Você está na página 1de 1

A crise da Monarquia e a implantação da República no Brasil

Na segunda metade do século XIX, a economia brasileira estava passando por sensíveis transformações. Entretanto, na
política, D. Pedro II, exercendo o Poder Moderador, continuava governando de forma centralizada. Os liberais e os
conservadores continuavam se alternando no poder, enquanto isso, os republicanos iam, gradativamente, ganhando espaço.
Em 1870, é assinado por muitos intelectuais o Manifesto Republicano, propondo o regime republicano. No Rio de Janeiro, é
fundado o jornal A República. Em julho de 1873, na Convenção de Itu, foi fundado o Partido Republicano Paulista (PRP),
composto pela nova aristocracia cafeeira (do Oeste paulista), que via a monarquia como um empecilho ao progresso do Brasil.
O movimento republicano contou com a participação de jovens oficiais, influenciados por Benjamin Constant, professor
da Escola Militar. Os republicanos estavam divididos em Radicais, liderados por Aristides Lobo, Silva Jardim e Benjamin
Constante, queriam a proclamação imediata da República, e moderados, liderados por Quintino Bocaiúva e Saldanha Marinho,
preferiam aguardar o momento da sucessão monárquica.
01- Como governava D. Pedro II na segunda metade do século XIX? Quais os partidos que se alternavam no governo, na
época do Segundo Reinado?
02 – Sobre os republicanos, responda resumidamente:
a) Cite duas ações suas no final do Segundo Reinado.
b) Quando e onde foi fundado o PRP, Partido republicano Paulista? Quem o compunha?
c) Como estavam divididos?
Os militares se indispuseram com o governo monárquico, desde 1831, com a criação da Guarda Nacional (porque com ela
as Forças Armadas haviam sido postas de lado). Mas, com a Guerra do Paraguai, o Exército se tornou mais organizado,
composto por integrantes das camadas médias urbanas e ex-escravos.
Contribuiu também para colocar os militares contra monarquia, a Questão Militar, série de atritos entre o Exército e o
governo brasileiro, envolvendo o Tenente-Coronel Sena Madureira e o Coronel Cunha Matos, punidos por terem se
manifestado pela imprensa contra atos do governo. Receberam apoio Marechal Deodoro da Fonseca. Em 1887, Deodoro
fundou o Clube Militar, do qual foi o primeiro presidente. Nesse mesmo ano, apresentou à Princesa Isabel, um documento
em que os militares se recusavam a prender escravos fugidos. No início de 1889, já havia mais de 250 clubes no Brasil.
03 – Sobre o exército, responda resumidamente:
a) De onde vinha o seu ressentimento contra o governo?
b) Qual o efeito da Guerra do Paraguai sobre ele?
c) O que foi a Questão Militar? Quais os militares envolvidos?
A República Velha – Política, Economia e Sociedade
De 1889 a 1930, vigorou a chamada República Velha, que pode ser dividida em República da Espada, em que os militares
governaram, e República Oligárquica ou República do Café, em que a vida política do país foi dominada pelos grandes
proprietários rurais, entre os quais se destacavam os fazendeiros de café dos estados de São Paulo e Minas Gerais.
A República da Espada compreende os governos militares de Deodoro da Fonseca e Floriano Peixoto (1889-1894), quando
se iniciou a estruturação do novo regime político brasileiro, com a promulgação da Constituição de 1891, 1ª constituição
republicana. Durante a República da Espada, o ministro das Finanças, Rui Barbosa, fez uma reforma financeira: aumentou a
quantidade de moeda em circulação sem o equivalente lastro (ouro de reserva, correspondente ao dinheiro que circulava).
Essa moeda seria dada, sob a forma de empréstimos bancários, a quem quisesse iniciar uma empresa. Essa política provocou
uma crise econômica chamada de encilhamento (o nome deriva do local onde se faziam apostas, nas corridas de cavalos),
pois nasceram empresas fantasmas, que não existiam senão no papel. Na Bolsa de Valores, as ações dessas empresas eram
cotadas em valores altos, completamente irreais. Por causa dessa política econômica o Brasil vai passar por uma alta geral do
custo de vida, desvalorização da moeda, encarecimento dos produtos estrangeiros, as importações diminuíram e as empresas
produtivas faliram.
01 – Cite e explique os períodos da República Velha? Cite os presidentes durante a República da Espada?
02 – O que foi o Encilhamento? Quais as suas consequências?
Em 1894, foi eleito Prudente de Morais, representante da classe cafeicultora, foi o primeiro civil a ocupar a presidência,
iniciando o segundo período da República Velha, a República Oligárquica ou República do Café, quando os fazendeiros
dominaram a vida política e econômica do Brasil. Durante esse período, foi criada a Política dos Governadores, acerto político
entre o governo federal e as oligarquias regionais (famílias que dominavam a política nos estados). Por este acordo o governo
federal se comprometia a apoiar os governos estaduais, não interferindo na política local, e, em troca, esses governos estaduais
se comprometiam a apoiar o governo federal. Começa a ocorrer a “degola” dos candidatos de oposição, pois estes quando
eram eleitos, eram impedidos de tomar posse dos cargos. Assim, os “coronéis” (principais fazendeiros de uma região)
decidiam as eleições, pois o voto era aberto.
A Política dos Governadores permitiu o aparecimento de um outro acerto político entre os estados mais ricos e populosos
do país, São Paulo e Minas Gerais, que se revezavam na presidência da República. Esse domínio de paulistas e mineiros ficou
conhecido por Política do Café-com-Leite, pois enquanto São Paulo era o maior cafeicultor, Minas Gerais era forte na
pecuária. Assim, enquanto paulistas e mineiros dominaram o país; em cada estado, uma família importante se perpetuava no
poder; e nas cidades e no campo, vigorava o coronelismo, domínio do fazendeiro mais rico. E o povo brasileiro, que sonhou
com a República, pois esperava participar do poder, ficou mais uma vez de fora.
03 – O que foi a República Oligárquica?
04 – O que foi a Política dos Governadores?
05 – Explique o que era a Política do Café-com-Leite.
06 – O que foi o Coronelismo?
07 – Qual era a participação política do povo brasileiro durante a República Oligárquica? Por quê?