Você está na página 1de 2

Délimitant par un demi-cercle le territoire de "10 000 saulvages pour fere la guerre aux

Portugais", ce portulan pourrait être le plan de campagne d'une expédition confiée en


1581 par Catherine de Médicis à son cousin Philippe Strozzi pour conquérir toute la côte
brésilienne comprise entre l'Amazone et le rio de São Francisco (Bahia). Arrêtée aux
Açores par une flotte espagnole, l'expédition fut détruite. Cette carte préparatoire nous
offre l'inventaire des ressources naturelles (or, ambre gris, bois de brésil, sucre et coton),
des espèces animales (singes, oiseaux) et des tribus indiennes - ainsi les amazones sont-
elles situées près du Marañon - d'un pays qui fut convoité pour ses richesses autant
réelles qu'imaginaires.

http://www.sudoestesp.com.br/file/colecao-imagens-periodo-colonial-rio-janeiro/684/
161- São Sebastião do Rio de Janeiro - ca. 1579

'Le Vrai Pourtraict de Geneure et du Cap de frie par Jqz de Vau de Claye'.
autor: Jacques de Van de Claye.
fonte: Detalhe do original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris.
Vista do Rio de Janeiro apenas 12 anos após sua fundação. Catarina de Medicis, rainha da França, no exercício da Regência, enviou
espiões à Guanabara, para preparar uma retomada do Rio de Janeiro. Este desenho foi preparado por Van de Claye, a bordo do navio
'La Salamandre', comandado por Filipe Strozzi, primo de Catarina. O detalhe nos mostra a cidade instalada sobre o Morro do Castelo,
com suas igrejas e a fortaleza. A igreja central seria a dos jesuítas; à sua esquerda vem a fortaleza, tendo ao seu lado a forca e, ao
fundo, a igreja de São Sebastião. No primeiro plano, um pequeno forte, ao pé do Morro do Castelo.
O desenho foi analisado por Gilberto Ferrez (FERREZ - 1972) e Isa Adonias, em seu Catálogo de Plantas (ADONIAS - 1965).

Rio de janeiro por holandeses


162- São Sebastião do Rio de Janeiro - ca. 1598 (1602

'Rio Iáuero'.
autor: não identificado.
fonte: Ilustração do livro de Olivier van Noort 'Description dv penible Voyage...'(NOORT - 1610). Exemplar pertencente ao acervo do
Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de
São Paulo.
Em 1598 Olivier van Noort iniciou a primeira viagem ao redor da terra, realizada por um holandês. Havia apenas três exemplos
anteriores de uma iniciativa desse tipo: a de Magalhães, a de Drake e a de Cavendish. Eram 248 homens e 4 navios, dos quais apenas
um retornou, em 1601. De início tentou entrar na Baía de Guanabara, mas foi repelido pelas forças portuguesas. O relato da viagem foi
publicado pela primeira vez por Cornelis Claesz, em 1602. A estampa que apresentamos é de uma edição posterior, em francês,
publicada por Cornille Nicolas, em 1610. As ilustrações são as mesmas da edição em holandês, de 1602.
A passagem rápida pelo Rio de Janeiro talvez seja responsável pela forma esquemática com que a cidade foi representada. Mas de
qualquer forma, nos fornece uma imagem de sua fase inicial, quando instalada no Morro do Castelo. Não há indicação da Cidade
Baixa, que ainda não existia ou não teria sido vista pelos holandeses, que haviam se limitado a registrar suas observações a partir da
embarcação. O desenho nos mostra uma torre no ponto mais baixo da cidade, que poderia ser situada em primeiro plano para quem
entra na baía, ou pertencer a uma fortificação do Morro do Castelo, registrada de forma sumária. Abaixo, aparecem alguns elementos
que poderiam ser partes do muro da cidade e um baluarte

Imagem 16
169- São Sebastião do Rio de Janeiro - 1711

'Plan de la Baye et de la Ville de Riogènaire (...) pris par lescadre que comandoit M. Duguay Trouin/En 7bre. 1711'.
autor: Capitão engenheiro Brulot.
fonte: Original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris.
Desenho esquemático, mostrando o ataque ao Rio de Janeiro, em 1711, pela esquadra de Duguay Trouin. Os navios franceses entram
em fila, à frente da fortaleza de Santa Cruz e os navios portugueses permanecem à frente da cidade. Gilberto Ferrez chama atenção
para o fato de que esta seria a disposição correta dos navios portugueses e não o que mostrou Trouin em seu livro (FERREZ - 1972).
Existem diversas variações desse desenho na Bibliothèque Nationale, Paris.

Imagem 18 172- São Sebastião do Rio de Janeiro - 1711


'Plan de la Baye Ville, forteresses, et attaques de Rio Janeiro Levè par Le cheu.ley de la Grange Cap.m des Gren. ers au mois de 9bre
1711'.
autor: De La Grange.
fonte: Original manuscrito da Bibliothèque Nationale, Paris.
A cidade é vista à esquerda, acima do quadro da legenda. Entre a massa verde do Morro do Castelo, onde a cidade foi fundada, umas
poucas quadras edificadas. A seguir, a Fortaleza do Castelo e a igreja de São Sebastião. Mais acima as quadras da cidade junto à
praia, com forma geométrica mais regular, tendo aos fundos as áreas alagadas e, no outro extremo da praia, o Morro de São Bento.

PERRONE-MOYSÉS, L. Cinco séculos de presença francesa no Brasil: invasões,


missões, irrupções. São Paulo: Edusp, 2013.

https://infograficos.oglobo.globo.com/rio/castelo-360o.html

VISTA dos Arredores de Porto Calvo. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura
Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em:
<http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra24409/vista-dos-arredores-de-porto-calvo>.
Acesso em: 12 de Set. 2018. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

VISTA da Ilha de Itamaracá. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras.
São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em:
<http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra24406/vista-da-ilha-de-itamaraca>. Acesso
em: 12 de Set. 2018. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

RECIFE e Itamaracá. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São
Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em:
<http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra5910/recife-e-itamaraca>. Acesso em: 12 de
Set. 2018. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7
http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa10299/albert-eckhout

Os Tarairiu, que Eckhout chamou de Tapuia, praticavam a antropofagia dos


entes queridos reduzindo seu corpo a pó que era misturado à farinha, diferente
dos Tupinambás, grupo tupi, que praticavam a antropofagia para vingar a
morte dos parentes mortos.

Obrigado por compartilhar. Lembre-se de citar a fonte:


https://ensinarhistoriajoelza.com.br/indios-brasileiros-retratados-por-um-
holandes/ - Blog: Ensinar História - Joelza Ester Domingues

Interesses relacionados