Você está na página 1de 15

As 10 maiores mentiras sobre o dízimo

1ª MENTIRA – “O DÍZIMO FOI ORDENADO POR DEUS NO JARDIM DO ÉDEN, POIS A ÁRVORE DO
CONHECIMENTO REPRESENTA O DÍZIMO”

Na verdade, biblicamente o dízimo foi ordenado no monte Sinai (Levíticos 27:30-32; Números 18:21-
24) e portanto, não foram instituídos no Jardim do Éden, pois sequer é mencionado que Adão e Eva
receberam o mandamento de dizimar. A associação que muitos religiosos que insistem em receber
dízimos fazem de que a árvore do conhecimento do bem e do mal (Gênesis 2:9), pois não era
permitido a Adão e Eva comer dela (Gênesis 2:17) portanto ela seria segundo eles um “símbolo” do
dízimo, mas isso é uma associação esdrúxula, pois sequer há um texto bíblico que faça uma ligação
entre essa árvore do Jardim do Éden e o dízimo da lei de Moisés, sequer se diz que a árvore ocupava
10% do espaço do Jardim do Éden. Trata-se portanto de mais um argumento ridículo usado pelos
líderes religiosos para levar o povo a acreditar que o dízimo não era somente obrigatório perante a lei
de Moisés.

2ª MENTIRA – “O DÍZIMO SEMPRE FOI OBRIGATÓRIO MESMO ANTES DA LEI DE MOISÉS”

O dízimo antes de sua ordenança no Sinai era voluntário, sendo mencionado apenas 2 vezes antes de
se tornar obrigatório, Abraão deu uma única vez um dízimo do despojo de guerra quando resgatou
seu sobrinho Ló e Jacó fez um voto a Deus (Gênesis 14:17-20, Gênesis 28:20-22)

Pelas seguintes razões, Gênesis 14:20 não pode ser usado como exemplo para os cristãos dizimarem:
1º – A Bíblia não diz que Abraão deu obrigatoriamente esse dízimo. 2º – O dízimo de Abraão não foi
um dízimo santo, da Terra Santa de Deus, produzido pelo povo santo de Deus. 3º – O dízimo de
Abraão foi somente do despojo de guerra (hebreus 7:4). 4º – O dízimo de Abraão a Melquisedeque
aconteceu apenas uma vez e Abraão mudava sempre de lugar. 5º – O dízimo de Abraão não proveio
de sua riqueza pessoal. 6º – O dízimo de Abraão não é mencionado em nenhuma parte da Bíblia, seja
no velho ou no novo testamento a fim de respaldar o ato de dizimar. 7º – Visto como nem Abraão
nem Jacó tinham um sacerdócio levítico para manter, eles não tinham lugar algum onde entregar os
dízimos, durante os seus muitos deslocamentos.

No caso específico de Jacó, lemos o seguinte: “Fez também Jacó um voto, dizendo: Se Deus for
comigo, e me guardar nesta jornada que empreendo, e me der pão para comer e roupa que me
vista,de maneira que eu volte em paz para a casa de meu pai, então, o SENHOR será o meu Deus;e a
pedra, que erigi por coluna, será a Casa de Deus; e, de tudo quanto me concederes, certamente eu te
darei o dízimo” (Gênesis 28:20-22). O texto bíblico é claro, que Jacó fez um propósito particular (um
voto) de que se Deus fosse favorável à ele, que ofereceria à Deus o dízimo. Não se vê também neste
caso nenhuma ordem explicita de Deus ou algum sacerdote a mando Dele, para que Jacó dizimasse, e
vemos que foi uma promessa de Jacó para Deus, não há relatos posteriores na Bíblia que ele tenha de
fato dizimado, apenas se observa a sua promessa, seu compromisso de entregar o décimo de tudo
que viesse a obter daquele momento em diante. Outra vez, não vemos na Bíblia nenhuma passagem
em que vemos escrito que devemos dizimar como Jacó fez, portanto trata-se de mais uma mentira
que os líderes criaram para tentar fazer parecer que os dízimos eram obrigatórios antes mesmo da lei
de Moisés.

3ª MENTIRA – “O DÍZIMO DOS ALIMENTOS DO VELHO TESTAMENTO FOI SUBSTITUÍDO POR DÍZIMO
DO DINHEIRO NOS DIAS ATUAIS”

Não há um versículo na bíblia informando que dízimo obrigatório da lei de Moisés possa ser ouro,
prata, moeda, dinheiro, etc. Dízimo sempre foi apenas alimento do campo vegetal ou animal
(Levíticos 27:30 e 32) mesmo quando havia metais preciosos como moeda corrente. Abraão no seu
tempo comprou uma sepultura para sua esposa por 400 ciclos de prata (Gênesis 23:16)

Embora já existisse dinheiro, a substância do dízimo divino jamais foi dinheiro. Ele era o “dízimo do
alimento”. Isso é muito importante. Os verdadeiros dízimos bíblicos eram sempre somente o alimento
proveniente das fazendas e rebanhos, somente dos israelitas que vivessem exclusivamente dentro da
Terra Santa de Deus, as fronteiras nacionais de Israel. A fartura provinha de Deus e não da
manufatura ou habilidade do homem.

Existem 15 versículos de 11 capítulos e 8 livros, de Levítico 27 a Lucas 11, que descrevem o conteúdo
do dízimo. E o conteúdo jamais, repito, jamais incluía dinheiro, prata, ouro ou qualquer outra coisa,
além de alimento. Mesmo assim, a definição incorreta de “dizimar” é a maior mentira que está sendo
pregada sobre esse ato, hoje em dia. (Veja Levítico 27:30,32; Números 18:27,28; Deuteronômio
12:17; 14:22, 23, 26; 2 Crônicas 31:5; Neemias 10:37; 13:5; Malaquias 3:10; Mateus 23:23 e Lucas
11:42).

Não se observa portanto em toda a bíblia, alguém entregando dízimo em dinheiro, pois dízimo era
décima parte dos alimentos ( agropecuários ou agrícolas ), e jamais foi entregue em dinheiro. E o
dinheiro já era corrente nos tempos bíblicos, pois o próprio Moisés que recebeu a lei para o povo
lidou com dinheiro: “Então, Moisés tomou o dinheiro do resgate dos que excederam os que foram
resgatados pelos levitas.Dos primogênitos dos filhos de Israel tomou o dinheiro, mil trezentos e
sessenta e cinco siclos, segundo o siclo do santuário. E deu Moisés o dinheiro dos resgatados a Arão e
a seus filhos, segundo o mandado do SENHOR, como o SENHOR ordenara a Moisés” (Números 3:49-
51)

Mais uma prova de que o dízimos sempre foram alimentos podem ser vista nessa passagem bíblica:
“DOS DÍZIMOS NÃO COMI no meu luto e deles nada tirei estando imundo, nem deles dei para a casa
de algum morto; obedeci à voz do SENHOR, meu Deus; segundo tudo o que me ordenaste, tenho
feito” (Deuteronômio 26:14)

Portanto, mais uma mentira dos líderes que ensinam sobre a obrigatoriedade dos dízimos é revelada,
quando dizem que nos tempos bíblicos dízimos eram entregues em alimentos porque dinheiro ainda
não existia, mas Abraão e até Moisés lidavam com dinheiro, e mesmo assim na obrigatoriedade da lei
de Moisés nunca se pagava dízimos em dinheiro, pois dízimo sempre foi a décima parte dos
alimentos, do campo e animais, e nada tem a ver com a exigência de entrega de 10% do dinheiro que
os cristãos recebem para esses líderes que ensinam erradamente sobre dízimos. Dízimo nunca foi
pago em dinheiro, apenas em alimentos. Se o seu pastor ou líder insistir em dizer que pode ser pago
em dinheiro exija que ele mostre alguém dizimando em dinheiro na bíblia, pois dinheiro já existia e
era usado naquela época.

4ª MENTIRA – “O DÍZIMO FOI DADO POR DEUS AOS LEVITAS DA VELHA ALIANÇA E HOJE OS PASTORES
DA NOVA ALIANÇA SUBSTITUIRAM ESSES LEVITAS PORTANTO DEVEM RECEBER DÍZIMOS”

O dízimo foi dado aos levitas, mas para que eles fizessem todo o trabalho da tenda da congregação
(Números 18:21-23). Se hoje os membros leigos fazem mais de 90 % do trabalho e os pastores
recebem todo o dízimo isso não é bíblico, é humano. Na igreja primitiva de Atos, um levita, chamado
José de sobrenome Barnabé dava ofertas ao invés de receber dízimos dos apóstolos e membros da
igreja cristã: “José, a quem os apóstolos deram o sobrenome de Barnabé, que quer dizer filho de
exortação, LEVITA, natural de Chipre, como tivesse um campo, vendendo-o, trouxe o preço e o
depositou aos pés dos apóstolos” (Atos 4:36-37) Portanto fica evidente que com a mudança do
sacerdócio mudou a lei: “Pois, quando se muda o sacerdócio, necessariamente há também mudança
de lei” (hebreus 7:12)

Na economia hebraica, o dízimo era usado de maneira totalmente diferente da que hoje é pregada.
Mais uma vez, os levitas que recebiam o dízimo inteiro nem sequer eram ministros ou sacerdotes –
eles eram apenas servos dos sacerdotes. Números 3 descreve os levitas como sendo carpinteiros,
fundidores de metal, artesãos de couro e artistas, que mantinham o pequeno santuário. E 2 Crônicas
23-27, durante o tempo dos reis Davi e Salomão, os levitas também foram peritos artesãos, os quais
inspecionavam as obras do Templo. Vinte e quatro mil deles trabalhavam no Templo como
construtores e supervisores; seis mil eram oficiais e juízes; quatro mil eram guardas e quatro mil eram
músicos. Como representantes políticos do rei, os levitas usavam o seu dízimo para servir aos oficiais,
juízes, coletores de impostos, tesoureiros, guardas do Templo, músicos, padeiros, cantores e soldados
profissionais (1 Crônicas 12:23,26; 27:5). É obvio que esses exemplos do uso bíblico da entrada do
dízimo nunca se tornam exemplos para a igreja de hoje. É importante saber que na Antiga Aliança os
dízimos nunca eram usados para evangelizar os não israelitas. Neste ponto o dízimo falhou. Vejam
Hebreus 7:12-19. Os dízimos jamais estimularam os levitas e sacerdotes da Antiga Aliança a
estabelecer uma única missão fora do país, para encorajar um só gentio a se tornar israelita (Êxodo
23:32; 34:12,15; Deuteronômio 7:2). O dízimo da Antiga Aliança era motivado e exigido por lei, não
pelo amor. De fato, durante a maior parte da história de Israel, os profetas foram os principais
portadores da Palavra de Deus e não os levitas e os sacerdotes que recebiam o dízimo.O falso ensino
é que os anciãos e pastores da Nova Aliança estão simplesmente continuando de onde os sacerdotes
da Antiga Aliança deixaram e por isso devem receber o dízimo. A função e o propósito dos sacerdotes
da Antiga Aliança foram substituídos, não pelos anciãos e pastores, mas pelo sacerdócio de todos os
crentes. Como outras ordenanças da Lei, o dízimo foi apenas uma sombra temporária, até a vinda de
Cristo (Efésios 2:14-16; Colossenses 2:13-17; Hebreus 10:1). Na Nova Aliança cada crente é um
sacerdote de Deus (1 Pedro 2:9-10; Apocalipse 1:6; 5:10). E como sacerdote cada crente oferece
sacrifícios a Deus (Hebreus 4:16; 10:19-22; 13:15-16). Então, cada ordenança que havia sido
previamente aplicada ao antigo sacerdócio foi anulada no Calvário. Visto não pertencer à Tribo de
Levi, até mesmo Jesus Cristo foi desqualificado. Desse modo, o propósito original de dizimar já não
existe (Hebreus 7:12-19; Gálatas 3:19, 24, 25; 2ª Coríntios 3:10).

Portanto, não há nenhum mandamento no novo mandamento do cristão entregar os dízimos aos
pastores, pois o dízimo somente podia ser recebido pelos levitas: “Ora, os que dentre os filhos de Levi
recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou
seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendido de Abraão” (hebreus 7:5), e os levitas só
existiam na velha aliança da lei de Moisés, pastores não são substitutos deles pois são ministros de
Deus (1ª Coríntios 4:1) e nem sequer é ordenado que se deva entregar dízimos em favor da obra de
Deus, pois ela é sustentada pelas ofertas voluntárias (2ª Coríntios 9:7).

5ª MENTIRA – “O DÍZIMO RECEBIDO É SOMENTE PARA USO DOS PASTORES”

Biblicamente, o dízimo pertencia aos levitas (números 18:21-23), mas também para se fazer um
festival ao Senhor (Deuteronômio.14:22-27) e a cada terceiro ano, para os levitas, órfãos, viúvas e
estrangeiros, os quais comiam o dízimo ajuntado dentro das suas portas (Deuteronômio14:28-29). Se
ofertas e dízimos eram sagrados ao Senhor e não podiam ser comidos por pessoas comuns neste caso
Deus abre um exceção, visto que para ele misericórdia é melhor que sacrifício (Oséias 6:6; Mateus
12:7), a vida dos carentes é preciosa ao senhor (veja um exemplo disso em Lucas 6:1-10)
Portanto mais uma vez, é biblicamente demonstrado que os dízimos recebidos pelos levitas não eram
de uso exclusivo deles… os necessitados ( órfãos, viúvas e os de fora de Israel ), também se
beneficiavam dos dízimos dos alimentos recebidos pelos levitas. Essa conversa de que só os pastores
e líderes religiosos podem hoje usufruir dos dízimos não encontra respaldo bíblico. Trata-se de mais
uma doutrina de homem.

6ª MENTIRA – “CRISTÃO QUE NÃO DÁ O DÍZIMO SERÁ VITIMA DO “DEVORADOR”

Se você é evangélico provavelmente já deve ter ouvido alguém falar a respeito do devorador. Muitas
igrejas pregam a respeito desse ser. Mas o que os líderes religiosos gananciosos não fazem é mostrar
aos membros que a admoestação de Malaquias é dirigida somente à nação de Israel, e não aos
cristãos de hoje que não dizimam:

“Sentença pronunciada pelo Senhor CONTRA ISRAEL contra Israel, por intermédio de Malaquias”
(Malaquias 1:1) e, se destina especificamente, aos SACERDOTES CORRUPTOS:

“Agora, ó sacerdotes, para vós outros é este mandamento.Se o não ouvirdes e se não propuserdes no
vosso coração dar honra ao meu nome, diz o SENHOR dos Exércitos, enviarei sobre vós a maldição e
amaldiçoarei as vossas bênçãos; já as tenho amaldiçoado, porque vós não propondes isso no
coração” ( Malaquias 2:1-2)

Eles estavam ofertando ANIMAIS coxos, cegos mudos, e defeituosos:

“Ofereceis sobre o meu altar pão imundo e ainda perguntais: Em que te havemos profanado? Nisto,
que pensais: A mesa do SENHOR é desprezível. Quando trazeis animal cego para o sacrificardes, não é
isso mal? E, quando trazeis o coxo ou o enfermo, não é isso mal? Ora, apresenta-o ao teu governador;
acaso, terá ele agrado em ti e te será favorável? – diz o SENHOR dos Exércitos.” (Malaquias 1:7-8)

Quanto a Malaquias 3, notamos que Deus manda trazer somente “DÍZIMOS” para as câmaras do
depósito do templo, para que haja “comida” ( alimento, ou mantimento ) em minha casa. Isto é ,
mantimento = produtos alimentares (ver dicionário da língua portuguesa)

O texto mais famoso citado para falar a respeito do devorador é Malaquias 3:11, que diz: “Por vossa
causa, repreenderei o devorador, para que não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo
não será estéril, diz o SENHOR dos Exércitos.” Esse texto é a continuação de Malaquias 3:10, o tão
famoso texto que fala a respeito de dízimos no Antigo Testamento. os líderes gananciosos dizem que
o “devorador” mencionado nesse texto é um demônio que destrói as finanças daqueles que não dão
os 10%, ou seja, que não são dizimistas. As pessoas que pregam nessa linha trazem ameaças de
destruição financeira aos seus ouvintes se os mesmos não forem dizimistas fiéis.

O DEVORADOR É MESMO UM DEMÔNIO? A resposta é não! Os que afirmam que esse devorador
citado no texto é um demônio, no mínimo, faltaram em algumas aulas de interpretação da Bíblia. A
primeira coisa a sabermos é que no Antigo Testamento, a aliança que vigorava era uma aliança
baseada na obediência. Se o povo fosse obediente às leis de Deus seriam abençoados. Essas bênçãos
eram visivelmente mandadas em forma de paz e boas colheitas e prosperidade. Se fossem
desobedientes, seriam amaldiçoados. Falta de paz e colheitas ruins estavam em vista aqui.
(Deuteronômio 28). Em uma das ameaças de maldições em suas colheitas, que Deus manda ao povo
através do profeta Joel, vemos que: “O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o gafanhoto
migrador; o que deixou o migrador, comeu-o o gafanhoto devorador; o que deixou o devorador,
comeu-o o gafanhoto destruidor.” (Joel 1:4). Uma maldição que tinha em vista a destruição da
lavoura.

O texto de Malaquias 3:11 diz a mesma coisa: “Por vossa causa, repreenderei o devorador, para que
não vos consuma o fruto da terra; a vossa vide no campo não será estéril, diz o SENHOR dos
Exércitos.”. Esse devorador certamente se tratava de um tipo de gafanhoto altamente destrutivo ou
outro “bicho” que acabava com as plantações (que eram a base da economia do povo de Israel). A
ação devastadora desse “ser” acabava com a prosperidade do povo em pouco tempo atacando suas
lavouras. Quando o povo era obediente a Deus e cumpria a Sua lei, que no caso desse texto é a lei de
dizimar, Deus abençoava suas colheitas e negócios. Esse é o sentido desse texto. Assim, não faz
sentido usar esse texto para afirmar que o devorador era um demônio ou coisa parecida. Nem faz
sentido ameaçar as pessoas hoje em dia com esse “devorador”

“repreenderei o devorador” Versículo 11 (Não é dinheiro que faz isto, é o próprio Deus)

Devorador, segundo a bíblia, nunca foi demônio, e sim, gafanhotos, que Deus enviava como pragas a
terra para castigar o povo, e estes gafanhotos, Deus os chamavam de “O meu grande exercito” (Joel
2:22-27) …”repreenderei o devorador ” significa… espantarei a praga do meio da vossa plantação
(gafanhotos), veja também Levítico 11:22 e Naum 3:16.

Os líderes gananciosos que ensinam que esses “devoradores” são demônios que irão causar doenças
na família, o carro vai viver quebrando etc, aproveitam o desconhecimento dos cristãos do verdadeiro
devorador ao qual Malaquias se refere, o gafanhoto que devorava as colheitas da nação de Israel.
Não há confirmação nenhuma no novo testamento de que quem não dizima será vitima desse
“devorador”… quando um ladrão quer tomar o dinheiro de uma pessoa, ele a ameaça, pois se pedir
provavelmente a vítima não entregará o seu dinheiro, e por conta disso o ladrão usa o recurso da
ameaça, para forçá-la, da mesma forma agem esses pastores que insistem em receber dízimos pois
usam um texto fora de seu real contexto para ameaçar dizendo que o mesmo “devorador” que viria
sobre a nação de Israel se não dizimasse virá para aqueles que não entregam seus dízimos a
eles.Trata-se portanto de mais um ensino distorcido da bíblia para forçar os cristãos que não estudam
a bíblia a dizimarem.

Hoje em dia, a classe mais pobre é a que mais contribui para beneficência. E, mesmo assim, ela
permanece na pobreza. Os dízimos não são uma garantia para alguém enriquecer depressa, em vez
da educação, da determinação e do árduo trabalho. Se Malaquias 3:10 funcionasse realmente com os
cristãos da Nova Aliança, nesse caso milhões de cristãos dizimistas já teriam escapado da pobreza e
se tornado o grupo mais rico do mundo, em vez de continuar sendo pobre. Portanto, não existe
evidência alguma de que a vasta maioria dos pobres “pagadores do dízimo” tenha sido abençoada
pelo mero fato de o entregar. As bênçãos da Antiga Aliança já não estão em efeito (Hebreus 7:18-19;
8:6-8,13).

Portanto, não há nenhuma possibilidade de um cristão ser vítima do “devorador” (demônio) por
causa de não ser dizimista, pois nenhuma maldição da antiga aliança pode atingir aos cristãos da nova
aliança em Jesus ( gálatas 3:13 )

7ª MENTIRA – O DÍZIMO SERVE PARA MANTER A IGREJA FÍSICA HOJE, POIS ELA SUBSTITUIU O
TEMPLO JUDAÍCO ONDE SE ENTREGAVAM OS DÍZIMOS.

Nada poderia estar mais longe da verdade. Trata-se de outro falso ensino os religiosos que exigem
dízimos de que os edifícios chamados “igrejas”, “tabernáculos” ou “templos”, substituíram o Templo
do Velho Testamento como locais de habitação divina.

A Palavra de Deus jamais descreve os grupos da Nova Aliança como ”tabernáculos”, “templos” ou
“edifícios”. Os cristãos não “vão à igreja”. Eles se “reúnem para adorar”. Também, visto que os
sacerdotes do Velho Testamento pagavam o dízimo, então, logicamente, o dízimo não pode continuar.
Nesse caso, é errado chamar um edifício de “armazém do Senhor” para receber os dízimos (1ª
Coríntios 3:16-17; 6:19-20; Efésios 1:22-23; 2:21; 4:12-16; Apocalipse 3:12). Com respeito à palavra
“armazém” comparem a 1ª Coríntios 16:2 com a 2ª Coríntios 12:14 e Atos 20:17, 32-35. Durante
vários séculos após o Calvário, os cristãos nem mesmo possuíam um edifício próprio (que chamassem
de armazém), visto como o Cristianismo era uma religião ilegal e sofria perseguições.
Após o sacrifício de Jesus, o véu do santuário se rasgou: “E o véu do santuário rasgou-se em duas
partes, de alto a baixo” (Marcos 15:38) e hoje, cada cristão é um santuário onde habita o Espírito
Santo: “Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?” (1ª Coríntios
3:16) Não há sequer um Templo ou santuário físico para que os cristãos levem os dízimos pois: “O
Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, sendo ele Senhor do céu e da terra, não habita em
santuários feitos por mãos humanas” (Atos 17:24). Jesus sequer fundou uma igreja física, pois a
verdadeira igreja é espiritual.

1. Que autoridade nos dá a Palavra de Deus para estabelecermos igrejas denominacionais ou não
denominacionais em meio ao testemunho cristão, quando as Escrituras condenam a criação de
divisões entre os crentes? (1ª Coríntios 1:10; 3:3; 11:18-19)

2. Com que autoridade vinda de Deus os cristãos denominam suas assim chamadas “igrejas” como
Presbiteriana, Batista, Pentecostal, Aliança, Cristã Reformada, Anglicana etc., quando não há na Bíblia
instruções para nos reunirmos em qualquer outro nome além do nome do Senhor Jesus Cristo?
(Mateus 18:20; 1ª Coríntios 5:4)

3. Será que existe qualquer base na Palavra de Deus para chamar esses edifícios de “igrejas”? A
definição bíblica de “igreja” é de uma reunião de crentes que, pelo evangelho, foram chamados para
fora, tanto dentre os judeus como dentre os gentios, e são unidos em um único corpo a Cristo, sua
Cabeça no céu, pela habitação do Espírito Santo. (Atos 11:22; 15:14; 20:28; Romanos 16:5; 1ª
Coríntios 1:2; Efésios 5:25)

4. Onde há no Novo Testamento uma referência mandando os Cristãos construírem templos e


chamarem esses locais de “Cada de Deus”, sendo que Deus não habita em templos feito por mãos
humanas? (Atos 7:48 e 17:24).

Dizer que os dízimos são necessários para manter a igreja e sustentar os pastores e líderes não tem
fundamentação bíblica neo-testamentária, O apóstolo Paulo estava entre os que insistiam em
trabalhar com as próprias mãos pelo seu sustento (Atos 18:3; 1ª Tessalonicenses 2:9-10; 2ª
Tessalonicenses 3:8-14). Embora ele não tenha condenado os que recebiam sustento pela obra em
tempo integral, também não ensinou que tal sustento fosse ordenado por Deus, para difusão do
Evangelho. (1 Coríntios 9:12). De fato, duas vezes em Atos 20:29, 35 e também em 2ª Coríntios 12:14,
ele até mesmo encoraja os anciãos da igreja a trabalharem para manter os necessitados da igreja (Eu
só queria ver um dos pastores atuais trabalhando para ajudar os pobres da igreja!).
Para Paulo, a expressão “viver do evangelho” significava “viver segundo os princípios da fé, do amor e
da graça” (1 Coríntios 9:14). Conquanto verificasse ter “direito” a alguma ajuda, ele concluía que a
“liberdade” de pregar o seu evangelho era mais importante, a fim de cumprir a sua vocação de Deus
(1 Coríntios 9:15; 11:7-13; 12:13,14; 1 Tessalonicenses 2:5-6). Enquanto trabalhava como artesão de
tendas (atos 18:3), Paulo aceitou uma certa ajuda, porém se gloriava de que o seu pagamento ou
salário era o fato de poder pregar livremente, sem se tornar um fardo para os outros (1 Coríntios
9:16-19).

Em nenhum lugar desde Atos 7:58 (onde Paulo é mencionado pela primeira vez) até suas epístolas,
não vemos o apóstolo Paulo orientando alguém a dizimar nem recebendo dízimos dos cristãos,
portanto uma prova clara que a igreja primitiva não tinha o dízimo como uma doutrina cristã e
inquestionável como se vê hoje nessas igrejas que dizem seguir fielmente as Escrituras.

Paulo deixou claro que os que pregavam o evangelho tinham todo o direito de serem supridos com as
ajudas e doações voluntárias dos cristãos (2ª Coríntios 9:11 e 14, Filipenses 4:18 ), mas nunca disse
que seria dos dízimos! Sequer há mandamento seja do Senhor Jesus ou de seus apóstolos dos
cristãos entregarem seus dízimos nos “templos” que hoje conhecemos como igreja, pois Jesus nunca
fundou uma igreja física, nem ordenou que se fizessem construções para ali os seus seguidores se
reunirem! Se o dízimo fosse tão necessário e importante como esses líderes gananciosos querem
fazer parecer, teria o apóstolo Paulo esquecido de mencionar algo tão importante? obviamente que
não, pois ele é categórico ao dizer: ” jamais deixando de vos anunciar coisa alguma proveitosa e de
vo-la ensinar publicamente e também de casa em casa” e ” porque jamais deixei de vos anunciar
todo o desígnio de Deus” (Atos 20:20 e 27)… ou seja, tudo que era necessário ele, Paulo, ensinou e o
Apóstolo Paulo nunca incentivou ou ensinou os cristãos a dizimarem!

Portanto comprovadamente os dízimos não são obrigatórios serem entregues, muito menos nas
igrejas físicas de hoje.

8ª MENTIRA – “DAR OFERTAS, MESMO ACIMA DE 10% DA SUA RENDA, NÃO TEM O MESMO VALOR
ESPIRITUAL, POIS QUEM NÃO DÁ O DÍZIMO ROUBA A DEUS E NÃO SERÁ SALVO POIS ESTÁ DEBAIXO
DE MALDIÇÃO”

Tanto a bênção como a maldição de Malaquias 3:9-11, perduraram somente até o término da antiga
Aliança, ou seja, até o Calvário. A audiência de Malaquias havia voluntariamente reafirmado a Antiga
Aliança (Neemias 10:28-29. “Maldito aquele que não confirmar as palavras desta lei, não as
cumprindo. E todo o povo dirá: Amém” (Deuteronômio 27:26, citado em Gálatas 3:10). E Jesus Cristo
deu um fim a essa maldição, conforme Gálatas 3:13: “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-
se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”.
Portanto nenhuma maldição proveniente da não observância da lei de Moisés (e o dízimo pertencia a
ela) atinge aos cristãos. Mas os lideres gananciosos que recebem dízimos escondem isso dos
membros.

Mas não é porque o Cristão não seja mais obrigado a dizimar que ele esteja isento de ajudar na
propagação do evangelho e em favor dos necessitados pois: “Cada um contribua segundo tiver
proposto no coração, não com tristeza ou por necessidade; porque Deus ama a quem dá com alegria”
(2ª Coríntios 9:7).

“Também, irmãos, vos fazemos conhecer a graça de Deus concedida às igrejas da Macedônia; porque,
no meio de muita prova de tribulação, manifestaram abundância de alegria, e a profunda pobreza
deles superabundou em grande riqueza da sua generosidade.Porque eles, testemunho eu, na medida
de suas posses e mesmo acima delas, se mostraram voluntários” (2ª Coríntios 8:1-3) Essa era a
prática da igreja de Deus que Cristo estabeleceu.

Os princípios de dar no Novo Testamento, na 2ª Coríntios capítulos 8 e 9 são superiores ao dizimar,


que não é obrigatório aos cristãos.

Os seguintes princípios de dar voluntariamente na Nova Aliança estão fundamentados na 2 Coríntios


8 e 9 (1). Dar é uma “graça”. A 2 Coríntios 8 usa oito vezes a palavra “graça”, referindo-se à ajuda aos
santos pobres (2). Dar primeiro a Deus (8:5). (3) Dar-se a si mesmo para conhecer a vontade de Deus
(8:5) (4) Dar em resposta ao dom de Cristo (8:9 e 9:15). (5) Dar com desejo sincero (8:8, 10, 12 e 9:7)
(6) Não dar por causa de mandamento algum (8:8,10; 9:7). (7) Dar além de sua capacidade (8:3, 11,
12) (8) Dar para produzir igualdade. Isso quer dizer que os que têm mais devem dar mais, a fim de
suprir a incapacidade dos que não podem dar mais (8:12,14) (9) Dar com alegria (8:2). (10) Dar
porque está crescendo espiritualmente (8:3,4,7). (11) Dar porque deseja crescer espiritualmente (9:8,
10, 11). (12) Dar porque está ouvindo o Evangelho ser pregado (9:13).

9ª MENTIRA – “JESUS MANDOU OS CRISTÃOS DAREM O DÍZIMO NO NOVO TESTAMENTO”

O falso ensino é que Jesus ensinou a dizimar, em Mateus 23:23, dizendo que isso está claro no Novo
Testamento.

Em primeiro lugar, A Nova Aliança (o novo testamento) não teve princípio no nascimento de Jesus,
mas na Sua morte (Gálatas 3:19, 24, 25; 4:4). O dízimo não é ensinado na igreja, depois do Calvário.
Quando Jesus falou sobre o assunto em Mateus 23:23, Ele estava simplesmente ordenando a
obediência às leis da Antiga Aliança, a qual ele endossou e obedeceu até chegar ao Calvário.

Não existe um único texto do Novo Testamento que ensine a dizimar após o período do Calvário.
(Atos 2:42-47 e 4:32-35 não são exemplos para se dizimar, a fim de sustentar os líderes da igreja).
Conforme Atos 2:46, os cristãos judeus continuavam a adorar no Templo. E conforme Atos 2:44 e
4:33,34, os líderes da igreja compartilhavam igualmente o que recebiam com todos os membros da
igreja (o que hoje os líderes gananciosos que recebem dízimos não fazem).

Aliás, Jesus sequer é mencionado dizimando ou recebendo dízimos… e porque os líderes gananciosos
pedem dízimos em nome de Jesus sendo que o próprio Jesus disse: “em meu nome, expelirão
demônios; falarão novas línguas;pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não
lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados” (Marcos 16:17-18)… Ele
nunca disse ” em meu nome receberão dízimos…”

Portanto comprovadamente mais uma mentira desses homens que se dizem ordenados por Deus a
exigirem dízimos dos cristãos incautos foi desmascarada! Jesus nunca ordenou que os seus discípulos
e futuros apóstolos recolhessem dízimos… e porque esses líderes acham que podem fazer diferente?
Bem o Senhor Jesus profetizou sobre esses tipos: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos
apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores” (Mateus 7:15)

10ª MENTIRA – “JESUS RECEBE DÍZIMOS DOS CRISTÃOS CONFORME HEBREUS 7:8″

O início do capítulo 7 de hebreus é apenas citação do Antigo Testamento, onde fala do sacerdócio de
Melquisedeque. Em Hebreus 7:5 diz: ” E os que dentre os filhos de Levi receberam o sacerdócio tem
ordem, segundo a lei, de tomar os dízimos do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído
dos lombos de Abraão”

A lei foi dada por intermédio de Moisés, ao povo, direcionada aos filhos de Levi, especificamente aos
que receberam sacerdócio para trabalhar nas tendas das congregações ( montagem e desmontagem
de tendas no deserto), os quais tinham ordem, segundo a lei de receber os dízimos dos seus irmãos.
Agora note o relato do versículo 11 e 12:

Hebreus 7:11: De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio Levítico (porque sob ele o povo
recebeu a lei), que necessidade se havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem
de Melquisedeque (referindo-se ao Salvador) e não fosse chamado segundo a ordem de Arão?
(menção a Moisés, o qual introduziu a lei ao povo).

Hebreus 7:12: Porque mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança na lei.

Meditando no texto acima, especificamente nestes versículos, onde a palavra assegura que os
sacerdotes Levíticos recebiam os dízimos segundo a lei (Hebreus 7:5), Porque através deles
(sacerdotes Levíticos) o povo recebeu a lei (Hebreus 7:11) e mudando-se o sacerdócio,
necessariamente se faz também, mudança na lei (Hebreus 7:12), porque se a perfeição fosse pelo
sacerdócio Levítico (pelo qual o povo recebeu a lei), qual a necessidade de que enviasse outro
Sacerdote? Mudou o Sacerdócio, necessariamente se faz mudança na Lei.

A lei dos dízimos foi direcionada especificamente aos filhos de Levi, aos que receberam o sacerdócio
e não havendo mais “Levitas”, nem “templo”, nem sacerdote a oferecer sacrifícios, pois O Salvador já
o fez, logo,se aplicada aos crentes hoje, ela torna-se intempestiva e ilegítima, porque os “pastores” de
hoje não são levitas nem foram proibidos de trabalhar, nem menos tiveram promessas de herança de
dízimos para sustento por não ter tido herança nas distribuição de terras prometidas ao povo israelita
por herança.

Outra particularidade, no capítulo 18 do livro de Números, o Senhor Deus adverte aos sacerdotes
levitas dizendo: Na sua terra, possessão nenhuma terás, e no meio deles nenhuma parte possuirás;
eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel.

Gostaria de recomendar aos pregadores contemporâneos (os que querem se assemelhar aos
sacerdotes levitas que recebiam dízimos), seria bom que guardassem os mandamentos do Senhor
para aquela tribo, os quais não possuíam bens materiais, pois o Senhor era a herança dos sacerdotes
levitas.

Recapitulando: Hebreus 7 apenas faz a menção pós-Calvário de dizimar, numa explanação de porque
o sacerdócio levítico deve ser substituído pelo sacerdócio de Cristo, porque o sacerdócio levítico era
fraco e ineficiente. Estude Hebreus 7 e sigam a progressão do versículo 5 ao versículo 12 e ao
versículo 19.

Porém, líderes gananciosos insistem em apenas mostrar hebreus 7:8 aos membros, onde segundo
eles, Jesus receberia dízimos dos cristãos: “Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos,
porém ali, aquele de quem se testifica que vive” (hebreus 7:8)
Apenas mostrando esse versículo isoladamente aos membros desavisados, querem dar a entender
que esse versículo manda os cristãos ainda dizimarem, sem ler todo o real contexto do capítulo 7 de
hebreus.

Portanto hebreus 7:8 não fala de Jesus recebendo ainda dízimos dos cristãos, pois o contexto do
capítulo 7 de hebreus fala na verdade da superioridade do sacerdócio de Melquisedeque em relação
ao levítico que era sustentado pelos dízimos. Cristãos não tem o mandamento bíblico de dizimarem.

Considerações finais:

Em Hebreus 7,8,9 e 10, neste 4 capítulos deixa bem claro a questão do sacerdócio perfeito, que,
quando mudado o sacerdote Levítico, veio o Cristo, e mudando o sacerdócio se muda a lei ( Hebreus
7:12 ) portanto, notamos, que no novo testamento, não há ninguém dando dízimos em dinheiro,
sendo que já existia, porque, Jesus foi traído por moedas, e a viúva ofertou moedas, mas dízimos, foi
mencionado em alimentos, hortaliças ( Mateus 23.23 ) jamais em dinheiro, e o próprio Senhor Jesus,
relatou que o dízimo era da lei para o povo de Israel, …”o mais importante DA LEI “. (Mateus 23:23)

Paulo não mencionou dízimos, nem outro apóstolo qualquer deixou exemplo de tal prática. Em 2ª
Corintios 9, Paulo pede donativos para suprir necessitados e não para manter despesas de
instituições religiosas. Em Atos 4:32 em diante, notamos a generosidade dos irmãos,vendendo tudo e
depositando aos pés dos apóstolos, para que se fosse feita DISTRIBUIÇÃO AOS NECESSITADOS, de
forma a não haver necessitados entre eles ( esta é a justiça que excede a dos fariseus religiosos que
apenas punham seus dízimos das hortaliças e achavam que estava, cumprindo sua parte) em Mateus
23:23 e Lucas 18:12. Tal prática dos fariseus, mostra religiosidade e eles não praticavam a fé, de fato,
que , quem diz que dizimar é um ato de fé, é engano, porque os fariseus dizimavam , mas não
praticavam a fé. O jovem rico, não foi indicado por JESUS a dizimar, e sim, vender e REPARTIR com os
pobres. Jó nunca dizimou, e mesmo assim era próspero.

Abraão só deu o dízimo uma só vez, e não foi em dinheiro, foi despojos, sobras de conquistas de
guerra, dizimo de sangue, após matar os reis e tomar seus bens.

Jacó prometeu dar o dízimo, ( um voto particular dele ) em Gênesis 28:20-22 , mas a bíblia não fala
que ele cumpriu…
Abraão não foi a “suposta” casa do tesouro ( igreja ) mas Melquisedeque lhe saiu ao encontro para
receber sua parte, devido ser rei de Salém e receber por que passava em tal parte, imposto
semelhante ao que Jesus nos ensinou a pagar a César (Mateus 22:21). Isto é, JESUS mandou sermos
fiéis ao estado e não sonegar impostos.

Os cobradores de impostos ao se converter, restituíram 4 vezes mais aos que haviam defraudado, e
foi nisto que Jesus afirmou: “hoje houve salvação nesta casa” (Lucas 19:9)Repare que o Salvador não
o mandou dar dízimos.Todas as vezes que você quiser dar algo á Deus, e restituir a Deus com
gratidão, faça isto dando ao seu próximo, pois assim,estará cumprindo a palavra na íntegra, conforme
Mateus 25 deixa bem claro esta questão.

No sétimo ano, Israel, não trazia dízimos, devido ser o ano sabático,a terra descansava (Levítico 25:4)
Mas e será que a igreja atual faz isto? Fica sem receber dizimos no sétimo ano?

O DÍZIMO era vendido POR DINHEIRO,devido a distância de levar onde o Senhor escolhera, para
santificar seu nome, e o próprio dizimista COMIA DOS SEUS DÍZIMOS, administrava o dízimo, hoje em
dia quem come dos dízimos são os pastores, que administram os dízimos, dando ordem quê e no que
será empregado os dízimos do povo. Estes ditos “sacerdotes” ( pastores) não são levíticos, nem
exercem função sacerdotal superior a qualquer irmão que seja, e muito menos têm eles o direito de
administrar o dízimo pessoal de cada um.

Quanto a sacerdotes, sabemos todos nós somos, depois de Cristo nos fazer um sacerdócio real, nação
santa , povo eleito de DEUS, passamos a ter livre acesso ao Pai através de CRISTO que , na sua morte,
o que nos separava foi rasgado do alto abaixo, a saber o véu que separava o lugar santo,( local onde
entravam os sacerdotes) do lugar santíssimo (onde só entrava o sumo sacerdote 1 vez por ano para
oferecer sacrifício pelo pecado do povo).

Paulo recebeu muitas vezes ajuda da igreja, mas era para se manter, e não era salário mensal como se
estivesse numa empresa. Paulo trabalhava (Atos 18:3) , e em nada pesava os irmãos e a igreja.

Se Paulo disse: “sede meus imitadores como eu sou de Cristo”, será que nesta parte, os pastores que
exigem dízimos imitam à Paulo? Vemos Jesus ou Paulo recolhendo ou ensinando sobre dízimos? Em
2ª Coríntios 9:9, Paulo cita o salmo 112:9, onde fala da generosidade com os mais pobres: “Conforme
está escrito: Espalhou, deu aos pobres; A sua justiça permanece para sempre”. (2ª Coríntios 9:9)
Nada falou de dízimos em dinheiro, e sim, contribuições voluntárias , para “suprir” os que não tem,
algo que, é totalmente visto por Deus. Paulo faz uma coleta para “DISTRIBUIR”, hoje em dia se faz
uma distribuição (de envelopes) para ajuntar, não para os pobres, mas, para os cofres de uma
instituição, que se preocupa mais com a posição social, status, templos, fama, nome, competição,
horários de TV, rádios, sites, eventos, shows, viagens, lazer para líderes, carrões, mansões, aviões, e
ainda se diz que é expansão da obra de Deus…

Cada dia os patrimônios religiosos estão ainda maiores, e o evangelho mais distante do que a igreja
primitiva pregava e vivia, tudo por causa de dinheiro. A bíblia fala para não reter e sim dar. Será que a
igreja faz isto? Ou antes retém,para construir seu império e se fortalecer mais e mais, visando
dominar a maior parte possível do globo terrestre, e arrebanhar o maior número de pessoas possível,
como se tudo fosse uma partida de competição: “Quem tiver mais membros é o vencedor”

Paulo afirma: “Porque nós não estamos, como tantos outros, mercadejando a palavra de Deus; antes,
em Cristo é que falamos na presença de Deus, com sinceridade e da parte do próprio Deus” (2ª
Coríntios 2:17)