Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA - UFU

FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED


CURSO DE JORNALISMO
DISCIPLINA: Introdução ao Jornalismo
Prof: Vinícius Dorne
Sara Oliveira Camelo Costa Morais – 11711JOR031

Resenha “ A Estrutura da Notícia” de Nilson Lage

LAGE, Nilson. Estrutura da notícia. 2ª edição. São Paulo: Ática, 1987.

O jornalista e professor universitário Nilson Lage, nascido em nascido em 1936 é o autor


do livro intitulado “Estrutura da Notícia”, que é sem dúvida uma das obras mais importantes e
apreciadas por grandes jornalistas. Com todo um embasamento histórico Nilson discorre sobre
técnicas da informação e da comunicação importantes no mundo moderno.

No primeiro capítulo Lage começa discutindo sobre a linguagem e sobre a


complexidade da mesma no meio jornalístico. Para ele a linguagem não é composta apenas de
escrita, mas sim de imagens, sons e signos. Tal teoria é defendida e comprovada, visto que a
visão de mundo de uma sociedade é construída a partir de um repertório vasto de sentidos e
concepções recebidas por cada indivíduo. Sendo assim a comunicação não é feita apenas por
meio da linguagem escrita, mas também é construída por toda a bagagem interna de percepções
de quem recebe a informação. Nesse mesmo capítulo ele também fala um pouco da história da
imprensa e de como esse processo se dava de forma desprovida pois era bastante seletiva aos
interesses de quem à distribuía.

Já no segundo capítulo é explanada as técnicas da estrutura da notícia fundamentais na


elaboração da imprensa jornalística. São elas: a seleção dos eventos, ordenação dos eventos e a
nomeação. Para ele o jornalismo radiofônico é dotado de menos complexidade, pois trata
apenas de fala se for comparado ao televisivo, visto que esse possui a questão da imagem,
tornando-se umas das formas de recepção passiva do telespectador até os dias atuais. Na obra,
a informação é debatida por Lage como forma de conhecimento.

A história da notícia tem início por meio da linguagem falada, tendo um progresso maior
com a escrita, após a invenção da impressão da bíblia de Gutenberg em 1452. Logo depois Lage
cita a impressão periódica da Alemanha de 1609, por conta da redução de idiomas das
províncias.

O autor também menciona várias dicas no que diz respeito a gramática na elaboração de
uma notícia, como a construção da narrativa por ordem de importância e não por ordem
cronológica. Também é apontado o emprego da terceira pessoa e a arbitrariedade ao iniciar e
ao finalizar a discrição.

Uma preocupação do autor que ele aborda com bastante clareza é a respeito de impressa
sensacionalista e da imparcialidade na apuração dos fatos que serão divulgados, buscando
sempre com cuidado divulgar apenas o que realmente ocorreu e nada além daquilo que eles
indicam.

No terceiro e capítulo, Lage faz menção de futuros rumos que a notícia impressa tende
a seguir. Ele afirma que para ser um jornalista de grande renome é necessário sim, todo o
conhecimento teórico de tal ciência, porém não é o suficiente. O profissional da comunicação
tem que ser um indivíduo atualizado dos fatos por todas as vertentes ideológicas, criticando
sempre e mantendo-se assim, bem informado.

No quarto capítulo, Lage faz exibe do vocabulário jornalístico com termos empregados
no cotidiano do profissional, que por sinal é de suma importância para o estudante leitor.

O autor finaliza a obra apontando diversas bibliografias segmentadas para uma melhor
formação desse profissional.

Referências:

Observador do mundo: http://nilsonlage.com.br/