Você está na página 1de 4

A HUMANIZAÇÃO DO SISTEMA PRISIONAL NÃO DEVE IMPLICAR NA

DESUMANIZAÇÃO DOS SERVIDORES DESSE SISTEMA

Prezados servidores dos Sistema Penitenciário do Estado de São Paulo, em especial, à


classe de Agentes de Segurança Penitenciária:

È sabido que na última década, o crescente aumento das inclusões de condenados pela
Justiça Pública, às penas restritivas de liberdade, resultada no aumento das internações
de presos nas unidades componentes dos sistema prisional, que, já se encontrava
saturados, passa então a defrontar-se com a superlotação e conseqüentemente, todos os
problemas dela decorrentes. Isso afeta tanto o lado dos presos ali detidos, mas também,
afetará imensamente a própria saúde, física, psíquica e emocional, dos próprios
funcionários integrantes da classe de Agentes de Segurança, os quais exercem suas
atividades diárias, diretamente em contato com esse excessivo contingente de presos.

À exemplo do que ocorrera com a classe de Oficiais Judiciais, que até o início da
década de 90, eram uma categoria desprezada e com baixas remuneração, através de um
plano estratégico dirigido e bem elaborado, através de medidas regulamentadoras e
apoio nas bancadas partidárias constituintes da Assembléia Legislativa, por força de lei,
obtiveram vitórias com o reconhecimento e majoração de seus vencimentos aos níveis
atuais, e protegidos legalmente.

Provas argumentais:

1) Gráfico de aumento populacional;


2) Tabelas e gráficos das principais ocorrências de doenças constatadas em
funcionários,
3) Exposições práticas: stress, escoltas internas desproporcionais às recomendações das
práticas padrões internacionais, problemas dos ambientes insalubres e o alto grau de
exercer atividades em ambientes com elevadas taxas de periculosidade.
4) É humanamente e cientificamente comprovado que a convivências de agentes
exercendo atividades junto a população prisional, acaba por vezes em adquirir hábitos
que deformam sua própria constituição enquanto agentes e ainda, doenças
caracterizadas como síndrome do aprisionamento.

Brasil tem 4ª maior população carcerária do mundo, diz estudo do MJ Do UOL, em Brasília 23/06/201515h00 >
Atualizada 24/06/201523h24... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-
noticias/2015/06/23/prisoes-aumentam-e-brasil-tem-4-maior-populacao-carceraria-do-
mundo.htm?cmpid=copiaecola
O Brasil tem a quarta maior população carcerária do mundo, segundo dados divulgados nesta terça-feira (23)
pelo Ministério da Justiça referentes ao primeiro semestre de 2014. Em números absolutos, o Brasil alcançou a
marca de 607.... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/06/23/prisoes-
aumentam-e-brasil-tem-4-maior-populacao-carceraria-do-mundo.htm?cmpid=copiaecola
Em números absolutos, os Estados com a maior população carcerária são: São Paulo (219.053), Minas Gerais
(61.286) e Rio de Janeiro (31.510). Os Estados com a menor população carcerária são Piauí (3.224), Amapá
(2.654) e Roraima (1... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/06/23/prisoes-
aumentam-e-brasil-tem-4-maior-populacao-carceraria-do-mundo.htm?cmpid=copiaecola

Quando os dados são comparados com a população dos respectivos Estados (taxa de encarceramento), o
ranking é liderado por Mato Grosso do Sul (568,9/100 mil), São Paulo (497,4/100 mil) e Distrito Federal
(496,8/100 mil). Os Estados... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-
noticias/2015/06/23/prisoes-aumentam-e-brasil-tem-4-maior-populacao-carceraria-do-
mundo.htm?cmpid=copiaecola
O documento elaborado pelo Ministério da Justiça alerta para o ritmo do aumento da população encarcerada no
Brasil. "Em todas as Unidades da Federação houve um crescimento da população prisional em relação a cada
cem mil habitante... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/06/23/prisoes-
aumentam-e-brasil-tem-4-maior-populacao-carceraria-do-mundo.htm?cmpid=copiaecola