ao seu final (476
d. C.).

8. CULTURA:
➢ O Direito Romano visava regulamentar a vida do cida-
dão romano estabelecendo seus direitos e deveres di-
ante do Estado.
➢ Práticas participativas de poder e instituições republica-
nas de governo.
➢ Literatura: Virgílio, Tito Lívio, Ovídio.
➢ Arquitetura: aquedutos, estradas e muralhas.
➢ Religião politeísta.

_____________________________________________

ANOTAÇÕES

ETAPA 2 – IDADE MÉDIA

A ALTA IDADE MÉDIA

1. INVASÕES BÁRBARAS
a. Definição: Para os romanos, bárbaros eram todos aque-
les que não tinham a cultura greco-romana, que esta-
vam fora das fronteiras do Império.

b. Grupos Bárbaros
✓ Tártaro-mongóis: hunos, turcos, búlgaros, húngaros
(magiares).
✓ Eslavos: russos, poloneses, tchecos, sérvios.
✓ Germanos: visigodos, ostrogodos, hérulos, anglos, sa-
xões, lombardos, vândalos, francos, etc.
c. Organização econômico-social dos germanos ✓ Distribuição de terras como recompensa de serviços
✓ Economia amonetária e natural, baseada em caça, prestados.
pesca, saques, pastoreio, agricultura rudimentar, sa- ✓ perda de autoridade da dinastia merovíngia.
ques e metalurgia. ✓ Feudalizacão da Europa.
✓ Propriedade coletiva da terra. ✓ Ruralizacão da economia.
✓ Divididos em tribos, governadas por assembleias de ✓ Fortalecimento do poder dos proprietários de terras.
guerreiros ✓ Distribuição de terras como recompensa de serviços
✓ Vida social centrada na tribo ou clã. prestados.
✓ Base social residia no sippe – comunidade de linhagem ✓ Perda de autoridade da dinastia merovíngia.
que assegurava a proteção das pessoas sob sua auto-
ridade ❖ Reis Indolentes: não se interessavam em comandar a
✓ Ágrafa. administração do reino.
✓ Direito consuetudinário (baseado nos costumes e na ✓ O poder efetivo passou a ser exercido pelo majordo-
oralidade). mus (alto funcionário da corte: prefeito do palácio, mor-
✓ Sociedade dividida em homens livres e escravos. domo do paço ou primeiro-ministro).
✓ Religião politeísta. Não possuíam unidade religiosa ➢ Pepino de Heristal: poder efetivo.
nem templos. ➢ Carlos Martel: deteve o avanço muçulmano na Eu-
✓ Praticavam sacrifícios humanos e animais. ropa (Batalha de Poitiers).
✓ O contato com o império romano fez aparecer a propri- ➢ Pepino, o Breve: obteve uma aliança com a Igreja e
edade privada da terra e a desigualdade social. afastou o último rei merovíngio (Childerico III), tor-
nando-se rei dos francos e iniciando a dinastia caro-
d. As invasões língia.
Tipos: Penetrações Pacíficas e Violentas
d. Dinastia carolíngia
❖ Penetrações Pacíficas • Apoiou o papado na luta contra os lombardos e doou a
✓ Como colonos. Igreja territórios no centro da Itália, chamados de Patrimô-
✓ Recrutados para integrar o exército romano. nio de São Pedro (Estados Pontifícios)  reforçou o poder
✓ Migrações (séc. III e IV) temporal da Igreja.
❖ Carlos Magno (centralização política):
❖ Penetrações Violentas ➢ expandiu as fronteiras do reino franco.
✓ Invasões (séc. IV e V): confrontos armados e guerras  ➢ concessão de benefícios (terras) em troca de fideli-
trouxeram destruição e morte, contudo, contribuíram dade  processo de feudalizacão.
para o surgimento da sociedade européia ocidental.
✓ Os hunos pressionaram os germanos a penetrar no Im- 2.1 IMPÉRIO CAROLÍNGIO
pério Romano. a. Carlos Magno:
✓ Fragmentação do Império Romano do Ocidente. ❖ Promoveu a centralização política;
❖ Expandiu as fronteiras do reino franco;
e. Os reinos romano-germânicos: ❖ Concessão de benefícios (terras) em troca de fideli-
- Frágeis e efêmeros. dade  processo de feudalizacão;
❖ Reino dos Suevos. ❖ Apoio da Igreja, expansão do cristianismo e coroa-
❖ Reino dos Visigodos. ção como imperador (Império Carolíngio).
❖ Reino dos Borgúndios. ❖ Divisão do império em condados, ducados e marcas.
❖ Reino dos Ostrogodos. ❖ Missi dominici: inspetores reais.
❖ Reino dos Vândalos. ❖ Capitulares: leis imperiais  primeiras leis escritas
❖ Reino dos Francos. da Idade Média.
❖ Renascimento Carolíngio: desenvolvimento cultu-
____________________________________________ ral (letras e artes): sábios, escolas (Escola Palatina),
preservação da cultura greco-romana.

REINO FRANCO E IMPÉRIO CAROLÍNGIO b. Luís, o Piedoso: Disputas (batalhas) entre os filhos por
causa da sucessão.
a. Localização: Gália (Atual França)
b. Unificação política: Clóvis • Tratado de Verdun (843): Divisão do império caro-
✓ Converteu-se ao cristianismo, estabeleceu uma aliança língio: Luís, o Germânico (parte oriental ou Germâ-
com a Igreja e obteve o apoio dos católicos galo-roma- nia), Carlos, o Calvo (parte ocidental ou França) e
nos. Lotário (parte central ou da Itália até o mar do Norte
✓ Promoveu a unificação política das tribos francas, forta- = Lotaríngia).
leceu a autoridade do rei e estimulou a integração de • Rompimento da unidade imperial e fragmentação
francos e romanos. territorial.
✓ Iniciou a Dinastia Merovíngia. • Enfraquecimento do poder real.
• Fortalecimento da autonomia dos condes, duques e
c. Dinastia merovíngia marqueses  processo de feudalizacão.
✓ Feudalizacão da Europa. • Na parte oriental, em 936, Oto I tomou o trono e, com
✓ Ruralizacão da economia. o apoio da Igreja, em 962 foi coroado imperador do
✓ Fortalecimento do poder dos proprietários de terras. Sacro Império Romano Germânico.
• Na parte ocidental, em 987, Hugo Capeto, assumiu
o poder e iniciou a dinastia capetíngia. ❖ Nobreza (Bellatore) - Posse territorial
• A Lotaríngia foi conquistada por Oto I. Funções: Políticas e militares
✓ Cavalaria (honra, desprendimento, destreza, lealdade
c. Ruralização da economia e heroísmo)
❖ Processo de Feudalizacão. ✓ Controlava o poder feudal.
❖ Fatores:
✓ Crise do escravismo no Império Romano: Colonato. ❖ Servos - (Laboratore)
✓ As invasões germânicas. Função: Produtiva
✓ As concessões de benefícios aos nobres em troca de ✓ Camponeses  vinculados a terra; explorados; obriga-
fidelidade. dos a prestar serviços (trabalhar) e pagar impostos em
✓ O Tratado de Verdun. troca do uso da terra e de proteção militar
✓ As invasões dos árabes. ✓ Vilões., etc.
✓ As invasões dos vikings, árabes e húngaros (magiares)
nos séculos IX e X. ➢ Obrigações servis
✓ Relações de exploração e dependência  senhores
____________________________________________ e servos.
✓ Corvéia: dias de trabalho semanal gratuito dos ser-
vos no manso senhorial  a produção era do senhor
O FEUDALISMO feudal.
✓ Talha: divisão da produção servil no manso servil.
a. Conceito: Modo de Produção que vigorou na Europa ✓ Banalidades: taxas pagas pelos servos pela utiliza-
Ocidental durante a Idade Média e que se caracterizou ção das instalações do feudo (celeiro, moinho,
pelas relações servis de produção. forno); pedágios...
b. Origens ✓ Capitação: imposto pago por cada servo individual-
❖ Romanas: mente.
➢ Clientela: relação de dependência pessoal entre in- ✓ Tostão de Pedro: imposto pago para manter a ca-
divíduos. pela.
➢ Colonato: fixação do colono a terra. ✓ Mão-morta: imposto pago para transferir o lote de
➢ Precarium: entrega de terras a um grande senhor um servo falecido para seus herdeiros.
em troca de proteção. ✓ Albergagem (hospedagem): alojamento e produtos
➢ Vilas: unidades econômicas (grandes propriedades para os senhores em viagem.
agrárias). ✓ Formariage: taxa paga para se casar.

❖ Germânicas: e. Política
➢ Economia agropastoril. ✓ Descentralização política:
➢ Comitatus: relações de fidelidade entre o chefe e ✓ Fragmentação do poder em função do parcelamento
seus guerreiros. das terras.
➢ Beneficium: concessões de terras em troca de fide- ✓ Particularismos feudais: senhores feudais  poder.
lidade. Tal prática também foi praticada pelos roma- ✓ O rei exercia pouca influência.
nos. ✓ Guerras contínuas: invasões e disputas pelo poder.
➢ Descentralização política. ✓ Direito consuetudinário.
✓ Direito de governar era um privilégio de todo possuidor
c. Economia de feudo, implicando este privilégio obrigações muito
✓ Agrária e rural. definidas, cuja violação podia acarretar a perda do
✓ Autossuficiente. feudo.
✓ Feudo: unidade de produção  propriedade feudal ou ✓ Monarquias Feudais: poder particularizado, laços de
senhorial. dependência pessoal, caráter simbólico do poder real e
✓ Pouco uso de moeda. fragmentação político-territorial.
✓ Comércio reduzido  localizado.
✓ Baixo nível técnico. ❖ Relações feudo-vassálicas:
✓ Sistema trienal de rotação de culturas: preservação do Relações de dependência pessoal e de obrigações re-
solo. cíprocas.
✓ Suserania e vassalagem: nobre e nobre.
d. Sociedade ✓ Suserano: doava a terra (beneficium)  proteção.
Estamental, Patriarcal, hierarquizada, estratificada e ✓ Vassalo: recebe a terra  fidelidade, auxílio nas guer-
clerical. ras, pago-mento de resgate.
Ordens: Clero, Nobreza e Servos ✓ Homenagem (cerimônia): juramento de fidelidade.
✓ Investidura: entrega do feudo.
❖ Clero (Oratore) - Membros da Igreja ✓ Auxilium e consilium (ajuda e consulta mútuas).
Funções: Espirituais. Controle da ideologia medieval.
✓ Secular: papa, bispos, padres  contato com o mundo, f. A divisão do feudo
a vida, as pessoas. ✓ Manso senhorial (domínio): uso exclusivo do se-
✓ Regular: abades e monges  surgiu em reação ao des- nhor feudal.
regramento do clero secular.
✓ Manso servil: arrendada aos servos e dividida em b. Características gerais: não havia unidade política en-
tenências. tre os árabes, mas uma certa unidade cultural: idioma,
✓ Manso comunal: terras comuns (pastos, bosques, crenças religiosas; no litoral praticavam a agricultura e
florestas). o comércio; no interior, os nômades (beduínos) viviam
✓ Manso de Reserva: área de repouso da criação e do cultivo de trigo e tâmaras.
✓ Castelo: moradia da nobreza. c. Criação do Islamismo:
✓ Vila: moradia dos servos ➢ Maomé (570-632) fundou uma religião monoteísta
(conhecida como muçulmana, maometana ou islâ-
____________________________________________ mica), cuja doutrina básica está escrita no Al Corão);
➢ Por suas pregações, Maomé entrou em choque com
IMPÉRIO BIZANTINO os antigos sacerdotes de Meca, sendo obrigado a
fugir para Iatreb - Medina (Hégira –622).
a. Localização: península Balcânica, Egito, Palestina, Sí-
ria, Ásia menor e norte da Mesopotâmia. d. Guerra Santa (Jihad): movida por Maomé contra os co-
b. Civilização Bizantina: fruto das culturas helenísticas e raixitas. Vitorioso, Maomé pôs fim à idolatria e ao poli-
romanas. teísmo.
c. Sede: Constantinopla (Bizâncio), às margens do Es- ❖ Princípios religiosos essenciais: crer em Alá e em
treito de Bósforo. Maomé; relizar cinco orações diárias; ser generoso
d. A Era de Justiniano (527-565): com os pobres; obedecer ao jejum durante o Ra-
➢ Retomada de alguns territórios do antigo Império do madã e visitar Meca pelo menos uma vez na vida;
Ocidente em poder dos bárbaros ou dos árabes: poligamia; Guerra Santa.
Norte da África, Itália e Sul da Espanha.
➢ Editou o Código de Justiniano: conjunto de leis e. Expansão Muçulmana:
que representou uma síntese do antigo Direito ro- ➢ Califas: sucessores de Maomé. Eram chefes religi-
mano; osos, políticos e militares, que por meio das guerras
➢ Construção de palácios, hospitais, igrejas, etc. santas, conquistaram a Pérsia, Síria, Palestina e
Egito. Tentaram várias vezes, sem sucesso, con-
d. Decadência política: quistar Constantinopla.
➢ Após a morte de Justiniano, o império percorreu ➢ Principais califas do período: Abu-Bequer, Omar,
longa trajetória de decadência. Otman e Ali.
➢ Reinado de Basílio II: renascença bizantina (século ➢ Divisão dos muçulmanos em duas seitas:
X). ➢ Sunitas: mais ortodoxos são seguidores da Suna e
➢ Durante cerca de mil anos o império sobreviveu a do Corão.
inúmeras ameaças. Apesar de assediada pelos ára- ➢ Xiitas: interpretam mais literalmente o Corão e acre-
bes, Constantinopla só foi dominada em 1453 pelos ditam no imman (líderes que salvariam os fiéis dos
turcos otomanos, pondo fim ao Império Bi-zantino. erros dos governantes).
f. Dinastias:
e. Economia: ✓ Omíadas: conquistaram o Turquestão, leste do Irã, Ín-
➢ Comércio desenvolvido, favorecido pela localização dia, norte da África, reino visigodo da Espanha e Penín-
geográfica; sula Ibérica. Foram derrotados ao tentarem conquistar
➢ Setor agrícola: tinha produção concentrada em lati- a Gália (Reino Franco)
fúndios da Igreja; ✓ Abássidas: transferência da capital para Bagdá. Princi-
➢ Artesanato: controle do Estado (oficinas reais). pal califa: Al Rachid.
f. Sociedade: constituída por grupos de diversas nacio- ❖ Desmembramento do Império: em 756 foram criados
nalidades. os califados de Bagdá, Pérsia e Córdova; em 788, o do
➢ Principais grupos: nobreza, generais, altos funcio- Marrocos; em 969, o do Egito. O de Bagdá foi destruído
nários, clero e classe baixa (camponeses e arte- pelos mongóis (1296) e a Península Ibérica foi reto-
sãos). mada pelos espanhóis (1492).

g. Aspectos Culturais: ❖ Os turcos, apesar da conversão ao islamismo, foram


➢ Religião: Cristianismo religião oficial. O chefe da responsáveis por perdas irrecuperáveis ao islão.
Igreja era o bispo ou patriarca, submisso à autori- ❖ Turcos Seldjúcidas: infiltrando-se nos principais pos-
dade do imperador (Cesaropapismo). Em 1054 ocor- tos administrativos, tomaram Islã, Jerusalém e Síria.
reu o cisma que deu origem à Igreja Católica Orto- ❖ Turcos Otomanos: em 1453, tomaram definitivamente
doxa (Grega e Oriental); a cidade de Constantinopla, pondo fim ao Império Bi-
➢ Artes: influenciadas pela religião. Desenvolvimento zantino e à Idade Média.
da arquitetura (Palácios e Igrejas); influência da cul-
tura grega. g. Aspectos culturais: desenvolveram a Arquitetura (pa-
lácios e mesquitas), literatura, Medicina e Matemática
____________________________________________ (Álgebra e a Trigonometria); cunharam moedas (dina-
res); desenvolveram a metalurgia; introduziram pala-
vras no vocabulário ibérico, etc.
CIVILIZAÇÃO ISLÂMICA h. Vida Familiar: sociedade patriarcal, o matrimônio é um
importante compromisso; os filhos devem obedecer aos
a. Localização original: península Arábica; pais e os servos são tratados com respeito.
i. Religião: politeísta, no início. Com Maomé, passou ao ✓ Punições: confisco de bens, excomunhão, torturas ou
monoteísmo. Culto a Alá. morte nas fogueiras.
✓ Combater os movimentos contrários à ordem social do-
____________________________________________ minante.
✓ Principais Heresias: arianismo, nestorianismo, valden-
ses e albigenses
A IGREJA MEDIEVAL
h. Cisma do Oriente (1054):
a. Teocentrismo Cristão. ✓ Oposição entre o papa de Roma e os patriarcas do Ori-
✓ maior instituição medieval. ente (Constantinopla).
✓ poder e riqueza. ✓ Resistência oriental a estrutura pontifícia: antagonismo.
✓ organização hierárquica. ✓ Criação da Igreja Ortodoxa no Oriente.
✓ herança cultural greco-romana. ✓ Igreja Católica Apostólica Romana no Ocidente.
✓ hegemonia ideológica.
✓ cultura teocêntrica. i. A Querela das Investiduras (1085-1122):
✓ justificava a ordem feudal. ✓ Conflito entre o poder temporal (imperador – Henrique
IV – Sacro Império Romano-Germânico) e o poder es-
b. Origem do Cristianismo: piritual (papa – Gregório VII – Ordem de Cluny  mo-
✓ Surgiu na Palestina. vimento reformista).
✓ Originou-se do Judaísmo. ✓ Motivos: o cesaropapismo (supremacia do imperador
✓ Na época do Alto Império Romano. sobre a Igreja), o nicolaísmo (desregramento do clero),
✓ Difusão pelos territórios do Império Romano. a simonia (comércio dos bens da Igreja), o celibato e
✓ No início os cristãos foram perseguidos. proibição das investiduras leigas.
✓ No século IV d.C., foi legalizado e oficializado. ✓ O imperador depôs o papa.
✓ O papa excomunga o imperador.
c. Teocentrismo cristão: ✓ Concordata de Worms (1122): solucionou o conflito li-
➢ Igreja mitando o poder do imperador e afirmando a suprema-
✓ Maior instituição medieval (feudal). cia do papado  poder espiritual saiu vitorioso sobre o
✓ Hegemonia ideológica e cultural. secular.
✓ Impôs valores teológicos: cultura teocêntrica. ❖ Declínio do poder espiritual: enfraquecimento da
✓ Preservou a herança (patrimônio) cultural greco-ro- Igreja devido, principalmente à ascensão do poder das
mana. monarquias nacionais.
✓ Controle da educação. ✓ Cativeiro Babilônico: período em que o papado foi
✓ Justificava a ordem feudal. usado politicamente pelos franceses. A sede da Igreja
d. A Igreja medieval passou à Avignon (França).
✓ Pregava a tripartição funcional e clerical da sociedade ✓ Cisma Medieval: disputas entre os papados de Roma,
medieval: clero (rezar), nobreza (combater) e servos Avignon e Pisa.
(trabalhar). ✓ Concílio de Constança (1416): decidiu que o papado
✓ Organização hierárquica. verdadeiro era o de Roma.
✓ Converteu os bárbaros e os integrou aos romanos. ✓ Aumento da corrupção na Igreja: venda de indulgên-
✓ Nos reinos romano-germânicos vai exercer várias fun- cias, dispensas e falsos objetos sagrados. Os papas tor-
ções (políticas, administrativas, Culturais, espirituais). naram-se banqueiros.
✓ Ética econômica: combatia o comércio, o lucro e a
usura.

e. CLERO: BAIXA IDADE MÉDIA


➢ Secular: papa, bispos, padres  contato com o mundo,
a vida, as pessoas. I. CARACTERÍSTICAS:
➢ Regular: abades e monges  surgiu em reação ao des-
regramento do clero secular. 1. Transformações na sociedade feudal: início da crise
do feudalismo.
f. Movimento Monástico: a. Início da superação das estruturas feudais.
✓ Ordem Beneditina  São Bento b. Progressiva estruturação de um novo modo de produ-
✓ “Regra”: castidade, caridade, pobreza, oração e traba- ção, o capitalismo.
lho. c. Surgimento de uma economia comercial: dinamismo
✓ Conversão dos camponeses. comercial.
✓ Preservação da cultura grego-romana: monges copis- d. Surgimento de um novo grupo social, a burguesia.
tas. e. Centralização do poder real.
✓ Aprimoramento das atividades agrícolas e artesanais. f. Declínio do modo de produção servil.
g. Desenvolvimento do trabalho livre (relações assalaria-
g. Tribunais da Inquisicão: das).
✓ Para combater as heresias (idéias ou ações contrárias h. Economia monetária.
aos dogmas da Igreja). i. Estruturação das monarquias nacionais feudais.
✓ Descobrir e julgar os heréticos. j. Produção de excedentes para serem comercializados.
k. Iniciaram-se as mudanças na Europa Ocidental que, a ✓ Cruzada dos Mendigos (1096): foi massacrada pelos
seguir, desencadearam o processo de montagem do turcos.
sistema capitalista. ✓ 1ª Cruzada (1096-1099): Cruzada dos Nobres  re-
l. A articulação entre as três “esferas” de poder (univer- conquistou Jerusalém e criação de ordens monásticas.
sal, da Igreja; local, dos senhores feudais; e, nacional, ✓ 2ª Cruzada (1147-1149).
dos reis) é um dos traços políticos distintivos da Baixa ✓ 3ª Cruzada (1189-1192): Cruzada dos Reis  conse-
Idade Média. Em seu período final, esta articulação se guiu a permissão para a peregrinação cristã a Jerusa-
dará em prejuízo dos poderes locais e do poder univer- lém.
sal do papa e em benefício do poder do Estado-Nação ✓ 4ª Cruzada (1202-1204): Cruzada Comercial  sa-
(rei). que de Constantinopla, formação do Reino Latino de
Constantinopla e Veneza assumiu o domínio do Medi-
2. CRESCIMENTO DEMOGRÁFICO: terrâneo (comércio entre Ocidente e Oriente).
a. Motivos: o fim das invasões e a diminuição das epide- ✓ Cruzada das Crianças (1212): as crianças foram ven-
mias. didas como escravas no Norte da África.
b. Produção limitada: tributação e técnicas rudimentares ✓ 5ª Cruzada (1218-1221).
 não atendia ao consumo. ✓ 6ª Cruzada (1228-1229).
c. Marginalização social: expulsão do excedente populaci- ✓ 7ª Cruzada (1248-1250).
onal do feudo. ✓ 8ª Cruzada (1270).
✓ Ocupação das aldeias e cidades.
✓ Saques. g. CONSEQÜÊNCIAS:
✓ Batalhas feudais: belicosidade. ✓ Dinamização das relações comerciais entre Ocidente e
✓ Paz de Deus: proteção aos lavradores, viajantes e Oriente.
mulheres. ✓ Reabertura do Mediterrâneo aos europeus.
✓ Trégua de Deus: limitava os dias de combate no ✓ Renascimento comercial e urbano na Europa.
ano e proibia os combates de sexta a segunda-feira ✓ Crescimento da economia monetária.
e em dias de festa. ✓ Expansão do mercado.
❖ Aperfeiçoamento das técnicas agrícolas: arado de ✓ Surgimento de novas práticas comerciais: letra de câm-
ferro, atrelamento peitoral, ferraduras, moinho hidráu- bio, cheque e contabilidade.
lico, charrua. ✓ Difusão do espírito de lucro e o racionalismo econô-
❖ Expansão dos limites do espaço agrícola: pastos e mico.
bosques  expansão agrícola. ✓ O enriquecimento cultural das sociedades mediterrâni-
❖ Expansão territorial: expansão germânica para o cas.
leste, Guerra de Reconquista e Cruzadas. ✓ Empobrecimento dos senhores feudais.
✓ Fortalecimento do poder real.
3. AS CRUZADAS
h. FRACASSO:
a. CONCEITO: expedições militares organizadas pelos + Motivos:
cristãos da Europa Ocidental para combater (guerra ✓ Caráter superficial das conquistas, que não geraram la-
santa) os muçulmanos. ços de união coma população local.
✓ Anarquia feudal: rivalidade nacional entre as potências
b. OBJETIVOS: ocidentais.
✓ Romper o cerco muçulmano na Europa. ➢ Nos aspectos político, militar e religioso as cruzadas
✓ Libertar os lugares santos do domínio muçulmano. fracassaram.
➢ No aspecto econômico, os resultados foram ampla-
c. SIGNIFICADO: expansão da cristandade ocidental. mente significativos.

d. MOTIVOS: 4. O RENASCIMENTO COMERCIAL E URBANO


✓ O crescimento populacional e a consequente margina-
lização feudal  inadequação da estrutura feudal para a. DEFINIÇÃO:
absorver o crescimento demográfico. ❖ Intensificação do comércio, desenvolvimento do artesa-
✓ A solicitação de auxílio dos imperadores bizantinos di- nato urbano e florescimento das cidades medievais,
ante da pressão dos turcos seldjúcidas. além do surgimento e fortalecimento da burguesia.
✓ O desejo da Igreja Católica de reunificação do cristia-
nismo: Igreja Ortodoxa. 4.1. RENASCIMENTO COMERCIAL
✓ A força da fé.
✓ Os interesses das cidades comerciais italianas. a. ROTAS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL:
✓ Convergência de interesses entre os mais variados se- ➢ Rota do Mediterrâneo: Constantinopla ― Itália.
tores da sociedade européia. ➢ Rota de Champagne: Itália ― Champagne.
✓ Depois, diante das dificuldades encontradas nessa
e. CONCÍLIO DE CLERMONT (1095): rota, os italianos passaram a atravessar (através do
✓ O papa Urbano II conclamou aos cristãos que formas- Mediterrâneo) o estreito de Gibraltar e dali navega-
sem expedições para combater os muçulmanos. vam pelo Atlântico em direção ao Norte (rota alter-
nativa), tendo Portugal como ponto de escala.
f. AS CRUZADAS (1096-1270):  desenvolvimento do comércio e da
❖ 8 oficiais e 2 extraoficiais. burguesia.
➢ Rota do Mar do Norte: norte da Europa ― Cham- c. CORPORAÇÕES DE OFÍCIO:
pagne. ✓ Associações de artesãos de um mesmo ofício (ramo de
 Além dessas rotas existiam outras rotas terrestres, fluvi- atividade).
ais e marítimas. ✓ Objetivos: impedir a concorrência, garantir a qualidade
dos produtos e organizar os horários de trabalho.
b. FEIRAS MEDIEVAIS: ✓ Código de ética: “justo preço”  o valor de um produto
✓ Pontos de comércio sazonais e inter-regionais. era representado pela adição do custo da matéria-prima
✓ Locais de comércio de amplitude continental que dina- ao custo do trabalho.
mizaram a economia da Baixa Idade Média. ✓ Oficina: organização hierárquica  mestre, oficial,
* Champagne e Flandres: principais. aprendiz e o jornaleiro  não existia completa sepa-
✓ Valorização dos bens móveis. ração entre capital e trabalho nem especialização com
✓ Transações financeiras. divisão do trabalho.
✓ Uso acentuado de moeda.
✓ Atividade creditícia. 6. A CRISE FINAL DO FEUDALISMO (SÉC. XIV E XV)
✓ Circulação de letras de câmbio.
✓ Atividades bancárias. ✓ a. DEFINIÇÃO: Processo de desagregação das estru-
✓ Atuação de um novo grupo social, os mercadores. turas feudais provocado pelo desenvolvimento comer-
cial e urbano e pela sua incapacidade de atender as no-
c. GUILDAS: vas necessidades surgidas no final da Idade Média,
✓ Associações de comerciantes de uma mesma cidade. com isso, inicia-se um processo de transição para um
✓ Garantir o monopólio do comércio local. novo modo de produção, o capitalismo.
✓ Controle dos preços das mercadorias.
b. FATORES:
d. HANSAS: ➢ Grande Fome (1315-1317): devido à forma de explora-
✓ Associações de comerciantes de várias cidades: co- ção utilizada durante toda a Idade Média houve esgota-
mércio em grande escala. mento do solo e, conseqüentemente, a produção agrí-
✓ Defender os interesses comerciais da burguesia ur- cola diminuiu  subida dos preços  fechamento dos
bana. mercados nas cidades  fome no campo e nas cidades
➢ Merchants of the Staple: controlava a exportação  diminuição da população.
de lã da Inglaterra e a importação de produtos de ➢ Peste Negra (1347-1350): assolou a Europa causando
várias cidades flamengas. milhões de mortes  diminuição da população.
➢ Hansa Teutônica ou Liga Hanseática: ➢ Guerra dos Cem Anos (1337-1453):
✓ Controlava o comércio no norte da Europa. ➢ Inglaterra X França.
✓ Cidades setentrionais alemãs: Lübeck, Dantzig, Ham- ➢ Motivos: a sucessão do trono francês e a disputa
burgo. pela região de Flandres.
✓ Dinamizaram as cidades e os mercados.  disputavam o trono: Filipe de Va-
✓ Concepções de lucro e capitalização. lois ( nobre francês) e Eduardo III (rei inglês).
5. RENASCIMENTO URBANO
 Lei Sálica
✓ Joana D’Arc: levantou o ânimo nacional francês,
a. CIDADES:
abatido pelas sucessivas derrotas diante da Ingla-
✓ Gênova e Veneza.
terra.
✓ Estilo de vida urbano.
✓ Vitória francesa.
✓ Sociedade estruturada em classes.
✓ Conseqüências: enfraquecimento da nobreza feu-
✓ Pólo de atração da população rural.
dal e fortalecimento do poder real.
✓ Atividades comerciais, artesanais e bancárias.
➢ Revoltas Camponesas (1358): motivadas pelas derro-
✓ Burgos (fortificações): burguesia
tas francesas em Crécy e Poitiers, a crise geral do feu-
✓ Submissão à autoridade dos senhores feudais: impos-
dalismo e a superexploração feudal  também ocorre-
tos.
ram revoltas urbanas.
• Falta de mão-de-obra.
b. MOVIMENTO COMUNAL:
• Escassez de metais preciosos.
✓ As cidades passaram a lutar pela independência: auto-
• Retração do comércio.
nomia urbana (emancipação da tutela feudal).
➢ As crises dos séculos XIV e XV, embora tivessem
➢ Cidades Francas: cidades que conseguiram sua
um efeito generalizado por toda a Europa, não afe-
autonomia por meios pacíficos através de acordos
taram com a mesma intensidade todas as regiões
(Carta de Franquia) com os senhores feudais (inde-
que a sofreram.
nizações).
➢ A partir dessa crise, as próprias soluções encontra-
➢ Cidades Comunas: cidades que conseguiram sua
das pelos europeus para superá-la, acabam por pro-
autonomia através da luta armada, buscando o
vocar a desintegração do Feudalismo  essa desin-
apoio real diante da resistência dos senhores feu-
tegração não ocorre repentinamente, antes, é um
dais.
longo processo que se completará em momentos
✓ A burguesia assume o controle administrativo das cida-
distintos em cada região da Europa.
des: os serviços urbanos eram proporcionados pelos
✓  Início da transição do feudalismo para o capita-
grandes comerciantes.
lismo.
* Filipe IV, o Belo:
FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS ✓ Entrou em choque com a Igreja devido a sua política de
fortalecimento da monarquia.
1. DEFINIÇÃO: Processo de centralização do poder e de ✓ Para contornar a crise econômica que seu reinado atra-
unificação política ocorrido na Baixa Idade Média e que vessava, decidiu cobrar impostos ao clero e enfrentou,
vai promover o fortalecimento do poder real e o surgi- por isso, forte oposição do papa Bonifácio VIII, que
mento das modernas nações, dos governos e das insti- ameaçou excomungá-lo.
tuições nacionais. ✓ Buscou apoio da sociedade e constituiu a Assembleia
dos Estados Gerais (clero, nobreza e comerciantes):
2. SIGNIFICADO: autorizou a cobrança dos impostos clericais.
✓ A centralização monárquica criou as condições institu-
cionais necessárias ao desenvolvimento econômico e • Cisma do Ocidente:
cultural na Baixa Idade Média (de meados do século XI + Cativeiro de Avignon ou Cativeiro da Babilônia (1307-
até o início do século XIV): 1377): Filipe IV, depois da morte de Bonifácio VIII, inter-
✓ Vigoroso processo de crescimento: da população, da feriu na escolha do sucessor, Clemente V, que, pressi-
produção, do comércio, das corporações de ofício, das onado pelo rei, transferiu a sede do papado de Roma
cidades. para a cidade francesa de Avignon à submissão de vá-
✓ Expansão militar e territorial: cruzadas, Reconquista, rios papas à tutela dos reis franceses à supremacia do
colonização do Leste. poder real à o poder secular saiu vitorioso sobre o poder
✓ Desenvolvimento cultural e artístico: universidades, ca- espiritual.
tedrais. ✓ Nesse período, a Igreja chegou a ter três papas: um em
Avignon, outro em Roma e outro em Pisa.
3.FATORES: ✓ Consequências: oposição teológica e colapso do poder
✓ A crise do sistema feudal: dissolução da ordem feudal universal da Igreja.
clássica. ✓ Em 1417 foi eleito um único papa (Martinho V) e Roma
✓ O renascimento comercial e urbano. voltou a ser a única sede do papado.
✓ O fortalecimento da burguesia.
✓ A aliança do rei com a burguesia. 6. A FORMAÇÃO DA MONARQUIA INGLESA:
✓ O enfraquecimento da nobreza.
✓ A evolução da economia capitalista-burguesa. • No século V, os anglos e os saxões formaram sete rei-
✓ O desenvolvimento da concorrência internacional co- nos bárbaros: heptarquia saxônica.
mercial. ✓ Nos séculos VI e VII, observamos a composição de três
✓ A luta entre as classes sociais (burguesia X nobreza). reinos.
✓ No século IX, formaram o Estado anglo-saxônico: feu-
4. MECANISMOS DE CENTRALIZAÇÃO: dalizacão.
✓ Eliminação do particularismo feudal (submetendo a no-
breza) e do universalismo da Igreja (limitando sua atua- • No século XI, o reino anglo-saxônico é conquistado pe-
ção). los vikings (dinamarqueses): Guilherme I, o Conquista-
✓ Centralização do poder: fortalecimento do poder real. dor, duque da Normandia: início da dinastia normanda.
✓ Unificação política, monetária, tributária e de pesos e ✓ Subordinação da nobreza.
medidas. ✓ Poder centralizado.
✓ Justiça real: juízes. ✓ Divisão da Inglaterra em condados (shires), supervisi-
✓ Exército nacional. onados por funcionários do rei (sheriffs).
✓ Burocracia.
• dinastia plantageneta ou angevina:
5. A FORMAÇÃO DA MONARQUIA FRANCESA: + Henrique II (conde Anjou):
• Dinastia Capetíngia: ✓ Ampliação dos poderes reais.
✓ Hugo Capeto, conde de Paris, assumiu, em 987,o trono ✓ Fortalecimento da justiça real: common law - lei im-
francês. posta a toda a Inglaterra e aplicadas por juizes.
✓ Início do processo de centralização: poder real forte e
de caráter nacional à superação da autonomia da auto- + Ricardo I, Coração de Leão:
nomia dos senhores feudais. ✓ Sua ausência no governo (batalhas) e o aumento dos
impostos provocaram insatisfação geral e, consequen-
* Filipe Augusto: temente, debilitou o poder real e fortaleceu o dos senho-
✓ Apoio da burguesia: expansão do comércio. res feudais.
✓ Formação de um exército nacional.
✓ Expansão das fronteiras do reino: Normandia. + João Sem Terra:
✓ Funcionários reais (bailios e senescais) recolhiam os ✓ Abuso na taxação de impostos e sucessivas derrotas
impostos nacionais e impunham as leis e a justiça real. militares contra a França: revolta dos senhores feudais,
apoiados pelos burgueses.
* Luís IX: ✓ Magna Carta (1215): imposta pelos nobres, com o
✓ Combateu o particularismo feudal. apoio da burguesia, ao rei.
✓ Ampliação dos poderes dos tribunais reais. ✓ Estipulava que o rei só poderia aumentar impostos ou
✓ Instituição de uma moeda de circulação nacional. alterar as leis com o consentimento do Grande Conse-
lho (clero e nobreza).
✓ Representa a base das liberdades inglesas e a imposi- ✓ Início da Dinastia de Avis, com D, João sendo coroado
ção da autoridade dos nobres sobre o poder real. rei.

+ Henrique III: + Dinastia de Avis:


✓ Provisões ou Estatutos de Oxford (1265): incluía a ✓ Aliança do rei com a burguesia.
burguesia no Grande Conselho. ✓ Fortalecimento do poder real.
✓ Em 1295, o Grande Conselho transformou-se no Parla- ✓ Desenvolvimento do comércio.
mento inglês. ✓ Expansão ultramarina portuguesa.

7. A FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS IBÉRICAS: ______________________________________________


✓ A Península Ibérica, depois da queda do Império Ro-
mano, foi invadida pelos visigodos e, em 711, pelos ára-
bes que, destruindo o reino visigótico cristão, deslocou
os cristãos para o Norte (Reino das Astúrias).
✓ A unificação política espanhola e portuguesa não está
relacionada a evolução da economia capitalista-bur-
guesa nem a aliança do rei com a burguesia.
✓ A formação das monarquias ibéricas relaciona-se com
a necessidade que tiveram os nobres de se unir na luta
contra os mouros no decorrer da Guerra de Recon-
quista (luta para expulsar os sarracenos da Península
Ibérica).

a. Espanha:
✓ Na luta contra os mouros, formaram-se, ao longo dos
séculos XI e XII, os reinos de Leão, Castela, Navarra e
Aragão
✓ Castela e Aragão anexaram Leão e Navarra.
✓ Em 1469, Castela e Aragão unificaram-se através do
casamento de Fernando de Aragão e Isabel de Castela.
✓ Em 1492, com a conquista de Granada, último reduto
árabe na península Ibérica, completou-se o processo de
formação da monarquia nacional espanhola.

b, Portugal:
✓ Henrique de Borgonha, nobre francês, recebeu do rei
Afonso VI, de Leão, o Condado Portucalense, como
recompensa pelos seus esforços na luta contra os mu-
çulmanos na península Ibérica.
✓ Em 1139, Afonso Henriques, proclamou a indepen-
dência do Condado Portucalense, promovendo, assim,
o surgimento do reino de Portugal e o início da dinastia
de Borgonha.

+ Dinastia de Borgonha:
✓ Fortalecimento do poder real.
✓ Surgimento e fortalecimento da burguesia lusitana: de-
senvolvimento da atividade pesqueira, incremento da
produção agrícola e a inauguração da nova rota comer-
cial italiana.

+ Revolução de Avis (1383-1385):


* Motivos:
✓ A sucessão do trono português depois da morte do úl-
timo rei da dinastia de Borgonha, D. Fernando.
✓ O interesse da nobreza de entregar a coroa portuguesa
ao rei de Castela.
✓ Os conflitos entre a nobreza e a burguesia, que não
aceitava a intenção da nobreza.
+ O conflito:
✓ Burguesia e o povo (“arraia miúda”) - Apoiavam D. João,
o Mestre de Avis X nobreza e castelhanos

✓ Em 1385, os castelhanos são derrotados na Batalha de
Aljubarrota.