Você está na página 1de 15

FAMÍLIAS E ESCOLAS DE PRESTÍGIO EM CAMPO GRANDE-MS:

ITINERÁRIOS DE PESQUISA

Jacira Helena do Valle Pereira Assis1


Resumo: O texto apresenta o itinerário, operacionalização, percalços e resultados do projeto
de pesquisa: “Estratégias familiares na escolha de estabelecimentos escolares: as relações
entre famílias e escolas na produção do sucesso escolar em Campo Grande/MS”, aprovado na
Chamada MCTI/CNPq/MEC/CAPES N º 07/2011. O objetivo da referida investigação é
compreender o papel tanto da escola como da família, em especial as estratégias adotadas
pelas famílias pertencentes aos grupos sociais (classes médias e grupos da elite campo-
grandense), na escolha dos estabelecimentos escolares. O foco são as ações combinadas na
relação entre família e escola no favorecimento de trajetórias escolares de êxito dos
filhos/estudantes, analisando se é levada em conta a possibilidade de manutenção e/ou
ampliação do capital cultural, social, econômico e escolar na escolha de determinada escola.
Resultados da pesquisa em duas escolas de prestigio melhor ranqueadas no Exame Nacional
do Ensino Médio (ENEM) são discutidos e analisados considerando a ótica das famílias,
estudantes, professores e gestores.

Palavras-chave: família-escola, estratégias familiares, escolas de prestígio.

Introdução
[…] o tema da presença da família na escolarização dos filhos vem se
constituindo num capítulo importante da Sociologia da Educação. Estudos
sobre a relação entre a escola e a família têm permitido, entre outras
questões, dar visibilidade às práticas de escolarização e ao valor social da
educação institucionalizada em diferentes segmentos sociais. (ZAGO, 2010,
p. 23).
Neste texto apresenta-se o itinerário, operacionalização, percalços e resultados do
projeto de pesquisa: “Estratégias familiares na escolha de estabelecimentos escolares: as
relações entre famílias e escolas na produção do sucesso escolar em Campo Grande/MS”,
aprovado na Chamada MCTI/CNPq/MEC/CAPES N º 07/2011, que está em processo de
finalização, na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).
A referida pesquisa desenvolvida sob minha coordenação tem a participação de
doutores e mestres, doutorandos, mestrandos, iniciações científicas e bolsistas, que fazem
parte do Grupo de Estudos e Pesquisas em Antropologia e Sociologia da Educação (Diretório
CNPq - GEPASE), e que estão organizados em subgrupos com temáticas afins, que objetivam
dar conformação e identidade ao objeto de estudo.

1
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado/Doutorado)- PPGEdu/CCHS/UFMS. e-
mail: jpereira.dou@terra.com.br.
2

Destaca-se que já foi concluída uma dissertação2 de mestrado e estão em andamento


três teses de doutoramento3 e duas dissertações de mestrado4, que abarcam temáticas
pertinentes à relação famílias e escolas em Campo Grande/MS, em estreita relação com o
referido projeto de pesquisa. No GEPASE os acadêmicos de stricto sensu e graduação
trabalham em suas pesquisas e no projeto do grupo. Esta iniciativa é profícua para que
aprimorem seus conhecimentos na teoria, nas técnicas e registros de pesquisa e, sobretudo, na
produção e divulgação de conhecimentos durante o processo de formação.

A proposição de constituir um coletivo de pesquisa é oportuna para aprofundamento das


questões teórico-metodológicas, bem como para que os dados levantados não se percam na
profusão de emaranhados de respostas empíricas que emergem da realidade observada. É
proveitoso lembrar que, sempre que se busca a apreensão do real em processo de análise,
corre-se o risco da apreensão fragmentada e parcial do objeto, o que pode desembocar em
distorções e falsas conclusões. Logo, nada melhor do que o olhar de diferentes pesquisadores.

Do ponto de vista teórico, adota-se, pela rigorosidade dos pressupostos, Pierre


Bourdieu e obras que derivam de sua perspectiva, a fim de proceder a uma análise fidedigna
diante da realidade que se apresenta.

A metodologia é sustentada na coleta de dados dentro de técnicas reconhecidas no


campo científico, preferencialmente, as técnicas: survey5 e entrevistas semiestruturadas. Na
etapa de coleta de dados, buscam-se informações formais ou informais, sistematizadas ou não,
no sentido de cobrir as necessidades do entendimento do objeto proposto. A pesquisa tem

2
Dissertação de mestrado concluída: Daiani Damm Tonetto Riedner. Estratégias de escolarização das famílias
da elite em uma escola de prestígio: ações combinadas. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Orientador: Jacira Helena do Valle Pereira Assis.
3
Teses de doutorado em andamento: 1. Miriam Ferreira de Abreu da Silva. Estratégias de entrada e
permanência no sistema Colégio Militar em Campo Grande/MS: em questão o sucesso escolar. Início: 2014.
Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; 2. Solange Bertozi de Souza.
Internacionalização de estudos para dentro e para fora: estratégias das famílias de classes médias na busca
do sucesso escolar. Início: 2014. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul;
3. Alice Felisberto da Silva. Superselecionados: a produção do sucesso escolar nas camadas populares em
Campo Grande-MS. Início: 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul.
4
Dissertações de mestrado em andamento: 1. Leticia Casagrande Oliveira. Professor particular: facilitador ou
obstáculo na construção da relação família e escola? Início: 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. 2. Ewângela Aparecida Pereira. Perfil e trajetórias de
escolarização na educação profissional em Campo Grande/MS: em foco as relações famílias e escolas.
Início: 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
5
A pesquisa survey pode ser descrita como a obtenção de dados ou informações sobre características, ações ou
opiniões de determinado grupo de pessoas, indicado como representante de uma população alvo, por meio de um
instrumento de pesquisa, normalmente um questionário. No entanto, o survey não diz respeito apenas ao
questionário propriamente dito, mas também à coleta, comparação e análise de resultados.
3

produzido análises qualitativas, mas também, dados de natureza quantitativa que


complementam, enriquecem e aprofundam as informações.

Os objetivos, portanto, são compreender o papel tanto da escola como da família


segundo três perspectivas: a primeira e mais previsível trata de enfatizar o aspecto social da
educação, ou seja, evidenciar as instituições, os processos e a cultura escolar; a segunda busca
compreender as estratégias adotadas, pelas famílias pertencentes aos grupos sociais (classes
médias e grupos da elite campo-grandense), na escolha dos estabelecimentos escolares, isto é,
as ações combinadas na relação entre família e escola, no favorecimento de trajetórias
escolares de êxito dos filhos/estudantes, analisando se é levada em conta a possibilidade de
manutenção e/ou ampliação do capital cultural, social, econômico e escolar na escolha de
determinada escola; e finalmente, a terceira parte pretende não somente olhar para as famílias,
mas sobretudo para dentro da escola campo-grandense, seus pilares pedagógicos e
epistemológicos, suas estratégias para atrair o alunado, seus compromissos com a formação,
bem como a compreensão do papel tanto da escola como da família, as duas mais importantes
instâncias de socialização, nesse processo de produção das trajetórias de êxito e
consequentemente do denominado “sucesso escolar”.

Este texto organiza-se em dois tópicos que tratam da estruturação da pesquisa e dos
resultados. No primeiro, abordam-se o delineamento e a operacionalização, o que deu certo e
o que foi preciso alterar para que a pesquisa fosse realizada a contento. No segundo tópico,
apresentam-se as discussões e resultados produzidos pelos eixos6 da pesquisa.

1 A trajetória da pesquisa: da proposição do lócus às questões teórico-metodológicas


Este tópico traz o ponto de partida e o balizamento necessário no desenvolvimento da
pesquisa. Ressalta-se que o foco desta foi a escolha do estabelecimento escolar pelas famílias
em busca do sucesso escolar, este compreendido, na ótica de Pierre Bourdieu (2011), como
empreendimentos familiares e escolares que tendem a funcionar como estratégias de
manutenção de classe, considerando que as famílias das classes médias e das elites pensam e
traçam trajetórias escolares para os seus filhos e investem numa agregação cultural, de modo
que seus filhos possam lidar bem com a herança que receberão, diferentemente das classes
populares, que fazem a escolha do necessário.

6
Esclarece-se que organizou-se o Grupo de Estudos (GEPASE) em quatro eixos articuladores, que
compreendem: a) famílias (pais ou responsáveis); b) estudantes; c) gestores; e d) professores. Para cada eixo
designou-se um coordenador com maior titulação e sob sua responsabilidade colegas que estão em processo de
formação.
4

O lócus previsto e no qual desenvolve-se a pesquisa são escolas de prestígio, em


Campo Grande/MS. Por “escolas de prestígio” compreendem-se as escolas de excelência que
ganharam prestígio social pelas boas classificações alcançadas no Exame Nacional do Ensino
Médio (ENEM), nos últimos anos, com base nos estudos de Brandão (2006); Brandão e
Martinez (2006); Mandelert (2005) e Medeiros (2007). Ao se propor a pesquisa, a seleção
recaía nas três primeiras escolas melhor ranqueadas no ENEM (2009/2010) - duas particulares
e uma pública. Inicialmente, as duas escolas particulares confirmaram a participação. No
entanto, depois uma declinou do convite. Fechou-se então em duas escolas, a saber: Colégio
Bionatus7 e Colégio Militar de Campo Grande (CMCG).

O Colégio Bionatus tem sua gênese num ensino direcionado à formação de estudantes
que pretendiam prestar vestibular para a área de Medicina. Funcionava como um cursinho
pré-vestibular chamado Elite Pré Vestibulares. Em 2006, ocorre sua fundação nos moldes
que apresenta hoje, isto é, além do cursinho, são criadas turmas de 1º, 2º e 3º ano do Ensino
Médio.

O CMCG atende a estudantes do Ensino Fundamental (5º ao 9º ano) e Ensino Médio


(1º ao 3º ano). Iniciou suas atividades no ano de 1995. A maior parte do corpo de estudantes
do colégio é formada por filhos de militares. A entrada de civis acontece por meio de um
concurso realizado pela própria instituição. Dentre os objetivos do colégio, encontra-se o de
despertar em seus estudantes o interesse pela carreira militar.

O survey utilizado para coletar respostas de gestores, professores, pais e estudantes das
escolas – Bionatus e CMCG – foi disponibilizado na web no domínio institucional da UFMS
e oportunizou aproximações às ações desenvolvidas pelas famílias e escolas. Cada grupo
recebeu um instrumento diferente para que assim fosse possível analisar as práticas desses
agentes particularmente.

Houve alguns percalços na utilização do survey online, visto que não atendeu ao
esperado, requereu esforços para sua preparação e disponibilização, mas a participação ficou
aquém do número previsto. Foi elaborada uma carta para os segmentos que participariam, a
fim de esclarecer sobre como acessar, os objetivos da pesquisa e o caráter sigiloso da

7
O Colégio Bionatus se destaca nas classificações do ENEM, obtendo altos índices de pontuações,
posicionando-se no ápice das avaliações dos Colégios do MS/Centro-Oeste e entre os 20 do Brasil. ENEM 2006
- 1º Lugar do MS; ENEM 2007 - 1º Lugar do Centro-Oeste e 8º do Brasil; ENEM 2009 - 11º Lugar do Brasil-
ENEM 2010 - 1º Lugar do Centro-Oeste e 16º do Brasil. O CMCG se destaca nas classificações do ENEM desde
o início dessa avaliação como a melhor escola pública do estado de Mato Grosso do Sul. Sempre obteve o 3º
lugar nos ranques organizados pelas mídias, após a divulgação das notas pelo MEC.
5

identidade do participante, porém foi necessário um intenso contato com as escolas da


pesquisa para que se conseguisse ampliar a participação. Em nossa opinião, é positiva a coleta
de dados sob a forma digital, sob dois aspectos: a) para o participante, que escolhe local e
horário; b) para o pesquisador, que tem a possibilidade de organização, relatórios e
cruzamento de dados entre as questões, mas o saldo, por nossa experiência, é que o
pesquisador faça a coleta presencialmente.

Tabela 1: Participantes da Pesquisa no survey

Participantes Colégio Militar de Campo Grande Colégio Bionatus


Estudantes 23 22
Pais 25 10
Gestores 7 2
Professores 26 4
Total 81 38

Organização: Oliveira e Pereira, 2013.

Além do survey, realizaram-se 20 entrevistas com famílias que possuíam seus filhos
matriculados nessas duas escolas. Foi imprescindível a realização das entrevistas para
completar os dados do survey.

As escolas particulares têm uma clientela oriunda na sua maioria das frações de classe
mais altas. Suas mensalidades - em torno de R$ 1.600,00 (valor mensal) -, aliadas aos outros
custos com materiais escolares necessários ao curso, tornam esses estabelecimentos seletivos
já na entrada do aluno.

Com a referida pesquisa, portanto, pretendeu-se compreender as práticas dos referidos


grupos privilegiados frente ao sistema de ensino, “[...] elucidando de forma mais explícita a
maneira como, nesses mercados escolares relativamente unificados, são produzidos e
circulam os critérios de excelência escolar [...].” (ALMEIDA; NOGUEIRA, 2003, p. 8).

Afinal, ir além da compreensão das estratégias de escolarização é perfurar a visão de


mundo, de si e dos outros que é construída pelos grupos de elites, identificando de que
maneira essa ótica, que não deixa de ser um mecanismo de dominação sobre os outros,
interfere diretamente no processo de escolarização. “Sendo as classes dominantes brasileiras
heterogêneas, é explicável a utilização de estratégias de escolarização igualmente distintas e
diversificadas.” (CATTANI; KIELING, 2007, p. 184).
6

Embora a pesquisa de Riedner (2013) tenha conseguido aproximações a famílias de


grupos da elite8 em Campo Grande/MS, sendo um estudo inédito, pondera-se que essa
questão ainda demanda esforços para ser devidamente compreendida. Entende-se que a
pesquisa realizada até aqui já traz algumas contribuições nesse sentido.

Neste primeiro tópico buscou-se, grosso modo, apresentar o itinerário da pesquisa, o


que deu certo, os percalços e as aproximações à temática investigada.

2 Interfaces entre famílias e escolas de prestígio em Campo Grande-MS: resultados de


pesquisa
Neste segundo tópico, apresentam-se dados e reflexões produzidos nos eixos da
pesquisa. Inicialmente, focaliza-se a produção no eixo “famílias”, no qual alguns trabalhos
aproximam-se das estratégias familiares na escolha e permanência dos filhos em escolas de
prestígio.

Nos estudos de Santos, Santos e Pereira (2014)9, a análise dos dados compreendeu a
parentocracia nas estratégias adotadas pelos pais. A escolha do estabelecimento de ensino é
uma das estratégias que mais expressam a parentocracia, pelo fato de demonstrar as
expectativas e a representação que os pais possuem em relação à escola.

O termo “parentocracia” refere-se à interferência dos pais na carreira escolar dos


filhos. Por parentocracia, Brown (1999, p. 66 apud ROBERTSON; VERGER, 2012, p. 1128)
identifica o processo pelo qual a “[...] educação de uma criança é cada vez mais dependente da
riqueza e dos desejos dos pais, em vez da capacidade e dos esforços da criança”.

As famílias se utilizam da parentocracia para gerar distinção a seus filhos, a fim de


que estes possam estar melhor preparados para competir nos mais diversos campos sociais,
porém não se pode conceber as estratégias como fruto de um planejamento previamente
deliberado e orquestrado, e sim, de uma intencionalidade não racional, que vai se construindo
inconscientemente, ao longo do jogo social

8
De acordo com Riedner (2012) tratar de grupos de elite é um terreno escorregadio, pois não existem estudos
que analisaram as elites na cidade de Campo Grande e com base nos dados econômicos, sociais e culturais do
grupo investigado, foi possível aproximá-los do que se pode chamar de classe média alta. Dessa forma, no
decorrer do trabalho, trata-se o grupo investigado como um “grupo da elite”, ou seja, um grupo restrito, que tem
acesso a poderes e privilégios pouco acessíveis aos demais grupos, que, por seus privilégios culturais e
econômicos, escolheram o Colégio Bionatus para a finalização de uma etapa de estudos dos seus filhos.
9
Dados e análises apresentados por: SANTOS, Rosângela dos; SANTOS, Janaina S. C. dos; PEREIRA,
Ewângela Aparecida. Parentocracia e Cultivo Orquestrado: Estratégias Familiares para o êxito escolar. In: I
Jornada Brasileira de Educação Linguagem/X Jornada de Educação de Mato Grosso do Sul e I Encontro
dos Mestrados Profissionais em Educação e em Letras. Campo Grande – MS, 2014.
7

Segundo Nogueira (2012), a partir do século XX, as reformas neoliberais, que


resultaram na minimização das funções do papel do Estado, a desregulação e flexibilização
das leis, aliadas à defesa do livre mercado, proporcionaram as condições para o
enfraquecimento da meritocracia e o surgimento da parentocracia educacional.

Para Brown (1999), as últimas décadas do século XX assistiram à


Mobilização parental e excelência escolar: um estudo das práticas educativas
de famílias das classes médias passagem da meritocracia à parentocracia,
significando com isso que a “educação de uma criança está crescentemente
dependente da riqueza e dos desejos dos pais, mais do que da capacidade e
esforços dos alunos”. (FIALHO, 2012, p. 40-41).
Segundo Oliveira e Pereira (2014)10, os pais elencaram motivos que os levam a
considerar esses colégios como escolas de prestígio. Para os pais dos estudantes do colégio
Bionatus, seria o número de aprovações no vestibular e, para os pais dos estudantes do
CMCG, a disciplina exigida pelo colégio é o que permite que ele seja caracterizado como uma
escola de excelência. Nas entrevistas, foi possível confirmar os dados coletados pelo survey.

Eu procuro assim com os pais, de outros estudantes, é entrada no vestibular


né. [...] É aprovação, então isso ai eu acho também que a gente tem que
analisar. (Mãe A, 2013).
[…] a gente vê assim, a estrutura que o colégio tem, tem realmente muita
base, né?! Pelo nível dos professores, a rigidez, né? (Pai B, 2013).
Ensinam ter respeito com os pais, com os superiores também, lá dentro.
(Mãe B, 2013).
[…] no Colégio Militar, lá a gente sabe que tem uma disciplina. Agora, eu
não saberia dizer se a gente poderia confiar em outras instituições, né? (Pai
B, 2013).
Eu acho que tem hierarquia, né! Ficar respeitando o sargento, o monitor...
Sei lá, você acaba levando um pouco disso, do Colégio pra casa, entendeu?
(Filha C, 2013).
A preocupação com a ampliação do capital social aparece quando os pais dos
estudantes do CMCG afirmam, por meio do survey, que a instituição foi escolhida, pois:
“Meu filho terá boas companhias”. Além da preocupação com o capital social, apontaram
elementos que contribuem para a ampliação do capital escolar dos agentes: “A escola oferece
ensino de boa qualidade”, “A escola exige disciplina e bom comportamento dos estudantes” e
“A escola oferece aulas de reforço quando o estudante precisa.”.

Já nas respostas dadas pelos pais dos estudantes do colégio Bionatus, consta que a
maior preocupação é com a ampliação do capital escolar dos agentes - as opções “A escola

10
Dados e análises do Artigo de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq/UFMS) de Letícia Casagrande Oliveira e
Jacira Helena do Valle Pereira. Famílias e escolas de prestígio em Campo Grande/MS: as estratégias para
ampliação dos capitais cultural, social e escolar de estudantes de ensino médio. (Ano: 2013).
8

oferece ensino de boa qualidade” e “A escola exige muito do estudante”. Ao oferecer um


ensino de boa qualidade e exigir muito dos estudantes, a escola cumpre seu papel de ampliar o
capital escolar dos agentes, já que os estudantes terão de dedicar mais tempo aos estudos.

Quanto maior a inserção do aluno no ambiente de escolarização, maior


também será seu tempo de exposição às rotinas, aos valores, às regras
institucionais, favorecendo a aquisição de hábitos de estudos e posturas que
contribuem para alcançar o desempenho esperado pela escola. (BRANDÃO;
CANEDO; XAVIER, 2012, p. 212).
Em relação aos estudantes, destaca-se um dos focos abordados referente à
internacionalização de estudos. Aguiar (2009, p. 72) evidencia o raciocínio segundo o qual
essa tendência à internacionalização aparece como uma das mudanças mais importantes da
escolarização dos jovens na atualidade. A autora assegura que, apesar de alguns pais serem
mais protetores, de modo geral todos reconhecem o valor de vivências internacionais, assim
como o aprendizado de outros idiomas.

A ida para o exterior se insere, na trajetória desses estudantes, em um


continuum. Em meio aos herdeiros, [identifica-se] casos de disposições que
configurariam um habitus internacional. São estudantes cujo patrimônio
familiar tem na cultura internacional e no capital social internacional uma
parte constitutiva de sua história. Já a “trajetória de ascensão social pela via
escolar” é típica de estudantes cujas famílias contam com poucos recursos
econômicos e sociais a serem mobilizados em favor dos filhos. (AGUIAR,
2009, p. 74).
Segundo dados e análise de Souza (2014)11, no CMCG, dos 23 alunos entrevistados,
nos últimos 3 anos, 43% já viajaram para o exterior, adquirindo um conhecimento adicional
que auxilia o aprendizado que a escola proporciona. No que tange aos capitais vinculados a
esse tipo de estratégia, Prado (2010, p. 165) destaca: “Os intercâmbios [internacionalização
do estudo] seriam, portanto, uma das estratégias para a reprodução do patrimônio cultural e
social da família.”.

Observa-se a visão otimista de pais que proporcionaram intercâmbio aos seus filhos,
salientando as vantagens dessa prática tanto como uma satisfação pessoal dos filhos, quanto
como isto acarreta em benefícios no que se refere à questão dos bens culturais adquiridos.
Tem-se aqui também o reforço de que as famílias se utilizam do intercâmbio como estratégia
educativa.

Em referência à pesquisa realizada no CMCG em Campo Grande, observa-se nos


resultados a visão do conhecimento em língua estrangeira dos estudantes da referida escola.
11
Dados e análises apresentados por: SOUZA, Solange Bertozi de. Internacionalização de estudantes de uma
“escola de prestigio”. In: Anais do XII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste -
Reunião Científica Regional da ANPED. (Ano: 2014).
9

Num total de 23 alunos entrevistados, 65% acreditam que seu conhecimento em língua
inglesa é bom, para 18%, é razoável e, para 17%, é fraco. Também obtiveram-se os seguintes
dados: em língua espanhola, 4% consideram ter um bom domínio da língua, 39% um domínio
razoável, 35% um domínio fraco e 22% nenhum domínio. No caso da língua francesa, dos 23
alunos, 83% não possuem nenhum domínio e 17% apresentam um domínio fraco.

Os dados obtidos na referida pesquisa corroboram a ideia do senso comum de que a


língua inglesa ainda é preferida pela maioria. Desta forma, constata-se que alguns estudos
sinalizam que a internacionalização do estudo tem sido uma tendência mundial das famílias,
que têm se utilizado desta estratégia para o preparo e desenvolvimento acadêmico e
profissional de seus filhos. A escola também participa dessa tendência quando estimula as
famílias a isto, quando propicia contatos com instituições internacionais e quando divulga
informações dos trabalhos internacionais dentro da própria instituição. (SOUZA, 2014).

Nesse quesito - internacionalização - considera-se a tendência atual das classes médias


de intensificar seus investimentos na escolarização, valendo-se de diversas estratégias,
maximizando seus capitais culturais e econômicos em benefício do sucesso escolar de seus
filhos.

Ao se analisarem os sites das escolas pesquisadas, Amaya e Pereira (2014)12


constatam que essas instituições se apresentam publicamente na perspectiva de ampliar o seu
prestígio. A mídia e as redes sociais são normalmente as principais mediadoras e
fomentadoras das imagens de qualidade de ensino das escolas pelas quais as famílias
norteiam as suas escolhas (BRANDÃO; WALDHELM; FELIPE, 2008).
Quando foca-se no survey, a questão feita aos pais sobre onde conseguiram
informações para escolher a escola do filho, obteve-se, dos pais do Colégio Bionatus, um total
de 10 formulários, e 20% responderam que pesquisaram na internet. Já o CMCG tem 25
respostas, ou seja, 4% também disseram que pesquisaram na internet. Os dados apontam para
significativas constatações, afinal 20% é um percentual razoável, visto que apenas 10
formulários foram respondidos
Ao visitar as páginas da internet das instituições observa-se que, na página da
instituição particular, constam muitas informações do desempenho dos alunos nos processos

12
Dados e análises apresentados por: AMAYA, Stephanie; PEREIRA, Jacira Helena do Valle. Estratégias de
escolas de prestígio: análise nos/dos sites escolares e rede social de duas instituições de Campo Grande – MS. In:
Anais do XII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste - Reunião Científica Regional da
ANPED. (Ano: 2014).
10

seletivos mais concorridos em diversas universidades pelo Brasil. Há destaques com fotos de
alunos aprovados, corpo docente e outras informações.
[...] A melhora dos produtos oferecidos no mercado, assim como a das
instituições, baseia-se na competitividade dos que oferecem os seus produtos
para satisfazer as necessidades do público consumidor. (SANTOMÉ-
TORRES, 2003, p. 57).
Dessa forma, o objetivo do site é convencer as famílias de que esta é uma escola de
reputação e com profissionais que podem atender de maneira competente a todas as suas
necessidades escolares.

A escola, como agente bastante significativo da reprodução cultural e


econômica, se torna, obviamente, uma instituição importante (afinal de
contas, toda criança frequenta a escola, e a escola tem efeitos importantes
como instituição de referência e socialização). (APPLE, 2003, p. 66).

Amaya e Pereira (2014) consideram que na instituição pública - CMCG-, a maioria


das informações é destinada para os estudantes e pais matriculados, com informativos de
avaliações, notas, eventos e ações que o colégio realiza.

No que tange ao perfil docente das escolas de prestígio, o estudo de Silva (2014) 13
direciona o olhar de forma mais analítica para esses profissionais. Compreende a referida
autora que não somente as características familiares dos discentes são decisivas para a
obtenção do sucesso durante a trajetória escolar como também a infraestrutura dessas
instituições de ensino e o seu corpo de gestores. O que se percebe é que o corpo docente de
uma instituição de prestígio desempenha papel importante para que seus alunos construam
uma trajetória escolar de sucesso.
Corroborando essa ideia, Cerdeira (2008, p. 103) afirma que:
Se as características familiares fossem determinantes, tais instituições não
precisariam investir num corpo docente tão qualificado. Os alunos por sua vez não
seriam tão exigidos, cobrados e avaliados permanentemente, conforme vimos nas
práticas pedagógicas dos professores [...] Nossos professores se sentem
responsáveis pelo aprendizado dos alunos e são responsabilizados, mas também
cobram de seus alunos e mantêm uma postura questionadora com relação aos
pressupostos institucionais.
Para Silva (2014), a soma de fatores positivos é que possibilita tais resultados. É
quando se tem um “conjunto” no qual cada peça funciona em sintonia com a outra que se
obtêm resultados favoráveis.

13
SILVA, Miriam Abreu Ferreira da. Perfil docente: singularidades de uma escola de prestígio. In: Anais do
XII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste - Reunião Científica Regional da ANPED.
(Ano: 2014).
11

Observa-se que 69,24% dos professores participantes da pesquisa estão no CMCG há


entre 6 e 15 anos. Esses dados remetem à questão da experiência e estabilidade. Outro dado
relevante é que 30,77% dão menos de 16 h/a semanais e 57,69% dão uma média de 17 a 23
h/a semanais. 76,92% desses docentes consideram que a tarefa – dever de casa – é
fundamental para que o aluno obtenha bons resultados durante sua trajetória de escolarização.
Dentre esses profissionais, 50% afirmam que pretendem lecionar até a aposentadoria e outros
42,31% pretendem continuar a lecionar mesmo depois da aposentadoria. Considerando tais
dados, é possível afirmar que existem indícios de satisfação profissional por parte desses
docentes. Um dos fatores que podem contribuir para essa satisfação é o da estabilidade, visto
que todos são servidores públicos no CMCG (SILVA, 2014).
Outro fator que pode ser apontado como satisfatório para esses profissionais é a
questão salarial, uma vez que 69,23% ganham entre R$ 4.384 e R$7.305, estando a maioria na
casa dos R$7.000. Conforme afirmativa dos próprios participantes da pesquisa, 22 (84,62%)
consideram-se pertencentes à classe média.
Outro aspecto destacado por Silva (2014) é como esses profissionais veem a
instituição CMCG. 21 (80,77%) consideram que a instituição possui uma boa infraestrutura e
que oferece 100% de segurança tanto para os alunos quanto para os profissionais. 24 (92,31
%) consideram que a direção dá atenção especial às normas administrativas e 14 (53,85%)
sentem-se respeitados pela direção. Outros 10 (38,46%) consideram indiferente essa questão.
O colégio militar é um colégio muito prestigiado aí fora. Eu costumo dizer que a
gente aqui vive ao mesmo tempo dois mundos. O melhor dos mundos e às vezes o
pior deles. O melhor porque você tem uma infraestrutura que funciona, na medida
do possível, embora com algumas falhas, mas ainda funciona. Uma sala de aula em
que se tem um público, o aluno, objetivo fim, que te respeita, que te considera, que
tem disciplina e você tem autonomia para realizar e exigir o trabalho que deve ser
feito. Entretanto, muitas vezes o professor fica com a voz abafada em algumas
discussões porque é um Sistema Militar de Ensino. Porque há hierarquia prevista.
Em sala de aula é o espaço físico onde eu percebo que a autonomia ali é máxima e
há uma interação de fato, os alunos respondem a essa interação e o profissional tem
a liberdade de conduzir a sua aula de maneira mais livre de maneira democrática
como deve ser. Gosto de trabalhar aqui, não nego. Tenho os meus dissabores como
qualquer outro profissional teria em qualquer outra escola. (Professora A).
50% deles consideram que o excesso de trabalho e cobranças dificultam um bom
preparo de suas aulas. Compreende-se de maneira mais detalhada esse aspecto na fala de um
dos professores.
Porque aqui a gente costuma ser visto sempre como um profissional que deve estar
o tempo todo preparado para produzir. Essa visão meio mecanizada do profissional
que precisa comparecer à reunião, que precisa elaborar uma prova, que precisa
corrigir prova, que precisa responder a uma pesquisa, que precisa lançar nota. É o
tempo todo cobrado. O profissional precisa o tempo todo cumprir alguma data,
alguma exigência, alguma solicitação... nesse sentido os processos burocráticos do
12

colégio é o que mais colaboram para o estresse profissional. A exigência aqui é


muito grande, de protocolo, de documentos burocráticos o que acaba fazendo da
rotina desse profissional um pouco mais acelerada e consequentemente vem o
estresse já natural da vida do profissional. Tirando os dissabores, eu estou aqui pelo
aluno e o colégio pela tradição que tem também me dá orgulho de fazer parte. É
uma questão de identidade. Fazendo parte do colégio, faço parte do prestígio que se
tem aí fora. (Professora A).
Concorda-se com Nóvoa (2007, p. 09) quando afirma que a profissão docente é “[...]
muito exigente do ponto de vista do empenhamento e da relação humana.” Não basta ao
professor o conhecimento teórico, é necessário “empenho”, uma “disposição” para e nas
relações sociais que envolvem tanto superiores quanto os pares de profissão e, principalmente,
alunos.

Silva, Teixeira e Alencar (2014)14, sobre os gestores do CMCG, observam que há uma
tendência à valorização do trinômio família-escola-aluno, considerando de fundamental
importância a ação de cada agente na construção de um ambiente favorável ao sucesso dos
alunos. Essas ações combinadas entre família e escola constituem estratégias que conduzem
os discentes a adotar competências válidas para seu aperfeiçoamento, o que contribui ainda
mais para as trajetórias de sucesso. De acordo com Bourdieu (2007, p. 82):

A família e a escola funcionam, inseparavelmente, como espaços em que se


constituem, pelo próprio uso, as competências julgadas necessárias em
determinado momento, assim como espaços em que se forma o valor de tais
competências, ou seja, como mercados que, por suas sanções positivas ou
negativas, controlam o desempenho, fortalecendo o que é “aceitável”,
desincentivando o que não o é, votando ao desfalecimento gradual as
disposições desprovidas de valor [...].
As referidas pesquisadoras, com base na fala do gestor do CMCG, Cel. Comandante
Almeida, compreendem como ocorre a participação das famílias na Associação de Pais e
Mestres (APM), nas atividades culturais, nos conselhos de classe, revelando esforços em
conjunto das famílias e da escola no favorecimento dos desempenhos dos estudantes.

Esses direcionamentos promovidos em conjunto são explicitados no quadro abaixo.


Dirigida ao gestor, a questão solicitava uma classificação das características da participação
familiar no Colégio. (SILVA; TEIXEIRA; ALENCAR, 2014).

14
Dados e análises apresentados por: SILVA, Alice Felisberto da; TEIXEIRA, Ariadne; ALENCAR, Aritana
Jara de. A produção do sucesso escolar no Colégio Militar de Campo Grande: uma analise sobre o olhar dos
gestores. In: Anais do XII Encontro de Pesquisa em Educação da Região Centro-Oeste - Reunião Científica
Regional da ANPED. (Ano: 2014).
13

Quadro 1 - Indique quais são as características que melhor representam as famílias desta escola:
Nenhuma Algumas A maioria
Características
delas delas delas
Utilizam seus conhecimentos e seus contatos para
X
intervir a favor do aluno
Questionam correções de prova X
Questionam o trabalho dos professores X
Questionam decisões disciplinares DESTA escola X
Não participam das reuniões propostas por ESTA
X
escola
Não vêm à escola nem quando convocadas pela equipe
X
pedagógica
Colaboram com a escola estudando com o filho X
Discutem os encaminhamentos extra-escolares
X
propostos
Reconhecem as dificuldades dos filhos X
Acolhem as recomendações de apoio extraescolar X
Organização: Silva, Teixeira e Alencar (2014).
Na percepção do gestor, a partição familiar é constante, no entanto as características
preponderantes, as quais integram a maioria das famílias, são aquelas relacionadas ao suporte
nos estudos, com vistas ao aprimoramento do rendimento escolar dos alunos.
Neste segundo tópico, foram trazidos alguns resultados da pesquisa. Embora haja
outros grupos também produzindo, optou-se por privilegiar aqueles que recentemente
produziram relatórios de pesquisa e elaboram trabalhos para discussões em reuniões
científicas da área.

Considerações Finais
Nos limites deste texto, apresentou-se o que os resultados de pesquisa sinalizam sobre
a questão família-escola, em especial nas classes médias e frações dos grupos de elite, isto é,
evidencia-se um aumento das estratégias de escolarização, que vão desde a consulta aos sites
das escolas para escolha do estabelecimento escolar até o monitoramento da vida escolar dos
estudantes e a sua internacionalização, logo, todos os artífices para que o capital cultural
valide o patrimônio cultural. Esse conjunto então configura a parentocracia nos nossos dias,
ou seja, o papel familiar nas estratégias educacionais para além da meritocracia.

Na ótica das famílias participantes da pesquisa, as escolas de prestígio, além de


garantir um ensino de qualidade, proporcionam aos estudantes a possibilidade de estabelecer
relações sociais de grande valor, já que esses estabelecimentos de ensino geralmente são
espaços ocupados pelas frações das classes economicamente favorecidas, que possibilitarão
aumento da rede de relações sociais até mesmo com vistas ao favorecimento no mercado de
trabalho e ao matrimônio.
14

A certificação que o agente recebe das escolas de prestígio ao fim de sua escolarização
torna-se um elemento de distinção (BOURDIEU, 2011). Quando os agentes se igualam em
seu capital escolar, as distinções serão feitas a partir da observação do acúmulo de outros
capitais.

A família, ao fazer investimentos financeiros no processo de escolarização de seus


filhos, espera que no futuro haja um retorno desse investimento. Observando as previsões
feitas pelos professores das escolas analisadas na pesquisa, nota-se que esse retorno pode
ocorrer, já que com a longevidade escolar, os estudantes terão maiores chances de encontrar
bons empregos quando concluírem o ensino superior.

Referências

AGUIAR, Andréa. Estratégias educativas de internacionalização: uma revisão da literatura


sociológica. Educação e Pesquisa, v35, n1, São Paulo, 2009. p. 67-79. Disponível em <
http://www.scielo.br/pdf/ep/v35n1/a05v35n1.pdf >. Acesso em: 17 dez. 2012.
ALMEIDA, A.; NOGUEIRA, M. A. (Org.). A escolarização das elites: um panorama
internacional da pesquisa. Petrópolis: Vozes, 2003.
APPLE, M. W. Mercados de quem? Saber de quem? In: ______. Educando à Direita:
mercados, padrões, Deus e desigualdades. São Paulo: Cortez Editora, Instituto Paulo Freire,
2003, pp. 41-76.
BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. Tradução Daniela Kern;
Guilherme J. F. Teixeira. Porto Alegre, RS: Zouk, 2011.
BRANDÃO, Zaia. A produção das elites escolares. Boletim Soced. Rio de Janeiro, 2006.
Disponível em: <http://bit.ly/JDfQ9D>. Acesso em: 17 dez. 2012.
BRANDÃO, Zaia. MARTINEZ, Maria Elena. Elites escolares e capital cultural. Boletim
Soced. Rio de Janeiro, n. 3, 2006. Disponível em: <http://bit.ly/JDfz6x>. Acesso em: 17
dez. 2012.
BRANDÃO, Zaia; CANEDO, Maria Luiza; XAVIER, Alice. Construção solidária do habitus
escolar: resultados de uma investigação nos setores público e privado. Revista Brasileira de
Educação, vol.17. ano.49. Rio de Janeiro jan./abr¸2012. Disponível em:
<http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782012000100011.>. Acesso em: 13 dez. 2012.
BRANDÃO, Zaia; WALDHELM, Andrea Paula de Souza; FELIPE, Luiza Helena Lamego.
Sites escolares: uma nova estratégia na construção da imagem de excelência das instituições
de ensino? 2008. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-
rio.br/11895/11895.PDF>. Acesso em: 12. out. 2010.
CATTANI, Antonio David; KIELING, Francisco dos Santos. A escolarização das classes
abastadas. Sociologias, Porto Alegre, ano 9, n. 18, jun./dez. 2007. Disponível em:
<http://www.scielo.br/pdf/soc/n18/n18a09.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2009.
CERDEIRA, Diana Gomes da Silva. Mapeando o perfil docente de escolas de prestígio:
uma contribuição para a compreensão do sucesso escolar. Rio de Janeiro, 2008. Dissertação
(Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, 2008.
15

FIALHO, Flávia Barros. Mobilização parental e excelência escolar: Um estudo das


práticas educativas de famílias das classes médias. 2012. 123 fls. Dissertação (Mestrado) –
Faculdade de Educação. Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais/MG, 2012.
MANDERLET, Diana. Pais na gestão da escola: mudam as relações? Uma análise
sociológica de uma instituição judaica. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia
Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2005. Disponível em:
<http://www.maxwell.lambda.ele.puc-
rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=7214@1>. Acesso em 12 dez. 2012.
MEDEIROS, Verena Giglio de. Clima escolar um estudo sociológico de uma instituição
pública de excelência. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade
Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. 2007. Disponível em:
<http://www.maxwell.lambda.ele.puc-
rio.br/Busca_etds.php?strSecao=resultado&nrSeq=11054@1>. Acesso em 12 dez. 2012.
NÓVOA, A.. Vidas de professores. Porto: Melhoramentos, 2007.
PRADO, C. L. Em busca do primeiro mundo: intercâmbios culturais como estratégias
educativas familiares. In: Escola e família: trajetórias de escolarização em camadas médias e
populares. 5.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
RIEDNER, Daiani Damm Tonetto. Estratégias de escolarização das famílias da elite em
uma escola de prestígio: ações combinadas. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) -
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Orientador: Jacira Helena do Valle Pereira
Assis.
ROBERTSON, Susan; VERGER, Antoni. A origem das parcerias público-privadas na
governança global da educação. Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 121, p. 1133-1156, out./dez,
2012.
SANTOMÉ-TORRES, J. Um mundo em crise e em processo de reestruturação. In:______.
A educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre, RS: Artmed, 2003, pp.13-38.
ZAGO, Nadir. Processo de escolarização nos meios populares: as contradições da
obrigatoriedade escolar. In: NOGUEIRA, Maria Alice; ROMANELLI, Geraldo; ZAGO,
Nadir. (Org.). Família e escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares.
4. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.