Você está na página 1de 95

Universidade Católica de Petrópolis

Centro de Engenharia e Computação

LTspice

2019-2

Prof. Felipe Baldner


felipe.baldner@ucp.br
LTspice (2019-2) 2

Bibliografia
1. LINEAR TECHNOLOGIES. LTSpice XVII. Milpitas: Linear Technologies, 2017. Disponível em:
<http://www.linear.com/designtools/software/>. Acesso em: 01 ago 2017.
2. LINEAR TECHNOLOGIES. LTspice: playlist no YouTube. [s.l.]: [s.n.], 2016. Disponível em:
<https://www.youtube.com/playlist?list=PL4vooS_8RnzE4EoE27QssuxsccFmspbRP>. Acesso em: 01
ago 2017.
3. BRAMBLE, S. LTSpice Tutorials. [s.l.]: [s.n.], [s.a.]. Disponível em:
<http://www.simonbramble.co.uk/lt_spice/ltspice_lt_spice.htm>. Acesso em: 01 ago 2017.
4. STURTEVANT, T. LTspice Tutorial. [s.l.]: Wilfrid Laurier University, 2015. Disponível em:
<http://denethor.wlu.ca/ltspice/>. Acesso em: 01 ago 2017.
5. STURTEVANT, T. LTspice: playlist no YouTube. [s.l.]: [s.n.], 2014. Disponível em:
<http://www.youtube.com/playlist?list=PL44572D1F7E26D30D>. Acesso em: 01 ago 2017.
6. LTWIKI: Wiki for LTspice. [s.l.]: LTwiki: Wiki for LTspice, 2011. Disponível em:
<http://ltwiki.org/index.php5?title=Main_Page>. Acesso em: 08/08/2017.
7. WAVEFORM Arithmetic. [s.l.]: LTwiki: Wiki for LTspice, 2011. Disponível em: <
http://ltwiki.org/LTspiceHelpXVII/LTspiceHelp/html/Waveform_Arithmetic.htm>. Acesso em:
08/08/2017.
LTspice (2019-2) 3

1. Utilização básica do LTSpice


1.1. Criando um esquemático
LTspice (2019-2) 4

1. Utilização básica do LTSpice


1.1. Criando um esquemático

Área de trabalho do LTspice


LTspice (2019-2) 5

1. Utilização básica do LTSpice


1.2. Adicionando componentes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
1 Utiliza fios para ligar componentes 9 Move apenas um componente
2 Adiciona uma referência de terra 10 Move componente arrastando as ligações
3 Cria nome para um nó 11 Desfazer
4 Adiciona um resistor 12 Refazer
5 Adiciona um capacitor 13 Girar componente
6 Adiciona um indutor 14 Espelhar componente
7 Adiciona um diodo 15 Adicionar texto
8 Adiciona um componente da lista 16 Adicionar diretriz SPICE
LTspice (2019-2) 6

1. Utilização básica do LTSpice


1.3. Atalhos de teclado

Ver: http://www.linear.com/solutions/1811
LTspice (2019-2) 7

1. Utilização básica do LTSpice


1.3. Atalhos de teclado

Ver: http://www.linear.com/docs/42781
LTspice (2019-2) 8

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito

(ou F2)
LTspice (2019-2) 9

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito
Fonte de Tensão Fonte de Corrente
LTspice (2019-2) 10

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito

clicar com botão Tensão DC da fonte


direito
O separador decimal de valores é o ponto, e não a vírgula!!!!
LTspice (2019-2) 11

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito
LTspice (2019-2) 12

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito
LTspice (2019-2) 13

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito

clicar com botão


direito Valor do Resistor

O separador decimal de valores é o ponto, e não a vírgula!!!!


LTspice (2019-2) 14

1. Utilização básica do LTSpice


1.4. Montando um circuito
LTspice (2019-2) 15

1. Utilização básica do LTSpice


1.5. Prefixos do SI
Prefixo no Prefixo no
Valor no SI Valor no SI
LTspice LTspice
T Tera − 1012 f femto − 10-15
G Giga − 109 p pico − 10-12
MEG Mega − 106 n nano − 10-9
K kilo − 103 u micro − 10-6
M mili − 10-3

O LTspice não faz distinção entre letras maiúsculas e minúsculas.


LTspice (2019-2) 16

1. Utilização básica do LTSpice


1.6. Definido valores de componentes
Os valores dos componentes também podem
ser definidos por comandos externos:
• .param A=X
• Diz que o parâmetro A tem
valor X;
• No circuito, o componente que
deve ter o valor X, deve ser
configurado para que seu valor
seja {A}
LTspice (2019-2) 17

1. Utilização básica do LTSpice


1.6. Definido valores de componentes
Os valores dos componentes também podem
ser definidos por comandos externos:
• .params A=X B=Y
• Mesma função que o comando
.param, mas para mais de um
parâmetro
LTspice (2019-2) 19

2. Análise DC de circuitos
2.1. Determinação do ponto de operação de um circuito
Determina as tensões e correntes em um circuito DC. Capacitores são
considerados circuitos abertos e indutâncias curto-circuitos.
LTspice (2019-2) 20

2. Análise DC de circuitos
2.1. Determinação do ponto de operação de um circuito
LTspice (2019-2) 21

2. Análise DC de circuitos
2.1. Determinação do ponto de operação de um circuito

O sinal negativo da corrente ocorre em


componentes passivos pois este apresenta um
terminal de entrada e outro de saída (que não
No caso de uma fonte de são visíveis no esquemático – apenas no código
tensão, ele considera o sentido fonte). Rotacionando o componente 2 vezes
real da corrente, não o troca os terminais de conexão.
convencional. Ou seja, a
corrente entra pelo positivo e
sai pelo negativo.
LTspice (2019-2) 22

2. Análise DC de circuitos
2.1.1. Exemplos
LTspice (2019-2) 23

2. Análise DC de circuitos
2.1.1. Exemplos
LTspice (2019-2) 24

2. Análise DC de circuitos
2.1.1. Exemplos
LTspice (2019-2) 25

2. Análise DC de circuitos
2.2. Variando um parâmetro de um componente
É possível, automaticamente, analisar um circuito onde um parâmetro deste assuma
diversos valores. É utilizado o comando .STEP:

• .step param X list X1 X2 ... Xn


Executa n simulações onde o parâmetro X assumirá os valores da lista X1 X2 ... Xn.

• .step param X Xinicial Xfinal Xincremento


Executa n simulações onde onde o parâmetro X assumirá os valores da lista, começando
com Xinicial e terminando em Xfinal, tendo incrementos de valor Xincremento.

Outras opções de variações: temperatura, dados específicos de um componente, etc.


Mais informações: http://ltwiki.org/index.php5?title=STEP_Parameter_sweeps
LTspice (2019-2) 26

2. Análise DC de circuitos
2.2. Variando um parâmetro de um componente
O parâmetro a
variar deve estar
entre chaves {}
LTspice (2019-2) 27

2. Análise DC de circuitos
2.2. Variando um parâmetro de um componente

Neste caso, após rodar a simulação, aparece a


janela gráfica com o parâmetro variável no
eixo x e a grandeza sendo medida (nesse caso,
a tensão sobre R2) no eixo y.
Assim, é possível observar o quanto a tensão
em R2 muda quando R2 é alterada.
LTspice (2019-2) 28

2. Análise DC de circuitos
2.3. Variando mais de um componente
Para que os valores de vários parâmetros sejam alterados utilizando o
comando .step, é possível utilizar tabelas. O comando .step nesse caso tem o
seguinte formato:

.step param X list 1 2 3 ... N

O nome da tabela O índice da tabela


que será usado
LTspice (2019-2) 29

2. Análise DC de circuitos
2.3. Variando mais de um componente
E uma tabela é estruturada da seguinte forma:

. param Y table(X,1,X(1),2,X(2),...N,X(N)

A variável que será o


valor do componente
Um par de valores composto
pelo seu índice e o valor deste
O nome da tabela, igual índice
ao do comando .step
LTspice (2019-2) 30

2. Análise DC de circuitos
2.3. Variando mais de um componente
Por exemplo:

.step param Vx list 1 2 3 4


.param VA table(Vx,1,0,2,0,3,5,4,5)
.param VB table(Vx,1,0,2,5,3,0,4,5)

Neste exemplo, são utilizadas duas tabelas de mesmo nome, Vx, que será variada
pelo comando .step, em seus índices 1, 2, 3 e 4. Assim, na primeira iteração, será
utilizado o valor do índice 1 para as variáveis VA e VB (associadas a duas fontes de
tensão), ou seja, VA(1)=0 e VB(1)=0. Na segunda iteração, VA(2)=0 e VB(2)=5 e
assim sucessivamente.
LTspice (2019-2) 31

2. Análise DC de circuitos
2.3.1. Exemplos: Portas Lógicas

Criar tabelas para variar os valores de A e B como em tabelas verdades e determinar quais são as
portas lógicas representadas por cada circuito.
Fonte: http://hyperphysics.phy-astr.gsu.edu/hbase/Electronic/trangate.html
LTspice (2019-2) 32

2. Análise DC de circuitos
2.3.1. Exemplos: Portas Lógicas
LTspice (2019-2) 33

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC
Na análise de transientes, é possível visualizar o quanto as grandezas do
circuito se alteram ao longo do tempo de simulação.

É possível observar, por exemplo, carga de capacitores e indutores, se


forem observados os valores destes componentes e as constantes de tempo do
circuito, simulando durante um tempo adequado.

Neste tipo de simulação, são observadas as formas de onda de tensões,


correntes, potências, etc.
LTspice (2019-2) 34

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC
LTspice (2019-2) 35

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC

Duração da simulação

Fontes inicializam em 0 V
(caso contrário, em fontes DC, o circuito
já estará em regime permanente)

Parar a simulação se o circuito entrar em


regime permanente antes da simulação
terminar
LTspice (2019-2) 36

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC

Formas de onda do circuito


LTspice (2019-2) 37

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC

A constante de tempo deste


circuito é:
LTspice (2019-2) 38

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC
Simulando por 10 ms e observando a tensão sobre o capacitor:
LTspice (2019-2) 39

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC
Simulando por 100 ms e observando a tensão sobre o capacitor:
LTspice (2019-2) 40

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1. Transientes em circuitos DC
Simulando por 1 s e observando a tensão sobre o capacitor:
LTspice (2019-2) 41

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1.1. Exemplos

Determinar iL(t).
Uma fonte u(t) é uma fonte DC normal.
LTspice (2019-2) 42

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.1.1. Exemplos

Determinar vC(t).
Uma fonte u(t) é uma fonte DC normal.
LTspice (2019-2) 43

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC

A fonte de tensão pode ser


configurada para outras
formas de onda utilizando
a opção Advanced.
LTspice (2019-2) 44

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
As fontes de tensão/corrente podem ser dos seguintes tipos:
• DC
• Pulso
• Senoidal
• Exponencial
• FM de única frequência (SFFM)
• Segmentos lineares (PWL): é composto por diversos segmentos de reta, não
precisa ser periódico; pode ser configurada por segmento ou por arquivo
externo.
LTspice (2019-2) 45

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte DC
LTspice (2019-2) 46

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Pulsada
LTspice (2019-2) 47

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Pulsada

Von

Ton
Tdelay Trise Tfall

Vinitial
LTspice (2019-2) 48

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Pulsada

Tperiod

Tdelay Ton

Ncycles = 2
LTspice (2019-2) 49

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Pulsada:
• Vinitial: Tensão de nível “0”
• Von: Tensão de nível “1”
• Tdelay: Atraso para que os pulsos comecem
• Trise: Tempo que leva para o sinal subir do nível “0” ao nível “1”
• Tfall: Tempo que leva para o sinal descer do nível “1” ao nível “0”
• Ton: Tempo que o sinal ficará em nível “1”
• Tperiod: Tempo total do pulso (Ficará ligado Ton e desligado Tperiod−Ton)
• Ncycles: Número de ciclos em que ocorre a repetição do pulso. 0 para indefinido.
LTspice (2019-2) 50

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Senoidal
LTspice (2019-2) 51

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Senoidal

Tdelay
Amplitude

DC offset
1/Freq
LTspice (2019-2) 52

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Senoidal:
• DC offset: Defasagem DC (translação no eixo vertical)
• Amplitude: Valor de pico do sinal (variará entre +Amplitude e −Amplitude)
• Freq: Frequência do sinal (1/Tperiod)
• Tdelay: Atraso para que os pulsos comecem
• Theta: Amortecimento exponencial
• Phi: Defasagem em graus (por padrão, é 0° para que o sinal seja senoidal)
• Ncycles: Número de ciclos em que ocorre a repetição do pulso. 0 para indefinido.
LTspice (2019-2) 53

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.2. Circuitos com fontes AC
Fonte Exponencial:
• Vinitial: Tensão de nível “0”
• Vpulsed: Tensão de nível “1”
• Rise delay: Frequência do sinal (1/Tperiod)
• Rise tau: Atraso para que os pulsos comecem
• Fall delay: Amortecimento exponencial
• Fall tau: Defasagem em graus (por padrão, é 0° para que o sinal seja senoidal)

Maiores informações em:


http://www.analog.com/en/technical-articles/ltspice-using-time-dependent-exponential-
sources-to-model-transients.html
LTspice (2019-2) 54

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
Opções de formas de onda disponíveis:
1. Tensão entre um nó e a referência (terra);
2. Tensão entre dois nós;
3. Corrente em um componente;
4. Corrente em um fio;
5. Potência dissipada por um componente;
6. Operações matemáticas entre tensões/correntes nodais.
LTspice (2019-2) 55

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
1. Tensão entre um nó e a referência (terra);

Cursor do
mouse
LTspice (2019-2) 56

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
1. Tensão entre um nó e a referência (terra);
LTspice (2019-2) 57

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
2. Tensão entre dois nós;
1º 2º

Cursor do mouse:
clicar e segurar,
levando para o
segundo nó
LTspice (2019-2) 58

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
2. Tensão entre dois nós;
LTspice (2019-2) 59

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
3. Corrente em um componente;

Cursor do
mouse
LTspice (2019-2) 60

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
3. Corrente em um componente;
LTspice (2019-2) 61

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
4. Corrente em um fio;

Cursor do
mouse +
tecla ALT
LTspice (2019-2) 62

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
4. Corrente em um fio;
LTspice (2019-2) 63

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
5. Potência dissipada por um componente;

Cursor do
mouse +
tecla ALT
LTspice (2019-2) 64

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
5. Potência instantânea dissipada por um componente;
LTspice (2019-2) 65

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
6. Operações matemáticas entre tensões/correntes nodais.

Na tela das formas de


onda, clicar com botão
direito Somar, subtrair, multiplicar, dividir,
transformada de Fourier, etc...

Ver: http://ltwiki.org/LTspiceHelpXVII/LTspiceHelp/html/Waveform_Arithmetic.htm
LTspice (2019-2) 66

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.3. Visualizando formas de onda
6. Operações matemáticas entre tensões/correntes nodais.
LTspice (2019-2) 67

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.4. Manipulando eixos de formas de onda

Cursor
do Cursor do mouse
mouse no eixo x
no eixo
y
Clicar com botão
direito
LTspice (2019-2) 68

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.4. Manipulando eixos de formas de onda
Clicando com o botão direito nos eixos:
LTspice (2019-2) 69

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.5. Desenhos nos circuitos/formas de onda
Fazer anotações e comentários dentro de um circuito:
LTspice (2019-2) 70

3. Análise de circuitos variantes no tempo


3.5. Desenhos nos circuitos/formas de onda
Fazer anotações e comentários dentro de uma forma de onda:
LTspice (2019-2) 71

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
Variando os valores de uma fonte (de tensão ou corrente) pode-se analisar a
resposta de um circuito. Podem ser usados dois métodos:

• Comando .STEP PARAM no valor da tensão da fonte e alterando a


grandeza do eixo X do gráfico para a tensão/corrente desejada;

• Usando a análise DC SWEEP.

Esta técnica pode ser usada para determinar as curvas I-V de componentes
lineares e não-lineares.
LTspice (2019-2) 72

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 73

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 74

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 75

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 76

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 77

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 78

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 79

4. Análise de circuitos DC
4.1. Características I-V de um componente
LTspice (2019-2) 80

5. Criando novos componentes


5.1. Tipos de modelos de componentes
Formas de se adicionar componentes no LTspice:

• .MODEL: Componentes simples (alguns diodos, transistores);

• .SUBCKT: Componentes complexos ou modelos mais completos


de componentes simples, compostos por circuitos
LTspice (2019-2) 81

5. Criando novos componentes


5.2. Componentes .MODEL
Vários disponíveis no próprio LTspice:
Botão direito em um diodo:
LTspice (2019-2) 82

5. Criando novos componentes


5.2. Componentes .MODEL
Vários disponíveis no próprio LTspice:

Parâmetros da diretriz .MODEL de um diodo


LTspice (2019-2) 83

5. Criando novos componentes


5.2. Componentes .MODEL
Idem para transistores:
Botão direito em um transistor:
LTspice (2019-2) 84

5. Criando novos componentes


5.2. Componentes .MODEL
Idem para transistores:

Parâmetros da diretriz .MODEL de um transistor


LTspice (2019-2) 85

5. Criando novos componentes


5.2. Componentes .SUBCKT
Componentes mais complexos ou modelos mais completos de um componente simples.
Exemplo de um DIAC:
.SUBCKT DIAC DIAC_IN DIAC_OUT PARAMS: C_C2 DIAC_IN DIAC_OUT 10p
+Tr=0.342
+Vbo=13.6V .MODEL _S1 VSWITCH Roff=1e7 Ron=2.2 Voff=0.1V Von=0.99V
+Delta_V=19V
+Ibo=15uA
Parâmetros do DIAC .model DZ14V
Eg=1.11 M=.3282
D(Is=3.142f Rs=0.1 Ikf=0 N=1 Xti=3

+ Vj=.75 Fc=.5 Isr=1.973n Nr=2 Bv={Vbo}


S_S1 N01041 N01060 N02098 DIAC_OUT _S1 Ibv=.14467 Nbv=1.093
D_D1 N06161 N01041 DZ19V + Componentes
Ibvl=.1m Nbvl=1.2722 Tbv1=001433.3u)
D_D2 N06161 N01060 DZ19V .model DZ19V D(Is=6.994f Rs=5.612 Ikf=0 N=1 Eg=1.11 M=.2906
D_D3 N10655 N01060 DZ14V + primitivos
Vj=.75 Fc=.5 Isr=2.088n Nr=2 Bv={Delta_V}
D_D4 N10655 DIAC_OUT DZ14V Ibv=.17098 Nbv=1.2072
Modelo elétrico do DIAC
V_IDIAC1 DIAC_IN N01041 DC 0Vdc AC 0Vac + adicionais utilizados
Ibvl=2.002m Nbvl=1.1457 Tbv1=888.89u)
C_C1 N02098 DIAC_OUT 1u IC=0 * Vz = 18 @ 14mA, Zz = 37 @ 1mA, Zz = 11 @ 5mA, Zz
R_R1 N02098 TRG 1.462*{Tr} = 7.9 @ 20mA no modelo elétrico
RS_S1 N02098 DIAC_OUT 1G .ends
E_ABM1 TRG DIAC_OUT VALUE {
IF(ABS(I(V_IDIAC1))>{Ibo},1,0)}
LTspice (2019-2) 86

5. Criando novos componentes


5.3. Adicionando componentes novos no circuito
Procedimento geral:
1. Colocar o arquivo de texto com o componente na mesma pasta
onde o circuito está salvo (o arquivo pode ter qualquer extensão,
mas será um arquivo de texto);
• Um mesmo arquivo pode conter vários componentes
.MODEL ou .SUBCKT
2. Usar o comando spice .INCLUDE:
Comando .include

Esta opção deve estar marcada


LTspice (2019-2) 87

5. Criando novos componentes


5.3. Adicionando componentes novos no circuito
Procedimento geral:
3. Clicar com o botão direito (ou CTRL+botão direito) no componente e, em VALUE,
colocar o nome do componente;

• Um .INCLUDE pode conter mais de um componente


.MODEL ou .SUBCKT;
• Assim, o conteúdo do campo VALUE deve ser idêntico
àquele dentro do arquivo no .INCLUDE;
• O campo PREFIX deve conter, para um componente
.MODEL: D se for um diodo, Q se for um BJT ou MN se
for um MOSFET;
• Se for um componente .SUBCKT: X.
LTspice (2019-2) 88

5. Criando novos componentes


5.3. Adicionando componentes novos no circuito
Procedimento geral:
4. O nome no campo VALUE é
encontrado no arquivo do
.INCLUDE, logo após o comando
.SUBCKT ou .MODEL
LTspice (2019-2) 89

5. Criando novos componentes


5.4. Modificando componentes
Cada componente tem uma lista de parâmetros que devem ser extraídos do
datasheet adequado para que a simulação seja fiel ao componente;
Exemplo DIAC: Exemplo TRIAC:
.subckt DB3 DIAC_IN DIAC_OUT .SUBCKT TIC106D anode gate cathode
X1 DIAC_IN DIAC_OUT DIAC params: PARAMS:
+Tr=0.342 + Vdrm=400v Vrrm=400v Idrm=400u
+Vbo=13.6V + Ih=5ma dVdt=10
+Delta_V=19V + Igt=60ua Vgt=0.6v
+Ibo=10uA + Vtm=1.7v Itm=30
.ends + Ton=1.75u Toff=7.7u
...
.ends
LTspice (2019-2) 90

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências
É possível em um circuito AC determinar como suas grandezas se comportam conforme
a frequência é alterada. Para isso, é exibido um diagrama de amplitude/fase (também conhecido
como diagrama de Bode).
Para este tipo de análise a fonte de
tensão/corrente deve ser configurada como Small
Signal AC analysis (AC) na janela de configurações
avançadas da fonte. Neste caso, determina-se:
• A amplitude do sinal;
• O ângulo de fase do sinal;
LTspice (2019-2) 91

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências
LTspice (2019-2) 92

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências
Na configuração da simulação é possível configurar:
1) O tipo de varredura determina como a quantidade de
pontos escolhidos (Number of points) é varrida entre
a frequência inicial (start frequency) e a final (stop
frequency)
a) Octave (Oitavas)
b) Decade (Décadas)
c) Linear:
d) List (lista): Neste caso, as frequências são
determinadas de forma individual.
LTspice (2019-2) 93

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências

A magnitude da grandeza
(eixo x esquerdo)

O ângulo de fase da grandeza


(eixo x direito)
LTspice (2019-2) 94

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências

A grandeza mostrada no eixo x


pode ser configurada para variação
linear, logarítmica ou em decibel.
Na forma linear ou logarítmica, será
mostrado o valor da tensão nodal,
em volt.
Em decibel, o valor é determinado
por:
LTspice (2019-2) 95

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências

Para mostrar a curva de variação da


impedância com a frequência basta
editar a expressão do plot para a
equação da impedância, neste caso,
de L1:
LTspice (2019-2) 96

6. Análise de frequência
6.1. Varredura de frequências
Efetuando a análise por lista, em apenas uma frequência, é
mostrada uma janela com os resultados para as tensões nodais
e correntes nos componentes do circuito.

Se mais frequências forem escolhidas, a resposta será um


gráfico, como das outras formas.