Você está na página 1de 79

Abra Os Meus Olhos, Senhor

Um Guia Prático Para Visitações Angelicais e Experiências Celestiais

GARY OATES

com

Robert Paul Lamb

Título original: Open My Eyes, Lord


Copyright © 2004 by Gary R. Oates
Tradução: Anita Ventura F. de Souza
Revisão: Vera Lúcia Ventura C. Frazillio

Foram utilizadas as seguintes versões do evangelho:


"Almeida, Corrigida e Fiel - ACF" e "2ª ed. Almeida, Revista e
Atualizada".
1ª Edição no Brasil - 2006
Casa de Davi Publicações

011a Oates, Gary


Abra os meus olhos, senhor: um guia prático para
visitações angelicais e experiências celestiais/Gary
Oates com Robert Poul Lamb. - Londrina: Midiograf,
2004. - 140p.
ISBN: 85-99986-01-5
1. Experiência espiritual. 2. Missionários - Relatos. 3.
Oates, Gary. I. Lamb, Robert Paul. II. Título.
CDD - 289.95092

Digitalizado por:
Dedicatória
À minha linda esposa, Kathi, que já passou por "altos e baixos"
comigo, minha companheira, ajudadora e melhor amiga.

Aos meus pais, Harmon e Ruby Oates, que foram recolhidos


para estarem com o Senhor... Por todos os anos de encorajamento,
apoio e, em especial, pelas incessantes orações.

E orou Eliseu, e disse: SENHOR, peço-te que lhe abras


os olhos, para que veja. E o SENHOR abriu os olhos do
moço, e viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e
carros de fogo, em redor de Eliseu.
2 Reis 6:17

Índice
Créditos .............................................................................................................. 4
Comentários ....................................................................................................... 4
Prefácio .............................................................................................................. 7
Prólogo ............................................................................................................. 10
Introdução ........................................................................................................ 12
Capítulo 1 – A Oração ...................................................................................... 14
Capítulo 2 – Para cima é melhor..." .................................................................. 17
Capítulo 3 – "Deus, eu quero mais de Ti..."...................................................... 23
Capítulo 4 – Anjos no Rio e em Atlanta ............................................................ 28
Capítulo 5 – A ministração dos anjos ............................................................... 38
Capítulo 6 – Verdadeira intimidade com Deus ................................................. 53
Capítulo 7 – A oração de Romanos 6:13 ......................................................... 65
Capítulo 8 – Oração de transferência de unção! .............................................. 75
Oração de Salvação ......................................................................................... 77
Créditos
Randy Clark - por acreditar em mim e dar-me a oportunidade de
tocar as nações da Terra e, também, pelas muitas orações de
transferência de unção.
Heidi Baker - por me inspirar a tornar-me um amante
apaixonado por Deus.
Henry Madava - por permitir que o Espírito Santo trabalhasse
através dele, impactando minha vida poderosamente.
Mike Shea - por seu ensinamento sobre Romanos 6:13, versículo
chave para todos os eventos marcantes que ocorreram em minha vida.
Davi Silva - por ser um pioneiro nessa dimensão espiritual de
encontros celestiais e pela transferência de unção que recebi dele.
Robert Paul Lamb - meu amigo de longa data que me ajudou
tanto, em vários momentos, a fazer com que esse livro se tornasse
realidade. Obrigado por sua habilidade com a escrita e, em especial, por
buscar diligentemente a Deus durante todo o processo.

Comentários
O novo livro de Gary Oates, Abra Os Meus Olhos, Senhor, é,
literalmente, cativante. Além de ser teologicamente confiável, também é
encantador. Esta é uma história que não se contenta em permanecer
nas páginas de um livro. Ela contém o próprio coração de Deus,
incendiando tudo o que toca. De certa forma, os encontros de Gary com
o Senhor afetaram a minha fome por mais de Deus. Leitor, atenção!
Essa busca é contagiosa!
Bill Johnson, Pastor
Igreja Bethel
Califórnia, EUA.
Autor de "Quando O Céu Invade A Terra"

Recomendo o livro de Gary sobre seu arrebatamento, ministério


e função dos anjos. Creio que, durante sua leitura, você receberá uma
transferência de unção tremenda para ver no Espírito. Deus abrirá seus
olhos como abriu os olhos do servo de Elias para ver o reino do Espírito.
Uma sede sobrenatural de ir mais fundo nas coisas espirituais será
gerada.
Todd Bentley
Presidente do Ministério Fresh Fire
Conferencista Internacional
Não conseguia largar este livro incrível! Ria e chorava, enquanto
o Espírito Santo me tocava através destas histórias ungidas. Se quiser
uma vida mais profunda no Espírito, esse livro é para você! As histórias
de encontros angelicais irão gerar um anseio por suas próprias
experiências e você será abençoado.
Heidi Gayle Baker, Ph.D.
Diretora do Ministério íris
Co-autora de There's Always Enough
(Há sempre o suficiente)

Uma cópia deste livro veio parar em minhas mãos numa tarde
de domingo, quando voltava para minha casa na Flórida. Prometi a
Gary que tentaria dar uma olhada no livro dentro de alguns dias.
Comecei a lê-lo durante meu momento de descanso, naquela noite. Fui
tão cativado pelas páginas, que cheguei à página sessenta e cinco antes
de ir para cama. Terminei a leitura no dia seguinte.
Muitos fatores foram uma bênção para mim, mas o estudo
bíblico a respeito do ministério angelical fez-me chorar. Não era tudo
novidade, mas, em meio à dor de ter perdido minha esposa há menos de
noventa dias, havia me esquecido da preciosa ministração dos anjos.
Naquela noite, por causa de um simples reconhecimento da
disponibilidade deles, recebi o conforto da presença angelical. Obrigado,
Gary, por nos deixar fazer parte de suas experiências constantes no
mundo — normalmente — invisível!
Jack R. Taylor
Presidente do Ministério Dimensions
Flórida, EUA.

Se você está procurando um livro que o conduza à Presença de


Deus, acaba de encontrá-lo!
"Abra os Meus Olhos, Senhor" revela a paixão e a experiência de
Gary Oates, que vê o mundo invisível. Isso resultou num viver
"sobrenatural" natural.
Quando leio um livro, procuro a vida do Senhor na experiência e
na expressão do autor. O testemunho de Gary Oates fez-me cair de
joelhos com um clamor desesperado, "Abra os Meus Olhos, Senhor".
Leif Hetland
Presidente da Global Mission Awareness
Conferencista Internacional

Desde os tempos de Apocalipse 4:1 (quando o Senhor disse ao


apóstolo João, "Sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer...'), a
Igreja recebe o convite para subir cada vez mais alto e ir cada vez mais
fundo no mundo espiritual. Gary Oates está abrindo o caminho — neste
livro — para que muitos façam exatamente isso.
"Abra os Meus Olhos, Senhor" foi uma leitura empolgante que
me fez ansiar por mais do mundo espiritual. Deus está verdadeiramente
abrindo nossos olhos em nossos dias. Obrigado, Gary, por estar
disposto a sair de sua zona de conforto e chegar até as aventuras
desconhecidas do reino espiritual.
Michael Ellis
Ministério Nehemiah
Geórgia, EUA.

Este livro abre, surpreendentemente, os olhos e os ouvidos de


um verdadeiro filho de Deus. Ao mesmo tempo em que cativa o leitor,
leva-o a sentir a grandeza de Deus. Também gera ousadia na presença
do sobrenatural. O resultado é uma maior sede de Deus. Recomendo a
leitura deste livro a líderes e leigos.
Henry Madava
Pastor da Victory Church
Kiev, Ucrânia

Conhecemos Gary e Kathi na viagem do ministério Global


Awakening a Volta Redonda, mencionada no livro. Foi uma grande
alegria ver como o Espírito Santo "abriu seus olhos" para ver a realidade
invisível sobre a qual falamos tanto. O testemunho simples e franco de
Gary é revigorante para aquele que ministra.
Gostaríamos de encorajá-lo: permita que esse testemunho
edifique sua fé. Não só estamos com eles desde sua experiência
transformadora, vendo seus bons frutos, como também temos visto o
mesmo trabalhar do Espírito Santo na vida de outros. Na verdade,
estamos nos aproximando de um tempo no qual teremos muitos
"videntes" (*) dentro da Igreja. Oramos para que o Senhor abra seus
olhos, também!
Michael Shea & Davi Silva
Casa de Davi
Londrina, Brasil

*
Aqueles que vêem as coisas espirituais.
Prefácio
"Abra os Meus Olhos, Senhor", o novo livro de Gary Oates, é um
dos livros mais emocionantes que já li. É um livro a respeito de
santidade e intimidade com nosso Deus Trino; Pai, Filho e Espírito
Santo.
A busca de Gary por uma vida de santidade e intimidade com
Deus foi repassada à sua esposa, Kathi. No entanto, sua caminhada
com Deus tomou um passo gigantesco à frente depois de Gary ter sido
arrebatado e ver o Senhor Jesus e ambos, ele e Kathi, terem seus olhos
abertos para verem anjos.
A história de Gary é bastante incomum e tenho certeza de que
haverá aqueles que terão dificuldades para aceitá-la, mas eu estava lá
quando tudo aconteceu. Estava ao lado dele, em Volta Redonda, quando
a experiência inicial ocorreu.
Lembro-me de olhar para ele e pensar que algo diferente estava
acontecendo. Estava em transe ou havia passado por algum tipo de
experiência. Lembro-me de ver seu corpo voando para trás, derrubando
muitas fileiras de assentos e quase derrubando um pastor, no momento
em que o espírito de Gary voltou para o seu corpo.
Lembro-me de vê-lo deitado no chão, tremendo, com os olhos
cheios de lágrimas. Posso confirmar essa história. Sou uma testemunha
daquilo que Gary escreveu e muito mais. Ele não contou todas as suas
experiências de visões do mundo espiritual.
Você pode pensar que sou crédulo demais e que nós dois fomos
enganados. Deixe-me dizer por que acredito na história de Gary.
Estávamos em Manaus, em 2003, ministrando na igreja do apóstolo
Renê Terra Nova — uma congregação de 48.000 membros. O enorme
templo comporta 10.000 pessoas.
Quase uma semana depois, ainda usávamos o mesmo método de
ministração, orando pelos enfermos e pedindo para os que sentiam,
pelo menos 80% da cura, que acenassem com as duas mãos.
Entretanto, noventa por cento das pessoas afirmaram terem sido
curadas durante a última noite de culto.
O que fez a diferença naquela noite?
Aquela foi a noite em que Gary me contou sobre suas visões de
anjos de guerra. Também foi a noite em que Gary viu tufões de fogo
entrarem no templo e ficarem sobre as cabeças das pessoas. A única
diferença que consigo estabelecer entre as 9.000 curas daquela noite e
as prováveis 500 curas das outras noites foi a anunciada presença dos
anjos de guerra e de cura.
Se Gary tivesse me contado o que vira e não tivesse havido
nenhuma diferença significativa no número de curas, eu teria tido
dificuldade em acreditar no que ele pensava que estava vendo. Mas,
nesse caso, Gary me contou a visão antes da explosão de curas. Logo, a
explicação mais lógica, para mim, é que ele realmente vê o mundo
espiritual.
Talvez seja mais fácil para mim, aceitar a história de Gary
porque elas lembram minhas raízes espirituais. Um dos eventos
espirituais mais importantes na minha família foi quando o espírito de
minha mãe foi tirado de seu corpo e levado até o céu. Isso ocorreu
quando eu tinha por volta de seis anos de idade.
Meu pai estava desviado naquela época e minha mãe havia sido
tocada de uma maneira tão forte que, durante dias, ficou como se
estivesse em transe, sussurrando pelos cantos, "Era tão lindo, tão
calmo... Não quero ficar aqui. Eu quero voltar."
Aquilo mexeu com meu pai. Ele dizia a ela, "Você não pode ir.
Temos três filhos pequenos e preciso de você." Mas minha mãe só
chorava, impressionada com a grandeza da glória da experiência que
tivera; e se afastava, dizendo, "Eu quero voltar." Durante mais de
quarenta anos, ela não conseguia descrever essa experiência sem
chorar.
Nasci em um lar batista, estudei em uma faculdade batista e,
mais tarde, fiz o Seminário Teológico Batista Meridional. Apesar de ter
tido uma educação batista, cria que evangélicos conservadores podem
ter experiências muito sobrenaturais com Deus. Conheci vários batistas
que tiveram tais experiências, antes mesmo de conhecer um pentecostal
ou um carismático.
Quando estava para me formar em religião, na faculdade batista,
fiz uma pesquisa sobre experiências fora do corpo. Durante o processo,
voltei à minha cidade natal e entrevistei outras três pessoas que haviam
tido experiências parecidas com a de minha mãe.
Um dos entrevistados era Carlton Brockett, diácono da General
Baptist (Batista Geral), igreja da qual minha família fazia parte. Li a
carta que enviou durante a Segunda Guerra Mundial sobre ter visto o
céu se abrindo para ele. Esse homem era muito espiritual e também
não conseguia falar a respeito de sua experiência — mesmo depois de
décadas — sem começar a chorar.
Depois, foi a vez de sua irmã, Hazel Phelps, que também era da
General Baptist e foi arrebatada enquanto fazia tarefas domésticas. Em
meio ao arrebatamento, foi-lhe dito que seu marido — por quem orava
há mais de 20 anos — seria salvo. Sem comentar nada com ninguém,
ele foi à igreja naquela noite e entregou sua vida a Jesus.
Durante a pesquisa, conheci dois homens que viram minha mãe
caindo no chão no momento em que foi arrebatada. Saía de uma casa,
indo em direção a seu carro, quando foi arremessada até a calçada. Os
dois disseram que não achavam sua pulsação e ela não respirava.
Também disseram que seu corpo ficou gelado e que ficou como morta
por alguns minutos. Na época em que os entrevistei, por volta de
dezesseis anos após a experiência de minha mãe, eles já haviam se
tornado ministros do evangelho.
Agradeço a Deus por minha família ter tido suas próprias
histórias sobre a realidade do mundo espiritual. Nosso cristianismo não
estava relacionado somente às verdades de um passado distante. Pelo
contrário: era um cristianismo onde as realidades bíblicas ainda eram
possíveis de acontecer em nossas vidas.
Minha avó ouviu a voz audível de Deus dizer que se entrasse em
um quarto, seria curada. Ela obedeceu, entrou no quarto, começou a
orar e um inchaço enorme na sua tiróide desapareceu. Quando ainda
era menino, minha avó contou que "foi como se uma mão quente tivesse
descido pela minha garganta e o inchaço desapareceu na hora". A
história de minha avó, assim como o ocorrido com minha mãe, gerou
em mim uma sede de conhecer a Deus pessoal e intimamente. Aquele
tipo de herança espiritual gerou um desejo em mim de não apenas
saber a respeito dEle, mas de ter uma experiência com Ele.
Estou feliz por saber que situações onde se pode senti-Lo, ser
visitado por Ele e ouvir Sua voz não são experimentadas somente pelos
Pentecostais ou pelos Carismáticos, mas que são privilégios de todos os
Seus filhos. Estou feliz porque o antigo corinho é real: "Venho para o
jardim sozinho, enquanto o orvalho ainda está sobre as rosas, e Ele
caminha comigo e conversa comigo, e Ele me diz que sou Seu". Não
aceite conhecê-Lo apenas superficialmente, quando temos o privilégio,
como Seus filhos, de conhecê-Lo mais a fundo.
É impossível uma pessoa ler esse livro e não se sentir
desesperado por uma experiência ou por um relacionamento mais
íntimo com o Senhor. Sei que possuo ciúme santo da intimidade que
Gary tem com Deus. Não me satisfaço mais em simplesmente sentir a
presença dos anjos, quando se aproximam. Eu quero vê-los!
Quero ver o cumprimento da palavra que recebi há mais de dez
anos, "quero que seus olhos sejam abertos para que vejam Meus
recursos para ti nas regiões celestiais, assim como Eliseu orou para que
os olhos de seu servo fossem abertos".
Peço-lhe que leia esse livro com seu coração e sua mente
abertos. Se assim o fizer, gostaria que concordasse comigo nesta
oração: "Abra os meus olhos, Senhor... Quero ver a Jesus... poder tocá-
Lo... dizer a Ele que o amo. Abra os meus olhos, Senhor... Eu quero ver.
Quero ver Seus recursos celestiais para minha vida. Do mesmo modo que
Eliseu orou pelo seu servo, para que seus olhos fossem abertos, peço que
os olhos de cada leitor desse livro sejam abertos; assim como oro para
que meus próprios olhos sejam abertos. "Em nome de Jesus. Amém".
Randy Clark
Ministério Global Awakening
Conferencista Internacional
Autor de "Acendendo o Fogo"
Prólogo
Durante um bom tempo, relutei contra a idéia de escrever um
livro. Pensava que o testemunho de minhas experiências realmente não
seria necessário e não queria chamar nenhuma atenção por conta de
meus encontros celestiais. O foco deste livro não é esse.
Contudo, fui convencido por muitos do Corpo de Cristo que essa
mensagem era necessária, sim. Não seria apenas um livro acerca de
minhas experiências, mas também uma ferramenta de ensino bíblico
completo, que iria desde uma simples transferência até o caminhar no
sobrenatural de Deus.
Se me dissessem — antes de junho de 2002 — que eu e minha
esposa Kathi ministraríamos através do sobrenatural, ou até mesmo
escreveríamos um livro a respeito de tais experiências, diria, "vocês
estão loucos".
Porém, de acordo com tudo o que relembrei sobre minha vida
juntamente com meu amigo e co-autor Robert Paul Lamb, uma pequena
parte da revelação profética de Deus sobre nós tem surgido, apontando
para o dia em que tudo se tornaria realidade. Por exemplo, escrevi em
meu diário de oração, no dia 24 de abril de 1974, uma palavra recebida
do Senhor que dizia: "Verei o mundo espiritual — anjos e demônios — e
a ministração dos anjos".
No dia primeiro de dezembro de 1976, enquanto Kathi e eu
visitávamos uma das igrejas que pastoreávamos — em Gatlinburg, no
estado do Tennessee, E.U.A. — o profeta sul-africano, Robert Thom,
orou e profetizou: "Senhor, peço que lhes dê um ministério sobrenatural
que alcançará as multidões..."
Em julho de 1981, durante um culto de ordenação, um ministro
cheio da unção profética entregou a seguinte palavra para mim: "Filho
meu... será convidado para viajar e ministrar e você irá, com um grupo
de ministros, a fim de ensinar o Corpo de Cristo, não apenas neste país,
mas em outras nações, onde há grande escassez..."
Logo após um jejum de 40 dias, que terminou no dia 20 de
junho de 1997, escrevi em meu diário de oração: "Não tenho certeza,
mas parece que Deus falou que viajaríamos com maior freqüência. Sou
introvertido e não sou um bom pregador itinerante, como outras
pessoas. Não tenho uma personalidade carismática e, com certeza, não
sou cativante e simpático. Mas o Senhor disse que seria mais para
ministrar curas e milagres. Eu gostaria que isso acontecesse, mas não
tenho certeza".
Naquele último dia do jejum, começou a chover forte e
repentinamente, enquanto fazia uma caminhada. Mais tarde, o Senhor
disse para mim: "Virei de repente como a chuva. Você não vai conseguir
escapar e saberá que sou Eu".
Mesmo depois de começarmos a ter experiências sobrenaturais
em 2002 e um ministério mundial ter sido aberto para nós, eu ainda
sofria com meus sentimentos, por achar-me inadequado para uma
tarefa tão grandiosa. As igrejas de algumas centenas de pessoas que
havíamos pastoreado anteriormente, não chegavam aos pés das
enormes tendas onde estávamos ministrando.
Foi durante um tempo de oração no Brasil, com Kathi, Tom
Ruotolo e Davi Silva, que fui levado à Presença de Deus e Ele falou
comigo. "Eu o chamei e Eu o farei", disse o Senhor, enfaticamente.
A voz ressoava, forte e rica — como nada que ouvira antes.
Estremeceu-me até a espinha. Cada palavra parecia penetrar em meu
ser.
Que alívio! Toda pressão foi retirada... toda luta... todos os meus
esforços... toda performance imposta por mim mesmo, que a maioria de
nós já experimentou. Tudo o que tinha de fazer era confiar em Deus e
Ele faria o resto. Tinha, finalmente, resolvido aquele problema com Ele.
Deus me chamou e Ele iria fazer o que fosse necessário para completar
aquele chamado.
Sou um exemplo vivo de que Deus usa pessoas inadequadas
para os desafios incríveis do ministério. Mas, em minha fraqueza, Ele
mostra Sua grande força.
Heidi Baker, que tem sido usada pelo Senhor com grande poder
entre as nações, profetizou sobre Kathi e eu, no dia 16 de novembro de
2002: "Daqui exatamente um ano, vocês verão mais frutos do que vocês
têm visto nos últimos vinte anos de ministério. Escreva isso.
Acontecerá".
Na verdade, Heidi estava errada. Não foi preciso esperar um ano.
Demorou apenas seis meses!
Louvado seja o Senhor! Ele é tão bom. Sou tão grato — e
privilegiado — por ser Seu servo nesta geração e por testemunhar Suas
maravilhas entre as nações da Terra.
Estou mais apaixonado por Jesus, agora, do que nunca. Sou
insaciável pela Sua Presença. Quanto mais tenho, mais quero. Peço ao
Senhor que, a partir desse livro, seja gerado em você esse mesmo amor
por Ele... Que você suba para um nível mais alto em seu crescimento
espiritual...

Gary Oates
Geórgia, EUA.
Introdução
Se você já teve a oportunidade de ouvir o testemunho de Gary
Oates sobre visitações angelicais, talvez tenha tido a impressão de que
Gary teve uma vida privilegiada, cheia de experiências espirituais
profundas e com poucos desafios, conflitos e problemas.
Essa impressão estaria longe de ser verdadeira. Gary não foi
simplesmente para o Brasil um dia e os anjos se manifestaram
imediatamente, levando-o a novas alturas espirituais em seu
relacionamento com o Senhor.
Não. Gary passou por um processo. Um processo longo e
benéfico que começou há muito tempo e, recentemente, culminou
nessas experiências angelicais no Brasil e, depois, nos EUA.
Apesar de ter nascido num lar cristão, onde se seguia à risca os
ensinamentos bíblicos, Gary Oates tinha medo de entregar seu coração
para o Senhor. Foi ensinado em meio aos "duelos de espada" batistas —
competições nas quais o versículo bíblico é procurado o mais rápido
possível — e sabia que o plano de Deus para a vida de um indivíduo
não era brincadeira.
Gary temia que sua salvação viria acompanhada de um
"chamado" para tornar-se um missionário na África e ele não queria
nada daquilo. Por alguma razão, o "continente negro", como era
conhecido na época, era um lugar para onde Gary não queria ir.
Portanto, não aceitou ao Senhor até os catorze anos de idade. Na
noite de sua entrega, inclusive, prometeu a Jesus: "Estou disposto a ser
um missionário na África, se é o que Tu queres."
Parece que desde o começo Gary Oates tinha algo em seu
coração ligado à ministração do Evangelho e viagens longínquas. Mas
ele simplesmente não sabia que "algo" era aquele.
Após se casar com Kathi, contou a ela sobre seu desejo de ser
missionário e alcançar outras nações. Ela respondeu com educação,
sem deixar de ser firme. Gary poderia viajar para o lugar que quisesse,
mas ela não iria junto.
Houve palavras proféticas durante o início do ministério deles.
Certa vez, em uma ordenação, um dos ministros profetizou que Gary
"iria às nações". Ele achou aquilo estranho, por causa de sua situação
com Kathi.
Depois de implantarem igrejas em vários Estados nos EUA, Gary
caiu em desespero e frustração, abandonando assim o ministério por
quase quatro anos. Nesse período, trabalhava como corretor de bolsa de
valores. Com raiva de Deus, não se preocupava em orar ou ler a Bíblia e
só ia à igreja por causa de suas duas filhas mais novas.
Até que Deus começou a intensificar o calor do chamado
ministerial em seu coração. Gary havia enfrentado anos de
questionamentos feitos por Satanás, colocando seu chamado em
dúvida. Por fim, ele não tinha mais como escapar do Senhor. Era o
começo de um incrível rompimento de barreiras que o traria de volta ao
ministério.
Durante uma outra luta — enquanto pastoreava uma igreja em
Tallahassee, EUA — começou a pedir para que Deus abrisse seus olhos
e lhe mostrasse as coisas do ponto de vista divino. Foi uma oração que
possibilitou a Gary ver o mundo invisível e mudar milhares de vidas por
onde quer que fosse.
E são os detalhes dessa história que serão contados nas páginas
a seguir.
Uma observação final. Conheço e admiro Gary Oates há mais de
vinte e cinco anos. Já preguei na igreja que ele e Kathi implantaram em
Gatlinburg, no Estado americano do Tennessee. Eu e minha esposa
também freqüentamos a igreja que eles fundaram em Roswell, no
Estado da Geórgia, durante muitos anos.
Gary sempre foi um homem de integridade e graça excepcionais.
Sempre o vi como um homem de Deus com o verdadeiro coração de
pastor. Mas esse homem, que foi transformado por estes encontros
celestiais, tornou-se um homem do Espírito. Ninguém poderia ser o
mesmo, depois de ser tocado como Gary foi tocado.
Seu exemplo de "querer mais de Deus" em sua própria vida serve
de inspiração para todos nós que aspiramos ser usados pelo Senhor
nesta geração. Tenho sido desafiado e abençoado pelo simples fato de
estarmos trabalhando juntos na montagem deste livro.

"Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz


para nós um peso eterno de glória mui excelente: Não
atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se
não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que
se não vêem são eternas," (2 Coríntios 4:17-18).

Robert Paul Lamb


Geórgia, EUA
Capítulo 1

A ORAÇÃO

"A sede na alma de um homem tem de ser saciada. Deve ser


saciada. É uma lei de Deus; essa lei de Deus está nas profundezas do
Espírito. Deus responderá ao coração que clama. Deus responderá à
alma que pede".

- Trecho de um sermão sobre "Sede Espiritual" dado


pelo grande missionário e pregador John G. Lake em
Oregon, Estados Unidos, em 11 de dezembro de 1924.

Primavera de 2002.
Eu e minha esposa Kathi passávamos por um tempo muito
difícil, após trinta anos de pastoreio e implantação de cinco igrejas
diferentes em diversos lugares — Washington, Tennessee, Geórgia e
Flórida.
Nossa igreja em Tallahassee, capital da Flórida, não era muito
grande, talvez com pouco mais de 100 pessoas. Havíamos começado há
oito anos, em nossasala de estar, com um estudo bíblico que acabou se
transformando em uma congregação firme com um salão alugado só
para ela.
Então, oito famílias nos deram a notícia de que, por diferentes
motivos relacionados a trabalho ou a questões familiares, estariam se
mudando para outra cidade. Em uma das famílias havia seis filhos e,
em uma outra, cinco.
O resultado foi que nossa antiga igreja, cheia de filhos frutíferos,
estava vazia. As famílias eram todas dizimistas e nossas finanças
também foram atingidas.
Mais tarde, surgiu um problema com nosso líder de louvor e ele
também partiu. Mais quatro famílias nos deixaram após o ocorrido. Em
menos de dois meses, doze famílias tinham deixado a igreja. Depois de
anos de luta e trabalho — o tipo de esforço que só um pastor poderia
entender — as pessoas se dirigiam à saída.
O resultado foi uma frustração preocupante por dentro. Eu
realmente não estava entendendo o que Deus estava fazendo. Será que
Deus tinha alguma coisa a ver com isso? Comecei a questionar a mim
mesmo. Será que eu estava fora do centro da vontade de Deus em
Tallahassee? Será que meu ministério pastoral já havia chegado ao fim?
Será que conseguiria agir certo novamente?
O verão estava chegando. De qualquer forma, era sempre um
tempo ocioso, para nós na igreja; as pessoas saíam de férias, ou
simplesmente desapareciam na praia (que fica a mais ou menos uma
hora de Tallahassee) quando o clima era favorável.
Já havíamos feito planos para participarmos de uma série de
eventos no Brasil patrocinados pelo ministério Global Awakening, de
Randy Clark. Dois anos antes, havia feito minha primeira viagem pela
Global ao Brasil. Aquela experiência foi como reviver o livro de Atos
repetidamente. Vi todos os tipos de milagres acontecendo ao meu redor
e a primeira pessoa por quem eu orei — um aleijado — saiu andando,
curado!
Logo em seguida, orei por outro homem com estado avançado de
enfisema e também com um problema de audição. Deus curou seus
pulmões instantaneamente e ele não precisava mais usar seu aparelho
auditivo.
Quando voltei para os Estados Unidos, estava muito empolgado
com tudo o que o Senhor tinha feito. No entanto, com todas as
dificuldades do pastoreio, a lembrança do que Deus havia feito na
América do Sul desapareceu.
Em 2001, fiz outra viagem pela Global ao Brasil e, novamente, o
Senhor me fez testemunhar milagres. Na verdade, essa viagem me fez
entrar em um patamar completamente novo em Deus. Mas a mesma
coisa aconteceu quando voltei para os Estados Unidos, tudo sumiu.
Quando uma terceira viagem, programada para junho de 2002,
se aproximava, consegui, finalmente, convencer Kathi a vir comigo. Ela
concordou de forma relutante, mas, depois que conseguimos o dinheiro
para sua passagem, aceitou a idéia. Faltava apenas um mês para a
viagem e há seis semanas não recebíamos nossos salários. Kathi se
sentia culpada e queria usar o dinheiro de sua viagem para outras
coisas.
Em meio à luta financeira e depois de todas as saídas da igreja
entre abril e maio, eu mesmo não estava com muita vontade de ir.
Como eu poderia ser benção, desanimado daquele jeito? Como eu
poderia ajudar?
"Senhor", eu comecei a orar, "eu preciso muito mais ser
ministrado do que ministrar a outros. Como vou ser útil nessa
viagem?".
Durante semanas, relutei contra essa viagem. Devo ir ou não?
Que diferença eu poderia fazer na vida das pessoas? Como poderia
ajudar alguém se a minha necessidade era tão grande? Foi então que,
inexplicavelmente, um desejo começou a crescer em mim. Eu estava
desesperado; com ou sem grande necessidade, eu tinha de ser tocado
por Deus.
Num determinado momento, minha oração mudou. Eu não dizia
mais a Deus como me sentia. Comecei a fazer um pedido. "Senhor, peço
que o Senhor abra os meus olhos, nessa viagem, para que eu possa ver
o que o Senhor está fazendo. Quero ter a sua perspectiva das coisas."
Quando me lembro disso, tenho a certeza de que Deus
direcionava essas orações. Dizia, "Senhor, eu quero ver além do
natural... Quero ver anjos... Quero ver o reino do Espírito".
Foi uma pequena oração de desespero, feita por um homem que
não era nada sem Deus. Porém, estava destinada a mudar radicalmente
a minha vida. Havia chegado ao fundo do poço e alguma coisa tinha que
mudar. Nunca havia sentido tamanho desespero por Deus.
Minha vida nunca mais seria a mesma. Eu nunca mais seria o
mesmo para mim, para Kathi e para aqueles cujas vidas conseguimos
tocar. Deus, em breve, entraria em nossas vidas poderosamente. Tudo a
nosso respeito seria diferente — para sempre.
Capítulo 2

"PARA CIMA É MELHOR..."

"Crentes, ergam a cabeça — tenham coragem. Os anjos estão


mais próximos do que vocês pensam."

- Billy Graham, trecho do livro Anjos: Agentes Secretos


de Deus.

Durante aquela viagem ao Brasil, éramos transportados, na


maioria das vezes, em ônibus, de uma cidade a outra. Foi num desses
dias, enquanto viajávamos em uma estrada brasileira movimentada, de
Petrópolis à Volta Redonda, que percebi que Randy Clark estava
entrevistando Davi Silva, um líder de louvor do ministério Casa de Davi,
que estava conosco.
Davi foi curado de Síndrome de Down quando tinha seis anos e
já foi levado para diante do trono de Deus em oito ocasiões diferentes.
Recebe visitações angelicais regularmente e Randy estava fazendo todos
os tipos de perguntas sobre essas visitações. Fiquei "colado" na
conversa.
Como estava sentado ao lado de Davi, dei um tapinha em seu
ombro, quando a conversa terminou, e disse — "É isso que eu quero",
apontando para os meus olhos.
Davi não fala inglês, mas pareceu ter captado o que eu dissera.
Ele esticou o braço e colocou sua mão esquerda sobre minha mão
direita. Quando fez isso, comecei a ter uma sensação estranha de
formigamento na minha mão.
Deixou sua mão ali por um bom tempo, sem dizer uma palavra.
Apesar de sentir que era uma transferência de unção, não tinha certeza
do que estava acontecendo, não entendi muito bem.
Nosso ônibus chegou ao seu destino e fiquei em pé para sair.
Davi estava em pé, também, então nos abraçamos. Quando o abracei, o
Espírito de Deus veio sobre mim e senti meus joelhos fraquejarem e as
lágrimas começaram a cair.
Quando saí do ônibus para almoçar, naquele dia, percebi que
estava andando ao lado de Mike Shea, líder da equipe de
ministração/adoração profética da Casa de Davi. É um americano que
mora no Brasil há mais de vinte anos como missionário; Mike é um
ótimo músico e ministro do Evangelho.
"Mike, você já teve experiências como as que Davi teve?",
perguntei, enquanto caminhávamos na direção do restaurante.
"Um pouquinho," ele sorriu, "mas não chega nem perto do que o
Davi já experimentou".
"Me diz uma coisa," insisti. "Como isso pode ser ativado? O que
eu posso fazer?"
"Romanos 6:13," ele respondeu.
"Romanos 6:13?"
"Isso."
"E o que diz?", eu perguntei.
"Que não devemos apresentar os membros dos nossos corpos
como instrumentos de pecado e iniqüidade e devemos sim, apresentar
os membros dos nossos corpos como instrumentos de santidade",
respondeu.
Fiquei confuso. Pensei, "O que isso tem a ver?".
Quando viu minha expressão, Mike explicou: "Quando se diz
Vossos membros', pensemos nos cinco sentidos — nossos olhos e nossa
visão espiritual para ver essas coisas. Também nossos ouvidos, nossa
boca, nosso nariz e nossas mãos. É uma questão de entregá-los ao
Senhor".
Comecei a entender. Percebi que nossos cinco sentidos são os
pontos de entrada e os pontos de acesso para todas as influências
demoníacas contra quem lutamos todos os dias.
Também é através desses locais que o Espírito Santo e o poder
de Deus são liberados em nós. O problema é que nós usamos nossos
cinco sentidos nas áreas erradas e não as rendemos ao Senhor.
Naquela mesma tarde — antes do culto onde tive minha primeira
visitação angelical — peguei minha Bíblia e li Romanos 6:13. "Nem
tampouco apresenteis os vossos membros ao pecado por instrumentos
de iniqüidade; mas apresentai-vos a Deus, como vivos dentre mortos, e
os vossos membros a Deus, como instrumentos de justiça".
Depois disso, entreguei verbalmente, e de maneira pausada,
meus cinco sentidos ao Senhor.
"Entrego meus olhos para que eu tenha a Sua perspectiva...
"Senhor, entrego meus ouvidos para que eu ouça a Sua voz de
uma forma mais clara...
"Senhor, entrego minha boca para que eu possa falar Suas
palavras...
"Deus, entrego meu nariz para que possa sentir o cheiro da Sua
doce fragrância...
"Deus, entrego minhas mãos para que elas possam ser usadas a
Seu serviço...
"Entrego-me a Ti por inteiro — espírito, alma e corpo. Deus,
entrego todo o meu ser. Não reterei nada. Tudo que tenho é Seu. Tudo
que sou é Seu. Entrego tudo a Ti. Entrego minha vida no altar diante do
Senhor. Rendo-me total e completamente a Ti...
"Senhor, entrego-me a Ti por inteiro."
Senti uma forte Presença do Senhor no quarto, deitado ali na
cama. De alguma forma, senti que havia me conectado com o coração
de Deus.
Mais tarde, naquela noite, nos juntamos para irmos a um culto
em uma tenda enorme, onde cabia por volta de 3.000 pessoas. A
adoração foi simplesmente incrível. É o que chamaria de "fora de série".
O lugar estava elétrico, cheio da Presença do Senhor. Foi enquanto eu
estava adorando com minhas mãos levantadas e adorando a Deus, que
Ele começou a falar comigo.
"Tire seus sapatos," Ele instruiu. "Você está pisando em solo
santo."
Minha primeira reação foi negativa. Era um chão empoeirado e
sujo. Eu não estava muito a fim de tirar meus sapatos. Continuei
adorando.
Alguns minutos mais tarde, o Senhor falou novamente. "Tire
seus sapatos."
"Espere aí," pensei comigo mesmo. "É o Senhor. Melhor
obedecer."
Na mesma hora, abaixei e tirei meus sapatos. Foi um pequeno
ato de obediência — obediência a algo aparentemente sem importância
— que preparou o ambiente para o que estava por vir. Deus requer
obediência nas pequenas coisas antes de nos confiar coisas maiores. Eu
realmente creio que, o que ocorreu em seguida, não teria acontecido se
eu não tivesse obedecido ao Senhor e tirado os meus sapatos.
Quando olhei o grupo de adoração, o Senhor abriu meus olhos e
vi duas dançarinas brasileiras com três anjos dançando ao redor delas.
"O que é aquilo?", pensei.
Bem atrás delas havia mais duas dançarinas e três anjos ao
redor delas. Do outro lado, havia alguns dançarinos e sobre cada um
deles havia um grande anjo inclinado. O anjo acompanhava cada
movimento deles.
"Senhor, o que está acontecendo?", pensei. "Estou
enlouquecendo?"
Foi então que me dei conta. "Isso é o que tenho pedido a Deus,
mas é óbvio que eu não estava esperando. Com certeza, não tinha a
menor idéia de como seria."
Era como se eu pudesse enxergar através dos anjos. Eles
apareceram em uma cor branca transparente. Conseguia ver suas
formas e o que estavam fazendo. A aparência deles era muito brilhante
e notei que todos tinham asas. Num reflexo espontâneo, olhei para o
alto da plataforma. Ela estava simplesmente repleta de anjos que
adoravam ao Senhor. Uma luz dançava e girava no meio deles. Deveria
haver centenas desses anjos adoradores. Estavam cantando, tocando
instrumentos e dançando. A adoração estava alçando um nível de
intensidade que eu nunca havia experimentado antes e a Presença de
Deus começou a encher aquele lugar.
Estava ali em pé com minhas mãos erguidas e, de repente,
comecei a me sentir como se estivesse expandindo — ficando maior e
mais alto. Sentia-me um gigante. Cheguei a olhar para baixo para ver o
povo adorando ao Senhor.
"Uau, isso é muito legal", pensei.
Então, comecei a subir, deixando o chão e meu corpo físico para
trás. Não sentia meu corpo físico nem nenhuma limitação física. Era
como se meu corpo físico nem existisse. Subi cada vez mais alto até
chegar no pico da tenda. Estava flutuando no alto da tenda, olhando
para baixo, vendo os adoradores.
O medo tomou conta do meu ser. "Deus, isso já está indo longe
demais," resmunguei. Eu estava resistindo ao que Deus queria fazer e
imediatamente comecei a descer. Quando percebi o que havia feito,
clamei, "Não, Senhor, perdão, perdão... Para cima é melhor... Para cima
é melhor!".
Na mesma hora, a direção se inverteu e comecei a subir
rapidamente, atravessando o topo da tenda (como o super-homem) e
adentrando os céus. O tecido da tenda não foi obstáculo algum, quando
passei por ele. Olhava para baixo e via parte da cidade e vi que havia
um brilho sobre a tenda por causa da Presença de Deus.
Não sentia as limitações de um corpo físico. Parecia que vivia
num estado sem limites ou fronteiras. Tinha a sensação de não haver
nem tempo, nem espaço. Era como se nada fosse impossível. Na
verdade, não há palavras adequadas para descrever como foi, de fato.
Eu tinha uma visão com zoom e conseguia enxergar o lado de
dentro da tenda. O topo da tenda irradiava com a Presença de Deus.
Um grande buraco se abriu em seu teto e pude ver as pessoas adorando
ao Senhor e a glória de Deus sendo derramada naquele lugar.
Mas o medo me sobreveio, mais uma vez. "Cara, estou
totalmente fora de controle", pensei.
Sempre fui daqueles que gostam de ter tudo sob controle. Tenho
tudo organizado e não gosto de sair da minha toca. Só que agora eu
estava bem longe da minha toca — longe da minha zona de conforto.
Estava resistindo ao que Deus estava fazendo, novamente, e
tornei a descer. Percebi que o Senhor me levaria até onde eu permitisse
que Ele fizesse. Coloquei os freios. Eu era quem determinava até que
ponto iria com Ele. Por causa da insegurança, ou do medo do
sobrenatural, acabei limitando o trabalhar do Senhor.
Voltei até entrar na tenda, novamente. Minha cabeça tocava o
topo da tenda. Fui, então, tomado pelo arrependimento. Tenho certeza
de que, se não tivesse resistido, poderia ter sido levado até a sala do
trono de Deus. Foi bem parecido com a experiência que o profeta
Ezequiel teve, de ir apenas até a metade do caminho, "... o Espírito me
levantou entre a terra e o céu...", (Ezequiel 8:3). Ele não foi até o fim...
nem eu.
Então, levantei meus braços num ato de entrega. Parecia que
eles tinham mais de um quilômetro de comprimento — quando os ergui,
atravessaram a tenda e subiram pelo céu até perdê-los de vista.
Comecei a clamar ao Senhor. Pedi, "Deus, eu quero mais de Ti. Eu
quero mais de Ti".
Quando olhei para cima, vi Jesus distante, descendo na minha
direção. Ele era majestoso e usava um manto. Minhas mãos estavam
erguidas e as dEle estavam estendidas na minha direção. Pegou minhas
mãos e as segurou apertado como se dissesse: "Não vou lhe soltar".
Ele tinha uma Presença tão poderosa... Não conseguia tirar os
olhos de Sua face. Fiquei vidrado nela. Mesmo assim, seus traços
pareciam estar escondidos no brilho de Sua glória.
Pegou minha mão esquerda com força. Ela começou a queimar
em um pontinho e foi crescendo, crescendo, até que toda a palma da
mão estava pegando fogo. Não sabia se agüentaria por muito mais
tempo, tamanho era o poder e a Presença de Deus operando em mim.
Naquele momento, Ele me soltou e voltei para o meu corpo.
Após estar na Presença do Senhor, explodi quando voltei para o
meu corpo físico. Parecia que meu corpo não conseguia conter meu
espírito, depois daquela experiência tão divina. A volta para o meu
corpo foi tão impactante que me arremessou para trás como num
mergulho de costas. Atropelei três fileiras de cadeiras e caí no chão.
Ninguém conseguiu me pegar. Mas foi como se tivesse caído sobre uma
cama de penas. Não senti nada.
Durante mais ou menos uma hora, fiquei deitado no chão. Não
conseguia mexer um dedo. Não tinha entendimento algum do que
acabara de acontecer comigo. Eu me senti tão pequeno e insignificante
na presença de um Deus tão Santo. Mais uma vez, comecei a clamar ao
Senhor, "Eu quero mais de Ti, Senhor... Eu só quero mais de Ti... Quero
mais de Ti".
Finalmente, consegui me levantar, me arrastar até uma cadeira
e colocar meus sapatos. Mal conseguia falar. Se tivesse falado, é bem
provável que ninguém teria me entendido. Ainda estava tentando
entender o que havia acontecido. Sentia-me fisicamente fraco e
emocionalmente apagado.
O profeta Isaías se descreveu como "perdido" e "impuro" após ter
visto o Senhor (Isaías 6:5). Tais palavras refletem bem o que senti.
Kathi estava confusa com o que havia acontecido comigo. Fomos
até uma sala para pegar refrescos após o culto, mas eu mal podia falar.
As pessoas não paravam de me fazer perguntas. Eu chorava, não falava
nada com nada e ainda estava abalado com a experiência. Não sabia se
conseguiria encontrar as palavras certas para explicar o que havia
acontecido.
Na manhã seguinte, me arrastava como se estivesse de ressaca
por ter bebido a noite toda. As pessoas precisavam pegar a minha mão e
me levar para o lugar certo.
Uma das mulheres da equipe veio, me encarou e perguntou:
"Gary, você está bem? Você está bem fisicamente?"
"Não, fisicamente eu estou um caco," respondi. "Estou
completamente derrubado."
"Você está bem espiritualmente?", perguntou.
"Bom", respondi com uma piscadela, "espiritualmente estou até
atravessando o teto!".
Capítulo 3

"DEUS, EU QUERO MAIS DE TI..."

"O segredo do sucesso espiritual é aquela fome persistente... É


terrível estar satisfeito com suas conquistas espirituais. Deus estava e
está procurando pessoas famintas e sedentas."

- Smith Wigglesworth, (1859 - 1947), o famoso


Apóstolo da Fé

Na noite seguinte, antes do culto começar, sentei-me na primeira


fileira. Passados alguns instantes, Davi Silva veio e sentou-se ali perto.
Sorriu para mim e impôs a sua mão sobre o meu ombro esquerdo.
Quando me tocou, fui fortemente tomado pelo poder de Deus e
caí como morto sobre a cadeira que nos separava, prendendo meu
braço entre meu peito e a cadeira. Vários homens perceberam a posição
incômoda em que me encontrava e retiraram a cadeira, deitando-me no
chão.
Mais uma vez, não conseguia me mexer. Parecia que meu corpo
pesava dez toneladas. Sentia como se estivesse sendo apertado contra o
chão. Enquanto isso, eu clamava, "Deus, quero mais de Ti... Quero
mais de Ti... Quero mais de Ti".
Neste momento, a adoração já tinha começado e via o grupo
ministrando sobre a plataforma. De repente, a cena mudou diante dos
meus olhos; não via mais o grupo. Via um caminho dourado que
passava pelo corredor e terminava em alguns degraus dourados que
davam para uma plataforma dourada. Acima disso tudo, havia mais
degraus dourados que davam para uma plataforma dourada mais alta.
Em cima da última plataforma, vi um trono e Jesus estava à sua
direita, com um cetro na mão. O trono era uma cadeira grande
ornamentada, mas não via ninguém sentado ali. Entretanto, não era o
cetro ou trono que chamavam a minha atenção.
O Senhor era o meu foco e via todo o seu dorso. Ele não
apareceu vestido com aquele manto que vira anteriormente; desta vez,
parecia usar algum tipo de calça. Uma luz divina e radiante emanava
desde a Sua cabeça até a cintura. É quase impossível descrever o quão
brilhante e penetrante a luz era. Era tão forte que a claridade poderia
lhe jogar na parede.
O brilho na aparência do Senhor concorda completamente com
as palavras de Marcos 9:3, "E as suas vestes tornaram-se
resplandecentes, extremamente brancas como a neve, tais como
nenhum lavadeiro sobre a terra os poderia branquear".
A poucos metros de distância do Senhor, em meio à Sua luz,
senti como se fosse morrer. Realmente, senti que seria o fim. Não havia
como sobreviver àquilo. Para falar a verdade, cheguei até a pensar que
havia morrido e ido para o céu, de tão real que era.
Naquele momento, volteiparao chão, agonizando. Kathi
assustou-se com a expressão de terror no meu rosto. Eu me contorcia,
agoniado, abraçando meu abdômen. Minha boca estava aberta,
tentando gritar, mas não saía som algum. Estava atormentado. Fui
tomado pelo terror. "Façam alguma coisa", ela insistia com alguns
homens que estavam ali perto, "ajudem-no".
"Ele está bem", garantiu um deles. "Vire-se. Nem olhe para ele".
Kathi e as pessoas ao meu redor estavam preocupadas comigo.
Mal sabiam eles a razão do meu terror e agonia. Na Presença de um
Deus Santo, soube exatamente o quão pecaminoso eu era.
Vi a glória de Deus como nunca havia visto antes e comecei a
clamar, "Deus, me perdoe... me perdoe. Senhor, eu só quero mais de
Ti... mais de Ti".
Sentia como se demorasse um século só para me levantar do
chão. Perdi a noção total do tempo. Mais tarde, me disseram que fiquei
ali durante duas horas. Como não conseguia andar, dois membros da
equipe, Chuck Snekvik e Marcus Morris, me ajudaram e me levaram
para fora, a fim de tomar um ar fresco. Estavam, literalmente, me
carregando pelos cotovelos. Deram um tempo e me trouxeram para
dentro, onde me sentei com Kathi na fileira do fundo.
Randy Clark estava contando a respeito de quando sua mãe foi
levada diante do Senhor. Enquanto ele pregava, sentia a Presença do
Senhor fluindo como descargas elétricas passando pelo meu corpo.
Tremia e chacoalhava tanto que não conseguia nem me sentar direito.
Sentia que iria explodir a qualquer momento, dentro de mim,
enquanto ele pregava. Comecei a reviver todas aquelas experiências que
tinham acabado de acontecer comigo, ao ser levado à Presença de Deus.
"Você vai ficar bem?", Kathi perguntou. "Você está bem?"
"Vou", sussurrei.
"Bom, o que foi que aconteceu?", ela indagou. "O que aconteceu
com você?"
"Não dá para contar," respondi. Fui tão impactado com aquilo
que acabara de ocorrer que parecia cedo demais para tocar no assunto.
Precisava "processar" tudo antes de contar para qualquer pessoa — até
mesmo minha esposa.
Continuei tremendo na Presença do Senhor. Quando olhei para
a plataforma, vi um anjo enorme ao lado de Randy, enquanto pregava.
O anjo se agachava e sussurrava no ouvido de Randy e ele falava
debaixo de uma grande unção. Não restavam dúvidas de que tudo o que
Randy dizia vinha direto da boca de Deus.
Cada palavra trazia consigo muito peso; cada palavra penetrava
todo o meu ser. Novamente, tremia e chacoalhava de maneira intensa.
Era como se ouvisse a voz de Deus através de Randy como nunca
ouvira antes.
Kathi começou a perguntar novamente o que havia acontecido.
Mal conseguia falar, mas finalmente disse, "Conto o que aconteceu, se
me prometer que não contará a ninguém." Ela concordou e contei tudo
a ela da melhor forma que pude.
Enfim, Randy pediu para que eu fosse até a plataforma para
ajudá-lo na hora da ministração. Fiquei surpreso em ter conseguido
andar aquela distância, pois me sentia muito fraco e cansado.
"Se o Senhor quer que eu faça isso, vai ter que me dar forças
para ir até lá", disse para o Senhor. "Caso contrário, não vou
conseguir." Mas, à medida que a reunião foi prosseguindo, sentia
minhas forças sendo renovadas aos poucos.
Os mesmos homens, Chuck e Marcus, se ofereceram para me
ajudar a chegar até a plataforma. Orei por um rapaz no meio do
caminho e a Presença do Senhor veio sobre mim, novamente. Apesar do
prédio estar lotado, meus colegas conseguiram arranjar um assento,
para mim, na frente.
"Agora, Gary Oates virá nos contar o que aconteceu com ele,"
Randy disse para o povo.
Nessa altura dos acontecimentos, eu mal conseguia ficar
sentado na minha cadeira; estava com os braços jogados para frente e
as mãos arrastando pelo chão. Também não conseguia falar direito. Era
óbvio que não estava em condições de fazer o que Randy havia pedido.
"Peguem-no com a cadeira e tudo e tragam-no aqui," Randy
pediu para meus dois ajudantes.
Ainda tremia e chacoalhava, quando me levaram à plataforma.
Era uma condição completamente incontrolável.
Randy tentou fazer com que explicasse o que havia ocorrido,
mas não conseguia falar. Até que chamou Kathi, "Quero que a esposa
do Gary venha até aqui para nos contar o que está acontecendo com
ele.".
Kathi pegou o microfone e, de repente, lembrou-se de que havia
prometido não contar nada a ninguém. Veio até mim e perguntou se
poderia contar. Como chacoalhava demais, com minha cabeça
balançando para cima e para baixo, ela considerou aquilo um "sim".
Enquanto contava o ocorrido, o Espírito de Deus veio sobre
aquele lugar. As pessoas gritavam; outras caíam com o rosto no chão,
em sinal de arrependimento. As lágrimas jorravam. Alguns eram
curados. Deus estava trabalhando de um modo espontâneo, porém
milagroso, naquela igreja.
Então, Randy disse, "Quero que todos os pastores venham até
aqui para que Gary Oates imponha suas mãos e ore por eles.".
"Como vou fazer isso?", imaginei.
Não conseguia levantar as mãos do chão. Não tinha força
alguma nas mãos e não conseguia parar de chacoalhar. Estava todo
inclinado, com o peito sobre os joelhos. Não tinha forças nem para
esticar o corpo. O fato era que não conseguiria fazer nada naquele
momento.
Randy instruiu meus dois ajudantes, Chuck e Marcus, para que
levantassem minhas mãos e colocassem-nas sobre a cabeça de cada
pastor. O primeiro pastor veio receber a oração. Vendo que estava
inclinado para frente, agachou e engatinhou para perto de mim, para
que minhas trêmulas mãos pudessem ser colocadas sobre sua cabeça.
Assim que minhas mãos tocaram a cabeça do pastor, ele foi levado pelo
Espírito.
Os obreiros arrastaram-no até o canto e trouxeram outro pastor.
Novamente, a mesma coisa aconteceu. O pastor engatinhou para
debaixo das minhas mãos e foi levado. O mesmo ocorreu com cada
pastor naquela fila.
Sentia-me completamente ridículo. Um bobo. Dentro de mim,
dizia para o Senhor, "O que é isso? Sou introvertido... Um cara
reservado e, aqui estou eu, parecendo um louco.".
"Uso as coisas loucas para confundir os sábios," lembrou-me o
Senhor.
"Estou disposto a ser um louco por Ti, se é o que Tu queres,"
respondi. "Pode me usar da maneira que quiseres. Não entendo essas
coisas, mas estou simplesmente rendendo-me a Ti. Quero que o Senhor
faça o que for preciso ser feito." Sabia que estava totalmente fora de
controle.
Depois de cada pastor ter sido tocado, meus ajudantes foram
orar por outras pessoas e acabei caindo da cadeira. Fiquei estirado no
chão durante um tempo, quando ouvi a voz de Kathi, orando pelas
pessoas.
"Gary, ore por este bebê," disse ela. "Coloque sua mão sobre esse
bebê."
"Não dá," sussurrei.
"Dá, sim," disse, "só estique o braço aqui para trás.".
"Não dá... Não consigo me mexer," resmunguei.
Então, Kathi pegou minha mão esquerda, colocou sobre a
cabeça da criança e orou. Não é que eu não queria orar. Se estava tendo
dificuldades para pensar, imagine para orar.
Minha mão direita estava estendida para fora. Não conseguia
mexer minha mão, mas sentia que as pessoas a estavam tocando e
senti algo úmido e oleoso sobre ela. Com todas as minhas forças, virei
minha cabeça para poder enxergar minha mão direita.
Fiquei chocado com o que vi! Um homem derramou um vidro de
óleo de unção sobre minha mão direita, apoiou-se sobre suas mãos e
joelhos, plantou bananeira, enfiou a cabeça na minha mão e esfregou
sua cabeça no óleo. Quando ele terminou, outro homem se aproximou e
fez o mesmo. Uma menina veio em seguida e parecia que havia uma fila
de pessoas se formando atrás dela.
No final das contas, percebi que não era por minha causa; era
por causa do Senhor. Nunca vira tanta sede nos corações das pessoas
para que elas mesmas fizessem essas coisas ridículas. Entretanto, eu
não passava de um ponto de contato, um canal para o que Deus estava
fazendo.
Passado um tempo, consegui ficar numa posição normal, no
chão. Agarrei uma cadeira e, finalmente, me sentei. As pessoas me
viram sentando e vieram pedir oração. Neste momento, já podia erguer
os braços o suficiente para impor as mãos e orar por elas.
Então, o Senhor me levou a ficar em pé e a ministrar o povo.
Resisti por uns momentos, mas uma energia divina veio sobre mim e
fiquei em pé. Comecei a orar pelas pessoas e uma fila enorme se
formou. Quase todos por quem orei disseram que foram curados.
Manifestavam a forte Presença de Deus quando caíam na unção. Todo
tipo de cura aconteceu sem nenhum esforço da minha parte. Sabia que
era, verdadeiramente, uma ministração do Espírito Santo.
Capítulo 4

ANJOS NO RIO E EM ATLANTA

"O reino invisível é superior ao natural. A realidade do invisível


domina o mundo natural em que vivemos... Positiva e negativamente..."

- Pastor Bill Johnson, trecho do livro "Quando o Céu


Invade a Terra".

Na noite seguinte, viajamos até uma igreja enorme do Rio de


Janeiro. O local estava lotado de pessoas e, conseqüentemente, os
músicos tiveram que se sentar na grande plataforma.
Enquanto adorávamos ao Senhor, Davi Silva fez um sinal para o
baterista, Lúcio de Paula, e ele começou um solo de bateria tremendo. O
som dos tambores ficava cada vez mais intenso. Senti arrepios por todo
o corpo.
Em meio àquele som, o Senhor disse para mim: "batalha".
Então, Ele disse: "Abra seus olhos."
Bem onde o teto e a parede se encontram, vi uma legião de anjos
enchendo o lugar. Foi a primeira vez que os vi sem aquela transparência
"leitosa"; a aparência deles era bem definida. Era quase como se
estivesse vendo uma outra pessoa — mas não era exatamente igual.
Esses anjos eram de guerra. Vestiam armaduras metálicas e
seguravam resplendorosas espadas de dois gumes. Os anjos possuíam
tamanhos diferentes — alguns eram grandes, outras eram menores. Na
verdade, eles não eram enormes como imaginei que os anjos de guerra
fossem.
Suas espadas reluzentes eram proporcionais ao tamanho dos
anjos. Os anjos maiores possuíam espadas maiores e os menores,
espadas menores. Balançavam aquelas espadas, enquanto espalhavam-
se pelo local. Parecia que o tamanho do anjo não tinha relação alguma
com o poder que manifestava.
Apesar dos anjos se moverem tão rapidamente que mal
conseguia acompanhá-los, os objetos de seu furor eram manchas
negras espalhadas pelo lugar. Os anjos acertavam aquelas manchas
com suas espadas e elas literalmente desapareciam. Era como se
fossem bombardeiros, passando por ali e fazendo a limpeza.
"Isso é demais", pensei. "Tenho certeza de que estou ficando
louco".
Mais tarde, perguntei ao Davi o que havia acontecido durante o
solo de bateria. "Foi uma batalha", explicou. "Havia um grupo de anjos
guerreiros que entrou e limpou o lugar, tirando todos os demônios." Ele
tinha visto exatamente a mesma coisa. No final das contas, eu não
estava enlouquecendo, graças a Deus.
Na noite seguinte, na mesma igreja, o Senhor me incitou a "virar
para trás e olhar o corredor do meio". Quando olhei, um grupo de anjos
adoradores, com uma aparência totalmente diferente dos demais,
entrou alegre, dançando pelo corredor como se estivesse chamando a
Presença do Senhor para o culto. Esses anjos adoradores iam até a
metade do corredor, voavam girando até os fundos da igreja, onde se
encontravam e entravam todos juntos, novamente.
Em seguida, os anjos marcharam para trás de duas entradas no
palco da igreja. Só entendi o que os anjos estavam fazendo quando,
mais tarde, houve uma apresentação teatral. Atrás das duas grandes
entradas, estava o trono de Deus e os quatro seres viventes. Por alguma
razão, esses adoradores celestiais congregavam ali.
No dia seguinte, em outra igreja no Rio, Randy Clark pediu-me
para orar por um homem com, mais ou menos, setenta anos de idade,
que sofria de câncer no cérebro. "Chame outros membros da equipe",
disse Randy, "e vá para o fundo da igreja com o pastor e ore por este
homem".
Quando formamos um círculo, o pastor brasileiro me disse, "este
homem e sua esposa não conhecem ao Senhor. Já sofreu uma cirurgia
no cérebro e os médicos estão dizendo que ele não tem muito tempo de
vida". Ao falar isso, o pastor me entregou um vidro com o óleo de unção.
Antigamente, acreditava que "uma gotinha" já era suficiente.
Mas o Senhor mostrou que era para eu fazer uma "conchinha" com a
mão direita e enchê-la de óleo. Coloquei minha mão cheia de óleo sobre
a cabeça daquele homem. O óleo espirrou e escorreu por todos os lados
— pela testa, pelos olhos e nariz, pelas orelhas e camisa.
"Eu devo estar estragando tudo", pensei com meus botões. "Esse
cara não conhece ao Senhor e, aqui estou eu, lambuzando-o com óleo.
Ele deve estar tentando entender o que está acontecendo". Para minha
surpresa, minha abordagem não parecia incomodá-lo.
Uma pessoa da equipe pegou guardanapos de papel, tirou o
excesso de óleo e comecei a orar. Assim que a oração teve início, vi duas
asas, translúcidas e brancas com uma suave cobertura prateada,
saírem do nada e abraçar o homem. Esse anjo deveria ser enorme
porque as asas eram especialmente grandes, apesar de não cobrirem o
homem por completo.
Foi uma cena emocionante. Podia ver o semblante do homem
suavizar-se, mesmo sem saber o que estava acontecendo. Ficou claro
que estava sentindo o conforto e a paz de Deus vindo sobre sua vida.
Eu estava um pouco mais à sua esquerda quando orava por ele.
De repente, notei que havia um segundo anjo, menor, à direita do outro
anjo. Esse segundo anjo soprava fogo, como um maçarico, no lado
esquerdo da testa do homem.
Quando vi o fogo, voltei a estranhar aquelas coisas. "Mas o que é
isso?", pensei. Nunca pensei que veria algo daquele tipo; olhei de novo
para ter certeza. "Ai, meu Deus", sussurrei.
"Você está sentindo alguma coisa?", perguntei ao homem.
"Estou, parece que minha cabeça está pegando fogo... Está
queimando", ele respondeu. "Estou curado... Sei que estou curado".
"Bom, isso é ótimo", disse, "mas quero que você busque uma
confirmação. Volte ao seu médico e peça para que avalie a cura".
"Não, estou curado", ele disse.
"Bom, eu também creio que você está", respondi firmemente.
"Mas, por favor... Busque uma confirmação". Ele, finalmente,
concordou.
Uma pessoa da equipe me lembrou: "Nem o homem nem sua
esposa conhecem ao Senhor". "Não são salvos".
Foi então que me lembrei do que o pastor da igreja havia dito.
Com a ajuda de meu intérprete, explicamos rapidamente o plano de
salvação e perguntamos, "Você gostaria de convidar Jesus Cristo a
entrar em seu coração, agora?"
Olhou para mim e disse, "Não".
"Como é?", perguntei, perplexo.
"Não!"
"Não?", perguntei, novamente. Olhou para mim e disse "não".
"Quer dizer que depois de tudo o que aconteceu, a sua cura..."
comecei, "Você tem certeza de que vai dizer 'não' para o Senhor? Por
quê?".
"Se eu for salvo nesta igreja, terei de congregar aqui", justificou.
"Não tem nada a ver com religião", expliquei. "Estamos falando
de um relacionamento. Se for salvo aqui, você poderá ir à igreja que
quiser. É importante que você encontre uma boa igreja, que acredite na
Bíblia, e isso inclui crer em curas e milagres."
O homem sorriu. "Então, está bem. Quero ser salvo", disse
entusiasmado. Ver o casal dar as mãos e entregar suas vidas para o
Senhor foi um momento precioso, que tocou nossos corações. A maioria
das pessoas da equipe tinha lágrimas nos olhos, quando terminamos a
oração.
*****
Um dia antes de ter sido arrebatado, a equipe de ministros
reuniu-se para orar. Apesar de Kathi ter vindo relutantemente, ela
havia me dito que estava sendo muito abençoada — principalmente,
depois do que acontecera comigo. Naquela tarde, estava determinada a
receber orações.
Tínhamos almoçado na lanchonete da igreja. Então, Davi
espontaneamente pegou seu violão e, em vez de brincar com ele,
começou a tocá-lo num ritmo forte. Lúcio (o baterista), então, pegou
umas caixas de isopor e começou a batucá-las. As pessoas começaram
a pular e dançar na Presença do Senhor. Parecia que os anjos estavam
se juntando a nós em meio ao som da percussão.
Mike Shea começou a tocar seu shofar sobre as pessoas. Já
estava no chão quando tocou o shofar na minha direção, fazendo vibrar
um eco dentro do meu espírito. Alguns minutos depois, tocou o shofar
sobre a Kathi. Ela "apagou", estava totalmente bêbada no Espírito e não
conseguia se mexer durante um bom tempo.
Quando a onda de percussão terminou, Kathi viu Davi à
distância e engatinhou até ele para pedir oração. Acabou escorregando
pelas pernas dele três vezes, sem conseguir se levantar! Depois daquela
oração, teve de ser carregada até o ônibus para voltarmos para o hotel.
Durante várias horas, nada do que dissesse fazia sentido.
Ela me contou, depois, que quando estava no chão sob o poder
do Espírito Santo, teve uma visão em que estava diante do trono de
Deus, no céu. Na visão, o Senhor pedia a ela para esvaziar seus bolsos
daquilo que ela pensava que eram objetos preciosos. Mas os objetos
eram literalmente um monte de porcaria — mecanismos de defesa,
orgulho, julgamento. Estava deitada aos pés do Senhor, onde uma
grande limpeza estava sendo feita.
Então o Senhor entregou uma moeda dourada a ela. "Pegue e
coma", Ele disse. "O que é isso, Senhor?", ela perguntou. "É o ouro do
reino", respondeu Ele. Ela O obedeceu.
De alguma forma — seja pelo toque do shofar de Mike, ou pela
oração de Davi, ou pela sua visão do trono — Kathi imediatamente
deslanchou para um novo e poderoso nível de palavras proféticas
afiadas e também começou a ver anjos!
A nova unção de Kathi começou naquela mesma noite, em uma
igreja Batista do Rio de Janeiro. Era uma multidão de umas 700
pessoas espremidas em um prédio onde, normalmente, caberiam 500, e
pelo menos, mais mil pessoas no estacionamento assistindo ao culto
através de um telão.
Quando nos chamaram e subimos naplataforma, Deus abriu os
olhos de Kathi — pela primeira vez — para ver anjos.
Ela olhou para mim e disse, "Tem um anjo atrás daquela
mulher". Apontou para uma mulher no balcão, dizendo "Ela vai ser
curada".
Uma mulher que estava atrás de mim nos explicou: "Aquela
senhora é uma amiga minha e é líder da intercessão dessa igreja". Fez
um sinal para que a mulher descesse, apesar de Kathi sentir que a
pessoa seria curada ali mesmo.
Kathi passou pela multidão e encontrou-se com a mulher atrás
da plataforma. A unção era tão forte que, no instante em que começou a
orar, a pessoa "apagou" e escorregou pela parede, caindo no chão. Kathi
voltou ao auditório e começou a orar por cada pessoa que tivesse um
anjo atrás de si. Os resultados foram impressionantes: curas da
curvatura da espinha, problemas femininos, visão e audição.
Era um mistério. Toda vez que Kathi via um anjo atrás de
alguém, ela orava e as curas aconteciam.
Em uma reunião na Flórida do Sul, Estados Unidos, uma
mulher tinha sido tocada nos cultos, mas queria mais uma oração por
sua coluna. Na mesma hora, Kathi viu um anjo atrás da mulher.
Contou para a pessoa a respeito do anjo e começou a orar.
A mulher, que tinha por volta de 50 anos, de repente, começou a
contorcer-se, chacoalhar, rodar e inclinar-se para trás — coisas que
naturalmente teriam machucado a coluna de qualquer pessoa. A dor
que sentia desapareceu completamente.
Kathi e eu não éramos um apenas no casamento; também
tínhamos tido encontros angelicais semelhantes.
Randy Clark comentou milhares de vezes como é raro haver
casais com experiências parecidas assim. Mas nós tivemos!

*****
Passados dois meses, Kathi e eu fomos a uma conferência
patrocinada pelo Ministério Nehemiah (Neemias), em Atlanta. A
conferência, organizada por Michael Ellis, era sua Primeira Escola
Internacional de Ministração, onde alunos do mundo inteiro receberiam
um treinamento intensivo de dois meses.
Randy Clark, Heidi Baker, um missionário de Moçambique e
Henry Madava, pastor da Segunda maior igreja da Ucrânia, estavam
entre os palestrantes. Quando Randy ministrou, fui chamado para
contar parte de meu testemunho.
No dia seguinte, Henry Madava estava pregando. Durante a
ministração, o anjo que me acompanha me agarrou com seus braços e
me abraçou fortemente. Ele estava literalmente me apertando.
Esse anjo em particular tornou-se meu amigo e sei que, quando
aparece, tudo está sob controle. O anjo nunca tinha feito aquilo antes e
comecei a pensar: "O que ele está fazendo? Por que está fazendo isso?".
Quando tive meus olhos abertos para ver anjos, no Brasil, Davi
Silva havia comentado várias vezes que vira meu anjo. De acordo com
Davi, esse anjo era alto — talvez uns três metros de altura — e, em
diversas ocasiões, viu-o em pé atrás de mim ou ao meu lado.
Ao considerar a possibilidade de ter um anjo, comecei a
examinar a Palavra minuciosamente. Então, encontrei Mateus 18:10,
"...Vede, não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo
que os seus anjos nos céus sempre vêem a face de meu Pai que está nos
céus".
A palavra "seus" sugere uma ligação pessoal entre um indivíduo
e um anjo. Alguns livros teológicos sugerem que "seus anjos" são
prováveis anjos da guarda de nível superior, porque eles "sempre vêem
a face de meu Pai".
Descobri, através de meus estudos, que Mateus 18:10 concorda
totalmente com as palavras de Salmo 91:11. "Porque aos seus anjos
dará ordem (especial) a teu respeito, para te guardarem em todos os teus
caminhos (de obediência e serviço)
Logo, comecei a aceitar que Deus havia enviado um anjo para
meu beneficio e assistência. Enquanto estava no Brasil, não o via. Mas
ele apareceu em nosso primeiro culto quando voltamos para
Tallahassee. Estava sentado na primeira fileira durante o louvor e, de
repente, vi aquele anjo na plataforma. Imediatamente, soube que era o
meu anjo.
Vi esse anjo com um formato transparente esbranquiçado, com
suas asas estendidas para fora. Era essa a sua aparência nas vezes em
que fui escalado para pregar. Ficava em pé junto ao grupo de louvor ou
ao lado do púlpito. Comecei a confiar no fluir divino de Deus em minha
vida, quando vi aquele anjo.
Mas naquele dia, em Atlanta, havia algo diferente nas ações do
anjo. Só não sabia o quê.
"Se o Senhor está lhe tocando neste momento, por favor, venha
para frente", instruiu o pastor Madava e fui para lá o mais rápido
possível. Fiquei ali, esperando no Senhor, e meu anjo veio e me segurou
de novo, como se estivesse me imobilizando — só que desta vez, estava
mais apertado.
"O que ele está fazendo?", pensei, de novo. "Por que está fazendo
isso?"
De repente, decolou em direção ao céu. A única coisa com que
poderia comparar aquilo é um foguete e seu propulsor. Eu era o
foguete, ele o propulsor e nós simplesmente partimos.
Em um segundo, levou-me diretamente à Presença de Deus. Vi
umas nuvens escuras acinzentadas — como em uma tempestade —
girando. Havia luzes piscando como relâmpagos e tudo à distância
parecia ser iluminado.
Em um piscar de olhos, nós passamos por criaturas que se
prostravam e adoravam a Deus.
Naquele momento, cheguei a pensar que aqueles deveriam ser os
quatro seres viventes.
Quando olhei através das nuvens, fiquei maravilhado com o que
vi. Olhos de fogo — olhos penetrantes, bem vermelhos — estavam se
achegando a mim. Nada poderia se esconder daqueles olhos — nem nos
céus e nem na Terra. Fui tomado por um respeitoso temor do Deus vivo.
Minha atenção foi, então, desviada para o que havia acima dos
olhos. Vi cabelos brancos, esvoaçantes, ondulados e grossos surgirem
através das nuvens. Não vi nenhuma forma corpórea, nem facial.
Quando menos esperava, o anjo me ergueu e me colocou no colo
do Senhor em uma posição quase fetal. O momento era simplesmente
incrível. Senti uma paz profunda e tive uma sensação de conforto que
mal posso descrever. Parecia que o anjo queria mostrar mais coisas ou
contar mais, mas isso não aconteceu.
De repente, bum!
Voltei para o meu corpo, em pé no altar, com minhas mãos
levantadas — a mesma posição que estava antes de minha experiência
com o anjo. Voltei exatamente no mesmo momento em que o pastor
Madava impôs suas mãos sobre mim.
Caí e "apaguei" durante um bom tempo. Encharcado da
Presença do Senhor, não parava de clamar, "Quero mais de Ti... Quero
mais de Ti... Quero mais de Ti".
Às vezes, relutava dentro de mim contra as experiências
maravilhosas que ocorreram comigo no Rio e em Atlanta. Durante um
bom tempo, foi difícil falar a respeito dessas coisas. Acho que sou uma
das pessoas com as menores chances de estar tendo esse tipo de
experiência sobrenatural.
Por causa de meu histórico batista, queria uma confirmação
bíblica de tudo aquilo que havia experimentado. O Senhor começou a
revelar os versículos para mim, enquanto estudava. Só Ele sabia o
quanto isso seria necessário para aquietar meu coração com relação a
essa nova dimensão do trabalhar poderoso de Seu Espírito em nossas
vidas. Ele primeiramente me mostrou Salmos 97:1-5 (destaque do
autor),
O SENHOR reina; regozije-se a terra; alegrem-se as
muitas ilhas.
Nuvens e escuridão estão ao redor dele; justiça e
juízo são a base do seu trono.
Um fogo vai adiante dele, e abrasa os seus inimigos em
redor.
Os seus relâmpagos iluminam o mundo; a terra viu e
tremeu.
Os montes derretem como cera na presença do
SENHOR, na presença do Senhor de toda a terra.

Não havia entendido as nuvens e escuridão ao redor do Senhor.


Não tinha a aparência que imaginara. Mas, com certeza, condiz com a
Palavra, incluindo Salmos 18:11-12,

Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o


cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus.
Ao resplendor da sua presença as nuvens se
espalharam, e a saraiva e as brasas de fogo.

Quando me aprofundei, encontrei Apocalipse 1:14, que


confirmou a aparência do Senhor. "E a sua cabeça e cabelos eram
brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de
fogo."

Vi exatamente o que o apóstolo João viu!


Em Apocalipse 4:1-8 (destaque do autor), encontrei uma
passagem inteira que descreve as atividades ao redor do trono de Deus:

"DEPOIS destas coisas, olhei, e eis que estava uma


porta aberta no céu; e a primeira voz que, como de
trombeta, ouvira falar comigo, disse: Sobe aqui, e
mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem
acontecer.
E logo fui arrebatado no Espírito, e eis que um trono
estava posto no céu, e um assentado sobre o trono.
E o que estava assentado era, na aparência,
semelhante à pedra jaspe e sardônica; e o arco celeste
estava ao redor do trono, e parecia semelhante à
esmeralda.
E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi
assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos
vestidos de vestes brancas; e tinham sobre suas cabeças
coroas de ouro.
E do trono saíam relâmpagos, e trovões, e vozes; e
diante do trono ardiam sete lâmpadas de fogo, as quais
são os sete espíritos de Deus.
E havia diante do trono como que um mar de vidro,
semelhante ao cristal. E no meio do trono, e ao redor do
trono, quatro animais cheios de olhos, por diante e por
detrás.
E o primeiro animal era semelhante a um leão, e o
segundo animal semelhante a um bezerro, e tinha o
terceiro animal o rosto como de homem, e o quarto
animal era semelhante a uma águia voando.
E os quatro animais tinham, cada um de per si, seis
asas, e ao redor, e por dentro, estavam cheios de olhos; e
não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo,
Santo, Santo, é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era,
e que é, e que há de vir".

No dia seguinte, naquela mesma conferência em Atlanta, o


pastor Henry Madava falava sobre o fogo de Deus. Ele leu Salmos
104:4, "Faz dos seus anjos espíritos, dos seus ministros um fogo
abrasador". Relacionou esse versículo ao Corpo de Cristo como servos
do Senhor que devem ser "cheios do fogo de Deus".
Vi um anjo com mais ou menos o dobro da altura do pastor
Madava (por volta de quatro metros de altura) atrás dele. O anjo usava
uma veste parecida com um manto e suas mãos estavam estendidas.
Era enorme, aparentava ser poderoso e de sua presença saía um brilho
cintilante. O anjo acompanhava o pastor Madava para onde quer que
ele fosse.
O momento das pessoas se achegarem ao altar se aproximava e
o pastor Madava começou a convidar o poder de Deus a invadir o
auditório. "Que o seu F-O-G-O caia sobre este lugar", ele orava
ardentemente. "Que cada pessoa nesse lugar seja cheia do fogo de
Deus".
Vi uma fileira de anjos acima da plataforma que cobriam o
santuário com fogo. Era como um lençol ou cobertor gigante de fogo
vindo e se transformando em chamas individuais de cores laranja e
dourada. Aquelas chamas se transformaram em bolas de fogo que, de
repente, começaram a cair sobre cada pessoa naquele lugar.
"Preste atenção no que vai acontecer", o Senhor me disse.
As bolas de fogo caíam sobre aqueles que estavam abertos e
famintos. Receberam na mesma hora. Outros estavam apenas sentados,
observando o que estava acontecendo. As bolas de fogo balançavam
acima de suas cabeças, mas não caíam. Então notei que seus
semblantes foram mudando. Conforme se rendiam ao Espírito Santo,
instantaneamente as bolas de fogo caíam sobre eles.
Mas havia outras pessoas sobre as quais as bolas de fogo
pairavam por um tempo e acabavam indo embora e desaparecendo.
Essas pessoas não receberam.
"O que significa tudo isso?", pensei.
O Senhor começou a me mostrar que havia três grupos de
pessoas. Aqueles que receberam instantaneamente haviam se entregado
a Deus. O segundo grupo recebeu devagar, conforme foi se rendendo
àquilo que Deus estava fazendo e, só então, as bolas caíam sobre eles.
Mas o último grupo não recebeu nada. Perguntei ao Senhor por
que não haviam recebido. Ele disse que foi por causa de áreas — como
orgulho, dificuldade de controle e vícios — em suas vidas que não
haviam sido entregues a Ele. Esses obstáculos não permitiam que
recebessem aquela grande benção de Deus. Aquelas pessoas não
receberam nada daquilo que estava disponível para todos!
Capítulo 5

A MINISTRAÇÃO DOS ANJOS

"A Palavra deixa claro que Deus quer que nós saibamos da
existência de anjos e conheçamos a natureza de suas ações. Não
devemos, portanto, deduzir que seu ensinamento sobre anjos não tem
nada a ver com nossas vidas, hoje. Pelo contrário, há várias maneiras
pelas quais nossas vidas cristãs serão enriquecidas pela ciência da
existência e ministração de anjos no mundo, hoje."

- Wayne Grudem, trecho do livro "Teologia


Sistemática".

A Bíblia faz uma pergunta extraordinária em Hebreus 1:14 a


respeito dos anjos. "Não são porventura todos eles espíritos
ministradores, enviados para servir a favor daqueles que hão de herdar
a salvação?"
Os anjos estão aqui para dar assistência aos herdeiros da
salvação — os crentes — em suas tarefas na Terra dadas por Deus. Ao
estudar a Palavra, uma pessoa pode concluir que eles foram criados
como seres espirituais que podem se tornar visíveis quando necessário.
Martinho Lutero, o grande reformador alemão, disse que "um
anjo é uma criatura espiritual sem um corpo, criado por Deus para
servir ao Reino de Cristo e à igreja.".
Com relação a Hebreus 1:14, a Spirit Filled Life Bible (Bíblia da
Vida Cheia do Espírito) afirma: "Eles 'ministram' (do grego, diakonia);
isto é, fazem seu 'trabalho diligente, dão assistência'. São espíritos
ministradores, ou assistentes celestiais e continuam ativos até hoje..."

Intervenção Angelical
Atos 12:6-17 é um exemplo maravilhoso de um anjo sendo
enviado pelo Senhor para resgatar Pedro da prisão e de uma possível
execução. Pedro foi preso durante a Páscoa, pouco depois da morte do
apóstolo Tiago (irmão de João).
É óbvio que o rei Herodes Agripa esperou essa época, porque
havia mais judeus na cidade do que o normal durante a Páscoa e suas
ações gerariam um grande temor naquele grupo de crentes que acabara
de se formar. Mas as incessantes orações (versículo 12) que foram feitas
por Pedro afetaram grandemente o desfecho desses eventos.
Um anjo de Deus acordou Pedro e, logo depois, suas correntes
caíram. O anjo disse a ele, "... Levanta-te depressa. E caíram-lhe das
mãos as cadeias. E disse-lhe o anjo: Cinge-te, e ata as tuas alparcas. E
ele assim o fez. Disse-lhe mais: Lança às costas a tua capa, e segue-
me." (versículos 7 e 8). Em seguida, as portas da prisão iam se abrindo
instantaneamente, conforme Pedro ia seguindo o anjo. O apóstolo
achava que estava tendo uma visão, mas finalmente se deu conta do
que estava acontecendo (versículo 11).
Quando Pedro chegou à casa da mãe de João Marcos, onde as
pessoas estavam reunidas para orar, a criada Rode atendeu a porta e
ficou tão contente... que voltou correndo para dentro da casa, anunciar
sua chegada. Os crentes responderam de modo estranho. "É o seu anjo",
disseram a ela (versículo 15).
Creio que manifestações angelicais eram comuns no Primeiro
Século. Esses primeiros cristãos não pareciam estar muito surpresos
com o fato de Pedro ter sido solto por meio de uma intervenção
angelical. Isso nos leva a crer que a aparição de anjos era mais comum
naqueles dias.

Números de Anjos
Na Palavra, há aproximadamente 300 referências a anjos; é
interessante que há mais referências a anjos no Novo Testamento (por
volta de 165 ocasiões) do que no Velho Testamento (onde há pouco mais
de 100). A menção a anjos não existe em apenas alguns livros da Bíblia,
e sim em 34 deles; a começar pelo primeiro, Gênesis, até o último,
Apocalipse.
A quantidade exata de anjos é um ponto discutido por teólogos
desde os tempos bíblicos. Em resposta a essa pergunta, o Rei Davi
escreveu: "Os carros de Deus são vinte milhares, milhares de milhares..."
(Salmos 68:17).
Matthew Henry fez um comentário sobre Salmos 68:17: "Os
anjos são 'os carros de Deus'. São seus carros de guerra, que Ele usa
contra Seus inimigos; são carros para transporte, que Ele envia para
Seus amigos, como fez com Elias... São seus carros oficiais, em meio
aos quais mostra Sua glória e poder". "São numerosos: Vinte mil';
chegam a ser 'milhares de milhares'".
Não importa o número exato, a hoste ou companhia angelical,
sabemos que é enorme o contingente. Hebreus 12:22 chama esse
número de "muitos milhares de anjos".
Em sua visão na Ilha de Patmos, que se tornou o livro de
Apocalipse, o apóstolo João registra uma cena de anjos adorando ao
Senhor Jesus:
E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e
dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões
de milhões, e milhares de milhares,
Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi
morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força,
e honra, e glória, e ações de graças.
(Apocalipse 5:11-12).

"Milhões de milhões, e milhares de milhares" é a quantidade de


anjos ao redor de Jesus no trono.
Apesar das opiniões teológicas a respeito do número de anjos
variarem, a Bíblia não é específica no assunto. Apocalipse 19:14 afirma
que "os exércitos que há no céu" voltarão com o Senhor Jesus para a
batalha de Armagedom.

Uma Ministração de Conforto e Força


Diz-se que Salmos 103:20-21 explica os cinco tipos de
ministração dos anjos. "Bendizei ao SENHOR, todos os seus anjos, vós
que excedeis em força, que guardais os seus mandamentos, obedecendo
à voz da sua palavra. Bendizei ao SENHOR, todos os seus exércitos, vós
ministros seus, que executais o seu beneplácito".
Ao ler essa passagem, creio que esses versículos mostram o
propósito de Deus para os anjos; eles existem para servi-Lo em cinco
funções diferentes, além de bendizê-Lo e adorá-Lo. Os cinco propósitos
listados aqui parecem estar diretamente ligados ao papel dos anjos
enviados para servir aos crentes (Hebreus 1:14):
(1) São cheios de força; (2) cumprem os seus mandamentos; (3)
obedecem à voz da sua palavra; (4) ministram (servem) ao Senhor; e (5)
executam a sua vontade.
Em pelo menos dois lugares no Novo Testamento — Mateus 4:11
e Lucas 22:43 — a Bíblia faz menção aos anjos que ministraram o
nosso Salvador. Quando lemos essas passagens, fica claro que os anjos
tinham um papel importante no ministério de Jesus; ministério esse
que continua até os dias de hoje, através da vida dos ministros
chamados por Deus e, logo, na vida de todos os crentes.
Em Mateus 4, após jejuar por 40 dias e noites, Jesus foi tentado
pelo próprio Satanás. Obviamente esgotado por causa do jejum e de seu
encontro com o tentador, Jesus precisava ser ministrado pelos anjos.
"Então o diabo o deixou; e, eis que chegaram os anjos, e o serviam,"
(versículo 11).
Na Spirit Filled Life Bible (Bíblia da Vida Cheia do Espírito) a
palavra angelos é destacada em Mateus 4:11. "Da palavra angello,
'entregar uma mensagem'; portanto, um mensageiro. No Novo
Testamento a palavra tem um sentido especial; refere-se a um
importante ser espiritual celestial muito próximo de Deus, que opera
como mensageiro do Senhor, enviado à Terra para executar Seus
propósitos e fazê-los conhecidos entre os homens."
Em Lucas 22, Jesus vai até o Monte das Oliveiras com seus
discípulos para um tempo especial de oração antes de sua prisão e
crucificação. A Bíblia descreve a agonia daquele momento: "... e o seu
suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão",
(versículo 44).
O versículo 43 diz: "E apareceu-lhe um anjo do céu, que o
fortalecia.".
Se o próprio Senhor enfrentou batalhas nesta Terra que
requisitaram a ministração e o poder fortalecedor dos anjos, imagine o
quanto nós não necessitaríamos do mesmo tipo de ajuda e intervenção!
Deixe-me contar uma história sobre minha família.
Meu pai, Harmon Oates, causou um impacto profundo e
duradouro sobre minha vida com o Senhor. Era um cristão devoto,
sempre envolvido com sua igreja local e servindo em diversos eventos
evangelísticos da comunidade para tocar as vidas dos necessitados.
Também fez parte do ministério carcerário do ex-jogador de futebol
americano Bill Glass e participou da liderança de outro ministério
carcerário, baseado na Flórida, Estados Unidos.
Após um longo período com enfisema, meu pai faleceu. Antes de
sua morte, ele me pediu para fazer o ofício fúnebre e eu sabia que teria
uma difícil tarefa pela frente. Como um pastor encara o funeral de seu
próprio pai sem passar mal? Não tinha certeza alguma se iria conseguir.
Depois de fazer a introdução, fui tomado pela emoção e não
sabia se continuaria. Meu irmão, Charles, leu algumas passagens
bíblicas favoritas de meu pai, enquanto sentava e tentava me recompor.
"Não sei se conseguirei fazer isso, Senhor", orei. "Preciso de ajuda
urgente."
Então, olhei para o corredor central e vi um anjo em pé bem ali.
Na verdade, ele parecia uma versão menor de um anjo que vira em
Manaus, várias vezes. Quando reparei, vi anjos lado a lado ao redor do
recinto e todos seguravam espadas desembainhadas.
Aquilo me transformou na mesma hora. Sabia que a Presença de
Deus estava naquele lugar e que tudo daria certo. Aquele turbilhão de
emoções se aquietou ao sentir a paz de Deus invadindo meu ser. A força
veio no exato momento em que subi no púlpito e comecei a ministrar no
poder do Espírito de Deus a família de meu pai e amigos que ali
estavam.
Só o Senhor sabia que precisava da força e encorajamento de
Seus anjos. Lembrei-me das palavras em Salmos 91:11-12, "Porque aos
seus anjos dará ordem a teu respeito, para te guardarem em todos os
teus caminhos. Eles te sustentarão nas suas mãos, para que não
tropeces com o teu pé em pedra".
Billy Graham, em seus estudos a respeito de Salmos 91:11-12,
afirma que cada um de nós tem seus próprios anjos da guarda. Quando
observa o plural em "anjos", no texto, conclui que cada crente deve ter
pelo menos dois anjos cuja tarefa é protegê-lo.

Os Anjos e a Cura
Em João 5:1-4 há a história sobre o tanque de Betesda em
Jerusalém, onde o trabalhar de um anjo produz cura nos enfermos que
entrassem na água.

Nestes jazia grande multidão de enfermos, cegos,


mancos e ressicados, esperando o movimento da água.
Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e
agitava a água; e o primeiro que ali descia, depois do
movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que
tivesse, (versículos 3-4).

Deus derramou da Sua glória em alguns cultos na cidade de


Mauá, na grande São Paulo, de uma forma parecida com o ocorrido em
1 Reis 8:11, onde "...os sacerdotes não podiam permanecer em pé para
ministrar, por causa da nuvem, porque a glória do SENHOR enchera a
casa do SENHOR." Ninguém conseguia ficar em pé em Mauá, também.
Falava, naquele dia, sobre "A Glória de Deus" e, durante a
pregação, Seu poder nos sobreveio. As pessoas começaram a chorar.
Outras caíam no chão. Minha intérprete caiu no chão com seus óculos
fora do lugar e seu microfone saiu rolando.
O pastor da igreja veio até a frente e tentou reerguê-la sem
nenhum êxito. Trouxeram outro intérprete e, enquanto isso, perguntava
em silêncio ao Senhor o que deveria fazer. "Não faça nada", o Senhor
respondeu. "Preste atenção no que farei."
Veio mais uma onda naquele lugar, desta vez mais intensa que a
primeira. A terceira onda que passou por nós era tão forte e densa que
não conseguia ficar em pé. Fiquei meio que esticado com meus braços
agarrados ao púlpito, mas meus pés pareciam chumbo. Não conseguia
movimentar minhas pernas para evitar que caísse e comecei a
escorregar pelo púlpito. Fiquei estirado no chão por mais de uma hora e
meia.
O pastor e seus cinco assistentes estavam no chão. A reunião foi
completamente entregue nas mãos de Deus. As pessoas clamavam. As
lágrimas fluíam sem parar. Muitos que estavam com rosto em terra
eram tocados por 'bolsas' da glória de Deus em todos os cantos do local.
Os resultados da vinda da Glória de Deus são sempre os
mesmos: curas, milagres, sinais e maravilhas. Só soubemos o que o
Senhor havia feito no dia seguinte. Os testemunhos de cura eram
numerosos. Um homem de 25 anos, surdo de um ouvido, foi curado
instantaneamente. Uma mulher disse que seus olhos começaram a
arder e três anjos vieram e os tocaram. A partir daí, não precisou mais
usar óculos, porque enxergava perfeitamente.
Uma outra mulher tinha um buraco em seu antebraço, onde
uma doença havia corroído a carne. Deus fez um milagre criativo dando
a ela novos músculos e nova carne. Ninguém chegou a orar por
qualquer uma dessas pessoas.
Em um dos cultos no Rio, vi uma mulher em pé (parecendo uma
estátua) ao lado de Kathi. Ela não conseguia ficar perfeitamente imóvel,
porque seu braço esquerdo não parava de se mexer e às vezes fazia cara
de dor. "Não estou fazendo isso", repetia. "Não estou fazendo isso".
Acabamos descobrindo que havia nascido por meio de um parto
a fórceps, o que causou o problema em seu braço e ombro esquerdos e
também fazendo com que esse lado fosse mais curto que o direito. Kathi
viu quando um anjo do Senhor começou a torcer e mexer o braço da
mulher. Seu ombro começou a crescer, seu braço esticou e sua
mobilidade foi restaurada.
Um pastor brasileiro assistiu toda a oração que Kathi fez pela
jovem mulher, começando pela mão, braço e ombro. Na noite seguinte
ele veio nos fazer uma pergunta através de um intérprete. "Qual a
relação entre os anjos e a cura?", perguntou. "Vi o anjo manipulando o
braço daquela garota."
Sem dúvidas, os anjos estão envolvidos em muitas curas
sobrenaturais.
Na conferência em Harrisburg (EUA) da Global Awakening em
2003, Kathi começou a orar pelas pessoas quando notou que um anjo
estava atrás de um homem. Ela tocou sua cabeça e ele caiu sobre uma
cadeira chacoalhando violentamente. Uma fila de pessoas querendo a
oração de Kathi se formou bem no meio da atividade angelical.
Finalmente, o homem se acalmou e Kathi viu o anjo soprar em
sua cabeça três vezes. Ela não sabia o que havia de errado com ele, mas
— de acordo com as ações do anjo — fez exatamente o que viu o anjo
fazer e soprou três vezes na cabeça do homem. Passado um tempo,
Kathi perguntou, "O que havia de errado com você?".
"É meio difícil explicar", ele respondeu, "mas eu passei por um
tratamento de choque elétrico há três anos. Bagunçaram meu cérebro e
esqueci quem eu era. Quando você pôs suas mãos sobre minha cabeça,
senti as células do meu cérebro sendo colocadas em seus devidos
lugares. Sinto como se tivesse recebido minha essência de volta.".
As Asas dos Anjos
Em Isaías 6:1-6, o profeta descreve uma cena na qual tem uma
visão do Senhor em Seu trono e serafins com seis asas adorando acima
do trono. "Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas; com
duas cobriam os seus rostos, e com duas cobriam os seus pés, e com
duas voavam.", (versículo 2).
A Spirit Filled Life Bible (Bíblia da Vida Cheia do Espírito) diz, ao
comentar essa passagem, que "o ministério seráfico está relacionado ao
trono e ao louvor a Deus. Os serafins são vistos constantemente
glorificando a Deus — exaltando Sua natureza e atributos e,
aparentemente, supervisionando a adoração celestial. É possível que os
serafins sejam os anjos adoradores de Salmos 148:2, apesar de não
serem identificados como tais."
Seraphim é o plural da palavra hebraica seraph, usada para
identificar um ser angelical que se movimenta suavemente e brilha
como fogo. Já foi sugerido que os serafins possuem uma aparência ou
coloração como a do fogo e, quando estão em movimento, parecem
chamas ou têm o mesmo brilho do fogo.
É óbvio que os serafins fazem parte da adoração do Nome e do
caráter de Deus no céu. Mas Isaías 6:6-7 nos leva a crer que eles
também fazem parte da limpeza e purificação dos servos do Senhor.
"Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa
viva, que tirara do altar com uma tenaz; E com a brasa tocou a minha
boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi
tirada, e expiado o teu pecado".
Durante vários encontros angelicais, pude sentir as asas dos
anjos me envolverem. Mas pouco tempo depois do funeral de meu pai,
tive uma experiência parecida enquanto orava pela minha mãe, Ruby
Oates. Eles tiveram um casamento de mais de 60 anos e agora ela
ficaria só. A maioria de seus filhos vivia em cidades distantes.
Nós choramos muito no dia em que orei por ela, mas, durante a
oração, vi um anjo vir por trás dela e abraçá-la com suas asas. Os
cuidados de Deus para com a minha mãe encheram-me de uma paz
incrível. "Mãe, o Senhor enviou Seu anjo e você está em boas mãos",
disse a ela.
Umas seis semanas depois, quando Kathi e eu a visitávamos,
disse: "Tenho algo para lhe contar. Estava muito cansada um dia desses
e tirei uma sonequinha. Quando estava despertando e me preparava
para levantar, notei que havia uma luz brilhante em forma de arco
sobre mim. Vi aquilo e depois desapareceu."
Abri um sorriso. "Acho que essa foi a maneira que Deus
encontrou de mostrar que enviou um anjo para cuidar de você," sugeri.
"Também acho", respondeu confiante.
Falar sobre "asas" ou "penas" pode parecer algo inacreditável
para algumas pessoas, mas há evidências bíblicas a seu respeito.
Salmos 91:4 diz: "Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas
asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel."
A líder de estudo bíblico, Marilyn Hickey, fez a seguinte
observação acerca de Salmos 91:4, "Como Deus não possui penas e
asas, alguns já sugeriram que essas penas e asas são de nossos anjos
da guarda; tais asas nos cobrem para não cairmos, nos perdermos, ou
tropeçarmos em perigos desconhecidos do reino espiritual invisível."

Os Anjos e o Fogo de Deus


A cor brilhante ou a glória do serafim (também verificada por
Ezequiel nos quatro seres viventes) pôde ser vista no anjo que veio do
céu e rolou a pedra do sepulcro onde o corpo de Jesus havia sido
colocado. Mateus descreve o anjo desta forma:

E o seu aspecto era como um relâmpago, e as suas


vestes brancas como neve, (Mateus 28:3).

A descrição de Mateus do anjo concorda com as palavras de


Daniel 10:6, onde o profeta buscara ao Senhor durante três semanas
inteiras. "E o seu corpo era como berilo, e o seu rosto parecia um
relâmpago, e os seus olhos como tochas de fogo, e os seus braços e os
seus pés brilhavam como bronze polido; e a voz das suas palavras era
como a voz de uma multidão."
Além disso, o autor de Hebreus faz uma ligação entre o brilho e
a imagem do fogo com a aparência angelical. "E, quanto aos anjos, diz:
Faz dos seus anjos espíritos, E de seus ministros labareda de fogo",
(Hebreus 1:7). De forma parecida, 2 Tessalonicenses 1:7-8 afirma
"...quando se manifestar o Senhor Jesus desde o céu com os anjos do seu
poder, como labareda de fogo...".
Essa aparência "branca que ofusca como um relâmpago" foi,
mais tarde, confirmada pelo General William Booth, fundador do
Salvation Army (Exército da Salvação). Ele descreveu uma visão de seres
angelicais, afirmando que cada anjo era envolto por uma luz tão
brilhante que, se não fosse contida, nenhum ser humano conseguiria
manter os olhos abertos.

Uma Experiência no Brasil


Em Manaus, no local onde fazíamos os cultos, a igreja de
repente começou a ser impactada com a Presença de Deus. Bem atrás
de onde nossa equipe estava sentada, havia 'bolsas' da glória de Deus
que tocavam um grupo inteiro de pessoas. Não vi anjos ministrando
pessoas, mas vi o efeito da ministração deles.
Fui até a equipe e disse, "Virem-se e dêem uma olhada". Havia
tanto barulho naquele lugar que ninguém, além de uma jovem chamada
Rachel Stoppard, olhou para trás. Aqui está a descrição exata daquilo
que ela viu:
"Virei-me para trás devagar e primeiramente vi carruagens de
fogo espalhadas por toda a parede dos fundos. Comecei a acompanhá-
las e então vi um anjo enorme em pé atrás de mim; de repente,
começou a sair fogo dele. Aquilo me pegou de surpresa e caí sobre uma
cadeira, mas o anjo me segurou."
"Quando me segurou, aquele fogo saía dele e vinha até mim, a
começar pela minha cabeça. Era como se houvesse ondas elétricas de
fogo dentro da minha cabeça, descendo para meus braços e pernas. Era
como se uma onda atrás da outra pulsasse vagarosamente pelo meu
corpo. Queria gritar, porque pensava que ia morrer com aquele fogo
passando dentro de mim."
"Conforme a onda passava, podia sentir os braços do anjo me
segurando apertado, dizendo: 'Relaxa. Estou segurando você. Você não
vai morrer.' Ele me segurava e não parava de dizer, 'Não vou embora...
Eu estou aqui.'"
"Enquanto tudo isso acontecia, comecei a perceber que, à
distância, era possível ver a sala do trono. Quando coloquei meu foco no
trono, comecei a clamar: 'Leve-me... Eu quero ir até lá. Quero ir até lá.'
Pude ver a luz suave pulsante que saía do trono e via as cores em
movimento, girando."
"Então o anjo disse: 'Não, não é o tempo, ainda. Você deve ficar
aqui.' Aos poucos, aquela imagem que estava diante de mim começou a
sumir e descobri que já havia passado quatro horas. Desde aquele dia,
não parei mais de buscar intimidade com Deus."
"Então, acabei descobrindo que meu marido, Gary, e eu temos
um chamado para as nações. Descobri que há um lugar na sala do
trono onde as orações e intercessão são liberadas para que as brasas de
fogo possam ser levadas às nações. Também descobri que esse fogo é
levado às famílias e passado dos pais para seus filhos."

Visões de Anjos na Bíblia


Em seu clássico Anjos: Agentes Secretos de Deus, o famoso
evangelista Billy Granam escreve que nunca vira um anjo, mas que crê
em sua importância bíblica em nossas vidas. Essa é provavelmente a
opinião da maioria dos cristãos.
Estudiosos têm debatido se a expressão "filhos de Deus" em
Gênesis 6:2 se refere ou não a anjos. No entanto, a Palavra enfatiza que
os anjos são "espíritos" ministradores (Hebreus 1:14); logo, não são
matéria. Os anjos não possuem corpos físicos, mas eles podem se
apresentar de tal forma, quando são escolhidos pelo Senhor para uma
tarefa especial.
O autor de Hebreus confirma que os anjos podem ter uma
aparência física que não reconheceríamos. "Não vos esqueçais da
hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos,"
(Hebreus 13:2).
Entretanto, a própria Bíblia nos dá exemplos daqueles que de
fato tiveram seus olhos abertos para ver anjos. Deixe-me citar três
exemplos óbvios. O primeiro é encontrado em Números 22:22-30, onde
o profeta Balaão é chamado pelos moabitas para vir amaldiçoar a nação
de Israel. Quando estava a caminho, junto com os príncipes de Moabe,
o Anjo do Senhor bloqueia a passagem de Balaão. Surpreendentemente,
a jumenta de Balaão vê o anjo primeiro!

"Então o SENHOR abriu os olhos a Balaão, e ele viu o


anjo do SENHOR, que estava no caminho e a sua espada
desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça, e
prostrou-se sobre a sua face," (Números 22:31, destaque
do autor).

Apesar de ser profeta — ele é quem deveria ter visto o Anjo do


Senhor — Balaão não pôde ver até o Senhor abrir seus olhos. O que
Balaão viu? É óbvio que Balaão viu a aparência física de um anjo e
conversou com ele (versículos 32-35).
Nosso segundo exemplo de alguém que teve seus olhos abertos
para ver um anjo é encontrado em 2 Samuel 24. Davi havia pecado
contra o Senhor por "haver numerado o povo" (versículo 10). Então, o
profeta Gade traz a Davi a oportunidade de escolher entre três punições
pelo seu pecado (versículo 13).
A Palavra afirma que um 'anjo que fazia a destruição' fora
enviado com uma peste e setenta mil homens do povo morreram. "E o
anjo do SENHOR estava junto à eira de Araúna, o jebuseu", (versículo
16).
O versículo seguinte descreve algo incrível acontecendo a Davi.
"E, vendo Davi ao anjo que feria o povo, falou ao SENHOR..." (versículo
17, destaque do autor).
Davi viu o anjo. Ele se tornou visível — e pouquíssimas pessoas
conseguem ser as mesmas depois de um confronto com um desses
seres sobrenaturais de Deus!
O rei Davi sentiu-se profundamente arrependido, "... Eis que eu
sou o que pequei, e eu que iniqüamente procedi; porém estas ovelhas que
fizeram? Seja, pois, a tua mão contra mim, e contra a casa de meu pai"
(versículo 17).
É interessante que a eira de Araúna ficava no Monte Moriá, onde
Abraão havia oferecido Isaque (Gênesis 22:2) e onde, mais tarde,
tornou-se o local do Templo de Salomão (2 Crônicas 3:1).
Nosso terceiro exemplo é encontrado em 2 Reis 6, onde o rei da
Síria começara uma batalha contra Israel, mas Deus dá estratégias
para o profeta Eliseu a fim de vencer as forças invasoras. Cavalos,
carros e um grande exército vêm à noite e cercam a cidade de Dotã,
onde Eliseu reside (versículos 13 e 14).
Ao amanhecer, o servo de Eliseu é confrontado com o problema.
"Ai, meu senhor! Que faremos?" ele pergunta ao profeta (versículo 15).
A resposta de Eliseu é cheia de confiança em Deus. "Não
temas;porque mais são os que estão conosco do que os que estão com
eles" (versículo 16).
Então o profeta faz uma oração incomum: "'SENHOR, peço-te que
lhe abras os olhos, para que veja.' E o SENHOR abriu os olhos do moço, e
viu; e eis que o monte estava cheio de cavalos e carros de fogo, em redor
de Eliseu" (versículo 17, destaque do autor).
É claro que esses seres espirituais ou anjos estavam ali antes
dos olhos do servo serem abertos. Porém, eles não podiam ser vistos por
olhos naturais. Somente após a oração de Eliseu que seus "olhos
espirituais" foram abertos para ver aqueles seres celestiais.
Ao estudar 2 Reis 6:17, fica claro que esse é mais um exemplo
de homens naturais recebendo visão para conhecerem o mundo
invisível dos seres espirituais. Os carros e cavalos não poderiam ser
vistos a olhos nus até Deus responder à oração de Eliseu. Só então, os
seres espirituais (que estavam ali o tempo todo) tornaram-se
completamente visíveis.
Não aconteceu apenas no tempo de Eliseu. Está acontecendo
hoje, também!

Exemplos do Novo Testamento


Alguém poderia dizer que os exemplos bíblicos de personagens
que viram anjos face a face eram todos do Velho Testamento. E está
correto. Contudo, os próximos cinco exemplos de atividade angelical
vêm todos do Novo Testamento.
Nosso primeiro exemplo é encontrado em Lucas 1:11-22, quando
Zacarias (que dentro em breve seria o pai de João Batista) recebe a
notícia através do anjo Gabriel que assiste "diante de Deus" (versículo
19).
A primeira passagem do nosso estudo está em Lucas 1:11-12
(destaque do autor), que diz, "E um anjo do Senhor lhe apareceu, posto
em pé, à direita do altar do incenso. E Zacarias, vendo-o, turbou-se, e
caiu temor sobre ele".
Note que Zacarias viu o anjo de Deus!
Nosso Segundo exemplo de visitação angelical em Lucas 1:26-38
é o anúncio à virgem Maria da vinda e nascimento de Jesus, que "será
chamado filho do Altíssimo; e o Senhor Deus lhe dará o trono de Davi,
seu pai" (versículo 32).
Esse aviso também veio por intermédio do anjo Gabriel, que
havia sido enviado para Nazaré a fim de levar as notícias a Maria. Não
há dúvida de que ela o viu, porque chegou a conversar com ele.
Nesse caso de aparição angelical em específico, Maria indaga
Gabriel sobre como o Senhor seria concebido. Ele a lembra de sua
prima Isabel que "concebeu um filho em sua velhice; e é este o sexto mês
para aquela que era chamada estéril" (versículo 36), e também diz que
"para Deus nada é impossível" (versículo 37).
Nosso terceiro exemplo está em João 20:11-12, quando Maria
Madalena descobre que o sepulcro de Jesus está vazio. "E Maria estava
chorando fora, junto ao sepulcro. Estando ela, pois, chorando, abaixou-se
para o sepulcro. E viu dois anjos vestidos de branco, assentados onde
jazera o corpo de Jesus, um à cabeceira e outro aos pés" [destaque do
autor).
Fica bem claro que Maria Madalena viu os dois anjos! Eram
reais e ela conversou com eles (versículo 13).
Nosso quinto exemplo é descrito em Atos 12:4-11, quando o
apóstolo Pedro, aprisionado, está sendo vigiado por quatro quaternos,
ou o mesmo que dezesseis soldados. O anjo do Senhor aparece na cela,
acorda Pedro, que estava preso a duas correntes, e eles saem andando
conforme as portas da prisão vão se abrindo e as correntes caindo.
Pedro pensou que estava tendo uma visão (versículo nove), mas
mudou de idéia quando percebeu que estava liberto e que o anjo já não
o acompanhava mais. "E Pedro, tornando a si, disse: Agora sei
verdadeiramente que o Senhor enviou o seu anjo, e me livrou da mão de
Herodes, e de tudo o que o povo dos judeus esperava" (Atos 12:11).
Nosso quinto exemplo é encontrado em Atos 27:23-24, quando o
anjo do Senhor surge, em meio a uma tempestade, em um navio que
levava o apóstolo Paulo a Roma. A palavra de ânimo que Paulo entregou
àqueles que estavam a bordo foi simples.
"Porque esta mesma noite o anjo de Deus, de quem eu sou, e a
quem sirvo, esteve comigo, dizendo: Paulo, não temas; importa que
sejas apresentado a César, e eis que Deus te deu todos quantos navegam
contigo" (destaque do autor).
Paulo concorda com o que o anjo falou. Afirma "...que há de
acontecer assim como a mim me foi dito," (versículo 25).
Sinais, Maravilhas & Anjos
Em setembro de 2002, Kathi e eu fizemos parte de mais uma
viagem com a equipe da Global Awakening ao Brasil, começando pela
cidade tropical de Manaus, onde estranhamente não chovia há três
meses. Randy Clark havia me pedido para dar o ensinamento da
manhã; e numa dessas manhãs, dei meu testemunho acerca das
visitações angelicais.
Assim que comecei, vi três anjos ministrando uma mulher na
congregação. Fui até ela e contei o que vi. Conforme ia falando, o
Espírito do Senhor veio sobre ela e começou a chorar.
Voltei até o centro do palco e olhei para o corredor central da
igreja. Bem no meio do corredor havia um anjo enorme, com uns nove
metros de altura, segurando uma espada extremamente grande em sua
mão direita. Sua aparência — incrível e forte demais para que pudesse
olhar para ele — era como a de um soldado romano. Soube na mesma
hora que aquele era um anjo de guerra.
Levantei a mão e apontei para o anjo. "Há um anjo ali," tentei
dizer; apesar de não ter certeza se todas as palavras chegaram a sair.
Naquele momento, uma rajada de vento saiu do anjo e passou por mim
e caí para trás, em cima da plataforma. Não que o vento fosse tão forte a
ponto de derrubar alguém; é que a Presença do Senhor estava no vento.
Eu, simplesmente, não consegui permanecer em pé.
Atrás daquela plataforma havia um arco com duas portas
douradas. As portas foram abertas pelo vento. As plantas sobre o palco
balançavam com a brisa. Estava deitado ali no chão com microfone na
mão, mas não conseguia me mexer. Perdi a fala.
Randy, sentado na primeira fileira, olhou para Kathi e disse:
"Você continua.".
Ela subiu, tirou o microfone da minha mão e começou a
profetizar: "O vento do Espírito Santo vai passar pelo Brasil... e os
deuses estrangeiros do Brasil não existirão mais... Nosso Senhor é o
único e verdadeiro Deus e Ele estabelecerá Seu reino no Brasil".
Conforme acenava com sua mão na direção da congregação,
várias fileiras de cadeiras brancas de plástico, no fundo, começaram a
ser arrastadas pelo vento. Um homem saiu do prédio para ver se o
vento estava soprando lá fora, mas não estava. As árvores não
balançavam. Estava tudo perfeitamente imóvel.
Do lado de dentro, o vento soprava exatamente como no dia de
Pentecostes — um vento veemente e impetuoso encheu toda a casa. A
atividade angelical era claramente perceptível no santuário. Eles
giravam por todos os lados. Acabei conseguindo engatinhar até o
microfone e liberei a equipe. Os membros da equipe disseram mais
tarde que sentiam ventos fortes em movimentos circulares passando ao
redor deles enquanto ministravam. Recebemos relatos de que quase
todos os que receberam oração naquele dia foram curados
instantaneamente.
Quando tentei me levantar, senti uma nuvem de gotículas de
água sobre meu rosto. Era como se a nuvem da glória de Deus tivesse
descido e pude senti-la fisicamente, vindo sobre mim. Depois, pude até
sentir o perfume do incenso do Senhor.
Aquela igreja — uma das maiores do Brasil, com mais de 48.000
membros — foi tomada pela Presença de Deus. As pessoas estavam
chorando, no chão ou em pé, maravilhadas, com as mãos erguidas,
adorando e louvando, enquanto o Senhor se movia em nosso meio.
A conclusão que tiro disso tudo é que Deus usa Seus anjos para
realizarem Suas obras, sinais e maravilhas. Ele usou elementos da
natureza para manifestar a Sua Presença e glória naquela igreja.

Viajando com Anjos


Algumas semanas atrás, antes de viajarmos para a Ucrânia,
enviamos uma carta com pedidos de oração para alguns intercessores.
Nessa carta, havia um pedido para que nossa bagagem fosse protegida e
chegasse sem ser danificada. Como estávamos viajando de um
continente para outro... aquilo era importante.
No dia em que partimos dos Estados Unidos, Kathi e eu
estávamos no aeroporto, vendo nosso avião ser carregado. Conforme
assistia a bagagem sendo levada até o avião em uma esteira, de repente
o Senhor abriu meus olhos.
Vi um anjo sentado sobre cada uma de nossas malas! E
segundos antes das malas desaparecerem dentro do avião, o anjo da
primeira mala acenou para mim e sorriu. Quanto conforto e paz! Nem
precisaria dizer que nossa bagagem chegou intacta em nosso destino!

Perguntas e Respostas
Fazem perguntas sobre algumas de minhas experiências
constantemente e gostaria de responder a algumas delas.
P. Você vê anjos o tempo todo?
R. Não. Às vezes, Deus abre meus olhos para ver anjos nos
momentos mais inesperados.
Sinto que isso acontece quando menos espero ver alguma coisa e
de repente Ele abre meus olhos. Há outras vezes que fico na expectativa
de ver algo, mas não vejo nada. Quanto mais sensível à Presença de
Deus estou, mais vejo o reino do Espírito.
P. Os anjos têm uma aparência humana?
R. Na maioria das vezes, não. Vejo-os pelo olho do meu espírito.
Vejo-os como se fossem transparentes, consigo ver através deles. Na
maioria das vezes, estou com meus olhos abertos, ao invés de fechados.
Posso ver como estão vestidos e o que estão fazendo. Vejo tudo isso
como se fossem transparentes. Também já os vi como se estivesse
olhando para uma outra pessoa. Algumas vezes, eu os vi em forma de
chama de fogo, ou colunas de luz. Também já vi partes de seus corpos.
P. Ver o mundo espiritual significa que verei demônios também?
R. Ver o reino do Espírito é também um tipo de dom de
discernimento de espíritos (1 Coríntios 12:10). Com o discernimento,
uma pessoa poderá distinguir entre o reino de Deus e o reino de
Satanás. Mas não tenha medo se você vir um demônio. Pergunte a Deus
por que Ele permitiu que você visse um demônio. Lembre-se que nós
temos poder e autoridade sobre todo espírito das trevas.
P. Os anjos devem ser adorados?
R. Não. Os anjos não devem ser adorados. Apocalipse 22:8-9 é
claro neste ponto. "E eu, João, sou aquele que vi e ouvi estas coisas. E,
havendo-as ouvido e visto, prostrei-me aos pés do anjo que mas mostrava
para o adorar. E disse-me: Olha, não faças tal; porque eu sou conservo
teu e de teus irmãos, os profetas, e dos que guardam as palavras deste
livro. Adora a Deus".
A resposta é extremamente clara. Adore somente a Deus e nada
mais!
P. A manifestação de anjos na vida de um crente diminui o papel
do Espírito Santo?
R. De forma alguma. Os anjos são "espíritos ministradores"
(Hebreus 1:14). Eles não agiriam de forma contrária às direções do
Espírito. Estão apenas dando continuidade à ministração do Espírito
Santo em nossas vidas.
Capítulo 6

VERDADEIRA INTIMIDADE COM DEUS

"O avivamento explode quando as pessoas estão


desesperadas por Deus. Quando se tornam íntimas dEle e
perdem a noção de si mesmas; a partir daí, tudo pode
acontecer."

- Rolland Baker da Charisma, março de 2004.

Precisamos lembrar que Deus nos criou à sua imagem e


semelhança para que pudéssemos ter um relacionamento íntimo com
Ele.
Muitas vezes nós nos ocupamos demais com a busca de uma
experiência ou de dons, ou querendo mais do Seu poder.
A verdade é que não estamos buscando a face de Deus. Não
desenvolvemos aquilo que Ele mais deseja e que precisamos tanto: um
relacionamento íntimo com o Senhor.
O que Ele mais quer de nós? Nós mesmos!
Você sabia que Deus colocou em nosso DNA fome, sede e um
desejo por mais dEle? Ele nos criou com uma paixão por querer
conhecê-Lo. Se não estamos experimentando esse desejo ardente, então
temos permitido que outras coisas nos distraiam. Essas "outras coisas"
— trabalho, família, contas e hobbies — acabam impedindo a
visualização do verdadeiro foco de nossas vidas.
Em Jeremias 24:7, a Bíblia revela como fomos criados pelo Deus
Todo-Poderoso,

"E dar-lhes-ei coração para que me conheçam, porque


eu sou o SENHOR; e ser-me-ão por povo, e eu lhes serei
por Deus..."

Como um amigo meu, Bill Johnson — pastor da igreja Bethel em


Redding, na Califórnia — sempre diz: "Eu não me casei com minha
esposa para nos comunicarmos através de e-mails. E também não me
casei com ela para conversarmos ao telefone. Casei-me com ela porque
queria estar com ela. Gosto de sua companhia. Não me interessa contar
às pessoas sobre a teologia de minha esposa, ou explicar que ela existe,
ou dizer o quanto creio nela. Eu simplesmente gosto que ela esteja
comigo. Amo a sua presença.".
De uma forma semelhante, Deus colocou em nossos corações
um desejo por mais dEle. Não preciso necessariamente de um
entendimento teológico melhor do Senhor. Você precisa experimentar a
verdadeira e íntima Presença do Deus vivo. Isso irá mudar sua vida
radicalmente.
A Presença de Deus está disponível para cada filho do Rei.
Baseado nessa verdade, nosso Salvador faz uma promessa maravilhosa,
em João 14:21 (destaque do autor), sobre como Deus se revela ou se
manifesta através de uma vida de obediência a Ele. "Aquele que tem os
meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me
ama será amado de meu Pai, e eu (também) o amarei, e me
manifestarei (revelarei) a ele (farei com que me veja claramente,
serei real para ele)".
O Senhor Jesus prometeu revelar-se àqueles que são obedientes.
Na verdade, dois outros versículos — João 14:15 e João 14:23 —
confirmam que Deus espera um nível de obediência específico de Seus
filhos.

"Se me amais, guardai os meus mandamentos" (João


14:15).

"Jesus respondeu, e disse-lhe: Se alguém me ama,


guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos
para ele, e faremos nele morada" (João 14:23).

Quando Jesus diz a mesma coisa três vezes em oito versículos


da Bíblia (versículos 15-23), acho importante prestarmos atenção. Creio
que Ele quer que nós entendamos a mensagem sobre obediência.
Se eu perguntasse a uma típica congregação se amam a Jesus,
todos diriam "sim". Mas Jesus diz: se você me ama, fará o que digo. A
demonstração de amor é obediência; e a obediência tem a capacidade de
fazer com que você viva de uma forma diferente aos olhos do mundo.
Devemos ser um povo peculiar — e a obediência a Deus separará você
do resto da multidão.
Pouco tempo atrás, Kathi e eu estávamos tentando ajudar uma
mulher com sérios problemas em sua vida. Uma noite, tivemos de
entrar em um bar e levá-la para casa. "Ah, você sabe," ela disse
embriagada, "eu amo Jesus.".
Porém, Jesus deixa essa questão bem clara: se você Me ama, irá
Me obedecer!
Ser obediente é a melhor maneira de dizer a Jesus que O
amamos de verdade. No versículo 21, Ele promete ser claramente visto
por aqueles que obedecem. As pessoas obedientes terão um
relacionamento de primeira mão com o Deus vivo.
Você já experimentou a realidade de Deus em sua vida? Quer
que Deus se torne mais real para você? Como tudo isso acontece? Na
minha própria vida sei que dei uma grande virada quando
simplesmente tirei meus sapatos e pisei num chão sujo de uma igreja
brasileira, em junho de 2002. Nunca mais fui o mesmo desde aquele ato
de obediência ao Senhor.
No entanto, Deus requer obediência nas pequenas coisas antes
de confiar coisas maiores a nós. Hoje, Ele me entregou um ministério
onde O vejo abrir olhos cegos, surdos serem curados, cânceres caírem,
tumores desaparecerem e pessoas saírem de cadeiras de roda.
Obediência a Deus é uma das chaves que abriu minha vida para
ver o Livro de Atos se repetir pelo mundo afora. E estou convencido de
que nunca teria acontecido sem um nível maior de obediência.

Uma Palavra do Céu


Em dezembro de 2002, durante um culto em João Pessoa, um
dos membros de nossa equipe — Rick Sodmont, do Estado da
Pensilvânia, EUA — veio até a plataforma para entregar uma palavra de
conhecimento. Quando se achegou ao microfone, o poder de Deus se
moveu naquele lugar de um modo impressionante.
Rick nem chegou a entregar a palavra. Em vez disso, caiu no
chão sob o poder do Senhor e ficou ali durante quase uma hora.
Quando finalmente se levantou, tremia e chacoalhava. Na verdade, por
um momento cheguei a pensar que era a plataforma que estava
vibrando; mas era o Senhor operando em sua vida.
Quando fui falar com ele, mais tarde, disse que havia sido levado
até a Presença do Senhor. Lá, duas grandes correntes que prendiam um
baú repleto de lixo às suas costas foram cortadas por uma espada. "O
Senhor cortou as correntes dos meus ombros com uma espada e o baú
caiu das minhas costas", explicou Rick. "Senti um alívio tremendo do
peso e do jugo que havia carregado a vida inteira."
Então, dois anjos lavaram toda sujeira e vestígios que ficaram
em suas costas com uma cachoeira de rios de águas. Foi, então, levado
à Presença de Deus, novamente. O Senhor disse a ele para voltar para a
Terra e trazer uma mensagem. Aqui está uma parte da mensagem:
"Esta é a mensagem que quero que entregue ao Meu povo. Diga
a eles para que acordem. Diga a eles para que acordem, porque muitos
em minha igreja estão dormindo. Há muitos que reproduzem os
movimentos, mas poucos entram na intimidade e num relacionamento
Comigo. O que desejo, acima de tudo, é ter um relacionamento
íntimo com cada um de vocês. Através dessa intimidade, lhes darei
poder e os enviarei para alcançar aqueles que precisam de Jesus
Cristo. Quanto mais rápido entrarem nesse relacionamento, mais
rápido receberão poder e serão enviados. Quanto mais rápido fizerem
isso, mais rápido o mundo será vencido e então virei e os levarei para
casa. Para aqueles que escolherem entrar nessa intimidade agora, virei
e terei comunhão com eles e serei íntimo deles. Essa é a mensagem
para o Meu povo: que eles entrem na intimidade por meio do
relacionamento..." (destaque do autor).
Essa é uma mensagem vinda diretamente do Pai Celestial. Deus
quer intimidade conosco. Ele ama a nossa presença. Sua prioridade é
ter intimidade conosco e o produto dessa intimidade é poder. Repare
que é uma escolha que fazemos para entrar nessa intimidade. "Chegai-
vos a Deus, e ele se chegará a vós..." (Tiago 4:8).
Note, também, que somos nós quem damos o primeiro passo!
Quão dispostos estamos a buscá-Lo? Ouço as pessoas dizerem
que oraram e nada aconteceu. Mas muitas vezes, é uma tentativa fraca.
Alguns procuram resultados instantâneos e quando isso não acontece,
desistem. Podemos não obter resultados instantâneos, mas encorajo-o a
ser diligente em sua busca pelo Deus vivo e a tornar-se íntimo dEle.

Elias & Eliseu


Em 2 Reis 2:9, Eliseu queria uma porção dobrada da unção de
seu mentor, Elias. A reação de Elias a esse desejo foi: "...Coisa difícil
pediste; se me vires quando for tomado de ti, assim se te fará, porém, se
não, não se fará" (versículo 10).
O que Eliseu fez?
Nunca perdia Elias de vista. Se o profeta ia de Gilgal a Bethel,
Eliseu estava ao seu lado. Se viajasse a Jerico, ou até o Rio Jordão,
Eliseu estava por perto. Ele estava determinado a conseguir aquela
porção dobrada para sua vida. Grudou como chiclete no sapato de
Elias!
O resultado da perseguição àquela porção dobrada é claro, de
acordo com 2 Reis 2:15. "Vendo-o, pois, os filhos dos profetas que
estavam defronte em Jericó, disseram: O espírito de Elias repousa sobre
Eliseu. E vieram-lhe ao encontro, e se prostraram diante dele em terra..."
Se verdadeiramente queremos o bom e o melhor de Deus para
nossas vidas, devemos estar dispostos a fazer sacrifícios para que
recebamos. Não há dúvidas de que Eliseu só experimentou a unção de
Elias porque estava disposto a pagar um preço para recebê-la. Os
exemplos da Palavra são muito claros com relação a isso. Nunca
receberemos algo sem sacrifício ou sem disposição para se pagar o
preço necessário.
Jacó & o Anjo
Em Gênesis 32, vemos Jacó lutando com o anjo. O anjo do
Senhor estava ficando cansado daquela luta, mas Jacó não o soltava.
"... Não te deixarei ir, se não me abençoares", declarou Jacó (versículo
26).
Resumindo, Jacó estava dizendo: "Não aceito nada além da mais
pura benção de Deus". Estava determinado e lutou a noite inteira.
Jacó mostrou que estava disposto a lutar com Deus em um
momento de necessidade extrema em sua vida. O resultado foi uma
benção que incluía, até mesmo, uma mudança de nome. O anjo de
Deus anunciou: "Não te chamarás mais Jacó, mas Israel; pois como
príncipe lutaste com Deus e com os homens, e prevaleceste" (versículo
28).
O nome de Jacó significava "Usurpador", mas agora seria
chamado Israel, o que significa "Príncipe com Deus" ou "Ele luta com
Deus" ou "Que Deus Persevere". Mais tarde, Oséias 12:2-6 aponta Jacó
como um exemplo a ser seguido por aqueles que estão em meio a uma
dificuldade ou que precisam de uma mudança de caráter.
Gênesis 32:30 nos diz:"E chamou Jacó o nome daquele lugar
Peniel, porque dizia: Tenho visto a Deus face a face, e a minha alma foi
salva."
Jacó buscou com todas as suas forças e encontrou a face de
Deus. Não tinha intenção de desistir. A luta produziu algo celestial nele.
Sua vida nunca mais foi a mesma após o encontro com o anjo de
Senhor. Descobriu que era mais forte do que pensava. Foi
transformado.

Jesus & os Discípulos


Em Marcos 6:45-52, os discípulos estão em seu barco no meio
do mar e, de repente, começa uma ventania. Onde está Jesus? Está no
alto das montanhas orando, mas não está na escuridão. Ele vê os
discípulos e sabe exatamente o que está acontecendo. No versículo 48
(destaque do autor), descobri recentemente uma parte da passagem que
nunca havia visto antes:

E vendo que se fatigavam a remar, porque o vento lhes


era contrário, perto da quarta vigília da noite aproximou-se
deles, andando sobre o mar, e queria passar-lhes adiante.

Sua intenção era passar por eles. Não era ajudá-los. Por que
isso? Ele queria que clamassem por Sua ajuda; queria que O
buscassem.
Mas quando clamaram por Jesus, tudo mudou. "...Mas logo falou
com eles, e disse-lhes: Tende bom ânimo; sou eu, não temais. E subiu
para o barco, para estar com eles, e o vento se aquietou; e entre si
ficaram muito assombrados e maravilhados" (versículos 50-51).
Quando já tentamos de tudo e usamos todos os nossos recursos
normais, finalmente nos rendemos e clamamos a Ele. Jesus estava bem
ali, ao lado do barco, e continuaria andando se não tivessem chamado
por Ele.
O mesmo acontece conosco a cada dia. Jesus está bem ali
esperando que nós clamemos por mais dEle. Deus quer que busquemos
a Sua face de todo nosso coração — entregando-nos por completo.
2 Crônicas 16:9 nos conta algo importante sobre como Deus está
nos procurando: "Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por
toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é
totalmente dele...".
Por que Deus está fazendo isso? Qual o seu propósito?
Deus está procurando pessoas cujos corações pertençam
somente a Ele. Está passando pela Terra. O texto dá a entender que não
há muitas pessoas cujos corações são completamente dEle. Ele está
buscando, procurando por todos os lados. Está procurando pessoas a
quem Ele possa abençoar e ajudar. Está procurando pessoas que
anseiam ter intimidade com Ele e estejam dispostas a abandonar tudo.
Davi faz um pedido solene em Salmos 86:11, "Ensina-me,
SENHOR, o teu caminho, e andarei na tua verdade; une o meu coração ao
temor do teu nome".
Um coração dividido, sem temor do nome do Senhor, pode nos
afastar da Presença de Deus. Parece que muitos querem deixar um pé
no mundo e outro pé na igreja. Isso não funciona, porque têm um
coração dividido.
Você deve se entregar por completo. É um chamado para que
você se entregue cem por cento a Ele. É o mesmo que dizer para o
Senhor: "Quero tudo o que Tu tens. Pagarei o preço que for. Quero ter
intimidade Contigo!".

Um Obstáculo contra a Intimidade


Recentemente, recebi um e-mail de uma amiga sobre um
obstáculo que a impedia de ter intimidade com o Senhor. Percebeu o
problema quando houve uma separação entre ela e sua melhor amiga.
"Tenho meus momentos em que peço ao Senhor para sondar
meu coração e ver se há algum caminho mau em mim; peço para que
me dê um coração fiel a Ele e que tenha temor do Seu nome..."
"O Senhor tem sido fiel em honrar o meu pedido, mas estava
totalmente despreparada para o que iria me mostrar desta vez."
"Estava me sentindo rejeitada e abandonada por causa da
separação que estava acontecendo com uma de minhas maiores
amizades. Queria marcar um gabinete pastoral, mas, depois de ligar
diversas vezes, fiquei sabendo que não havia disponibilidade de horário.
Liguei para alguns amigos que realmente ouviam a voz de Deus, mas
não estavam em casa. Parecia que Deus tinha afastado toda influência
humana de mim para que eu dependesse somente dEle."
"Naquela noite, comecei a ler um livro no qual havia uma parte
voltada à co-dependência. Foi então que o Espírito Santo me convenceu
a buscar ser um reflexo de Deus na vida dessa outra pessoa, a auxiliá-
la como Jesus o faria. Também me convenceu de outros pecados que
havia cometido. Contudo, sabia que Deus não pararia por aí."
"Num momento de quietude com o Senhor, senti que Sua
Presença estava próxima. Então Ele começou: Várias vezes, você pediu
mais de Mim e mais do Meu poder em sua vida, mas nunca Me
perguntou por que ainda não recebeu nada disso'. Eu respondi: 'Não,
Senhor. Nunca perguntei. Por que nunca recebi?'".
"Ele disse, então, amavelmente, 'porque não havia vaga no hotel.
Você permitiu que essa amizade tomasse o Meu lugar em seu coração.
Por essa razão causei tudo isso; para lhe mostrar que estou com ciúme
de você. Quero todo o seu coração, um coração que não esteja dividido,
para que você Me conheça'."
Esse e-mail de minha amiga vem de encontro àquilo que está no
coração de Deus, expressando o que Ele quer de cada um de nós — um
coração que não esteja dividido. Devemos buscar e ter mais de Deus em
nossas vidas para que possamos conhecê-Lo intimamente.
Davi entendeu e reconheceu o valor e os méritos de um coração
fiel em Salmos 27:8 (destaque do autor), "Quando tu disseste: Buscai o
meu rosto; o meu coração disse a ti: O teu rosto, SENHOR, buscarei".
Seu rosto está ali para ser "caçado". Quando o Senhor diz
"buscai o meu rosto", temos uma escolha importante a fazer. Nosso
coração quer buscá-Lo; porém, nossa carne irá se opor contra nós de
inúmeras formas. Nosso coração está clamando "sim"; nossa carne está
gritando "não". Infelizmente, nossa carne vence na maioria das vezes.
Davi entendeu que a resposta apropriada para o comando de Deus era
simplesmente seguir o clamor de seu coração.
Este desejo de buscar a face de Deus foi colocado em cada um
de nossos corações. Nosso homem natural e carnal resiste, porque
perderá sua influência em nossas vidas. Todo tipo de obstáculo e de
distração surgirá no meio do caminho. Mas é importante que sigamos
nosso coração e busquemos a face de Deus, rendendo-nos ao desejo
que Deus colocou dentro de nós.
Jamie Buckingham, certa vez, escreveu: "No fundo, todos nós
parecemos saber intuitivamente que, enquanto não nos desligarmos de
tudo aquilo que consideramos necessário para o nosso conforto, não
veremos Deus face a face. Somente em tempos e lugares de isolamento
as pessoas têm um confronto espiritual genuíno.".
"Talvez seja por isso que temamos a solidão. No momento em
que estamos sós, sem pessoas para conversar, livros para ler, televisão
para assistir ou telefonemas para fazer, um caos interno é gerado
dentro de nós, ameaçando nos engolir como navios pegos por um
redemoinho gigante. Portanto, fazemos de tudo para não ficarmos
sozinhos..."

Outros Obstáculos
Há uma imagem de Jesus e Sua igreja em Cantares de Salomão
2:8-9 usando um exemplo da noiva e do noivo. Ouça o coração de Deus
falando através destes versos:

Esta é a voz do meu amado; ei-lo aí, que já vem


saltando sobre os montes, pulando sobre os outeiros. O
meu amado é semelhante ao gamo, ou ao filho do veado;
eis que está detrás da nossa parede, olhando pelas
janelas, espreitando pelas grades.

O noivo — que é Jesus nessa história— quer entrar, mas está


atrás da NOSSA PAREDE. A parede deve vir abaixo se pretendemos
viver em Sua Presença.
Uma parede é qualquer coisa em sua vida que fica entre você e
Deus. Algumas paredes são construídas rapidamente, enquanto outras
são erguidas ao longo do tempo, conforme colocamos camada sobre
camada. Todas essas paredes são barreiras que não deixam o poder e a
Presença de Deus operar em nossas vidas. Nenhum de nós consegue
andar na vontade de Deus quando esses obstáculos obstruem a
passagem.
É óbvio que o pecado é uma parede, assim como as mágoas do
passado também são. Hebreus 12:1 deixa isso claro: "Portanto nós
também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de
testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos
rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta...".
Talvez você esteja até com raiva de Deus. Ele o decepcionou.
Abandonou você. Talvez sua oração não tenha sido respondida. Deus
não fez o que você pensava que iria fazer, no tempo que pensou que
faria. Talvez sua vida esteja bem diferente daquilo que havia planejado.
Não importa o problema, barreira ou parede; são todos gerados
para evitar que você experimente o melhor de Deus para sua vida.
Dois anos antes de nosso romper espiritual, Kathi e eu
decidimos nos limpar do lado de dentro. Do lado de fora, parecíamos
estar bem — o pastor quase perfeito e sua adorável família.
Mas do lado de dentro (e atrás das portas fechadas), era uma
história bem diferente. Problemas de controle, ambições, orgulho,
mágoas e feridas estavam todos escondidos nas sombras. Era tempo de
buscar em Deus um trabalhar profundo das "partes escondidas", onde
Jesus requer verdade e pureza.
A decisão de encarar essas questões escondidas — honesta e
diretamente — nos enviou a uma jornada que continua até hoje. Os
resultados têm sido limpeza e cura profundas de mágoas, feridas,
paradigmas, motivações e ambições. Como Mike Bickle diz, "Para que se
tenha intimidade com Deus, é preciso permitir que o lixo saia, para que
o amor de Deus possa entrar.".

Examine-se
Uma mulher veio pedir oração em um de nossos cultos. Ela
tinha uma longa lista de problemas a serem confrontados. "Não me
sinto próxima de Deus," disse, desanimada. "Não consigo vê-Lo, senti-
Lo ou ouvi-Lo. Parece que Ele não está em nenhum lugar em minha
vida."
"Está bem, vamos pensar um pouco," sugeri. "Quero que você
peça a Deus para lhe revelar quais são as barreiras em sua vida.". Dei a
ela algumas instruções e então orou.
Então, após uma longa pausa, começou a repetir uma lista de
"barreiras", conforme Deus ia revelando à mulher: abandono, rejeição e
mágoas de todos os tipos possíveis.
"Aquelas barreiras eram uma proteção para você", expliquei.
"Elas se transformaram num amigo que, aparentemente, lhe protegia e
não permitia que mais mágoas e dor surgissem."
Ela concordou. "Você está disposta a pedir a Jesus para que
cuide dessas barreiras e torne-se a verdadeira muralha de proteção
para você?", perguntei.
Pensou por um instante e, lentamente, disse "sim". Repetiu uma
oração comigo e esperamos um pouco; até que as lágrimas começaram
a cair.
"O que está acontecendo?", perguntei.
"Jesus está pondo as barreiras abaixo", respondeu. "Ele está
destruindo-as. Elas estão caindo".
Neste momento, já estava chorando muito. "O que está
acontecendo, agora?", perguntei.
"Jesus está vindo até mim",respondeu,"e está dizendo que me
ama... Está me pegando e me abraçando...".
Em questão de minutos, ela foi de um estado em que "não estava
próxima de Deus" para um estado em que via, ouvia e sentia Sua
Presença.
A mulher foi completamente liberta, quando Jesus removeu as
barreiras. Os muros e obstáculos caíram quando oramos juntos.
Quando as obstruções em nossas vidas — não importa quais sejam —
são removidas, creio que a intimidade com Deus vem.

Salmos 46:10
Salmos 46:10 dá-nos uma exortação maravilhosa". Aquietai-vos,
e sabei que eu sou Deus..."
Muitas vezes, é extremamente difícil ficarmos "quietos", mas é
bem mais fácil quando as barreiras são removidas e não há nada
impedindo a Presença de Deus.
A expressão "aquietai-vos" significa literalmente parar de lutar.
Significa parar e relaxar. Significa abaixar o volume do mundo e ouvir o
leve sussurrar de Deus. É ficar parado e adentrar um lugar de
descanso. É entrar em Seu descanso e mergulharmos em Sua Presença.
O resultado é que você saberá que Ele é Deus.
A palavra "saber" é literalmente um conhecimento adquirido por
meio de uma experiência com Deus. Não é parar e aprender a respeito
de Deus. É parar e ter uma experiência com Deus para conhecê-Lo.
Você terá uma experiência com Deus. Conhecerá a Presença de Deus.
O Deus vivo opera de dentro para fora. Trabalha o nosso
coração, primeiro. Normalmente, queremos que Ele mude nossas
circunstâncias, todas as coisas do lado de fora que sempre
enfrentamos. Quando nosso coração pertence completamente a Ele, as
coisas começam a mudar externamente.
Quando Seu reino é estabelecido em nossas vidas, enxergamos
nossas circunstâncias de um ponto de vista totalmente diferente.
Quando ficamos "quietos" em meio às circunstâncias, reconhecemos a
mão de Deus ao nosso redor.
A intimidade começa quando buscamos a Ele, não importa quais
sejam as circunstâncias. Ele realmente quer que cheguemos ao nosso
limite — e ao limite das nossas circunstâncias — e que não tenhamos
nenhum outro lugar para ir, além dEle. A intimidade, com certeza, virá
em seguida.

O 'Clube da Marta'
Lucas 10:38-42 nos dá um exemplo maravilhoso através das
irmãs de Lázaro, Maria e Marta, a respeito do valor da verdadeira
intimidade com Deus. As irmãs moravam em Betânia, uma aldeia a uns
três quilômetros a oeste de Jerusalém. Parece-me que Marta é a mais
velha, porque, no versículo 38, recebe Jesus "em sua casa".
"E aconteceu que, indo eles de caminho, entrou Jesus
numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu
em sua casa; E tinha esta uma irmã chamada Maria, a
qual, assentando-se também aos pés de Jesus, ouvia a
sua palavra. Marta, porém, andava distraída em muitos
serviços; e, aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá
de que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe que me
ajude. E respondendo Jesus, disse-lhe: Marta, Marta,
estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só
é necessária; E Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe
será tirada".

Eu era um membro oficial do "clube da Marta". Passava o dia


inteiro e metade da noite ocupado, apenas trabalhando para o Senhor.
Mas não tinha tempo para ficar sozinho em Sua Presença. A "unção de
Marta" me controlava.
Fazia todas as coisas que devemos fazer — ler a Bíblia, orar,
interceder pelos outros. Mas não separava um tempo de qualidade para
buscar Sua face e entrar em Sua Presença todos os dias.
Maria escolheu a melhor parte: sentar-se aos pés de Jesus. Esse
é o melhor lugar para todos nós. Então, eu disse ao Senhor, "Estou
trocando de clube. Quero apenas me sentar aos Seus pés e aprender
com o Senhor." Entrei no "clube da Maria" e tomei posse da "unção de
Maria".
Quero desafiá-lo a separar um tempo do dia — como sua maior
prioridade — para buscar a face de Deus e ficar ali até sentir Sua
Presença manifesta. Esse não deve ser um tempo de intercessão; não é
hora de buscar Suas mãos ("Deus dê-me isso" ou "Deus dê-me aquilo").
É um tempo para buscar Sua face, Sua Presença manifesta.
As pessoas descrevem Sua Presença manifesta de maneiras
diferentes. Para alguns, é calor, eletricidade e tremor. Para outros, é luz,
paz ou choro.
Não importa o que a Presença de Deus significa para você;
encorajo-o a experimentar aquele lugar em Deus, todos os dias. Isso
transformará sua vida. Essa busca tornou-se a maior prioridade de
minha vida. Anseio por Sua Presença. Quanto mais tenho, mais quero.
Tenho, inclusive, ciúme da Sua Presença.

Um Pedido de Intimidade
Sempre me perguntam, "O que você faz quando busca a
Presença do Senhor?" Não há uma fórmula. Em minha vida, uma vez é
diferente da outra, mas os componentes básicos são os seguintes:
Entro num cômodo privativo, tranco a porta e me prostro diante
do Senhor. Não importa se você estiver sentado ou deitado. O mais
importante é a atitude no seu coração.
Em seguida, me arrependo de qualquer pecado que possa ter
cometido e recebo o perdão de Deus.
Em terceiro lugar, adoro ao Senhor em minha língua nativa (no
caso, o inglês) e na língua do Espírito Santo.
Em quarto lugar, faço a oração vital de Romanos 6:13, que
transformou minha vida. (Ver capítulo 7, por favor).
Então, começo a trazer à memória experiências que tive com o
Senhor, (por exemplo, curas, milagres, provisão), manifestando-Se de
formas tão incríveis. Reviver esses momentos gera uma expectativa
maior, porque sinto novamente o que é possível acontecer em meio à
Sua Presença.
Digo ao Senhor: "Deus, quero mais de Ti... Mais de Ti... Mais da
Tua Presença, mais da Tua Plenitude em minha vida. Enche-me com
mais de Ti..." Chego a repetir essa frase várias vezes, enquanto espero
no Senhor e coloco meu foco nEle. Então, permaneço em silêncio; é aí
que começo a ouvir Sua voz. Muitas vezes, começo a ter visões e
experiências sobrenaturais.
A chave é aprender a esperar longe de tudo e todos. Não se pode
dar maior ênfase à importância de esperar no Senhor até que se
experimente Sua Presença manifesta diariamente. Não saio daquele
cômodo privativo sem ter sentido Sua Presença.
Se você deseja andar em um novo nível de intimidade com o
Senhor, convido-o, então, a fazer esta oração em voz alta diariamente:

"Senhor Jesus, venho agora através de Seu santo Nome... una


meu coração para temê-Lo e conhecer Sua Presença. Senhor, eu quero
ter uma intimidade muito maior Contigo acima de todas as coisas.
Convido Sua Presença para governar e reinar em minha vida, para que
Tu sejas glorificado."
Capítulo 7

A ORAÇÃO DE ROMANOS 6:13

"Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que


apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e
agradável a Deus, que é o vosso culto racional."
- Romanos 12:1

Na introdução de seu importante livro Power, Holiness and


Evangelism ("Poder, Santidade e Evangelismo"), Randy Clark, que foi
pastor durante vários anos e viajou como um conferencista
internacional durante mais uns anos, destaca um problema evidente
nas vidas de muitos crentes. Ele escreve com entendimento
considerável:
"Sonhar com uma igreja que seja conhecida pela unidade, vidas
cheias de poder e santidade é sensato? Creio que sim...".
"Um dos primeiros obstáculos para que se alcance este sonho é
o fato da Igreja, como a conhecemos, não estar transformada; não estar
limpa e cheia de poder, e não ser vitoriosa. Não estar repleta de pessoas
curadas, libertas, transformadas, que buscam santidade. Pelo
contrário, está cheia de guerreiros cansados e feridos. Muitos de nós em
nossas igrejas — não só os líderes, como os membros, também —
carregamos o peso de pecados passados não confessados e enterrados,
que não deveríamos carregar. Muitos de nós sofremos com feridas
emocionais não cicatrizadas que não nos deixam responder às situações
da maneira que o Espírito Santo gostaria que respondêssemos. Essas
feridas fazem com que respondamos, consciente ou inconscientemente,
sob influência da dor não sarada ou sob o controle da mesma. Muitos
de nós estamos presos a vícios impuros e impróprios, como fofoca, falar
mal pelas costas, desonestidade, pornografia, glutonaria, ataques de ira
ou ódio, práticas sexuais incontroláveis, TV, amargura sem fim e falta
de perdão. Muitas pessoas, inclusive líderes da Igreja, vivem em uma
realidade carnal por serem "dodóizinhas", ofendidas com facilidade,
controladoras, manipuladoras, gananciosas e orgulhosas. Muitos
buscam status e a aprovação de homens."
"O resultado é que nosso testemunho está sendo prejudicado —
seja pela avaliação negativa daqueles que estão fora da Igreja — ou pelo
fato de não conseguirmos declarar o poder de Deus para limpar, curar e
entregar a vitória, porque nossas próprias vidas não são limpas,
curadas e vitoriosas."
"Será que era isso que Deus queria? Será que esta é a Igreja
capaz de invadir o inferno? Tenho certeza de que Deus quer que seus
filhos e filhas sejam vitoriosos, limpos, cheios de poder, honrando
verdadeiramente a Ele e refletindo a vida de Seu Filho. Talvez não
sejamos perfeitos durante o tempo em que estivermos na Terra, mas Ele
nos atrai para que andemos nessa direção. Pede-nos para que 'deixemos
todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia' (Hebreus 12:1)."
Qualquer um que já tenha pastoreado uma igreja conhece a
complexidade do problema descrito por Randy Clark. Após pastorear
durante mais de trinta anos, vi em minha igreja local, em primeira mão,
o problema que ele descreveu de uma forma tão vivida. Porém, também
cheguei a ver — em minha vida pessoal — que pelo menos parte da
solução seria uma aplicação apropriada das verdades encontradas em
Romanos 6:13.
No mesmo dia em que Davi Silva orou por mim e minha vida
mudou radicalmente, Mike Shea me apresentou à verdade libertadora
de Romanos 6:13.

Nem tampouco apresenteis os vossos membros ao


pecado por instrumentos de iniqüidade; mas apresentai-
vos a Deus, como vivos dentre mortos, e os vossos
membros a Deus, como instrumentos de justiça.

Entendendo Romanos 6:13


Para experimentar o poder libertador de Romanos 6:13, vamos
começar nosso estudo com uma recapitulação de Romanos 6:11-12.

Assim também vós considerai-vos como mortos para o


pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus nosso
Senhor.
Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal,
para lhe obedecerdes em suas concupiscências;

Pensando na necessidade de estar morto para o pecado, o


apóstolo Paulo disse "... cada dia morro." (1 Coríntios 15:31). Sobre o
que ele está falando? Morria fisicamente todos os dias?
Está falando sobre morte, sim, mas é a morte para o pecado,
para os desejos egoístas e para os seus próprios planos. Está falando
sobre morrer para os caminhos do mundo e deixar de cair nas
armadilhas do inimigo que tentam nos arrancar do centro da vontade
de Deus.
Como será que este homem ungido de Deus poderia fazer tal
afirmação? O que ele queria dizer? Li as palavras de Paulo muitas vezes
do ponto de vista das minhas experiências. Creio que as palavras "cada
dia morro" era sua forma de dizer "não" à carne e aos desejos carnais de
sua natureza humana. Estava optando por viver no reino do Espírito,
em vez de viver na carne.
Quando você começa a seguir a exortação de Romanos 6:13,
terá, na realidade, um funeral todos os dias. Há uma separação entre a
carne e o espírito. A carne é enterrada e o espírito vai direto para a
Presença de Deus.
O apóstolo Paulo revela que deixar o corpo significa "habitar com
o Senhor", (2 Coríntios 5:8). Em Sua Presença, podemos vê-Lo e ouvi-Lo.
Podemos andar e conversar com Ele. Podemos tocá-Lo de verdade.
Quando conseguimos morrer diariamente, nos tornamos vivos
na Presença de Jesus Cristo. Após aquele dia em que recebi o primeiro
toque do Senhor, em Volta Redonda, morri; e venho morrendo desde
então. Descobri que não há somente uma experiência. É um processo
contínuo. Descobri que, como Heidi Baker diz, "Deus quer nos matar",
para nos dar a verdadeira vida... a Sua vida. A única maneira de se
viver de verdade é abrindo mão do controle... morrer para os nossos
planos.
Colossenses 3:5 considera esse mesmo tema, afirmando:
"Mortificai, pois, os vossos membros, que estão sobre a terra: a
prostituição, a impureza, a afeição desordenada, a vã concupiscência, e a
avareza, que é idolatria."
Provérbios 6:16-19 (destaque do autor] amplifica nosso
entendimento a respeito desta natureza sensual humana.
Consideremos o trecho a seguir, pensando em nosso funeral planejado'.

Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua


alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que
derramam sangue inocente, o coração que maquina
pensamentos perversos, pés que se apressam a correr
para o mal, a testemunha falsa que profere mentiras, e o
que semeia contendas entre irmãos.

Veja sobre o que estamos falando: olhos, boca, mãos, coração e


pés. Se, diariamente, gastamos tempo servindo aos nossos cinco
sentidos naturais, nunca alcançaremos êxito no plano de Deus para
nossas vidas. Todos nós podemos mudar de modo radical, quando esses
sentidos são entregues ao Senhor. Assim, Ele será nosso foco e nossos
sentidos estarão abertos para receber dEle.

Orando Romanos 6:13


Gostaria de separar os próximos momentos, agora, para permitir
que cada um de nós se acerte com Deus, porque Deus quer acertar
algumas coisas em nós. Vamos nos concentrar para entregarmos os
membros de nossos corpos como instrumentos de justiça e santidade, e
não de pecado.
Por favor, entenda que a simples repetição destas palavras não
trará a libertação e a liberdade que Deus quer que você tenha. Por
favor, ore com todo o seu coração conforme for entregando seus cinco
sentidos ao Senhor.

Oração Pelos Nossos Olhos


O Senhor fala sobre um povo que tem olhos para ver, mas não
vê (Ezequiel 12:2). Vivi a maior parte da minha vida nessa condição.
Simplesmente não entendia, não via o que Deus estava fazendo,
justamente o oposto do que Jesus diz sobre Si. Eu não enxergava o
reino do Espírito.
1 João 2:16 nos alerta sobre a "concupiscência dos olhos". Isso
remete a olhos que vagam ou olhos que são atraídos para todos os tipos
de prazeres sensuais. Ninguém pode obter sucesso em uma dimensão
espiritual com olhos cheios de concupiscência.
Para o que estamos olhando? Onde está o foco de nossos olhos?
Em João 5:19, Jesus disse "Na verdade, na verdade vos digo que
o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o
Pai; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente."
Jesus estava tão ligado ao Pai que via exatamente o que Ele
estava fazendo. Não via com os olhos naturais. Via com os olhos do
Espírito.
Façamos o mesmo...
Quero que entregue seus olhos ao Senhor. Diga a Ele que você
quer ver com Seus olhos. (Para aqueles envolvidos com qualquer tipo de
pornografia — seja através da internet, revistas ou filmes — permita
que o Espírito Santo fale com você, agora).
Diga a Ele que você quer ver o que Ele está fazendo na Terra...
Ter a Sua perspectiva das coisas...
Que você quer contemplar Sua beleza...
Que Ele abra os olhos do seu espírito para que você O veja, em
vez de focar as coisas do mundo.
"Entrego meus olhos a Ti, agora, Senhor."

Oração Pelos Nossos Ouvidos


Ezequiel 12:2 descreve um povo rebelde que tem "ouvidos para
ouvir e não ouve". Essa poderia ser a imagem de alguns de nós na igreja,
no domingo passado — aqueles que estavam dormindo, aqueles que
estavam entediados ou aqueles que não viam a hora de voltar para casa
para fazer alguma coisa.
Parece que o mundo está repleto de barulho e distrações nos
puxando para mil direções diferentes. O telefone, a televisão, o rádio, o
fax, os e-mails — todos estão nos chamando.
O problema surge quando Deus tenta falar conosco e não
conseguimos filtrar todo esse barulho para ouvirmos o som dos céus.
2Timóteo 4:3-4 fala sobre um tempo em que as pessoas "não suportarão
a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos (...) desviarão os ouvidos
da verdade..."
A Verdade tem o poder de libertá-lo dos problemas da vida e
trazê-lo até a graça e a bênção de Deus. Logo, ouvir corretamente torna-
se uma necessidade vital.
Marcos 4:24 é um trecho importante da Palavra acerca do nosso
ouvir. "E disse-lhes: Atendei ao que ides ouvir. Com a medida com que
medirdes vos medirão a vós, e ser-vos-á ainda acrescentada a vós que
ouvis".
Quanto mais ouvimos certas coisas — boas ou más — mais elas
se tornam parte das nossas vidas. Se nos disciplinarmos para ouvirmos
a voz de Deus, essa atitude produzirá retidão, paz e alegria. Nada se
compara à direção divina na vida de uma pessoa, quando ela ouve ao
Senhor.
Neste momento, ofereça seus ouvidos a Ele...
Ouvimos tantas besteiras e, às vezes, gostamos de algumas
delas. Por isso, entregue a Ele seus ouvidos e diga, "Senhor, coloque um
filtro nos meus ouvidos para filtrar o barulho do mundo..."
"Senhor, que eu possa ouvir a Sua voz claramente e que possa
discernir tudo o que vier a escutar..."
"Senhor, entrego a Ti os meus ouvidos."

Oração Pela Nossa Boca


Tiago 3:5-12 chama atenção para o problema da língua; ouça as
palavras dos versículos 5 e 6,

Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-


se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um
pequeno fogo incendeia. A língua também é um fogo; como
mundo de iniqüidade, a língua está posta entre os nossos
membros, e contamina todo o corpo, e inflama o curso da
natureza, e é inflamada pelo inferno.

Nossa língua afeta o curso da nossa vida. Pense em tudo o que


sai das nossas bocas: palavras profanas, mentiras, "mentirinhas",
maldade, sarcasmo e palavras que machucam. Há, também, o espírito
crítico, que julga tudo. Quando esses tipos de palavras saem de nós, é
porque não estamos nos rendendo ao Espírito de Deus.
Tiago 3:9-10 descreve como podemos fazer duas coisas com
nossa língua, "Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela
amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma
boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se
faça assim."
Provérbios 18:21 é um dos versículos mais significantes da
Bíblia a respeito da língua "A morte e a vida estão no poder da língua; e
aquele que a ama comerá do seu fruto."
Provérbios 6:2 complementa o versículo acima. "E te deixaste
enredar pelas próprias palavras; e te prendeste nas palavras da tua
boca."
Agora, entregue sua boca a Ele...
A culpa é nossa, quando dizemos muitas tolices. Então, renda
sua boca a Ele e diga, "Senhor, quero falar as Suas palavras...".
"Quero que minha língua seja um instrumento de retidão em
nome de Jesus..."
"Entrego minha boca a Ti, minha língua, meus lábios..."
"Quero falar aquilo que ouvir o Espírito dizer."

Oração Pelo Nosso Nariz


2 Coríntios 2:15 relata algo especial a nosso respeito." Porque
para Deus somos o bom perfume de Cristo, nos que se salvam e nos
que se perdem."
Que condição especial Deus nos deu de literalmente ter "a
fragrância de Cristo" em nós! Há, entretanto, aqueles que liberam
cheiros que não são santos nas vidas das pessoas. Alguns estão
farejando coisas impuras e sentem prazer nisso.
Repita: "Deus, entrego meu nariz a Ti...".
"Quero ser tão íntimo Seu... tão próximo de Ti... que possa
exalar a Sua doce fragrância, o Seu perfume."
"Senhor, estou cansado de cheirar o fedor deste mundo. Quero
sentir o cheiro do incenso perfumado que está no trono de Deus..."
"Pai, essa parte do meu corpo pode parecer insignificante para
alguns, mas eu coloco-a em Suas mãos..."
"Senhor, entrego meu nariz a Ti."
Oração Pelas Nossas Mãos
O apóstolo Paulo lança um desafio para o povo de Deus, em
2Coríntios 6:17, quando une os pensamentos de Isaías 52:11 a 2
Samuel 7:14, expressando o desejo de Deus em ter um relacionamento
amoroso e exclusivo com Seu povo.

"Por isso saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor;


E não toqueis nada imundo, E eu vos receberei".

Pare e pense sobre essa palavra. O que nossas mãos estão


tocando que é impuro? O que estamos fazendo com nossas mãos para
que não pertençam ao Senhor?
Vamos orar e entregar nossas mãos a Deus, não por causa do
pecado, mas porque queremos ser justificados...
"Deus, entrego minhas mãos a Ti para que sejam usadas a Seu
serviço..."
"Para alcançar os necessitados..."
"Que essas mãos sejam impostas sobre os enfermos e eles sejam
curados..."
"Senhor, entrego minhas mãos a Ti. Quero tocar somente o que
o Senhor estiver tocando."

Oração Pelos Nossos Pés


Provérbios 4:26-27 sugere que sejamos cautelosos com nossos
pés. "Pondera a vereda de teus pés, e todos os teus caminhos sejam
bem ordenados! Não declines nem para a direita nem para a esquerda;
retira o teu pé do mal."
Com que freqüência, achamo-nos andando em caminhos que
não temos direito algum de seguir? Muitos de nós aprendemos da pior
forma que nossos pés podem nos levar à direção errada.
Quando Isaías 52:7 e Romanos 10:15 falam sobre "quão
formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas",
creio que se referem àqueles que são completamente consagrados ao
Deus vivo. São pessoas que se entregaram ao Senhor sem reservas.
Vamos orar: "Deus, entrego meus pés a Ti...".
"Estou cansado de andar nos meus próprios caminhos e mudar
a direção o tempo todo..."
"Estou cansado desses desvios e de seguir os meus próprios
planos..."
"Senhor, peço que ordenes meus passos para que esteja no lugar
certo na hora certa, conforme a Tua vontade..."
"Irei onde quiseres que eu vá."
"Sua Palavra diz que os passos de um homem bom são
confirmados, ou seja, 'estabelecidos' pelo Senhor, e entrego meus pés a
Ti para que este versículo (Salmos 37:23) se cumpra em minha vida..."
"Quero andar nos Seus caminhos..."
"Quero estar no centro da Sua vontade... Quero seguir somente
a Ti... andar Contigo."
"Senhor, entrego meus pés a Ti."

Oração Pelo Nosso Coração


Provérbios 12:20 declara: "No coração dos que maquinam o mal
há engano...", e Mateus 15:8 fala sobre um povo que "me honra com os
seus lábios, mas o seu coração está longe de mim."
Após trinta anos a serviço do Senhor, tenho descoberto que
muitos em Sua igreja têm corações cheios de engano. Alguns carregam
amargura, ofensas e falta de perdão; tais fatores acabam controlando
sua conduta e moldando sua visão de vida.
Jesus mesmo chama essas pessoas de "hipócritas" (Mateus
15:7). Dizem algo com a boca, mas o coração não sente. Muitas pessoas
estão no engano. Seus corações estão num lugar totalmente diferente,
controlados por emoções e sentimentos internos que são indignos de
verdadeiros cristãos.
Deus quer que tenhamos um coração puro, cheio de amor e
compaixão. "Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles
verão a Deus" (Mateus 5:8, destaque do autor).
Como podemos dizer que temos o coração do Senhor, se
tratamos os outros com falsidade? Como podemos dizer que amamos
Seu corpo, se apenas repetimos frases prontas às quais não seguimos?
Ore o seguinte: "Senhor, entrego meu coração a Ti... meu
coração magoado, ferido e quebrado.".
"Peço que pegues meu coração de pedra, estas áreas do meu
coração que se endureceram contra pessoas e até mesmo contra Ti..."
"Arranque a dureza e me dê um coração cheio de compaixão..."
"Um coração cheio de amor..."
"Um coração puro e fiel..."
"Um coração voltado para os perdidos..."
"Um coração voltado para os necessitados e carentes..."
"Eu quero verdadeiramente conhecer o Seu coração, Senhor..."
"Entrego meu coração a Ti."

Oração Pela Nossa Mente


Agora a mente é o nosso foco. Nosso versículo-tema está em 2
Coríntios 11:3 (destaque do autor), "Mas temo que, assim como a
serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de
alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da
simplicidade que há em Cristo.".
Como as nossas mentes podem se desviar? A mente é o campo
de batalha. É lá que a batalha é vencida ou perdida durante as muitas
lutas que enfrentamos. Pensamentos e tentações chegam até nós
através da mente. Devemos aprender a lidar com esses desafios mentais
no momento em que aparecem. Colossenses 3:2 diz, "Pensai nas coisas
que são de cima, e não nas que são da terra.".
É extremamente necessário que pensemos no Senhor Jesus. É
importante termos disciplina e programarmos nossas mentes para que
pensem e meditem nas coisas de Deus, na Sua Palavra preciosa e ouvir
Seu direcionamento para as nossas vidas.
Romanos 8:5-6 nos encoraja com as seguintes palavras: "Porque
os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas
os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a
inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz."
Podemos escolher sobre o que pensar — se seguirmos a carne, o
resultado será a morte; se seguirmos o Espírito, o resultado será vida e
paz. A escolha é nossa!
Podemos aprender a levar cada pensamento cativo à obediência
a Cristo (2 Coríntios 10:5). Assim, poderemos desenvolver uma mente
renovada (Efésios 4:23).
Vamos parar por aqui e orar em voz alta:
"Entrego minha mente a Ti, Senhor..."
"Eu estou escolhendo, neste exato momento, pensar em Ti..."
"Senhor, que eu tenha a mente de Cristo operando em minha
vida..."
"uma mente renovada que possa começar a pensar como o
Senhor pensa..."
"Senhor, entrego minha mente a Ti."

Oração Por Todo o Nosso Ser


Declare estas palavras sobre a sua vida:
"Senhor, entrego minha pessoa como um todo — espírito, alma e
corpo..."
"Deus, entrego todo o meu ser a Ti..."
"Não reterei nada..."
"Tudo o que tenho é Seu..."
"Tudo o que sou é Seu..."
"Entrego tudo a Ti..."
"Entrego minha vida em Seu altar... "
"Rendo-me total e completamente a Ti..."
"Não a minha, mas a Sua vontade seja feita em minha vida ..."
"Quero mais de Ti em minha vida. Não aceito menos."
"Mais... é o clamor do meu coração..." "Senhor, entrego todo o
meu ser a Ti."

Uma Observação Pessoal


Encorajo você a fazer a oração de Romanos 6:13 diariamente e a
render os membros do seu corpo (seus cinco sentidos) a Deus.
Isso não é uma fórmula para adquirir status com Deus ou para
tornar-se mais "espiritual" do que os outros. Pelo contrário, é um
lembrete diário que estou optando por viver de acordo com o Espírito e
não de acordo com a carne. Opto por morrer todos os dias, como Paulo
disse.
Capítulo 8

ORAÇÃO DE TRANSFERÊNCIA DE UNÇÃO!

"Sei que a transferência de unção foi a experiência mais


importante de minha vida, gerando a maior parte dos
frutos de meu ministério. Já fui o receptor de uma
importante transferência e já fui usado em importantes
transferências. Pessoas já foram, literalmente, usadas
para impactar nações pelo Reino de Deus, através de dons
e unções recebidas nessas transferências de unção."
- Randy Clark

Kathi e eu já fizemos esta Oração de Transferência de Unção por


muitas pessoas em incontáveis reuniões em diversos continentes. Na
maioria das vezes, a oração é feita em massa, sem impormos as mãos
sobre ninguém.
Tenho recebido vários relatos de pessoas que tiveram seus olhos
abertos. Essas pessoas entraram em um nível completamente novo em
sua caminhada com o Senhor; resultado direto desta oração.
Quando esta oração foi declarada sobre o povo de Deus, muitos
tiveram seus olhos abertos para ver no Espírito. Mais revelações, visões
e sonhos também são comuns. Outros têm visto ministrações
angelicais. Alguns tiveram experiências fora do corpo e foram levados
até a Presença do Senhor. Às vezes, acontece rapidamente. Para outros,
acontece semanas mais tarde.
Ter os olhos abertos para o sobrenatural não é algo disponível
apenas para um grupo seleto. Não é só para aqueles dos cinco
ministérios — apóstolo, profeta, pastor, mestre e evangelista. É para
todo o Corpo de Cristo. Esta transferência vai fazer com que os filhos de
Deus dêem continuidade ao ministério que Ele colocou na vida de cada
um com maior eficiência.

A Oração
Talvez eu nunca vá a sua cidade, Estado ou nação, ministrar
você pessoalmente. Deus, no entanto, opera em uma dimensão
sobrenatural. Ele pode trazer uma transferência de unção para toda
pessoa que crer nesta mensagem e que O tem buscado de todo coração.
Agora que já fez a oração de Romanos 6:13, você está pronto
para esta Oração de Transferência. Encontre um lugar onde possa estar
sozinho, sem distrações. Relaxe, concentre-se no Senhor e neutralize-
se. Você está buscando a face de Deus, neste momento, não a Sua mão.
Conforme for fazendo a Oração de Transferência de unção,
espere ser tocado por Deus. Espere que o Espírito Santo se manifeste a
você. Receba esta oração lentamente e pare várias vezes para assimilá-
la:

"Pai, envie Seus anjos de transferência de unção; que


eles entrem neste local, agora, e liberem esta transferência
de unção..."
"Vem, Espírito Santo."
"Assim como Eliseu orou para que seu servo tivesse
seus olhos abertos em 2 Reis 6, eu oro 'Oh, Senhor, abra
os olhos dele/dela para que veja o mundo do Espírito...'"
"Que ele/ela veja a ministração angelical..."
"Que as escamas caiam de seus olhos..."
"Pai, abra seus olhos para que possa ver o que o Senhor
está fazendo..."
"Abra seus olhos para que ele/ela tenha a Sua
perspectiva..."
"Senhor, abra seus olhos para que ele/ela possa
receber maiores revelações..."
"Deus, peço que abra seus olhos para ver o reino
invisível... que não pode ser visto por olhos naturais..."
"Peço que os olhos do seu espírito sejam abertos e que
sua visão seja ampliada..."
"Que ele/ela tenha mais visões, mais sonhos, mais
revelações e mais encontros sobrenaturais Contigo..."
"Eu oro em Nome do Senhor Jesus Cristo. Amém."

Um Pedido
Por favor, conte-nos o que Deus começou a fazer em sua vida
baseado nessa Oração de Transferência de Unção. Acesse o site
www.casadedavi.com.br e envie o seu testemunho.
ORAÇÃO DE SALVAÇÃO

A decisão mais importante que você pode fazer na vida é receber


Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Você pode tomar esse passo
transformador fazendo a seguinte oração em voz alta:

Senhor Jesus, perdoe os meus pecados e me limpe das coisas


que têm me mantido preso. Entrego-me a Ti, neste dia. Entre no meu
coração e seja meu Senhor e Salvador. Creio que é o Filho de Deus e
que ressuscitou dos mortos. Obrigado por me dar uma nova vida como
filho de Deus.
Em Nome de Jesus, amém.

Caso tenha feito essa oração, por que você não aproveita e me
conta sobre a sua decisão?
SOBRE O CO-AUTOR

Robert Paul Lamb já obteve vários títulos durante os mais de 32


anos de ministério, dentre eles os de autor, pastor, evangelista, profeta,
pregador de evangelho e missionário para as nações. Todavia, é mais
conhecido pelos 35 livros (com uma média de quatro milhões de cópias
publicadas) escritos sobre as vidas de grandes homens e mulheres de
Deus.
Ele e Gary Oates são amigos e colegas de ministério há mais de
25 anos. Antes de se tornar um ministro em 1972, Robert passara a
maior parte de sua vida adulta trabalhando com relações públicas e
jornalismo. Hoje, vive com sua família no Estado da Geórgia, nos
Estados Unidos.

Interesses relacionados