Você está na página 1de 3

- DOR VISCERAL:

DOR VISCERAL
- Pode ser de natureza orgânica (relacionada a alguma
lesão anatômica – tumores, litíases ou alterações
CASE 2 – OBJETIVOS
vasculares)
1. CONCEITUAR DOR
VISCERAL - Pode ser de natureza disfuncional (relacionada a uma
2. CITAR AS PRINCIPAIS falha na funcionabilidade do órgão ou sistema e possui
CAUSAS DE DOR investigação anatômica normal – síndrome do intestino
VISCERAL TORÁCICA, irritável, dismenorreias e cistite intersticial.
ABDOMINAL E PÉLVICA
3. ENTENDER O - Características:
TRATAMENTO DA DOR
1. Não é evocada de todas as vísceras: devido ao
VISCERAL
4. MECANISMO DE DOR número reduzido de nociceptores e à sua distribuição
VISCERAL: limitada a membranas serosas de vísceras ocas e de
- ESTÍMULOS revestimento de órgãos maciços, os quais não
QUÍMICOS: possuem nociceptores que produzam sensações
SECUNDÁRIO À conscientes.
INFLAMAÇÃO E
ISQUEMIA 2. A intensidade da dor não é diretamente relacionada
-ESTÍMULOS com o grau de lesão tecidual (nociceptores das
MECÂNICOS: vísceras em geral são pouco sensíveis ao corte e muito
COMPRESSÃO E sensíveis à distensão, por isso um corte no intestino
OBSTRUÇÃO não é tão doloroso quanto uma distensão de bexiga).
-ESTÍMULOS
FUNCIONAIS: 3. É mal localizada e não é definida facilmente quanto
MECÂNICO OU QUÍMICO À sua origem, devido ao baixo número de nociceptores
viscerais comparados à quantidade dos nociceptores
somáticos, além de possuírem distribuição difusa no
SNC, o que compromete ainda mais a definição da
origem da dor)
4. É geralmente referida para outros locais devido à
CONVERGÊNCIA VISCERO-SOMÁTICA na MEDULA
ESPINHAL.
5. É geralmente acompanhada por reflexos
autonômicos e motores como náuseas, vômitos e
tensão muscular baixa (cólica renal).
- ESTÍMULOS QUE DESENCADEIAM A DOR VISCERAL:
- QUÍMICOS: SECUNDÁRIOS À INFLAMAÇÃO
OU ISQUEMIA
- MECÂNICOS: GERADOS POR COMPRESSÃO E
OBSTRUÇÃO
- FUNCIONAIS: QUE PODEM SER MECÂNICOS
OU QUÍMICOS.
- Os Recaptores podem ser de dis tipos:
Fisiopatologia da Dor 1. Alto Limiar: Respondem a estímulos
Visceral mecânicos nóxicos (presentes na maioria das
vísceras)
- As vias nervosas da Dor
Visceral possuem relação 2. Baixo Limiar: Respondem tanto a estímulos
estreita com a inervação do nóxicos como a estímulos inócuos fazendo
SNA. distinção entre eles de acordo com a
intensidade da corrente despolarizante – são
- Com a injúria tecidual, ocorre a menoria (colón, estômago, esôfago, bexiga e
SENSIBILIZAÇÃO PERIFÉRICA
testículo)
(devido à liberação de
mediadores inflamatórios, - Há também a presença de NOCICEPTORES
como: citocinas, substância p, SILENCIOSOS, que fisiologicamente não
serotonina e prostaglandinas),
transmitem sensações, porém diante de injúria
que reduz o limiar de dor dos
tecidual por isquemia ou inflamação, são
nociceptores de alto limiar e
desencadeia a aferência ativados e colaboram para a produção do
dolorosa, além disso há o estímulo doloroso.
recrutamento de nociceptores
- SENSIBILIZAÇÃO CENTRAL:
silenciosos, que amplificando a
aferência da dor. Pode haver - Há evidências que as alterações neuroplásticas são
também descargas espontâneas mais prevalentes na dor visceral em comparação à
ou ectópicas.
somática.
- A aferência visceral
- Na dor visceral os Receptores NMDA podem ser
corresponde somente a 10% de
toda a aferência ao SNC e são ativados por estímulos menos intensos e curtos em
organizadas de forma difusa duração em comparação à dor somática.
tanto central, como
- Ocorre devido à ativação dos receptores NMDA, NK1
perifericamente.
e atuação das enzimas COX e NOS; devido à alterações
- As vias viscerais aferentes se neuroplásticas como o brotamento de fibras Abeta e
projetam ao SNC por 3 VIAS: alterações fenotípicas (inflamação neurogênica
1. Nervo Vago e seus Ramos
indutora de inflamação) e alterações nas vias
modulatórias como a morte dos interneurônios de
2. Dentro e ao Longo de Vias associação; inibição do sistema inibitório descendente
Eferentes Simpáticas e alteração nos neurotransmissores.
3. Nervo Pélvico e seus
Eferentes Parassimpáticos

- Ao adentrarem na medula, os
aferentes primários fazem - TRATAMENTO DA DOR VISCERAL:
sinapse com o neurônio dois nas
lâminas I, II, V e X, que emitem - Deve visar a causa da dor além do tratamento
seus axônios até o TÁLAMO e do sintomático da dor.
tálamo o neurônio 3 emite fibras
para o Hipocampo, Amígdala, - Quanto mais prolongada e repetida a afe^rencia
Córtex Pré-frontal (Dimensão dolorosa, maior o risco de sensibilização e suas
cognitivo-afetiva da dor), Giro consequências (hiperalgesia e alodinia).
do Cíngulo (Dimensão afetivo-
cognitiva da dor) e Ínsula - Pode haver casos em que a dor persiste mesmo após
(Integra as funções motoras e o tratamento da causa de base para a produção
sensitivas com a entrada no daquela dor, ou então a causa pode não ser descoberta
sistema límbico). O trato nesses casos deve-se cessar a investigação para não
espinomesencefálico possui cometer iatrogenias e tratar o sintoma da dor para
relação com o sistema inibitório evitar sensibilização.
descendente.
Principais Causas Da Dor - O tratamento da Dor visceral em si é baseado na
farmacoterapia e pode-se usar:
Visceral
- Torácica:
- Fármacos Não Analgésicos: nitratos (angina do
peito), anti-histamínicos e inibidores de bomba
- CAUSAS CARDÍACAS: (gastrites e dores epigástricas) e
Cardiopatia Isquêmica
antiespasmódicos (reduzem a contratilidade de
- CAUSAS vísceras ocas).
CARDIOPULMONARES:
Pericardite e pleurite; - Fármacos Analgésicos:
Dissecção de aorta, aneurisma
de aorta, Pneumonia e - Opióides e AINES tem efeito limitado nas dores
Pneumonite; Embolia pulmonar viscerais, podendo causar piora do quadro.
e Cancer de Pulmão.
- Se dor Visceral Orgânica AGUDA os opioides
- CAUSAS NÃO
CARDIOPULMONARES: Refluxo
respondem bem, na dor Visceral Funcional eles
Gastroesofágico; Úlcera pioram o quadro e quando há sensibilização
Péptica, Costocondrite; central, possuem ação limitada.
Transtorno do pânico; Estresse
e Ansiedade. - Dependendo do quadro de Dor Visceral
Funcional CRÔNICA (com sinais de
- Abdominais:
sensibilização), pode-se utilizar adjuvantes
- INFLAMAÇÃO DO PERITÔNIO como antidepressivos (tricíclicos ou não) e
PARIETAL: Apendicite e
anticonvulsivantes.
Perfuração de Alça ou de
Estômago - Não farmacológico: Fisioterapia, acupuntura,
- OBSTRUÇÃO DE VÍSCERAS estimulação elétrica transcraniana, bloqueios
OCAS: Obstrução Biliar e nervosos e intervenções cirúrgicas (possuem
Obstrução Intestinal maior valor na dor visceral).
- DISTÚRBIOS VASCULARES:
Ruptura de Artéria Mesentérica
Superior e Ruptura de
Aneurisma de Aorta Abdominal

- NEUROGÊNICAS: Hepes-
Zoster, Tumores, Hérnia de
Disco e Diabetes

- DORES REFERIDAS NO
ABDOME

- CRISES ABDOMINAIS
METABÓLICAS: Pancreatite por
Hiperlipidemia e Apendicite ou
Úlcera Perfurada por
Cetoacidose Diabética

- Pélvicas:

- CÓLICA RENAL

- PROSTATITE CÔNICA

- DISMENORRÉIAS: Cólicas
Menstruais, Endometriose e
Miomatose

- DIP