Você está na página 1de 163

COSACNAIFY

Timothy Samara

Agradecimentos

Reunir material para um livro assim depende da boa vontade Sou grato a Massimo Vign elli, que muito gentil e inespera­
de muita gente ocupada. Meus sinceros agradecimentos a damente me concedeu quatro horas de sua agenda lotada
todos os desi gners que reuni ram exemplos de seus trabalhos para conver ar em profundidade sobre o tema deste livro.
para nálise, por suas su gestões e grande estimulo. Nesse Agradeço também a Chris Myers, ela University of the Arts
aspecto. re gistro um espe-i I agradecimento a Hans Bockting, da Fi ladé lfia, e a sua esposa Nan cy Mayer, que reuniram uma
Ka therine McCoy e Simon Johnston, que dedicaram tempo e quantidade enorme de trabalho s de estudantes para análise.
deram con selhos úteis muito além de minhas expectativas.
Obrigado a Ri hard Wilde, da School ofVisual Arts, por ter E finalmente meus agrad ecimentos a Sean e Catherine, pela
colocado a Rockport Publishers em contato comigo. paciéncia e apoio durante todo o processo.
ra
cu cu
ra -c o o
I.­ ra lta
:::l-C u"
I '
:::l cu -­ -o ura· :::l
I.­
s:::::
I.-..D
I ' -­
'"
cu cu -­
I ' E
'"cu ra o ra ra o
ra cu I s:::::
8 Reflexões sobre a estrutura
UmJ Intrudução

ti Como lJhJr este Ipl(o


Construindo o grid Desconstruindo o grid Apêndices

Chegando à ordem 112 Interlúdio histórico 2°4 índice dos colaboradores


historia do grid no
l e VE As sementes d desconstrução
d Ign gráfico moderno 207 Si bl iografia
120 Explorando outras opções
Fundamentos do grid Um guia p"lra a des onstruçã o 208 Sobre o autor
Um wo rk shop de deslgn estrutural e abord agens nã o-est r ulur is
208 Créditos
Exemplos 128 Exemplos
ro .'os de design baseados em grid Desconstruções do gnd
e proj etos sem grid
Reflexões sobre a estruturé
111 I t ro u
Para alguns
designers gráficos,
ele é parte
incontestável o grid tipográfico é um princi pio organ izad or
no des ign grélfi co uj a influ nci a está arraigada
do processo na prática diária , m as ao mesm o tempo é
com bat ido no en sino do des ign; é amado e

de trabalho, odi ad o pe los pres upostos absol utos


intrinseco, à sua con e p ,ã o.

oferecendo É um pri nci pio com rai zes nas soei dades mais
antigas do plan eta. Levar uma vid a com algum
precisão, ordem tip o de entido -e cri r um aordem
co mpreensivel p r esse ~ ent ido - é um a das
e clareza. atividades que nos di ferenci a dos animais.
O pensamento ' strut ur I, mesmo il nles de su
últi ma codi fi ca ç o no mod erni sm o eu ro peu e
.. ame ri cano, . um traço caracte ri stico das
cu lt uras que luta m pela civil ização. Os chin eses,
Para outros, é os Japo nese s, 05 gregos e ro manos, os incas ­
todos esses povos segu ir am idé ia s estruturai

símbolo da opressão ao nstruir cida des, faze r guerras e orga ni zar


image ns. Em muitos caso s, essa str utu r se
baseava no cruzamento de eixos que
estética da velh a corres pondiam à intersecção do céu e da t erra.

guarda, prisão O grid estabelecido pelo mod rni smo


rea fi rmo u esse anti go senso de ordem ,

sufocante que formal iza ndo-o ainda mai s e tr nsform ndo o


em p rte integra nt e do desi gn oO grid
tip ográfico - pos tula do fund amen l I do
atrapalha a busca ch am ado " Es ti lo Intern aciona l" - é um si ste ma
de pia nej a ento ortogonal que divide a
de expressão. infor mação em partes man useáv i~. O
press upost o des se sistem a é que as rela ões d
escale e dist ribll içào entr 05 eleme ntos
info rma tivo s - ima ens ou pa lavras - ajud am o
observador a ente nde r seu sig nificado.

Itens parecidos são distribuídos de maneiras


parecidas para que suas semelhanças ganhem
dest aque e possa m ser identificadas. O grid
co nverte os elementos sob seu cont role num
campo neutro de regularidade que facilita
acessá- los - o observador sabe onde localizar a
informação procurada porque os pontos onde
se cruzam as divisões horizontais e verticais
funcionam como sinalizadores daquela
informação. O sistema ajuda o observador a
entender seu uso. Em certo sentido, o grid é
como um fichário visua l.
A história do desenvolvimento do grid é complexa e tortuosa. O design
gráfico moderno, como o conhecemos, é recente, mas há casos de uso
do grid antes dos gregos e romanos; aqui, é impossível expor toda a
história dessa evolução. Para nossos fins, o grid usado no design gráfico
ocidental surgiu durante a Revolução Industrial. Mas as idéias circulam
.
nas comunidades artísticas: seria um desservico à história tentar fixar uma
gênese exata. Apresentamos apenas um resumo simples de um processo
complicado. As contribuições de milhares de designers por mais de um
século foram sintetizadas em poucas páginas; muitas foram omitidas ou
citadas apenas de passagem. A bibliografia ao final do livro ajudará o leitor
interessado a ter uma visão mais profunda desse tema.

o admirável mundo novo da indústria


O desenvolvimento do grid nos últimos '5° anos
coincide com profundas mudanças sociais e
tecnológicas na civilização ocidental, e a
resposta de filósofos, artistas e designers a elas.
A Revolução Industrial na Inglaterra, na segunda
Chegando à ordem metade do século XVIII , mudou a vida das
pessoas - ela teve um efeito fundamental em

Breve história do grid no nossa cultura. Quando a descoberta da energia a


vapor levou mais pessoas a morar nas cidades, o
poder passou da nobreza rural para os
design gráfico moderno industriais, comerciantes e trabalhadores.

A demanda de uma população urbana com


poder aquisitivo crescente incentivou a
tecnologia, que por sua vez fomentou a produção
em massa, abaixou os custos e aumentou a
oferta. O design assumiu o importante papel de
tornar os bens materiais desejáveis. Além disso,
a revolução francesa e a americana promoveram
o avanço da igualdade social, do ensino público e
da alfabetização, e ajudaram a ampliar o acesso
a materiais impressos.

Com essa enorme mudança de estilo de vida


veio a confusão estética. A tradição beaux-arts,
que pouco mudou desde o Renascimento,
apoiada pelas sólidas crenças morais e
espirituais da época, aferrava-se a suas idéias
e noções estéticas de perfil neoclássico. O
gosto vitoriano pela arquitetura gótica fez
uma estranha aliança com texturas exóticas
importadas dos confins do Império Britânico.
Arthur Mackmurdo e Sir Emery Walker, dois Um grupo de colaboradores escoceses - as
Abordagens contraditórias do design e a
necessidade de atender à demanda de consumo contemporâneos de Morris, chamaram sua irmãs Frances e Margaret McDonald e os
das massas com novos produtos atingiram atenção para o design de livros e fontes respectivos maridos, James MacNair e Charles
tipográficas. A revista The Hobby Horse, de Rennie Macintosh, que tinham se conhecido
uma espécie de patamar histórico em 1856,
Mackmurdo, tinha as mesmas qualidades - o quando estudavam na Glasgow School of Art­
quando o autor e designe r Owen Jones criou
dimensionamento dos espaços com proporções traduziram o viés medieval do arts and crafts
Agramática do ornamento, um enorme catálogo
intencionais, a escolha cuidadosa do tipo, do para articulações mais abstratas e geométricas
de desenhos, estilos e enfeites que foram
corpo, das margens, e da qualidade da impressão do espaço. Tornaram-se conhecidos como The
cooptados para uma produção em massa de
- a que Morris aspirava, mas no campo gráfico. Glasgow Four, e a publicação de seus projetos
artigos de baixa qualidade material e de
Em 1891, Morris abriu a Kelmscott Press em para livros de arte, objetos e móveis na revista
estética questionável.
Hammersmith, criando livros com um design The 5tudio popularizou as idéias do grupo,
Adequação aos fins O movimento inglês requintado em que as fontes, as xilogravuras e· chegando a Viena e a Hamburgo.
arts and crafts na arquitetura, pintura e design os materiais eram escolhidos de acordo com sua
nasceu em reaçâo a esse desvio. À frente estava integração estética e facilidade de produção. Influência crescente Peter Behrens, um
Will iam Morris,jovem estudante de formaçâo O projeto mais ambicioso de Morris foi As obras jovem e ambicioso arquiteto alemão, cresceu
privilegiada que tinha se interessado por de Geoffrey Chaucer, de 1894. As ilustrações, os em Hamburgo sob essa nova influência e a
poesia e arquitetura - e sua aparente distância blocos de tipos display e as iniciais entalhadas s~ da Secessão vienense, contra movimento que
em relação ao mundo industrializado. Sua integravam por relações entre os tamanhos, se inspirava em Wright e nos Glasgow Four.
Inspiração era John Ruskin, escritor que insistia e as composições obedeciam a uma estrutura A Secessão adotava abordagens ainda mais
que a arte podia ser a base de uma ordem social geral predeterminada, que conferia uma retilíneas no design de livros e cartazes e na
melhor, em que a vida humana uniria arte e unidade radical às páginas e permitia uma arquitetura. Designers e arquitetos como Josef
traba lho, como na Idade Média. Com o amigo produção mais acelerada. Esse livro marcou a Hoffman, Koloman Moser e Josef Maria Olbrich
Edward Burne-Jones, poeta e pintor, e Philip transiçâo do leiaute retangular, derivado do buscavam a simplicidade funcional e evitavam
Webb, arq uiteto, Morris se lançou à revitalização manuscrito medieval (e que paradoxalmente a ornamentação. Em 1900, Peter Behrens
do ca mpo estético cotidiano da Inglaterra. fornece sua estrutura estética), para o leiaute se mudou para uma colônia de artistas em
O projeto de Webb, de 1860, para a Red House moderno da página, onde vários tipos de Darmstadt, fundada pelo grão-duque de Hesse.
de Morris, recém-casado, organizou os espaços informaçâo estão integrados num mesmo Este convidou mais sete artistas, entre eles
de ma nei ra assimétrica, partindo das suas espaço articulado. Josef Maria Olbrich, dando-lhes terrenos para
funções e assim determinando a forma da
construir suas casas. Ao projetar sua residência
fachada . Na época, era uma idéia inédita - o
O estilo arts and crafts ganhou impulso e se e todo o seu interior, Behrens - tal como Morris,
modelo cl ássico predominante era um leiaute
transformou de várias maneiras - evoluindo e com grande afinidade estética com Olbrich ­
retangula r com fachada simétrica.
para o estilo sensualmente orgânico do art se envolveu no mesmo movimento racional que
nouveau na França ou para o jugendstijl, mais buscava a ordem e a unidade entre as artes. Junto
Além disso, não existia mobiliário adequado pictórico e arquitetônico, na Alemanha e Bélgica com o desenho de mobiliário, ele começou a fazer
para uma casa daquelas. Morris foi obrigado a - à medida que os designers se acostumavam experiências com o leiaute de livros e os novos
projetar e supervisionar a produção de todos aos efeitos da industrialização e procuravam tipos sem serifa que começavam a surgir em
os seus móveis, tecidos, vidros e objetos, se novas formas de expressão que dialogassem fundições como a Berthold. Seu livro Celebração
tornando assim um grande artesão. A empresa com o espírito inventivo da época. da vida e da arte é tido como o primeiro texto
resultante dessa experiência, a Morris and corrido impresso em tipos sem serifa. Embora a
Company, defen dia vivamente a idéia de que A arquitetura do espaço Sob a influência composição da página mantenha a abordagem
aforma era inspirada pela adequação aos fins. de uma viagem à Inglaterra, a obra do arquiteto retangular do manuscrito, o livro segue na trilha
Afértil produção de tecidos, objetos, vidros americano Frank Lloyd Wright deu início a um das obras de Chaucer editadas por Morris, com
emóveis pregava uma maneira de trabalhar sistemático distanciamento do orgânico, mas sua lógica espacial, e lança bases importantes
°
compatível com conteúdo, tinha preocupações continuando a encarnar os mesmos ideais para o desenvolvimento do grid, ao usar o tipo
sociais e dava a máxima atenção à qualidade do do arts and crafts. Como Philip Webb, a obra não-serifado. A textura mais uniforme das letras
acabamento, mesmo quando se tratava de uma de Wright expressava a idéia de que a essência sem serifa cria uma neutra lidade na mancha de
produção em série. do design era o espaço, onde "a parte está texto que realça sua forma sobre o espaço branco
para o todo assim como o todo está para circundante; a distribuição e o intervalo adquirem
a parte, e tudo se destina a uma finalidade". maior importância visual.
Relações de proporção, zonas retangulares e
organizações assimétricas se tornaram diretrizes
do modernismo nascente.
Quadrado e círculo Kandinsky
IDiagrama de grid ICartaz
Adaptada das diagramas Herbert 8ayer
de J.L. Math ieu Lauweriks ©2003 Ar!is!s Righ!s Socie!y (ARS) Nova Yorkl
VG Bild -Kunst, 80nn

Behrens se mudou para Düsseldorf em '9°3, dos artesãos. Inspirado por Morris, mas
para dirigir a Escola de Artes e Ofícios da incorporando, ao invés de repudiar, a máquina,
cidade, desenvolvendo cursos centrados nos o Werkbund pretendia criar uma cultura
princípios visuais básicos e na análise da universal por meio do design de objetos
estrutura com positiva. '904 foi um ano crucial e acessórios do cotidiano. Os projetos de
para Behrens e a escola, quando o arquiteto Behrens pelo Werkbund coincidiram com sua Bauhaus e a nova ordem Com o fim da
holandês J. L. Mathieu Lauweriks ingressou no prestação de serviços à AEG. Além de desenhar guerra na Europa, designers e arquitetos se
corpo docente. Lauweriks tinha desenvolvido um as chaleiras e lustres da AEG ele projetou sua dedicaram à reconstrução e a seguir em frente.
método para o ensino da composição baseada identidade visual. Trata-se do primeiro projeto Na Alemanha, a famosa Escola de Artes e
na dissecação de um círculo por um quadrado, sistêmico para uma corporação industrial de Ofícios de Weimar retomou as atividades em
criando um grid de espaços proporcionais. que se tem notícia. Partindo da marca, ele '9'9, indicando como diretor o arquiteto Walter
Behrens viu que esse sistema podia ser usado criou fontes, paletas de cor, cartazes, anúncios, Gropius, ex-aluno de Peter Behrens. Gropius
para unificar as proporções na arquitetura e no salas comerciais e acessórios industriais para a remodelou a escola, criando a Staatliches
design gráfico; em '906 ele aplicou essa teoria empresa. Cada item se articulava num conjunto Bauhaus. O racionalismo e o experimentalismo
ao pavilhão de exposição e ao cartaz que criou específico de proporções e elementos lineares, se tornaram ferramentas para construir a nova
para a Anchor Linoleum Co. organizando a apresentação visual da AEG em ordem social. Embora no início o programa
uma unidade harmônica. seguisse o expressionismo - sob a influência
Racionalismo, estética da máquina e busca de Johannes Itten e Vassili Kandinski, pintores
da cultura universal Em '9°7, Behrens Construtivismo A nova linguagem visual d' O Cavaleiro Azul que montaram os cursos
recebeu da indústria alemã de produtos e sua respectiva filosofia estavam atraindo introdutórios - , depois se afastou gradualmente
elétricos, a AEG, uma proposta de trabalho simpatizantes, além de estudantes e designers do pictórico e do subjetivo.
inédita: ser o consultor artístico da empresa. do exterior. A instabilidade política russa no
Ao mesmo tempo, participou do lançamento começo do século encontrou voz na abstração; Os alunos e professores da Bauhau s receberam
do Deustche Werkbund, a associação alemã a geometria pura do suprematismo se fundiu a influência do pintor suíço Theo van
com o cubismo e o futurismo, gerando o Doesburg, cujo movimento De Stijl segu ia um
construtivismo, expressão da luta russa por rigoroso dogma geométrico. Van Doesburg
uma nova ordem. Indo estudar na Alemanha, fez contato com Gropius em '920, que não
um jovem construtivista russo, EI Lissitski (Lazar quis contratá -lo devido a seu programa
Markovich), se viu em Darmstadt estudando dogmático, mas van Doesburg contribu iu
arquitetura e absorvendo a estética racionalista muito para a mudança estética na Bauhaus
que prevalecia ali. Devido aos estudos, ele ao se mudar para Weimar e criar grupos de
ficou na Europa Ocidental durante a Primeira discussão e palestras. Laszlo Moholy-Nagy,
Guerra e a Revolução Russa. Em '9'9, enquanto construtivista húngaro, substituiu Itten no
os bolcheviques lutavam pelo poder na guerra curso básico em '923, quando a Bauhaus se
civil, Lissitski voltou para a Rússia e se dedicou transferiu para seu novo prédio em Dessau .
a um design gráfico de orientação política, Na oficina gráfica, as experiências de Moholy
caracterizado pela composição geométrica com leiautes assimétricos, fotomontagens e
dinãmica. Seu famoso cartaz Derrote os brancos elementos tipográficos expandiram a expres sã o
com a cunha vermelha é um símbolo do poder geométrica do moderni smo no design gráfico.
comunicativo da forma abstrata e sintetiza a Moholye o estudante Herbert Bayer criaram
obra da vanguarda russa da época. a base de uma nova tipografia, com barras,
Europa;SChes Kunstgewerbe
!Cartaz
Herbert Bayer
Cortes,a de Reinhold·Brown Gallery
Nova York. NY. EUA

fios, quadrados e tipos assimetricamente Divulgando a assimetria Apesar de


dispostos num grid. Lissitski voltou várias
vezes à Alemanha, pondo-se em contato
com a Bauhaus e participando de palestras,
exposições e projetos de livros. Sua obra
de 1924, Os ismos da arte, é um marco no
desenvolvimento do grid. O texto, em três
linguas, está organizado em colunas separadas
parecerem muito difundidas, essas novidades
ainda tinham de ser assimiladas pelo design
dominante. Eram relativamente poucos os
artistas e professores que conheciam o uso da
composição assimétrica, dos tipos sem serifa
e da organização geométrica da informação.
O mundo comercial, de modo geral, era
+
por fios grossos; imagens, legendas e números indiferente. A publicidade americana e européia
das páginas estão integrados na estrutura tinha ajudado a introduzir a composição em Rumo à neutralidade O desenvolvimento
gera l obedecendo a uma clara disposição de colunas nos jornais e revistas, mas a maioria da estética do design europeu foi bruscamente
alinhamentos horizontais e verticais. dos gráficos e designers ainda estava presa à irüerrompido nos anos 1930. Com o nazismo
visualidade do século XIX. Um jovem calígrafo no poder, designers e artistas que usavam
chamado Jan Tschichold mudou a situação. a nova linguagem visual, tachados de
Quando trabalhava como diagramador na degenerados, foram presos ou obrigados a
editora alemã Insel Verlag, Tschichold foi visitar sair do país. A Bauhaus fechou oficialmente
a primeira exposição da Bauhaus em 1923. Em em_1932, e Moholy-Nagy, Gropius, Mies van
um ano ele assimilou a abordagem tipográfica e ~ der Rohe (outro aluno de Behrens antes da
a sensibilidade abstrata da escola. Em 1925, criou Primeira Guerra), Bayer e outros foram para os
um encarte de 24 páginas para a Typographische EUA; Tschichold, depois de ficar preso por algum
Mitteilungen, a revista dos gráficos alemães, tempo, foi para a Suíça.
expondo essas idéias para um vasto público de
compositores, diagramadores e impressores. A Suíça se manteve neutra, e não foi muito
A "Tipografia elementar", como era intitulado, afetada pela guerra; a geografia acidentada
gerou um enorme entusiasmo pelo leiaute e o férreo controle sobre o sistema bancário
assimétrico baseado no grid. internacional lhe pouparam a invasão nazista.
A economia suíça se fundava cada vez mais em
Tschichold defendia uma estética redutiva e serviços e habilidades artesanais que podiam
intrinsecamente funcional. Para ele, eliminar o ser exportados; as pequenas dimensões do país "
ornamento, dar prioridade ao tipo sem serifa, geraram uma famosa obsessão pela ordem. c
deixando explícita a estrutura da letra, e criar Zurique e Basiléia eram os centros culturais:
composições baseadas na função verbal das de um lado, o setor tecnológico e bancário de
palavras eram objetivos que libertariam a era Zurique, de outro a herança cultural milenar de
moderna. Os espaços negativos, os intervalos Basiléia na arte do desenho e do livro.
entre as áreas de texto e a relação entre as
palavras formavam a base das preocupações do
designo Partindo de Lissitski e da Bauhaus, ele
construía suas composições num sistema de
alinhamento vertical e horizontal, introduzindo
a estrutura de grid hierárquico para ordenar
e criar espaços em documentos que iam de
cartazes a papéis timbrados. Já em 1927. um ano
antes de seu fundamental A nova tipografia,
Tschichold codificou essa idéia de estrutura,
defendendo-a como padrão para os formatos
de impressão. Nela se baseia o sistema DIN
(Deutsches Institut für Normung) vigente na
Europa, em que cada folha de papel, dobrada ao
meio, resulta no formato menor seguinte.
Büro The Architectonic in
ICartaz IGraphic Design
Theo Bal/mer Cartaz
Cortesia de Remhold ·8rown
Jose! Mül/er-Brockm an n
Gallery Nova York, NY, EUA Cortesia de Reinhold -8rown GaUery
Nova York, NY, EUA

intarnarianale Neue Grafik e o desejo de ordem a altura dos parágrafos e, portanto, das faixas.
biiDfachaJs!itelUlg
basel Essa abordagem mais austera também foi Grupos de módulos se combinam em zonas
I!!I. sept.-es, DHr, l!leR adotada por Josef Müller-Brockmann, Carlo rese rvadas para uma determinada finalidade.
mUsrerml!S&gI!biiude Vivarelli, Hans Neuberg e Richard Paul Lohse, que, Müller-Brockmann e seus colegas desenvolveram
cada qual em sua atuação singular, buscavam sistemas modulares a partir do conteúdo de seus
uma visualidade universal. Como editores da projetos, desde complexos projetos editoriais
Neue Grafik, de Zurique, eles contribuíram para a exposições e cartazes, e os implementaram
a divulgação desse estilo internacional no resto com rigorosa disciplina. Müller-Brockmann
do mundo. O grid criado para a Neue Grafik tinha abandonou a imagem em favor de composições
quatro colunas e três faixas horizontais, ou zonas tipográficas puras baseadas em grid. Em 1960,
espaciais, que organizavam todo o conteúdo, ele publicou seu primeiro livro, O artista gráfico
inclusive as imagens, Ao repetir esse padrão, e seus problemas de design, onde descreve essa
a revista evidenciou um aperfeiçoamento maneira de projetar. Seu segundo livro, Sistemas
do design com grid que já vinha se fazendo: de grid no design gráfico, é praticamente um
a definição de um módulo - uma pequena manifesto: "O sistema de grid supõe a vontade
unidade espacial que, repetida, integra todas de sistematizar e esclarecer, a vontade de
as partes da página. A largura do módulo penetrar nos princípios essenciais ... a vontade de
define a largura da coluna, e sua altura define cultivar a objetividade, e não a subjetividade".

Vários alunos da Bauhaus foram para a Suíça


com Tschichold. Max Bill, que tinha começado os
estudos na Kunstgewerbeschule em Zurique e
freqüentou a Bauhaus entre '927 e '929, voltou
à Suíça em '930; outro aluno da Bauhaus, Theo
Ballmer, também havia trabalhado na oficina
tipográfica. A influência dos três foi grande. Os
designers suíços já possuíam uma tradição de
tecnicas redutivas e simplificadoras, mas focada
na representação simbólica, cujo exemplo
é a obra do designer plakatstijl Ernst Keller.
Tschichold acabou adotando mais tarde uma
abordagem tipográfica clássica com atributos
humanistas, mas no começo dos anos '940 ele
ainda defendia a assimetria e a composição com
grid. Ballmer e Bill continuaram a desenvolver
idéias construtivas em seus trabalhos baseando­
se numa métrica e numa divisão espacial
rigorosamente matemáticas. Max Bill deu uma
dupla contribuição: aplicou suas teorias de
base matemática a projetos profissionais de
publicidade e identidade corporativa, e difundiu
o grid quando ajudou a fundar a Hochschule
für Gestaltung de Ulm, em '950. Seu trabalho e
atividade docente ajudaram a disseminar o grid
em gerações inteiras de designers.
The New Swiss Film Radikale Liste 1
ICartaz ICartaz
Jose! Müller-Brockmann Emil Ruder
Reproduzido de Grid Systems Reproduzido de Typography,
in Craphic Design, editado por editado por Nlggli Verlag,
Niggli Verlag, Zurique, 1962 Zurique. 1960

::-.:-- .. _- :::,;-."::.:.- ­

für
einen geeinten
starken
sozialen
Kanton

Garanten
Basel

A Escola de Basiléia Em Basiléia, a escola de


design Allgemeine Gewerbeschule contribuiu
Radikale
für eine gute
Verfassung :

para o desenvolvimento do Estilo Internacional


com uma abordagem diferente da dos designers Liste ...

de Zurique, O diretor Armin Hoffmann tinha sido


aluno de Ernst Keller, e adotava um método 1
00

intuitivo de composição baseado na forma


simbólica e nos contrastes entre qualidades
óticas abstratas: claro e escuro, curva e ãngulo, C\

orgânico e geométrico, Mas a integração entre o


tipo e a imagem tinha um papel importante no c
programa da escola. Em 1947, Emil Ruder, o grid corporativo O uso do grid começou a
formado em Zurique, entrou na AGS como dominar o design europeu e americano dos anos
o
professor de tipografia. Ele defendia um 1960 em diante. Era uma maneira muito
equilíbrio entre forma e função, explorando eficiente de unificar os programas de
rigorosamente as nuances do tipo e do contraste comunicação visual de grandes entidades,
ótico ao lado de estruturas de grid abrangentes e eventos ou empresas. Max Bill, Müller­
sistemáticas. Sua metodologia instilou em seus Brockmann, Otl Aicher e outros expoentes do
alunos um processo exaustivo de solução de Estilo Internacional receberam a adesão de seus
problemas visuais que ajudou ainda mais na colegas holandeses, ingleses, italianos, alemães e
disseminação do grid. Um desses alunos era Karl americanos. Na Holanda, o movimento rumo ao
Gerstner, que abriu um escritório em Zurique e design racional e programático foi encabeçado
contribuiu para a evolução do grid como pilar do por Wim Crouwel , Ben Bos e Bruno Wissing, cuja
o
design moderno. Em 1968, Gerstner publicou seu empresa Total Design se tornou um exemplo na
primeiro livro, Oesign de programas. "O grid criação de programas de comunicação visual
tipográfico", segundo ele, "é uma diretriz baseados em grid para empresas e instituições
proporcional para textos, tabelas, figuras etc. culturais. Nos EUA, alunos das escolas suíças e
É um programa formal apriorístico para n vários imigrantes europeus apresentavam o
conteúdos desconhecidos. O problema : encontrar Estilo Internacional- e o grid - a um vasto o
o equilíbrio entre a máxima conformídade público. No começo dos anos 1940, Paul Rand­
e a máxima liberdade. Ou: o ma ior número o pioneiro do design moderno nos EUA -, tinha
de constantes combinado com a maior conseguido convencer os empresários que o
variabilidade possível", design lhes era útil; clientes seus, e de outros
Vorm Gevers UniGrid Piccolo Teatro di Milano
ICartaz ISistema de publicações IProgramação de
Wim Crouwel Mo ssimo Vignelli temporada teatral
Mom mo Vignelli
Cortesia de Total Design. Cortesia de Massimo Vignellt
Amsterdã, Holanda Cortesia de Massimo Vignelli

Piccplo Teatro e&,


dIMi[ano -- w

designers, t inham se acostumado com a idéia de A idéia de uma totalidade no design a partir stagione1964/6S--- ­
sistemas capazes de organizar sua imagem do grid também apareceu na obra de Massimo ai Piccolo Teatro
públ ica. Nos manuais de identidade para a Vignelli e sua esposa Lella, que em 1960 da sabato ---_ ...... ­
--------
_ ._---­
--_._-
------=-,. ..
Westinghouse, em 1965, Rand desenvolveu grids tinham aberto um escritório de design em 20 febbraio
complexos para assegurar a continuidade nos Milão. Ambos arquitetos, desde cedo definiram
mais diversos meios, desde a embalagem à sua abordagem estrutural sistemática e
La Ianzichenecca

publicidade na imprensa e na televisão. O rigorosamente organ izada. Massimo, em


designer alemào Otl Aicher implementou um particular, havia iniciado uma vasta exploração
programa ainda mais preciso para a empresa de estruturas de grid para diversas empresas -~

aérea Lufthansa. Colaborando com Tomás Gonda, e entidades culturais de Milão. Esses primeiros --
--
-~

---­
Fritz Quereng e Nick Roericht, Aicher previu todas projetos o levaram a uma abordagem que
as necessidades em potencial da Lufthansa, dividia o espaço dentro de um grid modular em
padronizando os formatos e impondo um grid
rigoroso para unificar a comunicação visual em
zonas semanticamente distintas. O sistema de
divisão adicional permitia um foco maior na --
diferentes escalas, materiais e limitações de estrutura modular geral, ajudando a esclarecer
produção. Manuais detalhados e medidas
garantiam a uniformidade visual em todas as
o complexo material informativo. Dando peso
visual a essas divisões horizontais, por meio de
...
-
-_..
._-.... _.­
._ ---­ --
..­ __-­
..
=-_2:.--::­
aplicações. faixas sólidas, o olho aprendia a se dirigir para --_._­
uma informação específica . Vignelli foi um dos
fundadores do escritório de design colaborativo _...__. _-­
i600- ' -/
_---­
_
..------_
..----.-
j 1OQ- ' - /
.......,-
.... ­ --
,800­
... ­
'-"---'­
Unimark International em 1965, segundo sua
crença de que o design devia recusar o impulso
._----­
... _--- -_.­
_ .. ____10_- _._ .­ -'-~'-­
"'-'''-''­
individual de expressão e desenvolver sistemas
abrangentes. Chegando a cerca de quatrocentos
funcionários em 48 países, a Unimark
sistematizou e padronizou a comunicação visual
de inúmeros gigantes empresariais, entre eles
Xerox, J.c. Penney, Alcoa, Ford e Steelcase. Em
1971, com a dissolução da Unimark, Massimo

Unigrid .
Citibank octavo
Cartaz, de uma série I
Manual de identidade
corporativa
l Publicação
Kathe' ne McCoy 8vo
Anspach Gross man Portugal Cort esia de Simon John ston
rt 3 de Kathe,me McCoy
Co rtesia de Enterprise IG

No final dos anos '970, a abordagem es perada, O grid passou a ser visto como uma das várias
para se ter um a identidade visual, era a ferramentas à disposição dos designers. Nos
formatação da comunicação vis ual da empresa anos '980 e '99°, o grupo de design inglês 8vo
dentro de um grid. Firmas de identida de ajudou a retomar a reflexão estrutural com
corporativa como a Anspach Grossmann sua revista Octavo, que te matizou questões
Portugal, em Nova Yo rk, exemp lificaram essa tipog ráficas durante oito edições. Em meio à
abordagem em programas de ide nt ida de como mult ipli cação de novas abordagens, em parte
o de '976 pa ra o Citiban k e outros cl ientes devido ã revol ução di gital, empresas mais
simi lares. O Est il o Intern acion al tin ha passa do recentes, co m o M etaDesign, Una e Met hod,
a ser parte int egrant e do des ign grá fi co. Os cont inu am a pesquisar métodos organizat ivos
designers t ambém começa ram a usar o gri d que derivam do Estilo Internacional.
como fim em si e a explorar o potencial visual
da própria forma . O experimentalismo radical No século XXI , o uso de grids desenvolvidos na
com grids dos anos '980 e '990 acabou Europa nos últimos '50 anos continua presente
levando ao exame de outros t ipos de m étodos no design gráfico. A intern et mostrou ser uma
organizativos; designers e professores de design mídia que pode se ben eficiar de concepções
como April Greiman (que estudou tipografia bas.eadas em grids com o uma boa maneira de
em Basiléia) e Katherine McCoy (dese nhist a • simplificar a atividade vertiginosa de navega r
Lella criaram o escritório Vignelli Associat es industrial que chegou ao design gráfico depois por informações interativas. Nesse ritmo, é
Nova York. Era a mesma fil osofia: o grid de um período na Unimark) liderara m as difícil imaginar como a m ídia e o design vão
o pilar de vários trabalh os de identidade pesqu isas fora do campo da estrutura rac io nal. se desenvolver nos próxi m os '50 anos - mas é
1II1I'''dllvd,design de livros e de interiores Esse t ipo de desconstrução também acabou provável que o grid tipográfico cont inue a ajudar
pelo escritório. Em ' 917. como parte sendo assi m ilado pela prática comum, ao lado os designers a estruturar as comunica ções
Program a Federal de Melhoria do Design de trabalhos estritamente baseados no grid e durante algum tempo. o'"
o americano, Vig nell i desenvolveu outras idéias totalmente antiestruturais.
stema para unificar as publicações do
.r",rt~I'TlPlnt n Nacional de Parques. Esse

cha mado Unigrid est abelecia um gri d


divid ido por faixa s horizontais, que
"
Mi! I ;i I
doze formatos e poderia caber num a
Ili i! :I " 1
!'I " H
pq o
folha de papel de tamanh o padrão. Essa
' j1 d!q ! 1I i
redu zia o desperdício de pape l, IWJI
L11
i1
ti it Itt !I o
l i I ; li 1
de prod ução e uma sé rie de outros 111111 '110
I '" I!i, ,ulhl I "i
r.: I 1

It ~ t"
permitindo que os designers de ntro 00 • .. ! i I • t I
1:IIli
do departamento se con centrassem
pectos criativos da concepção de fo lh etos
11.1
JUU ti!iii
Idl!
li li HI
to l i ,
iI
IlllI
Iillhllur~j
ill
!ill!!!
mil
tll'i
,I .
il
!h
~ ~ 11 ti ~ ~. I

=::...
::.- ­ c==...
=.-­

ê-;"
...
~;-
_­ --­
~~
Henry Magaziner
Exercícios de t ipografia
Alunos de Chris Myers,
University of the Arts,
Filadélfia·
Adam Hetherington
Nikki 5coggins
lesse Taing

Fundamentos do grid
Um workshop de design estrutural

Todo trabalho de design envolve a solução de As vantagens de trabalhar com um grid


problemas em níveis visuais e organizativos. sãp simples: clareza, eficiência, economia
Figuras e símbolos, campos de textos, títulos, e identidade.
tabelas: todos esses elementos devem se reunir
para transmitir a informação. O grid é apenas Em primeiro lugar, um grid introduz uma ordem
uma maneira de juntar esses elementos. Os grids sistemática num leiaute, diferenciando tipos
podem ser soltos e orgânicos, ou rigorosos e de informação e facilitando a navegação entre
mecânicos. Para alguns designers, o grid é uma eles. O grid permite que o designe r diagrame
parte intrínseca do seu ofício, assim como os rapidamente uma quantidade enorme de
encaixes fazem parte do ofício de marceneiro. informação, como um livro ou uma coleção de
A história do grid faz parte da evolução das catálogos, porque muitas questões de design já
reflexões dos designers sobre o design, e é uma foram respondidas ao construir a estrutura do
resposta a problemas específicos de produção grid. Ele também permite vários colaboradores
e comunicação. Por exemplo, um projeto para no mesmo projeto, ou numa série de projetos
os impressos comerciais de uma empresa é um correlatos ao longo do tempo, sem comprometer
problema da segunda metade do século xx, as qualidades visuais definidas ao se passar de
com exigências e objetivos bastante complexos. um objeto para outro.
Um grid, entre outras coisas, ajuda a resolver
problemas de comunicaçâo de alta complex idade.

t---=-omo funcionam os g
~uando são a equados?
usá-los?

Explorar os fundamentos composições o espaço é Mudanças no peso e alterar o alinhamento assinala


da construção tipográfica dividido de acordo com na escala introduzem uma mudança na relevância .
ajuda a compreender O conteúdo: informações uma hierarquia - um Mesmo com fortes limitações,
as qua lidades visuais semelhantes foram ordenamento visual- para podemos imaginar uma
dinâmicas inerentes agrupadas, informações a informação. Às veze s o grande variedade de possiveis
às próprias formas. díspares foram separadas. tipo de informação que leiautes. Estes todos, por
Dentro do formato, os aparece em uma coluna é exemplo, usam a mesma
elementos alinhados criam destacado com o uso de família de tipos e muitos deles
uma estrutura. Nestas um peso maior; às vezes usam apenas um tamanho.

Henry Magllmer
The Golden Age of Ironwork
Hear-Say, Reachngs bv
Contemporary Authors
Wedne5day, February 7, 2001
--.. --...
7.00pm

Borders
1727Walnut Slf&et
-- ........ ­
H enrv M agaziner

Ptliladelphia, PA 19103
21S.568.70l

- .. ­
'---
~

Henry
Magaziner
-_..
Borders

--­ --
~

-­ Authors
'"'"
-.... ...
"21_ ..... ....-......
~~~~= Henry Magazin~~
---~
... '"
........
Wednesday
w

Cl

Quebrando a página Construir um grid Uma linha após a outra cria um parágrafo. os intervalos entre os elementos são regulares,
eficaz para um determinado projeto significa Já não é uma simples linha, mas uma forma cria um campo de textura estática. Ao introduzir
destrinchar cuidadosamente seu conteúdo com um limite sólido e um limite maleável. O mudanças, como um maior intervalo entre
específico, em termos das qualidades visuais e limite sólido cria uma referência à página, e o linhas ou um peso maior, o designe r cria um
semânticas do espaço tipográfico. parágrafo, conforme se alonga no comprimento, destaque na uniformidade da textura. A mente
se converte numa coluna, ao mesmo tempo percebe esse destaque como algo importante.
oespaço tipográfico é governado por uma quebrando o espaço e se tornando ele mesmo Criar importância estabelece uma ordem, ou
sefle de relações das partes com o todo. A letra um espaço. As colunas repetidas ou de hierarquia, entre os elementos da página, e
Isolada é um grão, e faz parte de uma palavra. proporções variadas criam um ritmo de espaços cada mudança sucessiva introduz uma nova
As palavras juntas formam uma linha: não só entrelaçados, onde o limite do formato se relação entre' as partes. As mudanças de ênfase
uma linha de pensamento, mas uma linha na reafirma, se modifica e se reafirma outra vez. dentro da hierarquia sâo indissociáveis do
página, um elemento visual que se estabelece Os vazios entre os parágrafos, as colunas e as efeito que provocam sobre o sentido verbal
no campo espacial determinado pelo formato. imagens ajudam a orientar o movimento dos ou conceitual do conteúdo. Um designer tem
Aose colocar uma linha de tipos na paisagem olhos pelo conteúdo, tanto quanto a massa opções ilimitadas de mudar o corpo, o peso, a
nua da página, cria-se instantaneamente uma densa das palavras cercadas por esses vazios. posição e o espaçamento do tipo para afetar a
estrutura. É uma estrutura simples, mas dotada hierarquia e, assim, a seqüência da informaçâo
de direção, de movimento e, agora, de duas áreas Os alinhamentos entre massas e vazios percebida pelo observador. O grid organiza essas
espaciais definidas: uma em cima, e outra em estabelecem ligações ou separações visuais relações de alinhamentos e hierarquias numa
baixo da linha. entre eles. Ao quebrar o espaço no campo da ordem inteligível que pode ser repetida e é
composição, o designer estimula e envolve o compreensível para os outros.
observador. Uma composição passiva, em que
Anatomia de um grid: as partes básicas de uma página

Um grid consiste num conjunto específico de relações


de alinhamento que funcionam como guias para a
distribuição dos elementos num formato. Todo grid
possui as mesmas partes básicas, por mais complexo
que seja. Cada parte desempenha uma função
específica; as partes podem ser combinadas segundo a
necessidade, ou omitidas da estrutura geral a critério do
designer, conforme elas atendam ou não às exigências
informativas do conteúdo.

Construindo uma estrutura adequada A segunda fase consiste em dispor o conteúdo


O projeto de um grid depende de duas fases de acordo com as diretrizes dadas pelo grid .
de desenvolvimento. Primeiro, o designer tenta É importante entender que o grid, mesmo sendo
avaliar as características informativas e as um guia preciso, nunca pode prevalecer sobre a
exigências de produção do material. Essa fa se informação. Sua tarefa é oferecer uma unidade
é de extrema importância; o grid , depois de geral sem destruir a vitalidade da composição.
pronto, é um sistema fechado, e ao construí-lo Geralmente, a variedade de soluções para a
o des igner precisa atender às especificidades diagramação de uma página com um certo
do conteúdo, por exemplo os múltiplos tipos grid é inesgotável, mas, mesmo assim, às vezes
de informação, a natureza das imagens e a é melhor transgredir o grid. O designe r não
quantidade delas. Além disso, o designer deve pode ter medo de seu grid, e deve testá-lo até
prever eventuais problemas que podem surgir o limite. Um grid realmente bom cria infinitas
ao diagramar o conteúdo dentro do grid, como oportunidades de exploração.
títulos compridos demai s, cortes de imagens
ou espaços vazios em alguma seção por falta Cada problema de design é diferente e requer
de material. uma estrutura de grid que trate de suas
especificidades. Existem vários tipos básicos
de grid, e cada qual se destina, em princípio, a
resolver determinados tipos de problemas.
O primeiro passo é avaliar qual tipo de estrutura
será capaz de atender às necessidades específicas
do projeto.
Margens são os espaços negativos entre o
limite do formato e o conteúdo que cercam e
definem a área viva onde ficarão os tipos e as
imagens. As proporções das margens merecem
muita atenção, pois ajudam a estabelecer
a tensão geral dentro da composição. As
- margens podem ser usadas para orientar o
foco, repousar os olhos ou funcionar como área
para informações secundárias.

r-­ f­ - 1-­
Guias horizontais (f1owlines) são
alinhamentos que quebram o espaço em
faixas horizontais. Elas ajudam a orientar os
olhos no formato e podem ser usadas para
criar novos pontos de partida ou pausas
r-­ -
para o texto ou a imagem.

1--­

Zonas espaciais são grupos de módulos


que,juntos, formam campos distintos. Cada '"
VI

campo pode receber uma função especifica


ao apresentar a informação; por exemplo,
r----­ - -­
I ~ .­ pode-se reservar um longo campo horizontal "

. para imagens, e o campo abaixo dele pode ser


usado para uma série de colunas de texto. o

I I
Marcadores são indicadores de localização
"~ .

- para textos secundários ou constantes,


como cabeçalhos, nomes de seções, fólios, ou
qualquer outro elemento que ocupe sempre a
Colunas são alinhamentos Módulos são unidades individuais de mesma posição em qualquer página.
verticais que criam divisões horizontais espaço separadas por intervalos regulares
entre as margens. A quantidade de que, repetidas no formato da página, criam
colunas é indeterminada; às vezes colunas e faixas horizontais.
têm a mesma largura, às vezes têm
larguras diferentes, correspondendo a
informações especificas.
Lang & Schwarz
Relatório anual
In(corporate GmbH

Variações simples no t amanho Margens exageradas criam


das margens sugerem várias um interesse inesperado
possibilidades neste que é o neste que, não fosse
tipo mais simples de grid . por isso, seria um grid
retangular convencional.

DD
_ _--_.._..._-­
-_.. __
..=:-...=.:.::::.:.=.:.=-"=
-----
---_ .. _---­
... __ ..._.. _-_
_.._..­_....
-_ ._._-_....._..__---­
---_
-_._---­
_...._------­
-~._-- ~ -_ ..­..­
...... _._
:-"::-_-"::'7=.=;'·:::::'-='

--_
--_._-­
---_.­
~------­ ..__ .­ __---­
-_
----------_....
- - ~ --­
..
-----
--_
- _-­
- - -....-
---'--­ -- ------
-------
.. __._--_ _­
...
..

Grid retangular

o grid retangular ou manuscrito é a estrutura manter a atenção do leitor e evitar o cansaço espa ço para notas, ilustrações pontuais ou
mais simples. Como diz o próprio nome, sua visual numa longa sessão de leitura . outros elementos editoriais que são esporádicos
estrutura básica é uma grande área retangular e, portanto, não chegam a articular uma
que ocupa a maior parte da página. Sua tarefa Uma maneira de criar interesse visual é verdadeira coluna .
é acomodar um longo texto corrido, como ajustar as proporçõe5 das margens. Na página
um romance ou um ensaio extenso, e foi dupla, a medianiz (margem interna de um O tamanho do tipo na mancha - bem como o
desenvolvido a partir da tradição do manuscrito livro) precisa de uma largura suficiente para espaço entre linhas e palavras e o tratamento
que mais tarde resultou na impressão de livros. impedir que o texto desapareça na espinha . do material subordinado - é incrivelmente
Ele tem uma estrutura primária - o bloco de Os grids clássicos espelham os blocos de texto importante. A escolha do tamanho do tipo e seu
texto e as margens que definem sua posição à esquerda e à direita com uma margem espaçamento permite que o designer aumente o
na página - e uma secundária que define central mais larga . Alguns designers usam uma interesse visual, tratando o conteúdo secundário
outros detalhes importantes - a localização e proporção matemática para determinar um de maneira a criar um contraste, ainda que
as proporções dos cabeçalhos no topo ou no equilíbrio harmõnico entre as margens e o peso sutil. Note-se que pequenas alterações no peso,
pé, o nome do capítulo e os fólios (números da mancha de texto. Em geral, margens mais na ênfase ou no alinhamento criam enormes
de página), além do espaço para as notas de largas ajudam o foco visual e dão sensação diferenças na hierarquia geral da página; nestes
rodapé, se for o caso. de calma e estabilidade. Margens laterais casos, menos costuma ser mais.
estreitas aumentam a tensão porque a matéria
Mesmo numa estrutura tão simples, é preciso viva está mais próxima do limite do formato.
cuidar para que a leitura, com a mesma Os grids retangulares tradicionais usam
textura página após página, seja agradável. margen s de larguras simétricas, mas também
Uma grande quantidade de texto corrido é possível criar uma estrutura assimétrica com
com o mesmo tipo é essencialmente uma diferentes intervalos de margem. Uma estrutura
composição neutra e passiva. Deve-se criar assimétrica cria mais espaço em branco onde
conforto, estímulo e interesse visual para os olhos podem descansar; ela também oferece
Ampersand
Portfólio
Frost Design

Grids de três colunas e Um grid preciso de quatro


grids assimétricos de colunas não necessariamente
uma ou duas colunas impossibilita um leiaute
são comuns em leiautes dinâmico. No caso desta
editoriais. dupla, a mudança de escala
dos elementos tipográficos
ressalta o grid.

'-­ '-­ '-­ '-­ '----­

L I

r
Grid de colunas

A informação descontínua se beneficia da de letra, o leitor terá dificuldade em localizar coluna. Às vezes uma guia horizontal perto do
organização em colunas verticais. As colunas o começo das linhas. Testando os efeitos de topo define a posição para os cabeçalhos, os
podem ser dependentes umas das outras no mudar o tamanho do corpo, da entrelinha e fólios ou os divisores de seções; outras guias
texto corrido, independentes para pequenos dos espaçamentos, o designe r conseguirá achar horizontais no meio ou mais abaixo da página
blocosde texto ou somadas para formar colunas uma boa largura de coluna. Num grid de coluna podem criar áreas para imagens ou outros tipos
mais largas; o grid de colunas é muito flexível tradicional, a entrecoluna recebe uma medida x, de textos concorrendo com o principal, como
epode ser usado para separar diversos tipos e as margens geralmente recebem o dobro da uma linha do tempo, um subitem ou um texto
de mformação. Por exemplo, algumas colunas largura da entrecoluna, ou seja, 2X. As margens destacado (conhecido como "olho").
podem ser reservadas para o texto corrido e mais largas que as entrecolunas dirigem o
Imagens grandes, e as legendas podem ficar olhar para dentro, diminuindo a tensão entre Quando se lida com vários tipos de informação
numa col una ao lado: essa disposição separa as bordas da coluna e os limites do formato. radicalmente diferentes entre si, uma opção é
claramente as legendas do material primário, Mas não existe uma regra geral, e os designers criar um grid de co luna para cada um deles, em
mas permite que o designe r crie uma relação têm liberdade de adaptar a proporção coluna/ vez de tentar juntá-los em um só. A natureza
direta ent re estes dois textos. margem ao seu gosto ou intenção. da informação a ser veiculada pode pedir
um grid de duas co lunas e um outro de três
Alargura das colunas depende da fonte usada
Num grid de coluna, também existe uma colunas, ambos com as mesmas margens.
no texto principal. O objetivo é definir uma
estrutura subordinada. São as guias horizontais Nesse grid composto, a coluna central do grid
argura capaz de conter uma quantidade
[fIowlines): intervalos verticais que permitem de três colunas se sobrepõe à entrecoluna do
ômoda de caracteres numa linha de tipos
acomodar na página certas quebras de texto ou grid de duas. Um grid de coluna composto
em um determinado tamanho. Se a coluna for
imagens e criar faixas horizontais de fora a fora. pode ser formado por dois, três, quatro ou mais o

muito estreita, provavelmente haverá muita


A linha de topo ou "varal" [hangline) é um tipo grids diferentes, cada um destinado a um tipo
uebra de palavras, e será difícil chegar a uma de guia horizontal: a linha imaginária traçada no específico de conteúdo.
extura uniforme. No outro extremo, com uma alto do texto principal. Ela define a que distância
larga demais para determinado corpo do topo da página deve se iniciar o texto em
The Guardian The Matown Album
Jornal LiVTO
Pentagram UK Sheila de Breffeville

Títulos, imagens e legendas Uma enorme variedade de


alinhadas para produção formatos de imagens, textos
usando o grid modular deste e legendas, unificados como
jornal. um "álbum de recortes" neste
livro ilustrado.

L I
DDDDDDD DDDDDDD
DDDDDDD DDDDDDD
DDDD DDDDDDD
DDDDDDD
DDDDDDD
DDDDDDD
DDDD DDDDDDD
, DDDDDDD
DDDDDDD
DDDDDDD

DDDD DDDDDDD DDDDDDD

DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
I

Grid modular

Projetos muito complexos exigem um grau pretendida pelo designer. As proporções das Além de sua praticidade, o grid modular
maior de controle do que o de um grid de margens devem ser avaliadas simultaneamente desenvolveu um padrão estético e conceitual
coluna, e neste caso a melhor opção pode em relação aos módulos e aos espaços entre atraente para alguns designers. Entre os anos
ser o grid modular. Um grid modular é, eles. Os grids modulares geralmente são usados 1950 e 1980, ele esteve associado a uma ordem
essencialmente, um grid de coluna com muitas para coordenar sistemas de publicações. Se o política e social ideal. Esses ideais derivam da
guias horizontais que subdividem as colunas designer tem oportunidade de considerar todos concepção racionalista da Bauhaus e do Estilo
em faixas horizontais, criando uma matriz de os conteúdos (ou a maioria deles) que estarão Internacional suíço, que defende a objetividade
células chamadas módulos. Cada módulo define dentro do sistema , os formatos podem derivar e a ordem, a redução aos princípios essenciais
um pequeno campo de informação. Juntos, do módulo ou vice -versa. Ao calibrar a relação e a clareza na forma e na comunicação. Os
esses módulos definem áreas chamadas zonas entre formato e módulo, o designe r atinge vários designers que adotam esses ideais âs vezes
espaciais que podem receber funções específicas. objetivos: a proporcionalidade entre os diversos usam grids modulares para transmitir esse
O grau de controle dentro do grid depende do formatos significa que irão criar um conjunto racionalismo como um invólucro interpretativo
tamanho dos módulos. Os menores oferecem harmonioso; é mais fácil que as peças possam de uma determinada comunicação visual.
mais flexibilidade e maior precisão, mas um ser produzidas ao mesmo tempo, e isso diminui Mesmo projetos com demandas informativas
excesso de subdivisões pode gerar confusão muito os custos. simples ou com um único formato podem
ou redundância. ser estruturados com um rígido grid modular,
Um grid modular também serve para o desenho acrescentando um maior senso de ordem,
As proporções do módulo podem ser de informações tabulares, como gráficos, clareza e seriedade, ou uma impressão urbana,
determinadas de inúmeras maneiras. Por formulários, diagramas ou sistemas de navegação. matemática ou tecnológica.
exemplo, o módulo pode ter a largura e a altura A repetição exata do módulo ajuda a padronizar o
de um parágrafo médio do texto principal. A espaço nas tabelas ou formulários, e a integrá-los
proporção dos módulos pode ser vertical ou na estrutura do texto e imagens adjacentes.
horizontal, e essa decisão pode estar relacionada
com os tipos de imagens ou com a ênfase geral
www.princetonartmuseum.org
Site
Swim Oesign

A página de internet é o exemplo


mais comum de grid hierárquico.
Os alinhamentos mudam conforme
o conteúdo, mas se mantêm
proporcionalmente integrados.

I
n._.IIIIMId .. Io6ICIan:rdr;HoI.lbtlllldtollbt~
~:;:l::t:~=:--=-~::-
'1* ........ ItIIIdGtl"1)1CI"-' . . . U'lIrflc.~III_,.

~ ............. - wt.npral­

~~=y~,"~'!'~~~=-=

I --
RIIIINBw_-.yn- .. Amb*ID~'--.~1II1bIdt1D

a.Mw..,n-'-n-.~ .... ~CtIaIuIIJ

~-~::r==-..-:-,..!'-~=-~
QftkGlllltt.Di:III ........ ~ . . . ,.. ..... ta~

'"00

vezes as exigências visuais e informativas de A página de internet é um exemplo de grid


projeto demandam um grid especial que hierárquico. No começo da web, muitas variáveis
se encaixa em nenhuma categoria. Esses da composição de página eram instáveis devido
se adaptam às exigências da informação, às configurações do navegador do usuário final.
se baseiam mais numa disposição intuitiva Mesmo hoje, podendo configurar margens fixas,
alinhamentos, posicionados conforme as o conteúdo dinâmico presente na maioria dos
proporçõesdos elementos, do que na sites, além da opção de redimensionar a janela
regular dos intervalos. A largura das do navegador, exige uma flexibilidade na largura
eentrecolunas costuma variar. e comprimento que impede uma abordagem
estritamente modular, mas continua a requerer
de um grid hierárquico começa com uma padronização dos alinhamentos e áreas de
da interação ótica dos vários elementos exibição.
diferentes posições espontâneas, e depois com
icào de uma estrutura racionalizada que irá Esse tipo de grid, seja em livros, cartazes ou
loraena·llc)s.A atenção às nuances da mudança páginas de internet, é uma abordagem quase
peso, do tamanho e da posição na página pode orgânica da ordenação dos elementos e da
numa armação reprodutível em páginas informação que ainda unifica arquitetonicamente
Às vezes um grid hierárquico unifica todas as partes no espaço tipográfico.
dispares ou cria uma superestrutura
contrapõe elementos orgânicos numa única
como um cartaz. Um grid hierárquico
serve para unificar os diversos lados de
embalagem ou para criar novos arranjos
. ,quando dispostos em grupos.
KnollDesign
Livro
Vignelli Associates

Variação e violação
A seqüência nos leiautes com grid

Um grid só funciona realmente se o designer, Uma vez que criamos um grid, uma boa idéia é elementos pictóricos de página em página? Há
depois de resolver todos os problemas literais, arrumar todo o material do projeto página por um ritmo na relação que cada dupla, em termos
vai além da uniformidade implícita em sua página para ver o que aparece em cada uma de luz e sombra, estabelece com as outras? Às
estrutura e o utiliza para criar uma narrativa delas. Um esboço seqüencial de miniaturas vezes há uma lenta progressão na complexidade
visual dinâmica capaz de manter o interesse de páginas duplas [thumbnai/s]- ou de cada dos arranjos, às vezes há uma alternância
ao longo das páginas. O maior risco no uso de fotograma de uma animação ou de cada página dinâmica e inesperada de densidade ao longo
um grid é sucumbir à sua regularidade. Cabe de internet - pode ajudar a ver onde está cada do projeto.
lembrar que um grid é um guia invisível que conteúdo, e qual conteúdo ou imagem ainda
existe no "subterrâneo" do leiaute; o conteúdo precisa ser trabalhado, e como cada página se Ao criar uma lógica rítmica ou seqüencial entre
acontece por cima, às vezes contido, às vezes comporta ao lado das outras. Aqui o designer as páginas duplas pensando na sua relação com o
livre. Quem cria um leiaute sem graça não é o pode testar variações de leiaute no grid e ver o grid, cada uma delas pode ter uma apresentação
grid, é o designer. resultado em termos de cadência - o ritmo do visual própria, mas continua a operar como
projeto. Pode haver uma lógica visual na forma parte do conjunto. As partes têm uma unidade
em que cada elemento interage com o grid? Por conferida pelo grid atuando sob elas.
exemplo, há uma alternância na posição dos

I<00I 1

A eficiência de um grid de a distribUição das imagens cria um senso rítmico de


coluna modular simples fica atinge três objetivos: a unidade entre as páginas,
clara nas páginas duplas variação cria interesse um andamento e uma
deste livro. O grid é muito visual; serve para reforçar o cadência que enriquecem a
regular, mas o uso de zonas grid revelando sua presença experiência de ler e olhar.
espaciais alternadas para de múltiplas maneiras;
Abstracf
Revista de arquitetura
Willi Kunz Associates

'1f'
iUl
flil,

Para caracterizar as seções, 111


o designer articula este grid
mod ular de duas maneiras
'I '11'1
I ,ljI' ji!l!i j
diferentes. A página dupla !fljili! 'III/i'
1'IIli1ili
1. 1111 ·'I1H
no alto apresenta maquetes,
d·agra mas construtivos e notas li. il 111
jW!ij
sobre um fundo branco, onde
Ilil!
as parcelas de informação
estão ngorosamente ligadas
'jJ!ih
fl"'j' jiill
,\,11
as proporcões do módulo. Na Ihhli !:I1l1
pagina dupla abaixo, o módulo
esubordinado a divisões IIPU!}' ,h 1,
1
11.1.1
)1'I, 11
111 1' '
~-=-r
;.'1"\
illll\l
Hh
orturdentes do espaço,
onde a Irformação em coluna fi
11'11',1.1I
eas magens fotográficas !fI! ;lil,!
podem flutuar num ambiente L,
1-- ==- ;N~:", :::;0---'
=.!:"'''_. I::'':
dlnam lco e indeterminado.

""o

o
Diagrama de notação dos exemplos

o diagrama abaixo mostra uma página o objetivo do cotejo é favorecer a análise.


dupla típica, usada nas seções de Às vezes, o paralelo entre os exemplos
exemplos. As notações trazem dados é claramente estrutural, às vezes, é
rápidos de referência e um sistema menos explícito; em alguns casos, é uma
simples para a comparação com outras comparação entre características opostas.
obras correlatas nas duas seções (ver
também Desconstruindo o grid, Exemplos,
p. 128), baseadas em grids ou não.

Número do exemplo

MM'''''''" ""0 --I~


I _ -._.._._- ........ - ..
........... ..... ~.~
~-

Estrutura do exemplo ::=...


Diagrama estrutural tíj
Exemplos correlatos - - - ­
Lista de exem pios pa ra
comparação, identificados
pela cor da seção
Projetos de design baseados em grid

st rutura

Grid retangular,
com interferências
de grid de coluna

Spaces Between
wm" m J .R. Cllnis
July2001

" onty I" .acuum '''' 1ft. tnlty HHntíal '"'- ,..lIt)' of • room, for mil_nu,
w .. 10 be lound !n Ih. nc.nt sp_ endOMd by t~ 'oof ..wI t~ wal".
nol in t~ ,oof .nd wal" t~mMtvK. TlM' u..luln _ of I wal... phth...
dwtft In ttt. ImplinlU ""'h........11... might b. pUt. nol In th, lonn of Ih.
p!tch'r OI m, mlte"", from whieh It w. . mld,~
O. 1.1'. ~ IZO

At~ . ...... onr::eCOl'llldered IN modwt 01 IN lftS M'O'KW'IGI,...,....g.wwl


~, ..,.I'IrII".~ol""""&.clNMcIstJnccionIMddtf......... 1ong
WIOt ...."....,. ..... ltQ.;h rn lhe modem penod ttw. hew been ~
exemplos correlatos ...,.,....~,.IftSIS.tTlClCWol.~1UgJ1NId1OCJetY
ThlP\AQw~IorINArts.,StUlus. dellgnldbt .......... ~
t.:t.o Ando. CItW'IIM t. Mrd to "'e!heM-. t..t . dDes .... out to~..,
nItI1UlIondMUclto1he~, ~uon.Md,-..:tvol.c:oIIcbonol
12 15 21 34 moc:Ittn-"CIÂS dhq\(J.IIkyl>4.., ..... wpln . . "...", . lWsr.ctJdldlvoo
mIP' ~ 10 gD wnh lhe bulIdín;. one' -vM SaApa,q- bt EJ.wonh
1I:eItt. lhe o4hIt. -lorlJJld ~- ..... 1QApU. bV AIch«d 5erfl. ThtM do
I'IOIlillI'IIO e.rIitrr ~MtINbr:QIIJgOt_errd~ofhltctw1ellollhl

01 14 27 IIt1A1hOn _ rn tM~~ theM pces endttw~"


1IJ)tawhd\tt.yW'rrlbt.

--
FofAndo.~'WDllsupoo'ltnlbodya""""'1he1JWld IntadhelM:lld5 nW.ean~ocnu1I5tWllhthe~.rohcrlZO'UllolP,".t(,.s~,
v..dI$unctJOrI.~tlwlhoOWt'l~nlJ'CMect!,QItrlÓ.uontrMlll andWlln lhe lIiYef ~oltheconcreteWIIs. Depencingupon IhIpcwrtolYIIW.
wayslor lOudWIg IM S91'd Itvough., II'Ilen51f.:alOt'1 oi lhe ~ 01 lhrog5. '" suwntl. talllUI'faot.• UIW'IliI bTI'\. Cf.
C\dng pIeM h. HnJftNe 10 ~
HarftlrsIONt"I*,",ofstwuc.'WCII'dwt.to.~~.butWÍ'ldl end ..... II~a"l'tbrgultybetWMJ'llhelhlptolthtoutWendlhe _ _
iorhm.....-.s ... ~oI~Ul,......,II'IWItieOtÔWII'I~ ol.loorYWogmMS 1t...as1l'!'5liIIIofl"qll8l"llClftrd~IhI ___ ~
IenTll..twougn~gICIn'IWY."""".Ihe _ _ otQfaoM.,. .-IdINt~ ttseIIev.'llIc.suggestlttwPO$Slbldyof.~COIied~WllhrnMob(Ia
01 spMlI' aOO..,... More 1Nn It.t .chdeaur. UItIIIMes lhe bodv-' phrpaI pouesMd 11 .trllflS and lU,. _ _ one -.ds scA
_~CXIf'I'1lI'aMIfI.~ wreogI'ItJlI'lIOiCsownwrms Haf'l"lltll
WIIIgfM WtIh GeoMII'r Sooa. ftougI'ItI on ./tII1«u.. ~ 1'1 .,.". &A: " one ~ ercr.rncf lhe bQUed SpnI theN n llA'tIing <Nnges rn IRIHI'­
~aI~It9141 arQerrdmood "thMI •• ....enrc:II ... ~ one~PIf'C*IIH"
b~dIIIgonitsandllOtllleraungc.r.on •• IhI~....a:n.wort"
AlthlUlttur•• Jimpfy al'Id ~Ioty pet'.-v.d • • combll\llhon. r~
throuQh Itgt'ltw ...... 01 ~. 01 ~ .ndol..... Uuoogh ~
From ON"
.rnonumeruIc:.rn
one ~ lhe leeWlgol COI"IIuwred phytraIloK.e. from~. 01
TheINC*.blglI'"ICII.IIitrltwtt.oe_hlgtllI'Id~1orty­
~ we CM con'll\I, ou,..!va 10 move-; lhine m.sses ar. ~ ....
outMIves. 0# pt_,•• nd ~. thne ...... shouk:t _ toIIOw Of
M 8CfOU) to be ,. . . . .., .cIV\IIcIu" ~ wd, li'! c:ambNt.oon ........ Ardo.
,~bms. _1OI..IChK memonesol Noon""dIIIanesol Lo. eonu.l
deKribe &hem moght b. ou. pech and OU!" geRUf1l 1I'.worb. Thefers..,~~IO...,.,uyIhe~rnWmlol
.....sseI OI' contllt'lef. bullhe TOI'~ SperaI 'elusa 10 be p!MIÓ dr:JwrI to • ..,-.gII
ThI VIII\Of 10 h P\AIu..- FourdIllOI'I b lhe N1S relulnt boi lhI same rouMI ,.. bm. 11 liso trlftSmltl rtJ . .gy beyond rts mtnedllte Nrung, 1I'I'Idyrng. mu:n
_8S .... thecyllrdral~MetlIOOfI.n.enIef'ongthe~ ...."'..,.at Sen.', WOfIr: oI!:en eor&1es I'INI" otnd lar 11'1 m. WIIf
Mof.1hIn1US1 • ..,....Itw........ IlS • .",..~gIIIIry One~
from .. ttwough IhIWHtV41 ... to lhIlCUlptue CIDISI on lheothef sde Mete. lhe TOI'qued SotI"ilIl sllrdl 10 the end of lhe optfloW CICU1. IOITII Q.s;.-a Irem
h. . .tandInp a:wgIW v"* dIYeIop ~ Itom tht maon ~ anti tufn lhe "westem tIwIk 01 lhe buIIcf,ng end "southem ~ WIl illtw.iof.
drecbOn 1OUlh. TheM cltllne 1Od'. . . . . tpICe. cut1niI 0UI1he t'I'IIddIe distll'lOt 'Metl WI1twIlmllS. It 11 poI4lOf\1d.., adll WfI( thlt lU tongIt. 1"II/TOW..wwa
and~bIIlwpetftolSt l.ouIs~ ....... IIong,*"topedges 1I'tIIStIIt hmomentontlt.,.1"I1O lhec:owt. Tl"d""""lhIilneollflllJOlCtlrn
HonaInc.II ...... il'üdbvl~~OI'...... .,o.h .... ItllSltlett.nt r.uw lhe teme WfI( tNt tc.IVsw.. Sc:Upwt. cIid rn the"*" geIery. Thtopen.
01 themwtOllerrbut,.,t.IIed '" ""'" 01. prK1nCC whIch lISopen 10 lhe • ., "'!I .. It.tIIl1r1g.-lQlen"afbdl.glmpMoftheOOl'CollllIIYIet . . . . rod
tNlóge ol hlleel pllte, penTlltungone togIUgIN thd;ntssof lhe mettnII
1helowestnllrgl$lOf ItlftoIpIIOotms.IONIOUlhotm....aandllh...-.rlll IOf"ott'twOn::hIHI OnIllrmrneclrltetfltllelOlMIMthllnlldellldthrtOUllldt
tor.~Spg~bvRchlrdSln'. n..""OUIdplltftols. ~endtoWlIPthatthewtdlthrnQllrNdIlrom., ........ CO'\"
wt.dIt-..lUNdgDldlnbr_ tts*""prof"'Ind~a.w"""""" IJ'IUOUSlU'Clol stMl Tht*'<1enOf IormInthrtt""'oI"'N'fI'ItIrincrrM'l­
IPKllpultwlgM-aJIIgWISIU"ieIlnOMbtgdlO .... lhej:nMtlOtol • •
pro] to cliente design fotografia
Abstractions in Space Pulitzer Foundation LynnFylak Robert PeUus
livro comemorativo Museu e centro Nova York, NY, EUA Saint Louis, Missouri, EUA
de arte
Saint LOUlS, Missouri, EUA

Este pequeno livro celebra a austeridade


tranqüilizadora dos arquitetos e artistas

""'--- _-----_
___
..
-_._-----.
~
.... -_ ..
.._oIot,..__.._
_-­
incumbidos pela Fundação Pulitzer de c(ar
seu novo espaço de museu e exposições: o
.. ._,-----­
.......
__-_._-­
.....""'-_.......... _t...
---._-~-
__._

_ _ ..... IocIIIIIt ......... _ _ _ _ _. _

-----... ..
--_1__•__....-------....
~ arquiteto minimalista japonês Tadao Ando, e os

-- -.-­__

-_ -..----
...... u.u.............. . , _ _ ,.. ....... _ _ •

... ..........
_~-.

-.--_
.... __..........
.. ................. .-.

...... .. - ...... _---"' ... ­


-_1__...._
._-~-
americanos Richard Serra, escultor, e Ellsworth
Kelly, pintor. O livro se baseia num grid
retangular com forte assimetria. As margens
-_ _._ .... _-----_
............. -.....- - - ­
..... .... _..
do topo e da esquerda são exageradamente
largas, forçando o bloco de texto para baixo e
para a direita. O efeito de solidez arquitetônica
é compensado pela serenidade e amplidão da
margem. Uma linha de topo constante para
o texto principal e uma outra - bem no alto­
para os cabeçalhos criam uma estrutura simples
e calma que reproduz o caráter puro e direto da
arqui~etura descrita no texto.

Os fólios espelhados tendem à assimetria


ao serem emoldurados por fios finíssimos
que remetem à geometria das construções e
pinturas reproduzidas. Imagens selecionadas
pela simplicidade e tendência à abstração
aparecem apenas de duas maneiras: sangrando
para todos os lados de uma das páginas da
dupla, ou centradas numa janela cuja proporção
é dada pelo ângulo principal do grid do bloco
de texto. A cadência varia com a alternância
imponente entre os formatos da imagem e o "
funáo branco ou preto. As notas e as plantas o
baixas estão dispostas segundo um grid de três
colunas, dominado pela linha de topo baixa do
grid principal.
ra

de coluna

h-

exemplos correlatos
....
-----'
__ ..
~. __
............. __ .................

...
-...­ 5A Hea6ng. Ventilabltg. anel

"'-" -­ - -...--- ... ­


02 05 08 11 IndoorOeSlgn Condioons'
...._ _ _ _ __

--
Air-c.nditioning (HVACI
=::::=~ ... :!:=-... .....
-_._..-------­
12 14 18 22 • ~ .:!:...~::::...w::::=:
....._ -_....
~:=

26 28 33 36 ----_
---
_
--_ . _--,.....-
-~--- ,,-'

_---­_--... --
~~=-:=.':'.==-
... --..-..-"­
.... E.~Z.,:E
... __ ....
....
......... :=.::...-.==.-==.:.
...
__-­...­
_~-_

--.....-.....-..---­
~ __ ...
....

-----
-_
..--.-_1.-.. ...
37
-_ ...........--­............
_---T.AtIoI
---"'--"-­
... --.. .......
:::::::...-_ -­

==.==::~
-L
04 05 07 09 '-"---_ . --.-...--..
....­ ...... ­ ­
_.......-------_
~---_

-.._-~---
~_
........
...

10 13 15 16
, .. C'L"'ISI ' ''''O''.OI'O.,,,,' .. ILS;I ..
... '---~-.

22 23 30 31

33 36

_
--- ---,...... _--. ._-'"'"--­
.. -_.... _--
.........
-_ .....--­
_-,..._--­
.---_.
... ._­
­
-.......... -__............
.....
........... _----­... _....
...._---­
. _...... _

. .,-......-..­
""",-~....-----
-....--
..-......------
.... ,.-- .....,.......,_
---­
,-­
_. ---­
_ _ . .,....._ _ . . . . - .. LMt

._.k__--
...::... ~-------..
,--.. ....... ......... -.. . . . :_~~~
.. _ ...... ­
_ .._
r----=~
,..-..,--- .,=~.s.='
­ _-_.­ .........­ ..........
. __
-............-..--_
-_-..-..._.... . -- .
--~---
-.... ,....­
.... ~
....
~

_..... __...... - - ­ ... .... -...


. __
...-...........__,......----
.---'"'-~
_..._--_.. """""'---. . ~ -_

--_
.... --­ . --­
.:::-'-=: ::::=-:... .
.. =:..~==-,:=::.-~

.... _........... ........


~-~_

..
'
.....­ .......
....._............ ..
...-­

_-.._---­..... ~ ~~::....---::..-=-
. 0\01;. _ _ _ _ _

.~.f-§:~=-=-
........-_ .... _-,..... .
.
. ...,.........-.-_......
_._-­ _...­
._­
---­
---_ ..-­ -

,
,..... --_..............
.......
:=~~..-.:.:.:' .!!:. -­
~~:;:~:;=- ~ --­
:=:-..:::=--­
_ .. "'I~·'UJlI • • t l l " " ­

~
~
projeto cliente deslgn
Facilities Standards U.S. General Services Cherrnayeff & Geismar
Diretrizes estruturais Administration Associates
soluções para Agência governamental Keith Helmetag
edificação pública Washington, De, EUA Nova York, NY, EUA
Encadernação espiral
Offtet

1.1 Purpose Df the 1h. ptO'flSoOns oIl/w1 docUllMnl . r. nol ..ended 10 pro­
hlblttheuseol.llernl lNesysllnls.mttthod$. ordI!YtCH
Facililies Standards for lhe no( specdlC.1y preSCflbtd by '"" documenl. pn Mded
GSA hll 'PPfCW~ IWch Mlft'MInltI Al llchnlc al doclI­
Public Buildings Service II'(!nt.11Ol1 Ih•• IM su brru'lled Wl lhe GSA Plote' l MI~
lhe 'lclwc.1 documemllJOn submlfted 5ftaII dlmonsu.ze
NI thl"..OIIOU d . ltern.lIYe d.51gn 'l . 11e1S1 IQUIVIM
1m' r'K"U"" "''',,,'''T,II ~,n.- 1...bI... Ii"''''''~J VrI·""· OI IUpe"Of to lhe pl elcnbed I~UltementJ 111 lfus
.·.uNi.....•• ,J,..,,,n ." oInJoInl. ~nd (fI le';" it... "","' .....iM­ documem wMr.,.r d 10 quNcy, SU"tnglh.lIff,cllveness.
ínp. n'ol~1'f oInd n,,~ ... oIh,""II'''n''';ln(\ .... ort.: In hi~1{ ...'" ,,,. r.$.ISt."ce. OUl'.bllrty, anel u f,1V I1 d noc (O be
"fUt.'urn (", lho: I",tltio; Iluik"rIF' ~T\' i.:(' (1)16) oi ,.. , consld. rtd • WJI'f'" OI" deletlOn eM I reqw emenl, bul
''' ' '"'.ai ~....·,,~.w lllllllj.lrMio.... I G~A ). Th" do.-:un"..,,,,
;l1"'a'"lo 111 0111 rK"W c....:au~ UI" ;d,""'-oIl1(1l1~ k ... C;SA 010'"",
shall bct r' CogtI&led11"""" equ'Y*n1 protectlOn anel In
ccwnph~. w.lh lhe lechnlc.at IMlUllements ol mil
, " "'_ 'j'n~nlCuon. ;and comol,n' roIitr ~nd Icdonic;tl ckM:umtnl lhe .lIe'nll..... tySCem., melhod. Of dlVlU shaI
~ nk'r'ol 1<, t..- Ib<'d 1ft , ....·'''.'VMl1mint;.. ~n. ;and d..cu. . . .pproved whefI lhe GSA lechnoc.1 deSl9fl pr ofHSlOl\M w
tn('RIoI'oun u( GSA buddmp. " " Inlm.k.J &o bo:- " build· detl,mlnlS th.11M proposed "Imatwe desfI" l i
0'1
i", ..õtIllbrd: 11 tli""'" 'ntbook.. h;o,OObool., t~U1I~ dHlI'Ied I qlollW.*" OI' wpet'1Of 10 lhe ....1... ot lhe
m.. nu;,j or !Illfw.tWk" '" ,"'" l«W.ioI ( OO1pr1C"ft(1t nl~l ­
nJoI.I~n"' ltomuU(lion~1. .......
prlStt/bH '1<IIIII'III\InlS of thd dot ument IOf lhe IfItlftded

1"'" I...oI" ons......lllnll w ll hc UK'd inronlU.... " 'lIh '1Qft


ti", ~lfK" "',íaJô", f"IUI.r;lm rnr exh pr.~I. IOhk h
ddww.l!d "li rn.;ta in(')fn'olhlln. MKh ;h numbn- ,,00
~ oI buddn"~o.,,rtJ requil\.'fIl.mb k .... nxclund
rit(lri(.ll~n.:lOfhof1-t.IJln".I"ftJ ,~).. h ;s imJ'"";uI\"C"
' lwllt.Kh hudJltIgho: dr.~ 10 llul;dl ("(.mponrnu
O:'''"fJ'''k'" .In ,nlq;r;ltnl.,oh!,ion. to ,h.31 opcr.ltiun ,,( ,.....
"
r",iJil y. rn«J1' USoIF ..n.! Ofhof1- ,"IC"I"U /N r ho:
I1Uxm ,,;.N.

~11« t lk-"'IK,I"I(fSf!lIliII!f,/J(Onl;linj;\'O(1";I( CThni;a.


, htf\, nu)' 50011(·"......,. b..·.::ontl ic:b b.,:IW...... " the htdli,i.'1
.\4."...",11 ~n.:I ~i rK" J'fl';"-.: t f\'qIJi r..,m enb . Thc-OOK"l'
ui IIK- Chid' Al\.tnt«f. l>ublic: Kuiklinp: Sc-n'ic:l'. C.mcr.al
~"K", N h n"""f;J'''Nl. W;t.h' nr:"lfI. lX:: 20405.(101 )
501 - IMII. ,.,01\ ,""""''';teIN h>r",bri(K.llion ora")
J.;KIK"uI;trf\'"qUM"nt1oflll,

GENERAL REOUIREMENTS IiEl• •


FVPMeoltheFitoIl SSI.....~~Servce 1,1
fA!1
o

dua<; colunas extremamente Os fó lios e títu los correntes extrava sam as


ga ;,la este manual de diretrizes. duas colunas, mas no pé da página, e não no
ento pa ra atender a uma série de topo, dando preced ência aos elem entos ma is
ClE'scentralizados de serviços importantes da hi erarqui a: t ítulos da s seções,
CIOS pJt.llcos, sua simplicidade subtítulos e inform ações itemizadas.
uma aborda gem continua,
te Jr'1 facil acesso do usuário às Os gráficos e t abela s se integram fa cilm ente no
As colura) olvi dem as páginas grid, e oferecem uma certa variação à seqüência
, a metade. As margens são das páginas. As abas de divi são usam a moldu ra
gul,Hes; as Int ernas são um do grid como elemento decorativo, contra stando
gas para com pensar a espiral com os enormes números das seções e com os
E _mentos li neares demarcam títulos.
longo de tod o o Pvro, mas
fica eviderte nas páginas de
ferel1c a as copias heliográficas
ra
modular

diverse city
~)
(

exemplos correlatos

06 07 09 10

13 16 17 19

22 24 25 27

29 30 35 38 vivacity still celebrating the new


lhe show must 90 on and It did. Heralded wlth fireworks, parties and parades.
lhe flrst year 01 the new Millennlum contlnued with li non -stop extravaqanza 01
the arts and of artlsts rlQht across london. lhe MiIlennlum restlval. funded by
02 06 12 18 the Nationallotterv. broke ali the rules by happenlnQ everywhere ali the tlme ­
well Into the summer of 2001. And tast century's year·by·year focus on dltler,nt
artforms culminated in our new century wlth the Year of the Artlst. which

19 21 24 26 brouoht livinQ artlsts tOQetl'ler with a vast number of people in a wide variety
of edraordinary places.

-~-_
......
..,- -.-..--.
.... _­ _.-....-._t..........
_ __

_-­ __--­
-.....­

c.r,I~"_

.... .
............
_ ­ . . QIIIOooI----­
_tIOIII.

31 ~~:-:.=-:=..': ..
........ JOOO_ ....... .........., ..

..........._01 __ _

"'_1 .......
"--'_''''_'Il10
_10_"' __ ""_

_.­ - --_......
__ ..... .-..- _ ......_
~

_-,
- __

-.... ..
_ . _ _ ........... _u.c..oo

._
~JOOO_.._"'"
.. •...-_"-01 ...-...­

. .... _.,.....-_
_ t :~
..... ot _
....'oI_ _ ...
.... lo ...
1"'<""5oM~

.......................
~OII _ _ _ _
.....
_.. c_
...... _ ... _........
_---
.... ,... ~---_
__
~--
..._.......·""tIMI_..... __

.""". . ...10_._101.
.. . . - .. c..o.b. ......

. """ __... _ ... ~I ........ _II'O ........

...---­ _­
IO_·_._.o -_._ _­ ... ... _ .. _ .. 1_ ........... _

--
u..--._.. _ ....

_ ... _-_
_OII _ ____ .• ----_
...... -
_VJfJO _ _

..... - ..
_ 10 __.....
..............
----
--.­.......
.. _........-_..­ .-...............__
.... _--

--­ .
UOIItI'o_ ..... _LOIIIo _

--......_...-_._ ....­.. . . -_ _ ..........


t.to

.. ........­ _­
...k.A__.___,__
~-"

_--...
. _........ _ ......­
--.-.--_
.. ..... -_......._,_
,
_

-- ....,
...... _ _.......... r.. _
.. _

_.. ___......
_
._"--. _-.......
..­
.. _ _ ... , ... _

_10_
..... AtI~"

._---_
--,
...
..... CMt

IlIooIIIIoo_,...
, ,
............... -.....

------ _­ -- ---_.
-,,---­__ ...
"' ... _~c- .... _ ...
_ .. tl'IOIyc-.. .. _ ...

,--.......- ...... ..

=-~=:.:.."::.: c-..... _ .._ - , . _ _ ........-.c_ _ .....


........................ ....... .......I ..... " " ' _ .. _~


~tftl _ _ _ ... _ _ _ "

_ .. _c.<_ _._...o..... ....-. .... _~_ .......... ~, ... ou


----'-~_
_~
...
.......... 0I

o design deste relatório anual utiliza um grid


objetivo, de grande escala, com três módulos de
altura por três de largura, dentro de um formato
quadrado. O efeito é de uma simplicidade
desconcertante, mas permite que os designers
unifiquem os vários tipos de artes, fotografias
e atividades que serão mostrados em nome do
cliente, uma instituição artística filantrópica.
prOjeto cliente design fotografia
Relatório anual LondonArts Why Not Associates AdrianFisk
Rrochura, capa recortada Organizaçào filantrópica Londres, Inglaterra Londres, Inglaterra
m faca especial de artes
Olfset Londres, Inglaterra

...----...
....-----­
...­
~~­"'-....,.-­

-.---
"lhe Ide. of a 'mobile' resldency ••s Int rlQulnq f~ a eouple 01
reaSOM. rlrs!, I repeat@(lty'ind myself leHinQ Clb dmers thlnQs
a
.
-
.
_
~
_
.
_ ...... __.. _10..
,"'-__""..
I woukin'l oroinarity dream olleUinq a slranqe:r. Anil Ihey leU
me lheil' stories as weM _ Tllalleads to lhe second. more
-""" ....
-~---­
­ .
Important reason: London's minH:abs .re driwn Iar9f1y

.. ~--_ .. _....,..-.,... "'"-.,....


by ImmlQranls.. And I'm In Immlqranl .. few times o'llr."
­
--_
..........
1lOI . . . . _ _ .. _

--_.. ..­.....
kWIIt_ ...._

_~-­ -
... -~
. .~
__
...

....., " -
_ --
_ -­
_ _a
~"""""'''''III''­
_......­ .. _ _ _
_III~_'-_"'"

_.-"_10___ . . . __.. ._.. ..__.


..__"""""_-....
......___....-ct..... __ _... '*.......
.......
_ ._-......c.o...__
____....._ ........_ ............

.... -- -_ .. _-­
oII.l'IIIo

--"""_ .. _-­
~

. -....... __.- ,..._ . -­


----, ~ ~

.................. ----­
........ _­
-""'-!""'-"_..­ - - .­ -.......
__
_01 _ _ _ _ " ­
~_......

_-_._ .... _1___""-.


_ -_."-_01'....." -_
..
__

--....,-..-._
~_ ..... ~,_
....1. .......
-
. . .'
..........-..-...
~.­
. . ",..,..-..GoIo<y, ............

-.......-..... ......
~ .."

_.. _-----­
,----, ... ­
..... _
...-,._10 ..... _ ....._ ..
. __... .
..... _
-----,
"" ....... .....-.._01
...... ..
......................­
..

-_
~_ ~--.-..

..._-.. _- _-­
0&..-- ......... _ ..... ....-­

--._­..
----...­
=:::-..:~
....
.........
._. . __
-... ~,

__._01__. ..
~"""_ .. IIIot"'-"l.

-.- _­
....... _........
.-......,_ ..

..... ___10_.. _
-_
'_Ib ... _ ..
..... . ...
-~,..--­
~-­
~

capacity investing in the creative spirit


How creahv. tan a cheque be1 That questlon 15 tne battom IIne for any funder.
--- ­ ­ . _----­
..-_-_._~

___01..-
............. ........
=":'=,;.­
........
_---.-_
_­ -_
. . .......___."""
.............
{_ _ . Itoc........._ _
~--""'­
......

-------­
_t__
......
n ... _ _
_ ... _1 •. . . - - . . . . _ ..

_-"' <-_._,,~­
..-...­ w
00

-_------_
~s..oo. _.

_ ..
~_

........... _
---
Inltltafts'wherelhe sky Is barelv lhe IIm!t · tt Is 'Nelal lo make Investments lhat

.,.....,.-_._... ---
~ _ _ ... _ . _ _1lMII
~
""'~'""c-_

ruOy counl. now and in lhe lono·term. Thls means partnerships wilh olher funders "'
---- ­ . _-- _. ­
_ _-..-.-..01......_
... _n._ _ ...
....----~""" ......-..... _-.Itoo

-­.........-.--.._-..-,.
................... _ _......""'c_••
_ .w.. _ __
Itld pobcy·malu!rs. strateQIc approaches to specjlie needs • and findino other ways to .... _ ... ......1odoootIIoow_'..
.... __...
t _ ..
.. ..k_
_1IIU1..v .....
_ _ _ .. _
suppoC1 lhe arts ol her lhan simptv writlno ehf'QUes. Thls vear London Arts worked to
... ..... __ ........

. . . c_.. -.­
I1te~_

achl!Ve l ollery capital awards lor many elteellenl projects.. Oetalled reviews resutted _ _o _ . _ _ _ c.....
111 Qreatft'" suP9Qrt lor SOtM stctors, nolably theatre, and lhe Cfeat ion of entire,y n. . 1t.\I... _ .... _ _ "'.MIfll'lOO.
...- . __
__ ~
.......... ......
_ _ _ _ Dr_

~""" ""k,d'fl<" Illerature deveiopment aoeney lor West london.

­--- -_ ­
~

.. ~-----­ ..... ~ _ _ _ _ t.a.ooo.


c_'-'--.......•.....-­
_~ __

--_ .... ---..... ... ......


----......._
....."'---...-­
-~ .. ........
-:.:::-:...=.::::.=
_._--~
~
~- ..... .. "

. -----­ --....-­ -_._ . -­


-..­
............
===:=..~
.... _~_ ...c ­

'-.. . . '-".s.......... __.. __._ ___ .... _


-,,-,,--..---..-.
~--­ • _ _ . _ . ·... N f I _ t I
----.
_ _ .......01._ _ _.... _... __
----~-­ ...
_~.... ..,..c........ _
,.........___.. ......... __ .....
_['0 =--==''::..''"':'::::
.....

----..-
_ . _ _ _ .........c ­

~--.-......-.­
......
~_
-.
.. ~-­
...__
__ ........ _ _ _ 01
-""''''_-'10

de três colunas são ocupados por dados financeiros se integram no grid. O corte
eimagem em combinações variadas de drástico e os elementos com positivos das fotos
e três larguras modulares com um atenuam a regularidade e interagem visualmente
tmo visual de blocos e faixas, às vezes com com a arquitetura modular das páginas.
primento de um módulo, às vezes de dois
de todos os três. Os módulos são
por uma generosa entrecoluna que
aqualidade modular e chama a atenção
as formas criadas pelo texto e imagens.
texto corrido, verbetes informativos e
04

hierárquico

.. ­

exemplos correlatos

12 13 19 20

22 23 24 25

28 31 32 34

36

02 12 14 16

17 18 20 22

37

04

strutura

Grid hierárquico

I
... .

exemplos correlatos

12 13 19 20

22 23 24 25

28 31 32 34

36

02 12 14 16

17 18 20 22

37
projeto cliente design programação
www.paonedesign.com Paone Design Associates Paone Design Associates Juan Sensenanea
Site Designers gráficos Gregory Paone Madri, Espanha
Flash versão 5.0 Filadélfia, Pensi/wlnia, EUA Filadélfia, Pensilvãnia, EUA

~
O

hierárquico simples organiza o


As linhas divisórias do grid ficam à mostra, e
de marketing e o portfólio do site
constituem uma linguagem visual sutil que une
scritono de designo As proporções de cada os elementos de navegação e a identidade.
ntro (13 página correspondem à função
uma delas na manipulação do conteúdo. o formato quadrado do painel principal pode
divisões horizontais, por exemplo, conter os diferentes formatos dos trabalhos
uma larga area para texto e imagens. do escritório, desde brochuras compridas até
das áreas de conteúdo tem a mesma marcas. A linha de topo separa a navegação,
mas suas respectivas dimensões a identidade e o detalhamento da área de
verticais e modulares unificam o conteúdo primário onde aparecem os projetos
numa espécie de tensão tranqüila. da empresa.
05

de coluna
Sdchdng Prefereme aande1en C Van Lanlchot Report ofthe SuptrviJOry Board

1*IIdtIf'''"''''-,...."cv..l.-dooI.·.. ~ . _r.-.w_ w. ............ .....--._................ _ ............... _ ' "

r aI~I,.,. ".JddodoIt . . \·.l-'"-""Mw ...""'"_ . . . . . . .


v• . . - -" ... orIoodtlldMa."""'"fII........ "'IM..... DItNot-.oIllll

. " . - . ......... doISddIóiJrc.etllilWIOIIM~ ..... C., .. 1


"-.1_",,,..,,,,,,, ""'.n....... _ ..................,.

...w.....fIf,.,..fII_...."npiuI.\·_I...... " .. _ ..... NfIrt~ ..

aJI. . . . . ..-....-•• , . . . . .. . -........ ~ _ _


doc,... Et.c*,.--."-­ .......... ..,._ .......__---.

w. ........... A-.lG-.I~"'......... ..",-- .... _


. . v.. I.-.ct.o ........ wtokIo\·.. t-tIoI " .. lModN ripc ...... . . - - .
....

IllamClalMa,ílaI.,v... ! . - . . ..... Ihr~., "' .........


ot)d.
_IO.........................,"'....... ~~"' .......

. . . . . """'. .I - '. . . . . . vI..tt..,. ........ ,...,...... .... " ...


... . HOI ............, ................. .....".. ....wr.tcr.I""....... _

,m..-.-.•.•. II'. . . . . .-plllRW. . llIrpriorIPl'fOO...... "-"II _ ..... ".,..nfll........ "'~Dlrenan.O'.,....."' ...... _

~M ..................... .r\·......odooI:"..... ..,. ...lriIoooI_ ....... ... ... ,.....,...,.tMtoot__...dItadoo, t:4 J. ' . . . .-1................,.....,.'"

I ...Wft• • ,..... otiridIttoduol t! tIIf.' ............. ultontlO """"""'" ......... "'...., ..... . .

AlImI'J"fllill--' .... tJll_~--.C_"'MpM""_"-. '""""" .. ",...... -.ct.dlrillnoolfllC I.Jj"' ..... ftlt: .. oo....... O"....,.......,

" llIn'Mdlcdi..w..o.la"'_"1P"'dtltA-.lII..,.,n.~ ......


TM_br.. .rdrlollouf-. A_Dl~ .

A.A.M . o.torWc a.rr­


J.Y.iI, " tuI. . o.,.tr~ A' IIw"~CftoonI"1ftf. . of"Mar'otIoOr,McMnH . ~K,I. ......
r.IIJ."-" PoC .... CooI.... TJ. ................. ..-- ...... r_ ...,.........,. ...... ..,........

cw..~......,. ...... """""*... for. _ _ fII. . .. At . . . . ."'. . ,...,._ ..... """'""' ....
H.J.lhMn _
.~_. w ..........
..... t.... M' .... GealItooJI . . . atw.Iot1rt ...................
dte-r.t.... _c..r......,.....,.
,,--..Mi_,..........

"'_u,.n...

- " . ....... "'. . . . .PnI_ ....Io.C".. '-"'"w.. lIoMot"l.......


..... _ ....... 'o .... Bo.of'............
-.----...-,-.
Dittcwnfil ..... a...udrIoc ..... IIefttorMton .........,...,........, . . - ­
fII ~"flfdor~ ... I...... R. . ",~I ~ ..... ~
n........,....._..................,..............,..,..,......

................mpen".. ~ . ... -.knflllloolontf,..... .. _ ............ tlII............................................

n.. _ _ _, ............. ...,.., _ _ . . . . . . . . . . _ ......... .

"""'"'"" ....... C \ ·.. t.-...

exemplos correlatos ,.,...."'... u.....t ......... , .... .-;.cu--....._........"'......

SddiodIIf~""""c,·_~ ",..;.u.tlIIrm.. ....... .....,. .... tIII...--"'v..................

n.1oonI ~Boordflf)'-P'f:OIftcwI ..ttdll ...... fII~ ..... ..,. ........................... ".......,

·.H«~"r...."._ . . ~ .......................n.u... ~-..-. ........

02 08 11 12
_,...,._ft..-...............
tlllloanI ........- ' ..... ,.,., ........................... ....

y.r, . . . MW . . . . . .. . . . .
..... U.C1I*M_"'.IWa-."'ltl...... D"-- .. ~ ....... "'.buprf

DIm...· ~•.,..,.......... of.............,. ..... _ .........

14 18 22 26
......"'Iltor ..... "'",."..s,..DINn«t.
lIcd .... A... _C..... _c..-.- ...... CftdIt_"..
.,.MtIt . . . .,of~ .............,_.. .,..---............. ,...·

~ .....
."w-rof".,....-rordM"."""'""'""' ...... -....IlwAtoolk ... c...,w­
28 33 37

05 07 09 10

13 15 16 23

24 27 30 31

. . . ._ ....u_ ..........." .....cr ••••

33 36
Van Lan.c:hot in 2000

,..,v.. ~_ .. 'NlIIOIhot,-ol~N~IfO"""h"' ......... ,..,. .....

...... otlwlDoiMlof. Tho ....·' .... UMIII.......... IIr ........ m..'I.J IWItlaft,.....'"

... '.TbllHooo• ..w.opo...d.. proIc.n.rtu.m.~II1I 'I.JIIIIIIooo,.tf.l ... .


Ik.MI..... 'vtlwmIoro'.n~l.-fot . . ,...,_ ....... otc'7·1 . . . .
N«proI\I~,_ .... ~ .. ~wkIIl"" ..... kNt(W_
.II\IIIIY-.I\II,... '*""-I"JI'II'ONI-,......".ronftl.....tllwy-.-,.."
CCI,J,"'1·n • t ' ·11•

TM .......... ,....._~.IW...,. "" ...... vI ... MnI .............


~ .....'.,.,........,tIII,.....A..-..
......... _.",....._ ..........)_~dw~tI .. . . . .

vldf..,_,. ...

....... 1II_.. ""'""'lIIror..r-.d\rIIU,_n....,• ..-..n.~


............... _IIooI_ _ .. _.u~
______
~ ....... . . . .

..... ,.trir, poonIy .....fpM'_el ............ tI..

~
....

_tu~III"'N~III_ .

SIpi&n.,...,..._. . . . . wtdoNpnl .. ----.hI~_ ..


·vul.aalcMl-r.",_..a._-"'"''''..I..,..ftIIooIdI.~'''''''''''
u'**"--'-"'"IInMdn..... _ .. vI"'fIIIO"~AIWI- . .
,. .,011..,.11..-..-"'......0,........ ..--....
...'*"""1..
'IorucIIet1lln..HI... _W~ __ .....t_IIlIr ..........
...... -.. lrNa_". . . . .. '..-.-.~ _ _ _ ... ~
ft,....._w...

prIIjKu """",,",,,101 C_tnl,..u..rt.TlIINrJIlIII RooI........... _,..,..._

~ .. Coot..,_I•• III ... (WI....). :E.*,DonI'ocmlllllb.....

r'''''
_u.. . . . .
TIIt'.IIf1"''''Vul.aludoac''_'IIrndl,'IIiIIdI_NfkctIIII cHtll
1."tlM .. ItoI .............._flltuII'.lIpllk:andrl~dw ___ oIIUJft"...,

_potaI._IM. IIMII . . ~ .... lIooprl..-_~ I~tM~.IM ......."


"",~" .. _ u . ••.fOOutdtlw ....... .tptl.... CIIJII
,""",_..,.""IO_"'4'.JOO.I.~.tltt ........",--.,.
''''IO...,.,..~pt'lCtbIIr.'''_d''''_"""IMC~atIfI ... ~
...tun4p.--........ vlprl..."taI'f"IntIOP_M)JDKtoIItIr­

_-tr ....-... ~wkII.o.Mo.,.....,..........,..

C-.I-acaMkleM __ . . . . . .
_fIIV...........
--.dw.... ~~·
·'MUbQ..,._-wUr..............."........

MWI........................... ~...,"' .... Jft' .... ..s.......

................... Ib ..... I........ - . . b N - u t . ....... ~

. . . . . _ , . . . . ... ...,....IonIUillloLAJdN"" ...................

pr~jeto cliente deslgn


Relatório anual Van Lanschot Bank UNA [Arnsterdarn)
pa dura cam relevo seco, Instituição financeira Designers
brecapa 'mpressa Amsterdã, Holanda Hans Bockting
em seT/qrafta Sabine Reinhardt
Y.fset, dUlJs cores
Amsterdã, Holanda

Este relatório anual para um banco privado da


Holanda se organiza em torno de um elegante
grid de colunas que integra texto, tabelas e
dados financeiros,

-_ _­

-_._­
--
--
--
-...,......
....­ ..
o bloco de texto é dividido em quatro colunas
primárias de 4 cm cada, e estas são
novamente subdivididas - ficando com a largura
--- .........

----- _.. -- do número mais longo entre todas as tabelas,
Uma série de alinhamentos separados por
, cm na borda do bloco de texto principal cria
uma referência constante para o texto e os
dados financeiros, e os subtítulos ou notações
projetam-se para fora da margem para se
alinhar com o número da página no topo.

Um espaço entre a linha de topo do bloco de


texto e o cabeçalho orienta o conteúdo das
tabelas, As colunas numé(jcas estão
-

- -­

_-
-
- - - ...­
-_.-.---­

.......
- -- ----
--- .::::
diferenciadas pelo fundo branco ou colorido, e as
cifras do ano 2000 recebem o máximo destaque,

A capa dura tem gravado o brasão da família de

------
---
-----
banqueiros, numa referência à sobriedade do
conteúdo, Mas a capa é sobreposta por um
--- - ---- --. -
---
--- cartaz dobrado multicolorido mostrando o mais
- .-- -
.-- ­ -- importante: as cifras financeiras do miolo, A

--­- _--..... -- ----


--
composição viva e atraente diverge da estrutura
interna imponente, mas a dobra superior da "
-_....
-
-
....... -
...... sobrecapa é curta, e deixa aparecer a marca do
---_ .. o
~
""'" banco na capa, O alinhamento dessa dobra
::--,:;. reproduz a linha de topo no interior do relatório,

6
projeto cliente design
Ein farbiges Iahr Bõsch Siebdruck AG Niklaus Troxler Design
Cartaz Empresa de serigrafia Niklaus Troxler
Serigrafia, sete cores Wilfisau,Suiça Wilfisau,SUlça

" -
1........ ....
........................
...

r . .. . . . ..

......
........
.. '
...... ..
..................

. .. .. .. .. .. .. .

..
A

......
.......... .... ..
.......................... ........
......................
........ ..

................
........ .. ..............
.. ..
........

.......... ..

................
............ .. ..
...... ..
..

.......... ..
......................

.......... ........
.............. ..

..

exemplos correlatos

03 07 10 13

...... ............
........................
.... .. ..........

. . . .. . . .. .. .. .. .. .. .. .

......................

.... ..............
........................
..

16 17 19 22

24

34
25

35
27

38

29

..............
........ ..
............
................ .... ..

..

....

02

18

26
03

19

31
06

21

35

12

24

...... ................
.... ..........
..
.. .... .. ..
..

- -~----
projeto cliente design
Plakate Schwarz-Weiss Willisau Rathaus Niklaus Troxler Design
Cartaz de exposição Galeria de arte Nildaus Troxler
Serigrafia em preto WiIIisau,Suiça WiIIisau,Suiça

Estes dois cartazes mostram a versatilidade


de um grid modular, Em ambos, o tamanho do
módulo está relacionado com o conteúdo.

o cartaz de ano-novo criado por uma empresa


de serigrafia usa um grid modular estreito como
base para a interpretação colorida do calendário.
Os módulos representam todos os dias do ano,
organizados em doze colunas com 31 linhas.
Cada dia da semana é de uma cor. A repetição
aritmética irregular dos dias, contraposta ao
começo regular de cada mês, cria um padrão
Ausstellung cromático aleatório que evoca a matriz cíclica do
Plakate calendário e ao mesmo tempo faz lembrar uma
Schwarz-Weiss
chuva de confetes.

O segundo cartaz usa um módulo muito maior


como base da composição. As letras formando o
nome da exposição estão dispostas num grid de
4 x 5 módulos verticalmente proporcionais que
sangram o formato do cartaz - não há margens.
Os campos brancos e pretos alternados criam
o fundo para as letras individuais.

WiIIisau O d~signer "trapaceia" um pouco o grid


Rathaus
para garantir a legibilidade das letras,
"
23. Juni -1. Juli
2001 movendo-as para cima ou para os lados com o
intuito de revelar melhor as suas formas, mas a
integridade do grid permanece. Sobreposições
e justaposições vibrantes de áreas pretas e
brancas permitem a variação dos detalhes sobre
a infra-estrutura regular. A escala dramática do
titulo dá lugar a uma coluna mais focada, com a
descrição da data e local, na extrema direita.
articulações

exemplos correlatos
ltol DrOt """"" _ _ _ " ' - . ~ ...'" ........_ .... ",.,,_

03 06 09 10 ..-.'~_,. ___ ~

_",_~"".---,_~"'O'_"'D~_.--'",_",,,,
" .. _ _ çrl _ _ ._,XIO~

"""',.,....
_ _ ..k.-.ca .. "".,. . _'-to 1 _,.,.
cto.. _..cOJ(lOtl................ ~~...-...-.-.-
...- - , , _ _ ..

.u_........-.. __............. -"......... "....'"""-_,.... ,

... _ _ _ c...-rJl _ _• _ _
13 16 17 19 .......

*
,
.
~
'
"
"
"
"
.
"
"
"
'
a
c
t
a-.I*'-_ ....... ' _ _ _ W. .... , _..... ,~~.III(~

_'-"ItIoM _ _ ...............

20 24 25 27

29 30 35 38

02 06 12 13

18 19 21 24

26 30 31 35

.._lOOJ_. . . . .,t_
....... _ ....... AKOo<,"'
_*"'Y ___ "''''.,''.....
.. t., \O
... -..... ....... "'­
dI .... ''''-'~ ...
._,

,O'_­
...... ,,,,. . . . .

_------- ---­
............. _ _ _ .... _"" _2001 • •_ - . "
.\IIOOI.'Io( _ _ ~ ... Wtif ..... , . . , . ; " , , - - . . - . . . . - _ ... 11..,•
....... ,......
.... "" _ _ ,._..-'~_ ... ctec.. ............................ ­
.. -cN _ _ _ ...
...........
. . . _ _ _. , ,_ _ If"'CIr4I'''''
~Io_
projeto cliente des ign fot ografia
Relatório anual Regeneron Ideas on Purpose HOlatio Salinas
Brochura Pesquisa e Darren Namaye Nova York, NY, EUA
Offiet desenvolvimento na Nova York, NY, EUA
área farmacêutica
Tarrytown, NY, EUA

Afastando-se dos grids regulares, onde o mesmo módulo rege


as páginas independentemente da informação apresentada,
este pequeno relatório anual usa três articulações separadas
de um grid modular, cada qual com sua proporção, baseada na
proporção do módulo subjacente. Cada um dos grids é
recortado segundo seções específicas ou tipos de informação.
A alternância de grids se repete ao longo de várias seções,
SELECf RESEARCH conferindo uma cadência agradável às páginas.

'­ " -'­


"" -~
, ..
~"''''-'
'
...........,.~._
-_ __
.........................
.-...~
.... ......
,_ _........___.. - o,
_.,.-~.-
Um grid de 6 x 8 módulos nas páginas da esquerda da primeira
............ --_- ............ __...... , . .............. ­
.. ,-_....'­ seção apresenta o ambiente da empresa e estrutura um
. . .... __..........
"" . . . . . . . . . . . . . . .. ,,_ _ ···,...... ·~ .... r .. • · ..

.. __ ..... .....---
- ........ ­
_.......
....... . .... ......
..........
....... • .
,
~---~

'-~
_ ....-­ ..._­
............... - -_.,..
-~ .

............. - ........-._-­
. ... ' - ­
' -' ,­ .... ·. ..·-" . .. ·_1.­ ... , ......
parágrafo de texto na parte de baixo. As margens são definidas
pelas dimensões do módulo.
::..~..~.::."";.:-::.;;: _.._---­
'-'~"

Em contraste, a página da direita usa o grid modular básico.


Ele é visível como uma sobrecamada na fotografia. À primeira
vista, parece decorativo, mas o grid é usado para estruturar
informações temáticas, como num quebra-cabeças, além do
parágrafo abaixo dele. O módulo menor contra a imagem em
close do rosto dá a idéia de uma maior profundidade de foco,
A \:."'; 9
~ ~ 9-' passando do ambiente de trabalho para o profissional.
A filosofia da empresa, com declarações dos diretores e
presidentes, se encaixa na primeira estrutura do grid.

... ------- - ...'..­


::-::::-:.:...-:::'­
_-_._ _ -.....
--- Um outro tamanho de módulo define o grid para a seção
__......
:.:.":~. .!':"'':..:--=~...:--==-
.. -.....---.............
__-­--
-.-..- ...
-.""-'""_. _~
financeira, separada da seção conceitual pelo uso de um papel
-~"""-- .... ------­
:::::=:.-:::--.............._­ em outra cor.
... ..
.J=--:..~
.
l _ ......... "'O,.,O
o

s _ ..... __..

_____.. __.•._u._..
__
_--
.....,_
...--_
"_ _------­
..---­
.. _---_._---
..----
_
6 _ _ _ _ _ •__•

'---'­
I
......,.rp..,~

__
......... __

.....GI...,nc ........... ~
,.,.,.._fII~aAo.n
~b"~

\llllfthboa6al..m ........ ~~~


... .hoI«IIft·~ . . ftrNIiroIJfJ
~ .... fII_ .. OI....,.~_~'"
_ -,.,.,..,..mI\IInIftc.rwwith".,..",
*-,AIt~..,,.....,,...,ThJ_~~

-.... .. ..,f..
lIIr ~~.wodMlrlr.llW'lltIobe--.l
,...,....._~,.,..".,Irr~

~..w-.....J~
....
--- -..........
..... 1..... .w,...~~ IrrVdy

....",.alto .. ~ . . -.....~
........ -"of--...-..,pnrtu.W._

,...~

~ _bwk:ion~""
.,-~-.~

""-"""_"'br~_"""
--.ybr~._b:Ilb_boots
..... _ ....... n. .. _ ........•_

*'''''_il00i.:i. ....... .......

~oI.wt.-tdnql_ ............ ~
~"'-l(1~ . . ~GI_~
"' ........... -..I'Ior--u...ct> ... _ .....

exemplos correlatos .... ,..,.~~ . . . . . . . . . . . . . bocIbIIIrI,.

.. ..,. ... ...,a,IIIal~


~-.
1D~_.,...... .... """In .. '*".
_eqynalht...,. .............. _

02 03 05 11 - ...
........ ..,.dllhe_.-b.

12 14 18 22

26 28 33 37

04 05 07 09

10 13 15 16

23 24 30 32

36

, 't
projeto cliente design
Catálogos de liVIOS Laurence King Publishing Frost Design
Sistema de publicações Editora Vince Frost
BrochuraJormato A4 Londres, Inglaterra Londres, Inglaterra
Offset

_---
_ _ _ fIo _ _

.....--...- ..--­
-~-'"'"'=_":=
__
. . ...... a.o..Ip

~_

......
.:-:-::.:--==.:::-....:­
_Ei:~

IJ

--
--

Este catálogo trimestral de títulos de uma editora adota um grid pouco


usual com divisões verticais de , em, e duas guias horizontais no topo "
da página . Cada página de uma dupla é dedicada à apresentação de um
único livro. A linha central vertical da página é usada como referência
para os dados do livro, alinhada à esquerda e seguindo a primeira guia
horizontal. Uma estreita faixa horizontal é definida pelo espaço entre os
dados do livro e o começo do texto descritivo. Esse texto segue a segunda
guia horizontal, que também define a localização do fólio na extrema
direita . Dentro desta faixa estreita, o título do livro - no mesmo tipo
sem serifa usado no texto corrido, mas em corpo maior e em bold - fica
acima da segunda guia horizontal, de modo que, se ocupar mais de
uma linha, ele vai subindo conforme a necessidade. Por outro lado, as
múltiplas divisões verticais permitem ao designer dar ritmo e movimento
ao texto, avançando ou recuando o alinhamento do parágrafo. Às vezes
essa variação acomoda a capa do livro apresentado; outras vezes, é uma
resposta ótica à dinâmica dos outros elementos da página dupla. Mas o
alinhamento esquerdo dos parágrafos sempre volta a se alinhar com a
informação no topo, dando resolução à página.
e

o
ra
modular

1== ,­

r _L..

exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 17

19 22 24 25

27 29 30 31

35 38

02 06 .12 18 IIIIIIIII
19 21 26 31 aUlu >lJEJl

o uso simples e engenhoso de um grid em grande escala cria uma peça


de forte presença. Conforme se abre o folder, o formato quadrado se torna
o módulo dirigente das fotos e informações. A cada vez que se desdobra
uma face, revelam-se novos componentes da mensagem geral. A seqüência
simples deixa a mensagem clara. Quando o folder está inteiramente aberto,
um pequeno cartaz com módulos de cores chapadas e fotos cortadas
torna-se uma mensagem em que a identidade visual da empresa é
facilmente reconhecida.
projeto cliente design
Track Nine TrackNine Levei Design
Folder/cartaz Estúdio de produção Jennifer Bernstein
?ffset e gravação Nicholas Hubbard
Nova York, NY, EUA Nova York, NY, EUA

VI
o

"
o
• Ow rftcwdifts pbtfo...", If ProTook 2" 10.1 ... pIut..
ProTooI$~~lI$looffff~or lhe",ou

Iodv~~ (~,n~.and pow. poodYnton (.ap.tboIoUH

5 (O _ ~t.. lhtt ~&'H


1_10." l"ltft~
dfoft'U~1

from powfflul .lI"'II"~·


ilI""'r of~"'" and OUI.bo.ard

n-M~ · (~OH~(fOIft_~. AOR


lond _..c'. 10 TV and rolm muw M'OIV'IC W .. fM'O"
wM"ul"*'o~ybKtu'l'\dil5l"wdl.Apr

_&od.'lo-pocl_M'is.onJ~~S,.

I"or_Wonns.-iAOItMordt .... boch TSC


W 'Al fat...y~ fI't,u,1' I.lIU 1_10 -..: _.~.
toIt"I_I~fltlldlOf.. com 10 tco .. m ~~I
IMM~whaw_c.lnlw4p""'l..tfO'M'ftUt
f'Kont.nspt"OJKl.wccn~_

track nlne

IIIIIIIII

= = i= p=
= = i= 1=
= ='= =
= = ==

exemplos correlatos

03 06 07 09

13 16 17 19

22 23 24 25

27 29 30 34

35 38

02 06 12 18

19 21 24 26

31 35

Baseado numa marca quadrada (que remete Essa unificação ocorre porque a inclusão
a detalhes arquitetõnicos), este conjunto de imagem num quadrado neutraliza (até
peças informativas e de divulgação usa um grid ponto) sua individualidade; o cérebro
modular para acomodar informações de cinco . que elas estão relacionadas entre si por
instituições de ensino e pesquisa, todas com o dentro de quadrados. A inclusão nesse
nome Getty. também ajuda a reforçar a relação dessas
imagens com a marca Getty: elas são as
o módulo quadrado sempre deriva de uma coisas diferentes que a entidade reúne
medida correspondente a um quarto da pesquisa e exposição.
largura de um determinado formato, ajudando
a organizar e unificar, tanto formal quanto
conceitualmente, tipos díspares de imagens
concorrentes - pintura, escultura, caligrafia,
arquitetura - em inúmeros formatos.
cliente design
Getty Research Institute Frankfurt Balkind
Museus e centro Aubrey Balkind
de pesquisa de arte Kent Hunter
e história da arte Todd St. John
Los Angeles, Califórnia, EUA Nova York, NY, EUA

Os quadrados são recursos visuais simples


que podem se combinar em zonas espaciais
ou seguir uma seqüência de escalas para criar
efeitos cinéticos ao virar as páginas ou ao
abrir os folhetos. O folder é caprichosamente
dobrado ao meio, sem afetar as imagens,
porque a dobra recai sobre uma linha do grid.

V1

V1

'"
W

"

:::::.:: =::::::.: ....__....._­


_,..-_ ..
... _.­
=-::::.:...

If~
,...Z,"=--:-._:._=-_::-:,_=-;._.:

fJ
o

o
de coluna

.--,

• -- •

....
~
_-----_.­
....--_.._--
.._-- --­
....----­
~--_
II ::

I!: 1
.......- .........",. . . _t,._
..........
- .~ ~

_- .._---- __ -
•• .I .. _ ....

.-::::=.:.-:-..::--.-
~_

. !':.-"::.'...-~~..:
.,..,...--:
... ..... ..--.-
............ ........

_.... .. .... --......-...:::''--


........... -"".1..00 _ _ ....
..:.:...-------
' -............. 100 ... _

-...--.
'-
1".oI-

_....
I_

. .. .-.--
.._
- .•_
1 _.....
_ , .... ~

.....,
exemplos correlatos
.---.
---. .-. _- _. .:::...--::-:
...........
.""" _."'
. . . ..
.. ..........
,:

.........
_~ _ ..-
....... :-. .,~-==-- ' - " - ­
.. .;. .;.. .
02 05 08 12
.......__....-_
._.01 . .::=....
~

_- _ _.. _-.....
._:........_--­
W - " , _ _- . ___
.-_..
.... .-._-.._
.......
~_. -..l _

_-_
_-_.-.....--
-'"'--

14 18 22 26
_.
----_
-----
..-----
28 33 37

04 05 07 09

10 13 15 16


24 27 30 31

._._._.a_.. . _ __
_ _ • __ -.oe-' ...... _ _ _

- -,,_
~_...( _ _ IOt _ _

...-.-. ...... .. .
-- -_. ._.,.-----------
36
~--

.. ----_
_------- .............-
..............
..... _ 1. . _ .. - . - . . .......... .....-- ... -

_._-_
~_
0..

..
..
---_-
--_ .. _--"'
----.,.-....---.-.-
_
__.................. "'-
..... _ _ . . . . . _ _ _ _ _ _ _ .. . . - _ _

.... ........--.-
---- ................. -..
_---._ -.c.
c:-..~c-

...... ___
~

--..--­
... .......
11 1
_--_ - s.cc-._.AIfio______
-~-

II ----_
_o.-.-

-- _._-
.....
tooa:na _ .. - . . . . - . . .....

... .....
....
..-...-.-.
....--""""'-----"'
.... ..--..-_
_~

.... ..,......
. ,.

--------
f

...-- ......... "" ,... . .~

.
=.":. ...- - -
,-....JI!'!.l
STl"T ...

".~~~
_.Ilal.ol.

,-
::: =-- -------
--- ---
prOjeto cliente d esig n
Investor's Bell Atlantic Company Allemann, Alrnquist + Jones
Reference Guide Serviço público Hans U. Alleman
Brochura informativa de telecomunicações Filadélfia, Pensilvãnia, EUA
Encadernação espiral, Nova York, NY, EUA
1bas divisórias e duas
9famaturas de papéis
Offset

Um grid marcante de três colunas, com A maioria das páginas está dividida em três
proporcões das margens e entrecolunas zonas distintas: uma faixa no topo, definida
cuidadosamente estudadas, permite o acesso a por duas guias horizontais, abriga o número
um grande volume de informações complexas. da seção, o título da seção e o fó lio; as duas
Obloco de texto parte de uma margem mais colunas internas são usadas como uma única
no topo, reduzindo o efeito ótico coluna larga para considerações iniciais e o
. gravidade" e ajudando o leitor a digerir texto corrido; a coluna externa é reservada para
a multiplicidade de gráficos, diagramas, mapas e tabe las.
e subitens dentro do corpo do
mento. A atenção minuciosa ao corpo, à A ampla variedade de informação cria uma
nha e às relações das margens mantém mudança constante no leiaute das páginas,
informação integrada, apesar de diferenciada, mesmo com um grid tão regular.
embaralhamento.

:.."'::!.:'::::;._.­

-­ -­ -­
~ ~:=~~ ~_.:~ VI

~ ~~----
VI

:t ~=--==-:::-_.- -;
....
-lo

C\

....
-
~

... ---
•••

----- -
: : --- 5 ~U~I.I~ l dL__

---
"'"

-...
...............
~
~

...............
.......... ......
...
- --
separam as seções se unem no seu próprio
que trata de maneira consistente o estilo
da nformação. A variação é introduzida
ura
hierárquico
de colunas compostas

exemplos correlatos

02 04 05 08

11 14 15 18

22 26 28 31

33 36 37

01 04 05 07
Títulos em código, desenhos a traço, tarjas ocultando as atividades da
empresa conferem um ar de mistério a este relatório anual da Gartner,
09 10 13 14
consultora para empresas de tecnologia de ponta. A natureza sigilosa
das relações entre a companhia e seus clientes, transmitida pelas
15 16 30 31 ilustrações austeras e os documentos censurados, ganha maior tensão
com o uso de um grid de colunas compostas. As páginas estruturadas
36 em uma, duas, três e quatro colunas se alternam para acomodar textos
conceituais, ilustrações áridas num vasto espaço branco, gráficos
complexos e balanços consolidados.
projeto cliente design fotografia
Relatório anual Gartner Group Cahan+Associates Lars Tunbjork
Brochura Sistemas de segurança São Francisco, Califórnia, EUA Steven Algren
Offset para dados eletrônicos Catherine Ledner
Stamford, Connecticut, EUA São Fra ncisco, Califórn ia, EUA

Blocos de texto espelhados em duas colunas deixam uma


margem larga no centro do livro e aproximam -se do limite lateral
do formato, criando uma tensão a mais. Em outras páginas
as, as proporções se invertem; essa mudança radical permite
designer variar a estrutura do leiaute e introduzir um sentido
I ivo de incerteza que ajuda a comunicar o conteúdo.

texto de parágrafo único para os estudos de caso define o


de uma coluna. Seu realce gritante em amarelo o separa do
ho a traço que flutua sinistramente no restante da dupla.
SeRT- WPN
colunas ajudam a controlar os verbetes informativos, bem
os grupos de gráficos e dados financeiros.

""' __
... .. ""'_ _ _ _ _ -
_ .... _"' ___
\4OGc.-~.
. ........... """"­
...... .,.. _

_.,.._.k_....
-_IO~

---
k.......... _ _ _ _ .._

... -. -.. ........

~__ ~

""',,,... -...---
t>.ac..... tor ....... . . - . . . . _ _ _ _

al

- -­
-- ... _.......

---
_ _ N,....u" ..... _~ ... ....,
1 - ' ai".., - " ' - r
... ..,...-.-,- ...
...... Iftt _

--
......._ - . . "--,0 - ....... - ­
""_.Iftt_""",_a ___ lfttp.ool."""" _
_ Gon....-. . . ......-."' _ _ .. W<tf,­
"
GARTNER _IIId_O"'"""
~tcJ - - . ...,,, -,~-­

. ,... .__ .0_",.


-...- oe.--_ •.
~ .. ...-...
'M ...... " ' - " ............. _~ ",.. 1Iofod _"',
o
_ ~.IIIl .. tCY,,......-. .... -...,-.0/
-"""'"'I"'''.~

o
modular

exemplos correlatos

03 04 06 07

09 10 13 16

17 19 22 24

25 27 29 30

35 38

02 03 05 06

12 18 19 21

24 26 30 31

35

cliente design
University of Rochester Poulin + Morris
Medicai Center L. Richard Poulin
de exposição Faculdade de medicina Jonathan Posnett
Rochester, NY, EUA Nova York, NY, EUA
pré-impressos

exposição itinerante, construída de forma o grid modular, especificamente, permite


sobre a biografia de um ganhador do que várias imagens se integrem de modo
I Nobel contrabalança o rigor deliberado contínuo, sem precisar recorrer a transparências
um grid de módulos quadrados com painéis ou a efeitos de montagem que não podem
mente curvos e detalhes de cores vivas. ser bem reproduzidos na escala de uma
de um grid modular ampliado, sem exposição. Alguns elementos ocupam dois
entre os módulos. Textos e imagens módulos de altura e três de largura, enquanto
a vida de Arthur Kornberg se distribuem outros ocupam quadrados de 2 x 2 módulos.
torno dele: entre laçando-se, alterando a Mudanças engenhosas no alinhamento e a
horizontal e vertical, movendo-se sobre inserção de cores chapadas e tipos sobre fundos
os módu los individuais, mas sempre texturizados criam um continuum suave e
indo ao grid. fluente de palavras e imagens, do primeiro ao
último painel.

unlverSit
.
Yaf Rachester
I

V1
O>

"
o
-_ - _._­..
;:;=.__._....,.­ . .. .... ...... ......"'
-.._--
...--.--_--_
..........
_---- ..--_..... -,.-
..,-....._ .•
-.,...a----.____
_-"
__ .......... "10_ ......
__ __ __._ - ..
..... ...................
.........

. ... __
­
..."',......--.
­
-..".....

--_ __­ ---_ ........-----... ..

.._........._.........
_ _ . ..... ___ .... ....w......_
. ......._ ..

.....
.w. __ ~ ....___
................
... _
__•h_""'-
___

""'. _......... -_.........


. .

_.......-..

.. _

.......... h . . . _ _ _ _

.....
.~

....... _ ......... h _.._ " '. . . . . _

.
...___
.~_Doo"",

..._.. ........ _---.


.... .... --"".... _"... _0100_........
........ ..........
__ ..::::===---.
_.--~

......... ... .. ~ Ioi···-_~


~----.-.~

.--y-_. .,. . ._­


,..~
~.,....

.... .........

.­ . . . .--_10__.-_. .-.".... .,-


-.
.........-
:::::::=:::";:::=C=,:....-:::.
--_._ ...
_., .............. -............

..._..........
...-..•-_._--_
~_

__ ...........--"....-_10.
.--...--.....-­
....... _--,...... __.......... ._
_ _ ...-...............
.._-­
-
-
.
.
.
.
.
.
~
..
~~.-w..c.._.
' - _ ; 1 . _..._ _ _ .... ~-.

._
........ " - -.,._ -..,

~_

.""'­

­ .._
.--­ ...... __
...................

_._­

..-.. ..---.. ...........


-­ __ ...... .........-...--
..­
"""-_..-......._-­_­
......------­ ­ ....
­
..__.. _.....
-_._.-­
..."
.---
_---~

_............
...__
--~---
.. .
......... ...........
............
..........,
_._.-'-­-­ -- ---
__ ----..
------
......,......,..-.~."Iõ

_...._.. -..
-..............
~

.......... ...
--.... ...- ................. -==.:!:..~=-~
.........
__..._-_
..........
~_ -..-
.. ...,...•..­ ....­
.................-.

.. ~

-_.-"'-"',...-
--...."" .
--"''''"
_-........ ...........-...­
.
......... ......-....... ........

-...-....... ­ ­
....
............
.......... ...- ....... lo..,-~_,.-·

--_......... «-_._---
_
_-~­

_
-~ _~..,

........ -. ._-._.
....._--­
.........
-~------ ----. . ........... .... ..........,.

~._ . _--­
-
.."'-..._-----"--'
....... ..
...-......... .._..­ -_--.­_­.....

_~

. .. _-----_
-.....-."' ..,.. . . . . . . . . 1«;. _ _... _ _

...--..---­ _,..-_
....".

-""_......
_ _- • • •A _ _ _ ~_ •

--. ~""' ... ......_........_..-.1000_...

_______"'.a......-­
~

--._-_ .......... ...... ....


­­
--_._--_
. ..­ ""'-_-__--.....
...............
_................

_____.---­_-­
~. _

exemplos correlatos ....... -~._

.......
_.. .. ..... ....
=!.~- ""~_
_._..-._
_ __
...._------.-.-..
.......... -.......................
... _-...,.
---~

.. ......
.. ......... -.......

. ---
_ _-_.
..._-
---_
...
...... _ ~

.....
....._ -__.....

.......... _ _ ...--..-.0. .." - .

..........................-.
­ .

=.----------
02 05 08 11 ........ ........_ .. ..... . . ....
. .-..._ . . -. . . ­ ......
.........._.._100....__....__

12 18 22 26

28 33 36 37

01 04 05 07

09 10 13 15
----­ --_ _-
~ ';.,.· '~·I-I;
.--._~.
...
_-­
~:;~
'.. .
---­.._-_ ....
16 22 23 24 ._
_---­
-----­
.--­
_.----­ I. ---- .
'.---:;-1 (.
.

27 28 30 31 ,~~--:.~~ i.~
~~ , .

­ . .....------ __............--,_ _­­ _­


~­ _.~:;:"t.$ .......__fl_____ _
36 37 _.......
......... --...
............
.......
,.-......... _......... _-­
­ --..... --­
-....-....-­ ­
.................... .,..................
--_
-_ ~ ...
­ ............. . ,.._
.... _".-_
.,...
_-__--.-_
_~

_..--.
_-_
..... .
_­ . ­
.. -_
........--........... .....
........--...--
---
- _ _ _ .., _

.... -- ­
_01 .........

.... ... _
~ . ,.

....... _..... ,-......


...
.........
....""-. ..............................
-.......­
......." e-_....___.........­
,._..

_--- ..
400_ .. _ _ _ _ _ .......... -

--.,-._."""....
............
... .......-._-..._. . . . . ._-.a.
_ -----_ --.

_ __ --
...-.._..............
--
~,( ~,..---_.~
.........
____ ~-,..-_..-

. _. .......
_..­ ... _._
­ --.---
-_ _._-.-.-
........

--_. ­ __
--.._-_._-..,...... ._--­ ._._--,-.,,""'
......-.."""...
..­ ­ ...­ ..........­ _.­_.......
..............-.1+ ... . ............. _

_
....-----~-_
......... ...... .....­
. _ ..........__--..fl.-_..,..
..­
____..-_.-....
...........
...,......­ ..........
...
_-
__......_..-..f...
- ........................___ ......... ....... .....~..t

----,
..... ..........
,...u._.~.

.....­ ­
.......
_ ............ -
~

................ ..... ....


~

_ ....
......-...-.-----­
...........
- ....._-­
.. ..... ....
...__ ...,........--_
........ ... .....-..-......Lo._,.....••
.... ...........
........
~
---~---

.-- -----..-.... ........-­­ .. ----


_ ---_ . _.._-_.-­ ,_. 1'-_._..._
_
-._--,..,..... ­ --...- _-.--
~_
_'-~_.--

-.....---- . . . . ......
~. _

_ _ _-____.•,....-.......
..-if;.--" ­ . . . . . . . .--.IiiL_
........
... _-.,..
..
--_-_._.---.. .... ...
............ _--
... ... ....... . ......... .....
---- _-----­ _ ­ ... ­ .. ... _-­
....-.. ............. _--"" ..


......
_~

...............
-_.-....-_.­
-----. _ --_.
.............
.-_ _--_ . ...... ... _--~--.......-.
_-~_

.---
.........__
........-----.....-.­
...... .. - ... ­ --­ ... ... ..........-.-
_-~_

...-.­.... ---
_._. -----_
............. __ .............
_~

... ..............-.. _
. ... --"'"
............. -.......................... ..............
---_ _...... .....
--
-----",...-
...__
-
-_._- ........
_~

.......
--_.
.........
-.-o;t._-~

.... .
.....-,,---'.....-- ..,--,--_..----_
.....-- __ ­ . --_ _.-- ----...
.. ­.
--~

-..
~.~-­

_
......._ ..._ _ .._

-.... ... . ...


-_"""t-.•
­ .....
..........
....... _1-.

•..-_
-,.--

--_
-_. ......... _ ~-_ .......
.......--
............
..-----­
_""""".,..
-........
.... .......
..-.-
--'""---_ .....--_._-_.­
...._---­--­ -_ ...........,._._.........
... ..
~_

...............
......_-"--_ _""'­
- ___IooI.-.-_­-­ --_
..._....____l000i_--.
_-,-~­
...
_~

.... ...e..-....
...
-__....................................
-._~
_--~

_.._-...----­
--..-.......
~

--_.
p .. _ , - _ ..........""_.......
.....-. .........
"'--....--.......-_ .

-...
_~-­

-
~

_.~ .........
......."'........................
......... __. ---_ .... _--
-..-­
-_._
9S~~.a::;:.E:
-----....,....-­
...---. -_-..._--"""' ........,,--_._-
----
=.----:-=:-!:'::'.:=:
........""' ""...
__..-.._.......fl...--.
..,._
_ ........._·L__ w-.O-+ ...
....
. -_--- _- _­ ­ ...........
",_ .__
--""" ......_._- . .
........... ..... ..
- . - ­ ----_
...............
--.-........_--"-­
............... . - 4 _.. _ .....-...,.

.........
..... ................
..... ..... .._-_._--""
-""""",-...- .............
_.
.._ ... __.
I.._-~"",--­
"",.,

............
..........
-..-..,~--.--"""-
~
,,~
..-ooi....- ...............
projeto cliente design
De Techniek Koninklijke VGO UNA (Amsterdam)
livro promocional Fundação real holandesa Designers
Brochura com hot-stamping de empresas gráficas Hans Bockting
na capa, miolo recortado Amsterdã, Holanda Will de I'Ecluse
com faca especial e encartes Amsterdã, Holanda
Offset

A KVGO publica anualmente um livro para promover as atividades de seus


associados e divulgar o talento de artistas gráficos em geral. A edição de
'995 trata da técnica holandesa de ilustração de livros no século XI X. Para
amelhor apresentação das diversas técnicas, a UNA usou folders, encartes
facas especiais, além de ampla variedade de gramaturas de papéis.
e imagens estão dispostos num complexo grid modular de seis
nas e dez módulos verticais. Cada módulo é dividido verticalmente na
e, caso necessário, todas as linhas de base do texto, desde o alto
pagina, podem servir de linhas de topo.

grid é projetado para acomodar diversos formatos de ilustração,


usuais e fora de padrão, que são posicionados em qualquer lugar
caibam, desde que se alinhem com o grid; podem flutuar por trás
interferir na coluna dupla regular do texto corrido, e muitas vezes
a medianiz.

:nfI/."
11 '."1,)
DE 1.r.I USC Ilr. IJ OOtiESC Il OO I.

"
o

o ponto de partida para a posição das legendas o

é uma margem externa secundária , espelhada


nas páginas da esquerda e da direita. Q tipo o
menor e a coluna mais estreita para as legendas
correspondem à largura da coluna unitária
definida pelo módulo.

Há encartes de vários tamanhos e gramaturas, e


eles não seguem necessariamente o grid. Às vezes,
esta transgressão inesperada também surge nas
ilustrações efetivamente impressas na página de o

texto principal. A interação entre essas imagens


trompe-f'oeil e os pop-ups tridimensionais cria uma
rica dimensionalidade.
'OIWOIIOUYOI$llll S aWOUfIOM'ltIOUOOfItIECTOlS
r--"'

_. -....... ..__............
_ . _.......l_...
--~.---_
.....
~"--''''''.''''''''''''''''''''''-~
,,""'-
........... ___
_ - ' t c l l l " , - - , ,_ _. ...... _ _ I Qowon.oI

_.. . - . . . _.. . . . _1.__.........

_ _ ... ....... IloI......_


~
_­ __
- .­_

. . . . . _ _ . . 'O_ ..,

__--_III__.___.
. --_._--_
~"

_......_---........__..
_ ... _ _ .... _
_-_
._..--......_-". ..,..,..­
~ ... _ _ ... _

............

_~
.. ___. ....
_ _ ...... _·._ ... _·00N00a...""'"- _
....
••" " _ " _ ... _ _ W _


_Il\00 ..

-"'-- -.......... ­
--lo< ~_ _ _ .... 1'0._ ... _ _

_IIC.______ ..
_- ----
~_

_oI_""'._.. . . . __.. .

. . -..._ . . . t t _.. ....- ___ .... ... -.J/A'" .... __ "'''100IIII'-'-'''''''­ _tl.._

1III.....
_~.Uof,
• _ _ ... ' ''''I-''-

. ,,-......,."'­
... O_J~n»
O _.....

........ ............ .....-.- ....

.... _-....._............,... ..... __ ......­


_~-......

....... -.....-
_..,...~

------..-.""'' ' _._---_..

""""""" -~ _ _ ........ _ .. _ ...... _ .. _ _ .ol .......

_..,..... ...._ .......-. . . . . ......,..... Ja _ __


....... _ _ ULH... _ _ ............ _

........... -..-- .........


...... ~

exemplos correlatos

01 05 12 21

01 13 27 30
... ' 1","""W_ ~11I_.tlftIT_

'...."'N ...... _.'.1oU 1>01 1""'61' .." _.......\ .. _ ,.......

31 36 37
---_.....................---.,.............
............ _
,..... --........
.,........ .........--...---.. _­
........................-.11_ ..

-.. ...... .....

......... . . . ... C _ _ _ _ ,, _ _

"._ .... --.­


-_
.. _ ......_ ..
_ _ ...

....
~_u.

...

-----_
.....- .. ....... _-_-._----
........... _ ...-... ..
. . ......... C . . _ " . . . _ _ . _ • . - ... _

...~.- .
~
I
I
I
I
I
I
~
_
-
............-. ...........- ... .... _..........

_...-c_­
_.......................... ~-

... __.. _-_ ---_.._...--_........-_.-_


--JIo_ ........... _ ...... _ .. ...,..., _ _

__________.. ........ _,...


__ .M_ ......_ .........,........ _

..
~

_ _. . . . . . . _ " ..0II0C> ..... _ _ _ .....

,...--....-...- ........

.. ..­
. _....­ _......--_. __ . ---.--_.
... _----_.. --.-_.-..-l1li'.. _ .........

-~.~
_ .......... r-.....-_.......-..........

....... -"'-
~

-_1_.. . . ."...-·..

~---

...
_~

~
--­.............,-.-.........
---1"'_........... _ _....__..""........ .111_

.. _ _ _ ......... _
........ .. UoI'~
_­ _.

................ --1- .... ,.._ ...


'-"' ''''-''''~ '''"'''_
-,.....""""-_._­

_ _ _ oI4. _ _ _ _ _ IiIfItC _ _ ... "*-_


........
_- --_ - .................

--"'"'P""-.........-...............- _.......

-_'--.....,..--­
--1>eUOC ' ........._ _ oI4 ... - - Jo._..
_~_

.. o..IMI~... _
............... ... _ "._

-c:..Il

...
--.Ji"-a..-..._ .........
................... M._"..__....
_tl_... ............ .,. . ........_"'.._
~ ... _ ........

~
~ kIo_.-..--,.._

··...........­ ~
....... _ _ _ . _ ._
_~· · ·

_
~

. . . . . . . IIMI1;,(, ...

~"*' ..... L. .' .....t........-.III . . . QooIoI.

..... CIoI o.-.. __---..-.... "'... _~


... ~.....-IIIl ..................... ......
-~

FlHIHCIIL COHOITIOHS lHO EIA'I'CS SIlUAlION

.... -­
--
- -­
......

..
....,..._,.-,
..... -
cliente design
Lang & Schwan In(corporate
Wertpapierhandel AG Communication + Design
Instituição financeira GmbH
Düsseldorf, Alemanha Karsten Unterberger
Berlim, Alemanha

formato quadrado deste relatório anual de


empresa de serviços financeiros aproveita
natureza modular dos quadrados. Usando um
retangular simples com margens largas,
vezes usadas para notações ou chamadas,
designers dividiram a dupla de páginas
as ao meio para uma importante
lidade: os dois lados trazem a mesma
,"TClrmAr"", o da esquerda em alemão, o da

em inglês.

maior parte do livro trata da discussão de


untos financeiros e iniciativas empresariais,
as divisões coloridas e conceituais entre as

querem mostrar a interação do cliente

a empresa, funcionando como declarações

princípio e interlúdios que são bem-vindos


as longas seções de números e textos.
composições fotográficas surreais são
retas, quase sem figuras humanas, mas
assim permeadas por uma espécie de
intimidade.

Uma série de folders dobrados em quatro, com informações o


financeiras, estão inseridos num bolso que fica na parte de
dentro da capa. Todos são impressos na frente e no verso,
com os mesmos dados em alemão e inglês, como uma
rápida referência ao complexo material contido no relatório.

Annual Repor! 2000


ra
modular

DDDDD

DDDDD

DDDDD

DDDDD
VIBRATO Namlns;a.. Inc.

We help companies become


more valuable by creating
exemplos correlatos Who we are
How we creste vlbrant names vibrant brand names for global
Why vibrant1
03 06 07 09 Solutlons businesses, products, and
Collaborations
Cllents speak
services. Names Ihal boi h resound above
10 13 17 19 Pracess
Meet Vibrato
lhe markelplace uproar and resonale wilh lhe
Position papars consliluencies among vour audience-from
Contact your largel markel, currenl employees, polenl,,'
22 24 25 27
When vour brand can recruils, induslry press, lo vour prospective
inspire and persuade inveslors and merger parlners.
29 30 35 37 lhe people who are
vilal lo vour success,
02 03 06 12 you can compete.

18 19 21 24

26 30 31

Este site é organizado sobre um grid modular simples. Os módulos


são tensionados na horizontal, reproduzindo a orientação da janela do
navegador, e organizados em cinco colunas e quatro faixas. A faixa do
alto geralmente fica em branco, funcionando como área reservada para a
comunicação da marca e como maneira de separar o conteúdo da página
dos comandos de navegação do programa. Na segunda faixa de linh as,
os dois primeiros módulos, começando à esquerda, são reservados para
a navegação primária. Uma discreta mudança de cor indica a seleção e
localização dentro do site. A informação selecionada recebe destaque
nas duas colunas centrais, com informações suplementares num módulo
realçado à esquerda ou à direita. Os links na faixa central remetem a
informações mais específicas das faixas inferiores, que estão dispostas ora
em colunas, ora em módulos individuais.
projeto cliente design
www.vibratonarning.com Vibrato Intersection Studio
Site Estratégia de escolha São Froncisco, Califórnia, EUA
ash versão 5.0 de nome e m arketing
empresarial
Ma/ibu, Califórnia, EUA

VIBRATO Na...'... _'n,

Why Vlbrant?
WIIo .......

.... -,
t1ow_c.......'b........,....

....,-
A vi b r an! b r and n em. r • • ound . t o :
• As.. rt your di",r.nti,1 ~."tlg •
• Capture'tt.nlion
• Rlinkle your C:OIftpetition
• Begin buHding recoonilM)fl
• Se ul'Iqueshon.bI., mlmotlbl.

eecause mindshate A nd r • • ona t • • to :


drives markelshare
• Shoulder I ' much 01 your marll.ting borde" I i po'lible
• Inltiall I me.ninglul, rele"'lnl, and persuasivI relationship
wilhyoorludill'lCl
• Rellect lhe 'IOic•• splr't, anel ...11.1" 01 yoYr oll.ring
• Sel.~t. IxpItClatlonl, allowing lor Ih, ...oIvtion
01 .,ou, oHering. lechnoklgy. and soctal mor••
o Se worth nlmembering

VIBRATO N ......... In"


VIBRATO NiII"'II.. __ In..

Solutlon. Proc • • •
H _ _ cr••,..... br.ntn.......
I . SiIuetloo\.Intent.....,~Study
Whyvlbr",'1 2.. Nero. Cteetion: NonwnCuItuN -
Sofuloon. 3. "-Pon~
. . CIwot o.cw....
,.,Im T lt l • • CI_II.p.ek
T-ell.... Proc_.
No....nc:I.t"". M_IVlbt.to
Po..tlCW"o~

As y~ Lik. h e.rrlad Tr•••ur•• o..


Chelllng. : r ... Ha... V,lkNo
60 Flgur.
Conl.lCl

Our process ' N"I' w . .. ..._ Ge.. r. l ~


• For .... t.eeliolllldlnIriIg.,.tl."""'Mlnlland.",.ook1eliconl
Plp' empowers us to
·~._ le:IIÍCGn;:wonlsand~
PHitloni",; [ . .y.cc.., deliver vibranl ·~ . . . ~andiIdeM C\
to InfOfllft.ltlollyovMed
solulions. .s.IkefirIeand~,..q~ ..... ,..,......'*'odient'• ...-....;e
objectifeIandV.tntD.. CI"eIIM . . . . .
• eoa.lltinkl.Iinl _ _ _... 1It

l.EGENOelry Necter Imperi al


o
. 5Irll.o, b,
1t••i • • .fR.li". . . . . . ."d SI<'" 'Nu. 11, S'. OI T•••

O,.l.nb.ch EU"n,
• Rewiewand_ ..... _mNterllt
. Expknliter.landSJn'lbok~~tiglrlltlocus

·~and,,"-nrfinI

·Raeotr.nend~c:.ddalelwillrrionIIe

·SWrr!ifandcolate .......t _ _ _ liIlinto ..... IMI... 1iIt

VIBRATO N .....' ... _I ....

Cllent. Spe.k
-"",-""",
I"ron.... Corponotlon

HitIOtI A OoooutMT_HoI.

H.P. .....

"Tn. lhoroyghness of her process, along .ith h&!' creative energ." 'ed lo
• -.rnnlng product name lIY&ry time. Mereciilh brings skill anel artislry lo

...­
e<rery projkt..
f . . &.,,~onc..
modular
função do formato

. 1/1

exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 19

20 22 24 25

• , ... , c • •••••
27 29 30 31

34 35 38

02 06 10 12

18 19 21 26

31 35

Nesta papelaria rigorosamente disciplinada para


uma indústria multinacional de vestuário, um
grid estritamente modular ajuda a coordenar
os documentos de comunicação interna da
empresa em três continentes. O módulo que
ancora as estruturas dos documentos é a
marca da empresa. As dimensões do quadrado
vermelho mudam, mas em cada formato seu
tamanho determina a distribuição de todo o
material tipográfico. Ao configurar estruturas
de coluna específicas mas correlacionadas
para cada um dos materiais impressos, o grid

~
modular ajuda a ordenar formas complexas
e finalidades múltiplas para uma identidade
.....
visual coerente e reconhecível.
c/lente desígn
DZGroup Paone Design Associates
Indústria de confecções Gregory Paone
et e gravação localizada Nova York, NY, EUA Filadélfia, Pensilvãnia, EUA
Los Angeles, Califórnia, EUA
Xangai e Hong Kong, China

. Dl T""'OINCO GIIOV'
'i'Jero.adw.. , · s..'Ie 'SOO.N<twTO<1I ' NT ' 1001'

. h'.~ lll."n)t
F&<",",I. 112'" SUl

o I

~~~':.
"._ DIHG
"'1 _"'0.0­
~'CI
. OI
... .. .,.,...
'''.O'''G G.OU'

. . . . . · fII. · 'mt••
OI , ... OING
.... ~c.. .... "
7.~x.:"'~
,~ hJI'''hH
'"e
_. Dl '.".1"'1; '''C
...-.

' ....,_L
"""" 'I_ 'C­
·"-.cI1

h'_I""o.*171
f",_ h li U, I." ,..,,_..... ,"' nu

--.. ,.,. ...........

SAHPLE

Cl

- -----------

C.tor

OZ lllADING ,It( Dl '''''OING GROU'


, .... s... ....... C_,. · s...,.nt '.'11ro....·1 · s.".leISOC)
1)1.N...,....We~'~ New '1'-' . NT . 1001'
SIIMIIl&l • 200040 • C_. l/ftlt.dSI.I•• ofA",~.u
h~pftofte "11}1' lU" hl.~ I 111 U,19lt
F6<_14I U li 279 .. .u f.ac..-. I III . ., UH
..?~ -....-.­
___.--_-­
_..... ......... .. ...
E---_ . _o..._ ...........
--_..-.--­
~

..- __
-_-... . . ._­_.i00i.- __ _
.... ........... ...............
.-......,-...-- ....w_-.!_
....
--.....,""
.
...----.1-_...­
.--_ _,,­

.. _"....... -...
......... ....
~

_ ......-- _-.---_ ...... .... ...............

-.......-~-.t

• ...,--.. .... .-01

...... ,_ . t...,--_ ...


_........."
..

­ _­ . . . .

~ ~

~_

...... -_
"",,; .......
.......
_ _............

. ..,....-....-- ..._<-._...-.
...-, ..................
(-
-...,~
............
­
... ......
.......
~_

-..

J
.................
-"' ..,.- _-.l-.. _•. . .

.--
._...­ ...._
......., ....... -~_

..,........ ...
. \ _ _ ...1.0,1 . . .....
~
....,...w~

""'-­

...-. ..... -""'

..,.......-....,.,........,
l
fI_~""""''''''

exemplos correlatos

02 05 08 11

12 14 18 22

26 28 33 36

37
I..._ .. - .......~

...._­
"-
_._ _-
.............. .-1-...- .. _-,.............

._.....-, ....,

.."'- _-- - ....._-_-­


,-.............. ...
r...,.,,-.I ...... _ . - ..

-_
...... ............ _ ..._ .. _ .. ...

..
~""~""'-'\o

-
......"". .........
.........
_ . _ . . . . . I~ .......... . - . . , ... ..-........

................... ...... _..-... ..... __ ......


--~-
....... . ...........--­
~
..-. ....

... .... "'" .-..


04 05 07 09
,...... ... _--' .....
~

... ~_ . --.-. ~~ . .":'~=- ~

__.........
:.::-..:.,~::-~-=-
.. _.u.__ ,-_ -...... -"'......,_
............... l:.r....u........ _ I .........._-.... _

........... .

. .
...................___
_ _
.... .......
~

~_
_
,..... -_ ...................a.-.­
.....

.... __
10 13 15 16
,.......-~ • _ _ .. _

23 24 30 31

_ _--.w.,....
..........
....... rwo-
... ,... ..
_...............
....., ..........................
..... .-...,........- -
........
..-...r - ....
_ ...
...
-__._....._._
. . ..

•. - . .. ...,..w..- .........
... r - .........._ . _

~
....-.­
..........
_ - . I ... "'.......... . . , ..

....... ... ..,_., .

_~

..........-. ....................,
.... ....... :::::--~:....~....

-"'-_.~-

----
' ~-~

~-:~":"'_..=..:~':"
.............. ,......_..........,_--'
....

36 37
_ .... t...,I~ .. - . .........

.
cl iente des ign
Cultural Connections Temple University Press Katz Wheeler
Editora universit ária Joe! Katz
Filadélfia, Pemilvân ia, EUA Filadélfia, Pemi/vânia, EUA

Um grid de seis colunas fornece a flexibilidade


necessária para abarcar uma enorme variedade
de artefatos, descrições e verbetes pa ra
este livro, de capa dura, sobre os museus e
bibliotecas da Filadélfia e do vale do Delaware.

Nos ensaios e imagens ilustrativas da primeira


seção do livro, as seis colunas se convertem em
trê s. O te xto corrido segue uma guia horizontal
única perto do topo da página, começando
e terminando com um parágrafo completo.
Cada página dupla é autõnoma em termos
de informação: as imagen s qu e aparecem são
as mencionadas naquele trecho. A enorme
flexibilidade intrín seca ao grid de colun a
permite aos designers variar os leiautes para
.__-­
....
.. __ ..
,_ ...........

' -'--'"
---'-"'
acomodar artefatos de formato s incomuns, mas

__..,_.._­
--_
----- .. - .. ­ a linha de topo e os comprimentos naturais do

-_.- ......
...
-_-. ...
_-­ -"-- ~

.--..-...-....

........................

...---
--..­
_
.. _---
...
.. .. ­
__.........
_ ..
texto conferem unidade à informação.

-_._­
----.
_-­
_---­
...
...
---'-"
.......­ __ _
.. ....... . .
......._

... -. As legendas ocupam uma única coluna estre ita,

j~j o
e podem ficar perto da imagem a que se C\

---­
_._
~-­ .... referem ; a precisão do grid de seis colunas
.........-_,.-......-­

_.. _-­ ..­ garante o alinhamento, onde quer que elas


precisem ser posicionadas.

Nos verbetes sobre as instituições, que compõem

... ______-_ ­...


..... _
...::.

__ --_
.. ­
... ­
a segunda grande seção do livro, esta estrutura
é ainda mais útil ; cada verbete, qualquer que
_--_---- __--­
­___­
........ ...........
..
- ­... .....
__
.........
.... ...
... _
'-'---
..........
--- --
......._ ....- - ----
""-_
- -"'-"-­
........­ ___ M_"
..
... ..
seja sua complexidade, logo se apresenta
.. ....... -...--
_ .. _..... ._.. ....
... ..
___
-_ ­ --_.­
-..,-- acessível. Nesta seção, as legendas ocupam uma

-_

_ , __
"'0kI0000
'-""-'­
"'

-_
_----
.._._-
_.... _ ._ C- _" __
- ~-_

.... ...---
----_
-_..- "_...... --- ....
---- ­
-_..-..-~
coluna única entre dua s colunas duplas de texto.
... - .. ...
.. _-. ---
- --_
...--~..
-- - -_
-.. . _.-
--- .
_ _
---­­
_­ .. ..
.. . - ___-­
_
, - _ .. o­
""-,,.
-----
-_ ._­
-_.­
-~­
----
...... ._M... _ ....
~
...
.., .........
Cada largura se adéqua ao respectivo tamanho
de letra e à função da informação.
_..... .. -"-"
- ---~

- "'_.-
,--
-_ _._-
....... .... ­
---­ ........
.. _.
.... ---­ .... _..... ... __
_. ._
-_
a-_­ ------
... --­

.....
_"'_1-_ ......
-...-.._--
~.­

...
w-., •..__
_~ ...
..... ­
~~~ o
modular

As esculturas tridimensionais correspondentes às letras da assinatura


do designe r japonês Igarashi ocupam um grid modular neste cartaz
de exposição. O grid é usado para apresentar diferentes elementos de
informação -local, data, hora, patrocinador - e como uma maneira
adequada de agrupar as dezenas de fotos das letras esculturais.
A distribuição cuidadosa de cada imagem cria ritmos óticos nas linhas
e colunas de instantâneos, como se fosse o storyboard de um filme.

exemplos correlatos

03 04 06 07

09 10 13 13

16 17 22 24

25 27 29 30

35 38

02 03 06 08

12 17 18 19

21 26 31

Os módulos brancos translúcidos se destacam do fundo e


chamam a atenção para a informação, e o arranjo assimétrico
reforça a sensação de movimento.
cliente design fotografia
AlGA American Poulin + Monis Takenobu Igarashi
Institute of Graphic Arts, L. Richard Poulin Tóquio, Japao
Nova York Nova York, NY, EUA
Associação de designers
profissionais
Nova York, NY, EUA

.....
TlllltNtwMa..,ter

~kKllhltt ..

~ArtI ...

a-.,t..llllerNtJofltl
..­

....,
o

o
Stewart Brand
on Sill
Stewa rt 8rand is lhe foooderol lhe Whot. Earth
""...,(.968) . r... W1:LLonIl......k.h!>8)l.
~ ndl he Lone NowFou n::ÜlUon (199s), whlch
protnattsloncter., thlnkl nc. He h; al~ ,..Iho,ol
Ho. 8undlnp te.ru What IbppensAfterltwy're
Buli (' 994>.

In hls booklhe Oodtof lhe lon, PbN(I999).


he quol tsA.nerimn physk.lst FIIE!!I!tIlaf'I ~ The Dalai Lama
"Tt-e desllny oi ourspodesl. shopod by.'" Com~ion
imperaIiws of sutvMlon sixdSllnd time sc.ales.
Othcr Name
BUllhe ....101 SlW'tfv.1I h; d iffefef1l ~t each 01 lhe AnoIlIl'nopic
tl .nesol6.
Anothcr Anyname
Otherropic
• On a saleofyeof$ .'Muni! is t helndivld ......
• On ~ tWne sat. of c..-:urk!s. theu'" isthe l ribe Anybody Anyname
exemplos correlatos ~~~ ____________________ ~ ~mP~pc

03 04 06 07

09 10 12 13

_.........
16 17 19 20

-"'-"­
VlsIt Ih. Britannla.com Slor.
22 23 24 25
w.,lcom. lo lhe _ 0/ Hope 110"'.
H.r. ow .dltorl ruommend books. muslc.
27 30 32 34 vldeo, wt,.nd 1TOr. ",Ia~d \!olhe ContribUI....,
-...-.,.. \IopIc .. and vlslon cf Ih. Bo'" 0/ Hope .It•.

35

02
36

04
37

05
38

06 -­
CIIcAII_ u.c­

.....­
~tyou see lnou'$Io.ewlrdowisonl't~ f~tion
of 01,1' Htt<tions, P\eese seted a topefromthe list
'dt to brcwse lhe .H'lS ofyow lntef'est •
~I

12

19
14

21
16

22
18

26
_.­
-~
1mY_

..-­
QIUe­

-
c-_y
31 37

-800.

Os visitantes do "Books of Hope", subseção do


site Britannica.com, podem interagir com alguns
dos pensadores mais importantes do mundo,
participar de discussões, ver biografias e percorrer
uma vasta galeria de imagens. Um grid hierárquico
abriga as diversas áreas e incorpora uma série
de ferramentas interativas desenvolvidas
especificamente para o site: quadros cronológicos,
galerias e um fórum onde os usuários podem
comentar os ensaios dos colaboradores.
projeto cliente design
www.britannica.com/ Britannica, Inc. MetaDesign SF
hopel Editora São Francisco, Califórnia, EUA
Site Chicago, Iflinois, EUA
OHTM 1 e lava Ser/pt

• lfl/JIt fI ,Ir
A hierarquia se divide em quatro áreas principais:
uma barra de navegação com a identidade da
Of11111 ",:':,::,",: ,:: ,,"'"'''''' .: Britannica.com; uma outra área de navegação
abrigada em módulos que aumentam ou somem
Tht Oal:ai Lama One rruly does find happiness in
............ tlTJMt
taldng me focus of!' one's self and conforme a necessidade; uma coluna à esquerda
Tht [);alai uma's ch:.llenge putting it on the needs of others.
... DllllIAN . . . ·flllrlllbfl que funciona como guia ou adendo informativo ao
.......m"' .............. pootlft Because we are human , this can be
. . . . pGOIIr........ to . . . . . ....

............ . 'IlIOIthtllOQf . . . " ­ difficult. The big picturc is nearly conteúdo primário; e a área de conteúdo primário,
...... dIit~,.~n""
"ü,_ uaMlltlllllttNnC.',"DoVO" impossible to see from me narrow que contém quadros cronológicos, ensaios e
1III . . . . .,Ioo-OIbollc.wlll'lU&ll"'c tunnel of our \ives.
~1tCM . . 'fO'IdIInIIrII.,...lIft'"
_.~_( ~ •• to biografias.
......."*'....... with~

Cada área hierárquica adquire ou perde importância


conforme o local em que se encontra o usuário
dentro do site. Graças ao cuidado com o tamanho
dos tipos e as diferenças de luminosidade entre
as áreas do grid, algumas informações perdem
destaque quando necessário e a informação

..
....-c ....... ""~IMtlIq
_*~­ ­
~ 1I""tl.cNriIln.l.
_ .....I5Ih11 . ... f• ...,
.. ...,cMKhtlNw .. I,,~
__ 11I~
,.1cI
...d...,..,t
principal de cada tela aparece com maior clareza .

1IIIIIiIs...... .At.. . . tldodIII.. 2. Ntw dGys'1ttw shapn: G nlW coIour, G ntw strUt.
"",MaU,fMftd""tl( . wflh marshts U' brown Jf'IY
1"~IhM .........ft ."",IO

att.-...
­
_~,,,,,,"tltNcU,,y"'t
. . 1IMa. . . . ..,.. . .
...___•.•.,..·"100 ...,.. J . I ... Iost my MIJ' I. rIIt _d
""IiM..cIllilltto."t.' ....

\ I " I ( 111"
C\

f ~ ~ ( O ll1l IlHI1t ll , I'.• '.~ I '


~ II ltl.I: I.l ph \ o

~ "
11!1

~ 'Ill ll I· I,I ,. , o
MI" .. ..,C.c"'""I'IIIIrIy~ _ _ lIIItI'tMl.Wlt\I4IttItf'wtllM.,..tCt
""·ilfll:tfut.. k ( . .toftN.. Of1~"",""",,,,"'tuub - _ _
._"'"........,_.,.ts-....."..•• _elltyt.bt~ ..........
~ ( , " 1 ( 1 1il lt lI " " ( 11 .1 110 ' 11 .,,1'
ItMIitw:.co-.-lIoftllllt"c,"hlPPlH... ttll~_tll,rtw ... "
fro"I~IIMJPirIt"PN<"-lIt~tol~I,,"""-wNdIk __ prindpl~
dW.Whk.,I.... . Np~ ... eo-,.. .,.Ih.rIIOrI' .. fOII("'" ....... ~ ( , u Id t' ll lh "
~ ...hert·"'.t......_
1'IIpoIt,_~ ....bI'.
.... ""'_lMtbrt_ .... ftt
wIIh

A natureza modular da estrutura fica evidente nos


detalhes da interface, como marcadores, ícones de
paginação e menus.

~" I""
III.. , ..... -~
..1 _ .. _ ..... 1
.... --.'....
..."-111'......
­...
....
philoso phy

~PniM tA.. "1rI .... IlIf'-M unh whoc" ""'til'" li.... h... ~Itd briM' fonJo
'IJIn/inqcnlua.M

-Ehk,...Xoak.
(&oc.A"'"Dm__ C."",'"..,,,a.'htw,,,... ~)
ThIIJ~ ~ "~ lIOU«:eolu._~Wtl ll\l$l''''''
exemplos correl atos - tuD<'eM ... .....~ .......... 1rom 0UI1nt inftGo;.1Me ptOdIKb ,,,., lwfn9
grftMfbNuty.ncI ~ lOpeoopIe·, pitnONI"""

01 15 36

01 05 13 27

A., c""\""n,; _ .... ..., ...~ Ioy "", .."'f'Iot prON'lplr.. TMy 1IM'Ip ... 011
_ l lOW>od'com ....... "..-. 'Itd I!oqIk.... urlo uk l l _

,........ n_~

c~, ..... MldCo-PfOt/JO'Oily E_yon~......ciM .... wlll> 51" ...............


bor...ft, ,n , ..poIk.." WJ'f

RHP«llo<ot'- ""~ ....,1< '0 u~nd ..... , .... _ ... ......... _ , .......
...rOi 1""" _.
poodutt ck~1oprneu1

S..,biliIY "~ ..,..-<' til. tomp.ny\ plM ,du


paah"'d... r",,,,,,
s;"cft"V 5o.rft.oy. Ity .nd ~y ..... 0 1M """,,-,,,.ti ".-.,a..
.bu,i_

Pranl("'n.th"ploitotorhy(ot'_.IIft, . .... 'u.,. Sh ~Ido .... ~ ..


• m,1y t""I<"""".., (om~..,.. tOft>lMrntJr "" 11... In di " l <.... uI_lInno
_ b....l't' ll n . _.noflrnt pr..... 'o ... 'kao _ ••_ .",... I'I,,~
..... 1Itou&IK_.. ,no·.m..
projeto cl iente design fotografia ilustração
Beauty Shiseido Cosmetics Tolleson Design Thomas AIledge Graphistock Stock
Catálogo promocional Indústria de cosméticos Steve Tolleson MorleyBaer lmage Bank Stock
.1pa dura com relevo seco TóqUIo, Japão John Barretto Chip Forelli Photonica Stock
m papel rustlCO de gravura, São Francisco, Califórnia, EUA Anthony Gordon
mola em papel couché Sal Graceffa
vegetal David Martinez
fjset Glen McClure
David Peterson
Robert Sebree

Um grid de eixo central e o papel translúcido


dão uma definição sóbria à estrutura retangular
usada neste livro promocional. Devido às
margens laterais relativamente largas e uma
margem superior ainda maior, o bloco de texto
primário fica na parte de baixo da página,
wnfortavelmente posicionado dentro do
formato pequeno. Uma forte horizontal idade
ga as duplas de fotos, que contêm uma única
ha escrita, aos blocos justificados de texto
com eixo vertica I.

As folha s do papel vegetal têm o dobro da


argura das páginas normais, de modo que ele
possa ser dobrado e encadernado com o lado
rnpresso para fora, Os parágrafos de ambos os
ados do vegetal são visíveis; guias horizontais
distintas definem o espaço para cada bloco
texto, de forma a frente e o verso não se
sooreporem, cada um cedendo lugar ao outro.

Ostextos da frente e do verso produzem sutis


de alinhamento em relação às
·otográficas nas páginas anterior e
A sensação de continuidade entre
texto e os tipos contrastantes de imagens­ o
("nlrlllnn/rlrPT1,-·>-bra nco, prod uto/figu ra, figu ra /
- é preservada graças à coerência e
51 mlJIICIOaae do grid.

u. __ ..
.._._0(...
. .. _ _.. _ • .-.I ... ,--"""

...,_<_
~

__
_ _ ... . -...... _ . IooJ .... _ _ _• . • _ ..

r..-..."'_.__ ..,.,... .. _ ............... "'_


, _ _ .. Shi>Mo\
~--_. _ ... ,...,......
__ ­
............... 0( ..........- . . ,
...
................. "" .. .................. ­.....
lopol _ _ - . .... . . . ._ .. _ . . _ o I .._
\

..-.-.- ..­
-"_

-_........ .. .. _--- .. _­
.r,...; .... ____
.
.
.
.
-
~
_
,
.
.
.
.
.
.
,
.
"
~ ~-_
..... _w __ .. ""'_ ...... _ o I :

.....­-­
~,_

,......_
-_........-_........_._----
-~-_._ --_ .~
.... --_._-
--.. __
_-- .....__ .. _
.... _-­ ... ........ -.
\'\­
modular e grid
coluna integrados

Ao._. _____
....---. .... _"'-_ ....
-----....
,..........-----­
-----_ .....
:..._'

....
...
~,"---
-
....
..01_.-,.,.... _ ..._
loJ.o<-I_ ...- ­ ..... - .

... _­
--_. _---­
-~

----­
---­
--_.,,-­
..---..,
"'"-~'"---'''
- , ....
----....... -
.... , ....
'''''
._--......- ­
--_
._­ ....

--_. ,,­-"
exemplos correlatos

02 03 06 07

09 10 11 12

13 14 17 18

19 24 26 27

30 31 33 37

02 05 06 12

13 15 18 19

31 36

ttfV7
C
" ' ...
jersey city .4tCt
museum

jersey city
museum

350 Monrgomery Streec, Jersey Cicy, J °73°2

A nne DeVivo DeMesa


Development Oflicer
201.4'3.°3°3 x3,08, 201.4'3.9922 fax
ademesa@jerseycicymuseum.org
projeto cl iente design
Identidade corporativa Jersey City Museum C. Harvey Graphic Design
Papelaria, impressos Museu de artes e cultura Catherine Lee
e sinalização Jersey, Nova Jersey, EUA Nova York, NY, EUA
Offtet e p/otter para grandes
formatos

., • liW 're vlew


..
-_
-..--_.... .__._
_ .. _, --
..- ......... ___
..-_-­ ­ ..........

..... .....-._
_
.....__
..._
_---­
__ _­
..._'
...
-"--­ -,-_ __--
...........-..........
-_
--_
_ __-__-.._-­-,­
_...... ­...._....-----
-__
"-"­

....-.. - - - ­ ... _
. - ... ----­
-----
----- ...

._
---_
...
..... ..
.. ----­
-
----- _.­
- - - ­ --'-"­
....
.....­
... __ .. _.­
------­
..... .. ..-... ....
.... _-- ...... ­
"'--"'-'-­
_....-._-­
.. _----
__ _­
............. .. ~-:~~ -----_ .. - ...... _-­
-------
_..__.._-
E.:.:=-=r -""---
.._
._---­_ _-­

--,_........­_..
_-_
--..-,

-.._-­
......
-----_
-_
-"- .. ..
--"--­
__----
----_ _­..­
--­
;~~~
___100._
-- -
--~--

__
-_
----"--­
--.. .... ­
.... ....._-­
-_ ..

--_ ­
_- .....
..
...
­

~~
...
--_.­

"
o

programa de identidade, um sistema de partes. A relação entre as colunas pode variar: exposições. Essa modularidade ajuda a atender
o
grid e elementos modulares unifica a no boletim, as colunas do texto corrido são a várias finalidades : cria uma apresentação
visual de uma entidade de cultura próximas e paralelas, ma s podem se estreitar mais chamativa, apropriada ao contexto da
flexibi lidade para novas aplicações. em meia coluna para acomodar legendas de men sagem; permite que o mesmo formato
materia is usam um grid de colunas imagens; nos folhetos de adesão, as colunas são un ifique mensagens drasticamente diversas e
pelas proporções do formato, e não espaçadas de forma que as faces estreitas do as obras de arte que estão sendo divulgadas;
determinadas, como costuma formato de três dobraduras possam preservar contribui para reforçar a inspiração arquitetônica
de program as de identidade em a assimetria das margens, que caracteriza da marca do museu : o quadrado girado que
a; às vezes são necessárias duas, as aplicações em formato maior. Em alguns decora a fachada do edifício. A forma modular
quatro colunas. Em todos os casos, casos, o grid de coluna se torna modular e também é largamente usada como contraponto
sistemático de guias horizontais literalmente articulado como quadrados de cor, à estrutura de barras e colunas usada em todo
em duas, três ou quatro do mesmo modo que os banners externos das material impresso informativo.
ra

hierárquico

exemplos correlatos

04 07 10 12

20 31 32 36

02 07 14 16

17 22

As imagens fornecidas para o projeto das capas desta revista técnica


não eram de boa qualidade; por causa do orçamento, não seria~possível
dispor de novas fotos. Para solucionar o problema com originalidade, o
designer implementou um sistema com positivo baseado numa faixa
de cor com o cabeçalho, que pode subir ou descer na capa em função
da imagem disponível.

o formato A4 é inicialmente dividido por um quadrado de sua largura,


seguindo a proporção da seção áurea da arquitetura clássica. A faixa do
cabeçalho tem uma altura correspondente a um terço desse quadrado.
Dentro da faixa, a informação - nome da revista, número da edição e
conteúdo - é distribuída verticalmente seguindo guias horizontais que
dividem a faixa em quatro partes e é quebrada por uma divisão vertical
que também corresponde à seção áurea. A largura de um quarto da
faixa estabelece as margens externas para a tipografia.

Conforme o lugar designado pela diagramação, a faixa revela e oculta


vários aspectos da foto de fundo, e também divide a página em
proporções harmoniosas relacionadas com a seção áurea. A geometria
extremamente rigorosa do leiaute ajuda a disfarçar a baixa qualidade
das imagens e contribui para criar coerência entre as edições.
cliente design
IASITracés Atelier Poisson
de capas e Editora de arquitetura e Giorgio Pesce
para revista design de interiores Lausanne, Suíça
Eclubens, Suíça
ra

modular Um grid modular de proporções agradáveis estabelece uma identidade


geral constante e permite inúmeras variações de leiaute para a Springer,
uma editora de livros didáticos. O programa usa um grid de módulos que,
ao contrário de outros grids do gênero, se encostam como num tabuleiro
de xadrez. A ausência de margens e entrecolunas significa que os
formatos reais do livro podem ser configurados sobre o grid para ter uma
maior coerência, e que as áreas de imagem definidas pelo grid sempre se
alinharão entre si e com a espinha e bordas do livro.

Os diagramas apresentam aos designers internos da editora uma série de


opções de uso do grid para diversificar a disposição das imagens, áreas de
texto e de cor chapada. Séries de livros sobre o mesmo assunto podem ser
agrupadas com um mesmo leiaute, mas recebem identidade própria por
meio das variações de cor e imagem. Leiautes arrojados para materiais
científicos e leiautes mais discretos para literatura e ensaios críticos são
exemplos correlatos igualmente possíveis.

03

10
06

13
07

16
09

17 7. 0
FI«~~

en.. ........ .....,.".


_&~--
~_tdorlug_
-
19 22 23 25 !brongor.....'*"~
br_Dor~_

_ .....­
Ar-vor-aUOl9l:Nd\­

-~--
_Pr~~
O'.'Wlla'ldJtiwtnin..-·

27 29 30 34 dlnZllg_F...- ........
FtIclz.~~
..,_w.-~

~"" .....
-­_­
Mlt.......... WiI.on.For·
.......,., . . .tnPro!Lok­
38 ""(IIIiI'IlIIII'1..,dnfIftU,,,
... _dln.G. . ~

02 06 12 18
..
..............,EíTllll'lô
...1IWI_unaae ......
Mlt.Me. . . . ~

:.~.:=:.:-
P"-1~I_-

19 21 26 31
projeto cliente design
Livros didáticos Springer Verlag MetaDesign Berlin
Sltema de capas, padrões Editora Berlim, Alemanha
cromáticos e tipográficos Berlim, Alemanha

leutbecher
CARLOS ANDRADAS
LUDW I G 8RÕCKIllt
Zahlentheorie
JF.SÚS ~1. RU IZ
Herben Federer

Geometric (onstructible Sets


Measure Theory ...... ih.t'.

GlfI\llC'b"'lt
in Real Geometry
l·FuI"
AScIi"

o(/olodnft

"',..,.
,"M •• t..-m"KJ

Sprinltt
modular

exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 17

19 24 27 29

30 35 37

02 06 07 12

18 19 21 26

28 31 36

Esta apresentação digital utiliza navegação


e seqüências animadas contidas em um grid
modular para dar suporte a conferencistas.
O módulo é um quadrado, visível nos fios em
cinza. Cada módulo no menu principal apresenta
uma informação específica e, quando clicado,
funciona como link para a informação. O módulo
é subdividido para revelar o conjunto detalhado
de informações dentro dele, e cada subdivisão é
um link para informações adicionais que surgem
no item selecionado. Uma setinha discreta à esquerda do módulo subd ivisões dentro da área visualizada permite
permite que o conferencista volte ao quadro ao conferencista saber a extensão daquele
anterior. Organizar com um grid a estrutura tema dentro da estrutu ra de i nformação; o
naturalmente dendrítica da navegação interativa grid lhe permite escolher caminhos durante a
ajuda a manter a continuidade visual entre os apresentação com fluência e espontaneidade, se
vários "quadros" ou "páginas"; a quantidade de precisar reprogramar ou reorganizar a infnrm;'fÕn '
rOJeto cliente design
Designing with Time Carnegie Mellon HeebokLee
• Apre,sentaçiio digital University Daniel Boyarski
Instituição de en sino Pittsburgh, Pensi/vânia, EUA
Pittsburgh, Pensilvânia, EUA
ra

de coluna

__

htSONltosltnst~un~n

__ ...- ....---_.. ..
...........

und RSAM _ 1Io _ _ _ _ _ u k _ .. ~rnw;an. I.Ind '.tlf:ntenwohl


.---..
_--_
Ooe_..... _ _..... .. 000MW_"- ___
.... ...-JJl'6 ....... . .

.
. . . . Iw _ _ - . . . . . . . . .

_..-,.;l_ ..... _.u-.""'"""'·


-----....
........................... --
..0dI..........,.
... -..... .. -- ................................

_ _ ~f.. - - -....

~_....--. .. _MlI... ....... s..o-.................. o.


_SdoM
J ...........
_".....-...

_~_..,...."'*'_w..

..--.....,
_~I ~
~ .... ~
.... _ _ IiIoef_~ ...

~--
....... --.----"-'-­ ..~ ~

-­ ... .
..... _c...-~~ ....
WdI_....-...._ ........... ~ . . "-'-~ ... fl
*""'"'-_ _ _ r..I ..
~-"" ......, ...... ~
.......... -~'"
.........../MifidI _ _ _ Ndo

--~~...",
-~
_
.. _.~ ....
....................,StoMj . . _

~_ttiIIo_MCMIoo _ _
".-..-fIMUkJI...-.-­
::::=:::'_Ult,...,.. 1---'_-"-"_1:iIIcMI
: : : . "•• lood.KC...... - - .

SOUOfut............. _ .... _

............ l ......... o-M_.,uu.

exemplos correlatos Investit ionen im Personalbereich


zahlen sich aus.

02 05 08 11

12 14 18 22 -
-
28 33 37
- --- - - --- -... ........ - .....
:::,.... :;::--=.,--- -...

--- ---_
---"-
- " 1 - ...
...

-- . .... _. "._. ......


. "'
--_ .."., ...u. ...,
_~
,N .,..

05 07 09 10 " " ,. ...


_ ", "-4" »'

13 15 16 24

27 30 31 36

WertschOpfungsrechnung '997-1999 Soziilrechnungl997- 1999

-- ... ......- ...


..

11)61
-_
._.....--
._-~
- ....
~,

.. " . *
':!

-,.,"'
'l:

- ~'-
~

~
.... ,.. ,....
I6l~ !l!~
" ...

~2!!
............... -\!OOI!!OOrOO
=::::: ..: : uw
...
...
_.-- ._----
'

-­ ""'"
."
"'.

tI!!

, ..........
... "'-
.............
.
_--­
' ........... " " -
--......,
... _c.__
...............
-
!I! I!!
'u.,

.6a4p1: .n'"
!12!2:
'u.. .. ...

,N.,.
..,.,.

_..__... ...... .... .,...


~

• ?ti I!! .!tt'"


...............
'I!!l!: !tt!!! Uo'I!

."...... " .. .....­ ..

,
--..... ............
~

"
............... ".
'''1"
"?tI!!
. . . . I!!

---
~
-
-
-
---
~ ---
~.~ .....................
_.. .........
:.=c.=
.... ..,....,...
eu•

......
P"
,uH
.. ,.. ..
ler.

ti,..
UlJtt
­
!!W

"tH
"'IM

......- ...-
~
........ 'P"' _

... ,.,
.. _-­ "' ... ta,,,,

-._-_ _-­ ...


--.........-
-----
--
.......--~--

.. ..,."
===;1
--- -_--,_
'====== -­ "'m
"'

---_
J _ _ ...-.- _ _ _ _ ... _ .._ _

..
----"
,---_ ._-­-....-­­ ..
..,..--,
_ . ._-­.._-_.'
---
----_._--
-_--
........
-.-.,....

_ ...
... --...­

...... __ ­ __.. ­
- " _ _ _ 1. _ _ _ _ _ _ _

.. .... ... ..................- - . , . . ...


---..-I----,..
.~
. . . . . . . . - ... _ _ _ 0:.- ...

... ..-..
....
cliente design fotografia
Rotes Kreuz Krankenhaus ln(corporate Thomas Hellmann
Communication + Design Bremen, Alemanha
Hospital da Cruz Vermelha
GmbH Hofmann + Reichelt
Bremen, Alemanha
Karsten Unterberger Oldenberg, Alemanha
Berlim, Alemanha

Um grid convencional de duas colunas ganha


dimensão extra neste relatório fiscal de um
hospital em Bremen. A margem larga da
esquerda, que abriga um elaborado fólio vertical,
orienta assimetricamente na página as duas
colunas de texto primário. O texto corrido
numa determinada seção começa na coluna da
ext rema esquerda até acabar, seja na coluna
da direita da página esquerda, seja na página
da direita. Uma aba contendo uma barra latera l
ou elementos il ustrativos se dobra sobre a
seg.unda coluna da página direita e, quando se
abre, revela textos ou imagens adicionais. Às
vezes essa aba traz informação interativa, como
pop-ups ou abas retráteis, ou imagens especiais,
como uma chapa de raio x .

.Em cada página dupla, o terço inferior da


página está separado por uma guia horizontal
que reserva uma área para gráficos, diagramas
médicos e informações financeiras. Os destaques
da pa rte financeira, apresentados no final do
relatório, ocupam a largura das duas colunas.

00
V1

I I
I I
-.lIItIeítsdllfftAlMitsplltlC
.... ltJrttdleWitbd'lli'tlndetkpo...
_
-----­
.. ..-----­
C\

~~--=~~ o

~~~-....~

- ......
- ....... _
-_
:- ::::~ - -
projeto cliente design fotografia
Relatório fiscal Rotes Kreuz Krankenhaus In(corporate Thomas Hellmann
Brochura, capa em papel Hospital da Cruz Vermelha Cornrnunication + Design Bremen, Alemanha
craft, miolo em couché fosco, Bremen, Alemanha GmbH Hofrnann + Reichelt
recortes com faca especial e Karsten Unterberger Oldenberg, Alemanha
merçàes de filme plástico Berlim, Alemanha
Offtet

Um grid convencional de duas colunas ganha


dimensão extra neste relatório fiscal de um

~ ~ :: hospital em Bremen. A margem larga da


esquerda, que abriga um elaborado fólio vertical ,
orienta assimetricamente na página as duas
colunas de texto primário. O texto corrido
numa determinada seção começa na coluna da
,,
,, extrema esquerda até acabar, seja na coluna
UnMrtMllftidllfftAtkolhoplitze
und Hirt:t dIe Wirud\aft!tl der~.
da direita da página esquerda, seja na página
da direita. Uma aba contendo uma barra lateral
ou elementos ilustrativos se dobra sobre a
segunda coluna da página direita e, quando se
abre, revela textos ou imagens adicionais. Às
vezes essa aba traz informação interativa, como
pop-ups ou abas retráteis, ou imagens especiais,
como uma chapa de raio x.

Em cada página dupla, o terço inferior da


página está separado por uma guia horizontal

..
-.-
_-­
.. -"'­ ..... - -...-_
..._--­
--_
..- ............
... ­ .. -_
-~

---_
- _­ _
_... __..... ­ ..
....

. . .. .-. ...__#>_

que reserva uma área para gráficos, diagramas
médicos e informações financeiras. Os destaques

~ ~5 :: ---_
~_

....... da parte financeira, apresentados no final do


. __...... _---­
'

--'-­
I ,
._-­
_.:....
----­
J _ _ __

---­
--~ .. relatório, ocupam a largura das duas colunas.

co
Vl

,,

..__-__---­
-----­
.....
.......
-----
--_
------_
.._­..
-- __.­
.....
... ..
Cl

----­
------­
~--_

_
---""-­
-----­
-_ .... _--­
~----­

--__-­
------~­
------­ ..... _-
......

_
_ ......
-_
~
.....
..... ......

:::::-::
M A _~_. M • • _~_.

M . .. ........."...., M ••

O UCH A ",p D UCH A MP D U CH A ,..p D U C H A ",p

HIH
l!-++-t+++t-+-+-i ' UIl'
f fI
I'WW '
Hijlfl (' j
--.-_­
~

._­
--­



~
--­
:.,._.­
.

l>

.­-­


exemplos correlatos

03 06 07 09 .-­
.-...,,.
--­
.-..

-­ -­
10 13 16 17
:J:

"
% .­== -­
-
19 20 22 24

27 29 30 35

38

02 06 08 11 "
12 18 19 21

26 31 36

~
" .I lH
II

I -­-.-
~ : '/~/
<,

Ir
.1111 1 _

-__..­­ .IU .•

-~

---
_ oi ....

IJff

_._­_­ -­
_.
:;-_.­ ._-,.­
--­
---­
.---­
.--.:-­
.._-
- ... --­ ­ .-­
- ­ -­
-~ .

--­ -
-...,

--­
- ~ _ . .~-

n a • H d "" 'fi H
•• H • H
ciJente design fotografia
Reinhold-Brown Gallery Skolo,./Wedell Skolos/Wedell
Galeria de arte Canton, Massochusetts, EUA Conton, Mossochusetts, EUA
Nova York, Nr, EUA

3'-
MiJan.
Biblioteca Communale.
lhe La'1e Glas5 and
RelatedWor1o:s.
7 Novembtr-s Oe<ember
1967.

00
0\

....00

cartaz fortemente baseado em grid mostra o jogo da superfície, gerado pelos cubos, parece "
características de desconstrução às vezes chapado, às vezes avançando e às o
em profundidade na próxima seção, vezes recuando. A tipografia colocada nessas
o grid), mas sua estrutura
superfícies interage com o fundo de cada
baseia num grid intrínseco ao conteúdo
"módulo" e conduz o observador pelo tabuleiro
exposição anunciada - uma mostra •
como se o jogo estivesse em andamento - uma
'mPlmnr~nrln as 8, exposições realizadas pelo metáfora para reconstituir os eventos da carreira
Mareei Duchamp. Ele era um aficionado do artista que talvez ele achasse interessante.
xadrez, e a sua psicologia - as estratégias
as qualidades estruturais - desempenhou o

papel importante nas pesquisas artísticas


Ducha mp, aparecendo em pinturas e
ndo como princípio organizador em
construções e jogos de palavras.

nsional da foto funciona como uma


ura conceitual e literal para organizar os
detalhando todas as exposições do artista
sua vida.
o grid usado nesta revista que enaltece a humanidade e luta pela defesa
dos direitos humanos divide a página em doze colunas iguais de
4,5 paicas. Essa estrutura bana l contrasta com outra estrutura única de
guias longitudinais que enfatiza a horizontalidade das páginas duplas; ela
organiza o material ao longo de uma "linha do horizonte" pictórica, numa
referência à atividade humana na superfície da Terra.

Essa linha atravessa o terço inferior do formato, e a partir daí o designer


colocou outras guias horizontais numa progressão matemática conhecida
como "seqüência de Fibonacci". As proporções de Fibonacci se encontram
na natureza, e aqui fazem com que as guias se abram como linhas de
perspectiva. Com isso, a linha de topo do texto é relativamente baixa na
página. O texto, disposto em colunas, pode ser movido ao longo dessas
linhas de perspectiva, como se fossem falhas geológicas, criando um peso
ótico adicional que realça o movimento lateral ao longo das duplas. Às
exemplos correlatos vezes o grid é deixado de lado, em ensaios fotográficos especiais ou textos
pouco comuns, como transcrições de falas ou citações de cartas e notas.
02 05 08 11

12 14 18 22

__ ____
26 33 37
......... _..... .. _........
_---
01 04 05 07 _-_..__---_
-__ ..... _-_ ..
__ -­
_.......- -......._-_
..........._
_--"-­
. ..
.............
..... .. _ ....
....
_...­
...... _.............
....._
_.
_._­
_. "'-"

_--.-
.....__ .. ..
_... _....__.... ----_..__..
.. .......... _...
.. --_ ....

~
_"'""-

09 10 13 15
..-----
- .... _._--_
'--- -----, .. ---­ ...... _-.......

._:;:=:::::..
.. _----- - .._--­
-"-'-"----"'--"
-.._

......... _._-_ .. _ ... _


_ . .. _ - . . .......... _ _ .. _ _ .6.0 ..

.. ­
.. __
16 23 24 28 ..... _
_
...... .. __
... ~"
..._ -_.......­
_. _-....-..._.,... --­ -... ... -
__
.-_ ._--_ ------
.... _..........
...._..--_
......... _--._­.... _
_-­ ..... -

. __­
'"'---"~"

-......._---_ _.
.. .... ..
_-~_

...
_-_.­
--_. ­...........__
'-_._----
_..... - .... ...
..
.... .-_...... __ .. "'-'-'-­
__.........._.._..-_---_
-"---"'--"'-"--­
-_ .. _-----
_.
.. _
_-
.......-._-_ _.._-­ ... _­
.. _ . . . _ _ .... - . . ... _ ..._ ... _10.0 _ _

30 31 36 37 _-.- ..... .........


----_ ..
~

... ..

...
-~ _-~

?.:..:;;.;::==~:::_::.. __ .~ :-::-...
,.....
. ....
.... -"--­
:.:-:~;:":.~
~

-......... -
~=-=~
_ ........._-----_-..
..._.....,,_
_ 4_. _____ ._-..0.__­
· .. . . u . ... .. , "

_~--_ ..-­
__-
. ._... .... ... .
_._--_
_
._-- __ _-_
-_ --_ __._­

_--­
_--­
_--'_
__
._--_ P............---.......­
.. ...........- -...... ... ... _..... .. ..... ­
............
...... ..­
-_ __ _____-_.­
_-_ _-_ ­
...
-_._-------
__­­
..... ... _..........
- ..... .. _--" .... .
......"--'-_.....
_ .......... - ...
....
...............

_- .. .... ............
. humanitl) ..__.. _-
._ - ..
_ _ _-_
........
-----_
~--_._-_

_--_._
_-"'
~--'~---.

_
-_.- _.___ ___­­
_ .- ~.- ---~­

_--_.; -­
.. .... ......... ..
.. ..........._--­
.......­­
. =:=-
.. ':--:--"" .. __ .'
_--_._-
__
.. _-----
-._-------,
....
_..
_- _­

_-_ .. ......... ... ._--........­


_...........-.. ......._......... ­
_----
......................
­
--_. __..
-------_ ­
.......
~
projeto cliente design
Hum anity Humanity Magazine Thomas Ockerse
Revista Providence, Rhode /sland, EUA Providence, Rhode /sland, EUA
Offtet

_---'---
_ ______ __-...
._ ..... .. . ........._-.
-------_
_ __ ..-­
---_ ­
_-_. _.... _-
----_
-'--"'--
---_
_----
.-----_ _---­
_-­. _­
...
.... _­ __ _
.. ----_
----_._-
--_ . .__ w_. ... -.....­
.... ­ .. -
_____
- _....._­­ . _
..... ...-_._-­
-------
------
--~----

...---_--_.­
------
-_
-_
...

. _---
_----
...
.......
--_-'-,-_. _.......___----_
_
----_._-
~

.. _----_.-------_._-_ --.._........._---"
---_ ...­ ..
-_
------_.- 11 ._.-­ ...

_-...--..-_. -_ . ----_
.
=~~~~~~ S -------
----_
-------' _------- --...__
...------ -....._- ---­
._
...--­
. _­
- . - i .. _ _ . . . _ _ ,

----_.
-----_.
-_--_ ... _- -
_ _ _ _ o.
........
-_
---_
--_._
.--_
.-_._._--.0 .. _----
. _.....
......
~fãR~~:3~!·A

-_._ . _-_
. _--
-_. __ .
.---_
-_ -_
---_ _...... _---...
-------- ... __.
... . _-_......
w =~~::-::==~S~=E
-:-Z.;~~;i";==~~-=
... _. _--­
• ===--==-"'==-"':'::'.::.-:=..~...;:"..:. ..

-_
-----,--­
--------
-,--_
--_
.---------
-_-_ ._ ......_--_
__.._.----­
_....._­_.­ ..
A "oI! :::::::-._"'••• _ ' _ ... ~..;...=.=..'"::'

K ?jf~~;:
-_
... _----­
_._-----­
----_._
-._-_. . .__ _--­.. . - .
__...... .....-_­­
~_

o
~~7~

00
00
00
1.0

"
c
29

modular

exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 17

19 22 24 27

30 35 38

02 03 06 12
Para esta exposição de móveis fabricados por uma respeitada empresa
italiana, o designer dá existência fisica ao grid organizativo. Aqui, a sutil
18 19 21 26
ironia é que os designers de interior usam um grid plano para desenhar
um espaço tridimensional- e neste caso o grid se torna tridimensional-,
30 31
e a presença "real" do mobiliário nesta exposição é representada por
uma única poltrona, que funciona como ícone, separada do espaço
restante e disposta sobre uma plataforma de vidro com a área exata de
3 x 3 módulos quadrados.

Os outros móveis são apresentados em fotos planas organizadas


num projeto tridimensional. Assim é possível expor uma quantidade
muito maior de peças, e a mostra ganha muito mais presença graças
à abordagem pouco convencional. A articulação do grid por meio dos
materiais acrescenta uma qualidade tátil e uma solidez que conferem
ordem e serenidade ao espaço. Os módulos do piso são blocos de
pedra; os displays verticais, com as fotos do mobiliário, são chapas de
aço escovado inseridas entre os blocos do chão. A placa de vidro sob a
poltrona icônica e os blocos do piso criam reflexos, realçando a presença
física da poltrona e ligando-a ao restante do grid.

Painéis de tecido translúcido saem do piso e revestem as paredes,


aerografadas numa gradação do mais claro para o mais escuro e
iluminadas por baixo, criando a impressão de que elas e os pilares estão
flutuando. Apesar da rigidez aparente, o grid assume uma qualidade
leve e etérea.
cliente design
de exposição Poltrona Frau Vignelli Associates
placas de aço Mobiliário residencial e Nova York, Nr. EUA
aço escavado comercial
Tolentino, Itália

10
o

----­
o
DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
DDDD
exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 17

19 22 24 27

29 35 38

02 06 09 12

18 19 21 23

26 31 36
cliente design
Columbia University Willi Kunz Associates
School of Architecture Nova York, Nr, EUA
Instituição de ensino
Nova York, Nr, EUA

Columbia
s.-wMl· 1~c..... [111S-11111 :
Architecture ~ II TMV'.....,u...."­
1111.....,Il0l
Planning
Preservation s..-II - k.......:

0U0I0w1l lJeIM O- ...........

..... "..., l1li

dois cartazes, que fazem parte de uma


série desenvolvida para os programas
palestras da Escola de Arquitetura da
dade de Columbia em Nova York,
construídos sobre grids modulares.
proporções do módulo variam de acordo
o conteúdo específico de cada cartaz,
o formato permanece o mesmo.

ca rtaz da esquerda, dá-se predominância


organi zação do calendário de palestras.
mód ulos são claramente visíveis como
de dados sobre cada um dos eventos,
sobre o fundo preto. A programação
cada mês ocupa uma seqüência vertical;
do mês seguinte avançam um módulo
a direita. Detalhes gráficos aludindo
formas arquitetõnicas são usados para
as áreas díspares da composição.

ca rt az da direita, o designer usa o módulo


mais liberdade, em certa medida
o-o por trás do primeiro plano de
brancas horizontais que ordenam a
nlnrm "r:'ín das palestras, mas revelando-o

larguras das colunas estreitas. De fato,


grids modulares interagem, conferindo
aos alinhamentos entre os blocos.
seq üência do calendário se move
pelos módulos, que lhe
'mem regularidade, mas não está tão
IIrp!,m pn·tp relacionada com as proporções

módulos quanto no cartaz anterior.


...­
---
~o.a.1'

==::-M_
--­
.., ..... '---Y.
==-=:=:­

---
"

....
- --
. ...... c.....­

w_..,. ~:tl

.....
o

--
~. OetIMrl'

w... """-ot-...,
c...IIiI~

n.. "',."... GiIr


~t..M. ... T....,.
s a ge o

exemplos correlatos
s a ge o
... .., ...
"'''''''''''''
­
s a ge o
04 07 17 20 -,
~f-.lr.
......
,...... -"-w:
'OOJW'''''''' ....
.............. 'UOOM

22 23 32 34
u... ......... _ _ ~ Wl_~.MI ............,

... - - ' - . . - .. s-................ ~_ .....,...

........ - . . . . .... ~ . . . . . "''--t . . . . ...,...~

36 ........,... I".. .. - . - _ . . . , . . . . . . ...... ~--r


a..-.....od
.... ........... _
.......... __
'""-

............. """_ .............

.......... ... ....... -..,.

......... cII. ....... - - r ..... --...I~.1ootM

~ .....,....~"'~

05 07 09 12 ..... -....--- ............................. . . . . .

..........
' - ........ _ _ _ _ ........... w ... -.....

- ...........

................. - . - .............
14 16 20 22 ..... ................................
"..,..... - .............,.

',., .. -.-.-.. .............. ---""-'

..................................
......... - - . , ................. 1.....................

~_ '-..- ....... -.

................-.-- ............... ......,.

35 36 ...... ......,.
.......... .,., ..... -...-...-
-
............. ..........
-.
............ __
........... -w-. ................... ....-. ... ...........

....................

....................... --.. ..........

........................................ Ifi- ..... - .

W"..............

~ .

Vke PTnIdf:nt

s a ge o
Um grid hierárquico simples define a expressão
da identidade da Sageo. As proporções da
www.sagco.com estrutura linear da marca correspondem às da
a Ilewitt eBusincss tipografia, e essa flexibilidade nas proporções
One Embarcadero Center continua estruturando todo o material impressc
Clay and Battery St .. Suite 1400
San Francisco. CA94111 da empresa. A papelaria, por exemplo, reflete
lei 847 195 '§Ooo esse grid mais livre no uso de linhas e nas áreas
fax 847 441 SHl
jjbausch@lsageo.com de coluna que dependem do tamanho, forma e
função de cada formato.
cliente design
Hewitt Corporation MetaDesign SF
Empresa de planos São Fra ncisco, Califórn ia, EUA
de saúde
São Fran cisco, Califórn ia, EUA

s a ge o
a
..... s '" o a.­
.......
.,..­
H,""

Take charge
of your health
lIIySt.s,.aecurtmprt,afllarud'1ht
._­
LMmalXlut.&lUlltndt,
~Ultor. Hewtl Aaotatn.
1tI.Ieed«I'Ibe,.!Ib
.l2Y"il1lllr.lOn Rt.s.boul
o\J'Ion~I.mvlllonfor'"
C_lidar
Mypl....
Myp~I'I"*'ItWormlticr!
..y...,.d .....
E.pk)tlrçheafth
I!l:
e... CroatlClIIfomia.

_D_
PNdtnt Suy-.r PI.,
Oroup ~ C51k321
Phontf" 1 8tXJ 214.T777

OtntaIpl\Idtnte...,..,PtIn
Oroyt:l . C581lCJ2
_ .ZlZ. New!
OtItt•• d' 2NlIOO
a.bDlll:IIIIM.Z1 Ut'Q8'\tr
8'010 n, I• ....,... youll ftnd ., yow S'IJIOtlll.ndOUf Ut'II'ID"'altitl Ptw:nt., 180c'JIIUII5I OtIJrr. .d:1J1l1OO
~ntlnformlll:lonyourV8rtou.h..1Ih corrmllTaltlOptDldhg Requ~1S ac:knONl«lgWl'llnl
plana. your p-.onll pro1IlI. yaur catlnÓ. for h_/Ih Ind W"ITWI.cemert
c·otttfOlyOUilnÓY(JUr
ChoHI,pln
'ao""""
e.tlVitlOnPt... ~ InCOn'f:llel:e!
appoi'1tnwntsandl'lmlnders. E....nltyw·r.
Oroup" P43K554 lh.......n~.dfAl'(..,

­
fam\<
nCll a Sageo memtler. yeu can brONte am PhOn. ' : 1555.3428 WolJd Vouc~tf.llnwn
re.:l heallh n8'M 1nd altlclll rrem Iht
lIIayoOinlc.
W81 also use Uis _ctlon to ~.., In touc",
........
Group·pI. ·f1Ifened

Ifyou-.-.b_nl.ferfedto l.,....,...mMta
"'QhII!I!ll11f>mlll.ll
Prudtnt8uyerPl... 1f171OO
y~ prIwEy I•• Prmtry
corc.m to ZZL R_d oU'
.. geo~.,OWtn1lt"".r. mua.RmI.ta FI'IIn
IItting yOY knOll'll' about heallh plan (h.,O",
yOU'lIrw.cltoJ..U!XDyour OttrtaIPrudtnt8uy.rPlfnlf171OO
sp«iaI ontile ev_ anil new Sageo "'.Ih lrt~onabolJOU'
KCOUnl 9.8111...., PI... 111/00
pwtrer.. c~rtllOlt. ..curty
ot'VOUfpnontlll'lfcKmll1on
"'I Sageo DI1JWlI, we'1I Idd .dditlonaI ".LA" "'IIlli.llml
W. hop8 yeu'!! me, to My 81ab: 01111'1. Yoüt .... . , . . . " ".
cotlmodtllnDd"'. on1"~1III

Based anyo.... healh trt.ltIlÍIOI\ you hIV. Av. . . . h. .h


('tou tan charçe eviluah:m to.88 nllWhgu,," Chenge )'ou.
ar'l9W'ers betow, lo 818 newccB reM) Backtg preyIlY'P4I'
-
, . Howma'ly' linll do y04l WICI 1. 00 'ou .plct to nave
Using your plans
yOU' dependents .p.el to _ S1.IIt t.r. 1IO I.al' hOWto Oel th.m:>ef outOf Vour In....nu plan..
• óodor nex1year? VI"''''' t.,.. ,.r?
rO\Ahe phttica.. and pr.
lXarrinatiDnS
In th. ~tO~
Flnd hforTMUon on wt'It1 vour plan cOlt.rs. howllO".... chtng •
to Vour C(N...g.. l'ICIwltl.eIIllmtClfOc... ~andoth.to~..

J
YOUl" ItMlfl pIM
1. 1
....... _.
'ItIu , . ..... O No Wh.t)lOCK ~n COYWS
Gdra h rnnt 'lIOfTI I
Dependlnll , . 'tU Gil No H••••• -.,rmwy ofYGW cwr..tCCJII'W'tICIII
~ 8p.... c:.r.

l . 00 ycw ar your depende nts OiI"I"'CO~.


4. Do vou 11" yo.x dependem P.......
expea kll'I... uOay ar li'"
nalrntl1llatwll reQt.ir., hOsIlltaI
expeel to h....ny otApahl1
torOIf'Y O., . no hO,-, .ctTitllon
c......
M.a-o c:h.-.g..
~. . POS """
""""
acmSSion In ' " upeoning ,ear? re~InIteN'nlalo'ly..r1 F"rd,cbdot Youtnd YoulnCl
Y",w _t.lpIM vowFeriIt VOt.l"~
'M Q No 1iI .... O ..
I VVVV How-IIII"'" ......"..11 I YYYY HOWM..-.y tlmM?
U. ;,gctofl '300 'lO'
Cloómo
JmlUIW!i lIlO!UII1iJIl 800.1111"1 1001.1l1li ••
M~~IrIg"
o
5. How ctten FI • typiul ,tar 11 . How l1W'IY drug p"scrtsllonl f'1 I'Id.dtnb t
do vou and , our deplndlnts wII '(ou ..d yotl dependaltS nav. ".",. 111"",
/lICJjire anergeney room or ftllld .. a/Oul ph.mecy dumO
' 190 urganlur.facl~vilit1? th.y.iIf'?
IM... ..-ction UI
'45' lIlII!I.JIOli1I

papel de carta, a área destinada ao corpo A solução da MetaDesign para o programa Um banco de dados com fotos de clientes, no
texto se integra com a informação impressa de identidade da Sageo se extende ao projeto estilo de instantâneos simpl es mas divertid os,
de elementos lineares que definem suas interativo para o site. A estrutura modu lar opera nas áreas de conteúdo on-line e para
'fmectiiva, funções . Campos de cor no verso si mples é flexível e às vezes é "violada" por impressão. As fotos buscam uma es pécie de
ca rtão comercial correspo ndem aos campos um grid hierárquico, caso as necessidades imediat ismo que reflete a vida real, pessoa s
informação na frente; campos semelhantes informativas de uma determinada tela de carne e osso - element os essencia is na
a estrutura da marca na capa do folder. precisem de algo assim . imagem da marca Sa geo unidos numa
estrutura agra dáve l.
hierárquico

I I

exemplos correlatos

04 14 23 28

31 34 36

07 11 13 14

16 20 22 28

35
Th e Collectl on
Fawxiod in 1883. u.. PJ1J~ton Uniwnity AIt Musoum " ano af u.. 1eadmg
univenitYaIt musewns m u.. caunUy. Flllm a fOw-ding gift af a collectim af
pon:01ain and potl<'y. u.. collections llave 81llWl1 to aver 6O,[lX] wcrks af aIt lhat
range fitlm ...,lCnt to conl<mpo,'aIy aIt and conconU..I< goog,..phi::ally an u..
Modru:mllloan n'gDIlS . Wosl<m EUltlpo. China. u.. UnUd Stal<s. and Latn
America.
clie nte design
Princeton University Swirn Design
Museum of Art Washington, De, EUA
Instituição de ensino
Princet on, Nova Jersey, EUA

» MUSlUM l .. fO."",U 0"" EOUCATlO"'Al.t(SDURCH MEMlEItSHI" P R I N C E TO N


;:~::I~::NS ::~~~A~:::I"T$ :~r:a~:o[x UNI V E R SI T Y
lH[ COLUCTlON MUSEUM 5"'0' WH,u ' S NEW J. R ~ M USE U i\t1
»

Dlrecbans
A t .u

- ~ ~ ~ t ,,~ A "~ M \ hj"

The IDLlSeUID is Iocated in MeCOlmi:k Hall in tb: lllÓfiO af tb: PtiIreton


.. . ~~ .~ ,>e . ~ ,~ , • " l

Univcr,ity 1<iIIlJllll. Ca" From Ne., York am ml1hern N.., Jersey, take tb: N..,
Jersey 1\nllPike to exil 9, mlhw RI. 1 soulh to PtiIreton. WashinBton Ro;rl exil.
'Jàke WashinBton Ro;rl (RI. 571 ) to N....u Stt~l. !um left on N....u Stt~t. The
Univcr,ity gatos an, aI Nassau am Witb:lspoon stt~ts .

From Pbilaà:lphia take 1-95 C!95) mlth to RI. 1 mlth. Folhw RI. 1 to WashinBton
Ro;rl exil. Folh., Washin!lton Ro;rl (RI. 57!) into PtiIreton Altelnate llJute mIm
1-95::!06 mlth to Nassau Stt~1 (RI. 27).

Rail: Ne., Jersey 1l'ansit or Amlrak to Prtm:eton Juncwn: Iranmr to ,huttle to


PtiIreton campus

Bus: N.., Jel1ey 1\'all5it ftnm ll~nton. Lallll~nceville . am PtiIreton Community


Village to Nassau am Wtthelspoon stt~ts : Suhurllan llansit ftnrn Pol1 Autholily
Bus Tenninal. Ne., York. via Ne., B11lll51IIlCk. to Pahner Squat~ , PtiIreton
Check out tb: kx:al weatb:r aI pnm;ton U!lIVClJlty beml~ you make tb: trip .

MUSEUM INrOIlMATlON EOUCATlO .. AL IUSOUItCES M[MIfIlSHIP P R. I N C E TO N


~:~~:I~::NS ::~~~"';:::I((TS :~:t.~NHO()( UN I V E ltS I T V
» HH (Oll l( T :-... MUSlUM SHOP WHAT ' S NEW A R T ;\11USE U M
H ... .. .. 0\ ~ I I , ~ . .',l.o ~ ~ <'~o • , .. ,~. Cl' ..., .... !

Afncan Art
The WOllcs exlublted m tb: newly I~mvated .;Ulcry of AfrJ:an ar! have been
reinstalled to I~veal tb: continenl', immense divenity of artisti: producwn On
"
vie., at~ WOllcs ftnm west. tenUal, am soulh Afi~ , inclulins objeets af prestige
am daily use , royall~galia. 'ymhols of secl~1 societi:s, am sculpture, lhal marli:
,uch litos of passage as birth. mitiawn. am dealh
B~mMk.
.
peopI6
PtJ_" Tunir:
The oliginal beques! mr tb: collecwn. made in 1953 by MI>. Donakl B. Doyle m
roemoly of bel' husbatxl. .,., complised of works collected pI'Dr to 1!1.!3 finm
\llhal is mw tb: Democrahc Rl:publi: af tb: Canga. Among tb: objeets is a lat~
oouble eatyatrl be;w:!re,I, ao example of tb: 011 of tb: Chokwe peoples am a
distinetively ,haped Kuha hox. In recenl yeatS gifts have been made plitEipally by
?eny Smith whose Chokwe ehair atn?etrle M:lI)' petrlants at~ on view.-atrl H.
Kelly RoDin8'. whose emblem of tb: Leopanl Society is a remarkable objecl ftnm
tb: Ctn" River l~giJn PtiIreton~ collecwn .,., gl~tly enhanced in 1998 by tb:
beques! to tb: collecwn of Jahn B. Elliltt. wlti::h includes a vast number of objects
of daily use , n:lImrenl.am Akan gokl pieces . WhiJe tb: callecwn is I~latively
small in comparison to otben in tbe muselUll, it àJcs l~&ct a gmwing mtel1:st m
tb: fiekl amoll8 alwnni am ft'etDs.

grid hierárquico simples organiza com ilustração decorativa. A divisão logo abaixo
i a presença on -line deste museu da área primária de navegação, que arrola
arte. Seguindo uma abordagem baseada os itens mais importantes do site, se amplia
grid, que se tornou padrão para a navegação para apresentar a navegação secundária, ou
informações complexas, uma faixa horizontal nível 8 , correspondente ao item principal,
alto do site se diferencia cromaticamente ou nível A, selecionado. Cada link do nível 8 ,
quando cl icado, abre e mostra os links do nível c
s: uma área de texto e uma área de imediatamente abaixo.
33

strutura

Grid de coluna
dimensional

exemplos correlatos

02 05 08 11

12 14 18 20

22 26 28 31

37

04 05 07 09

10 13 15 16

23 24 30 31

34 36
cliente design
MIT Media Lab Small Design Firm, Inc.
Inst ituição de ensino DavídSmall
Cambridge, Massachusetts, Cambfldge, Massachuseffs,
EUA EUA

\O
00
\O
\O

Colunas relativamente comuns com fonte serifada formam a


base deste complexo sistema de informação 1:Iigital que reúne
passagens do Talmude e da Torá, traduzidas para o inglês
e francês. Girando os botões que correspondem a aspectos
diferentes mas relacionados dos textos, o usuário pode ampliar
passagens específicas e cruzar referências com outros textos
'­ na base de dados. Os botões fazem as colunas de texto girar no
espaço virtual, cada eixo da coluna ligando-a a outros textos
ou à sua tradução em outra língua. A distribuição do texto nas
colunas muda de acordo com os botões escolhidos e, portanto,
com a passagem do texto que foi selecionada. O grid neste
sistema de informação permite interagir e acessar milhares de
páginas em poucos segundos.
34

strutura
Grid hierárquico

exemplos correlatos

04 07 16 20

23 36

03 08 11 14

16 17 22 27

33

Um conjunto de proporções baseadas num grid, matematicamente


derivadas da largura destes excertos bíblicos em formato pequeno,
fornece uma estrutura clara e simples para os títulos. A altura da primeira
linha de topo, para a disposição do título, forma um quadrado com a
largura do livro. A informação secundária recebe posição específica,
conforme seu lugar na hierarquia (subtítulo, indicação biblica, autor,
tradutor). A ênfase estrutural e o uso de uma barra horizontal para separar
os elementos nesta área cria contraste com a fotografia misteriosa e lhe
dá uma aparência mais moderna.
cliente de51gn
Canongate Books, Ltd. Pentagram UK
Editora Angus Hyland
Londres, Inglaterra Londres, Inglaterra

(5
O

"
"
uico

[EJ
lEJ
exemplos correlatos

03 04 06 07

09 10 13 16

17 19 20 22

23 25 27 29

30 31 34 38

02 06 09 12

14 16 18 19

21 26 31 35
cliente desl r
Embarcadero Center Poulin + Morris
de sinalização Complexo comercial de L. Richard Poulin
lojas e escritórios Nova York, NY, EUA
São Francisco, Califórnia, EUA

õ
'"
õ
UJ

"
o

o grid modular que organiza este sistema público de sinalização comercial


abrange desde um mero leiaute até a terceira dimensão: as unidades
quadradas são módulos físicos, uma unidade básica que pode ser usada
sozinha ou combinada com outras para criar estações de consulta com
qualquer tamanho ou complexidade. Cada módulo numa coluna assume
uma determinada função hierárquica, e a ordem dos módulos de cima
para baixo se baseia na necessidade informativa do usuário naquele
ponto do espaço. O módulo do alto, por exemplo, situa o usuário num
determinado setor do centro comercial. O segundo módulo fornece
informação mais detalhada dos pontos, permitindo ao usuário localizar o
que está mais próximo da coluna.

Placas de módulo único, fixadas às paredes, reforçam a localização e


conectam diretamente a identidade visual à arquitetura, reproduzindo as
unidades quadradas das superfícies de pedra do edifício.
composto
, retangular
~_'" de coluna)

Os múltiplos componentes do grid neste intimo


e vivo relatório anual parecem contradizer sua
aparência simplista. O grid primário (que é
hierárquico), se for examinado de perto, confere
ordem ao princípio verbal conceitual que
governa a apresentação do relatório.

exemplos correlatos
A idéia de uma ligação oral entre as pessoas
01 04 07 23 do mundo todo, através do uso da tecnologia
da empresa -cliente, é a base da construção do
32 34 livro. O dobramento sanfonado proporciona um
formato contínuo, permitindo que a mensagem
02 05 14 18 siga numa linha só, do começo ao fim.

19 22 32
cliente design
General Magic Cahan & Associates
Desenvolvimento de Sào Francisco, Califórnia, EUA
softwares para
comunicação digital
Sunnyvale, Califórnia, EUA

posição dessa linha única é conceitual : No verso, os dados financeiros se baseiam num
percorre as bocas em todas as fotos que grid retangular com um texto que ocupa quase
m as faces do livro. Mas essa posição toda a largura do formato, num gesto que
cria uma estrutura visual que prende o reproduz o contato direto do grid com o limite
ao conteúdo: a linha de texto divide do formato, na parte da frente . Este bloco de
face num quadrado e num retãngulo. texto define uma estrutura e colunas estreitas,
caso, o grid não tem margens, e suas destinada às tabelas de dados financeiros.
n'M"'''''''C governam a posição dos rostos.
de coluna

'----­ '----­ L.....- L.....­

exemplos correlatos

02 05 08 11

12 14 18 22

26 28 33

04 05 07 09

10 13 15 16

23 24 30 36

o uso radicalmente variado de um rigoroso


grid de quatro colunas confere uma sensação
de vitalidade, crescimento e otimismo a este
folheto. A regularidade do grid, porém, transmite
estabilidade - essencial para que o cliente
obtenha recursos dos potenciais investidores aos
quais é dirigido o material.
projeto cliente design
Hape Campaign Hope Community, Inc. C. Harvey Graphic Design
Folheto para captação Empresa de urbanização Catherine lee
de recursos sem fins lucrativos Nova York. NY, EUA
lIvreto grampeado Nova York. NY, EUA
Offset

As seções principais são caracterizadas por


estes vários tratamentos. Uma seção que
enfoca as realizações da empresa-cliente cria
um equilíbrio entre a fotografia sangrada e o
texto e tabelas de apoio. As letras em corpo
graúdo saem levemente fora do alinhamento
das colunas, reforçadas por blocos cromáticos
de inspiração arquitetônica, para aumentar a
sensação de espaço e movimento. Parágrafos
mais importantes são separados do texto
corrido, e podem ocupar a largura de duas ou
três colunas. Em alguns casos, as fotos recebem
o mesmo privilégio, ao passo que o texto adota
a articulação mais rigorosa das colunas.

Na seção que apresenta a campanha de


capitalização da empresa-cliente, as colunas são
usadas com maior rigor. Duas guias horizontais
fortes criam espaço para que os conceitos
importantes dominem cada página: um título
descrevendo tipos específicos de subvenções, e
a linha de topo do corpo de texto onde se alinha
o valor dos recursos almejados. Essas guias
horizontais dão continuidade visual à seção, mas
o
0'1

também orientam o leitor para a informação


mais importante da página.
capital gifts and grants

o
exemplos correlatos

03 06 07 09

10 13 16 17

19 22 24 25

27 29 30 33

35

02 05 06 07

09 10 12 18

19 21 26 28

31 33 35 36

A premissa desta interface digital pioneira, Há vários tipos de informação: uma seleção
produzida para uma conferência de mídia de novos artigos separados por assuntos; um
e design, é conferir tridimensionalidade conjunto complexo de dados financeiros,
à informação de texto para torná la mais um mapa geográfico dos Estados Unidos, UI'"
acessível, e também para facilitar a relação mapa virtual dos usuários em rede 'la inte're
com outros componentes usando um modelo
espacial. A ídéla era que o texto se comportasse
de acordo com um grid tipográfico padrão,
mas tridimensional, de modo que vários eixos
poderiam operar Juntos na organização do texto.
Itertf' de'lgr
TED Conferences LLC MIT Media Lab
Conferências sobre Visible Language Workshop
deslgn, tecnologia Muriel Cooper
e entretenimento David Small
Lc,s Angele;, Califórnia, EUA Cambndge, Massachusetts, EuA

õ
cc

Õ
\O

ao presentddos numa espécie de o usuário pode escolher a informação contida A legibilidade da informação muda conforme é
for ece escala e localização, mas os no banco de dados em torno dos eixos do grid, orientada para o usuário. Enquanto ele navega
d spostos el'l' grids modulares que dependendo do caminho que quiser seguir: cada pelo grid, um texto que está ao longo de um
o JSl.árlO percorrer intuitivamente eixo mostra um conjunto de fatos, classificados outro eixo pode ser girado para a posição
lUO de um assunto ao outro, ou por critérios específicos. As relações entre adequada à leitura; textos mais afastados
um rtigo no espaço para encontrar multi pios conjuntos de fatos ficam visíveis e mudam de cor e se tornam mais legíveís a
t'os artigos reldcionados. imediatamente acessíveis graças ao movimento medida que se aproximam.
do design; o usuário pode ver as informaçóes
correlatas por meio das linhas e ângulos do grid.
Interlúdio histórico
As sementes da desconstrucão }

Até o final do século xx, a indústria do design, ao se


promover ou ao descrever sua evolução histórica, costumava
ressalta a influência do racionalismo, e com boas razões:
a ênfase sobre os aspectos racionais e pragmáticos do
design ajuda os clientes a entender e confiar nos recursos
da profissão. Mas em todo campo de atividade artística Assim como o uso de grids na prática moderna
do design derivou do desenvolvimento da
existem diferentes escolas de pensamento, algumas tecnologia, do pensamento estético e
da industrialização, o uso de métodos
contraditórias, e o design gráfico não é exceção. alternativos, intuitivos de composição­
dominantes na prática atual- surgiu destas
mesmas influências. Com as maravilhas da
produção mecanizada veio uma alta eficiêndi
na crueldade e na destruição. A segunda
do século XIX e a primeira metade do século
foram assoladas pela guerra numa escala sem
precedentes, com inovações como meltrallladcll
tanques, minas e granadas. Essa loucura, ao
das publicações de Sigmund Freud sobre a
humana, alimentou a pesquisa do absu rdo
primai na arte e no design oJá nos anos 1880,
sur.g ia uma tendência de construir imagens
primitivas em reação à devastação das
as sensuais imagens vegetais do art
mostravam uma busca do individual, do
e do singular no design ; as obras ",,,,~((i'r.K dI
expression ismo abordavam o sofrimento da
condição humana; o dadaísmo e o
exploravam o subconsciente, os estados
e os absurdos da linguagem.
Utopia
IPágina de publicação
lohannes Itten
©2003 ArtlSts Rights Society ('RS),
Nova Yorkl Prolitteris, Zurique

Uma nova realidade visual Esses últimos


movimentos surgiram em reação à Primeira
Guerra. Os dadaístas tomaram a nova linguagem
da abstração visual e a aplicaram à linguagem
lerbal para exprimir seu horror pela guerra.

Em1914, o poeta Hugo Ball inaugurou o Cabaret Schwitters é um dos vários designers do século
Voltaire em Zurique'como ponto de encontro xx que ajudaram a assimilar e institucionalizar
A L L I! • í!.e&enbíoecwoe.uT.tIOI
de poetas, escritores, músicos e artistas com a abordagens não- racionais no design,
···(;R·~·······" ·~"
mesma postura. Entre eles estavam Tristan Tzara, principalmente na t ipografia, ao lado das
que preparou os manifestos e editou a revista
Dada, o pintor e escultor Jean Arp e, mais tarde,
P''''''''_.
_-YURM ~ la
.~ abordagens desenvolvidas pelos estruturalistas
racionais.
Mareei Duchamp, pintor que começou como
cubista, mas se sentia mais fascinado
~ A íntima associação entre as abordagens
pelo simbolismo e pelos jogos lingüísticos. racionais e irracionais também era evidente
00 R::laM:N SINI) o E
Alinguagem e a experimentação se uniram F A. SSE 0Ea 8E1VECiUNO
UNO EWEOlINCENDAS
na Bauhaus de Weimar, antes da guinada
ESEN a:a FOIt).t
nos poemas explosivos e nos cartazes decisiva para o racional ismo em seus cursos.
nonsense do dadaísmo, em que as palavras Johannes Itten, membro do grupo de pintores
nào correspondiam a nenhum sígnificado de O Cavaleiro Azul ao lado de Vassili Kandinski,
explícito. No dadaísmo, as letras e palavras são teve um papel fundamental montando o curso
magens de estados psicológicos ou emocionais, básico que, entre outras coisas, ressaltava a
esua força deriva dos agressivos arranjos pesquisa da criação de símbolos abstratos a
I'suais expressando tais estados, e não como partir da subjetividade. As experiências de
portadores de um sentido literal. O uso dadaísta Itten na tipografia, antes de ser substituído
dotipo como imagem se parecia com o de Essa poetização da expressão visual- por Moholy-Nagy em 1923, haviam começado
outros movimentos, como o futurismo, em que caracterizada pelo jogo formal das palavras e a incorporar a composição pictórica, não-linear,
otratamento visual da informação também era pela representação do tema ou da experiência e o uso de elementos tipográficos: ele usava as
usado como veículo pictórico para as associações concreta através de signos desconexos - se barras de entrelinha, geralmente reservadas
do observador. Filippo Marinetti, o fundador do tornou uma tendência no design gráfico que iria para o espaçamento, como elemento decorativo
futurismo, usava padrões repetidos de letras e se contrapor ao desenvolvimento constante do • para reforçar visualmente a ênfase no tipo. Em
uma escala de distribuição dinãmica para passar racionalismo. Utopia, publicação de 1921, suas composições
idéia ssobre o som, o movimento e a força unem uma poesia simbolista concreta de
volenta das máquinas. Ordem e desordem unidas Outra nova expressão singular a páginas intuitivamente
analogia visual era a colagem, criada a partir da estruturadas.
Os poetas cubistas e simbolistas na França reconfiguração da forma iniciada pelo cubismo,
também exploraram a representação sintática justapondo imagens fortuitas em relações Na mesma época, na Holanda, designers como
da escrita através da tipografia, usando seus dinãmicas em que o acaso podia contribuir Piet Zwart tinham uma outra perspectiva para
atributos orais ou escritos. Stéphane Mallarmé para a percepção do sentido. Em Berlim, os abordar a nova abstração. O design holandês
eGuillaume Apollinaire criaram imagens de dadaístas Hannah Hbch e Raoul Hausmann já possuía uma história de inovações e um
palavra s em poemas e ensaios cuja estrutura estavam entre os primeiros artistas conhecidos interessante uso da forma simbólica e abstrata
de página era definida pela imagem. O famoso a empregar a colagem. O designe r e artista desde o final do século XIX, com designers
poema concreto de Apollinaire "11 Pleut" Kurt Schwitters, que t rabalhava em Hannover, simbolistas e do jugendstijl como Jan Toorop
Chove"] é organizado em linhas verticais que se destaca particu larmente por ter ajudado a e Johan Thorn-Prikker. No uso da montagem
mbra m a chuva. Apollinaire e outros poetas criar tanto sistemas baseados em grid quanto e da tipografia expressionista, Zwart uniu
como ele foram influenciados pela semiótica , sistemas irracionais no designo A obra dadaísta a abordagem simbolista, a pureza da cor
estudo dos signos, a partir dos textos do de Schwitters era sustentada por seu trabalho primária do De Stijl e a composição dinâmica
americano Charles Peirce e do francês Ferdinand como publicit ário para grandes clientes. Suas do dadaísmo e futurismo. Seu trabalho
de Sa ussure. colagens de refugos e recortes impressos para clientes como a NKF, empresa de cabos
se alternavam com cartazes profissionais industriais, caminhava entre o estrutural
e diagramação de revistas, inclusive a sua e o intuitivo, recorrendo aos dois sistemas
própria, Merz, que publicava artigos e ensaios conceituais conforme as exigências de co nteúdo
visuais baseados em seus poemas nonsense. para o catálogo.
Schwitters colaborou várias vezes com Theo van
Doesburg e EI Lissitski, somando seus interesses
construtivistas aos dadaístas.
ZÜIcher Maler Dada
IPintores de Zurique IEst udo tipográfico
Cartaz A partir de estudos
Emil Ruder similares realizados
De Typography, edItada por

por Emil Ruder


Nlggll Verlag, Zurique, 1960

A Segunda Guerra Mundial espalhou e isolou


inúmeros designers. Na Suíça, a abordagem
simbólica e pictórica de Ernst Keller tinha se
somado à precisão matemática e arquitetônica
de defensores do grid em Zurique, como Josef
Müller-Brockmann e Carlo Viva reli i. Armin
Hoffmann, ex-aluno de Keller, buscava uma que ele estava investigando idéias lançadas
composição visual elementar em sua obra e por designers dadaístas e futuristas dos anos
como diretor da escola de design de Basiléia, 1920, como Marinetti e Schwitters. Assim, seu
onde contratou Emil Ruder para dar aula de trabalho pode ser definido como um elo de
tipografia. O trabalho e o método de ensino de ligação na codificação dessas experiências
Ruder se baseavam numa tipografia derivada · sintáticas e semióticas dentro do quadro do
de uma perspectiva estrutural, mas ele também Estilo Internacional que vinha se desenvolvendo:
procurava integrá-Ia claramente com as ou seja, ele ajudou ativamente a lançar as
imagens, ressaltando seu potencial pictórico. sementes da desconstrução do grid na estética
Ao contrário de Müller-Brockmann, Ruder racional do design gráfico estruturalista. Como
misturava livremente as mudanças de corpo, professor, suas experiências e interações com os
tamanho e inclinação, mesmo numa única ' alunos teriam profunda influência.
linha, para obter uma representação semiótica
da linguagem . Em Tipografia, seu livro de 1960, Contra o establishment Nos meados dos anos
Ruder dedica várias páginas à discussão de 1960, o Estilo Internacional vinha se firmando
grids, mas nada que se compare ao espaço que como metodologia do design na Europa e EUA.

carigiet
maler dedica à apresentação do tipo como imagem,
com qualidades visuais intrínsecas que não
Alunos das escolas de Zurique e de Basiléia -e
também da Escola Superior da Forma em Ulm,
früh podem ser ignoradas. O paradoxo em sua obra Alemanha (co-fundada por Max Bill) - estavam
graeser
herbst é que o exame rigoroso das qualidades visuais e divulgando sua estética redutiva e minimalis!a.
j'acob
euppi semânticas do tipo o levou não só a antecipar o Para as empresas, esses aspectos de unificacão
lobeck
lohse surgimento de trabalhos desconstrutivos entre e otimização dos custos por meio dos sistemas
moser kunsthalle basel
varlin 15.5.bis 24.6. seus alunos, como a criar pessoalmente uma de identidade baseados no grid defendidos por
obra de desconstrução. Em suas experiências ~ esses alunos, eram benéficos. Mas, conforme
com a família de tipos Univers, por exemplo, a comunidade de design mais jovem - como
ele comunica visualmente noções sobre o todos os outros - continuava a se recupe rar
estado físico ou emocional em composições da Segunda Guerra, ela foi se tornando mais
como Jazz, dividindo e cruzando colunas na crítica em relação aos modos de pensar
diagonal com as palavras alinhadas pelo canto. mais atenta às motivações empresariais e
Outras experiências, em que Ruder expressa governamentais, mais interessada em se opor
o significado das palavras alterando suas aos impulsos classistas que haviam reprimido
construções visuais ou as quebrando, mostram bruta Iizado gru pos específicos dura nte a
Nos EUA, o movimento dos direitos civis
os op.rimidos; as revoluções em Cuba e na
mostravam preocupações semelhantes. Em
à eficiência metódica do Estilo Internacional
a busca de expressão baseada na narrat iva e
experiência pessoal foi catalisada pelo i
visceral do rock'n'roll, da revolução sexu al e
da cultura pop. O movimento ps icodélico, a
Ausstellung Was ich morgen...
ICartaz IEstudo tipográfico
Wolfgang Wemgart Wolfgang Weingart
Cortesia de Cortesia de
Wolfgang Welngart Wolfgang Weingart

televisão e uma redescoberta da art nouveau


geraram linguagens e contracorrentes de w e •
design que não se encaixavam nas correntes

e~
principais: os cartazes de rock psicodélico de
Ich morg
Victor Moscoso e Haight-Ashbury na costa Oeste
americana; Milton Glaser, Seymour Chwast e o em llebsten mechen

excêntrico estilo i~ustrativo do PushPin Studio; w ü r d e


a publicidade conceitual da big idea de Bob
' ~::~-::I
Gill, Bill Bernbach e Henry Wolf. Estas e outras
abordagens floresceram nos anos 1960 e 1970
===
apesar do Estilo Internacional; elas trabalhavam
em torno do modernismo, refletindo impulsos
do exterior e influenciando silenciosamente
mudanças drásticas em seu interior.

EmBasiléia, os alunos de Emil Ruder estavam


estudando princípios tipográficos fundamentais
quando um jovem aprendiz de tipógrafo
de Stuttgart entrou na escola. Wolfgang

\
Weingart trabalhava numa gráfica alemã
tradicional, mas teve contato com a obra de
Hofmann, Müller-Brockmann e Ruder através ..
'"
de um aprendiz mais velho; fascinado com a
originalidade dessa abordagem visual na Suíça,
ele foi para Basiléia em 1964 para aprender
design oSuas experiências na oficina tipográfica, "
onde incorporou a impressão acidental dos o
materiais - como as barras de chumbo usadas
para separar as linhas e a parte inferior dos
blocos de tipos -, lhe franquearam a entrada
na escola. Mas a exploração metódica de Ruder
das nuances tipográficas intimidava e entediava
Weingart, que se sentia mais à vontade fazendo
imagens com elementos da caixa de tipos.
Tendo absorvido uma boa parte da concepção
suíça durante seu aprendizado, Weingart
começou sua própria exploração sistemática da
forma tipográfica, mas com uma diferença: ela
ultrapassava a idéia da composição visualmente
semântica - que baseia sua forma visual na
estrutura verbal das palavras representadas-,
indo além da apresentação funcional procurada
por Ruder, e buscando uma abordagem pessoal,
singular, com textura expressiva, próxima da
pintura. Para Weingart, as infra-estruturas
e qualidades formais absolutas do material
ISei-Are Summer Programs IContemporary Improvised ITulipst oolong IHanging at Carmine
Cartaz Music Festival Cartaz Street: Beaeh Culture
April Greiman Cartaz AI/en Hori Página dupla de revista
AI/en Hori / Studio Dumbar David Carson
Co rtesia de Aprd Grelman Co rtesia de Al len Hori
Co rtes ia de All en Hori Cortesia de Oavid Carson

A segunda revolução industrial Enqua nto o O t ra bal ho de Ap ri l Greim an incorporou o


design dominante tentava ent ende r a conversa recu rso de ed ição de ima gens do computador
intelectualizada que acontecia em Cra nbrook, a se u processo de hi bridização entre a mídia,
apareceu o computador. O lançamento do a tipografi a e o espaço perceptivo. Os rumos
computador com interface gráfica da Apple, do des ign em Cranbrook f oram catalisados por
em 1984, foi uma revolução na prát ica do esses novos recursos; textura, imagem e tipo
design, numa escala semelhant e à da Revolu ção agora podiam ser trabal hados em combina ções
Industrial da segunda metade do séc ul o XV III. OS exót icas que t ranspunha m sua s desconstruções,
designers logo adotaram a nova t ecnol ogia para j á bastante provocati vas, para o espaço
o manejo limpo e rápido da imagem e do t exto. tridim ensional.

O des ign ho landês, que hi storicamente


forneceu um campo de teste s para inovações pela adoção do ofício de design por pessoas sem
visuais no mundo comercial, adotou essas formação na área .
evoluções t eóricas e t ecnológicas, e acolheu
uma sucessão de estagiários e profiss ionais David Carson simboliza bem esta mudança.
f ormados em escolas ameri canas. Allen Hori Surfista e sociólogo, Carson chegou ao design
e Ro bert Nakata, de Cranbrook, por exemplo, trabalhando na 8each Culture, uma revista de
foram t ra balhar no Studio Dumbar,já famoso surfe da Califórnia . Seus leiautes espontâneos
por seu uso conceitu al da fotografia e de uma se baseavam num senso intuitivo de
tipografia espacial surreali sta pa ra grandes distribuição mais interessado na interpretação
empresas holandesa s. da experiência do conteúdo do que em sua
organização racional ou imparcial.
De um lugar inesperado A mudança da
habilidade manual tradicional pa ra o design Usando os vastos recursos tipográficos do
e a produção digitais expandiu a edição e a computador, Carson põde explorar arranjos
composição de alto nível a um enorme público; e efeitos que antes seriam impossíveis:
assim, a adoção de modos de expressão sobreposição de linhas e letras espelhadas
populares foi inversamente complementada ou de ponta cabeça , texturas densas de tipos
RaY9 un Typography Now Eight Days in Venice
I
Páginas duplas de revist a I
Páginas de livro IFolhetos
David Carson Why Not Associates Why Not Associates
Cortesia de David Carson Editado por BoothClibborn Edltions. '99' Trabalho de estudante
Cortesia de Andy Bell desenvolvido no
Royal College of Art. '987

Esse tipo de sistema para gerar coerência visual


através de relações intuitivas e espontãneas
se popularizou com o trabalho dos editores
tipográficos americanos da Emigre, designers
ingleses como Siobahn Keaney e Jonathan
Barnbrook, e empresas como a Why Not
Associates. Projeto após projeto, esses designers
violavam idéias convencionais de estrutura, em
favor de uma organização que refletia noções de
tempo, cinema e interatividade digital.

I
Quando os designers assimilaram os recursos
visuais do computador e sua presença constante
na vida cotidiana - além das inovações de
Weingart, Cranbrook e Carson -, a idéia de uma
e imagens, coluna s de texto sem contornos apresentação experimental ganhou importância
paralelos - ou, aliás, sem mesmo linhas retas. como método viável, e centrado no usuário,
Enquanto as experiências de Cranbrook ainda se de organizar a informação. A mídia interativa
referiam à idéia de estrutura, a obra de Carson ajudou a mudar as pessoas, na maneira como
nem tomava conhecimento dela . Em seu projeto elas acessam e processam a informação
para a revista cultural Raygun, publicada entre com a qual tomam contato. As abordagens
1991 e 1996, não há nenhuma estrutura geral, organizacionais intuitivas e individualizadas
e mesmo assim percebe-se a relação entre passaram a estar em pé de igualdade com
todos os números; a ferocidade dos leiautes , abordagens racionais baseadas em estrutu ras
e a constante destruição da conformidade a de grid. O instrumental do designe r agora inclui
cada página definem visualmente um sistema vário s métodos de transmitir idéias, e ele pode
identificável e inteligível, apesar da ausência de escolher a ferramenta mais adequada para um
uma estrutura editorial coerente. determinado projeto.
I

Explorando outras opções


Um guia para a desconstrução e
abordagens não-estruturais

A estrutura de grid na tipografia e no design se tornou par


do seu status quo, mas, como mostra a história recente,
existem várias outras maneiras de organizar a informaçã
as imagens. A decisão de usar um grid sempre depende da
natureza do conteúdo num determi ~ do projeto.

Às vezes, o conteúdo tem uma estrutura interna própria qu


nem sempre o grid consegue esclarecer; às vezes, o conteú
deve ignorar totalmente a estrutura para criar tipos espec
de reações emotivas no público alvo; às ve'zes, o designer
simplesmente quer um envolvimento intelectual mais
complexo do público, como parte de seu contato com o obj
CaIson/Venezia
Cartaz
David Carson

Acapacidad e do público de apreender e digerir


informações também se sofisticou ao longo do
tempo; o bombardeio constante de informações,
vindo de fontes como a televisão, o cinema e
amídia digital interativa, criou um certo tipo
de expectativa quanto ao comportamento
da informação. Basta olhar os documentários
eos noticiários da TV, onde vários tipos de
apresentação - oral, por vídeo, ícones e imagens
paradas, tipografia móvel - se sucedem ou se
sobrepõem em rápida edição, para entender que
as pessoas se acostumaram a ter experiências

GA
mais complexas com o designo Tentando criar
uma impressão significativa capaz de concorrer
com esse meio visual e se diferenciar dentro
dele, os designers seguem vários caminhos
novos para organizar a experiência visual.

~
IV
O

A vigorosa composição deste "


cartaz tipográfico desafia
a abordagem racional do o
design baseado em grid.
15 settembre-4 ottobre 1996
Uma estrutura solta é dada
pelas divisões lineares
19 .00 chiuso il marted l
horizontais, criadas por tipos
secundários como a data,
mas, além disso, o leiaute é
totalmente intuitivo.
Sua força, entretanto,
reside nessa disposição
e tratamento dinãmico e
instintivo das formas.
Atextura bruta das letras
e do fundo e a sobreposição
de formas, que se referem
à informação legivel, criam
uma experiência cinética que
remete tanto à linguagem
cinematográfica quanto a
cartazes de rua rasgados.
Deformações do grid Dualidade do grid
Desenhos estruturais Folhetos
Kri5tie William5 JennyChan

Um grid modular simples, Os resultados desse tipo de


sem espaços entre os "desconstrução estrutural"
módulos, é o ponto de são visiveis neste conjunto
partida para a desconstrução. de folhetos que analisa
Grupos de guias horizontais a natureza do grid. Uma
e linhas de coluna estão estrutura clássica de ...

-----_ __ __
-- .... .. - ... ..........-.... ----"-'
-1.'111[ 'R!Q ... _ _ _ ..._ _ ... _ .. _ .... _
..---­
------_ .. _-----,--­
distorcidos para explorar as manuscrito romano em
... ----_ _--_
possibilidades de um espaço
tridimensional ilusório.
duas colunas cede lugar a
um espaço tridimensional
onde as colunas se cruzam,
_._.--_
--------_
--
.. ... _ _--_____
........._--_ ...
___.. _------­
...
.. ..-.....
..... .-- ..
_"-.---­
.... _-_.

.
... .-_ ...

se sobrepõem e giram
umas para as outras.

Desconstrução do grid

Como diz o próprio termo, o objetivo da Uma estrutura pode ser alterada de inúmeras as colunas de texto, ou outros elementos,
desconstrução é deformar um espaço maneiras. Primeiro, o designer pode experimentar ' como peças flutuantes. Uma estrutura de
racionalmente estruturado, forçando os "cortar" e mover grandes zonas, na horizontal ou grid convencional, repetida em orientações
elementos desse espaço a formar novas relações: na vertical. É importante ver o que acontece diversas, permite a exploração de um espaço
em termos mais simples, é começar com um quando a informação que normalmente arquitetônico mais dinâmico, ao criar diferentes
grid e alterá-lo para ver o que acontece. Dito apareceria num lugar esperado - marcando uma eixos de alinhamento. Por exemplo, grids de
isso, provavelmente está claro que não existe junção estrutural no grid - é deslocada para duas e três colunas, de escalas diferentes e
nenhum conjunto real de regras a serem outro lugar, talvez alinhada com algum outro em ângulos contrários, irâo criar novas zonas
aplicadas ao processo de desconstruir. Mas, se tipo de informação, criando uma nova conexão espaciais que se entrelaçam. Da mesma maneira,
o objetivo é encontrar novas relações espaciais verbal que não existia antes. A informação grids sobrepostos com módulos de diferentes
ou visuais quebrando uma estrutura, é bom deslocada também pode esticar-se para trás ou proporções, ou que correm em direções diversas,
pelo menos começar a pensar no processo de para cima de outra informação, caso haja podem introduzir uma espécie de ordem na
maneira sistemática. A primeira idéia que pode também uma mudança de tamanho ou ambigüidade espacial e direcional criada pelas
surgir, como modo de encarar esse processo, densidade. A confusão ótica gerada pode ser camadas, sobretudo se alguns elementos
é pensar em subdividir um grid convencional percebida como uma espécie de espaço surreal estiverem orientados por duas camadas ao
- mesmo um extremamente simples. onde primeiro e segundo planos trocam de lugar. mesmo tempo. Esse tipo de desconstrução
arq uitetôn ica ressa Ita as qua Iidades visua is de
Mover ou quebrar módulos ou colunas do grid, múltiplas estruturas em interação; mudanças de
de forma que eles comecem a se sobrepor, escala ou densidade nessas estruturas ajudam
mesmo quando trazem informações seqüenciais a distinguir tipos específicos de informação,
(como um texto corrido), pode criar a percepção além de criar um espaço interativo, mas ainda
de camadas dentro do espaço com positivo. As geométrico e inteligível.
texturas de diferentes colunas, interagindo ao
serem somadas, podem criar uma sensação de
transparência em que o observador percebe
Forms, Function, Type
Cartaz
Praxis (Simon Johnston)

. ­
==-~"::"====---=--

-------

.,.....
w

o grid que sustenta a C\

composição deste pequeno


cartaz é evidente, mas se u c
rigor foi sutilmente violado
de maneiras a princípio
não tão óbvias: a linha de
=:,.... - ­
base do título deslizou para
baixo das guias horizontais
vermelhas; a imagem do
fundo consiste em dois
planos tonais móveis que
põem o espaço em questão.
Além disso, a si mples
interrupção verba l do título
sugere outra espécie de
desconstrução ...
Taking Things Apart ... French Currents Frameworkin' It

Cartaz of the Letter Estudo tipográfico

5teffGei55bühler Páginas de revista Young Kim


Katherine McCoy

i'. fanlasllc
:'':::=~M _
:;.;:.--""'- ­

·r.II..IIa .. ___ ",


Informativa e conceitual,
a desconstrução verbal
do título deriva de nomes
químicos neste cartaz de
exposição desenhado para
uma empresa farmacêutica.
A desconstrução considera
os tipos visualmente e
comunica a esfera de
atividade da empresa.

=:=':--:=:.:.-:::.:::--..::...

....... _......_
~.i[-:::::.:..=:...~
---_ _....-.. __ .. ­
..
.

_ _.......­ ....__.. _­
... - .. _
..........
:r==--===::-:.::"'.::'"
.. _ ­
..
=:~ ==-~~~
A desconstrução lingüi5tICa
;;:-~-a=.::~_

~~,;~?~""i usada aqui para rep resenta


::?=-::.-=::.....":~-=
S.E?..::=:.::;::"".. .::::::­ visualmente o vocábulo
:~-.::: ..-:... .:::.=-'..­ journey [jornada] no poema
?::-:::.=:.-:.:.'-==-=

Desconstrucão ==::.::....-==--::=.­

!:':===:.:t..'"'::"..­
Cadência, fraseio e énfase
vocal são indicados por
lingüística ~ mudanças intuitivas de
escala e tratamento.

Podem-se usar indicações verbais ou conceituais


dentro do conteúdo para quebrar uma estrutura
de grid. O ritmo natural da linguagem oral, por
_-_..... __...____-_-. ..­.....
...
...... .. ..
..

exemplo, é muitas vezes usado como guia para a


mudança do peso, tamanho, cor ou alinhamento Neste exemplo. um
texto convencional é
dos tipos; palavras gritadas ou "fortes" podem gradualmente desconstruido
ficar em tipos maiores, em bold ou itálico, ao longo de muitas páginas.
de acordo com as tônicas na fala. Dar "voz" à O processo de quebrar a
forma da página começa
linguagem visual ajuda a alterar a estrutura com a introdução de espaço
de um texto, puxando palavras para fora do entre frases e. depois, entre
parágrafo ou forçando relações entre módulos palavras; a estrutura verbal
do ensaio ganha destaque e
ou colunas, onde a lógica natural da escrita cria
a clareza 'visual diminui.
uma ordem visual. Por exemplo, tratar todos os O texto se torna uma
adjetivos de uma maneira específica cria uma textura em que os espaços
estrutura secundária com qualidade rítmica e regulares entre as palavras
sugerem múltiplas direções
orgânica. Quebrar frases e palavras num texto de leitura.
corrido chama a atenção para partes individuais
de um discurso. Quando se aumenta o espaço
entre elas, o texto assume uma aparência .­
de matriz e a suposta ordem da leitura pode
começar a mudar. Geralmente isso interfere
no texto, mas em alguns casos a ambigüidade
resultante pode ser adequada ao conteúdo,
permitindo associações entre palavras ou
imagens capazes de reforçar seu sentido literal.
Carson: Die Neue Chinese Painting
Sarnrnlung Páginas de livro
SteftGeissbühler Cartaz SooYoon Kim
David Carson

Nestas três composições, os


designers se basearam em
seu senso de distribuição,
e5l:ala, movimento e
cor para orquestrar
Intuitivamente qualidades
visuais dentro dos
respectivos suportes.

-
-
-

Ç~mposição ..
otlca espontanea

longe de ser aleatório, este método com positivo A vivacidade característica deste método
pode ser definido como uma distribuição tem afinidade com a técnica da colagem; seu
intuitiva deliberada do conteúdo com base em senso de urgência e o caráter direto podem
seus aspectos formais: enxergar as relações e ser muito convidativos para os espectadores,
contrast es visuais intrínsecos dos elementos e proporc ionando uma experiência simples e
criar conexões para o observador baseadas em gratificante, que é bem acessível. O resultado é
tais relações. Às vezes, os designers usam este uma estrutura que depende das tensões óticas da
método como etapa no processo de construção composição e de suas conexões com a hierarquia
de um grid, mas seu uso como idéia organizativa das informações contidas no espaço.
em si é igualmente válido.

Essa abordagem começa rápida e solta: o


designer trabalha com o conteúdo como se
fosse um pintor, tomando decisões ágeis ao
reunir o material e ver pela primeira vez suas
relações. Quando as diferentes qualidades
óticas dos elementos começam a interagir, o
designer pode determinar quais as qualidades
que serão afetadas por aquelas decisões iniciais
efazer ajustes para realçá-Ias ou eliminá-Ias da
maneira mais adequada para a comunicação.
Drowning Kansas
Explorações Estudo de imagens
em tipografia vernaculares
Le Van Ho Jessica Berardi

..

Uma narrativa pessoal


de um episódio quase
fatal começa com uma
estrutura direta de coluna --~
que é desconstruida em
q
. ,.. .........,. .... ,...........,.
. ··· ·d

'cure

sucessivos estudos para It .. I'·~ .,~", ... ~ ". ~(l" r '


evocar o movimento das
águas da enchente e o
... ....... -";~vtl ..· ;'i":";r,; ié ,seconds ltift. ..

desespero da situação.

Alusão pictórica
ou conceitual

Outra maneira interessante de criar composições percorrer todo o formato, ou mudar a cada
é derivar uma idéia visual do conteúdo e impõ-Ia página, afetando outras imagens ou textos que'
sobre o formato da página como uma espécie aparecem mais adiante. Esse tipo de estrutura
de estrutura arbitrária. A estrutura pode ser cinética é amorfo - ele, literalmente, não tem
uma representação ilusória de um tema, como forma discernivel-, mas seus efeitos podem ser
ondas ou uma superfície de água, ou se basear reconhecidos e entendidos à medida que o
num conceito - como uma lembrança de observador percorre a sucessão dos quadros. Um
infância - num fato histórico ou num diagrama . exemplo simples dessa cinética visual como
Independente de qual seja a fonte da idéia estrutura é uma seqüência de páginas em que o
estrutural, o designer pode então usá-Ia para texto parece avançar espacialmente porque sua
organizar os elementos. Por exemplo, texto escala vai aumentando cada vez que se vira a
e imagens podem mergulhar sob a água ou página. Usar experiências sensoriais do tempo e
boiar como objetos levados por uma enchente. do espaço como princípios organizativos pode
Mesmo sem nenhum grid, as composições ser uma excelente ferramenta para despertar
seqüenciais têm uma espécie de unidade, graças uma reação emotiva visceral do observador.
à idéia central. As margens, os intervalos entre
imagens e texto e seu respectivo comprimento
na página podem variar constantemente, mas
essas variações têm traços identificáveis que Imagens e tipos comunicam
se relacionam com a idéia geral- podem ser uma referência cultural
chamadas de estruturas alusivas. específica neste estudo de
cartaz. Estilos tipográficos
populares e imagens
Em projetos de natureza seqüencial, como correlatas estão dispostos .r.l I.:.J
...u.,... a"••a ••
livros ou paredes numa exposição, os elementos de modo a sugerir outras o oJlleland
imagens: as mais evidentes
visuais se relacionam no tempo, como os
são uma bandeira e uma
quadros de um filme. As imagens podem paisagem.
ChancelChoice
Estudos de desconst rução
Thamas Ockerse

Um grid mestre orquestra a


dissecação de uma imagem
ao longo de várias páginas
de um livro. As decisões
sobre os locais dos cortes
são arbitrárias, e não levam
em conta a composição
dentro da própria imagem.
Além disso, há uma
fórmula predeterminada
para colocar os pedaços
dissecados na seqüência
das páginas, mas sem saber '-S .H­
previamente quais serão os
resultados (ver pp. 140-41). ~ Ih

~
\
'~
ttl ~
··fJ: F>o\
ii :L'i
R

G
Operação aleatória

ouso do acaso como princípio organizativo que a imprevisibilidade crie novas relações visuais
pode parecer antiintuitivo. Mas os res ultados a que não se chegaria com uma concepção
imprevisíveis m uitas vezes ajudam a estruturada do leiaute. O designer pode inclusive
comu nicação de um ponto de vista conceitual, usar um grid para direcionar tipos específicos de
ao conseguir justaposições de elementos que acaso, sabendo que a estrutura subjacente fará
passariam desapercebidos. com q ue os resultados casuais se comportem
de maneiras (esperada mente) desejáveis, que
Cond uzir uma operação aleatória supõe que iluminam o conteúdo e criam, ao final do
haja um certo grau de controle sobre o acaso, e processo, o mesmo tipo de composição visua l
gera lmente é o que acontece: o designe r pode inesperada. Por exemplo, o designer pode aplicar
Jogar t inta numa superfície, mas sabe que arbitrariamente uma matriz a uma imagem
surgirão certos padrões devido ao tamanho do grande, para determinar como recortá-Ia para
pincelou ao tipo de gesto; aumentar o corpo diversas páginas, mas o formato do recorte e os
de um tipo numa composição sem ajustar a detalhes resultantes podem fornecer uma textura
posiçã o inicial pode resultar numa composição interessante ou se conectar conceitualmente ao
orgân ica invulgar. Numa operação semelhante, texto. Às vezes, introduzir o acaso no processo
imagens cortadas podem ser fisicamente de design ajuda a ver o material com mais
espalhadas ou j ogadas de uma certa altura clareza, permitindo que o designe r o organize de
sobre uma superfície. A dispos ição aleatória mane iras menos previsíveis, e, no entanto, mais
resu lta nte pode ajudar a comunicar idéias de esclarecedoras .
movimento, de imprevisibilidade da natureza,
de absurdo, e assim por diante. Escolhendo o
tipo de operação aleatória, o designe r pode, até
certo ponto, dirigir os resultados a seu favor,
assegurando a adequação à forma e permitindo
Chance/Choice
Estudos de desconstrução
Thomos Ockerse

Um grid mestre orquestra a


dissecação de uma imagem
ao longo de várias páginas
de um livro. As decisões
sobre os locais dos cortes
são arbitrárias, e não levam
em conta a composição
dentro da própria imagem.
Além disso, há uma
fórmula predeterminada
para colocar os pedaços
dissecados na seqüência ri
das páginas, mas sem saber 1.5 JZ-
previamente quais serão os
resultados (ver pp. 140-41). t-t Ih

~
\
'~
tt., ~
..fJ: ~
ii 1.'(
13 R

ão aleatória

ouso do acaso como princípio organizativo que a imprevisibilidade crie novas relações visuais
a que não se chegaria com uma concepção c
pode parecer antiintuitivo. Mas os resultados
imprevisívei s muitas vezes ajudam a estruturada do le iaute. O designe r pode inclusive
comunicação de um ponto de vista conceitual , usar um grid para direcionar tipos específicos de
ao conseguir justaposições de elementos que acaso, sabendo que a estrutura subjacente fará
passariam desapercebidos. com que os resultados casuais se comportem
de maneiras (esperada mente) desejáveis, que
Conduzir uma operação aleatória supõe que iluminam o conteúdo e criam, ao final do
haja um certo grau de controle sobre o acaso, e processo, o mesmo tipo de composição visual
geralmente é o que acontece: o designe r pode inesperada. Por exemplo, o designe r pode ap licar
t inta numa superfície, mas sabe que arbitrariamente uma matriz a uma imagem
surgirão certos padrões devido ao tamanho do grande, para determinar como recortá-Ia para
pincel ou ao tipo de gesto; aumentar o corpo diversas páginas, mas o formato do recorte e os
de um tipo numa composição sem ajustar a detalhes resultantes podem fornecer uma textura
posição inicial pode resultar numa composição interessant e ou se conectar conceitualmente ao
orgânica invulgar. Numa ope ração semelhante, texto. Às vezes, introduzir o acaso no processo
magens cortadas podem ser fisicamente de design ajuda a ver o material com mais
espalhadas ou j ogadas de uma certa altura cla reza, permitindo que o designer o organize de
uma superfície. A disposição aleatória maneiras menos previsíveis, e, no entanto, mais
resulta nte pode ajudar a comunicar idéias de esclarecedoras.
movimento, de imprevisibilidade da natureza,
de absurdo, e assim por diante. Escolhendo o
tipo de operação aleatória, o designe r pode, até
ponto, dirigir os resultados a seu favor,
assegurando a adequação à forma e permitindo
Diagrama de notação dos exemplos

o diagrama abaixo mostra uma página o objetivo do cotejo é favorecer a análise.


dupla típica, usada nas seções de Às vezes, o paralelo entre os exemplos
exemplos. As notações trazem dados é claramente estrutural, às vezes, é
rápidos de referência e um sistema menos explícito; em alguns casos, é uma
simples para a comparação com outras comparação entre características opostas.
obras correlatas nas duas seções (ver
também Construindo o grid, Exemplos,
p. 32). baseadas em grids ou não.

_
Número do exemplo

Marcador da seção
I r"~""~'O
_ ._.. _
....... - .......
. ~ ~
.................. .,­

. ~ ~

Estrutura do exemplo
Diagrama estrutural .ttj
Exemplos correlatos
Lista de exemplos para
comparação, identificados
pela cor da seção
Desconstruções do grid e projetos sem grid

Desconstrução de
grid retangular

I _ _ ...._ . . - _ _ --"--'01 _

-­ ---... ,-
_. . .._--"----
_ .......... _ _ ..... __ ..... -.;. .. Ja-...,.

.. _. . . ...... ..... ............


-- -_ _--___­ ,­ _--_...oI
-""""­
_ . . 0."_'_--"_" __ _
" ~ ~...

::=:::::::.:':~::.:_~~ ..
.. -.,._- .. .............­ ............. .
00 _ ....... _ . _ .. _ · _

............
..... _-...,'..... .-_
~--_ . . _. ..__
............
_­.

...
-~

_.­ ---_-­ _...-..... ...-_....-............. .....

._ ..-..,._-.-."-'r lioo . _
_-""-- ~
-,-- ~~".:-...-....,.....":::.;::--::..:-=....:...
.........,... ....... _........ .........
- --_ -_ -._---_
.. ........ ..-.. .... ........ ...

_-
..,- -... .. ...............
- ,~~
_..............
.--.­ . .

_....,~
-~­
~

.......-"""""'--­
I
--- ... _........_-.--,
_------
.......... _ ... _ ...... .. _ _ ... _ _

__
oI~ ~

_--_.- _.

. _ - - -0...,..-. ...... _ _ .... _ _ ....... _1'<""'


__ 01 ... -..

... . "-_
-..... -- ... - -..... ..... ....
_01...·...........
....., . __ _ ...._ ..., ....
. -.....
... _ "_
c;... " __
. __
­ - __
, ,_
_...

........ -...........

_ ..

..-............... ........... "......


..J

­
_ _ rl ... _ . . ..._ _ .. _. _ _ _ _ . . . . - . . . . _ - -~
"" . .,.....,
-_. _--......... ........._-
_.~

._-. - ....... . .... ---------.,..­ .......


__ _.-__-....- .......

-~-,~
~

~ , ..

­ ------­.......

..... " oI........,

--... --_....--.-_ -....- .. __ .

_1_..:... _ _ - ......,.
.. ____ __
. ...... --.......---....-- ~ .......
... _ J _ _ _ .... ~_.....w

_--~
~ ...... ,-_ ..- ...............
_."""'--.. ~ ... .............. ............ - .--- ~ ..----
.......

....
exemplos correlatos

05 13 16 22

30 31
nevllle brody
" ' ~~ ._-_ .­
' i~ LI~'

01 15 21 23
--_-__.- ..._.. ._-__.. . . -.._--___.._

.....
_ _ oIo _ _
..... ......
~~_"_
a~­

..._ _ ......... -
.. _ ___ ......___ ... ___.. ,...........-1.-..........

.......- ..... .....


..... _ _ .. - - . ­
' III ' I!II~
.._ . . . . _a.. . . . . ___.
-
..Io"~

.._ ........ "._


~_ ...
...... _

. . . . . . . ...... __""'
_ ­
... - - - .. ­
'f'" . . . _~~ .. ,....... , .......
_._~

...... _

"_<OI•

.........
-_ ......--....-
••
_-...... ­ ........... ,. '...,..,_
_ _ n.. .........

_._..""__.........-.--
~ -......M_~ ..
--_.
-- ----_
_ J ... _ _ _

.... _-_..
_ ..."w.-. .................. _ ...
,..-- .....

._...........................
~ ~ ,a"",,,~

-----~ .... ...... ~


..-.-._-"_ ...........
_, ..

.._.....
.. ­

...
w _ _ ...... _ .........• .._ .. _
........
.. __.............._........ ­ --- -..... _---­

........ _'a...... _ _ .......
~

.....
*---"-""--­ ..... --__.--,
~ .... _ ............ -
_1.. _

.......... _ .. ~"-4

----_. ........ ...-_-.1.


__ ....
.

___..._..-.. _a.._._<II__....
. - - ........ _ " ' ............... <li

"'_<11'- • •• _ _ ...... _ .......

.... . __ _... ­
_- _ .....
-..............
.

~_

- ...__.._._.

.....
--__ .......-..._-_ .... _-~ ......... ,._"""_.,,,,,­
...

mnti

- . .. , ...... , .J ........ _ _ - - " ' ... _ ­

---_._ -...-.... ...


_--_ .. -........__ -­ .
-." _~--­

... -..........

... _-_
............
-, ..... ........... ... ...........

_ _ ... .-...-. ... _ ... ...................

_.--_ ... .__._4._. _.­,..


-.........
1"~

. . ... -...-r-­
,.... ...................

,.. _-.. .......... '-_ ...


.................
....
..
--,..--_ _-­
..._... _-_.-.;. _--..-
. ..... .......---_
-_ ... ..........-­
... ................. . . .
-.., ...... -.....

-...---"'-_ .............
.-.~-_
..... ..,..."
.......

Im

.. _ ,.. ---.1 ....... _ _ ....


...... ..,~I_ . . ,......................_._.., -­

~_~_

. ...
.. .. _ Ioo "...,~_ ........ ~ ... _ _

,_ _--_- .._._
... _ _ _ _ _ h .. ~_ ......... . . . . - ...

.. . ---_
-..... ..... _.............. --......... _--­
....... ""'I_w.... ..............
_~..."._· .. ···~, .. • • • •.. ·~ .... _"" ............. • ......... l'oMr

........._- ... _----_ ..................


-..__ ....... _-~_
_
_ .-..­

... ..... ................. __ .... ......

""..-~
...... Ioo .. _ _ ... .......... _ .. .... _ ......... _ _ _ ...

............... ........... __--,.. ..... --- .....

.........

._. .
......... -. . . . .
....... _. .
.... ..--..
. -.. . . . . . . . . . . . .. . _ "" ...

-..............-, -.
-.... _..----
......... ..... ~

._-
_
. _ -.... _-.......,.,..,""' ..................
......... _ ...........' l000i ....... _
'-
. . . ......,

_­ -- ---­........

I _~

...... ... ... _........................


"--
-...
.............. . . ..... ._ _- ......... ...
............... ,
...
_'"
-~
~---..
...-
...... _,...",
......... _.-.... .. _ .. -..." ... _ ............ ...w.... ...

-.., ...... .-,


--.~
--.... ........
........
............
--........ .. _
_.......-
,.... _........,. .... --..., ......... .

"'"""'-"..........,.~

...... ............... ................, ........

,-"""-. .............. --...- , ._~-.......

.........................
~

--"'-- ... ....- ...... "'-,... -... ....... -.,."" ...... ,.... .....
_~
­

­ ",.

............. _~ ......""" ............ ,.............. ­


Desconstrução de
grid retangular

__.. ___ ...


_.......... . . . ---­ ­ __­ -_._ _._ _.­
--~oI

_ _--_
-.-_ -_
_ ......._ _ . . . . . . . . . . . ,....."10 01 . . . .

..
-._-
--_-_
~-­ .....
....... ­
... ............. ............ --...... ..
-_.._..........7:::;=.:. .:::..;..
.. _........ _---,... - ­
w..-... .. _ _.. _

_-_ ----­_­
........
........ . . w_... . . . _._______ ...

__
~ .

...............
....- '."O, . . ,. ..,..--_,­ .... ,...
........ .._ _".,--..­ -. . . ........-.-.._---------......
...
-.....---
~

~·_~,·_~-·-:::...-
........ ....... .. -............ " .....
' .­
--_ ­
d

. . . ... ...,' .........


_-- - -.....-.

.... ........... -...­ """" ..... ... ((00II .. . ... _ _ .. _ _ _ . . .... ...
--'
................. .... . ...................

. _-.....--, _....-. ...... _ -­--­ -..~


. .. w . - .....
-,~-- ...... ................. ... ... . . ... - - . - . . " ­ ____ _ _ .......... ... ""

--_1#_
~ ~

'-'--.. ... ............. ..... . . ... ,... NIO .... _

.
... _ ... _ .. _ J _ ' - .".. _

...... ...
_ _ .. .... .. ....

_
....... - _....
...... _
_- - ................ '1... _ _' ... _ "

_J '-"-
_
_ ....... ____

.... _ _ .......... . . - .. c;..,., _ _ _ .... _

_.-..._.............. _-.--..

_ ..

. -..............
---.......--........-
0....,... . . . . _

--.
-~-...
_ 1001 _ -

....-_
.....
, .. _

...... ---
_ .........
_ _ . _ ....... _
_ - . . . .... _

..
...... - - .

... _
_ ....... _ ......_ _ .. _ ... ..... ...... -...0lI\0 _ _

.... -.._ . .. ---­ . __---_


.-_.,.........
....... _ _ - .

. . ,.,.... .

.... _- ......._------.­
-......-_-

-_..._-_
--...
~

_. _y_---. . _­........

....
--­...­ ............----........,-- . .......... . . . .......
,---.-..­
......... . ......... -~

..-....
, '-'
_ .. _

-.-_
...........

... __ ....
. _.
_ftootooo~

...
... _ .. _

...... ....
. ... _ _ _ -.......

-~
.................... ...........
...-...-­ _._­
..........
~
~­ -
~
~

exemplos correlatos

05 13 16 22

30 31
navllle brody " I ~~ .~ _ _ _ • •

01 15 21 23 ' I~ '-I~'
--_
.. .....1IMeO

----~
--_.... ­ ..........
......
... _------_
~

....
.....__
_
-.
. _
- ..... _.. _............
...............
.. _.
.....__.. ........ _""' . . ­ ..
........ ...-_~

...-.-
-...-
.........

_!' II~
' I"

...._ _-_
_
-- -­
-....-..-.
..... - ..... . __.
. _._. . ..-.-.. ­.....
... .--..-- .......... - .......---
...
..._~-.I

........ _--'...... , - . . , ....... ,,-~ ...

........... ....
­
_.. _---..,..... _ ­
... _............ -_._--...-.........
............... .....
,.... ... ......
..-...... _.-.. .._..
.... .
_­ ­
_---~ ~._ /
_ .. Iw~ ..... h ........ _ ... ~ ... ..,.. _ _ ,....""' ... .....

......... -'.. _-.u........­


, .....,-.-..... _ ,.,. ....... '-<4 _ _ _
_ ._0 , - ......
..
---'-"'~

_... .10­
liooI ....... _ ..... _ _ .. _

.. ­..........
---
~

_. _­
...,#_..._-­
...

........
...
____

__ __
.................
_--------­ ........
_-"' .........
...... .... ...
~

____..___.-....._u._.
---.,-..-"'-~-"
__~

""'.
~~
..... _401 ... _ _ _ _"Ir_

.................... _..
.
_u._._..__......
.....

"'"
_.... . __........_t.o.<_.I..'_.

_ 4_ ... _ , . ­ ...

_I<F_
'-....-.-_ .... -..,.
-_ . . . . -' . _. . ..---1--­
... _ _ ........... _ _ _ I .. _ _

..

..... _.
_...___.. ...__...... ­
.-_--,...
-.. __ ..

--_ ......­ ....


...
mntl
"'-~-_-.I

...... __
~.-I.- ....... -

.. __ ...._'........
_........ -_...................
...
~.
.....

...... ~ .............­
---~

-..--­..............
....... __ _-.....,,-._
....
~
.........

..-'"

_
I ........ -
........
__
~'" _""'~ ....
,

-........... .. _..._-­
_~",

- -- ,_- _
....-.... .... _ .... _ ...... r - • .

.. _........... ............. .................


_
~
_
~
,

_ --­
_., . ~ ......- ..... _ _ .... "'f"IIJ .... "", .. -.;. .. ­
11m

.......-....... _-............

,..
....... .. --.,.
~_

..
_ ..... -..1 __ . -

... .........., ..........


_--.. ....
"- .... .. ..................... -' -- -­

w.._._.. ______ .-.. . . . . . . . .-. ........

.... _.,.....- ................-..­ ...... --_


-........_..............................................
...----...--.....-_
-- ... ..
...
............ ­
...--........ ..._, . .... ..................... .....,

,.. ,..

_ ___
- .~ , .,. ~

~1_

........... -,."."'_ ....


..... _ _ ~Ioo

..- -...........

_ _ . _....... _ _ •

-..----- .. _- .... .., ....... ....................... ..

........ ...........
._ ........ _ .. ,_I00/000000 ...... _
~
...... ........

.. _---- _­
....M . . . . . _ ... ,.~ ......... ~ .... - . " " " ' - - _ ..

......._-........-........ ....-,.....................
_ ... _ .......... , . ...... ,-.-..~
.... _ _ ... _ ... . .. loo<I.
....... ................................. _....,.

_......... ,.. ....

~-"'

- , . ..... I ......... _~._ .. _ - - . . , . . .................. ...


"- ~

........... ...... -.....,-,- ...... .

______ ............ -'eooII_. _ _ _ _

......, ...........
.. ""' ... _ ... _ _ ................ I ... . .... w-

...
_ _ I '"

.......-.--.
..... ~
~-

......... --.. .... _.........., .....


~
­
....... 106 ... - . .

.....................
--
_- _-_..--

__.--.-w.... .__........... _--,.......

O-"_Ioo............,.~

........
..........._..........-...............
.........
................................. ,...
_
...................., .......

............. ....................
~._

. " ............................
..............." .....

­
............ _ _ . . . . .. ...., .................. ~ ........ Ioo(i

projeto cliente design


Radical Graphicsl Chronic1e Books McCoy 8< McCoy
Graphic RadicaIs Editora Katherine McCoy
livro São Francisco, Califórnia, EUA Buen a Vista, Colorado, EUA
Capa dura com cinta
translúcida Impressa
Dffset

A desconstrução de um grid retangular cria


um contexto silencioso, mas estranho, para
este livro sobre a obra de designers gráficos
transgressores. Margens amplas, tanto nas
bordas exteriores quanto no alto, deixam o
bloco de texto baixo na página. Os blocos
são espelhados em relação à medianiz. As
proporções, a principio, parecem ser o único
aspecto não-convencional da estrutura clássica,
mas detalhes estruturais da tipografia são
revel adores. As imagens, quando necessário,
invadem o bloco de texto principal, retirando
largas áreas da coluna . Essa mesma subtração
de áreas da coluna cria espaço para as legendas
que acompanham os trabalhos apresentado s.
Em alguns casos, as legendas praticamente
engolem o al inhamento do bloco de texto,
mando tensão e incerteza espacial.

~ .=
~""",."~''''.''_000C0I...bd",
""'~ - -
t<)W~,....,100ót1ll_"
.... '*'-' __ ......... hodlooppel..d
_...
....... Oft~Iiob_ ... kocr . . u"'.......... IIJ ........ ..,, .....

••, ......"..... . ......... ", .... ~ ............ perood .... """ . . -.... . ., ..... ..
n.. __ ..... _

....
-.orpbp.n""o~_ !.

....-.-t." ....... _ ........................ .............


.. ,...... ............. n..,_........" • .,-Of
.-....- ..
"
............. ~,_J

oI.......,~ ..................... ...


... ~
oood~
. . - ­ ........ - ' . Iut ...... _ _ ......, - ....... - o
........ _~ _ _ ..... porpoM".~O_ ...
... _,....-.J......
- - . ........ _ -t.. o"" -, ._'-<11 -­ Ll..J_-t­
....... ,,~ o ,.--'" ...,... ___ o!*' --''''''-'
..... _--'lt • ...-.cs. .... -...
'NIoiIII .............. caI.d ......... _Ne..t
w... ... o.c---. ....~. -'odiaI" _ ""_
.......­ ......... ,.........l"''''''--1 .... n.",,_ofanool--'ted:

_ ........... ......., ... _


_~_, CIIId ~_ ..
..... oftodoc.l~bGl .............. _,.,..,. . . . . . . ~ ........
. . . . "'---..,...,...,..b . . . -w.f/Ot"
_f9b,do-mt.'-I.-'_n..I ~ oI

•• ...,_-r .,'.~cI.oc'....,..._ ....odiceItaooclolh"' .._


..... n.. tadocak ,.......,"- .... ..........
~"OIpd . ,..
_....,....,~wô_

__
oI,.... oood~
. - d _ .... OI"'f ............ .....,oI~
,.."., .......... ~...-...,"- _ _ _ ICI ... s.-Kt-I hooeb......--'1...-1 ......
........ n.. s..w. ... ____ ~..,.~".s-...MIbod_'Wortd.,.. • .-..._01

negativas irregu lares - elipses e


-, sem qualquer imagem, recortam o
de texto, reforçadas às vezes por legendas
omesmo formato. Re lações confl itantes de
nto, onde uma coluna justificada se
com um bloco de legenda al inhado à
(ou, mais dissonante, com uma legenda
justificada e levemente deslocada
nha de base), são detalhes que dão uma
subversiva às composições.
02

strutura

Desconstrução
aleatória de
grid modular

§]§]§]
§]§]§]
§]§]§]
§]§]§]
exemplos correlatos

Ot; 1

21 26 31

03 06 07 09

10 13 16 17

19 21 27 29

30 35 38

A quebra do grid utilizado na organização do conteúdo deste cartaz gera o


leiaute que resultará no folheto. Quando o cartaz é recortado, as imagens
e informações dos dois lados da peça se justapõem numa nova estrutura .
Daí deriva um folheto - textura sangrada e título simbólico à esquerda,
legenda informativa encerrada dentro de um quadrado correspondente à
direita - que conserva uma estrutura claramente modular, mas as imagen s
do fundo sangram inesperadamente no novo formato.

o aspecto mais interessante deste projeto é a apresentação literal do


conceito. O conteúdo, uma série de palestras sobre o tema "Linguagens
de interpretação", se explicita não só na dupla leitura do material (cartaz
e folheto), mas também no potencial interpretativo das relações entre
imagens, nomes das palestras e palavras-chave simbólicas.
projeto cliente design
Languages of Getty Research Institute Praxis
lnterpretation Museus e centro Simon Johnston
Cartaz/folheto de pesquisa de arte Los Angeles, Califórnia, EUA
Oftset e história da arte
Los Angeles, Califórnia, EUA

languages of

C\

o
projeto cliente design
Niklaus Troxler. Willisau Rathaus Niklaus Troxler Design
Schweizer Plakate Espaço de exposição Niklaus Troxler
des Jahres 77-99 Willisau , Suíça Willisau. Suíça
Cartaz de exposição
Serigrafia em preto

Desconstruções
verbaisl conceituais

exemplos correlat os

04 08 10 15

17 20 25 29

30 32 33 34

06 19 23 27

30 34
cliente design
Willisau Rathaus Niklaus Troxler Design
Espaço de exposIção Niklaus Troxler
Willisau,Suiça Willisau, SU/ça

Estes dois cartazes fazem uma referência verbal,


ou semiótica, ao próprio objeto cartaz como
meio de desconstruir seu conteúdo.

o da esquerda desconstrói o formato dentro


de si mesmo: a diagramação forte e exagerada
do tipo preto sobre o fundo branco mostra a
repetição conceitual inerente ao projeto - um
cartaz sobre uma mostra de cartazes.

o designe r organiza a informação no topo e


na .borda superior esquerda de uma folha em
branco, semelhante ao formato do próprio
cartaz. Repetindo essa estrutura sobre si mesmo,
deslocando-a para baixo, cria-se a sensação
de várias camadas de cartazes,junto com um
impressionante jogo orgânico de elementos
tipográficos lineares em preto-e-branco. Essa


repetição do formato de cartaz sobre si mesmo,
por fim sangrando no cartaz real, eleva a
comunicação a um nível sofisticado, onde a

IS imagem se torna o significante e o significado,


um cartaz que contém cartazes.

...
w
V1

No cartaz falsamente simples para uma


exposição de cartazes com o tema o
"improvisação", o designe r usa dois níveis
espaciais - um para o título da mostra, em
vermelho, outro para a informação do evento,
em preto - como uma forma de aumentar o
controle numa diagramação cuidadosamente
aleatoria de caracteres.

Aqui não há linha de base, alinhamento ou o

margem: as letras flutuam livres, espalhadas pelo

'01
formato do cartaz. Mas há uma grande atenção
para a disposição cuidadosa das formas, de
modo que, apesar da sensação rítmica aleatória,
a legibilidade não é prejudicada, mesmo com a
sobreposição de caracteres vermelhos e pretos,
que têm um valor cromático próximo.
04

estrutura

Grid de coluna
desconstruído
por colagem

v vV
V
/,V
7'v
/'

,
'­ '­

-
exemplos correlatos

03 14

15 19 20 21
~
30 32 33 36

02 05 08 14

18 19 27 33

........ 0..... _

=:E=:= _ _..__..
___
a__ .-.1tftIMt

.. _..... ..........
::.==..:.....
..
~Ef:
__
-_...._­
~:_-::a..;::-
.. .."""'-..
_ ..._ _ N _ _

....
--_.­ __""'....
....
"--"""1'1
:-.==:.:.-....
~
-.----
==,.:=..­
---_.....­
:"'..:----
-__
==.
.-_.-..
. _-
................-....-. _.......- .....-._
_.. ---­
--"
..._- .......
10..... _ .......
---­
::"'-::.:=':'-
­--­
........­ --._-_..

~_ .
cliente design ilustração
AlGA Nova York Chermayeff & Geismar Steff Geissbultler
Nova York, Nr. EUA Associates Nova York, Nr. EUA
5teff Geissbuhler
Nova York, Nr. EUA

....,
v.J

de coluna de proporções modulares

aqUi, neste cartaz de eventos,


o
composição oticamente organizada
referentes à cena do design
o
York. As texturas de tinta, filme,

e retícu las gráficas lutam entre si,

as areas chapadas de cor e contra os

usoriamente tridimensionais. Sua

tambem é modulada por seus

sobre e através do conjunto

concêntricos invisíveis, os quais

uma série de formas tridimensionais

do cartaz. O grid de coluna é definido

nferior do cartaz pelos parágrafos

a programação; as medidas

dessas colunas definem os

nVlsíveis na área de imagem acima

tos, os dois métodos de organizar o

'ealçam e enfatizam um ao outro.

05
strutura

Grid de coluna
desconstruído
em camadas
......
----_ _.­___
-_-__-_._--_
_....."'__,,_
"" ..... _-­
- -_.­
___
_-­
..... ... ... ._­-
........__ ...................... __ ....
­
_ __.__-­­
_~_

1I _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
...
... .... ..... . ... ......
-_ _-"­_r._-_.........___._---
=.::-::::-=:?::~::::'::
..
. ____._­......­
. ______
:'=':::::"'-:---=:":"'-":-':':'
..- : ­

....._-­
I --_
I
_.---_
----'-"'---
-_ - ------­
___.__...... _._-­
..
..
. ­­
.. .
.....

exemplos correlatos

04 O 09 10

13 15 16 22

23 24 30 36

02 05 08 11

14 18 26 28

33 37
cliente design
."ow,rho,.se: UK Department of Why Not Associates
. (:atállogo de exposição Trade & Industry Londres, Inglaterra
Agência governamental
Londres, Inglaterra

, I

Este catá logo de uma exposição de arte, moda, arquitetura e desenho


industrial britânicos usa colunas sobrepostas como estrutura para o
arranjo de texto e imagem, criando uma cortina de planos móveis que
avançam e recuam conforme a cor e a densidade dos textos e figuras.
As imagens da exposição podem se expandir ou se contrair entre os
alinhamentos de coluna de cad a página dupla.

Fios verticais são usados para aumentar a tensão de certos alinhamentos


de texto, trazendo-os para o primeiro plano e diferenciando-os de outros,
que recuam no espaço. Com este método, textos díspares podem aparecer
em seqüência ou mesmo colidir, sem confundir o leitor.

A transparência e a sombra resultantes dos matizes sobrepostos e as


mudanças de densidade dos tipos aumentam a sensação de profundidade
e movimento. Não há dois intervalos iguais de alinhamento, de modo que
a estrutura da página está em movimento contínuo, como metáfora da
constante inovação na cena do design inglês.
06
estrutura

Grid modular
desconstruído
aleatoriamente

exemplos correlatos

02 19 21

26 31

03 06 07 27

35 38

Este livro de textos, imagens e espaços além de excertos de ensaios e fotos sobre o O grid força a desconstrução porque sua
tridimensionais aparentemente aleatórios é processo concreto do designo Os formatos estrutura foi criada antes de avaliar o mate
construído sobre um grid mestre que contribui quadrados reunidos formam o diagrama de submetido a ele: o material acaba fazendo o
para sua qualidade orgânica intuitiva. Este um livro sobre uma folha de impressão, e o que o grid quer porque é obrigado a se
projeto foi executado para uma mostra recorte da folha em cadernos reforça, e ao a seus critérios predeterminados. O resultad
chamada Universal/Unique. O foco da mostra mesmo tempo nega, as propriedades do grid. é uma colagem de texturas, sombras, luzes e
consistia na relação entre estrutura e liberdade O grid do "olho", por exemplo, mostra sua tipos que, a um exame mais próximo, revela
no design, e os expositores foram solicitados dissecação triangular, baseada no grid mestre, ordem oculta.
a apresentar trabalhos usando elementos que destrói a possibilidade de reconhecimento,
predeterminados: um grid, a palavra "word" e mas direciona a distribuição dos segmentos
a imagem de um olho. O designe r montou um de página em página. Quando as páginas são
grid modular dentro de um formato quadrado cortadas e dobradas, os excertos de texto, que
usando os eixos horizontal, vertical e isométrico de um lado da folha se referem ao conceito de
(45"), e depois sistematizou os modos de universalidade, ficam sempre justapostos ao
interaçâo entre o grid e cada elemento nuclear, conceito oposto.
cliente design fotografia
University of the Arts Thomas Ockerse Thomas Ockerse
Graphlc Design Department Providence, Rhode /s/and, EUA ProV/dence, Rhode /s/and, EUA
Instituição de ensino
Filadélfia, Pensi/vãnia, EUA

!! ~
~ Jt

~ ""il
:-"
rt k
.'
~
~
.1.,
Iõi.

(\)

~
o

o
07

estrutura

Desconstrução
cinematográfica/temporal
de grid de coluna
Tllh tI.uh pnJtcl. ·SUlppl", tt ... - 't"".. tltl tfle
.... lttlon lll'pbet....nll_nuperltllcIt.
uGC_III.,OftU... l" . ltrl"o"
11 .. 01 confrOfltlll'

rl'Il",1I4
n. ..... ......- .............. L ...

uPt" .... UI.'It I"9I . I '.UOllltt .. '.OUPh" t Htf'...

.'J : tOfo ' upt",'flt , 1U5,.."'It, UIt '.lt,hoplt,lIoOld lt .

",,,,,.. It .... -".... n. ~ fO. 1 li t ouet.,. Itrl .. Ir

:-~~..::-C
--......-. ................. ~ n.-
.':::
pl,eu tflU ""'" til. vi..", .r ,Udt' t i tll\nk . bcwt IIh or fi.,

----~
................

...,........___.......L.... .

_nhtIOflllltpt,tt •• . l lht"u .... tt" ' II4011rfu,

,- _.. - -t
• flosh.gtll o _ntdr IUII,h,ItI HttI .J'I . W'tr....... llI · ............. 01-.'-"'. ."'-- __ .....

I I I I I I I II I I .--
. . . _.................
. . . . . 1__

'''9' '1 i- ,II&PIJUst 100li0ii', - tO.l .fICI tlll.k IlIotIt H . 0l0I'

IIn1l 04t1.. I • • "IIM"".III"" 1,'lfl1tUIOl'l , 1Ie


.tt.-pt ti -Ilo, ll ... ~ \)1 tI~h., ,,'1IPI ti .•rIU", IlIn.

..
'o l1owl ",ICIlfll"lu .•,""u"r"Cl1lltl putl"ordtrtotl'.
"'l d 01 UIt! plu.,t of U .. . toupt"r, t.llldt'ttglltloll. 1

LL I I lho fn • • ,,,d thot.. t,r. , ser'" oI I hld" . 1 plteu. ptrU


o'""lcll"lot5 1'''ld topr•• 14tc ll ,Il. Ofcltr • • 1IO '01:101 (Ia,
u •• I\lU .....-.. to U . . •. ." ... OlOr 1\ 11: ot",r plru 1"4
... _..
PUUMT .... 'UlUII. üdo ww4

~~"" . .
~-
~,

.....
""'
_ai
.... Time stops sixty times In a mlnute.

lát ruo" '''l' UII,'I'ItI.Il4IIIIOC lltl • !In. l " , ' ...I U\) I ,
0II1hlOllIt.f tRllI9l wf1 lcllorllt IlIto oll .,.,.,tdtl. . . lICIl ll d
:::."::::.:::::---'f=:"
-.. . . . L.. . . . . . . _.
-W.. . . . , . . _ol..

IOlutr I1C1",ltlOIIf.Horu l. F,.. U! lIIOt"t o'.I .. . f


IO t u. ,lIeu .111 ~lln <an ~.lj-«; IrQ!. tlll polf\t
.f.t.. oful>trl ' IIU. U... , . \I1 .U-. l.pul thtr..d,r lol,
tM'oItI t rl"' llIdoftl.. . . lldt.... ',....lIttIOllO'_,.' .
exemplos correlatos olalM'fX*l to lhM _ . In lhe m1dIt 01. fir.1l\IDI ruiaI UId debriI.
tfm.b
_ Wnty dei ~ 10 1rndJAc. Wkh tbt c.be-up. lpICl apudI;.tm

01 05 09 10
..... ......,. .....................­
-..-... .............. _...-...aa
_ ~

13 15 16 23

24 28 30 36

02 05 08 11

14 18 25 26

28 33 37

)'OH ' " IIn .. t , IIIC' Ioh 1II''''7'1OCI foI,"'t 11000 MIl,. IM )h" Of' lIor , 1d IM
.~ ". A6 IM. " . lIu uld. ~V'"t".,. IfljO,....t ) . .......<1 •• 1Id "n"" serrOlf )'v,
d-U 11 11', "" UII' fr. . . d".. . • ~[u" fl1 h . 1_ 111 HlIlt . ­

Este livro documenta três filmes, projetados é o desdobramento temporal, como indica
simultaneamente num ambiente fechado, a numeração dos fotogramas de cada filme
que tratam da questão do tempo. Cada filme colocada em seqüência linear na página.
se refere a um aspecto: passado, presente
ou futuro. O formato horizontal, longo e
estreito do livro funciona como metáfora da
representação linear do tempo, lembrando uma
espécie de storyboard. O princípio organizador
prOjeto cliente design fotografia
Stoppíng Time: Vale School of Art Jennifer Bemstein Jennifer Bernstein
Past, Present, Future MFA Graphic Design Nova York, NY, EUA Nova Yod. NY, EUA
Catalogo de Instituição de ensino
!!lOstla de filmes New Haven, Connecticut. EUA

.,.. .............. - -............. -'-IoIt

I '. i . .......... ..,_....... -w..


MIW ........ "­ .......... - ' ­ _ - - . .

...~=.=.::r:~..::
'J ,I •
a. ........... _ ....... -.- ........

-=:::=-.. . . . . ,. . . . ,. .
............ Wedr .............. . .

i I!
Tjme h.. hythms. Thooos. rltyt~ml lhepe our U..s.

TI .. ",\.eh IIltfl 11.lh,


h t'l . . ., .., .~Ir . c_ .1"tflu.

Tlmeslop.

Time .lops24 times a .econd during a molion pielur• .


h.llcH _r, -.IIIt_tlc. 1h r'CO",5 1\I!lII.t.,1 l'ltH., ,1111. 1
. 114 .•_lI... tor ~rI . ft' '''" ,d. p'etlhpolu lU to flll I.....• ,,,.
d•• crIOu II.I~ •• I •• n wIIol' Uppoc. • ..,,,. li" ' _WH l. l'tfl
T~h 1111"'" "-"ocreG .. t. IIft. ~I. to f.,.. "fi< _ r t ' L
lI!; I;!

wl>.n ,.h••n I.He whisile blowl.

LI mwW"lld by QUI ph)'llal rtbdoa to 0Qf runoundlnl'- me nIO'an(


ttnIt

hopk wbo QII. - . lhe bUnd )orhn Hull sald. "rnwWf; dmc by IfIdnI
••. Tht bIirId,~. ao litDIf; ol tbt cliItaAa; ol pbyak:ll pla. becunt_1

Time dopo when IIghl hlis lhe emulslon o, DIK,lo,,,,il,hic fllm.

mostra. cada filme começa e termina com o desenvolvimento temporal, os eventos do


relação específica com os outros dois; no filme e os quadros numerados se destacam
o :exto do ensaio, bem como as seqüências como elementos informativos, mas também
as, começam com a mesma formam uma camada visual de fios pretos
VTl escalonado em relação ao outro, intercalados que dão ritmo e movimento à
ter'''lOS de duração e intervalo. As colunas seqüência ao longo das faces.
~eguem a numeração dos quadros e o
dos fatos Significativos no filme, que se
e se movem em sincronia.
projeto cliente deslgn
Objects in Space AlGA Los Angeles April Greiman
Cartaz de exposição Los Angeles, Califórnia, EUA Los Angeles, Califórnia, EUA
Offiet

Composição
ótica espontãnea
projeto cliente design
HanyMarks Broadcast Designers' April Greiman
Achievement Award Association Intemational Los Angeles, Califórnia, EUA
Cartaz de exposição Los Angeles, Califórnia, EUA
Offtet

Nestes dois cartazes, o designer explora o caráter experimental do espaço


ótico. Nenhum deles tem uma estrutura reconhecível, em termos de
alinhamento geométrico; além disso. a hierarquia da informação também
é questionada. O espaço é organizado de maneira pictórica e intuitiva,
equilibrando áreas de tensão e solidez, como linhas de letras com áreas
abertas e nebulosas de luz e co r. Cada elemento funciona em consonância
com os outros à sua volta, criando uma coerência geral dentro dos
cartazes como meios ou objetos. mas deixa ndo o observador livre para
explorar o material verbal. O tipo funciona como uma constelação no
espaço indefinido com o qual o observador pode interagir à vontade.

o
09

strutura

Desconstrução
arquitetônica de
grid de coluna

exemplos correlatos

05 1...... ~yol~, ....·.GrWuv


SrloNI.lF".-A.u.._­ *"' ..... ,.........u.....

wv"; • • r. . vI ..dnMMl,~.t.ik---.
1~_.<wric~dI.n-",_IIIri.

wdIaic.aI <tiIh Md ......... mr.. dv " - " - ... . - ­


10 15 16 23 iIkü ad dr;."d op tIoftr p"noa.aI ......... SI....... '-di!
f...-.,.,...IõDJI_,...•uia,ndl..... c~
~lOr«opw.stlw.ti-"U ... yMd~rkJ:írr_
w.J.y·• .......,..,m_IL

25 30 31 33 GraMte Studtnls In FiM NU ~t. in lhe disdplirIH


of~, pmtl'l'llking. sculptur. Md rni:...d l'N1Úin I Mtting wMn
1Ny_~"considwltle ..... impIjtationsofthe"'WOI'tt
.nd ~"lMCOMtMIdy.r:pancing~1ftd
36 ~ 01 riI.ts. Empftnis. plKad on ~ atudioWOtt.

02 05 08 11

14 18 26 28

33 37
--
cliente design fotografia
University of Paone Design Associates JimAbbott
Pennsylvania Graduate Gregory Paone Filadélfia, Pensilvânia, EUA
School of Fine Arts Filadélfia, Pensilvânia, EUA
Instituição de ensino
Filadélfia, Pensilvânia, EUA

illllilQ
lhe ......... ......- ................
....... ~ III .... .-...-sa.oIfII
FÕlMAnaÍl m.lUIw . . :zaCI1 .2C1:12~
.,..,.DI " nm • • .....,.IM.
n.. .....,--. .... ... IoIFA_""""""
imd4WiU: ' .MiliJiWit
~"'-dIt ... ~"..,

".....,......1iIKU9 ...... .
............ . .... ........ GftE_ ....... ,......., ..... ...w..­

....... ~ ~
Sc:to.I
tom..~"'S'O ........ Iw IN............
~III ........... ~'"
tlU5. ............ of~ ....
~JW . . I'IIM . . . . . . . ,..-..
OSf... -udeMtr .....
s.r-. .. ....-. .. _
~ Ar....:W
..... ....._.
• ....... .., .... MCIInIIIt . . . . . "'-iot
Iw ........... ~ ..... lftu.s..
....
~
., ....~~

. . ,..."'Iht.......
... -...-., ...
........ ---a---.2D

~.~,.,....,.. w ..'­ TM ~-..Mt ... ~. M12

............
~ -" sIMuW _
~ ,..
1I*'II ~ ".---. 1NdIiIIt
.... -.c..
..........
II F*-Y 1. 2OIl
SNdM.,~

., ~ ......... "",--..........
............. ..,,""

H~ Mowarr _ _ ...,.... .,... r-.., ....... ~fII ...


_ ....... wwII ....... o..r--.. FMAm.
,.,...._............
NfNr "'---'
-~­
1hII.,...........,.,......
........ w ........ 2Oal0,... .......
... ,........ ......... Oct.w26.al
""' ........... 11 21S"Uua ...
....
""' .................
- ........
1Mft .............. 1I,.., _ ~

....................
................ .". _
,......~

_
-...
1IdoliIt.
~fIIIY ... . . . . . . . . . 1ht
~ . . . 1I215 .... m"

ij!jJilfliij!Ji~nilíiljiii -I~ H!HW~


'i·l!;l~,ltJIIJ 1111IJ,5'1 1 ~':~"!1 ~!,àl··ll! !15
HFliHHHHH !I $
tfj h& !1' • } • t .'. I; t · ~
l '! j
,. à

1 "Pn-_-,".-_~ ..........._~ "

--­
0..0.--1""_ .... 1Iir.-sa-t
oIF"IM .... dindIr"..,ua

__
T....... ,al s .,.".,"
,..... , I1S'n.:w.
U" f · IrID""",U," II • .dll

..... .. - ....... ­
- "---"-"-­
o

=-=--:::.:=.:­

Múltiplas estruturas de grid convergem neste Todas as subestruturas são organizadas em


prospecto dobrado que divulga um curso de mútua relação, sob a influência coletiva do
artes plásticas. Aparecem casos de colunas enorme circulo focal que une as faces da frente
únicas, colunas triplas e estruturas modulares, e do verso e atrai o leitor de fora para dentro do
cada qual adequado à natureza do parágrafo formato. Cada elemento se contrapõe e equilibra
o
assim estruturado. A coluna horizontal longa cuidadosamente a tensão ou o impulso dos
e estreita, por exemplo, permite a inesperada elementos circundantes. Pontos de fuga
acomodação de uma listagem a princípio arquitetõnicos ligam a tipografia à paisagem
desajeitada, un ificando as quatro faces e implícita dos edifícios que abrigam os cursos.
formando uma linha de horizonte para a
imagem arquitetõnica no fundo.
cliente design fotografia
Prospecto de curso University of Paone Design Associates JimAbbott
Cartaz Ifolheto Pennsylvania Graduat e Gregory Paone Filadélfia, Pensilvânia, EUA
School of Fine Arts Filadélfia, Pensilvânia, EUA
Instituição de ensino
Filadélfia, Pensilvânia, EUA

iliJli1Q
1M ...... ........... .., ........

pM!HIeillUMnUlllhtn-..ScIoMtel
F-.AN il SD.l'2r.r""lIXII.2OOl--..
~ .,..,.OI' .. SUl lil&JIftIf'II. ....
1 ~ n..~""u..MFÀ""~
_1IIttM1II _.,.....
i J amOOtlli& •.tUlttit&t

li
GRE _ _ ................... 1I'IWrftum

~
~1N<dII1W""""""""

IJ ,i 11 i1 1M1aouI\OI ;. ....
~ ..... _~
TOUl..-. .. ,.".,........ .. iN«N1IMII

............. ..
.1
-1- ­ """"""-'l'kUpel .... Gr-...wSctoo.l

" .... ""


~ Iht~'"

.................
...
",s..s...,..~.,,-----.

! L, 1!
~,.. ~

I!llIEWimm_ _
0$1"" -'t....,wIth ~fNfdII
s..rwm .. "..... .. .......... . . - ­
iII "..,...Iw MII UCllrlftl ...... ......
Iw ....... ~~ .... _u.s.
......
-..-........
n. ~
~~"' ..........,
....

--..~20

.......... ., .......... --...


....... ....
~. _
CIIiftftI .. ~ ................ hIw

.---tw ........
~~ ... ...... -
......

~1rMH-" IhMoII M ..... OM.t ..


~
~

_ hIorwrt l. lOO2.
s.-"~II~","""""
"~ _ _ _ MOI _ _ _

. ,.,. ......
­
~......,--..,....,. "' .. "..,., ......... e.......... .. 1Iw

.-...MIIII-*.1IWIIr
...................
~

~"
1IIfNY.----,...........-.
...... t-o ......... lIlOIO"'MIooM

1Ir~ ........... 0cIMerU.~

.
. . . . . . . . . . . lIl1S"'-WO ...

~-....-~
,.._,.--..<oIIsII:..
1Mtt ..............

___ -IIow.. II'MI.IaoNIlr.,........

"'a(IfIicMI ...... _ _ _ ~
...
.........-....",., ....................

~ . . . .tl lSlfl.mlo.

,i;
o

.............

_.....­
~~ ~
. . ~ .. ,-_AttI~Sc:N.I
.,F"... _..-.atr.....,UiI
~ , I1 ' .... m'
r.,...,l1smZ45f
11n.· .rt.,..... . ",.". ....

Múltiplas estruturas de grid convergem neste Todas as subestruturas são organizadas em


prospecto dobrado que divulga um curso de mútua relação, sob a influência coletiva do
artes plásticas. Aparecem casos de colunas enorme círculo focal que une as faces da frente
únicas, co lunas triplas e estruturas modulares, e do verso e atrai o leitor de fora para dentro do
cada qua l adequado à natureza do parágrafo formato. Cada elemento se contrapõe e equilibra
ass im estruturado. A coluna horizontal longa cuidadosamente a tensão ou o impulso dos
e estreita, por exemplo, permite a inesperada elementos circundantes. Pontos de fuga
acomodação de uma listagem a princípio arquitetônicos ligam a tipografia à paisagem
desajeitada,unificando as quatro faces e implícita dos edifícios que abrigam os cursos.
formando uma linha de horizonte para a
imagem arquitetônica no fundo.
10

estrutura

Grid de coluna
desconstruído por
colagem de planos

exemplos correlatos

04 05 09

13 15 16 23

30 34 36

02 05 08 11

14 17 33 37 par

"".,

....._H­
cliente design fotografia
Parsons Dance Company Pettistudio LLC Lois Greenfield
Papelaria e convite Companhia de dança Valerie Pettis Nova York, NY, EUA
para evento profissional Susan Fritz
Offiet,quatro cores especiais Nova Yo rk, NY, EUA Nova Yo rk, NY, EUA

Tabhsfort"
05materiais impressos e a identidade visual
desta companhia de dança de Nova York não
IIIII
seguem nenhum grid ... e, tampouco, há qualquer
elemento horizontal ou estritamente vertical.
Osistema é totalmente espontâneo, reforçando
opartido do projeto, que começa na marca. The P.mons Dance Company
As letras,livres dos limites planos e estáticos do 229 W 42 St 5le 800
New York NY 10036-7201
bidimensional, revoam entre si como os
bailarinos nas apresentações da companhia .

sistema não há padronização de tamanho


1",1111,,, 11 ,,,, ,11,,11,,1,,,1,,1.111.,,,,.11 ,,1.11.1,,1.1,,1
de disposição dos tipos, embora a mesma

tipográfica unifique todos os materiais.

Dan cers
---. ~--- or..d P.trwn\
l'he lo.&nj of Ow.aon of tht
jJImt'" ntl
p&rsons D&nt. foww:I4bon tlr!.1 Kotpprn
,\\0.) SwJln
~q,,",the PW.itlf't ol ' OiIr
Robt'rlB.lIIJ(
to celebrat e RuthE K,oIl

lhe Parsons Dance


an d to honor
ilti
Gto<g. Im.l wood
IoI1nC,,,,oII

Stephanie F
rendi

o convite para a estréia incorpora fotos de bailarinos em


colagem com uma tipografia tridimensional que avança e recua
no espaço. A largura aleatória das "colunas" de texto interage
com as figuras em torno, num movimento rítmico que perpassa
todos as faces.
Colagem
M'"""'_---"tridimensional