Você está na página 1de 3

Psicologia das relações humanas.

RESENHA – SOBRE O ARTIGO INTELIGÊNCIA HUMANA: CONCEPÇÕES E


POSSIBILIDADES

Nome: Rafael Torre


Matricula: 201364027-5
Curso: Química
INTELIGÊNCIA HUMANA: CONCEPÇÕES E POSSIBILIDADES
Sobral, José Osvaldo, 16 páginas.

O artigo começa delimitando e dividindo o que o autor chama de dimensão


psicológica do ser humano. Entre alguns dos vetores q delimitam essa área de
estudo está a dimensão cognitiva, que abrange o processo e utilização do
conhecimento para algum fim na vida do ser humano. Posto que o autor
especifica que se aterá a esse vetor citado da personalidade humana, são
enumerados os seguintes tópicos para discussão, com o intuito de delimitar e
sintetizar o conhecimento sobre o assunto: desenvolvimento intelectual
humano; a inteligência como objeto de pesquisa da Psicologia; genialidade,
altas
habilidade, superdotação e talento; a Teoria das Inteligências Múltiplas e a
Teoria da Inteligência Emocional.

O Desenvolvimento Intelectual do Ser Humano

No primeiro tópico apresentado o autor apresenta algumas definições sobre


inteligência, alertando inclusive que não existe consenso acadêmico sobre o
tema, como ela se origina, suas relações com a consciência humana e como
ela é influenciada. Mas é enfatizado principalmente como o desenvolvimento
intelectual de uma pessoa pode atingir seu potencial aliando as influencias do
meio social, hereditariedade e objetivos definidos ao longo da vida por um
indivíduo.

A Inteligência como Objeto de Pesquisa da Psicologia

Este é o segundo tópico entre os quatro descritos pelo autor. Com o objetivo de
explicitar a evolução da discussão sobre inteligência e como mensurá-las
dentro da área de psicologia, o autor se atém a um tipo de corrente que
dominou a visão acadêmica durante muito tempo, a medição do intelecto pelo
QI. Porém deixando claro que à criticas a esse modelo, e que pessoas podem
e normalmente desenvolvem certo nível elevado de intelecto sobre algo em
detrimento de outros. Isso fará com que o autor possa voltar ao tema nos
tópicos seguintes para desenvolver as críticas a essa visão.

Genialidade, Altas habilidade, Superdotação e Talento

Reconhecendo e definindo as diferentes formas de inteligência superior a


média, neste tópico o autor caracteriza cada uma delas e deixa claro que este
grupo não é homogêneo e que não há apenas um perfil de inteligência,
começando dessa forma a introduzir o assunto à ser exposto no próximo
tópico.

A Teoria das Inteligências Múltiplas

Aqui o autor lista e define sucintamente os sete tipos de inteligência da teoria


elaborada por Howard Gardner, psicólogo norte-americano (musical, corporal-
sinestésica, numérica ou lógico-matemática, espacial, interpessoal e
intepessoal) e em que tipos de pessoas elas se manifestam com maior
preponderância, já que o autor deixa claro que todos os seres humanos tem
todas, porém em proporções diferentes em cada indivíduo. No final do texto, há
uma explicação do próprio criador acerca das inteligências interpessoal e
intrapessoal e o autor apresenta mais três tipos de inteligência, apresentadas
posteriormente a elaboração da teoria pelo meio acadêmico: Pictográfica,
existencialista e naturalista.

A Teoria da Inteligência Emocional

Neste último tópico o autor volta a discussão começada no segundo tópico e


apresenta um contra-ponto aos testes que dominam a área da psicologia para
a medição da inteligência de um ser humano, a teoria da inteligência emocional
e sua mensuração(QE), definindo as áreas de abrangência e considera que,
pelo indivíduo por ser um ser social e reflexivo, a inteligência emocional
abrange os principais processos cognitivos, já que estes se desenvolvem na
relação do indivíduo com o mundo externo em que vive. No final o artigo
apresenta duas inteligências as quais considera mais importantes como
influenciadoras da inteligência emocional: Inteligência social e inteligência
intrapessoal. Sendo que acredito que inteligência social deve abranger
inteligência interpessoal.

O autor descreveu a evolução do pensamento dentro das pesquisas em


psicologia sobre Inteligência humana, deixando um conflito claro, mas não
exatamente tomando partido entre inteligência emocional medida pelo (QE) e a
inteligência tradicional (medida por QI), explicitando nessa evolução do
pensamento acadêmico, houve a dissertação e discussão sobre a teoria de
Inteligência múltipla. Deixando ainda mais claro que seu intuito ali era
principalmente expor o assunto e não alimentar uma disputa entre as duas
correntes de pensamento.