Você está na página 1de 434

DUAS

CARAS

DO

MAÇONARIA

por

JOHN DANIEL

Um Suplemento de Álbum de Fotos para o Terceiro Volume Um – Thir d Edition


of

Escarlate e a Fera

UM HISTÓRICO DA GUERRA ENTRE A GUERRA HISTÓRICA E A


FREEMASONIA FRANCESA

DIA Publicação Longview TX

“Duas Faces da Maçonaria”

é um suplemento de livro de imagens para Scarlet and the Beast

3ª Edição do Picture Book, 2007, Copyright © 2007 por John Daniel; Todos os
direitos reservados, incluindo o direito de reprodução no todo ou em parte, sob
qualquer forma, exceto por breves trechos usados ​​em revisões de revistas, etc.
DAY Publishing P.Ou. Caixa 7491 Longview, TX 75607-7491

Escarlate

e a

Fera

Vol. 1 3a edição 30 capítulos 20 Apêndices 1200 + páginas Lançamento Dê-se


Verão 2007

ii


“Duas Faces da Maçonaria”

O Picture Book contém mais de 650 páginas de fotos de pessoas e eventos que
cobrem a face boa e má da Conspiração Maçônica.

© John Daniel 2007

As credenciais maçônicas aqui citadas são primeiramente da História da


Maçonaria de Mackey, de autoria de Robert Ingham Clegg; Enciclopédia de
Mackey da Maçonaria, por 33Ou Albert G. Mackey; História e Evolução da
Maçonaria, por 33Ou Delmar Duane Darrah; Pequena Biblioteca Maçônica, 4
volumes de vários autores maçônicos; 10.000 maçons famosos por 33Ou
William R. Denslow; Casa não dividida por 32Ou Allen E. Roberts; Morals and
Dogma, de 33 Ou Albert Pike; Chaves Perdidas da Maçonaria, por 33Ou Manly
P. Hall; Revistas da Nova Era; e periódicos de rito escocês. Livros não-
maçônicos: altares ensanguentados, um comentário católico sobre a história
maçônica do México, pelo mais reverendo Francis Clement Kelley. Um
islamismo, cristianismo e maçonaria, de Mustafa O-Amin, e outras fontes
numerosas demais para mencionar aqui. Documentação precisa em Scarlet and
the Beast, Vols. 1 – 3.

CONTEÚDO

Seção Seção Seção Seção Seção Seção Seção Seção Seção Seção Seção 1 – 2 –
3 – 4 – 5 – 6 – 7 – 8 – 9 – 10 – 11 – Simbologia maçônica …............
............................................ 1 personalidades maçônicas …
................................................. 83 Revolução Maçônica Americana
…..................................... 171 Período Antimaçônico e Civil Guerra
…............................. 269 Período de Reconstrução para a Primeira Guerra
Mundial …....... ................. 385 Lei da Reserva Federal e Primeira Guerra
Mundial ….................... ... 417 Revolução Comunista Russa de 1917
….................... 429 Entre duas guerras mundiais ….......... ............................. 451
Maçonaria desencadeia a Segunda Guerra Mundial …............ ................. 487
Pós Segunda Guerra Mundial e Viajantes Espaciais Maçônicos ….......... 561
Sociedade Secreta por trás de uma o-Qaeda …. ............................. 605

iii

Índice da 3ª edição de Scarlet and the Beast, Volume 1


O Picture Book contém mais de 650 páginas. de personalidades e eventos
mencionados em Scarlet and the Beast. O Picture Book ajuda o leitor a
identificar jogadores e eventos. Quando o texto em Scarlet and the Beast faz
referência (PB.S2.F36), significa abrir o website para o Picture Book, Seção 2,
Figura 36. As amostras do Picture Book estão espalhadas por capítulos em
Scarlet and the Beast. Citações sobre Maçonaria de livros e revistas … v Por que
não há prefácio a este livro …................ xv Prefácio ….......
.................................................. .......... 1 Introdução – O que é a Maçonaria?
.................. 13 Página de rosto …......... .................................................. ..51
Gráfico da Maçonaria Internacional ….................... 52 O maçom AE Waite
confirma o conflito entre a maçonaria inglesa e francesa …..... 54 O Conflito:
Priorado de Sião vs. Cavaleiros Temperar …............ 55 Português Maçonaria e
Revolução …................ .89 Guerras Religiosas da França
…................................... 107 Da Inglaterra à França. ...................................... 121
Rejeitando o Cristianismo: Pagam Símbolos da Maçonaria e dos Illuminati.
.................. 137 Música e Revolução …......................... ............... 165 A
Conexão Judaica …............................ ......... 175 A Conexão Jesuíta
…................... .................. 199 Educação Secular – Um Projeto Maçônico
…........... 223 Controle Maçônico da Média …. ........................... 253 Primeira
Guerra entre a maçonaria inglesa e francesa …............ ...................... 289
Maçonaria Francesa Tenta e Tenta Novamente ….......... 311 “The Morgan
Affair” desencadeia o Movimento Antimaçônico em todo o mundo
…............................... 329 Guerra Civil Maçônica Americana ….....
......................... 361 Lúcifer – Deus da Maçonaria …................ .......... 385
Maçonaria e o Movimento Nova Era …............ 401 O Movimento Nova Era une
a Maçonaria inglesa e francesa …...... ................................... 417 Protocolos dos
Sábios de Sião (não Sião) ... ....................................... 439 Maçonaria Derruba o
Império Otomano ….. ............. 479 Primeira Guerra Mundial Maçônica
…............................. ....... 499 Revolução Maçônica Húngara ….........................
525 Revolução Maçônica Russa ….... ............. .......... 533 Assassinato Ritual
Maçônico do Czar Nicolau II …........ 577 iv

Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo Capítulo

1: 2: 3: 4: 5:

Capítulo 6: Capítulo 7: Capítulo 8: Capítulo 9: Capítulo 10: Capítulo 11:


Capítulo 12: Capítulo 13: Capítulo 14: Capítulo 15: Capítulo 20: Capítulo 21:
Capítulo 22 : Capítulo 23:
Conteúdo continuado:

Competindo pela Governança Mundial: Mesa Redonda vs. Liga das Nações
….......... 585 Capítulo 25: Maçonaria Inglesa e o Projeto Hitler …..........
....................................... 607 Capítulo 26: Destruição de Hitler da Maçonaria
Francesa .. ................. 643 Capítulo 27: Yalta, Maçonaria Pós-Guerra e as
Nações Unidas …............... ................................ 653 Capítulo 28: Endereço de
Scarlet …........ ..................................... 687 Capítulo 29: Em Busca da Besta
Império ….............................. 713 Capítulo 30: Sede do Império da Besta …....
...................................................................................................................... 727
Anexo 1: Revoluções Maçônicas nas Nações de Língua Espanhola e Portuguesa
….............. ...... 765 Apêndice 2: Dossiês sobre alguns Autores de Conspiração
…............... 861 Anexo 3: Presidente Bill Clinton …...... ....................................
873 Apêndice 4: Terra pela Paz profetizada na Bíblia … ................ 877
Apêndice 5: A Cabala …......................... .. ................................ 905 Apêndice 6:
História do Profeta Maomé ......... .............. 909 Apêndice 7: Shriners e seu
juramento a Allah …....................... ... 911 Apêndice 8: Juramentos Maçônicos
para os Primeiros Três Graus da Loja Azul e os Juramentos das Illuminati e
Máfia …....................... ..... 929 Apêndice 9: Instruções para o Sacrifício
Humano nas Lojas Maçônicas da Ordo Templi Orientis (OTO) ............... 935
Apêndice 10: Interpretação Luciferiana dos Graus Maçônicos do Rito Escocês ..
........................................... 937 Anexo 11: Petição para Retirada da Loja e
Renúncia dos Juramentos Maçônicos …................... 947 Anexo 12: Fotos
confirmando o Assassinato Maçônico de John F. Kennedy …...
........................................ 953 Apêndice 13: maçônico Ou.S. Presidentes
…...................................... 965 Anexo 14: Ou.S maçônico . Juízes da Suprema
Corte …................ 977 Apêndice 15: Emblema Nacional dos EUA profetizado
na Bíblia … 981 Apêndice 16: Agenda Maçônica para a Igreja na América ….....
991 Apêndice 17: Igrejas Protestantes que Denunciaram a Maçonaria
…........................... 1035 Apêndice 18: As raízes mórmons são fundadas na
Maçonaria …........... 1049 Apêndice 19: O “Arrebatamento” – Por que a palavra
é controversa … 1059 Apêndice 20: Bíblia King James versus Traduções
Modernas …... 1063 Nota: .........................................
.................................................. ...... 1069 Bibliografia: .........................................
............................................. 1161 Índice de Ilustraçăo :.
.................................................. .......... 1175 Índice de Palavras
….................................. .......................................... 1181 Resenhas de livros
sobre Escarlate e a Fera , bem como fitas de áudio e fitas de vídeo de John
Daniel – veja o FORMULÁRIO DE ENCOMENDA ................ 12 12-1220 v
Capítulo 24:

ESCARLATE

Dinastia Merovíngia (496 d.C.) | Priorado de Sião (1090) | Rosacrucianismo


(1188) | FRONOLOGIA INGLESA (1600s) | Grande Loja Unida (1717) (Mãe
de todas as sociedades e cultos secretos modernos) | Rico | Direita | Deísta /
Panteísta / Nova Era

| | | | Meio Aristocrático à Pró-negócios Monarquia Capitalista Constitucional


Superior | Reis Classe Monopolista | | Lordes | Corporações Multinacionais de
Contadores Corporativos. Socialismo Barões Land Barões Banco Mundial-FMI-
BIS etc. Profissionais Financiadores de Medicamentos

Domina: Grã-Bretanha, Canadá, nordeste dos EUA (Eastern Establishment), a


maioria dos países orientais, Hong Kong, Austrália e África do Sul.

vi

A FERA

Dinastia Merovíngia (496 d.C.) | Priorado de Sião (1090) | Cavaleiros Temperar


(1118) | MAÇONARIA FRANCESA (1725) | Grande Loja Francesa (1743) –
Grande Oriente Francês (1772) (também conhecida como Maçonaria Continental
ou Latina) | Pobre Esquerda | Ateísta | | | |

República Democrática Socialista Proletariado Comunista Menor para


Antibusiness Middle | Sindicatos de Classe | Cartéis de drogas do trabalhador
comum do crime organizado alguns profissionais alguns ricos

Domina: Continente da Europa, Sul e Oeste de Ou.S.A., ex-Ou.S.S.R., Chinesa


Comunista, Ilhas do Pacífico, Filipinas, América Latina e do Sul, África (durante
a década de 1990 assumiu a África do Sul).

vii

O autor maçônico Arthur Edward Waite, P.M., P.Z. (1857-1942) Royal Arch
Mason
Uma Nova Enciclopédia da Maçonaria (dois volumes) Nova Iorque: Cata-Ventos
Livros, MCMLXX Criada como católica, mas depois deixou as credenciais
maçônicas da Igreja Waite:

Iniciado em 19/9/1901; Criado em 2/10/1902; Exaltado em 5/1/1902. Past Senior


Grand Warden, de Iowa; Ex-Vice-Diretor Provincial de Cerimônias (Bucks.).
Grand Grand Inner Guard (Inglês Grand Mark) Passado Grande Capitão dos
Guardas. Grande Historiographer passado, etc etc Em uma Nova Enciclopédia
da Maçonaria, Waite best descreve de um ponto de vista maçônico a fissura
moderna entre Scarlet e a Besta. “Grand Orient – Resta que em 1877 o Grande
Oriente, sem (1857-1942) negando Deus, proclamou seu ateísmo, cuja palavra é
negativa como a denominação posterior agnóstica. Um teísta é aquele que afirma
Deus e um ateu é aquele que faz Agora, na Inglaterra, a acusação da Maçonaria
para cada um de seus membros é: “Teme a Deus e honra o rei.” Mas a Maçonaria
Francesa [Grande Oriente] não tem nem um rei para honrar nem um Deus para
temer. não fundamento de união entre duas instituições tão diversas como estas,
e qualquer proposição para curar a brecha entre elas por um processo de
restauração da comunhão – presumivelmente sem estipulações – está na frente
dela fadada ao fracasso, enquanto no coração dela existe é semeado já a semente
venenosa de insinceridade “. Em Scarlet and the Beast, John Daniel dá provas
esmagadoras desta guerra entre a maçonaria inglesa e francesa. viii A. E. Waite

SEÇÃO 1

Seção 1

Clubes Maçônicos e Simbologia

“Duas Faces da Maçonaria”

© John Daniel 2007 A Maçonaria é uma religião de obras. Um de seus muitos


símbolos é o balanço. Os maçons acreditam que serão julgados por suas obras,
com base no balanço do certo e do errado em suas vidas. Neste Livro de Fotos
você verá a verdadeira natureza da Maçonaria. Em II Cor. 11: 13-15 lemos das
religiões das “obras”: “Pois tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos,
transformando-se em apóstolos de Cristo. E não se maravilham; pois o próprio
Satanás é transformado em anjo de luz. Portanto, Não é grande coisa que
também os seus ministros sejam transformados como ministros da justiça, cujo
fim será segundo as suas obras.
1

DUAS CARAS Fig.1 – Pedreiros especulativos praticando secretamente sua arte


de pesquisa médica.

Desenho de “prática médica” em cadáver na Inglaterra. Observe a caveira


maçônica e os ossos cruzados, à esquerda e cabo maçônico ao redor do pescoço
do cadáver. Esta prática médica estava ocorrendo em uma Loja Maçônica
Rosacruz. Rosacruzes foram forçados a praticar a alquimia em segredo, dentro
de suas Lojas Maçônicas. Esses experimentos foram considerados feitiçaria pela
Coroa e pela Igreja, portanto proibidos. Os maçons especulativos capturados
neste ato estavam sujeitos à morte. (Museu Britânico). Veja Scarlet and the
Beast, vol. 1, Introdução e Capítulos 2 e 7. 2

SEÇÃO 1

Parece haver uma contradição em que a taberna Grande Loja foi formada. Esta
foto é da History of FM de Mackey de 33Ou Robert Ingham Clegg, 1898, 1906 e
1921, publicada pela Companhia de História Maçônica. No entanto, em Mackey
Revised Ency.of FM, Vol. 1, por 33Ou Ao bert G. Mackey, ampliado por Robert
O. I. I. Clegg, 1909, 1912 e 1929, 5ª edição de 1950, p. 91, lê-se “APPLETREE
TAVERN”. onde quatro Lojas de Londres se reuniram em 1717 e organizaram a
Grande Loja da Inglaterra. Esta taverna ficava na Charles Street, Covent Garden.
” A aparente contradição será explicada em Scarlet and the Beast, vol. EU.

Figura 2

DUAS CARAS Fig. 3 – Os maçons vêem a Torre de Babel (Gene.11) como um


símbolo da “religião das obras” da Maçonaria. A torre abaixo contém 33 degraus
para Rito Escocês à esquerda e 13 degraus para Rito de York à direita. Ambos se
encontram no topo. A base de três degraus representa os três graus da Loja Azul.
O centro arqueado contém mais alojamentos masculinos e femininos na
América.

Revista LIFE 10-8-56

Apêndices maçônicos: Todos os maçons da América entram na Loja Azul, que


contém três graus, ilustrados pelos três degraus na base da pirâmide. A maioria
dos maçons (85%) nunca progrediu além dos graus azuis. Aqueles que desejam
se aprofundar nos mistérios escolhem o Rito Escocês de 30 graus no lado
esquerdo da pirâmide, ou o Rito de York de 10 graus na plataforma. ht lado da
pirâmide, para um total de 33 e 13 graus, respectivamente. O York Rite é
praticado apenas nas Américas, enquanto o Rito Escocês é mundial. Ambos são
Ritos de Temperar. Muitos maçons na América juntam-se aos dois ritos. O grau
mais alto que um maçom pode ganhar é 32Ou Rito Escocês ou 13Ou York Rite.
Ambos são iguais em prestígio. 33Ou não pode ser ganho. É honorário,
concedido pelo corpo governante da Maçonaria Universal – o Conselho
Supremo. Em qualquer momento, aproximadamente 5.000 maçons de grau 33
estão no mundo – a maioria dos quais ocupa altos cargos em seus governos.
Inicialmente, apenas 32Ou maçons de rito escocês e 13Ou York Rite Masons
podiam se juntar ao Santuário. Shriners, que operam hospitais infantis, fazem um
juramento e rezam a Allah, o deus dos muçulmanos (ver pg. 28-30 nesta seção).
No entanto, desde os ataques terroristas de 11 de setembro à América por
muçulmanos, a filiação aos Shriner foi dizimada. Para manter os hospitais de
seus filhos abertos, os Shriners abriram a filiação ao 3Ou Master Masons. 4

SEÇÃO 1 Figura 4 – Os maçons também vêem boas obras como adoração. Isso
é semelhante ao dogma comunista – “O trabalho libertará você!” Da Ency de
Mackey. 3Ou Mestre Mason

1917 A versão maçônica comunista diz que “o trabalho libertará você”.

1Ou Entrou Aprendiz 2Ou Fellow Craftsman

Trabalho é adoração

DUAS CARAS Fig. 5 – Os maçons veem as boas obras construindo sua mansão
eterna no alto. Neste desenho, o Aprendiz, o Artesão Companheiro e o Mestre
Maçom abraçam bem um trabalho, vendo suas boas obras. Observe o “Olho Que
Tudo Vê” das religiões pagãs no topo da pirâmide.

Ency de Mackey. da Maçonaria

PARA A ALTURA A Visão do Ofício para o Trabalho, Unidade, Fraternidade

6
SEÇÃO 1 Fig. 6 – O “Olho Que Tudo Vê” no oculto tem várias formas. No
final, é o “Olho de Lúcifer”. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1. chaps. 5,10 e 30.

Olho de Osíris egípcio ANKH. ANKH significa OLHO no hinduísmo.

A Fidelity Investments usa a pirâmide e o topo como seu logotipo. “EYE é


entendido.

3º olho no Hinduísmo Olho do Tempo Warner

Avental maçônico de George Washington com o olho que tudo vê pairando


acima de sete estrelas

As três principais redes de notícias usam o olho como seu emblema. A CBS usa
o olho de maneira ostensiva em seu programa “Eye on America”. ABC usa o
sundisco, um símbolo de pagam do olho. A NBC usa o pavão com seus muitos
olhos nas penas da cauda. Selo dos Illuminati, criado em 1º de maio de 1776 por
Adam Weishaupt.

Clairvoyant EYE of Witchcraft 7

DOIS CARAS Fig. 7 – 3Ou Mestre Maçom abaixo assume a posição de Pedra
Fundamental de Jesus Cristo. Perdido Chaves da Maçonaria por 33Ou Manly P.
Hall, p.53, 1976. Observe egípcio ANKH na mão esquerda do Mestre Mason.
ANKH é um símbolo fálico. O reto representa o órgão reprodutor masculino,
enquanto o círculo representa o órgão reprodutor feminino. Na religião hindu,
ANKH também significa “olho”. Esta foto é reproduzida novamente na Seção 1,
Fig. 89, p. 81 para confirmar a conexão Luciferiana da Maçonaria.

O MESTRE MASON “Nesta foto está ocultada a alegoria da Palavra Perdida. O


Mestre Maçom, tendo completado seus trabalhos, torna-se um obreiro num plano
mais alto do que aquele em que o construtor comum tem permissão para
trabalhar. O Mestre Maçom se torna o pedra angular do Tempere Universal “.
Hall, p.50. 8

SEÇÃO 1

“Olho” ou “olhos” no capstone

Em Apocalipse 3:14, Jesus Cristo, falando de Si mesmo à igreja de Laodicéia,


diz: “Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da
criação de Deus …” Em grego, o princípio é soletrado “arche”, significando
chefe (em várias aplicações de ordem, tempo, lugar ou posto): ... canto …
primeiro … magistrado, poder, principado, princípio, regra. “Na planície Inglês,
Cristo está dizendo De Si mesmo que tenho é “o magistrado, o arco, a pedra
angular, o poder que precede a criação, ou o que governa sobre a criação.”
Profecia de Cristo, o penman dos Salmos 118: 22 escreve: “A pedra que os
construtores Recusado é a pedra angular da esquina. “Isaías 28:16 registra as
palavras de Deus ao profeta:” Eis que colocarei em Sião como alicerce uma
pedra, uma pedra provada, uma preciosa pedra angular. Em Matt. 21:42,
referindo-se a si mesmo nas profecias do Antigo Testamento, “Jesus disse-lhes:
Nunca lestes nas escrituras: A pedra que o construtor rejeitou, o mesmo se
tornou a ponta da esquina …?” Com isso em mente, leia novamente a legenda
abaixo da Fig. 7. Lá, a Loja ensina que os Mestres Maçons usurpam a posição
principal de Jesus Cristo. No Dão. 7: 7-8 o profeta escreve: “Depois disto vi nas
visões noturnas, e eis um quarto animal, terrível e terrível, e forte demais; e ele
tinha grandes dentes de ferro: ele devorava e partia em pedaços, e estampava o
resíduo com os pés dele: e era diferente de todas as bestas que existiam antes
dele, e ele tinha chifres. Eu considerei os chifres, e eis que subiu entre eles outro
chifre pequeno, diante de quem havia três os primeiros chifres arrancados pelas
raízes; e eis que neste chifre havia olhos como os olhos do homem, e uma boca
que falava grandes coisas ”. O chifre em aramaico (linguagem na qual Daniel 7
foi escrito) tem vários significados: “um pico (de uma montanha), um raio (de
luz); figo. Poder”. Os olhos no chifre são de fato plurais no texto original,
significando pelo menos “dois olhos”, mas poderiam significar três olhos, como
na Fig. 6, p.7, o “terceiro olho” no hinduísmo. Da mesma forma, na Fig. 7,
vemos aos pés do Mestre Maçom uma vista de canto de uma pedra angular de
quatro lados. Do lado direito, estão dois olhos chorosos de Osíris. Do lado
esquerdo está o “ponto maçônico dentro do círculo”, que tem duplo sentido. É
um “olho” estilizado, assim como um símbolo fálico, representando a união dos
órgãos reprodutores masculinos e femininos. O ankh hindu na mão esquerda do
mestre maçom carrega o mesmo significado, pois ANKH no hinduísmo significa
olho. Daniel viu pelo menos os dois olhos de Osíris no “pico da montanha”. E
como cativo na Babilônia, eu posso ter aprendido que tanto o ANKH quanto o
Ponto dentro do Círculo eram formas ocultas do olho. Nossos fundadores, a
maioria dos quais eram maçons, selecionaram como nosso emblema nacional o
único olho no lado esquerdo da pedra angular, mas rotacionaram
conspicuamente tanto a pirâmide quanto a pedra angular à direita, ocultando
assim os múltiplos olhos vistos pelo profeta (ver atrás de fatura
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_1, Fig. 8, p. 10). A pedra angular que
paira sobre a base significa um projeto inacabado, assim como a pirâmide vista
pelo profeta estava inacabada. 9

DOIS FACES Fig. 8 – Grande Selo dos Estados Unidos da América,


especificamente o Olho Que Tudo Vê sobre a pirâmide, e 13 estrelas na Nuvem
da Glória em forma de estrela de seis pontas, que é uma representação do
Quadrado e Bússola, a blasfêmia símbolo da força sexual. Veja Scarlet and the
Beast, vol. 1; 3 ed. os capítulos 5, 15 e 30. Observe as palavras latinas no Grande
Selo à esquerda: “Annuit Coeptis Novus Ordo Seclorum”. Traduzido significa
“Anunciar o nascimento de uma nova ordem secular”. Secular significa “sem
Deus”. Usando nosso emblema nacional como uma precedência, nossos juízes
da Suprema Corte Maçônica decidiram que a intenção de nossos fundadores era
separar a Igreja do Estado. Você pode ler toda a história horrível em Scarlet and
the Beast, Vol. 1, 3ª ed., Cap. 10

O GRANDE SELO DOS ESTADOS UNIDOS (observe que 13 estrelas estão


posicionadas de modo a formar uma estrela de seis pontas)

A NUVEM DA GLÓRIA

10

SEÇÃO 1 Fig. 9 – O pagam All-Seeing Eye em maio de 1987 cover of Discover


mag. torna-se o Olho Criador, assim usurpando a posição de Jesus Cristo como o
Criador dos Céus e da Terra.

11

DUAS CARAS Figura 10 – A chamada imagem de um olho que tudo vê,


enviado de volta do espaço pelo telescópio Hubble da NASA. National
Geogrophic, abril de 1997.

12

SEÇÃO 1 Figura 11 – Sala de Meditação das Nações Unidas. Para uma


explicação detalhada das religiões representadas no mural, veja Scarlet and the
Beast Vol.1, cap. 5

-------------------------------- 18 pés ---------------- ---------------


----------- 9 pés ----------

Você consegue identificar símbolos de quatro religiões mundiais retratadas neste


mural? O cristianismo é intencionalmente omitido! A resposta é encontrada no
final do capítulo 26 de Scarlet and the Beast.

A sala tem a forma de uma pirâmide inacabada deitada de lado. Far end é um
mural que representa uma pedra angular estilizada com um círculo preto e
branco fora do centro. Círculo representa o olho que tudo vê. Mural representa a
pedra angular. Se você pudesse desenhar quatro linhas do centro do “olho” para
os quatro cantos da parede oposta, visualizaria o capeamento abaixando-se no
topo da pirâmide.

13

DUAS CARAS Fig. 12 – “ramo de oliveira da paz” da maçonaria na terra,


supervisionado pelo olho que tudo vê da providência. Da Ency de Mackey.

Fig. 13 – ramo de oliveira das Nações Unidas de “paz na terra”. Leia em Scarlet
and the Beast, vol. 1, do envolvimento da Maçonaria na fundação da Liga das
Nações e das Nações Unidas com o propósito expresso de trazer “Paz na Terra”
através do governo representativo (democracia).

PAZ na TERRA através da força dos ARMAS

14

SEÇÃO 1 Fig. 14 As Filhas de Jó instalam novos oficiais da Loja de Betel Não.


3, St. Paul, MN. A Honorável Rainha lidera o grupo no hino. Júnior e Irmã
Princesas se ajoelham na forma de uma pirâmide com outros novos oficiais. Ex-
oficiais estande em segundo plano. (As funções maçônicas femininas não podem
se encontrar sem os maçons masculinos presentes. As fêmeas não são permitidas
nas funções maçônicas masculinas). Apêndices Maçônicos – MAG. 10-8-56

321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321
321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321
321 321 321 321 321 321 321 321 321 321 321

Fig. 15 Ordem de DeMolay (filhos de maçons) realiza cerimônia de conversa de


flores em Granite City, IL. O candidato (ao centro) ouve falar sobre a
maternidade, dada pelo maçom masculino. Mães de candidatos, apesar de
membros de auxiliares maçônicas, não podem dar essa “conversa”.

15

DUAS CARAS Fig. 16 – Apêndices Maçônicos – Filhas do Nilo em Omaha,


NE. Auditório cívico saúda a nova Suprema Rainha (no trono). Revista LIFE 10-
8-56.

No palco com a rainha estão as rainhas supremos. Sentados em frente ao palco,


110 Tempere Queens usam coronetas douradas. Eles acabaram de receber a
senha secreta do ano. O homem no altar (centro esquerdo) é o mestre de
perfurações. As filhas foram fundadas pelas esposas de Shriners em 1913, para
adquirir a filosofia de vida. 16

SEÇÃO 1

Fig. 17 As Meninas Arco-Íris instalam oficiais de Washington, Idaho, e a Grande


Assembléia do Alasca em Pasco, na academia de ginástica de Washington. Os
novos oficiais estande em semicírculo.

Apêndices maçônicos – Life magazine, 8 de outubro de 1956 Fig. 18 3Ou


Mason iniciação é dramatizada por Hartford, CT Masons. Trabalhadores de
temperamento estão ajoelhados diante do rei de Tiro, Salomão e Hiram Abif.
(Leia S & B, Vol.1, Ch.1 e (PB.S11.F1-10) para a história por trás dessa
iniciação). A frase intensiva de interrogatório, “Tenho me deu o terceiro grau”,
originou-se dessa brutal iniciação maçônica. 17

DUAS CARAS

OATHS MASONIC POR PRIMEIROS TRÊS GRAUS

Citado no Livro de Ronayne da Maçonaria Primeiro Grau – Aprendiz Entrado


Depois que o Aprendiz Recebido concorda em “nunca esconder e nunca revelar
nenhuma das artes, partes ou pontos secretos dos mistérios ocultos da Maçonaria
Antiga”, tenho o seguinte juramento de sangue: “Todos Eu prometo e juro,
solenemente e sinceramente, com firmeza e firmeza, manter e realizar o mesmo
sem qualquer equívoco, reserva mental ou evasão secreta da mente, ligando-me
com uma pena não menor do que a de cortar a garganta. do outro lado, minha
língua arrancada pelas raízes e enterrada nas areias ásperas da marca de maré
baixa, onde a maré vaza e flui duas vezes em vinte e quatro horas, se eu violar
essa minha solene obrigação de um Aprendiz Aprendiz . Então me ajude, Deus,
e mantenha-me firme no devido desempenho do mesmo. ”Segundo Grau –
Companheiro Ofício Depois de ter prometido nunca revelar segredos maçônicos,
sempre pronto para obedecer a toda autoridade maçônica acima dele, e nunca“
enganar, errar nem defraudar ”. uma loja de Fellow Crafts, ”o iniciado faz o
seguinte juramento de sangue:“ Tudo isso eu prometo e juro com solenidade e
sinceridade com uma firme e firme resolução de manter e executar o mesmo,
sem qualquer equívoco, reserva mental ou evasão secreta da mente Seja como
for, ligando-me sob uma pena não menos do que a de ter o meu peito esquerdo
rasgado, meu coração arrancado e dado como uma presa para as bestas do campo
e as aves do ar eu deveria conscientemente violar esta minha solene obrigação de
Companheiro Maçom, então ajude-me a Deus e mantenha-me firme no devido
desempenho do mesmo. ”Terceiro Grau – Mestre Maçom Depois de prometer
nunca“ enganar, errar nem defraudar uma Loja Mestre Mason ”, e declarar que
tenho “não terá intercurso carnal ilícito com a esposa de um irmão Mestre
Mason, sua mãe, irmã ou filha, conhecendo-os como tal”, o Mestre Maçom faz o
seguinte juramento de sangue: “Tudo isso eu prometo solenemente e
sinceramente e juro com uma firme e firme resolução de manter e executar o
mesmo sem qualquer equívoco, reserva mental ou qualquer evasão secreta da
mente, obrigando-me a uma penalidade não menos que a de ter meu corpo
partido em dois, meus intestinos tomados de lá e queimados a cinzas, e as cinzas
espalhadas aos quatro ventos do céu, que nem rastro ou lembrança poderiam ter
tido de tão vil e perjuro como um infeliz, caso eu violasse conscientemente esta
minha solene obrigação como Mestre Maçom. Então, ajude-me, Deus, e
mantenha-me firme no devido desempenho do mesmo. ”18

SEÇÃO 1 Figura 19 – A iniciação de 3º grau na Maçonaria da Loja Azul é uma


reencenação do interrogatório e execução de Jacques de Molay. É uma iniciação
brutal, da qual vem a frase comum de alguém questionado sobre sua atividade
duvidosa: “Tenho me deu o ‘terceiro grau’” (PB.S11.F10). Abaixo está outra
iniciação maçônica brutal, não a iniciação do Mestre Maçom, mas uma mais
assustadora. É uma iniciação em um clube maçônico auxiliar, que custou a
iniciação comeu sua vida.

Veja a lista de apêndices maçônicos e clubes sociais maçônicos nesta seção,


páginas 20-22, como o Police Fellowcraft Clube, o Pós Office Fellowcraft
Clube, o Fireman’s Fellowcraft Clube, etc. Esses clubes maçônicos são para os
maçons empregados por esses serviços públicos.
19

CLUBES DE DUAS CARAS E MAÇONARIA copiadas textualmente de


ENCICLOPÉDIA REVISTA DE MACKEY DE FREEMASONARIA vol. 3 de
1946, pág. 1190-1191 “A formação da primeira Grande Loja da Maçonaria
Especulativa em 1717 coincidiu com uma multiplicação repentina e quase
explosiva de clubes. Eles eclodiram como uma erupção em toda a Inglaterra. Em
cada vila ou cidade havia pelo menos uma taverna ou A pousada e um ou mais
clubes tinham a certeza de se encontrar nela.Havia um número incrível de
categorias de clubes, de clubes para altos clérigos a extravagâncias mais
extravagantes daqueles excêntricos que na França e na Itália ganhavam para
viajantes o soubriquet de “loucos”. Ingleses “: clubes polticos, clubes cientficos
(a Royal Society era uma), clubes de apostas, clubes de matilha, clubes de tiro,
clubes de msica, caf clubes, discapulos estranhos, clubes para homens gordos,
homens calvos, anes, homens de galinha, bicados homens com um olho só,
clubes de seguros, clubes funerários, clubes masculinos e femininos, clubes que
eram uma espécie de igreja leiga, e clubes para fumantes de ópio, etc., etc …,
todos fundados por maçons. “Quando o primeiro dos novas Lojas da Maçonaria
Especulativa começaram a atrair atenção a população levou-os para uma nova
espécie de clubes. Mais de uma tentativa foi feita para transformar essa
impressão popular em um argumento, mais freqüentemente por historiadores
sociais do que por escritores maçônicos; nunca conseguiu, porque enquanto uma
Loja pode ter sido uma sociedade que bate bem, poucas coisas poderiam ser
menos semelhantes em substância ou propósito do que um clube e uma Loja. A
verdade dessa afirmação é comprovada pelo fato de que, mesmo em cidades com
centenas de Lojas, seus membros formam clubes maçônicos ao lado. “Nota.
Ordens paralelas e maçons têm o mesmo status aos olhos da lei maçônica.
Quando os clubes maçônicos começaram a ser formados no início deste século
[20], seus oficiais e membros tomaram a posição de que, como não eram Lojas,
não eram, propriamente falando, organizações maçônicas, e agiam
independentemente das Lojas e Grandes Lojas, nem os Mestres nem os Grão-
Mestres possuíam qualquer autoridade sobre eles, e no começo a maioria dos
Grão-Mestres concordou com essa opinião. com eles, os Grão-Mestres e
Grandes Lojas começaram a sustentar que enquanto um oficial Maçônico não
pode supervisionar um clube como tal, uma Loja ou uma Grande Loja pode
disciplinar os membros do clube em sua capacidade como Maçons. Um Grande
Mestre de Maçons em Iowa notificou os membros de uma Ordem Secundária
que, se eles tivessem um carnaval de rua como planejado, ordenaria que fossem
julgados por conduta um-maçônica: um ou dois anos depois, um Grão-Mestre de
Maçons em Michigan seguiu um similar. Claro, com outro Side Order por causa
dos cartazes indecentes com os quais estava anunciando um circo indoor.
Grandes Lojas sustentam essa leitura da questão; se um homem é culpado de
conduta imprópria a um maçom, está sujeito à disciplina sem levar em conta
onde tenho sido culpado. “20

SEÇÃO 1 Clubes maçônicos e apêndices fundados pelos maçons com o


propósito expresso de criar uma fonte para recrutar futuros maçons. Kiwanis
International Jackson A. Raney (?). Presidente da Kiwanis International em
1955. Membro do Versailles Lodge Não. 7 (Indiana) e oficial da AASR. Lions
Clube Internacional 32Ou R. Ray Keaton (?). Diretor-Geral do Lions Clube
Internacional e editor do The Lion desde 1950. Membro do Phoenix Lodge Não.
275, Weatherford, TX, recebendo graus em 9 de junho e 23 de dezembro de
1937 e Out. 27, 1939. Cavaleiros Temperar e Shriner. 33Ou Monroe L. Nute (?).
Presidente do Lions Clube International em 1954. Membro do Kennett Lodge
Não. 475, Kennett Square, PA. 33Ou AASR (NJ) in Delaware Consistory.
Apêndices maçônicos fundados pelos maçons de 10.000 maçons famosos, Vols.
1-4, por 33Ou Denslow Federação Americana do Trabalho Legião Americana
Escoteiros da América B’nai B’rith Irmandade da Locomotiva Bombeiros e
Engenheiros Irmandade dos Treinadores da Ferrovia Elk’s Lodge Quartel dos
Bombeiros Associação do Clube Foreman da América Ordem Fraternal da
Polícia Kiwanis International Knights of Trabalho – precursor dos sindicatos
Ordem Leal dos Moisés e Mooseheart Nobre Ordem dos Cavaleiros do Trabalho
Ordem dos Condutores Ferroviários e Bramadores Polícia Fellowcraft Clube Pós
Escritório Fellowcraft Clube Rotary International Comissão Sanitária de
Patrulhamento Escolar – precursora da Rede Cruz Fraternidade Unida dos
Carpinteiros e Marceneiros Unidos Mine Workers of America 21

DUAS CARAS Fig. 20 – Os maçons que fundaram ou eram os líderes dos


clubes maçônicos. De 10.000 maçons famosos, por 33Ou William R. Denslow.
Franco-maçom Rodney H. Brandon (1881-?) Organizador da Ordem Leal dos
Alces em 1906, e um de seus oficiais até 1929. Em 1913, Brandon supervisionou
a construção de Mooseheart e fundou Moosehaven, FL em 1922. Tenho era
maçom. 33Ou James J. Davis (1873-1947) Fundador do Mooseheart Home and
School. Presidente dos governadores de Mooseheart, bem como Home for Old
Folk, Moosehaven, Flórida. Membro do Quincy Lodge Não. 23, Elwood, Ind.
Recebido 32Ou em Albert Pike Consistório Não. 1, Washington, DC, em 15 de
dezembro de 1925. Recebido em Ouru em 19 de setembro de 1929. Também
membro de Tall Cedars of Lebanon e Syria Shrine Tempere of Pittsburgh, PA.
Maçom Malcolm R. Giles (1894-1953) Secretário Supremo, Ordem Leal de
Alce, 1925-49. Diretor Geral de 1949-1953. Afiliado com Jerusalem Tempere
Lodge Não. 90, Aurora IL. 13Ou Robert C. Fletcher (1869-?) York Rite Mason
Um dos fundadores do Rotary International em 1905. Membro do LaGrange
Lodge Não. 770 em LaGrange, IL. Gravador da Trindade Commandery Não. 80,
Cavaleiros Temperar de LaGrange (York Rite Masonry).

Mason Ou. Sam Cummings (1893-?) Organizador da Kiwanis, Internacional.


Proprietário de Ou. Sam Cummings Ins. Agência e agente estadual do Kansas
City Life Ins. Co. no Texas. Tenho é reconhecido internacionalmente pelo
desenvolvimento da organização Kiwanis na Ou.S. e no Canadá. Tenho foi o
primeiro secretário executivo internacional dos Kiwanis Clubs dos Ou.S. e
Canadá de 1918 a 1921 e presidente internacional em 1928. Tenho era maçom.
22

SEÇÃO 1 Figura 21 – Fraternidades católicas para combater as fraternidades


maçônicas.

Cavaleiros de Colombo

A Igreja Católica há muito denuncia a participação em sociedades secretas.


Portanto, para impedir que seus paroquianos fossem tentados a se juntar à
Maçonaria, fundou os Cavaleiros de Colombo em 1882, pois é contra a Loja.
Fonte: Compton’s Encyclopedia, uma divisão da Ency. Britannica

Ordem Internacional da Alhambra

Outra sociedade benevolente católica, a Ordem Internacional da Alhambra, foi


fundada em 1904 para combater os Shriners. Fonte: Compton’s Encyclopedia,
divisão da Encyclopaedia Britannica.

23

DUAS CARAS Fig. 22 – Existem duas jurisdições da Maçonaria do Rito


Escocês na América do Sul e do Norte. A Jurisdição do Sul é francesa e a
Jurisdição do Norte é britânica. Em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição
(Introdução e Cap. 15), você aprenderá por que a Jurisdição do Norte foi
fundada em sigilo em oposição à Jurisdição do Sul, e por que eles permanecem
em oposição a este dia. Revista LIFE 10-8-56.
33Ou George E. Bushnell (1887-?) Ex-juiz da Suprema Corte de Michigan. Em
1956 era o soberano soberano da Suprema Jurisdição do Norte (NJ) da
Maçonaria do Rito Escocês.

Lutero A. Smith (1887-?) Iniciou-se em advocacia em Hattiesburg, MS.


Nomeado juiz do tribunal de chancelaria em 1953. Tornou-se Soberano Grande
Comandante do Conselho Supremo, 33Ou Rito Escocês, Jurisdição do Sul (SJ)
de Out. 21, 1955.

24

SEÇÃO 1 Figura 23 – A Maçonaria é uma instituição cristã? Revista LIFE 10-8-


56.

Marchando para a Igreja Lexington, os KY Masons, todos com seus aventais,


deixam seu temperamento maçônico (fundo, construindo com campanário).
Anualmente, o Lodge vai para a igreja juntos.

Ao serviço da igreja metodista, os maçons cantam hinos. O ministro da igreja


está estudando para ser um maçom. Todos os anos, o Lodge atende a serviços em
uma igreja diferente.

25

DUAS CARAS Figos. 24-25 – Rose Croix mesa em forma de cruz. Os maçons
lutam com o papa.

Revista LIFE 10-8-56 A FESTA DO PASCHAL LAMB é celebrada pelo Aurora


Grata do Brooklyn, de Rose Croix, cujos membros são 18Ou Scottish Rite
Masons. O ritual é observado todos os anos na Quinta-feira Santa. Os 13 maçons
vestindo roube escuro e sentados na mesa em forma de cruz representam os
participantes da Última Ceia. A cerimônia, combinando a Páscoa judaica e a
observância cristã, dura de uma hora e meia, inclui música, oração e recitações.
Termina com velas sendo colocadas uma a uma. LUTA COM A IGREJA é
satirizada pela charge de 1884 na revista Puck mostrando uma discussão entre o
Papa (esquerda) e os maçons. 26

SEÇÃO 1 Figura 26 – Versão King James da Bíblia Maçônica no Altar do


Sacrifício. Os maçons preferem a KJV porque o rei James I era um maçom
escocês de temperamento.
Espadas cruzadas em uma Bíblia indicam que o Conselho Supremo do Rito
Escocês está em sessão.

Revista LIFE 10-8-56

A Maçonaria afirma que as espadas cruzadas na Bíblia representam sua proteção


da Santa Palavra de Deus. No entanto, documentamos uma e outra vez em
Scarlet e a Besta que a Maçonaria planeja destruir o cristianismo. Primeiro, por
infiltração. Se isso falhar, pela separação entre igreja e estado. Se isso falhar, por
perseguição implacável. Você testemunhará todos os três em Scarlet e a Besta.
27

DOIS CARAS Fig. 27 – A Maçonaria é uma instituição muçulmana? A antiga


Ordem Árabe de Nobres do Santuário Místico (os Shriners) é o teatro da
Maçonaria. Os maçons que se juntam ao Santuário são obrigados a fazer seus
votos na fé de um muçulmano. A incrível verdade é que muitos dos chamados
ministros cristãos, que se juntaram à Maçonaria, também se juntaram ao
Santuário e fizeram o juramento do Santuário na próxima página. Apêndices
Maçônicos LIFE mag. 10-8-56

Shriners – o teatro da Maçonaria

28

SEÇÃO 1

O juramento de Shriner ao deus Muçulmano Alá: “... no meu desejo voluntário,


livre de influências e de livre acordo, assuma, sem reserva, as Obrigações da
Nobreza do Santuário Místico, como fez o eleito do Tempere de Meca, o
Muçulmano e Maometano, por meio da Bíblia, e da misteriosa lenda do Alcorão,
e sua dedicação à fé maometana, prometem e juram e prometem a fé e honra de
um homem reto, venham a bem ou a mal, adversidade ou sucesso, que eu nunca
revelarei qualquer parte ou porção secreta das cerimônias que eu já tenha
recebido … “Este é um longo juramento, que também carrega uma penalidade
horrível:” Em uma violação intencional da qual posso incorrer a terrível
penalidade de ter meus globos oculares perfurados no centro com uma lâmina de
três gumes, meus pés esfolados e eu fui forçado a andar nas areias quentes da
costa estéril da Rede Seja até que o sol flamejante me atingisse com uma peste
lívida, e que Allah pudesse , o deus do árabe, muçulmano e maometano, th e
deus de nossos pais, apóiem-me todo o cumprimento do mesmo. Amem. Amem.
Amem. ”Escreve E. M. Storms, autor de Should a Christian bê a Mason ?,
(1980), no qual são publicados os juramentos acima:“ O cristão pode declarar
que Maomé é o ‘deus de nossos pais?’ Eu deveria ter chamado Allah, deus do
muçulmano perdido? “Em uma época na história de nossa nação, em maio de
1833 [durante o auge do Movimento Antimaçônico], mil e quatrocentos
cidadãos pediram ao Congresso dos Estados Unidos que proibisse, por lei, os
juramentos maçônicos. O comitê da Câmara dos Representantes recomendava
que os juramentos fossem legalmente proibidos com base no fato de que eles não
estavam legalmente autorizados; eles obrigam uma pessoa a violar a lei; eles
eram subversivos e blasfemos; suas penalidades eram proibidas pela
Constituição de Ou.S. ” (Mais sobre Movimento Anti-Maçônico na Seção 4).

29

DUAS CARAS 1876 Fundadores da Antiga Ordem Árabe dos Nobres do


Santuário Místico 13Ou Walter M. Fleming (1838-1913) – Um dos três
fundadores da Antiga Ordem Árabe dos Nobres do Santuário Místico (6 de
junho de 1876 ), e seu primeiro potentado imperial, servindo por 12 anos.
Nascido em Portland, Maine. Ocupação: médico. Criada (3Ou) em Rochester
Lodge Não. 660 (Fev. 13, 1869) e afiliada ao New York Lodge Não. 330 (3 de
dezembro de 1872). Tornou-se membro da Columbian York Rite Commandery
Não. 1, K.T. em Nova York (2 de dezembro de 1871), e foi seu comandante
(1873-77). 33Ou William Jermyn Florence (1831-1891) – Nome artístico de
Bernard Conlin, um ator americano que é reconhecido como um dos três
fundadores da Ordem Antiga e Árabe, Nobres do Santuário Místico. Florença se
destacou na representação de dialeto. Durante uma de suas viagens ao exterior
no Norte da África, concebi a criação do Santuário e, em seu retorno, transmiti a
cria ao seu amigo, Dr. Walter M. Fleming. Juntos, eles fundaram a organização
em Nova York (6 de junho de 1876), com Fleming como primeiro potentado de
Meca Tempere. Florença recebeu todos os três graus de Loja Azul por
dispensação especial no Monte. Moriah Lodge Não. 155, Filadélfia, PA (Out. 12,
1853), e juntou-se à loja (22 de novembro) naquele mesmo ano. Tornou-se
membro do Zerubbabel Chapter Não. 162, R.A.m. (12 de junho de 1854) e de
Pittsburgh Commandery Não. 1, K.T. (13 de junho de 1854) Tenho foi um 33Ou
AASR (NJ). Enterrado em um cemitério protestante com ritos católicos, o último
sendo organizado por sua esposa. 32Ou Albert Rawson (1828-1902). Artista,
autor, erudito e um dos três fundadores da Antiga Ordem Árabe dos Nobres do
Santuário Místico. Recebido D.D. e LL.D. no Christ College, Oxford, Inglaterra.
M.D. Recebido da Sorbonne, Paris. Estudou direito sob William H. Seward, um
maçom. Estudou medicina com o Prof. Webster da Massachusetts Medical
College e teologia sob o Élder Graves. Tenho fez várias visitas ao Oriente, e em
uma peregrinação do Cairo a Meca com a caravana anual, disfarçou-o elf como
estudante de medicina muçulmana. Tenho foi adotado como um “irmão” por
Adwan Bedouins de Moab. Tenho foi iniciado pelos drusos no Monte. Líbano.
Tenho foi um dos três fundadores do Santuário, e um dos quatro fundadores da
Sociedade Teosófica na Ou.S.A. Tenho escreveu rituais para muitas sociedades
secretas. Foi “Geral para a Vida” na Sociedade da Rosa Cruz. Foi um pedreiro
do rito escocês 32Ou antigo e aceito (AASR); e recebeu os 95 graus do Rito
Egípcio de Memphis. 30

SEÇÃO 1 Mais Eminente Grão-Mestre do Grande Acampamento dos Cavaleiros


Temperar Geral Grão Mestre do Arco Real

Figura 28 Grand Masters 1956 da York Rite

Revista LIFE 10-8-56

Lista parcial de apêndices maçônicos usados ​​pela Maçonaria para recrutar e


moldar futuros maçons e promover o ecumenismo

Fraternidade de Acácia: Relações de cimentos na faculdade. Apenas para


homens protestantes recomendados por dois Mestres Maçons. Loyal Orange
Institution dos Estados Unidos da América, Inc .: Mantém o Protestantismo.
Ecumênico, significando qualquer protestante americano. Anti-católico. Ordem
DeMolay: Homens de 14 a 21 anos de idade. Desenvolve caráter, ensina
cidadania e amor aos pais. Filhos de maçons e amigos masculinos dos filhos,
Ordem do Amaranto: Promove instituições de caridade maçônicas. Desenvolve
futuro pool de doners. Parentes femininos dos Mestres Maçons. Ordem dos
Construtores: Ecumênica. Ensina a compreensão religiosa e democrática.
Machos 13-21. Laodiceana Ordem da Constelação de Estrelas Júnior: Ensina a
religião interdenominacional a filhos de maçons, que por sua vez promovem o
mesmo em suas igrejas. 31

DUAS CARAS Fig. 29 – A Maçonaria é uma instituição judaica? Arca da


adoração do Covenant. Apocalipse 2: 9 identifica os perseguidores da Igreja.
Cristo diz: “Conheço a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não são, mas são a
sinagoga de Satanás. Não temais nada daquilo que sofrerás.” Revista LIFE 10-8-
56
Ency de Mackey. da Maçonaria confirma Apocalipse 2: 9: “Cada Loja é e deve
ser um símbolo do Tempere Judaico: cada Mestre na cadeira representando o Rei
Judaico; e todo maçom é uma personificação do Trabalhador Judeu.”

A dedicação do Tempere de Salomão é reencenada por Maçons do Arco Real do


Brooklyn (RMI), Capítulo 138 do Oriente. O Ritual faz parte de uma cerimônia
que premia o Mestrado Mais Excelente para possíveis maçons do Arco Real. O
Sumo Sacerdote dos Judeus (centro) se ajoelha diante da Arca da Aliança,
decorada com querubins, ladeada por membros das tribos judaicas. O rei
Salomão está diante da Bíblia (fundo) rodeado de príncipes, operários e
atendentes da corte. Veja Escarlate e a Besta; Vol. 1, Chaps. 1, 7, 9; & Vol. 2
inteiros. 32

SEÇÃO 1 Fig. 30 – De Mackey’s Revised Encyclopedia of Freemasonry, vol. 2


“... os que dizem que são judeus e não são …” Apocalipse 2: 9

Simbolismo Maçônico, a Linguagem Privada do Ofício

Tabernáculo no Deserto, Arca da Aliança e os Querubins (sic)

Móveis do Lodge CAPTION & PICTURES de Mackey, vol. 2, voltado para p.


1050,33

DOIS CARAS Fig. 31 – Começando o primeiro milênio, os Mistérios


Eleusianos da Grécia Antiga, dos quais a Maçonaria foi padronizada, iniciaram
seu candidato para se tornar um judeu. As cenas e personagens do drama
misterioso, como encontrado nas Orgias Eleusinianas da Grécia, são:

Graus Menores

1Ou 2Ou 3Ou 4Ou 5Ou 6Ou – - – - – - Eleusis: O Advento, ou a chegada da luz
Hierofante: O Expositor dos Mistérios Hupereet: O Ministro Diaconos: O
Diácono Diadochos: O Portador da Tocha Fotagogo: O Portador de Leve

Período de espera de seis meses

Graus maiores

7Ou – Autoptos: Tempere-goer 8Ou – Autópsia: Vidente de Luz 9Ou –


Hebraico: O Concluído 10Ou – Teleios: O Adepto, ou Aperfeiçoado 11Ou –
Vidente de Deus, purificado de toda astúcia 12Ou – Judeu: Candidato se torna
seu próprio Deus

“... os que dizem que são judeus, e não são …” Apocalipse 2: 9 O acima da
Theocrasy oculta de Edith Starr Miller, publicado pela primeira vez em 1933;
segunda impressão 1968; terceira impressão de 1976, pelo Christian Book Clube
da América, Hawthorne CA 90250.

A Enciclopédia da Maçonaria de Mackey afirma: “Os Mistérios Eleusinos


exerceram poderosa influência sobre as sociedades secretas da Idade Média,
como as Ordens Rosacruzes e as Noites de Temperar, das quais veio a Maçonaria
moderna. A Maçonaria faz uso dos Mistérios Eleusianos, especificamente na
cerimônia de iniciação do 3Ou Master Mason “.

34

SEÇÃO 1 Figura 32 – A Maçonaria é uma ordem satanista? Exibe símbolos


satânicos como esta banda de rock? Banda de rock dos anos 1980 Motley Crue
promo shot. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, cap. 6, “Música e Revolução”.

Nikki Sixx em pé embaixo da bandeira, que contém o logo da banda – circule


em torno de um pentagrama invertido. Essa versão da estrela de cinco pontas
invertida é um símbolo de Satanás, conhecido como Baphomet, ou Bode de
Mendes, o deus da luxúria. Mais especificamente, a estrela invertida representa a
força sexual masculina, enquanto o círculo representa a força sexual feminina.

35

DUAS CARAS Fig. 33 – Legado do Pentagrama continuado.

O tenente-coronel Michael Aquino e sua esposa, Lilith, posando sob o


pentagrama invertido. Aquino é o sumo sacerdote de Set (Satanás). Até hoje,
este símbolo permanece no castelo de Wewelsburg, colocado ali pelo líder da SS
Nazista Heinrich Himmler.

Anton Szandor LaVey

Ex-chefe da Igreja de Satanás, baseada na Califórnia, e autor da Bíblia Satânica.


LaVey está usando um colar pentagrama de cabeça para baixo com um raio
Nazista em forma de “S” no centro. Um raio de iluminação é um símbolo de
Satanás, assim como a estrela de cabeça para baixo, também conhecida como
“Baphomet”, a “Cabra de Mendes”. Veja Scarlet e Besta, vol. 1, 3rd ed.,
Capítulos 16 e 25. Em Lucas 10:18, Jesus Cristo disse: “Eu vi Satanás como um
relâmpago cair do céu.”

36

SEÇÃO 1 Fig. 34

Certificado de Conclusão da Iniciação no Satanismo de LaVey. Do livro,


Tempere of Doom, Mormonism, 37

DUAS CARAS Fig. 35 – Anton LaVey é autor de The Satanic Bible.

38

SEÇÃO 1 Fig. 36 – Um ritual antigo na Igreja de Satanás (1966). Veja Scarlet


and the Beast, vol. 1, 3ª edição, capítulos 16 e 25

O objeto fálico na mão da mulher à direita é um aspergillum ou sprinkler de água


benta. O homem que segurava a caveira, Forrest Satterfield, foi o primeiro
homem a ser casado pela Igreja de Satã em 1966 – muito antes do casamento
satânico de Judith Case e John Raymond.

39

DUAS CARAS Fig. 37 – Jane Mansfield era um membro da Igreja de Satanás.

Jane Mansfield (1933-1967)

Filme atriz, nascido Lado Jayne Palmer em Bryn Mawr, PA. Um ano antes de
sua morte trágica em um acidente automobilístico, Mansfield foi iniciada na
Igreja de Satã em sua casa no Palácio Rosa em Hollywood. O crânio e o cálice
acima eram de propriedade de Jayne e usados ​​por ela nos rituais satânicos que
praticava regularmente durante o ano que precedeu sua trágica morte.

40

SEÇÃO 1 Fig. 38 – Cineasta underground, autor de Hollywood Babylon,


discípulo de Crowley, e com Anton Szandor LaVey, membro fundador da Igreja
de Satanás. Veja Scarlet and the Beast, vol. 3, capítulo 7.

Kenneth Anger Durante a década de 1980, não só as estrelas do rock eram


fascinadas pelos símbolos maçônicos em suas capas de discos, a doutrina
maçônica cantada em suas letras, e as cerimônias de iniciação maçônicas
encenadas em suas encenações, muitas eram elas próprias maçons. Por exemplo,
Jimmy Page, guitarrista do Led Zeppelin, no início dos anos 70, foi iniciado na
ordem maçônica inglesa chamada Ordem Hermética da Golden Dawn pelo
maçom Kenneth Anger. A raiva era o discípulo de Crowley. Crowley, até sua
morte em 1947, foi Grão-Mestre tanto da Golden Dawn quanto da Ou.T.Ou.

Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, cap. 16 e vol. 3, cap. 7. 41

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Fig. 39 O sumo sacerdote da Igreja de Satã, Anton LaVey (?) Na companhia do


antigo seguidor, Sammy Davis, Jr. (1925-1990)

DUAS CARAS Fig. 40 – Martin Lamers (?), Sumo Sacerdote da Igreja de Satã
em Amsterdã, Holanda, mostrando o satânico “sinal dos chifres”.

Fig. 41 – Robert DeGrimston (?), Fundador de The Process Church of the Final
Judgement. Esta foto foi tirada depois que DeGrimston decidiu que eu era Jesus,
como pode ser visto pela semelhança cuidadosamente cultivada. Veja Process
Church in Scarlet e a Besta, vol. 1, 3a edição, cap. 17

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

42

SEÇÃO 1 Fig. 42 – 1988 de álbuns de heavy metal rock apresentando temas


satânicos por MOTLEY CRE. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3rd ed,
rachaduras. 6 e 16.

Fig. 43 Richard Ramirez (?)

Assassino “Night Stalker” na Califórnia. Responsável por 16 assassinatos rituais.


Capturado em 2 de setembro de 1985. Depois de sua acusação por homicídio,
como sou guiado da sala do tribunal, eu levantei a mão para mostrar um
pentagrama satânico que eu havia desenhado e gritei: “Ave Satanás!” (Veja
Scarlet and the Beast, Volume 1, 3a edição, capítulo 16). 43

DUAS CARAS Fig. 44 – A Maçonaria é uma instituição satânica? A Maçonaria


exibe os mesmos símbolos da Igreja de Satanás. A estrela de cabeça para baixo é
chamada Baphomet, um símbolo oculto de Satanás. É também o símbolo da
Estrela do Oriente – alojamento para esposas de maçons. Na feitiçaria, o
pentagrama invertido tem um único uso – para invocar o poder de Satanás! Veja
S & B, V1, cap. 15 e 19.

Símbolo BAPHOMET de Satanás

BAPHOMET É CONHECIDO COMO A CABRA HERMAPHRODITICA DE


MENDES A CABRA DE MENDES É O “DEUS DA LUSTURA”

Marcos de

BAPHOMET

GRANDE COMANDANTE PADRÃO SOBERANO DE MAÇONARIA E


MEMBRO DE LUCIFER TRUST 33 ° HENRY C. CLAUSEN 1905-1993 Na
tampa para a esquerda está a “marca” vertical

BAPHOMET

BAPHOMET

PONTETO SOBERANO DA FREEMASONIA UNIVERSAL 33Ou GENE.


ALBERT PIKE 1809-1891

Logo abaixo está o símbolo do Baphomet em papel timbrado de 1991 do


Soberano Grande Comandante, C. Fred Kleinknecht, chefe da Maçonaria SJ.

44

SEÇÃO 1 Fig. 45 – Deus da Bíblia Sagrada sempre protegeu uma nação justa.
Quando Israel compartilhou sua paciência com deuses pagãos, Deus os enviou
ao cativeiro.

A Loja Maçônica encontra-se nesta igreja!


Parte superior esquerda: símbolo da Ordem da Estrela do Oriente, a loja para
esposas de maçons. O símbolo da Estrela do Oriente é Baphomet – símbolo de
Satanás (veja Fig. 14, 16-17, 32-44, 49) Superior direito: Símbolo fálico
Quadrado e Bússola da Maçonaria (veja as Figuras 70-78)

“... o injusto não sabe vergonha.”

Sofonias 3: 4-5 – “Seus profetas são leves e traiçoeiros: os seus sacerdotes


contaminaram o santuário, violaram a lei. O justo Senhor está no meio dela; não
farás iniqüidade; traz o seu juízo à luz, não falha, mas o injusto não sabe
vergonha. Veja o Apêndice 16 em S & B, Vol. 1, 3ª ed. 45

DUAS CARAS Fig. 46 – Obelisco, também chamado de “Ashtoreth Pole”, que


data de mais de 1000 a.C., é o órgão reprodutor não circunscrito de Baal.
Ashtoreth, amante de Baal, era uma antiga deusa semita identificada com a
fenícia Astarte.

46

SECÇÃO 1 Figs. 47 e 48 – Point Within the Circle e o Washington Monument


são duas formas do ANKH (EYE). Ambos são símbolos fálicos. O Ponto
representa o órgão reprodutor masculino e o Círculo representa o órgão
reprodutivo feminino. Veja S & B, vol. 1, capas. 4, 10, 30.

Ponto dentro do círculo e do Monumento a Washington

O Monumento a Washington é projetado para representar o Ponto dentro do


Círculo. Na base do monumento é uma unidade circular. Se fosse possível ver o
Monumento a partir de um avião diretamente acima, o monumento dentro da
unidade circular seria idêntico ao ponto dentro do círculo. (Veja a figura 49 nesta
seção). O maçom Robert Mills (1781-1855) da Carolina do Sul foi o arquiteto
chamado a Washington, DC em 1830 para projetar vários edifícios, um dos quais
era o Monumento de Washington. (10.000 maçons famosos por 33Ou William
Denslow). A Dra. Cathy Burns, em Maçonaria e Símbolos Ocultos Ilustrados,
cita uma ex-bruxa: “O obelisco é um longo eixo de quatro lados, cuja porção
mais alta forma uma pirâmide. A palavra ‘obelisco’ significa literalmente ‘Baal’s
Shaft’ ou Órgão de reprodução de Baal “. Mais especificamente, a pirâmide no
topo representa o órgão reprodutor incircunciso de Baal, como reconhecido pelo
pagão Ashtoreth Pole (Figs. 46-47), ao qual Deus proibiu os judeus de se
prostrarem e adorarem. 47

DUAS CARAS Fig. 49 – “Uma peça curiosa do quebra-cabeça da conspiração


maçônica na fundação da América é o layout atual da rua para nossa capital,
Washington. Na verdade, é tanto a audácia da coisa quanto a natureza
conspiratória dela. Você veja, a cidade foi disposta na forma de símbolos
maçônicos chave, a praça, a bússola, a regra e o pentagrama “. Maçonaria: A
Porta de Satanás para a América ?, de J. Edward Decker. (veja PB.S1.F32-45 e
69-78).

“m r nu e ci Mo in th gt i in int w h como po w lic” a ph

“Pegue qualquer bom mapa de ruas do centro de Washington, DC e encontre o


Capitólio. De frente para o Capitólio e usando o Capitólio como a cabeça ou o
topo da Bússola, a perna esquerda é representada pela Avenida Pensilvânia e
pela perna direita. Maryland Ave. A Praça é encontrada na posição maçônica
usual com a interseção de Canal St. e Louisiana Ave. A perna esquerda da
Bússola fica na Casa Branca e a perna direita fica no Jefferson Memorial. atrás
de 48

SEÇÃO 1 O Capitólio forma a cabeça e os ouvidos do que os satanistas chamam


de Cabra De Mendes, ou Cabeça de Cabra. “No topo da Casa Branca há uma
estrela invertida de cinco pontas, ou Pentagrama. O ponto é voltado para o Sul
de uma forma oculta verdadeira. Ela fica entre as interseções das avenidas
Connecticut e Vermont ao norte até Dupont e Logan Circles, com Rhode Island e
Massachusetts. a Washinton Circle a oeste e a Mt. Vernon Square a leste. “O
centro do Pentagrama é a 16th St., onde, a treze quarteirões ao norte do centro da
Casa Branca, a Casa Maçônica do Tempere fica no topo. deste iceberg oculto. “O
Monumento a Washington está em linha perfeita com o ponto de intersecção da
forma da praça maçônica, que se estende da Casa do Tempere ao edifício do
Capitólio. Dentro da Hypotenuse daquele triangle direito sentam-se muitos dos
edifícios da sede para os mais poderosos departamentos do governo, como o
Departamento de Justiça dos EUA. Senado e a Receita Federal. “Todos os
principais prédios federais da Casa Branca ao prédio do Capitólio tinham uma
pedra fundamental colocada em um ritual maçônico e tinham uma parafernália
maçônica específica em cada um deles.” As pedras angulares de todos esses
prédios foram colocadas no ritual maçônico, dedicado ao demoníaco. deus da
Maçonaria, Jao-Bul-On. Esse é o nome secreto do deus maçônico, a “Palavra
Perdida” no rito do grau do Royal Arch. ‘JAO’ é o nome grego para o deus dos
gnósticos, Laidabaoth ou Lao. ‘BUL’ é uma tradução do nome, Ba’a o e ‘ON’ é o
nome babilônico de Osíris. “O Monumento a Washington na verdade representa
o Princípio Falático sobre o qual a Maçonaria Especulativa está baseada. De
cima, o monumento e sua movimentação circular formam o esotérico” Ponto
Maçônico dentro de um Círculo “. O Reflecting Pool tem sua imagem
sombreada, com a ilusão duplicada no Memorial Lincoln. “Estranho? Não se
você entender os princípios ocultos envolvidos. O respeitado autor e autoridade
maçônica, Albert Mackey declara no Ritualista Maçônico de Mackey (pg. 62-
63): ‘O ponto dentro de um círculo é um símbolo interessante e importante na
Maçonaria … O símbolo é uma alusão bela, mas um tanto obscura. ..un-
adoração e nos introduz pela primeira vez a essa modificação do que é
conhecido entre os antigos como o Falo. O falo era uma imitação do órgão
genital masculino. Era representado geralmente por uma coluna, rodeada por um
círculo na sua base, destinado ao cteis, ou órgão generativo feminino. Essa união
do Falo e dos cteis, que é bem representada pelo ponto dentro do círculo, era
pretendida pelos antigos como um tipo dos poderes prolíficos da natureza, que
eles adoravam sob a forma unida do princípio masculino ou masculino e o
princípio passivo ou feminino. ’”

DUAS CARAS Fig. 50 – Encontrado na Escócia (canto superior direito) está o


Cavaleiro Temperar espalhado em cruz com padrão octogonal ao redor da cruz.
O octógono é um símbolo fálico.

Mapa da cidade de Washington, DC, 1792, incorporando modificações


introduzidas por Washington e Jefferson. De particular importância são os
padrões octogonais dos Cavaleiros Temperários centrados na Casa Branca e no
Edifício Capital, que carregam um significado apocalíptico profético, ainda que
sinistro, discutido em Scarlet and the Beast, vol. 1, cap. 30. Inset é uma cruz de
Temperar com um padrão octogonal encontrado em Garway, Herefordshire,
perto da fronteira galesa. A Figura 51 é outra versão do mesmo. 50

SEÇÃO 1 Fig. 51 – Jóia do 33º grau. Seu significado é o mesmo que todas as
religiões orientais. Veja as próximas 5 páginas, Figs. 52-60. Veja também Scarlet
and the Beast, vol. 1, 3a edição; capítulos 6, 10, 18, 19, 24, 25, 28, 30.

A cruz atrás da Jóia é outra forma da cruz de Temperar espalhada. Três


triângulos entrelaçados representam três planos de criação oculta em todas as
religiões pagãs – Céu, Terra e Inferno (ver Figs. 52-60). Serpente mordendo sua
própria cauda é um símbolo do deus oculto (zero), que é a religião serpente da
evolução (reencarnação nas religiões orientais). As palavras latinas no círculo
traduzem “Ordem fora do caos”, representando a “confusão de línguas”
científica em Babilônia por Deus Todo-Poderoso, e o plano da maçonaria para
ressuscitar o sistema babilônico para “ordem científica”. Espadas cruzadas
também têm um duplo significado. Primeiro, a estendam mão da comunhão em
um ponto representa um retorno pacífico à religião babilônica. A ponta afiada da
segunda espada representa os meios militares pelos quais o sistema babilônico
será restaurado, caso os meios pacíficos fracassem. A águia de duas cabeças no
centro, a leste e a oeste, representa o reavivamento maçônico universal no
Ocidente da antiga democracia romana no Oriente. 51

DUAS FACES Figura 52-60 – As religiões orientais, das quais a Maçonaria é


padronizada, têm 33 graus ou degraus para alcançar o céu. Na doutrina da
reencarnação, o indivíduo está estacionado em algum lugar no céu, na terra ou
no inferno. Quando eu morrer e renascer (assim diz a doutrina), tenho ou
avançarei em graus ou regredirei, dependendo de suas boas obras. No livro
Father of Envolva, Warren Weston ilustra como a Maçonaria é padronizada após
as falsas religiões, religiões essas que são condenadas pelo Deus da Bíblia.

Fig. 52

TRIPLO HENDEKAGLYPH Fig. 53

BRAHMINISMO – (Os Três Mundos) 52

SEÇÃO 1 Fig. 54

BRAHMINISMO – (Termos ingleses)

Fig. 55

TEÓGIA EGÍPCIA 53

ASSYRIAN E TEOGÔNIA BABILÔNIA

DUAS FACES Fig. 56

ZOROASTRIANISMO
Fig. 57

ZOROASTRIANISMO – (Termos ingleses) 54

SEÇÃO 1 Fig. 58

A KABBALAH – Triplo Hendhendekaglyph

Fig. 59

THE KABBALAH – (Termos em Inglês) 55

DUAS CARAS Fig. 60

Fig. 61. A estrela de seis pontas representa o balanço do bem e do mal. Da


mesma forma, o yin e o yang chineses e a suástica hindu direita e esquerda. Veja
hexagrama, suástica, em índice de Escarlate e a Besta, vol. 1, 3a ed. Swastika
girando no sentido horário representa o feminino e o mal

Preto representa feminino e mal

Yin & Yang White representa macho e boa

O Yin & Yang é também o símbolo fálico dos homossexuais (69).

O RITO ESCOCÊS – Nomes de Graus O triângulo vertical representa o


masculino e o bom. O triângulo de cabeça para baixo representa o feminino e o
mal. 56

Nazistas usou a versão acima da suástica

A suástica girando no sentido horário representa macho e boa

SEÇÃO 1 Fig. 62 – Terça-feira, 10 de dezembro de 1946

Quarta-feira, 9 de julho de 1947


Segunda-feira, 1º de setembro de 1947

Segunda-feira, 28 de setembro de 1947

57

DOIS CARAS Fig. 63 – Terça-feira, Out. 14, 1947

Domingo, 30 de novembro de 1947

Sexta-feira, 26 de março de 1948

Domingo, 16 de maio de 1948

58

SEÇÃO 1 Figura 64 – Dois Irmãos Maçônicos – um gentio, um judeu. Leia a


parte que cada um jogou na conspiração maçônica. Escarlate e a Besta, vol. Eu,
3ª edição, capítulos 22, 24 e 27. Veja o significado do hexagrama, Figs. 65-73.

33Ou Harry Truman 1884-1992

33Ou Chaim Weizman 1874-1952

Truman está segurando uma Torá, um pergaminho manuscrito dos cinco livros
de Moisés em hebraico, que Weizmann lhe deu. Observe a estrela de seis pontas
na capa da Torá.

A Maçonaria Gentil afirma ser judia. No livro do Apocalipse, onde o apóstolo


João escreve às sete igrejas, lemos as palavras de Cristo no capítulo 2, versículo
9: “Conheço a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não são, mas são a
sinagoga de Satanás ” (veja a Seção 1, Fig. 29). 59

DUAS CARAS Fig. 65 – A estrela de seis pontas é o símbolo do sionismo. Veja


Escarlate e a Besta; Vol. 1; 3ª edição; Capítulo 6-7, 25.

Quando e onde os judeus adquiriram a estrela de seis pontas? A resposta está


registrada na Bíblia – Amós 5:26 e Atos 7:43. “Mas vós tendes carregado o
tabernáculo de vosso Moloch e Chiun vossas imagens, a estrela do vosso deus,
que vós fizestes para vós …” “Sim, vós tomastes o tabernáculo de Moloque ea
estrela do vosso deus Remphan, figura que você fez para adorá-los … “Chiun é
o Saturno egípcio. Astrólogos da Babilônia associaram Saturno a Israel. O
símbolo de Saturno é a estrela de seis pontas.

60

SEÇÃO 1 Fig. 66 – Quando Israel renasceu em 1948 em 14/15 de maio, (dê-se


difere dependendo de quem você leu), já havia sido profetizado em Isaías 66: 8.
“Quem ouviu tal coisa? Quem viu tais coisas? A terra terá sido feita em um dia?
Ou nascerá uma nação em um só lugar? Pois logo que Sião teve dores de parto,
deu à luz a seus filhos”. Ironicamente, esta Escritura usa o nome Sião, pelo qual
a diáspora era conhecida desde 1897. Sião padecia durante o holocausto nazista,
como profetizado acima. Veja Escarlate e a Besta; Vol. 1; 3ª edição; Capítulo 25

14 de maio de 1948 Israel renasceu em um dia

Judeus foram perseguidos sob o nome de Sião. Depois da Segunda Guerra


Mundial, os judeus pediram às Nações Unidas para permitir que estabelecessem
uma nova nação em sua antiga terra natal e a chamassem de Sião. Por um voto, o
nome Sião foi negado e, como profetizado em Isaías 66: 8, Israel renasceu em
um dia.

61

DOIS FACES Fig. 67 – Figura do eremita do tarot tirada da capa do álbum do


Led Zeppelin. Observe o hexagrama (estrela de 6 pontas) na lanterna. O
hexagrama vem do hinduísmo tântrico. “Hex” significa “enfeitiçar”. No
ocultismo, a estrela de 6 pontas é chamada LUCIFER. Veja o cap. 6 e Índice de
S & B, V1; 3 ed.

62

SEÇÃO 1 Figura 68 – Legenda na faixa abaixo: “O Grande Conclave dos


Cavaleiros Maçônicos Temperar na Inglaterra e no País de Gales”. Observe a
estrela entrelaçada de seis pontas do Priorado de Sião (hexagrama), fundadores
originais dos Cavaleiros Temperários no ano 1018 d.

63

DUAS FACES Figura 69 – Mosaico da estrela de seis pontas no chão da Loja


Maçônica

PISO DO ALOJAMENTO

Figura 70 – Evolução do Quadrado e Bússola na estrela de seis pontas.

Quadrado e Bússola.

A. Quadrado de noventa graus.

D. Estrela entrelaçada de seis pontas, símbolo da perfeita união entre Deus e o


homem.

B. Quadrado progrediu para sessenta graus.

E. Terceiro lado adicionado, tornando-se um triângulo equilátero (apontando


para cima), símbolo do homem perfeito.

C. Terceiro lado adicionado, tornando-o um triângulo equilátero, o símbolo da


divindade.

F. Bússolas

64

SEÇÃO 1 Figura 71 – Quadrado e Bússola com a letra “G.” Braço e Martelo em


forma de “G.” Martelo e foice em forma de um “G.” de cabeça para baixo Todos
esses símbolos de trabalho representam a religião das “obras” da Maçonaria,
bem como a ação de reprodução humana de homens e mulheres.

BRAÇO BRITÂNICO & MARTELO FORMULAR A LETRA “G”

MARTELO DE ARMAND DE 33RD MASON ARMAND PROTOCOLOU


ESTOQUE NESTA EMPRESA. Veja a Seção 7, Figura 19

A ALVENARIA FRANCESA E O COMUNISMO Hammer & Cycle forma de


cabeça para baixo “G”, que representa a negação de Deus, ou ateísmo.

AMERICANO “G” Dito para representar Deus. Esotericamente, representa o


GNOSIS (conhecimento), conhecimento do bem e do mal, que Satanás primeiro
ofereceu ao homem no Jardim do Éden.
65

DUAS CARAS Figura 72-73 – Quadrado e Bússola são também símbolos de


força sexual, que representam tanto o masculino quanto o feminino. Veja Scarlet
and the Beast, vol. 1, chs. 5-7

A Quadratura Maçônica e a Bússola e o Hexagrama representam a “força


sexual”. O quadrado e o triângulo invertido preto representam a fêmea, enquanto
a bússola e o triângulo vertical representam o macho. Sabendo disso, como um
cristão pode se juntar à Maçonaria e usar esses símbolos? Figura 74-75 –
Abaixo: Quadrado Maçônico e Força Sexual Bússola em ação.

As posições sexuais eróticas esculpidas em Kandariya Mahadev hindu


temperamento em Khujarao, Índia são idênticas à forma do Masonic Square &
Compass, que a Maçonaria afirma representar posições de intercurso masculino
e feminino. O “deus” das religiões pagãs é a “força sexual”. (Fotos de Sex in
History, Tannahill, 1980). 66

SEÇÃO 1 Figura 76 – Capa da Bíblia Maçônica – King James Version. Observe


a posição proeminente de Square & Compass – a força sexual blasfêmia.

67

DUAS CARAS Figura 77 – A versão da Bíblia do Rei Jaime é colocada no altar


maçônico em todas as chamadas Lojas Cristãs. Observe a força sexual na Bíblia
aberta.

68

SEÇÃO 1 Figura 78 – Bíblia Maçônica – Página por postar data de iniciação,


com a força sexual irradiando acima dela.

69

DUAS FACES Figura 79 – Bíblia Maçônica – Em “A Crença Maçônica”,


observe uma atitude negligente em relação à oração – “A oração com Deus é
útil”.

70
SEÇÃO 1 Figura 80 – A Bíblia Maçônica – Maçonaria ensina a seus iniciados
que os maçons construíram o Tempere de Salomão (ver o final da página).

A Maçonaria afirma que os maçons (“carpinteiros”) construíram o Tempere de


Salomão. Veja S & B, 3ª ed. chp. 28, p. 688

71

DOIS CARAS Fig. 81 – Capa da revista New Age da Maçonaria, abril de 1985.
Rose entrelaçada ao redor da cruz é o símbolo fálico rosacruz. Tem o mesmo
significado fálico de Square & Compass, Figs. 45-49. Veja S & B, V.1; 3a ed.,
Cap. 18-19.

Depois que Paul Fisher expôs o viés anticristão da New Age Magazine da
Maçonaria em seu livro Behind the Lodge Door (1988), a Jurisdição do Sul do
Rito Escocês mudou o nome para Scottish Rite Journal. 72

SEÇÃO 1 Figura 82 – Capa do Scottish Rite Journal da Maçonaria, edição de


março de 1991. O nome foi mudado depois que Paul Fisher expôs a Maçonaria
como a força por trás do Movimento da Nova Era.

Na próxima página, leia as credenciais maçônicas de 33Ou Dr. Norman Vincent


Peale (1898-1993). Veja também Scarlet and the Beast, vol. 1, cap. 10. 73

DOIS CARAS 33Ou Dr. Norman Vincent Peale (1898-1993) Pastor e escritor
cristão reformado. Nascido em Bowersville, OH. Graduado em Ohio Wesleyan
Ou. em 1920; Boston Ou. em 1924; Siracusa Ou. em 1931; Duque Ou. em 1938.
Ordenado ministro Metodista Episcopal em 1922. Para o próximo ano, realizou
pastorados em Berkeley RI, Brooklyn NY e Syracuse NY, após o que tenho
começou seu longo ministério na Marble Collegiate Reformed Church, NYC,
1932-84. Ao lado tenho estabelecido uma clínica psiquiátrica chamada Fundação
Americana de Religião e Psiquiatria. Tenho escreveu o best-seller, O Poder do
Pensamento Positivo (1952), e foi muito requisitado como palestrante. O Dr.
Peale era presidente da National Temperance Society; palestrante sobre assuntos
públicos e eficácia pessoal; e ganhador do Freedom Foundation Award. Na Fev.
24, 1991, o Dr. Peale falou à congregação na Catedral de Cristal de Robert
Schuller, na Califórnia. Peale disse: “Jesus Cristo, Buda e Krishna são exemplos
de grandes filósofos que ensinaram como usar o poder da mente.” O Dr. Peale
tinha uma coluna regular de perguntas e respostas na Look Magazine. Tenho foi
editor da Guidepost, uma revista inspiradora. Na convenção dos escritores
cristãos de 1980, em Dallas, Dina Donahue, editora colaboradora de Guidepost,
fez este comentário do púlpito: “Se você quer escrever para Guidepost, temos
alguns requisitos sobre artigos sobre Jesus Cristo. Você nunca deve mencionar
Jesus como Mediador entre Deus e o homem Nem Cristo pode ser retratado
como a única verdade, como Deus encarnado, o único meio para a salvação, ou o
único caminho para Deus Pai. Seu artigo pode mencionar Jesus em Sua posição
histórica como profeta e filósofo. Guidepost é uma revista inter-religiosa. O Dr.
Peale não quer ofender aqueles que não são cristãos. ” Dr. Peal era um membro
do Midwood Lodge Não. 1062, Brooklyn N Y; Grande Capelão da Grande Loja
de Nova York (1949-1951); e um maçom 33Ou AASR (NJ). Como membro da
Antiga Ordem Árabe do Santuário Místico, tenho era membro vitalício do
Crescent Shrine Tempere, Trenton NJ. Tenho também foi o Grande Capelão
Imperial do Santuário. O Santuário foi fundado com o propósito de unir os Ritos
da Maçonaria em York e na Escócia. O primeiro Tempere Shriner na América
(1872) foi nomeado Gotham. Foi mudado para Meca Tempere quando foi
decidido que todo Templo Tempere deveria ter títulos árabes ou egípcios. No
altar de cada santuário, Tempere é o Alcorão. Todo candidato à iniciação deve se
ajoelhar diante do altar e do Alcorão, fazendo o mesmo juramento que o dr.
Norman Vicent Peale tirou: “... obrigando-me a uma penalidade não menos que a
de ter meus globos oculares perfurados no centro com uma Lâmina de meia
cauda … Então me ajude, Alá, o Deus do árabe, muçulmano e maometano, o
Deus de nossos pais. ” (veja a Fig. 27-28, esta seção). 74

SEÇÃO 1 Figura 83 – Acredite ou não, uma maçonaria européia! Veja Scarlet


and the Beast, vol. 1; 3ª edição; rachaduras. 16-18, 25, 30. Também a Figura 84-
88. Helena Petrovna Blavatsky (1831-1891) Em 1848, Helena P. Hahn da Rússia
casou-se com Blavatsky, um oficial militar russo e governador da província, mas
o deixou depois de vários meses para iniciar uma série de viagens internacionais.
Por 20 anos ela visitou Istambul, Cairo, Paris, Roma, Nova Orleans, Tóquio e
Calcutá. Ela alegou ter passado sete anos no Tibet estudando sob Mahatmas
hindus. Em 1875, ela fundou a Sociedade Teosófica. Em 1877, ela escreveu o
livro Isis Unveiled, que se tornou o livro de Teosofistas. Essa expressão da
Teosofia fundamental tentou fundir o pensamento Vedântico (hindu) e a
adoração à serpente egípcia, que ela atribuiu a seus mestres tibetanos. (fonte:
Ency. Britannica). Na Maçonaria Universal, Volume V, parte 2, “Equinócio do
Outono”, de 1929, lemos: “O certificado maçônico [Madame Blavatsky] no Rito
Antigo e Primitivo da Maçonaria foi lançado no ano de 1877.” Suas credenciais
maçônicas também são confirmadas na Encyclopedia of Maçonaria de Mackey.
Antes de ingressar na Maçonaria, Madame Blavatsky já era uma luciferiana. Em
1856 foi iniciada no Grande Oriente Carbonário (Maçonaria Italiana) por
Giuseppe Mazzini. Blatvatsky fez mais do que publicar seus ideais
revolucionários; ela os viveu. Em 1866, ela se juntou à maçonaria Geral
Garibaldi, de 33º grau do Grande Oriente, em batalha durante a Revolução
Italiana em Viterbo e depois em Mentana, onde foi seriamente ferida e deixada
no campo como morta. Em 1875 fundou a Sociedade Teosófica em NYC,
juntou-se ao Rito Egípcio da Maçonaria Inglesa em 1877 (documentado acima) e
estabeleceu-se em Londres em 1887. Em Londres ela publicou sua revista
Teosófica, Lúcifer, o Portador da Luz, bem como Doutrina Secreta. e Isis
revelado. Uma seguidora de Blavatsky era Alice Bailey, uma autoproclamada
bruxa cujo marido era maçom. Alice Bailey fundou a Lucifer Publishing
Company de Nova York em 1922. Para disfarçar sua conexão Luciferiana na
América, o nome foi mudado para Lucis Trust. Lucis é latim para Lúcifer. Veja a
Fig. 88 para a adesão de 1989 à American Lucis Trust. 75

DUAS CARAS Fig. 84 – H. P. Blavatsky (1831-1891): Teosofista, nascido em


Yekaterinoslav, Ucrânia. Ela teve um breve casamento em sua adolescência com
um general russo, mas o deixou e viajou muito no Oriente. Ela se mudou para os
EUA em 1873, e em 1875, com Henry Steel Olcott, fundou a Sociedade
Teosófica na cidade de Nova York, depois continuando seu trabalho na Índia.
Seus poderes psíquicos foram amplamente aclamados, mas não sobreviveram à
investigação da Society for Psychical Research. No entanto, isso não impediu
seus seguidores, que incluíam Annie Besant (The Cambridge Biographical
Encyclopedia, 1998). American Biography, de Scribners, 1929, escreveu sobre
Helena Petrovna Blavatsky em seus últimos anos: “Ela era extremamente gorda,
desleixadamente vestida, engolindo-se com carne gorda, fumando sem parar e
xingando como um soldado …” as mulheres mais más e imorais que já viveram
… (com) duplicidade pessoal e profundo desprezo pela humanidade “. Ela era
tão gorda que teve que ser arrastada por este livro de buggies! raro vinculado
coletado vol. do magzine Theosophical de Blavatsky, LUCIFER – O
BRILHANTE DE LUZ. É quase impossível que a UPPER encontre a copia da
FOTO DIREITA Blavatsky estava tão gorda com essa revista. tinha que ser
puxado de buggy. t e d a e. O teosofista e movimentos relacionados pararam de
usar o nome LUCIFER devido à indignação pública e, há alguns anos, mudaram
para o LUCIS TRUST (veja as figuras 87 e 88 desta seção). Em 1960, o volume
da LUCIFER retratado acima foi na biblioteca de Lyn Blessing, talentoso e
famoso “vibes” jogador, que foi um estudante do ocultismo por muitos anos. 76
SEÇÃO 1 Fig. 85 – Observe a suástica no topo do círculo. Blavatsky usou a
suástica como seu brasão de armas um século antes de se tornar um símbolo
nazista.

77

DUAS CARAS Fig. 86 – Os romances de Lytton influenciaram grandemente


Blavatsky. Veja a Fig. 83 e Scarlet and the Beast, vol. 1, 3rd ed., Capítulo 25.
Edward George Earl Bulwer-Lytton (1803-1873) Maçom Rosacruz Nascido em
Londres, Inglaterra. Político, poeta e crítico. Tenho é lembrado principalmente
como um escritor prolífico. Lytton foi influenciado pelo romantismo do maçom
Goethe. Seus enredos são elaborados e envolvidos, sua caracterização é
exagerada e irreal, e seu estilo é grandioso e ornamentado. Seus livros, embora
datados, permanecem imensamente legíveis até hoje. E sua experiência pessoal
de sociedade e política dá a seu trabalho um interesse histórico incomum.
Bulwer-Lytton era a caçula mais nova de Gene. William Bulwer e Elizabeth
Lytton. Depois da universidade em Cambridge, tenho ido para a França e visitei
Paris e Versailles. Foi na França que tenho sido influenciado pelo oculto, que é
revelado em Zanoni (1842) e A Strange Story (1862). Tenho apresentou seu
romance de utopia em Vril: O Poder da Raça Vinda (1871), que antes da
Primeira Guerra Mundial influenciou fortemente Adolf Hitler. Quatorze anos
após a morte de Lytton, a primeira sociedade mística baseada em seu romance,
Vril: O Poder da Raça Vinda foi fundada a mando da Loja de Pesquisa Maçônica
Quatuor Coronati, conhecida como a Ordem Hermética da Golden Dawn, uma
Sociedade Rosacruz. . A suástica era um símbolo-chave da Golden Dawn. Na
verdade, os rituais racistas da Golden Dawn tinham uma segunda fonte –
derivada do misticismo do Santo Graal. Outra sociedade secreta fundada naquela
época pode ser rastreada até Bulwer-Lytton. Antes de sua morte, Lytton era
íntimo da maçonaria Helena Blavatsky, que mais tarde se tornou membro da
Golden Dawn. De fato, Lytton influenciou tanto Blavatsky pelo culto Isis que ela
escreveu o livro Isis Unveiled. Em outro livro de múltiplos volumes, Doutrina
Secreta (PB.S1.F85), Blavatsky adverte seus leitores contra o Vril de Lytton
como “a terrível força sideral [astral], conhecida e nomeada pelos atlantes … e
pelos arianos [s]. ] .... É a Vril da Corrida Vinda de Bulwer Lytton … é essa
Força Satânica que nossas gerações deveriam ter adicionado à sua lista de
brinquedos de bebê do Anarquista … É essa agência destrutiva, que Onze nas
mãos de algum Átila moderno … reduziria a Europa em poucos dias ao seu
estado primitivo e caótico, com o homem não vivo para contar o devaste. ”No
entanto, Blavatsky persistentemente recorreu aos romances de Lytton para os
ensinamentos e rituais da Sociedade Teosófica. . Hitler cumpriu sua profecia. 78

A Lucis Trust foi originalmente fundada sob o nome Lucifer Publishing


Company. Leia sua história em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed., Cap. 10, 19,
24, 28, 30.

Figura 87 – Oração para trazer Lord Maitreya, o Cristo da Nova Era. Anúncio no
Reader’s Digest, Out. 1982, p. 202. Anúncio colocado por Lucifer Publishing
Co.

79

SEÇÃO 1

DUAS CARAS Figura 88 – A flor de lótus amarela é a representação de duas


estrelas de seis pontas e um Olho Que Tudo Vê de Lúcifer. Anúncio na revista
Reader’s Digest, dezembro de 1991, voltado para p. 200

À direita está uma parte da lista de membros da Lúcifer Publishing Company de


1989, agora chamada de Lucis Trust. “Lucis” é latim para Lúcifer.

Escarlate e a Besta, vol. Eu, 3rd ed, ch. 17, lista pessoas famosas que foram e são
membros da Lucis Trust Ted Turner Cyrus Vance Henry Clausen Walter
Cronkite David Rockefeller John D. Rockefeller IV Barbara Marx Hubbard
Rabino Marc Tannebaum Bispo anglicano Paul Moore

80

SEÇÃO 1 Figura 89 – Esta foto também está na seção. 1, Fig. 7, página 8. Nós o
reproduzimos aqui para confirmar a conexão Luciferiana na Maçonaria, como
explicado por Mauson Maus, autor de Lost Keys of Maçonaria, 1976. A foto
original abaixo é encontrada em p. 52 do livro de Hall. Na p. 48 Hall confirma:
“Quando o maçom descobre que a chave para o guerreiro no bloco é a aplicação
apropriada do dínamo do poder vivo, tenho aprendido o mistério de sua Arte. As
energias fervilhantes de Lúcifer estão em suas mãos … ”

3 Ou Mas energia sobre o “s e s de Lu cifer em sua casa ds”

Leia mais sobre a conexão Luciferiana na Maçonaria por outros autores


maçônicos citados em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed. 81
DUAS CARAS Fig. 90 – pirâmide de 70 pés de altura no pátio de Napoleão,
Paris, França. 33Ou Freemason, Pres. François Mitterrand deu ao arquiteto
chinês I.M. Pei o projeto em 1983. “O número de vidraças na pirâmide é 666. E
a própria forma da pirâmide reflete a paixão do presidente pelos símbolos
maçônicos”. Insight on the News, 3 de julho de 1989, p. 58

82

SEÇÃO 2

Seção 2

Personalidades Maçônicas !!!

arranjado em ordem não particular

83

DUAS CARAS Fig. 1 – Hierarquia da Maçonaria. 33Ou (SJ) Albert Pike (1809-
1891). Filósofo maçônico e ritualista. Veja Escarlate e a Besta, Vols.1, 2 e 3.
Pike, de 1859 até sua morte em 1891, ocupou simultaneamente as posições de
Grão-Mestre do Diretório Central da Maçonaria do Rito Escocês em
Washington, DC, Soberano Grande Comandante do Supremo Conselho da
Maçonaria do Rito Escocês, Jurisdição do Sul (SJ) em Charleston, SC, e
Soberano Pontífice da Maçonaria Universal.

84

SEÇÃO 2

Citações de Albert Pike

Pike descreve a visão cabalística de Satanás em seu livro Morals and Dogma: “O
verdadeiro nome de Satanás, o cabalista diz, é o de Yahveh invertido; pois
Satanás não é um deus negro, mas a negação de Deus. O Diabo é a
personificação do Ateísmo ou da Idolatria. “Para os Iniciados, isto não é uma
Pessoa, mas uma Força, criada para o bem, mas que pode servir para o mal. É o
instrumento da liberdade ou livre arbítrio. Eles representam esta Força, que
preside a geração Física, sob a forma mitológica e cornuda do Deus Pan; daí
surgiu o bode do Sabbat, irmão da antiga serpente, e o portador da luz ou
fósforo, do qual os poetas fizeram o falso Lúcifer da lenda. “Pike, Albert, Morals
and Dogma 1871. Richmond VAI: LH Jenkins 1942. p.102 A visão de Pike sobre
a Inquisição Católica: “Os burros que levaram o cristianismo primitivo a se
desviar, substituindo a fé pela ciência, o devaneio pela experiência, o fantástico
pela realidade; e o inquisidor que por tantas eras travou contra o Magismo uma
guerra de extermínio conseguiu encobrir na escuridão as antigas descobertas da
mente humana; para que possamos agora tatear no escuro para encontrar
novamente a chave dos fenômenos da natureza. “Pike, 732. Pike levou cinquenta
anos para desenvolver e gradualmente introduzir seu Rito Luciferiano a um
grupo seleto dentro do Conselho Supremo do 33º Grau em Charleston. também
converteu a hierarquia maçônica em Londres, Berlim e Roma.Na segunda
metade de seu trabalho, entretanto, os ateus franceses começaram a atacar o
espiritismo e o simbolismo dentro das Lojas Francesas.Em 1877, a Maçonaria
Francesa declarou abertamente o que dissera secretamente a partir de 1840; que
a maçonaria inglesa, que exige uma crença na divindade, imediatamente rompeu
a comunhão com o Grande Oriente francês.Pike, como Soberano Pontífice da
Maçonaria Universal, queria curar a fenda apresentando sua Doutrina
Luciferiana no dia 15 de julho. , 1889, Convenção do Conselho Supremo em
Paris, França Incapaz de viajar devido a problemas de saúde, em vez disso
expliquei a doutrina em uma carta para ler no plenário da convenção. na
convenção, a carta foi publicada em francês por A.C. Da Rive em A Femme et
L’Enfant, na Franc-Maconnerie Universelle (p.588). O maçom, um periódico
maçônico na Inglaterra, observou a leitura da carta em 19 de janeiro de 85

DUAS FACES 1935, edição. O conde Leon de Poncins cita partes da carta na
Maçonaria e no Vaticano (1968). A citação mais abrangente, no entanto, chegou
até nós de Edith Starr Miller em Occult Theocrasy (1933). A seguir, o conceito
de Albert Pike de 1889 de como Lúcifer deveria ser apresentado aos maçons de
alto grau, mantendo o grau inferior dos iniciados e o público geral ignorante: “O
que devemos dizer à multidão é: adoramos um Deus, mas é o Deus”. que se
adora sem superstição Para você, Soberano Grande Inspetor Geral [do 33º grau],
dizemos isto, para que você possa repeti-lo aos Irmãos dos graus 32, 31 e 30 – A
religião maçônica deveria ser, por todos de nós iniciados nos altos graus,
mantidos na pureza da Doutrina Luciferiana Se Lúcifer não fosse Deus, Adonay,
o Deus dos cristãos, cujos atos provariam sua crueldade, perfídia e ódio ao
homem, barbárie e repulsa pela ciência. Adonay e seus sacerdotes o caluniavam?
Sim, Lúcifer é Deus e, infelizmente, Adonay também é Deus, pois a lei eterna é
que não há luz sem sombra, não beleza sem feiúra, não branca sem preto,
absoluto só pode existir como dois Deuses: a escuridão sendo necessária para
iluminar para servir como sua folha, como o pedestal é necessário para a estátua,
e o freio para a locomotiva. Na dinâmica analógica e universal só se pode leiam
sobre aquilo que resistirá. Assim, o universo é equilibrado por duas forças que
mantêm o equilíbrio, Força de atração e repulsão. Essas duas forças existem na
física, filosofia e religião. E a realidade científica do dualismo divino é
demonstrada pelos fenômenos da polaridade e pela lei universal das simpatias e
antipatias. É por isso que os gnósticos, os maniqueus e os templários admitiram,
como única concepção metafísica lógica, o sistema dos princípios divinos
lutando eternamente, e não se pode acreditar no que é inferior em poder ao outro.
Assim, a doutrina do satanismo é uma heresia; e a verdadeira e pura religião
filosófica é a crença em Lúcifer, igual a Adonay; mas Lúcifer, Deus da Luz e
Deus do Bem, está lutando pela humanidade contra Adonay, o Deus das Trevas e
do Mal. “Seguindo a convenção acima, muitos maçons europeus foram
convertidos à” Doutrina Luciferiana “de Albert Pike. Leia mais sobre a Doutrina
Luciferiana de Maçonaria e nomes dos maçons europeus que seguiram essa
doutrina: Escarlate e Besta, Vol. 1, 3ª ed., Capítulos 15 e 21 e Vols 2 e 3.

SEÇÃO 2 Fig. 2 – Hierarquia da Maçonaria. 33Ou (SJ) Albert G. Mackey


(1808-1881). Historiador maçônico e jurista. Veja Escarlate e Besta, Vol. 1, 3ª
ed., Cap. 15

87

DUAS CARAS Fig. 3 – Hierarquia da Maçonaria. 33Ou (NJ) Robert I. Clegg


(1866-1931). Revisor Maçônico da História da Maçonaria de Mackey,
Enciclopédia da Maçonaria, Jurisprudência da Maçonaria e Simbolismo da
Maçonaria. Veja Scarlet and Beast, Volume 1, capítulos 5 e 10.

88

SEÇÃO 2 Fig. 4 – Thomas Smith Webb (1771-1819). Fundador do American,


ou York Rite of Freemasonry. Em 1797 tenho publicado em Albany a primeira
edição de seu Freemasons Monitor (ver cópia do lançamento original, Figura 5 e
6).

89

DUAS CARAS

Fig. 5 – Primeira página de uma impressão original do livro encadernado em


couro de 336 páginas de Webb, publicado em 1797. Assinado pelo comprador,
lê-se “Andrew Finley, seu livro comprado em 14 de junho de 1818″ (ver
assinatura e dê-se próxima página). Livro está na posse do autor de Scarlet and
the Beast.

Monitor do maçom

90

SEÇÃO 2

Fig. 6 – Capa interna de uma primeira impressão original deste livro


encadernado em couro de 336 páginas, publicado pela Webb em 1797. Assinado
pelo comprador duas vezes. A segunda assinatura diz: “Andrew Finley
desembarcou da Inglaterra em 17 de novembro de 1815”. Livro está em
excelente estado com todas as páginas legíveis.

336 páginas, livro encadernado em couro, intitulado Freemason’s Monitor, por


Thomas Smith Webb, impresso em 1797 em Albany, NY. À esquerda está a
assinatura do inglês que comprou esta cópia. Assinado, lê-se, “Andrew Finley,
seu livro comprado em 14 de junho de 1818”. Abaixo, lê-se: “Andrew Finley
Landed, da Inglaterra, 17 de novembro de 1815″

também conhecido como monitor de Webb

91

DUAS CARAS Fig. 7 – Oliver Cromwell. Soldado inglês e estadista de dons


extraordinários e um caráter vigoroso moldado por uma fé devota calvinista /
puritana. Foi o Lorde Protetor da República Britânica da Inglaterra e da Irlanda
de 1653 a 1658. Como muitos protestantes ingleses, Cromwell era maçom
rosacruz. Veja S & B, vol. 1, 3a ed., Cap. 2 e 7.

Oliver Cromwell (1599-1658)

História e Evolução da Maçonaria, uma publicação maçônica, afirma as ligações


de Oliver Cromwell com a Maçonaria. “Cromwell”, diz, “se encontra
regularmente na Loja Maçônica na taverna chamada Coroa”. Esta era uma Loja
para a nobreza aristocrática Rosacruz, a nova elite que era a recém-rica.
Cromwell era suposto por muitos como sendo um Rosacruz, já que tenho estava
no melhor dos termos com eles. Essa visão é endossada pela Enciclopédia da
Maçonaria. Veja S & B, vol. 1, 3rd ed., Chapter 2.

92

SEÇÃO 2 Fig. 8 – Hierarquia da Maçonaria. John Theophilus Desaguliers


(16831744). Conhecido como “pai da moderna maçonaria especulativa”. São de
um clérigo protestante francês. Mestre de Artes Recebidas em 1712 da Christ
Church, Oxford. Veja Scarlet and Beast, Volume 1, capítulos 2-4.

93

DUAS CARAS Fig. 9 – Pike e seus luciferianos

33Ou Giuseppe (Joseph) Mazzini (1805-1872)

33Ou Albert Pike (1809-1891) Albert Pike ensinou sua “Doutrina Luciferiana” a
muitos maçons. No entanto, Bismarck e Mazzini foram dois dos seus alunos
mais ardentes que praticaram a Doutrina Luciferiana nos níveis mais altos da
Maçonaria. Este trio planejou usar a Maçonaria para desencadear duas Guerras
Mundiais, após as quais “o mundo estaria pronto para adorar a Lúcifer como
Deus”. (S & B Vol. 1; 3ª ed; cap. 12,17. Conde Camillo Benso dei Cavour, Grão-
Mestre da Grande Loja Italiana, Ou 33 Otto von Bismarck opôs-se ao grande
republicanismo oriental de Mazzini (1815-1898), mas conseguiu entrar em
acordo com ele para unir a Itália sob uma monarquia constitucional da Sabóia
(ver Scarlet e Besta; Vol. 1; 3ª edição; capítulos 17 e 21).

Conde Cavour (1810-1861)

94

SEÇÃO 2 Fig. 10 – Maçom Britânico Infame. 33Ou Mason Aleister Crowley,


satanista e grão-mestre da Ordo Templi Orentis (Ou.T.Ou.). Para mais
informações, veja Scarlet and Beast, vol. 1, 3a ed., Chps. 6, 15, 17-19, 25. A mãe
de Crowley disse que ela é a encarnação da Besta do Apocalipse.

O pai de Crowley, um líder em Plymouth Brethren, pregou para cima e para


baixo na Inglaterra: “Acerta com Deus”. 33Ou Aleister Crowley (1875-1947).
Foto de Crowley tirada em 1912, aos 37 anos. Observe o símbolo de Satanás de
Baphomet à esquerda de sua assinatura. No ocultismo, há uma diferença
significativa entre Satanás e Lúcifer. Para o luciferiano não há Satanás. Satanás é
o ateísmo, a negação de Deus. Os luciferianos adoram Lúcifer como o anjo da
luz, que eles dizem que não é falhem, mas (por enquanto) é simplesmente menos
transcendente que o Deus dos teólogos, que é mau porque Tenho não permitirá o
avanço na ciência. Exemplos: (1) a confusão de línguas na Babilônia; e (2) a
Inquisição Católica, que foi parcialmente dirigida contra as realizações
científicas. Lúcifer ensina que o homem pode se tornar um deus através do
avanço da ciência. As religiões orientais chamam isso de reencarnação. Nossas
escolas seculares chamam de evolução. Os satanistas, por outro lado, sabem que
seu deus é totalmente maligno. Eles o adoram porque eu tenho permissão para
tudo e qualquer coisa. E seu ódio pelo Deus dos teólogos faz com que eles
exagerem em sua devassidão. Crowley era um satanista. Tenho gostado de ser
conhecido como “a grande besta 666″ e “o homem mais perverso vivo”. Muitos
dos que se associavam a ele morreram tragicamente. Crowley ficou interessado
no ocultismo enquanto estudava em Cambridge. Tenho viajado muito,
estabelecendo-se por alguns anos na Sicília com um grupo de discípulos na
Abadia de Thelema, perto de Cefalu. Tenho alegou ter sacrificado a Satanás 150
jovens do sexo masculino. Onze obrigou um bode a copular com a namorada.
Rumores de drogas, orgias e cerimônias mágicas levaram à sua expulsão da
Itália. Veja as próximas três páginas para as credenciais maçônicas de Crowley.
95

DOIS CARAS Fig. 11 – Carta emitida por 33Ou John Yarker & outros
admitindo Crowley ao mais alto grau (33Ou) do Rito Antigo e Aceito da
Maçonaria, 1910. A Maçonaria Inglesa não reconhece o Rito Escocês, que foi
fundado pela Maçonaria Francesa, daí a motivo para omitir “Scottish” do
certificado.

Símbolo de Baphomet * Avisos que assinaram o acordo com os signatários dos


três maçons, cada um. 96

SEÇÃO 2 Fig. 12 – Certificado de nomeação de Aleister “St” Edward Crowley


como Grão-Mestre nacional do Ou.T.Ou. para a Grã-Bretanha e Irlanda,
assinado pelo Maçom do Grande Oriente, 33º grau, Theodore Reuss (ver em
baixo / centro). Observe o sinal do Baphomet na frente da assinatura de Reuss.
Reuss e Crowley eram ambos 33Ou, 90Ou e 96Ou Masons.

97
DUAS CARAS

INSTRUÇÃO PARA O SACRIFÍCIO HUMANO NA MAIÔNICA Ou.T.Ou.


ALOJAMENTOS

“Faça o que tu queres para ser o todo da Lei.” “O Supremo e Mais Sagrado Rei é
nomeado pelo Ou.T.Ou. Sua é a responsabilidade final de todos dentro de seu
reino sagrado. Sucessão ao alto cargo de Ou.T.Ou. é decidido de uma maneira
que não está aqui para ser declarada; mas isto você pode aprender, Ou irmão
Mago, que eu possa ter escolhido até mesmo do grau de um Minerval. E aqui jaz
um Mistério muito sagrado. ”Aleister Crowley afirma ter realizado 150
sacrifícios humanos, matando as vítimas com uma faca de prata. Tenho escreveu
instruções para Ou.T.Ou. sacrifícios humanos em seu livro Magick, publicado
em 1930, p. 93: “O sangue é a vida. Esta afirmação simples é explicada pelos
hindus, dizendo que o sangue é o veículo principal do Prana vital. Há algum
fundamento para a crença de que existe uma substância definida, não isolada
ainda, cuja a presença faz toda a diferença entre matéria viva e morta. “Seria
insensato condenar como irracional a prática daqueles selvagens que arrancam o
coração e o fígado de um adversário e os devoram quando ainda estão quentes.
Em todo caso, era a teoria dos antigos Magos, que qualquer ser vivo é um
depósito de energia que varia em quantidade de acordo com o tamanho e a saúde
do animal, e em qualidade de acordo com seu caráter mental e moral. Na morte
do animal, esta energia é liberada repentinamente. “O animal deve, portanto, ser
morto dentro do Círculo, ou Triângulo, conforme o caso, para que sua energia
não possa escapar. Um animal deve ser selecionado de acordo com a natureza da
cerimônia, sacrificando uma fêmea de cordeiro. não obteria qualquer quantidade
apreciável de energia feroz útil para um mago que estivesse invocando Marte,
em tal caso um carneiro seria mais adequado. E este carneiro deveria ser virgem
– todo o potencial de sua energia total original não deveria ter sido diminuído.
Para o mais elevado trabalho espiritual, deve-se escolher aquela vítima que
contém a maior e mais pura força. Uma criança do sexo masculino, de perfeita
inocência e alta inteligência, é a vítima mais satisfatória e adequada. “Para
evocações, seria mais conveniente colocar o sangue da vítima no Triângulo, a
idéia é que o espírito possa obter do sangue essa substância sutil, mas física, que
foi a quintessência de sua vida de tal maneira que para permitir que ele assuma
uma forma visível e tangível. “Aqueles mágicos que se opõem ao uso de sangue
têm se esforçado para substituí-lo com incenso. Para tal propósito, o incenso de
Abramelin pode ser queimado em grandes quantidades.” Mas o sacrifício
sangrento, embora mais perigoso, é mais eficaz; e para quase todos os propósitos
o sacrifício humano é o melhor. (Lei de Ou.T.Ou citada do livro do Equinócio de
Ou.T.Ou, página 241). 98

SEÇÃO 2 Figura 13 – Ou.T.Ou. casa assombrada em Nyack, Nova York. Leia


Escarlate e a Besta, vol. 1, 3a edição; rachaduras. 17 e 27.

Durante a Primeira Guerra Mundial, Aleister Crowley estabeleceu quatro


Ou.T.Ou. centros nos EUA (ND, TX, CA, NY). Quando as linhas são
desenhadas em um mapa de seus centros geográficos do norte para o sul e do
leste para o oeste, elas formam uma cruz de forma blasfema. No final da
Segunda Guerra Mundial, o centro em Nyack NY fechou. Em 1952, a sede
abandonada de Nova York Ou.T.Ou. vendido para a CMA, Christian e
Missionary Alliance Church, que depois mudou sua faculdade para a antiga
Ou.T.Ou. acampamentos, que se tornaram o Nyack College. Inicialmente, a
Conferência da CMA desconhecia a antiga operação de Ou.T.Ou. Quando a
atividade demoníaca se manifestou no campus, a CMA investigou sua história e
realizou exorcismos em todo o campus. Autor John Daniel recebeu do Colégio
sua história oculta, que você pode ler em Scarlet and the Beast, cap. 17 e 27, 3a
ed. Este recorte de notícias de 1992 de uma casa assombrada, não no campus,
mas dentro da cidade de Nyack, confirma a atividade demoníaca causada pela
Ou.T.Ou. continua a se manifestar em Nyack até hoje.

99

DUAS CARAS Fig. 14 – William Maçom (Wild Bill) Donovan era um membro
de Ou.T.Ou. Ou.T.Ou & 33Ou William (Joseph) Donovan apelidado de “Wild
Bill” Donovan (1883-1959) Mason, soldado dos EUA e funcionário público,
nascido em Buffalo NY. Um veterano da Primeira Guerra Mundial muito
decorado. Foi assistente do procurador geral dos EUA (1925-29). Serviu como
um observador não oficial para o governo dos EUA na Itália, Espanha e nos
Bálcãs (1935-1941). Atribuído por Roosevelt para dirigir o Escritório de
Serviços Estratégicos dos EUA (OSS, 1942-45). Nesta capacidade, Donovan
tinha responsabilidade por operações secretas durante a Segunda Guerra
Mundial. Mais tarde foi nomeado embaixador na Tailândia (1953-1954).
Donovan era um pedreiro do Mason, membro da OTO de Aleister Crowley, e
convidado frequente nos acampamentos da OTO em Nyack, Nova York. Nesta
última posição, tive o privilégio de conhecer toda a figura oculta na Europa que
frequentava os acampamentos. Pres. Roosevelt queria capitalizar os contatos de
Donovan. Veja S & B, Vol. 1, 3ª ed., Cap. 27. Perto do final da Segunda Guerra
Mundial, Pres. Roosevelt iniciou o processo pelo qual a SS Nazista seria
protegida. Mesmo antes de a América entrar na Segunda Guerra Mundial,
Roosevelt queria saber o que Hitler tinha à sua disposição que lhe permitisse
ganhar poder tão rapidamente, solidificar o controle de forma tão completa e
destruir a Maçonaria Continental tão resolutamente. Para descobrir, eu enviei
“Wild Bill” Donovan para a Europa em uma missão de busca de fatos. Roosevelt
não poderia ter escolhido um homem mais capaz do que Donovan, um estudante
de misticismo oriental e maçonaria. Na Europa, Donovan descobriu que a
Interpol (Polícia Internacional), fundada em Viena em 1923, havia sido tomada
pelos nazistas após a invasão da Áustria em 1938. Em 1940, os nazistas haviam
transferido todo o aparato da Interpol para Wannsee, próximo a Berlim. Sob a
direção do chefe de inteligência nazista Reinhard Heydrick, a Interpol se tornou
a força de inteligência internacional mais avançada do mundo. Donovan
retornou a Washington e recomendou ao presidente a criação de uma agência
central de inteligência na escala da Interpol de Heydrick. Em 1941, Donovan foi
nomeado chefe do novo Escritório de Coordenação de Informação (OCI), mais
tarde renomeado Office of Strategic Services (OSS). Você pode ler a história em
Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed., Chp. 27. Em “War Stories”, 30 de abril de
2006, foi confirmado que o C.I.A. contratou 33Ou Bill Donovan para matar
Gene. Patton O motivo? “Patton queria lutar contra os russos, o que teria
desencadeado a Terceira Guerra Mundial. O OSS encenou Patton acidente de
carro. Todos os fatos sobre a morte de Patton foram expurgados da história. ”

SEÇÃO 2 Figura 15 – Maçonaria L. Rum Hubbard era um membro do Ou.T.Ou


de Crowley. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª edição, Introdução e cap. 17

Ou.T.Ou. Maçom L. Rum Hubbard (1911-1986) Fundador do Church of


Scientology Writer e fundador da Igreja de Scientology. Nascido em Chamem,
NE. Tenho escreveu histórias de ficção científica antes de sua obra mais famosa,
Dianética: a ciência moderna da saúde mental (1950), que se tornou um best-
seller instantâneo. Dianética tornou-se o texto básico do movimento de
Scientology. Enquanto escrevia Dianética, Hubbard afirmou ter visitado o céu
duas vezes. Aleister Crowley iniciou L. Rum Hubbard no Ou.T.Ou. em 1944.
Em 1964, Charles Manson foi recrutado pela Cientologia antes de ter sido
iniciado na Ou.T.Ou. Em 1967, o Ou.T.Ou. na Inglaterra fundou a Igreja do
Processo do Julgamento final logo após a ascensão do grupo de rock The
Beatles. Nos anos 60 e 70, o Processo estabeleceu células em um número de
Ou.S. cidades. Após a morte de Crowley, o Ou.T.Ou. foi sediada por um tempo
na Igreja de Scientology de Hubbard. Em 1992, o The Auditor, a revista de
Scientology, relatou que havia 146 centros de Scientology em todo o mundo,
com 54 nos Estados Unidos e no Canadá. A revista Time, de 6 de maio de 1991,
informa “700 centros em 65 países”. Esse número maior inclui afiliados da
Cientologia, muitos dos quais são organizações de fachada para recrutar clientes
desprevenidos. Em 1968, em meio à preocupação pública com seus objetivos e
métodos na Grã-Bretanha, tenho sido impedido de reentrar naquela nação. Em
1984 tenho sido acusado de peculato. O status de isenção de impostos de sua
Igreja foi revogado pelo governo dos EUA. Como resultado, eu me recolhi em
reclusão. 101

DOIS CARAS Fig. 16 – Depois de fundar os Illuminati em 1º de maio de 1776,


o 1º de maio tornou-se o Primeiro de Maio e desde então tem sido celebrado
pelos sindicatos de trabalhadores em todo o mundo. Após a Revolução
Boliviana, o 1º de maio tornou-se o feriado nacional de todos os países
comunistas. Veja Scarlet and the Beast, Vol.1 inteiro. Adam Weishaupt (1748-
1830) Fundador da Ordem dos Illuminati Nascido em Ingoldstadt, Alemanha.
Educado pelos jesuítas. Em 1772 tenho sido nomeado “professor de lei
extraordinária”. Em 1775 tenho era professor de direito natural e direito
canônico. As visões de Weishaupt eram cosmopolitas e liberais. As pessoas
condenaram o fanatismo e as superstições da igreja estabelecida e obtiveram
seguidores de jovens estudantes que se reuniam em seu apartamento particular
para discutir assuntos filosóficos. Este foi o começo da Ordem dos Illuminati, ou
“Iluminados”. A princípio não estava ligado à Maçonaria, pois Weishaupt não foi
iniciado na Ordem até 1777, quando eu recebi os graus na Loja Theodore of
Good Counsel em Munique. Tenho então procurou incorporar os Illuminati na
Maçonaria por infiltração. Por fim, a organização tornou-se um instrumento
político corrupto e caiu em desgraça. Em 1784, todas as associações secretas
foram proibidas por decreto real francês. No ano seguinte, Weishaupt foi privado
de seu cargo de professor e banido do país. Todos os itens acima vêm
diretamente de 10.000 maçons famosos. O seguinte vem da Enciclopédia de
Maçonaria de Mackey, vol. 3, publicado em 1946 após duas guerras mundiais
revelou o efeito duradouro dos Illuminati. “A Ordem dos Illuminati foi a maior
desgraça que jamais ocorreu à maçonaria européia porque se tornou um padrão
onze e ponto de partida para uma sucessão de conspirações secretas, secretas e
políticas que … dividiram a Maçonaria e trouxeram desgraça ao seu nome. ” 102

SEÇÃO 2 Fig. 17 – A fundação dos Illuminati no dia 1º de maio é chamada de


Dia de Maio, e a partir daquela época foi feriado em todos os países comunistas.
Ainda é observado pelos sindicatos de trabalhadores hoje. AP newsclipping
datado de 1 de maio de 1985.

103

DUAS CARAS Fig. 18 – Criador das formas de iniciação na Ordem dos


Illuminati. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1 inteiro. Adolf Franz Freiderich
Ludwig “Barão von Knigge” (1752-1796) Autor alemão nascido em
Brendenbeck, perto de Hanôver. Tenho escreveu romances e traduziu Figaro de
Mozart (1791). Seu trabalho não-maçônico mais popular foi On Conversations
With Men. Apesar de ter sido um dos maçons mais proeminentes de sua época,
sua associação com a Maçonaria era para beneficiá-lo sozinha, ou já criara
problemas para a fraternidade, como publicar os nomes dos membros dos
Illuminati. Tenho foi iniciado na Maçonaria em 20 de janeiro de 1772 em Cassel,
na Alemanha, na Loja de Estrita Observância, mas não ficou impressionado com
a instituição. Tenho expressou sua desilusão por carta ao príncipe Charles de
Hesse (um maçom), que suas cerimônias eram “absurdas, truques de
malabarismo”. Em 1780, eu entrei na Ordem dos Illuminati, que havia sido
criada por Adam Weishaupt (um companheiro maçom) como uma nova
sociedade grandiosa, com objetivos vagos, mas vastos. Entre os Illuminati
Knigge era conhecido como Philo. Quando eu recorri a Weishaupt por mais luz,
este último confessou que os graus mais elevados não existiam, exceto em seu
próprio cérebro, e desafiou Knigge a expandir o sistema aos mais altos graus,
prometendo-lhe plena autoridade. Knigge garantiu a ajuda de Bode, outro
franco-maçom, e foi bem sucedido em propagar o rito. Quando Weishaupt
interferiu, Knigge ficou enojado e retirou-se da ordem, e logo depois, da própria
Maçonaria. Nota do editor: Essa retirada foi um truque, pois confirmamos em
Scarlet and the Beast que o texto acima foi publicado para dar a impressão de
que a Ordem morreu. De Mackey’s Encyclopedia of Freemasonry, vol. Em 3 de
1946, lemos: “A Ordem dos Illuminati foi a maior desgraça que jamais ocorreu à
maçonaria européia porque se tornou um padrão e ponto de partida para uma
sucessão de conspirações secretas, secretas e políticas que … dividiam a
Maçonaria. e trouxe desgraça sobre o seu nome “. 104

SEÇÃO 2

Juramento dos Illuminati “Eu, _______ protestei diante de vós, digno


Plenipotenciário da Ordem venerável em que desejo admitir, que reconheço
minha fraqueza e incapacidade naturais e que eu, com todas as minhas posses,
posição, honrarias e títulos que Eu mantenho a sociedade política, sou, no fundo,
apenas um homem; Só posso desfrutar dessas coisas através de meus
semelhantes e, através delas, também posso perdê-las. A aprovação e
consideração de meus semelhantes são indispensavelmente necessárias, e devo
tentar mantê-las com todos os meus talentos. Estes eu nunca usarei para o
preconceito do bem universal, mas opor-me-ei, com todas as minhas forças, aos
inimigos da raça humana e da sociedade política. Abraçarei todas as
oportunidades de salvar a humanidade, melhorando minha compreensão e
minhas afeições, e transmitindo todo o conhecimento importante, como os bons
e estatutos desta Ordem exigem de mim. Eu me comprometo com o silêncio
perpétuo e a inabalável lealdade e submissão à Ordem, nas pessoas de meus
superiores; aqui fazendo uma entrega fiel e completa do meu julgamento
pessoal, da minha própria vontade e de todo emprego limitado do meu poder e
influência. Comprometo-me a considerar o bem da Ordem como meu e estou
pronto para servi-lo com minha fortuna, minha honra e meu sangue. Se eu, por
omissão, negligência, paixão ou perversidade, me comportar contrariamente a
este bem da Ordem, sujeito-me a que reprovação ou punição meus superiores
ordenarão. Os amigos e inimigos da Ordem serão meus amigos e inimigos; e
com respeito a ambos eu me conduzirei como dirigido pela Ordem, e estou
pronto, de todo modo legal, dedicar-me a seu aumento e promoção, e nisso
empregar toda minha habilidade. Tudo isso eu prometo, e protesto, sem reservas
secretas, de acordo com a intenção da Sociedade, que requer de mim esse
compromisso. Faço isso como sou e, como espero, continuo um Homem de
Honra. ”Citado em 1798, Provas de uma conspiração, de John Robison, p.

105

DUAS CARAS

Fig. 19 “Em 14 de julho de 1789, uma multidão liderada pelo Grande Oriente
invadiu a Bastilha, em Paris, provocando oficialmente o banho de sangue
conhecido como a Revolução Francesa.” Revista Spotlight – Fev. 3, 1992, p. 13

106

SEÇÃO 2 Maximilien-François Robespierre (1758-1794) Em 1794 havia 6.800


Clubes Jacobinos, 500.000 homens. Todos eram maçons do Grande Oriente.
Embora essa força dominante tenha impulsionado a revolução, ela começou a
vacilar. Ao procurar reforçar seu poder, os jacobinos / templários se voltaram
para o monarquista e começaram a matá-los. O banho de sangue foi tão intenso
que a Besta começou a matar a sua. Quando os três arquitetos maçônicos do
Terror (Marat, Danton, e Robespierre) foram assassinados ou decapitados, Paris
lentamente voltou ao normal. A palavra “terrorismo” foi inventada na França em
1795 para descrever o “Reino do Terror” de 1793, período em que dois milhões
de franceses, homens e mulheres, foram decapitados em nove meses. Outros seis
milhões foram afogados, despedaçados quando jogados sobre penhascos, ou
morreram de fome. Decapitação de Durante o Reinado do Terror, todas as casas
de maçonaria foram fechadas de acordo com Robespierre com política
antirreligiosa jacobina. Igrejas e sinagogas foram reabertas depois que
Robespierre foi guilhotinado em 28 de julho de 1794, sinalizando o fim do terror
e da base de poder jacobina. Fig. 20 – Robespierre, Ver Escarlate e a Besta, vol.
1, capas. 7 e 10.

REINO DE TERROR

A França revolucionária tornou-se o primeiro estado terrorista. Do nono reino do


Terror, oito milhões de franceses foram mortos! A palavra “terrorismo” foi
cunhada em 1795 para descrever esta catástrofe. 107

DUAS CARAS Figura 21 – Famoso maçom francês e prussiano. Voltaire (1694-


1778) Nome completo, François Marie Arouet de Voltaire. Escritor e filósofo
francês. Ganhou fama como defensora de vítimas de intolerância religiosa.
Educado por jesuítas. Começou a escrever em tenra idade. Em 1750, aceitei um
convite para visitar Frederico, o Grande, maçom e rei da Prússia. Enquanto lá
tenho produzido seu maior trabalho histórico. Tenho foi iniciado na Maçonaria
em 7 de abril de 1778, menos de dois meses antes de sua morte. O evento
aconteceu em Paris, no lodge de Lhes Neuf Soeurs. A cerimônia foi conduzida
pelo célebre astrônomo francês Joseph Lalande. Tenho entrou no albergue
escoltado por Benjamin Franklin, o embaixador americano. Está registrado que a
cena era de um brilho incomum. Voltaire era um Diest em vez de um Athiest.
(Leia mais em Escarlate e a Besta, Vol. 1, Cap. 3-5, 8-10, 12, 30. 32Ou
Frederico, o Grande (1712-1786), rei da Prússia (1740-1786) .Proprietário da
literatura, tenho Tenho visitado Voltaire para morar em sua corte (175053).
Tenho estava muito interessado na Revolução Americana e um admirador de
George Washington. Tenho foi iniciado na Maçonaria na noite de agosto de
1415, 1738 em uma loja especial chamada em Brunswick, recebendo todos 32
graus e tornou-se chefe do Rito Escocês da Maçonaria. (Leia mais em Scarlet
and the Beast, Volume 1, 3a edição, capítulos 3-4 e 7-10. 108
SEÇÃO 2 Figura 22 – Famosos maçons franceses.

Louis Philippe Joseph, duque de Orleans Philippe Egalite (1747-1793)

Um dos primeiros iniciados de Weishaupt foi Louis Philippe Joseph, duque de


Orleans, primo do rei Bourbon da França e traidor de sua própria casa real. O
duque já havia sido iniciado na Maçonaria da Grande Loja Francesa e, de acordo
com a Encyclopedia of Maçonaria de Mackey, “foi eleito Grande Mestre no ano
de 1771, após a morte do Conde de’Clermont”. Ao voltar de uma missão à
Inglaterra em julho de 1790, Orleans tomou assento na Assembléia Nacional.
Tenho foi admitido no politicamente radical jacobino clube em 1791. Após a
queda da monarquia em agosto de 1792, renunciei ao seu título de nobreza e
aceitei da Comuna de Paris o nome Philippe Egalite. Sua traição ocorreu quando
tenho rompeu com a agitação maçônica na França, que girava em torno da
obediência britânica na Grande Loja Francesa. Tenho fundou a clandestina Loja
do Grande Oriente da França em 1772. O traidor Duque, segundo Mackey,
ocupava o cargo de Grão-Mestre nessa loja de oposição. Egalite votou a favor da
execução de Louis, mas tenho caído sob suspeita quando seu são Louis-Philippe,
duque de Chartres, desertou aos austríacos. Acusado de cúmplice, Egalite foi
preso em 6 de abril de 1793 e enviado à guilhotina em novembro. 109

DUAS FACES Figura 23 – Famosos maçons franceses. Napoleão I (1769-1821)


Napoleão I foi iniciado em um castelo Philadelphé Lodge entre 1795-98. Em
1801, o relatório oficial de um festival maçônico em Dijon daquele ano
descrevia as honras maçônicas pagas a Bonaparte. Os quatro irmãos de Napoleão
também eram franco-maçons, assim como seu enteado, cunhado, Murat e
sobrinho, Jerônimo, a maioria dos quais possuía alta posição maçônica. Aqueles
que foram escolhidos por Napoleão para a alta honra e para o cargo no estado
eram geralmente maçons. Dos nove oficiais imperiais menores do Estado, seis
eram pelo menos maçons. Dos marechais da França que serviram sob Napoleão,
pelo menos 22 dos primeiros 30 eram maçons, muitos deles grandes oficiais do
Grande Oriente. Veja Scarlet e Besta, vol. Eu, chps. 10-11. Talleyrand (1754-
1838) Em um período de 45 anos, a França teve seis mudanças revolucionárias
maçônicas de governo. Talleyrand teve um papel importante em todos eles.
Tenho influenciou a história da França desde o início da Revolução Francesa
(1789) até 1834. Tenho muitas vezes em desuso por causa de suas intrigas e
corrupção. Suas habilidades, no entanto, fizeram os governantes chamá-lo de
volta novamente para aconselhá-los. Tenho foi ordenado sacerdote na Igreja
Católica, mas tenho lutado contra a Igreja durante suas administrações. Durante
o Reinado do Terror, Talleyrand ficou em desgraça na França. Quando Napoleão
chegou ao poder, Talleyrand tornou-se novamente ministro das Relações
Exteriores. Tenho era um Illuminati / Freemason. Leia sobre suas intrigas
maçônicas e destreza política em Scarlet and the Beast, vol. Eu, capítulos 7 e 11.
110

SEÇÃO 2 Figura 24 – Famoso Maçom Britânico – Arthur, Duque de Wellington,


derrotado Napoleão I em Watterloo.

Duque de Wellington (1769-1852) general e estadista britânico conhecido como


“O Duque de Ferro”, derrotou Napoleão em Waterloo. Wellington entrou no
exército em 1787. Tenho era um membro irlandês do Parlamento de 1790-95.
Depois de comandar uma divisão na guerra com Tipu em 1799, tenho retornado
a Inglaterra como secretário irlandês por três anos. Em 1808 tenho sido tenente
Geral durante a Guerra Peninsular. Tenho derrotado as forças de Joseph
(Bonaparte) em Talavers; forçou os franceses a se retirarem sob Massena e os
derrotaram em Salamanaca. Dado o supremo comando da Espanha, tenho dirigiu
os franceses através dos Pirineus em 1814 e foi criado o 1º Duque de Wellington
naquele ano. Com o Blucher prussiano, tenho esmagado Napoleão em Waterloo
em 1815. Wellington estava na política no restante de sua vida, tornando-se
primeiro-ministro da Inglaterra em 1828-30 e comandante-em-chefe das forças
armadas de 1827-28 e 1842-52. O pai de Wellington, Gafrett, Earl of
Mornington, foi Grão-Mestre da Grande Loja da Irlanda em 1776 e seu irmão
Richard, 1º Marquês de Wellesley e 2º Conde de Mornington, foi Grão-Mestre
da Irlanda em 1782. “O Duque de Ferro” foi iniciado em 7 de dezembro de 1790
na família Lodge Não. 494 em Trim. Seu pai era o mestre da loja neste momento
e seu irmão também estava presente na loja. Wellington continuou como
membro inscrito até 1795. É curioso, no entanto, que no final de sua vida,
quando importunado por um correspondente inoportuno, o duque negasse
“qualquer recordação de ter sido admitido como maçom”. Veja S & B, vol. Eu,
rapazes. 10-11. 111

DUAS FACES Figura 25 – Arquiteto da Paz da Europa depois de Napoleão.

Prince K.W.N. Lothar Metternich Ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros


(1773-1859)

Napoleão não queria mais ser imperador. Tenho queria ser rei. Em 1809 tenho
divorciado Josephine da Casa de Bourbon. Príncipe Metternich, ministro
austríaco dos negócios estrangeiros, respondeu em um esforço para trazer a paz
para a Europa, e fez com que Napoleão se casasse com uma princesa
merovíngia, a arquiduquesa Marie Louise, da Casa de Habsburgo. A Maçonaria
temia que o poder do Imperador pudesse perpetuar-se com essa aliança, cuja
conseqüência seria herdeiro de seu trono. Um segundo Napoleão causaria perigo
à república universal que a franco-maçonaria poderia inaugurar com a morte do
primeiro Napoleão. Mons. Dillon escreve que a Maçonaria observou como o
Imperador “começou a mostrar uma frieza para a seita, e procurou meios para
impedi-lo do propagandismo de seus objetivos diabólicos. Então a Maçonaria se
tornou seu inimigo, e seu fim não estava longe”. Em 1810, Napoleão tornou-se o
primeiro excomungado da Maçonaria. Mons. Dillon escreve que em 1812,
“membros da seita insistiram em sua expedição maluca a Moscou. Seus recursos
ficaram paralisados; e tenho, em uma palavra, vendido por inimigos secretos e
invisíveis nas mãos de seus inimigos”. Leia em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a
edição, chps. 11 e 22 como a expulsão de Napoleão pelos “Quatro Grandes”
(Rússia, Prússia, Áustria e Grã-Bretanha) foi o plano brilhante de Metternich, no
Congresso de Viena (setembro de 1814 a junho de 1815). 112

SEÇÃO 2 Figura 26 – Famosos maçons franceses. 33Ou Adolphe Crémieux


(1796-1880) A advogada e figura política francesa Crémieux foi líder na
Revolução Comunista Francesa em 1848, quando toda a Europa estava em
tumulto político. Tenho também foi membro da Comuna de Paris (1870-71).
Depois de uma distinta carreira jurídica em Nimes, tenho sido nomeado
advogado da Corte de Apelação em Paris (1830), onde sou reconhecido por sua
habilidade jurídica e oratória. Em 1842, Crémieux foi eleito para a Câmara dos
Deputados do departamento de Indre-et-Loire e rapidamente empossado como
um dos principais membros da esquerda radical. Tenho desempenhou um papel
de destaque nos movimentos revolucionários maçônicos de 1848 e serviu como
ministro da Justiça no governo provisório de 1848-49. Tenho votado pela
candidatura presidencial de Luís Napoleão (Napoleão III), mas quando eu retirei
seu apoio, Napoleão o prendeu. Após sua libertação, tenho retornado ao bar e
política de esquerda. Tenho retornado à Câmara em 1869, representando um
distrito parisiense, e quando o Segundo Império desmoronou, eu me juntei ao
Governo da Defesa Nacional (1870-71) como ministro da Justiça.
Posteriormente, tenho servido como deputado de Argel (1871-1875) e depois
Senador (1875-1880). Crémieux foi um importante líder da comunidade judaica
francesa. Eu emprestei prestígio e influência política a inúmeras campanhas pela
normalização da vida judaica na França e na Argélia, apoiando a emancipação
dos judeus do norte da África. Em 1858 tenho fundado a influente Aliança
Israelita Universelle e foi seu primeiro presidente. O nome verdadeiro de
Crémieux era Isaac Moise. Tenho era um membro da Loja Maçônica Francesa –
Alsácia Lorena. Tenho também foi chefe do governo, sentado no Supremo
Conselho do Antigo e Primitivo Rito da Maçonaria de Mizraim, em Paris. A
cópia original dos documentos, mais tarde conhecidos como os Protocolos dos
Sábios de Sião, foram roubados desta loja. Leia em Scarlet and the Beast, vol. 1,
3a edição, capítulo 12 e 17, do envolvimento de Crémieux com Maurice Joly ao
escrever os Diálogos de Genebra, a partir dos quais a versão original dos
Protocolos dos Sábios de Sion supostamente eram plagiados (em francês). Leia
também de seu envolvimento com Victor Hugo, Grão-Mestre do Priorado de
Sion. 113

DUAS FACES Trecho de duas páginas da atividade maçônica de Crémieux, de


Scarlet and the Beast, vol. Eu, cap. 12 A Revolução Comunista Francesa de 1848
1848. Mais um ano de distúrbios. Em um estado de transe, a ocultista Sobrier faz
manifestações que levam à queda da monarquia de Orleans na França; Louis
Philippe destronado e segunda república começa; Luís Napoleão eleito
presidente da assembléia. República estabelecida em Roma. Abdicação de
Ferdinand I da Áustria. Liberdade brevemente declarada na Hungria sob Louis
Kossuth. Revoltas na Dinamarca, Irlanda, Lombardia, Schleswig-Holstein e
Veneza. Alemanha brevemente se uniu em um parlamento em Frankfort; unidade
destruída pelo rei da Prússia.33 Cada um dos líderes revolucionários que
operavam em toda a Europa eram conhecidos maçons – maçons que haviam
comunicado em suas reuniões de alojamento o tempo de cada erupção. A França
estava na vanguarda. Quando a monarquia de Orleans foi derrubada em 6 de
março de 1848, o novo governo do provisório era formado por onze membros,
nove dos quais eram maçons do Grande Oriente. A primeira ordem de trabalhos
era receber uma delegação oficial das lojas – um desfile maçônico com todos os
ornamentos de suas regalias.34 Segundo Miller, essa delegação consistia de 300
maçons: “com suas bandeiras voando sobre os irmãos de todos os ritos que
representavam A maçonaria francesa marchou para o Hotel de Ville, e lá
ofereceram suas bandeiras ao Governo Provisório da República, proclamando
em voz alta o papel que haviam acabado de tomar na gloriosa Revolução. ”35
Em 7 de março de 1848, o jornal de Paris, Lhe Moniteur, relatou a chamada
“revolução comunista do trabalhador”. De Poncins cita: Eles saudaram o triunfo
de seus princípios e parabenizaram-se por poder dizer que todo o país recebeu
consagração maçônica por meio dos membros da Igreja. governo. Quarenta mil
maçons [sic], distribuídos em mais de quinhentas oficinas, formando entre si um
só coração e mente, estavam prometendo seu apoio para realizar o trabalho já
iniciado.36 Duas semanas depois, uma nova delegação do Grande Oriente,
formada por seus lenços e jóias maçônicos marcharam até o Hotel de Ville.
Esperando recebê-los estavam Adolphe Crémieux e Gamier Pages, ambos
assistidos por suas equipes políticas, que também usavam seus emblemas
maçônicos. Miller cita uma parte do discurso dado pelo representante do Grão-
Mestre: 114

SEÇÃO 2 A Maçonaria Francesa não pode conter sua explosão universal de


simpatia pelo grande movimento social e nacional que acaba de ser efetivado. Os
maçons celebram com alegria o triunfo de seus princípios e se vangloriam de
poder dizer que todo o país recebeu através de você uma consagração maçônica.
Quarenta mil maçons em 500 lojas, formando apenas um coração e uma alma,
asseguram-lhe aqui seu apoio feliz para levar ao fim o trabalho de regeneração
tão gloriosamente iniciado.37 Adolphe Isaac Crémieux (1796-1880), um maçom
judaico, e membro do Governo Provisório, respondeu: Cidadãos e irmãos do
Grande Oriente, o Governo Provisório aceita com prazer sua útil e completa
adesão. A República existe na Maçonaria. Se a República fizer o que os maçons
fazem, ela se tornará a brilhante promessa de união com todos os homens, em
todas as partes do globo, e em todos os lados do nosso triângulo.38 Quando a
Assembléia Nacional foi formada, a Maçonaria estava de volta ao controle. da
França e da Segunda República começou. Eleito como deputado por Paris foi
Victor Hugo, Grão-Mestre do Priorado de Sion (GM 18441885). O maçom
Louis Napoleon, sobrinho de Napoleão Bonaparte, foi eleito presidente da
Assembléia. A princípio, Hugo apoiou Napoleão, mas quanto mais o presidente
abraçava um autoritarismo da direita, mais Hugo se movia em direção à
esquerda da Assembléia.39 Como a Maçonaria tinha maioria na Assembléia, a
loja sugeriu que a Assembléia seguisse seus ditames. Para garantir o controle
maçônico da nova República, a Maçonaria propôs proibir todas as sociedades
secretas concorrentes, que as ditaduras comunistas são propensas a fazer.
Consequentemente, surgiu um debate na Assembleia sobre esta questão. Os não-
maçons queriam que todas as sociedades secretas, incluindo a Maçonaria,
fossem banidas. Alguns maçons concordaram, afirmando que a Maçonaria não
era mais necessária, agora que a República era uma realidade. Outros maçons,
no entanto, temiam um retorno da realeza, que poderia usar uma loja concorrente
para subverter a República … Concernente ao governo francês, de Poncins nos
informa que, apesar do fato de o governo ser essencialmente maçônico, a
Assembléia Nacional eleita foi. patriótica, recusando-se a obedecer às diretrizes
estabelecidas pela Maçonaria. O Grande Oriente, sem hesitação, voltou-se então
para um homem que sabia ser seu e, em dezembro de 1851, auxiliou Luís
Napoleão em um golpe de Estado.42 Victor Hugo tentou resistir e depois fugiu
para Bruxelas.43 115

DUAS CARAS Figura 27 – Famosos maçons franceses. Napoleão III (1808-


1873) Napoleão III era são de Luís Bonaparte e sobrinho de Napoleão I. Tenho
tornou-se chefe da família quando Napoleão II morreu em 1832. Após a
Revolução de 1848 tenho sido recebido em Paris, eleito para a assembléia
nacional, e tornou-se presidente da República, 10 de dezembro de 1848. Em
1852, o jovem desafiou a Maçonaria e proclamou-se imperador Napoleão III.
Depois que uma nova constituição foi decretada, tenho instituído um regime
ditatorial sancionado por plebiscitos periódicos. Napoleão se tornou um inimigo
do mesmo Grande Oriente que o elevou ao poder. Tenho era um membro do Rito
Escocês Antigo e Aceito da França. Veja Scarlet e Besta, vol. Eu, chps. 10, 12.
Victor Hugo (1802-1885) Grão-Mestre do Priorado de Sião (1844-1885) Após as
revoltas comunistas de 1848 na França, Hugo cunhou a frase “os Estados Unidos
da Europa” na Conferência Maçônica de Paz em 1849. Em 1851, quando
Napoleão III aperfeiçoou seu golpe de Estado, Hugo tentou resistir e fugiu para
Bruxelas. Enquanto no exílio tenho escrito poemas satíricos, que apresentaram
Napoleão como ladrão e assassino. Essas obras finalmente derrubaram
Napoleão. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª edição, chaps. 12 e 17. 116

SEÇÃO 2 Figura 28 – Famosos maçons britânicos 18Ou Sir Thomas Stamford


Raffles (1781-1826) Administrador inglês; fundador da cidade de Singapura e do
Zoológico de Londres. Tenho ingressou na East India Co. como funcionário aos
13 anos e tornou-se um brilhante administrador, estudioso, viajante e naturalista.
Em 1805 tenho sido enviado a Penang como secretário adjunto do primeiro
governador. Tenho persuadido Lord Minto da necessidade de tomar Java dos
franceses e acompanhou a expedição. Tenho foi vice-governador de Java de
1811 a 1816 e introduziu um novo sistema de posse da terra, removendo grilhões
impostos ao comércio. Tenho ficou chocado com os monopólios comerciais
egoístas e cruéis, trabalho forçado, escravidão, pirataria e ilegalidade geral, e
esperava acabar com isso espalhando a proteção britânica sobre a área.
Enganado de suas ambições por todo o Arquipélago do Leste, tenho, no entanto,
obtido a ilha pirata de Cingapura dos governantes de Johore. Tenho justamente
referido a “minha cidade de Cingapura”, dizendo “Eu declarei que o porto de
Cingapura é um porto livre e seu comércio aberto a navios e embarcações de
todas as nações”. Sir Thomas foi iniciado na Loja Vertutis et Artis Aminci,
estabelecida no café Pondoz-Gedeh perto de Buitenzorg, Java, apenas dois
meses após sua conquista dos holandeses. O mestre era um ex-governador de
Java, e um segundo candidato era um membro do conselho holandês. Esses dois
irmãos eram marcadamente hostis aos britânicos na vida pública, mas esse era o
caráter de Raffles que eu fui recebido em seu meio. Tenho foi passado (2Ou)
nesta loja, mas foi elevado (3Ou) em 5 de julho de 1813 na Loja de Amizade em
Surabaja, Java, e posteriormente fez Past Master por seus irmãos holandeses.
Tenho recebeu o 18Ou no capítulo Rose Croix, A Vertueuse em Batavia. 117

DUAS CARAS Figura 29 – Famosos maçons britânicos

3Ou Sir Walter Scott, um grande contador de histórias (1771-1832)

Poeta escocês, historiador romancista e biógrafo. Tenho foi chamado ao bar em


1792, e foi xerife de Selkirk em 1799. Tornou-se o principal funcionário do
tribunal, mas retirou-se do bar para se dedicar à escrita e à publicação. Tenho foi
iniciado, aprovado e criado em uma reunião de emergência do Lodge Saint
David Não. 36 de Edimburgo na segunda-feira, 2 de março de 1801. Seu pai
havia sido iniciado na mesma loja em janeiro de 1754, e seu O irmão lder
também era um membro. Mais tarde, o seu são foi iniciado no Lodge Canongate
Kilwinning Não. 2, em 19 de novembro de 1826. Em 4 de junho de 1816, tenho
colocado a pedra fundamental de uma nova loja em Selkirk, na presença do
Grão-Mestre Provincial, o Marquês de Lothian, e fui eleito membro honorário
daquela loja. na ocasião. Tenho foi criado um baronete em vovô do Grande
Conclave Real dos Cavaleiros Temperar da Escócia, mas declinou por causa de
“idade e saúde que não me permitem assumir os deveres”. Tenho frequentado a
loja frequentemente, como atestou a secretária em 1841, ao propor que o nome
de Saint David Lodge fosse alterado para “Lodge de Sir Walter Scott”. A
proposta, no entanto, foi derrotada. St. David Lodge assinou o monumento a Sir
Walter em Princess St., Edimburgo, e participou da colocação da pedra angular
com honras maçônicas pelo Grão-Mestre em 1840. 118

SEÇÃO 2 Figura 30 – Famosos maçons britânicos. Robert Falcon Scott (1868-


1912) Em 29 de março de 1912, três homens agonizantes estavam deitados em
uma pequena tenda no continente antártico congelado – três homens heróicos
que fizeram o caminho doloroso até o Pólo Sul. No caminho de volta, haviam
sido pegos por uma tempestade de neve dentro de 11 mil quilômetros de um
depósito onde haviam deixado comida e combustível. Enquanto o vendaval batia
e uivava do lado de fora do abrigo frágil, o comandante escrevia debilmente
estas palavras: “Nós o manteremos até o fim, mas estamos ficando mais fracos, é
claro, e o fim não pode ser longe. Parece uma pena, mas não posso escrever R.
Scott terminou a expedição antártica britânica de dois anos, cujos registros e
diários foram encontrados por um grupo de busca em novembro de 1912. Robert
Scott era membro da Drury Land Lodge Não. 2127, Londres, em 1901. Tenho
também foi membro do St. Alban’s Lodge Não. 2597, Christ Church, Nova
Zelândia, e Navy Lodge Não. 2613, da Inglaterra, Visconde Horatio Nelson
(1758-1805), herói da Marinha Britânica, viu o primeiro serviço no Ocidente.
Índias em 1780. Serviu sob Hood em Bastia e Calvi, perdendo o olho direito no
último noivado.Meu completou a redução da Córsega em 1794. Tenho vitória
sobre as frotas francesas e espanholas do Cabo de São Vicente em 1797 e
nomeou Contra-Almirante. Foi baleado através do cotovelo direito na tentativa
de tomar Santa Cruz de Tenerife em 1 797, e perdeu o braço por amputação.
Capturou ou afundou quase todas as fragatas da frota francesa em Batalha do
Nilo, em 1798. Ganhou a batalha de Trafalgar com a frota francesa em 1805,
mas foi atingido por uma bala de mosquete de um atirador que quebrou sua
espinha. Tenho morreu quando a vitória foi concluída. Na revisão trimestral dos
maçons, 1839, Nelson é reivindicado como um pedreiro. Em História da
Maçonaria em Norfolk está escrito: “Na memória do irmão V. Nelson do Nilo,
que perdeu a vida em batalha”. Em seu funeral foi realizada uma leitura
emoldurada por York Lodge Não. 256, “Nós nos alegramos com nosso país, mas
lamentamos nosso irmão”. 119

DOIS FACES Figura 31 – Famosos maçons britânicos. Veja Scarlet and the
Beast, Vol. 1, 3a ed., Cap. 2-4; 23-24; Vol. 2, ch. 1

Rei Eduardo VII (1841-1910) Grão-Mestre de toda a Inglaterra (1874-1897)

O Dr. Erasmus Darwin (1731-1802) foi feito maçom na famosa Canongate


Kilwinning Lodge Não.2 de Edimburgo, na Escócia. Foi um médico.

Charles Darwin (1809-1882), nascido em Shrewsbury, Inglaterra Shropshire

O avô de Charles Darwin, Dr. Erasmus Darwin (acima), era maçom. Os irmãos
de Charles eram maçons. Alguns sugerem que Charles, um ateu, pode ter sido
um maçom do Grande Oriente, mas não há registros. 120

3Ou Cecil J. Rhodes (1853-1902) Famoso pela bolsa Rhodes. Foi sócio do
príncipe Rose Croix Não. 30, AASR em Oxford. Escarlate e Besta, vol.1, 3a ed.,
Cap.24.

SEÇÃO 2 Figura 32 Thomas H. Huxley (1825-1895) são Leonard Huxley


(1860-1933) neto Julian Huxley (1887-1975)

A Sociedade Real Maçônica Britânica promoveu a teoria de Charles Darwin


através do maçom, Dr. Thomas H. Huxley. Em 1850, T.H. Huxley, com
realizações não óbvias ao seu nome, tornou-se um membro da Royal Society na
relativamente jovem idade de vinte e seis anos. Como o principal protagonista da
teoria da evolução, Huxley encorajou Darwin, um homem tímido, a colocar seus
pensamentos evolutivos no papel. O Dr. Huxley, portanto, tornou-se o porta-voz
oficial do recluso Darwin. O Conselho Supremo de 33º grau da Maçonaria de
Mizraim, em Paris, revela em seus minutos a promoção da evolução como
ciência, enquanto eles mesmos zombavam da teoria: “É com esse objeto em
vista [teoria científica da evolução] que estamos constantemente meios de nossa
imprensa, despertando uma confiança cega nessas teorias.Os intelectuais … se
embebedarão com seus conhecimentos e, sem qualquer verificação lógica deles,
porão em prática toda a informação disponível da ciência, que nossos
especialistas em mediação criaram astuciosamente. juntos com o propósito de
educar suas mentes na direção que queremos. Não suponha por um momento
que essas declarações sejam palavras vazias: pense cuidadosamente nos sucessos
que organizamos para o darwinismo … “A Maçonaria na América tem adquirido
o manto de Mizraim Em sua edição de março de 1922, a revista New Age
declara: “A Arte acredita que o reino de Deus é estabelecido entre os homens
pela evolução e desenvolvimento do próprio homem …” Julian Huxley (acima)
e seu irmão, Aldous Huxley (1894-1963), ambos estavam sob a tutela maçônica
de 33Ou Freemason HG Wells (1866-1946). Na década de 1920, Wells dirigiu os
irmãos para o cantor Aleister Crowley, para treinamento adicional. Crowley os
introduziu no culto ao uso da droga da Golden Dawn, onde eles foram treinados
sobre como subverter uma nação através do vício em drogas. Leia mais em
Scarlet and the Beast, Volume 2, capítulo 1 e Volume 3, capítulo 7. 121

DUAS FACES Figura 33 – Realeza maçônica britânica.

Rainha Alexandria Victoria (1819-1901) Patrona Real do Franco Maçom no


Império Britânico Rainha da Inglaterra, 1837-1901. Ela era a única filha do
quarto século de George III, Edward, Duque de Kent (um maçom). Seu pai foi o
último Grão-Mestre dos “Antigos” na Inglaterra (1813). Sua são, Eduardo VII,
tornou-se Grão-Mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra em 1875. Com a
morte de seu pai, ela anunciou que, como monumento à sua memória, ela se
designaria como Patrona Real da Fraternidade Maçônica na Inglaterra. Império.
Ela também se tornou Patrona da Real Instituição Maçônica para Rapazes em
1852, e Chefe Patrona da Real Instituição Maçônica para Meninas em 1882. Em
uma grande assembléia de maçons no Royal Albert Hall sob a presidência do
Príncipe de Gales, um endereço foi votou em Sua Majestade em seu jubileu. Ela
então recebeu uma delegação da Grande Loja em 2 de agosto de 1887, quando o
endereço foi apresentado. O mesmo ocorreu em 1897 em seu Jubileu de
Diamante. 122

SEÇÃO 2 Figura 34 – Realeza Maçônica Britânica. 33Ou Eduardo VII (1841-


1910) Os mais velhos são da rainha Vitória da casa de Saxe-Coburg. Estudou em
Edimburgo, Oxford e Cambridge. Foi criado Príncipe de Gales em 1841. Serviu
como Coronel no Exército em 1858. Em 1863 tenho tomado assento na casa dos
senhores como Duque da Cornualha. A rainha Vitória, no entanto, não permitiria
que ele participasse de negociações estrangeiras até o último ministério de
Gladstone em 1892-94. Como rei da Inglaterra (1901-10), tenho promovido a
amizade internacional pelas visitas às capitais européias. Tenho trazido a coroa
para a participação ativa na vida pública e com todas as seções do império.
Chamado de “O Pacificador”, tenho sido o primeiro príncipe real britânico a
visitar uma colônia – visitando o Canadá em 1860. Enquanto lá eu pus a pedra
fundamental do prédio do Parlamento Canadense em Ottawa. É interessante
notar que o governo canadense não permitiria que os maçons participassem das
cerimônias, mas os acolheram para aparecer em seus regalias. Eduardo VII foi
iniciado na Maçonaria em 1868 em Estocolmo, Suécia pelo rei Adolfo
Frederico, que foi Grão-Mestre da Suécia. Cinco anos depois, Edward foi
nomeado Mestre da Apollo University Lodge em Oxford; em 1875 tenho
recebido todos os 33 graus do AASR; em 28 de abril de 1875 tenho foi eleito
Grão-Mestre da Grande Loja da Inglaterra e instalou esse dê-se em uma
cerimônia em Albert Hall conduzida pelo Conde de Carnarvon na presença de
10.000 Maçons; Tenho servido como Grão-Mestre até 1901, quando tenho
ascendam ao trono e levei o título – “Protetor do Ofício”. Hospedaria Queen
Alexandria Não. 2932 de Londres foi nomeado para sua rainha com a sua
permissão e boa vontade. Eduardo VII foi mestre do Príncipe de Gales Lodge
Não. 250, Londres; Mestre do Royal Alpha Lodge, em Londres. Patrono da
Grande Loja da Escócia e da Irlanda; membro honorário do Edinburgh Lodge
Não. 1; e patrono do Supremo Conselho dos 33Ou da Inglaterra. 123

DUAS FACES Figura 35 – Famosos maçons britânicos. Bertie, Príncipe de


Gales, um pedreiro, um mulherengo e a causa por trás dos chamados
assassinatos de Jack-the-Ripper.
Albert Victor Christian Edward “Bertie” Príncipe de Gales (1864-1892)

Era costume o Príncipe de Gales se juntar à Maçonaria Inglesa. Em 28 de abril


de 1875, o príncipe Albert Edward (Bertie) foi instalado como Grão-Mestre.
Tenho, no entanto, não manteve as virtudes reais exigidas dele pela sociedade, e
isso refletiu negativamente na Maçonaria. Tenho foi um embaraço tanto para a
Irmandade quanto para a Coroa. Seu único propósito na vida parecia ser uma
busca de prazer. Bertie era um mulherengo. Uma das mulheres, uma plebéia,
estava carregando seu filho. Ela, com várias outras mulheres da rua, planejava
chantagear a monarquia. Como resultado, em 1881, o Príncipe Eduardo recebeu
uma carta anônima da Grande Loja Britânica, castigando-o por sua devassidão, e
avisando-o da conseqüência para a Grã-Bretanha, devo não me arrepender.
Bertie, no entanto, não deu atenção ao aviso de seus irmãos maçônicos, e
continuou sua devassidão. Para salvar a reputação da monarquia e da Maçonaria,
a Loja decidiu agir. O resultado foi o assassinato ritual maçônico das mulheres
que estavam chantageando a monarquia. Os assassinatos seguiram precisamente
os assassinatos sangrentos feitos durante o início dos três primeiros graus da
Maçonaria. Depois, a Scotland Yard tirou fotos dos corpos e criou Jack, o
Estripador. Você pode ler os detalhes em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª edição,
capítulos 6 e 23. 124

SEÇÃO 2 Fig. 36 – Reação Maçônica Britânica.

33 Ou Edward VIII

(1894-1972) Rei da Inglaterra de janeiro a dezembro de 1936

Eduardo VIII era o mais velho do rei Eduardo VII e irmão do rei Jorge V, cuja
esposa era a rainha Maria. Nome completo de Edward: Edward Albert Christian
George Andrew Patrick David. Quando Edward sucedeu seu pai em 20 de
janeiro de 1936 como Eduardo VIII, tenho foi coroado rei e grão-mestre da
maçonaria inglesa simultaneamente. Tenho foi o primeiro solteiro em 176 anos.
Quando eu propus se casar com a Sra. Wallis Simpson, uma plebéia americana
divorciada, e elevá-la à rainha, levantou uma tempestade de protestos, resultando
em sua abdicação há onze meses. Antes de ascender ao trono, Eduardo era o
príncipe de Gales. Depois da abdicação, tornei-me duque de Windsor. Eduardo
foi iniciado na Maçonaria em 2 de maio de 1919 no Household Brigade Lodge
(Não. 2614) por H.R.H. Arthur, duque de Connaught e Strathearn. Tenho foi
nomeado diretor sênior da loja em 1920 e eleito vice-mestre em 1921. On Out.
25 de 1922 tenho foi instalado como Senior Grand Warden da Grande Loja da
Inglaterra no Royal Albert Hall, na presença de quase 9.000 irmãos. Tenho foi
nomeado Grão-Mestre Provincial de Surrey em 22 de julho de 1924 e Grão-
Mestre da Grande Loja da Inglaterra em 1936. Serviu como Grande
Superintendente da Maçonaria do Arco Real de Surrey. Foi um honorário
honorário do Supremo Conselho do Rito Escocês da Inglaterra. Durante a
Segunda Guerra Mundial, Edward VIII não apenas apoiou Hitler, como o fez em
voz alta. Falando em termos maçônicos, o rei expressou suas visões a respeito de
Hitler: “O que quer que aconteça, seja qual for o resultado, uma Nova Ordem
virá ao mundo …” (ver Scarlet and the Beast, Vol. 1, 3ª ed., capítulo 25, veja
também PB.S9.F27). 125

Duas faces Figura 37 – Realeza maçônica britânica. Elizabeth II (1926-) Rainha


do Reino Unido desde 1952 e chefe da Commonwealth. Nasceu em Londres, na
Inglaterra, filha de George VI. Outrora princesa Elizabeth Alexandra Mary, foi
proclamada rainha em 6 de fevereiro de 1952 e coroada em 2 de junho de 1953.
Seu marido foi criado duque de Edimburgo na véspera de seu casamento (20 de
novembro de 1947) e estilizado o príncipe Philip em 1957. tem três filhos,
Charles Philip Arthur George (n. 1948); Andrew Albert Christian Edward (n.
1960); Edward Anthony Richard Louis (nascido em 1964); e uma filha, Anne
Elizabeth Alice Louise (n. 1950). A Rainha Elizabeth é a Grande Patrona de
cada uma das três Instituições Maçônicas Benevolentes Realistas conduzidas
pela Grande Loja da Inglaterra; um para pessoas idosas e um para meninos e
meninas. Quando ela se casou com Lord Mounbatten, agora Philip, Duque de
Edimburgo, a United Grand Lodge of Eng. presenteou-a com um presente de 2.
500 presentes em agradecimento pelos serviços que seu pai, o rei George VI,
prestou à embarcação. 126

SEÇÃO 2

Fig. 38 – Discurso maçônico dado por Sua Alteza Real, Filipe, Duque de Kent,
Grão-Mestre da Maçonaria Inglesa. Philip foi iniciado no Navy Lodge Não.
2612 de Londres, em 5 de dezembro de 1952. Presente em sua iniciação, estava
o arcebispo de Canterbury, Mason Geoffrey Francis Fisher. Veja as credenciais
maçônicas de Fisher na próxima página. O príncipe Charles, são de Elizabeth e
Philip, recusou-se firmemente a juntar-se aos maçons. Do rei Jaime I, todos os
reis britânicos foram maçons. Procure pelo príncipe William, são de Charles,
para se juntar à Loja e ser o próximo Rei da Inglaterra – se o príncipe Charles se
manifestar. 127
DUAS CARAS Figura 39 – discurso maçônico dado por Sua Alteza Real,
Duque de Kent, Grão-Mestre da Maçonaria Inglesa. Discurso impresso em The
Northern Light, Agosto de 1997, AASR, Northern Jurisdiction (NJ) da
Maçonaria, Ou.S.A.

128

SEÇÃO 2 Figura 40 – Reação Maçônica Britânica. Príncipe Charles não vai se


tornar Rei da Inglaterra até que eu ingresse na Maçonaria. Se e quando eu for
Rei da Inglaterra, você pode ter certeza de que eu realmente me juntei à
Irmandade Britânica.

Príncipe Charles (1948-)

Príncipe de Gales. Os mais velhos são da rainha Elizabeth II e do príncipe Philip,


duque de Edimburgo, e herdeiro do trono. Nascido no Palácio de Buckingham,
Londres, Inglaterra, Reino Unido. Como o mais velho são do monarca, tenho
recebido o título de Príncipe de Gales em 1958. Tenho estudado em Cheam e
Gordonstoun, e entrei no Trinity College, Cambridge em 1967. Tenho servido na
RAF e Royal Navy, 1971-1976. Em 1981 casou-se com Lady Diana Frances,
filha mais nova do 8º Conde de Spencer. Eles tiveram dois filhos: o príncipe
William, nascido em 1982, e o príncipe Charles Albert. O casal se separou em
1992 e se divorciou em 1996. O príncipe Charles se recusa a se juntar à
Maçonaria, o que significa que não subirá ao trono após o reinado da rainha
Elizabeth II. No entanto, os tablóides britânicos retratam Charles, que mostrou
interesse pelo ocultismo, participando de rituais primitivos, dançando sob as
estrelas com belezas africanas obscuras e evocando os espíritos dos mortos. Para
Charles, sua vida é coerente com os ensinamentos do ocultista tenho admire, o
psiquiatra suíço do século XX, Carl Jung. Para dotar sua vida predestinada de
significado, Charles se tornou um discípulo de Jung, que acreditava, entre outras
coisas, no “inconsciente coletivo”, a premissa de que diversas culturas
compartilham mitos e símbolos básicos. Um dia Charles está fazendo discursos
solenes sobre as realidades do comércio britânico, o próximo tenho está tentando
entrar em contato com seu mentor de bate, Lord Montbatten, através de um meio
espiritual. (Life Magazine, setembro de 1987, pgs. 32-37). Quando Charles se
juntar à Maçonaria, eu serei coroado rei. 129

DOIS FACES Figura 41 – Famosos maçons britânicos. Veja Scarlet and the
Beast, Volume 1, 3a edição, capítulos. 10 e 18-19. 3Ou Sir Walter Besant (1836-
1901) romancista inglês. Educado no King’s College, em Londres e no Christ’s
College, em Cambridge. Foi co-autor com James Encrespe de uma série de
romances, incluindo Ready-Money Mortiboy (1872) e The Seamy Side (1881).
Único autor de todos os tipos e condições de homens (1882) e filhos de Gibeon
(1886). Besant foi criado (3Ou) em Mauritius Lodge em 1862 e tornou-se
Mestre do Marquês de Dalhousie Lodge Não. 1159, Londres, em 1873. Tenho
concebido a idéia de estabelecer uma loja de pesquisa e, como resultado, tornei-
me um dos fundadores do famoso Quatuor Coronati Lodge Não. 2076 de
Londres, atuando como tesoureiro de uma só vez. Sua irmã-de-lei, Annie Besant,
uma mulher corpulenta, era mais famosa do que a minha no mundo oculto. De
fato, ela falou em muitas funções maçônicas. Annie era uma mulher maçom,
traficante de drogas e promotora de sexo livre. Albert Pike era um dos muitos
amantes de Annie. Annie era um membro da população controle da Liga
Malthusiana. Na realidade, o controle do nascimento foi promovido para
compensar os resultados óbvios da promoção da liberação sexual das mulheres
por Annie Besant. (Veja mais sobre Walter e Annie em Scarlet and the Beast,
Volume 1, 3a edição, capítulos 10,18-20, 22). Benjamin Disraeli (1804-1881)
Primeiro Ministro da Inglaterra sob a Rainha Vitória. Foi intitulado o primeiro
conde de Beaconsfield. Alguns autores relataram ele como um pedreiro, porque
o Beaconsfield Lodge Não. 1662 de Londres foi nomeado para ele e consagrado
Fev. 24, 1877 com sua permissão para usar seu título como Earl of Beaconsfield
e seus rolamentos heráldicos. 10.000 maçons famosos nos informam que eu não
sou maçom. Tenho era descendente de judeus. Seu pai, Isaac Disraeli, teve seus
filhos batizados na Igreja Anglicana. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3rd ed.,
Rachaduras. 12, 20 e 25. 130

SEÇÃO 2 Figura 42 – Família Rothschild – famosos maçons e financistas. Veja


Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª edição, chaps. 7, 11, 12, 21, 24, 26. 3 Ou Barão
Nathan Rothschild (1777-1836) Terceiro são de Meyer Amachel Rothschild
(1743-1812), alemão / judeu fundador do império bancário da família, que se
tornou um dos mais ricos e mais afluente de todos os tempos. Nathan era
representante em Londres da família bancária e primeiro barão da família; filial
estabelecida de Londres. Membro Lodge Emulation, London, Out. 4, 1802.

te Não ue D

Pai de clã, Meyer Rothschild, (1743-1812) não é maçom.

Filhos e descendentes eram todos maçons: Amschel 1773-1885 Solomon Meyer


1774-1855 Nathan Meyer (em pé) Carl 1788-1855 James Meyer (à direita)
Lionel 1808-1879 33Ou Edmond de 20o C. James de 20o C. Lord Nathan Meyer
20o C.

33Ou James Meyer Rothschild (1792-1868)

Financista Mano. de Nathan. James estabeleceu filial em Paris. Foi 33Ou AASR
do Supremo Conselho francês. Veja Scarlet & Beast, V. 3, cap. 4. por seu
envolvimento em desencadear a nossa Guerra Civil.

131

DUAS CARAS Figura 43 – Famosos maçons alemães. Almirante von Tirpitz


(1849-1930) Comandante naval alemão que é creditado com a criação da
marinha alemã moderna. Tenho defendido a guerra submarina irrestrita na
Primeira Guerra Mundial. Isto levou à entrada dos Ou.S. na guerra. Na queda do
império alemão, tenho refugiado na Suíça onde tenho publicado suas memórias.
Pouco depois de 1924, retornei à Alemanha e me tornei membro do Reichstag
nazista. Tenho uma afiliação maçônica na loja chamada Zum Aufrichtigen
Herzen na FrankfurtOrder.

Johann Gottfried von Herder (1744-1803) filósofo alemão e homem de letras.


Entre suas obras estão Kritische Walder (1769); Abhandlung uber dêem
Ursprung der Sprache (1772); e várias edições de canções folclóricas alemãs.
Tenho foi feito maçom em Riga na loja Zum Schwert em 1766.

132

SEÇÃO 2 Figura 44 – Famosos Maçons Alemães.

William I (1797-1888)

Rei da Prússia, 1861-88. Imperador da Alemanha, 1871-88. O nome completo


era Wilhelm Friedrich Ludwig. Lutou contra Napoleão em 1814-15. Tornou-se
Príncipe da Prússia em 1840 quando seu irmão Frederico Guilherme IV se
tornou imperador. Foi impopular por causa de suas idéias absolutistas e
supressão de insurreições. Tenho fugiu para a Inglaterra em 1848, o ano em que
toda a Europa estava no caos político – o caos criado pela Maçonaria (ver slogan
maçônico, seção 1, figura 51, “Ordem fora do caos”). Ao me tornar rei da
Prússia em 1861, tenho proclamado tenho “governado pelo favor de Deus e de
não mais”. Tenho tive lutas contínuas com liberais. Na guerra com Austria em
1866 tenho pessoalmente comandado em Sadowa e liderou os exércitos alemães
na Guerra Franco-Prussiana de 1870-71. Novamente eu comandei pessoalmente
em Gravelotte e Sedan, e fui proclamado imperador da Alemanha em Versalhes
em 18 de janeiro de 1871. Tenho fortalecido Bismarck e seus generais no
exercício do controle prussiano da Alemanha. Guilherme foi iniciado em uma
loja especial do Grosse Landesloge em Berlim em 22 de maio de 1840, quando
os três Grandes Mestres das Grandes Lojas de Berlim participaram. Tenho foi
membro honorário da Grande Loja da Escócia e protetor da Maçonaria na
Alemanha. Os trabalhos da Grande Loja de Nova York, em 1888, declaravam:
“Seria supérfluo mencionar sua carreira maravilhosa. Apesar dos cuidados de
Estado, em ocasiões freqüentes, manifestei seu apego à nossa Fraternidade, da
qual, durante muitos anos, Tenho mantinha o cargo, desconhecido entre nós, de
Protetor das oito Grandes Lojas Alemãs que compõem a Liga da Grande Loja
dentro de seu domínio. ” 133

DOIS FACES Fig. 45 – Famosos maçons alemães. Veja S & B, vol. 1, caps. 6, 7,
8. Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832). Poeta e intelectual alemães. Tenho
feito uma estendam viagem com o duque de Weimar em 1799 e encontrei
evidências das vantagens da associação maçônica. Tenho recebeu os graus mais
altos de Temperar do Rito da Estrita Observância. Seus escritos contêm
numerosas alusões e referências maçônicas.

Johann C.F. von Schiller (1759-1805). Poeta alemão e dramaturgo. Considerado


como 2º apenas para Goethe no campo da literatura alemã. Tenho era um
membro do Rudolstadt Lodge de Berlim.

Gotthold E. Lessing (1729-1781). Dramaturgo e crítico alemão. Dois de seus


escritos são maçônicos; Nathan, o Sábio, é um poema dramático sobre a
tolerância religiosa, pregando a fraternidade universal. Foi colocado no palco por
Schiller e Goethe. Ernst e Falk são uma defesa da Maçonaria. Em 1771 tenho foi
iniciado no alojamento Zu dêem drei Goldenen Rosen em Hamburgo. 134

SEÇÃO 2 Fig. 46 – Famosos Maçons Alemães. Veja S & B, vol. 1, capítulos, 7 e


8. Moses Mendelssohn (1729-1796) Filósofo judeu alemão, chamado “O
Sócrates alemão”. Tenho foi o avô de Felix Mendelssohn, o compositor. Tenho
formou uma amizade íntima com Lessing em 1754, que inspirou o último a
escrever Nathan the Weise (Nathan, o Sábio), um poema dramático sobre a
tolerância. Tenho também foi amigo de Nicolia, Lavater e Kant, contribuindo
com vários de seus trabalhos como crítico. Tenho escreveu Phandon em apoio à
imortalidade da alma e sua Jerusalém ou uer Religiose Macht und Judentum era
um apelo à tolerância religiosa. O boletim do Congresso Maçônico Internacional
de 1917 o relaciona como maçom, e Beswick, em seu rito Swedenborg, declara
que Mendelssohn era um maçom do rito escocês. Mendelssohn também foi
membro dos Illuminati. Seu amigo mais próximo e companheiro Illuminatus foi
Gotthold Lessing, um rebelde são do pastor luterano chefe em Kamenz,
Alemanha. Lessing odiava Jesus Cristo e todas as coisas cristãs, escrevendo
diatribes contra a Igreja. Lessing defendam o trabalho de Mendelssohn para a
maior causa dos Illuminati – a destruição total do cristianismo e do judaísmo. O
rabino ortodoxo Marvin S. Antelman escreve em Para eliminar o opiáceo,
“Moses Mendelssohn é considerado por muitos como o pai do movimento
Haskala”. Haskala é o nome dado aos primeiros liberais judeus que eram
conhecidos como “iluministas” e mais tarde chamados de Movimento de
Reforma Judaica. Nos Estados Unidos, fundaram a American Civil Liberties
Union (ACLU) para destruir o cristianismo. Haskala eram seguidores de um
falso Messias, Shabbetai Zevi (1626-1676), conhecido como Frankistas na época
de Mendelssohn, em homenagem a Jacob Frank (1726-1791), o judeu que
ressuscitou o movimento Sabbatai com o propósito expresso de destruir o
judaísmo ortodoxo. Antes da fundação dos Illuminati em 1776, Mendelssohn,
um maçom do Rito Escocês, era conhecido como o líder do Haskala. Maçonaria,
no entanto, era seu veículo para a proeminência. Em Scarlet and the Beast você
também pode ler sobre o envolvimento dele com uma cadeia de casas de
prostitutas (denominada União da Virtude), na qual muitas tramas maçônicas
foram planejadas. 135

DUAS CARAS Fig. 47 – Mágico Maçom Famoso. Veja S & B, vol. 1, cap. 7

Daniel Wolf (?) Alias ​​O conde de Saint-Germain Outro membro da seita
Illuminati foi Daniel Wolf, mentor de Cagliostro (1743-95), Daniel Wolf (vulgo
Saint-Germain), são de um doutor judeu de Estrasburgo. Tenho deliciado o rei da
França e Madame de Pompadour com sua magia. Saint-Germain fez muitas
alegações falsas e ultrajantes. Tenho declarado tenho era Grão-Mestre da
Maçonaria Continental em uma época em que essa posição era ocupada por
Frederico, o Grande, rei da Prússia. Tenho também alegou que eu havia
descoberto o segredo de reter sua juventude, mostrando-se como um exemplo.
Quando eu tinha apenas cinquenta tenho dito que tenho setenta e quatro. O Dr.
Mackey confirma que St. Germain “reivindicou o posto mais alto da Maçonaria,
a Ordem sendo naquele tempo forte na França, alegando também que eu tinha
mais de quinhentos anos de idade, tinha nascido na Caldéia, [e] possuído os
segredos dos sábios egípcios … ”7 Na sua morte, eu aumentara sua idade para
1.500 anos, mantendo que eu havia passado por várias encarnações. Embora
tenha morrido em 1784, seus admiradores sustentavam que eu estava em algum
canto remoto da Europa.

SEÇÃO 2 Figura 48 – Famoso Maçom Austríaco. Veja S & B, vol. 1, 3rd ed.,
Cap. 6, 18, 19. Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) Compositor austríaco
que criou mais de 600 obras durante sua curta vida, abrangendo quase todos os
campos da música conhecidos. São de Leopoldo, também compositor e maçom.
Wolfgang escreveu a jornada do Companheiro para honrar a iniciação de seu pai
no 2Ou da Maçonaria. Como uma criança prodígio, Mozart viajou com seu pai e
irmã, compondo seus primeiros trabalhos publicados aos sete anos de idade.
Tenho foi trazido para Londres aos oito anos de idade, jogando diante da família
real. Em 1768, aos 12 anos, tenho recebido uma comissão imperial para compor
e dirigir uma ópera, e foi feito mestre de cerimônias ao arcebispo de Salzburgo
em 1769. Nesse mesmo ano tenho sido nomeado cavaleiro do Golden Spur pelo
papa. Voltando a Salzburgo, tenho rompeu com o novo arcebispo, Hieronymus,
que tentara mantê-lo em cativeiro eclesiástico. Em 1782 tenho estabelecido em
Viena como professor e compositor. Apesar de sua posição como compositor de
câmara real do imperador José II (também maçom), tenho vivido na pobreza. Em
5 de dezembro de 1784, Mozart foi proposto para ser membro da Loja Maçônica
Zur Wohltatigkeit e foi iniciado em 14 de dezembro, tornando-se a 20ª pessoa
iniciada naquela loja. Cuide-se dias depois, eu participei do alojamento Zur
wahren Eintracht e em 7 de janeiro de 1785, e recebi o segundo grau na última
loja a pedido de sua mãe. Em 1 de dezembro de 1785, sua própria loja, Zur
Wohltatigkeit, uniu-se às lojas Zu dêem drei Feuern e Zum heiligen
neugekroentin Hoffnung. Isso foi por decreto do imperador Joseph II. Para a
ocasião, Mozart escreveu Opening Ode (Op. K483). O texto inclui: “Oh cantem
hoje amados irmãos … Sua canção de júbilo … Pela benevolência de Joseph …
tem coroado novamente nossa esperança … Pois em nossos corações uma chama
tripla agora brilha.” Sua melhor música foi composta após sua iniciação, da qual
uma grande quantidade tinha conexões maçônicas. Sua maior obra é talvez A
Flauta Mágica, sua última ópera. Mozart sentiu que a Maçonaria estava sendo
137

DUAS CARAS perseguidas e esta ópera destinava-se a reivindicar os objetivos


da instituição. A abertura contém três acordes, tocados três vezes ao ritmo dos
três raps no terceiro grau da Maçonaria. O segundo ato é colocado no
temperamento de Ísis e Osíris e o maçônico a alusão é muito impressionante.
Naquela época, pensava-se que a embarcação era de origem egípcia. Aqui o
sumo sacerdote coloca três perguntas: “Tem um virtuoso? Sou caridoso? Posso
ter silêncio ?, e três cordas são ouvidas novamente. Em 1785 tenho escrito Die
Gessellenreise (Viagem dos Companheiros, o 2º grau da Maçonaria), como
canção maçônica (Opus 468) Em 20 de abril de 1785 tenho escrito Maurerfreude
(Opus 471), uma pequena cantata que foi realizada em 24 de abril em uma loja
especial realizada naquele dia para celebrar a descoberta de Von Born do método
de trabalho por amálgama A última obra maçônica de Mozart foi escrita para a
dedicação de um temperamento maçônico em Viena em 15 de novembro de
1791. As palavras foram de Schikaneder, um membro da loja, que também
escreveu o libreto de A Flauta Mágica (Opus 623), escrito por dois tenores e um
baixo com acompanhamento orquestral, foi a última composição final da qual
Mozart conduziu a performance, contém um apêndice e um hino para o
fechamento da loja, que foi provavelmente a despedida de Mozart à Arte. , em
parte, são: “Hoje nós consagramos esta habitação para nosso temperamento, pela
primeira vez nós dentro desta nova sede de conhecimento e de virtude, e
olhamos, a consagração está completa. Oh! que o trabalho foi concluído também
que consagra nossos corações. “Mozart estava presente quando seu bom amigo e
colega compositor Granz Joseph Hayden, foi iniciado na Loja Zur Wahrn
Eintracht de Viena em 4 de fevereiro de 1785. A morte de Mozart ocorreu em
circunstâncias incomuns. viagem a Berlim, e acredita-se que eu tenha sido
envenenado por um homem chamado Salieri. Tenho foi enterrado em uma
sepultura desconhecida.Uma loja de luto foi realizada por ele e a oração lá
entregue foi publicada em 1792 e vendida para o benefício de sua A oração: “Foi
um prazer para o eterno Mestre Construtor tirar o nosso amado Irmão da
corrente de nossa irmandade. Quem não o conheceu? Quem não o avaliou?
Quem não o ama, nosso digno Irmão, Mozart? Apenas algumas semanas atrás,
eu estava em nosso meio e, com os tons mágicos, acrescentou tanta beleza à
dedicação de nosso Tempere Maçônico. A morte de Mozart traz prejuízos
irreparáveis ​​à sua arte; Seus talentos, aparentes em seus primeiros anos de vida,
fizeram dele a maior maravilha de seu tempo. Metade da Europa o valorizava. O
grande chamou-o de seu favorito … e o chamamos de irmão … Tenho foi um
seguidor entusiasta de nossa Ordem …, etc. etc. Leia a atividade revolucionária
de Mozart em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, caps.6, 18, 19. 138

SEÇÃO 2 Fig. 49 – Capa do álbum Mosart Jubilee Edition 1956.

Abaixo está a parte superior da tampa traseira. Não listado nesta foto são as
peças maçônicas. Na parte inferior da capa traseira é uma homenagem maçônica
para Mozart (veja abaixo).

“Que a ordem maçônica sabia quem tinha perdido em Mozart quando tenho
morrido em 5 de dezembro de 1791, menos de 36 anos de idade, é mostrada
neste breve trecho da longa oração lida na Loja pouco depois: ‘Ela agradou ao
Todo Poderoso para tirar entre nós o nosso membro mais amado e mais
estimável. ” etc., etc. 139

DUAS CARAS Fig. 50 – Famoso maçom austríaco. Veja Scarlet and the Beast,
vol. 1, capítulo 6.

Franz Joseph Haydn (1732-1809) compositor austríaco, considerado como o


primeiro grande mestre da sinfonia e do quarteto. Tenho era conhecido pelo
apelido Papa Haydn. O nome mostra o profundo carinho em que tenho foi
realizado. Tenho agido como um pai para seus associados e para lutar com
jovens talentosos. O pai de Haydn, um homem de gostos refinados e apaixonado
por música, era mecânico na cidade de Rohrau, na Áustria inferior. Em sua
infância, Haydn Jr. passou as noites ouvindo seu pai tocando harpa, enquanto sua
mãe cantava as canções folclóricas da Hungria. Os temas dessas músicas mais
tarde encontraram seu caminho em algumas das melhores composições do
mestre. Haydn cantou no coro da catedral de St. Stephen em Viena de 1740-49.
De 1760-90 tenho sido kapellmeister a serviço da família Esterhazy, e foi
durante esse período que tenho escrito algumas de suas maiores músicas, óperas,
missas, sonatas para piano, sinfonias e aberturas. Haydn teve uma longa amizade
com Mozart, a partir de 1781. A influência de Mozart o ajudou a desenvolver um
domínio mais completo dos efeitos orquestrais em suas últimas sinfonias.
Enquanto na Inglaterra de 1791-92, tenho escrito e conduzido seis sinfonias, e
novamente em 1794-95, escrevi outras seis sinfonias enquanto estava naquele
país. Tenho morava nos subúrbios de Viena desde 1795, onde tenho escrito suas
últimas oito missas, sua melhor música de câmara, o hino nacional austríaco e os
dois grandes oratórios, The Creation e The Seasons. É provável que sua
associação com Mozart o tenha levado a pedir a Maçonaria. Tenho entrou na loja
três anos após o início de sua estreita associação. Haydn recebeu seu diploma de
Aprendiz pela Fev. 4, 1785 no alojamento Zur Wahrn Eintracht em Viena.
Mozart estava presente nessa ocasião. 140

SEÇÃO 2 Figura 51 – Famosos Maçons Alemães. Veja Scarlet and the Beast,
vol. 1, capítulo 6 – “Música e Revolução”. Lugvig von Beethoven (1770-1827)
O livro de Maynard Solomon, Bate Beethoven, com o subtítulo: Music,
Thought, Imagination, lida com a música do compositor de 1812 até sua morte
em 1827. Várias das dezenas de ensaios deste livro foram originalmente escritos
para publicações acadêmicas. e conferências, então o leitor deve lidar com mais
de 60 exemplos musicais. Há muita teorização elevada, também, muito
provocativa (o significado da imobilidade em sua música de bate-papo), e
algumas de suas sutis suposições fálicas nos escritos de Beethoven e seu círculo
sobre a beleza das árvores. Apesar disso, Salomão foi notícia com este livro. Sua
pesquisa indica que Beethoven era um maçom praticante bem em seus anos de
bate. Os registros de Não sobrevivem para mostrar que Beethoven era um
membro de qualquer loja, mas o exame de Salomão do “Tagebuch”, ou diário, de
1812 a 1818, mostra que muitas das passagens da obscura literatura que o
compositor copiou no livro podem ser explicadas somente por referência a
fontes maçônicas, e que manter o diário em si fazia parte do processo de
autoeducação necessário aos iniciados. É claro que muitas figuras públicas do
século 18 foram maçons; o foco da sociedade secreta na fraternidade universal
andava de mãos dadas com o Iluminismo. Além de compositores como Haydn e
Mozart (“A Flauta Mágica” é uma ópera maçônica), Gothe, George Washington
e Ben Franklin também conheciam o aperto de mão secreto. O foco de Salomão
na influência maçônica em Beethoven, entretanto, nos permite ver muitas de
suas últimas obras sob uma luz muito diferente, mais notavelmente a “Nona
Sinfonia”. O coral final desse trabalho prepara a “Ode à Alegria” de Friedrich
Schiller, um poema reconhecido em sua época como maçônico. 141

DOIS CARAS Fig. 52 – Fundadora do “Mesmerismo”, precursora do


“hipnotismo”. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, capas. 6, 9 e 10 para aprender
como tenho usado o mesmerismo no controle da mente que conduz à Revolução
Francesa.

Frederic Antoine Mesmer (1733-1815) Médico, nascido perto de Constance,


Áustria. Eu estudei e pratiquei medicina em Viena, e em 1772 assumi a idéia de
que existe um poder que tenho chamado de “magnetismo animal”. Isso levou à
fundação do mesmerismo, precursor do hipnotismo na psicoterapia moderna. Em
1778 tenho ido a Paris, onde tenho criado uma sensação curando doenças em
sessões. Em 1785, quando uma comissão instruída o denunciou como impostor,
eu me aposentei na Suíça. Nesta Webster descreve como Mesmer usou uma
forma de música para hipnotizar: “Mesmer-se – mexendo o fluam em seu balde
mágico, em torno do qual seus discípulos choraram, dormiram, caíram em transe
ou convulsões, deliraram ou profetizaram … Maçonaria, ansiosa para descubra o
segredo do balde mágico, apressou-se a inscrevê-lo em sua Ordem, e Mesmer foi
recebido no Rito Primitivo dos Maçons Livres e Aceitos em 1785. Enquanto na
França me tornei um membro do Philadelphia Lodge em Norbonne. a sociedade
na França, chamada Ordem da Harmonia Universal, e envolveu-se com o
famoso charlatão Cagliostro (nome real Joseph Balsamo) .Cagliostro usou o
“magnetismo animal” de Mesmer em suas iniciações maçônicas.

SEÇÃO 2 Fig. 53 – Famosos Maçons Alemães. Veja Scarlet and the Beast, vol.
1, 3a ed., Capas, 19 e 25. Richard Wagner (1813-1883) compositor alemão.
Alguns dizem que Wagner era maçom, porque a Maçonaria teve um papel
importante em grande parte de sua música. A Maçonaria diz que eu não era
maçom, mas queria ser. Wagner teve muitas influências maçônicas em sua vida,
incluindo sua família e amigos. Seu cunhado, Prof. Oswald Marbach, foi uma
das personalidades mais importantes da Maçonaria durante o tempo de Wagner,
e em vista do aspecto maçônico de seu Parsifal, especula-se que tenho aprendido
muito do ritual maçônico e das idéias de Marbach. , que ocupou a cadeira do
capítulo Balduin, Zur Lindi de Leipzig por mais de 30 anos, e foi membro
honorário de mais de 50 lojas. Outro grande amigo de Wagner era o banqueiro
Feustel, em Bayreuth, que entre 1863 e 1869 era dono da loja Zur Sonne em
Bayreuth. Em 1847, Feustel propôs que a loja abolisse as restrições aos não-
cristãos se tornando membros, aparentemente a pedido de Wagner, uma vez que
Wagner informou Feustel de seu desejo de se tornar um membro da loja Eleusis
zur Verschuregenheit em Bayreuth. Mas, Feustel foi aconselhado a não
apresentar uma petição formal, uma vez que havia membros que censuraram
Wagner por sua vida pessoal. Wagner era egoísta e vaidoso. Tenho foi indelicado
com seus amigos e fez com que os que estavam perto dele fossem infelizes. Por
exemplo, quando a primeira esposa de Wagner morreu, em 1866, casou-se com a
esposa de seu melhor amigo em 1870, depois que ela abandonou o marido por
Wagner. Wagner participou da revolta política alemã em 1848-49, quando toda a
Europa explodiu com revoluções maçônicas. Tenho foi obrigado a fugir para a
Suíça, onde fiquei pelos próximos anos. A ópera de Wagner “Rienzi” foi
produzida com sucesso em Dresden em 1842 e resultou em sua nomeação como
diretor musical da corte saxônica. Setenta anos depois, esse trabalho
influenciaria um homem chamado Adolf Hitler, que se considerava uma
reencarnação de Rienzi, destinado a se livrar do jugo da conspiração judaico-
maçônica. 143

DOIS CARAS Fig. 54 – Maria Madalena chegando grávida às margens do sul da


França, supostamente carregando o menino de Jesus Cristo. Supõe-se que os
ancestrais desta criança fundaram a dinastia merovíngia, que é creditada com o
nascimento da maior parte da realeza da Europa. Essa família também foi o
catalisador por trás da fundação do Priorado de Sion e do Cavaleiro Temperar,
que fundaram respectivamente os ramos inglês e francês da Maçonaria. O autor
John Daniel, com a Sagrada Escritura como guia, conta a verdadeira história por
trás dessa heresia em Scarlet and the Beast, vol. 1

Pintura de Andrew Jones, 2001

144

SEÇÃO 2 Fig. 55 – Grandes Mestres do Priorado de Sion – Da última até a


primeira data. O Priorado de Sion fundou a Maçonaria Rosecruciana, que hoje é
a Maçonaria Inglesa. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª ed., Inteira.

Jean Cocteau (1897-1967) Grão-Mestre – 1918-1963

Claude Debussy (1862-1918) Grão-Mestre —1885-1918

Victor Hugo (1802-1885) Grão-Mestre – 1844-1885 145

Sir Isaac Newton (1642-1727) Grão-Mestre – 1691-1727

DOIS CARAS Fig. 56 – Grão Mestres do Priorado de Sião. Da última até a data
mais antiga.

Robert Boyle (1627-1691) Grão-Mestre – 1654-1691

Robert Fludd (1574-1637) Grão-Mestre —1695-1637 Grão-Mestres


Remanescentes (do mais antigo ao último) Jean de Gisors …......... 1188-1220
Marie de St-Clair ….. ..... 1220-1266 Guillaume de Gisors ….. 1266-1307
Edouard de Bar …........ 1307-1336 Jeanne De Bar …........ ..1336-1351 Jean de
St-Clair …........ 1351-1366 Blanche d’Evreux …..... 1366-1398 Nicolas Flamel
…...... .... 1398-1418 René d’Anjou …............ 1418-1480 Iolanda de Bar
….......... 1480-1483 Sandro Filipepi. ........... 1483-1510 Connétable de Bourbon
1519-1527 Ferdinand de Gonzague 1527-1575 Louis de Nevers …....... 1575-
1595 J. Valentin Andrea .. ..... 1637-1654 Charles Radclyffe …...... 1727-1746
Charles de Lorraine ….... 1746-1780 Maximiliano de Lorraine..1780-1801
Charles Nodier ….. ........ 1801-1844 146
Leonardo dá Vinci (1452-1519) Grão-Mestre – 1510-1519

SEÇÃO 2

Fig. 57 Leia a história de Sion em Scarlet and Beast Vol. 1 caps. 1-3

Godfroi de Bouillon (1060-1100) Rei de Jerusalém

Godfroi de Bouillon (1060-1100) usando a coroa de espinhos para simbolizar


seu assim chamado parentesco do sangue com Jesus Cristo. Pintado por Claude
de Lorraine. Tanto Claude e seu irmão, Charles, duque de Guise, foram tutelados
por Robert Fludd, Grão-Mestre do Priorado de Sion. 147

DUAS CARAS Fig. 58 – Ainda em busca do Graal – 12 de maio de 2004.

148

SEÇÃO 2 Fig. 59 – Nostradamus (1503-1566). Astrólogo e médico. Nascido em


St. Remy, França. Tornou-se doutor em medicina em 1529. Praticado em Agen,
Lyon e outros lugares. Tenho se estabeleceu como profeta em 1547. O rei Carlos
IX de Valois, após a morte de Henrique de Valois (Henrique II), subiu ao trono e
nomeou o médico Nostradamus. Escarlate e a Fera Vol. 1, cap. 3 Leia as
supostas profecias de Nostradamus que a dinastia de Valois seria destruída.

Holy Blood, Holy Grail conclui: “Muitas das profecias de Nostradamus, em


resumo, podem não ter sido profecias. Eles podem ter sido mensagens
enigmáticas, cifras, cronogramas, horários, instruções, planos de ação. ”

149

DUAS CARAS Fig. 60 – Cardeal Richelieu da França – por Champaigne. Veja


Scarlet and the Beast, vol. 1, capítulo 3.

Cardeal Armand-Jean Richelieu (1585-1643) De 1610 a 1643 o trono da França


foi ocupado por Luís XIII, casado com Ana da Áustria. Louis prestou pouca
atenção à sua rainha, solitária e desejosa de companhia masculina. O verdadeiro
poder por trás do trono era o cardeal Richelieu, o primeiro-ministro do rei.
Richelieu, se não for um membro do Priorado de Sion, definitivamente era um
mercenário. Enquanto o resto da Europa se debatia na Guerra dos Trinta Anos,
Richelieu estabeleceu uma estabilidade sem precedentes na França – até 1633.
Antes de 1633, os protestantes na Alemanha estavam sendo financiados pelos
Rosacruzes Sionistas da Inglaterra e do Continente. Richelieu continuou um
precedente estabelecido por Sion durante as Guerras Religiosas da França: em
1633, eu comecei a financiar os protestantes alemães. Holy Blood explica essa
política aparentemente bizarra: “Em 1633, o Cardeal Richelieu embarcou em
uma política audaciosa e aparentemente incrível. Tenho levado a França para a
Guerra dos Trinta Anos – mas não do lado que seria de esperar …. Um cardeal
católico, presidindo um país católico, despachando tropas católicas para lutar do
lado protestante – contra outros católicos … Não historiador nunca sugeriu que
Richelieu era um Rosacruz. Mas eu não poderia ter feito nada mais em
consonância com as atitudes rosacruzes, ou mais propenso a ganhar o favor dos
rosacrucianos.

SEÇÃO 2 Fig. 61 – Mazarin, retrato de Philippe de Champaigne, Chantilly,


França.

O cardeal Jules Mazarin (1602-1661) Luís XIII da França (r. 1610-1643) e Ana
permaneceram sem filhos. De repente, em 1638, depois de vinte e três anos de
casamento estéril, Anne produziu um filho. Poucas pessoas na época
acreditavam que eu fosse legítimo. A fofoca tinha o pai da criança, o cardeal
Richelieu, ou talvez um substituto empregado por Richelieu, talvez o cardeal
Mazarin, protegido e sucessor de Richelieu. Tanto Louis XIII quanto Richelieu
morreram em 1642. Alguns historiadores afirmam que o cardeal Mazarin depois
se casou secretamente com a rainha Madre Anne. Após a morte de Luís XIII, o
menino rei subiu ao trono em 1643. Luís XIV tinha cinco anos. A rainha mãe
tomou a regência por ela. O cardeal Mazarin foi primeiro ministro da França,
cargo que a regente Anne de Áustria confiou à sua experiência e capacidade em
nome do menino Luís XVI. O Priorado de Sião dedicou-se a depor tanto
Mazarino quanto o menino rei. Leia a história em Scarlet and the Beast, vol. 1,
Capítulo 3. 151

DOIS CARAS Fig. 62 – O príncipe Charles Stuart, exilado na França, tentou


reconquistar o trono britânico. No entanto, o próximo Grão-Mestre do Priorado
de Sion, Charles Radclyffe, recebeu a tarefa de garantir que o Bonnie Prince não
tivesse sucesso em sua tentativa de recuperar o trono britânico. Leia a intriga
maçônica em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3ª edições, cap. 4

Príncipe Charles Edward Stuart Bonnie Príncipe Charlie O Jovem Pretendente


(1720-1788)
Em 4 de janeiro de 1717, a Maçonaria inglesa enviou os Stuarts escoceses para a
França em exílio permanente. Com eles foram a maçonaria jacobita (Temperar) e
o armário G.M. do Priorado de Sião – Charles Radclyffe. Atribuição de
Radclyffe? Certifique-se de que os Temperar Stuarts nunca voltaram para a
Inglaterra. A primeira loja francesa de Temperar foi fundada em 1725 por esse
contingente de simpatizantes exilados dos Stuart. Em 1745, o Príncipe Charles
Edward Stuart, o Jovem Pretendente, tentou recuperar seu trono escocês e foi
derrotado em menos de um ano. Sua derrota foi arquitetada por Radclyffe, que
deu sua própria vida no processo. Ao retornar à França, os Templários escoceses
fundaram o Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria, desenvolvendo-o
rapidamente em 32 graus até 1755. Em 1801, todas as lojas francesas aceitaram
os graus de Rito Escocês Temperar. Naquele mesmo ano, o Rito Escocês de
Charleston, SC, criou o 33º e último grau na Maçonaria Temperar. 152

SEÇÃO 2 Figura 63 – Albert Schweitzer, não um maçom, mas honrado pelos


maçons.

Albert Schweitzer (1875-1965)

Uma das personalidades proeminentes do século XX. Médico missionário,


teólogo, músico e filósofo, nascido em Kaysersberg, Alemanha. Tenho estudado
em Estrasburgo, Paris e Berlim. Em 1896, tomei a famosa decisão de que eu
teria que viver para a ciência e a arte até os 30 anos, e dedicar sua vida ao
serviço da humanidade. Tenho tornou-se curador em Estrasburgo (1899),
lecionou na universidade (1902) e foi nomeado diretor do colégio teológico
(1903). Seus escritos religiosos incluem Von Reimarus zu Wrede (1906).
Traduzido, significa “A Busca do Jesus Histórico”. Tenho trabalhou por muitos
anos como missionário na África Equatorial Francesa. Seu destacado trabalho
médico no país de origem lhe rendeu fama e o amor dos nativos, que
consideravam seus filhos. Peter Leppich, um padre católico, a título de
difamação, chamou-o de “maçom protestante e socialista”. O Dr. Schweitzer
nunca foi um membro do Ofício, mas em 1960, no seu 85º aniversário, tenho
sido homenageado pela Grande Loja Unida da Alemanha ao ser presenteado
com a Medalha Mathias Claudius – a primeira vez que este foi dado a um
Pedreiro. 153

DOIS CARAS Fig. 64 – Descobertas médicas por famosos maçons britânicos e


franceses. 30Ou Sir Alexander Fleming (1881-1955) Graduou-se na Faculdade
de Medicina do St. Mary’s Hospital. Professor de bacteriologia na Royal Coll. de
cirurgiões. Descoberta da penicilina em 1928, pela qual recebi o Prêmio Nobel
em 1945. Descobri a lisozima em 1929. Foi nomeado cavaleiro por George VI
em 1944. Recebeu a distinção de serviço da Grande Loja de Nova York em
1953. Fleming era membro de várias Lojas inglesas. Mestre do Santa Maria
Lodge Não. 2682 em 1925, depois secretário; Mestre da Misericórdia Lodge
Não. 3286 em 1935, então tesoureiro; Senior Grand Deacon da United Grand
Lodge of England em 1942 e promovido a Past Grand Warden em 1948. Serviu
como Sumo Sacerdote do Capítulo Aesculapius e foi Grande Passado Grand
Sojourner do Supremo Grande Capítulo, R.A.m. da Inglaterra. Mais tarde foi
nomeado Past Grand Scribe. No rito escocês tenho 30Ou e foi soberano do
Capítulo Vitória de Rose Croix. Tenho também foi membro do London Scottish
Rifles Lodge Não. 2310 e teve orgulho especial no fato de que tenho servido
como um privado no Regimento de Rifles Escoceses de Londres por 14 anos.
Fig. 65 33Ou Pierre G. Vassal (1769-1840) Médico francês introduziu o uso de
pequenas doses das folhas da planta da Dedaleira (Digitalis purpurea), como
tratamento para doenças cardíacas. Antes de sua descoberta, doses pesadas de
Digitalis eram usadas como veneno para eliminar inimigos. Pouco depois de
Vassal começar os estudos eclesiásticos, eu fui para o exército por 18 meses
durante a Revolução Francesa. Depois, estudei medicina e ganhei uma grande
reputação como médico. Em 1811, eu me juntei à Maçonaria do Grande Oriente.
Logo eu estava presidindo o capítulo Areópago do Rito Escocês. Em 1819 tenho
eleito secretário geral. Em 1827 (como 33Ou AASR Mason), tornei-me
presidente do College of Rites. As principais obras maçônicas de Vassal são:
Ensaio Histórico sobre a Instituição do Rito Escocês (1827), e História Geral de
Iniciação desde sua origem até a Foxglove plantar sua instituição na França
(1832). Digitalis purpurea 154

SEÇÃO 2 Fig. 66 – O Papa Paulo I (1912-1978) teve um problema cardíaco para


o qual a Digitalis foi prescrita.

Albino Lucianni reinou apenas 33 dias como papa João Paulo I

O assassinato maçônico do papa João Paulo I é documentado por David Yallop


em seu livro, In God’s Name (1984). Legendado Uma investigação sobre o
assassinato do papa João Paulo I, Yallop, revela uma informação surpreendente
que incrimina a Maçonaria na morte do primeiro João Paulo. Tenho nota da
misteriosa correlação entre o 33º grau da Maçonaria e a época da morte do novo
papa: “Em algum momento da noite de 28 de setembro de 1978 e da madrugada
de 29 de setembro de 1978, trinta e três dias após sua eleição, Albino Luciani [o
papa João Paulo I] morreu. ” Yallop confirma que todos os cardeais e bispos no
Vaticano que estavam fisicamente próximos ao papa naquela noite eram maçons
do Grande Oriente. Tenho lista algumas das lojas em que eles foram iniciados e
dá seus nomes de código maçônico. Tenho também notar que a Maçonaria do
Grande Oriente da Itália fundou uma loja chamada Propaganda Dois (P-2), cuja
filiação era, e ainda é, principalmente Máfia. O que traria a mão violenta da
Maçonaria a um pontífice tão popular e não testado? Segundo Yallop, a
transgressão do papa João Paulo I foi que tenho descoberto que alguns padres no
Vaticano se juntaram à Loja Maçônica e estavam naquele momento lavando
dinheiro ilegal de drogas e conduzindo práticas bancárias ilegais através do
Banco do Vaticano em favor da Loja Maçônica P-2. . A notícia vazou que em 29
de setembro o novo papa substituiria cerca de 20 dos bispos e cardeais que eu
sabia que estavam envolvidos. Durante a noite de 28 de setembro, o papa foi
envenenado com uma overdose de seu próprio remédio para o coração – a
digital. Yallop também sugere que matar o papa em seu trigésimo terceiro dia no
cargo era uma assinatura maçônica. Leia a história inteira em Scarlet and the
Beast, vol. 1, ch. 8; Vol. 3 cap.1, 6, 7. 155

DOIS FACES Fig. 67 – No final da Segunda Guerra Mundial, a maçonaria


italiana P-2 ajudou as ex-nazistas SS a escapar da Europa para a América do Sul,
onde seus descendentes hoje são os cartéis de drogas ao sul de nossa fronteira. O
fundador da P-2 foi Licio Gelli. Leia a história inteira em Scarlet and the Beast,
V1, cap. 27; V3, cap. 6. Licio Gelli (?) Ency. Britannica (1989-90) relata:
“Supremamente diabólico italiano que criou a loja maçônica maçônica, chamada
de P2 (Propaganda 2, modelada após a Loja P1 fundada em 1830 pelo fundador
italiano Mason e MÁFIA Joseph Mazzini), apenas para manipular políticos,
banqueiros, generais e almirantes e, finalmente, todo o país … Quando o público
italiano ouviu pela primeira vez a nefasta loja P2, Gelli já estava fora do país,
provavelmente na América do Sul “.

Dom Paul Casimir Marcinkus (? -2006) O chefe do Banco do Vaticano


Marcinkus havia se juntado à P2 Maçonaria. Como membro do P2, e como chefe
do Banco do Vaticano, tenho estado na posição única de aumentar as receitas
para a Esposa de Cristo através da lavagem do dinheiro das drogas da MÁFIA
através do banco. O papa João Paulo I, em seu 33º dia no cargo, planejava
remover Marcinkus de sua posição bancária, mas o papa morreu de overdose de
Digitalis nas primeiras horas da manhã. 156

Fig. 68
SEÇÃO 2 Fig. 69 – Quando o Papa João Paulo II se tornou o Vigário de Cristo,
tenho permitido que o Bispo Franco Maçom Paul Marcinkus permanecesse em
sua posição. Leia porque no trecho abaixo retirado de Scarlet and the Beast, vol.
3, Chap. 1 & 6. Papa Paulo (1920-2006) P-2 Franco Maçonaria Controla o
Banco do Vaticano Em maio de 1981 houve um atentado contra a vida de João
Paulo II. Vários investigadores suspeitam da Maçonaria. A França, dominada
pela Maçonaria do Grande Oriente, tentou culpar a tentativa de assassinato da
Bulgária comunista. O principal jornal de Paris, Lhe Monde, relatou em 3 de
dezembro de 1982 que “opositores faccionais soviéticos do ex-chefe da KGB
Yuri Andropov eram suspeitos de estar por trás de revelações de uma conexão
búlgara à tentativa de assassinar o Papa João Paulo II em 13 de maio de 1981. .
”Baseado em evidência subseqüente, entretanto, o artigo de Lhe Monde era
desinformação aparentemente maçônica. O governo búlgaro lançou sua própria
investigação para limpar seu nome e descobriu que os controladores de Mehmet
Ali Agca, o bêbado assassino, eram o turco máfia Bekir Celenk e dois espiões
italianos mantidos na Bulgária. Em resposta direta aos holofotes internacionais
sobre o caso Celenk, o governo búlgaro anunciou em 22 de dezembro de 1982
que estava colocando os dois acusados ​​espiões italianos, Paolo Farsetti e sua
namorada Gabriella Trevisini, em julgamento. Carregar? Os dois eram agentes
de uma Loja Maçônica do Rito Escocês do Grande Oriente chamada Propaganda
Dois, a mesma Loja acusada de assassinar o Papa João Paulo I! Por estranho que
pareça, o atentado contra a vida do papa fez com que João Paulo II mudasse de
direção e modificasse sua oposição à Maçonaria. Em 12 de janeiro de 1983, o
papa publicou um código revisado da lei canônica. George W. Cornell, o escritor
religioso da Associated Press, afirmou que o código revisado “segue em frente
na aprovação de reformas e princípios aprovados pelo Concílio Vaticano II de
1962-1965 … O código implementa outras mudanças nas regras da igreja, como
permitir Católicos para se tornarem maçons ”.

DOIS CARAS Fig. 70 – Fev. 26, 1987 recorte de jornal abaixo de N.E. Times
News Service informando que um mandado de prisão está fora do arcebispo Paul
C. Marcinkus, o prelado americano que dirige o banco do Vaticano.

158

2-

26
-8

SEÇÃO 2 Fig. 71 – Assassinato ritual maçônico do maçom italiano Mafioso


Roberto Calvi (1920-1982). Calvi foi pendurado na ponte de Blackfriar em
Londres. Logo da Maçonaria Italiana é o Blackfriar.

Pedaços de maçonaria estavam em seus bolsos em seu pescoço.

Acima da fotografia revela um assassinato ritual maçônico. Vítima? Robert


Calvi, um banqueiro italiano e Grand Orient Mason, que foi pendurado na ponte
de Blackfriar em Londres. Calvi estava usando o Banco do Vaticano para lavar o
dinheiro das drogas Máfia. Quando o Papa Paulo I soube da trama e descobriu
que vários de seus padres do Vaticano eram cúmplices do esquema, o papa
planejou demiti-los no dia seguinte, mas foi morto na noite anterior com uma
overdose de Digitilas, prescrita para sua condição cardíaca (Figs. 65-66).
Stephen Knight escreve em The Brotherhood: “Havia muitos rumores [sobre a
morte de Calvi]: a Máfia, com quem Calvi tinha ligações, o havia assassinado;
assustado e desesperado, eu havia cometido suicídio; eu havia sido morto à força
pelos maçons, um “cabletow” maçônico em volta do pescoço e os bolsos cheios
simbolicamente com pedaços de alvenaria, a localização do assassinato sendo
escolhido para o seu nome – na Itália, o logotipo da Irmandade é a figura de um
Blackfriar “. Nos assassinatos rituais maçônicos, os símbolos maçônicos são
deixados no local por várias razões: (1) para mostrar aos maçons que este foi um
assassinato maçônico; (2) para alertar os maçons para seguir o código maçônico,
ou sofrer como o destino; e (3) para provar aos pagadores maçons que o
“sucesso” foi realizado. O que Calvi fez para trazer um fim tão horrível para si
mesmo? Tenho cometeu um semper imperdoável. Calvi roubou
aproximadamente 1,3 bilhão de dólares de vários britânicos Banqueiros
maçônicos. Você pode ler a história em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição,
capítulo 23. 159

DUAS FACES Fig. 72 – Um aeroporto de Quardia com seu nome.

3Ou Fiorello H. LaGuardia (1882-1947) Aeroporto de LaGuardia, Nova York,


em homenagem a ele. Político e advogado dos EUA. Nascido em Nova York.
Tenho tornou-se procurador geral (1915-1917), sentou-se no Congresso como
um republicano (1917-21 e 1923-33). Realizou três mandatos como Maior de
Nova York (1933-45). Fiorello tomou uma cidade de baixo do calcanhar e deu-
lhe equipamento desesperadamente necessário, dezenas de novos prédios
escolares, instalações de esgoto, incineradores, mais que o dobro do número de
playgrounds e clínicas odontológicas para crianças. LaGuardia estava com o
consulado americano em Budapeste, Hungria e Trieste, Áustria, 1901-04, e em
Fiume, Hungria, 1904-06. Desde 190710, tenho foi intérprete em Ellis Island,
NY. Tenho formou-se pela New York University em 1910 e começou a praticar
advocacia no mesmo ano. Em Primeira Guerra Mundial tenho nos Ou.S. Air
Service, alcançando o posto de major. Tenho comandou a 8ª Escola de Aviação
do Centro e foi anexada a esquadrões de bombardeios noturnos e diurnos na
frente italiana. Em 1946 tenho sido embaixador especial dos EUA no Brasil, e
nesse mesmo ano, diretor geral da UNRRA. LaGuardia foi criado (3Ou) no
Garibaldi Lodge Não. 542, Nova York, em 1913. Tenho recebido a vida como
membro daquela loja em Out. 17, 1933. 160

SEÇÃO 2 Figura 73 – Baruch, Herter e Goldwater. Veja Scarlet and the Beast,
vol. 1, 3ª edição, chaps. 11, 24 e 26; e vol. 3, cap. 3

33Ou Bernard Baruch (1870-1965)

Eisenhower não era maçom, mas mantinha a fraternidade em alta consideração.

Bernard Mannes Baruch – financista judeu e estadista dos EUA. Nascido em


Camden, SC. Educado em Nova York. Começou a trabalhar como office boy. Fiz
uma fortuna em especular em estoques. Tornou-se uma poderosa influência
política e assessora de presidentes. Aconselhou Winston Churchill durante a
Segunda Guerra Mundial.

33Ou Christian Herter (1895-1966)

S e c e r e a t a r t e s 161 S e n t a r A r i a m e r a

33Ou Barry Goldwater (1909-1998)

DOIS CARAS Fig. 74 – O famoso maçom e psicólogo rosacruz Carl Jung.

Carl Gustave Jung (1875-1961) Leia as credenciais maçônicas de Carl Jung na


“Introdução” de Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição. Também na nota de
rodapé Não. 55 da “Introdução”, leia Um Breve Relato das Semelhanças entre a
Psicologia Junguiana e a Maçonaria pelo psicólogo Alan Hamilton, um maçom
da Ous. 162

SEÇÃO 2 Fig. 75

Mary Baker Eddy (1821-1910) Fundadora da Ciência Cristã Ver Scarlet and the
Beast, vol. 1 cap. 10

Nascido em Bow, NH. Primeiro nome casado Glover. Fundador da Igreja da


Ciência Cristã. Criado como um congregacionalista. Por causa de problemas de
saúde, ela tinha pouca educação formal. Em 1866 ela sofreu ferimentos graves
depois de uma queda, mas leu sobre o homem paralisado no Evangelho de
Mateus, e alegou ter se levantado de sua cama igualmente curada. Depois disso,
ela se dedicou a desenvolver sua descoberta espiritual. Ela expôs suas crenças
em Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras (1875), fundou a Associação de
Ciência Cristã em 1876, organizou a Igreja de Cristo, Cientista, em Boston em
1879, e fundou o Christian Science Monitor em 1908, citado como sendo o
“jornal favorito dos políticos”. Seu primeiro dos três maridos, George
Washington Glover, foi maçom e membro da Oddfellows. No início de seu
casamento (1843), Glover levou Mary para a sede maçônica em Charleston, SC.
Seis meses depois, eu morri. Em 1853, Mary casou-se com Daniel Patterson, um
médico, de quem ela mais tarde se separou. Ela recebeu sua “ciência” de Phineas
Parkhurst Quimby, um curandeiro que usou a arte oculta do magnetismo animal
descoberta pelo maçom Mesmer. O mensário maçônico, New Age Magazine, de
julho de 1938, observa que sua revista “dedica considerável espaço às atividades
maçônicas em todo o mundo. Veja editores maçônicos da Christian Science
Monitor na próxima página.

DUAS CARAS

Editores maçônicos do Christian Science Monitor em ordem alfabética pelo


sobrenome. A Igreja de Cristo, Cientista, nada mais é do que um braço da
Maçonaria!

3Ou Erwin D. Canham (1904 -?). Começou com Christian Science Monitor em
1925 como editor. Em 1936 recebeu B.A. e M.A. como Rhodes Scholar. Foi
chefe do Departamento de Washington de 1932-39. 3Ou Mason. 32Ou George
Channing (1888-?). Editor do Christian Science Monitor, Sentinel e Herald
desde 1949. Primeiro leitor da igreja matriz em Boston MA, 1941-42. 32Ou
Mason AASR (NJ). 32Ou Paul S. Deland (?). Tem estado com Christian Science
Monitor desde 1908. Primeiro leitor da igreja mãe, Boston MA 1941-42. De
1945 a 1949 foi editor administrativo e membro do conselho editorial do C.S.M.,
Sentinel e Herald. 32Ou AASR Mason (NJ). 3Ou Arnold H. Exo (?). Tornou-se
um praticante da Ciência Cristã em 1942 e depois um leitor. Foi o primeiro leitor
da Primeira Igreja de Cristo Cientista em Boston, a partir de 1956. 3Ou Mason.
3Ou Albert F. Gilmore (? -1943). Foi o primeiro leitor da First Church of Christ
Scientist no Brooklyn NY de 1914-17. Editor da revista Christian Science
semanalmente e mensalmente desde 1922-29. Presidente da Igreja Matriz, 1922-
1923. 3Ou Mason. 32Ou Charles E. Heitman (1874-1948). Gerente da Christian
Science Publishing Society, diretor da Igreja Matriz, 1ª Igreja de Cristo,
Cientista, Boston. Primeiro leitor da 2ª Igreja de Cristo, Cientista, em Nova York
1918-21. Presidente da Igreja Matriz 1923-24. Editor associado do Christian
Science Monitor 1926-27. Membro do Marble Masonic Lodge Não. 792 em
Tuckahoe NY, e 32Ou AASR Mason (NJ). 3Ou R. H. Markham (1887-?). De
1912-18 foi missionário para a Bulgária no American Mission Board of Boston.
Em 1918 foi E.M.C.A. secretário em Arcanjo, Rússia, retornando à Bulgária
com o Conselho da Missão 1920-26. De 1926 a 1939 foi o correspondente
europeu do Christian Science Monitor nos Bálcãs. Voltou para o Ou.S.A. 1939-
42. Foi autor de muitos livros da Christian Science. 3Ou Mason. 3Ou Archibald
McLellan (1857-1917). Começando em 1880, diretor da First Church of Christ
Scientist, Boston. Editor do Christian Science Journal e Christian Science
Sentinel de 1902. Editor164

SEÇÃO 2

chefe em chefe do Christian Science Monitor, 1908-14. Iniciado em Manhattan


Lodge Não. 62, N.C.C. em 16 de novembro de 1880. Afiliada à Columbian
Lodge, Boston, em 9 de maio de 1907. Afiliada à Loja Maçônica Beth-Horon,
Brookline MA, 1915. 3Ou Mason. 32Ou Frederic E. Morgan (?). Fazendeiro no
Oregon até 1915 quando convertido à Ciência Cristã. Formado em Harvard em
1933. Presidente da Principia, Elsah, IL, uma escola para filhos e filhas da
Christian Scientist (do jardim de infância até os quatro anos da faculdade de
artes liberais). Presidente da escola 1938-54. Presidente do conselho escolar
desde 1942. 32Ou AASR Mason (NJ). Tanto o Conselho Mundial de Igrejas
quanto o Conselho Nacional de Igrejas não são mais que um braço da
Maçonaria! Primeiro Presidente do Conselho Mundial de Igrejas. 33Ou G.
Bromley Oxnam (1891-?). Bispo metodista e ex-presidente do Conselho
Mundial de Igrejas. Ordenado em ministério episcopal metodista, 1916.
Professor de Ou. de CA do sul e Boston Ou. Escola de Teologia. Presidente da
DePauw W. at Greencastle IN. Bispo eleito e serviu como bispo residente da
área de Omaha, 193639; Área de Boston, 1939-44; Área de Nova York, 1944-52;
e área de Washington DC desde 1952. Foi presidente do Conselho Federal
Americano de Igrejas, 1944-46. Em 1948-1954, eu me tornei o primeiro
presidente americano do Conselho Mundial de Igrejas. Foi um dos oficiais
presidentes na organização do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo em
Ou.S.A. em Cleveland, OH, em 1950. Foi o autor de 16 livros, o mais recente
(1954) intitulado I Protest. Tenho foi criado (3Ou) no Tempere Lodge não. 47,
Greencastle IN em 22 de novembro de 1929; exaltado (R.A.m.) em Greencastle
Capítulo Não. 22 em Fev. 2, 1931; Cavaleiro de Greencastle Commandery Não.
11, K.T. 2 de junho de 1931; recebeu o 32Ou AASR em 5 de dezembro de 1929
e o honorário 33Ou (NJ) em 28 de setembro de 1949 (ver Scarlet and Beast, Vol.
1, cap. 9). A revista Time, 30 de junho de 2003, o maçom Charles Kimball,
ministro batista e ex-diretor do Conselho Nacional de Igrejas, fala sobre
missionários em terras muçulmanas: “Sinceridade não é o problema, ou
compromisso com a fé de alguém. É ... sem dúvida não é o momento para os
grupos [missionários] entrarem, como alguém com um fósforo aceso em uma
sala cheia de explosivos, usando Jesus nas mangas ”. Veja mais sobre “Controle
Maçônico da Média” em Scarlet and the Beast, vol. Eu, cap. 10

165

DUAS CARAS Fig. 76 – Famoso fundador americano da Maçonaria Negra.


Veja Scarlet e Besta, vol. 1, Intro. e Picture Book, Sect. 5; Fig. 21-22 Primeiro
Maçom Negro nos Estados Unidos, e um para quem as Grandes Lojas Negro
Prince Hall são nomeadas. Nascido em Bridgetown, Barbados, Antilhas
Britânicas, o são de Thomas Prince Hall, um inglês, cuja esposa era uma negra
livre de ascendência francesa. “Prince” não é um título, mas seu primeiro nome.
Em 1765, eu cheguei a Boston e, através de oito anos de vida frugal, economizei
dinheiro suficiente para me tornar um freeholder e eleitor. Em 1774 tenho
convertido ao cristianismo sob a pregação de dois pioneiros metodistas, Richard
Bondman e Joseph Gilmore. Usando suas noites de estudo, Hall tornou-se um
pregador metodista ordenado em Cambridge, MA, e um líder de sua raça na
Nova Inglaterra. Em 6 de março de 1775, tenho foi feito Mestre Maçom,
juntamente com outros 14 negros livres de Boston, em uma guarnição do
exército britânico de registro irlandês que estava ligada a um dos regimentos de
Geral Gage. A estalagem Ou lhes deu o privilégio de se reunir, marchar em
procissão e enterrar seus mortos, mas não para conferir graus. Na Guerra da
Independência, defendi a causa das colônias e, como porta-voz dos negros,
ganhei a aprovação de George Washington dos serviços de negros livres no
Exército Continental. Cinco mil respondam. Em março de 1784, Hall fez uma
petição à Grande Loja da Inglaterra por uma carta que foi emitida em 29 de
setembro de 1784, mas não foi entregue até 29 de abril de 1787. Em 6 de maio
de 1787, a African Lodge Não. 459 foi estabelecido. Quatro anos depois, em 24
de junho de 1791, a Grande Loja Africana foi formada com Prince Hall como
Grão-Mestre. A carta original do African Lodge Não. 459 ainda está preservado.
Foi emitido pela autoridade do Duque de Cumberland e atestado por William
White, Grande Secretário da Grande Loja da Inglaterra. Hoje existem Prince
Hall Grand Lodges em todo o Ou.S.A., Canadá e África. Todos reivindicam a
descida da Grande Loja original de Massachusetts. Prince Hall liderou o
movimento para garantir instalações educacionais para crianças negras e era um
apaixonado defensor da igualdade perante a lei. Tenho é descrito como um
orador persuasivo e eloqüente, um patriota ardente e um franco maçom
dedicado. Inquestionavelmente, tenho é o “pai da Maçonaria Negra” nos Estados
Unidos da América. 166

SEÇÃO 2 “NEGRO LODGES” copiado textualmente de MACKEY’S


REVISED ENCYCLOPEDIA OF FREEMASONRY vol. 2, p. 702, 1946 O tema
das Lojas de pessoas de cor, comumente chamadas de Lojas Negras, foi por
muitos anos uma fonte de agitação nos Estados Unidos, não por conta, em geral,
do núcleo dos membros dessas Lojas, mas por conta do suposta ilegalidade de
suas Cartas. A história de sua organização foi completamente investigada, há
muitos anos, pelo irmão Philip S. Tucker, de Vermont, e pelo irmão Charles W.
Moore, de Massachusetts, e o resultado é dado aqui, com a adição de certos fatos
derivados de uma declaração. feita pelos oficiais da Loja em 1827. Príncipe Hall
e treze outros negros foram feitos maçons em uma Loja Militar no Exército
Britânico então em Boston, em 6 de março de 1775. Quando o Exército foi
retirado, esses negros se candidataram à Grande Loja de Inglaterra por uma
Carta e em 20 de setembro de 1784, uma Carta para uma Loja de Mestres foi
concedida, embora não tenha sido recebida até 1787, a Prince Hall e outros,
todos homens de cor, sob a autoridade da Grande Loja da Inglaterra. O Lodge
tinha o nome de African Lodge, Não. 429, e estava situado na cidade de Boston.
Esta Loja cessou sua conexão com a Grande Loja da Inglaterra por muitos anos,
e por volta do início do século XIX seu registro foi retirado dos rolos da Grande
Loja Unida da Inglaterra, quando novas listas foram feitas, como muitas outras
Lojas em Inglaterra. partes distantes do mundo, entretanto, sua existência legal,
nunca tendo sido reconhecida pela Grande Loja de Massachusetts, a qual órgão
sempre se recusara a reconhecer lealdade. Após a morte de Hall e seus colegas, a
quem a Carta foi concedida, a Loja, por falta de alguém para conduzir seus
negócios, caiu em suspenso, ou, para usar a frase técnica, ficou dormente.
Depois de alguns anos, foi revivido, mas por quem, ou sob qual processo da lei
maçônica, não é declarado, e informações do renascimento dado à Grande Loja
da Inglaterra, mas não a resposta ou o reconhecimento foi recebido daquele
Corpo. Depois de alguma hesitação sobre o que seria o curso apropriado a
seguir, eles chegaram à conclusão, como eles mesmos afirmaram, “que, com o
conhecimento que possuíam da Maçonaria, e como povo de coro por si mesmos,
eles eram, e deveriam por direito a ser livre e independente de outras Lojas. ”
Assim, em 18 de junho de 1827, eles publicaram um protocolo, no qual diziam:
“Nós nos declaramos publicamente livres e independentes de qualquer Loja a
partir deste dia, e não seremos tributados ou governados por nenhuma Loja além
da nossa. ” 167

DUAS FACES Logo após assumiram o nome da Grande Loja Prince Hall, e
emitiram Cartas para a constituição de subordinados, e dela procederam Lojas de
pessoas coloridas que agora existem nos Estados Unidos. Admitindo até mesmo
a legalidade da Carta Inglesa de 1784 – será visto que já havia uma autoridade
maçônica em Massachusetts em cujas prerrogativas de jurisdição tal Carta era
uma invasão – não pode ser que o auto-renascimento não reconhecido de 1827, e
a subsequente assunção de poderes da Grande Loja, eram ilegais, e tornavam
clandestina a Grande Loja de Prince Hall e todas as Lojas que dela emanam.
Esta tem sido a opinião geral dos juristas maçônicos na América. No entanto, o
movimento tem se espalhado entre os negros até agora eles têm Lodges e Grand
Lodges nos vários estados e no Canadá e na Libéria. Como eles usam emblemas
de outros Corpos, é presumível que eles também os reivindiquem.

Fig. 77 33Ou Thurgood Marshall (1908-1993) Supremo Tribunal de Justiça


(1967-1991)

Advogado negro e príncipe Hall maçom. Nascido em Baltimore MD. Pós-


Graduação da Lincoln Ou. 1930 e 1947. Admitido para barrar em 1933 e
praticado em Baltimore, 1933-37, e depois em Nova York. Em 1938, eu fui
conselheiro especial da Associação Nacional para o Avanço das Pessoas de Cor.
Tenho ganhei uma série de decisões importantes antes dos Ou.S. Suprema Corte.
Em 1951, visitei a Coréia para fazer uma investigação sobre o caso de uma corte
marcial envolvendo soldados negros. Tenho ganhei uma vitória histórica no caso
de Brown vs. Conselho de Educação de Topeka (1954) que declarou que a
segregação racial em escolas públicas foi inconstitucional. Tenho foi diretor e
conselheiro da Conferência do Grão-Mestre Prince Hall. Tenho foi 33Ou AASR
Prince Hall Mason. Tenho foi nomeado para o Tribunal de Apelações dos EUA
(1961), nomeado solicitor geral (1965), e tornou-se o primeiro membro afro-
americano do Supremo Tribunal (1967-1991). Fonte: 10.000 maçons famosos e
a Cambridge Biographical Ency. 168

SECÇÃO 2 Fig. 78 – Fundador do N.A.A.C.C. Leia o propósito do N.A.A.C.P.


em Scarlet and the Beast, vol. 1, Introdução e Cap. 9. W. E. B. Du Bois (1868-
1963) Deveria ser indicado que o espírito do Iluminismo foi apenas até agora.
Apesar de seu idealismo, a Maçonaria Americana não era daltônica nem
sexualmente esclarecida. Assim como os negros e as mulheres eram mantidos
fora da Constituição, eles também eram varram do clube íntimo da Maçonaria.
Por exemplo, quando Prince Hall, um negro livre, queria abrir uma Loja
Maçônica para negros, a Maçonaria Americana recusou-o. Então os britânicos
concederam-lhe uma carta. Du Bois, historiador, escritor e um dos fundadores da
NAACP (1909), era membro da Maçonaria Prince Hall. Não Conheço Muito da
História, Kenneth C. Davis, 2002, p. 124.

Como editor do Crise, W.E.B. Du Bois divulgou realizações negras e apresentou


escritores e artistas negros.

169

DOIS CARAS Fig. 79 – Educadora e líder negra, que era maçonaria de Prince
Hall.

Booker T. Washington (1859-1915)

Educador negro e líder, que era maçom Prince Hall. Nascido perto de Ford de
Hale, VAI. Graduado pelo Hampton Institute of VAI em 1875 e graduado em
Harvard e Dartmouth. Em 1881 tenho foi nomeado diretor do recém-inaugurado
Instituto Tuskegee, A O, e o transformou em um importante centro de educação
negra. Tenho foi o principal líder negro no século 19 nos EUA, conquistando o
apoio branco ao aceitar a separação entre negros e brancos. Tenho foi fortemente
criticado por Du Bois, e suas políticas foram repudiadas pelo movimento dos
direitos civis do século XX. Escritor e palestrante sobre temas raciais e
educacionais, tenho foi autor de diversos livros, incluindo Sowing and Reaping;
Acima da escravidão; Futuro do negro americano; Construção de caráter;
Trabalhando com as mãos; O negro nos negócios; A história do negro; Minha
Educação Maior, etc. Tenho foi feito um maçom “à vista” pelo Grão-Mestre da
Grande Loja Prince Hall de Massachusetts. Isso causou alguma dificuldade, pois
tenho era então um residente do Alabama e essa questão jurisdicional pode ter
impedido que ele se filiasse a uma loja em sua jurisdição. 10.000 Famosos FM e
Cambridge Biographical Ency. 170

SEÇÃO 3

Seção 3

Revolução Maçônica Americana

figura 1

James Otis (1725-1783) estadista revolucionário americano, conhecido pela


frase “tributação sem representação é tirania”. Tenho juntou Minute Men em
Bunker Hill. Fez um pedreiro em St. John’s Lodge, 11 de março de 1752. Matou
por um raio. 171

DUAS FACES Figura 2: “Senso Comum”. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1., 3a
edição, capítulo 30.

Thomas Paine (1737-1809)

Filósofo e escritor revolucionário. Nascido de pais Quaker em Thetford,


Norfolk, Inglaterra, Reino Unido. Tentei várias ocupações – um corsetmaker de
13 anos de idade, um marinheiro, um professor e um fiscal, em seguida, a
falência. Paine estava em Londres em 1773, quando o Boston Tea Party iniciou a
Revolução Americana. Em 1774, por sugestão de Benjamin Franklin, que estava
na Inglaterra na época, Paine partiu para a Filadélfia e se tornou o editor da
Pennsylvania Magazine. Tenho serviu por um tempo no Exército Continental
como ajudante de Geral Nathanael Greene, e foi nomeado secretário do Comitê
de Relações Exteriores. Em 1776, tenho escrito o panfleto Common Sense, de 47
páginas, que defendia a completa independência da Inglaterra. Em 1787 tenho
retornado à Inglaterra, onde tenho escrito Os Direitos do Homem (1791-2) em
apoio à Revolução Francesa, instando os britânicos a derrubarem sua monarquia.
Apresentado por traição, fugi para Paris, onde tenho eleito deputado da
Convenção Nacional. Tem ofendido o partido no poder (os jacobinos maçônicos
do Grande Oriente), por sua proposta de oferecer asilo ao rei nos EUA. Por isso
tenho sido preso. Enquanto na prisão tenho escrito The Age of Reason, em favor
do deísmo. Lançado em 1796, tenho ingressado na Maçonaria Francesa do
Grande Oriente e tornou-se ateu. Afirma-se também que antes de voltar para a
América, tenho ido para a Inglaterra e fundado várias lojas do Grande Oriente
naquela nação insular. Retornando à América em 1802, tenho se envolvido em
controvérsias políticas e viveu seus últimos anos em ostracismo e pobreza
relativa. 172

SEÇÃO 3 Fig. 3: Boston Tea Party. Veja Scarlet e Besta, vol. 1, 3 ed, cap. 30

O rei George da Inglaterra cobrava um imposto sobre o chá enviado às colônias


americanas pela British East India Company. O BEIC recebeu permissão para
cobrar o imposto. Enquanto isso, em Boston, um grupo de cidadãos disfarçados
de índios jogou o chá ofensivo no porto. Isso eventualmente desencadeou nossa
Guerra Revolucionária. Esta história é dada mais detalhes em publicações
maçônicas. Da obra de cinco volumes Little Masonic Library, um capítulo
intitulado “As Alfândegas da Maçonaria Colonial”, lemos a verdadeira história
da “festa do chá”, cuja ação ocorreu no ano de 1773. As lojas coloniais estavam
acostumadas a se reunir no taberna de um irmão Mason. Normalmente, o
taberneiro era feito de maçom para assegurar sua lealdade e fidelidade à Arte. E
assim foi no porto de Boston. O “Tea Party”, de acordo com a tradição da Loja
Maçônica de St. Andrew, originou-se dentro de suas paredes e foi realizado sob
sua liderança. O grupo de 90 maçons então prosseguiu para a Taverna do Dragão
Verde, onde se vestiram como índios. Da taverna, os maçons foram até o
ancoradouro onde os navios de chá estavam ancorados, abriram os baús e
esvaziaram seu conteúdo no porto. 173

DUAS FACES Figura 4-5: Ben Franklin – diplomata e maçom. Veja S & B, V.1,
3a ed., Chs. 5, 8, 30; & V. 3 Epílogo.

3Ou Benjamin Franklin (1706-1790) estadista americano, cientista, filósofo,


autor. Ganhou amplo reconhecimento com seu Almanaque do Pobre Ricardo.
Em 1727 tenho organizado o “Leathern Apron Clube” como uma sociedade
secreta na Filadélfia (não-maçônica); e em 8 de dezembro de 1730 publicou um
artigo em seu jornal, fingindo revelar mistérios maçônicos. Dois meses depois
(fevereiro de 1731), eu me juntei à Maçonaria e recebi seus diplomas na Loja de
São João da Filadélfia e me tornei atento em seu trabalho desde o início. Tenho
foi secretário da Loja de 1735-38; eleito Junior Grand Warden da Grande Loja
da Pensilvânia. em 24 de junho de 1732 e Grão-Mestre em 24 de junho de 1734.
Tenho fui nomeado Grão-Mestre Provincial de Boston em 10 de junho de 1749.
Em 1760 tenho sido nomeado Grão-Mestre Provincial da Filadélfia. Em 7 de
abril de 1778 tenho assistido ao início de Voltaire na Loja das Nove Irmãs em
Paris, França. Outras honras são numerosas demais para serem mencionadas.

Um dos primeiros atos bem-sucedidos de Franklin como representante da


América no exterior foi pleitear o caso das colônias perante a Câmara dos
Comuns britânica para revogar a Lei do Selo de 1765.

SEÇÃO 3 Figura 6: Thomas Jefferson era um maçom? Veja S & B, V.1, 3a ed.,
Cap. 5, 30; Vol. 3, epílogo. Thomas Jefferson (1743-1826) Terceiro Presidente
dos Estados Unidos. Graduado em William e Mary em 1762. Admitido na
Ordem dos Advogados em 1767. Como membro do Congresso Continental,
tenho sido presidente do comitê que escreveu e apresentou a Declaração de
Independência a esse órgão. Tenho foi governador da Virgínia de 1779 a 1981 e
novamente membro do Congresso Continental de 1783 a 1785. De 1785-89
tenho foi Ou.S. Ministro da França e Secretário de Estado, 1790-93. Tenho foi
vice-presidente do Ou.S. de 1798-1801, e Presidente, 1801-09, sendo eleito pela
Câmara dos Representantes depois de uma votação empate com Aaron Burr. Os
oradores maçônicos e periódicos, tanto maçônicos quanto antimaçônicos, de
meados dos anos 1800 afirmaram que Jefferson era maçom. Seus associados
mais próximos eram os maçons. Seus escritos e ações contêm filosofia
maçônica. Alega-se que o francês Dr. Guillotin registrou em seu diário que eu
“participei de Lodge em companhia do Sr. Jefferson e do Sr. Paine dos Estados
Americanos”. Houve uma tentativa de vincular sua associação com a Door of
Virtue Lodge Não. 44, Albemarle Co., VAI, porque sua sogra, Thomas M.
Randolph, e seu neto favorito, Thomas Jefferson Randolph, eram membros da
loja, assim como os sobrinhos Peter e Samuel Carr. Tenho foi identificado como
marchando em procissão com o Casa Lodge Não, da viúva. 60 e Charlottesville
Lodge Não. 90, Out. 6, 1817, na colocação da pedra angular do Colégio Central
(agora Universidade da Virgínia). Em 21 de agosto de 1801, uma dispensa foi
ordenada para uma loja na Surry Court House, VAI, chamada Jefferson Lodge
Não. 65. Alguns afirmaram que tenho era um membro da Loja das Nove Musas,
Paris. Em julho de 1826, tanto as Grandes Lojas de Louisiana quanto a Geórgia
realizaram orações fúnebres para Jefferson e, em 2 de agosto de 1826, a Grande
Loja de S.C. realizou uma procissão fúnebre para ele. Uma carta de Moses
Holbrook, 33Ou Grande Comandante do Conselho Supremo, (SJ) ao Dr. J. M.
Allen, Skaneateles, N.E. em 2 de agosto, em Charleston, SC, disse: “Não tenho
nada de novo para escrever, a não ser que amanhã tenhamos um cortejo fúnebre
para Thomas Jefferson, e todas as sociedades estão convidadas. Eu nunca soube
que tenho sido maçom.” Kenneth C. Davis, em Dom’t Know Much About
History, de 2002, HarperCollins Publishers Inc., escreve: “Jefferson tinha …
Onze produziu uma versão editada dos Evangelhos (ainda disponível em forma
de livro como The Jefferson Bible) em que Tenho destacado os ensinamentos
morais e éticos de Jesus ao editar qualquer referência à sua divindade ou
milagres.Meu onze escreveu que não fazia diferença para ele se seu vizinho
afirmasse um deus ou vinte, já que ‘nem pega meu bolso nem quebra minha
perna ‘“175

DOIS CARAS Fig. 7: Congresso Continental pronto para adotar a Declaração de


Independência. Thomas Jefferson apresenta documento para John Hancock
(sentado), Pres. do Congresso. A Bíblia maçônica afirma: “Dos 55 signatários do
documento, 53 eram maçons”. Abaixo estão seis credenciais maçônicas. Os
primeiros cinco são os recrutas.

Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, capas. 5 e 30. John Adams (1735-1826):
Fundou Lojas Maçônicas nos estados da Nova Inglaterra. Roger Sherman (1721-
1793): Avental maçônico na coleção histórica de Yale. Robert R. Livingston
(1746-1813): Em 22 de maio de 1771, tenho constituído a Loja de Salomão Não.
1, Poughkeepsie, N.E. Também é membro da St. John’s Lodge. Tenho
administrado juramento de posse a George Washington após sua posse como
primeiro presidente de Ou.S.A, usando o altar Bíblia da Loja de São João. Tenho
serviu como Mestre da Union Lodge, N.C.C. Em 1784 foi eleito primeiro Grão-
Mestre da Grande Loja de Nova York. Serviu até 1801. Thomas Jefferson (1743-
1826): freqüentou lojas na França. Entrou no Lodge of Nine Muses em Paris. Foi
membro do Illuminati Lodge na Virgínia. Benjamin Franklin (1706-1790): Em
1727 organizou “Leather Apron Clube” como sociedade secreta na Filadélfia.
Graus recebidos em St. John’s Lodge. John Hancock – (1737-1793): Primeiro
signatário da Declaração de Independência, com maior assinatura. Quando
perguntado por que tenho escrito tão ousadamente, tenho respondido: “Para que
George III possa ler sem colocar os óculos”. Enquanto em uma missão a Quebec
em 1772, Hancock foi feito um pedreiro no Merchants Lodge Não. 277.
Hancock também era afiliado ao St. Andrew’s Lodge em Boston. 176

SEÇÃO 3 Figura 8: Patrick Henry se opôs à lei tributária de George III. Tenho é
famoso por dizer: “Dê-me liberdade ou me dê a morte”.

Patrick Henry (1736-1799) – Muitas referências a ele ser um maçom,


particularmente pelos oradores da Grande Loja em 1800, mas não são evidências
satisfatórias de sua filiação. Acredita-se que eu tenha sido um membro da Old
Tappahannock Lodge of Vai. cujos registros são perdidos. Veja S & B, Vol. 1, 3a
ed., Cap. 30. 177

DUAS CARAS Figura 9: O Passeio da Meia Noite de Paul Revere – um Maçom


do Arco Real. Veja Scarlet and Beast, V1, 3ª ed., Cap. 30

3Ou Paul Revere (R.A.m.): Patriota Revolucionário de Metalsmith. (1735-1818)


São de um refugiado huguenote francês e ourives. Paul serviu nas guerras
francesas e indianas como tenente de artilharia. Tenho participou da famosa
Festa do Chá de Boston de 1773. 18 de abril de 1775 fiz seu famoso passeio de
Boston a Lexington, para avisar o país que os ingleses estavam em marcha.
Criada para 30 em St. Andrews Lodge, Boston, 24 de setembro de 1760. Tornou-
se Mestre da Loja em 1770. Serviu como Mestre novamente de 1777-79 e de
1780-82. Esta loja se encontrou na “Taverna do Dragão Verde”, onde os planos
para a famosa festa do chá foram chocados. Em 1783, Revere foi um dos
membros fundadores do Rising States Lodge, e foi seu primeiro mestre. Tenho
foi Grão-Mestre de a Grande Loja da Missa de 1794-97. 178

SEÇÃO 3 Figura 10 – Famosos American Masons durante nossa Guerra


Revolucionária. Veja Escarlate e Fera, V1, cap. 5 e 29-30.

3Ou George Washington (1732-1799) Primeiro Presidente de Ou.S.A. Tenho foi


iniciado em 4 de novembro de 1752 em Fredericksburg VAI. Um homem de
oração que terminou todas as suas orações em nome do Grande Arquiteto do
Universo. Concernente à consistente atividade da igreja de Washington, Kenneth
C. Davis, em Dom’t Know Much About History, publicado em 2003, escreve:
“Washington geralmente deixava [o serviço da igreja] antes do serviço de
comunhão, explicitamente se silenciosamente declarando sua descrença nesta
cerimônia central de a fé cristã “. Washington foi iniciada em 1752 no
alojamento em Fredericksburg, VAI. Em 3 de março de 1773 tenho recebido o
grau de Fellow Craft (2Ou), e o mesmo ano foi elevado ao Mestre Mason (3Ou).
É possível que Washington tenha recebido o título de Mestre de Marca durante a
Guerra Franco-Indígena. Especula-se também que tenho recebido o diploma do
Royal Arch em Fredericksburg Lodge. Esta afirmação é fortalecida com o fato
de que o avental maçônico de Washington, que foi bordado por Madame
Lafayette, continha emblemas do Arco Real com as letras H.T.W.S.S.T.K.S. em
um círculo e uma colméia dentro do círculo para indicar que era a marca dos
tecelões. Washington também foi membro de várias outras lojas. Washington
escreveu à Grande Loja da Carolina do Sul em 1791: “Eu reconheço com prazer
a minha relação com a sociedade dos Irmãos da sua figueira … Eu serei feliz, em
todas as ocasiões, em demonstrar minha consideração pela Fraternidade. Charles
Willson Peale (1741-1827) O pintor de retratos americano George Washington
deu sessões em Peale 14. Muitos dos retratos nesta primeira seção levam seu
nome, Peale era um membro da Williamsburg, VAI.

DOIS CARAS Fig. 12 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Escarlate e Fera, V1, cap. 5 e 30.

33Ou Marquis de Lafayette (1757-1834) Herói da Revolução Americana.


Recebeu diplomas de Rito Escocês no Supremo Conselho de Cerneau de NY e
foi feito em 33 de Outu e o Grande Comandante honorário daquele corpo. Tenho
apresentado a George Washington o avental maçônico feito por Madame
Lafayette usado por nosso primeiro presidente (ver Fig. 19). Seu pai, um
soldado, havia morrido na Batalha de Minden poucas semanas antes de seu
nascimento, e sua mãe morreu em 1770, deixando-o imenso. Tenho recusou uma
posição proeminente na corte francesa para se tornar um soldado em 7771.
Tenho retirado do serviço em 1776, equipado seu próprio navio, Victoire, e
navegou com 15 outros jovens aventureiros, Barão de Kalb, também um maçom,
para lutar com os colonos americanos contra a Inglaterra. A princípio, seus
serviços foram recusados ​​pelo Congresso americano, mas, observando a carteira
integral de Lafayette, conexões na corte francesa e sua oferta de servir sem
remuneração, tenho comissionado o Major Geral no Exército Continental em 31
de julho de 1777. Lafayette se tornou íntima associado de Washington. Tenho foi
ferido em Brandywine enquanto reunia as tropas americanas de um retiro. Tenho
foi então designado para liderar uma expedição para invadir o Canadá, mas por
falta de fundos o plano nunca foi executado. Lafayette estava com Washington
em Valley Forge; serviu na corte marcial que julgou o major André; estacionado
em Tappan, NY; servido na Virgínia; e foi incomodar a Batalha de Yorktown e a
rendição de Cornwallis. Em 1778-1780, eu estava de folga na França para ajudar
Franklin a obter auxílio financeiro da França para os colonos. Em dezembro de
1781, após a Revolução Americana, Lafayette retornou à França – um herói em
ambas as nações. Tenho tornou-se membro da assembléia nacional francesa em
1789, onde eu mostrei sua simpatia liberal. Lafayette voltou para a América em
1784 e permaneceu cinco meses. Tenho novamente retornado em 1824-25, a
convite de um Congresso grato, que votou nele
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_200.000. Nesta visita, visitei todos os 25
estados, recebendo mais honras maçônicas do que qualquer maçom antes ou
depois. Lodges em todos os estados competiam entre si em conferir citações de
graus honorários e filiação. Lafayette nomeou seu são George Washington
Lafayette. 180

SEÇÃO 3 Figura 13 – Washington que coloca a Pedra do Canto Maçônico do


Capitólio dos Estados Unidos Bldg. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, capítulo
30. “George Washington orou com regularidade e fervor … muitas vezes
recorreram a chamadas para ‘Providence’ ... O pai do país frequentava
regularmente a igreja episcopal … Mas como Thomas Fleming observou em
Duel,” Washington geralmente deixou antes do serviço de comunhão,
explicitamente se silenciosamente declarava sua descrença nesta cerimônia
central da fé cristã. ‘ “Talvez mais significativamente, o nominalmente Episcopal
Washington também era um maçom, junto com vários outros Fundadores,
incluindo John Hancock, Paul Revere e Franklin … Quando Washington
estabeleceu a Pedra Fundamental do Capitólio em 1793, a Loja Maçônica local
organizou a cerimônia. e Washington usava um avental maçônico feito para ele
pela esposa do marquês de Lafayette, que também pertencia aos maçons.
Washington fez seu juramento como presidente da Bíblia Maçônica. “Não
Conheço Muito Sobre a História, de Kenneth C. Davis, HarperCollins
Publishers, 2003.

George Washington, colocando a pedra angular do Capitólio dos Estados


Unidos, 18 de setembro de 1793.

DUAS FACES Figura 14: Primeiro Gabinete Presidencial Americano era


totalmente maçônico. Veja Scarlet and the Beast, Vol. 1, 3a edição, caps. 29-30.

PRIMEIRO GABINETE PRESIDENCIAL AMERICANO: Da esquerda Henry


Knox (17501806) Sec. De guerra. Membro da Loja Regimental St. John’s em
Morristown; Thomas Jefferson (1743-1826) Sec. do Estado. Membro do
Illuminati Lodge na Virgínia. Edmund Randolph (1753-1813) Procurador Geral.
Membro do Williamsburg Lodge Não. 6. Mestre do Jerusalem Lodge Não. 54.
Grão-Mestre da Grande Loja da Virgínia em 1786. Alexander Hamilton (1757-
1804) Sec. do Tesouro. Foi um maçom em atendimento na American Union
Military Lodge quando Washington levantou (3Ou) General Lafayette ao Mestre
em 27 de dezembro de 1779. Presidente George Washington. Veja Escarlate e
Fera, V1, cap. 5, 29 e 30. 182

SEÇÃO 3 Figura 15 3Ou Sir William Johnson (1715-1774) Baronete inglês,


nascido em Smithtown, Condado de Meath, Irlanda. Tenho veio para a América
em 1783 para administrar a propriedade de seu tio almirante Sir Peter Warren,
localizada a 24 milha a oeste de Schenectady. Tenho tornou-se uma figura
colorida e mais poderosa na América pré-revolucionária, negociando com os
índios, que tenho tratado com honestidade e justiça. Seus modos eram sempre
dignos e afáveis, cultivando sua amizade aprendendo sua língua, assumindo
muitas de suas maneiras e até mesmo suas roupas. Sua influência com eles era
maior do que qualquer homem branco possuía. Tenho foi levantado (3Ou) 4 de
abril de 1766 no Union Lodge Não. 1 (agora Mt. Vernon Não. 3) de Albany NY.
23 de maio uma carta foi emitida para o St. Patrick’s Lodge Não. 8 para
constituir uma loja regular para ser realizada na Johnson Hall em Albany Co. e
na província de Nova York. A primeira reunião foi realizada em 23 de agosto de
1776. Johnson era o capitão-fundador. Seu sobrinho, Guy Johnson, era diretor
sênior. Sua são-de-lei, Daniel Claus, era o diretor júnior. John Butler, de fama
revolucionária, foi secretário. Hoje, o Johnson Hall é um museu com alguns dos
móveis originais ainda intactos. 183

DUAS FACES Figura 16: Mais sobre o capitão John Paul Jones. John Paul Jones
(1747-1792) Pai da Marinha Americana. Nascido em Kirkbean, na Escócia. Foi
a seja aos 12 anos. Aos 19 anos foi o primeiro mate de um traficante de escravos
e o capitão de um comerciante três anos depois. A sorte se abateu quando um
homem foi morto a bordo do navio. Testemunhas hostis no interrogatório
fizeram mal a Jones, então fugiu para Fredricksburg, Vai. Tenho tinha sido um
membro do St. Bernard’s Lodge Não. 122 de Kirkcudbright, na Escócia, em 27
de novembro de 1770. No início da Revolução Americana, consegui uma
comissão na Marinha Continental como Tenente. Dizem que as conexões
fraternas conseguiram isso para ele. Tenho logo me tornei Capitão, e agi como
Comodoro de uma frota de corsários através dos quais tenho estabelecido uma
reputação. Levando a guerra para as águas européias, eu fui à França e, por
influência de Franklin, consegui uma embarcação chamada Bonhomme Richard,
que primeiro transportou a nova bandeira americana em águas estrangeiras. Dois
dias depois de uma briga com os britânicos Serapis (onde tenho que ter dito as
palavras “Eu já comecei a lutar!”), Seu navio afundou e eu fiz o caminho de
volta a Paris. Enquanto em Paris tenho me associado com a famosa Loja das
Nove Irmãs, e há várias referências a sua participação nos registros da Loja. Esta
loja tinha um busto de Jones feito por Houdon. Jones também foi um visitante do
St. Thomas Lodge em Paris. Retornando à Filadélfia em 1781, tenho foi
nomeado para comandar a América, um navio de guerra em construção. Por
causa de defeitos descobertos antes do embarque do navio, tenho não foi
permitido levar o navio para seja. Tenho voltou a Paris. Em 1787, o Congresso
americano votou-lhe uma medalha – o único premiado com um herói naval na
Revolução. Depois de recusar o serviço na Dinamarca, eu aceitei uma nomeação
como contra-almirante na Marinha da Imperatriz Catarina da Rússia, então em
guerra com os turcos. Tenho foi vitorioso nos combates no negro Seja, mas
perdeu as batalhas nos corredores do palácio. Tenho retornou a Paris em 1790 e
morreu de hidropisia. Tenho foi enterrado no cemitério protestante de Paris e seu
túmulo foi esquecido até 1905, quando foi redescoberto. Seus restos foram
levados em procissão solene pelas ruas de Paris antes do embarque para a
América. Mais tarde, eles foram enterrados no MD de Annapolis. 184

SEÇÃO 3 Figura 17 – Famosos capitães americanos são maçons

3Ou Stephen Decatur, Sr. (1751-1808) Oficial da Marinha durante a Revolução


Americana. Era capitão de um comerciante em tenra idade, e durante a
Revolução comandou os corsários, Royal Louis e Fair American. Tenho foi
nomeado PostCaptain na Marinha em 1798, no início das hostilidades com a
França e comandando o Delaware, uma lancha de 21 armas de guerra, tenho
capturado vários navios franceses ao largo da costa da Nova Inglaterra e nas
Índias Ocidentais. Tenho comandou um esquadrão de 13 navios na estação de
Guadalupe em 1800. Tenho me aposentado do ano de 1801 e me dedico a
negócios na Filadélfia. Tenho foi membro do Lodge Não.16 em Baltimore, MD,
sendo iniciado em agosto de 1777. Tenho cursou mestrado (3Ou) em alojamento
não. 3 da Carta da Pensilvânia em 18 de abril de 1780, pagando uma grande taxa
de _PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_100.00. Stephen Decatur, Jr. (1779-
1820) Stephen Jr., filho de Stephen Sr., fez uma viagem com o pai quando eu
tinha 8 anos de idade. Em 1803 tenho comandado a escuna Enterprise em águas
tripolitanas. Em 1804, eu realizei a ousada exploração de queimar uma fragata
capturada e mantida pelos tripolitanos. Por isso tenho sido promovido a Capitão
e comandei uma divisão de canhoneiras em ataques a Trípoli. Na “Guerra de
1812″ tenho comandado os Estados Unidos em vitória sobre o navio britânico
macedonio. Em 1815 tenho comandado o Presidente em vitória sobre o
Endymion. Em um banquete tenho dado o famoso brinde: “Nosso País! Em seu
intercurso com nações estrangeiras ela pode sempre estar na direita; mas nosso
país, certo ou errado!” Steven Jr. foi iniciado na St. John’s Lodge on Out. 12,
1799. 185

q
DUAS CARAS Figura 18 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra
Revolucionária James Lawrence (1781-1813) Ou.S. Capitão Naval, famoso por
suas últimas palavras, “Não desista do navio!” Embora seja sabido que
Lawrence era de fato um maçom, sua afiliação permanece como um mistério. A
Grande Loja de Nova Iorque passou a seguinte resolução: “Resolvam que se
referia aos grandes oficiais, que caso houvesse um funeral público de nosso
falecido irmão, o galante Capitão Lawrence, para tomar medidas para montar as
lojas em esta cidade (NYC) para participar da procissão “. Tenho foi enterrado
com honras militares e maçônicas.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

1Ou John Starke (1728-1822). Major Geral da Revolução Americana e último


oficial geral sobrevivente daquela guerra. Nascido em Londonderry, N.H.
Enquanto caçava e aprisionava em seus primeiros anos, tenho sido capturado
pelos índios, mas resgatado por “PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_103”,
comentando que tenho achado que valiam mais do que isso. Juntou-se aos
famosos Rangers de Rogers como Tenente e serviu em todas as campanhas em
torno do Lago George e do Lago Champlain. No final da Guerra Franco-
Indígena, eu me retirei para sua fazenda até que as notícias da Batalha de
Lexington chegaram até ele. Tenho levou várias centenas de vizinhos a se juntar
ao exército em Cambridge. Tenho era famoso pelo seu ditado: “Olha só,
homens! Há os casacos de rede! Antes da noite eles são nossos ou a Molly Stark
é viúva”. Tenho também é notado na Batalha de Bunker Hill dizendo: “Garotos
apontam para suas faixas na cintura”. Tenho tornou-se membro do Masters
Lodge Não. 2 em Albany, NE, 9 de janeiro de 1778. A ata dizia: “A petição do
brigadeiro-general John Starke sendo apresentada ao corpo, tenho recebido o
voto unânime dos membros presentes e fui iniciada em conformidade. O
brigadeiro John Starke pagou 5 libras por sua taxa de iniciação, 8 xelins para o
Tyler e 4 xelins para hospedagem extra. ” 186

SEÇÃO 3 Figura 19 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3 ed .; cap.30. 3Ou Horatio
Gates Major Geral do Exército Continental na Revolução Americana. (1728-
1806) Nascido em Maldon, Inglaterra. Tenho entrou no exército britânico e
serviu com o exército de Braddock na Virgínia em 1755. Foi ferido em
Monogahela. Em 1760 tenho uma brigada major sob Moncton em Fort Pitt, e foi
seu assessor em 1762 na captura da Martinica. Em 1772, a convite de
Washington, tenho ocupou terras na Virgínia e se estabeleceu para desenvolvê-
lo. Quando a Revolução irrompeu, eu fiquei do lado das colônias e em 1775
apontou adjutant-geral com o posto de brigadeiro. No ano seguinte, eu fui feito
Major Geral do Exército Continental e colocado no comando do exército do
norte que havia sido comandado por Arnold, Wooster, Montgomery e Sullivan.
Gates esteve em Fort Ticonderoga pelos próximos dois anos e recebeu crédito
pelo sucesso em repulsar o exército de Burgoyne do norte, embora Schuyler e
Benedict Arnold fossem responsáveis ​​pela defesa, Arnold mais tarde foi acusado
de covardia nesta ação. Depois dessa batalha, seus amigos formaram a famosa
Conway Cabal para colocar Gates como comandante em chefe, em vez de
Washington. Falhou, e em 1780 tenho perdido a batalha desastrosa de Camden,
SC, pela qual tenho foi dispensado de seu comando. Tenho retornado a sua
plantação, onde tenho pedido oficialmente uma investigação sobre sua conduta
na batalha de Camden. Em 1782, o Congresso finalmente o absolveu, após o
qual eu serviu lealmente sob Washington pelo restante da guerra. Durante sua
ausência militar, eu permaneci em sua plantação, onde sua rica esposa, que
gastou a maior parte de sua fortuna na causa das colônias, cuidou do ferido
patriota Thaddeusz Kosciusko. Gates era um membro de uma loja maçônica
regimental em Annapolis Royal, Nova Escócia, Canadá, que foi entre 1738 e
1755. Praticamente todos os oficiais do regimento eram membros. Em 18 de
dezembro de 1778, as atas da Grande Loja de St. John, em Massachusetts,
convidam “O Honorável General Gates, com sua família masculina, que eram
maçons, para jantar na Festa do Dia de São João”. 187

DOIS FACES Figura 20 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3 ed; capítulo 30.

Enquanto os oficiais coloniais observam, Von Steuben treina soldados


continentais na manutenção do fogo contínuo em batalha, um posto de carga
enquanto o outro se ajoelha para atirar. Tenho fez muito para transformar a força
não-especializada de Washington em um exército eficiente.

Barão Maçom von Steuben (1730-1794) Nome completo – Frederico Guilherme


Augusto Henrique Ferdinand von Steuben. Tenho desejado um comando de
campo, mas não o recebi até bate na guerra, quando tenho mandado na
campanha da Virgínia. Foi mais importante que tenho treinar as tropas
americanas. Na inauguração de Washington, eu tive um assento na plataforma
com os poucos favorecidos, e logo depois me tornei o beneficiário da
aposentadoria liberal do novo congresso. Tenho feito freqüentes viagens a Nova
York, onde eu conversei com seus irmãos da fraternidade maçônica. Não se sabe
onde tenho recebido os títulos e ganhou o título de “mestre passado”, mas
presume-se que tenha estado na Europa. E.A. Sherman afirma que eu recebi seus
diplomas na “Loja Militar da Estrela Ardente” em Berlim. Tenho foi membro do
Trinity Lodge Não. 10 (agora 12) da cidade de Nova York e um membro
honorário da Holland Lodge Não. 8, N.E.C. No dia de São João, em 1788, eu
jantei com a Holland Lodge e, em francês, falei sobre os “Veteranos da Arte
Real”. Nos minutos de Fev. 6 de janeiro de 1789, “Irmão Past Master von
Steuben” foi nomeado membro do comitê para informar Washington de sua
eleição como membro honorário da Loja. 188

SEÇÃO 3 Figura 21 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3 ed; capítulo 30. Maçom
Benedict Arnold (1741-1801) Nascido em Norwich, CT. Patriot Officer que
lealmente serviu a causa da Revolução Americana até 1779, quando tenho
transferido sua lealdade aos britânicos. Depois disso, seu nome na América
tornou-se um epíteto de “traidor”. Como as relações entre as colônias e a
Inglaterra deterioraram-se durante a década de 1770, Arnold (então um homem
de negócios próspero em New Haven, CT) foi eleito capitão em sua milícia
estadual. Ao saber da eclosão das hostilidades em Lexington, Massachusetts
(abril de 1775), eu imediatamente me ofereci como voluntário, e no mês seguinte
participei com o coronel Ethan Allen no bem-sucedido ataque colonial ao
soldado britânico Ft. Ticonderoga, NY. Naquele outono, Arnold foi nomeado por
Gene. George Washington para comandar uma expedição para capturar Quebec.
Sua marcha com 700 homens através do deserto do Maine foi uma proeza
notável de lenha e resistência, mas esperei reforços de Gene. Richard
Montgomery antes de atacar a cidade bem fortificada. O ataque combinado em
uma tempestade de neve (31 de dezembro de 1775) falhou, Montgomery foi
morto, e Arnold foi gravemente ferido. O Congresso promoveu Arnold ao
brigadeiro geral e, pouco depois disso, construiu uma flotilha no lago Champlain
e infligiu severas perdas a uma frota inimiga muito superior perto de Valcour
Island, Nova York (Out. 11, 1776). Tenho retornou um herói, mas sua coragem
precipitada e energia impaciente haviam despertado a inimizade de vários outros
oficiais. Na Fev. Em 1777, quando o Congresso criou cinco novas principais
naves gerais, Arnold foi preterido em favor de seus juniores – ostensivamente
por causa da necessidade política de distribuir os principais generais entre os
estados. Arnold se ressentiu dessa afronta e apenas a persuasão pessoal de
Washington o impediu de renunciar. Dois meses depois, tenho repelido um
ataque britânico a Danbury, CT, forçando o Congresso a torná-lo major-general,
mas sua antiguidade não foi restabelecida e Arnold sentiu sua honra impugnada.
Novamente eu tentei me demitir, mas em julho eu aceitei uma ordem do governo
para ajudar a conter o avanço britânico na parte superior de Nova York. Tenho
ganhei uma vitória no Ft. Stanwix (agora Roma) em 189

DUAS ENFRENTAS Em agosto de 1777 e comandou os batalhões de avanço na


Batalha de Saratoga em setembro e outubro, lutando de forma brilhante e
decisiva até ser gravemente ferido. Por seus serviços tenho recebido uma nova
comissão, restaurando-o à sua categoria relativa. Desde que as feridas de Arnold
o deixaram aleijado, Washington o colocou no comando da Filadélfia (junho de
1778), onde eu desfrutei da vida social da cidade, movi-me entre famílias de
simpatizantes lealistas e vivi extravagantemente. Para levantar dinheiro, tenho
violado vários regulamentos estaduais e militares, despertando as suspeitas e,
finalmente, as denúncias do supremo conselho executivo da Pensilvânia. Essas
acusações foram então encaminhadas ao Congresso; alguns foram expulsos, mas
Arnold pediu uma corte marcial imediata para se livrar dos quatro restantes.
Enquanto isso, em abril de 1779, Arnold (quatro anos viúvo) se casou com
Margaret Shippen, uma jovem mulher de simpatias lealistas. No início de maio,
fiz aberturas secretas para a sede britânica. Tenho foi convidado a permanecer no
lado americano e enviar informações até que eu conseguisse um importante pós
ou comando de campo que eu pudesse trair. Em maio do ano seguinte, tenho
informado os britânicos de uma proposta de invasão americana do Canadá e
mais tarde revelou que o próprio esperou obter o comando de West Point, NY.
Tenho pediu aos ingleses 20.000 libras esterlinas por traírem este pós e metade
dessa soma se tenho falido. Quando o contato britânico, major John André, foi
capturado pelos americanos, Arnold conseguiu escapar em um navio britânico,
deixando André enforcado como espião. O sacrifício de André fez Arnold
odioso para os legalistas, e sua reputação ficou ainda mais manchada entre seus
ex-vizinhos quando liderou uma incursão a New London, CT em setembro de
1781. Arnold foi para a Inglaterra no final de 1781 e permaneceu lá pelo resto de
a vida dele. Embora eu e sua esposa tenham recebido pequenas pensões por seus
serviços de guerra, nunca me senti adequadamente recompensado pelo governo
britânico. Inativos, ostracizados e doentes morreram na Inglaterra. Não há
dúvida de que Arnold era maçom. Wallace, em seu Herói Traidoro diz que foi
admitido um membro “nas Índias Ocidentais”, que pode muito bem ser verdade,
já que tenho estava lá em seus primeiros dias antes da Revolução. O primeiro
registro no Livro II do Hiram Lodge Não. 1, New Haven, CT (10 de abril de
1765) diz: “O irmão Benedict Arnold é por R.W. (Nathan Whiting) propôs
tornar-se um membro da R.W. Lodge, e é feito um membro desta Loja.” Isso
aconteceu anos antes de sua primeira ação na Revolução. Seu nome aparece com
frequência nos registros da Loja de Hiram até por volta de 1772. Após sua
deserção, a loja apagou seu nome e foi abandonado como maçom. No dia 12 de
junho de 1771 visitei o Solomons Lodge Não. 1 na Poughkeepsie NY, e em 16
de maio de 1781 a loja, por voto, ordenou que o nome de Benedict Arnold bê
fosse considerado obliterado da ata desta Loja, um Traidor, com uma figura de
uma mão apontando para “traidor”. 190

SEÇÃO 3 Figura 22 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3 ed; capítulos 5, 30. 3Ou
Henry Dearborn (1751-1829) Major Geral Ou.S. Exército. Sec. of War (180109)
em Jefferson. Lutou na Guerra Revolucionária e Guerra de 1812. Médico
praticante em Nottingham, NH. Iniciado e Aprovado no Chalé de São João Não.
1, Portsmouth, NH, 3 de março de 1774. Criado em 18 de abril de 1777.
Registrado como visitante da American Union Lodge of Ct. em 7 de abril de
1779. Tenho três esposas; vários filhos foram nomeados por seus irmãos maçons
que eram seus companheiros no exército. Fort Dearborn, local atual de Chicago,
foi nomeado para ele. Nathanael Greene (1742-1786) Continental do Exército
Geral sob o comando de George Washington no continente americano durante a
Revolução Americana. Membro de um Rhode Island Lodge e um alojamento
militar. Vestiu uma medalha maçônica apresentada a ele por Lafayette. Esta
medalha está na posse da Grande Loja de Rhode Island. Em 1937, seu avental
maçônico foi apresentado ao Lakewood Lodge Não. 601, Lakewood, Ohio.
Greene retirou-se da vida pública para uma plantação em Savannah, Georgia.
Alexander Hamilton (1757-1804) American Statesman e primeiro Ou.S.
Secretária do Tesouro. Em 1800, Hamilton concorreu à presidência e derrotou
Aaron Burr. Em 11 de julho de 1804, em um duelo com Burr, Hamilton foi
ferido e morreu no dia seguinte. Alguns dizem que Hamilton era um pedreiro.
Eles baseiam suas reivindicações principalmente no fato de que eu fui registrado
entre os visitantes da American Union Lodge (militar) em Morristown, N.J. em
27 de dezembro de 1779, quando Washington levantou Gerald Lafayette para o
terceiro grau. Um não-maçom é proibido de participar de tais iniciações. 191

DUAS CARAS Fig. 23 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. 3Ou John Sevier (1745-1815) Sevierville, TN nomeado depois
dele. Pioneiro, homem da fronteira, soldado revolucionário, lutador indiano,
primeiro governador do Tennessee e primeiro e único governador do breve
histórico “Estado de Franklin”. Nascido em Rockingham Co., VAI. Educado na
Fredericksburg, VAI Academy. Aldeia fundada de Newmarket, VAI no vale de
Shenandoah. Here tenho me tornado um célebre lutador indiano. Tenho
organizado todos os homens fisicamente aptos de 16 a 50 anos na milícia e
tornou-se seu coronel. Eles lutaram muitos conflitos bem sucedidos com os
índios de fronteira. Sevier foi contratado Brigadeiro Geral em 1789, e no ano
seguinte eleito para o Congresso como o primeiro representante do Vale do
Mississippi. Tenho continuou suas campanhas contra os Creeks e Cherokees, e
quebrou sua vontade de lutar na campanha Etowah de 1793. Quando o
Tennessee foi admitido na União em 1796, Sevier se tornou o primeiro
governador, servindo até 1801, e novamente de 1803 a 1809. Tenho foi eleito
para o Congresso em 1811 e novamente em 1815, mas morreu antes que eu
tomasse seu assento. A loja original de Sevier é desconhecida, mas tenho foi o
primeiro Mestre de Tenn. 41. Esta loja mais tarde tornou-se Tenn. 2, sob a
Grande Loja de Tenn. A carta foi presa em Out. 1827. Em 1805 seu nome
também aparece como membro do Greenville Lodge Não. 3. Conde Casimir
Pulaski (1748-1779). Nobre polonês envolvido na rebelião polonesa em 1768, e
eleito comandante em chefe das forças polonesas. Ben Franklin persuadiu
Pulaski a ajudar as colônias em sua tentativa de liberdade. Pulaski era afiliado à
Loja do Exército na Linha Maryland. Casimir Pulaski Lodge Não. 1167, reunião
em Logan Square Masonic Tempere, Chicago, é nomeado em sua honra. Pulaski,
VAI é nomeado após ele. 192

SEÇÃO 3 Figura 24 – Famosos maçons britânicos durante nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição; capítulos 30. Lord
Charles Cornwallis (1738-1805) Geral britânico da Revolução Americana, que
se rendeu a George Washington em Yorktown, terminando assim a guerra.
Nascido em Suffolk, Inglaterra, tenho 2o Conde e primeiro Marquês de
Cornwallis. No começo da Revolução Americana, eu era um Major Geral. Tenho
foi criado Geral completo em 1793. Tenho derrotado Greene em Gilford Court
House em 1781. Tenho realizado as grandes honras da Maçonaria no funeral do
Major Geral DeKalb, que foi ferido e feito prisioneiro em 17 de agosto de 1780
na Batalha de Camden. John Dickinson (1732-1808) Conhecido como o
“Penman da Revolução”. Tenho foi presidente de Delaware e da Pensilvânia e
foi um dos signatários da Constituição. Tenho estudou direito na Filadélfia e
depois na Inglaterra. Voltando para a América, tenho praticado direito na
Filadélfia. Tenho foi membro da Assembléia da Pensilvânia em 1764 e do
Congresso Colonial (convocado em Nova York para se opor à Lei do Selo em
1765. Tenho sido membro do primeiro Congresso Continental. Em 1776, opus-
me à adoção da Declaração de Independência e se recusou a assinar, julgando
prematuro.Durante a Revolução eu servi como um privado até 1777 quando
tenho foi comissionado Brigadeiro Geral da milícia Delaware.Em 13 de
novembro de 1781 tenho se tornou o quinto presidente de Delaware.Em 4 de
novembro de 1782 tenho renunciou para aceitar a presidência da Pensilvânia,
servindo até 1785. Tenho foi invadido (3Ou) 11 de janeiro de 1780 na Loja Não.
18, Dover, Delaware (sob fretamento da Pensilvânia).

DUAS CARAS Fig. 25 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Revolucionária. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo 30. 3Ou
Robert R. Livingston (1746-1813) Ou.S. Ministro da França que negociou a
compra da Louisiana para os Estados Unidos. Graduado do Kings College em
N.C.C. Admitido no bar em 1773 e por um curto período de tempo foi em
parceria com John Jay. Em 1775 tenho foi eleito para a assembléia provincial de
N.E. da Dutchess Co. Em 1775, eu fui enviado pela assembléia provincial de
Nova York como delegado do Congresso Continental. Tenho foi um dos
membros do Comitê dos Cinco que elaborou a Declaração da Independência. Em
30 de abril de 1789, Livingston concedeu o juramento de posse a George
Washington após sua posse como primeiro presidente dos Estados Unidos da
América, usando o altar da Bíblia da Loja de São João Não. 1 para a cerimônia.
Livingston ocupou o cargo de Secretário de Relações Exteriores para os Ou.S.A.
em 1781-83. Tenho recusado o posto de Ministro à França em 1794, mas aceitei
aquele pós em 1801. Tenho era amigo íntimo de Napoleão Bonaparte. O Ou.S. A
aquisição do Território da Louisiana (Compra da Louisiana) deveu-se em parte à
amizade de Livingston com Napoleão. Enquanto na França eu conheci Robert
Fulton e me interessei por navegação a vapor. Quando os dois homens voltaram
para a América, conseguiram o direito exclusivo de navegar pelos canais de
Nova York, desde que pudessem construir um barco que daria quatro mil por
hora. O primeiro barco de 30 toneladas navegou a 3 mph. Mas, em 1807, o
Clermont fez 5 mph. Livingston era um membro da Union Lodge, N.E.C. e em
1784 serviu como Primeiro Grão-Mestre da Grande Loja de Nova York. Naquela
posição, em 22 de maio de 1791, tenho constituído a Loja de Salomão Não. 1 em
Poughkeepsi. Quando a Grande Loja de Nova York lhe presenteou com uma jóia
de sua aposentadoria, tenho respondam, “Eu vestirei, com orgulho e prazer, a
jóia com a qual a Fraternidade me honrou, e considerarei isto como um
memorial da agradável conexão que liga-nos um ao outro quando os deveres que
devo ao público devem tê-los separado de mim … “194

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a Guerra Revolucionária e / ou Guerra de


1812, em ordem alfabética pelo último nome de 10.000 Maçons Famosos, por
33Ou William R. Denslow

John Adams (?). Oficial naval de Raleigh na Revolução Americana. Membro do


Lodge de São João Não. 1, Portsmouth, NH. Richard Adams (?). Soldado e
capitão durante a Revolução Americana. Membro do St. Peter’s Lodge,
Newburtyport, MA. Nathaniel Alexander (1756-1808). Cirurgião na Guerra
Revolucionária. Oficial da Grande Loja na Carolina do Norte. Senior Grand
Deacon em sua morte. Ethan Allen ((1738-1789). Major Geral Guerra
Revolucionária, comandando “Green Mountain Boys”. Recebeu primeiro grau
em Windsor, Vermont, em 7 de julho de 1777. Joseph I. Anderson (1757-1837).
Capitão e Major durante Revolucionário War. Membro do Military Lodge Não.
19 da Pensilvânia, e New Camisola Lodge Não. 36 na New Camisola
Brigade.Depois da guerra, tornou-se primeiro diretor sênior da Princeton Lodge
Não. 38. Richard C. Anderson (1750-1826). em 5º Virginia Continental,
Revolução Americana, amigo íntimo de Gene Washington, primeiro mestre de
Lexington Lodge Não. 25 (agora Não 1 de Kentucky), depois de ter obtido a
licença para a Loja Louisville (KY) da Grande Loja da VAI. (?) Capelão
revolucionário da guerra do ò regimento de Virgínia no exército continental
Grão-mestre de Virgínia Grão-mestre do passado do alojamento de
Williamsburg, para fora 13, 1778 John Armstrong (1758-1843) Deputado
Ajudante Geral na Revolução Americana General em Guerra de 1812.
Levantada (3Ou) na Loja do Exército Não. 19. Membro da Grand Lod ge
Pensilvânia; Old Cone Lodge Não. 9, Salisbury, NC; e Hibernia Lodge Não.
339, NY. William Bainbridge (1774-1833). Commodore, Ou.S. Marinha, Guerra
de 1812. Assumiu o comando do esquadrão durante a Guerra de 1812,
consistindo na Constituição do navio de bandeira, com Essex e Hornet. Capturou
a fragata britânica Jave na costa do Brasil, em dezembro de 1812, e recebeu
medalha de ouro. Iniciado (1Ou) no Lodge Não. 51, Filadélfia, PA, 14 de junho
de 1810. 195

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Isaac D. Barnard (1791-1834). Serviu como capitão, em seguida, Major em 14


de infantaria durante a guerra de 1812. Um pedreiro. Joshua Barney (1759-
1818). Marinha americana do comodoro durante a guerra revolucionária e a
guerra de 1812. Enterrada em Pittsburgh, PA com honras militares e maçónicas.
Maçom na Loja das Nove Irmãs, Paris, França, em 1799. John Barry (1745-
1803). Commodore, Ou.S. Marinha na Revolução Americana. Iniciado no Lodge
Não. 2, Filadélfia, PA em Out. 12, 1795. William Barton (1748-1831). Coronel
durante a Revolução Americana. Membro da Loja St. John’s, Providence, RI,
1779. Timothy Bedel (1740-1787). Coronel na Revolução Americana. No
comando de forças na Batalha dos Cedros perto de Montreal. Membro do Union
Lodge Não. 1, NY. John Beatty (?) Comissário Geral de prisioneiros (com posto
de coronel) na Guerra Revolucionária. Criada (3Ou) em Trenton Lodge Não. 5,
Trenton, NJ. Grand Master do Grand Lodge, New Camisola. Gunning Bedford,
Jr. (1742-1812). Coronel e assessor do General Washington na Revolução.
Criado em 3 de setembro de 1782 no Washington Lodge Não. 14 da Pensilvânia.
Thomas Benbury (?). Brigadeiro Geral da Milícia na Revolução Americana.
Serviu como Mestre do Unanimity Lodge Não. 7, Edenton, NC. Caleb P. Bennett
(1758-1836). Durante a Revolução, entrou no regimento de Delaware como um
particular. Rose para 1º tenente, servindo na Batalha de Brandywine. Na guerra
de 1812 foi major da Milícia do Estado de Delaware. Sua avó era Mary Boone,
filha do famoso Daniel Boone. Gerado (3Ou) no Lodge Não. 14 em Christina
Ferry, De o., 16 de janeiro de 1781. William Benton (1750-1831). Coronel na
Revolução Americana. Montou a captura do general britânico Prescott, para o
qual o Congresso votou-lhe uma espada e uma concessão de terras em Vermont.
Membro do Lodge de São João Não. 1, Providence, RI em 1779. 196

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Theodoric Bland (1742-1790). Soldado da Guerra Revolucionária, doutor e


membro do Congresso Continental. Capitão do primeiro grupo de cavalaria da
Virgínia e depois Coronel. Embora sua pousada não fosse conhecida, eu estava
presente no Williamsburg Lodge Não. 6 em 7 de julho de 1778. Henry Bloom
(?). General na guerra de 1812. Sua sepultura tem uma lápide maçônica. Joseph
Bloomfield (1753-1823). No início da Guerra Revolucionária tenho sido capitão
no regimento de Dayton do 3º New Camisola em 1776. Ao final da guerra,
atingiu o posto de Major. Durante a guerra de 1812 foi o brigadeiro Geral.
Criada (3Ou) em Bristol Lodge Não. 25, Bristol, PA. Serviu como Mestre em
1782. Era afiliado com Trenton Lodge Não. 5, Trenton, NJ em 1790 e 1799.
Grão-Mestre da Grande Loja de Nova Camisola. Oliver Bowen (? -1800).
Comodoro da Marinha Americana na Guerra Revolucionária. Membro da Loja
de Salomão Não. 1, Savannah, GA. Thomas Boyd (? -1779). Tenente na
Revolução Americana. Após a captura pelas tropas britânicas, a vida de Boyd foi
poupada pelo chefe indiano Joseph Brant quando Boyd deu o sinal maçônico de
angústia. O chefe Brant, que foi o primeiro maçom indiano de que há registro,
entregou Boyd ao coronel John Butler, que estava no serviço britânico durante a
Revolução. Butler permitiu que os índios Seneca torturassem Boyd até a morte,
quando Boyd se recusou a fazer movimentos de tropas do exército de Geral
Sullivan. Boyd foi membro do Military Lodge Não. 19 sob garantia da Grande
Loja da Pensilvânia. Boyd foi dado um enterro maçônico por esta loja. Thomas
Bradford (1745-1838). Capitão de uma companhia militar na Filadélfia, 1775.
Posteriormente foi comissário-geral da divisão da Pensilvânia do Exército
Continental. Membro do Lodge Não. 2, Filadélfia. William Bradford, Jr. (1755-
1795). Irmão de Thomas Bradford. Serviu na Guerra Revolucionária como
Tenente. Coronel. Membro do Lodge Não. 2, Filadélfia. Hugh Brady (1768-
1851). Major Geral na Guerra de 1812. Levou a 22ª Infantaria na Batalha de
Chippewa. Distinguiu-se em batalhas de Lundy’s Lane & Niagara. Iniciado
(1Ou) 9 de junho de 1797 no Lodge Não. 22, Sunbury, PA. 197

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John Brant (1794-1832). Chefe indígena dos mohawks e são dos mais famosos
Joseph Brant. Serviu Britânico com distinção na Guerra de 1812. Membro do
Union Lodge Não. 24. Joseph Brant (1742-1807). Chefe índio Mohawk.
Primeiro maçom indiano. Indian mais famoso do período revolucionário. Pai de
John Brant. Lutou com o maçom inglês Sir William Johnson contra os
americanos na batalha de Lake George (1755). Enviado para a Inglaterra no
início de 1776, onde tenho me tornado maçom no Cliftonian Lodge Não de
Hiram. 417, Londres. Retornou para a América, onde tenho foi comissionado
Coronel em 1778. Participou no massacre de 1778 no Vale dos Cerejas dos
americanos. Durante essa batalha, Brant recebeu o crédito de salvar as vidas de
vários maçons americanos que lhe deram o sinal maçônico de aflição. Eles eram
o coronel John McKinstry (30 de maio de 1778); Tenente Johnathan Maynard
(30 de maio de 1778); Major John Wood (19 de julho de 1779); e o tenente
Thomas Boyd (13 de setembro de 1779). David Brearley (1745-1790). Oficial
militar durante a guerra revolucionária. Primeiro Grão-Mestre das Novas Lojas
de Camisola desde 1786 até sua morte. Marquês de Britigney (?). Serviu como
coronel na Revolução Americana. Membro do Lodge de São João Não. 3, New
Bern, Carolina do Norte. Daniel Broadhead (1736-1809). Soldado da Guerra
Revolucionária. Levantou uma companhia de fuzileiros que serviram na Batalha
de Long Island, em 1775. Coronel do 8º regimento da Pensilvânia. Brigadeiro
Geral depois da guerra. Membro do Lodge Não. 3, Filadélfia, PA. Laurens
Brooke (?) Cirurgião e médico oficial de John Paul Jones, pai da Marinha
Americana. Serviu nos navios de Jones, Ranger e Bon Homme Richard. Membro
do Lodge Não. 4, Fredericksburg, VAI. Robert Brooke (?) Estudante de
Medicina na Universidade de Edimburgo, Inglaterra, no início da Guerra
Revolucionária. Voltou para a América para servir como primeiro tenente de
cavalaria. Ex-Mestre do Lodge Não. 4, Fredericksburg, VAI. Grão-Mestre da
Virgínia, 23 de novembro de 1795. John Brooks (1752-1825). Perfurou uma
companhia de minutemen, que participou da Batalha de Lexington, o Ft.
Expedição de Stanwix, e os 198

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Batalha de Saratoga. Promovido a Coronel, 1778. Trabalhou com o Barão von


Steuben no treinamento do Exército Continental. Tornou-se Major Geral da
Milícia após a guerra. Recebeu o grau de Aprendiz Inscrito (1Ou) na American
Union (Military) Lodge em 28 de agosto de 1779. Membro do Washington
Military Lodge Não. 10, sob a Grande Loja de Massachusetts. Jacob Brown
(1775-1828). Major Geral, Guerra de 1812. Enquanto no comando da seção de
200 milhas ao longo da fronteira canadense, tenho repelido vários ataques de
forças britânicas superiores. Comissionado Brigadeiro Geral, 1813; Major Geral,
1814. Iniciado (1Ou) em Ontario Lodge em Sackets Harbor, NY em 2 de janeiro
de 1806. Levantado (3Ou) no mesmo alojamento. Membro do Watertown Lodge
Não. 49, Watertown, NY. Nathan Brownson (1742-1796). Estudou medicina em
Yale. Graduado em 1761. Praticado em Liberty Co., GA. Membro do Congresso
Provincial de 1775. Delegado aos Congressos Continentais de 1776 e 1778.
Cirurgião da Guerra Revolucionária. Membro do North Star Lodge de
Manchester, VT. James Bruff (?) Comandante do Território da Alta Louisiana
logo após Ou.S. assumiu a compra da Louisiana. 1º Tenut com 7o regimento de
Maryland na guerra revolucionária. Original lodge desconhecido. Em registro
como visitante de várias lojas. Registrado como membro da Loja Não. 7,
Chestertown, MD. Nathaniel Brush (?) Coronel da Guerra Revolucionária, que
dirigiu Bennington, milícia do VT na Batalha de Bennington, em agosto de
1777. Esta batalha provou ser um ponto de virada na Revolução. Tenho foi sócio
fundador e primeiro mestre do North Star Lodge, Manchester, VT., Formado em
1775. William B. Bulloch (1776-1852). Serviu na guerra de 1812 na artilharia
pesada de Savana. Membro da Loja de Solomon, Não.1, Savannah, GA. Edward
Buncombe (? -1777). Coronel na Revolução Americana. Prisioneiro tomado em
Germantown. Morreu de feridas na Filadélfia. Membro do Unanimity Lodge
Não. 7 em Edenton, NC. Recebeu os graus azuis em 16 e 25 de maio, 3 de junho
de 1776. Henry Burbeck (1754-1848). Fundador do West Point. Tenente de
artilharia (maio de 1775) na Revolução Americana. Foi nas batalhas de Long
Island, Brandywine e Germantown. Invernada em Valley Forge. Sua 199

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

As credenciais da Guerra Revolucionária são numerosas demais para mencionar


aqui. Na guerra de 1812, tenho comandado defesas de porto em Nova York, New
London e Newport. Aposentado como Brigadeiro Geral, em 1815. Foi o Grande
Diretor Sênior da Grande Loja da Província de São João em Boston. Johathan
Burrall (1753-1834). Soldado da Guerra Revolucionária. Entrou para o Exército
do Norte sob Schuyler, em 1776. Tornou-se assistente do tesoureiro. No final da
guerra estava na comissão para acertar as contas dos departamentos de
comissários e contramestre. Admitido no Masters ‘Lodge Não. 2 em Albany,
NY, 1778. Robert Burton (1747-1825). Intendente Geral da milícia na Revolução
Americana. Membro dos Congressos Continentais da Carolina do Norte. Em
1801 foi membro da comissão para fixar o limite entre as Carolinas e a Geórgia.
Membro do Hiram Lodge Não. 24 de Williamsborough, NC. John Butler (1728-
1794). Coronel em serviço britânico durante a Revolução Americana. Recrutou
uma força de índios e rangers, conhecidos como “Guardiões do Butler”. Muitas
atrocidades foram atribuídas a ele. Um exemplo: quando Lieut. Thomas Boyd
dera um sinal maçônico de angústia, Butler o entregou aos índios, que o
torturaram e mataram. Butler foi criado (3Ou) no Union Lodge Não. 1, Albany,
NY. Richard Butler (1743-1791). Tenente Coronel na linha da Pensilvânia no
início da Revolução. Promovido ao coronel no 9º regimento da Pensilvânia no
final da guerra. Promovido ao Major Geral depois da guerra. Iniciado (1Ou) no
Lodge Não. 2, Filadélfia em 14 de abril de 1779, passou (2Ou) 20 de abril, e
levantou (3Ou) 27 de abril. Robert Butler (?). General na Guerra de 1812.
Durante a guerra tenho aprendido a importância de me tornar um maçom, mas
não entrei até depois da guerra. Entrou na Grande Loja do Alabama quando foi
organizada em 3 de junho de 1825. John Cadwalader (1742-1786). Brigadi er
Geral na Revolução Americana. Mestre do Posto Militar Não. 55. Membro do
Lodge Não.8 em PA. Thomas Cadwalader (1707-1779). Durante a Guerra
Revolucionária foi diretor médico do hospital do Exército na Filadélfia. Senior
Grand Warden da primeira St. John’s Lodge da Filadélfia em 1738. 200

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Thomas Cadwalader (1778-1841). Entrou na guerra de 1812 como um particular.


Avançado para o Tenente-Coronel da cavalaria e subseqüentemente Major Geral
da Primeira Divisão, Milícia da Pensilvânia. Membro do Lodge Não. 51,
Filadélfia, Out. 27, 1808. Newton Cannon (1781-1842). Em 1813 serviu como
Coronel em Rifles Montados do Tennessee. Coluna da esquerda comandada na
batalha de Tallushatchee. Membro do Cumberland Lodge Não. 8, Nashville, TN.
Joseph P. E. Capelle (1757-1796). Cirurgião durante a Revolução Americana.
Gerado (3Ou) no Lodge Não. 14 em Wilmington em 21 de agosto de 1783.
Serviu como Mestre em 1786 e 1792. Em 6 de agosto de 1789, recebeu a R.A.m.
Grau. Lewis Cass (1782-1866). Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Em 5 de
dezembro de 1803 eu fui iniciado (1Ou) no antigo American Union Lodge Não.
1 em Marietta, OH; passou (2Ou) 2 de abril de 1804; e levantou (3Ou) 7 de maio
de 1804. Mais tarde, eu me tornei uma R.A.m. (Royal Arch Mason – Rito de
York). Stephen Cassin (1783-1857). Ou.S. Oficial da marinha. Serviu na guerra
de 1812. Victoriously comandou o Ticonderoga em guerra com Tripoli (Líbia
moderna). Por este tenho foi premiada com uma medalha de ouro pelo
Congresso. Membro do Holland Lodge Não. 8, NYC. Richard Caswell (1729-
1789). General na Revolução Americana. Na batalha do Creek de Moore,
derrotei um grande corpo de legalistas. Original lodge não conhecido, mas foi
membro do St. John’s Lodge Não. 3, New Bern, NC. Eleito Vice-Grão-Mestre
da Carolina do Norte, 11 de dezembro de 1787, e Grão-Mestre, 18 de novembro
de 1788. John Catron (1778-1865). Serviu na campanha de Nova Orleans na
Guerra de 1812. Escolhido um dos juízes do estado de Louisiana, 1824. Membro
do Cumberland Lodge Não. 8, Nashville, TN. Henry Champion (1751-1824).
Comandante da companhia e do batalhão no exército continental durante a
guerra revolucionária, lutando em Bunker Hill, Long Island, West Plains,
Germantown e Stony Point. Liderou o batalhão de tropas selecionadas de
Connecticut em assalto audacioso de Stony Point em 15 e 16 de julho de 1779.
Iniciado no American Union Lodge em Redding em 1779.

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Serviu em várias posições como oficial da loja. Passado Sumo Sacerdote do


Capítulo de VandenBroek, York Rite (R.A.m.) Membro da Washington
Commandery, Knights Temperar. Amigo pessoal de Thomas Smith Webb. John
Chandler (1760-1841). Brigadeiro Geral, Guerra de 1812. Lodge não conhecido,
mas participou de uma sessão da Grande Loja do Maine em 1820. Isaac
Chauncey (1772-1840). Herói naval americano da guerra de 1812. Quando
estourou a guerra, eu estava no comando do estaleiro da Marinha em Nova York,
assim como todos os Grandes Lagos, exceto Champlain. Membro do
Independent Royal Arch Lodge Não. 2, NYC, 1796. John Chipman (1744-1829).
Capitão de Guerra Revolucionário, participando de batalhas de Hubbardton,
Bennington e Saratoga. Criado em Union Lodge, Albany, NY antes de Out.,
1779. Após a guerra foi Grão-Mestre da Grande Loja de Vermont, 1797-1814, e
Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo, R.A.m. de Vermont, 1813-15.
Nathaniel Chipman (1752-1843). Serviu como tenente na guerra revolucionária.
Em Valley Forge no inverno de 1777. Presente nas batalhas de Monmouth e
White Plains. Levantado (3Ou) em um alojamento militar. Em 1795 foi membro
do Center Lodge Não. 6, Rutland, VT e seu primeiro mestre. Joseph Cilley
(1735-1799). Soldado da Guerra Revolucionária. Major Geral da milícia de New
Hampshire. Imediatamente após a Batalha de Lexington, eu criei uma
companhia de voluntários e os conduzi a Boston. Tenho servido em Ticonderoga
e outras batalhas. Levantado (3Ou) em St. John’s Lodge Não. 1, Portsmouth,
NH, 15 de junho de 1775. As taxas foram dispensadas devido ao serviço ao seu
país. Joseph Cilley (1791-1887). Neto de Joseph Cilley acima. Tenente em
infantería durante a guerra de 1812. Participou em batalhas de Chippewa, Lane
de Lundy, e Chrysler’s Field. Membro do Sullivan Lodge Não. 19, Lee, NH.
Vice-Grão-Mestre da Grande Loja de New Hampshire, 1848-49. George Rogers
Clark (1752-1818). Irmão mais velho do explorador e maçom, William Clark.
George era um general de brigada na Revolução Americana. Lutou contra os
britânicos e indianos nas regiões de Illinois e Kentucky, salvando as duas regiões
para as colônias. Sua loja é desconhecida, mas tenho foi enterrada
maçonicamente por Abraham Lodge Não. 8, Louisville, KY. 202

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Joel Clark (1730-1776). Coronel na guerra revolucionária. Serviu no cerco de


Boston e defesa de Nova York. Fundador da famosa American Union Military
Lodge, que viajou com o exército continental durante a guerra. Argila Verde
(1757-1826). General na Guerra de 1812. Quando o general Harrison foi cercado
pelos britânicos em Fort Meigs em 1813, tenho vindo ao alívio de Clay com
3.000 voluntários, forçando o inimigo a se retirar. Membro do Lexington Lodge
Não. 1, Lexington, KY. Moses Cleaveland (1754-1806). Fundou Cleveland,
Ohio em 1796. Esteve em Yale quando a Revolução irrompeu. Encomendado
nos Continentals do Coronel Blatchley Webb, em 1777. Enquanto estava
estacionado em Hudson Highlands, foi feito um maçom em American Union
Lodge (militar), em setembro de 1779. John P. Clement (? -1845). Oficial
britânico, servindo como capitão durante a guerra de 1812. Durante uma
escaramuça em 5 de julho de 1814 eu vi um índio no ato de se preparar para
matar um prisioneiro americano. O prisioneiro acabara de dar o sinal maçônico
de aflição. Clemente resgatou o irmão e levou-o para uma casa de fazenda, onde
fui cuidada até que eu estivesse bem o suficiente para ir para casa. Alguns meses
depois, Clemente foi preso. Seu carcereiro era o mesmo homem que eu havia
salvado antes. O carcereiro informou Clement que eu teria retornado ao Canadá
na manhã seguinte. Membro do Niagara Lodge Não. 2 de Ontário. James Clinton
(1733-1812). Irmão de George Clinton e pai de Dewitt Clinton. Capitão em
guerras francesas e indianas. Coronel da Guerra Revolucionária da 3ª
Continental continental de Nova York na expedição canadense de 1775.
Promoveu o Brigadeiro Geral no próximo ano. Ferido em Ft. Montgomery,
1777. Estava na expedição de Sullivan em Yorktown, onde sua brigada recebeu
rendeu cores britânicas. Membro do Warren Lodge em Little Britain. George
Clinton (1739-1812). Membro do Congresso Continental (177576). Brigadeiro
Geral na Revolução Americana. Membro do Warren Lodge Não. 17, NYC,
servindo como Mestre em 1800. Representou Warren Lodge em Grand
Steward’s Lodge em 28 de maio de 1800. Seu sobrinho era DeWitt Clinton.
Lodges em Nova York chamado “Clinton” foram nomeados por George, não
DeWitt. 203
DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Sir George Cockburn (1772-1853). Almirante naval britânico na guerra de 1812,


que tirou sua vingança contra a América em propriedade pública. Em agosto de
1814 eu entrei em Washington DC com 200 homens e queimei edifícios
públicos, incluindo a Casa Branca. Membro do Inverness Lodge Não. 4,
Londres. John Cocke (1772-1854). Na guerra de 1812 foi o Major Geral dos
Voluntários do Leste do Tennessee na Guerra Creek. Serviu sob Jackson em
Nova Orleans em 1814. Membro do Rising Star Lodge Não. 44, Rutledge, TN.
John H. Cocke (1780-1866). Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Recebeu o
Diploma de Aprendiz no Jefferson Lodge Não. 65 no Surry Court House, VAI.
Tornou-se membro da Loja Filantrópica Não. 127, da qual tenho sido suspenso
em 18 de maio de 1827 por “grosseira conduta não-monástica”, referindo-se a
sua antimaçonaria após o assassinato maçônico do Capitão William Morgan.
Jacob Collamer (1791-1865). Serviu na milícia na campanha de fronteira da
Guerra de 1812. Membro do Rising Sun Lodge Não. 7, Royalton, VT. Lorde
Charles Cornwallis (1738-1805). Britânico Geral durante a Revolução
Americana, que se rendeu a Washington em Yorktown, terminando assim a
Guerra Revolucionária. Cornwallis realizou as grandes honras da Maçonaria no
funeral do Major Geral DeKalb. Capitão John Cotton (?). Oficial Naval da
Guerra Revolucionária. Por resolução do Congresso, foi ordenado que duas
fragatas de 36 e 28 canhões fossem construídas em Connecticut. Uma
embarcação deveria “ser construída sob a supervisão do capitão John Cotton of
Middletown”. Membro do Lodge em Middletown, CT. Isaac Craig (?) Oficial
naval revolucionário da guerra que serviu como o capitão sob John Paul Jones.
Membro do Posto Militar Não. 19 (agora Montgomery Não. 19 de Filadélfia,
PA). Mestre da Loja. Dr. James Craik (1731-1814). Médico de George
Washington, acompanhando-o na expedição contra franceses e índios em 1754.
Promovido ao Cirurgião Geral do Exército Continental durante a Guerra
Revolucionária. Primeiro Ou.S. Cirurgião Geral. Um dos três médicos que
compareceram a Washington durante sua última doença. Membro do Alexandria
Lodge Não. 22, Alexandria, VAI. 204

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John Crane (?) Membro do Boston Tea Party. Serviu como Geral na Guerra
Revolucionária. Fez um maçom em American Union Lodge (Militar) enquanto
acampava em West Point em 1781. Benjamin W. Crowninshield (1772-1851).
Secretário da Marinha sob Madison e Monroe. Durante a Guerra de 1812 tenho
comandado vários navios. Membro do Essex Lodge, Salem, MA. William
Cunningham (? -1791). Inglês Capitão e Reitor Marechal da Revolução
Americana, que era notório por seu tratamento de prisioneiros americanos. Mais
de 250 foram enforcados sem julgamento. 2.000 morreram de fome. Sua única
virtude era a recuperação de jóias, livros e registros roubados das Lojas Não. 2 e
3 na Filadélfia. Seu próprio alojamento não é conhecido, mas tenho sido
visitante do Lodge Não. 3, Filadélfia em Out. 10, 1777. Depois da guerra tenho
retornado à Inglaterra, onde tenho me tornado um vagabundo. Tenho recebeu sua
surpresa quando eu fui executado em 10 de agosto de 1791 por forjar um
rascunho. Nathanial Cushing (1753-1814). Major na Revolução Americana.
Lutou com as tropas de Massachusetts de 1775-1782. No final da guerra movam
para Belpre, OH. Foi o primeiro Mestre do Farmers Lodge Não. 20, Belpre.
William R. Davie (1756-1820). Membro da Convenção Constitucional. Oficial
da Guerra Revolucionária. Entrou na guerra depois de se formar em Princeton
em 1776. Tornou-se Major Geral da milícia. Gerado (3Ou) no Occasional Lodge
Não. 1791. Serviu como Grão-Mestre da Carolina do Norte (1792-98). Joseph H.
Daviess (1744-1811). Juntou exército de Gene. William H. Harrison como
Major, 1811. Na Batalha de Tippecanoe, vendo que um ângulo exposto da linha
provavelmente cederia, liderou uma carga de cavalaria naquele ângulo e foi
morto. Grão-Mestre de KY. Thomas Davis (?) Capelão dos 1º Dragões
Continentais durante a Guerra Revolucionária. O Rev. Davis era um membro da
Alexandria Lodge Não. 22, Alexandria, VAI, e oficiou no enterro de George
Washington. Charles Dayan (1792-1827). Tenente Coronel na Guerra de 1812.
Foi o último Mestre do Jefferson Lodge Não. 164, quando devido ao Movimento
Antimaçônico, causado pelo assassinato maçônico de 1826 do Capitão William
Morgan em Batavia, Nova York, o Dayan’s Lodge foi forçado a descontinuar
205

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome
reuniões. Em 1848, imediatamente após a confissão publicada pelo leito de
morte de um dos assassinos de Morgan, Dayan Onze novamente se juntou à
Maçonaria, e tornou-se Primeiro Mestre do Lowville Lodge Não. 134, Lowville,
NY. Elias Dayton (1737-1807). Brigadeiro Geral da Revolução Americana.
Tomou parte proeminente nas batalhas de Springfield, Monmouth, Brandywine e
Yorktown. Membro do Posto Militar Não. 19 do registro da Pensilvânia;
registrado como visitante da American Union Lodge. Jonathan Dayton (1760-
1824). Oficial na Revolução Americana. Participou de muitas batalhas, incluindo
Yorktown. Tinha um comando sob Lafayette. Membro do Tempere Lodge Não. 1
em Elizabethtown. Henry Dearborn (1751-1829). Major Geral Ou.S. Exército.
Secretário de Guerra sob Jefferson. Lutou tanto na Guerra Revolucionária como
na Guerra de 1812. Iniciada (1Ou) e aprovada (2Ou) na Loja de São João Não. 1,
Portsmouth, NH, 3 de março de 1774. Criado em 18 de abril de 1777. Barão
Johann de Kalb (1721-1780). Major Geral no Exército Continental durante a
Guerra Revolucionária. Servido com bravura em causa de colônias. A estátua de
De Kalb em Annapolis, MD foi revelada pela Grande Loja de Maryland. Henry
Dodge (1782-1876). Oficial em Guerra de 1812. Iniciado em 10 de dezembro de
1806 no Western Star Lodge Não. 107, Kaskaskia, IL (Território Indiano). Mais
tarde afiliado ao Louisiana Lodge Não. 109 em St. Genevieve, MO. Serviu como
Mestre por três anos. Fort Dodge foi nomeado após ele. John Downes (1786-
1855). Commodore, Ou.S. Marinha, Guerra de 1812. Comandado navio
capturado Essex Júnior. Iniciado (1Ou) em Rising Star Lodge, Stoughton, MA,
Out. 23; passou (2Ou) 20 de novembro; levantado (3Ou) 4 de dezembro de
1806. Sir John Doyle (1756-1834). Britânico Geral, que serviu na Revolução
Americana. Sua brigada capturou Charleston. Como Major, foi iniciado (1Ou) 2
de maio de 1792 no Príncipe de Gales Lodge Não. 259 na Inglaterra. Mais tarde
foi nomeado por H.R.H. o Duque de Sussex para o cargo de Vice-Grão-Mestre
da Grande Loja Unida. Peter Stephen (Etienne) Du Ponceau (1760-1844). Em
1777, tenho acompanhado o maçom barão von Steuben para a América como
seu secretário. 206

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Serviu nas Revoluções americanas como ajudante de campo de von Steuben.


Tornou-se um cidadão naturalizado em 1781. Na Fev. 14, 1782, tenho
peticionado Lodge Não. 2, Filadélfia para se tornar um pedreiro. Recebeu os
dois primeiros graus em 14 de agosto de 1782. Não referência do grau de Mestre
Maçom. Victor Marie DuPont (1767-1827). Aide-de-camp para Lafayette.
Peticionado para organizar o Lafayette Lodge Não. 14, Wilmington, com carta
patente concedida em 17 de janeiro de 1825. Membro de Washington Lodge
Não. 1 de Delaware em 1 de abril de 1813. Membro do Tempere Lodge Não. 11
em Fev. 11, 1819. No mesmo ano foi o Grão-Marechal da Grande Loja de
Delaware. Grande Tesoureiro, 1825. John P. Duval (1790-1855). Serviu como
Capitão na Guerra de 1812. Membro do Jackson Lodge Não. 1 em Tallahassee
FL. Primeiro Grão-Mestre da Grande Loja da Flórida, 1830. William P. Duval
(1784-1854). Serviu na guerra de 1812 contra os índios. Eleito para Ou.S.
Congresso de Kentucky, 1813-15. Membro do Jackson Lodge Não.1,
Tallahassee, 1829. Auxiliou na formação da Grande Loja da Flórida, em 1830.
Foi também um cavaleiro do Royal Arch Mason (K.T.) Temperar. William Eaton
(1764-1811). Entrou no exército revolucionário aos 16 anos e serviu 19 anos.
Membro do North Star Lodge, Manchester, VT em 1792. Escreveu o elogio a
George Washington. Último ver-se conclui: “Aprovando o céu, com a mão de
apoio, Deu maçons triunfar por esta terra; E firmemente para garantir a nossa
arte, da raiva fanatizante e inveja, enviado um grão-mestre, a liberdade de são, O
patriota divino, Washington!” Henry Eckford (1775-1832). Na guerra de 1812
foi empregado por Ou.S. Governo para construir navios. Seus vasos eram
superiores em força e velocidade para todos os outros. Foi membro do Fortitude
Lodge Não. 48 (agora Não. 19) do Brooklyn, NY, e primeiro Junior Warden do
lodge. Pierpont Edwards (1750-1826). Servido no Exército Revolucionário.
Iniciado (1Ou) em Hiram Lodge Não. 1, New Haven, 28 de dezembro de 1775.
Serviu como Mestre da Loja (3Ou) em 1777-78. Foi o primeiro grão-mestre da
Grande Loja de Connecticut, 1789-90. 207

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Samuel Elbert (1743-1788). Último Grão-Mestre da Geórgia para ser nomeado


pela United Grand Lodge of England. Brigadeiro Geral durante a Guerra
Revolucionária. Em Brier Creek, onde tenho comandou 60 continentais e 160
milícias, tenho sido cercado em três lados e fez um valente estande, mas foi
ferido e capturado. Tenho foi resgatado por um oficial britânico que o tirou da
linha de fogo quando eu dei um sinal maçônico. Membro do Solomon Lodge
Não. 1, Savannah, GA. Condado de Elbert em homenagem a ele. Neemias
Emerson (?) Capitão da Guerra Revolucionária. Foi um dos guardas na execução
do major André. Graus Maçônicos Recebidos em Washington Military Lodge
Não. 10. Membro Merrimack Lodge, Haverhill, MA. Robert Erskine (1735-
1795). Surveyor Geral e Geógrafo ao Exército dos Estados Unidos durante a
Guerra Revolucionária. No início da Revolução, defendi a causa colonial e
entreguei sua produção de ferro ao exército americano. Em registro como um
dos visitantes da American Union Lodge em Morristown (27 de dezembro de
1779), quando a famosa hospedaria militar se hospedou em uma assembléia
distinta, liderada por Gene. Washington. Erskine foi feito maçom em Edimburgo
ou Londres. William Eustis (1753-1825). Entrou no Exército Revolucionário
como um cirurgião regimental, servindo durante a guerra. Tornou-se Secretário
de Guerra, 1807-13. Levantado (3Ou) em St. Andrew’s Lodge de Boston em
Fev. 6, 1795. Samuel Fessenden (1784-1869). Serviu 14 anos como Major Geral
da 12ª milícia de Massachusetts. Criado em 3 de setembro de 1805 em
Pythagorean Lodge Não. 11, Fryeburg. Joshua Fisher (1748-1833). Graduado em
Harvard em 1776. Cirurgião em corsário durante a Guerra Revolucionária.
Depois da guerra estabeleceu-se em Beverly, MA. Tenho legado
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_20,000 para fundar um professor de
Harvard em história natural. Foi membro do Unity Lodge em Ipswich, MA.
Serviu como secretário da Loja. John Fitzgerald (?). Aide-de-Camp para o
General Washington (novembro de 1776 a julho de 1778) na Guerra
Revolucionária. Major no 9º Regimento da Virgínia. Membro do Williamsburg
Lodge Não. 6 208

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Jellis A. Fonda (?). Major da Guerra Revolucionária no Regimento Nova York


do Coronel Willett. Iniciado (1Ou) em St. Patrick’s Lodge Não. 8 em Johnstown.
Membro do St. George’s Lodge Não.1, Schenectady. Mestre do alojamento
(3Ou), 1797-1805. Robert Foster (?). Capitão dos Minutos na Guerra
Revolucionária. Mestre do Essex Lodge, Salem, MA. John Frost (1738-1810).
Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Membro do St. Andrews Lodge de
Boston MA. Joseph Frye (1711-1794). General na Guerra Revolucionária.
Membro de uma loja em Massachusetts. James Gadsden (1788-1858). Nomeado
Tenente Coronel de Engenheiros, servindo com distinção na Guerra de 1812.
Serviu como ajudante de campo do General Jackson em campanha contra índios
Seminole, 1818. Foi com Jackson a Pensacola quando este tomou posse da
Flórida. Foi ativo na resolução de litígios entre Jackson e o governador espanhol.
Membro do Jackson Lodge Não. 23, Tallahassee, FL. Edmund P. Gaines (1777-
1849). Major Geral na Guerra de 1812. Foi fundamental para prender Aaron
Burr. Horatio Gates (1728-1806). Major Geral do Exército Continental na
Revolução Americana. Membro de uma loja de regimento em Annapolis Royal,
Nova Scotia, Canadá. 18 de dezembro de 1778, a Grande Loja de Massachusetts
convidou “Os Portões Gerais do Hon’bl … para jantar na Festa do Dia de São
João. Os minutos do alojamento confirmam sua presença. John Gibson (1740-
1822). Comandou um regimento no início da Revolução Americana, serviu em
Nova York e no retiro de Camisola, comandou o departamento militar ocidental
de 1781 até que a paz foi estabelecida, recebeu seus dois primeiros graus em
Lancaster PA e seu grau em Vincennes Lodge, Indiana em março. 14, 1809.
Thomas Gibson (1750-1814) Soldado da Guerra Revolucionária, que serviu com
distinção Membro da Nova Caesarea Lodge Não. 10, Cincinnati OH, Primeiro
Mestre do Scioto Lodge Não. 2, Chillicothe, OH, 1805-07. Exaltado em
Cincinnati Chapter Não. 2, Royal Arch Mason, 11 de dezembro de 1799.

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Joshua R. Giddings (1795-1864). Na guerra de 1812. Tornou-se Ou.S.


Congressista de Ohio. Criada (3Ou) em Jerusalem Lodge Não.19, Hartford, OH.
Nicholas Gilman (1755-1814). Signatário da Constituição Federal de 1787.
Combate na Guerra Revolucionária. Representou os prisioneiros entregues pelo
Freemason English Cornwallis em Yorktown. Membro St. John’s Lodge Não. 1,
Portsmouth, NH. George Gilpin (?) Coronel na Revolução Americana.
Pallbearer no funeral de George Washington. Membro do Alexandria Lodge
Não. 22, Alexandria, VAI. Mordecai Gist (1743-1792). Brigadeiro Geral durante
a Revolução Americana. Membro do Lodge Não. 16, Baltimore MD. Primeiro
Mestre do Exército Lodge Não. 27 da Linha de Maryland, fretada pela Grande
Loja da Pensilvânia, em abril de 1780. John Glover (1732-1797). Brigadeiro
Geral na Revolução Americana. Comandou o “regimento anfíbio”. Membro da
Loja Filantrópica de Marblehead, Massachusetts. Gravado como visitante da
Loja St. John’s em Providence, RI, enquanto estava estacionado lá. George
Gorham (?) Capitão durante a Revolução Americana. Ajudou o cabo do trecho
através do rio Hudson para obstruir britânicos em sua tentativa de navegar
navios no rio. Membro do Rei Hiram Lodge Não. 12, Derby, Conn. Charles
Gratiot (1788-1855). Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Foi diretor sênior do
Comfort Lodge Não. 143 em Old Point Comfort, VAI. John Greaton (1741-
1783). Brigadeiro Geral na Guerra Revolucionária. Enquanto estava em West
Point em 1777, eu me tornei um membro da Masters ‘Lodge of Albany, NY. Foi
J.W. de Washington Lodge Não. 10 (Military Lodge) na Brigada de
Massachusetts, quando se organizou em West Point em 1779. Christopher
Greene (1737-1781). Coronel durante a Revolução Americana. Conhecido como
o “herói do Banco da Rede”. Assassinado em batalha em 13 de maio de 1781,
quando seu quartel-general no rio Croton foi cercado por legalistas. Iniciado
(1Ou) 3 de março de 1779 em St. John’s Lodge, Providence, RI. 210

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Nathanael Greene (1742-1786). Geral durante a Revolução Americana. Tenho,


com quatro outros, foram os únicos generais que serviram durante a guerra.
Membro de um Rhode Island Lodge – uma loja militar. Richard Gridley (1711-
1796). Major Geral na Revolução Americana. Conquistou a reputação de
artífice. Encomendou o major Geral no comando da artilharia continental.
Entrou na Maçonaria na Loja St. John’s de Boston, MA. Foi Grão-Mestre da
Grande Loja de Massachusetts. Thomas Grosvenor (1744-1825). Patriota da
guerra revolucionária. Tenente sob Putnam em 1775 e mais tarde um coronel.
Entrou Maçonaria em American Union Lodge, Redding, CT. Serviu como
secretário e diácono sênior. Isaac Guion (1755-1823). Soldado da Guerra
Revolucionária encomendou Ensign na Artilharia do Cordeiro no início das
hostilidades. Descarregado em 1783 como capitão. Membro do Lodge de São
João Não. 3, New Bern, NC. James Gunn (1739-1801). General na Revolução
Americana. Membro da Loja de Salomão Não. 1 de Savannah. John Habersham
(1754-1799). Major no 1º Regimento Continental da Geórgia, Revolução
Americana. Membro da Loja de Salomão Não. 1, Savannah, GA. Joseph
Habersham (1751-1815). Irmão de John Habersham. Como Major do 1º
Batalhão da Georgia, tenho defendido Savannah de um ataque naval britânico
em março de 1776. Tenho também participado do desastroso ataque a Savannah
em 1779. Avançado para o tenente-coronel no final da guerra. Membro da Loja
de Salomão Não. 1, Savannah. Nathan Hale (1755-1776). Em resposta a um
telefonema do General Washington, eu me apresentei como voluntário para
tarefas perigosas de espionagem por trás das linhas britânicas em Long Island.
Foi capturado e mandado executar por Sir William Howe. Antes de ter sido
enforcado, suas últimas palavras foram: “Só me arrependo de ter apenas uma
vida a perder para o meu país”. Tenho foi mandado executar por Sir William
Howe. As credenciais maçônicas de Hale são questionáveis. Tenho é por vezes
referido como um membro da Loja Regimental St. John’s de Nova Iorque. 211

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

David Hall (1752-1817). Capitão no regimento de Delalet, em Delaware, em


1776. No ano seguinte, tornou-se o coronel do regimento de Delaware. Criado
em 3 de maio de 1776 no Lodge Não. 18 em Dover, DE. Master of Hiram
Delaware Regimental Lodge Não. 30. Mestre da Carta da Loja Não. 63, Lewes,
DE. Elijah Hall (?) Capitão Naval durante a Guerra Revolucionária. Levantado
(3Ou) em St. John’s Lodge Não. 1, Portsmouth NH, 26 de junho de 1777.
William Hall (1774-1856). Major Geral da milícia do estado do Tennessee.
Tenho comandou um regimento de fuzileiros do Tennessee sob o General
Jackson na Guerra de 1812. Membro do Rei Solomon Lodge Não. 6, Gallatin
TN. Alexander Hamilton (1757-1804). Em Guerra Revolucionária serviu em
1789 como Inspetor Geral do Exército, com patente de Major Geral.
Assassinado em dupla com Arron Burr. Foi gravado entre os visitantes da
American Union Lodge (militar) em Morristown NJ, em 27 de dezembro de
1779, quando Washington levantou Geral Lafayette para o “terceiro grau” da
Maçonaria. Paul Hamilton (1762-1816). Como Secretário da Marinha, sob o
comando de James Madison, a política de Hamilton era manter nossas fragatas
no porto para impedir sua captura na Guerra de 1812. Ex-Mestre do Lodge Não.
8, Charleston SC. Em 1806 foi Grão-Mestre da Grande Loja da Carolina do Sul.
Benjamin Hammond (?). Comandante da escuna de corveta Greyhound na
Guerra Revolucionária. Membro do Essex Lodge, Salem, MA. John Francis
Hamtramck (1756-1803). Coronel na Revolução Americana. Juntou-se ao
exército de Geral Montgomery, em setembro de 1775, enquanto marchava em
Montreal. Em 1776, contratou o tenente, então capitão da 5ª Continental de
Nova York. Avançado para Major, 01 de janeiro de 1781. Tenente-coronel no
comando da primeira sub-legião sob o General Anthony Wayne, Fev. 18, 1793.
Assumiu o comando de Detroit, 13 de julho do mesmo ano. Membro Union
Lodge Não. 1, Albany, NY (agora Mt. Vernon Não.3). Edward Hand (1744-
1802). Brigadeiro Geral e Ajudante Geral do Exército Continental. No começo
da Revolução, eu me juntei à brigada de Thompson como tenente-coronel,
servindo no cerco a Boston e nas batalhas de Long Island e Trenton. Foi um
membro da Pennsylvania Military Lodge. 212

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

George Handley (1752-1793). Durante a Revolução (1776) tenho-me juntado à


Georgia continental como Capitão, subindo ao Tenente Coronel. Foi capturado
em Augusta, GA. e enviado para Charleston como prisioneiro de guerra.
Membro do Solomon Lodge Não. 1 de Savannah. Martin D. Hardin (1780-
1823). Durante a Guerra de 1812, tenho me juntado ao exército e servido sob o
comando do General Harrison como Major dos Voluntários de Kentucky.
Membro do Washington Chapter Não. 11, R.A.m. (Mason do Arco Real). Josiah
Harmar (1753-1813). Brigadeiro Geral e Geral-de-Chefe do Exército em 1789.
Iniciado (1Ou) em 2 de julho de 1778 na Loja Não. 3 da Filadélfia. Membro da
Pennsylvania Union Lodge Não. 29 e Nova Caesarea Lodge Não. 10, (agora
Harmony Lodge Não. 2 de Cincinnati). John Haywood (1753-1826). Oficial na
Revolução Americana. Membro do St. Andrews Lodge Não. 57, Louisburg, NC.
Jonathan Heart (1744-1791). Oficial durante a Revolução Americana. Membro
da famosa cabana militar – American Union Lodge. Primeiro secretário e
terceiro e último mestre daquela loja. William Henry (1761-1824). Soldado da
Revolução e Guerra de 1812. Encomendou voluntários do Major Geral of
Kentucky em agosto de 1813. No ano de 1803, ambos foram criados (1Ou) no
Union Lodge Não. 43 da Pensilvânia e admitidos no Lexington Lodge Não. 1 de
Lexington, KY. Nicholas Herkimer (1715-1777). Brigadeiro Geral da Revolução
Americana em 1776. Fatalmente ferido na Batalha de Oriskany. Iniciado (1Ou)
em 7 de abril de 1768, no St. Patrick’s Lodge Não. 8 de Johnstown, NY. Samuel
Herrick (?) Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Filiado à Amity Lodge Não. 5
de Zanesville, OH (1813). Joseph Hiester (1752-1832). No começo da
Revolução tenho levantado e equipado Reading, PA com uma companhia que
participou das batalhas de Long Island e Germantown. Em 1807 tenho foi
nomeado um dos dois principais generais para comandar o qu ota da milícia
militar da Pensilvânia, convocada pelo Presidente. Membro do Lodge Não. 62,
Reading, PA. 213
DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

James Hogun (? -1781). Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Membro do


Lodge Não. 3, Filadélfia. Recebeu diplomas azuis em 13, 15 e 17 de abril de
1779. Robert L. Hooper Jr. (1709-1785). Subchefe Geral Geral na Revolução
Americana (1778). Iniciado no Lodge Não. 2, Phil. Afiliado ao Trenton Lodge
Não. 5. Primeiro Vice-Grão-Mestre da Grande Loja, NY. Samuel Hopkins
(1750-1819). General no Exército Continental durante a Revolução Americana e
a Guerra de 1812. Membro do Jerusalem Lodge Não. 9 de Henderson, KY.
Timothy Hosmer (1745-1815). Oficial no Exército Continental durante a Guerra
Revolucionária. Cirurgião na equipe do General Washington. Atendeu e
certificou a execução do espião britânico Major John Andre. Membro de ambas
as unidades, Frederick Lodge, Farmington, CT e American Union. 1, 20 de
agosto de 1779, assinando estatutos sobre isso dê-se. Tornou-se charter Master of
Ontario Lodge Não. 23, Canandaigua, NY, 1792. Benjamin Chew Howard
(1791-1872). Oficial em guerra de 1812. Em 1814 tenho ajudado na organização
de tropas para a defesa de Baltimore. Abril de 1813 tornou-se membro da Cassia
Lodge Não. 45, Baltimore. John E. Howard (1752-1827). Coronel na Revolução.
Antecipando a guerra com a França em 1798, Washington fez dele um dos seus
principais generais. Membro do Army Lodge Não. 27 da linha de Maryland.
Robert Howe (1732-1785). Encomendou o major Geral da Revolução
Americana e liderou uma expedição contra a Flórida, que terminou em desastre.
Retornou a Savannah, GA, mas perdeu a cidade para os britânicos. Por essa
perda eu fui julgado por um tribunal marcial e absolvido. Estava no comando em
West Point em 1780. Membro do Hanover Lodge of Masonborough, NC.
Richard Howell (1753-1802). Capitão comissionado no 2º regimento de N.J.
Promovido a Major em 1776 quando a Revolução começou. Membro do Trenton
Lodge Não. 5, Trenton, NJ. Past Master of same. William Hull (1753-1825).
Tenente Coronel em 1779 sob o Barão Von Steuben. Depois que a guerra foi
promovida ao major Geral, então ao brigadeiro Geral em 214

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome
Guerra de 1812. Comandou o exército do noroeste. Corte marcial por não
defender Detroit e condenado a ser baleado. O poder da Maçonaria está
registrado no fato de que após a sentença ter sido pronunciada, foi-me dito para
ir para casa e aguardar sua execução, que nunca veio. Hull era membro do
Washington Lodge Não. 10, uma hospedaria itinerante localizada em West Point.
Tornou-se o primeiro Mestre da Loja Meridiana, Natick, MA em 1797. Ebenezer
Huntington (1754-1834). Soldado da Guerra Revolucionária. Em 1792,
encomendou Geral na milícia estadual de Connecticut. Em 1799 promovido ao
Brigadeiro Geral por Washington. Membro do Somerset Lodge Não. 34 de
Norwich, CT. Também um York Rite, Royal Arch Mason. James Hutchison
(1752-1793). Cirurgião Geral da Pensilvânia durante a Revolução. Membro do
Lodge Não. 2, Filadélfia. James Iredell, Jr. (1788-1853). Serviu na Guerra de
1812. Em 1808 fui elevado (3Ou) no Unanimity Lodge Não. 54 em Edenton.
Andrew Jackson (1767-1845). Major General de Ou.S. Exército designado para
defender Nova Orleans na Guerra de 1812. Sétimo Presidente da Ou.S.A.
Iniciado (1Ou) em Loja Filantrópica Não. 12 em Clover Bottom, TN. Membro
do Greeneville Lodge Não. 3 da TN (ex-Não 43 da Carolina do Norte) James
Jackson (1757-1806). Encomendou o Brigadeiro Geral em 1788. Participou da
defesa de Savannah. Vi ação em Blackstocks, Augusta, Cowpens e Long Cane.
Iniciado (1Ou) no Salomão’s Lodge Não. 1, Savannah em 1782. Serviu como
Mestre (3Ou) da Loja em 1786. Thomas S. Jessup (1788-1860). Comissionado
Tenente de Infantaria em 1808. Começou a Guerra de 1812 foi adjutant-geral de
Gene. Wm. Casco. Membro do Harmony Lodge Não. 2, Cincinnati, OH. George
Jones (1766-1838). Lutou na Guerra Revolucionária. Aprisionado em 1780-81
em um navio inglês. Serviu na guerra de 1812 como capitão da reserva de
Savannah. Membro da Loja de Salomão Não. 1, Savannah, GA. Jacob Jones
(1768-1850). Commodore, Ou.S. Marinha. Comandante comissionado, 1810.
Em 1811 foi atribuído ao navio Wasp. Nos primeiros 215

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

batalha naval da Guerra de 1812 a Vespa foi dominada pelo navio britânico
Poietiers. Membro do Holland Lodge Não. 8, NYC. William Jones (?) Tenente
Revolução Americana. Morto por índios em Wyoming, PA. Recebeu um enterro
maçônico do Military Lodge Não. 19, artilharia de Pensilvânia. Lawrence
Kearny (1789-1868). Commodore, Ou.S. Marinha. Na guerra de 1812 foi
atribuído à defesa costeira da Carolina do Sul e estados adjacentes. Foi criado
(3Ou) em Colombian Lodge, Boston, MA. John Kendrick (1745-1800). Capitão
da Guerra Revolucionária de um corsário. Iniciado (1Ou) um pedreiro 10 de
dezembro de 1778 em St. Andrew’s Lodge, Boston, MA. Joshua King (?)
Tenente do exército continental a quem o major André, o espião britânico,
revelou pela primeira vez sua identidade. Membro do Union Lodge Não. 40,
Danbury, CT .; membro do St. Johns Lodge, Norwalk; primeiro tesoureiro do
Jerusalem Lodge Não. 49, Ridgefield. William King (1768-1852). Serviu na
guerra de 1812 como coronel. Iniciado (1Ou) em Massachusetts Lodge at Boston
on Fev. 3, 1800. Tornou-se o primeiro Mestre do Solar Lodge Não. 14, Bath,
ME, em 10 de setembro de 1804. Ephraim Kirby (1757-1804). Alistou-se na
cavalaria voluntária aos 19 anos. Participou da Batalha de Bunker Hill. Lutou em
Brandywine, Monmouth, Elk River e Germantown. Deixado no campo como
morto em Elk River. Foi em 17 batalhas, recebendo 13 feridas. Foi expulso um
estandarte, 23 de agosto de 1782. Mais tarde, juntei-me como Coronel no 17º
regimento da milícia de Connecticut. Em 1881, eu me tornei um membro da
Loja de São Paulo Não. 11, Litchfield, CT. Tenho apresentado sua espada a esta
loja. Samuel Kirkland (1741-1808). Patriota revolucionário e clérigo missionário
para os índios. Tenho tornou-se capelão da brigada do general John Sulivan e
capelão das forças continentais em Fort Schuyler e em Stockbridge, MA.
Kirkland foi iniciado no St. Patrick’s Lodge Não. 8, Johnstown, NY em Fev. 7,
1767. Robert Kirkwood (1730-1791). Herói da Guerra Revolucionária
Americana. Entrou no exército como tenente. No início de 1777 foi
encomendado capitão. Tenho 216

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

comandado em Cowpens, Guilford e Eutaw, após o qual tenho foi nomeado


Major. Kirkwood foi criado (3Ou) no Lodge Não. 18, Dover, DE. Henry Knox
(1750-1806). Major Geral na Revolução Americana. Um dos conselheiros mais
confiáveis ​​e amigos pessoais de George Washington. Juntou forças americanas
na eclosão da guerra, primeiro lutando em Bunker Hill. Promovido Brigadeiro
Geral e Chefe de Artilharia no Exército Continental. Após a rendição de
Cornwallis foi promovido a Major Geral (1781). Comandou West Point em
1782. Secretário da Guerra, 1785-94, primeiro para ocupar esse cargo no
governo federal. Membro do St. John’s Regimental Lodge em Morristown, NJ.
Em 1779 ajudou a constituir Washington Lodge em West Point. Registrado como
visitando muitas outras lojas. 33 Maru de Lafayette (1757-1834). Herói da
Revolução Americana. Seu pai, um soldado francês, foi morto em batalha
algumas semanas antes de seu nascimento. Sua mãe morreu em 1770, deixando-
o um grande estado. Tenho recusou uma posição proeminente na corte francesa
para se tornar um soldado do Exército Francês em 1771. Tenho me retirado do
serviço em 1776, equipado com seu próprio navio, Victoire, e naveguei com
outros 15 jovens aventureiros para lutar com os colonos americanos contra a
Inglaterra. Suas credenciais maçônicas são numerosas demais para serem
impressas aqui. Mas basta dizer que eu era um maçom de rito escocês. James
Lawrence (1781-1813). Capitão Naval. Na guerra de 1812 tenho cruzado a costa
do Brasil, bloqueando a britânica Bonne Citoyenne no porto de Salvador, e
afundando o pavão. Mais tarde, ao largo da costa de Boston, cerca de 30 mil,
encontrei a fragata britânica, Shannon, mas fui atirada e seu navio capturado
com 47 mortos e 99 feridos. O próprio Lawrence foi mortalmente ferido. O
Livro de Campo da Guerra de 1812 relatou que Lawrence foi enterrado com
honras militares e maçônicas. Sheppard C. Leakin (?) General na Guerra de
1812. Iniciado (1Ou) Mason no Washington Lodge Não. 3, Baltimore, MD, Fev.
4, 1812. Depois da guerra serviu como Mestre (3Ou) do alojamento por vários
termos. Henry Lee (1756-1818). Pai de Robert E. Lee. Conhecido como “Light
Horse Harry” por suas brilhantes operações de cavalaria durante a Guerra
Revolucionária. Tenho se juntou ao exército de Washington em Penn. como
capitão de uma companhia de cavalaria da Virgínia. No final da Guerra, eu era
coronel. Membro do Hiram Lodge Não. 59, Westmoreland Co., VAI. 217

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

William Lenoir (1751-1839). Capitão da Revolução Americana e Major Geral da


milícia após a Guerra. Ferido na Batalha da Montanha do Rei. Recebeu todos os
três graus da Loja Azul em 30 de dezembro de 1793. Em 1804 foi Mestre da
Loja da Liberdade Não. 45, Wilkesboro, NC. Uriah P. Levy (1795-1862).
Juntou-se a Ou.S. Marinha como oficial de bandeira no início da Guerra de
1812. Seu navio levou a batalha para as costas da Inglaterra e destruiu 21
embarcações no Canal da Mancha. Iniciado (1Ou) 19 de novembro de 1812 no
Columbia Lodge Não. 91, Filadélfia, PA. Fielding Lewis (1726-1781). Patriota
da Revolução Americana. Casou-se com a irmã de George Washington,
Elizabeth. Armas fabricadas. Membro do Fredericksburg Lodge Não. 4, Virginia.
Frequentou a Grande Loja da Virgínia. Morgan Lewis (1754-1844). Coronel da
Revolução Americana e Major Geral na Guerra de 1812. Serviu na fronteira do
Niagara, capturou Fort George e comandou em Sackett’s Harbour e French
Creek. Iniciado (1Ou) no Union Lodge Não. 2 de Albany. No ano seguinte, foi
admitido no Master’s Lodge Não. 2. Foi eleito por unanimidade o Grão-Mestre
da Grande Loja de Nova York em 3 de junho de 1830, reinando nessa posição
até sua morte. Benjamin Lincoln (1733-1810). Secretário de Guerra e Major
Geral da milícia na Revolução Americana, 1781-84. Ative na organização e
treinamento das tropas continentais. Em 25 de dezembro de 1780, tenho
recebido seus diplomas azuis na Loja St. Andrew’s de Boston. George Little
(1754-1809). Capitão naval da guerra revolucionária no comando de Ou.S.
fragata, Boston. Cruzou com sua nave até o final da guerra. Membro da Old
Colony Lodge de Hingham, MA – 1792. Peter Little (1775-1830). Coronel na
Guerra de 1812. Serviu como mecânico. Membro do Concordia Lodge Não. 13,
Baltimore, MD, 1797. Em 1798 tenho me tornado Grande Secretário da Grande
Loja de Maryland, e Grão-Mestre da mesma em 1818. Membro do Capítulo
Não. 2, Royal Arch Mason. Henry Beekman Livingston (1750-1831). Irmão de
Robert Livingston. Brigadeiro Geral durante a Revolução Americana. Agosto de
1775, tenho criado uma companhia de soldados e acompanhei seu cunhado,
general 218

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Richard Montgomery, em sua expedição ao Canadá. Em 1776, eu me tornei


ajudante de campo de Gene. Philip Schuyler. Em novembro tenho sido
promovido a coronel do 4º batalhão de voluntários de Nova York. No final da
guerra, fui promovido a Brigadeiro Geral. Em 1777 tenho me tornado membro
do Masters Lodge Não. 2 de Albany. James Livingston (1747-1832). Soldado da
Guerra Revolucionária. Dado o comando de um regimento de auxiliares
canadenses no início das hostilidades. Com o general Richard Montgomery na
captura de Fort Chambly. Continuou com o exército americano como coronel até
o fim da guerra. Presente na Batalha de Stillwater e rendição de Burgoyne, 1777.
Comando de Stony Point na época da traição de Benedict Arnold em 1780.
Mestre da Loja de Salomão Não. 1, Poughkeepsie, NY, 1777. Edward Lloyd
(1779-1834). Serviu na guerra de 1812 como tenente-coronel no 9º regimento de
Maryland. Membro do Coates Lodge Não. 76, Easton, MD. Robert Lucas (1781-
1853). Movam para Ohio em 1800, juntou-se à milícia e foi promovido a Major
Geral. Na guerra de 1812 foi comissionado Capitão na 19ª Ou.S. Infantaria.
Iniciado (1Ou) no Scioto Lodge Não. 6 de Chillicothe, OH. Augustus Ludlow (?
-1813) Tenente, Ou.S. Marinha. Assassinado com o capitão James Lawrence na
batalha naval entre a fragata americana Chesapeake e o navio britânico Shannon
durante a guerra de 1812. Enterrado com honras maçônicas pela Grande Loja de
Delaware. Thomas Macdonough (1783-1825). Lutou na Guerra Revolucionária.
Quando a guerra de 1812 eclodiu, tenho retornado ao serviço militar e comandei
a base naval em Portland, MN. Pouco depois de assumir o comando (12 de
setembro de 1812), tenho sido ordenado a assumir o comando da frota no Lago
Champlain. Tenho tornou-se um herói na “Batalha do Lago Champlain”.
Outfonia e outmanned pelos britânicos, tenho lutado uma batalha underdog que
destruiu ou capturou todos os navios da frota britânica, e compeliu as tropas
terrestres inimigas (14.000 contra o seu 1500) para se retirar. Este foi o ponto de
virada na Guerra de 1812. Em agradecimento, o Congresso votou-lhe concessões
de terras em Nova York e Vermont. Iniciou um pedreiro em uma loja inglesa na
ilha de Malta durante uma turnê anterior no Mediterrâneo. Membro de uma loja
de Nova York (desconhecido). Enterrado com honras maçônicas pelo St. John’s
Lodge Não. 2, Middletown, CT. 219

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Thomas Machin (1744-1816). Membro do Boston Tea Party e Capitão da Guerra


Revolucionária. Lutou em Bunker Hill e feriu no braço. Colocou correntes em
todo o rio Hudson no Highland para deter os navios britânicos. Foi novamente
ferido em Fort Montgomery, Out. 1777. Membro da Union Schoharie Lodge e
Machin Lodge of New York. Mestre do último. Pedreiro real do arco do rito de
York em Ame Mark Lodge, Schoharie, NY. Alexander Macomb (1782-1841).
Major Geral em Guerra de 1812. Como Coronel do 2º Regimento, lutou em
Niagara e Fort George. Promovido ao general de brigada (1814) e posto no
comando da fronteira do norte, limitando o lago Champlain. Por sua defesa de
Plattsburg em 11 de setembro de 1814, e diante das forças superiores britânicas,
tenho o Major Geral, depois do qual tenho recebido uma medalha de ouro do
Congresso. Depois da guerra tenho me tornado Geral-Chefe de todos os Ou.S.
Forças Foi Mestre do Zion Lodge Não. 1, Detroit, MEU. Em sua lápide no
Cemitério do Congresso em Washington, DC são exibidos vários emblemas
maçônicos. William Malcolm (?) Brigadeiro Geral na Revolução Americana.
Membro do Lodge de São João Não. 1, NYC., E ao mesmo tempo Vice-Grão-
Mestre da Grande Loja de Nova York. James Mann (1759-1832). Estudou
medicina em Harvard, graduando-se em 1776. Cirurgião por três anos no
Exército Revolucionário Americano. Praticou medicina em Nova York até a
guerra de 1812, quando tenho ingressado no Ou.S. Exército como cirurgião do
hospital. Tenho era membro da Sociedade Secreta de Cincinnati. Tenho era um
membro do Montgomery Lodge, Milford, MA. Francis Marion (1732-1795).
Geral da Guerra Revolucionária, conhecida como “Swamp Fox”. Serviu ao
longo da Revolução no comando das tropas da milícia na Carolina do Sul. Tenho
assediaria as forças britânicas por invasões e desvanecer-se-ia nos pântanos e
florestas. Pedreiro. Meredith Milhares Marmaduke (1791-1864). Serviu como
coronel na guerra de 1812. No final da guerra foi nomeado Ou.S. Marechal da
Virgínia Oriental. Cinquenta anos depois, durante a Guerra Civil, eu era um
sindicalista convicto, embora seus dois filhos se juntassem às forças
confederadas. Marmaduke, Sr. era membro do Arrow Rock Lodge Não. 55,
Arrow Rock, MO. Saline 220

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

A história do condado afirma que Marmaduke foi enterrado “de acordo com os
ritos da Maçonaria, tendo sido um maçom por vários anos”. Daniel Marsh (?).
Assistente do Intendente Geral da Revolução Americana. Desconhecido com o
que se hospedou em New Camisola tenho filiado, mas foi membro de convenção
em New Brunswick para a formação de uma Grande Loja. Membro do Lodge de
São João Não. 2 da cidade de Nova York. John Marshall (1755-1835). São de
Thomas Marshall. Pai e são serviram na Revolução Americana. Lutou em
Brandywine, Germantown, Monmouth, Stony Point e Yorktown. Seu pai
Thomas era um Major no mesmo regimiento no que são John era um tenente.
Wintered com Washington em Valley Forge, onde John se tornou um Mason.
Membro do Richmond Lodge Não. 13 de Richmond, VAI e York Rite Richmond
Capítulo Não. 2, R.A.m. Grão-Mestre da Grande Loja da Virgínia, 1793-95.
Alexander Martin (1740-1807). Membro da convenção que enquadrou a
Constituição. Serviu em Revolução como coronel do 2º regimento da Carolina
do Norte em Germantown e Brandywine. Gerado em uma comunicação da
Grande Loja da Carolina do Norte, realizada em Fayetteville em 21 de novembro
de 1788. Foi Grand Pursuivant do mesmo em 1805-06, e Junior Grand Warden,
1807. John Martin (1730-?). Início da Guerra Revolucionária Tenho ingressado
no Exército Continental e comissionado Capitão, em seguida, Tenente-Coronel
(1781). Foi membro da Loja de Salomão Não. 1, Savannah, GA, e em 1786
Grande Comissário da Grande Loja da Geórgia. Armistead T. Mason (1787-
1819). Serviu como voluntário na Guerra de 1812, primeiro como Coronel e
depois como Brigadeiro Geral da Virginia Milícia. Membro do Olive Branch
Lodge Não. 114, Leesburg, VAI. Jonathan Mason, Jr. (?) Privateer na Revolução
Americana. Membro do Essex Lodge, Salem, MA. Nathaniel Massie (1763-
1813). Entrou no Exército Revolucionário aos 17 anos. Major Geral da Milícia
por vários anos. Membro da Convenção Constitucional de Ohio de 1802.
Membro do Scioto Lodge Não. 2. 221

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Thomas Matthews (?) Oficial na Revolução Americana. Membro do


Williamsburg Lodge Não. 6, 1778. Grão-Mestre da Grande Loja da Virgínia.
Ebenezer Mattoon (1755-1843). Oficial na Revolução Americana. Major Geral
da 4ª Divisão na Guerra de 1812. Recebeu os graus maçônicos na Pacific Lodge,
Amherst, MA, 1802. Serviu como Mestre da Loja 1818-19. Israel D. Maulsby
(?). Geral na Guerra de 1812. Membro Mt. Ararat Lodge Não. 44, Slate Ridge,
MD. Ir. Grand Warden da Grande Loja de Maryland, 1836-37. William Maxwell
(? -1798). Entrou no Serviço Colonial, em 1758, servindo na Guerra Franco-
Indígena até a Revolução Americana. Tornou-se Coronel do 2º Novo Batalhão
de Camisola. Com a expedição canadense de 1776, que terminou em desastre.
Com Schuyler no Lago Champlain. Comissionado Brigadeiro Geral, 1776.
Assediado inimigo até o final da guerra. Membro do Posto Militar da
Pensilvânia Não. 19. Gravado como visitante da American Union Lodge. Ex-
mestrado em procedimentos da Jurisdição do Norte (NJ) de 1786. Jonathan
Maynard (?). Tenente durante a Revolução Americana. Sua vida foi poupada
pelo chefe indiano, Joseph Brant, quando este o encontrou como um maçom. A
história: “Como estava prestes a ser morto por tortura, Brant, que estava
presente, descobriu símbolos da Maçonaria marcados em tinta nos braços do
prisioneiro. Brant, sendo ele próprio maçom, interveio, salvando a vida de
Maynard, e cuidou disso que tenho sido enviado como prisioneiro para o
Canadá. Vários meses depois tenho sido trocado e mandado para casa “. Duncan
McArthur (1772-1839). Brigadeiro Geral durante a Guerra de 1812. Tornou-se
Major Geral da milícia territorial em 1808. Encomendou o Coronel dos
Primeiros Voluntários de Ohio em 1812. Encomendou o Brigadeiro General em
12 de março de 1813. Eu consegui o General Harrison no comando do Exército
Ocidental em 1814. Invadiram o Canadá com uma força em 1814. Membro do
Scioto Lodge Não. 2 (agora Não. 6) de Chillicothe, OH. Andrew McCleary (?)
Major na Revolução Americana. Morto na Batalha de Bunker Hill. Disse ter sido
o primeiro morto na guerra. Membro do St. Johns Lodge Não. 1, Portsmouth,
NH. 222

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John McKinstry (?) Coronel americano na guerra revolucionária. Na Batalha dos


Cedros (Canadá, 20 de maio de 1776) tenho foi feito prisioneiro. Quando prestes
a ser morto, deu grande sinal de aflição maçônica, e foi salvo pelo chefe indiano,
Joseph Brant, que também era um maçom. “McKinstry já estava preso à árvore
fatal, e os preparativos para o sacrifício humano estavam avançando
rapidamente, quando, na agonia do desespero, e pouco consciente de uma
esperança, o cativo fez o grande apelo místico a um maçom na hora Ele foi visto
e compreendido pelo Chefe Brant, que estava presente na ocasião, Brant atze
interferiu em seu favor e, por influência de sua posição, conseguiu resgatar seu
irmão americano de seu destino iminente. ele de seus laços, eu o conduzi e
guardei em segurança para Quebec, onde eu o coloquei nas mãos dos ingleses,
pelos quais me foi permitido retornar à sua casa em liberdade condicional.É dito
que a amizade de Brant com McKinstry continuou por toda a parte. vive, e que
Brant o visitou em sua casa em Greendale, NY.Em 1805, eles compareceram ao
Hudson Lodge Não. 7 em Hudson, NY Allan McLane (1746-1829) Soldado e
jurista revolucionários. Revolução Em 1775 foi um voluntário na luta Great
Bridge perto de Norfolk, VAI, onde a milícia da Virgínia repeliu um assalto de
600 britânicos com uma perda de 55 inimigos e um patriota ferido. Mais tarde,
juntei-me ao regimento de Delaware de Rodney como tenente, lutei
galantemente nas batalhas de Long Island, White Plains, Princeton, Monmouth e
Yorktown, retirando-me do exército como coronel no final da guerra. Membro
do Lodge Não. 2, Filadélfia. Louis McLane (1786-1857). Oficial da Revolução
Americana. Entrou na Marinha como aspirante aos 12 anos. Cruzou um ano na
Filadélfia sob o maçom Stephen Decatur. Na guerra de 1812 tenho servido como
voluntário na companhia do maçom Caesar A. Rodney na defesa de Baltimore
em 1814. Levantado (3Ou) em Lafayette Lodge Não. 14, Wilmington, DE.
Alexander McNair (1775-1826). Tenente no comando de uma empresa durante a
rebelião do uísque, 1794. Milícia do Coronel de Missouri, Guerra de 1812.
Membro do St. Louis Lodge Não. 111, fretado pela Pensilvânia. Enterrado no
antigo cemitério militar pelo Missouri Lodge Não. 1. 223

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Regresso Jonathan Meigs, Sr. (1740-1823). Pai do retorno J. Meigs Jr. Coronel
na Revolução Americana. A origem de seu nome é tão incomum quanto o
próprio nome. Tenho estava apaixonado por uma jovem Quakeress, que
repetidamente rejeitou seu processo dizendo: “Não, Jonathan, eu te respeito
muito, mas não posso casar com você.” Em sua rejeição final, eu montei
lentamente seu cavalo para partir quando a senhora relengante disse: “Volte,
Jonathan! Volte, Jonathan!” Essas palavras felizes, que foram pregadas em seu
nome por amigos, também receberam seu primogênito em comemoração ao
evento. Durante a Revolução Americana, Meigs, Sr. atendeu o alarme de
Lexington como Capitão de um contingente de Middletown, CT, servindo em
Bunker Hill e (sob Benedict Arnold) na Expedição de Quebec. 23 de maio de
1777, com 170 homens, tenho saqueado Sag Harber, Long Island em barcos de
baleias, levando 90 prisioneiros, queimando 12 navios e retornando sem a perda
de um único homem. Em 24 de junho de 1791 tenho foi criado (3Ou) um Mestre
Maçom. Thomas Melville (?). Membro do “Boston Tea Party” e Major da
Revolução Americana. Iniciado (1Ou) na Missa. Lodge of Boston, Fev. 3, 1772.
Hugh Mercer (1720-1777). Brigadeiro Geral, Revolução Americana. Cheguei na
Filadélfia da Escócia em 1746, onde tenho praticado medicina. Na erupção da
Revolução tenho foi o Coronel do 3º Regimento de Virgínia. A pedido de
Washington, foi promovido a Brigadeiro Geral. Na Batalha de Princeton, eu fui
ferido e depois cercado pelo inimigo. No entanto, tenho lutado galantemente,
sofrendo sete feridas de baioneta em combate de mão-a-mão. Deixado no campo
de batalha como morto. Tenho morreu nove dias depois em uma fazenda. Em
1761 tenho me tornado maçom no Fredericksburg Lodge Não. 4. James Mercer
(1736-1793). Tenho servido pela primeira vez na guerra francesa e indiana, então
um líder revolucionário americano. Membro do Congresso Continental, 1779-
80. Educado em William e Mary. Segundo Grão-Mestre da Maçonaria na
Virgínia. Membro do Fredericksburg Lodge Não. 4. Tornou-se o segundo Grão-
Mestre da Grande Loja da Virgínia, 1774-1786. Thomas Metcalfe (1780-1855).
Capitão na Guerra de 1812, comandando uma companhia na Batalha de Fort
Meigs. Membro e ex-secretário do Nicholas Lodge Não. 65, Carlisle, KY. 224

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

James Miller (1776-1851). Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Entrou no


Exército como Major da 4ª Infantaria, e Tenente-coronel, 1810. Comandou na
Batalha de Brownstown, em 1812. Por sua bravura foi promovida a Coronel.
Lutou em Fort George, Chippewa e Lane Lundy. Esta última batalha “ganhou o
dia” para as forças americanas e eu fui promovido ao Major Geral. Fez um
membro honorário da St. John’s Lodge, Boston, 6 de dezembro de 1814. John A.
Minor (?). American Geral na Guerra de 1812. Membro do Fredericksburg
Lodge Não. 4, Fredericksburg, VAI. Richard Montgomery (1736-1775).
Delegado ao 1º Congresso Provincial em Nova York, 1775. No mesmo ano foi
Brigadeiro Geral no Exército Continental da Revolução Americana. Capturou St.
John’s, Chambly e Montreal, Canadá, e promoveu a Major Geral. Anexou seus
300 homens aos 600 homens de Benedict Arnold para um ataque conjunto a
Quebec em dezembro de 1775. Foi morto com a primeira saraivada de armas
britânicas. Carleton, o comandante britânico, ele próprio maçom, deu o enterro a
Montgomery dentro da cidade. Como um dos primeiros mártires americanos da
Revolução, tenho sido brindado nas reuniões maçônicas como “um dos três
eminentes maçons que caíram em causa da liberdade – Montgomery, Warren e
Wooster”. Este brinde foi dado em American Union Lodge em 24 de junho de
1779, Connecticut Military Lodge. Montgomery era membro do Mount Vernon
Lodge Não. 3, Albany, NY. Benjamin Mooers (1758-1838). Entrou no Exército
Revolucionário como um Ensign, servindo como Tenente até o final das
Hostilidades. Durante a Guerra de 1812 tenho o Major Geral de um comando na
Batalha de Plattsburg em 11 de setembro de 1814. Sua Loja não é conhecida,
mas é listada em 1901 como Registros Maçônicos entre os irmãos que serviram
na Revolução e Guerra de 1812. Andrew Moore (1752-1821). Como tenente sob
o general Gates, serviu na revolução na batalha de Saratoga. Renunciou ao cargo
de capitão em 1779. Em 1808 foi contratado o Brigadeiro Geral da Virginia
Militia. Nesse mesmo ano foi promovido a Major Geral. Membro do Bath Union
Lodge Não. 42, Warm Springs, VAI. Robert Moore (?) Privateer na Revolução
Americana. Membro do Ionic Lodge, Steuben, ME. 225

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Daniel Morgan (1736-1802). Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Lutei


várias batalhas durante a Revolução. Em 1781 estava no comando de todas as
tropas de luz e cavalaria no exército de Lafayette. Comandou o grande exército
de Western, PA em 1795. Em uma das mais brilhantes ações militares de
qualquer guerra, tenho derrotado Tarleton na Batalha de Cowpens com apenas
900 homens. Por causa do reumatismo tenho três vezes aposentado. Tenho
finalmente renunciou sua comissão em 1799 em ressentimento geral contra as
promoções do Congresso. Membro do Williamsburg Lodge Não. 6, Virginia.
32Ou James Morrison (1755-1823). Soldado Revolucionário e Intendente Geral
do Exército na Guerra de 1812. Membro do Lexington Lodge Não. 1, Lexington,
KY. Grão-Mestre da Grande Loja do Kentucky em 1801-02. Jacob Morton
(1756-?). Oficial da Revolução Americana. Por 30 anos foi o Major Geral da 1ª
Divisão, NY Milícia. Mestre do St. Johns Lodge Não. 1, NYC. Grão-Mestre da
Grande Loja de Nova York até 1805. Perez Morton (1751-1837). Patriota da
Revolução Americana. Ative na administração de assuntos públicos durante a
Revolução. Tornou-se maçom na Massachusetts Lodge of Boston em 21 de
dezembro de 1778. Samuel Mott (1736-1813). Milícia Geral nas Guerras
Francesas e Indianas e Revolução Americana. Foi engenheiro no departamento
norte durante a Revolução, construindo defesas costeiras em CT. Iniciado (1Ou)
no Military Lodge Não. 7, 1761 no 55th Regiment do pé no ponto da coroa.
Membro fundador e mestre de St. James Lodge Não. 23, Norwich, CT. John
Peter Gabriel Muhlenberg (1746-1807). Ministro luterano. São de Henry M.
Muhlenberg, fundador da Igreja Luterana na América. Major Geral na Guerra
Revolucionária. Do púlpito ao campo de batalha começou em um sermão
dramático e eloqüente para sua congregação. Tenho terminado dizendo: “Há um
tempo para todas as coisas – um tempo para pregar e um tempo para orar; mas
também há um tempo para lutar, e esse tempo agora vem.” Pronunciando a
bênção, fui até a porta de sua igreja, ordenou que os tambores fossem batidos por
recrutas e 300 de sua congregação respondam. Eles se tornaram o 8º Regimento
da Virgínia – também chamado de “Regimento Alemão”, e 226
SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

lutou com honra. No final da guerra, fui promovido a Major Geral. Sua estátua é
em Ou.S. Capitólio, Washington, DC. Foi membro do Lodge Não. 3, Filadélfia,
PA. Graus azuis recebidos, 12, 15 e 17 de abril de 1779. Hardy Murfree (1752-
1809). Soldado revolucionário apontou o capitão. Na primeira parte da guerra,
Murfree serviu sob George Washington. Na captura de Stony Point, Murfree
comandou o batalhão da Carolina do Norte de homens escolhidos que tomaram
posição imediatamente na frente do forte, em seguida, abriu fogo para distrair a
atenção como um flanco lateral para a matança. Três quartos dos oficiais neste
flanco de infantaria ligeira eram maçons, e muitas vezes eram vistos no
American Union Lodge em West Point. A primeira visita de Murfree a esta Loja
foi em 24 de junho de 1779. Arnold Naudain (1790-1872). Graduado em
Princeton, 1806. Graduado em medicina na Universidade de Ou. da Pensilvânia,
1810. Começou a prática médica em Dover. Cirurgião Geral da Milícia de
Delaware durante a Guerra de 1912. Membro da Union Lodge Não. 7, Dover,
servindo como Mestre em 1817. Grão-Mestre da Grande Loja Delaware em
1826. Roger Nelson (1735-1815). Brigadeiro Geral na Revolução Americana.
Severamente ferido na batalha de Camden e deixado no campo para morrer.
Membro do Hiram Lodge Não. 28, Frederick, MD. Thomas Nelson, Jr. (1738-
1789). Signatário da Declaração da Independência. Eleito para o Congresso
Continental em 1775, servindo até 1777. No cerco a Yorktown, eu comandei a
milícia da Virgínia e ordenei que a artilharia voltasse para sua própria casa, que
deveria ser sede da Cornwallis. Após o cerco de Yorktown, visitei o Lodge Não.
9 em Yorktown, junto com Washington e LaFayette. Mestre do Exército Lodge
Não. 9 em Yorktown. Robert Newman (?) Patriota americano revolucionário que
pendurou as lanternas na torre da igreja que começou Paul Revere em seu
passeio. Membro do St. Johns Lodge, Boston, MA. Samuel Nicholas (1744-
1790). Nos anos anteriores a é tenho servido na Marinha Real como Marinha.
Em 1775 tenho foi nomeado Capitão dos Marines. Quando tenho 227

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome
Eu pulei navio para o lado dos americanos, tenho o dever de recrutar e treinar o
primeiro corpo. Durante o inverno de 1776-77, quando os navios da Marinha
estavam imóveis, seus fuzileiros navais reforçaram o pequeno exército de
Washington, ajudando “a tripular os barcos” que cruzavam o Delaware em
Trenton. Uma semana depois, seus fuzileiros lutaram na Batalha de Princeton.
Nicholas foi membro do Lodge Não. 13, Phila. Gravado como Junior Warden,
24 de janeiro de 1783. Wilson C. Nicholas (1757-1820). Oficial da Guerra
Revolucionária. Comandou o salva-vidas de Washington até que foi dissolvido
em 1783. Membro da convenção que ratificou a Constituição dos Estados
Unidos da América. Foi nomeado primeiro Mestre do Warren Lodge Não. 33,
Warren, VAI. Francis Nichols (1737-1812). Oficial na Revolução Americana.
Veio para a América em 1769. Alistou-se no Exército Patriota em Cumberland
Co., PA em 1775. Rose em comissão ao Brigadeiro Geral. Membro do Lodge
Não. 2, Phil. Registrado como visitante do Lodge Não. 8, Chester Co., PA
durante a Revolução. James Nicholson (1737-1804). Comandante-em-Chefe da
Marinha Americana durante a Guerra Revolucionária. Entrou na Marinha em
1775 na defesa do navio de Maryland. Com este navio tenho recapturado vários
navios continentais dos ingleses. Em junho de 1776 recebi o comando da 28-gun
Virginia. Em janeiro de 1777, sucedeu o comodoro Esek Hopkins como
comandante-chefe da Marinha. Realizou aquele pós até que foi dissolvido. Suas
façanhas militares são numerosas demais para serem mencionadas. Iniciado
(1Ou) no Lodge Não. 7, Kent Co., MD. Foi admitido no Lodge Não. 16,
Baltimore, MD, em 19 de junho de 1778. Samuel Nicholson (1743-1813).
Durante a Guerra Revolucionária, Nicholson estava na batalha de 1773 entre o
Bon Homme Richard e os Serapis. Capitão comissionado, 17 de setembro de
1779, e no início de 1782 comandou a fragata Deane, com 32 armas. Tenho
levou muitos prêmios com este navio, incluindo três saveiros de guerra. Foi o
primeiro comandante da famosa Constituição da fragata, que foi construída sob
sua supervisão. Na sua morte eu era o comandante-em-chefe dos Ou.S. Marinha.
John Nixon (1733-1808). Líder da guerra revolucionária. Em francês War tenho
sido tenente de companhia com o que seu pai tinha sido capitão. Maio de 1776
tenho a cargo das defesas do Delaware em Fort Island. 228

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

8 de julho de 1776, da State House na Filadélfia, li publicamente ao povo a


Declaração de Independência pela primeira vez. Como Coronel do 3º batalhão
de “Os Associados” (também conhecido como “meias de seda”), marquei seu
batalhão para Trenton, NJ. Permaneceu lá com o exército de Washington até
janeiro, participando da Batalha de Princeton, enquanto permanecia com tropas
em Valley Forge. Sua loja não é conhecida, mas é registrado como tendo sido um
visitante da American Union Lodge, em 24 de junho de 1779. Caleb North
(1753-1840). Soldado da Guerra Revolucionária. De comerciante a capitão do 4º
Batalhão da Pensilvânia, tenho servido na campanha do Canadá. Ao regresso foi
promovido Major do 10º regimiento. Depois da Batalha de Germantown,
promovida a Tenente-Coronel da 11ª Penn. regimento, em seguida, participou da
Batalha de Monmouth. Depois da rendição de Cornwallis, tenho encarregado de
prisioneiros britânicos. De 1828 até sua morte, foi presidente da Sociedade de
Cincinnati. Membro da Pennsylvania-Union Lodge Não. 29, e registrado como
tendo visitado o Lodge Não. 8, Chester Co. Pennsylvania. Jeremias Ou’Brien
(1744-1818). Capitão Naval na Revolução Americana. Projetado primeiro
engajamento naval da Revolução. Quando o navio inglês Margaretta navegou
para o porto de Machias com duas chalupas de madeira, Ou’Brien requisitou
uma chalupa e, com 60 voluntários, capturou a Margareta. Criado em 3 de março
de 1778 em St. Andrew’s Lodge, Boston. Joseph Ou’Brien (?). Patriota da guerra
revolucionária e irmão de Jeremias Ou’Brien. Auxilio na captura de navios
britânicos em Machias, ME. Mais tarde serviu como um privado no Exército
Revolucionário. Membro do Warren Lodge Não. 2, East Machias, ME. Aaron
Ogden (1756-1839). Oficial da Guerra Revolucionária. Entrou na guerra como
tenente. Avançado para Brigade Major. Na Guerra de 1812, tenho recusado uma
nomeação pelo Presidente Madison para ser Major Geral. Membro do Lodge
Não. 19, um alojamento militar da artilharia de Pensilvânia, 1779. Membro da
carta patente e primeiro júnior Warden da casa militar não. 36 do registro da
Pensilvânia, cujo mandado foi datado de 25 de maio de 1782 e assinado por
oficiais da Nova Brigada Camisola. Signatário da petição de autorização do
Washington Lodge Não. 41 (agora Não. 33) de Elizabeth, NJ, 28 de dezembro de
1818. 229

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Francis B. Ogden (1783-1857). Sobrinho de Aaron Ogden. Francisco serviu na


guerra de 1812. Foi ajudante de campo do general Andrew Jackson na batalha de
Nova Orleans, em 8 de janeiro de 1815. Em Liverpool, Ogden construiu o
primeiro barco a hélice usado nos Ou.S.A. Ogden foi Ou.S. Cônsul em
Liverpool de 1829-40. Membro do Holland Lodge Não. 8, NYC. Matthias
Ogden (1754-1791). Coronel e Brigadeiro Geral da Revolução Americana. Pai
de Frances B. Ogden e irmão de Aaron Ogden. Entrou para o Exército sob
George Washington em Cambridge. Acompanhou Benedict Arnold em sua
marcha por Kennebunk Woods no inverno de 1775. Participou no ataque a
Quebec, onde tenho ferido. Promovido ao Tenente Coronel do 1º Batalhão em
1776, e Coronel do 1º Regimento da Linha N.J. Continental, que tenho
comandado até o final da guerra. Seu irmão Aaron serviu sob ele neste
regimento. Ambos eram membros da Loja Não. 36 do registro da Pensilvânia,
que foi estabelecido no J.J. Brigade, 25 de maio de 1782. Eleazer Oswald (1755-
1795). Soldado da Guerra Revolucionária. Tenente Coronel da Artilharia.
Altamente considerado como um oficial de artilharia, distinguindo-se em Compo
e Monmouth. Membro do Lodge Não. 2, Filadélfia. James Otis (1725-1783).
Estadista revolucionário americano, conhecido por frase, “tributação sem
representação é tirania”. Graduado em Harvard, em 1743. Estudou Direito sob os
Maçons Livres Jeremiah Gridley. Começou a advocacia em Plymouth. Movam
para Boston, 1750. Quando ouvi rumores de Batalha de Bunker Hill, peguei um
mosquete emprestado e juntei-me aos homens que marchavam para ajudar as
tropas na batalha. Depois da guerra, eu fui morto por um raio enquanto estava na
porta da frente de sua casa. Fez um pedreiro em 11 de março de 1752 em St.
John’s Lodge, Boston, MA. Abraham Owen (1769-1811). Durante a Guerra
Revolucionária me tornei Coronel do primeiro regimento de milícias criado em
Kentucky. Foi o primeiro a se juntar a Gene. William H. Harrison, e foi seu
ajudante de campo. Morto na Batalha de Tippecanoe. Ex-Mestre do Shelbyville
Lodge Não. 5, Shelbyville, KY. John Page (1744-1808). Com George
Washington na expedição ocidental contra franceses e indianos. Durante a
Guerra Revolucionária eu levantei um regimento de milícia para repelir uma
invasão britânica, após a qual tenho sido feito Coronel no Exército Continental.
Membro do Botetourt Lodge Não. 7, Gloucester, VAI. 230

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Pintor de Gamaliel (1743-1819). Capitão de Guerra Revolucionária e


Quartermaster. Membro do Union Lodge Não. 5, Middlebury, VT. William
Palfrey (1741-1780). Pagador Geral na Revolução Americana. Ative em
movimento que precede a Revolução. Foi socorro a Washington desde março /
abril de 1776, depois do qual tenho sido nomeado paymaster-geral, com
comissão do tenente-coronel. Em 26 de janeiro de 1761, eu fui iniciada como
membro da St. Andrews Lodge, Boston, MA. Tenho foi secretário fundador do
Massachusetts Lodge. De 1769-71 tenho foi o Grande Secretário da Grande Loja
de Massachusetts. John Park (1754-1789). Tenente Coronel na Revolução
Americana. Entrou no Exército Continental, servindo no departamento de
intendente. Esteve com o exército de Washington até perto das hostilidades,
atingindo a posição de Tenente. Coronel. Membro original da American Union
Lodge em abril de 1776 e Past Master of same. Também foi membro do Lodge
Não. 2, Filadélfia. Samuel H. Parsons (1737-1789). Major Geral ao final da
Revolução Americana. Em agosto de 1776, juntou-se a Ethan Allan em
Ticonderoga, participou da Batalha de Long Island e comissionou o Brigadeiro
Geral em um mês. Servido no Harlem Heights e White Plains. Estacionado em
Peekskill, NY, para proteger os postos em North River. Washington reforçado em
Nova Camisola. Fortificações construídas em West Point. Encomendou o major
Geral, em 1780. Sucedeu o general Israel Putnam no comando da linha de
Connecticut, servindo ali até o fim da guerra. Suas credenciais maçônicas são
numerosas para mencionar aqui. Basta dizer que eu pertencia a quase todo corpo
maçônico do Nordeste, recebendo seu primeiro grau em 18 de maio de 1763 na
Loja de São João Não. 2, Middletown, CT. Para fora. 23, 1765 tenho me tornado
membro do Hiram Lodge Não. 1, New Haven, Ct. Algum lugar tenho recebido
seu mestrado (3Ou) porque tenho foi mestre titular da American Union Lodge.
Tenho também se tornou Mestre em 1782 de sua Loja original. Finalmente,
tenho era um dos primeiros membros da Mark Lodge de St. John’s em
Middletown, sua “marca” sendo as estrelas gêmeas de um Major Geral. John
Paterson (1744-1808). Major Geral na Revolução Americana. Após chegada das
notícias da Batalha de Lexington, tenho levantado um regimiento de 600
minutemen e marchou durante 18 horas a Boston. Em novembro de 1776, com
apenas 200 homens restantes dos 600 originais, eu me juntei aos 231 de
Washington.

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

forças em Newtown, PA, e participou de batalhas de Trenton e Princeton. Foi


promovido a Brigadeiro Geral, Fev. 21, 1777, e anexado ao departamento do
norte. Lutou na Batalha de Stillwater, e participou da derrota de Geral Burgoyne.
Promovido ao Major Geral em setembro de 1773. Paterson foi o primeiro mestre
do Washington Lodge Não. 10, um alojamento militar itinerante sob a patente de
Massachusetts, que mais tarde foi localizado em West Point. John Paulding
(1758-1818). Major durante a Revolução Americana. Com dois outros soldados,
Paulding capturou o major André. (André foi o major britânico enforcado como
espião pelos americanos por conspirar com Benedict Arnold a traição de West
Point.) Paulding era um membro do Cortland Lodge Não. 34, Cortland, NY.
Cromwell Pearce (1772-1852). General da Guerra de 1812. Foi capitão da
milícia, 1793-98. Tornou-se Primeiro Tenente em Primeira Ou.S. Infantaria,
1799. Retornando à vida civil em 1800, tornou-se o primeiro postmaster de West
Chester, PA. e Major Geral da Milícia, 1801. No começo da guerra de 1812
tenho reentrado o serviço como Coronel da 6ª Ou .S. Infantaria e liderou seu
regimento na captura de Fort George. Antes do final da guerra eu fui promovido
a Geral. Membro do Lodge Não. 50, Penn. Edmund Pendleton (1721-1803).
Patriota e estadista revolucionários da guerra. Membro do Primeiro Congresso
Continental. Membro do Fairfax Lodge Não. 43, Culpepper, VAI. Nathaniel
Pendleton (1756-1821). Soldado da Guerra Revolucionária. Entrou no exército
aos 19 anos e recebeu uma comissão de Major na equipe de Gene. Nathaniel
Greene Membro da Loja de Salomão Não. 1, Savannah, GA. John Percival
(1779-1862). Oficial naval da guerra de 1812. Deixou os marines mercantes em
1809 e entrou em Ou.S. Marinha como velejador-mestre. Durante a guerra tenho
mostrado grande coragem na captura do navio britânico Eagle. Sua maneira
áspera e excêntrica lhe valeu o apelido de “Mad Jack”. Membro do Holland
Lodge Não. 8, NYC. Matthew C. Perry (1794-1858). Ao final de sua carreira
(bem além da guerra de 1812) Perry foi Comodoro de Ou.S. Marinha, e
conhecido como “pai da marinha a vapor”. Tenho entrado na Marinha em 1809
como aspirante na escuna 232

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Vingança sob seu irmão Oliver que, na Guerra de 1812, foi um herói naval. De
1810-13, Mateus estava no presidente principal, treinando sob John Rogers. Em
seu diário, Perry dá conta da perseguição de Rogers ao navio britânico
Belvidera. “Quando Rodgers disparou contra o Belvidera, foi o primeiro tiro
hostil à tona na Guerra de 1812”. Perry foi transferido para o navio Presidente,
que partiu para o norte da Europa, destruindo o comércio britânico, enquanto 20
navios britânicos estavam em busca do navio. “Matthew Perry era membro da
Holland Lodge Não. 8, NYC.

William Pierce (1740-1806). Soldado da Guerra Revolucionária e delegado ao


Congresso Continental em 1786-87. Entrou no exército no início da Revolução e
foi ajudante de campo de Geral Nathanael Green. Membro da Loja de Salomão
Não. 1, Savannah, GA. Henry Piercy (?) Oficial na Revolução Americana e
ajudante de campo de George Washington. Com Washington em todas as
batalhas, exceto Yorktown, onde, depois de ser ferido no dia anterior, foi levado
para fora do campo de batalha. Membro do Alexandria Lodge Não. 22,
Alexandria, VAI. Zebulon Pike (1779-1813). Brigadeiro Geral na Guerra de
1812. Seu pai com o mesmo nome (1751-1834) foi capitão do Exército
Revolucionário e membro da Loja Não. 3, Filadélfia. Pike Jr. foi o descobridor
do pico de Pike no Colorado. Em março de 1799, Pike, Jr. foi nomeado alferes
no regimento de seu pai e foi morto em ação em 27 de abril de 1813, durante o
ataque a York, no Canadá. Não há registro de que Pike Jr. fosse maçom, embora
tenha sido registrado como tal quando confundido com a credencial maçônica de
seu pai. William Polk (1758-1834). Coronel na Revolução Americana e
Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Entrou em Washington como Major com o
9º Regimento da Carolina do Norte, em 1776. Participou em batalhas de
Brandywine e Germantown. Enquanto estava na equipe de Geral Caswell, Polk
estava presente na Batalha de Camden. Promovido a Tenente. Coronel da 4ª So.
Carolina Cavalaria Duas vezes ferido. Membro do Hiram Lodge Não. 40,
Raleigh, NC. Grão-Mestre da Grande Loja da Carolina do Norte desde 1799-
1801. Thomas Posey (1750-1818). Oficial em Guerra Indiana, Guerra
Revolucionária e Guerra de 1812. Em 1774 foi intendente de uma divisão sob o
comando de Lord Dumore. Participou na batalha com os índios em Point
Pleasant. Capitão comissionado 233

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

no 7º Regimento da Virgínia. Nas batalhas de Bemis Heights e Stillwater.


Quando seus homens atacaram Stony Point, eu fui o primeiro a entrar na
fortaleza. Estava presente para se render em Yorktown. Depois de promovido a
Lieut. Coronel, tenho servido na Georgia. No final da guerra, o povo
estabeleceu-se na Spottsylvania Co., VAI. Foi Coronel da Milícia e General
Brigadeiro em 1793. Quando a guerra ameaçou novamente em 1809, foi
encarregado do Major Geral e encarregado de organizar as forças do Kentucky.
Movam a Louisiana, depois do que a guerra de 1812 começou. Tenho criado
uma companhia de infantaria em Baton Rouge e foi feito capitão. Membro de
Fredericksburg, Vai. Lodge Não. 4. Seu nome apareceu nos anais da loja de 1800
a 1804. Jonathan Potts (1745-1781). Principal cirurgião revolucionário da
guerra. Estudou medicina em Edimburgo, Escócia, com formação médica sob o
Dr. Benjamin Rush. Quando tenho retornado para a América tenho foi premiado
com um dos primeiros títulos médicos concedidos neste país. Em 1776, o
General Putnam emitiu uma ordem geral para que todos os oficiais encarregados
de qualquer soldado doente devessem “retornar ao Dr. Johathan Potts, no St.
John’s Market Market”. Em 1777, o Dr. Potts foi admitido no Masters ‘Lodge at
Albany. Tenho tornou-se o primeiro Mestre do Lodge Não. 24 em Reading, PA.
Edward Preble (1761-1807). Commodore, Ou.S. Marinha. Um dos primeiros
cinco tenentes comissionados em Ou.S. Marinha. Estava em Protetor na Guerra
Revolucionária quando capturou o corsário britânico Almirante Duff. O próprio
Tenho foi capturado enquanto estava no Protetor e preso no Camisola em Nova
York. Após a liberação tenho no Winthrop. Enquanto bloqueava Trípoli com a
Filadélfia, tenho encalhou e foi capturado e depois liberado. Um tratado com
Trípoli concluiu suas ações marinhas. Em 1806, Thomas Jefferson ofereceu-lhe
um assento no gabinete como chefe da Marinha, mas problemas de saúde
impediram sua aceitação. Tenho recebeu seu diploma de maçonaria em St.
Andrews Lodge, Boston, MA, em 8 de maio de 1783. Em 3 de janeiro de 1786
foi eleito membro do Portland Lodge Não. 1, Portland, ME. Em 1806 tenho me
tornado membro fundador do Ancient Landmark Lodge Não. 17, Portland, ME.
Francis Preston (1765-1835). Major Geral da Milícia na Guerra de 1812. Início
da guerra Me inscrevi com a nomeação do Coronel dos Voluntários, logo
avançando para o Major Geral. Membro do Abingdon Lodge Não. 48,
Abingdon, VAI. 234

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Conde Casimir [ou Kazimierz] Pulaski (1748-1779). Soldado polonês que


prestou ajuda valiosa para a causa das colônias americanas. Em 1775, Pulaski
conheceu Ben Franklin na França e se interessou pela luta americana pela
independência. Tenho veio para a América em março de 1777 com uma
recomendação de Franklin e foi imediatamente ligado à equipe de Washington.
Tenho organizou um corpo de lanceiros no qual até desertores e prisioneiros de
guerra poderiam se alistar. Ficou conhecido como “Legião de Pulaski”. Tenho
foi comissionado Brigadeiro Geral e colocado no comando da cavalaria. Tenho
lutado em Brandywine e Haddonfield, NJ, e participei da Batalha de
Germantown. Tenho morreu em batalha. Pulaski foi elevado ao sublime grau de
Mestre Mason (3Ou) em Gould Lodge of Georgia, em 19 de junho de 1779. Foi
sepultado com honras maçônicas. Israel Putnam (1718-1790), Major Geral,
Exército Continental durante a Guerra Revolucionária. Foi um dos quatro
principais generais originais dos continentais e o único a servir durante toda a
duração da guerra. Suas façanhas são lendárias: sozinho, tenho encontrado um
lobo; tenho correu o gantlet com sucesso através de um rank duplo de índios
Mohawk; Eu apaguei fogo na casa de pó de Fort Edward; Tenho sido poupado
no último minuto de ser queimado na fogueira; Eu fiquei de fora de um duelo de
barris de pólvora até que seu oponente se contorceu e fugiu; Tenho imobilizado
os navios franceses no St. Lawrence dirigindo cunhas em seus lemes e muito
mais. Em muitas ocasiões, visitei Hiram Lodge, viajando cerca de 40 mil
pessoas para participar. Tenho também foi um visitante frequente do Lodge at
Hartford, CT. Muitas lojas nos Estados Unidos foram nomeadas em sua honra.
Rufus Putnam (1738-1824). Brigadeiro Geral, Revolução Americana. Primo de
Israel Putnam. Após o serviço nas guerras indianas de 1757-60, tenho
estabelecido a agricultura em New Braintree, MA. Quinze anos depois, durante a
Guerra Revolucionária, eu provei ser um engenheiro engenhoso, construindo os
trabalhos de cerco em Boston, Newport, Nova York, e reconstruindo as defesas
em West Point. Tenho recebeu seus diplomas azuis (1-3) no American Union
Lodge em West Point, NY em 26 de julho, 26 de agosto e 6 de setembro de
1879. Durante uma visita à Filadélfia em 1792, tenho me tornado um maçom do
Royal Arch, e de 1797 a 1999 foi o sumo sacerdote do Capítulo da União
Americana. Em 1808 tenho foi eleito por unanimidade como o primeiro Grão-
Mestre da Grande Loja de Ohio, mas declinou a honra devido a sua idade
avançada. 235

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome
Dennis Ramsay (?). Coronel durante a Revolução Americana. Serviu como
Capitão através do Coronel em Virginia Line. Em 1783, eu me juntei ao
Alexandria Lodge Não. 22, Alexandria, VAI. Tornou-se Junior Warden, 1789-91.
Edmund Randolph (1753-1813). Aide-de-Camp para Washington, 177576.
Membro do Congresso Continental, 1779-82. Delegado à Convenção
Constitucional, 1787. Membro de Williamsburg, VAI Lodge Não. 6. Graus azuis
recebidos, 29 de março, 2 de abril e 28 de maio de 1774 (atas originais na
Biblioteca do Congresso). Retirou 24 de junho de 1777 para tornar-se carta do
Mestre do Jerusalem Lodge Não. 54. Vice-Grão-Mestre da Grande Loja da
Virgínia (1784). Grão-mestre de fora. 27, 1786 para Out. 28, 1788. Thomas
Mann Randolph (1768-1828). Casou com a filha de Thomas Jefferson, Martha.
Serviu na guerra de 1812 como capitão na 20ª infantaria. Membro da Door to
Virtue Lodge Não. 44 em Albemarle Co., VAI. Joseph Reed (1741-1785).
Patriota da guerra revolucionária. Membro do Comitê de Correspondência e
Presidente do 2o. Congresso Provincial, 1774. Encomendou as tropas do Tenente
Coronel da Pensilvânia depois da Batalha de Lexington e do Ajudante Geral do
Exército Americano, em 1776; Brigue. General no comando da cavalaria
americana, 1777. Serviu nas batalhas de Brandywine, Germantown e
Monmouth. Membro do Lodge Não. 2, Phila. Philip Reed (1760-1829). Oficial
em Revolução Americana e Guerra de 1812. Serviu como Capitão na Revolução.
Como coronel da milícia (30 de agosto de 1814), tenho derrotado os britânicos
em Moorefields, MD. Membro do Lodge Não. 2, Chestertown, MD. De uma só
vez serviu como Junior Warden. Barão Friedrich Adolph von Riedesel (1738-
1800). Oficial do exército alemão, que era major Geral no exército britânico
durante a Revolução Americana. Comandou o contingente mercenário de
Brunswick sob Burgoyne. Capturado em Saratoga, 1777. Trocado em troca de
prisioneiro, em 1779. Comandou Long Island, 1779-80. Várias Lojas Maçônicas
estavam nos regimentos alemães acima, aos quais eu pertencia. Enquanto em
Quebec, Canadá, recebi o título maçônico honorário de “Grão-Mestre Provincial
Adjunto”. Samuel Ringgold (1770-1829). Brigadeiro Geral da milícia de
Maryland na Guerra de 1812. Ex-Mestre do Monte. Moriah Lodge Não. 33,
Hagerstown, MD. Grande Guardião Júnior da Grande Loja de Maryland, 1811.
236

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome
Daniel Roberdeau (1727-1795). Membro do Congresso Continental. Foi
estreitamente associado com Ben Franklin e Alexander Hamilton. Primeiro
Brigadeiro Geral das tropas da Pensilvânia na Guerra Revolucionária, eleito para
essa posição, 4 de julho de 1776. Membro da primeira loja na Filadélfia.
Registrado como visitante único do Lodge Não. 3 da Filadélfia. Também
gravado como colaborador do Salão Maçônico erguido lá. James Robertson
(1742-1814). Pioneiro americano e brigadeiro geral na Revolução Americana.
Primeiro colono de Nashville. Por muitos anos esse pequeno grupo lutou contra
os índios por aquela terra. Em 1776, Robertson e John Sevier construíram um
forte em Watauga. Após a conclusão, resistiram a um cerco de 20 dias com 40
homens. Em 1779, tenho e uma banda emigrou para a região de Cumberland,
deixando Sevier no comando em Watauga. Aqui eles tiveram um longo conflito
com os Cherokees, que superaram os 100-1. Através de sua diplomacia, fiz
amizade com os Choctaws e os Chickasaws, que romperam sua aliança com a
Grã-Bretanha. No final da Guerra da Independência, eu havia trazido 500
combatentes indianos treinados para o campo. Em 1790, George Washington
nomeou-o Brigadeiro Geral e Comissário Indiano para a área. Robertson era um
membro do Harmony Lodge Não. 1 do Tennessee. Enterrado masonicamente.
George W. Rodgers (1787-1832). Commodore, Ou.S. Marinha. Entrou na
Marinha como aspirante, 1804. Tenente Comissário, 1810. Serviu na vespa
Vespa em captura da Frolic, em 1812. Por essa ação tenho recebido elogios do
Congresso. Irmã casada do Comodoro Perry. Membro do Union Lodge Não. 31,
New London, CT. César A. Rodney (1772-1824). Comandado corpo de fuzil
durante a guerra de 1812. Levantado (3 de outubro) de 10 de julho de 1800 no
alojamento Não. 14, Wilmington, DE. (sob a Grande Loja da Pensilvânia). Eleito
Senior Grand Warden da Grande Loja de Delaware, 1812. Gravado como tendo
feito uma oração maçônica antes daquela loja, 24 de junho de 1803. Estava no
comitê da Grande Loja em 1809. Registros de 1812 registram-no como Past
Master da Washington Lodge Não. 1, Delaware. Robert Rogers (1731-1800).
Durante as guerras francesas e indianas, tenho criado uma companhia de guardas
florestais, chamada “Rogers ‘Rangers”. Eles viram ação na região do Lago
George. Em 1758 tenho foi promovido a Major, depois do qual 237

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

seus Rangers ficaram famosos por suas invasões. No início da Revolução


Americana, eu conspirava com os ingleses e fui preso por Gene. Washington por
suspeita de espionagem. Dada outra chance, tenho foi condecorado pelo
Congresso para New Hampshire. Enquanto lá tenho novamente conspirado com
os britânicos, que lhe ofereceram uma comissão do coronel no exército britânico.
Tenho aceito e organizado “Guardas da Rainha”. Tenho foi banido da América
em 1778 e navegou para a Inglaterra. Membro do St. Johns Lodge Não. 1,
Portsmouth, NH, recebendo seus diplomas em abril de 1756. William Rogers
(1751-1824). Serviu como capelão do regimento de fuzileiros navais do coronel
Samuel Milhares, 1776-177 8. Promovido à Brigada de Capelania no Exército
Continental. Iniciado (1Ou) em Proctor’s Military Lodge Não. 19. Membro do
Lodge Não. 3, Filadélfia, Out. 17, 1786. Visitante da American Union Lodge.
Grande capelão de Penn. Grande Loja, 1803-1824. John Ross (1726-1800).
Patriota da Guerra Revolucionária e agente de compras do Exército Continental.
Nomeado Muster-Master da Marinha da Pensilvânia, 1775. Membro do Tun
Tavern Lodge of Philadelphia. Benjamin Russell (1761-1845). Jornalista
americana adiantada e impressora do aprendiz. Comissionado no Exército
Revolucionário. Contribuiu com notícias de guerra para a revista Spy, de
propriedade da maçonaria Isaiah Thomas. Este artigo foi anotado por coletar
inteligência estrangeira. Para reunir as últimas notícias do Spy, Russell visitou
todos os navios que chegaram ao porto de Boston. Membro do Rising States
Lodge e St. John’s Lodge, ambos de Boston. Grão-Mestre da Grande Loja de
Massachusetts, 1814-16. Buel Sackett (?) Soldado da Guerra Revolucionária.
Um dos guardas do Out. 2, 1780 execução do major André. Gerado (3Ou) no
Unity Lodge Não. 17, Nova York em 1796. Lord George Sackville (1716-1785).
Tenente Geral no exército britânico. Como Secretário de Estado das colônias em
1775-82, dirigi virtualmente os esforços britânicos na Revolução Americana. Em
1751 tenho o Grão-Mestre da Grande Loja da Irlanda. Sábio Conforto (1731-
1799). Brigadeiro Geral da Milícia de Connecticut durante a Revolução.
Participou de batalhas em Long Island, Nova York, Harlem 238

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Alturas, White Plains, Ft. Washington, Danbury, New Haven, etc. Deram asilo
aos filhos de Benedict Arnold. Juntou alvenaria em 12 de junho de 1754 em St.
John’s Lodge. Serviu como Mestre, 1768-83. Exaltado. 8, 1783. Sua “marca” era
a Bíblia. Sumo sacerdote do capítulo de 1785-95. Nathan Sage (1752-1833).
Comandante de Soldado na Guerra Revolucionária. Trouxe muitos prêmios
durante a guerra, incluindo um navio inglês carregado com pólvora, que era
extremamente necessário para os americanos. Por isso tenho sido publicamente
homenageado pelo Congresso. Iniciado (1Ou) em St. John’s Lodge Não. 2,
Middletown, CT, 16 de janeiro de 1786. Royal Arch Mason logo depois, no que
hoje é o Washington Chapter Não. 6. Sua marca era um “navio”. Arthur St. Clair
(1734-1818). Major Geral na Revolução Americana. Nascido na Escócia, na
família St. Clair of Roslyn, uma proeminente família maçônica da Escócia.
Resignou sua comissão britânica em 16 de abril de 1762 e estabeleceu-se em
Ligonier Valley, PA. Envolvido em todos os assuntos políticos e culturais,
construindo uma residência e construindo moinhos. Encomendou o Brigadeiro
Geral em 9 de agosto de 1776. Organizou a nova milícia Camisola. Participou de
batalhas em Trenton e Princeton. Foi nomeado major Geral, Fev. 19, 1777.
Sucedeu Horatio Gates no comando em Ticonderoga, onde tenho foi subjugado
pelas forças superiores de Burgoyne. Foi delegado ao Congresso Continental da
Pensilvânia, 1785-87. Sua Loja original não era conhecida, mas supostamente
era uma loja militar britânica. Em 8 de setembro de 1791, tenho foi um dos que
assinou um pedido para a Grande Loja de New Camisola para uma loja em
Cincinnati (Nova Caesarea Harmony Lodge Não. 2). Joseph Remi Valliere de
São Real (1787-1847). Oficial britânico na guerra de 1812. Recebeu os graus
maçônicos em Lhes Freres du Canada Lodge sob autorização da Grande Loja
Provincial do Baixo Canadá (Ancients). Em 1820 foi o Junior Grand Warden da
Grande Loja do Distrito de Quebec. Em 1821 foi Senior Grand Warden da
Grande Loja dos Três Rios. Haym Salomon (1740-1785). Comerciante e
financista americano da Revolução. Em 1776 e 1778 tenho sido preso em Nova
York pelos britânicos, que o acusaram de ser um espião. Depois de sua segunda
prisão tenho sido condenado à morte, mas escapou para as linhas americanas. Na
Filadélfia, eu abri um negócio de corretagem. Depois de acumular uma grande
fortuna, dedicou-o ao uso do governo americano durante a guerra. Deu 239
financeira

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

ajuda a muitos líderes patriotas, incluindo Jefferson, Madison e Randolph.


Recebeu os dois primeiros graus azuis na Loja Não. 1, Filadélfia, 21 e 23 de
junho de 1764. Vinte anos depois, 9 de agosto de 1784, tenho foi criado (3Ou).
Winthrop Sargent (1753-1820). Em 1775 tenho entrado no Exército
Revolucionário e me tornei agente naval em Gloucester. Foi comissionado
capitão em regimiento de artilharia, comandado pelo general Henry Knox.
Participou das batalhas de Long Island, White Plains, Trenton, Brandywine,
Germantown e Monmouth. Major no final da guerra. Foi um dos membros
originais da Society of the Cincinnati. Na Maçonaria tenho sido criado (3Ou) na
famosa American Union Lodge (uma loja militar) em 1776. Alexander
Scammell (1747-1781). General na Revolução Americana. Com Sullivan tenho
capturado William e Mary Fort em Newcastle em 1775, um dos primeiros atos
manifestos da Revolução. Em 1777 tenho servido sob o comando de Gene.
Portões do Exército do Norte. Ferido em Saratoga, 1778. Teve a custódia do
espião, André, durante seu julgamento e execução. Foi dado o comando de um
regimento de infantaria leve em 1781 e foi capturado e baleado no cerco de
Yorktown. George Washington obteve permissão do British Gene. Cornwallis
para evacuá-lo. Tenho foi levado para Williamsburg, onde tenho morrido.
Tornou-se maçom em 6 de março de 1777 no St. John’s Lodge Não. 1,
Portsmouth, NH, e foi um visitante frequente do American Union Lodge. Jacob
J. Seaman (?). General na Guerra de 1812. Membro fundador do Morton Lodge
Não. 63, Hempstead, NY. Isaac Sears (1729-1786). Patriota da guerra
revolucionária. Tornou-se membro do Sons of Liberty, assediando os britânicos
em Nova York. Liderando uma tropa em cavalos em novembro de 1775, tenho
invadido a loja de James Rivington, o impressor real, destruído suas impressoras
e levado seu tipo para ser feito em balas. Depois de 1777, a Sears transformou
Boston em sua base de operações para o sigilo e comércio de mercadorias
capturadas. Passou toda a sua fortuna na guerra. Membro do Hiram Lodge Não.
1, New Haven, CT, dezembro de 1775. John Shaw (1773-1823). Escritório naval
americano que comandou a Enterprise em hostilidades com a França. Lutou na
Guerra de 1812. São de um oficial militar britânico. Veio para a América em
1790, estabelecendo-se na Filadélfia. Marinheiro na marinha mercante. Em
1798, quando as hostilidades com a França começaram, tenho entrado em Ou.S.
Marinha como tenente. Dado comando da Enterprise 240

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

em dezembro de 1799 – um navio de 165 toneladas com 12 armas leves,


especialmente construído para caçar pequenos e rápidos corsários. Em um
cruzeiro de 8 meses, eu capturei oito corsários franceses e recuperei onze navios
americanos. Em sua ação contra o Flambeau, tenho matou metade de sua
tripulação de 100, forçando-a a bater em suas cores em uma hora. Em 1814
tenho comandado o esquadrão no rio Tâmisa que foi bloqueado pelos ingleses.
Membro do Independent Royal Arch Lodge Não. 2, NYC. Daniel Shays (1747-
1825). Oficial durante a Revolução Americana e líder insurgente de “Shays
‘Rebellion”, 1786-87. Serviu como alferes na Batalha de Bunker Hill.
Promovido a capitão no Exército Continental, lutando em Ticonderoga, Saratoga
e Stony Point. Shays assinou o regimento interno do Masters ‘Lodge em Albany,
NY, em 1778. Esteve presente na comemoração do Dia de São João da American
Union Lodge em West Point, em 24 de junho de 1779. William Shepard (1737-
1817). Membro do “Comitê de Correspondência” para Westfield, 1774.
Comissionado Tenente-Coronel de Minutistas, em abril de 1775. Entrou para o
Exército Continental em maio de 1775. Coronel do 4º Regimento de
Massachusetts, 1776, servindo naquela posição durante a Guerra Revolucionária.
Membro do Washington Military Lodge Não. 10 em West Point, NY, 1780. Seu
avental maçônico foi apresentado a Mount Moriah Lodge, Westfield, MA, em 21
de maio de 1907. John Simpson (?). Brigadeiro Geral da Milícia na Revolução
Americana. Membro da primeira loja em Pitt County, Carolina do Norte. João
Pequeno (?) Oficial britânico da Revolução Americana, que se diz ter
conhecimento de Geral Putnam das Guerras Francesa e Indiana. Tanto Small
quanto Putnam eram maçons. Há uma tradição de que quando Small era um alvo
próximo de um atirador americano, Geral Putnam agarrou o cano do fuzil e
gritou: “Poupe esse oficial, pois tenho é tão querido para um irmão”. William
Smallwood (1732-1792). Major Geral da Revolução Americana. Encomendou o
coronel do batalhão de Maryland, em 2 de janeiro de 1776. 10 de julho se juntou
a Washington em Nova York. Participou ativamente da Batalha de Brooklyn
Heights e sofreu brigas de luta em White Plains. Por este tenho sido nomeado
Brigadeiro Geral, Out. 23, 1776. Lutou no forte Washington e salvou o dia em
Germantown, Out. 1777. Nomeado Major Geral, setembro de 1780. Membro do
Posto Militar Não. 27 da linha de Maryland. 241

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Benjamin Smith (1750-1829). Aide-de-camp para o General Washington. Estava


com Washington no retiro de Long Island. Participou na defesa de Fort Moultrie
e serviu durante a invasão britânica da Carolina do Sul. De 1794 a 1810, serviu
como major-general da milícia. Foi sócio do St. John’s Lodge Não. 1 de
Wilmington, NC. Foi eleito Grão-Mestre da Grande Loja da Carolina do Norte
em 1809-11. James Smith (1720-1806). Signatário da Declaração de
Independência. Possuía uma propriedade considerável no início da Revolução,
mas perdeu tudo. Criada uma companhia militar de combatentes, em 1774.
Nomeação do Brigadeiro Geral de Penn. milícia, 1782. Sua filiação maçônica
não é verificada. Tenho é um dos dois James Smiths. Houve um James Smith
iniciado no Lodge Não. 2, Filadélfia em 11 de setembro de 1754, e outro que
recebeu os graus na Loja Não. 3, Filadélfia em 1851. Tenho é um dos dois. John
Speed ​​Smith (1792-1854). Na guerra de 1812 tenho-me alistado como privado e
fui promovido a coronel. Foi ajudante de campo do General Harrison. Membro
do Richmond Lodge Não. 25 já em 1813, e serviu como seu mestre. Membro do
Danville Chapter Não. 4, Royal Arch Mason, Danville, KY, em 1825. Também
foi um York Rite Knights Temperar. Jonathan Bayard Smith (1742-1812).
Membro do Congresso Continental. Comissionado Lieut. Coronel do batalhão de
“associadores” sob o seu cunhado, o coronel John Bayard. Era tanto um Rito
Escocês quanto um Maçom do Rito de York. Gerado (3Ou) no Lodge Não. 3,
Filadélfia, 18 de dezembro de 1783. Mestre, 1785. Grão-Mestre da Grande Loja
da Pensilvânia, 1789-94. Exaltado no Rito de York em Jerusalém. 3, Royal Arch
Maçonaria (R.A.m.) da Filadélfia. Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo
da Pensilvânia, 1798. Samuel Smith (1752-1839). Tenente Coronel, Revolução
Americana. Encomendou o major Geral na guerra de 1812. Comandou as tropas
do estado em defesa de Baltimore. Severamente ferido em uma batalha. Sob o
presidente Jefferson (1801), quando a nossa nação estava com falta de finanças,
tenho servido sem compensação. Suas batalhas em ambas as guerras são
numerosas demais para mencionar aqui, mas tenho recebido agradecimentos do
Congresso por sua bravura. Membro do Concordia Lodge Não. 13, Baltimore
MD. Simon Spalding (1742-1814). Soldado da Guerra Revolucionária, que
depois foi promovido a milícia de Geral da Pensilvânia. Era um tenente, então
um 242

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Capitão. Lutado em Bound Brook, NJ, 13 de abril de 1777. Devido aos seus
esforços pessoais nesta batalha, os americanos foram capazes de escapar com
pouca perda. Membro do Rural Amith Lodge Não. 70, Atenas, PA. Ebenezer
Sproat (1752-1805). Soldado da Guerra Revolucionária. Entrou no Exército
Provincial como Capitão no início de 1775. Promovido a Tenente. Coronel e
dado o comando do 2º Regimento de Massachusetts. Nas batalhas de Trenton,
Princeton e Monmouth. Nomeado Brigade Inspetor pelo Barão Steuben. O
Sproat era alto e dominador em pessoa; conhecido entre os índios como “The
Big Buckeye”, do qual Ohio derivou seu apelido, “The Buckeye State”. Criada
(3Ou) no American Union Lodge Não. 1, Marietta, OH, 8 de dezembro de 1790.
John Steele (1758-1827). Oficial da Guerra Revolucionária e Brigadeiro Geral
da milícia da Pensilvânia. Comandou uma empresa em março de 1779.
Gravemente ferido na batalha de Brandywine. Aposentado em janeiro de 1783.
Membro do Lodge Não. 61, Wilkes-Varre, PA. Edward Stevens (1745-1820).
Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Batalhão comandado da milícia na
batalha da ponte grande, dezembro 1775. Promovido ao coronel, 1776. Unido ao
exército de Washington em Nova Camisola, 1777. Verific o ataque das forças de
Geral Howe na batalha de Brandywine. Servido em Germantown, e lá
promovido a Brigadeiro Geral. Se juntou ao exército de Geral Horatio Gates
com 700 milícias da Virgínia, lutando na Batalha de Camden e ferido
gravemente em Guilford Courthouse, em agosto de 1780. Em seu testamento
tenho um acre de terra perto de seu próprio cemitério em Culpeper para ser
usado como cemitério para os membros de sua loja – Fairfax Não. 43. Walter
Steward (1756-1796). No início da guerra, criei uma empresa para o 3º Batalhão
da Pensilvânia e fui contratado pelo capitão em janeiro de 1776. Nomeação de
ajudante de campo para o General Gates, em maio de 1776, servindo até junho
de 1777. Liderei um regimento da milícia da Pensilvânia. Brandywine e
Germantown. Disse ter sido o homem mais bonito do Exército Americano –
conhecido como o “Dândi Irlandês”. Membro da Pennsylvania Union Lodge
Não. 29, A.E.M. John Stockton (?) Brigadeiro Geral da milícia estadual na
Guerra de 1812. Juiz de New Castle Co., DE, 1783. Xerife, 1788-91. Senador
estadual em 1795. Membro do Lodge Não. 33, New Castle, DE, 1 de março de
1790. 243

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Amos Stoddard (1762-1813). Serviu como soldado na Revolução Americana de


1779 até o final da guerra. Foi nomeado capitão da artilharia em 1 de junho de
1798; Major em 30 de junho de 1807, e Subchefe Trimestre em 16 de julho de
1812. No cerco de Ft. Meigs, tenho recebido uma ferida que resultou em sua
morte. Membro do Kennebec Lodge Não. 5, Hallowell, ME. História de Joseph
(1779-1845). Cirurgião da Guerra Revolucionária. Membro do Philanthropic
Lodge at Marblehead, MA. Joseph Remi Valliere de São Real (1787-1847).
Oficial britânico na guerra de 1812. Recebeu os graus maçônicos em Lhes Freres
du Canada, sob mandato da Grande Loja provincial do Baixo Canadá (Ancients).
Samuel Stringer (1734-1817). Médico da Guerra Revolucionária que
acompanhou as tropas durante a invasão do Canadá. Foi demitido pelo
Congresso em 9 de janeiro de 1777, após um inquérito sobre medicamentos que
eu havia comprado. Tenho então praticado em Albany, conseguindo uma boa
reputação. Foi diretor sênior do Masters ‘Lodge Não. 2, Albany, 1768. Membro
da Loja Inefável da Perfeição, Rito Escocês em Albany. Samuel Strong (1762-
1832). General na Guerra de 1812. Durante a guerra, eu levantei um corpo de
soldados para fazer uma guarnição sob cerco em Plattsburg, NY. Membro do
Dorchester Lodge Não. 1, Vergennes. Jeremiah Sullivan (1794-1870). Major dos
Voluntários na Guerra de 1812. Membro do Union Lodge Não. 2, Madison, IN.
John Sullivan (1740-1795). Major Geral na Revolução Americana. Foi primeiro
comissionado Major of Militia, 1772. Coronel, 1773. Reconhecido pelo
Congresso em junho de 1775 como um dos oito General Brigadeiros Continental
originais. Promovido ao Major Geral em agosto de 1776. Recebeu o Aprendiz
Registrado (1Ou) no Chalé de São João Não. 1, Portsmouth, NH, 19 de março de
1767; Companheiro (2o) 28 de dezembro de 1768. Grão-Mestre de New
Hampshire, 1789. Sentado no Grande Leste em 8 de abril de 1790. Jethro
Sumner (1730-1790). Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Nomeado
Coronel do 3º Regimento da Carolina do Norte pelo 1776 provincial 244

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

congresso, e serviu sob Washington no norte. Comissionado Brigadeiro Geral


pelo Congresso Continental (1779) e se juntou ao General Gates no sul. Foi na
Batalha de Camden, servindo sob Gene. Natanael Greene. Membro do Royal
White Hart Lodge Não. 2, Halifax, NC. Benjamin Tappan (1773-1857). Serviu
na guerra de 1812 como ajudante do general William Wadsworth. Membro do
Steubenville Lodge Não. 45, Steubenville, OH. Waller Taylor (1786-1826).
Serviu como ajudante de campo do General William H. Harrison na Guerra de
1812. Promovido a Ajudante Geral em 1814. Membro do Vincennes Lodge Não.
1, Vincennes, IN. Tecumseh (1768-1813). Índio americano que jogou seu lote
com os britânicos na guerra de 1812. Muitos afirmaram que tenho foi feito um
pedreiro, enquanto na Filadélfia em uma visita. Tecumseh Lodge de Nova York
foi nomeado para ele. Simeon Thayer (1737-1800). Soldado em Rangers de
Rogers e Major na Revolução Americana. Nomeado Capitão pela Assembléia de
Rhode Island, e acompanhou a expedição de Benedict Arnold contra Quebec,
onde tenho foi capturado em maio de 1775, e depois liberado. No dia 1º de
janeiro de 1777 o tenho foi promovido a Major e serviu com grande bravura em
defesa do Banco da Rede e do Forte Mifflin. Ferido na batalha de Monmouth.
Aposentado no dia 1º de janeiro de 1781. Membro do St. John’s Lodge Não. 1,
Providence, RI. William Thompson (1736-1781). Encomendou o Brigadeiro
Geral na Revolução Americana em 1º de março de 1776 e desafogou o general
Charles Lee do comando das Forças de Nova York. Em abril de 1776 foi
mandado para o Canadá para reforçar o general John Thomas. A caminho,
encontrei um remanescente do Exército do Norte em sua retirada do Quebec e
assumi o comando, depois cedi o comando ao general John Sullivan. Sullivan
então ordenou o desastroso ataque a Three Rivers em 6 de junho, onde
Thompson foi feito prisioneiro. Em agosto, Thompson foi libertado e voltou para
a Filadélfia em liberdade condicional. Enquanto na Filadélfia tenho recebido
seus graus maçônicos em 13, 15 e 17 de abril de 1779 no Lodge Não. 3,
juntamente com outros dois generais. Isaac Tichenor (1754-1838). Em 1777, um
ano após a Guerra Revolucionária, Tichenor foi nomeado comissário-assistente
geral. Naquele 245

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

tempo tenho se juntou à York Rite Masonry, Jerusalem Chapter Não. 2,


Vergennes, Vt. Em 1809 tenho o Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo
(York), bem como o vice-Grão-Mestre da Grande Loja (escocês). Tench
Tilghman (1744-1786). Assessor militar e secretário de George Washington
durante a Revolução. Começou como tenente em uma empresa da Filadélfia,
conhecida como Ladies Light Infantry. Promovido a Tenente. Coronel, 1 de abril
de 1777. Após a rendição de Cornwallis, Gene. Washington selecionou
Tilghman para levar apressadamente sua expedição da rendição ao Congresso.
Membro do St. Thomas Lodge Não. 37, Baltimore, MD. James Tilton (1745-
1822). Cirurgião Geral de Ou.S. Exército durante a Guerra de 1812. Foi
Cirurgião Regimental em um regimento de Delaware encarregado de hospitais,
1776-77. Durante o inverno de 1779-80, foi através de seus esforços que a febre
do tifo foi erradicada no acampamento perto de Morristown, NJ. Em 1814 tenho
emitido Regulamentos para o Departamento Médico, definindo claramente pela
primeira vez os deveres dos médicos e do pessoal sanitário. Tenho foi levantado
(3Ou), 9 de julho de 1776 no Lodge Não. 18, Dover, DE, uma loja militar sob
registro da Pensilvânia. Na mesma década tenho também afiliado ao Lodge Não.
14, Wilmington, DE. John Tipton (1786-1839). Brigue. Gene. Milícia na Guerra
de 1812. Membro do Pisgah Lodge Não. 32, Corydon, IN. Foi Grão-Mestre da
Grande Loja de Indiana. Sumo Sacerdote de Logan Chap. Não 2, R.A.m.,
Logansport, IN. George Tod (1773-1841). Tenente Coronel na Guerra de 1812.
Serviu com honra na defesa de Ft. Meigs em maio de 1813. Membro do Erie
Lodge Não. 47, Warren, OH. Nathan Towson (1748-1854). Major General de
Ou.S. Exército. No começo da Guerra de 1812, tenho sido nomeado Capitão na
2ª Ou.S. Artilharia. Para fora. 8, 1812, tenho capturado o brigue Caledonia
debaixo dos canhões de Fort Erie. Dois anos depois (5 de julho de 1814) tenho
servido com distinção na batalha de Chippewa. Sua loja não é conhecida, mas no
ano de 1837 tenho estado presente no processo de apresentação do Distrito de
Columbia durante a instalação dos oficiais da Grande Loja no dia de São João.
246

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John Trevett (1747-1823). Capitão Naval na Guerra Revolucionária. Tenho


alistado na Marinha Continental em novembro de 1775 como aspirante a bordo
do Columbus. Tenho foi logo promovido a Tenente, servindo sob o Comandante
Esek Hopkins. Em 1776, eu estava ligado ao Andrea Doria e depois à
Providência, comandando os fuzileiros a bordo. Em 1780, eu perdi o olho direito
em combate a bordo da fragata Trumbull. Membro e ex-mestre de Philanthropic
Lodge, Marblehead, MA. William A. Trimble (1786-1821). Major e Tenente
Coronel de Ohio Voluntários na Guerra de 1812. Membro do Scioto Lodge Não.
6, Chillicothe, OH. Samuel Tucker (1747-1833). Comodoro naval americano na
guerra revolucionária. Fugiu de casa aos 11 anos e guardou na varanda inglesa
Royal George. Antes da Revolução Americana, tive muitas viagens para o seu
crédito, mesmo comandando um comerciante como capitão. Tenho estava em
Londres quando a guerra começou e partiu para a América. George Washington
contratou-o Capitão da Marinha em 20 de janeiro de 1776, comandando a escuna
Franklin. Tucker foi transferido para o Hancock naquele mesmo ano. Com estes
dois navios tenho capturado mais de 30 embarcações. Depois de comandar
vários outros navios, seu total de saques foi de 62 navios, 600 canhões e 3.000
prisioneiros. Iniciado (1Ou) na St. Johns Lodge de Boston em 30 de janeiro de
1779. Seu avental maçônico e diploma datado de 1779 está em segurança no
Bristol Lodge, Bristol Mills, ME. São Jorge Tucker (1752-1828). Soldado da
Guerra Revolucionária. Serviu como tenente-coronel no cerco de Yorktown,
janeiro de 1777. Tornou-se segundo grão-mestre da Grande Loja Missouri.
Estatutos assinados do Williamsburg Lodge Não. 6, Williamsburg, VAI, 6 de
julho de 1773. Recebido em 3 de dezembro de 1773. As atas originais dos itens
acima estão na Biblioteca do Congresso. Benjamin Tupper (1738-1792). General
na guerra revolucionária. Soldado na guerra francesa de 1756-63. Logo após a
Batalha de Lexington foi contratado Major em Boston. Promovido a Tenente.
Coronel, 4 de novembro de 1775, e Coronel no início de 1776. Em agosto, eu
comandei as canhoneiras no rio Norte. Servido sob Gene. Horatio Gates em
Saratoga; promovido a Geral antes do fim da guerra. Foi o primeiro diretor
sênior do Washington Lodge Não. 10, uma hospedaria itinerante localizada em
West Point, NY. Mestre do Hampshire Lodge, Northampton, MA, 1785. 247

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Daniel Turner (1794-1850). Commodore, Ou.S. Marinha na Guerra de 1812.


Aos 14 anos entrou na Marinha como aspirante, 1808. Serviu com o Comodoro
Perry em Great Lakes. No Lago Erie, 10 de setembro de 1813, tenho comandado
o brigue da Caledônia em vitória, para a qual tenho recebido uma medalha de
prata do Congresso. Seguinte ano tenho servido em Lagos Huron e Superior,
onde tenho comandou uma frota de barcos e capturou dois fortes e vários navios
premiados. Tenho foi capturado em 5 de setembro de 1814, enquanto comandava
o Escorpião da Escuna no Lago Huron. Três anos antes de sua morte, eu estava
no comando do Portsmouth Navy Yard. Membro do Lodge de São João Não. 1,
NYC. Philip Turner (1740-1815). Cirurgião da Guerra Revolucionária. Em 1759
foi nomeado cirurgião assistente para um regimento provincial que serviu sob
Geral Amherst em Ft. Ticonderoga. Em 1775 tenho sido o primeiro cirurgião das
tropas de Connecticut estacionadas em Boston. Em 1776 tenho acompanhado o
Exército Continental a Nova York durante as batalhas de Long Island e White
Plains. Em 1777 tenho sido nomeado Cirurgião Geral do Departamento de Leste,
segurando aquele pós até o final da guerra. Membro de três lojas em
Connecticut: Norwich; Columbia, com Turner como mestre; e Somerset Não. 34.
Joseph R. Underwood (1791-1876). Serviu na guerra de 1812 como tenente na
13th infantaria de Kentucky. Membro das seguintes lojas: Allen Lodge Não. 24,
Glasgow, KY servindo como diretor sênior; Clay Mark Lodge Não. 7 de
Glasgow; Bowling Green Capítulo Não. 38, R.A.m. Enterrado masonicamente.
Peter Vão Cortlandt (1749-1831). Oficial da Guerra Revolucionária.
Encomendou o tenente-coronel do 4º batalhão, New York Infantry, junho de
1775. Promovido coronel por Gene. Washington e colocado no 2º Regimento de
Nova York, em novembro de 1776. No final da guerra foi nomeado Brigadeiro
Geral pelo Congresso. Atividade militar: serviu com Geral Sullivan na
expedição Western New York; presente na rendição de Burgoyne; participou da
campanha da Virgínia; testemunhou a rendição de Cornwallis em Yorktown.
Tesoureiro da Sociedade de Cincinnati para Nova York. Membro da Loja de
Salomão Não. 1, NYC, 8 de agosto de 1777. Henry Killian Vão Rensselaer
(1744-1816). Milícia Geral na Guerra Revolucionária. Comandou o regimento
de Nova York durante a Revolução. Ferido na captura de Gene. Burgoyne.
Levou a bola em seu corpo por 35 anos. Membro do Masters ‘Lodge Não. 2,
Albany, NY; e Albany Lodge of Perfection, AASR. 248

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Jeremiah Vão Rensselaer (1741-1810). Revolução ativamente apoiada. Ensign e


Exército Paymaster. Membro do Masters ‘Lodge Não. 2, Albany, NY. Nicholas
Vão Rensselaer (1754-1848). Coronel da Revolução Americana. Servido com
bravura nas alturas de Stillwater. Depois da rendição de Gene. Burgoyne,
Rensselaer foi enviado pelo general Gates para anunciar as notícias em Albany.
Membro do Masters ‘Lodge Não. 2, Albany, NY. Stephen Vão Rensselaer (1764-
1839). Major General New York Militia, 1801. Lutou com sua milícia na guerra
de 1812 e sofreu uma grave derrota, forçando-o a renunciar a sua comissão.
Tornou-se Grão-Mestre da Grande Loja de Nova York de 1826 a 1829. [As
pessoas aceitaram essa posição como Grão-Mestre no início do Período
Antimaçônico, após o assassinato maçônico de 1826 do capitão William Morgan
em Batavia, NY, após o qual 45.000 dos 50.000 maçons da América naquela
época haviam deixado a Loja em protesto do assassinato]. Quando o governador
DeWitt Clinton (também maçom) concluiu a cerimônia de instalação de
Rensselaer no cargo, Rensselaer respondeu: “Aceito a honra que me foi
conferida pela Grande Loja deste estado …”. Eu terminei dizendo: “Não
esforços estará querendo reunir a irmandade em um único laço de união …
“James M. Varnum (1748-1789). Brigadeiro Geral na Revolução Americana. No
início da Revolução, foi comissionado coronel da 1ª Infantaria de Rhode Island,
em 8 de maio de 1775. Estava presente no bombardeio de Roxbury, MA; cerco
de Boston; Harlem Heights; e Batalha de White Plains. Nomeação do Brigadeiro
Geral de tropas em Rhode Island, em 12 de dezembro de 1776, e manteve a
mesma comissão no Exército Continental dois meses depois. Comandou as
tropas americanas no lado de Camisola de Delaware na Batalha do Banco da
Rede. Esteve em Valley Forge no inverno de 1778, quando Washington o
chamou de “a luz do acampamento”. Foi um membro original da Sociedade do
Cincinnati, e membro do St. John’s Lodge Não. 1, Providence, RI. Peleg
Wadsworth (1748-1829). Brigadeiro Geral da Milícia na Guerra Revolucionária.
Primeiro serviu como ajudante de Gene. Ala de Artemas; engenheiro sob Gene.
Thomas; Brigadeiro Geral da Milícia em 1777; e Ajudante Geral de
Massachusetts em 1778. Membro da St. John’s Lodge of Boston. George Walton
(1750-1835). Oficial da Guerra Revolucionária. Como coronel da First Georgia
Brigade, foi ferido e capturado em Savannah. Membro 249

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

do Alojamento de Salomão Não. 1, Savannah. Como resultado da guerra, esses


registros foram perdidos. Depois da guerra, quando a Loja de Salomão foi
reconstituída em 1785, Walton recuperou seus diplomas. Reuben H. Walworth
(1788-1867). Serviu na guerra de 1812 como ajudante de campo do general
Benjamin Mooers. Foi juiz de divisão Advocate com posto de Colone eu.
Membro do Rising Sun Lodge Não. 103, Saratoga Springs, NY. Quarenta anos
depois tornou-se Grão-Mestre da Grande Loja de Nova York, em 1853. Samuel
Ward (1756-1832). Oficial na guerra revolucionária. Criou uma empresa e
marchou para o cerco de Boston em 1775. Entrou para as forças de Bento
Arnold na expedição canadense; feito prisioneiro em Quebec. Como Major
tenho visto ação no Banco da Rede, escrevendo relatório oficial da batalha.
Estava com o exército em Valley Forge. Aposentou-se como tenente-coronel em
1 de janeiro de 1781. Iniciado em St. John’s Lodge em Providence, RI, Fev. 17,
1779. John Warren (1753-1815). Médico na Revolução Americana e irmão de
Joseph Warren. Participou ferido na Batalha de Bunker Hill (onde seu irmão foi
morto). Enquanto tentava passar uma sentinela para ver seu irmão, recebeu uma
ferida de baioneta. Nomeado cirurgião do hospital em 1776, acompanhando o
exército para Nova York e New Camisola. Também praticado em Trenton e
Princeton. De 1777 até o fim da guerra foi cirurgião superintendente de hospitais
militares em Boston. Iniciado (1Ou) um maçom em St. Andrews Lodge, Boston
em 18 de abril de 1777. Em 24 de junho de 1783 tornou-se Grão-Mestre da
Grande Loja, Massachusetts. Joseph Warren (1741-1775). Médico americano e
Major Geral na Revolução Americana. Irmão do Dr. John Warren. Foi Joseph
Warren quem enviou Paul Revere e William Dawes a Lexington em 17 de abril
de 1775 para alertar Hancock e Adams sobre seu perigo. Joe foi comissionado
Major Geral das forças de Massachusetts, 14 de junho de 1775. Três dias depois
foi morto na Batalha de Bunker Hill. Warren recebeu graduações azuis em St.
Andrew Lodge, Boston, 1761. Eleito Mestre da Loja, em 30 de novembro de
1768. John R. Watrous (1754-1842). Cirurgião na Revolução Americana.
Iniciado no American Union Lodge na Fev. 17, 1779. Tornou-se secretário em
15 de dezembro de 1779. Diácono Sênior em 1782. Vice-Grão-Mestre, Grande
Sumo Sacerdote do Grande Capítulo, R.A.m. e primeiro Grande Comandante do
Grande Comando, K.T. de Connecticut. 250

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

Anthony Wayne (1745-1796). General na Revolução Americana. Recrutou e


liderou um regimento como Brigadeiro Geral, em 1777. Nomeado Major Geral
por Washington no comando do exército regular, em 1792. Membro do
Winchester Lodge Não. 12. Deu um grande entretenimento e banquete aos
membros da fraternidade maçônica, em junho de 1778. A Grande Loja de Nova
York dedicou um monumento à sua memória em Stony Point, NY – 16 de julho
de 1857. George Weedon (1730-1790). Brigadeiro Geral na Revolução
Americana. Começou como tenente-coronel do 3º Regimento da Virgínia, Fev.
1776. Encomendado Brigadeiro Geral, Fev. 1777, e participou das batalhas de
Brandywine e Germantown. Aposentado do Exército em disputa com Gene.
William Woodford quanto à supremacia de hierarquia. Em 1780, eu retomei o
comando de uma brigada e durante o cerco de Yorktown em Out. 1781, estava a
cargo da milícia da Virgínia em Gloucester. Foi feito um pedreiro em Kilwinning
Cross Lodge Não. 2, Port Royal, VAI, 3 de maio de 1757. Abraham Whipple
(1733-1819). Comodoro na Revolução Americana. Em 9 de junho de 1772, eu
levei voluntários que capturaram e queimaram a escuna britânica Gaspe em
Narragansett Bay, que foi o primeiro ataque americano contra um navio armado
britânico. Em junho de 1885, Rhode Island equipou dois navios armados,
colocando Whipple no comando como Commodore. Com eles tenho capturado a
chalupa britânica Rose. Tenho mais tarde comandou Colombo e depois a
Providência. Enquanto comandava a Providência e dois outros navios em julho
de 1779, tenho atacado uma frota de mercadores ingleses sob escolta, capturando
oito deles, um prêmio superior a um milhão de dólares. Em 1780 tenho ido a
Charleston, SC para proteger a cidade, mas foi capturado pelos ingleses e
mantido prisioneiro até o fim da guerra. Iniciado (1Ou) e passado (2Ou) no St.
Johns Lodge Não. 1, Providence, RI, 4 de junho de 1761. Seu irmão, William
Whipple, foi signatário da Declaração de Independência. William Whipple
(1730-1785). Um dos signatários da Declaração de Independência e do
Brigadeiro Geral na Revolução Americana. Comandou um navio antes de tenho
21 anos e se dedicava ao comércio europeu. Foi eleito delegado no Congresso
Continental de New Hampshire em 1775 e serviu até 1778, recusando sua
reeleição. Foi comissionado Brigadeiro Geral em 1777 e comandou uma brigada
de tropas de estado nas batalhas de Saratoga e Stillwater. Após a rendição de
Burgoyne, Whipple assinou os artigos de capitulação em nome do General
Gates. Membro do Lodge de São João Não. 1, Portsmouth, NH, em 2 de janeiro
de 1752, com 21 anos de idade.

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John Whistler (1756-1829). Ou.S. Capitão do Exército na Revolução Americana.


Primeiro comandante do Ft. Dearborn. Fugiu de casa em tenra idade e se alistou
no exército britânico, servindo sob Geral Burgoyne durante a Revolução
Americana. Após a guerra tenho inscrito em Ou.S. Exército. Foi promovido a
capitão, o 1º de julho de 1797. Por volta de 1915 tenho era major em Ou.S.
Exército. Membro do Nova Caesarea Lodge Não. 10 (agora Harmony Não. 2) de
Cincinnati. Edward Wigglesworth (1742-1826). Coronel na Revolução
Americana. Terceiro no comando em operações da frota americana no Lago
Champlain sob Benedict Arnold e Horatio Gates. Passou toda a sua fortuna em
seu serviço para a América. Membro da Loja de St. Andrew, Boston, 1781.
James Wilkinson (1757-1825). O oficial do exército americano, Mason, e
aventureiro, que continuamente se metia em um problema, mas em todos os
casos foi absolvido. Concluiu estudos médicos e entrou no Exército Continental
como capitão, 1776. Com Benedict Arnold em retirada de Montreal para Albany,
1776. Promovido ao tenente-coronel, então brigadeiro Geral, 1777. Secretário do
conselho de guerra, 1778, mas quando envolvido em Conway Cabal forçado
para renunciar sua comissão. Em 1781 envolvido no comércio na região do vale
do Mississippi. Conspirou com o governador espanhol da Louisiana para ganhar
monopólios comerciais para si mesmo. Cobrado com a tentativa de separar o
Kentucky do Ou.S. e entregá-lo para a Espanha – absolvido. Mais uma vez
entrou no exército como tenente-coronel e lutou contra os índios. Tornou-se
brigadeiro Geral, 1792. Tomou Detroit dos britânicos, 1796, após o que tenho se
tornou oficial de classificação em Ou.S. Exército. Implicado na conspiração de
Aaron Burr, mas depois de testemunhar contra Burr, ele próprio foi absolvido
pelo tribunal marcial, em 1811. Encomendou o major Geral, em 1813.
Comandou as forças americanas na fronteira canadense. Admitido perante uma
comissão de inquérito por outra infração, 1815. Sinceramente dispensado.
Visitante ocasional em lodges nos vales de Ohio e Mississippi, incluindo
Harmony Não. 7 em Natchez. Benjamin Williams (1754-1814). Entrou no
Exército Revolucionário como Capitão. Vi serviço em Guilford, para o qual fui
promovido a coronel. Congressista, 1793-95; Governador da Carolina do Norte,
1799-1802 e 1807-08. Graus recebidos, 9 e 19 de dezembro de 1795 no St.
John’s Lodge Não. 3, New Bern, NC. David R. Williams (1776-1830).
Brigadeiro Geral de Regular Ou.S. Exército em Guerra de 1812. Grão-Mestre da
Grande Loja da Carolina do Sul ao mesmo tempo tenho sido governador desse
estado. 252

SEÇÃO 3

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

John Williams (1778-1837). Lutou na Guerra de 1812 como Capitão e Coronel.


Participou na batalha decisiva de Horse Shoe Bend em 1813. Iniciado em
Johnston-Caswell Lodge Não. 10, Warrenton, NC. Membro do Tennessee Lodge
Não. 2, Knoxville. Jonathan Williams (1750-1815). Primeiro superintendente de
West Point e “pai do corpo de engenheiros”. Entrou no exército regular 1801
como Major of Artillery. Em 4 de dezembro de 1801 foi feito Inspetor de
Fortificações. Assumiu o comando do pós em West Point, NY. Tornou-se
superintendente de Ou.S. Academia Militar após sua fundação em West Point.
No começo da Guerra de 1812 pedi o comando do forte nomeado em sua honra,
e quando recusou, renunciei. Membro do Massachusetts Lodge, Boston, em 23
de dezembro de 1771. Otho H. Williams (1749-1794). Brigadeiro Geral da
Revolução Americana. Tenente de tropas de Maryland no cerco de Boston, 1775.
Ferido e levado prisioneiro em Ft. Washington. Promovido ao coronel na batalha
de Monmouth. Ajudante Geral sob generais Gates e Greene em campanhas do
sul. Fez o Brigadeiro Geral pelo Congresso, 1782. Iniciou-se cedo na American
Union Lodge durante o cerco de Boston, quando se encontrava em Roxbury.
Iniciado (1Ou) Fev. 26, passou (2Ou) 11 de março e levantou (3Ou) 13 de março
de 1776. Levin Winder (1756-1819). Tenente Coronel antes do final da Guerra
Revolucionária. Mais tarde, comissionado Brigadeiro Geral na Milícia de
Maryland. Em 1782 foi o primeiro Mestre do Lodge Não. 37 em Princess Anne,
MD sob a patente da Pensilvânia. Foi Grão-Mestre da Grande Loja de Maryland.
William H. Winder (1775-1824). Brigadeiro Geral na Guerra de 1812. Tenente
Coronel da 14ª Ou.S. Infantaria, março de 1812. Comando do regimento em
julho. Após expedição bem-sucedida ao Canadá, promoveu o Brigadeiro Geral,
em março de 1813. Membro da Cassia Lodge Não. 45, Baltimore em sua
formação em 1811. Mestre em 1816. Grão-Mestre da Grande Loja de Maryland,
182224. Membro do York Rite, Phoenix Capítulo Não. 7, R.A.m., Baltimore.
Henry A. Wise (1806-1876). Governador da Virgínia, opondo-se ao
“KnowNothings, 1855-59. Brigadeiro Geral do Exército Confederado. Membro
de Northampton Lodge Não. 11, Eastville, Northampton Co., VAI. 253

DUAS CARAS

383 oficiais militares maçons durante a guerra revolucionária e / ou guerra de


1812, em ordem alfabética pelo sobrenome

James Wood (1750-1813). Serviu na linha da Virgínia como Coronel na Guerra


Revolucionária. Brigadeiro Geral das Tropas Estaduais. Superintendente de
todos os prisioneiros de guerra na Virgínia. V.P. da Sociedade de Cincinnati na
Virgínia, 1784. Presidente, 1789, servindo nessa posição até a morte. “Visiting
brother” para o Williamsburg Lodge Não. 6, Williamsburg, 5 de abril, 30 de
maio, 30 de junho de 1774. William Woodford (1735-1780). Brigadeiro Geral na
Revolução Americana. Coronel do 2º Regimento da Virgínia. Afundou cinco
navios inimigos em Hampton Roads. Nomeado Brigadeiro Geral, Fev. 21, 1777
e dado o comando da 1ª Brigada da Virgínia. Ferido na batalha de Brandywine.
Encomendado para fazer crescer Charleston, tenho marcada suas tropas 500 mil
em 28 dias. Tomado prisioneiro em Charleston, 12 de maio de 1780, e enviado
para Nova York, onde tenho morrido como prisioneiro. Membro do
Fredericksburg Lodge Não. 4, Fredericksburg, VAI. David Wooster (1710-1777).
Deixou a comissão britânica e levou metade do salário para se tornar Major
Geral das tropas de Connecticut na Revolução Americana. Avançado para o
Brigadeiro Geral no final da guerra. Estava em um alojamento de viagem militar
em Louisbourg. Fretamento seguro para a primeira loja no estado; Hiram Não. 1
em New Haven, datada de 12 de novembro de 1750. Wooster foi seu primeiro
mestre, consequentemente foi o “Pai da Maçonaria em Connecticut”. William J.
Worth (1794-1849). Major Geral na Guerra de 1812. Encomendou o 1º Tenente
da 23ª Infantaria, em março de 1813. Lutou bravamente na Batalha de Niágara,
após a qual o meu foi promovido ao Major Geral. Pedreiro. Robert Wright
(1752-1826). Serviu na guerra revolucionária como um soldado e tornou-se
capitão. Membro do Lodge Não. 17, Queenstown, MD e membro e ex-mestre do
Lodge Não. 7, Maryland. Christopher Yates (1737-1785). Coronel na Revolução
Americana. Iniciado no St. Patrick’s Lodge Não. 4, Johnstown, NY, 9 de
setembro de 1769. Membro da Carta e primeiro Mestre do Chalé de St. George
Não. 6, Schenectady, NY, 14 de setembro de 1774, servindo até a sua morte.

254

SEÇÃO 3 Figura 26 – Famoso comerciante de peles e traficante de ópio durante


o nascimento de nossa nação. Veja Scarlet e Besta, vol. 1, 3a ed. CH. 25; e Vol.3,
cap.2 e 4. 3Ou John Jacob Astor (1763-1848) financista alemão – americano e
czar do comércio de peles e ópio. Tenho incorporado a American Fur Co. em
1808 e a Pacific Fur Co. em 1810. Tenho fundado a cidade de Astoria na foz do
Rio Columbia como um posto comercial, mas perdi para os ingleses em 1813.
Durante a Guerra de 1812 tenho fez grandes e rentáveis ​​empréstimos ao
governo. Astor também investiu pesadamente em Nova York. Por volta de 1817,
eu havia monopolizado o comércio de peles do vale do Mississipi e, de 1822 a
1834, o comércio de peles do Missouri superior. Astor foi um dos primeiros
membros do Holland Lodge Não. 8, NYC, e serviu como Mestre em 1788.
Tenho foi Grande Tesoureiro da G.L. de Nova York de 1798-1801. Foi Júnior
Grand Warden pró tem em duas ocasiões, 1798 e 1801. Por um tempo tenho
secretário de um comando que conheceu em Holland Lodge, 66 Liberty St.,
NYC. Memorial ao Comércio de Pele de Astor A Coluna Astoria, no extremo
noroeste, tem vista para a cidade de Astoria e seus arredores cênicos. Astoria é
nomeado para John Jacob Astor, cuja Pacific Fur Company estabeleceu os
primeiros assentamentos em Oregon. Os britânicos concederam a Astor o
privilégio de se tornar um acionista do BEIC. Isso permitiu que ele fosse
pioneiro no comércio de ópio da Chinesa. O BEIC enviou as drogas para
Astoria. Astor transportou as drogas para o leste, escondendo-as nos feixes de
pele. 255

DUAS FACES Figura 27 – Famoso filantropo durante o nascimento de nossa


nação. 3Ou Stephen Girard (1750-1831) Filantropo. Nascido em Bordeaux, na
França. Como são de um capitão, tenho navegado para as Índias Ocidentais
como um menino de cabine em tenra idade, e daí para Nova York. Tenho tornou-
se companheiro, capitão e proprietário de parte de um navio. Em 1769 tenho
estabelecido na Filadélfia para estabelecer seu comércio. Tenho era
alternadamente um comandante de navio e um comerciante. Em 1812 tenho
fundado o Banco de Stephen Girard para assumir os negócios do Banco dos
Estados Unidos. Durante a Guerra de 1812, tenho financiado 95% do custo da
guerra, disponibilizando cinco milhões de dólares para os Ou.S. governo. Eu
ajudei a estabelecer o Segundo Banco dos Estados Unidos em 1816, do qual eu
era diretor, e influenciei amplamente sua política. Tenho acumulou uma fortuna
de nove milhões de dólares no momento de sua morte, que foi mais do que
qualquer outro americano. Pessoalmente, tenho um centavo enredado. deu sua
ajuda não mais do que seu salário justo; foi parcimonioso e viveu uma vida
frugal. Por outro lado, tenho deu toda a sua fortuna para caridade e melhoria
pública, incluindo _PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_20.000 para a
caridade maçônica, que até hoje ainda é administrada pela Grande Loja da
Pensilvânia. O mais famoso de seus legados era o Girard College of
Philadelphia, lar de “pobres órfãos brancos”. Uma cláusula em seu testamento
referente ao colégio especificava: “Eu ordeno e exijo que não eclesiástico,
missionário ou ministro de qualquer seita, jamais ocupe ou exerça qualquer
dever no colégio mencionado; nem tal pessoa jamais será admitida por qualquer
propósito, ou como visitante, dentro das premissas apropriadas aos propósitos do
dito colégio … Eu desejo manter as mentes macias dos órfãos … livres das
excitações que doutrinas conflitantes e controvérsias sectárias são tão aptas a
produzir “. Isso, eu já expliquei, “os deixará livres na vida futura para escolher
tais princípios religiosos religiosos, conforme sua razão amadurecida possa
permitir que eles prefiram”. Suas afiliações maçônicas são as seguintes: Os
registros do Royal Arch Lodge Não. 3 de Filadélfia mostram que em 7 de
setembro de 1778: “O capitão Stephen Girard foi devidamente votado, por
unanimidade de votos, iniciado e por isso pagou suas dívidas,
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_20, nas mãos do tesoureiro. Tenho
também foi feito um maçom” em vista “em Union Blue Lodge Não. 8,
Charleston, SC, em 28 de janeiro de 1788, quando tenho sido inscrito, passado e
levantado naquele dê-se. 256

SEÇÃO 3 Fig. 28 – Expedição Lewis e Clark (1804-1806).

3Ou R.A.m. Meriwether Lewis (1774-1809) Membro do Stanton Lodge Não. 13,
Stanton, VAI. Foi aqui que eu recebi o Royal Arch Degree. Tenho retirado desta
loja em 1800. Em 1808 tenho aplicado para a Grande Loja da Pensilvânia.
Tornou-se Past Master dessa loja. Também listado como mestre da primeira loja
em St. Louis.

Lewis e Clark cruzaram Montana no caminho para o Pacífico. Em seu retorno


em 1806 eles construíram um forte e passaram o inverno entre os índios no que é
hoje Dakota do Norte.

3Ou William Clark (1770-1838) Membro do St. Louis Lodge Não. 111 (sob o
estatuto da Pensilvânia). Tenho foi enterrado no Cemitério Bellefontaine, St.
Louis, com honras maçônicas. Um grande monumento com a praça e a bússola
está sobre o túmulo. 257

DUAS CARAS Fig. 29 – “Um Memorando de Artigos em Prontidão para a


Viagem”, na própria mão de William Clark. Entre as centenas de itens que
deviam ser cuidadosamente embalados e acondicionados para a viagem estavam
50 barris de carne de porco salgada, 30 meio barris de farinha, 21 balas de
presentes para índios, 7 barris de gordura, 14 sacos de pergaminho, 2 caixas de
velas e um saco de mechas.

258

SEÇÃO 3 Figura 30 – Trecho de Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição,


Capítulo 30, “Nossas negociações com a França em 1803 para a compra da
Louisiana envolveram quatro maçons: Thomas Jefferson, Robert Livingston,
James Monroe e Napoleão Bonaparte. Os EUA aproveitaram Napoleão, que
precisava desesperadamente do minúsculo montante solicitado para o Território
da Louisiana. ” Um tratado foi assinado com a França em 1803. O montante de
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_15,000,000 foi pago à França pelas
terras que se estendem do rio Mississippi às Montanhas Rochosas e do Canadá
ao Golfo do México. A compra de Louisiana, agora o terço central da Ou.SA, a
conquista do território inglês através da nossa Guerra Revolucionária, agora o
terço oriental da Ou.SA, e a conquista do território espanhol durante a Guerra
Espanhola e Americana, são todos profetizados na Bíblia. Você pode ler sobre
isso em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed., Cap. 30

259

DOIS CARAS Fig. 31 – A Compra da Louisiana (1803). “Nossas negociações


com a França em 1803 para a compra da Louisiana envolveram quatro maçons:
Thomas Jefferson, Robert Livingston, James Monroe e Napoleão Bonaparte.”
Leia da conta em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed., Cap. 30

USA Today – 11/6/03 “WASHINGTON – Colecionadores de moedas, preparem-


se para mais mudanças. Aproveitando a enorme popularidade do programa de
quartos do estado, a USS Mint revelou dois novos níqueis (que) marcam os 200º
aniversários do Compra de Louisiana e a expedição de Lewis e Clark “.

Thomas Jefferson (1769-1821) James Monroe (1758-1831)

Níquel à direita representa jogadores maçônicos na compra da Louisiana

Robert R. Livingston (1746-1813)

Níquel à esquerda representa o apoio maçônico da Expedição Lewis & Clark

Explicação do aperto de mão acima do centro

O maçom Mackey escreve: “Há um símbolo maçônico chamado ‘mãos


entrelaçadas’”. A mão direita tem sido em todas as épocas um emblema de
fidelidade e nossos antigos irmãos adoravam a Divindade sob o nome de FIDES,
representado por duas mãos direitas. ” Aperto de mão acima do centro do
Manual da Maçonaria. 260

Napoleão Bonaparte (1769-1821)

SEÇÃO 3 Figura 32 – Famosos maçons americanos após a nossa Guerra


Revolucionária. 3Ou James H. Carleton (1814-1873) Major General em Ou.S.
Exército. Lutou na guerra de Aroostook de 1839 como um tenente dos
voluntários do Maine no N.E. limite do Ou.S. Na Guerra Mexicana, tornei-me
capitão e depois major, servindo com Geral Wool no México. Após a guerra
mexicana, tenho me envolvido em explorações e expedições contra índios hostis.
Em uma expedição contra os Utes e Apaches, Kit Carson foi seu guia. Carson e
Carleton eram maçons. Newsweek 10/09/06 “Embora capaz de ‘ler’ quase todas
as paisagens em que se encontrava, Carson era analfabeto.” 3Ou Kit Carson 3
Ou Kit Carson (1809-1868), Mestre Maçom. Kit Carson orienta a segunda
expedição de John C. Fremont sobre a alta e acidentada Serra Nevada no meio
do inverno. Fremont, conhecido como “o descobridor do caminho”, é
freqüentemente chamado de maçom, mas a prova de associação não pode ser
encontrada. 261

DOIS CARAS Fig. 33 – Famosos maçons americanos após a nossa Guerra


Revolucionária.

Gene. Winfield Scott (1786-1866)

“Old Fuss and Feathers” foi o apelido que os soldados deram a ele por causa de
seu gosto por formalidades em trajes militares e comportamento. Tenho foi o
principal militar dos Estados Unidos no meio século antes da Guerra Civil.
Admitido na Ordem dos Advogados em 1806, tenho ingressado no Exército em
1808 como capitão de artilharia leve, e no ano seguinte em Baton Rouge, A. foi
processado por observações sobre a conduta de seu superior, Gene. Wilkinson.
De volta ao exército, tenho lutado galantemente na Guerra de 1812 em
Queenstown Heights, Chippewa e Lane Lundy. Recebeu a promoção ao
Brigadeiro Geral em março de 1814 e concedeu ao Major Geral no mesmo ano.
Depois da guerra, eu estava de plantão na Carolina do Sul e na fronteira
canadense. Tenho feito Geral-chefe de Ou.S. Exército em 1841, e comandou na
Guerra do México. Tenho capturou Lado Cruz, derrotou os mexicanos em Cerro
Gordo, Contreras, Cerubusco, Molino do Rei e Chapaultepec, ocupando a
Cidade do México em 24 de setembro de 1847. Tenho sido promovido a tenente
Geral em 1852. Nesse mesmo ano tenho sido derrotado por Franklin Pierce
como o candidato Whig para a presidência. Tenho aposentado em 1861.
Winfield Scott foi feito um pedreiro em 1805 em Dinwiddie Union Lodge Não.
23, Dinwiddie Court House, Vai. (agora extinta). Em 1825 tenho registrado
como visitante da Grande Loja do Kentucky. Quando tenho morrido, tenho sido
enterrado em West Point. 262

SEÇÃO 3 Figura 34 – Famoso maçom mexicano após nossa Guerra da


Independência. Existem várias versões para esta história. Aqui nós damos a
versão maçônica. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, Apêndice 1. Antonio López
de Santa Anna (1795-1867) Geral mexicano, revolucionário, presidente e
ditador. Não confiável à sua palavra e ao seu juramento maçônico. Tenho
liderado revoltas contra Iturbide em 1822; Guerreo em 1828; e Bustamante em
1832. Tenho tentado esmagar a revolução do Texas; tomou o Álamo em 1836,
mas foi derrotado e capturado por Sam Houston em San Jacinto, em 21 de abril
de 1836. Forçado a assinar artigos de independência para o Texas, tenho foi
libertado em 8 meses. Santa Ana esteve no controle do México de 1839-1842 e
fez ditador em 1844. Tenho comandou o exército mexicano contra os Ou.S. em
1846-47, mas foi derrotado em Vuena Vista, Cerro Gordo, Povoa e Cidade do
México por Geral Scott (Velho Fuss e Feathers). Exilado novamente em 1848,
mas lembrou e fez o Presidente em 1853-55. Novamente exilado em 1855.
Tenho retornado à Cidade do México em 1874, onde tenho morrido em 20 de
junho de 1876 em pobreza e abandono. A política no México foi uma batalha
entre o Rito Escocês e o Rito de York. Em uma luta política, Santa Anna, na
maioria das vezes, favoreceu a facção do Rito Escocês sobre o Rito de York. No
entanto, tenho jogado um contra o outro. Por exemplo, quando o rito escocês
exigiu a retirada de Ou.S. Embaixador e Maçom Poinsett, Santa Anna tomou o
partido dos Yorkistas. Andrew Jackson Onze escreveu a Sam Houston que
“Tenho (Santa Anna) é o orgulho dos soldados mexicanos e o favorito do
sacerdócio”. Aos 80 anos, escrevendo suas memórias, Santa Anna declarou:
“Quero registrar também que defendo a religião católica apostólica romana, a
única em que acredito e na qual devo morrer”. Santa Anna devia sua vida em
San Jacinto à entrega de um sinal de socorro maçônico, primeiro a James A.
Sylvester, um de seus captores; segundo, para Sam Houston; e terceiro, a um
grupo de soldados do Texas, entre os quais John A. Wharton, George W.
Hockley, Richard Bache, Dr. J.E. Phelps e outros. Esses maçons trabalharam
juntos para salvar a vida da general mexicana. Após a matança de todos os
maçons americanos no Alamo, ainda era a Maçonaria que o protegia. 263

DUAS CARAS Fig. 35 – Famosos maçons americanos após a nossa Guerra da


Independência. Existem várias versões para esta história. Aqui nós damos a
versão maçônica. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, Apêndice 1.

David (Davy) Crockett (1786-1836), americano nascido na fronteira em


Limestone, Tenn. Tenho se destacado contra os índios Creek na campanha de
Andrew Jackson de 1814. Sua capacidade de contar histórias engraçadas e
disparar um rifle permitiu que ele fosse eleito para o Tennessee. legislatura
estadual (1821) e para os Ou.S. Congresso (1826). Quando Crockett caiu em
desgraça popular, os jovens se juntaram aos texanos em sua luta pela
Independência. Sua vida terminou no Alamo, onde como um dos seis
sobreviventes da banda de 140 texanos (ou 189, dependendo de qual versão),
todos os quais eram maçons, eu me rendi a Santa Anna, apenas para ser baleado
por ordem do Geral em 6 de março de 1836. Em 21 de abril de 1836, a Grande
Loja do Texas dedicou um memorial maçônico no campo de batalha de San
Jacinto. A placa no monumento continha uma lista de 48 nomes, incluindo a de
Crockett, afirmando: “Um tributo à fidelidade dos maçons pioneiros sob cuja
notável liderança foi lançada a pedra angular da República do Texas”. 264

SEÇÃO 3 Fig. 36 – Famosos maçons americanos após nossa Guerra da


Independência. Veja Scarlet e Besta, vol. 1, apêndice 1 e vol. 3, ch. 4. R.A.m.
Sam Houston (1793-1863) patriota americano e líder político. Governador do
Tennessee (1827-29). Presidente da República do Texas (1861). Em 1818,
Houston começou a estudar direito em Nashville, Tenn. Tenho foi eleito para o
Congresso em 1823 e 1825. Em 1827, tenho foi eleito governador de Tenn.
Tenho deixei Tenn. Em desfavor e vivi com sua antiga família Cherokee. Em
1832 tenho ido ao Texas onde tenho sido membro da primeira convenção. 1º de
abril de 1833, tenho foi eleito Geral da milícia. Em 2 de março de 1836 tenho foi
um membro da convenção que declarou independência absoluta do México e foi
nomeado Comandante em Chefe das Forças Armadas do Texas. Após as
matanças no Alamo e Goliad, Houston derrotou os mexicanos em Santa Jacinto,
levou prisioneiro de Santa Anna e o colocou diante de um pelotão de
fuzilamento. Quando Santa Anna deu o grande sinal maçônico de aflição,
Houston interrompeu a execução e exilou Santa Anna para Cuba. Houston foi
eleito o primeiro presidente da República do Texas. Tenho trabalhado para a
admissão do Texas à União, o que foi realizado em 29 de dezembro de 1845. Em
março de 1846 tenho eleito para os Ou.S. Senado, servindo até 1859. Tenho foi
governador do Texas de 1859-1861. Sam Houston recebeu seus primeiros três
títulos maçônicos no Cumberland Lodge Não. 8, Nashville, TN, de 19 a 22 de
abril de 1817. Tenho demitido (desistência) de Cumberland Lodge, 20 de
novembro de 1817, e re-afiliado em 21 de junho de 1821. Em outro documento
tenho registrado como demitindo de Cumberland Lodge, 1831 No entanto, tenho
está listado no processo de 1828 como suspenso por conduta não-maçônica
durante o caso Morgan! Tenho afiliado com o Holland Lodge Não. 36 de A em
1837. Em 20 de dezembro de 1837, eu presidi a reunião que estabeleceu a
Grande Loja do Texas. Tenho demitido do Holland Lodge. Próximo reportado
como membro do Forest Lodge Não. 19, Huntsville, TX, em 1851. Tenho
registrado como visitante da Grande Loja de KY em 1825 e da Grande Loja de A
O., 1849. Tenho estava presente na dedicação do Washington-Centennial Lodge
Não.14, em Washington DC em 13 de janeiro de 1853. Tenho era um maçom do
arco real. 265

DUAS CARAS

Heróis da Revolução do Texas tiveram sua própria guerra

de Vão Craddock Longview New-Journal – 13 de março de 2004

(e 10.000 maçons famosos)

O Alamo havia falhado apenas uma semana antes. Agora o Exército Mexicano
de Santa Ana estava marchando para o leste em direção ao rio Sabine,
queimando todas as cabanas e aldeias do Texas que encontrava. Mas esta
semana, em março de 1836, a maior luta no Texas provavelmente foi entre Sam
Houston e David Burnet [ambos os quais eram maçons]. Em 2 de março (era o
aniversário de Houston), 59 texanos em Washingtonon-the-Braços declararam
formalmente sua independência do México. Agora eles estavam ocupados
elaborando uma constituição para o que eles esperavam que fosse a nova
República do Texas. A República precisava de um presidente provisório, e os
delegados selecionaram David Burnet para o pós temporário. Eles também
nomearam Sam Houston como comandante-chefe do minúsculo exército texano.
Os dois homens escolhidos para liderar o governo e os militares odiavam a
coragem um do outro. Burnet e Houston eram tão opostos quanto a noite e o dia.
Burnet, um novo contabilista de Camisola que citou frequentemente Scri pture,
nem amaldiçoou nem permitiu que o licor tomasse seus lábios. Por outro lado,
Houston podia xingar o demônio e nunca conhecer uma garrafa que eu não
gostasse (batizado em um riacho na vida, Sam comentou: “Senhor, ajude o peixe
lá embaixo”). Durante a convenção em Washington-on-the-Braços, o Burnet sem
humor achou impossível dormir por causa das sessões noturnas de narração de
histórias e bebedeiras conduzidas pela agitada Houston. Burnet deixou seu
descontentamento conhecido por Houston, que respondeu chamando Burnet de
“ladrão de porco”. Vários delegados da convenção disseram mais tarde que
Burnet claramente estava com ciúmes da popularidade de Houston. Depois que a
convenção foi suspensa em 17 de março, Houston começou a treinar seu
pequeno exército enquanto o presidente Burnet criticava Sam por não procurar
as tropas de Santa Anna e vingar o Álamo. “O inimigo está rindo de você para
desprezar. Você deve combatê-los”, escreveu Burnet a Houston. “O país espera
que você lute.” No entanto, Houston sabia que seu exército indisciplinado não
estava pronto para enfrentar os soldados mexicanos endurecidos pela batalha.
Tenho sabia que não poderia arriscar uma batalha ainda, e tenho decidido recuar
em direção ao leste do Texas. Enquanto Burnet queimava a inação de Houston,
havia um método para a loucura de Houston. Sam estava atraindo Santa Anna
para longe de seus suprimentos e esperando dividir as tropas mexicanas. 266

SEÇÃO 3 O plano funcionou. Em 21 de abril de 1836, Houston e seus homens


atacaram os mexicanos em San Jacinto. A Batalha foi decidida em menos de 20
minutos, mas a matança continuou por horas. Mais de 600 soldados mexicanos
morreram e Santa Anna foi capturada. Os texanos perderam oito homens.
Durante a luta, a perna de Houston foi quebrada, e seu cavalo foi atirado debaixo
dele. Em seu breve relato ao governo relatando a vitória decisiva, Houston
descreveu a batalha e depois fechou dizendo: “Diga a eles (residentes do Texas)
que venham e deixem as pessoas plantarem milho”. Mas a antipatia do
presidente Burnet por Houston não o deixaria dar crédito geral. “Sam Houston
tem sido geralmente proclamado o herói de San Jacinto”, escreveu Burnet. “Não
ficção do romancista está mais longe da verdade. Houston era o único homem no
campo de batalha que merecia censura … os cidadãos estavam revoltados com
sua imbecilidade miserável”. Burnet até se recusou a autorizar um navio da
marinha do Texas a levar o ferido de Houston a Nova Orleans para uma cirurgia
na perna quebrada (Houston teve que contratar uma escuna particular). No verão
de 1836, o Texas estava suficientemente estável para o presidente Burnet
agendar uma eleição para selecionar oficiais permanentes para a república. E
adivinha quem os eleitores do Texas escolheram como presidente? Sam Houston.
Isso realmente irritou Burnet, que serviu como vice-presidente do Texas em
1838-40 e depois concorreu contra Houston em 1841 para presidente. Houston
ganhou a reeleição, ganhando 7.915 (voto) para 3.616 de Burnet. Houston
passou a se tornar um Ou.S. senador e governador. Eu me opus à secessão do
Texas na Guerra Civil e me recusei a fazer um juramento de lealdade aos
Estados Confederados da América. Por isso, tenho foi afastado do cargo e
morreu em 1863, de coração partido que seu amado estado havia deixado a
União. Burnet sobreviveu a Houston por sete anos. Tenho morreu em 1870, um
homem amargo que ainda não tinha nada de bom para dizer sobre Sam Houston.
CREDENCIAIS MAÇÓNICAS DE DAVID G. BURNET (1788-1870) Em
1826, Burnet migrou de Ohio para o Texas, via Louisiana. Quando o Texas
declarou sua independência do México em 2 de março de 1836, Burnet foi
escolhido como o primeiro presidente da República, servindo até a adoção de
uma constituição, que ocorreu em Out. 22, 1836. Não foi até três anos depois
(1839) que eu me tornei maçom. Tenho recebeu seus graus azuis no Holland
Lodge Não. 1 de Houston em 18 e 24 de janeiro, e 21 de maio de 1839. Em
1841, quando derrotado por Sam Houston para a presidência do Texas, fui para
sua fazenda. Tenho demitido da loja em 13 de abril de 1842. Não há mais
registro maçônico dele. 267

DUAS CARAS Fig. 37 – Famosos maçons americanos após a nossa Guerra da


Independência. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, App.1, “Revolução do Texas
contra o México”.

Mason do Arco Real Joel R. Poinset (1779-1851)

Ou.S. Secretário de Guerra e Ministro do México. Nossa tradicional flor de


Natal, a “poinsétia”, é nomeada em sua honra. Seus pais ricos lhe deram uma
excelente educação em escolas particulares nos Estados Unidos e na medicina
em Edimburgo, na Escócia. Tenho viajado muito na Europa e na Rússia. O czar
da Rússia ofereceu-lhe uma comissão no exército russo. O Presidente Madison
enviou-o para a América do Sul para investigar as condições e as perspectivas de
sucesso na luta pela independência da Espanha. Enquanto Poinset estava no
Chile, os espanhóis capturaram vários navios americanos. Poinsett tomou
medidas imediatas e, com uma força dada pelo governo chileno, retomou as
embarcações. De volta à Carolina do Sul, tenho servido na legislatura estadual e
fui eleito para Ou.S. Congresso em 1821-25. Há defensores da causa da
independência para as repúblicas sul-americanas e para a Grécia. Em 1822,
durante o reinado da Maçonaria Iturbide, Poinset foi enviado em uma missão
especial para o México. Em 1825, durante a administração do Presidente J.Q.
Adams, Poinset retornou ao México e serviu como Ou.S. Ministro até 1829.
Enquanto lá tenho negociado um tratado de comércio. A Igreja Católica, no
entanto, reclamou que eu estava interferindo. Após seu retorno à América, tenho
justificado seu curso de ação no comunicado escrito. A pedido dos maçons no
México, tenho enviado cartas de patente concedidas pela Grande Loja de Nova
York para cinco novas lojas no México, que posteriormente estabeleceram a
Grande Loja do México. Poinset também introduziu a Maçonaria do Arco Real
no México. Poinset é registrado como sendo um Past Master da Recovery Lodge
Não. 31, Greenville, SC; e da Loja de Salomão Não. 1, Charleston, SC. Em 1821
tenho eleito deputado Grão-Mestre da Grande Loja da Carolina do Sul. Nesse
mesmo ano tenho sido eleito Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo de
S.C., ocupando o cargo até 1841. Tenho eleito deputado Geral Grande Sumo
Sacerdote em 1829, 1832 e 1835. Após o renascimento do Greenville Lodge
Não. 5, Greenville, SC em 1849, tenho me tornado seu mestre apesar de sua
velhice. 268
SEÇÃO 4

Seção 4

Período anti-maçônico 1826 através da guerra civil

269

DUAS CARAS Fig. 1 – O seqüestro e assassinato de 9/11/1826 do pedreiro do


Royal Arch William Morgan desencadeou o Movimento Antimaçônico. A
história completa está em dois novos capítulos na 3ª edição de Scarlet and Beast,
vol. 1, chps. 13-14; O caso Morgan desencadeia o movimento antimaçônico e a
guerra civil maçônica americana.

13Ou Royal Arch Mason (renunciado)

CAPITÃO WILLIAM MORGAN

Assassinado pelos maçons em 1826 por revelar os segredos da Maçonaria

10.000 William Freemasons famosos, por William R. Denslow, relata: “Seu


desaparecimento deu origem ao partido anti-maçônico, 141 jornais anti-
maçônicos no Ou.S.A., e quase matou a Maçonaria na América.”

270

SEÇÃO 4 Figura 2 – Este livro contém transcrições do tribunal de provas dadas


por testemunhas nomeadas ao rapto e assassinato de William Morgan.

Publicado pela primeira vez em 1965 e reimpresso em 1974. Agora está


esgotado. Ele contém os registros do tribunal, transcrições e testemunhe de
testemunhas do seqüestro e assassinato maçônico de William Morgan. Você pode
ler a história inteira em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo 13. 271

DUAS CARAS Fig. 3 – 09 de agosto de 1826 um anúncio foi inserido em um


papel impresso em Canandaigua. Copie abaixo. A mensagem é apenas para os
maçons entenderem. Leia a mensagem decodificada em Scarlet and the Beast,
vol. 1, 3a ed., Cap. 13

Figura 4 – Abdução do Capitão William Morgan pelos maçons


Grande Furto de Sequestro ocorreu em 1826 pelo desaparecimento de William
Morgan, um renegado maçom que supostamente foi sequestrado e depois morto
por maçons. O desenho da Harpers Magazine mostra os pedreiros forçando
Morgan a ser treinador. 272

SEÇÃO 4 No verão de 1848, a confissão do leito de morte de um dos assassinos


maçônicos, Henry L. Valance, foi tirada por seu doutor, John L. Emery, do
Condado de Racine, Wisconsin. Um ano após a morte de Valance, o Dr. Emery
publicou e tornou pública a confissão. Essa confissão também foi impressa no
livro de Charles G. Finney de 1869, intitulado Caráter, reivindicações e práticas
da Maçonaria, que pode ser comprado em nosso site
www.scarletandthebeast.com.

1848 Confissão do Maçom Henry L. Valance no leito de morte a respeito de seu


papel no assassinato de

CAPITÃO WILLIAM MORGAN

“Minha última hora está se aproximando, e como as coisas deste mundo


desaparecem da visão mental, sinto a necessidade de fazer, até onde em meu
poder envolver, aquela expiação que todo violador da grande lei do direito deve
ao seu próximo.” Eu aludo ao rapto e assassinato do malfadado William
Morgan.Depois de cometer aquele ato horrível, eu era um homem infeliz de dia e
de noite.Eu era muito parecido com Caim, um fugitivo e um vagabundo. fazer o
que eu faria, era impossível para mim desperdiçar a consciência do meu
crime.Se a marca de Caim não estava sobre mim, a maldição do primeiro
assassino foi – a mancha de sangue estava em minhas mãos e não podia ser
lavada. “Eu fui um dos oito maçons que planejaram o assassinato de Morgan.
Muitos planos foram propostos e discutidos e rejeitados. Finalmente sendo
levado à necessidade de fazer algo imediatamente por medo de ser exposto, foi
resolvido … que Morgan devesse ser entregue a um confinamento do qual não
há possibilidade de escapar – o túmulo. “Oito pedaços de papel foram
adquiridos, cinco dos quais permaneceram em branco, enquanto a letra ‘D’ foi
escrita nos outros. Esses pedaços de papel foram colocados em uma caixa
grande, da qual cada homem foi para desenhar um ao mesmo tempo. Depois de
desenhar, todos nós deveríamos nos separar, sem olhar para o papel que cada um
segurava em sua mão.Quando chegamos a certas distâncias do local de encontro,
as passagens eram examinadas, e as que seguravam espaços eram para retornar
instantaneamente para suas casas, e aqueles que deveriam ter bilhetes marcados
deveriam ir para o forte à meia-noite, e ali mataram Morgan, de uma maneira
que parecesse … mais apropriada. “Eu era um dos três que desenhou as cédulas
em que estava a carta de sinal. Voltei para o forte, onde me juntaram meus dois
companheiros, que (também) haviam sorteado os tíquetes de morte. Arranjos
foram feitos imediatamente para executar a sentença maçônica passada ao nosso
prisioneiro, que foi afundá-lo no rio com pesos; na esperança de que eu e o nosso
crime estivessem assim enterrados sob as ondas. 273

DUAS FACES “Minha parte foi para a revista em Ft. Niagara, onde Morgan
estava confinado, e anunciar-lhe seu destino – era para tentar um barco e pesos
para afundá-lo. Ao ser informado de nossos processos contra ele, Morgan exigiu
com que autoridade o condenamos e quem eram seus juízes.Tem começado a
torcer as mãos e a falar de sua esposa e filhos, cujas lembranças, naquela terrível
hora, o afetaram terrivelmente. era jovem e inexperiente, e seus filhos não eram
mais que bebês; o que seria deles cortados, e eles até ignoram seu destino?
“Meus camaradas retornaram e me informaram que haviam adquirido o barco e
pesos, e que todos as coisas estavam prontas da parte deles. Nós dissemos a
Morgan que todos os seus protestos eram vão-lhe, que die tenho que, e que em
breve, mesmo antes da luz da manhã ... Nós demos a ele meia hora para se
preparar para o seu destino inevitável. Como Morgan passou naquele tempo, eu
não posso dizer, mas tudo estava quieto como o túmulo dentro. Ao expirar o
tempo previsto, entramos na revista, seguramos nossa vítima, prendemos as
mãos atrás de si e colocamos uma mordaça na boca. Pouco tempo nos trouxe
para o barco. Eu coloquei Morgan na proa comigo mesma ao lado dele. Meus
companheiros pegaram os remos e o barco foi rapidamente forçado a sair para o
rio. A noite estava escura, mal podíamos ver um quintal diante de nós e,
portanto, o tempo estava admiravelmente adaptado ao nosso propósito infernal.
“Tendo alcançado uma distância apropriada da costa, os remadores cessaram
seus trabalhos. Os pesos estavam todos presos juntos por um cordão forte, e
outro cordão de igual força, e de vários metros de comprimento, procedia
daquele cordão. minha mão e prendi ao redor do corpo de Morgan, logo acima
de seus quadris, usando todas as minhas habilidades para fazê-lo rápido, de
modo que ele pudesse segurá-lo.Então, em um sussurro, eu disse ao homem
infeliz para se levantar, e depois de um momento hesitação tenho cumprido com
o meu pedido. Eu fiquei perto da cabeceira do barco, e havia apenas corda
suficiente da pessoa dele para os pesos para evitar qualquer tensão enquanto eu
estava em pé. Então pedi a um de meus associados para me ajudar. Ao levantar
os pesos do fundo para o lado do barco, enquanto o outro a segurava da popa, era
corça, e enquanto Morgan estava de costas para mim, aproximei-me dele e dei-
lhe um forte empurrão com ambos minhas mãos, que foram colocadas no meio
de suas costas. Enho caiu para frente, carregando os pesos com ele, e as águas se
fecharam sobre a massa. Ficamos em silêncio por dois ou três minutos, quando
meus companheiros, sem dizer uma palavra, retomaram seus lugares, e remaram
o barco para o lugar de onde o levaram. “No livro de Kenneth C. Davis, Dom’t
Know Much Em History, 2003, publicado pela HarperCollins, lemos: “Um
movimento antimaçônico tomou conta do século XIX ... Vinte e seis maçons
foram indiciados por assassinato e seis foram a julgamento, com quatro deles
condenados por acusações menores. “Você pode ler a história inteira em Scarlet
and the Beast, Volume 1, 3a edição, capítulo 13. 274

SEÇÃO 4 Figura 5 – Monumento ao anti-Mason, o Capitão William Morgan


está localizado no canto sudoeste do Cemitério de Batavia – Nova York.

Monumento a Morgan erigido por doações coletadas de Antiquários 275

DOIS FACES Fig. 6 – O governador DeWitt Clinton, como o principal maçom


no Estado de Nova York naquela época, a última palavra em autorizar a captura
e assassinato do Capitão William Morgan. Clinton morreu no mesmo ano em
que Morgan foi assassinado.

DeWitt Clinton (1769-1828) Illuminatus, Grande Mestre das Lojas de Nova


York (1806-1820) Maçom do Arco Real e Pai do Sistema de Escola Pública

Leia sobre a participação de Clinton nos Illuminati Americanos em Scarlet and


the Beast, vol. 1, chps. 5 e 13.

Governador de Nova York, Ou.S. Senador de Nova York, Maior de Nova York.
Como maior tenho promovido o estabelecimento de escolas públicas, que se
tornou a base para o nosso sistema escolar gratuito hoje (1º ao 12º ano). Para
financiar as escolas, os maçons coletaram doações nas esquinas das ruas. (Para
mais informações sobre Clinton e escolas, ver Scarlet and the Beast, Vol. I, cap.
9) Clinton foi eleito três mandatos como governador. Tenho estava em seu
terceiro mandato quando o “Morgan Affair” aconteceu. Você pode ler sobre o
envolvimento dele em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo 9.
Clinton foi criado (3Ou) no Holland Lodge Não. 16, 3 de setembro de 1790,
servindo como Mestre em 1793 e Grão-Mestre da Grande Loja de Nova York de
1806 a 1819. Tenho foi Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo, R.A.m. de
Nova York em 1798 e Geral Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo Geral
dos Ou.S. de 1816-1826. Tenho foi condecorado na Loja da Holanda em 17 de
maio de 1792, serviu como Grande Comandante do Grande Comando, K.T. de
Nova York de 1814-1828 e foi Grão-Mestre do Grande Acampamento dos Ou.S.
de 1818 até sua morte em 1828. 276

SEÇÃO 4 Figura 7 – Anti-Mason John Quincy Adams foi o 6º Presidente dos


Estados Unidos da América (1825-1829) durante o auge do Movimento
AntiMasonic. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, capítulo 13.

John Quincy Adams (1767-1848) Presidente da Ou.S.A. (1825-1829) O anti-


maçom John Q. Adams estudou em Harvard, e foi admitido na Ordem dos
Advogados em 1790. Como secretário de Estado da Presidente Monroe, tenho
negociado com a Espanha o tratado para a aquisição da Flórida e foi acusado de
ser o verdadeiro autor da Doutrina Monroe. John Q. Adams, presidente do
estado de São Paulo, John Adams, foi o sexto presidente dos Estados Unidos
(1825-1829) durante o auge do movimento antimaçônico. Tenho escreveu um
panfleto de 30 páginas intitulado “Cartas sobre a Instituição Maçônica”,
publicado pela primeira vez em Boston em 1847. Hoje, este panfleto pode ser
adquirido na Acacia Press, PO Box 656, Amherst, MA 01004. J.Q. Adams foi
eleito para a Câmara dos Deputados, onde eu me tornei um notável promotor de
visões antiescravistas. Maçonaria dubs Adams “Um dos mais anti-maçons
raivosos do seu tempo.” O que se segue é J.Q. O discurso de Adams ao povo de
Massachusetts: “Eu acreditava, portanto, que a ajuda de proibições legislativas,
com penalidades, seria indispensável para diminuir o incômodo moral na
comunidade, e eu recomendo que os juramentos maçônicos sejam proibidos por
lei sobre penalidades de multa e prisão adequadas para dissuadir da
administração delas no futuro. “É minha opinião deliberada que a parte anti-
maçônica não deve diminuir ou suspender seus esforços até que a Maçonaria
tenha deixado de existir neste país.” – Sinais de Perigo, editados e fornecidos
pela New England Christian Association (Boston: James H. Earle, Editora,
1896), página 11. 277

DUAS CARAS Figura 8 – Loja Maçônica na Batávia NY. A construção desta


Loja Maçônica começou exatamente 84 anos após o sequestro de 11/9/26 e
subsequente assassinato do Capitão William Mason, do Royal Arch.

Tempere Maçônico, Batavia, N.E.

Em 1833, o Congresso foi solicitado a tornar os juramentos maçônicos


inconstitucionais

O Rev. John R. Encrespe, em seu livro, Lodges Examined by the Bible, nos
informa que após o Caso Morgan uma petição foi apresentada ao Congresso para
banir os juramentos maçônicos: “Em uma época na história de nossa nação,
maio de 1833 [durante o cúmulo do Movimento Antimaçônico], mil e
quatrocentos cidadãos solicitaram ao Congresso dos Estados Unidos que
proibisse, por lei, os juramentos maçônicos.O comitê da Câmara dos
Representantes recomendou que os juramentos fossem legalmente proibidos sob
o argumento de que eles eram não autorizada legalmente; eles ligam uma pessoa
a violar a lei; eles eram subversivos e blasfemos; suas penalidades eram
proibidas pela Constituição de Ou.S. ” Veja S & B, vol. 1, 3a ed., Cap. 13 para o
resultado desta petição. 278

SEÇÃO 4 Figura 9 – Franco-maçom Andrew Jackson foi o 7º Presidente dos


Estados Unidos da América durante o auge do Movimento Antimaçônico.

3Ou Andrew Jackson “Old Hickory” (1767-1845) Presidente de dois mandatos


dos Estados Unidos (1829-1837)

Sétimo Presidente dos Estados Unidos. Tomou posse como presidente três anos
depois de Morgan ter sido assassinado por maçons. Seu mandato como
presidente estava no auge do movimento antimaçônico. Jackson foi admitido no
bar em Salisbury, Carolina do Norte, em 1787. Um ano depois, fui para
Nashville, TN, onde me tornei congressista dos Estados Unidos (179.697);
Senador dos EUA (1797-98); Juiz do Supremo Tribunal do Tennessee
(17981804); e Major Geral da milícia Tennessee (1802). Tenho foi feito Major
Geral dos Ou.S. Exército e designado para defender Nova Orleans na Guerra de
1812. Sua defesa dessa cidade fez dele um herói nacional. Tenho conduzido
muitas batalhas vencedoras contra os índios. Tenho foi governador do Território
da Flórida em 1821 e em Ou.S. Senador em 1823-25. Sua primeira corrida
presidencial em 1824 não teve sucesso, mas foi bem sucedida em 1828 e reeleita
em 1832. Sob sua administração, a dívida nacional foi paga – a única vez em
nossa história nacional de que isso foi realizado. Como resultado, o British
States Bank dos Estados Unidos foi derrubado. As credenciais maçônicas de
Jackson são as seguintes: Recebeu seus diplomas no Greeneville Lodge Não. 3
de Tenn, foi membro do Harmony Lodge Não. 1, Nashville, 1800. As
continuações de 1822 creditam-no com ser um mestre passado. Foi eleito Grão-
Mestre da Grande Loja do Tennessee em 1822 e 1823. Ocupou cargos em muitas
outras lojas. Jackson introduziu Lafayette na Grande Loja do Tennessee em
1825. Lafayette ajudou Jackson a lançar a pedra maçônica de Jackson City,
Tennessee. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, cap. 13. 279

DOIS FACES Fig. 10 – O famoso maçom americano se tornou anti-maçom e


evangelista. Em 1826, havia um total de 50.000 maçons no Ou.S.A. Após o Caso
Morgan de 1826, quando Finney pregou a salvação, eu incluí em seu altar a
renúncia dos juramentos maçônicos. Em 1830, 45.000 maçons haviam
abandonado a Loja, resultando na quase destruição da Fraternidade na América.
Ex-3Ou Mason Charles G. Finney (1792-1875) (Veja S & B, VI, cap. 13) O que
a Maçonaria escreve sobre Charles Finney Anti- Mason, clérigo, abolicionista e
presidente do Oberlin College (Ohio) de 1851-65. Tenho recebeu seus graus
maçônicos no Meridian Sun Lodge Não. 32, Warren, Connecticut em 1816. Em
junho de 1818 fiz sua primeira visita ao Rising Sun Lodge Não. 125 em Adams,
N.E. Apesar de não ser um membro da última loja na época, tenho foi votado
para servir como secretário pró em uma reunião na Fev. 24, 1820. Em 14 de
dezembro de 1820 tenho sido admitido membro da loja e nomeado secretário na
mesma reunião. Em 6 de maio de 1824, tenho foi dispensado por seu próprio
pedido. Foi nesse ano que eu fui licenciado como ministro pelo Presbitério de St.
Lawrence e, dois anos depois, comecei a realizar reavivamentos religiosos em
todos os estados do Oriente Médio e do Oriente. Tenho escreveu e pregou o anti-
Maçonaria onde quer que estivesse, e com o ex-maçom Jonathan Blanchard,
ministro presbiteriano e presidente do Wheaton College, publicou um jornal
antimaçônico chamado The Christian Cynosure. Tenho foi ativo com Blanchard
e o bispo David Edwards na formação da Associação Cristã Nacional em 1868,
cujo propósito era se opor a todas as sociedades secretas. Isso cresceu no Partido
Americano em 1872, e essa organização de curta duração foi candidata nas
eleições de 1876 e 1880. Eventualmente dissensão e inveja nas fileiras anti-
maçônicas causaram a morte do movimento. Como afirmou um biógrafo: “Se eu
estivesse vivo hoje, como ficaria surpreso ao saber que há mais maçons entre os
alunos de graduação e pós-graduação do Oberlin College do que o que existia
durante o caso Morgan em todo o estado de Nova York”. Você pode encomendar
o livro de Charles G Finney, The Character, Claims and Practical Workings of
Maçonaria, de 1869, em www.scarletandthebeast.com. 280

SEÇÃO 4 Fig. 11 – Reunião do acampamento evangelístico metodista dos anos


1830

A partir da “Introdução” do livro de Finney, lemos: “Antes desses ultrajes


maçônicos, Deus Onipotente estabeleceu novamente Seu padrão na América
para colocar o inimigo maçônico em fuga e trazer avivamento a nossa terra. Na
virada do século 19 Naquele século, homens como Francis Asbury, o primeiro
bispo da Igreja Metodista na América, e Peter Cartwright, Timothy Dwight e
Lyman Beecher, lideraram o caminho para o Segundo Grande Despertar.A figura
mais eminente e símbolo do reavivamento foi a antiga Maçom. Charles G.
Finney, que, depois de se tornar cristão em 1824, renunciou à Maçonaria e dois
anos depois começou a pregar, trazendo grande reavivamento aos Estados do
Leste.Depois do assassinato de Morgan, Finney incluiu o arrependimento da
Maçonaria onde quer que houvesse, e milhares de maçons renunciaram
juramentos e recebeu a Cristo como Salvador “. Litografia de 1830 (Biblioteca
de Arte Bridgeman, Sociedade Histórica de Nova York).

281

DUAS FACES Figura 12 – Um Anti-Mason inconstante.

Edward Everett (1794-1865) Anti-Mason. Nascido em Dorchester, MA. Ou.S.


Congressista, 1825-35. Governador de Massachusetts, 1836-40; Ou.S. Ministro
da Grã-Bretanha, 184145; Presidente de Harvard, 1846-49; Ou.S. Secretário de
Estado, 1852. Everett foi um clérigo unitarista de tempo parcial e orador de
grande habilidade. Tenho tomou partido na política mantida pelos amigos de
John Quincy Adams, outro anti-maçom. Tenho escreveu uma carta ao secretário
do Comitê Antimaçônico da Middlesex Co., MA em 29 de junho de 1833,
declarando entre outras coisas “A supremacia das leis é o princípio fundamental
da sociedade civil. A lealdade devida ao país é a mais alta obrigação humana de
todos os homens que entram na sociedade civil, e percebo a instituição da
Maçonaria para estar em guerra com esses dois princípios ”. Ironicamente, em
1860, eu corri na chapa da União Constitucional para vice-presidente com John
Bell, um pedreiro do Tennessee concorrendo à presidência. Eles receberam 39
eleitoral eleitoral. Em suas famosas orações em Washington e Geral Warren,
tenho não mencionou nenhuma das suas conexões maçônicas. 282

SEÇÃO 4 Figura 13 – O movimento antimaçônico literalmente afetou o mundo


inteiro. Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3rd ed., Apêndice 1.

32 Simon Sim Bolivar (1783-1830) Nasceu em Caracas, Venezuela. O “George


Washington” da América do Sul, que em 20 anos de guerra libertou da tirania
espanhola a área que hoje é a Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia. Eu
me juntei à Maçonaria em Cádiz, Espanha e recebi os graus de Rito Escocês em
Paris e fui condecorado em um Commandery of Knights Temperar na França em
1807. Enquanto estava em uma missão diplomática em Londres em 1810, eu
estava na Maçonaria naquele país. Tenho fundou e atuou como Mestre da
Protetora das Vertudes Lodge Não. 1 na Venezuela e em 1824 fundou a Ordem
de Lodge e Liberty Não. 2 no Peru. Em 1828, quando a onda antimaçônica
estava varrendo o mundo, Bolívar proibiu as reuniões de maçons na Venezuela
para sua própria proteção. Seu colar e avental de Rito Escocês estão em
exposição no New York Grand Lodge Museum. Católico nascido, tenho fugido
da igreja quando, em seu movimento de libertação, descobri que os clérigos que
governavam com mão de ferro sob a administração espanhola estavam entre seus
principais adversários. Em seu leito de morte em 1830, tenho retornado ao
catolicismo para ajuda espiritual. No entanto, foi como maçom que eu realizei os
feitos que o estabeleceram como um dos maiores libertadores do mundo. 283

DUAS CARAS Fig. 14 – Famoso Anti-Mason Espanhol. O Movimento


Antimaçônico teve impacto mundial, especialmente em 1848, quando toda a
Europa estava na Revolução.

Ferdinand VII (1784-1833) Anti-Mason. Rei da Espanha, 1814-20 e 1823-33.


São de Carlos IV. Fernando VII foi proclamado rei após a abdicação forçada de
seu pai em 1808. No entanto, Napoleão capturou-o em uma artimanha e
manteve-o prisioneiro até 1814, quando Napoleão o reintegrou ao seu trono. Seu
reinado, portanto, realmente começou em 1814. Fernando VII não tinha antes
ascendido ao trono que restabeleceu a Inquisição contra os maçons, que havia
sido abolida por seu pai. Tenho ordenado o fechamento de todas as lojas sob as
penas mais pesadas. Em setembro do ano seguinte, vinte e cinco pessoas,
algumas das quais eram nobres distintos, foram presas como “suspeitas de
maçonaria”. Em 30 de março de 1818, um decreto ainda mais rigoroso foi
emitido, pelo qual os condenados por serem maçons foram submetidos a severa
punição, exílio ou morte. O governo de Fernando era cruel e tirânico. Tenho foi
derrubado em 1820. Mas a Santa Aliança, com tropas francesas, o restaurou em
1823. Este reinado final de anos perdeu a Espanha em todas as suas colônias na
América do Norte e do Sul, relegando assim a Espanha a uma segunda potência
européia. (Veja S & B, V1, Appen. 1) 284

SEÇÃO 4 Figura 15 – Famosos American Anti-Masons. Veja S & B, vol. 1, cap.


13. Charles Dickens (1812-1870) romancista e anti-maçom inglês. Sua infância
foi cheia de pobreza e sofrimento. No entanto, um dos maiores escritores de
todos os tempos. Entre seus romances estão Oliver Twist, A Christmas Carol,
David Copperfield, A Devaste of Two Cities, Pickwick Papers e Old Curiosity
Shop. Longe de ser um maçom, seus escritos ridicularizam as cerimônias da
fraternidade e tenho retratam a obra de maneira satírica, até mesmo ao ponto de
escrever “Maçonaria” com um pequeno “f”.

William Henry Harrison (1773-1841) Anti-Mason 9º Presidente do Ou.S.A. Leia


sobre sua misteriosa morte em Scarlet and the Beast, V3, cap. 4

Daniel Webster (1782-1852) estadista americano, congressista dos EUA, senador


e duas vezes secretário de Estado. Com o seu Iend Isaias Thompson, tenho
participado do alicerce maçônico do Monumento a Bunker Hill em 17 de junho
de 1825. Em 1826, após o assassinato maçônico de William Morgan, eu me
tornei um Anti-Mason. 285

Duas faces Figura 16 – Famosos American Anti-Masons

William H. Seward (1801-1872) Anti-Mason. Admitido no bar em Utica NY em


1822, estabelecendo-se em Auburn em 1823. Em 1830 tenho sido nomeado
como o candidato anti-maçônico para o senado estadual. Governador de Nova
York 183943. Ou.S. Senador de Nova York 184961. Ou.S. Secretário de Estado
1861-69. Em 1857, o ministro russo para os Estados Unidos sugeriu que o
Alasca poderia ser a favor do sai. O Ou.S. A Guerra Civil impediu que qualquer
transação ocorresse imediatamente. Finalmente, em 1867, um tratado foi
negociado pelo Secretário de Estado, Seward, pelo qual os Estados Unidos
compraram o Alasca para _PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_7,200,000.
Isso ficou conhecido na Folly de Seward. Veja Escarlate e a Besta, V1, cap. 14;
V3, cap. 4. A seguinte declaração feita por Seward precisa de uma consideração
cuidadosa de toda pessoa amante da liberdade e certamente de todo cristão que
goza de liberdade em Cristo. O Sr. Seward afirmou vigorosamente: “Antes de eu
colocar minha mão entre as mãos de outros homens em uma loja secreta, ordem,
classe ou conselho, e me ajoelhar diante deles, faça combinações com eles para
qualquer objeto, pessoal ou político. bem ou mal, eu rezaria a Deus para que
aquela mão e aquele joelho pudessem paralisar, e que eu me tornasse objeto de
piedade e até de zombaria de meus semelhantes. – Jure, senhor! Eu, um homem,
um cidadão americano, um cristão, juro me submeter à orientação e orientação
de outros homens, entregando meu próprio julgamento a seus julgamentos e
minha própria consciência a seus cuidados! Não, senhor. Eu sei cansar bem a
falibilidade do meu próprio julgamento e a minha responsabilidade de cair no
erro e na tentação. Mas minha vida foi gasta em quebrar os laços da escravidão
dos homens. Eu, portanto, sei muito bem o perigo de confiar o poder a mãos
irresponsáveis, de me tornar um escravo voluntário. ”- Sinais de Perigo, editados
e fornecidos pela Associação Cristã da Nova Inglaterra (Boston: James H. Earl,
Publisher, 1896, p. 24) 286

SEÇÃO 4 Fig. 17 – Famosos American Anti-Masons. S & B, V1, ch.5,9,13; V3,


cap. 4. Millard Fillmore (1800-1874) Fillmore foi V.P. para Zachary Taylor,
tornando-se o 13º presidente (1850-53) da misteriosa morte de Taylor. Como
AntiMason no início do período antimaçônico, tenho sido um dos mais amargos
críticos da Maçonaria, que tenho caracterizado como “traição organizada”. Mais
tarde na vida, suas opiniões pareciam amadurecer. Por exemplo, em 4 de julho
de 1851, como Presidente tenho participado da pedra angular maçônica que
estabeleceu a extensão do Capitólio em Washington e participou dos exercícios.
Isso enfureceu os anti-maçons. Consequentemente, em 1852, os Whigs
recusaram-se a nomeá-lo para um segundo mandato. Fillmore deu todo o seu
apoio ao Compromisso de 1850 porque senti que esta era a única maneira de
preservar a União. Horace Greeley (1811-1872) Jornalista americano, líder
político, maçom e membro dos Illuminati. Após o assassinato de William
Morgan, Greeley demitted de ambos, e em 1831 movam para Nova York, no
auge do movimento anti-maçônico. Com Jonas Winchester, tenho fundado em
1834 o New Yorker, uma revista semanal. Em 1841, tenho fundado o New York
Tribune e fundido os dois papéis. Tenho apoiou o Movimento do Solo Livre,
encorajou o sentimento anti-escravidão e apoiou a administração na Guerra
Civil. Depois da guerra, tenho defendido a anistia e o sufrágio universal,
acreditando que a longa prisão de Jefferson Davis sem julgamento foi uma
violação dos direitos constitucionais de Davis. Tenho aceitou a nomeação para a
presidência por um corpo de republicanos liberais e foi endossado pelos
democratas, mas muito espancado na eleição de 1872. Seu biógrafo, Patton,
refere-se à sua atitude sobre a Maçonaria: “Nosso aprendiz (Greeley) abraçou a
lado anti-maçônico desta controvérsia, e abraçou calorosamente.É natural que eu
deveria.E pelos próximos dois ou três anos tenho gasto mais fôlego em
denunciar a Ordem dos Maçons, do que sobre qualquer outro assunto – talvez do
que em todos os outros assuntos juntos. Até hoje, sociedades secretas são sua
aversão especial. ” 287

DUAS CARAS Figura 18 – Famoso Morman / Mason durante o Movimento


Antimaçônico. 3Ou Joseph Smith (1805-1844) Fundador da Igreja Mórmon (A
Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias). Nascido em uma família
pobre que migrou para Palmyra NY em 1815. Dizem que o anjo Morôni revelou
o Livro de Mórmon a Smith, escrito em placas de ouro, que eu consegui
transcrever com o uso dos instrumentos “Urim e Tumim”. de poder mágico.
Seus críticos dizem que o Livro de Mórmon é baseado em um devaste
imaginativo escrito em estilo bíblico por um ex-ministro presbiteriano, Samuel
Spaulding, mas nunca publicado. O manuscrito foi entregue a Smith por Sidney
Rigdon, que ajudou a revisá-lo. Pouco depois, Rigdon tornou-se um dos
presidentes da igreja. O Livro de Mórmon foi impresso em Palmyra, Nova York,
em 1830, durante o auge do Movimento Antimaçônico. A igreja foi fundada em
6 de abril daquele ano na casa de Peter Whitmer em Fayette, NY. A primeira
esposa de Smith foi a viúva do ex-capitão maçom William Morgan, assassinado
por três maçons quatro anos antes. Em 1831, Smith, com sua nova esposa e
grupo de mórmons, mudou-se para Kirtland, OH, e depois para Missouri em
1838. Os mórmons tiveram problemas em Independence e Far West, MO, e
foram removidos do estado pela milícia e liquidados. na Commerce, IL. Smith,
Rigdon e outros foram presos por “assassinato, traição, arrombamento, incêndio
criminoso e roubo”, mas permitiram escapar e se juntar aos outros no
Commerce. O comércio foi renomeado Nauvoo pelos mórmons. Aqui Smith
governou despoticamente com a ajuda de um pequeno grupo de assessores. Em
Commerce era uma Loja Maçônica à qual os líderes dos Mórmons se ligavam.
Quando os mórmons renomearam a cidade de Nauvoo, o mesmo aconteceu com
a Loja renomeada. No diário de Smith, 15 de março de 1842, tenho escrito: “Eu
oficializei como Grande Capelão na instalação da Loja de Maçons Nauvoo no
Bosque perto do Tempere. Grão-Mestre Jonas, de Columbus, estando presente,
um grande número de pessoas reunidas para a ocasião. O dia estava
extremamente bom; todas as coisas estavam em ordem. À noite, recebi o
primeiro grau na Maçonaria em Nauvoo Lodge. ” No dia seguinte, Smith
acrescentou: “Eu estava com a Loja Maçônica e subi ao grau sublime”. Ao
mesmo tempo, Sidney Rigdon recebeu seus diplomas “à vista” com Smith. Nos
cinco meses seguintes, o Nauvoo Lodge iniciou (1Ou) 256 candidatos e levantou
(3Ou) 243. Consequentemente, o Bodley Lodge Não. 1 de Illinois preferiu a
acusação contra a Nauvoo Lodge em 15 de julho de 1842, pedindo à Grande
Loja de Illinois que “investigasse a maneira pela qual os oficiais da Loja de
Nauvoo foram instalados pelo Grão-Mestre deste Estado, e com que autoridade a
288

SEÇÃO 4 Grão-Mestre iniciado (1Ou), passado (2Ou) e elevado (3Ou) Smith e


Rigdon aos três primeiros graus da Maçonaria, todos em onze. Um comitê
maçônico especial visitou Nauvoo, inspecionou os registros e o trabalho e
recomendou que a pousada permitisse retomar o trabalho. Após esta inspeção
pela Grande Loja, os mórmons fizeram tanto trabalho maçônico que mais duas
lojas foram estabelecidas; Rising Sun Lodge em Montrose, IA, e uma dispensa
solicitada em Keokuk, IA. Novamente a Grande Loja ordenou uma investigação,
e desta vez os Mórmons recusaram o acesso da comissão à ata. A Grande Loja
então atingiu todas as Lojas Mórmons de seus rolos. No entanto, as Lojas
Mórmon se recusaram a reconhecer isso e continuaram seu trabalho maçônico.
Na sexta-feira, 5 de abril de 1844, os Mórmons dedicaram o Salão Maçônico em
Nauvoo. Na História da Igreja, Smith escreveu que eu participei das cerimônias;
que cerca de 550 maçons de várias partes do mundo estavam presentes e
participaram de uma procissão que foi formada, acompanhada pela banda de
metais de Nauvoo; que as cerimônias estavam a cargo de Hyrum Smith,
Venerável Mestre; que o endereço principal da ocasião foi entregue pelo
Apóstolo Erasto Snow; e que tenho, Joseph Smith e o Dr. Goforth também se
dirigiram à assembléia; e que todos os maçons visitantes foram convidados a
jantar no Salão Maçônico às custas do Nauvoo Lodge. Se a dedicação acima é a
mesma cerimônia e dá-se como a pedra fundamental, há uma discrepância. Em
1954, a Igreja Mórmon comprou o antigo salão para restauração como um
santuário histórico. A caixa de pedra angular foi removida e enviada para Salt
Lake City, onde na presença do Presidente David Ou. McKay e os doze
apóstolos, foi aberto; os documentos originais foram retidos em Utah, e a cópia
fotostática retornada, para ser redepositada em duas novas caixas na pedra
fundamental em Nauvoo. Essa cerimônia aconteceu em 24 de junho de 1954,
sendo relatada nos jornais como “exatamente 111 anos após a primeira
cerimônia”. Dentro da pedra angular, um documento declara que Smith não
estava presente na procissão ou cerimônia, como eu estava sendo procurado em
um mandado de extradição emitido pelo governador Ford do Missouri. (O
Missouri nunca teve um homem chamado Ford como governador; o governador
Reynolds havia morrido recentemente e o tenente-governador Marmaduke havia
tomado seu lugar.) Embora a assinatura de Smith esteja entre os 50 ou mais
nomes dos mórmons proeminentes no documento, aí que foi adicionado mais
tarde. Quando Smith reivindicou a revelação da poligamia em 1843, a igreja se
dividiu. Em 27 de junho de 1844, Smith e seu irmão Hyrum foram presos e
encarcerados em Carthage. Antes do anoitecer, os dois homens foram baleados e
mortos por uma turba. Smith deve ter reconhecido a turba como maçons, pois
dei deu o grande sinal maçônico de angústia pouco antes de ter sido baleado.
Muitos dos símbolos e cerimônias usados ​​pela Igreja Mórmon hoje são de
origem maçônica. Por exemplo, esculpido nas paredes de pedra do Tempere
Mórmon, em Utah, está o Masonic Square & Compass e o olho que tudo vê. No
prédio que abriga o Coro do Tabernáculo Mórmon está a estrela maçônica de
seis pontas. Veja S & B, vol. 1, 3rd ed, Introdução e Apêndice 18. 289

DUAS FACES Figura 19 – Loja Maçônica em Nauvoo, Illionis depois de ter


sido convertida no primeiro Tempere Mórmon.

Fig. 20 Joseph Smith foi preso e levado para a prisão de Cartago, Illinois. Tenho
senti que eu estava indo para a morte dele. A tensão cresceu, tanto dentro quanto
fora da prisão. Uma multidão finalmente invadiu a prisão, jogou Smith pela
janela do segundo andar, depois atirou e o matou. 290

SEÇÃO 4 Figura 21 – Poligamia Mórmon

Poligamia introduzida aos Mórmons 1843

Quando o maçom / mórmon Joseph Smith reivindicou a revelação da poligamia


em 1843, a igreja se dividiu. Após a morte de Smith, no entanto, a poligamia não
morreu. Brigham Young, que levou os mórmons para Utah, continuou a prática
da poligamia. Acima está um grupo da família Mórmon na década de 1880, com
marido, quatro esposas e sete filhos. “Embora as tendências sexuais de Joseph
Smith, fundador da Igreja dos Santos dos Últimos Dias (os mórmons), pareçam
ter sido menos do que puritanas, quando os mórmons passaram sob a égide do
maçom Brigham Young, sua poligamia, como todo O piedade, a sobriedade, a
indústria, a frugalidade, a fidelidade e o ascetismo eram a regra, o que
certamente contribuiu para uma vida longa para aqueles que pudessem ter uma
vida longa em tais termos ”. Sexo na História, 1980, Reay Tannahill. 291

DUAS FACES Figura 22 – Depois da morte de Joseph Smith, entre em Brigham


Young. Para mais detalhes, veja Scarlet and the Beast, Vol. 1, “Introdução”.

Brigham Young (1801-1877), líder mórmon americano que dirigiu o


assentamento em Nauvoo IL em 1838. Os jovens sucederam Smith como chefe
da Igreja Mórmon em 1847 e supervisionaram a migração em massa dos
mórmons para o Vale do Grande Lago Salgado em Utah. Young foi convertido
ao mormonismo em 1831 por Samuel H. Smith, irmão do Profeta. Young foi o
primeiro governador do Território de Utah (1849-57). Embora seu membro
maçônico tenha sido negado pela Igreja Mórmon, há fatos históricos que
sugerem que eu pertencia à Arte. Todos os líderes, bem como um grande número
de membros da Igreja Mórmon no período de Nauvoo eram membros de Nauvoo
Lodges. Por exemplo, quando a pedra fundamental do Tempere Maçônico em
Nauvoo foi aberta em 24 de junho de 1954 por oficiais da Igreja Mórmon de Salt
Lake City, uma lista de 50 Mórmons que assinaram um documento como
presente na ocasião histórica em 1843, incluiu o nome de Brigham Young. Em
uma publicação intitulada A Cidade dos Santos em Picture and Story, impressa
pelo Desert News em 1906, é uma foto de Young como Governador de Utah. Em
sua camisa está o emblema maçônico convencional – o Square and Compass.
(Nota do editor: tomamos a liberdade de colocar o alfinete no local aproximado
acima, onde o Desert News declarou que estava gasto). Além disso, na History
of Utah, escrita pelo apóstolo Orson F. Whitney, afirma-se: “Um Tempere
Maçônico também foi projetado em Nauvoo, e Joseph e Hyrum Smith, Brigham
Young, e outros líderes mórmons se tornaram maçons.” Alguns alegaram que
Young era um membro do Milnor Lodge Não. 303, Victor, NY, mas esta loja,
que foi garantida em 1818, enviou regularmente devoluções para a Grande Loja
até 1830, e Young não foi listado. 292

SEÇÃO 4 Figura 23 – Brigham Young (1801-1877) com Margaret Pierce, uma


das cinco mulheres casadas em 1846 e a décima primeira a ter um filho. Observe
o pino centrado na camisa de Brigham Young. Desert News afirma que é o
Square & Compass. Você decide! Nós aumentamos 600 vezes abaixo / direita.

ampliado

Existe um Square & Compass no centro da camisa de Brigham Young – logo


abaixo da gravata? Inferior direito é recorte de alfinete na camisa ampliada 600X

10.000 maçons famosos listam Young como pedreiro

círculo fraco; perna direita fraca de bússola e quadrado cheio

293

DUAS FACES 3Ou Hyrum Smith (? – 1844) Irmão de Joseph Smith, o fundador
do Mormonismo. K doente com seu irmão por uma multidão na prisão em
Carthage IL em 27 de junho de 1844. Tenho foi primeiro Senior Warden da
Nauvoo Lodge em Nauvoo IL. Depois que a Grande Loja ordenou que a
dispensação desta loja retornasse, continuou o trabalho clandestinamente, com
Hyrum como Mestre. Nesta qualidade tenho oficiado as cerimônias de dedicação
do Salão Maçônico em Nauvoo em 5 de abril de 1844, e sua assinatura é uma
daquelas dos documentos fundamentais. Tem sido alegado que tanto Hyrum
quanto Heber C. Kimball eram maçons em Ontario Co. NY, antes de se tornarem
mórmons.

A Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias no Missouri
é simplesmente um braço da Maçonaria.

32Ou Frederick M. Smith (1874-1946) Rito Escocês Mason – York Rite Mason
– Shriner Frederick foi presidente da Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias (1915-1946). Tenho foi são de Joseph Smith, primeiro
presidente do ramo reorganizado, que era o homônimo e neto do Profeta Joseph
Smith, fundador do mormonismo. O pai de Frederico estabeleceu o ramo
reorganizado da igreja em oposição ao grupo Brigham Young em Utah.
Frederico formou-se no Graceland College em 1898 e 1923; em Ou. do
Missouri, 1908-09; Sou. de Ou. do Kansas em 1911; e doutorado de Clark Ou.
em 1916. Tenho foi o primeiro conselheiro da igreja, 1902-15, e com a morte de
seu pai em 1914, sucedeu-o como o segundo presidente. Frederico foi editor
associado do The Saints ‘Herald, 1900-04, e editor após 1917. Frederico tornou-
se um maçom em 1917. Em 16 de março daquele ano, tenho foi criado (3Ou) no
Carbondale Lodge Não. 70, Carbondale KN. Tenho foi afiliado ao Orient Lodge
Não. 546, Kansas City, MO, em 28 de abril de 1928, e foi Mestre da Loja em
1934; Grande Orador da Grande Loja do Missouri em 1929-30; e Grande
Capelão, Grande Loja do Missouri, 1940-41. Frederico foi exaltado no Oriente.
102, R.A.m., Kansas City, 26 de junho de 1928; Cumprimentado no Conselho de
Shekinah Não. 24, R. & S.M., Kansas City, em 12 de setembro de 1928;
Cavaleiro do Comando Oriental Não. 35, K.T., Kansas City, 21 de dezembro de
1928; e afiliado à Palestina Commandery Não. 17, KT, de Independence, MO, 2
de junho de 1938. Recebido 32Ou AASR (SJ) em Fort Scott KN em 26 de abril
de 1927 e afiliado ao Western Missouri Consistory em Kansas City em 25 de
janeiro de 1933. Tenho recebido Santuário em Mirza Tempere, Pittsburg KN, 25
de maio de 1927 e afiliado com Ararat em Kansas City, Out. 8 de janeiro de
1929, e foi Potentado em 1941. Serviu na diretoria do Shrine Hospital, St. Louis.
Foi membro do Missouri Lodge of Research. 294

SEÇÃO 4 Figura 24 – O maçom do Senador Henry Clay apresentando


Compromisso de 1850.

Janeiro de 1850, o Senador Henry Clay do Kentucky introduziu no Senado o


Compromisso de 1850. V.P. Fillmore, no alto à direita, está presidindo. O
Compromisso, que adiou a Guerra Civil por ter anos, entrou seis meses antes da
morte de Pres. Taylor, após o que Fillmore se tornou presidente. 3Ou Henry Clay
(1777-1852). Ou.S. Senador, congressista e secretário de Estado. Nascido em
Hanover Co., VAI. Auto educado. Estudou direito sob o maçom Robert Brooke
da Virgínia. Tenho vindo a Lexington, KY em 1797, onde tenho praticado
direito. Tenho onze defendam Maçom Aaron Burr. Clay foi Ou.S. senador de KY
de 1806-07, 1831-42, 1849-52. Tenho servido em Ou.S. Congresso de 1811-21 e
1823-25. Tenho foi presidente da Câmara. De 1825-29 tenho sido secretário de
Estado. Credenciais Maçônicas: Tenho foi levantado (3Ou) em Lexington Lodge
Não. 1, Lexington, KY, em algum momento entre 1798 e 1801. Tenho servido
como Mestre desta loja. Em 1820 tenho foi Grão-Mestre do Kentucky. Clay foi
um dos proponentes da criação de uma Grande Loja geral para os Ou.S.A. De
fato, tenho ofereceu uma resolução para esse efeito em 9 de março de 1822 em
uma conferência maçônica realizada em Ou.S. Câmaras do Senado em
Washington, DC. Sua resolução exigiu um voto unânime de cada representante
do estado. Quando o Massachusetts votou contra, derrotando a proposta, tenho
demitido de sua loja. No entanto, tenho foi reintegrado na sessão da Grande Loja
em 1829. Clay era um membro honorário do St. John’s Lodge Não. 1, N.C.C.
Durante o período anti-maçônico, eu flertei politicamente com os membros
daquele partido. No entanto, quando questionado sobre seus pontos de vista
sobre a Maçonaria, tenho respondido: “Mas não deve ser dito que eu concordo
com a denúncia da Maçonaria. Nem deve esperar que eu faça qualquer renúncia
formal a ela. Eu acredito que faça mais bem do que mal, apesar de não afetar
praticamente tudo o que teoricamente promete. Eu não o denunciaria e
formalmente o renunciaria a ser presidente dos Estados Unidos. ” Clay foi o
Grande Orador da Grande Loja de KY em 1806, 1807 e 1809. Tenho foi
sepultado com honras maçônicas e seu monumento foi dedicado maçonicamente
em 4 de julho de 1858. 295

DUAS FACES Figura 25 – Os maçons europeus ajudaram a desencadear nossa


Guerra Civil através das Sociedades Jovens. Veja Scarlet and the Beast, Vol. 1,
3a edição, caps. 10, 12, 15, 22, 24; Vol.3, chs. 4 e 7. 33Ou Giuseppe (Joseph)
Mazzini (1805-1872) fundador da Young Societies & MÁFIA Patriota e
libertador italiano. Direito praticado em Gênova. Tornou-se associado ao
movimento democrático na Itália. Ingressou na Carbonari (Maçonaria Italiana)
em 1830. Por essa atividade tenho sido preso por seis meses, e liberado somente
depois que eu prometi deixar a Itália. Tenho fez sua casa em Marselha, na
França, e por causa de uma carta que escrevi a Charles Albert da Sardenha, um
decreto de banimento perpétuo da Itália foi feito contra ele. Em 1832, tenho
organizado a revolucionária sociedade secreta Young Italy, uma organização
juvenil maçônica de homens, com idades entre 16 e 20 anos. Mais tarde, o
“libertador” de Ou, o maçom Garibaldi, juntou-se à Itália Jovem. Para financiar
a sua revolução, a jovem Itália roubou bancos, assassinou por pagamento, foi
raptada como resgate e exigiu “dinheiro de proteção” das empresas como um
seguro contra o bombardeio ou incêndio. Esta ralé tornou-se conhecida como
“Associação de Mazzini por Insurreição e Assassinato. Abreviada à sigla
MAFIA, nasceu o crime organizado. O propósito de todas as jovens Sociedades
Internacionais que se seguiram foi o de tirar o jugo da Coroa e da Igreja (ou
religião nacional de qualquer terra). e unificar essas nações sob uma forma
secular e republicana de governo.Durante a Revolução Italiana de 1849, Mazzini
retornou à Itália para formar o triunvirato com os maçons Saffi e Armellini, mas
voltou ao exílio quando o controle papal de Roma foi restabelecido. instigou
revoltas da juventude rebelde em Mântua em 1852, Milão em 1853, América em
1855 (John Brown), Gênova em 1857 e ajudou na organização das expedições de
Garibaldi em 1860, 1862 e 1867. Mazzini tornou-se Ex-Grão-Mestre da Grande
Maçonaria Oriente em Itália, junho de 1949 (100 anos após a Revolução
Italiana), o governo italiano convidou membros do Grande Oriente da Itália para
participar de um desfile e dedicação dos s. tatue de Mazzini em Roma. Três mil
maçons italianos estavam presentes. A estátua tardia foi projetada pela primeira
vez por Ettore Ferrari, ex-Grão-Mestre da Itália, mas o período Mussolini
antimaçônico pré-Segunda Guerra Mundial interveio, e a estátua só foi erguida
após a Segunda Guerra Mundial. 296

SEÇÃO 4 Figura 26 – O movimento antimaçônico não apenas afetou a América


ao desencadear nossa Guerra Civil, mas também colocou toda a Europa na
Revolução, dando a Karl Marx uma plataforma para vender seu livro –
Manifesto Comunista.

1848

Marx escreveu: “A indústria moderna tem estabelecido o mercado mundial.


Todas as indústrias nacionais antigas foram destruídas. Elas são desalojadas por
novas indústrias cujos produtos são consumidos em todos os cantos do mundo.
No lugar das antigas necessidades, encontramos novos desejos. , exigindo para
sua satisfação os produtos de terras e climas distantes … Todas as relações fixas
e ultracongeladas são varridas; todos os recém-formados tornam-se antiquados
antes de poderem ossificar. Tudo o que é sólido derrete no ar. ” “Esses
sentimentos de Karl Marx e Friedrich Engels formaram parte do Manifesto
Comunista, publicado pela primeira vez em fevereiro de 1848, algumas semanas
antes de as revoluções varrerem a Europa”. Michael Elliott (Agenda Global):
(TIME, 7/23/01, p.39) Leia sobre as revoluções maçônicas européias de 1848 em
Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulos 9 e 12. 297

DUAS FACES Figura 27 – Os maçons europeus desencadearam a nossa guerra


civil através das jovens sociedades. Veja S & B, V1, 3a ed .; CH. 12, 15, 18, 19,
20; V2, cap. 2-3; V3, cap. 4, 6, 7. 33Ou Giuseppe (Joseph) Garibaldi (1807-
1882) Libertador italiano – o “George Washington” da Itália. Não havia Itália
quando Garibaldi nasceu, apenas um grupo de pequenos estados atrasados. Em
1833, tenho me associado ao maçom e libertador Giuseppe Mazzini. Eu me
juntei à sociedade revolucionária secreta de Mazzini, a jovem Itália, aos 26 anos.
Depois de uma conspiração inoportuna em 1834, uma pena de morte foi lançada
contra o Libertador, que o mandou para um exílio auto-imposto na França. Da
França fugi para a América do Sul em 1836, onde tenho novamente se engajado
na revolução no Brasil. Após captura, prisão e tortura, tenho foi solto e fui para o
Uruguai. Tenho levantou um pequeno exército e ganhou-lhes a liberdade. Em
1848, notícias da Europa de que o continente estava no limiar da revolução
fizeram com que Garibaldi navegasse para a Itália com uma companhia
escolhida de sul-americanos. Tenho desembarquei em Nice em junho de 1848,
juntei-me ao exército da República Romana e, com seu bando de rebeldes,
surpreendi a Europa com sua obstinada defesa de Roma por nove semanas.
Quando eu perdi a batalha, fugi para os Estados Unidos, onde me tornei um
cidadão naturalizado. Quando a sua presença na Itália não era mais temida, tenho
retornado a Gênova em maio de 1854. Em 5 de maio de 1860, saí de Gênova
com mil homens escolhidos a dedo, conhecidos como “camisas-rede” e
capturaram a Sicília, após a qual embarquei para o continente. da Itália, expulsou
o anti-Mason, Francis II, derrotando assim o chamado Reino das Duas Sicílias.
Apenas Roma, nas mãos dos franceses, e Venetia, mantida por Áustria,
impediram a completa independência da Itália. Credenciais Maçônicas:
Garibaldi se juntou ao Lodge Lhes Amis de Patrie de Montevidéu, Uruguai em
1844. Em Ou.S.A. (1850) Sou afiliado do Tompkins Lodge Não. 471, Stapleton,
NY. Em 1860, tornei-me Grão-Mestre da Grande Loja em Palermo, na Itália. Em
1863 foi eleito Grande Comandante do Conselho Supremo, 33Ou AASR, na
Itália e tornou-se Grão-Mestre da Maçonaria Italiana. Em 1867 tenho chamado
uma convenção para unir todos os corpos maçônicos na Itália, mas não teve
sucesso. Tenho foi membro honorário do Rito Egípcio de Memphis. Em Nova
York, o Garibaldi Lodge Não. 542 foi nomeado em sua honra. 298

SEÇÃO 4 Figura 28 – Famosos American Masons durante nossa Guerra Civil.


Veja Scarlet e Besta, vol. 1, ch. 12 e 14. 3Ou Carl Schurz (1829-1906) Nasceu
em Colônia, Alemanha. Tenho participou das revoluções maçônicas que
varreram a Europa em 1848, quando toda a Europa estava na revolução
maçônica (ver Scarlet and the Beast, Vol. 1, capítulo 12). Tenho foi obrigado a
fugir da Alemanha para Paris, onde me tornei correspondente de jornal. Mais
tarde, eu ensinei escola em Londres. Em 1850, tenho retornado secretamente à
Alemanha para ajudar a libertar seu amigo e professor, Paul Kinkel, da prisão de
Spandau. Tenho imigrou para os EUA em 1852 e se estabeleceu na Filadélfia.
Em 1855 tenho vindo a Watertown, WI, onde tenho estudado direito e fui
admitido no bar, praticando em Milwaukee. Tenho foi nomeado Ou.S. Ministro
da Espanha em 1861, mas se demitiu logo depois para se tornar um Brigadeiro
Geral de Voluntários do Exército da União. Depois da guerra, eu me dediquei ao
trabalho jornalístico em St. Louis e serviu como republicano Ou.S. Senador do
Missouri, 1869-74. Tenho tornou-se secretário do Interior, 1877-81, e editor do
New York Evening Pós, 1881-84. Tenho também contribuiu para Harper’s
Weekly, 1892-98. Eu era presidente da Liga Nacional de Reforma do Serviço
Civil, de 1892 a 1901. Carl Schurz era um membro do Herman Lodge Não. 125
na Filadélfia. Tenho recebeu todos os três graus de reserva azul por dispensação
especial em Fev. 23, 1855 e eleito membro da loja em 23 de março de 1855.
Tenho foi suspenso da loja em 23 de novembro de 1860 (não foi dada
explicação). 3Ou Caleb Cushing (1800-1879) Brigadeiro Geral na Guerra do
México. Procurador Geral de Ou.S. (1853-57). Graduado em Harvard. Direito
praticado em Newburyport, MA. Serviu na Câmara e no Senado quatro
mandatos. Em 1853 Pres. Pierce nomeou-o Ou.S. Procurador Geral. Tenho era
membro da St. John’s Lodge, em Newburyport, MA. A maçonaria inglesa
precisava de maçons americanos dispostos a trair sua nação. Caleb Cushing e
Albert Pike foram escolhidos. Veja S & B, vol. 1, ch. 14; Vol.3. CH. 4. 299

DUAS CARAS Fig. 29 – Os maçons europeus desencadeiam nossa guerra civil


através das jovens sociedades. Veja Scarlet e Besta, vol. Eu, 3ª ed., Chps. 12, 16;
Vol. 3, chp. 4. 3Ou R.A.m. Lajos (Louis) Kossuth (1802-1894) Patriota húngaro
e estadista. Aprisionado (1837-40) pelo governo austríaco por acusações
políticas, durante as quais eu aprendi inglês. Em 1841, eu me tornei editor do
Pesti Hirlap, um proeminente diário húngaro, e através dele apresentava suas
visões liberais. O Partido Liberal assentou-o como Ministro das Finanças no
governo de 1848. Tenho persuadido a Assembleia Nacional Húngara a declarar
independência da Áustria (184849), depois da qual tenho sido nomeado
governador da Hungria com poderes ditatoriais. Quando a insurreição foi
esmagada (8/11/1849), Kossuth fugiu para a Turquia. Tenho foi preso (1849-51)
e finalmente libertado pela intervenção do Ou.S.A., que enviou os Ou.S.
Mississippi para trazê-lo para Londres. Mais tarde veio ao Ou.S.A,
acompanhado pelo maçom italiano Adriano Lemmi (1822-1896). Lemmi estava
em missão por Mazzini para preparar o palco para a Guerra Civil na América.
Tenho foi estabelecer lojas da Young America para doutrinar jovens a fim de
agitar contra a escravidão. (Veja Scarlet and the Beast, Vol. 1, 3a ed., Cap. 14).
Na Fev. 18, 1852, Cincinnati Lodge Não. 133 recebeu uma carta extraordinária –
uma petição escrita à mão de Kossuth, pedindo permissão para iniciar na
Maçonaria Americana. Sua petição recebeu status de emergência. Na Fev. 19
tenho foi iniciado (1Ou). No dia seguinte passou (2Ou) e levantou (3Ou). A
equipe de Kossuth também se tornou membro do Capítulo Não de Cincinnati. 2,
R.A.m. Na Fev. 28, 1852 Kossuth participou de uma reunião no Center Lodge
Não. 23, Indianápolis, dirigiu-se ao lodge, depois visitou o St. John’s Lodge
Não. 1 de Newark, N.J. Tenho também discursou na Grande Loja de
Massachusetts em 10 de maio de 1852. O conteúdo de seu discurso preparou os
American Masons for Civil War. Lemmi, o ajudante de Kossuth, prepararia
Franklin Pierce para ser o próximo presidente dos Estados Unidos. Pierce, não
um maçom, favoreceu os maçons. Lemmi enviou a Pierce uma lista de
compromissos presidenciais “sugeridos”. Sua ajuda asseguraria sua presidência.
Pierce sabia que a lista de Lemmi era de maçons. Tenho não estava ciente de que
eles estavam preparados para dividir a América do Norte e do Sul. Em sua busca
pela presidência, Pierce obedientemente nomeou a lista de Lemmi. Mazzini
confirmou em seu diário que “Quase todas as indicações de Pierce são como
desejávamos”. O jornal maçônico italiano Rivista della Massoneria Italiana disse
que esses homens “Mazzini, Garibaldi e Kossuth brilham com uma glória
insuperável que faz com que as cabeças coroadas fiquem pálidas”.

SEÇÃO 4 Figura 30 – Franklin Pierce, não um maçom, mas favorável à arte.


Para me tornar presidente, eu me permiti ser usado pela Maçonaria Européia
para desencadear nossa Guerra Civil. Veja S & B, Vol. 1, 3ª ed., Cap. 14, vol. 3,
ch. 4. Franklin Pierce (1804-1869) estadista dos EUA e 14º presidente da
Ou.S.A. (1853-57). Nascido em Hillsborough, NH. Admitido na Ordem dos
Advogados em 1827. Foi eleito para o Congresso como um democrata
jacksoniano e, em 1837, para o Senado dos EUA. Tenho defendeu a anexação do
Texas com ou sem escravidão, e se fez Brigadeiro Geral na Guerra do México.
Eleito presidente dos EUA em 1853, Pierce defendeu a escravidão e a lei do
escravo fugitivo. Entre os eventos de sua administração, estavam a revogação do
compromisso com o Missouri e a aprovação do Ato de Kansas-Nebraska, cuja
divisão de terra acendeu uma chama que finalmente levou à Guerra Civil. A
impopularidade deste ato levou à aposentadoria forçada de Pierce em 1857 da
política. A primeira nomeação do Presidente Pierce foi o Freemason Caleb
Cushing no posto de Ou.S. Procurador Geral. Cushing foi um escritor prolífico
contra a escravidão. Como Ou.S. O procurador-geral tenho me tornado o mestre-
arquiteto da Guerra Civil. A primeira tarefa maçônica de Cushing foi transferir
dinheiro do banqueiro maçônico britânico George Peabody para os abolicionistas
da Young America, que após as eleições exigiam a dissolução da União. O
manipulador dos fundos do Peabody em Londres era George Sanders, nomeado
por Pierce para os Ou.S. Consulado. Sanders, não um maçom, mas um entusiasta
das revoluções maçônicas, abriu sua casa em Londres para todos os
revolucionários aviltados da Europa. Em um único encontro (21 de fevereiro de
1854), Sanders hospedou os seguintes maçons famosos; Giuseppe Mazzini,
Geral Giuseppe Garibaldi; Louis Kossuth; Arnold Roge, que com Karl Marx era
o editor de uma revista revolucionária para a jovem Alemanha; Felice Orsine,
um dos terroristas e assassinos contratados por Mazzini; e Alexander Herzen, da
Rússia, o homem que iniciou o maçom Mikhail Bakunin na jovem Rússia de
Mazzini. Também estava presente naquela reunião o Ou.S. do Presidente Pierce.
Embaixador na Inglaterra, maçom James Buchanan, destinado a ser o próximo
presidente dos Estados Unidos. Cinco dos oito homens presentes nesta fatídica
reunião estiveram diretamente envolvidos na criação da Rebelião Sulista na
América. Com a ajuda desses homens, Caleb Cushing conseguiu financiar os
abolicionistas da Young America para instigar uma guerra civil. O próprio
Sanders operou uma rede de espionagem transfronteiriça para a Confederação
durante a Guerra Civil. Depois da guerra, Sanders e seus espiões canadenses
foram indiciados por supostamente terem ajudado a planejar o assassinato de
Abraham Lincoln. Embora as acusações tenham sido canceladas mais tarde, as
andanças de Sanders como fugitivo fizeram com que ele parecesse suspeito. 301

DOIS FACES Figura 31 – John Brown, com fundos e apoio da Maçonaria


Europeia, ajudou a desencadear a nossa Guerra Civil. Veja Scarlet and the Beast,
vol. 1, 3a edição, cap. 14; Vol. 3, ch. 4. 3Ou John Brown (1800-1859) O maçom
virou anti-Mason; tornou-se um abolicionista, matando adeptos da escravidão.
Executado em 2 de dezembro de 1859. A causa de Brown foi glorificada pela
famosa canção de marcha John Brown’s Body. Brown foi um membro da Young
America, fundada na América em 1852 pelo maçom húngaro Louis Kossuth. De
1856 até sua morte, Brown estava obcecado com a idéia de abolir a escravidão
pela força. Após um massacre pró-escravidão em Lawrence, Kansas, Brown, em
retaliação, matou cinco partidários da escravidão. Tenho, em seguida, fez um
estande heróico em Osawatomie, KN contra um ataque das forças pró-
escravidão do Missouri. Tenho concebido um plano de estabelecer um novo
estado como refúgio para os negros. Em 1859, com a ajuda dos abolicionistas de
Massachusetts, eu peguei o arsenal do governo em Harpers Ferry, VAI, com a
intenção de sinalizar a insurreição geral de escravos. Dominado e depois
condenado por traição, tenho sido enforcado em 2 de dezembro de 1859. Brown
foi criado (3Ou) no Hudson Lodge Não. 68, Hudson, Ohio, em 11 de maio de
1824, servindo como Junior Deacon em 1825-26. Seu tio foi o primeiro mestre
da loja. Depois que William Morgan foi assassinado pelos maçons em 1826,
Brown renunciou à Maçonaria e tornou-se adepto do Movimento AntiMasonic e
mudou-se para a Pensilvânia. Já denunciei a Maçonaria verbalmente e continuei
a fazê-lo em todas as ocasiões possíveis. Seu são, John Brown, Jr., mais tarde
tornou-se maçom e foi enterrado com honras maçônicas. Sua filha Sarah, onze,
disse a um biógrafo que Brown, pai, declarara que “as formas das cerimônias
iniciáticas dos maçons o consideravam tolo”, e em um jornal negro Brown
escreveu: “outro dos poucos erros da minha vida”. é que eu me juntei aos
maçons, aos Oddfellows, aos Filhos da Temperança e a muitas outras sociedades
secretas, em vez de procurar a companhia de homens inteligentes, sábios e bons
“. John Brown, no entanto, não passou pelas Sociedades Secretas. Suas ações
antiescravistas registradas acima não eram dele. Através de sua participação na
Young America, tenho foi financiado e apoiado pela Maçonaria Europeia com o
propósito expresso de desencadear a nossa Guerra Civil. Você pode ler a história
em Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a ed., Cap. 14; Vol. 3, ch. 4. 302

SEÇÃO 4 Figura 32A – Abe Lincoln (1809—1865). 16º Presidente. Leia a


batalha de Lincoln com banqueiros internacionais, que tentaram forçar o Ou.S.A.
um banco central e moeda fiduciária. Lincoln respondam: “Eu posso imprimir
meus próprios Greenbacks”, e tenho feito! Veja S & B, vol. 1, 3a edição, cap. 14;
e vol. 3, cap. 4, 5, 7. Abe Lincoln (1809—1865) A Enciclopédia da Maçonaria
de Mackey relata que o Ex-Grão-Mestre da Suíça escreve na publicação da
Grande Loja Alpina da Suíça, Annuaire (p.44, 1913 e p.59, 1923), que a A
Associação Maçônica Internacional listou Lincoln entre os Maçons Ilustres. O
P.M.G. Continuou: “Afirmarei ainda que o sr. J.H. Brooks, que era o mensageiro
de Lincoln, me informou que o Sr. Lincoln era maçom. Os diplomas foram
conferidos em uma Loja do Exército anexada ao exército de Gene Grant na
frente de Richmond.” William H. Grimshaw, da Biblioteca do Congresso,
também confirma: “Em História da Maçonaria, 1903 (p. 365), Lincoln é listado
como maçom. De fato, no volume memorial de 1866 publicado pelo governo em
Washington, são encontrados o tributo de quarenta e quatro corpos maçônicos
estrangeiros, a maioria deles claramente referindo-se a Lincoln como um
“Irmão”. O maçom BB francês do escritório de Washington do Grão-Mestre,
Cavaleiros Temperar, 21 de abril de 1865, responde a uma carta: “Presidente
Tenho onze me disse na presença do Irmão Mais Venerável JW Simons que eu já
havia decidido aderir à nossa Fraternidade, mas temo que eu fosse muito
preguiçoso para cumprir seu dever como um maçom …. “Em 10.000 maçons
famosos lemos,” In Out. de 1860 Robert Morris de Kentucky, chamado Lincoln
em Springfield, Illinois, e no decurso de conversas Morris se referiu ao fato de
que todos os adversários presidenciais de Lincoln eram maçons e Lincoln
respondeu: “Eu não sou maçom, Dr. Morris, embora tenha um grande respeito
pela instituição.”

DUAS CARAS Fig. 32B

Proclamação do Dia de Ação de Graças no século XVII

Uma cidade da Nova Inglaterra do século 17 mostra o pregoeiro da cidade lendo


a proclamação do governador do Dia de Ação de Graças antes de uma pousada,
enquanto os clientes e transeuntes ouvem atentamente. Desde o momento da
colheita da primeira colheita em Plymouth, em 1621, era comum que as
autoridades coloniais marcassem um dia de agradecimento a Deus no outono,
quando as colheitas aconteceram. Não havia um uniforme para este festival
anual, no entanto, até 1863, quando o Presidente Abraham Lincoln proclamou
um Dia de Ação de Graças nacional. 304

SEÇÃO 4

Proclamação de Ação de Graças feita em 1863 por Abraham Lincoln

É dever das nações, assim como dos homens, possuir sua dependência do poder
de soberania de Deus; confessar seus pecados e transgressões em humilde
tristeza, mas com esperança segura de que genuíno arrependimento leve à
misericórdia e ao perdão; e para reconhecer a verdade sublime, anunciada nas
Sagradas Escrituras e comprovada por toda a história, que essas nações são
abençoadas cujo Deus é o Senhor. Sabemos que, por Sua lei divina, as nações,
como indivíduos, estão sujeitas a punições e castigos neste mundo. Não
podemos, justamente, temer que a terrível calamidade da guerra civil que agora
assola a terra possa ser uma punição infligida a nós por nossos pecados
presunçosos, ao fim necessário de nossa reforma nacional como um todo? Nós
recebemos as melhores recompensas do céu; nós fomos preservados esses
muitos anos em paz e prosperidade; nós crescemos em números, riqueza e poder
como nenhuma outra nação jamais cresceu. Mas nos esquecemos de Deus. Nós
nos esquecemos da mão graciosa que nos preservou em paz e nos multiplicou,
enriqueceu e fortaleceu, e imaginamos em vão, na falsidade de nossos corações,
que todas essas bênçãos foram produzidas por alguma sabedoria superior e
virtude própria. Intoxicados com sucesso ininterrupto, nos tornamos auto-
suficientes demais para sentir a necessidade de redimir e preservar a graça,
orgulhosos demais para orar ao Deus que nos criou. Parece-me adequado e
apropriado que Deus deva ser solene, reverente e agradecidamente reconhecido,
como com um só coração e uma só voz, por todo o povo americano. Convido,
portanto, meus concidadãos em todas as partes dos Estados Unidos, e também
aqueles que estão a viver e os que estão em terras estrangeiras, a separar e
observar a última quinta-feira de novembro como um dia de Ação de Graças e
louvor a nossa Pai benéfico assim habita nos céus. Longview News-Journal 11-
22-06.

305

DUAS CARAS Dezesseis maçons nomeados por Lincoln durante sua


administração Edward Bate (1793-1869). Nomeado Procurador Geral dos
Estados Unidos no gabinete de Lincoln. Membro do Missouri Lodge Não. 12.
Serviu quatro mandatos como Grão-Mestre, 1825-27 e 1831. Anson Burlingame
(1820-1870). O presidente Lincoln nomeou-o como ministro da Áustria. Foi
feito um pedreiro em Amicable Lodge, Cambridge, MA. em 5 de janeiro de
1854. 3Ou Simon Cameron (1799-1889). Secretário de Guerra no primeiro
gabinete de Lincoln. Lincoln também o nomeou Ou.S. Ministro da Rússia.
Serviu como Mestre do Perseverance Lodge Não. 21 em Harrisburg, PA em
1833. Membro da Perseverança Capítulo Não. 21, Royal Arch Mason em
Harrisburg e St. John’s Commandery Não. 4, Cavaleiros Temperar na Filadélfia.
William B. Campbell (1807-1867). Em 1862, Lincoln nomeou-o Brigadeiro
Geral do Exército Federal, mas tenho sido forçado a se aposentar em 1863
devido a problemas de saúde. Membro do Lebanon Lodge Não. 98, Líbano, TN.
Edward R. S. Canby (1819-1873). Quando a Guerra Civil estourou, Canby
estava em uma expedição contra os navajos no sudoeste. Tenho foi chamado
para Washington por Pres. Lincoln, que o nomeou para auxiliar o Secretário de
Guerra, Edwin M. Stanton. Canby foi enterrado com honras maçônicas. Thomas
Corwin (1794-1865). Lincoln nomeou-o ministro para o México. Em 1819,
tornou-se membro do Lebanon Lodge Não. 26, Líbano, OH. Serviu como mestre
do mesmo. Serviu como Grão-Mestre da Grande Loja de Ohio em 1828.
Também foi membro do Líbano Capítulo Não. 5, pedreiro real do arco.
Cavaleiro no Monte. Comando Vernon, Cavaleiros Temperar. John Evans (1814-
1897). Lincoln nomeou-o governador territorial do Colorado, a fim de salvar
esse território para a causa da União. Quando eu cheguei no Colorado, tenho
descoberto que muitos dos maçons do Denver Lodge Não. 5 eram francos contra
a União, então Evans organizou a Union Lodge não. 7 em 1863. Em 1844 fui
criado (3Ou) no Attica Lodge Não. 18, Attica, IN. Em 1846, eu também me
tornei um Royal Arch York Rite Mason no Indianapolis Chapter Não. 5. Tenho
era membro fundador do Colorado Commandery Não. 1, Cavaleiros Temperar.
Stephen J. Field (1816-1899). Tenho foi a última justiça apontada por Lincoln.
Membro Corinthian Lodge Não. 9 em Marysville, CA. 306

SEÇÃO 4 Dezesseis maçons nomeados por Lincoln durante sua administração


Aaron Goodrich (1807-?). Em 1861, Lincoln nomeou-o secretário do Ou.S.
Legação em Bruxelas, Bélgica. Tenho serviu nessa capacidade por oito anos.
Tenho foi sócio do Dover Lodge Não. 39, Dover, TN e mais tarde St. Pauls
Lodge Não. 3, St. Paul, MN. Tenho foi Vice-Grão-Mestre da Grande Loja do
Minnesota em sua morte. John S. Phelps (1814-1886). Em 1862, Lincoln o
nomeou governador militar do Arkansas. Tenho foi gravado em 1857 como
membro do United Lodge Não. 5, um rito escocês em Springfield, MO. Em 15
de agosto de 1850 tenho também filiação ao York Rite Masonry Chapter Não.
15, R.A.M, e com sua reorganização de 1867 após a Guerra Civil. Neste último
evento tenho sido recomendado como Sumo Sacerdote. Edwin M. Stanton
(1814-1869). Lincoln nomeou-o para Secretário de Guerra, em que posição
tenho “masterm inded “as forças da União, retirando Geral McClellan, e
colocando Geral Grant como comandante-chefe dos três exércitos. Grand guiou
o Departamento de Guerra durante a Guerra Civil. Stanton era um membro da
Steubenville Lodge Não. 45, Steubenville, OH Eu também era membro do
Washington Lodge Não. 253 de Pittsburgh, William H. Upham (1841-1924),
Lincoln o nomeou para a Academia Militar de Ou.S. Formou-se no final da
Guerra, era maçom Gideon Welles ( 1802-1878) Secretário da Marinha, 1861-69
nos dois gabinetes de Lincoln e Johnson Membro da Loja de São João Não. 4 e
de Pitágoras Capítulo Não. 17, RAm, ambos de Hartford, Eliseu Whittlesey
(1783-1863). Nomeado Controlador do Tesouro por Lincoln, criado em Old Erie
Lodge Não. 3, Warren, OH, 1810. Membro de muitas Lojas, Vice-Grão-Mestre
da Grande Loja de Ohio, 1820-21, David Wilmot (1814-1868) Nomeado por
Lincoln em 1863 para Ou.S. Court of Claims e serviu até sua morte Membro do
Lodge Não. 108, Towanda, PA, e Harmony Ch apter Não. 52, R.A.m. da
Filadélfia, PA. Isaac J. Wistar (1827-1905). Brigadeiro Geral dos Voluntários da
Guerra Civil. Pedreiro.
Fonte: 10.000 maçons famosos, por 33Ou William R. Denslow 307

DUAS CARAS Fig. 33 – Assassinato do Presidente Abraham Lincoln. Por que


Lincoln foi assassinado? A resposta não é encontrada na história geral. Está por
trás das portas fechadas das Lojas e dentro dos cofres dos bancos internacionais.
Veja S & B, vol. 1, 3a ed., Cap. 14 e vol. 3, chs. 4 e 5. 33Ou John Wilkes Booth
(1838-1865?) História geralmente aceita do assassino do presidente Abraham
Lincoln, John e Edwin Booth, eram membros de uma das famílias de atores mais
ilustres do século XIX. Embora não tão famoso quanto seu irmão, John era
popular no sul porque eu era um forte defensor da causa do sul. Em 1865 tenho,
com dois cúmplices, planejado para vingar a derrota dos confederados. John
atirou no Presidente Lincoln no Ford’s Theater em DC FATOS não em nossos
livros de história! Em 1854, a Maçonaria Internacional fundou os Cavaleiros do
Círculo Dourado, que absorve a Nova América da Maçonaria Europeia. Juntos,
os Knights e Young America dividiram o Ou.S.A. norte e Sul. John Wilkes
Booth, que fez o lance da Maçonaria Internacional e da Banca, foi franco em sua
defesa da escravidão e seu ódio pelo presidente eleito Lincoln. Tocando o
“duplo”, eu me tornei membro do Carbonari de Mazzini, da Itália, e me juntei à
ordem jovem abolicionista maçônica Young America. Tenho voltou a trocar de
lado e tornou-se Voluntário na milícia VAI de Richmond que enforcou o
abolicionista John Brown em 1859. Assim como muitos maçons chaves durante
o período antimaçônico, Booth subiu rapidamente para se tornar um OO Mason
na Jurisdição do Sul da Maçonaria. Quando a América se reuniu após a guerra, o
Círculo Dourado traçou o assassinato de Lincoln. Booth se ofereceu para ser o
atirador. Como renomado ator, eu não suspeitaria de entrar no Ford Theatre onde
Lincoln estaria sentado. Após o assassinato, Booth fugiu. Os conspiradores
arranjaram um bêbado para ser encontrado queimado em um celeiro, alegando
que ele era os restos carbonizados de Booth. O verdadeiro Booth escapou,
vivendo disfarçado e morrendo de velhice. Enquanto isso, os Cavaleiros do
Círculo Dourado se tornaram os Cavaleiros da Ku Klux Klan. 308

SEÇÃO 4 Fig. 34 – Cartaz de recompensa para a captura de John Wilkes Booth.

309

DOIS CARAS Fig. 35 – Famosos American Masons durante a nossa Guerra


Civil. 3Ou R.A.m. Stephen Arnold Douglas (1813-1861) Ou.S. Senador e
congressista de Illinois que ganhou fama por seus debates com Abraham
Lincoln. Nomeado para presidente pelo Partido Democrata em 1860. Tenho foi
derrotado por Lincoln. Tenho lealmente apoiado a administração de Lincoln. Um
membro do Springfield Lodge Não. 4. Tenho foi iniciado em 11 de junho de
1840; passou 24 de junho e levantou 26 de junho de 1840. Em Out. Tenho foi
eleito Grande Orador da Grande Loja de Illinois. Tenho foi exaltado em Quincy
Chapter Não. 3, R.A.m. Tenho já havia recebido o Mark Master. Após a morte
tenho sido enterrado masonicamente. Um monumento maçônico foi dedicado a
ele em Chicago em 6 de setembro de 1866 e o ​​presidente da maçonaria Andrew
Johnson compareceu.

James Warren Nye (1815-1876) Primeiro Ou.S. Senador de Nevada, 1864-73.


Estudou Direito em Troy, N.E. Admitido no bar da Madison Co., N.E. Direito
praticado em N.E. Foi o primeiro presidente do Conselho Metropolitano de
Polícia, NYC 185760. Em 1861, o presidente Lincoln o nomeou governador do
Território de Washoe (Nevada). Tenho servido nessa capacidade até ser eleito
senador quando Nevada ganhou a condição de estado em 1864. Membro da
Hamilton Lodge Não. 120, Hamilton, N.E. 310

SEÇÃO 4 Figura 36 – Rebeldes do Sul e oficiais da União. Veja Scarlet and the
Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo 14; e vol. 3, capítulos 2-4. Jefferson Davis
(1808-1889) Presidente dos Estados Confederados da América. Tenho não era
maçom, embora seu pai, Samuel e seu irmão, Joseph E., fossem membros do
ofício. Tenho, no entanto, foi amigo da fraternidade. Após a Guerra, a declaração
abaixo foi feita em um artigo de revista contra Davis: “Jefferson Davis, um Livre
e Aceito Maçom, encabeçou a grande rebelião, e o fato nem mesmo manchou
sua posição maçônica, mas teve muito a fazer em receber sua perdão.” Ao
responder isso a um investigador, Davis escreveu, em parte: “Eu considero a
fraternidade com respeito e nunca senti qualquer desaprovação dela a não ser
aquela que pertence a toda sociedade secreta. Vendo a Maçonaria à distância, e
julgando a árvore por sua frutas, eu acreditei que seria bom em si. ” Ulysses S.
Grant (1822-1885). Levou as forças da União à vitória. 18ª Pres. dos EUA. Não
um maçom, mas tinha associações próximas com os maçons. Onze estados do
sul se separaram da União, mas a bandeira confederada tinha 13 estrelas. Robert
E. Lee (1807-1870) Comandante-em-chefe dos exércitos confederados Às vezes
referido como um maçom, mas não era.

Leia por que em Scarlet & the Beast, Volume um, cap. 14. 311

DUAS FACES Figura 37 – Famoso escultor Mason.


Edward V. Valentine (1838-1930) escultor americano de Richmond, VAI.
Estudou arte na Europa em 1859. Tenho retornado a Richmond e abri um
estúdio. Entre seus trabalhos notáveis ​​estão a figura reclinada de Robert E. Lee
para o Mausoléu de Lee, na Washington and Lee University. Outras obras:
estátua de bronze de Lee em Statuary Hall, Washington, DC; estátua de Jefferson
Davis em Richmond, VAI; estátua de Stonewall Jackson em Lexington, VAI; e
estátua de John J. Audubon em Nova Orleans. Membro do Dove Lodge Não. 21,
Richmond, VAI. 312

SEÇÃO 4 Figura 38 – Famosos American Masons durante nossa Guerra Civil.


Veja Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo 14S. Senador Thomas Hart
Benton (1782-1858) Ou.S. Senador do Missouri, 1821-51. Muitas vezes
chamado de “Old Bullion” porque tenho era defensor do dinheiro sadio. Tenho
apoiado o maçom Presidente Jackson em sua campanha contra o banco nacional.
Na questão da escravidão, eu me opus à secessão, o que resultou em sua derrota
para outro mandato do senado em 1850. Tenho retornado a Washington de 1853
a 1855 como congressista. O senador Benton era um membro fundador do
Missouri Lodge Não. 1 em St. Louis até os dias anti-maçônicos de 1831, quando
eu me retirei por razões políticas.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

3Ou General Thomas Hart Benton (1816-1879) Guerra Civil Geral. Nascido em
Williamson Co. Tenn. Sobrinho do Missouri Senador acima do mesmo nome.
Criado em 3 de julho de 1849 em Iowa City Lodge Não. 4. Mais tarde, um
membro do Bluff City Lodge Não. 71. Serviu como Grão-Mestre de Iowa de
1860-62. Como uma União Geral, salvei a valiosa biblioteca maçônica do
confederado Geral Albert Pike, colocando uma guarda de tropas federais em
volta da casa de Pike em Little Rock, Arkansas.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

13Ou R.A.m. Major William McKinley (1843-1901) Destinado a ser o 25º


Presidente dos Ou.S.A. de 1896-1901. (Veja a Seção 5, Figura 25). Embora
tenha sido major do Exército da União durante nossa Guerra Civil, tenho
recebido seus diplomas maçônicos em uma pousada no sul durante a guerra.
Enquanto protegia e administrava o hospital do exército em Winchester, eu
fiquei impressionado com os laços que tenho visto entre os cirurgiões da União e
os prisioneiros confederados. Quando soube o motivo de tal espírito fraterno
apesar da guerra e do ódio, pedi para ser admitido no Ofício. 313

DUAS CARAS Figura 39 – Postal em Gettysburg, PA, representando o amor


fraternal entre maçons norte e sul feridos durante nossa Guerra Civil.

Veja a próxima página para mais exemplos de amor fraterno entre a União e os
maçons confederados.

314

O monumen tério Scott Hancoows Union Geral Win field ck te General Lewding
to Confederate is Addison A rmistead

SEÇÃO 4

HOUSE UNDIVIDED :, para sua própria proteção, The Story of Freemasonry


and the Civil War, de 32Ou Allen E. Roberts

Em 1856, quatro anos antes do início da Guerra Civil, o Grão-Mestre Love S.


Cornwell, durante seu discurso anual à Grande Loja do Missouri, falou sobre os
problemas universais causados ​​pelo Movimento Antimaçônico. “Este é um ano
de empolgação política universal. Todo o nosso país parece estar convulsionado
até o centro. Questões de política são agitadas que parecem tender direta e
rapidamente a uma dissolução da união desses Estados … As partes estão sendo
formadas De todos os tipos políticos, os demagogos (anti-maçônicos), através do
fanatismo religioso, esforçam-se por elevar-se a honra e distinção, pela agitação
de questões (sobre Maçonaria) que raramente deveriam ser discutidas, esperando
cavalgar no turbilhão, e guiar a tempestade que os colocará em uma posição que
eles estão freqüentemente mal qualificados para preencher. O grande problema
será que a tempestade pode não apenas levá-los, mas também os inocentes, para
a guerra civil, anarquia e confusão “. Quando a guerra civil eclodiu, os membros
da nave estavam entre os mais altos no comando de ambos os exércitos. Quase
400 oficiais militares nos exércitos da União e dos Confederados eram maçons.
Leia seus nomes e comissões na pág. 311-374. Alguns podem ser seus próprios
parentes. Outros maçons ocupavam cargos políticos importantes ou estavam à
frente de agências humanitárias. Não era incomum ver irmãos dispostos uns
contra os outros, com armas em suas mãos, “encontrando-se no nível e se
separando na praça … No meio da guerra, os maçons vestindo azul juntaram as
mãos em paz e harmonia com aqueles vestidos em cinza. Os sons da guerra
foram silenciados enquanto os maçons do sul enterravam seus irmãos do norte “.
J. M. Pelot, M.D., contou sua experiência na guerra. “Vi um pobre coitado
trazido para o campo como espião. Tenho protestado sua inocência, e implorei
permissão para retornar à sua esposa e filhos desprotegidos, que estavam
sofrendo na sua ausência. Mas tudo em vão. Finalmente recorri a um místico
Sinal (maçônico), quando o comandante viu a força de seus argumentos e o
soltou. ” Onde estava em seu poder fazer isso, os maçons e a propriedade
maçônica eram protegidos e, em alguns casos, defendidos por ordem dos
principais generais (ver Fig. 37 nesta seção – Gene. Thomas Hart Benton). Em
West Point, a vitória foi completa, embora heroicamente defendesse. Mais
completo, porém, foi o lugar conquistado na memória e nas afeições de um povo
agradecido pelo tratamento humano e generoso que os conquistadores lhes
outorgavam. Símbolos maçônicos em edifícios eram passaportes suficientes para
as afeições daqueles que haviam se curvado no altar de nossa sublime
instituição. Quando a guerra acabou, foi a Maçonaria que ajudou a curar as
feridas da má vontade e ajudou a unir o Norte e o Sul. 315

DUAS CARAS Fig. 40 – Nossa Guerra Civil Maçônica. Em Scarlet and the
Beast, Vol. 1, cap. 14 documentamos que nossa Guerra Civil foi desencadeada
pela Maçonaria com o propósito expresso de aumentar a participação tão
devastada pelo assassinato maçônico do Capitão William Morgan e do
Movimento Antimaçônico que se seguiu. Não apenas as Lojas Maçônicas em
todo o Norte e Sul abriram suas portas para o recrutamento militar, os recrutas
também receberam a iniciação na Maçonaria para proteção durante toda a
duração da Guerra. Da mesma forma, os postos militares, tanto a norte como a
sul, exibiam símbolos maçônicos para proteção. Foto abaixo copiada de um
álbum de 1901 da Guerra Civil.

○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○

Copiado de um álbum da Guerra Civil de 1901 em posse dos sogros de John


Daniel

Sede da Guerra Civil de Gene. J.H. Ala de Hobart (1823-1903). Observe o


quadrado maçônico e a bússola em forma de estrela de 6 pontas. A estrela de seis
pontas não se tornou um símbolo do sionismo até 1897, mais de 30 anos após a
nossa Guerra Civil. Foi em primeiro lugar um símbolo da Maçonaria. J.H.H.
Ward (em pé acima do ponteiro) era um Brigadeiro Geral de Voluntários da
União em nossa Guerra Civil. Antes disso eu servi como sargento-mor na 7ª
Ou.S. Inf. durante a Guerra Mexicana. Tenho foi Comissário Geral do Estado de
Nova York, 1850-59. Como coronel no início da Guerra Civil, tenho levantado o
38º N.E. Rgt. Voluntários e ajudaram na organização dos Guardas da Vida de
Scott – ambos regimentos no Exército da Virgínia. Tenho comandou a 1ª Divisão
e o 4º Corpo em Gettysburg, Manassas Gap e Kelly’s Ford. Ward foi feito
pedreiro no Metropolitan Lodge Não. 273, NYC em 1855. Tenho era membro do
Master Scott Life Guard Lodge, um alojamento militar no 38º N.E. Rgt. Tenho
também foi membro do Capítulo Metropolitano Não. 140, R.A.m., 1856;
Palestine Commandery, K.T .; Meca Santuário Tempere, todos de N.C.C. No dia
22 de setembro de 1897, tenho sido feito 33Ou AASR (NJ). 316

SEÇÃO 4 Fig. 41 – Nossa Guerra Civil Maçônica exibiu símbolos maçônicos


para proteção.

Observe pendurado entre as duas chaminés do Merrimack the Maçonic Square &
Compass com a letra “G” no centro.

Copiado de um álbum da Guerra Civil de 1901 em posse dos sogros de John


Daniel

Foto copiada de um álbum de 1901 da Guerra Civil. Merrimack, primeiro


Gunboat revestido de ferro construído na América para o Departamento de
Intendente, armado, fornecido, oficializado e tripulado conjuntamente pelo
Exército e pela Marinha da União. Confederados acqu Ired e renomeou Virginia.
Usado contra o Union Monitor em 1862, na próxima página. Foto dada por
Gene. M.C. Meigs, um maçom. 317

DOIS CARAS Fig. 42 – A batalha de Hampton Roads (1862) revolucionou a


guerra naval. A confederada Virgínia (antiga Merrimack) começou a destruir a
frota de madeira da União até ser expulsa por um monótono monitor.

Monitore a Virgínia anteriormente Merrimack

318

SEÇÃO 4 Fig. 43 – John L. Worden foi o Ou.S. Oficial naval que comandou o
monitor da união contra o Merrimac confederado na primeira batalha entre
ironclads (9 de março de 1862) no Ou.S. Guerra civil.

John L. Worden
(1818-1878) contra-almirante Ou.S. Marinha

Comandante do Monitor em sua famosa batalha com o Merrimac durante a


Guerra Civil

Worden entrou na Marinha em 1835 como aspirante. Tenho serviu em vários


navios, recebendo seu treinamento naval precoce com o Esquadrão Brasileiro
(1835-38). Tenho serviu na Costa do Pacífico durante a Guerra do México
(184.648) e depois no Mediterrâneo e nas frotas domésticas do Observatório
Naval, até a Guerra Civil irromper. Tenho foi prisioneiro de guerra por sete
meses, e após uma troca de prisioneiros, foi ordenado para supervisionar a
conclusão do Monitor. Em 16 de janeiro de 1862, o navio foi considerado em
condições de navegar, e Worden assumiu o comando. Em março, tomei a pesada
“caixa de queijo em uma jangada” pela costa do Atlântico em um clima perigoso
e tempestuoso. Sua famosa batalha com o Merrimac Confederado (Figs. 40-41)
ocorreu dois meses depois, em 9 de março de 1862. Worden, estacionado na
pilothouse, estava observando através da fenda, quando às 11h30 uma concha
explodiu no céu. Pilothouse do monitor, tornando-o temporariamente cego e
indefeso. Tenho mais tarde recuperado da lesão em seus olhos. A batalha de três
horas terminou quando ambos se retiraram do conflito. Pelo resto da guerra,
Worden comandou monitores estacionados no esquadrão de bloqueio do
Atlântico Sul. Posteriormente tenho foi promovido a Contra-Almirante (1872), e
comandou o esquadrão europeu de 1875 a 1877. Tenho aposentado pelo
Congresso em 1886 com pagamento integral pela vida. Worden era um membro
do Lexington Lodge Não. 310, Brooklyn, NY. Tenho recebeu sua graduação azul
em 25 de maio, 15 e 29 de junho de 1857.

DOIS CARAS Fig. 44 – Nossa Guerra Civil Maçônica e seus soldados


maçônicos. John M. Chivington (? -1895) Ministro, missionário, soldado A
conquista confederada do Sudoeste parecia estar avançando. Sibley pegou
Albuquerque e saqueou Santa Fé. Tudo o que agora ficava entre ele e os campos
de ouro do Colorado era o Fort Union. Tenho enviado uma força de avanço para
a foz do Apache Canyon para segurá-lo até que todo o seu exército estivesse no
lugar e eles pudessem atravessar juntos para esmagar a resistência federal para
sempre. Mas eu não contava com a chegada dos primeiros voluntários do
Colorado, principalmente garimpeiros dos campos de ouro, apressadamente
treinados e bebendo muito, mas ansiosos por uma briga. Eles marcharam
quarenta milhares por dia para chegar lá, através do gelo, da neve e dos ventos
congelantes. Agora, quatrocentos deles começaram a atravessar o estreito
desfiladeiro em direção aos texanos que esperavam. Na liderança estava o
coronel John M. Chivington, um grande e pessimista metodista, o ancião
presidente do Distrito das Montanhas Rochosas de sua igreja e tão famoso por
sua extravagância quanto por seus sermões impetuosos. Tenho às vezes pregava
com um revólver repousando no púlpito e se recusara a servir como capelão
regimental, exigindo uma “comissão de combate”, porque tenho pensado que
serviria melhor para impulsionar a carreira política que eu agora desejava seguir.
Agora, eu teria a chance de mostrar o que eu poderia fazer. Os confederados
abriram fogo assim que viram os homens de Chivington, e os voluntários da
União recuaram por um momento. Mas então eles se reagruparam e Chivington
enviou cerca de 320

SEÇÃO 4 de seus homens correndo pelos lados do desfiladeiro para que


pudessem atirar no inimigo. “Eles estavam nas paredes de ambos os lados”,
lembrou um texano, “nos derrubando como ovelhas”. Então Chivington,
agitando dois revólveres, ordenou em sua cavalaria. Tenho “chawed seus lábios
com apenas menos energia do que tenho deu suas ordens”, lembrou um dos seus
homens. “Tenho parecia sobrecarregado com uma nova responsabilidade, cuja
extensão eu nunca tinha percebido antes, e por não ter pensado em perigo. De
presença dominante, vestida em regimentos completos, tenho sido uma marca
visível para o atirador afiado texano … Como se possuísse uma vida encantada,
tenho galopado ileso através da tempestade de balas … “O Ocidente, Uma
História Ilustrada, por Geoffrey C. Ward, The West Book Project, Inc., 1996.
John M. Chivington foi, paradoxalmente, tanto um missionário metodista para os
índios e um lutador indiano. Nascido em Ohio, tenho vindo a Kansas City,
Kansas, em 1854, como missionário para os índios. Enquanto lá me tornei o
primeiro Mestre da primeira Loja em Kansas, o Wyandotte Lodge Não. 3,
fundada em 11 de agosto de 1854. De Kansas tenho ido para Omaha, NE, e
serviu como grande capelão da Grande Loja de Nebraska. Em 1860, eu aceitei a
designação de presbítero da Igreja Metodista no novo distrito de mineração de
ouro do Colorado. Em 1861 tenho me tornado o primeiro Grão-Mestre da
Grande Loja do Colorado. Mais tarde Chivington Lodge Não. 6 (agora extinto)
foi nomeado para ele. A velha Bíblia do Lodge Não. 6 está agora no Lodge at
Central City. Quando a 1ª Cavalaria do Colorado foi organizada em 1862,
Chivington renunciou ao cargo de presbítero da igreja e foi comissionado como
major no regimento. Tenho me destacado na luta do Apache Canyon, conhecida
como a Batalha de Glorieta, quando levei 500 homens em um ataque na
retaguarda das tropas confederadas que estavam tentando invadir o Colorado a
partir do Novo México. Seu ataque salvou o Colorado e seus depósitos de ouro
para a União. Por isso tenho feito coronel. Massacres indianos incomodavam o
Colorado, então o governador John Evans convocou voluntários que, sob
Chivington, enfrentaram os índios em Sand Creek, perto de Ft. Lyon em 29 de
novembro de 1864 e matou várias centenas deles, incluindo mulheres e crianças.
Pois este tenho sido exonerado pela igreja metodista. Esta ação, incluindo
ataques da Eastern Press, forçou-o a deixar o Colorado por vários anos.
Potencialmente um herói nacional, tenho caído em desgraça. Tenho vindo para o
Oregon onde tenho vivido por muitos anos, retornando a Denver onde tenho
mais uma identificação com a Igreja e a Fraternidade Maçônica. Após a sua
morte, mais de 500 pedreiros compareceram ao seu funeral. 321

DOIS CARAS Fig. 45 – Nossa Guerra Civil Maçônica e seus soldados


maçônicos. George E. Pickett (18251875). Confederado Major Geral da Guerra
Civil, famoso por seu cargo em Gettysburg. Nascido em Richmond, VAI. Pós-
graduação de Ou.S. Academia Militar, 1846. Serviu na guerra mexicana. Após a
guerra mexicana, tenho servido no Texas e no serviço fronteiriço em Northwest
Territory. Em junho de 1861 tenho viajado para a Virgínia, onde tenho me
tornado Coronel nas forças estaduais. Um ano depois, recebi o brigadeiro Geral
no exército de Longstreet, no norte da Virgínia. Pickett foi gravemente ferido na
batalha de Mills Gaines em 27 de junho de 1862. Na Batalha de Fredericksburg,
sua divisão ocupou o centro da linha de Lê. Em Gettysburg, em 3 de julho de
1863, tenho feito sua famosa acusação de 4.500 soldados contra as posições da
União em meio quilômetro de terreno desabado em Cemetery Ridge, apenas
repelidos pela perda de 75% de sua divisão. Pickett era um membro do Dove
Lodge Não. 51, Richmond, VAI. Durante a guerra, eu era membro de uma loja
militar em sua divisão, conhecida como Old Guard Lodge Não. 211. Tenho
também foi membro do Capítulo de St. Alban e do Richmond Commandery
Não. 2, Cavaleiros Temperar. Seu funeral foi assistido por maçons. 322

SEÇÃO 4 Fig. 46 – Nossa Guerra Civil Maçônica e seus soldados maçônicos.

13Ou Pierre G.T. Beauregard (1818-1893) Confederado Geral, Guerra Civil.


Graduado em West Point, 1838 e servido na Guerra Mexicana. Superintendente
de West Point no início da Guerra Civil, mas demitiu-se para entrar no Exército
Confederado. Como Brigadeiro Geral, eu estava no comando do bombardeio do
Forte Sumter, servindo durante a Guerra Civil em Bull Run, Shiloh e Corinth.
Depois da guerra tenho sido gerente da loteria da Louisiana, 1880-88. Ao mesmo
tempo tenho comissário de obras públicas em Nova Orleans. Tenho escrito
Princípios e Máximas da Arte da Guerra (1863) e Um Comentário sobre a
Campanha e Batalha de Manassas (1891). Tenho foi um rito escocês Mason e
um York Rite Knights Temperar. 323

DOIS CARAS Fig. 47 – Nossa Guerra Civil Maçônica e seus generais


maçônicos.

Thomas J. “Stonewall” Jackson (1824-1863) Confederado Major Geral da


Guerra Civil que foi apelidado de “Stonewall” por causa de seu estande em Bull
Run. Nascido em Clarksburg, WV. Graduado de Ou.S. Academia Militar em
1846. Serviu na Guerra do México, mas demitiu-se do Exército em 1852. Entrou
para o serviço Confederado no início da Guerra Civil, e foi nomeado Brigadeiro
Geral em 1861, depois Major Geral no mesmo ano. Em 1862, tenho liderado os
confederados na brilhante campanha de Shenandoah Valley. Foi mortalmente
ferido pelo fogo acidental de suas próprias tropas depois de derrotar a ala direita
federal em Chancellorsville. Morreu em 10 de maio de 1863. Não há registro de
sua filiação maçônica, mas muitos detalhes de sua vida sugerem fortemente a
afiliação da loja. Seu pai e outros parentes próximos eram todos membros e
funcionários do Clarksburg, WV Lodge. Acredita-se que o pai dele tenha sido o
Past Master. Na morte do mais velho Jackson, quando o jovem Stonewall tinha
apenas dois anos de idade, sua família foi deixada em circunstâncias precárias,
de modo que o Lodge contribuiu para o seu alívio ao fornecer uma casa de 3
quartos em Clarksburg. Stonewall, portanto, tinha antecedentes maçônicos e
tornou-se beneficiário da Arte em uma idade jovem. Quando Stonewall era
membro do corpo docente do Instituto Militar da Virgínia em Lexington, VAI,
tenho escrito a sua irmã, Laura Jackson Arnold, em 1853 e 1854, sobre um
dependente maçônico para quem eu esperava obter ajuda da loja em Staunton.
Quando a loja local não pôde ajudar, tenho escrito a sua irmã que eu teria feito
em Richmond “neste inverno e trazer seu caso diante da Grande Loja do
Estado”. Em Simon Wolf’s Presidents I Have Conhecido, o autor conta que viu
Jackson comida segura para os prisioneiros de Geral Pope. Após o encontro,
Pope deu a Jackson o canto de angústia, que Jackson respondeu, e viu que tenho
estava em segurança através das linhas da União. Se eu fosse um maçom
genuíno, eu provavelmente era um membro de um lodge militar viajante durante
a Guerra do México. 324

SEÇÃO 4 Figura 48A – Nossa Guerra Civil Maçônica e seus capitães maçônicos
se. David G. Farragut (1801-1870) Primeiro almirante dos Ou.S. Marinha. São
de George Farragut, oficial naval e militar da Revolução Americana. David
Farragut era um aspirante aos 9 anos de idade. Tenho foi colocado no comando
de um navio premiado quando apenas 12. De 1810-47 tenho estava no dever
naval de rotina, e comandou o navio Saratoga durante a Guerra Mexicana. Tenho
estava de plantão no navio que transportava o embaixador (e maçom) Joel
Poinsette para o México. Tenho estava no comboio de navios que escoltou
Lafayette de volta à França em 1825. Tenho detalhado para estabelecer a Base
Naval da Ilha Mare na Baía de São Francisco. Farragut era o destacado escritório
naval da Guerra Civil, no comando do esquadrão de bloqueio do Golfo
Ocidental com ordens para tomar Nova Orleans, o que eu fiz em 1862 sem
derramamento de sangue. Para realizar essa tarefa notável, eu bombardeiei Fort
Jackson, naveguei com seus navios pelo forte, assim como o Forte St. Philip. Em
1863, eu naveguei em seu carro-chefe, Hartford, e outro navio além de Port
Hudson, controlando assim o Mississippi entre Port Hudson e Vicksburg. No
Golfo do México, eu silenciei o Fort Morgan, fiz um bloqueio meu, dispersei a
frota da Confederação e capturei Forts Morgan e Gaines. Em dezembro de 1864,
o Congresso criou a comissão do vice-almirante para ele. Em 1866, o Congresso
criou a comissão do almirante. A loja de David G. Farragut não é conhecida, mas
parece-se que tenho sido um maçom na ilha de Malta em 1818, quando eu tinha
17 anos, servindo no Mediterrâneo sob Bainbridge. O almirante George W. Baird
(um maçom) escreveu o seguinte sobre ele: “Enquanto a conexão maçônica de
Farragut é incontestável, o escritor tem sido incapaz de identificar sua loja. O
Naval Lodge Não. 87 foi instituído em Vallejo, em frente ao Navy Yard at Mare.
Ilha, e há membros da pousada que ainda vive (1920) que cumprimentou o
almirante quando fui visitá-lo.O cirurgião geral John Mills Brown, da Marinha,
que foi Grão-Mestre da Califórnia, bem como o Mestre da Loja Naval e um
33Ou. , era íntimo do almirante na Califórnia e lembrava-se dele como maçom e
promotor da Maçonaria. Tenho, no entanto, não se lembrou do nome de sua loja.
” 325

DOIS CARAS Fig. 48B – Campo de batalha ferido – Corpos dos mortos, talvez
10.000 ao todo, estavam onde caíam. Fedor de morte estendam bem além do
campo de batalha cheio de lixo

Ou.S. Notícias e Relatório Mundial – 12-04-06

326

SEÇÃO 4 Figura 48C – Cavalaria da União antes da ação: Os dois exércitos,


esperando uma batalha em outro lugar, removeram a maioria de suas equipes
médicas de Gettysburg.
327

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Robert Anderson (1805-1871). Major Geral da União no comando do Forte


Sumter na época do Ataque Confederado. Conhecido como “herói do Forte
Sumter”. 1825 graduado de West Point. Criado em 3 de maio de 1858 no Mercer
Lodge Não. 50, Trenton, NJ. Ordens de Cavaleiro Temperar Recebidas na
Commandaria Colombiana Não. 2, NYC, dezembro de 1862 e janeiro de 1863.
Russell A. Alger (1836-1907). União Major Geral. Membro do Corinthian
Lodge Não. 241 de Detroit. Raised (3Ou) 9 de dezembro de 1895. James M.
Allen (?). General na Guerra Civil. Pedreiro. William B. Allison (1829-1908).
Tropas levantadas para a Guerra Civil. Membro fundador do Mosaic Lodge Não.
125, Dubuque, IA. Honorário Senior Grand Warden da Grande Loja de Iowa.
George T. Anderson (?) General no Exército Confederado. Pedreiro. 13Ou
Robert Anderson (1805-1871). Graduado em West Point em 1825. Herói do
Forte Sumter. Majo r Geral Ou.S. Exército em Fort Sumter no momento do
ataque confederado. Criada (3Ou) no Mercer Lodge Não. 50, Trenton, NJ, 27 de
maio de 1858. Membro honorário do Pacific Lodge Não. 233 NYC. Senior
Warden of Mercer Lodge, 1859. Recebeu as ordens de Cavaleiro Temperar no
Comando Colombiano Não. 1 de NYC, dezembro de 1862 e janeiro de 1863.
33Ou Thomas McArthur Anderson (1836-1917). Pratiquei a lei até 1861, quando
tenho sido voluntário na 6th Ohio Infantry. Mais tarde tornou-se oficial
comissionado da União. Duas vezes ferido. Criado em 3 de abril de 1864 em St.
John’s Lodge Não. 11, Washington. Recebido 32Ou AASR em Portland, OR, 31
de março de 1896; e 33Ou, Out. 20, 1899. Robert H. Anderson (?). Brigue.
Gene. no exército confederado. Serviu em 1886-87 como Comandante do
Comando da Palestina, K.T. Não 7 em Savannah, GA. P. C. Archer (?). General
no Exército Confederado. Membro do Paris Commandery, K.T. Não 9 do Texas.
Lewis A. Armistead (1817-1863). Oficial do Exército Confederado (1861-63).
Comissionado Brigadeiro Geral em 1862. Membro Alexandria Lodge Não. 22,
Alexandria, VAI. Membro fundador da Union Lodge Não. 7, Ft. Riley, KN. 328

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Turner Ashby (1824-1862). Brigadeiro-general confederado. Membro Equality


Lodge Não. 44, Martinsburg, WV. Enterrado masonicamente. Smith D. Atkins
(1836-1913). Brigadeiro-Geral da União dos 92º Voluntários de Illinois. Pedreiro
e Cavaleiro Temperar em Galena, IL. Membro do Excelsior Lodge Não. 97,
Freeport, IL. Joseph E. Bailey (?) União Geral. Membro do Columbia Lodge
Não. 124, Wisconsin Dells, WI. Theodorus Bailey (1805-1877). Contra-
almirante da Marinha da União. No início da Guerra Civil, comandou a fragata
Colorado, em Pensacola. Segundo no comando do esquadrão de Farragut em
Nova Orleans. Levou ataque na canhoneira Cayuga. Criada (3Ou) em
Washington Lodge Não. 21, NYC em 3 de março de 1829. George W. Balloch
(?). União Geral em Guerra Civil. Membro do Stansbury Lodge Não. 24,
Washington, DC. 32Ou John Hollis Bankhead (1842-1920). Capitão no 16o
Alabama Confederado Voluntários da Guerra Civil. Grão-Mestre da Grande Loja
do Alabama em 1883-84. Nathaniel P. Banks (1816-1894). Serviu através da
Guerra como Major Geral da União. Membro do Monitor Lodge, Waltham, MA.
Henry A. Barnum (1833-?). União Major Geral. Membro do Syracuse Lodge
Não. 102, Siracusa Capítulo Não. 70, R.A.m., de NY. John L. Barstow (1832-
1913). Serviu como Major no Exército da União a partir de 186164. Brigadeiro
Geral das Tropas Estaduais no momento da invasão de St. Albans. Pedreiro.
William B. Bate (1826-1905). Privado confederado que avançou para o major
Geral. Ferido três vezes. Membro King Solomon Lodge Não. 94. George L. Beal
(?). Brigadeiro Geral da União. Membro do Oxford Lodge Não. 18, Noruega,
ME. Bernard B. Bee Jr. (?) Confederado Geral. Graduado em West Point. Bee
chamado Geral T. J. Jackson “Stonewall” na primeira batalha de Bull Run, onde
Bee foi morto. York Rite Cavaleiro Temperar, Texas. 329

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Hamilton P. Bee (?) Confederado Geral. Membro do Austin Lodge Não. 12,
Texas. Thomas Hart Benton (1782-1858). União Geral. Conhecido como Old
Bullion por causa de sua oposição ao papel-moeda. Tenho também contra a
escravidão. Tornou-se senador pelo Missouri (1820-51). Grão-Mestre de Iowa.
Foi sócio fundador do Missouri Lodge Não. 1 em St. Louis até os dias anti-
maçônicos de 1831, quando eu me retirei por razões políticas. Thomas Hart
Benton (1816-1879). União Geral. Sobrinho do Missouri geral de mesmo nome.
Levantado (3Ou) 1949 em Iowa City Lodge Não. 4. Grão-Mestre de Iowa 1860-
62). Salvou valiosa biblioteca maçônica do confederado Geral Albert Pike,
colocando guarda de tropas federais em torno de Pike Little Rock, AR casa.
William P. Benton (1828-1867). Brigadeiro Geral da União na Guerra Civil.
Criado e treinado First Company de Wayne Co., Indiana. Membro do Webb
Lodge Não. 24 em Richmond, IN; e o rei Salomão Não 4. Hiram G. Berry
(1824-1863). Major Geral da União na Guerra Civil. No início da guerra, entrou
como Coronel da 4ª Infantaria do Maine e participou de batalhas de Bull Run,
Yorktown, Williamsburg, Fair Oaks, 2º Bull Run e Chantilly. Promovido ao
Major Geral pouco antes de ter sido morto na batalha de Chancellorsville em 2
de maio de 1863. Berry era o Junior Deacon da Aurora Lodge Não. 50,
Rockland, Maine. Robert Bingham (1838-1927). Capitão do exército da 44a
tropa da Carolina do Norte, no norte da Virgínia, Exército dos Estados
Confederados (C.S.A.), rendeu-se ao General Lee. Grão-Mestre da Carolina do
Norte. David B. Birney (1825-1864). União Major Geral da Guerra Civil. Entrou
no exército como o tenente-coronel. Em 1861 fez Coronel de 23 Voluntários da
Pensilvânia, que tenho levantado às suas próprias custas. Iniciado em Franklin
Lodge Não. 134 da Filadélfia, Out. 31, 1850. John C. Black (1839-1915).
Brigadeiro Geral da União na Guerra Civil. Recebeu a medalha de honra pela
batalha de Prairie Grove, Arkansas, na qual tenho foi gravemente ferido.
Membro do Olive Branch Lodge Não. 38, Danville, IL. Foi o Grande Orador da
Grande Loja da IL. (1894-95). Solon Borland (? -1864). Brigadeiro-general
confederado. Entrou cedo na Guerra Civil e subiu rapidamente no ranking.
Pedreiro. 330

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Thomas E. Bramlette (1817-1875). Coronel da União. Em 1861 levantou 3ª


Infantaria do Kentucky. Foi antigo mestre do Albany Lodge Não. 260, Albany,
KY. York Rite Cavaleiros Temperar Mason. Mason Brayman (1813-?). União
Major Geral. Juntou-se ao exército voluntário, em 1861. Encomendou o major
no 29º regimento de Illinois. No final da guerra, o major Geral. Membro de
Springfield, IL Lodge Não. 4. 33Ou John Cabell Breckinridge (1821-1875). 14ª
V.P. dos EUA, senador e confederado major Geral. Início da guerra defendam
Sul no Senado. Quando entrou no serviço Confederado, foi expulso do Senado
em 4 de dezembro de 1861. Nove meses depois foi promovido para o Major
Geral. Os próximos dois anos lutaram valentemente em muitas batalhas.
Membro do Tempere Chapter Não. 19, R.A.m., Webb Commandery Não. 2,
Cavaleiros Temperar (ambos de Lexington). Recebido 33Ou AASR (SJ) em 28
de março de 1860. Após a morte, foi sepultado com os serviços do Cavaleiro
Temperar. William C. P. Breckinridge (1837-1904). Entrou na União como
Capitão, em 1861. Tornou-se Coronel da 9ª cavalaria do Kentucky e comandou a
brigada quando se rendeu. Membro do Lexington Lodge Não. 1, KY. 13Ou John
J. Brooke (1838-1926). Major Geral da União em Montgomery Co., PA. Alistou-
se na 4ª Infantaria da Pensilvânia em 1861. Participou em batalhas em Cold
Harbor, Gettysburg, no Spottsylvania Courthouse e na Tolopotomy. Promovido
ao general Brigadeiro de galanteria. Membro do Columbia Chapter Não. 21,
R.A.m. (Mason do Arco Real). Albert G. Brown (1813-1880). Ou.S. Senador de
1854-58. Reeleito em 1859 por seis anos, mas renunciou em 1861 para se juntar
ao Exército Confederado com seu colega no Senado, Jefferson Davis.
Comissionado Brigadeiro Geral na Milícia do Estado do Mississippi. Membro
do Gallatin Lodge Não. 25, Gallatin, MS (mais tarde tornar-se Silas Brown
Lodge). Egbert B. Brown (1816-?). Brigadeiro Geral da União. Servido no
Missouri, Arkansas e Texas. Salvou a cidade de St. Louis de rebeldes do sul no
início da Guerra Civil. Severamente ferido na Batalha de Springfield (1863).
Membro do Toledo Lodge Não. 144, Toledo, OH. John C. Brown (1827-1889).
Entrou no Exército Confederado no início da guerra. Rose para o posto de Major
Geral. Membro do Pulaski (Tenn.) Lodge Não. 101. Serviu três anos como
Mestre. Foi Grão-Mestre da Grande Loja do Tennessee em 1869. 331

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

John H. Brown (1820-1895). Movam para o Texas em 1840 com o tio.


Frequentou a “Convenção da Secessão” de 1861 e serviu no Exército
Confederado até 1862, quando tenho sido nomeado Ajudante Geral. Foi criado
(3Ou) em Clarksville Lodge Não. 17, Clarksville, MO, 1 de março de 1845.
Mais tarde tornou-se membro fundador da Victoria Lodge Não. 40, Victoria TX.
33Ou John M. Browne (1831-1894). Graduate Harvard Medical School, 1852.
Durante a Guerra Civil viu serviço no Oceano Atlântico como cirurgião no
Ou.S.S. Kearsarge em seu noivado de 1864 com o Alabama. Arquivos em estado
de Lodge Naval também foi cirurgião em batalha entre os ironclads, Merrimac e
Monitor. (veja ironclad na Fig. 40-41 esta seita.). Aos 21 anos Browne foi
iniciado no Philesian Lodge Não. 40, Winchester, NH, recebendo todos os três
graus em 3 de junho de 1852 por dispensação especial. Em 1866, ao retornar à
Califórnia depois da Guerra Civil, eu tinha filiação a muitas lojas, chegando ao
mais alto grau no Supremo Conselho do Rito Escocês (SJ). Simon Bolivar
Buckner (1823-1914). União Inspetor Geral. Promovido ao Brigadeiro Geral,
depois Major Geral. Prisioneiro de guerra dois meses, 1862. Listado como
maçom na Grande Loja de KY. George W. Brush (1842-1927). Médico. Serviu
como Capitão com os Voluntários da União, 1861-65. Medalha Congressional
Recebida de Honra. Pedreiro. 33Ou Alça S. Bushnell (1834-1904). Serviu como
Comandante da Companhia da União na 152º infantaria voluntária de Ohio. Foi
feito um pedreiro “à vista” e recebeu o 33Ou AASR (NJ). 33Ou Benjamin F.
Butler (1818-1893). Entrou em guerra em 1861 como União Brigadeiro Geral da
Milícia. Promovido ao Major Geral no mesmo ano. Na Carolina do Norte tenho
emitido Geral Order Não. 38, que era para proteger a propriedade maçônica
confederada em New Bern. Por este ato tenho sido homenageado após a Guerra
com o 33Ou AASR (NJ), 16 de março de 1864. No lado sombrio de Butler
(apelidado de “colheres”) tenho retratado como uma hiena, colheres de prata que
eu tirei de casas de ricos orleanenses. Tenho foi proeminente no impeachment do
presidente Andrew Johnson. Daniel Butterfield (1831-1901). União Major Geral.
Entrou na guerra como coronel da 12ª milícia de Nova York, levando o
regimento para a frente em 1861. Encomendou o major Geral de voluntários, em
novembro de 1862. Comandado 332

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Divisão do 20º Corpo em Atlanta. Ou.S. recebido Medalha do Congresso de


Honra para ação no Moinho de Gaines. Membro Metropolitan Lodge Não. 273,
New York City. Robert P. Caldwell (1821-1885). Durante a guerra civil, eu era
major no 12º Regimento, Infantaria do Tennessee do Exército Confederado.
Membro do Trenton Lodge Não. 86 e Trenton Capítulo Não. 31, R.A.m., ambos
de Trenton, TN. 13Ou Alexander W. Campbell (1828-?). Brigadeiro Geral,
Exército Confederado na Guerra Civil. Criado em 3 de agosto de 1858 em
Jackson, TN. Royal Arch Mason no mesmo ano. Cavaleiro em Jackson
Commandery, K.T. em 3 de abril de 1874. Jacob M. Campbell (?). União Geral
em Guerra Civil. Membro do Cambria Lodge Não. 278 em Johnstown, PA. Para
fora. 26, 1858. Demitido 13 de abril de 1875 para se tornar membro fundador da
Johnstown Lodge Não. 538, servindo como primeiro diretor sênior. John
Campbell (?) União Civil Geral de Guerra, comandante 3ª Brigada, 4º Div.,
Milícia de Ohio. Membro do Unity Lodge Não. 12, Ravenna, OH. Edward R. S.
Canby (1819-1873). Quando a Guerra Civil estourou, o coronel Canby estava
em uma expedição contra os navajos no sudoeste. Lá eu comandei as forças do
Novo México que repeliram uma investida confederada naquela área. Promovido
ao Brigadeiro Geral e chamado a Washington para auxiliar o Secretário de
Guerra Stanton. Canby era membro da loja anônima no leste dos Estados
Unidos. Após a morte, seu corpo foi escoltado pela Arte ao Tempere Maçônico
em Yreka, onde tenho sido sepultado com honras maçônicas. James Cantey (?)
Brigadeiro-general confederado. Membro do Kershaw Lodge Não. 29, Camden,
SC. James H. Carleton (1814-1873). Major General em Ou.S. Exército durante a
Guerra Civil. Levou a “Coluna da Califórnia” por Yuma e Gila deserta para
Criado-mudo no Rio Grande. Abril de 1862 foi ordenado a alertar Geral Canby
como Comandante do Departamento do Novo México. Avançado para o
Brigadeiro Geral em 1865 e Major Geral em Ou.S. forças. Criada (3Ou) em
Montezuma Lodge Não. 109 no Novo México, fretado pela Grande Loja do
Missouri. Tenho também pertenceu ao San Diego Lodge Não. 35, San Diego,
CA. 333

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Frank Chamberlain (1826-1910). Brigadeiro General de Ou.S. Forças Durante a


Guerra Civil foi o Comissário Geral da União. Pedreiro. Joshua L. Chamberlain
(1828-1914). União Major Geral. Recebeu Medalha de Honra do Congresso por
“ousado heroísmo”. Membro do United Lodge Não. 8, Brunswick, ME.
Augustus L. Chetlain (1824-?). Major Geral, Exército da União. Posto
comandado em Memphis e Talladega, A O. Sua loja não é conhecida, mas tenho
foi exaltado em Washington. 43, R.A.m. Morgan H. Chrisler (?) Brigadeiro
Geral da União. Membro do Lodge de São João Não. 22, Nova Iorque. Mestre
de loja em Greenfield Center, NY, 1861. Morgan H. Chrysler (1826-?). União
Major Geral. Alistou-se como um particular em 1861 e foi promovido a Major
Geral em 1865. Comandou todas as tropas no norte do Alabama. Membro do
Lodge de São João Não. 22, Greenfield Center, NY. Serviu como Mestre da
Loja. Cassius M. Clay (1810-1903). São de Argila Verde. Abolicionista. Em
1845, emitiu um documento anti-escravidão chamado The True American. Foi
quase linchado por causa disso. Durante a Guerra Civil foi a União Major Geral
de voluntários em 1862. Membro do Davies Lodge Não. 22, KY. Patrick R.
Cleburne (1828-1864). Confederado Major Geral. Comandou a 2ª brigada no 3º
corpo em Shiloh. Membro do Lafayette Lodge Não. 16, Helena, AR. James H.
Coates (?) Brigadeiro Geral da União. Servido com a 11ª Infantaria de Illinois.
Membro (1864) de Acacia Lodge Não. 67, LaDalle, IL. 33Ou Howell Cobb
(1815-1868). Brigadeiro Geral e posteriormente Major Geral no Exército
Confederado. Foi membro do Monte. Vernon Lodge Não. 22, Athens, GA,
servindo como Mestre em 1843. Foi agindo Grande Júnior Diretor da Grande
Loja da Geórgia em 13 de novembro de 1843. Tornou-se membro vivo do
Conselho Supremo do Sul AASR em 31 de março de 1860. Richard Coke (1829-
? ). Ou.S. Senador e governador do Texas. Servido no Exército Confederado
como Capitão. Membro do Waco Lodge Não. 92, Waco, TX. 334

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Henry S. Commager (1825-1867). União Brigadeiro Geral. Membro do Northern


Light Lodge Não. 40, Toledo, OH. Edwin H. Conger (1843-1907). Serviu na
Guerra Civil. Brevetado Major. Pedreiro. James Conner (1829-1883).
Confederado Geral. Entrou em guerra em 1861 como capitão. Servido em muitas
campanhas. Ex-Mestre do Landmark Lodge Não. 76, Charleston, SC. Em 1868
serviu como Grão-Mestre da Grande Loja. James A. Connolly (1843-1914).
Serviu de soldado particular ao tenente-coronel no Exército da União no 123
Regimento Voluntário de Illinois. Membro da Elwood Commandery Não. 6,
Cavaleiros Temperar de Springfield. William R. Cox (1832-1919). Brigadeiro
Geral da União. Feridos onze vezes. Serviu como Grão-Mestre da Grande Loja
da Carolina do Norte por quatro anos. Membro do William G. Hill Lodge Não.
218. Samuel J. Crawford (1835-1913). Capitão em 1861 na 2ª cavalaria do
Kansas. Coronel de 83ª Ou.S.C.T. em 1863. Brigadeiro Geral de voluntários em
1865 por “serviços meritórios”. Membro do Orient Lodge Não. 51, Topeka, KN.
Thomas L. Crittenden (?). União Geral. Membro do Ward Lodge e do Army
Lodge durante a guerra. Marcellus M. Crocker (1830-1865). Brigadeiro Geral da
União. Sofreu de consumo (tuberculose) durante todo o seu dever militar.
Membro do Pioneer Lodge Não. 22, Dê Moines, IA. Edward E. Cross (1832-
1863). Tenente Coronel do Exército Mexicano em 1860. Quando chegou a
notícia do ataque a Fort Sumter, renunciei e corri para Concord, NH, onde tenho
recrutado um regimento e fui comissionado Coronel. Conhecido como “Fighting
Fifth”, o regimento se destacou em muitas batalhas. Mortalmente ferido na
batalha de Gettysburg, em 2 de julho de 1863. Membro do North Star Lodge
Não. 8, Lancaster, NH. John T. Croxton (1837-1874). União Major Geral. Em
1861 tenho começado a levantar tropas. Tenho participado de batalhas do
exército de Sherman. Ao fim da guerra pusemos no comando do distrito militar
do sudoeste da Geórgia. Dado um enterro maçônico em sua morte. 335

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

13Ou Charles Cruft (? 1883). União Major Geral. Serviu com distinção em
batalhas travadas perto de Richmond, KY, de 29 a 30 de agosto de 1862.
Membro de Terre Haute, IN Lodge Não. 19; Capítulo, R.A.m. Não 11; Conselho
R. & S.M. Não 8; e Commandery Não. 16, K.T .; Grande comandante da Grande
Comanderia, Cavaleiros Temperar de Indiana, 1873. Newton M. Curtis (1835?).
União Major Geral. Graus maçônicos recebidos em Ogdensburg, NY. Recebeu
os diplomas do capítulo no dia de São João, em dezembro de 1858. Tornou-se
membro da DeMolay Commandery Não. 4, Lynchburg, VAI. Samuel R. Curtis
(1807-1866). União Major Geral. Ganhou uma vitória decisiva em Pea Ridge,
AR contra Generals Price e McCulloch. Comandou Fort Leavenworth e derrotou
o exército de Geral Price. Enterrado como um cavaleiro Temperar Mason. John
A. Dahlgren (1809-1870). Almirante da União. Durante a guerra tenho garantido
o rio Potomac; comandou o esquadrão de bloqueio do Atlântico Sul; atacou
Charleston; Silenciado Fort Sumter. Finalmente, eu levei uma força até o rio St.
John. Com Sherman, capturou Savannah. Pedreiro. John W. Daniel (1842-1910).
Lutou com o exército confederado. Ferido quatro vezes. Tornou-se Ajudante
Geral da equipe do Geral Early. Membro do Marshall Lodge Não. 39,
Lynchburg, VAI. Xavier B. DeBray (?). Confederado Geral. Membro do Austin,
Texas Lodge Não. 12. Serviu como secretário da loja de 1859-61. Tornou-se
membro do Holland Lodge Não. 1, Texas em 1866. William DeLacy (?). União
Geral. Membro do Independent Royal Arch Lodge Não. 2, New York City.
Henry C. Deming (1815-1872). Relutante em apoiar a causa da União.
Finalmente entrou no exército e se tornou um coronel. Foi na captura de Nova
Orleans. Tornou-se agindo maior dessa cidade. Foi membro do St. John’s Lodge
Não. 4, Hartford e um Cavaleiro Temperar. Wilmot G. Desaussure (1822-1886).
Mason quando tenho entrado na Guerra Civil como Tenente Coronel
Confederado. Abril de 1861, comandou a artilharia na Ilha Morris durante o
bombardeio do Forte Sumter. Brigadeiro-general 336

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

no final da guerra. Grão-Mestre do Grande Conselho, R. & S.M. em 1873-78;


Grão-Mestre da Grande Loja de S.C. em 1875-77; Grande Sumo Sacerdote do
Grande Capítulo, R.A.m. de S.C. em 1878-77; Grão-Mestre de Oddfellows.
Francis M. Drake (1830-1903). Servido na União como um particular. Aumente
as notas para o Brigadeiro Geral. Membro do Unionville Lodge Não. 119,
Unionville, IA, onde (no início dos anos 1860) seu nome aparece como
secretário e Junior Warden. 30 de março de 1866, admitiu um membro da
Jackson Lodge Não. 42, Centreville, IA. William F. Draper (1842-1910).
Brigadeiro Geral da União. Alistou-se na 25a Missa em 1861 e serviu durante a
guerra. Membro do Montgomery Lodge em Milford, MA. Richard C. Drum
(1825-?). Brigadeiro Geral da União. Membro do Oriental Lodge Não. 144, São
Francisco, CA. Arthur C. Ducat (?). Brigadeiro Geral da União. Serviu na 12a
infantaria de Illinois. Membro do Blaney Lodge Não. 271, Chicago, IL, 1864.
Daniel Dustin (?). Brigadeiro Geral de Voluntários da União. Comandou o 105º
Illinois. Membro do Sycamore Lodge Não. 134, Sycamore, IL. 33Ou Elisha
Dyer (1839-1906). Serviu no Corpo de Fuzileiros Navais durante a Guerra Civil.
Membro do Lodge de São João Não. 1 da Providência. Membro do Providence
Chapter Não. 1, Royal Arch Mason, St. John’s Commandery (Cavaleiros
Temperar). Membro do Aleppo Shrine Tempere e 33Ou AASR (NJ). Alonzo Jay
Edgerton (1827-1894), confederado Brigadeiro Geral. Made Mason em 1851 em
Grenada Lodge Não. 31 do Mississippi. Mais tarde tornou-se membro do
Mantorville Lodge Não. 11, Mantorville, Minnesota, em seguida, Grande
Escriba do Grande Capítulo, R.A.m. do ministério William H. Egle (1830-1901).
Em 1859 formou-se em medicina de Ou. de Penn. Durante a Guerra Civil serviu
como diretor médico da divisão de Geral Birney. Foi membro do Perseverance
Lodge Não. 21 de Harrisburg, PA. Recebeu seus dois primeiros graus em Out. 9
e 9 de novembro de 1854. Serviu como Mestre da Loja em 1866. 337

DUAS CARAS
362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem
alfabética pelo sobrenome

Stephen B. Elkins (1841-1911). Serviu como capitão do 77º Regimento de


Missouri durante a Guerra Civil. Membro do Montezuma Lodge Não. 109, NM.
I. H. Elliott (?) Brigadeiro Geral da União. Encomendado em 13 de março de
1865 em Voluntários. Membro do Bureau Lodge Não. 112, Princeton, IL. John
Evans (1814-1897). Depois que a Guerra Civil estourou, o presidente Lincoln
nomeou-o governador territorial do Colorado, a fim de salvar esse território para
a União. Quando Evans chegou ao Colorado, tenho achado que muitos dos
maçons do Denver Lodge Não. 5 foram francos contra a União. Então, eu e
outros organizamos o Union Lodge Não. 7 em 1863. Quando eu morri em 1897,
tenho sido enterrado por aquela loja e Colorado Commandery Não. 1, Cavaleiros
Temperar. Foi criado (3Ou) no Attica Lodge Não. 18, Attica, IN em 6 de julho
de 1844; Primeiro Mestre do Marion Lodge Não. 35 em Indianapolis. Tenho
tornou-se um maçom do arco real no capítulo de Indianapolis não. 5 em 1846.
David G. Farragut (1801-1870). Primeiro Almirante do Ou.S. Marinha. São de
George Farragut, que era oficial naval e do exército da Revolução Americana.
Farragut Jr. era um destacado oficial naval da União. Estava no comando do
esquadrão de bloqueio do Golfo Oeste com ordens de tomar Nova Orleans, que
cumpri sem derramamento de sangue em 1862. Em 1863, eu pilotava seu carro-
chefe, Hartford, e outro navio, passando por Port Hudson, controlando o
Mississippi entre Port Hudson e Vicksburg. Tenho também capturou Fortes
Morgan e Gaines. O dezembro de 1864 foi promovido a vice-almirante, e em
1866, almirante pleno. Sua Loja não é conhecida, mas acredita-se que tenha sido
feita como maçom em 1818, aos 17 anos, na ilha de Malta. Em seu funeral em
14 de agosto de 1870, tenho sido sepultado com honras maçônicas pelo Grão-
Mestre de New Hamphire e St. Johns Lodge Não. 1 de Portsmouth. Charles J.
Faulkner Jr. (1847-1929). Exército Confederado. Nascido em Martinsburg, WV.
Entrou no Instituto Militar da Virgínia em 1862. Serviu com cadetes na batalha
do Novo Mercado. Mais tarde, foi assessor dos generais confederados
Breckinridge e Wise. Foi 8º Grão-Mestre da Grande Loja da Virgínia Ocidental,
servindo em 1880. Foi sócio da Equality Lodge Não. 136 (Estatuto da VAI),
agora Não. 44 da carta de West Virginia. Recebeu seus diplomas azuis em 12 e
26 de dezembro e em 9 de janeiro de 1869. Serviu como Mestre (1876-78). 338

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Charles J. Faulkner, Sr. (1806-1884). Ou.S. Ministro da França no período


anterior à Guerra Civil. Como membro da câmara baixa da Virgínia, eu
apresentei um projeto de lei para a abolição gradual da escravidão na Virgínia.
Foi ministro da França em 1859. Enquanto lá, tenho encorajado Louis Napoleão
a simpatizar com a causa do sul, resultando em sua “recordação” pelo presidente
Lincoln. Quando eu retornei à América, tenho foi preso e confinado em Fort
Warren como um cidadão desleal, mas libertado em uma troca de prisioneiros.
Tenho foi expulso da cidadania até 1872. Faulkner, Sr. recebeu seus diplomas no
antigo Equality Lodge Não. 136 (carta de VAI) em 1867. 33Ou John Quincy
Adams Fellows (1825-1897). Maçonaria da Louisiana que comandava todos os
corpos da York Rite daquele estado. Conseguiu manter paixões da Guerra Civil
fora das portas da loja. Tanto o Azul quanto o Cinza se encontraram em lojas de
Louisiana e esqueceram no momento que eram inimigos jurados. Os bolsistas
também facilitaram a passagem de muitos prisioneiros da União para fora dos
campos de prisioneiros confederados quando eles lhe deram o grande sinal
maçônico de aflição. Fellows foi tanto um rito de York e um maçom Rito
escocês. 33 L. A. Fitzgerald (1840-1921). Servindo no exército confederado, eu
vi ação nas batalhas do deserto, Petersburgo, e o cerco de Richmond. Criada
(3Ou) em Rockwell Lodge Não. 600, Ruffin, NC. Obteve o título de capitão e
comandante em Petersburgo, VAI em 1863. Depois da guerra, mudei-me para
oeste e, em 1884, tornei-me Grão-Mestre da Grande Loja de Nevada. Tenho
recebeu seu diploma de Rito Escocês na Califórnia em 1870, e tornou-se 33Ou
Soberano Grande Inspetor Geral de Nevada. Charles Fitzsimmons (1835-1905).
Entrou no Exército da União em 1861 como Capitão 3ª Cavalaria Nova-iorquina.
Ferido em 1863. Retornou ao serviço em outubro como tenente-coronel. Ferido
novamente em 1864 na Ashley’s Gap. Transferido para planícies ocidentais.
Serviu como Brigadeiro Geral até se reunir em 1866. Membro do Yonnondio
Lodge Não. 163 de Rochester, NY. Thomas C. Fletcher (1827-1899). Em abril
de 1861 tenho voluntariado no Exército da União. Em 1862, recruzi a 31ª
Infantaria do Missouri e foi comissionado Coronel. Em 1864 tenho tropas
estaduais organizadas para resistir à invasão de Geral Price. Foi nomeado
Brigadeiro Geral pelo Presidente Lincoln por sua defesa bem-sucedida do Pilot
Knob sob Geral Ewing. Foi membro do Joachim Lodge Não. 164, Hillsboro,
MO (dos quais seus 339

DUAS CARAS
362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem
alfabética pelo sobrenome

pai também era membro). Foi membro do Jefferson City Chapter Não. 34,
R.A.m., recebendo Mark e Past Master em 29 de dezembro de 1868, e Royal
Arch em 23 de janeiro de 1871. Foi condecorado em Ivanhoe Commandery Não.
8, K.T., St. Louis em 25 de maio de 1871 e serviu como comandante em 1874.
John B. Floyd (1807-1863). Governador da Virgínia, 1850-53; Secretário da
Guerra, 1857-60; Brigadeiro Geral no Exército Confederado. Em 1861 tenho
sido indiciado em Washington por dar ajuda a secessionistas enquanto eu era
Secretário de Guerra. Tenho exigiu um julgamento imediato. Em janeiro de
1861, um comitê da Câmara dos Deputados o exonerou. Tenho foi sócio do St.
Johns Lodge Não. 36, Richmond, VAI. Tenho entregue a oração na colocação da
pedra angular do monumento de Washington. James M. Forsyth (1842-1915).
Contra-almirante da Marinha da União. Em 1858, aos 16 anos, tenho ido a seja.
Serviu durante a Guerra Civil em muitos compromissos. Esteve com Farragut no
Mississippi, Fortes Sumter e Moultrie. Não foi comissionado até 1868.
Aposentado em 1901 como contra-almirante. Foi feito um pedreiro no Peru e
depois afiliado ao Union Lodge Não. 121 na Filadélfia. Membro do Shamokin
Chapter Não. 264 e Shamokin Commandery Não. 77, Cavaleiros Temperar de
Shamokin, PA. Em 5 de novembro de 1909, tenho abordado o Shamokin Lodge
Não. 255 sobre “Maçonaria no Exterior”. Greenbury L. Fort (1825-1883). Serviu
em Union com 11º Regimento, Illinois Infantaria como Primeiro Tenente, então
Tenente Coronel. Cavaleiro em York Rito em Peoria Commandery Não. 3,
Cavaleiros Temperar, Peoria, IL. John Gray Foster (1823-1874). Major Geral no
Exército da União. Como tenente tenho sido professor assistente de engenharia
em West Point (1855-57). Em 1861, tenho rapidamente subido em notas;
Brigadeiro Geral, Tenente Geral e Major Geral. Suas operações de engenharia
submarina nos portos de Boston e Portsmouth foram extremamente bem-
sucedidas. Em 1869 tenho publicado “Submarine Blasting in Boston Harbor”.
De acordo com a revista mensal da Freemason (Boston), tenho era maçom.
Wilbur F. Foster (1834-1922). Engenheiro. Um dos organizadores da Associação
de Guerra Civil dos Veteranos Maçônicos. Gerado (3Ou) 26 de março de 1857.
Ex-Mestre do Cumberland Lodge Não. 8, Nashville, TN. Passado Sumo
Sacerdote de Cumberland Capítulo Não. 1, Nashville. Foi Grão-Mestre da
Grande Loja de Tenn. E Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo do
Tennessee. 340

SEÇÃO 4
362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem
alfabética pelo sobrenome

Edward B. Fowler (? -1896). Brigadeiro Geral da União. Serviu com a 84a


infantaria (NY) como Tenente Coronel. Promovido ao coronel em 9 de
dezembro de 1862; Brigadeiro Geral, 13 de março de 1865. Membro Lexington
Lodge Não. 310, Brooklyn, NY. Graus azuis recebidos para fora. 23, 30 e 20 de
novembro de 1865. 33Ou John Frizzell (1829-1894). Servido com o exército
confederado. Membro do Cumberland Lodge Não. 8; Cumberland Capítulo Não.
1, Royal Arch Mason; e a Commandery de Nashville Não. 1, Cavaleiros
Temperar. Receber 32Ou na mão de Albert Pike e honorário 33Ou em 1886.
Robert W. Furnas (1824-1905). Coronel da União na 2ª cavalaria do Nebrasca.
Membro do Capitólio Lodge Não. 3 em Omaha, e mais tarde serviu como mestre
de N emaha Lodge Não. 4, Brownville NE. Foi Grande Secretário da Grande
Loja do Nebraska, 1858-1862, e Grão-Mestre, 1865-66. Hamilton R. Gamble
(1798-1864). O governador da guerra civil do Missouri creditou-se a salvar o
estado da União. Membro do Franklin Union Lodge Não. 7, onde tenho recebido
seus primeiros três graus (azuis). Franklin F. Gary (1829-1897). Cirurgião no
Exército Confederado. Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo, R.A.m. da
Carolina do Sul, 1880. John W. Geary (1819-1873). União Major Geral. Começo
da guerra tenho levantado os 28º Voluntários da Pensilvânia; 1862 encomendou
o Brigadeiro Geral; 1865 promovido ao major Geral. Recebeu os primeiros três
graus (azuis) da Maçonaria “à vista” em 4 de janeiro de 1847, no St. John’s
Lodge Não. 219, Pittsburgh, PA. 11 de junho de 1855 tornou-se membro do
Philanthropy Lodge Não. 225, Greensburg, PA. 33Ou John P. S. Gobin (1837-
1910). Brigadeiro Geral da União. Made a Mason no Sunbury Lodge Não. 22 em
9 de janeiro de 1860, pouco antes de entrar na guerra. Recebeu o 33Ou AASR
(NJ) em 9 de maio de 1906. George H. Gordon (1825-1886). União Major Geral.
Membro do Bunker Hill Army Lodge Não. 5 de Massachusetts. John B. Gordon
(1832-1904). Tenente Geral no Exército Confederado. Filmado oito vezes.
Sobreviveu Foi um maçons, mas Lodge não é conhecido. Pensei em bê em
Atlanta. Visitante duas vezes ao Cherokee Lodge Não. 66, Rome GA. 341

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

William A. Gorman (1814-1876). Brigadeiro Geral da União. Membro do


Federal Lodge Não. 1, Washington DC em 2 de julho de 1850. Adolphus W.
Greely (1844-1935). União Major Geral. Ferido três vezes. Membro da Loja St.
Mark’s de Newburyport, MA. Membro honorário do Kane Lodge Não. 454,
pousada do explorador de NYC. Thomas Green (1816-1864). Confederado
Major Geral. Membro do Austin Lodge Não. 12 (Texas). John Gregg (1828-
1864). Confederado Geral. Último a comandar a famosa Brigada do Texas no
Exército de Lê. Morto em ação. Membro do Fairfield Lodge Não. 103, Fairfield,
TX. Recebeu os graus azuis em maio, agosto, out., 1855. Membro da York Rite
Palestine Commandery Não. 3, Cavaleiros Temperar. William Gurney (1821-
1879). Brigadeiro Geral da União. Após a guerra foi para Charleston, SC e
estabeleceu um negócio. Membro da Continental Lodge Não. 287, Nova Iorque.
Serviu como seu mestre. Henry H. Hadley (1841-1903). Serviu no exército da
união com a infantaria voluntária de Ohio. Promovida de particular a tenente-
coronel em 1866. Criada em 3o em Progressive Lodge Não. 354, Brooklyn, NY.
John A. Halderman (1833-?). União Major Geral. Nomeado em ordens oficiais
de galanteria conspícua em ação. Um dos líderes do Kansas para abolir a
escravidão. Graus azuis recebidos em Leavenworth Lodge Não. 2, Leavenworth,
KN em Out. 6, 1855 e Fev. 6 e 23, 1856. Charles B. Hall (1844-1914). União 2ª
Tenente em 25º Maine Infantaria voluntária em 1862. Duas vezes citada por
galanteria. Serviu como Mestre do Hancock Lodge Não. 311, Ft. Leavenworth,
KN. Cyrus Hall (?) Brigadeiro Geral da União. Servido com a 14ª Infantaria de
Illinois. Membro (1864) Jackson Lodge Não. 53, Shelbyville, IL. James F. Hall
(1822-1884). Sindicato Geral de Brigada, 1865. Em 1861, auxiliou o estado de
Nova York a equipar 28 regimentos, depois equipou um para si mesmo, o qual
eu tenho como Coronel. Lutou em Port Royal, Tybee 342

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Ilha, Ft. Pulaski, GA., Pocotaligo e Olustee, FL. Comandou com Sherman contra
Savannah e Charleston. Robert H. Hall (1837-1914). Brig da união. Geral.
Servido durante a guerra. Citado por bravura nas batalhas de Lookout Mountain
e Weldon, VAI. Pedreiro. Charles G. Halpine (1829-1868). União principal com
69th infantaria de New York. Membro do Holland Lodge Não. 8, NYC. Joseph
E. Hamblin (1828-1870). União Major Geral. Membro 7 regimento de Nova
York antes da guerra. No início das hostilidades, participou da campanha de
Grant em 1864, depois foi para Shenandoah Valley para resistir à pressão dos
Confederados em Washington, DC e Maryland. Severamente ferido em Cedar
Creek, após o qual foi promovido a Brigadeiro Geral e colocado no comando de
uma brigada. Participou com a rendição em Appomattox. Revisto em janeiro de
1866 como Major Geral. Winfield S. Hancock (1824-1886). União Geral Geral
dos Voluntários. Estacionado na Califórnia quando a guerra estourou. Solicitado
para ser enviado para zona de operações. Ajudou na organização do Exército do
Potomac. Graus azuis recebidos por dispensação especial no Charity Lodge Não.
190 de Norristown, PA, Out. 31, 1860. William Hanna (1833-1907). Brigadeiro
Geral da União. Ajudou a levantar tropas. Foi comissionado Capitão do 15º
Regimento, Voluntários de Illinois. Promovido a Major, Tenente-Coronel,
Coronel, Brigadeiro Geral. Gerado (3Ou) em Justice Military Lodge Ou.D.
(Illinois) em 1862. Exaltado R.A.m. em Quincy York Rite lodge, Capítulo Não.
5. Cavaleiro no Comando Delta Não. 48, Cavaleiros Temperar de Clayton,
servindo como Comandante. Roger W. Hanson (1827-1663). Brigadeiro Geral
da União. Mortalmente ferido na Batalha de Murfreesboro, TN em 2 de janeiro
de 1863. Membro do Good Samaritan Lodge Não. 174, Lexington KY. John M.
Harlan (1833-1911). Coronel da União na 10ª Infantaria do Kentucky. Membro
do Hiram Lodge Não. 4, Frankfort, KY. William W. Harllee (?). Confederado
Geral. Membro do Clinton Lodge Não. 60, Marion, SC. 343

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Walter Harriman (1817-1884). Brigadeiro Geral da União. Membro do St. Peters


Lodge Não. 31, Bradford, NH. George P. Harrison (?). Confederado Geral. Foi
Vice-Grão-Mestre da Grande Loja do Alabama. John E. Hart (1825-1863).
Tenente-comandante da União de uma pequena canhoneira lateral Albatross. Em
1857 foi feito um pedreiro na Loja de São Jorge Não. 6, Schnectady, NY. John F.
Hartranft (1830-?). União Major Geral. Membro do Charity Lodge Não. 190 em
Norristown, PA. Joseph R. Hawley (1826-1905). Brigadeiro Geral da União
(1864). Major Geral (1865). Referido como um pedreiro, mas não registros.
Isaac I. Hayes (1832-1881). Durante a guerra (1862) foi encomendado tenente-
coronel no exército da União. Serviu como cirurgião de voluntários. Iniciado no
Lodge Não. 51, Filadélfia em Fev. 24, 1859. Antes da guerra era um explorador
ártico. Após a guerra (1875) foi feito membro honorário da pousada exploradora,
Kane Lodge Não. 454. Harry T. Hays (? -1876). Brigadeiro-general confederado.
Recebeu todos os três graus em Nova Orleans, Louisiana Lodge Não. 102, 1860.
33Ou Natt Head (1828-1883). Ajudante da União Geral. Diplomados em 1857
no Washington Lodge Não. 61, Manchester, NH. Foi tanto um Cavaleiro
Temperar quanto um 33Ou AASR (NJ). Adolphus Heiman (? -1863).
Brigadeiro-general confederado. Membro do Cumberland Lodge Não. 8,
Nashville, TN. Cavaleiros Temperar. David B. Henderson (1840-1906). Entrou
na Guerra Civil como um particular. Foi ferido e descarregado. Reentrou o
exército em 1864 como coronel da União. Fez Mason no Mosaic Lodge Não.
125 de Dubuque, IA. Howard A. M. Henderson (1836-1912). Entrou no Exército
Confederado como Capitão da Companhia E, 28º Alabama. Em 1864 foi
assistente Adjunto Geral. Apareceu pela primeira vez como pedreiro nos
registros do Hiram Lodge Não. 4. 344

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

William P. Hepburn (1833-1916). Tenente Coronel da União, 2ª Cavalaria do


Iowa (1861-65). Membro do Nodaway Lodge Não. 140 na Clarinda, IA. Paul
Ou. Herbert (1818-1880). Brigadeiro-general confederado. Membro do Iberville
Lodge Não. 81, Plaquemine, A. 32Ou Francis J. Herron (1837-1902). União
Major Geral. Ação de serra em Missouri, Arkansas e Território Indígena. Ferido
na Batalha de Pea Ridge. Negociou e recebeu a rendição das forças confederadas
a oeste do Mississippi. Membro fundador do Mosaic Lodge Não. 125, Dubuque,
IA. 32Ou AASR. Henry Heth (1825-1899). Major Geral Confederado na
Virgínia. Enterro maçônico recebido por Richmond Lodge Não. 10, Richmond,
VAI. Thomas Hinkle (?) Coronel confederado sob Geral Sterling Price. Membro
do Lexington Lodge Não. 32. Recebeu diplomas azuis em 1841. Depois da
guerra foi Wagon chefe da firma pioneira de Russell, Majors e Waddell, a grande
empresa de carga das pradarias, que iniciou o Pony Express. Seus proprietários e
funcionários eram predominantemente maçons. Henry C. Hodges (1831-1917).
Chefe do quartel-general confederado do exército em Cumberland. Estava na
equipe do Gene. Rosecrans durante a Campanha do Tennessee. Membro do
Willamette Lodge Não. 2, Portland OR. Recebeu dois primeiros graus azuis em
9 de dezembro de 1853. Recebeu 3Ou após a noite. John William Hofmann
(1824-?). União Geral. Recrutado 23º Regimento de Voluntários da Pensilvânia.
Tenente Coronel do 56º Regimento. Como coronel, deu ordens para abrir fogo na
batalha de Gettysburg (1 de julho de 1863). Membro do Lodge Não. 51,
Filadélfia. Graus recebidos Fev. 24, 24 de março e 26 de maio de 1853. Henry
M. Hoyte (1830-1890). No Exército da União ajudou a levantar 52 Penn.
regimento, entrando como Tenente Coronel. Revelado como o Brigadeiro Geral.
Membro do Lodge Não. 61 da Wilkes-Varre PA, 17 de dezembro de 1854.
Mestre da Loja, 1862. Membro Rede Wing Lodge Não. 8, A Grange Chapter
Não. 4, R.A.m. e Rede Wing Commandery Não. 10, Cavaleiros Temperar. 345

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Lucius F. Hubbard (1836-1913). Em 1861, alistou-se como um soldado privado


no exército da união, 5o infantaria de Minnesota. Encomendou o Brigadeiro
Geral em 1864, por “serviços galantes e distintos em ações antes de Nashville”.
Membro da Rede Wing Lodge Não. 8, LaGrange Capítulo Não. 4, R.A.m. e
Rede Wing Commandery Não. 10, K.T., todos da Rede Wing, MN. Aaron K.
Hughes (1822-1906). De aspirante em 1838 a tenente em Ou.S. Exército antes
da Guerra Civil começou. Durante a Guerra Civil, eu servi no Exército da União
no Atlântico Sul e nos Esquadras do Golfo. Promovido a contra-almirante após a
guerra. Membro do Union Lodge Não. 95, Elmira NY. Lyman Ou. Humphrey
(1844-1915). Serviu no exército da união com a 76th infantaria de Ohio.
Membro do Fortitude Lodge não. 107, Independência, KN. Stephen A. Hurlbut
(1815-1882). União Geral Geral sob Grant. Membro do Belvidere Lodge Não.
60, Belvidere, IL. Grande Orador da Grande Loja de Illinois em 1865. Rufus
Ingalls (1820-?). União Major Geral. Depois da guerra foi o Trimestre Geral do
Exército. Iniciado (1Ou) 22 de julho de 1852 no Willamette Lodge Não. 2,
Portland OR. Robert G. Ingersoll (1833-1899). Coronel da União da 11ª
Cavalaria de Illinois. Graus azuis recebidos em Peoria IL. John Ireland (1827-
1896). Serviu no Exército Confederado, ascendendo ao Tenente Coronel de
Infantaria em 1862. Membro do Guadalupe Lodge Não. 109, Guadalupe, TX.
Alfred Iverson (1798-1873). Brigadeiro-general confederado, novembro de
1862. Membro da Loja Colombiana Não. 8, Columbus, GA. Conrad F. Jackson
(1813-1862). Brigadeiro Geral da União. Batalha comandada de Dranesville,
VAI. Lutou na South Mountain. Assassinado em Fredericksburg enquanto
comandava a 3ª brigada da divisão de McCall. Membro do Lodge Não. 45,
Pittsburgh, PA. 346

SEÇÃO 4
362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem
alfabética pelo sobrenome

James S. Jackson (1823-1862). Brigadeiro Geral da União. Assassinado na


Batalha de Perryville enquanto comandava a divisão do corpo de McCook.
Membro do Hopkinsville Lodge Não. 37, Hopkinsville, KY. Albert S. Johnston
(1803-1862). Confederado Geral no comando das forças confederadas a oeste
dos estados do Atlântico e norte dos estados do Golfo. Pedreiro. Daniel W. Jones
(1839-1918). Entrou no Exército Confederado em 1861. Tornou-se coronel da
20ª Infantaria do Arkansas em 1862. Membro do Mount Horeb Lodge Não. 4,
Washington AR. Edward F. Jones (1828-1913). Brigadeiro Geral da União.
Pedreiro. Thomas Jefferson Jordan (?). União Major Geral. 1856 Mestre da
Perseverança Lodge Não. 21, Harrisburg, PA. Henry M. Judah (1821-1866).
Brigadeiro Geral da União. Membro do North Star Lodge Não. 91, Ft. Jones,
CA. M. F. Kanan (?). Capitão da União. Primeiro comandante da primeira
G.A.R. pós estabelecido em 6 de abril de 1866 em Decatur, IL. Membro do
Macon Lodge Não. 8, Decatur, IL. Benjamin Kavanaugh (1805-1888).
Missionário para os índios. Residente do Texas. Serviu como capelão e cirurgião
com o Exército Confederado. Tornou-se maçom em 1840. Após a guerra
primeiro Grão-Mestre da Grande Loja de Wisconsin. James L. Kemper (1823-?).
Brigadeiro-general confederado. Gravemente ferido e capturado em Gettysburg.
Pedreiro. Sua assinatura é registrada como assistindo Grand Lodge Virginia em
1867. John R. Kenly (1822-?). União Major Geral. Credited com forças de
salvamento de Geral Banks da captação em Front Royal. Foi ferido e levado
prisioneiro, mas logo libertado em uma troca de prisioneiros maçônicos.
Membro de Maryland York Rite Commandery Não. 1, Baltimore MD. John D.
Kennedy (1840-1896). Confederado Geral. Membro do Kershaw Lodge Não. 29,
Camden, SC. Depois da guerra, Grão-Mestre da Grande Loja, SC. 347

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Joseph B. Kershaw (1822-1894). Confederado Major Geral. Comandou a divisão


do exército de Lê nas campanhas finais. Membro do Kershaw Lodge Não. 29 em
Camden, SC. Nathan Kimball (1822-1898). União Major Geral. Em Antietam,
sua brigada se manteve firme, mas perdeu quase 600 homens. Membro do Mt.
Alojamento Agradável Não. 168, mt. Agradável, IN. Lewis A. Kimberly (1830-
1902). Comandante da União de um navio da Guerra Civil em 1866 e terminou
sua carreira da Marinha como um contra-almirante. De 1861-62 tenho servido na
fragata Potomac. Foi oficial executivo do Hartford. Participou de ações em Port
Hudson, Grand Gulf, Warrington e Mobile Bay. Cadastrado Maçonaria em St.
John Lodge, Boston, MA, 2 de março de 1857. Horatio C. King (1837-1918).
Capitão do Exército da União, 1862. Recebeu Medalha do Congresso de Honra
por “bravura distinta”. Iniciado em uma loja confederada em 1864 em
Winchester, VAI. Joseph F. Knipe (1823-1901). Em 1862, o Brigadeiro Geral da
União. Ferido cinco vezes. Fora de serviço, setembro de 1865. Membro do
Perseverance Lodge Não. 21, Harrisburg, PA. 32 Nobre D. Larner (1830-1903).
Serviu no Exército da União em defesa de Washington, DC. Suas credenciais
maçônicas são muito numerosas nos mencionar. Mason antes da guerra. Recebeu
32Ou em 1878 pelo próprio Albert Pike. 33 Samuel Samuel Lawrence (1832-
1911). Brigadeiro Geral da União de Milícia (1862-64). Ferido na Batalha de
Bull Run. Iniciado em Hiram Lodge Out. 26, 1854. Recebeu os graus do Rito
Escocês em 1862; 33 em 1864; serviu como Grande Comandante da Jurisdição
do Norte, 1867-1910. Henry W. Lawton (? -1899). Entrou no Union Army como
sargento da Companhia E, 9º Voluntários de Indiana, em 1861. Subiu ao Capitão.
Membro do Summit City Lodge Não. 170, Ft. Wayne, IN. James G. C. Lee
(1836-1916). Brigadeiro Geral da União. Serviu no departamento de trimestrais
no controle de vários depósitos de suprimentos na Virgínia. Pedreiro. 348

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Mortimer D. Leggett (1831-?). União Major Geral. Tenho levantou a 78ª


Infantaria de Ohio no começo da guerra. Capturado Jackson, TN e Defence
Olivia, TN. Ferido duas vezes. Membro Amity Lodge Não. 5, Zanesville, OH.
Membro do Commandery de Chipre Não. 10, Cavaleiros Temperar. Joseph
Leidy (1823-1891). Atuou como cirurgião contratado no Hospital Satterlee Geral
da Filadélfia durante a Guerra Civil. Membro do Lodge Não. 51, Philadelphia,
PA, Fev. 24, 1859. William Lindsay (1835-1909). Capitão da União, 1861-65.
Membro e ex-mestre do Hickman Lodge Não. 131, Clinton, KY. Joseph Little
(1841-1913). Serviu com tropas federais como 1º Liuetenant no Exército da
União de 1862-64. Membro do Kane Lodge Não. 454, NYC, recebendo graus
em 2 de dezembro de 1879, 20 de janeiro e Fev. 3, 1880. Exaltado em 1891 em
Jerusalém Capítulo Não. 8 Royal Arch Mason e Cavaleiros Temperar. 32Ou
John A. Logan (1826-1886). Rosa do Brigadeiro Geral de voluntários do
Exército da União para o major Geral em um ano. Eu lutei em Fort Henry, Fort
Donelson, Corinto, Jackson, Port Gibson, Raymond Champion Hills e no cerco a
Vicksburg, depois do qual tenho sido nomeado governador militar de Vicksburg.
Finalmente, juntei-me a Sherman em Savannah, em 1864. Tenho sido membro
de várias lojas, tanto da Scottish Rite quanto da York Rite. Tenho foi um maçom
32Ou AASR (NJ), e foi eleito para receber o 33Ou em 15 de setembro de 1886,
mas morreu antes de ser conferido. Phineas C. Lounsbury (1841-1925). Serviu
como Corporal no Exército da União, em 1862. Membro do Jerusalem Lodge
Não. 49, Ridgefield, CT. Cavaleiros Temperar. Mansfield Lovell (1822-1884).
Comissionado Brigadeiro Geral e Major Geral no Exército Confederado. Estava
no comando de Nova Orleans. Após sua captura, eu me juntei a Beauregard no
norte do Mississippi. Membro do Holland Lodge Não. 8, NYC. Robert Lowry
(1830-1910). Serviu com forças confederadas como privadas na Companhia B
do 6º Regimento de Missões. Mais tarde foi promovido a Brigadeiro Geral.
Esteve em Shiloh e em todas as batalhas na Campanha da Geórgia. Ferido duas
vezes. Criada (3Ou) em Brandon Lodge Não. 29 349

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Francis R. Lubbock (1815-1905). Lubbock, Texas foi nomeado após ele. Tenente
Governador do Texas, 1857. Recusou a renominação. Entrou para a equipe
confederada de Jefferson Davis, 1863. Capturado com Davis e confinado em
Fort Delaware até dezembro de 1865. Movam para Galveston 1867. Membro da
Holland Lodge Não. 1, Houston, TX. Arthur MacArthur, Jr. (1845-1912). Pai de
Gene. Douglas MacArthur. Mac, Jr. era o tenente Geral no Exército da União.
Durante a Guerra Civil, recebi a Medalha de Honra do Congresso por “apreender
as cores do regimento no momento crítico e plantá-las em obras capturadas no
cume da Cordilheira Missionária, em 25 de novembro de 1863”. Graus
Maçônicos Recebidos em Magnolia Lodge Não. 60, Little Rock, AR. John B.
Magruder (1810-1871). Oficial do Exército Confederado. Depois de vencer a
Batalha de Big Bethel, fez o Brigadeiro Geral e colocou no comando das forças
na península, com sede em Yorktown. Foi promovido a Major Geral, e em 1862
colocado no comando do Departamento do Texas. Em 1863, eu recuperei o
Galveston dos Nationals e capturei o navio Harriet Lane. Permaneceu no Texas
até o final da guerra. Antes de ingressar no Exército Confederado, tenho
recebido o título de Aprendiz no San Diego Lodge Não. 35, San Diego, CA. Foi
impedido de avançar mais para se envolver em um duelo com George Tibbetts,
tesoureiro da Loja. Garrick Mallery (1831-1894). Praticou advocacia na
Filadélfia até a Guerra Civil, quando em 15 de abril de 1861 tenho sido
voluntário como primeiro-tenente das tropas da Pensilvânia. Promovido ao
coronel. Severamente ferido duas vezes. Preso em Libby. Depois que a guerra foi
promovida ao capitão. Membro do Columbia Lodge Não. 91, Filadélfia. Graus
azuis recebidos, 26 de setembro, 28 de novembro e 26 de dezembro de 1853.
Mestre dos mesmos em 1855. Também membro do Columbia York Rite de
Filadélfia, Capítulo Não. 91, pedreiro real do arco. Charles F. Manderson (1837-
1911). Alistou-se no exército da união em 1861 como um privado. Subiu para o
Brigadeiro Geral em 1865. Vi serviço na maioria das batalhas do meio-oeste. Foi
gravemente ferido na estação de Lovejoy, GA. Sua associação maçônica original
foi em Ohio. Foi afiliado ao Nebraska Lodge Não. 1, Omaha. 350

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

32 Ma Maon D. Manson (1820-1895). Brigadeiro Geral da União. No começo


de Guerra, eu me inscrevi como soldado e fui imediatamente nomeado Coronel
do 10º Regimento de Indiana, que tenho comandado na Batalha de Rich
Mountain, em julho de 1861. Nomeação do Brigadeiro Geral no mês de março
seguinte. Agosto de 1862, foi ferido e levado prisioneiro em Richmond, KY.
Trocado em dezembro. Comandou muitas outras batalhas e novamente feriu. Fez
um pedreiro em Ohio, 1844. Membro fundador do Montgomery Lodge Não. 50,
Crawfordsville, IN. Mestre do mesmo, 1845. Em 1859 foi vice-grão-mestre da
Grande Loja de Indiana. Membro do Crawfordsville Chapter Não. 40, York Rite
Royal Arch Mason e passado High Priest e Cavaleiros Temperar. Foi também
um 32Ou AASR (NJ). John Sappington Marmaduke (1833-1887). Serviu dois
anos em Utah (1858-59) com a expedição enviada para acabar com a revolta
mórmon. Enquanto lá me juntei ao Rocky Mountain Lodge Não. 205, Camp
Floyd, Território de Utah. No início da Guerra Civil, eu renunciei à sua comissão
e juntei forças da Confederação, para consternação de seu pai, que era um
sindicalista convicto. Foi encomendado tenente-coronel e dado o comando da 3ª
infantaria. Depois de lutar e ferir em Shiloh, foi promovido a Brigadeiro Geral e
transferido para o Mississippi. Com 4.000 homens, fiz frequentes incursões a
oeste do Mississippi, após o que tenho sido promovido a Major Geral. Afiliado
ao Anchor Lodge Não. 443 de St. Louis, MO. Humphrey Marshall (1812-1872).
Recrutado grande força de voluntários para o Exército e foi feito Brigadeiro
Geral. Derrotou Geral Cox em Princeton, VAI, e ganhou controle de Lynchburg
e Knoxville Railroad. Quando no comando do Exército do Kentucky Oriental
(1862), tenho lutado Battle of Middle Creek com Geral Garfield. Resignou sua
comissão antes do final da guerra e serviu no Congresso da Confederação.
Enterrado masonicamente. John A. Martin (1839-1889). Brigadeiro Geral da
União. Participou nos combates do Exército dos Cumberland, comandando uma
brigada em Chickamauga. Membro do Washington Lodge Não. 5, Atchison, KN.
Thomas S. Martin (1847-1919). Viu serviço militar no Exército Confederado
com batalhão de cadetes do Instituto Militar da Virgínia. Membro do Scottsville
Lodge Não. 4, Scottsville, VAI. 351

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

William T. Martin (?). Confederado Geral. Seu rosto representa o Mississippi na


escultura de Stone Mountain. Membro do Harmony Lodge Não. 1, Natchez em
1849). Stanley Matthews (1824-1889). O tenente-coronel da União, 23º
Regimento de Ohio, em 1861. Participou de batalhas em Rich Mountain,
Carnifex Ferry, Dobb’s Ferry, Murfreesborough, Chickamauga e Lookout
Mountain. Coronel quando eu renunciei ao Exército, 1863. Membro do
Cincinnati Lodge Não. 133, Cincinnati, OH. Recebeu graus azuis em 28 de
janeiro de 11 de março de 1847. Samuel B. Maxey (1825-1895). Confederado
Major Geral. Criada a 9ª Infantaria do Texas, da qual tenho sido Coronel.
Promovido ao general de brigada, 1862, e ao major Geral, 1864. Comandou o
distrito militar do território indiano desde 1863-65. Membro do Paris Lodge
Não. 27, e Paris Commandery Não. 9, Cavaleiros Temperar, ambos de Paris,
Texas. John McArthur (1826-1906). União Major Geral. Entrou no Exército
como Coronel do 12º Illinois Vol. Fez o Brigadeiro Geral, 1862. Major Geral
depois da Batalha de Nashville. Ferido em Shiloh. Lutou em Vicksburg. Receba
os graus azuis no Cleveland Lodge Não. 211, Chicago em 1857. Daniel C.
McCallum (1815-1878). União Major Geral. Em 1862 foi nomeado coronel e
nomeado diretor de todas as ferrovias militares em Ou.S. Avançou para o
Brigadeiro Geral, então Major Geral, para serviço meritório. Membro do Vale
Lodge Não. 109, Rochester, NY. George B. McClellan (1826-1885). União
Major Geral de Voluntários de Ohio. Colocado no comando do Departamento de
Ohio, que incluía Indiana, Illinois e partes da Virgínia e da Pensilvânia. Influente
em manter Kentucky na União, ocupando partes do estado. Recebeu todos os
três graus azuis da Maçonaria em 9 de dezembro de 1853, em Willamette Lodge
Não. 2, Portland, Oregon, por dispensação especial do Grão-Mestre. John A.
McClernand (1812-1900). União Major Geral. Renunciou ao Congresso para
levantar a “McClernand Brigade” para a guerra, e foi Brigadeiro Geral desses
voluntários. Fez o Major Geral em 1862. As batalhas travadas são numerosas
demais para serem mencionadas. Tenho foi um maçom. 352

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Alexander McDowell McCook (1831-1903). União Geral. Na batalha de Bull


Run; captura de Nashville, Shiloh e Perryville, KY. Membro Lancaster Lodge
Não. 106, Timber Pós Office, Peoria County, IL. Edwin S. McCook (1837-
1873). União Major Geral. No início da Guerra, tenho criado uma empresa para
o 31º Regimento de Illinois e servi com o mesmo em Fort Henry e Fort
Donelson, onde tenho foi gravemente ferido. Lutei mais três grandes batalhas no
Sul sob Sherman em março para o seja. Severamente ferido mais três vezes.
Após a guerra, enquanto presidia uma reunião pública como governador em
exercício de Dakota, tenho foi baleado e morto por um homem na platéia.
Membro do Naval Lodge Não. 69, NYC. James B McCreary (1838-1918).
Entrou no Exército Confederado em 1862 como Privado e finalmente alcançou o
posto de Tenente-Coronel. Membro do Richmond Lodge Não. 25 e Richmond
York Rite Commandery Não. 19, Cavaleiros Temperar, ambos de Richmond,
KY. Robert McCulloch (1841-1914). Frequentou o Instituto Militar da Virgínia,
depois serviu no Exército Confederado. Foi ferido na batalha de Manassas, e em
Gettysburg foi deixado no campo, listado como morto. Depois da recuperação,
servi como capitão do coronel Robert Withers no 18º Regimento da Virgínia. O
Coronel Withers apresentou a petição de McCulloch para entrar na Maçonaria
para a Natural Bridge Lodge Não. 64 na Virgínia. McCulloch mais tarde serviu
como secretário e mestre desta loja. McCulloch também se juntou à Maçonaria
da Rito de York, depois servindo como Comandante do Grande Comandante do
Grande Comando do Missouri. Foi um membro do Rito Escocês e um Shriner –
ambos em St. Louis. William McKinley (1843-1901). Do prospectivo da Guerra
Civil, tenho destinado a ser futuro Presidente do Ou.S.A. Apesar de ser major do
Exército da União, tenho recebido seu diploma em uma loja no sul durante a
guerra. Tenho estava protegendo e administrando o hospital do exército em
Winchester, VAI, e ficou impressionado com os laços que eu vi entre os
cirurgiões da União e os prisioneiros confederados. Quando soube a razão de tal
espírito fraterno, apesar da guerra e do ódio, pedi para ser admitido na Arte. Sua
petição foi apresentada ao Hiram Lodge Não. 21 de Winchester. Tenho foi
iniciado (1Ou), passou (2Ou) e levantou (3Ou) 1 de maio, 2 e 3 de 1865. 353

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Hugh McLeod (1814-1862). Brigadeiro Geral, República do Texas, 1841.


Ingressou no Exército Confederado em 1861 e dirigiu as forças contra a União
no Rio Grande. Membro do Holland Lodge Não. 1, Houston TX. Salomão
Meredith (1810-1875). União Major Geral. No começo eu era um coronel do 10º
Regimento de Indiana, em julho de 1861. Ferido em Gainesville quando seu
regimento perdeu metade de seus homens. Promovido em 1862 ao Brigadeiro
Geral dos Voluntários. Sua empresa era conhecida como a “Brigada de Ferro”.
Forçou a travessia do Rappahannock, em abril de 1863, participou da Batalha de
Chancellorsville, e abriu a Batalha de Gettysburg, onde Meredith foi novamente
ferido. Membro do Cambridge Lodge Não. l05, Cambridge City, IN. 32Ou
Nelson A. Milhares (1839-1925). No início da Guerra Civil, eu entrei no serviço
militar como primeiro tenente na 22ª Infantaria de Massachusetts. Na tenra idade
de 25 tenho estava comandando um Corpo de Exército de 26.000 homens.
Promovido ao Brigadeiro Geral, então Major Geral dos Voluntários em 1864. Foi
criado (3Ou) no Southern Califórnia Lodge Não. 278, Los Angeles. Recebeu os
graus do Rito Escocês em Albert Pike Consistory, Washington, DC. Stephen
Miller (1816-1881). Brigadeiro Geral da União. Alistado como privado, em
1861. Avançou para o Brigadeiro Geral de voluntários, servindo com o 1º e 7º
regimentos de Minnesota. Membro North Star Lodge Não. 23, St. Cloud, MN.
Warner Miller (1838-1918). Serviu no Exército da União com a cavalaria
voluntária de Nova York, avançando de soldado para tenente. Prisioneiro tomado
em Batalha de Winchester. Membro do Herkimer Lodge Não. 423, Herkimer,
NY. Robert Q. Mills (1832-1911). Alistou-se no exército confederado e serviu
durante a guerra, alcançando o posto de coronel da 12ª Infantaria do Texas.
Ferido em Missionary Ridge e Atlanta. Membro do Corsicana Lodge Não. 174,
Corsicana, TX. Robert H. Milroy (1816-?). Capitão do exército da união dos 9os
voluntários de Indiana. Encomendou o Brigadeiro Geral em 1862 e o Major
Geral em 1863. Afiliado ao Prairie Lodge Não. 125, Rensselaer, IN, 1863. John
I. Mitchell (1838-1907). Servido no Exército da União com o 136º Regime t de
Penn. Voluntários como Tenente e Capitão. Membro do Ossea Lodge Não. 317,
Wellsboro, PA. 354

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Jesse H. Moore (1817-1883). Ministra Metodista Licenciada em 1846. Resignou


pastorado em Decatur, IL em 1862 para levantar o 115º Regimento de
Voluntários de Illinois, que tenho comandado em Chickamauga. Sindicato Geral
de Voluntários da União em 1865. Retornou ao púlpito em 1866. Membro do
Macon Lodge Não. 8, Decatur, IL. Albert P. Morehouse (1835-1891). Quando
estourou a Guerra Civil, meu primeiro-tenente foi comissionado no regimento de
Kimball da milícia do Missouri. Membro do Maryville Lodge Não. 165, Owens
Capítulo Não. 96, Royal Arch Mason e Maryville Commandery Não. 40,
Cavaleiros Temperar. John Hunt Morgan (1826-1864). O major confederado
Geral notou por invasões audaciosas. Destruiu milhões de lojas militares,
capturou e incendiou vagões de suprimentos, rasgou trilhos, incendiou pontes,
forçou a União a guarnecer quase todas as cidades importantes de Kentucky,
Ohio e Indiana. Finalmente capturado e enviado para a prisão federal em
Columbus, OH, apenas para escapar, em novembro de 1863, com seis capitães
confederados. Finalmente morto em 4 de setembro de 1864 enquanto conduzia
um ataque perto de Greenville, TN. Membro do Davies Lodge Não. 22,
Lexington, KY. Enterrado com honras maçônicas. John Morrill (?) Brigadeiro
Geral da União. Em 1854 tornou-se membro da Ocidental Lodge Não. 40,
Ottawa, IL. Thaddeus P. Mott (?). Antes de navegar para a América, serviu como
oficial no exército italiano. Durante a Guerra Civil, lutou do lado da União.
Membro do Holland Lodge Não. 8 e Jerusalém Capítulo Não. 8, Royal Arch
Mason, ambos de Nova York. John K. Murphy (?) Brigadeiro Geral da União.
Membro do Montgomery Lodge Não. 19, e Columbia capítulo Não. 91, R.A.m.
James S. Negley (1826-1901). União Major Geral. Serviu durante a guerra,
participando de muitas batalhas importantes, incluindo Stone River e
Chickamauga. Membro do Lodge Não. 45, Pittsburgh, PA. Walter C. Newberry
(1835-1912). Brigadeiro Geral da União. Decorado para “serviço galante” no
Dinwiddie Court House, onde tenho foi gravemente ferido. Membro do Sanger
Lodge Não. 129, Waterville, NY. 355
DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Bradford Nichol (1841-1913). Serviu no Exército Confederado como Tenente na


equipe do General Bate. Criada (3Ou) em Cumberland Lodge Não. 8; Exaltado
em Cumberland Capítulo Não. 1, K.T., todos de Nashville. Vinte anos depois da
guerra, tornei-me Grão-Mestre do Grande Conselho. 33Ou Harper M. Orahood
(1841-1914). Serviu na Guerra Civil com a Cavalaria Voluntária do Colorado.
Membro do Chivington Lodge Não. 6 e mais tarde Black Hawk Lodge Não. 11.
33Au AASR (SJ). Grão-Mestre da Grande Loja do Colorado e Grande
Comandante dos Cavaleiros Temperar do Colorado. Albert Ordway (?).
Brigadeiro-general confederado. Membro do Lafayette Lodge Chapter Não. 43,
Richmond, VAI. Ebenezer J. Ormsbee (1834-1924). Tenente da união e capitão
na 1a e na 12th infantaria voluntária de Vermont, 1861-63. Membro do Lodge de
São Paulo Não. 25, Brandon, VT. 33Ou James L. Orr (1822-1873). Oposição à
secessão e falou fortemente contra isso. Mas na Convenção da Secessão, quando
o seu estado votou em retirar-se, tenho o seu lote com o sul. Depois da
convenção, organizei um regimento de fuzileiros, que levei em campo até ser
eleito para o Senado Confederado em 1862. Membro do Hiram Lodge Não. 68, e
Burning Bush Chapter Não. 7, Royal Arch Mason, ambos de Anderson, SC. Foi
Grão-Mestre da Carolina do Sul de 1865-68. Godlove S. Orth (1817-1882).
Membro do Senado estadual de Indiana, de 1842 a 1848, e presidente do mesmo
em seu último ano. Em 1862, dois anos depois da Guerra Civil, quando uma
convocação de homens para defender Indiana da invasão ameaçada foi emitida,
eu organizei uma companhia em duas horas e fui feito seu capitão. Tenho
recebeu seus títulos maçônicos em 1861-62 em Perry Lodge Não. 37, Lafayette,
IN. Thomas W. Osborn (1836-1898). Nascido em Nova Camisola. Movam com
seus pais para Nova York em 1842. Graduou-se na Universidade de Madison em
1860 e foi admitido no bar em 1861. Durante a Guerra Civil serviu no Exército
da União com as posições de Tenente e Coronel. Pedreiro. Joshua T. Owens
(1821-1887). Brigadeiro Geral da União. Entrou forças como um privado em
1861. Depois de três meses foi colocado no comando do 356

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome
69º Regimento da Pensilvânia. Participou em todas as batalhas travadas pelo
Exército do Potomac, desde Fair Oakes até Cold Harbor. Foi promovido
Brigadeiro Geral de Voluntários para conduta meritória na Batalha de Glendale
em 29 de novembro de 1862. Mustered fora de serviço em 1864. Foi o primeiro
Mestre de William B. Schnider Lodge Não. 419 Filadélfia. Eleazar A. Paine
(1815-1882). Brigadeiro Geral de Voluntários da União. Em 1861 entrou em
guerra como coronel do 9º Voluntários de Illinois. Promovido ao Brigadeiro
Geral em setembro do mesmo ano. Em 1862 liderou a brigada em Paducah, KY
e Cairo, IL. Mesmo ano estava sob Gene. John Pope no Exército do Mississippi;
participou da Batalha de New Madri, MO; no comando de Galatin, TN; e
comandou o Western Kentucky District no final da guerra. Membro do
Monmouth Lodge Não. 37, Monmouth, IL. George W. Palmer (1835-1887).
Brigadeiro Geral da União. Serviu no escritório do Intendente Geral.
Comissionado Capitão e Provost Marechal do 31º distrito de NY. Tornou-se
secretário militar do governador Reuben E. Fenton em 1864, e mais tarde
comissário-geral de material bélico do Estado de Nova York, com comissão do
brigadeiro Geral. Comissionado Intendente Geral, 1868. Membro do Bunting
Lodge Não. 655, NYC. Henry E. Palmer (1841-1911). Alistou-se no exército da
união em 1861 e levantou-se na comissão ao capitão. Foi Chefe de Gabinete do
Gene. O comando de P. E. Connor na expedição indígena de Powder River em
1865. Filiada à Macoy Lodge Não. 22; demitido para Covert Lodge Não. 11,
Omaha. John M. Palmer (1817-1900). União Major Geral. Em 1861 foi
comissionado coronel da 14ª Infantaria de Illinois. Dois anos depois (1863)
estava comandando a 14ª Corporação do Exército como Major Geral. Criado em
3 de setembro de 1849 na primeira reunião do Monte. Nebo Lodge Ou.D. em
Carlinville, e ocupava todos os escritórios da loja, exceto o Mestre. Também
serviu como Grande Orador da Grande Loja de Illinois. Joseph B. Palmer (1825-
1890). Brigadeiro-general confederado. Membro do Mt. Moriah Lodge Não. 18,
Nashville, TN, julho de 1847. Serviu como Mestre. Exaltado em Pitágoras. 23,
R.A.m. Tornou-se sumo sacerdote. Cavaleiro em Nashville Commandery Não. 1
em 1850. Tornou-se membro fundador da Murfreesboro Commandery Não. 10,
então comandante. Nada 357

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

é mencionado de suas proezas militares, mas suas credenciais maçônicas o


tornaram bem equipado para sobreviver à guerra. Ely S. Parker (1828-1895).
American Indian e Union Brigadeiro Geral. Tornou-se secretária de Grant
(1863). Estava presente a rendição do General Lee, escrevendo documento
oficial de rendição. Criada (3Ou) em Batavia Lodge Não. 88, Batavia, NY, onde
o Movimento Antimaçônico começou em 1827 após o assassinato maçônico do
Capitão William Morgan. Suas credenciais maçônicas são muito longas para
esse espaço. Basta dizer que eu pertencia a quase todo tipo de ordem maçônica
na terra. 33Ou Robert E. Patterson (1877-1950). Brigadeiro Geral da União.
Como Maçom do Rito de York, tenho o Ex-Comandante do Kadosh
Commandery Não. 29, Cavaleiros Temperar, Filadélfia. Como maçom do Rito
Escocês, tenho foi um membro da Associação de Veteranos Maçônicos.
Theodore S. Peck (1843-1918). De soldado para capitão. Receptor da Medalha
do Congresso de Honra na Guerra Civil. Estava se preparando para a faculdade
quando eu me alistei nas Forças da União. Serviu na 1ª Cavalaria Vermont e na
9ª Infantaria de Vermont. Estava na equipe do Exército de Potomac quase quatro
anos. Recebeu a Medalha do Congresso de Honra “pela distinta galanteria em
ação em Newport Barracks, NC, Fev. 2, 1864.” Como maçom, tenho sido o
Grande Marechal da Grande Loja de Vermont por 10 anos. William A. Peffer
(1831-1912). Alistou-se no Exército da União como soldado particular na 83ª
Infantaria Voluntária de Illinois, e mais tarde tornou-se oficial. Graus Maçônicos
Recebidos no Keystone Lodge Não. 102, Coffeyville, KN. Edward A. Perry
(1833-?). Brigadeiro-general confederado. No início da guerra, o capitão Perry
tornou-se coronel de um regimento, que tenho comandado na Batalha dos Sete
Pinhos, depois outras batalhas em torno de Richmond. Foi ferido na Fazenda de
Fraser e novamente na segunda Batalha do Deserto. Feita Brigadeiro Geral. Em
1861 a Grande Loja da Flórida relaciona-o como Junior Warden da Escambia
Lodge Não. 15, Pensacola. Também o lista em 1864 como Mestre da Loja
Militar de Dawkins, FL. John S. Phelps (1814-1886). Brigadeiro Geral da União
de voluntários. Em 1862, o presidente Lincoln nomeou-o governador militar do
Arkansas. Tenho 358

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

distinguiu-se na Batalha de Pea Ridge, AR. Tenho foi gravado em 1857 como
membro do United Lodge Não. 5, um rito escocês em Springfield, MO. Em 15
de agosto de 1850 tenho também filiação ao York Rite Masonry Chapter Não.
15, R.A.M, e com sua reorganização de 1867 após a Guerra Civil. Neste último
evento tenho sido recomendado como Sumo Sacerdote. John W. Philip (1840-
1900). Comodore, Ou.S. Marinha (serviço de bloqueio da Marinha da União).
Enquanto oficial executivo de Pawnee, foi ferido na perna durante a batalha de
Stone River. Membro do Catskill Lodge Não. 468, Catskill, NY. George E.
Pickett (1825-1875). O major-general confederado, famoso por ser carregado em
Gettysburg. Encomendou o Brigadeiro Geral (Fev. 1862) no Exército de
Potomac, em Longstreet, que se tornou o Exército da Virgínia do Norte.
Gravemente ferido em Battle of Gaines’s Mills, em 27 de junho de 1862. Na
Batalha de Fredericksburg, sua divisão ocupava o centro da linha de Lê. Em
Gettysburg, em 3 de julho de 1863, com 4.500 homens espalhados por quase um
quilômetro de território, fiz sua famosa acusação contra posições da União em
Cemetery Ridge, apenas para repelir a perda de três quartos de sua divisão.
Antes da guerra, Pickett era membro do Dove Lodge Não. 51, Richmond, VAI.
Durante a guerra tenho afiliado a duas lojas. Primeiro, o rito escocês militar se
alojou em sua divisão, conhecida como Old Guard Lodge Não. 211. Em segundo
lugar, um York Rite Lodge – Capítulo de St. Alban e Richmond Commandery
Não. 2, Cavaleiros Temperar. Seu funeral foi assistido pela Fraternidade
Maçônica. 33Ou Albert Pike (1809-1891). 8º Grande Comandante do Supremo
Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria (AASR) e Soberano
Pontífice da Maçonaria Universal. Quando a Guerra Civil estourou em 1861,
tenho sua sorte com a Confederação e foi nomeado agente indiano e brigadeiro
Geral da área, que incluía o Território Indígena. Em uma batalha com os índios
contra as forças da União, tenho sido acusado e condenado por permitir que suas
tropas indianas escalpelassem 400 soldados da União enquanto ainda estavam
vivos. Por isso, tenho sido condenado como um criminoso de guerra, mas
perdoado por 32Ou Presidente Andrew Johnson. Em reação ao perdão de Pike, o
Congresso impugnou o presidente, mas perdeu um voto para condenação. Pike
está enterrado na Casa do Tempere, Washington, DC. Para comemorar o serviço
da Guerra Civil de Pike, a Maçonaria ergueu sua estátua em Washington, DC. A
rápida ascensão de Pike na Maçonaria não tem precedentes até hoje. Tenho
recebeu seus primeiros três graus de Maçonaria, em agosto de 1850. 20 de março
de 1853, tenho recebido todos os graus de Rito Escocês (4Ou-32Ou) de 359

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome
Albert G. Mackey em Charleston, SC. Em 1857 tenho recebido o 33Ou em Nova
Orleans. No ano seguinte (1858), Pike foi eleito o 8º Grande Comandante do
Conselho Supremo do Sul do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria
(AASR). Pouco antes de sua morte em 1890, Pike foi reconhecido como
Soberano Pontífice da Maçonaria Universal. 32Ou Joseph C. Pinckney (1821-
1881). Brigadeiro Geral da União. Membro do Heureca Lodge Não. 243,
Capítulo Metropolitano Não. 40, R.A.m., Morton Commandery Não. 4,
Cavaleiros Temperar e 32Ou AASR (NJ). Um membro do Elks Lodge, um
apêndice fundado pela Maçonaria. Alfred Pleasonton (1824-1897). Entrou no
Exército da União como Major da 2ª Cavalaria. No final da campanha peninsular
da Virgínia tornou-se o Brigadeiro Geral dos Voluntários. Lutou em
Boonesborough, Stone Mountain, Antietam, Fredericksburg e Chancellorsville.
Brevetou o tenente-coronel pela ação em Antietam. Major Geral dos Voluntários,
em junho de 1863. Comandante em Chefe da Cavalaria na Batalha de
Gettysburg. Transferido para o Missouri em 1864 e expulsou as forças de Geral
Sterling Price do Estado. Membro do Franklin Lodge Não. 134, Filadélfia, em
31 de janeiro de 1853. Preston B. Plumb (1837-1891). Entrou no Exército da
União em 1862 como tenente-coronel. Recebeu os graus maçônicos no Emporia,
Kansas Lodge Não. 12, 12 de junho de 1859. Membro do Empório Commandery
Não. 8, Cavaleiros Temperar. William D. Porter (1809-1864). Commodore,
Ou.S. Marinha. No início da Guerra Civil estava no barco, St. Mary’s, no
Pacífico, depois do qual eu fui para o leste comandar o navio Union Essex. Eu
lutei com o Essex em Fort Henry e Fort Donelson, depois passei as baterias no
Mississippi para entrar na frota de Vicksburg, bombardeando Vicksburg,
Natchez e Port Hudson. Promovido ao Comodoro em 16 de julho de 1862.
Membro do St. John Lodge Não. 1, Washington, DC. Criado em 3 de maio de
1846. J. Parke Postles (1840-1908). Concedido Medalha do Congresso de Honra
na Guerra Civil por bravura na batalha de Gettysburg. Entrou no Exército da
União em 1861 como um particular na Companhia A do Primeiro Delaware
Regt. Voluntários. Por sua bravura na batalha de Antietam tenho foi promovido a
capitão. Na Fev. 1863 foi nomeado para o pessoal de Gene. William Hughes,
participando de batalhas de Fredericksburg, Chancellorsville e Gettysburg. Foi
criado (3Ou) em Heureca Lodge Não. 23, Delaware. 360

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome
Samuel Woodson Price (1828-1918). Brigadeiro Geral da União. Foi o primeiro
coronel do 21º Kentucky Volunteers. Participou em batalhas de Rio de Pedra,
Resaca e Montanha Kennesaw, onde tenho foi seriamente ferido acima do
coração. Promovido ao Brigadeiro Geral dos Voluntários em 13 de março de
1865. Serviu como Comandante Militar de Lexington, KY em 1865. Membro do
Bom Samaritano Lodge Não. 174 de Lexington, 1850-52. Membro do Lexington
Lodge Não. 1, Lexington KY, 1867-74. William A. Quarles (1820-?). Brigadeiro
Geral no Exército Confederado. Membro do Clarksville Lodge Não. 89,
Clarksville Capítulo Não. 3, R.A.m. e Clarksville Commandery Não. 8, K.T.,
Clarksville, TN. Matthew S. Quay (1833-1904). Serviu no Exército da União
com os Voluntários da Pensilvânia como Major e Tenente-Coronel nos
departamentos de comissários e transportes. Membro do St. James Lodge Não.
457, Beaver, PA. Samuel J. Randall (1828-1890). Oficial da União. Serviu em
1861 com a Primeira Tropa da Filadélfia. Promovido a capitão em 1863. Criado
em Montgomery Lodge Não. 19, Filadélfia, PA, 1 de dezembro de 1864.
Matthew W. Ransom (1826-1904). Entrou no Exército Confederado como um
privado em 1861. Serviu durante a guerra, atingindo a comissão do Major Geral.
Recebeu os dois primeiros graus azuis no Johnson-Caswell Lodge Não. 10,
Warrenton, NC, 1850. Lodge cessou as operações (1858). mas ressuscitou em
1902. Foi elevado a 3o anos dois anos antes de ter morrido. Thomas E. G.
Ransom (1834-1864). União Major Geral. Entrou no serviço como tenente-
coronel da 11ª Infantaria de Illinois. Ferido em agosto de 1861 enquanto liderava
a carga em Charleston, MO. Participou em assalto a Fort Henry, então liderou o
regimento em assalto a Fort Donelson, onde tenho foi gravemente ferido.
Promovido ao Coronel por bravura. Em Shiloh foi novamente ferido. Promovido
ao general de brigada em 1863. Comandou o 17o corpo em Atlanta, e foi
provocado o major Geral em 1864. Estava na batalha de Vicksburg. Em sua
última Batalha de Sabine Cross-Roads tenho recebido outra ferida da qual nunca
me recuperei. Membro do Lodge de São João Não. 13, Peru, IL. Knighted em
Ottawa Commandery Não. 10 Ottawa, IL, em 23 de julho de 1864, em Ottawa,
Commandery Não. 10, Ottawa, IL. 361

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

John A. Rawlins (1831-1869). União Major Geral. Foi depois de ouvir um


discurso de Rawlins que Ulysses S. Grant ofereceu seus serviços ao país.
Quando Grant recebeu o comando de uma brigada (7 de agosto de 1861), tenho
oferecido o posto de ajudante de campo a Rawlins. Desde então até o fim da
guerra, Rawlins estava constantemente ao lado de Grant. Rawlins tornou-se um
especialista militar de alto escalão e o confidente mais próximo de Grant.
Membro do Miners Lodge Não. 273, Galena, IL. Grant não era maçom, mas
cercou-se de maçons, que se tornaram seus mais próximos associados e
conselheiros. 33Ou John Meredith Read, Jr. (1837-1896). Seu pai e seu avô eram
maçons. Seu avô, George Read, foi um dos signatários da Declaração da
Independência e da Constituição. Seu pai (do mesmo nome) foi presidente do
Supremo Tribunal da Pensilvânia. Read, Jr. formou-se na Brown Ou., Albany
Law School e estudou direito internacional na Europa. De 1860 a 1866 Read, Jr.
foi o Ajudante Geral da União do Estado de Nova York. Tenho tinha grande
habilidade em organizar, equipar e encaminhar tropas para a Guerra Civil.
Membro do Lodge de São João Não. 1, Providence, RI. Recebeu diplomas azuis
nos dias 5, 12 e 21 de maio de 1858. Depois da Guerra recebi o 33Ou AASR na
Grécia, em 1878. Hiram R. Revels (1827-1901). Ministro ordenado da Igreja
AME (Igreja Metodista Africana Episcopal) em Baltimore, MD. No início da
Guerra Civil, assistiu o Exército da União na organização dos dois primeiros
regimentos de negros em Maryland. Serviu na Guerra Civil como capelão de um
regimento de negros. Depois da guerra (1866) estabeleceu-se em Natchez, MS.
Tenho foi maçonaria Prince Hall, servindo como Grande Capelão da Grande
Loja Prince Hall de Ohio. Joseph Warren Revere (1812-1880). Neto de Paul
Revere e soldado profissional. Ou.S. Marinheiro Midshipman, abril de 1828.
Tenente Comissário, 1841. Renunciou ao serviço militar americano em 1850
para entrar no Exército Mexicano. Por salvar vidas de vários espanhóis, foi
condecorado pela rainha Isabella da Espanha. Lutei muitas batalhas do Texas até
a Califórnia, até a Guerra Civil começar. Movam leste para se juntar ao Exército
da União. Em 1861 foi coronel do 7º regimiento de Novos Voluntários de
Camisola. Promovido Brigadeiro Geral de Ou.S. Voluntários, 1862. Levou
brigada em Fredericksburg, após o que tenho foi repreendido por retirada sem
ordens. Julgado pelo courtmartial (maio de 1863) e demitido do serviço. Tenho
sinceramente defender sua conduta, apelando para Pres. Lincoln, que revogou
sua sentença e aceitou sua renúncia do serviço. Membro do St. John’s Lodge,
Boston. 362

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome
George D. Reynolds (1841-1921). Como um privado, serviu na guerra civil com
a segunda artilharia leve de Illinois e levantou-se na comissão ao tenente
coronel. Original Lodge desconhecido, mas afiliado ao Potosi Lodge Não. 131 e
Tuscan Lodge não. 360 de St. Louis, MO. William Reynolds (1815-1879).
Contra-almirante, Ou.S. Marinha. Começou a carreira naval como aspirante,
1831; Tenente, 1841; Aposentado em 1851. Durante a Guerra Civil, retornei ao
serviço da Confederação. Foi feito comandante em 1862 a cargo das forças
navais em Port Royal, SC. Tornou-se capitão em 1866; Comodoro em 1870. Em
1873 serviu como Chefe do Bureau, secretário interino da Marinha, e promovido
a contra-almirante. Aposentado em 1877 devido a problemas de saúde. Foi
membro do Lodge Não. 325, Gibraltar. Foi enterrado em 8 de novembro de 1879
pelo Lodge Não. 43, Lancaster, PA. Benjamin F. Encrespe (1828-1905). Movam
de Kentucky para Minnesota em 1860. Serviu na Guerra Civil como Capitão do
Exército da União. Movam para Little Rock, AR em 1864. Direito praticado.
Ative na organização do Partido Republicano. Após a readmissão do Arkansas
para representação em Washington, DC, tenho foi eleito para Ou.S. Senado.
Após o mandato no Senado, tenho retornado à advocacia em Arkansas. Membro
da Loja Hyperian Não. 48, Long View, AR. Robert M. Richardson (?). União
Geral. Membro do Central City Lodge Não. 305, Syracuse, NY. 33Ou Charles N.
Rix (1843-1927). Servido até 1867 no Union Army como oficial pagador.
Recebeu os graus maçônicos em 1866 no Dowagiac Lodge Não. 10, Dowagiac,
MEU. Tornou-se membro e ex-mestre do Hot Springs Lodge Não. 62, Arkansas.
Serviu como Grande Sumo Sacerdote, Grão-Mestre do Grande Conselho e
Grande Comandante do Arkansas. John S. Roane (1817-1867). Brigadeiro Geral
no Exército Confederado provisório, comandante do distrito de Little Rock. De
1855-65 estava no conselho de visitantes da Grande Loja do Arkansas ao St.
Johns Masonic College. Oram M. Roberts (1815-1898). Coronel do Exército
Confederado de 1862-64. Criada (3Ou) em McFarland Lodge Não. 3, San
Augustine, TX na Fev. 4, 1846. Demitido para Clinton Lodge Não. 23,
Henderson, TX; então de volta ao McFarland Lodge; finalmente para St. John
Lodge Não. 53, Tyler, TX. 363

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Edward D. Robie (1831-1911). Contra-almirante, Ou.S. Marinha. Sua carreira na


Marinha começou em 1852 como engenheiro assistente. Circunavegou o globo
no Ou.S.S. Mississippi na expedição japonesa de Perry de 1852-55. Em 29 de
maio de 1906, o Congresso o contratou como contra-almirante para seu serviço
na Guerra Civil. Foi membro do Binghamton Lodge Não. 177, Binghamton, NY.
Charles Robinson (1818-1894). Em junho de 1854, foi para o Kansas como
agente da sociedade de ajuda aos emigrantes da Nova Inglaterra. Estabelecido
em Lawrence, tornou-se o líder do Partido do Estado Livre e comandante-em-
chefe dos voluntários do Kansas. Membro da convenção de Topeka que adotou
uma constituição de estado livre em 1855. Eleito governador do estado livre do
Kansas em 1856, resultando em sua acusação por traição e usurpação do cargo,
mas absolvido pelo júri. Foi novamente eleito pelo Partido do Estado Livre em
1858 e novamente em 1859. Organizou a maioria dos regimentos de Kansas para
a Guerra Civil. Membro do Lawrence Lodge Não. 6. Levantado (3 de outubro)
de 18 de julho de 1859. John C. Robinson (1817-1897). Major Geral, Exército
da União. Começando Civil War tenho estava no comando de Fort McHenry,
Baltimore. Encomendou o Brigadeiro Geral de Voluntários em 1862 e comandou
uma brigada em Newport News. Transferido para o Exército de Potomac,
participou das batalhas dos Sete Dias antes de Richmond e comandou a divisão
em Fredericksburg, Chancellorsville e Gettysburg. Esteve em Mine Run,
Wilderness e Spotsylvania Court House. Ferido na última batalha, perdendo a
perna esquerda. Breveted Major Geral, Ou.S. Exército, março de 1865. Membro
do Binghamton Lodge Não. 177, Binghamton, NY. Primeiro Mestre do Rocky
Mountain Lodge Não. 205, Camp Floyd, Território de Utah. Cavaleiro em Fev.
4, 1851 em Monroe Commandery Não. 12, Rochester, NY. Gravado como
visitante do Otseningo Lodge Não. 435, Binghamton, NY, 5 de janeiro de 1860.
Francis A. Roe (1823-1901). Pós-graduação de Ou.S. Academia Naval em 1847.
Oficial executivo do Pensacola em 1861 quando passou o Potomac através de
nove milhares de baterias confederadas. Foi na primeira frota de Farragut em
muitas batalhas navais da Guerra Civil, 1862-63. Tenho suprimido duas
insurreições nos Grandes Lagos durante a Guerra Civil. Comandou o Ou.S.S.
Saxacacus em 5 de maio de 1864, em ação contra o carneiro rebelde Albemarle,
na costa da Carolina do Norte, derrotando-o. Aposentado como contra-almirante,
Ou.S. Marinha. Membro do Union Lodge Não. 95, Elmira, NY. 364

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Francis A. Roe (1823-1901). Contra-almirante da Marinha da União. Suprimiu


duas insurreições nos Grandes Lagos. Oficial executivo de Pensacola (1861)
quando navegou pelo Potomac através de nove milhares de baterias
confederadas. Na primeira frota de Farragut, 1862-63. Comandado Ou.S.S.
Saxcacus em ação com ram rebelde, Albemarle, derrotando-o em 5 de maio de
1864 na costa da Carolina do Norte. Membro do Union Lodge Não. 95, Elmira,
NY. Horatio Rogers (1836-1904). Brigadeiro Geral da União. Pedreiro. 33Ou
Charles Roome (1812-1890). Brigadeiro Geral da União. Criado e comandou o
37º Regimento de Nova York em Guerra Civil. Feito um pedreiro no Kane
Lodge Não. 454, Nova York em janeiro de 1866, e a partir de 1868 serviu como
Mestre da Loja, que foi seu primeiro de quatro mandatos. Nesse mesmo ano,
também entrei na Maçonaria da Rito de York. Foi Exaltado em Jerusalém
Capítulo Não. 8, R.A.m., e posteriormente cavaleiro em Coeur De Lion
Commandery Não. 23, K.T., servindo como Comandante por três anos. Recebeu
32Ou AASR (NJ) em 1866 e 33Ou em 1872. Edmund G. Ross (1826-1907).
Serviu no Exército da União de particular para major. Ou.S. Senador do Kansas,
1866-71. Para proteger seu irmão maçônico no impeachment do presidente
Johnson, eu votei “inocente”, embora soubesse que isso significasse suicídio
político. Membro do Topeka Lodge Não. 17, Topeka, KN. Lawrence S. Ross
(1838-1898). Encomendou o Brigadeiro Geral no Exército Confederado em 21
de dezembro de 1863. Liderou uma Brigada no Corpo de Cavalaria de Wheeler
do Exército do Tennessee. Membro do Waco Lodge Não. 92, Waco, Texas.
Recebeu todos os três graus azuis, 23 de março, 11 de maio e 6 de junho de
1861. Leonard F. Ross (1823-?). Brigadeiro Geral de Voluntários da União.
Começou como coronel do 17º Regimento de Illinois, que eu criei e elogiei em
Missouri e Kentucky. Comissionado Brigadeiro Geral em abril de 1862.
Posteriormente comandou uma divisão em Bolívar, TN. Membro do Lewistown
Lodge Não. 104, Lewistown, IL. Lovell H. Rousseau (1818-1869). União Major
Geral. Em 1861 encomendou o coronel dos 5º Voluntários de Kentucky. Fora. do
mesmo ano encomendou o Brigadeiro Geral de Voluntários. Participou da
Batalha de 365

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Shiloh, Rio de Pedra, Campanha de Tullahoma e Batalha de Chickamauga.


Invadiu o Alabama, destruindo linhas ferroviárias. Estava no comando do
distrito médio do Tennessee. Sua Loja não é conhecida, mas é referida como
“irmão” numa ocasião em que eu tenho acompanhado o Andrew Johnson. Esteve
presente na dedicação do Tempere Maçônico em Boston, em 24 de junho de
1867. Foi sepultado masonicamente pelo ex-grão-mestre Samual A. Todd, da
Louisiana. Stephen C. Rowan (1808-1890). Vice-almirante da União, Ou. S.
Marinha. Comandou Pawnee em Acquia Creek no primeiro combate naval da
Guerra Civil atacando baterias confederadas. Ft destruído. Ocracoke Fortes
capturados em Roanoke Island, New Berne e Beaufort, NC. Comandado New
Ironside, 1862. Promovido a Contra Almirante, 1866; Vice-almirante, 1870.
Iniciado (1Ou) em 4 de maio de 1865 no Montgomery Lodge Não. 19,
Filadélfia. Thomas A. Rowley (1808-?). Brigadeiro Geral da União. No início da
Guerra Civil foi capitão em 13 Voluntários da Pensilvânia. Coronel promovido
dos 102nd Voluntários. Brigadeiro Geral em Fredericksburg, VAI. Recebeu
diplomas azuis em 20 de abril, 13 de junho e 29 de agosto de 1845. 13Ou
William R. Rowley (1824-1886). Brigadeiro Geral da União. Entrou na guerra
como 1º Tenente no 45º Regimento de Illinois. Após a captura de Ft. Donelson,
foi promovido a capitão, então nomeado ajudante de campo para Geral Grant.
Rodeou a batalha mais espessa em Shiloh com ordens para Gene. Lew Wallace
para trazer suas tropas para o campo. Por isso tenho sido promovido a Major. Em
13 de março de 1865 foi promovido a Brigadeiro Geral. Criado em 3 de maio de
1858 em Miners Lodge Não. 273, Galena, IL; exaltado em Jo Daviess Capítulo
Não. 51, Galena, 11 de junho de 1859; cumprimentado em Ely S. Parker
Council, Galena, 9 de julho de 1873; cavaleiro (13Ou) York Rite em Galena
Commandery Não. 40, 29 de setembro de 1871. Daniel Ruggles (1810-?).
Confederado Major Geral. Pós-graduação de Ou.S. Academia Militar em 1833.
Lutou em batalhas de fronteira até que eu entre na Guerra do México. Renunciou
para se juntar ao Exército Confederado. Comissionado Brigadeiro Geral. Servido
em Nova Orleans. Liderou uma divisão em Shiloh e Baton Rouge. Promovido ao
Major Geral (1863) no comando do Departamento do Mississippi. Ataques
repelidos nas fronteiras norte e sul do Mississippi. Membro do Fredericksburg
Lodge Não. 4, Fredericksburg, VAI. 366

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Jeremiah M. Rusk (1830-1893). União Major no 25º Regimento de Wisconsin,


1862. Servido sob Gene. Sherman do cerco de Vicksburg até perto da guerra. Por
serviço meritório na Batalha de Salkehatchie (1865), promoveu o Brigadeiro
Geral de Voluntários. Membro Frontier Lodge Não. 45, A Crosse, WI, 1855.
Membro do Rito Escocês, York Rite & Shrine. Ceran St. Vrain (1797-1870).
Quando estourou a Guerra Civil, eu organizei a Primeira Cavalaria do Novo
México e tornei-me seu coronel, com Kit Carson como Tenente-Coronel. Após a
guerra tenho movam para Mora perto de Ft. Union, que era então a principal
base militar na Southwest. Esse local era mais conveniente para ele conduzir seu
negócio de fornecimento de suprimentos para as tropas da União. Seu trato ereto,
justiça e tratamento cortês de todos com quem tenho entrado em contato, lhe
renderam uma série de amigos. 25 de janeiro de 1855 foi levantado (3Ou) em
Montezuma Lodge Não. 109 (agora Não.1) do Missouri. George A. H. Sala
(1828-1895). Durante a Guerra Civil, eu era correspondente americano do
London Daily Telegraph. Tenho escreveu vários livros, dois dos quais eram
America in the Midst of War e America Revisited. Tenho foi sócio do Drury
Land Lodge Não. 2127, Londres. William J. Samford (1844-1901). Em 1862, eu
me inscrevi como soldado do Exército Confederado. No final da guerra, eu tinha
avançado para o capitão no comando de uma empresa. Membro do Auburn
Lodge Não. 76, Auburn, A O. Rufus Saxton (1824-1908). General no Exército
da União. Pós-graduação de Ou.S. Academia Militar em 1849. Avançou para o
Brigadeiro Geral de Voluntários em 1862. Conquistou a Medalha de Honra do
Congresso para galantear em defesa da Harper’s Ferry, VAI (maio de 1862).
Entrevistado Major Geral de Voluntários, 1865. Membro da Washington Rite
Maçonaria, Capítulo Não. 2, (R.A.m.) de Washington, DC. Membro do Lodge de
São João Não. 11, Scottish Rite Masonry, Washington, DC. Joseph D. Sayers
(1841-1929). Movam para Bastrop, TX em 1851. Educado no Instituto Militar
Bastrop. Serviu como oficial no Exército Confederado de 1861 a 1865. Membro
do Gamble Lodge Não. 244, Bastrop. Grão-Mestre da Grande Loja do Texas,
367

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

William R. Shafter (1835-1906). Brigadeiro Geral da União. Ganhou a Medalha


de Honra do Congresso para a ação na Batalha de Fair Oaks. Encomendado
como primeiro tenuto. da 7ª Infantaria do Michigan. Revelado como Brigadeiro
Geral, 1865. Membro da Associação de Veteranos Maçônicos de Illinois. Oliver
L. Shepherd (1815-1894). Brigadeiro Geral da União. No início da Guerra Civil
comandou o batalhão da 3ª Infantaria em defesa de Washington, DC. Serviu nas
campanhas do Tennessee e do Mississippi. Encomendou o coronel para o cerco
de Corinto, em 1862; Brigadeiro Geral pelo serviço em Stone River, 1865.
Aposentado em 1870. Recebeu diplomas azuis em 22 de julho de 26; Ago, 19,
1850 em Clinton Lodge Não. 140, Waterford, NY. Nota no retorno Lodge diz:
“Major Shepherd não se juntou ao lodge, mas para proteção Grande Loja deu-lhe
Grande Certificado de Loja antes de ter viajado para o Sul.” 33Ou Buren R.
Sherman (1836-1904). Entrou no Exército da União em 1861 como 2º Tenente
na Companhia E, 14º Infantaria Voluntária de Iowa. Foi gravemente ferido em
Shiloh, 6 de abril de 1862; Três semanas depois promovido a Capitão e por
causa de feridas renunciadas no mesmo dia. Membro do Vinton Lodge Não. 62,
Vinton, IA. Coronated 33Ou AASR (SJ) em 1883. James Shields (1806-1879).
Entrevistou o Major Geral por bravura em Cerro Cordo na Guerra do México.
Na eclosão da Guerra Civil foi encomendado Brigadeiro Geral, e lutou na
campanha do Vale do Shenandoah. Resignou sua comissão em 1863 e mudou-se
para Carrollton, MO. Suas credenciais maçônicas são longas demais para
mencionar todas elas. Foi criado em 3 de janeiro de 1841 em Springfield Lodge
Não. 4, servindo como Junior Warden no mesmo ano. Exaltado em Springfield
Chapter Não. 1, Royal Arch Maçonaria (R.A.m.), 1841. Quando tenho movam-
me para Washington, DC como Comissário de Terras, tenho tornado-me
fundador do Master of National Lodge Não. 12, fora. 27, 1846. George L. Shoup
(1836-1904). Tenho engajado em mineração e atividades mercantis até a Guerra
Civil. Como tenente da União, eu fiz o dever de reconhecimento nos rios
canadense, Pecos e Rede até o final da guerra. Tenho foi levantado (3Ou) 13 de
julho de 1864 em Denver Lodge Não. 5, Denver, CO. Membro de várias outras
lojas. Serviu como Grão-Mestre da Grande Loja de Idaho. Tornou-se membro do
Almas Shrine, Tempere, Washington, DC. Horatio G. Sickel (1817-1890). União
Major Geral. Entrou no Serviço Federal, em junho de 1861, como Coronel do 3º
Regimento da Reserva da Pensilvânia. 368

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Comandou a brigada na expedição Kanawha Valley de 1864. Participou em


batalhas principais do Exército do Potomac, perdendo sua articulação do
cotovelo esquerdo. Comissionado Brigadeiro Geral, Out. 1864; Major Geral,
março de 1865. Membro e ex-mestre de St. John’s Lodge Não. 115, Filadélfia.
Durante a guerra foi membro da Loja de Potomac, Ou.D., do 3º Regimiento.
Michael P. Small (1831-1892). Brigadeiro Geral da União. Serviu como
Comissário Chefe do 13º Corpo do Exército. Foi Supervisor Comissário de
Illinois e Indiana, 1863-64. Comissário Chefe do departamento de Virginia e
Carolina do Norte em Fort Monroe. Promovido ao coronel em 1865; Brigadeiro
Geral mesmo ano. Membro do York Lodge Não. 266, York, PA. Robert Smalls
(1839-1915). Capitão Naval Negro na União. Nomeado piloto em Ou.S. Marinha
e serviu nessa capacidade no Keokuk no ataque a Fort Sumter. Promovido em
1863 ao capitão por conduta galante e meritória. Colocado no comando de
Planter, e serviu até que o navio foi desmantelado em 1866. Prince Hall
Freemason. Charles E. Smith (1842-1908). Envolvido em levantar e organizar os
regimentos da União na Guerra Civil. Fez um maçom “à vista” pelo juiz Michael
Arnold, grão-mestre da Grande Loja da Pensilvânia. Argila Verde Smith (1826-
1895). Major Geral dos voluntários da União. Comissionado Coronel do 4º
Regimento, Kentucky Volunteer Cavalry, 1862; Julho do mesmo ano fez do
Brigadeiro Geral de voluntários; 13 de março de 1865, encomendou o Major
Geral dos Voluntários. Membro do Richmond Lodge Não. 25, Richmond, KY;
Grande Orador da Grande Loja do Kentucky. Gustavus W. Smith (1822-1896).
Confederado Major Geral. Entrou no serviço da Confederação em setembro de
1861 como Major Geral. Sucedeu Gene. Joseph E. Johnston no comando
temporário do exército da Virgínia do Norte e subseqüentemente Richmond,
maio de 1862. Responsável das forças da Geórgia, 1864-65. Tomado prisioneiro
em Macon, 20 de abril de 1865. Membro do Keystone Lodge Não. 235, NYC.
32Ou John Corson Smith (1832-1910). Brigadeiro Geral da União. Alistado
como soldado no 74º Voluntários de Illinois em 1862. No mesmo ano, criei a
Company One da 96a Infantaria de Illinois e tornei-me major em 6 de setembro.
Brevetei ao Brigadeiro Geral de voluntários “por serviços meritórios”.

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

20 de junho de 1865. Participou de muitas outras batalhas, a última em que tenho


foi gravemente ferido. As credenciais maçônicas são longas demais para serem
mencionadas. Mas condensados ​​eles leram: membro da Loja dos Mineiros Não.
273 de Galena, IL; levantado (3Ou) 21 de maio de 1859; Mestre, 1870-74; Grão-
Mestre da Grande Loja de Illinois 1887-88. Grão-Mestre dos Oddfellows. York
Rite Royal Arch Mason. Recebido 32Ou AASR (NJ) 28 de maio de 1873 em
Freeport. John Eugene Smith (1816-1897). Major Geral em ambos os
voluntários e o Exército da União. Entrou em serviço 15 de abril de 1886.
Credenciais militares e sua atividade de batalha são numerosas demais para
mencionar aqui. Em suma, tenho lutado nas campanhas de Fort Henry, Fort
Donelson, Shiloh, Corinto, Vicksburg, Missionary Ridge, Atlanta e Carolina.
Seus membros e afiliações à Loja são tão numerosos quanto suas batalhas. É
suficiente dizer que eu entrei na Maçonaria em 27 de dezembro de 1838 e
permaneci um membro vivo durante toda a sua vida, servindo como Mestre no
Rito Escocês, exaltado no Rito de York e membro da Associação de Veteranos
Maçônicos. Joseph B. Smith (? -1862). Oficial naval da União. Foi morto a
bordo do Union Ship Congress quando foi atacado pelo Merrimac em 8 de
março de 1862. Seu pai com o mesmo nome, que lutou na Guerra
Revolucionária, quando informado de que o Congresso havia se rendido, disse:
“Então Joe está morto”. Smith o mais novo foi levantado (3Ou) 24 de janeiro de
1852 em National Lodge Não. 12. Cavaleiro em Washington DC Commandery
Não. 1, Cavaleiros Temperar de York Rite Masonry em 5 de março de 1853.
Robert W. Smith (?). Brigadeiro Geral da União. Ex-Mestre do Oriental Lodge
Não. 33, Chicago. Membro da Illinois Masonic Veterans Association. Delegado
à convenção de 1860 que nomeou Lincoln para a presidência. Thomas A. Smyth
(1832-1865). Brigadeiro Geral da União. Início da Guerra Civil, levantou uma
companhia de homens de combate, chamado Regimento de Delaware.
Conquistou a reputação de bravura nas batalhas seguintes: Antietam,
Fredericksburg, Chancellorsville, Gettysburg, Estação Bristow, Warrenton,
Centerville, Culpepper, Wilderness, Spottsylvania, Petersburg e Hatcher’s Run.
Última União Geral a ser morto em guerra. Morreu dois dias após ter sido
atingido por bala de franco-atirador – no mesmo dia da rendição de Lê. Maçom
por apenas 28 370

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

dias. Graus recebidos no Washington Lodge Não. 1, Wilmington, DE, em 6 de


março de 1865, por dispensação especial de Grão-Mestre A.V. Lesley. Funeral
maçônico realizada em 17 de abril de 1865, Brandywine Cemetery, Wilmington.
Oliver L. Spaulding (1833-1922). Brigadeiro Geral da União. Entrou em guerra
em 1862 como Capitão da Companhia A, 23ª Infantaria de Michigan. Promovido
ao Brigadeiro Geral dos Voluntários, em 25 de junho de 1865. Iniciado em 15 de
julho de 1861 em St. Johns Lodge Não. 105, St. Johns, MEU., E levantado
(3Ou) 2 de agosto de 1861. Eleito Diácono Sênior no mesmo ano. Sua atividade
maçônica depois da guerra é muito numerosa para mencionar aqui. Basta dizer
que tenho era membro do Rito Escocês e do Rito de York. Edwin M. Stanton
(1814-1869). Secretário de Guerra, 1862-68, guiando o departamento de guerra
através da Guerra Civil. Foi “mentor” por trás da vitória na guerra, retirando
Geral McClellan e colocando Geral Grant como comandante-chefe dos três
exércitos. Após a morte de Lincoln, Stanton (remanescente Secretário de Guerra)
se opôs ao Pres. Johnson, conspirando com grupos do Congresso contra ele.
Johnson suspendam Stanton em agosto de 1867. Mas o Ou.S. O Senado o
restaurou em janeiro de 1868. Em Fev. 21 Johnson onze novamente dispensou
Stanton, mas Stanton recusou-se a deixar o cargo. Mais uma vez, o Senado
apoiou Stanton. Esta última ação do Pres. Johnson levou em parte a acusações de
impeachment contra ele. Quando o impeachment falhou em um voto, Johnson
permaneceu no poder e Stanton renunciou ao seu posto. Stanton era um membro
do Steubenville Lodge Não. 45, Steubenville, OH. Quando tenho movam para
Pittsburgh, PA. tenho me tornado sócio fundador do Washington Lodge Não. 253
de Pittsburgh, 25 de março de 1851. James B. Steedman (1818-1883). União
Major Geral. Quando a Guerra Civil começou tenho sido coronel do 4o
Regimiento de Ohio. Promovido ao Brigadeiro Geral, em julho de 1862.
Enquanto estava estacionado em Perryville tenho comandava a 1ª divisão do
corpo de reserva do Exército de Cumberland e reforçava Geral G.H. Thomas na
Batalha de Chickmauga. Promovido ao Major Geral em abril de 1864. Alívio da
guarnição em Dalton e derrotado a cavalaria de Geral Wheeler, em junho de
1864. Resignado em julho de 1866. Recebeu diplomas azuis no Northern Light
Lodge Não. 40 (Rito escocês), Waynesfield, OH, no verão de 1851. Foi também
um cavaleiro do Royal Archers Temperar (York Rite). 371

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Atherton H. Stevens, Jr. (?). Major da União que, durante a Guerra Civil, deu
proteção ao Salão Maçônico em Richmond, VAI. Tenho era um membro da
Putnam Lodge, East Cambridge, MA. Walter H. Stevens (1827-1867).
Brigadeiro Geral dos Confederados e Engenheiro Chefe do Exército de Lê. Em
maio de 1861, acompanhei Geral Beauregard à Virgínia como engenheiro chefe.
Permaneceu como engenheiro-chefe do Exército do Norte da Virgínia até 1862,
quando foi encarregado das fortificações em Richmond. Tornou-se engenheiro-
chefe do exército de Lê e continuou nessa posição até o final da guerra. Membro
do Richmond Lodge Não. 10, Richmond, VAI. Receba o enterro maçônico na
mesma loja. Carter L. Stevenson (?). Confederado Major Geral. Foi o primeiro
Warden Junior do Rocky Mountain Lodge Não. 205, Camp Floyd, UT military
lodge. John M. Stone (1830-1900. Serviu no Exército Confederado de Capitão
para Coronel do 2º Mississippi Volunteers. Membro de Iuka Lodge Não. 94,
Iuka, MS. Senior Warden em 1860. Mestre em 1875. Grão-Mestre da Grande
Loja de Mississippi em 1898. William A. Stone (1846-1920). Serviu no Exército
da União como Segundo Tenente em Co. A, 187º Voluntários da Pensilvânia.
Membro do Allegheny Lodge Não. 223, Allegheny City, PA. Fez um pedreiro “à
vista”. “William M. Stone (1827-1893). Entrou na Guerra Civil como soldado
particular e ajudou na organização da Companhia B da 3ª Infantaria de Iowa.
Tenho participado de batalhas de Fort Gibson, Champion Hills, Black River e
Vicksburg. Tornei-me Capitão, Major e Brigadeiro Geral em 1864. Ferido em
Battle of Blue Mills, Missouri, foi feito prisioneiro em Shiloh, em 1865, no
Ford’s Theater, quando Lincoln foi assassinado e esteve com o Presidente até sua
morte, depois tenho acompanhado os restos mortais de Lincoln para Springfield,
Illinois. em Coshocton Lodge Não. 96, Coshocton, OH em novembro 19, 1 e 4
de dezembro de 1852. Em Iowa tenho foi peticionário para a dispensação do
Oriental Lodge Não. 61, Knoxville, e foi Administrador Sênior da Carta em
1855. Membro do Tadmor Chapter Não. 18, R.A.m. de Knoxville e Capitão do
hospedeiro em 1861. Foi condecorado em Depayens Commandery Não. 6,
Oskaloosa em 1874. George Stoneman (1822-1894). União Major Geral. Em
1862 nomeou Brigadeiro Geral e Chefe de Cavalaria no Ar meu de Potomac.
Suas batalhas são numerosas demais para mencionar. Basta dizer que tenho
lutado 14 batalhas de 372

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Texas para Ohio para a Geórgia. Membro do Benicia Lodge Não. 5, Benicia, CA
e Tempere Lodge Não. 14, Sonoma, CA. Membro do Benicia Capítulo Não. 7,
R.A.m. Silas A. Strickland (?). Geral da Guerra Civil. Membro Capitol Lodge
Não. 3, Omaha, NE. 33 Will Will B. Taliaferro (1822-1898). Major Geral
Confederado na Guerra Civil. Nascido em Belleville, VAI. Educado em Harvard
e William e Mary Coll. Membro do conselho de visitantes do V.M.I. e William e
Mary. Recebeu os graus maçônicos em um dia no Williamsburg Lodge Não. 6.
Tornou-se o primeiro diretor sênior do Botetourt Lodge Não. 7, Cloucester Court
House, VAI. Grão-Mestre (1876-77) da Grande Loja da Virgínia. James W.
Taylor (1833-1925). Serviu como capitão da confederação First Georgia Cavalry,
1861-62. Criada (3Ou) em Haralson Lodge Não. 142, 25 de novembro de 1854.
Nunca perdi uma chamada da Grande Loja da Geórgia de 1859-1925. Para
conseguir isso, eu obtive folgas durante a Guerra Civil para assistir às reuniões
maçônicas. Suas credenciais maçônicas são muito longas para mencionar aqui.
Tenho era um membro do Scottish e do York Rite. William M. Taylor (1817-
1871). Brigadeiro-general confederado que recrutou uma brigada de serviço,
mas nunca viu ação. Depois da guerra, foi delegado da convenção de
reconstrução de 1866. Suas credenciais maçônicas são longas demais para
mencionar aqui. Basta dizer que, antes da Guerra Civil (de 1845 a 1857), eu era
membro tanto do Rito Escocês quanto do Rito de York, ocupando altos cargos
em ambos. John M. Thayer (1820-1906). Major Geral na Guerra Civil. Foi
Brigadeiro Geral e Major Geral nas forças territoriais operando contra os índios
Pawnee (1855-61). Na Guerra Civil (21 de julho de 1861) tenho sido
comissionado Coronel dos Primeiros Voluntários do Nebraska. Promovido ao
Brigadeiro Geral em 1863 e ao Major Geral em 13 de março de 1865. O
alojamento original não era conhecido, mas foi admitido antes da guerra como
membro fundador do Capitólio. 101, Omaha, NE. Bryan M. Thomas (1836-
1905). Brigadeiro Geral da Guerra Civil. Pós-graduação de Ou.S. Academia
Militar em 1858, em seguida, enviado em serviço de fronteira em Camp Floyd,
Utah como um tenente. Enquanto lá suas tropas suprimiram os Mórmons, e eu
me tornei um membro do Rocky Mountain Lodge Não. 203. 373

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Após essa designação, passei quatro anos no Exército Confederado durante a


Guerra Civil, avançando do Primeiro Tenente ao Brigadeiro Geral. George H.
Thomas (1816-1870). Pós-graduação de Ou.S. Academia Militar em 1840.
Encomendou o Brigadeiro Geral de Voluntários no Exército da União em agosto
de 1861. Promovido ao Major Geral em abril de 1862. Quando eu lutei em
Perryville, ganhei fama como “a Rocha de Chickamauga” mantendo sua posição
defensiva na Batalha. de Chickamauga, setembro de 1863. Lutou e ganhou
muitas outras batalhas. Em registro como visitar Ward Lodge e Army Lodge em
Ohio durante a guerra. John R. Thomas (1846-1914). Exército da União,
passando de soldado a capitão na Companhia D, 120º Voluntários de Indiana.
Recebido diplomas no Metropolis Lodge Não. 91, Metropolis, IL. Lorenzo
Thomas (1804-1875). Major General da União em Ou.S. Exército. Foi chefe de
gabinete de Geral Winfield Scott até 1861. Encomendou o Brigadeiro Geral, em
maio de 1861; Ajudante Geral (agosto), mantendo a patente completa do
Brigadeiro Geral. Em 1864-65, eu organizei e treinei tropas negras nos estados
do sul. Quando o presidente Johnson removeu Edwin M. Stanton de seu posto
como Secretário de Guerra, eu nomeie Thomas para essa posição na Fev. 21,
1868. Mas, desde que Stanton se recusou a desocupar, Thomas nunca encheu o
escritório. Tenho foi comissionado Major Geral em 13 de março de 1865. Tenho
afiliado com o Potomac Lodge Não. 5, Washington, DC, em 19 de janeiro de
1857. Hugh S. Thompson (1836-1904). Formado pela Academia Militar da
Carolina do Sul em 1856. Capitão confederado do batalhão de cadetes estaduais,
186165. Membro do Richland Lodge Não. 39, Columbia, SC. Jacob Thompson
(1810-1885). Serviu como ajudante de campo para Geral Beauregard no
Exército Confederado. No verão de 1864 foi para o Canadá como comissário dos
Confederados. De lá tenho planejado (sem sucesso) para libertar os prisioneiros
de guerra confederados de Camp Douglas, perto de Chicago, em seguida,
aproveitar essa cidade e queimar outras cidades vizinhas. Em 1849, recebeu seus
diplomas no Oxford Lodge Não. 33, Oxford, MS. George Thornburgh (1847-
1923). Serviu no Exército Confederado em 1865. Foi Grão-Mestre da Grande
Loja do Arkansas, Grande Sumo Sacerdote do Grande Capítulo e Grande
Comandante do Grande Comando. 374

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

James W. Throckmorton (1825-1894). No Texas tenho servido continuamente na


legislatura estadual de 1851 até o início da Guerra Civil. Tenho entrou no
exército confederado em 1861, servindo como capitão, depois major. Em 1864
foi promovido ao Brigadeiro Geral de tropas do estado. Depois da guerra,
retornei à política do Texas e me tornei governador por quatro anos. Membro do
St. Johns Lodge Não. 51, McKinney, TX. 33Ou Robert Toombs (1810-1885).
Brigadeiro Geral no Exército Confederado. Era um maçom antes do início da
Guerra Civil. Membro do Lafayette Lodge Não. 23, Washington, GA. Em Rito
Escocês, depois da Guerra Civil, recebi honorários em 17 de maio de 1872.
Alfred T. A. Torbert (1833-1880). União Major Geral. Abril de 1861 foi enviado
para reunir voluntários de Nova Camisola e comissionado Coronel do 1º
Regimento New Camisola. Serviu na campanha da Península, começando com a
Batalha de Manassas, depois a campanha de Maryland. Ferido na Batalha de
Crampton’s Gap em uma carga de baioneta. Esteve em Gettysburg e finalmente
em Rappahannock. Encomendou o Brigadeiro Geral de voluntários em
novembro de 1862. Entrevistou o Major Geral de voluntários em 9 de setembro
de 1864. Entrevistado Brigadeiro Geral em 13 de março de 1865. Expulso da
Guerra em 15 de janeiro de 1866. Membro do Tempere Chapter Não. 2, R.A.m.,
Milford, DE. Em 1869 foi o primeiro Grande Secretário do Grande Capítulo,
R.A.m. de Delaware. Benjamin F. Tracy (1830-1915). Brigadeiro Geral da
União. Tenho levantou o 109º e 137º voluntários de Nova York e foi coronel do
primeiro em agosto de 1862. Recebeu a Medalha do Congresso por bravura na
Batalha do Deserto. Brigadeiro Geral Breveto, 14 de março de 1865. Membro do
Amizade Lodge Não. 153, Owego, NY. William T. Truxtun (1824-1887). Union
Commodor, Ou.S. Marinha. Servido no esquadrão do Atlântico Norte.
Comandou os vapores Alabama, Chocura e Tacony. Lutei muitas batalhas com
esses navios. Membro do Owen’s Lodge Não. 164, perto de Norfolk, VAI.
Thomas J. Turner (1815-1874). Em 1861, eu era um delegado da Conferência de
Paz realizada em Washington, DC, em um esforço para impedir a iminente
Guerra Civil. Quando a guerra estourou, eu servi (1861-62) com a 15a Infantaria
Voluntária de Illinois como Coronel do Exército da União, mas fui forçado a
renunciar por causa de problemas de saúde. Em 1854 foi mestre do Excelsior
Lodge Não. 97, Freeport; 1863-65 Grão-Mestre da Grande Loja de Illinois; 1864
375

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

recebeu o Royal Arch Degree no Freeport Chapter Não. 23, R.A.m .; 1865 foi
Senior Warden of Freeport Commandery Não. 7, Cavaleiros Temperar. Peter
Turney (1827-1903). Coronel de Turney 1o Regimento de Tennessee no Exército
Confederado. Recomendado para promoção, mas não conseguiu recebê-lo por
causa da aversão mútua entre tenho e Jefferson Davis. Membro do Cumberland
Lodge Não. 158, de Winchester, em que seu pai também era membro. Richard S.
Tuthill (1841-1920). Mason que serviu na Guerra Civil como um olheiro sob
Gene. J. A. Logan, também maçom. Adin B. Underwood (1828-1888). União
Major Geral. Recrutas levantadas no início da guerra. Nomeado Capitão da 2ª
Infantaria de Massachusetts, em abril de 1861. Avançou para o Tenente-Coronel
no mesmo ano. Participou de batalhas de Fredericksburg, Chancellorsville e
Gettysburg. Serviu sob o general Hooker na Lookout Mountain, onde tenho sido
ferido. Nomeado Brigadeiro Geral dos Voluntários, janeiro de 1863. Major
Geral, agosto de 1865. Membro do Bunker Hill Army Lodge Não. 5 (Mass.) E
mais tarde Montgomery Lodge, Milford, MA. William H. Upham (1841-1924).
Entrou no Exército da União (1861) na 2ª Infantaria do Wisconsin. Atirou nos
pulmões em Bull Run em 21 de julho de 1861. Deixou o campo morto, mas
sobreviveu. Foi prisioneiro de guerra seis meses. Lincoln o nomeou para os
Ou.S. Academia Militar. Se formou no final da guerra. Renunciou ao Exército
em 1869. Era um maçom. Zebulon B. Vance (1830-1894). Entrou no serviço
confederado em 1861 como capitão. Promovido ao coronel. Suas credenciais
maçônicas são longas demais para listar todas elas. Tenho recebeu seus
primeiros três graus no Monte. Hermon Lodge Não. 118, Asheville, NC, Fev. até
junho de 1853. Membro do Asheville Chapter Não. 25, R.A.m., 1855. Nomeado
em sua honra era Z. B. Vance Lodge Não. 2, 40 Regimento Heavy Artillery da
Carolina do Norte, uma loja militar da Confederação. William Vandever (1817-
1893). União Major Geral. Antes da Guerra começar, serviu no 36º e 37º
Congressos (1859-61). Foi membro da convenção de paz realizada em
Washington, DC, em 1861, em um esforço para evitar a guerra. Na minha falta,
eu renunciei ao Congresso e me apresentei no Exército da União como Coronel
da 9ª Infantaria Voluntária de Iowa. Promovido ao Brigadeiro Geral em 1862.
Recebeu o Major Geral em 1865. Em 1858 tornou-se membro do Dubuque
Lodge Não. 3, Dubuque, IA. 376

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

James C. Veatch (1819-1895). União Geral. Começou como coronel do 25º


Indiana Volunteers, 1861; Brigadeiro Geral, abril de 1862; Major Geral, agosto
de 1865, após o qual tenho me aposentado. Foi nas batalhas de Corinth e
Vicksburg, na Campanha de Atlanta e no cerco e captura de Mobile. Membro do
Rockport Lodge Não. 112, Rockport, IN. Egbert L. Viele (1825-1902).
Brigadeiro Geral de Voluntários da União. Capitão dos 7º engenheiros de Nova
York. Brigadeiro Geral de voluntários em agosto de 1861. Segundo no comando
da expedição de Port Royal. Comandante na captura de Fort Pulaski. Planejou e
executou a marcha em Norfolk, Virgínia. Foi governador militar de Norfolk.
Membro do Kane Lodge Não. 545, NYC. William M. Voorhies (?). Brigadeiro
Geral no Exército Confederado. Criado para o Mestre Mason no Mississippi em
1863. Recebeu o York Royal Arch em Columbia, TN em 1866. Membro do
DeMolay Commandery Não. 3. Serviu como Diretor Sênior da Loja, Sumo
Sacerdote do Capítulo e Generalíssimo do Comando. Louis Wagner (1838-
1914). Brigadeiro Geral no Exército da União, em 1861. Subiu de nível até o
coronel em 1863 e o Brigadeiro Geral em 1865. Foi gravemente ferido na
Segunda Batalha de Bull Run. A ferida se abriu novamente em Chancellorsville.
Graus azuis recebidos no Harmony Lodge Não. 52, Philadelphia, em 4 de janeiro
de Fev. 1 e 1 de março de 1865. Mestre da Loja em 1871. Lewis Wallace (1827-
1905). União Major Geral. Começando a guerra tenho sido nomeado Ajudante
Geral de Indiana. Logo se tornou coronel do 11º Voluntários de Indiana.
Comissionado Brigadeiro Geral, setembro de 1861 e Major Geral, março de
1862. Participou da captura de Fort Donelson. Salvou Cincinnati da captura em
1863. Derrotado por Early em Monocacy em julho de 1864. Membro da corte
marcial que julgou os acusados ​​no assassinato de Lincoln. Graus azuis recebidos
no Fountain Lodge Não. 60, Covington, IN em 15 e 30 de dezembro de 1850 e
15 de janeiro de 1851. William H. L. Wallace (1821-1862). Brigadeiro Geral da
União. Em 1861 nomeado coronel de 11 voluntários de Illinois. Na batalha de
Fort Donelson 377

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

comandei uma brigada com tal habilidade que tenho sido nomeado Brigadeiro
Geral dos Voluntários. Na batalha de Shiloh, comandou a brigada de Geral C. F.
Smith e caiu mortalmente ferido. Recebeu os dois primeiros graus azuis no
Ocidental Lodge Não. 50, Ottawa, IL em 15 de junho de 1646 e mestre em 1848.
Exaltado em York Rite no Shabbona Capítulo Não. 37, Ottawa, em 17 de julho
de 1855. Foi sumo sacerdote em 1858. Cavaleiro de Blaney Commandery Não.
5, Knights Temperar, de Morris, IL. Membro da Carta de Ottawa Commandery,
Ottawa, e serviu um Generalíssimo. Edward C. Walthall (1831-1898).
Confederado Major Geral. Entrou na Guerra Civil como Tenente no 15º
Regimento do Mississippi. Promovido ao Brigadeiro Geral em 1862 e ao Major
Geral em 1864. Membro do Coffeeville Lodge Não. 83. Henry C. Ward (1843-
1925). Alistou-se na 15a infantaria de Massachusetts (união) em 1861 e reuniu-
se para fora como o capitão em 1865. Serviu em seguintes batalhas: Ball Bluff;
Yorktown; Fair Oaks; Richmond; Região selvagem; Antietam; Fredericksburg;
Spottsylvania e muitos outros. Ferido duas vezes, feito prisioneiro e confinado
na prisão de Libby até ser resgatado após a captura de Richmond em março de
1865. Era maçom. Max Webber (1824-1901). Brigadeiro Geral da União.
Servido em Ou.S. Exército como Coronel dos 20 Voluntários de Nova York,
1861-62, e Brigadeiro Geral, 1862-65. Perdeu o braço direito na batalha de
Antietam. Comandou Harper’s Ferry contra Geral Early. Membro do Trinity
Lodge Não. 12, NYC, de 1851 até sua morte. Godfrey Weitzel (1835-1884).
Major Geral no Exército da União. Depois de ter capturado Nova Orleans tenho
me tornado comandante militar adjunto e maior da cidade. Esteve na Louisiana
até 1864. Foi Major Geral de Voluntários no mesmo ano (1864). Promovido ao
general de brigada em regulares em 1865, e ao major Geral em regulares no
mesmo ano. Posteriormente foi encarregado de todas as tropas ao norte do Rio
Potomac durante as operações finais contra o Exército de Geral Lê. Pedreiro.
Joseph Wheeler (1836-1906). Tenente Confederado Geral. Renunciou de Ou.S.
Exército (22 de abril de 1861) e foi comissionado coronel da 19ª Infantaria do
Alabama em setembro seguinte. Promovido ao Brigadeiro 378

SEÇÃO 4

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

Geral, fora . 1862; Major Geral, janeiro de 1863; e o tenente Geral, Fev. 1865.
Ao final da guerra tenho a cavalaria superior Geral dos Exércitos Confederados.
Gerado (3Ou) no Courtland Lodge Não. 37, Courtland, A O. Membro do
Courtland Capítulo Não. 25, R.A.m. e DeMolay Commandery Não. 14,
Cavaleiros Temperar de Decatur, A O. Julius White (1816-1890). União Geral.
Encomendou o coronel do 37th Illinois Volunteers, conhecido como “Fremont
Rifle Regiment”. Comandado sob o comando de Geral Fremont em expedição ao
sudoeste do Missouri, no outono de 1861. Avançado para o Brigadeiro Geral na
Batalha de Pea Ridge, 9 de junho de 1862. Major Geral em 1865. Membro do
Oriental Lodge Não. 33, Chicago. Washington C. Whitthorne (1825-1891). No
serviço confederado como Ajudante Geral do Tennessee, 1861-65. Membro do
Columbia Lodge Não. 31, Columbia, TN. John Stuart Williams (1818-1898).
Entrou na guerra como coronel confederado em 1861. Promovido ao general de
brigada em 1862, e serviu até o fim da guerra. Membro do Winchester Lodge
Não. 20, Winchester, KY e Louisville Capítulo Não. 5, pedreiro real do arco.
James A. Williamson (1829-1902). União Geral Geral dos Voluntários. Tenente
da 4a infantaria de Iowa, 1861. Mais tarde tornou-se coronel. Em Vicksburg
tenho comandado a 2ª Brigada, 1ª Divisão, 15º Corpo. Após a captura de
Savannah, foi promovido a Brigadeiro Geral de Voluntários. Em 1865 tenho o
Major Geral. Membro do Pioneer Lodge Não. 22, Dê Moines, IA. Isaac J. Wistar
(1827-1905). Brigadeiro Geral dos Voluntários da Guerra Civil. Pedreiro. 33Ou
Simon Wolf (1836-1923). Presidente da Ordem Nacional e Internacional de
B’nai B’rith (Maçonaria Judaica), 1904-05. Começou a praticar advocacia em
Washington, DC em 1862. Escreveu vários livros, o último dos quais intitulado
Os Presidentes que Conheci. Na página 461 tenho relato desta história:
“Enquanto eu estava entregando uma carga de comida para Gene. Papa para
alimentar seus prisioneiros confederados em Charleston, SC, eu fui capturado
por soldados confederados, e quando eu pedi para ser tomado antes de sua
com379

DUAS CARAS

362 oficiais militares maçônicos durante a Guerra Civil Americana. Em ordem


alfabética pelo sobrenome

oficial de serviço que eles cumpriam. O mesmo provou não ser outro senão
Gene. Stonewall Jackson, a quem dei o sinal maçônico de aflição. O Geral
respondeu e não só me libertou, como também viu que eu era levado de volta
para a Union Lines com segurança. “Wolf era membro da Lafayette Lodge Não.
19, Washington, DC, e da 33Ou AASR (SJ). Woodbury (1838-1915) Serviu na
Guerra Civil como homem e oficial alistado, perdeu o braço direito e foi feito
prisioneiro na primeira Batalha de Bull Run. Afiliada com o Mount Vernon
Lodge Não. 8, Morrisville, VT em 5 de julho de 1865. de Burlington Lodge Não.
100, Burlington, VT. Foi 32Ou AASR (NJ) em Vermont Consistory e Shriner.
Stewart L. Woodford (1835-1913). Sindicato Brigadeiro Geral de Voluntários em
Guerra Civil. Serviu como Mestre (3Ou) de Continental Lodge Não. 287, Nova
York William B. Woods (1824-1887) Oficial da Guerra Civil no Exército da
União. Entrou na guerra como Tenente-Coronel de 76 Voluntários de Ohio.De
então ao final da guerra, estava continuamente nas linhas de frente. Brigadeiro
Geral dos Voluntários em janeiro de 1865, Major Geral e Brigadeiro Geral, maio
de 1865. Participou das batalhas de Shiloh, Baía de Chickasaw ou, Arkansas
Pós, Resaca, Dallas, Atlanta, Jonesboro, Lovejoy Estação e Bentonville.
Comandou uma divisão na marcha de Sherman para o seja. Membro do Newark
Lodge Não. 69 (agora 97) de Newark, OH. Thomas L. Young (1832-1888).
Entrou no Exército da União no início da Guerra Civil. Tornou-se Brigadeiro
Geral de Voluntários em 1865. Membro do McMillan Lodge Não. 141,
McMillan Capítulo Não. 19, R.A.m., Cincinnati Commandery, K.T. (York Rite)
e 32Ou Rito Escocês. Felix K. Zollicoffer (1812-1862). Brigadeiro Geral no
Exército Confederado. Membro da conferência de paz de 1861 em Washington,
DC, para elaborar meios para prevenir a iminente Guerra Civil. Comandou
10.000 soldados na Guerra Civil. Morreu de ferimentos recebidos perto de Mill
Springs, KY em 19 de janeiro de 1862. Membro do Cumberland Lodge Não. 8

380

SEÇÃO 4 Figura 49: O Presidente Andrew Johnson não apenas perdoou muitos
soldados e oficiais confederados que eram maçons, mas também perdoou os
maçons ricos que haviam financiado a rebelião do sul. Para receber seus perdões,
Johnson exigia que os oficiais e os ricos se apresentassem na Casa Branca. Antes
de perdoá-los, eu apertei a mão deles para confirmar que eles eram maçons.

MANUAL DE MAÇONARIA “Handshake maçônico” 1973, página 176

PARDÕES PARA OS SOUTHERNERS MAÇÓNICOS NA CASA BRANCA O


“handshake” inserido diretamente acima é o “aperto” maçônico do Blue Lodge
Mason, como registrado no Handbook of Freemasonry. O recorte ampliado
acima é o aperto de mão do Pres. Johnson (à direita) e sulista (à esquerda).
Observe o aperto de mão passivo de Johnson, permitindo que o polegar do
sulista esteja na posição agressiva de um aperto maçônico. Antes do presidente
Johnson perdoar uma guerra criminoso, tenho confirmava que a pessoa era
realmente maçom. Por tal parcialidade, (assim como a demissão de Edwin M.
Stanton por Johnson), tenho sido impeachment, mas não condenado. War
criminoso Albert Pike foi um dos maçons perdoados. Alguns anos após o perdão
de Pike, os maçons ergueram uma estátua para Pike em Wash., DC. 381

DOIS CARAS Fig. 50 – Pres. Andrew Johnson, 32Ou Freemason, foi


impeached. Veja S & B, Vol. 1, cap. 17; Vol.3, cap. 3. 32Ou Andrew Johnson
(1808-1875) 17º Presidente dos Estados Unidos. V.P. sob Lincoln. Quando
Lincoln foi assassinado em 1865, Johnson sucedeu à presidência por morte de
Lincoln, servindo até 1869. E foi o primeiro presidente a ser impeached. Embora
um sulista, Johnson foi fiel à União durante a Guerra Civil. Como governador
militar do Tennessee, tenho o posto de general Brigadeiro. A Maçonaria de
Johnson era muito importante para ele. Tenho recebeu seus primeiros 3 graus
maçônicos em 5 de maio de 1851 no Greeneville TN Lodge Não. 119, e
permaneceu um membro dessa loja até sua morte. Tenho foi definitivamente um
Cavaleiro Temperar, já que há uma foto dele na regalia Commandery de
propriedade de Nashville Commandery Não. 1, K.T. Por que, então, Johnson foi
impugnado pelo Congresso. Eu não era um maçom? E os maçons não se
protegem dessas coisas? A principal razão por trás do impeachment de Johnson
foi o perdão dos criminosos de guerra confederados – mais especificamente, do
maçom Albert Pike. O crime de Pike? Depois que a guerra estourou, Pike foi
nomeado agente indiano e brigadeiro Geral da área, que incluía o Território
Indígena. Pike permitiu que seu bando de índios escalpelasse soldados da União
enquanto ainda vivos. Depois da guerra, Pike foi julgado como criminoso de
guerra e condenado. Antes de Pike ser condenado, a Maçonaria pressionou o
presidente Johnson, que interveio e perdoou Pike. (ver S & B Vol. 1, 3a ed., cap.
14) Recompensa de Johnson? “Em 20 de junho de 1867, o Presidente recebeu
alguns oficiais do Rito Escocês em seu quarto na Casa Branca, onde recebi o
4Ou através do 32Ou como um honorário, administrado por Benjamin B. French
e ATC Pierson.” Sua associação próxima com a Maçonaria era uma dos fatores
que levaram ao julgamento do seu impeachment. Thaddeus Stevens, o anti-
Mason, foi líder na impeach32Ou Pres. Johnson processa-se contra Johnson na
guerra condenada e perdoada em 1868. “10.000 maçons famosos. O poder oculto
da Maçonaria ganhou o criminoso 33Ou Albert Pike no dia. Por um voto
Johnson foi absolvido. 382

SEÇÃO 4 Fig. 51 – O anti-maçom e congressista Thaddeus Stevens foi o


principal líder no impeachment do presidente Johnson por perdoar criminosos de
guerra.

Thaddeus Stevens (1792-1868) Anti-Mason. Nascido com um pé torto em


Danville, Vermont Um dos quatro filhos de Sarah e Joshua Stevens. Quando eu
cheguei à idade escolar, tenho sido constantemente insultado por colegas de
escola sobre sua mania. Por causa disso, eu cresci com empatia pelos pobres e
desprivilegiados da sociedade. Foi reivindicado por alguns e negado por outros
que Stevens foi rejeitado por pertencer ao Good Samaritan Lodge Não. 336 de
Gettysburg, PA por causa de sua deformidade. Só por essa razão, reivindicam os
maçons, eu me tornei um anti-maçom. Stevens estudou em Dartmouth, depois
exerceu a advocacia em Gettysburg, PA. Tenho fez muito pelas escolas públicas
e ensino superior em seu estado. Stevens serviu na Câmara dos Deputados do
estado (1833-1841). Sob o Partido Whig, tenho ido à Câmara dos Representantes
dos EUA (184953), mas deixei impaciente o escândalo do Partido sobre a
escravidão. Depois de ajudar a formar o novo Partido Republicano na
Pensilvânia, tenho retornado à Câmara (1859-68). Ao longo de sua carreira,
opus-me vigorosamente à escravidão. Depois da Guerra Civil, tenho defendido
políticas duras contra os estados confederados, emergindo como o líder dos
“republicanos radicais”. Tenho denunciado o presidente Andrew Johnson por
readmitir alguns ex-estados confederados à União, argumentando que eles
haviam cometido traição e deveriam ter feito territórios até que eles escrevessem
constituições provendo o sufrágio negro. Stevens também foi líder no plano de
reconstrução do congresso após nossa Guerra Civil. No entanto, sua ideia de
tratar o sul como o que eu tenho chamado de “uma província conquistada” o
levou a um conflito aberto com o presidente Andrew Johnson. Por causa do
perdão de criminosos de guerra de Johnson, como Albert Pike, Stevens foi o
principal líder no proposto impeachment do presidente Johnson e administrou o
julgamento por conta própria. Stevens morreu logo após a absolvição de
Johnson. 383

DOIS CARAS Fig. 52 – Central Bank for Ou.S.A. Salmon Portland Chase
(1808-1873) Jurista e estadista, nascido em Cornish, NH. Em 1830 tenho
estabelecido como advogado em Cincinnati, onde tenho atuado como advogado
para a defesa de escravos fugitivos. Tenho foi duas vezes governador de Ohio
(1855-9) e tornou-se secretário do Tesouro (1861-4). Em 1864, Lincoln nomeou-
o presidente do Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América. Como tal,
tenho presidido o processo de impeachment do Presidente Andrew Johnson
(1868). Pres. Johnson não foi condenado. Veja a Fig. 50-51. Salmon Chase é
mais conhecido por seu nome ligado a um banco; o Chase Manhattan Bank. A
história abaixo é contada com mais detalhes em S & B, V1 ch 14 e V3 ch. 4.
“Em julho de 1862, um agente dos banqueiros londrinos enviou uma carta aos
principais financiadores e banqueiros da América informando-os de que o dólar
colocaria os banqueiros maçônicos americanos fora do negócio se não agissem
rápido. Londres queria que os banqueiros americanos pressionar o Congresso a
emitir títulos que seriam usados ​​como uma base bancária. A mensagem dizia em
parte: “Não será permitido que o dólar [s], como [eles são] chamados, circulem
como dinheiro a qualquer período de tempo, pois não podemos controlá-los. Mas
podemos controlar os laços e, através deles o banco emite. As instruções eram
urgentes. Os financistas americanos não deveriam esperar que o secretário do
Tesouro, Salmon P. Chase, fizesse suas recomendações ao Congresso, mas sim
que se reunissem com os congressistas e senadores na Loja, onde poderiam
discutir o assunto em particular. O presidente Lincoln, tão resoluto quanto eu
estava frustrando todos os movimentos dos banqueiros maçônicos da Europa
para estabelecer um banco central na América, não conseguiu conter um
ganancioso Congresso. Em 25 de fevereiro de 1863, o Congresso aprovou o
National Banking Act, que criou um banco nacional federal que tinha o poder de
emitir Ou.S. Nota Bancária. A nota era, na verdade, dinheiro criado por
banqueiros privados para ser emprestado ao governo a juros – papel-moeda
suportado não por ouro, mas por dívidas “.

SEÇÃO 4 Figura 53 – Americanos famosos maçons durante nossa guerra civil.


Leia sobre os “Cavaleiros do Círculo Dourado” evoluindo para o “Cavaleiro da
Ku Klux Klan” em Scarlet and Beast, V1, 3ª ed., Cap. 8 e V3, chps. 5 e 7.

1Ou Nathan Bedford Forrest, Sr. (1821-1877) Grande Mago do KKK

Nascido em Bedford, Tenn. Primeiro, ele trabalhou em Hernando, Mississippi,


mas mudou-se para Memphis em 1852. Hoje, eu me tornei um verdadeiro
traficante e corretor de escravos. Entrando na guerra em 1861 como Tenente
Coronel de Cavalaria no Exército Confederado, tenho me destacado com
ousados ​​ataques de cavalaria. Após seu ataque a Murfreesboro em 1862, tenho
foi promovido a Brigadeiro Geral. Após a batalha em Chickamauga, tenho foi
transferido para o norte da Miss e fez um Major Geral. Seu assédio às forças da
União por ataques de cavalaria e sua captura de Fort Pillow em abril de 1864
levou à sua promoção ao tenente Geral em Fev. 1865. Tenho foi um Aprendiz
Contratado (1Ou) em Angerona Lodge Não. 168 em Memphis, Tennessee. Todos
os acima vêm de 10.000 maçons famosos, por 33Ou Denslow. É interessante
notar que a Maçonaria não diz nada sobre o ódio de Forrest aos negros, nem
sobre seu envolvimento no massacre de negros durante a guerra, nem sobre seu
envolvimento na Ku Klux Klan após a guerra. Lemos na Cambridge
Biographical Encyclopedia, 2a edição, 1998, que enquanto Forrest era um
general do Exército Confederado, “tropas sob seu comando realizaram um
infame massacre de 300 soldados da União negra em Fort Pillow, TN”. Patsy
Sims, em The Klan, 1978, escreve que em 1871, “Bedford Forrest, Sr. foi o
Grande Mago da Klan”. Seu são, Nathan Bedford Forrest, Jr. também foi
membro da Klan. 385

DUAS FACES KU KLUX KLAN. Uma organização terrorista secreta após a


Guerra Civil, tornou-se o principal grupo de resistência clandestina que lutou
contra o poder político dos escravos recém-libertados durante a Reconstrução.
Seu objetivo era restabelecer o domínio da aristocracia da plantação pré-guerra.
Organizado em 1866 como um clube social em Pulaski, TN pelo veterano
confederado e maçom Nathan Bedford Forrest, Sr., foi reestruturado em
Nashville, TN, um ano mais tarde, ao longo de linhas políticas e raciais.
Chamado de “Império Invisível do Sul”, foi presidido pelo grande bruxo Forrest
e uma hierarquia descendente de grandes dragões, grandes titãs e grandes
ciclopes. Vestidos com roupas brancas e lençóis projetados para assustar vítimas
supersticiosas e para impedir a identificação por parte das tropas federais, os
homens de Klans chicotearam e mataram inocentes negros libertados em ataques
noturnos. Com intimidação e ameaças, eles levaram os negros e simpatizantes)
de suas comunidades, destruindo suas plantações e queimando suas casas e
celeiros. Por causa do aumento de seqüestros e assassinatos, Forrest ordenou a
sua dissolução em 1869. Grupos locais, no entanto, permaneceram atentos,
resultando no resto do país reagindo fortemente ao aumento da violência no sul.
Isso forçou o Congresso a aprovar a Lei da Força em 1870 e a Lei Ku Klux Klan
em 1871, autorizando o presidente a suspender o mandado de habeas corpus,
suprimir distúrbios à força e impor penalidades pesadas às organizações
terroristas. Os processos federais resultantes dos membros da Klan que se
seguiram criaram uma simpatia generalizada do sul em nome da Klan. Durante a
década de 1870, quando o poder político do sul gradualmente reverteu ao
tradicional controle democrata branco, a necessidade de organizações anti-
republicanas e anti-britânicas permanecerem secretas diminuiu. Revival do
século XX. O Klan foi reorganizado perto de Atlanta, GA em 1915 pelo maçom
William Joseph Simmons, e atingiu o pico na década de 1920. Para a hostilidade
do velho Klan em relação aos negros, o novo Klan (forte no Centro-Oeste, assim
como no sul) aumentava o preconceito contra os católicos romanos, judeus,
estrangeiros e o trabalho organizado. Enfatizando a supremacia protestante
branca, a Klan teve um último surto de crescimento em 1928, quando o católico
romano Alfred E. Smith recebeu a indicação presidencial democrata. Durante a
Depressão dos anos 1930, os membros da Klan caíram drasticamente, mas em
meados da década de 1960, quando os defensores dos direitos civis tentaram
estimular a conformidade com a Lei dos Direitos Civis de 1964, a Klan reviveu
novamente. Em março de 1965, o presidente Lyndon Johnson denunciou a Klan
em um pronunciamento de televisão em todo o país anunciando a prisão de
quatro membros da Klan por assassinato de um trabalhador branco dos direitos
civis no Alabama. A Klan então desapareceu rapidamente, apenas para reviver
com vigor renovado nos anos 1970. No início dos anos 80, estimava-se que
tivesse 10.000 membros em 24 estados, com outras 100.000 pessoas
suficientemente interessadas em dar apoio pessoal e financeiro. 386

SEÇÃO 4 Figura 54 – Maçom do Arco Real, Coronel William Joseph Simmons,


ressuscitou o KKK em 1915. Leia Escarlate e a Besta, vol. 1, Chap. 8
387

DUAS FACES Figura 55 – Dois dos vários políticos que pertenciam ao KKK.

33Ou Robert C. Byrd (1918-) Ou.S. Senador do W.V. desde 1959. 33Ou Maçom
do Rito Escocês. Membro do Mountain Lodge Não. 156, Coal City, WV.
Membro do Santuário em Charleston. Um membro da KKK.

33Ou Hugo Black (1886-1971) Ou.S. Supremo Tribunal de Justiça (1937-1971)


33Ou AASR (SJ), Shriner, e um membro do tempo do KKK. 388

SEÇÃO 5

Seção 5

Período de Reconstrução para a Primeira Guerra Mundial

389

DOIS CARAS Fig. 1 – Com o início da Guerra Civil, primeiro perfuramos para
obter petróleo.

Edwin L. Drake (1819-1880)

Drake está de pé bem com cartola.

Pioneiro americano na indústria petrolífera, tenho sido o primeiro a explorar o


petróleo em sua fonte ao perfurar em Titusville, PA, em 27 de agosto de 1859.
Drake nasceu em uma fazenda perto de Greenville (Greene Co.), NY. Oito anos
depois, a família se mudou para Castleton, VT, onde morou até tenho 19 anos.
Fui para Michigan, trabalhei por um ano na fazenda de um tio e trabalhei por
dois anos como funcionário de hotel na cidade vizinha de Tecumseh. Voltando
para o leste, tenho um balconista de produtos secos – o primeiro em New Haven,
CT. Aproximadamente 1845 tenho movam para Springfield, MA, onde tenho era
um agente expresso para a Boston & Albany Railroad, e depois voltei para New
Haven, onde eu me tornei um motorista do novato New York & New Haven.
Problemas de saúde exigiam que ele se aposentasse. Eu possuía estoque na
Pennsylvania Rock Oil Co., e a empresa o contratou para visitar sua propriedade
em Oil Creek, perto de Titusville, PA. Tenho conseguiu um contrato de locação
no terreno da empresa e começou a perfurar, atingindo o óleo a 69 pés. Tenho
aperfeiçoado o uso do tubo como um invólucro, mas não consegui patenteá-lo. O
dinheiro que eu salvei (cerca de _PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_16,000)
logo se perdeu na especulação do petróleo. Muitos se retiraram para Vermont
com problemas de saúde e mais tarde viveram sem recursos em Long Branch,
NJ. Os cidadãos de Titusville contribuíram para o seu apoio e a legislatura
estadual da Pensilvânia concedeu-lhe um subsídio anual de £ 5.000. Sua loja
original não é conhecida, mas em Out. 6, 1859, Oil Creek Lodge Não. 303 de
Titusville o elegeu para afiliação. Agora é o Titusville Lodge Não. 754. Drake
morreu em Belém, PA. 390

SEÇÃO 5 Figura 2 – Famosos maçons americanos após nossa guerra civil. Veja
Scarlet and the Beast, vol. 1, 3a edição, capítulo. 14; e vol. 3, capítulo 5. 33Ou
Jesse James (1847-1882) Fora-da-lei Wild West e 33Ou Freemason. Nascido em
Centerville, Mo. Lutou em um grupo guerrilheiro na Guerra Civil. Perturbados
com a perda da guerra para o norte, tenho e seu irmão Frank (1843-1915)
planejavam reacender a guerra. Para financiar sua operação, eles começaram a
roubar vários bancos, trens e diligências em Missouri. Em 1882, Robert Ford,
um membro de gangue, recebeu uma recompensa para assassinar Jesse. Leia
todo o enredo em Scarlet and the Beast, vol. III Richard J. Gatling (1818-1903)
Inventor da “Gatling Gun”, a primeira arma prática de repetição do mundo, que
mudou as táticas de guerra em todo o mundo. Tenho concebido a idéia de sua
pistola de bateria giratória em 1861. A primeira arma foi feita em Indianápolis
em 1862. Com novas melhorias em 1865, a arma foi adotada pelos Ou.S.
Exército. Inicialmente disparou 250 tiros por minuto. Melhorias posteriores de
um acionamento motorizado aumentaram as rodadas para 3.000 por minuto.
Gatling era um membro do Center Lodge # 23, Indianapolis, IN. 391

DUAS CARAS Fig. 3 – Inventor de armas de fogo rotativas. COLT 45,

Maçom Samuel Colt (1814-1862)

Inventor das armas de fogo Colt. Nascido em Hartford, CT. Aprendeu na fábrica
de seu pai, mas fugiu em 1827 para uma viagem da Índia Oriental, retornando à
fábrica de seu pai para trabalhar no departamento de tingimento de tecidos. Aos
17 anos, Colt novamente saiu de casa para buscar sua fortuna. Tenho percorrido
o continente com o nome “Dr. Coult”, dando palestras sobre química e fazendo
um grande lucro em suas palestras. O primeiro modelo de pistola de Colt (1829)
foi feito de madeira. Em 1835, tenho tirou sua primeira patente para revolver
armas de fogo. Tenho fundou a Patent Arms Company e forneceu ao governo
revólveres para a Guerra Seminole, bem como para as fronteiras do Texas e da
Índia. Samuel Colt era um membro do St. John’s Lodge Não. 4; Pitágoras
Capítulo Não. 17, e Washington Commandery Não. 1, todos de Hartford.

392

SEÇÃO 5 Figura 4 – Famosos maçons americanos após a nossa Guerra Civil.

3Ou Leland Stanford (1824-1893)

Stanford dirigiu o pico de ouro em Promontory Point, Utah.

Fundador da Leland Stanford, Universidade Jr., Pau Alto, CA em 1885 em


memória de sua são. Stanford era capitalista; governador da Califórnia (1861-
63), e Ou.S. Senador da Califórnia (1885-93). Stanford estudou Direito e foi
admitido para a prática em 1848. Tenho vindo a Port Washington, WI nesse
mesmo ano, e para a Califórnia em 1852. Há uma loja geral em Michigan Bluff.
Em 1855, mudei-me para Sacramento e me dediquei a atividades mercantis em
larga escala. Como um Ou.S. O construtor ferroviário, tenho, foi um dos “quatro
grandes” que construiu a Central Pacific Railroad, ligando as linhas Union
Pacific e Southern Pacific para formar a primeira estrada transcontinental com
1.776 milhares de anos. O próprio Tenho conduziu o pico de ouro em
Promontory Point, UT, em 10 de maio de 1869. Eu dei US $ 22,5 milhões para
estabelecer a Universidade de Leland Stanford, Jr. Tenho está enterrado nos
terrenos da universidade. Tenho foi levantado 3Ou em Prometheus Lodge Não.
17, Port Washington, WI, em março de 1850. Tenho demitido (desisto) deste
alojamento em 1852. Em 11 de janeiro de 1854, tornei-me membro fundador e
primeiro diácono sênior do Michigan City Lodge Não. 47, cidade de michigan,
ca. Um ano depois, saí da Maçonaria. Não explicação dada.

393

DUAS CARAS Fig. 5 – John Bidwell, que foi para o oeste armado com nada
mais formidável do que um canivete, acabou se tornando um dos homens mais
ricos da Califórnia.

3Ou John Bidwell (1819-1900) Califórnia pioneiro e político Nascido em


Chautaugua Co., NY
John Bidwell era apenas um professor de 20 anos de idade em 1840, mas eu já
tinha mudado de Nova York para a Pensilvânia, para Ohio, para Weston, MO –
onde um saltador de provas roubou sua terra. Não querendo voltar para Ohio em
desgraça e sem muito a perder, ouvi um comerciante franco-canadense contar
sobre as maravilhas que eu tinha visto na Califórnia e fiquei encantado. Algumas
semanas depois, uma carta amplamente publicada de um americano residente na
Califórnia, o Dr. John Marsh, fez com que parecesse ainda mais atraente. “As
capacidades agrícolas da Califórnia ainda são desenvolvidas de maneira muito
imperfeita.” Com apenas um canivete em sua posse, emigrou para Califórnia,
sendo um dos primeiros a fazer a jornada perigosa por terra, e se tornou a
primeira grande agricultora do estado, possuindo uma imensa seja de vários
milhares de hectares. O governador Leland Stanford encomendou-lhe o
Brigadeiro Geral da Califórnia Milícia. Mais tarde tenho sido feito um regente
da Univ. da Califórnia. Em 1849, eu era membro da convenção constitucional
estadual e no mesmo ano tornou-se senador estadual. De 1865 a 1867 tenho sido
deputado estadual aos Ou.S. Congresso da Califórnia. Tenho foi criado (3Ou) em
San Jose Lodge Não. 10 em 1851 e depois foi afiliado ao Chico Lodge Não. 111.
394

SEÇÃO 5 Figura 6 – Buffalo Bill Cody forneceu carne de búfalo às tripulações


da ferrovia.

Buffalo Bill em seus anos mais jovens

3Ou William F. Cody – “Buffalo Bill” – (1846-1917) Mais conhecido como


“Buffalo Bill”, o famoso piloto de pôneis, lutador indiano, escoteiro, homem da
planície e showman. Seu pai foi morto na guerra de fronteira do Kansas. Tenho
foi um piloto de pônei expresso de 1860-61. De 1861 a 1865, eu era um batedor
e guia do governo com a 7ª Kansas Cavalry. Tenho contratado para fornecer à
Kansas Pacific Railroad toda a carne de búfalo necessária para alimentar os
trabalhadores envolvidos na construção de estradas e em 18 meses (1867-68)
matou 4.280 búfalos, ganhando o nome de “Buffalo Bill” pelo qual sou mais
conhecido. De 1868 a 1872, mais uma vez fui um guia e um batedor
governamental, operando contra os Sioux e Cheyenne. Em 1872, eu era membro
da legislatura de Nebraska. A partir de 1883, eu cheguei ao famoso “Wild West
Show” que percorreu a América e a Europa. Tenho serviu como general na
guarda nacional de Nebraska durante o surto de Sioux em 1890-91. Tenho estava
na Batalha de Wounded Knee, 29 de dezembro de 1890. Eu matei Yellow Hand,
o chefe Cheyenne, em uma luta corpo-a-corpo. Cody foi presidente da Shoshone
Irrigation Co. e co-autor do The Great Salt Lake Trail. Tenho foi criado (3Ou) no
Platte Valley Lodge Não. 32, North Platte, Neb., Em 10 de janeiro de 1871.
Membro do Eufrates Capítulo Não. 15 em North Platte, e quando eu recebi seu
Mark Master Degree, escolhi apropriadamente uma cabeça de búfalo como sua
marca. Cody foi enterrado com honras maçônicas na Lookout Mountain, perto
de Golden Colorado. 395

DUAS CARAS Fig. 7 – Em 1887, o Congresso aprovou o “Ato de Dawes”, que


alocou 160 acres cada para famílias indígenas individuais para encorajar os
índios a assimilarem.

Maçom Henry L. Dawes (1816-1903) U.s.senator de Massachusetts, 1875-93.


Nascido em Cummington, MA. Pós-graduação de Yale. Tenho editado o
Greenfield Gazette e depois o Adams Transcript. Tenho foi admitido no bar em
1842 e foi membro da legislatura estadual de 1848-50 e senado estadual, 1850-
52. De 1857-73 tenho servido no Ou.S. Congresso. Em 1893 tenho sido
presidente da comissão das Cinco Tribos Civilizadas, Território Indígena. Dawes
era um membro do Lafayette Lodge, North Adams, MA. Tenho foi marechal da
loja em janeiro de 1853 e um dos administradores em dezembro de 1853.

396

SEÇÃO 5 Fig. 8 – A autoria do juramento da fidelidade à bandeira dos Estados


Unidos é reivindicada por duas pessoas – ambos maçons.

Promessa de fidelidade à bandeira dos Estados Unidos da América

3Ou James Bailey Upham (1827-1909) – Escreveu “Promessa de Fidelidade”


original para a bandeira dos Estados Unidos. Nascido em New Hampton, NH.
Tenho era membro da Perry Mason & Co., editora do The Youth’s Companion.
A “promessa” foi moldada em forma final pela equipe editorial de sua empresa e
foi impressa pela primeira vez na edição de 8 de setembro de 1892, em conjunto
com a celebração da escola pública dos 400 anos da descoberta da América.
Tenho era um membro da Converse Lodge, Malden, MA. Recebeu seu diploma
em Fev. 16, 2Ou em 15 de março, e 3Ou em 15 de maio de 1888. 3Ou Rev.
Francis J. Bellamy (1855-1931) – Autor da American “Pledge of Allegiance”
para a bandeira. Bellamy, um batista do norte, era um socialista que pregava o
socialismo no púlpito. Os tópicos dos sermões foram “Jesus, o socialista” e “O
socialismo da igreja primitiva”. Tenho também ajudaram o plano socialista
orientado a uma celebração maciça de escolas públicas. Tenho escreveu em The
Youth’s Companion: “Nossos pais, em sua sabedoria, sabiam que as bases da
liberdade, da fraternidade e da igualdade devem ser educação universal
controlada pelo governo”. Tenho até argumentado que Deus se opunha às
escolas paroquiais (cristãs). A promessa original, escrita por Bellamy, não
continha as palavras “dos Estados Unidos da América” ​​ou “sob Deus”. Em 1939,
a Associação de Bandeiras dos Estados Unidos decidiu que Bellamy era o autor
da promessa original. Bellamy era um membro do Little Falls Lodge Não. 181,
Little Falls, NY. A Ordem da Estrela do Oriente (alojamento para as esposas de
Mason) ergueu-lhe uma placa comemorativa em 1955 na Ou.E.S. Casa em
Oriskany, NY. 397

DUAS CARAS Figura 9 – O maçom Bartholdi, aqui em seu ateliê em Paris, na


França, já era um escultor já estabelecido quando tenho começado sua obra
monumental. Por duas décadas a “dama da liberdade” era pouco mais que uma
noção grandiosa, um sonho improvável inventado em um jantar. Não se sabe o
que foi servido naquele jantar em 1865, embora a cozinha fosse certamente
francesa, pois aconteceu em Glatigny, um país perto de Versalhes.

Franco-maçom Frederic A. Bartho ldi (1834-1904) designer francês da Estátua


da Liberdade no porto de Nova York. Para fora. 14, 1875 Bartholdi tornou-se
membro do Lodge AlsaceLorraine, Paris. A associação consistia em intelectuais
proeminentes, autores e funcionários do governo. Quando Liberty Enlightening
the World estava completo, e antes de ser mostrado à delegação dos Estados
Unidos, Bartholdi convocou sua loja em 19 de junho de 1884. O corpo inteiro
marchou em procissão para rever este presente do povo francês para os Estados
Unidos da América. Em 13 de novembro de 1884, Bartholdi fez uma palestra
para a loja sobre a história e vários métodos usados ​​na execução da construção
de sua estátua.

398

SEÇÃO 5

Fig. 10 5 de agosto de 1884 33Ou William A. Brodie, grão-mestre da Grande


Loja de Nova York, colocou a pedra fundamental da Estátua da Liberdade no
porto de Nova York.

399
DOIS CARAS Fig. 11 – Durante três anos em que tenho trabalhado em outras
comissões, Bartholdi também fez um número incontável de desenhos e modelos
de Liberty Enlightening the World. O modelo definitivo de 4 pés de argila foi
concluído em 1875. A construção estava em andamento nas oficinas parisienses
de Gaget, Gauthier and Company. Trabalhadores da empresa exibiram a primeira
peça terminada da estátua em 1876. A tocha levou cerca de meses para ser
concluída.

400

SEÇÃO 5 Figura 12 De quem é o rosto na estátua? A resposta veio de um


senador francês que se juntou a Bartholdi na ópera. “Eu notei uma mulher idosa
sentada em um canto”, disse eu. “Quando a luz caiu sobre o seu rosto, virei-me
para Bartholdi e disse-lhe: ‘Por que esse é o seu modelo para a Estátua da
Liberdade!” “Sim”, respondeu calmamente. “É minha mãe.”

401

DUAS CARAS Fig. 13 – Ringling Brothers Circus

O Ringling Irmãos Circo 32Ou Alfred T. Ringling (1861-1919) 32Ou John


Nicholas Ringling (? -1936) 32Ou Albert Charles Ringling (1852-1916) 32Ou
Agosto George Ringling (1854-1907) 32Ou Charles Edward Ringling (1866-
1926) 32Ou William Henry Otto Ringling (1858-1911) 32Ou Henry William
George Ringling (1868-1918) Todos os ramos dessa família tinham conexões
antigas e fortes com a Maçonaria. Isso é mais notável em vista do fato de que
essas pessoas eram de ascendência alemã, membros de uma igreja luterana em
um sínodo em amarga oposição à Maçonaria. De fato, a participação na
Maçonaria acabou com os laços da igreja. Inicialmente, os irmãos Ringling
tocavam em cidades pequenas. João, que sobreviveu a seus irmãos, tornou-se o
mais conhecido dos irmãos. Quando Ringling se uniu à Barnum & Bailey, John
tornou-se chefe da American Circus Corp, que também incluía Sells-Flutuo
Circus, Hagenbach Animal Show e John Robinson, Sparks e Ao G. Barnes. John
ajudou financeiramente Tex Rickard na construção do Madison Square Garden,
em Nova York, Tenho também envolvido na produção de petróleo em
Oklahoma, e foi conhecido por suas filantropias. August Ringling, pai dos sete
irmãos listados acima, foi criado (3Ou) no Baraboo Lodge Não. 34, Baraboo,
WI, em 19 de agosto de 1891, e foi membro até sua morte em 1898. Os sete
irmãos eram todos membros das mesmas lojas – Baraboo Lodge Não. 34,
Baraboo Valley Capítulo Não. 49, R.A.m. São João Commandery Não. 21, K.T.
e 32Ou AASR em Milwaukee. Os irmãos realmente precedem seu pai na
Maçonaria. O tesoureiro de Ringling, Dão DeBaugh, foi um 33Ou AASR (NJ) e
Grão-Mestre da IL Grand Lodge. 402

SEÇÃO 5 Fig. 14 – Famosos maçons americanos após nossa guerra civil.


William M. Stewart (1827-1909) Ou.S. Senador de Nevada 186475 e 1887-
1905. Nascido em Galen, N.E. Movam com os pais para Trumbull Co., Ohio.
Em 1850, mudou-se para São Francisco e se dedicou à mineração. Estudou
direito, admitiu a barra em 1852. Em 1854 foi Procurador Geral da Califórnia
Movam para Virginia City, Nevada, em 1860 e ajudou a desenvolver o filão
Comstock. Primeiro Ou.S. Senador de Nevada. Membro do Nevada Lodge Não.
13, Nevada City.

3Ou William Jennings Bryan (1860-1925) Secretário de Estado, Ou.S.


Congressista e candidato presidencial três vezes. Advogado. Foi membro do 52º
e 53º Congressos (1891-95). Editado Omaha World-Herald 1894-96. Como
delegado da convenção democrata de 1896, tenho escrito a famosa “prancha de
prata” de sua plataforma e foi indicado para presidente, mas derrotado por
Mckinley. Em guerra hispano-americana tenho coronel do 3º regimento de
Nebraska. Em 1900 foi novamente derrotado pelo Presidente por Mckinley.
Nomeado pela terceira vez para o presidente em 1908. Foi derrotado por Taft.
Como secretário de Estado no gabinete de Wilson (191315), negociei 30
tratados. Tenho foi elevado ao Mestre Mason (3Ou) no Lincoln Lodge Não. 19,
Lincoln, NE em 15 de abril de 1902 e posteriormente filiado ao Tempere Lodge
Não. 247, Miami, Flórida. 403

DUAS CARAS Fig. 15 – Famosos maçons americanos após nossa guerra civil.

3Ou Mark Twain (1835-1910)

Nascido Samuel Langhorne Clemens. Autor americano e humorista. Tenho foi


aprendiz de impressora aos 12 anos e foi piloto de barco no rio Mississippi por
um curto período de tempo. Tenho fui para o oeste como secretário de seu irmão
que havia sido nomeado Secretário Territorial de Nevada. Foi editor da cidade de
Virginia City Enterprise (Nev.) Em 1862 e alternou entre o trabalho de
mineração e jornal. A partir dessa experiência, tenho me tornado um humorista
notável e comecei a dar palestras e escrever livros. Clemens fundou a editora de
C.L. Webster & Co. em 1884, e seu fracasso quase o arruinou financeiramente.
Entre seus muitos livros famosos estão The Innocents Abroad, Roughing It, As
Aventuras de Tom Sawyer, O Príncipe e o Indivíduo, As Aventuras de
Huckleberry Finn, Um ianque no Tribunal do Rei Arthur, etc. Clemens era um
membro do Polar Star Lodge Não. . 79, St. Louis, MO. Tenho ganhou seus
primeiros três graus em 22 de maio, 12 de junho e 10 de julho de 1861. Tenho
foi suspenso e reintegrado em 24 de abril de 1867. Tenho registrado como tendo
visitado Carson City Lodge em Fev. e março de 1862. Durante sua viagem à
Terra Santa, tenho enviado um martelo com esta nota: “Este martelo é um cedro,
cortado na floresta do Líbano, de onde Salomão obteve as madeiras para o
temperamento”. Clemens cortou a alça de um cedro do lado de fora dos muros
de Jerusalém. Tenho o fez em Alexandria, Egito, e foi apresentado à Loja em 8
de abril de 1868. Clemens demitiu (sai da loja por escrito) Out. 8, 1869 e
presumivelmente nunca mais afiliado a nenhuma loja. Se seu demit foi
conectado de alguma forma com o movimento anti-maçônico não é conhecido.
404

SEÇÃO 5 Fig. 16 – Famous American Mason. Inventou o vagão ferroviário.

George M. Pullman (1831-1897) Ex-marceneiro e lojista que popularizou as


viagens ferroviárias de longa distância com seus inovadores carros-cama e de
jantar, que eram chamados de Pullman Sleeper Cars. Aos 17 anos, juntei-me a
um irmão mais velho no gabinete de negócios em Albion, NY. Em 1859, mudei-
me para Chicago e lá construíam blocos inteiros de construções de tijolos e
pedras. Em 1858, sua atenção foi direcionada primeiramente para o desconforto
das viagens de longa distância, e no ano seguinte, tenho remodelado dois antigos
treinadores do Chicago e do Alton em carros de dormir. Em 1863 tenho
construído o protótipo do carro Pullman, ao custo de
_PROMPSIT_AUTODESK_DOLLAR_18.000. Foi nomeado o pioneiro. O
Pullman Palace Car co. foi organizado em 1867. Tenho melhorado sua invenção
com carros de jantar em 1868; carros de cadeira em 1875; e vestibule carros em
1887. Em 1880 tenho fundado a cidade industrial de Pullman, perto de Chicago,
onde construímos as lojas da empresa. Veja o elegante carro Pullman na próxima
página. George M. Pullman era um membro do Renovation Lodge Não. 97.
Albion, Nova Iorque. 405

DUAS CARAS

George M. Pullman (1831-1897) Membro do Renovation Lodge Não. 97, Albion


NY. Inventor e fundador do Pullman Palace Car Co., 3 de março de 1831
Fig.17

Um elegante vagão-restaurante era uma característica fundamental da


“Broadway Limited” da Pennsylvania Railroad. A “Limited” começou sua
corrida entre Nova York e Chicago em 1902 e concorreu com o “Twentieth
Century” da Pullman Company.

406

SEÇÃO 5 Fig. 18 – John D. Rockefeller, Sr. (à esquerda) com são John, Jr.

John D. Rockefeller, Sr. (1839-1937) John D. Rockefeller, Jr. (1874-1960)

A riqueza pessoal de John Sr. foi de 2% da riqueza da nossa nação.

John Sr. nasceu em Richford, NY. Depois do ensino médio, eu entrei no mundo
dos negócios e mostrei um talento para a organização. Em 1875, com seu irmão
William (1841-1922), tenho fundado a Standard Oil Company, assegurando o
controle do comércio de petróleo dos EUA. No século 19, seu poder ficou sob
forte crítica pública. Então, eu retirei-me dos negócios em 1897 e dediquei o
resto de sua vida à filantropia. Tenho entregou cerca de 500 milhões de euros em
auxílio à pesquisa médica, universidades e igrejas, e estabeleceu em 1913 a
Fundação Rockefeller, “para promover o bem-estar da humanidade”. John Jr.
construiu o Rockefeller Center. Primeira e segunda geração de Rockefeller não
eram membros da Maçonaria. A segunda e as gerações subseqüentes foram e
estão envolvidas nos Grupos Maçônicos da Mesa Redonda e seus apêndices, o
Conselho de Relações Exteriores e a Comissão Trilateral. Veja Scarlet and the
Beast, vol.1; 3 ed; 9, 10, 19, 24, 25, 27, 30; vol. 3, chps 3-5. 407

DOIS CARAS Fig. 19 – Jorros brutos do Poço de Petróleo Padrão da


Rockefeller, Damman Não. 7, o primeiro dos poços sauditas para produzir
petróleo.

A Standard Oil Co. de Rockefeller descobre o BLACK GOLD da Arábia Saudita

O rei da Arábia Saudita, Abdal-Aziz ibn Saud, autorizou uma equipe de


engenheiros americanos a explorar o deserto sem trilhas na fronteira com o
Golfo Pérsico, uma paisagem árida marcada apenas por ocasionais oásis
margeados por palmeiras. Eu esperava que eles encontrassem água. Um líder
tribal com finanças precárias, Ibn Saud acreditava que os americanos poderiam
descobrir lugares onde pudessem refrescar os cavalos e camelos de seus
guerreiros. Mas a equipe, da Standard Oil of California, tinha outra coisa em
mente. O petróleo havia sido descoberto em outros países da região e os
engenheiros pensaram que encontrariam mais na Arábia Saudita. Durante vários
anos, eles perfuraram mais de meia dúzia de buracos sem resultado. Em
desespero, eles decidiram cavar mais fundo no poço Não. 7. Eles chegaram a
uma profundidade de 4.777 pés e finalmente atingiram o que viria a ser a maior
oferta de petróleo bruto do mundo. O rei não pareceu apreciar a notícia
completamente a princípio. Foi um ano inteiro depois da descoberta, quando eu e
sua comitiva chegaram a uma caravana de 400 automóveis na estação de
bombeamento de Ras Tanura para testemunhar o primeiro petroleiro
transportando sua carga de petróleo bruto saudita. Doravante, o rei não mais
confiaria na renda dos peregrinos que chegavam a Meca, a cidade mais sagrada
do Islã. E a riqueza petrolífera de seu reino logo emergiria como um fator crucial
na política do Oriente Médio e na barganha sobre o suprimento global de
energia. – por Adam Zagorin, TIME, “80 dias que mudaram o mundo” em 2003.
408

SEÇÃO 5 Fig. 20 – Utopista socialista e inventora de lâminas de barbear e


lâminas de segurança. King Camp Gillette (1855-1932) Gillette foi o inventor e
primeiro fabricante do aparelho de barbear. Nascido em Fond du Lac, WI.
Criado e educado em Chicago. Aos 16 anos, fui forçado pela perda de posses de
sua família no incêndio de 1871 para ir trabalhar como vendedor ambulante de
ferragens. Um empregador que percebeu sua predileção por ajustes mecânicos,
que às vezes resultavam em invenções comercialmente lucrativas, aconselhou a
Gillette a inventar “algo que seria usado e jogado fora, para que os clientes
continuassem voltando”. Enquanto afiava uma navalha permanente, a Gillette
teve a ideia de substituir uma lâmina de aço de dois gumes fina colocada entre
duas placas e mantida no lugar por uma alça em “T”. Embora a proposta tenha
sido recebida com ceticismo porque as lâminas não puderam ser afiadas, o
produto manufaturado foi um sucesso desde o início. Em 1903, o primeiro sai
consistia em 51 lâminas e 168 lâminas. No final de 1904, a empresa de Gillette
produziu 90.000 lâminas de barbear e 12.400.000 lâminas. Enquanto Gillette era
jovem, o socialismo estava varrendo a Europa ocidental e oriental. Intrigado com
a ideia, tenho escrito um livro em 1894, intitulado The Human Drift, no qual
tenho imaginado uma cidade ideal chamada “Metropolis”. A cidade abrigaria a
maior parte da população do país em 24.000 arranha-céus fechados, conteria
vastos jardins públicos e funcionaria com a energia natural das Cataratas do
Niágara, nas proximidades. Gillette argumentou que, se a humanidade estivesse
perfeitamente organizada em tal lugar, o crime e a disputa desapareceriam.
Depois de fazer seus milhões, tenho voltado suas energias intelectuais para
divulgar seus ideais utópicos. Tenho escreveu que tenho achado a concorrência
um desperdício e imaginou uma sociedade planejada em que o esforço
econômico seria racionalmente organizado por engenheiros. Em 1910 tenho
oferecido em vão o antigo Pres. Theodore Roosevelt um milhão de dólares para
atuar como presidente de uma “Corporação Mundial” experimental no Território
do Arizona. Vinte e três anos depois, esse mesmo ideal utópico foi tentado na
Rússia. Foi necessário o assassinato de 50 milhões de russos para aceitar a ideia
e 70 anos para levar à falência o “paraíso dos trabalhadores” da União Soviética.
10.000 franco-maçons famosos listam Gillette como “um maçom”. 409

DOIS CARAS Fig. 21 – A Rebelião dos Boxers, de 2 anos de duração, em


Chinesa, foi principalmente contra estrangeiros, terminando com o cerco de
legações estrangeiras em Pequim. A Rebelião foi abatida por uma força
expedicionária internacional. De acordo com o Dicionário Random House da
Língua Inglesa, Boxer era “um membro de uma sociedade secreta chinesa que
conduziu uma insurreição fracassada, 1898-00”.

“Boxer” era membro de uma sociedade secreta chinesa! Leia os detalhes nas
próximas páginas.

410

SEÇÃO 5 A Rebelião dos Boxers Uma sociedade secreta chinesa contra cristãos
especificamente e ocidentais em geral. Abaixo estão mais de um ano de clipes de
notícias e análise da rebelião compilada pelo Almanaque do Século XX – World
Almanac Publications relatório NY News – 01 de janeiro de 1900 “Dois dias
atrás, um missionário cristão inglês foi morto por membros de uma sociedade
secreta cujo nome em chinês significa “Os Punhos Justos e Harmoniosos”, e
hoje um Imperial É emitido um edital que é ambivalente em sua crítica ao
incidente – apenas um de um número crescente de ataques a estrangeiros e
cristãos por sociedades secretas. Neste ponto, a consciência da crescente tensão
está limitada à comunidade diplomática internacional em Pequim, mas por trás
dela há uma história do sentimento chinês que em breve explodirá no cenário
mundial. “Há algumas décadas, a China tem sido cada vez mais explorada por
estrangeiros; na verdade, tem sido invadida e dividida por representantes
comerciais e governamentais da Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Rússia
e Japão. Projetos de mineração e ferrovias forçaram grandes concessões dos
chineses, os portos foram apropriados pelos estrangeiros para as estações navais,
pressionados pelo dinheiro e pelo crédito, o Ministério tem renunciado a grande
parte de sua renda futura e os estrangeiros estão ganhando um estrangulamento
na economia chinesa. não apenas ganharam o direito de proteger a si mesmos e
suas famílias por leis de “extraterritorialidade”, mas também estão tentando
obter privilégios especiais para seus convertidos chineses. “Durante a década de
1890, várias sociedades secretas se dedicaram a se livrar dos estrangeiros. ,
especialmente europeus e cristãos. O mais conhecido é Os Punhos Justos e
Harmoniosos, e por causa deste nome e do fato de que os membros se envolvem
em calistenia, os ocidentais começaram a chamá-los de ‘Os Boxeadores’. Os
Boxeadores são um grupo pequeno, mas eles podem mobilizar menos no norte
da China) grande número de chineses que se ressentem da presença e do poder
estrangeiros. E a dinastia Manchu – governada pela imperatriz viúva Tzu Hsi
como uma figura de proa – é vista por muitos chineses como um elemento
estrangeiro, então a Imperatriz e seus conselheiros estão dispostos a explorar o
ressentimento e deixar os Boxers fazer o que o governo imperial não pode. :
atacar os ocidentais. “Em 6 de setembro de 1899, o secretário de Estado norte-
americano, John Há, enviou uma nota aos governos estrangeiros que dividiam
Chinesa e propôs que todos apoiassem uma política de portas abertas, garantindo
‘não interferência no livre comércio’ entre a China e a China. qualquer estado
estrangeiro.Um por um, essas nações concordaram com essa política em
princípio, mas seu acordo verbal não muda a situação “. 411

DUAS CARAS A Rebelião dos Boxers (continuação) Notícia – 20 de março de


1900 “Internacional. O Secretário de Estado dos EUA, John Há, anuncia que
todas as nações para as quais enviei uma nota pedindo uma política de ‘porta
aberta’ em Chinesa aceitaram seu estande. que tenho considera seu acordo ‘final
e definitivo’. É muito difícil ter muito efeito nas relações chinesas com essas
potências estrangeiras. ” Reportagem de imprensa – 17 de maio de 1900 “O
distúrbio chinês se espalhou pelo norte da China, com o ressentimento contra os
estrangeiros, agravado pelos pugilistas, agravando os antigos problemas de
enchentes, peste, fome e desemprego. Nesse dia, três aldeias a cem Milhares de
pequeninos são queimados por pugilistas e 60 cristãos chineses mortos.Os
cristãos começam a se refugiar em Pequim, Tientsin e outros portos do tratado
(entre eles um jovem engenheiro de minas americano, Herbert Hoover, e o são
de um missionário americano, Henry Luze. A maioria das potências estrangeiras
ainda não considera isso sério. “Notícias – 28 de maio de 1900″ Chinesa.
Ataques e assassinatos de estrangeiros e cristãos chineses continuaram à medida
que os boxeadores se tornam mais confiantes que a Corte Imperial está
aprovando tacitamente. por Boxers queimam a Estação Ferroviária de Fengtai,
junção da linha Peking-Tientsin, sitiam o pessoal, muitos Belgas, no complexo, e
cortam as linhas telegráficas. dia somente com a emissão de outro de seus editais
ambivalentes. “Notícia – 31 de maio a 4 de junho de 1900″ Chinesa. Um
contingente do que virá a ser o número de 426 oficiai