Você está na página 1de 13

Material Complementar

DIMENSIONAMENTO
COMPLETO
versão 1.0
"Daqui 5 anos você
vai desejar ter
começado hoje"
Laudo 03 (Vencedor)

03
PARTE 01 - Passo a Passo Para Escolha
da Fundação Ideal

Procede-se com a eliminação de cada uma das fundações


sabendo suas desvantagens até chegar a fundação mais viável.

1º Passo: Verifique a viabilidade de fundações superficiais

Essas são as fundações, via de regra, mais baratas, desta forma


inicie a análise por ela. (Eu sei que nesse momento você não sabe
analisar isso, mas em breve você terá esse conhecimento).

A primeira tentativa são sempre sapatas isoladas, são


normalmente mais baratas inclusive que sapatas corridas.
Posteriormente sapatas corridas, tubulões curtos e por último
Radier.

Cuidado com esse último pois nem sempre é uma boa opção. Só
se considera a possibilidade de fundações em Radier para
reservatórios enterrados, túneis, metrôs ou quando a soma das
áreas das sapatas atingirem 60% da área total da obra.

Quando não utilizar fundações superficiais:


Aterros não compactados
Argila mole ou camada de argila mole
Areia fofa ou muito fofa
Existência de água onde o rebaixamento do lençol freático
não se justifica economicamente.
Quando são necessárias escavações maiores que 3m com
exceções.

Não sendo possível a utilização de fundações superficiais passa-se


a adoção de fundações profundas.

04
2º Passo: Estaca Broca
Diâmetro de 15 a 25cm
Pequenas cargas (5t a 10t)
Comprimento máximo de 10m
Somente acima do lençol freático

3º Passo: Estaca escavada mecanicamente


Carga alta (25t a 100t)
Somente em solos com coesão
Somente acima do lençol freático
Escavada, redução na carga por ponta

4º Passo: Estaca strauss

Pequenas cargas (20t a 60t)


É possível abaixo do nível do lençol porém com
recomendações específicas
Lenta ( 1 a 3 estacas por dia)
Equipe dependente

5º Passo: Estaca pré-moldada de concreto

Carga Alta (20t a 150t)


Possível abaixo do nível de lençol freático
Barata
Rápida - 6 a 12 estacas por dia
Vibração pode danificar os vizinhos
Não é capaz de atravessar camadas muito resistentes,
matacões ou solo com pedregulho grosso
Desperdício devido a sobras
6º Passo: Estaca franki
Carga Alta (55t a 170t)
Muita vibração (vizinhança em estado precário)
Custo alto em comparação com outras
Desuso
Velocidade baixa (2 a 3 estacas por dia)
Em termos de capacidade de carga, uma das melhores

05
7º Passo: Estaca Hélice Contínua

Carga Alta (30t a 490t)


Exequível em praticamente todo tipo de terreno
Versátil
Rápida (8 a 15 estacas por dia)
Vem ficando mais barata ao longo dos anos. Atualmente
está bem competitiva
8º Passo: Estaca Metálica

Carga Alta (40t a 300t)


Suscetíveis a corrosão
Baixa resistência de ponta
Cara
9º Passo: Estacão ou Estaca Barrete

Acima de 150t
Compete com Tubulão a ar comprimido
Baixa resistência de ponta
Cara
Área para instalação dos equipamentos deve ser grande

10º Passo: Tubulão a Ar Comprimido

Alta capacidade de carga


Exequível abaixo do nível de lençol freático
Cara

Variável: Estaca Raiz

Alta capacidade de carga


Exequível abaixo do nível de lençol freático
Cara
Escavada, portanto não garante limpeza de fundo
Lenta, produção de (1 a 5 estacas por dia)
Perfura qualquer tipo de solo, quando conjugada com
martelo pneumático de fundo perfura inclusive rocha sã
abrasiva.

06
Variável: Tubulão a céu aberto

Depende muito de região para região


Barato
Praticamente qualquer faixa de carga
Extremamente competitivo em determinadas regiões
Somente implantável em solos coesivos
Apenas acima do lençol freático

07
Dimensionamento de Estacas

Método: Antunes e Cabral (1996)

Os autores propuseram um método de previsão da capacidade de


carga em estacas hélice contínua a partir dos resultados do ensaio
SPT e baseados em informações obtidas em 9 provas de carga
estáticas, realizadas em estacas com diâmetro de 35, 50 e 75 cm,
fazendo uma comparação entre dois métodos semiempíricos
tradicionais, Aoki-Velloso (1975) e Décourt-Quaresma (1978).

Os autores utilizaram ensaios de SPT para correlacionar os dados,


teorizando as fórmulas abaixo, estas se utilizam de duas constantes
para relacionar a sondagem e a carga máxima, que são: β3 e β4, que
são variáveis de acordo com cada tipo de solo.

Em que:

β3 = coeficiente retirado das tabelas a seguir


β4 = coeficiente retirado das tabelas a seguir
N1 = NSPT atuante na ponta da estaca
N2 = NSPT atuando na camada considerada (atrito lateral)

08
Os valores de β3 e β4 são retirados da tabela a seguir:

3 4

Pode-se determinar, então, a carga de ruptura da fundação:

Onde:

As = área lateral da fundação


Ap = área da seção da estaca

Deve-se tomar cuidado para atender a menor entre as duas equações


de carga admissível.

Carga admissível estrutural (carga de catálogo)

Considerando uma espécie de tensão admissível do material da


estaca (σe), a sua multiplicação pela área da seção transversal do
fuste resulta uma carga admissível da estaca (Pe).

Muitos engenheiros confundem a carga admissível (Pe), com a carga


admissível tendo em vista o maciço (Pa), a qual considera o aspecto
geotécnico.

Tendo em vista essa confusão, preferiu-se referir a carga estrutural


como carga de catálogo.

Na prática de projetos, a carga de catálogo é definida inicialmente,


desta forma, ela passa a ser o limite superior para a carga admissível.

09
Dimensionamento da armadura (carga centrada)
A NBR 6122, item 7.8.9.9.1 aceita que para fundações com tensão
de compressão inferior a 5 MPa não sujeitas a esforços de momento
ou horizontal, sejam colocados somente armadura de arranque,
calculado como:

As = 0,5% Ac

Em que:

Ac = Área bruta de concreto

Recomenda-se armação mínima de arranque até 4m de


profundidade, nunca antes de camada com SPT=2.

Os estribos são construtivos, desta forma podemos optar por 6,3mm


c/ 20cm.

10
Bloco sobre 4 estacas

Ângulo de Inclinação da biela: (θ entre 45º e 60º)

Obs: (am) é a menor dimensão do pilar

Resultante de compressão na biela e força de tração na


armadura principal

Verificação das tensões de compressão atuantes na biela

Junto ao pilar:

11
Junto a estaca:

Onde as tensões de tração devem estar limitadas a:

Cálculo das armaduras:

A área da armadura principal de tração, segundo as direções


das bielas (ou diagonais do quadrado formado pelas estacas)
é calculada por:

Entretanto, as armaduras podem estar dispostas na direção


dos lados do quadrado definido pelas estacas e segundo uma
malha, conforme pode se verificado na imagem abaixo.

12
Apesar de possível, não recomenda-se a utilização de
armadura em malha. Comprovações experimentais indicam
que a eficiência do arranjo em malha é de cerca de 80% de
eficiência dos outros dois arranjos. Em outras palavras, deve-
se majorar as armaduras calculadas em 1 / 0,8 =1,25, desta
forma, não se recomenda.

Para as armaduras dispostas segundo os lados dos


quadrados formados pelas estacas deve-se decompor a
resultante T, conforme abaixo.

13