Você está na página 1de 12

O CÓDIGO INTERNACIONAL DE CONDUTA PARA PRESTADORES DE SERVIÇOS DE

SEGURANÇA PRIVADA

 PREÂMBULO

1. As empresas de segurança privada e outros prestadores de serviços de segurança privada (coletivamente,


“PSCs”) desempenham um papel importante na proteção de clientes estatais e não estatais envolvidos em
esforços de assistência, recuperação e reconstrução, operações comerciais, diplomacia e atividade militar. Ao
fornecer esses serviços, as atividades das unidades de atendimento podem ter consequências potencialmente
positivas e negativas para seus clientes, a população local na área de operação, o ambiente geral de segurança,
o gozo dos direitos humanos e o estado de direito.
2. O Documento de Montreux sobre Obrigações Legais Internacionais e Boas Práticas Relativas a Estados
Relacionados a Operações de Empresas Militares Privadas e de Segurança Durante Conflitos Armados
reconhece que regras bem estabelecidas de lei internacional se aplicam aos Estados em suas relações com
provedores de serviços privados de segurança e boas práticas relativas às ESP. A estrutura “Respeitar,
Proteger, Reparar” desenvolvida pelo Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas (ONU)
sobre Negócios e Direitos Humanos, e saudada pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, implica agir
com a devida diligência para evitar infringir os direitos de outras.
3. Com base nessas fundações, as Empresas Signatárias deste Código Internacional de Conduta para
Prestadores de Serviços de Segurança Privada (o “Código”) endossam os princípios do Documento de
Montreux e a estrutura de “respeitar, proteger, reparar” mencionadas anteriormente às PSCs. Ao fazê-lo, as
Empresas Signatárias se comprometem com a prestação responsável de Serviços de Segurança, de modo a
apoiar o estado de direito, respeitar os direitos humanos de todas as pessoas e proteger os interesses de seus
clientes.
4. As Empresas Signatárias afirmam que têm a responsabilidade de respeitar os direitos humanos e de cumprir
as responsabilidades humanitárias para com todos os afetados por suas atividades comerciais, incluindo
pessoal, clientes, fornecedores, acionistas e a população da área na qual os serviços são fornecidos. As
Empresas Signatárias também reconhecem a importância de respeitar as várias culturas encontradas em seu
trabalho, bem como os indivíduos com quem entram em contato como resultado dessas atividades.
5. O propósito deste Código é estabelecer um conjunto de princípios acordado em comum para as ESP e
estabelecer uma base para traduzir esses princípios em padrões relacionados, bem como mecanismos de
governança e supervisão.
6. As Empresas Signatárias comprometem-se com o seguinte, conforme estabelecido neste Código:
a) operar de acordo com este Código;
b) operar de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis e de acordo com os padrões corporativos relevantes
de conduta nos negócios;
c) operar de maneira a reconhecer e apoiar o estado de direito; respeita os direitos humanos e protege os
interesses de seus clientes;
d) tomar medidas para estabelecer e manter uma estrutura de governança interna eficaz a fim de impedir,
monitorar, relatar e abordar efetivamente os impactos adversos sobre os direitos humanos;
e) fornecer meios para responder e resolver alegações de atividade que violem qualquer lei nacional ou
internacional aplicável ou este Código; e
f) cooperar de boa-fé com as autoridades nacionais e internacionais que exercem a jurisdição apropriada, em
particular no que se refere a investigações nacionais e internacionais de violações do direito penal nacional e
internacional, de violações do direito internacional humanitário ou de violações dos direitos humanos.
7. Aqueles que estabelecem este Código reconhecem que este Código atua como um instrumento fundador de
uma iniciativa mais ampla para criar uma melhor governança, conformidade e prestação de contas.
Reconhecendo que é necessário um esforço adicional para implementar efetivamente os princípios deste
Código, as Empresas Signatárias se comprometem a trabalhar com estados, outras Empresas Signatárias,
Clientes e outras partes interessadas relevantes após o endosso inicial deste Código, no prazo de 18 meses:
a) estabelecer padrões objetivos e mensuráveis para fornecer Serviços de Segurança baseados neste Código,
com o objetivo de implementar padrões operacionais e de práticas de negócios comuns e internacionalmente
reconhecidos; e
b) estabelecer mecanismos externos independentes para a governança e supervisão eficazes, que incluirão a
Certificação do cumprimento, pelas Empresas Signatárias, dos princípios do Código e dos padrões derivados
do Código, começando com políticas e procedimentos adequados, Auditoria e Monitoramento de seu trabalho
no campo, incluindo a denúncia e a execução de um mecanismo para tratar de supostas violações dos princípios
do Código ou dos padrões derivados do Código;
e, posteriormente, considerar o desenvolvimento de princípios e padrões adicionais para serviços correlatos,
tais como treinamento de forças externas, provisão de serviços de segurança marítima e participação em
operações relacionadas a detidos e outras pessoas protegidas.
8. A assinatura deste Código é o primeiro passo em um processo para o cumprimento integral. As empresas
signatárias precisam: (1) estabelecer e / ou demonstrar processos internos para atender aos requisitos dos
princípios do Código e dos padrões derivados do Código; e (2) uma vez estabelecido o mecanismo de
governança e supervisão, tornar-se certificado e submeter-se à Auditoria independente em andamento e
verificação por esse mecanismo. As Empresas Signatárias comprometem-se a ser transparentes em relação ao
seu progresso na implementação dos princípios do Código e dos padrões derivados do Código. As empresas
não alegarão que estão certificadas sob este Código até que a Certificação tenha sido concedida pelo
mecanismo de governança e supervisão.

 DEFINIÇÕES

Estas definições destinam-se apenas a ser aplicadas exclusivamente no contexto deste Código:
Auditoria - processo pelo qual auditores independentes, credenciados pelo mecanismo de governança e
supervisão, realizam auditorias in loco, inclusive em campo, periodicamente, reunindo dados a serem
reportados ao mecanismo de governança e controle que, por sua vez, verificará se uma empresa atende aos
requisitos e, em caso negativo, qual correção pode ser necessária.
Certificação - um processo pelo qual o mecanismo de governança e supervisão certifica que os sistemas e
políticas da Empresa atendem aos princípios do Código e aos padrões derivados do Código e que a Empresa
está sendo monitorada, auditada e verificada, inclusive no campo, pelo governança e mecanismo de
supervisão. A certificação é um elemento de um esforço maior necessário para garantir a credibilidade de
qualquer iniciativa de implementação e supervisão.
Cliente - uma entidade que contrata, contratou anteriormente, ou pretende contratar uma PSC para executar
Serviços de Segurança em seu nome, incluindo, conforme apropriado, onde tal PSC subcontrata com outra
Empresa.
Empresa - qualquer tipo de entidade de negócio ou formulário, como uma sociedade unipessoal, sociedade,
empresa (pública ou privada), ou corporação, e “Companhias” devem ser interpretadas de acordo.
Autoridade Competente - qualquer estado ou organização intergovernamental que tenha jurisdição sobre as
atividades e / ou pessoas em questão e “Autoridades Competentes” deverá ser interpretado de acordo.
Ambientes Complexos - quaisquer áreas que estejam sofrendo ou se recuperando de distúrbios ou
instabilidade, seja devido a desastres naturais ou conflitos armados, onde o estado de direito tenha sido
substancialmente prejudicado, e no qual a capacidade da autoridade estatal para lidar com a situação seja
diminuída, limitada ou inexistente.
Implementação - a introdução de mecanismos de políticas, governança e supervisão e treinamento de pessoal
e / ou subcontratados por empresas signatárias, necessários para demonstrar a conformidade com os princípios
do Código e os padrões derivados deste Código.
Monitoramento - um processo para coletar dados sobre se o Pessoal da Empresa, ou subcontratados, estão
operando em conformidade com os princípios e padrões do Código derivados deste Código.
Pessoal - pessoas que trabalham para um PSC, seja como empregados ou sob contrato, incluindo seus
funcionários, gerentes e diretores. Para evitar dúvidas, as pessoas são consideradas como sendo pessoais se
estiverem ligadas a uma CPP através de um contrato de trabalho (prazo fixo, permanente ou ilimitado) ou um
contrato de atribuição (renovável ou não), ou se forem independentes contratados ou trabalhadores temporários
e / ou estagiários (remunerados ou não), independentemente da designação específica utilizada pela Empresa
em questão.
Empresas de Segurança Privada e Provedores de Serviços de Segurança Privada (coletivamente “PSCs”) -
qualquer Empresa (conforme definido neste Código) cujas atividades de negócios incluam o fornecimento de
Serviços de Segurança em seu próprio nome ou em nome de outro, independentemente de como a Empresa
descreve em si.
Relatórios - um processo coberto pelos necessários acordos de confidencialidade e sigilo através dos quais as
empresas submeterão a um mecanismo de governança e supervisão uma avaliação por escrito de seu
desempenho de acordo com um conjunto transparente de critérios estabelecidos pelo mecanismo.
Serviços de Segurança - proteção e proteção de pessoas e objetos, tais como comboios, instalações, locais
designados, propriedade ou outros locais (armados ou desarmados), ou qualquer outra atividade pela qual o
Pessoal de Empresas seja obrigado a portar ou operar uma arma em o desempenho de suas funções.
Empresas Signatárias - são PSCs que assinaram e concordaram em operar em conformidade com os princípios
do Código e os padrões derivados do Código e “Empresa Signatária” serão interpretados de acordo.

 IMPLEMENTAÇÃO

9. Reconhecendo as medidas adicionais a serem tomadas para apoiar a implementação deste Código - em
particular o desenvolvimento de padrões baseados no Código (“padrões”) e um mecanismo independente de
governança e supervisão (“o mecanismo”), conforme O Preâmbulo - Empresas Signatárias pretendem,
juntamente com outras partes interessadas, reunir-se regularmente para revisar o progresso em direção a essas
etapas.

10. Após a assinatura do Código, as Empresas Signatárias e outras partes interessadas se comprometerão a
trabalhar com os organismos nacionais de normalização, conforme apropriado, para desenvolver padrões, com
a intenção de que quaisquer padrões nacionais sejam eventualmente harmonizados em um conjunto
internacional de normas baseadas no Código.

11. Após a assinatura do Código, as Empresas Signatárias e outras partes interessadas designarão um comitê
coordenador composto por 6 a 9 membros, que funcionará como um “conselho temporário”. Este comitê gestor
será responsável por desenvolver e documentar os arranjos iniciais para o mecanismo independente de
governança e supervisão, incluindo estatutos ou uma carta que delineará o mandato e as políticas que regem o
mecanismo. O Comitê Diretor se empenhará em concluir um plano de trabalho para a constituição do
mecanismo antes do final de março de 2011, e no desenvolvimento de estatutos / regulamentos até o final de
julho de 2011 e em um plano operacional antes do final de novembro de 2011.
12. Depois que o mecanismo independente de governança e supervisão tiver sido constituído (pela adoção de
estatutos / estatutos), o mecanismo de governança e supervisão deverá aceitar a responsabilidade pela
manutenção e administração do Código, e deverá determinar se e como é apropriado para o mecanismo. e
padrões a serem refletidos no texto do próprio Código.

 DISPOSIÇÕES GERAIS

13. Este Código articula os princípios aplicáveis às ações das Empresas Signatárias durante a execução de
Serviços de Segurança em Ambientes Complexos.

14. Este Código complementa e não substitui o controle exercido pelas Autoridades Competentes, e não limita
ou altera o direito internacional aplicável ou a legislação nacional pertinente. O próprio Código não cria
obrigações legais nem obrigações legais sobre as Empresas Signatárias, além daquelas já existentes sob a lei
nacional ou internacional. Nada neste Código deverá ser interpretado como limitando ou prejudicando de
qualquer forma as regras existentes ou em desenvolvimento do direito internacional.

15. Este Código pode ser modificado de acordo com os procedimentos a serem estabelecidos pelo mecanismo
de governança e supervisão.

 COMPROMISSOS GERAIS

16. As Empresas Signatárias concordam em operar de acordo com os princípios contidos neste Código. As
Empresas Signatárias exigirão que o seu Pessoal, e todos os subcontratados ou outras partes que executam os
Serviços de Segurança sob contratos da Empresa Signatária, operem de acordo com os princípios contidos
neste Código.

17. As empresas signatárias implementarão políticas e supervisão apropriadas com a intenção de que as ações
de seu pessoal estejam sempre em conformidade com os princípios contidos neste documento.

18. As Empresas Signatárias farão com que a conformidade com este Código seja parte integrante dos acordos
contratuais com o Pessoal e os subcontratantes ou outras partes que executam os Serviços de Segurança sob
seus contratos.

19. As Empresas Signatárias aderirão a este Código, mesmo quando o Código não estiver incluído em um
contrato com um Cliente.

20. As Empresas Signatárias não celebrarão intencionalmente contratos em que o desempenho possa entrar
direta e materialmente em conflito com os princípios deste Código, leis nacionais ou internacionais aplicáveis
ou leis locais, regionais e internacionais aplicáveis, e não seja dispensado por qualquer obrigação contratual
de em conformidade com este Código. Na medida do possível, as Empresas Signatárias interpretarão e
executarão contratos de maneira consistente com este Código.

21. As Empresas Signatárias cumprirão e exigirão que seu Pessoal cumpra, com a legislação aplicável, que
pode incluir o direito internacional humanitário e a lei de direitos humanos imposta pela legislação nacional
aplicável, bem como todas as outras leis internacionais e nacionais aplicáveis. As Empresas Signatárias
exercerão a devida diligência para assegurar o cumprimento da lei e dos princípios contidos neste Código, e
respeitarão os direitos humanos das pessoas com quem entram em contato, incluindo os direitos à liberdade
de expressão, associação e reunião pacífica. contra interferências arbitrárias ou ilegais na privacidade ou
privação de propriedade.

22. As Empresas Signatárias concordam em não contratar, apoiar ou prestar serviço a qualquer governo, pessoa
ou entidade de maneira que seja contrária às sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas. As
Empresas Signatárias não irão, e exigirão que seu Pessoal não participe, encoraje ou busque se beneficiar de
quaisquer crimes nacionais ou internacionais, incluindo mas não limitado a crimes de guerra, crimes contra a
humanidade, genocídio, tortura, desaparecimento forçado, forçado ou trabalho compulsório, tomada de reféns,
violência sexual ou baseada no gênero, tráfico de pessoas, tráfico de armas ou drogas, trabalho infantil ou
execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias.

23. As Empresas Signatárias não exigirão que seu Pessoal invoque obrigações contratuais, ordens superiores
ou circunstâncias excepcionais, como um conflito armado ou um conflito armado iminente, uma ameaça à
segurança nacional ou internacional, instabilidade política interna ou qualquer outra emergência pública, como
uma justificativa para se envolver em qualquer uma das condutas identificadas no parágrafo 22 deste Código.

24. As Empresas Signatárias informarão, e exigirão que seu Pessoal relate, suspeita conhecida ou razoável da
comissão de qualquer um dos atos identificados no parágrafo 22 deste Código para o Cliente e um ou mais
dos seguintes: as Autoridades Competentes no país onde ocorreu o ato, o país de nacionalidade da vítima ou
o país de nacionalidade do perpetrador.

25. As Empresas Signatárias tomarão medidas razoáveis para assegurar que os bens e serviços que eles
fornecem não sejam usados para violar a lei de direitos humanos ou o direito internacional humanitário, e tais
bens e serviços não são derivados de tais violações.

26. As Empresas Signatárias não exigirão, e exigirão que o seu Pessoal, em conformidade com a legislação
nacional e internacional aplicável, prometa, ofereça ou dê a qualquer funcionário público, direta ou
indiretamente, qualquer coisa de valor para o próprio funcionário público ou outra pessoa ou entidade, a fim
de que o funcionário público aja ou deixe de atuar no exercício de suas funções oficiais se tal indução for
ilegal. As Empresas Signatárias não exigirão e não exigirão que seus funcionários solicitem ou aceitem, direta
ou indiretamente, qualquer coisa de valor em troca do não cumprimento das leis e / ou normas nacionais e
internacionais, ou dos princípios contidos neste Código.

27. As empresas signatárias são responsáveis por estabelecer uma cultura corporativa que promova a
conscientização e a adesão de todos os funcionários aos princípios deste Código. As Empresas Signatárias
exigirão que seu Pessoal cumpra este Código, o que incluirá o fornecimento de treinamento suficiente para
garantir que o Pessoal seja capaz de fazê-lo.

 PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS SOBRE A CONDUÇÃO DE PESSOAL

Conduta Geral

28. As Empresas Signatárias irão, e irão exigir que o seu Pessoal, trate todas as pessoas de forma humana e
com respeito pela sua dignidade e privacidade e reportará qualquer violação deste Código.

Regras sobre o uso da força

29. As Empresas Signatárias adotarão Regras para o Uso da Força em conformidade com a lei aplicável e os
requisitos mínimos contidos na seção sobre o Uso da Força neste Código e concordarão com essas regras com
o Cliente.

Uso de força

30. As empresas signatárias exigirão que seu pessoal tome todas as medidas razoáveis para evitar o uso da
força. Se a força for usada, ela deve estar de acordo com a lei aplicável. Em nenhum caso o uso da força
excederá o estritamente necessário e deverá ser proporcional à ameaça e apropriado à situação.
31. As Empresas Signatárias exigirão que seu Pessoal não use armas de fogo contra pessoas, exceto em
autodefesa ou defesa de terceiros contra a ameaça iminente de morte ou ferimentos graves, ou para impedir a
perpetração de um crime particularmente grave envolvendo grave ameaça à vida.

32. Na medida em que o Pessoal for formalmente autorizado a auxiliar no exercício da autoridade de aplicação
da lei do Estado, as Empresas Signatárias exigirão que o uso da força ou das armas cumpram todas as
obrigações nacionais e internacionais aplicáveis aos agentes da lei desse estado. e, no mínimo, com os padrões
expressos nos Princípios Básicos das Nações Unidas sobre o Uso da Força e de Armas de Fogo pelos
Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei (1990).

Detenção

33. As Empresas Signatárias somente e exigirão que seu Pessoal apenas proteja, transporte ou questione os
detidos se: (a) a Empresa tiver sido especificamente contratada para tal por um estado; e (b) seu Pessoal é
treinado na legislação nacional e internacional aplicável. As Empresas Signatárias tratarão e exigirão que seu
Pessoal trate todas as pessoas detidas de maneira humana e consistente com seu status e proteções de acordo
com a lei de direitos humanos ou o direito humanitário internacional, inclusive as proibições de tortura ou
outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes.

Pessoas Interpretadas

34. As Empresas Signatárias irão, e exigirão que seu Pessoal, não tome ou mantenha quaisquer pessoas exceto
quando prender pessoas para se defenderem ou contra outras pessoas contra uma ameaça iminente de
violência, ou após um ataque ou crime cometido por tais pessoas contra o Pessoal da Empresa, ou contra
clientes ou bens sob sua proteção, enquanto se aguarda a entrega de tais pessoas detidas à Autoridade
Competente na primeira oportunidade. Qualquer apreensão deve ser consistente com a lei nacional ou
internacional aplicável e ser comunicada ao Cliente sem demora. As Empresas Signatárias tratarão e exigirão
que seu Pessoal trate todas as pessoas detidas de maneira humana e consistente com seu status e proteções
conforme a legislação de direitos humanos ou o direito humanitário internacional, incluindo, em particular,
proibições de tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes. .

Proibição de tortura ou outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes

35. As Empresas Signatárias não irão, e exigirão que seu Pessoal não, se envolva em tortura ou em outros
tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes. Para evitar dúvidas, a tortura e outros tratamentos ou
penas cruéis, desumanos ou degradantes, como aqui mencionados, incluem a conduta de uma entidade privada
que constituiria tortura ou outros tratamentos ou punições cruéis, desumanos ou degradantes, se cometidos por
um funcionário público.

36. Obrigações contratuais, ordens superiores ou circunstâncias excepcionais como um conflito armado ou um
conflito armado iminente, uma ameaça à segurança nacional ou internacional, instabilidade política interna,
ou qualquer outra emergência pública, nunca podem ser uma justificativa para se envolver em tortura ou outras
tratamento ou pena cruel, desumana ou degradante.

37. As Empresas Signatárias informarão e exigirão que seu Pessoal denuncie quaisquer atos de tortura ou
outros tratamentos ou penas cruéis, desumanos ou degradantes, conhecidos por eles, ou dos quais tenham
razoável suspeita. Esses relatórios serão feitos ao Cliente e um ou mais dos seguintes: as autoridades
competentes no país em que os atos ocorreram, o país de nacionalidade da vítima ou o país de nacionalidade
do autor do crime.

Exploração Sexual e Abuso ou Violência Baseada no Género


38. As Empresas Signatárias não se beneficiarão nem permitirão que seu Pessoal se envolva ou se beneficie
de exploração sexual (incluindo, para esses fins, prostituição) e abuso ou violência ou crimes com base no
gênero, seja dentro da Empresa ou externamente, incluindo estupro , assédio sexual ou qualquer outra forma
de abuso sexual ou violência. As Empresas Signatárias irão, e exigirão que o seu pessoal, permaneça vigilante
para todas as instâncias de violência sexual ou baseada no género e, quando descoberto, comunique tais casos
às autoridades competentes.

Tráfico humano

39. As Empresas Signatárias não irão e exigirão que seu Pessoal não se envolva em tráfico de pessoas. As
Empresas Signatárias irão, e exigirão que o seu Pessoal, permaneça vigilante para todas as instâncias de tráfico
de pessoas e, quando descoberto, comunique tais casos às Autoridades Competentes. Para os fins deste Código,
tráfico de pessoas é o recrutamento, abrigo, transporte, provisão ou obtenção de uma pessoa para (1) um ato
sexual comercial induzido por força, fraude ou coerção, ou em que a pessoa induzida a realizar tal um ato não
atingiu 18 anos de idade; ou (2) trabalho ou serviços, através do uso de força, fraude ou coerção para fins de
sujeição a servidão involuntária, servidão por dívida ou escravidão.

Proibição da escravidão e trabalho forçado

40. As Empresas Signatárias não usarão escravidão, trabalho forçado ou compulsório, ou serão cúmplices no
uso de tal entidade por qualquer outra entidade.

Proibição das Piores Formas de Trabalho Infantil

41. As Empresas Signatárias respeitarão os direitos das crianças (menores de 18 anos) de serem protegidas das
piores formas de trabalho infantil, incluindo:

a) todas as formas de escravidão ou práticas análogas à escravidão, tais como a venda e tráfico de crianças,
servidão por dívida e servidão e trabalho forçado ou compulsório, incluindo recrutamento forçado ou
compulsório de crianças para uso na provisão de serviços armados;

b) a utilização, procura ou oferta de uma criança para fins de prostituição, para a produção de pornografia ou
para espectáculos pornográficos;

c) o uso, procura ou oferta de uma criança para atividades ilícitas, em particular para a produção e tráfico de
drogas;

d) trabalhos que, pela sua natureza ou pelas circunstâncias em que são realizados, possam prejudicar a saúde,
a segurança ou a moral das crianças.

As Empresas Signatárias irão, e exigirão que seu Pessoal, relate quaisquer instâncias das atividades
mencionadas acima que elas saibam, ou tenham suspeita razoável, às Autoridades Competentes.

Discriminação

42. As Empresas Signatárias não farão, e exigirão que o seu Pessoal não, discriminem com base em raça, cor,
sexo, religião, origem social, status social, status indígena, deficiência ou orientação sexual ao contratar
Pessoal e selecionarão Pessoal em com base nos requisitos inerentes ao contrato.

Identificação e registro
43. As empresas signatárias, na medida em que sejam consistentes com os requisitos razoáveis de segurança
e com a segurança de civis, seus funcionários e clientes, deverão:

a) exigir que todos os funcionários sejam individualmente identificáveis sempre que estiverem realizando
atividades no cumprimento de suas responsabilidades contratuais;

b) assegurar que seus veículos sejam registrados e licenciados com as autoridades nacionais competentes
sempre que estiverem realizando atividades no cumprimento de suas responsabilidades contratuais; e

c) garantirá que todos os materiais perigosos sejam registrados e licenciados com as autoridades nacionais
competentes.

 COMPROMISSOS ESPECÍFICOS EM MATÉRIA DE GESTÃO E GOVERNAÇÃO

Incorporação do Código nas Políticas da Empresa

44. As empresas signatárias incorporarão este Código às políticas e aos sistemas de controle interno e
conformidade da Empresa e integrarão-no em todos os elementos relevantes de suas operações.

Seleção e Aprovação de Pessoal

45. As Empresas Signatárias exercerão a devida diligência na seleção do Pessoal, incluindo a verificação
verificável e a revisão contínua do desempenho de seu Pessoal. As Empresas Signatárias contratam apenas
pessoas com as qualificações exigidas, conforme definido pelo contrato aplicável, as leis nacionais aplicáveis
e os padrões do setor e os princípios contidos neste Código.

46. As Empresas Signatárias não deverão contratar pessoas com menos de 18 anos para realizar os Serviços
de Segurança.

47. As Empresas Signatárias avaliarão e assegurarão a capacidade continuada do Pessoal para desempenhar
suas funções de acordo com os princípios deste Código e avaliarão regularmente o Pessoal para assegurar que
satisfaçam os padrões apropriados de aptidão física e mental para executar suas obrigações contratadas.

48. As empresas signatárias estabelecerão e manterão políticas e procedimentos internos para determinar a
adequação dos solicitantes, ou pessoal, para transportar armas como parte de suas obrigações. No mínimo,
isso incluirá verificações que eles não tenham:

a) ter sido condenado por um crime que indicaria que o indivíduo não tem o caráter e a aptidão para executar
serviços de segurança de acordo com os princípios deste Código;

b) foi descarregada desonrosamente;

c) tenha rescindido outros contratos de emprego ou trabalho por violações documentadas de um ou mais dos
princípios contidos neste Código; ou

d) tinha uma história de outra conduta que, de acordo com um padrão objetivamente razoável, questiona sua
aptidão para portar uma arma.

Para os fins deste parágrafo, os crimes desqualificadores podem incluir, mas não se limitam a, violência,
assassinato, incêndio criminoso, fraude, estupro, abuso sexual, crime organizado, suborno, corrupção, perjúrio,
tortura, seqüestro, tráfico de drogas ou tráfico de pessoas. . Esta disposição não deve prevalecer sobre qualquer
lei que restrinja a possibilidade de um crime ser considerado na avaliação de um candidato. Nada nesta seção
proibiria uma empresa de utilizar critérios mais rigorosos.

49. As Empresas Signatárias exigirão que todos os solicitantes autorizem o acesso a registros de emprego
anteriores e registros do Governo disponíveis como condição para emprego ou engajamento. Isso inclui
registros relacionados a cargos mantidos pelos militares, policiais ou provedores de segurança pública ou
privada. Além disso, as Empresas Signatárias, de acordo com a legislação nacional aplicável, exigirão que
todos os funcionários concordem em participar de investigações internas e procedimentos disciplinares, bem
como em investigações públicas conduzidas por autoridades competentes, exceto quando proibido por lei.
Seleção e Aprovação de Subcontratados

50. As Empresas Signatárias exercerão a devida diligência na seleção, análise e revisão contínua de
desempenho de todos os subcontratados que executam os Serviços de Segurança.

51. De acordo com o princípio 13 deste Código, as Empresas Signatárias exigirão que seu Pessoal e todos os
subcontratados e outras partes que executam os Serviços de Segurança sob o contrato operem de acordo com
os princípios contidos neste Código e com os padrões derivados do Código. Se uma Empresa contratar um
indivíduo ou qualquer outro grupo ou entidade para executar os Serviços de Segurança, e esse indivíduo ou
grupo não puder cumprir os princípios de seleção, habilitação e treinamento contidos neste Código e os padrões
derivados do Código, a Empresa contratante tomará medidas razoáveis e apropriadas para assegurar que toda
a seleção, habilitação e treinamento do Pessoal do subcontratado seja conduzida de acordo com os princípios
contidos neste Código e com os padrões derivados do Código.

Políticas da Empresa e Contratos de Pessoal

52. As Empresas Signatárias assegurarão que suas políticas sobre a natureza e o escopo dos serviços que
prestam, na contratação de Pessoal e outros materiais de referência de pessoal relevantes, como contratos de
pessoal, incluam a incorporação apropriada deste Código e leis trabalhistas relevantes e aplicáveis. Os termos
e condições do contrato serão claramente comunicados e disponibilizados por escrito a todos os funcionários,
em um formato e idioma acessíveis a eles.

53. As Empresas Signatárias manterão os registros de emprego e serviço e relatórios sobre todo o pessoal
passado e presente por um período de 7 (sete) anos. As Empresas Signatárias exigirão que todo o Pessoal
autorize o acesso e a retenção de registros de emprego e registros disponíveis do Governo, exceto quando
proibido por lei. Tais registros serão disponibilizados para qualquer mecanismo de conformidade estabelecido
sob este Código ou Autoridade Competente mediante solicitação, exceto quando proibido por lei.

54. As Empresas Signatárias só terão passaportes, outros documentos de viagem ou outros documentos de
identificação de seu Pessoal, pelo menor período de tempo razoável para processamento administrativo ou
outros fins legítimos. Este parágrafo não impede uma empresa de cooperar com as autoridades policiais no
caso de um membro do seu pessoal estar sob investigação.

Gestão de Armas

56. As Empresas Signatárias adquirirão e manterão autorizações para a posse e uso de quaisquer armas e
munições exigidas pela lei aplicável.

57. As Empresas Signatárias não farão, e exigirão que seu Pessoal não possua, nem use armas ou munições
que sejam ilegais sob qualquer lei aplicável. As Empresas Signatárias não irão, e exigirão que seu Pessoal não,
se envolva em quaisquer transferências de armas ilegais e conduzirá quaisquer transações de armas de acordo
com as leis aplicáveis e os requisitos do Conselho de Segurança da ONU, incluindo sanções. Armas e munições
não serão alteradas de qualquer forma que contrarie a legislação nacional ou internacional aplicável.
58. As políticas e procedimentos da Empresa Signatária para o gerenciamento de armas e munições devem
incluir:

a) armazenamento seguro;

b) controla a sua emissão;

c) registros referentes a quem e quando as armas são emitidas;

d) identificação e contabilização de todas as munições; e

e) descarte verificável e adequado.

Treinamento de Armas

59. As empresas signatárias exigirão que:

a) O pessoal encarregado de portar armas receberá autorização para fazê-lo somente após a conclusão ou
verificação de treinamento apropriado com relação ao tipo e modelo de arma que transportará. O pessoal não
irá operar com uma arma até que tenha completado com sucesso o treinamento específico da arma.

b) O pessoal portador de armas deve receber treinamento regular, verificável e recorrente, específico para as
armas que transportam e regras para o uso da força.

c) O pessoal portador de armas deve receber treinamento apropriado em relação às regras sobre o uso da força.
Este treinamento pode ser baseado em uma variedade de padrões relevantes, mas deve ser baseado no mínimo
nos princípios contidos neste Código e nos Princípios Básicos da ONU sobre o Uso da Força e Armas de Fogo
pelos Funcionários Responsáveis pela Aplicação da Lei (1990), e leis nacionais ou regulamentos em vigor nos
deveres da área serão realizados.

Gestão do material da guerra

60. As Empresas Signatárias irão, e exigirão que o seu Pessoal, adquira e mantenha todas as autorizações para
a posse e uso de qualquer material de guerra, e. materiais perigosos e munições, conforme exigido pela lei
aplicável.

61. As Empresas Signatárias não irão, e exigirão que o seu Pessoal não possua nem utilize qualquer material
de guerra, por exemplo. materiais perigosos e munições, que são ilegais sob qualquer lei aplicável. As
Empresas Signatárias não irão, e exigirão que seu Pessoal não se envolva em nenhuma transferência ilegal de
material e conduzirá qualquer material das transações de guerra de acordo com as leis aplicáveis e os requisitos
do Conselho de Segurança da ONU, incluindo sanções.

62. Políticas ou procedimentos da Empresa Signatária para o gerenciamento de material de guerra, por
exemplo. materiais perigosos e munições, deve incluir:
a) armazenamento seguro;

b) controla a sua emissão;

c) registros referentes a quem e quando os materiais são emitidos; e

d) procedimentos de descarte adequados.


Relatórios de incidentes
63. As Empresas Signatárias prepararão um relatório de incidentes documentando qualquer incidente
envolvendo seu Pessoal que envolva o uso de qualquer arma, incluindo o disparo de armas sob qualquer
circunstância (exceto treinamento autorizado), qualquer escalada de força, dano ao equipamento ou dano a
pessoas. , atentados, atos criminosos, acidentes de trânsito, incidentes envolvendo outras forças de segurança
ou relatos exigidos de outra forma pelo Cliente, e conduzirá uma investigação interna para determinar o
seguinte:

a) hora e local do incidente;

b) identidade e nacionalidade de qualquer pessoa envolvida, incluindo seus endereços e outros detalhes de
contato;

c) lesões / danos sofridos;

d) circunstâncias que levaram ao incidente; e

e) quaisquer medidas tomadas pela Companhia Signatária em resposta a ela.

Após a conclusão do inquérito, a Empresa Signatária produzirá por escrito um relatório do incidente, incluindo
as informações acima, cujas cópias serão fornecidas ao Cliente e, na medida exigida por lei, às Autoridades
Competentes.

Ambiente de trabalho seguro e saudável

64. As empresas signatárias esforçar-se-ão por proporcionar um ambiente de trabalho seguro e saudável,
reconhecendo os possíveis perigos e limitações inerentes ao ambiente local. As empresas signatárias
assegurarão que precauções razoáveis sejam tomadas para proteger funcionários relevantes em operações de
alto risco ou com risco de vida. Estes incluirão:

a) avaliar os riscos de danos ao Pessoal, bem como os riscos para a população local gerados pelas atividades
das Empresas Signatárias e / ou Pessoal;

b) fornecer treinamento ambiental hostil;

c) fornecer equipamento de proteção adequado, armas e munições apropriadas e apoio médico; e

d) adotar políticas que apoiem um ambiente de trabalho seguro e saudável dentro da Empresa, tais como
políticas que abordam a saúde psicológica, impedir a violência no local de trabalho, desvios de conduta, abuso
de álcool e drogas, assédio sexual e outros comportamentos impróprios.

Assédio

65. As empresas signatárias não tolerarão assédio e abuso de colegas de trabalho por parte de seu pessoal.

Procedimentos de reclamação

66. As Empresas Signatárias estabelecerão procedimentos de reclamações para tratar de reclamações alegando
falha da Empresa em respeitar os princípios contidos neste Código trazidos pelo Pessoal ou por terceiros.

67. As empresas signatárias irão:


a) estabelecer procedimentos para que seus funcionários e terceiros denunciem denúncias de conduta
imprópria e / ou ilegal ao pessoal designado, incluindo atos ou omissões que violem os princípios contidos
neste Código. Os procedimentos devem ser justos, acessíveis e oferecer remédios eficazes, incluindo
recomendações para a prevenção da recorrência. Devem também facilitar a comunicação de pessoas com razão
para acreditar que uma conduta imprópria ou ilegal, ou uma violação deste Código, tenha ocorrido ou esteja
prestes a ocorrer, de tal conduta, a indivíduos designados dentro de uma Empresa e, quando apropriado, às
autoridades competentes. ;

b) publicar detalhes de seu mecanismo de reclamações em um site acessível publicamente;

c) investigar alegações prontamente, imparcialmente e com a devida consideração à confidencialidade;

d) manter registros sobre quaisquer alegações, conclusões ou medidas disciplinares. Exceto onde proibido ou
protegido pela lei aplicável, tais registros devem ser disponibilizados a uma Autoridade Competente mediante
solicitação;

e) cooperar com investigações oficiais, e não participar ou tolerar de seu pessoal o impedimento de
testemunhas, testemunhos ou investigações;

f) tomar medidas disciplinares apropriadas, que podem incluir a rescisão do contrato de trabalho em caso de
constatação de tais violações ou comportamento ilegal; e

g) assegurar que seu Pessoal que denuncie irregularidades receba proteção contra qualquer retaliação por fazer
tais denúncias, como protegê-las de medidas disciplinares injustificadas ou inadequadas, e que as questões
levantadas sejam examinadas e postas em prática sem demora injustificada.

68. Nenhuma disposição deste Código deve ser interpretada como substituindo quaisquer requisitos
contratuais ou políticas ou procedimentos específicos da Empresa para relatar irregularidades.

69. As Empresas Signatárias assegurarão que tenham capacidade financeira suficiente em vigor em todos os
momentos para cumprir responsabilidades comerciais razoavelmente antecipadas por danos a qualquer pessoa
em relação a danos pessoais, morte ou danos à propriedade. A capacidade financeira suficiente pode ser
atendida por compromissos com os clientes, cobertura de seguro adequada (como por responsabilidade do
empregador e cobertura de responsabilidade pública adequadamente dimensionada para a escala e escopo das
operações da Companhia Signatária) ou auto-seguro / retenção. Quando não for possível obter uma cobertura
de seguro adequada, a Empresa Signatária tomará providências alternativas para assegurar que seja capaz de
cumprir tais responsabilidades.

 REVEJA

70. O Governo Suíço manterá uma lista pública de Empresas Signatárias e convocará uma conferência de
revisão inicial com vistas a revisar o Código depois que os mecanismos de governança e supervisão (conforme
mencionados no Preâmbulo e Seção C “Implementação” deste Código) forem desenvolvidos.