Você está na página 1de 12

Conversas de maturidade

Realização
ISSN 1984–8706
Querido aluno da maturidade,
LITERATURA BATISTA
Ano XVII – Nº 68 Chegamos ao último trimestre de mais um ano
cheio de realizações e, mais uma vez, nossa equipe
Realização é uma revista dirigida a adultos da editorial trabalhou para que você possa ter um ma-
terceira idade, contendo lições para a Escola
Bíblica Dominical e outras matérias
terial rico de informações bíblicas e relevantes para
que favorecem a edificação do adulto enriquecer e abençoar cada vez mais a sua caminha-
Copyright © Convicção Editora da cristã.
Todos os direitos reservados
Neste trimestre, portanto, estudaremos os profe-
Proibida a reprodução deste texto total ou tas maiores: Jeremias, Ezequiel e Daniel, que tam-
parcial por quaisquer meios (mecânicos,
eletrônicos, fotográficos, gravação, estocagem
bém são conhecidos como profetas do exílio. Não
em banco de dados etc.), a não ser em breves estudaremos Isaías porque nosso currículo prevê
citações, com explícita informação da fonte
um trimestre exclusivo para ele. Os Profetas Maio-
Publicado com autorização res, assim denominados porque seus livros são mais
por Convicção Editora
CNPJ (MF): 08.714.454/0001-36 extensos que os dos 12 Profetas Menores, desempe-
nharam um importante papel entre os hebreus an-
Endereços tes e durante a invasão babilônica. Essas profecias
Caixa Postal, 13333
CEP: 20270-972 – Rio de Janeiro, RJ continuam vivas e o seu atual estudo, iluminado
Telegráfico – BATISTAS pelo Espírito Santo, é guia confiável para nós.
Eletrônico
literatura@batistas.com Além das lições, sempre acompanhadas de uma
breve aplicação para a faixa etária específica da ter-
Editor
Sócrates Oliveira de Souza
ceira idade, preparamos um conteúdo bastante di-
versificado para você desfrutar durante os seus es-
Coordenação Editorial tudos.
Solange Cardoso de Abreu d’Almeida
(RP/16897) Dando continuidade à jornada da história da
música evangélica, nesta edição recordaremos a dé-
Redação cada de 1980. Pensando também no seu lazer e coti-
João Oliveira Ramos Neto
diano, compartilhamos dicas para decorar sua casa,
Produção Editorial planejar sua viagem de avião e saber os seus direitos
Oliverartelucas como consumidor.
Produção e Distribuição
Por fim, não deixamos faltar a diversão por meio
Convicção Editora da cruzadinha e do caça-palavras, e a inspiração
Tel.: (21) 2157-5567
Rua José Higino, 416 – Prédio 16
com uma poesia do grande poeta Olavo Bilac e do
Sala 2 – 1o Andar texto especial do pastor Irênio Chaves.
Tijuca – Rio de Janeiro, RJ
CEP 20510-412
Que você tenha um trimestre bastante edificante
literatura@conviccaoeditora.com.br e abençoado.

Imagens utilizadas nesta edição: www.freeimages.com / www.picjumbo.com

REALIZAÇÃO • 1
Sumário

Estudos da EBD

Lição 1 – O profeta Jeremias 4


Lição 2 – Enfrentando tempos difíceis 7
Lição 3 – Sentenças e promessas 10
Lição 4 – Entre lutas e vitórias 13
Lição 5 – Profetizando às nações 16
Lição 6 – Entre lamentos e esperanças 19
Lição 7 – Ezequiel: o profeta do exílio 22
Lição 8 – A responsabilidade é pessoal 25
Lição 9 – O julgamento das nações 28
Lição 10 – Deus cuida do seu povo 31
Lição 11 – A visão de restauração 34
Lição 12 – Daniel: um exemplo de fidelidade 37
Lição 13 – Visões do futuro 40

Seções
1 – Editorial
3 – Liderança
43 – Hino do trimestre
44 – Para recordar
46 – Espaço light
48 – Utilidade
50 – Cotidiano
52 – Lazer
54 – Especial
56 – Poesia

2 • REALIZAÇÃO
Liderança

Neste trimestre, estudaremos os Profetas Maiores: Jeremias, Ezequiel e Daniel, também co-
nhecidos como profetas do exílio. Quem escreveu as lições foi o pastor Marcelo Rodrigues de
Aguiar. Ele é bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, e em Psico-
logia pela Universidade Federal do Espírito Santo; é Pastor Presidente da Igreja Batista em Mata
da Praia – Vitória, ES.
Como as nossas lições entrarão diretamente no estudo dos livros específicos, recomendamos
que, antes de iniciar o trimestre, você faça uma breve pesquisa sobre o papel dos profetas no An-
tigo Testamento e sobre o período histórico denominado cativeiro babilônico. O tema é relevante
porque uma forma de entendermos melhor os textos que chegaram até nós e nos colocarmos no
lugar do povo de Deus naquela época que, por estar longe de sua casa, vivendo numa terra estra-
nha, estava desolado, sofrendo profundamente e recebendo uma influência cultural estranha. O
papel dos profetas, portanto, foi fundamental para proporcionar esperança, a qual fez com que
os hebreus permanecessem persistentes diante de uma situação tão adversa.
Para estudar sobre o povo de Deus do ponto de vista histórico, a obra mais completa é a Histó-
ria de Israel no Antigo Testamento, de Samuel J. Schultz. Para uma introdução geral aos livros e aos
profetas, recomendamos que você estude uma obra de introdução ao Antigo Testamento, como o
livro Introdução ao Antigo Testamento, de Raymond Dillard e, para fundamentar ainda mais, uma
obra de Teologia do Antigo Testamento, como o livro homônimo de Walter C. Kaiser Jr.
Em linhas gerais, o profeta era aquele que falava em nome de Deus e não necessariamente
quem previa o futuro, apesar de que ele realmente fazia isso muitas vezes. Essa previsão não era
necessariamente ligada ao sobrenatural já que, muitas vezes, bastava, para prever o futuro, ler as
promessas que Deus havia deixado na Lei que revelara a Moisés. Em outras palavras, se Deus ha-
via dito que se o povo desobedecesse à sua lei, seria castigado, bastava o profeta constatar a deso-
bediência e interpretar o texto sagrado para saber que viria um castigo pela frente. O sobrenatural
se manifestava mais na precisão do profeta de como viria esse castigo, desmascarando assim os
falsos profetas, os quais erravam nos dados fornecidos.
Se você quiser aprofundar muito seu estudo, indicaremos alguns livros. O maior e mais impor-
tante clássico sobre o estudo dos profetas é o livro Profetismo em Israel, de José Luís Sicre. Trata-se
de uma leitura densa e profunda. Para uma leitura mais devocional, indicamos o livro O clamor
emocionado de Deus, do pastor Hernandes Dias Lopes, onde ele aplica a mensagem de Jeremias
para a igreja de hoje. Já para uma leitura devocional sobre esperança, recomendamos a obra Espe-
rança, de Jack Kuhatscheck. E uma leitura divertida é o romance A profecia da Babilônia, de Tim
Lahaye, onde o autor usa a fantasia para ensinar.
Na internet também há material disponível para uma boa pesquisa. No site do saudoso pastor
Isaltino Gomes Coelho Filho (www.isaltino.com.br) há um texto sob o título O profetismo em
Israel que vale a pena ser lido. Também a Faculdade Teológica Batista de Campinas (www.revista-
theos.com.br) disponibiliza o texto Introdução ao profetismo do professor Luciano R. Peterlevitz.
Por fim, como sempre fazemos, também sugerimos que a classe se reúna para assistir a um
filme. Nesse caso, a indicação é do filme Jeremias, produzido em 1998 pelo diretor Harry Winer.

REALIZAÇÃO • 3
EBD 1

O profeta Jeremias
Texto bíblico – Jeremias 1 a 10 • Texto áureo – Jeremias 6.16

DIA A DIA COM A BÍBLIA

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo


Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias
1 2 3e4 5 6 7e8 9 e 10

Como você se sentiria se as pessoas disses- O chamado do profeta (Jr 1)


sem que você é parecido com Jesus? Seria uma
grande honra, não é mesmo? Pois foi exata- Jeremias nasceu em Anatote, uma vila nas
mente o que aconteceu com o profeta Jeremias. cercanias de Jerusalém. Ele pertencia a uma fa-
Centenas de anos depois da morte dele, Cristo mília sacerdotal. Seu ministério se estendeu do
perguntou aos discípulos: “Que dizem os ho- décimo terceiro ano do reinado de Josias (626
mens ser o Filho do homem? Responderam a.C.) até depois da queda de Jerusalém (587
eles: Uns dizem que é (...) Jeremias” (Mt 16.13- a.C.). Nessas quatro décadas, ele profetizou
14). Os contemporâneos de Jesus enxergaram sob os cinco últimos reis de Judá: Josias, Jeo-
semelhanças entre o antigo profeta e o Filho de acaz, Jeoaiquim, Joaquim e Zedequias. Foram
Deus: alma sensível, coração compassivo, zelo tempos de declínio espiritual, do qual resulta-
sincero, disposição de sofrer pelo Senhor e de ram a queda de Jerusalém, a destruição do tem-
chorar pelas pessoas amadas por ele. plo e o cativeiro babilônico.
Vale a pena estudar o livro escrito por um Quando o Senhor chamou Jeremias para ser
servo de Deus que deixou marcas tão positi- seu mensageiro, ele se julgou inapto para a tare-
vas. Em seus escritos, Jeremias não apenas re- fa. Exclamou: “Ah! Senhor Deus! Eis que não
gistrou os oráculos divinos. Ele também abriu sei falar; porque sou um menino” ( Jr 1.6). O
o coração, expondo a forma como os aconte- sentimento de inadequação muitas vezes toma
cimentos afetavam sua vida e suas emoções. conta de nós quando o Senhor nos confia uma
O seu ministério se desenvolveu em meio a responsabilidade. Hesitar é, até certo ponto,
circunstâncias muito exigentes. Ele viveu em algo natural.
uma época que, sob muitos aspectos, parecia A resposta de Deus acalmou Jeremias, e
com a nossa. deve, também, nos tranquilizar. O Senhor lhe
4 • REALIZAÇÃO
disse quatro coisas: 1) Que ele havia sido sepa- te daria a terra desejável, a mais formosa heran-
rado para aquela tarefa desde o ventre de sua ça das nações. Também pensei que me chama-
mãe ( Jr 1.5); 2) Que ele contaria com o auxí- rias meu Pai e que de mim não te desviarias” ( Jr
lio divino para cumprir sua missão ( Jr 1.8); 3) 3.19). Ele não deixou os pecadores entregues à
Que ele receberia capacitação divina para reali- sua própria sorte. Prometeu: “Vos darei pasto-
zar seu trabalho ( Jr 1.9); 4) Que ele seria prote- res segundo o meu coração, os quais vos apas-
gido de todos os adversários ( Jr 1.19). centarão com ciência e inteligência” ( Jr 3.15).
Em meio a uma sociedade decadente, o Senhor
Sociedade em crise (Jr 2 a 9) levanta os seus servos, e lhes ordena que façam
a diferença. Quando, então, optaram por viver
Nos dias de Jeremias, as pessoas haviam vol- longe dos caminhos de Deus, os contemporâne-
tado suas costas para Deus. Era uma situação os de Jeremias colocaram os próprios pés em ter-
de decadência espiritual, que originava uma reno escorregadio. Por meio do seu porta-voz, o
série de desdobramentos negativos. O coração Senhor comunicou as consequências que advi-
do Senhor se partiu com aquele estado de coi- riam daquele afastamento.
sas. Ele compartilhou com seu servo a tristeza “Eu trago do Norte um mal, sim, uma gran-
que sentia por ver a nação tão afastada dos seus de destruição”, disse o Senhor. “Subiu um leão
caminhos. da sua ramada, um destruidor das nações; ele já
“Que injustiça acharam em mim vossos pais, partiu, saiu do seu lugar para fazer da tua ter-
para se afastarem de mim, indo após a vaidade e ra uma desolação, a fim de que as tuas cidades
tornando-se levianos?”, perguntou o Todo-Po- sejam assoladas, e ninguém habite nelas” ( Jr
deroso ( Jr 2.5). É claro que a falha não estava 4.6,7). Deus estava se referindo ao império ba-
em Deus, mas na sociedade, que dava livre va- bilônico, o qual, de fato, viria do Norte e aca-
zão aos seus desejos pecaminosos. Os judeus ha- baria por destruir Jerusalém no ano 587 a.C.,
viam trocado a sua glória por coisas de nenhum dando fim ao Reino de Judá. Uma sociedade
proveito (Jr 2.11). Haviam deixado o manancial idólatra e pecadora não poderia deixar de se
de águas vivas para cavar cisternas furadas que haver com as consequências dos seus atos. O
não podiam saciar sua sede (Jr 2.13). salário do pecado é sempre a morte (Rm 6.23).
Quando pensamos no mundo em que vi- Ao mesmo tempo em que dava o aviso ao
vemos, encontramos pontos de contato com país rebelde, Jeremias se sentia arrasado com
a época de Jeremias. Também hoje vemos as as coisas que Deus lhe mostrava. O pensamen-
pessoas se afastando de Deus. Prevalecem a se- to de que a guerra se aproximava contristou-o
cularização e o materialismo. Muitos se voltam grandemente. Ele escreveu: “Ah! Entranhas
para falsos deuses, e praticam atos iníquos com minhas, entranhas minhas! Eu me torço em
naturalidade. Mas é sempre mau negócio trocar dores! Paredes do meu coração! O meu cora-
Deus e a sua vontade pelas invenções humanas. ção se aflige em mim. Não posso calar, porque
Verifica-se uma grande insatisfação no coração tu, ó minha alma, ouviste o som da trombeta e
das pessoas. Corrupção, violência e outros ma- o alarido da guerra” ( Jr 4.19). A consternação
les apontam para uma sociedade em crise. de Deus era, também, a tristeza do seu profeta.
Apesar da rebelião de suas criaturas, o Cria- Aprendemos com Jeremias uma grande li-
dor se revela compassivo. Ele declarou ao povo ção. O pecado deve ser denunciado. Filhos de
de Judá: “Pensei como te poria entre os filhos e Deus não podem se omitir. Por outro lado, pre-

REALIZAÇÃO • 5
cisamos demonstrar a mesma compaixão reve- que forma todas as coisas, e Israel é a tribo da
lada por Jeremias. Ele não vociferou contra os sua herança” ( Jr 10.16). O profeta não se dei-
seus conterrâneos. Pelo contrário: chorou por xa intimidar pelo cenário sombrio. Exultante,
eles. Denunciar o pecado é tarefa nossa, mas ele declara: “Ninguém há semelhante a ti, ó
não é por aí que o trabalho do servo de Deus Senhor; és grande, e grande é o teu nome em
começa. Ele começa por amar o pecador. poder” ( Jr 10.6).

A esperança está em Deus (Jr 10) Conclusão

Nuvens pesadas surgiam no horizonte. Uma O livro de Jeremias conta a história de um


grande tempestade se aproximava do Reino de triângulo envolvendo um profeta fiel, um Deus
Judá. Existiam evidências de que tempos pe- amoroso e uma sociedade decadente. Apesar da
nosos estavam por vir, e Jeremias era capaz de rebeldia dos judeus, o Senhor levantou um porta-
enxergá-las. Alguma coisa precisava ser feita. -voz em seu meio. Entretanto, as pessoas não res-
Em que as pessoas poderiam colocar a sua con- ponderam bem à iniciativa divina e às palavras
fiança? do seu enviado. Jeremias resume bem a situação
Em primeiro lugar, o profeta deixa claro que quando escreve: “Assim diz o Senhor: Ponde-vos
a esperança não pode ser colocada nas imagens de nos caminhos e vede, perguntai pelas veredas an-
escultura. Os ídolos não têm poder para salvar. tigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e
“São como o espantalho no pepinal”, diz o Se- achareis descanso para a vossa alma. Mas eles dis-
nhor, “e não podem falar; necessitam de quem seram: Não andaremos nele” (Jr 6.16).
os leve, porquanto não podem andar. Não te- Em todas as épocas, os filhos de Deus se en-
nhais receio deles, pois não podem fazer o mal, xergaram como participantes de uma história
nem tampouco têm poder de fazer o bem” ( Jr de redenção. Assim como Jeremias, fomos cha-
10.5). As imagens são um equívoco. Os deuses mados para testemunhar de nossa fé. Às vezes,
das nações não passam de uma farsa. sofreremos por causa de oposição encontrada.
Em segundo lugar, Jeremias afirma que a es- Em outras ocasiões, choraremos pela dureza
perança não deve ser colocada nos seres humanos. dos corações. Entretanto, avançamos cheios de
O profeta sabe que o pecado está profunda- esperança, pois o Deus de Jeremias – o único
mente entranhado na natureza das pessoas. Ele Deus verdadeiro – é um Deus de vitória e res-
escreve: “Eles todos são embrutecidos e loucos” tauração.
( Jr 10.8); “todo homem se embruteceu e não
tem conhecimento” ( Jr 10.14). Se contarmos Reflexão para a maturidade
apenas com a bondade dos homens, as nossas
expectativas não serão muito elevadas. Se, na igreja de hoje, o novo Israel de Deus,
Finalmente, Jeremias declara que a esperança não há pessoas se curvando diante de pedaços
deve ser depositada em Deus. Mesmo antevendo de barro ou madeira, há, porém, pessoas que
a guerra e o cativeiro, ele está longe de ser um adoram e se curvam diante de um conceito er-
pessimista. Sua confiança no amor e poder di- rado sobre Deus. Devemos nos prostrar diante
vinos lhe dá coragem para enfrentar as adversi- de quem Deus realmente é, conforme sua Pa-
dades. “O Senhor é o verdadeiro Deus; ele é o lavra nos ensina, e não diante do que nós acha-
Deus vivo e o Rei eterno” ( Jr 10.10). “Ele é o mos sobre ele.
6 • REALIZAÇÃO
EBD 2

Enfrentando tempos difíceis


Texto bíblico – Jeremias 11 a 20 • Texto áureo – Jeremias 18.6

DIA A DIA COM A BÍBLIA

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo


Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias
11 e 12 13 e 14 15 e 16 17 18 19 20

Nos capítulos 11 a 20 do livro de Jeremias, as- homens de Anatote, sua cidade natal, ameaça-
sistimos a um agravamento na situação enfrenta- ram-no, dizendo: “Não profetizes no nome do
da pelo profeta. Por um lado, a rebeldia do povo Senhor, para que não morras às nossas mãos”
continua a empurrá-lo na direção do desastre. Por ( Jr 11.21). Quantas vezes o cristão é persegui-
outro, o posicionamento firme daquele servo de do no seio da própria família por causa da sua
Deus passa a despertar uma violenta oposição. Je- fé em Jesus?!
remias enfrenta tempos difíceis. Em várias opor- Jeremias começou, então, a queixar-se
tunidades ele derrama o seu coração diante do diante do Senhor. Entretanto, a resposta
Senhor, expondo-lhe as suas queixas. que recebeu não foi a que ele esperava ou-
Mas aqueles foram, também, dias de cresci- vir. Deus não “passou a mão” pela cabeça do
mento espiritual para Jeremias. Deus lhe reve- profeta insatisfeito. Ele falou: “Se te fatigas
lou verdades profundas, e lhe fez promessas ma- correndo com homens que vão a pé, então,
ravilhosas. À semelhança de Cristo, Jeremias foi como poderás competir com cavalos? Se fo-
um homem “experimentado nos sofrimentos” ges numa terra de paz, como hás de fazer na
(Is 53.3). A Bíblia diz que Jesus, “ainda que era soberba do Jordão?” ( Jr 12.5). Em outras
Filho, aprendeu a obediência por meio daquilo palavras, Deus estava dizendo: “Meu servo,
que sofreu” (Hb 5.8). As horas difíceis podem você ainda não viu nada!”
ser preciosos momentos de aprendizado. Maiores lutas esperavam por Jeremias, e
ele precisaria estar preparado para elas. Te-
Perseguição (Jr 11 e 12) ria que entender que “por muitas tribulações
nos é necessário entrar no reino de Deus”
As primeiras pessoas que fizeram oposição (At 14.22). Entretanto, o Senhor estaria ao
a Jeremias foram os seus próprios parentes. Os seu lado e, por isso, ele seria vencedor. Essa
REALIZAÇÃO • 7
é a certeza à qual nos apegamos quando en- oposição de seus ouvintes, exclamava: “Por que
frentamos tempos difíceis. é perpétua a minha dor, e incurável a minha fe-
rida, que se recusa a ser curada?” ( Jr 15.18).
A aproximação do castigo Dessa vez, a resposta do Senhor veio na
(Jr 13 e 14) forma de uma ordem: “Não tomarás a ti mu-
lher, nem terás filhos nem filhas neste lugar”
Embora os sofrimentos de Jeremias decor- ( Jr 16.2). Dessa maneira, Jeremias foi proibi-
ressem da sua fidelidade, o povo de Judá ex- do de constituir família. Qual a razão disso?
perimentaria dores resultantes da sua rebeldia Deus sabia que o profeta haveria de passar
– e isso seria muito pior. Num ato profético, o por duros momentos. Seria ainda mais difícil,
servo do Senhor foi orientado a esconder um para ele, enfrentar a perseguição assistindo ao
cinto de linho junto ao Rio Eufrates, o qual, sofrimento de seus entes queridos. Deus que-
depois de algum tempo, apodreceu. Deus fa- ria poupá-lo da dor.
lou: “Do mesmo modo farei apodrecer a so- Jeremias deveria manter-se concentrado
berba de Judá e a grande soberba de Jerusa- na sua missão e saber que, ainda que viessem
lém” ( Jr 13.9). dias de angústia, Deus seria a sua fortaleza ( Jr
Quando homens e mulheres se afastam do 16.19). Ele não deveria colocar a sua fé nas
Criador, o resultado é a deterioração. O espíri- outras pessoas, e nem mesmo em si próprio,
to adoece. O tecido de que são feitas as relações pois, como lhe disse o Altíssimo, “maldito o
humanas se esgarça. As civilizações entram em varão que confia no homem, e faz da carne
colapso. A sociedade apodrece. Esse triste esta- o seu braço (...) bendito o varão que confia
do de coisas é descrito por Jeremias. Também é no Senhor e cuja esperança é o Senhor” ( Jr
anunciado o fim inevitável. 17.5,7). Deus ensinou a Jeremias que o co-
A única coisa que poderia mudar o rumo ração humano era enganoso ( Jr 17.9). Só o
dos acontecimentos seria o arrependimento. Senhor era capaz de esquadrinhá-lo e, assim,
Por isso, pelo profeta, Deus clamou ao povo: operar a justiça ( Jr 17.10).
“Dai glória ao Senhor, vosso Deus, antes que
venha a escuridão e antes que tropecem vossos O vaso e a botija (Jr 18 e 19)
pés nos montes tenebrosos; antes que, esperan-
do vós luz, ele a mude em densas trevas e a re- Os capítulos 18 e 19 do livro de Jeremias são
duza a profunda escuridão” ( Jr 13.16). Aquele muito interessantes, e estabelecem um notável
que nos fez deseja o nosso bem. paralelismo. Dois objetos – feitos pelo mesmo
profissional, com a mesma matéria-prima, e
Jeremias torna a queixar-se igualmente quebrados – são usados para ensi-
(Jr 15 a 17) nar lições espirituais.
No capítulo 18, Jeremias vai à casa do olei-
As mesmas pessoas que viravam as costas ro. Ele o encontra ocupado sobre as rodas, fa-
para o Criador rejeitavam o seu mensageiro. zendo um vaso de barro. A certa altura, o vaso
Jeremias se ressentia da situação. Ele lamenta- se quebra, e o oleiro, então, o refaz. Vem a se-
va: “Ai de mim, minha mãe, porque me deste guir a lição espiritual: “Não poderei eu fazer
à luz, homem de rixas e homem de contendas de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel?
para toda a terra” ( Jr 15.10). Abalado diante da Diz o senhor. Eis que, como o barro na mão
8 • REALIZAÇÃO
do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa eu, e prevaleceste” ( Jr 20.7). Ao mesmo tem-
de Israel” ( Jr 18.6). po, Jeremias reconhecia não ser capaz de fugir
No capítulo 19, Jeremias se apresenta diante ao seu chamado. Ele escreveu: “Se eu disser:
dos líderes do povo. Ele denuncia a maldade na- Não farei menção dele e não falarei mais no
cional e, então, lança ao chão uma botija de barro, seu nome, então, há no meu coração um como
a qual fica reduzida a cacos aos pés dos anciãos e fogo ardente, encerrado nos meus ossos, e es-
sacerdotes. E declara: “Assim diz o Senhor dos tou fatigado de contê-lo, e não posso mais”
exércitos: Deste modo quebrarei eu a este povo ( Jr 20.9).
e a esta cidade, como se quebra o vaso do oleiro, O autor desse capítulo é um homem em
de sorte que não pode mais refazer-se” (Jr 19.11). crise, cheio de altos e baixos, expondo corajo-
O que o Senhor quer nos ensinar nessas pas- samente as suas emoções perante o seu Deus
sagens bíblicas? Tanto o vaso quanto a botija, e os seus leitores. Há momentos em que se vê
obras das mãos de oleiro, foram quebrados. tomado por uma grande esperança, e abre seus
Mas o vaso (capítulo 18) pôde ser restaurado, lábios em hinos de triunfo ( Jr 20.11-14). Mas
pois o barro ainda estava mole. Já a botija (capí- logo em seguida é invadido pela depressão, e
tulo 19) tinha passado pelo forno, estava dura seu cântico se transforma em um lamento ( Jr
e, por isso, não teve conserto. A lição é clara: 20.15-18). Como somos frágeis e contraditó-
quando o coração do homem se apresenta ma- rios em nossa humanidade! Agradecemos ao
leável, receptivo à correção do Senhor, os peca- profeta por sua sinceridade, a qual permite que
dos são perdoados, e sua vida é restaurada. Mas nos identifiquemos com ele nas horas de pro-
quando o coração se mostra endurecido, e, ape- vação que, muitas vezes, nos sobrevêm.
sar das admoestações, o indivíduo se recusa a
arrepender-se, nada pode ser feito. Conclusão
As pessoas da época de Jeremias precisariam
fazer uma escolha: diante da correção, seriam Como devemos enfrentar os tempos difí-
maleáveis (como o vaso) ou inflexíveis (como ceis? Jeremias nos ensina que jamais devemos
a botija)? Ainda hoje, são essas as opções que nos afastar do Senhor. Mesmo sem entender
temos diante de nós. por que Deus permitia certas coisas, aquele
grande homem jamais renegou a sua fé.
As aflições de Jeremias (Jr 20)
Reflexão para a maturidade
Por causa de sua pregação ousada, Jeremias
viu a oposição ao seu ministério tornar-se ain- Ao longo dos anos, vamos acumulando do-
da mais intensa. Pasur, filho do sacerdote Imer, res, as quais transbordam na maturidade. Po-
ofendeu-o terrivelmente, prendendo o profeta rém, se dermos vazão e nos tornamos amargos,
em um cepo. Ao ser libertado, Jeremias falou nossa tendência é ficarmos isolados, o que au-
sobre o castigo que lhe sobreviria ( Jr 20.1-6). menta ainda mais a nossa dor. Então, o que fa-
Mas o profeta também se queixou com o Se- zer? Aprendamos com Jeremias: derramemos
nhor. Afinal, na opinião dele, só estava passan- nossas tristezas diante do Senhor. Assim, esta-
do por aquilo devido à sua obediência. remos com o coração leve quando encontrar-
“Seduziste-me, ó Senhor, e deixei-me sedu- mos nossos amigos e irmãos, e seremos uma
zir”, disse o profeta; “mais forte foste do que pessoa mais agradável.
REALIZAÇÃO • 9
EBD 3

Sentenças e promessas
Texto bíblico – Jeremias 21 a 30 • Texto áureo – Jeremias 24.7

DIA A DIA COM A BÍBLIA

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo


Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias Jeremias
21 e 22 23 24 e 25 26 27 e 28 29 30

Quando chegamos aos capítulos 21 a 30 do rei Joaquim e vários nobres foram levados para
livro de Jeremias, as palavras do servo de Deus Babilônia. O novo rei, Zedequias, mandou con-
não podem mais ser ignoradas pelo povo. Suas sultar Jeremias, dizendo: “Pergunta agora por
predições começam a se cumprir, e as pessoas nós ao Senhor, por que Nabucodonosor, rei da
ficam preocupadas. Elas passam a levar o pro- Babilônia, guerreia contra nós; porventura, o
feta a sério, e até pedem a sua ajuda. Entretan- Senhor nos tratará segundo todas as suas mara-
to, não estão dispostas a se arrepender dos seus vilhas e fará que o rei se retire de nós?” (Jr 21.2).
pecados. Por isso, nenhum acordo é possível, e Os judeus queriam que a situação melhoras-
duras sentenças são proferidas. se, mas não estavam dispostos a mudar. Por isso,
Os primeiros judeus seguem para o cativeiro, e a resposta que Jeremias transmitiu foi dura. Ele
a destruição de Jerusalém se aproxima. Jeremias e falou que o próprio Senhor estaria guerreando
os seus contemporâneos estão no olho do furacão. contra Judá ( Jr 21.4-6), que o rei Zedequias
“Eis a tempestade do Senhor! A sua indignação já seria capturado ( Jr 21.7), e que o melhor que
saiu, uma tempestade varredora” (Jr 30.23). Ainda todos poderiam fazer era se render ao invasor
assim, eles recebem promessas de restauração e es- ( Jr 21.8,9).
perança. Essas promessas também nos fortalecem A seguir, Jeremias proferiu sentenças de jul-
quando enfrentamos nossas tempestades pessoais. gamento contra três reis. Salum (também co-
nhecido como Jeoacaz), que havia sido levado
Sentenças de julgamento para o Egito, jamais retornaria ( Jr 22.11,12).
(Jr 21 e 22) Jeoaiquim, que o sucedera, não teria honras na
sua morte ( Jr 22.18,19). E Conias (também
No ano 597 a.C., o reino de Judá foi invadido chamado Joaquim), morreria no exílio babi-
por Nabucodonosor, e Jerusalém capitulou. O lônico ( Jr 22.27,28). O castigo estava se cum-
10 • REALIZAÇÃO
prindo, o fim se aproximava. Daí a seriedade do rão para mim de todo o seu coração” ( Jr 24.7).
alerta: “Ó terra, terra, terra, ouve a palavra do Na conversão somos transformados, e recebe-
Senhor” ( Jr 22.29). mos um coração capaz de agradar a Deus.

Promessas de esperança (Jr 23 e 24) Setenta anos de cativeiro (Jr 25)

Mensagens de esperança estão sempre A palavra do Senhor a Jeremias sempre foi


presentes no livro de Jeremias. Mesmo diante exata. Não se parecia com os vagos pronun-
de um cenário tão sombrio, promessas de ciamentos dos videntes que, às vezes, testemu-
restauração foram enviadas ao povo daquela nhamos nos dias de hoje. O profeta chegou,
época. Elas atravessaram os séculos e chegaram inclusive, a prever quanto tempo os judeus per-
até nós, abençoando-nos ainda hoje. maneceriam no exílio. “E toda esta terra virá a
A promessa de bons pastores. Os reis, sacer- ser uma desolação e um espanto”, escreveu, “e
dotes e profetas de Judá haviam falhado como estas nações servirão ao rei da Babilônia seten-
líderes, levando a nação ao desastre. Eles eram ta anos” ( Jr 25.11).
como maus pastores, responsáveis pela disper- Essa profecia se cumpriu quando “no primei-
são do rebanho. Deus, então, prometeu levan- ro ano de Ciro, rei da Pérsia, para que se cum-
tar guias fiéis para as suas ovelhas: “Levantarei prisse a palavra do Senhor proferida pela boca
sobre elas pastores que as apascentem, e nunca de Jeremias, despertou o Senhor o espírito de
mais temerão, nem se assombrarão, e nem uma Ciro, rei da Pérsia, de modo que ele fez procla-
delas faltará, diz o Senhor” ( Jr 23.4). Somos mar por todo o seu reino, de viva voz e também
gratos por nossos líderes dedicados e pelos pas- por escrito, este decreto: Assim diz Ciro, rei da
tores leais que Deus tem levantado. Pérsia: O Senhor, Deus do céu, me deu todos os
A promessa de um Salvador. Ao falar sobre reinos da terra e me encarregou de lhe edificar
os pastores que daria ao seu povo, Deus anun- uma casa em Jerusalém, que é em Judá. Quem
cia a vinda do Bom Pastor, o Senhor Jesus. “Eis há entre vós de todo o seu povo suba, e o Senhor,
que vêm dias, diz o Senhor, em que levantarei seu Deus, seja com ele” (2Cr 36.22,23).
a Davi um Renovo justo; e, sendo rei, reinará
e procederá sabiamente, executando o juízo e Dois profetas sentenciados
a justiça na terra. Nos seus dias Judá será sal- (Jr 26 a 28)
vo, e Israel habitará seguro; e este é o nome de
que será chamado: O Senhor, justiça nossa” ( Jr Por ter previsto a destruição de Jerusalém
23.5,6). Que luminosa promessa, feita em um e seu templo, Jeremias foi condenado à mor-
momento tão escuro da história! te pelos sacerdotes, pelos profetas e por todo
A promessa de um novo coração. Na nova o povo. Eles proferiram a seguinte sentença:
aliança não apenas se fazem presentes líderes “Certamente morrerás. Por que profetizaste
abençoados e um Salvador poderoso. É conce- em nome do Senhor, dizendo: Será como Siló
dido àquele que crê um novo coração, fruto da esta casa, e esta cidade ficará assolada e desabi-
regeneração operada pelo Espírito Santo. Deus tada?” ( Jr 26.8,9). Porém, o servo de Deus per-
prometeu: “E dar-lhes-ei coração para que me maneceu firme na sua posição. Ao final ele foi
conheçam que eu sou o Senhor; e eles serão o defendido pelos príncipes e anciãos, e sua vida
meu povo, e eu serei o seu Deus; pois se volta- foi salva ( Jr 26.16).
REALIZAÇÃO • 11
Bem diferente foi a situação de Hananias, No capítulo 30, é ordenado a Jeremias que
um falso profeta que falou aquilo que o povo escreva um livro, não apenas para os cativos,
queria ouvir. O discurso lhe trouxe populari- mas para toda a nação de Judá. Novamente o
dade, mas Jeremias repreendeu-o, dizendo: conteúdo está repleto de misericórdia. O Se-
“Ouve agora, Hananias: O Senhor não te en- nhor reafirma a promessa de que o exílio terá
viou, mas tu fazes que este povo confie numa fim e a terra será restaurada. Ele fala: “Assim
mentira” ( Jr 28.15). Deus proferiu uma sen- diz o Senhor: Eis que acabarei o cativeiro das
tença: por sua atitude, o falso profeta morreria tendas de Jacó e apiedar-me-ei das suas mo-
dentro de um ano – o que, realmente, aconte- radas; e a cidade será reedificada sobre o seu
ceu ( Jr 28.16,17). montão, e o palácio permanecerá como habi-
Da experiência de Jeremias e Hananias tualmente” ( Jr 30.18).
aprendemos o seguinte: a última palavra per- A tempestade que havia se abatido sobre os
tence, sempre, ao Senhor. As sentenças e os judeus não tinha apenas um caráter punitivo.
prognósticos humanos nada significam peran- Visava, acima de tudo, corrigi-los para o seu
te o Rei do universo. Sendo assim, devemos próprio bem. Passados setenta anos, o povo fi-
permanecer firmes. Nosso ideal precisa ser nalmente entenderia isso ( Jr 31.24). O Senhor
obedecer a Deus, e não agradar aos homens. declara, então, qual seria o resultado: “Vós se-
Avancemos pela fé. reis o meu povo, e eu serei o vosso Deus” ( Jr
30.22).
Duas promessas de restauração
(Jr 29 e 30) Conclusão
No capítulo 29 encontramos uma carta en- O ministério de Jeremias foi fundamental
dereçada aos primeiros judeus que haviam sido para que Judá resistisse àqueles tempos tor-
levados para o cativeiro. O Senhor não havia se mentosos e emergisse da crise purificado. Para
esquecido daquelas pessoas. Ele reiterou a pre- os que se recusam a endireitar seus caminhos,
visão de que haveriam de permanecer na Babi- as sentenças do Senhor são graves e devem ser
lônia por muitos anos. Contudo, não deveriam temidas. Mas, para aqueles que se arrependem
se desesperar. Deus estava preparando a res- e se deixam instruir, sempre haverá uma pro-
tauração. Ele disse: “Pois eu bem sei os planos messa de perdão e esperança sobre a qual se fir-
que estou projetando para vós, diz o Senhor; mar.
planos de paz e não de mal, para vos dar um
futuro e uma esperança (...) buscar-me-eis e me
achareis, quando me buscardes de todo o vosso Reflexão para a maturidade
coração” ( Jr 29.11,13).
Como é bom saber que Deus tem planos Os sacerdotes do templo tinham muita ex-
elevados para a nossa vida! Como é maravi- periência no trabalho que faziam e, por isso,
lhoso saber que ele se deixa encontrar por nós confiantes que estavam, não ouviram novos
sempre que o buscamos! Para os que se acham direcionamentos. Muitas vezes, agimos como
em dificuldades, há sempre uma promessa de eles em nossas igrejas. Você tem estado atento
restauração. Basta que estejam dispostos a con- ao direcionamento de Deus para a sua vida e
fiar em Deus e a fazer a sua vontade. para a vida da sua congregação?

12 • REALIZAÇÃO