Você está na página 1de 15

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) DO EGRÉGIO TRIBUNAL REGIO-


NAL ELEITORAL NO ESTADO DE RONDÔNIA

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, pelo procurador
regional eleitoral signatário, no uso de suas atribuições legais, com fulcro nos artigos 127 e

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


14, §10º, da Constituição Federal e artigo 77 da LC n. 75/93, propõe

AÇÃO DE IMPUGNAÇÃO DE MANDATO ELETIVO

em face do(a) EYDER BRASIL DO CARMO, eleito deputado


estadual pelo Partido Social Liberal – PSL, brasileiro, casado, CPF n.
620.935.762-87, residente e domiciliado na Rua Benjamin Constant,
2354, Vila Militar, Bairro São Cristóvão, Porto Velho/RO;
AZIZ RAHAL NETO, 1º Suplente de deputado estadual pelo Partido
Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n. 685.740.612-04, residente e
domiciliado na Rua Elias Cardoso Balau, 1131, apartamento n. 103,
Bairro Jardim Aurélio Bernardi, Ji-Paraná/RO;
GILBERTO ANTONIO ANDRETTA VIGIATO, 2º Suplente de
deputado estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, divorciado,
CPF n. 220.514.302-68, residente e domiciliado na Rua Brasília,
3428, apartamento 02, Bairro São João Bosco, Porto Velho/RO;
CELSO ADAME, 3º Suplente de deputado estadual pelo Partido
Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n. 030.628.008-60, residente e
domiciliado na Avenida Cuiabá, 3185, Bairro Clodoaldo, Cacoal/RO;

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

MARCOS ANTÔNIO MARQUES, 4º Suplente de deputado


estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n.
254.683.321-91, residente e domiciliado na Rua Castelo Branco,
1182, Bairro Liberdade, Ouro Preto do Oeste/RO;
CAIUS RODRIGO DE CASTRO PRIETO, 5º Suplente de

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
deputado estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF
n. 018.750.577-22, residente e domiciliado na Rua Idelfonso da Silva,
1386, Bairro Alto da Glória, Ji-Paraná/RO;
APARECIDA FERREIRA DOS SANTOS, 6º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileira, solteira, CPF n.
288.078.552-91, residente e domiciliada na Avenida Brasflorest,

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


4748, Bairro Centenário, Rolim de Moura/RO;
LAURO FERNANDES DA SILVA JUNIOR, 7º Suplente de
deputado estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF
n. 611.691.022-04, residente e domiciliada na Rua Piramutuba, 1890,
Bairro Lagoa, Porto Velho/RO;
CONSTANTINO ERWEN GOMES SOUZA, 8º Suplente de
deputado estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF
n. 683.647.927-68, residente e domiciliado na Rua da Federação, s/n,
bloco 09, apartamento 204, Bairro Industrial, Porto Velho/RO;
EDUARDO MENEZES MARQUES, 9º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n.
715.093.057-34, residente e domiciliado na Rua Panteon, 6557, Bairro
Igarapé, Porto Velho/RO;
AYEL WELLINGTON MUNIZ DE OLIVEIRA, 10º Suplente de
deputado estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, solteiro, CPF
n. 003.797.562-50, residente e domiciliado na Rua Francisco Braga,
5965, Bairro Igarapé, Porto Velho/RO;
JOSÉ BISPO DE MORAIS FILHO, 11º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n.

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

486.084.082-87, residente e domiciliado na Rua Osvaldo Calisto,


6672, Bairro Cuniã, Porto Velho/RO;
MANOEL DOMINGOS DA SILVA, 12º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n.
095.991.692-04, residente e domiciliado na Rua Bandonion, 6423,

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Bairro Castanheira, Porto Velho/RO;
FLOREMIL SILVA BICALHO JÚNIOR, 13º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileiro, casado, CPF n.
997.931.137-15, residente e domiciliado na Rua Cardeal, 4220, Bairro
Caladinho, Porto Velho/RO;
ERICA RIBEIRO VIANA, 14º Suplente de deputado estadual pelo

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Partido Social Liberal, brasileira, casada, CPF n. 002.251.842-81,
residente e domiciliada na Rua Guaporé, 6591, Centro, Rolim de
Moura/RO;
MARINEZ SANTOS SILVA, 15º Suplente de deputado estadual pelo
Partido Social Liberal, brasileira, casada, CPF n. 604.518.822-53,
residente e domiciliada na Rua Tocantins, 6475, Bairro Boa
Esperança, Rolim de Moura/RO;
MAXCILENE PEREIRA DA CRUZ, 16º Suplente de deputado
estadual pelo Partido Social Liberal, brasileira, casada, CPF n.
007.188.962-03, residente e domiciliada na Rua Castelo Branco, 1182,
Bairro Liberdade, Ouro Preto do Oeste/RO;
MARIA DOS ANJOS DA SILVA MARTINS, brasileira, casada,
CPF n. 711.192.132-15, residente e domiciliada na Rua Boa Vista,
5260, Centro, Rolim de Moura/RO;
ROSANIRA CAPISTRANO LUZ, brasileira, casada, CPF n.
220.723.902-06, residente e domiciliada na Rua Vaticano, 4226,
Bairro Igarapé, Porto Velho/RO;

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

MARIA CONCEIÇÃO ALVES, brasileira, divorciada, CPF n.


457.599.792-72, residente e domiciliada na Rua Monte Azul, 2081,
Bairro Conceição, Porto Velho/RO; e
DIRETÓRIO ESTADUAL DO PARTIDO SOCIAL LIBERAL –
PSL, com sede na Avenida Pinheiro Machado, 2803, Bairro São

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Cristóvão, Porto Velho/RO.
ante as razões de fato e de direito a seguir articuladas:

I. SÍNTESE FÁTICA
Na data de 16 de agosto de 2018, o Diretório Regional do Partido
Social Liberal – PSL apresentou à Justiça Eleitoral seu Demonstrativo de Regularidade de

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Atos Partidários – DRAP, postulando o deferimento do registro de candidatura dos seus
filiados aos cargos de Governador e Vice-Governador, Senador e Suplentes, Deputados
Federais e Deputados Estaduais nas Eleições de 2018 – RCand n. 0600736-
21.2018.6.22.0000.
Após análise, a Secretaria Judiciária do Tribunal Regional Eleitoral
noticiou que o Partido Social Liberal teria apresentado um total de 16 (dezesseis) candidatos
ao cargo de deputado estadual, dentre eles, 11 (onze) candidatos do sexo masculino –
equivalente à 68,75% (sessenta e oito inteiros e setenta e cinco centésimos por cento) – e 5
(cinco) candidatas do sexo feminino – equivalente à 31,25% (trinta e um inteiros e vinte e
cinco centésimos por cento) – doc. anexo.
Na data de 26 de agosto de 2018, a agremiação partidária acostou aos
autos ata complementar, requerendo o preenchimento de vagas remanescentes proporcionais
aos cargos de deputado estadual e deputado federal (doc. anexo).
Ato consecutivo, a Secretaria Judiciária do TRE/RO elaborou novo
relatório percentual, noticiando que Diretório Estadual do Partido Social Liberal – PSL
requereu o total de 20 (vinte) registros de candidatura ao cargo de deputado estadual, dentre

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

os quais, 14 (quatorze) candidatos do sexo masculino – 70% (setenta por cento) – e 6 (seis) 1
candidatas do sexo feminino – 30 % (trinta por cento).
Ocorre que, após análise dos RRC's apresentados pela agremiação,
esta Procuradoria Regional Eleitoral manifestou-se pelo indeferimento do registro de
candidatura das candidatas Maria dos Anjos da Silva Martins (RRC 0600764-86), Maria

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Conceição Alves (RRC 0600763-04) e Rosanira Capistrano Luz (RRC 0600891-24), em razão
de ausência de condição mínima de elegibilidade – filiação partidária.
Notificados a apresentar documentação complementar, os interessados
apenas acostaram aos autos cópias das fichas de inscrição partidária e ata da reunião
convencional, que, por sua natureza unilateral, não se mostraram hábeis a comprovar a
existência de filiação partidária, razão pela qual os pedidos de registro de candidatura das

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


requerentes foram julgados indeferidos pela Corte Regional.
Tais decisões mantiveram-se inalteradas pela Corte Superior Eleitoral.
Assim, restando constatada a ausência de filiação partidária das
candidatas apresentadas pelo diretório regional, esta Procuradoria Eleitoral manifestou-se pelo
indeferimento do DRAP do Partido Social Liberal – PSL, uma vez descumprida a cota
mínima de gênero prevista no artigo 10, § 3º, da Lei n. 9.504/97 e artigo 20 da Resolução TSE
n. 23.548/2017.
Com efeito, procedendo novo cálculo percentual, excluindo-se as
candidatas não filiadas ao partido requerente, têm-se que a agremiação partidária requereu
o total de 18 registros de candidatura ao cargo de deputado estadual, perfazendo o quantitativo
de 14 (quatorze) candidatos do gênero masculino – 77,78% (setenta e sete inteiros e setenta e
sete centésimos por cento) – e apenas 4 (quatro) candidatas filiadas do gênero feminino –
22,22% (vinte e dois inteiros e vinte e dois centésimos por cento).
O que se extrai do presente caso é que a agremiação partidária, de
maneira deliberada, requereu o registro de candidatura de candidatas mulheres que sequer
possuíam filiação à agremiação, em flagrante burla a norma eleitoral, apenas para preencher,
fictamente, a cota mínima de 30% de candidaturas femininas, com a estreita finalidade de
1 Registra-se Secretaria Judiciária do TRE/RO deixou de contabilizar a candidatura remanescente de Marinez
Santos Silva (RRC 0600798-61.2018) para realização do cálculo percentual de gênero. Assim, verifica-se que o
PSL requereu o total de 21 registros de candidatura, totalizando 66,66% de candidatos do gênero masculino e
33,34% de candidatas do gênero feminino.

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

possibilitar a manutenção de mais candidaturas masculinas, “observando-se” a proporção


mínima prevista pela legislação eleitoral.
Desta forma, não restam dúvidas que a agremiação partidária levou as
ditas candidatas a registro apenas para cumprir formalmente condição indispensável à sua
participação nas eleições proporcionais, qual seja, a formação da sua lista de candidatos ao

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Legislativo com ao menos 30% de mulheres.
Tal conduta caracteriza a prática de fraude na formação do
requerimento de registro Demonstrativo de Regularidade dos Atos Partidários do Partido
Social Liberal – PSL, desafiando o ajuizamento da presente impugnatória.

II – FUNDAMENTOS JURÍDICOS

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Dispõe o artigo 14, § 10, da Constituição Federal:
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto
e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
(…)
§ 10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de
quinze dias contados da diplomação, instruída a ação com provas de abuso do poder
econômico, corrupção ou fraude.

Com efeito, a ação de impugnação de mandato eletivo, prevista no


artigo 14, § 10, da Constituição Federal, visa à desconstituição da relação jurídica formada
ilegitimamente, buscando reconhecer a existência de vício insanável e suprimir o exercício do
mandato eletivo daqueles que, mediante abuso de poder econômico, corrupção ou fraude,
galgaram a vitória após o término da corrida eleitoral.
Conforme leciona José Jairo Gomes2, a ação impugnativa tem por
escopo “tutelar a cidadania, a lisura e o equilíbrio do pleito, a legitimidade da representação
política, enfim, o direito difuso de que os mandatos eletivos apenas sejam exercidos por quem
os tenha alcançado de forma lícita”, sem a intervenção de práticas censuráveis – abuso de
poder, corrupção ou fraude – que venham a deturpar o livre exercício da soberania popular.
Assim, julgada procedente, tornar-se-á inócuo o mandato eletivo
outorgado ao sujeito passivo da ação, incidindo-se, de maneira reflexa, a inelegibilidade do
mandatário. De outro giro, destaca-se que a ação de impugnação de mandato eletivo não tem

2 GOMES, José Jairo. Direito Eleitoral. Ed. 14. São Paulo: Atlas, 2018, p. 879.

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

como objeto principal a declaração de nulidade dos votos obtidos mediante abuso, corrupção
ou fraude, mas a insubsistência do mandato representativo, o que, de fato, claramente conduz
à nulidade dos votos, ante a incidência dos artigos 2223 e 2374 do Código Eleitoral.
O artigo 14, § 10, da Constituição Federal define que “o mandato
eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça Eleitoral no prazo de quinze dias contados da

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
diplomação”, nas hipóteses de: a) abuso de poder econômico; b) corrupção; ou c) fraude.
A fraude, na concepção de José Jairo Gomes, caracteriza-se pela burla
ao sentido e à finalidade da norma jurídica “pelo uso de artimanha, astúcia, artifício ou ardil.
Aparentemente, age-se em harmonia com o Direito, mas o efeito visado – e, por vezes,
alcançado – o contraria”5, frustrando a efetividade e a finalidade do próprio sistema eleitoral,
maculando-se, por conseguinte, o bem jurídico tutelado.

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Sobre o tema, leciona Rodrigo López Zilio6:
“A fraude se caracteriza como ato voluntário que induz outrem em erro mediante a
utilização e meio astucioso ou ardil. Pressupõe que a conduta seja perpetrada com
o deliberado propósito de induzir alguém em erro, configurando-se o ilícito tanto
quando houver benefício como prejuízo indevido a quaisquer dos atores do processo
eleitoral (candidato, partido ou coligação). (…) Assim, a fraude abrange toda e
qualquer fase relacionada ao processo eleitoral (inclusive a fase de votação e
apuração), desde que tenha como resultado a interferência na manifestação de
vontade do eleitorado, com reflexos na apuração de votos. Portanto, a fraude deve
incidir sobre a eleição e si, e não sobre determinados votos isolados, não importa o
momento do processo eleitoral em que ocorreu a fraude, sendo fundamental apurar
se o ilícito cometido apresentou reflexos na votação ou apuração de votos –
justamente porque a consequência do ilícito, por mais relevante para afetar o bem
jurídico se sobrepõe ao momento em que o ato foi praticado.”

Com efeito, considera-se fraude todo ato praticado com a


deliberada intenção de induzir alguém em erro e que seja destinado à produção de efeitos
positivos ou negativos indevidos a quaisquer dos atores do processo eleitoral – candidato,
partido ou coligação.
Assim, entende o Tribunal Superior Eleitoral que a fraude, para fins
eleitorais, “não se deve restringir àquela sucedida no exato momento da votação ou da

3 Art. 222. É também anulável a votação, quando viciada de falsidade, fraude, coação, uso de meios de que
trata o Art. 237, ou emprego de processo de propaganda ou captação de sufrágios vedado por lei.
4 Art. 237. A interferência do poder econômico e o desvio ou abuso do poder de autoridade, em desfavor da
liberdade do voto, serão coibidos e punidos.

5 GOMES, José Jairo. Direito Eleitoral. Ed. 14. São Paulo: Atlas, 2018, p. 881.
6 ZILIO, Rodrigo López. Direito Eleitoral. Ed. 6. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2018, p. 664.

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

apuração dos votos, podendo-se configurar, também, por qualquer artifício ou ardil que
induza o eleitor a erro” (Agravo de Instrumento n. 4.661, Rel. Min. Fernando Neves, j.
15/06/2004), assentado, ainda, que “o conceito de fraude (…) é aberto e pode englobar todas
as situações em que a normalidade das eleições e a legitimidade do mandato eletivo são
afetadas por ações fraudulentas, inclusive nos casos de fraude à lei” (Recurso Especial n. 1-

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
49, Rel. Min. Henrique Neves, j. 04/08/2015).
Nesses termos, é cediço que a fraude, para fins de ajuizamento de ação
de impugnação de mandado eletivo, pode decorrer de qualquer ato ou artifício que induza o
eleitor a erro e/ou que altere o resultado das eleições, assim como qualquer ação praticada
com a finalidade de burlar a legislação eleitoral.
No presente caso, extrai-se a existência de fraude eleitoral na

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


formalização do pedido de registro de candidatura da chapa proporcional ao cargo de
deputado estadual do Partido Social Liberal – PSL, materializada na inclusão de candidatas
“laranjas” para o preenchimento da cota de gênero prevista no artigo 10, § 3º, da Lei n.
9.504/97 e do artigo 20 da Resolução TSE 23.548/17.
Quanto ao tema, dispõe o artigo 10, § 3º, da Lei n. 9.504/97:
Art. 10. Cada partido ou coligação poderá registrar candidatos para a Câmara dos
Deputados, a Câmara Legislativa, as Assembleias Legislativas e as Câmaras
Municipais no total de até 150% (cento e cinquenta por cento) do número de lugares
a preencher, salvo:
(…)
§3o Do número de vagas resultante das regras previstas neste artigo, cada partido ou
coligação preencherá o mínimo de 30% (trinta por cento) e o máximo de 70%
(setenta por cento) para candidaturas de cada sexo.

Em mesmo sentido, dispõe o artigo 20 da Resolução TSE n.


23.548/17:
Art. 20. Cada partido político ou coligação poderá registrar candidatos para a
Câmara dos Deputados, a Câmara Legislativa e as Assembleias Legislativas no total
de até 150% (cento e cinquenta por cento) do número de lugares a preencher, salvo
nas Unidades da Federação em que o número de lugares a preencher para a Câmara
dos Deputados não exceder a 12 (doze), para as quais cada partido político ou
coligação poderá registrar candidatos a Deputado Federal e a Deputado Estadual ou
Distrital no total de até 200% (duzentos por cento) das respectivas vagas.
(…)
§ 2º Do número de vagas resultante das regras previstas neste artigo, cada partido
político ou coligação preencherá o mínimo de 30% (trinta por cento) e o máximo de
70% (setenta por cento) para candidaturas de cada sexo.
(…)

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

§ 4º O cálculo dos percentuais de candidatos para cada sexo terá como base o
número de candidaturas efetivamente requeridas pelo partido político ou coligação e
deverá ser observado nos casos de vagas remanescentes ou de substituição.
§ 5º O deferimento do pedido de registro do partido político ou coligação ficará
condicionado à observância do disposto nos parágrafos anteriores, atendidas as
diligências referidas no art. 37.

A redação trazida pela Lei n. 12.034/2009 substituiu a expressão

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
“deverá reservar” pelo termo imperativo “preencherá”, de modo a impor que os percentuais
de cotas de gênero tomem por base o número de candidatos cujos registros forem, de fato,
requeridos pelo partido ou pela coligação.
Trata-se, portanto, de requisito de indispensável e indissociável à
participação do partido político e/ou coligação partidária nas eleições aos cargos
proporcionais, a ser aferida no ato do requerimento de registro do Demonstrativo de

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Regularidade dos Atos Partidários.
Nota-se que a atualização legislativa buscou a máxima efetividade do
princípio constitucional da isonomia entre homens e mulheres (artigo 5º, caput e inciso I, da
Constituição Federal7), visando a resguardar e incentivar a inclusão e a participação feminina
na vida política, razão pela qual a apresentação de pedidos de registro de candidatura
manifestadamente inadmissíveis ou sem qualquer viabilidade de êxito, apenas com o
escopo de preencher, fictamente, a cota prevista na legislação eleitoral, ofende o ordenamento
jurídico.
A representatividade política das mulheres é questão determinante
para efetividade do princípio constitucional da igualdade. É parte da capacidade eleitoral
(ativa e passiva), que integra o direito de cidadania das mulheres e complementa o movimento
sufragista, iniciado há cerca de um século. As mulheres pretendem votar e ser votadas,
participando integralmente da vida política da nação.
Não obstante cerca de 52,25% (cinquenta e dois por cento) do
eleitorado brasileiro seja composto por mulheres, o Brasil tem atingido menores índices de
participação proporcional de mulheres no Legislativo do que outras nações de menor
consolidação democrática.

7 Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos seguintes:
I – homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição;

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

A Constituição da República, ao consagrar a democracia, o pluralismo


político e a igualdade de gênero, garante que mulheres participem da vida política em
igualdade de condições com os homens. Por esta razão, a análise do presente caso assume
relevância que transcende até mesmo os limites subjetivos do feito e demanda uma resposta
jurisdicional para que não restem dúvidas sobre o patamar de igualdade da participação das

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
mulheres brasileiras na vida política do nosso país.
Sobre o tema, a Corte Superior Eleitoral já assentou que “o incentivo
à presença feminina constitui necessária, legítima e urgente ação afirmativa que visa
promover e integrar as mulheres na vida política brasileira, de modo a garantir-se
observância, sincera e plena, não apenas retórica ou formal ao princípio da igualdade de
gênero (art. 5º, caput e I, da CF/88)” – Rp n. 28273/2017.

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Nesse cenário, importa ressaltar que, para que a ação afirmativa de
inclusão feminina na política atinja sua finalidade, é preciso que as candidaturas lançadas
pelos partidos políticos sejam viáveis, não apenas como mero propósito de cumprir um
critério legal. Faz-se necessário que essas candidaturas se desenvolvam ou, ao menos, que
tenham potencial para se desenvolverem.
Candidaturas fictícias atribuem às mulheres ao papel figurativo na
disputa político-eleitoral, exatamente o que a norma malferida – que cumpre a garantia da
máxima efetividade constitucional em relação à isonomia entre homens e mulheres – busca
evitar. A isonomia, portanto, é comprometida sob diferentes perspectivas e a fraude perpetrada
é, de fato, ao Texto Maior.
Assim, cite-se o entendimento seguido pela Corte Regional de Minas
Gerais:
Recurso Eleitoral. AIME. Eleições 2016. Cota de Gênero. Candidaturas Fictícias.
Fraude. Procedência. Cassação de Diploma. Declaração de inelegibilidade.
Preliminar rejeitada. Preliminar de inadequação da via eleita. A Ação de
Impugnação de Mandato Eletivo, nos termos do disposto pelo art. 14, § 10, da
CR/88, é instrumento hábil para a análise da existência de fraude à lei no
processo eleitoral, não se restringindo apenas ao processo de votação. Na
espécie, a inobservância ou a tentativa de burlar o disposto no art. 10, § 3º, da
Lei nº 9.504/97, por meio de lançamento de candidaturas do sexo feminino
fictícias, com o intuito de burlar o percentual obrigatório da reserva de gênero,
deve ser apurada nesta via processual, uma vez constatada a possível
ocorrência de fraude. Preliminar rejeitada. Preliminar de inépcia da inicial. O fato
alegado em inicial, qual seja a existência de candidaturas femininas fictícias, que dá
origem ao ajuizamento da presente ação, foi devidamente delineado, não havendo

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

falar, portanto, em inépcia da inicial por ausência de causa de pedir (art. 330, § 1º, I,
do CPC). A causa de pedir não se confunde com a insuficiência de provas que
comprovem os fatos alegados. A inexistência de provas das alegações iniciais é
matéria a ser resolvida no mérito, não implicando imediata extinção do processo,
nos termos preceituados pelo art. 485, I, do CPC. Preliminar rejeitada. (…)
(TRE/MG – Recurso Eleitoral n 144385, Relator(a) RICARDO MATOS DE
OLIVEIRA, Publicado em 26/10/2018) [grifo nosso]

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Da análise pormenorizada dos autos dos requerimentos de registro de
candidatura apresentados pelo Diretório Regional do Partido Social Liberal – PSL, esta
Procuradoria Regional Eleitoral identificou a existência candidaturas femininas sem a
devida demonstração de filiação partidária, condição de elegibilidade prevista no artigo
14, § 3º, inciso V, da Constituição Federal.
É cediço que a filiação a partido político consiste em elemento
indissociável à condição de elegibilidade, inexistindo, em regra, a possibilidade de registro de

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


candidatura avulsa no ordenamento jurídico brasileiro. Assim, por figurar como condição ao
exercício da capacidade eleitoral passiva, a filiação partidária pressupõe o pleno gozo dos
direitos políticos do filiado. Cite-se:
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto
e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
(…)
§ 3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:
I – a nacionalidade brasileira;
II – o pleno exercício dos direitos políticos;
III – o alistamento eleitoral;
IV – o domicílio eleitoral na circunscrição;
V – a filiação partidária;

Nesse sentido, dispõe o artigo 9º da Lei n. 9.504/97 que, para que o


cidadão possa concorrer a cargo eletivo, faz-se necessário que o requerimento de filiação
tenha sido deferido pelo diretório do partido no prazo de 6 (seis) meses antes da eleição.
Assim, o ato de filiação partidária possui natureza interna corporis,
pactuado em uma relação linear filiado-partido político, cabendo ao órgão de direção
partidária, periodicamente, encaminhar relação atualizada à Justiça Eleitoral, indicando os
nomes dos filiados, o número dos títulos eleitorais e das seções às quais encontram-se
vinculados, nos termos do artigo 4º, caput, da Resolução TSE n. 23.117/098.
8 Art. 4º Na segunda semana dos meses de abril e outubro de cada ano, o partido, por seus órgãos de direção
municipais, regionais ou nacional, enviará à Justiça Eleitoral para arquivamento, publicação e cumprimento
dos prazos de filiação para efeito de candidatura, a relação atualizada dos nomes de todos os seus filiados na
respectiva zona eleitoral, da qual constará, também, o número dos títulos eleitorais e das seções em que estão

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

Consoante leciona Rodrigo Zilio, a remessa das listas de filiados à


Justiça Eleitoral possui efeito meramente declaratório, visando a conferir publicidade aos atos
de filiação, dando-se transparência às relações jurídicas firmadas entre os filiados e o órgão
partidário, como instrumento hábil a evitar eventual cerceamento ao direito de livre
associação – artigo 5º, inciso XVII, da Constituição Federal9.

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Com efeito, o artigo 21 da Resolução TSE n. 23.117/09 dispõe que “a
prova da filiação partidária, inclusive com vista à candidatura a cargo eletivo, será feita com
base na última relação oficial de eleitores recebida e armazenada no sistema de filiação”.
De fato, a atualização periódica dos dados partidários no Sistema de
Filiação Partidária da Justiça Eleitoral – FILIAWEB, confere maior credibilidade e
transparência à aferição do preenchimento da condição de elegibilidade prevista no artigo 14,

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


§3º, inciso V, da Constituição Federal.
De outro modo, sabe-se que o Tribunal Superior Eleitoral já assentou
o entendimento de que a filiação partidária poderá ser demonstrada, em caráter subsidiário,
“por outros elementos de convicção, salvo quando se tratar de documentos produzidos
unilateralmente, destituídos de fé pública” - Súmula TSE n. 20.
In casu, frise-se que, embora notificadas, as candidatas Maria dos
Anjos da Silva Martins (RRC 0600764-86), Maria Conceição Alves (RRC 0600763-04) e
Rosanira Capistrano Luz (RRC 0600891-24) apenas apresentaram aos autos dos
respectivos requerimentos de registro de candidatura documentos produzidos unilateralmente
– ficha de filiação, declaração do dirigente partidário e atas da convenção –, inadmitidos
como meio de demonstração de filiação partidária10.
Em mesmo sentido, nos autos do procedimento de registro DRAP
(0600736-21.2018), o partido político, após parecer desta Procuradoria Regional Eleitoral,
acostou aos autos cópia das atas de convenção do partido, restando patente a ausência de
filiação das candidatas ao Partido Social Liberal – PSL.

inscritos e a data do deferimento das respectivas filiações (Lei nº 9.096/95, art. 19, caput).
9 ZILIO, Rodrigo López. Direito Eleitoral, 6. ed. - Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2018, p. 191.
10 Súmula TSE n. 20: “A prova de filiação partidária daquele cujo nome não constou da lista de filiados de
que trata o art. 19 da Lei nº 9.096/1995, pode ser realizada por outros elementos de convicção, salvo quando
se tratar de documentos produzidos unilateralmente, destituídos de fé pública.”

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

Assim, partindo-se da convicção de que o partido político figura como


único responsável pela elaboração da listagem de filiados encaminhada à Justiça Eleitoral e,
sobretudo, detém a exclusiva prerrogativa constitucional de conduzir as candidaturas à Justiça
Eleitoral, mostra-se inadmissível concluir que agremiação desconhecia a ausência de
vínculo filiado-partido político ao tempo do registro de candidatura.

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
Nesse cenário, mister destacar que, dentre o total de 21 (vinte e um)
requerimentos de registro de candidatura apresentados à Justiça Eleitoral (deferidos e
indeferidos), apenas as candidatas do sexo feminino não preencheram a condição de
elegibilidade prevista no inciso art. 14, § 3º, inc. V, da Constituição Federal, o que, de
fato, reforça a conclusão da prática de fraude na formalização dos registros de candidatura do
partido.

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Com efeito, desconsiderando-se as candidaturas manifestadamente
incabíveis, constata-se que, dentre os 18 (dezoito) pedidos de registro de candidatura do
partido, apenas quatro candidatas preenchiam todas as condições de elegibilidade
exigidas pela legislação eleitoral, totalizando cerca de 22% (vinte e dois por cento) do
número total de candidatos, situação que acarretaria o indeferimento parcial do DRAP
partidário e, consequentemente, de todos os candidatos ao cargo de deputado estadual.
Conclui-se, portanto, que a inclusão das impugnadas Maria dos
Anjos da Silva Martins, Maria Conceição Alves e Rosanira Capistrano Luz se deu, única
e exclusivamente, para viabilizar a manutenção do quantitativo proporcional de gênero
previsto na legislação eleitoral, possibilitando a inclusão de um maior número de candidatos
do sexo masculino, apresentando ao eleitorado estadual candidaturas natimortas, sem
qualquer possibilidade de se desenvolverem.
Por oportuno, registra-se que não se desconhece de julgado do
Tribunal Superior Eleitoral (REspe n. 160892, Rel. Ministro Henrique Neves) que concluiu
pela inexistência de fraude na cota partidária quando decorrente de renúncia de candidatas do
sexo feminino, formalizadas após o deslinde do prazo para substituição das candidaturas, uma
vez que tais atos seriam de natureza unilateral e imprevisíveis.
No entanto, o que se extrai do presente caso é que a agremiação
partidária, de maneira consciente e deliberada, requereu o registro de candidatura de

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

candidatas mulheres que sequer possuíam filiação à sua agremiação, em flagrante


intuito de burlar a norma eleitoral, preenchendo apenas fictamente a cota mínima de 30%
de candidaturas femininas exigida pelo art. 10, § 3º, da Lei n. 9.504/97.
Outrossim, ressalta-se que, ao permitirem a apresentação de pedidos
de candidatura natimortos, as próprias candidatas (e a agremiação partidária), obstaram a

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
possibilidade de outras candidaturas femininas pudessem disputar o pleito e garantir a
representatividade necessária aos interesses femininos no cenário político estadual.
Além disso, corrobora com a intenção fraudulenta ora
apresentada, a manifesta omissão partidária ao não realizar o procedimento de
substituição das candidaturas femininas indeferidas, conforme facultado pelo art. 13 da
Lei n. 9.504/97.

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Desta feita, verifica-se que a burla praticada pela grei viabilizou a
homologação do DRAP partidário e o deferimento do registro de candidaturas inaptas,
expondo ao eleitorado candidaturas natimortas, que sequer preenchiam condições mínimas de
participação, em nítida demonstração de desrespeito às normas eleitorais e à higidez do
processo eletivo.
Tal o quadro, nota-se que a fraude perpetrada pelo partido não só
ensejou o deferimento dos registros de candidatura, mas viabilizou a conquista de uma cadeira
na Assembleia Legislativa estadual, a ser ocupada pelo candidato diplomado Eyder Brasil do
Cargo, além da diplomação do 1º Suplente, Aziz Rahal Neto.
Por tais razões, ante a caracterização de fraude à legislação eleitoral, a
Procuradoria Regional Eleitoral pugna pelo provimento da presente ação de impugnação de
mandato eletivo, a fim de que seja determinada a cassação dos diplomas expedidos aos
candidatos Eyder Brasil do Carmo – deputado estadual – e Aziz Rahal Neto – 1º suplente –,
declarando-se nula, ainda, a integralidade da chapa proporcional ao cargo de deputado
estadual formada pelo Partido Social Liberal – PSL.

III – PEDIDO

Pelo exposto, a PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL


requer:

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA REGIONAL ELEITORAL EM RONDÔNIA

a) o recebimento da presente ação impugnatória, nos termos do artigo


14, § 10, da Constituição Federal, a fim de que seja processada no rito
previsto nos artigos 3º e seguintes da Lei Complementar n. 64/90;

b) seja determinada a notificação dos impugnados para apresentar

Documento assinado via Token digitalmente por LUIZ GUSTAVO MANTOVANI, em 13/12/2018 23:27. Para verificar a assinatura acesse
defesa no prazo de 07 (sete) dias, nos termos do artigo 4º da Lei
Complementar 64/90; e

c) seja julgada procedente a ação de impugnação de mandato eletivo,


reconhecendo-se a prática de fraude eleitoral no preenchimento da
cota de gênero prevista no artigo 10, § 3º, da Lei n. 9.504/97, para
que, em via de consequência, seja determinada a cassação dos
diplomas conferidos aos candidatos Eyder Brasil do Carmo e Aziz

http://www.transparencia.mpf.mp.br/validacaodocumento. Chave 829443D6.DA3C4E8C.4C7DD365.0B3812BB


Rahal Neto, bem como declarada nula a integralidade da chapa
proporcional formada pelo Partido Social Liberal – PSL na disputa do
cargo de deputado estadual.

Porto Velho/RO, 19 de dezembro de 2018.

[ASSINADA ELETRONICAMENTE]
LUIZ GUSTAVO MANTOVANI
PROCURADOR REGIONAL ELEITORAL

Rua José Camacho, 3307 – Embratel


CEP 76.820-886 – Porto Velho/RO
(069) 3216-0500