Você está na página 1de 137

PROJETO PEDAGÓGICO

DO CURSO SERVIÇO SOCIAL


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
1
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DIRIGENTES INSTITUCIONAIS DO IMMES

Mantenedor: Moisés Rivaldo Pereira.


Diretora Geral: Maria do Carmo de Carvalho Pereira.
Diretora Acadêmica: Jackeline Loura dos Santos Mescouto.
Diretoria Financeira: Mateus Aroeira Pereira / Socorro de Jesus Santos Braga.
Coordenadora Pedagógica: Profª. Kelly da Costa Martins.
Coordenadora de Administração: Profª. Eliete Mendes Ferreira.
Coordenadora de Engenharia Florestal: Profª. Joycirene de Jesus Santos
Coordenadora de Estágio: Profª. Otávia Luciana Rodrigues Pacheco
Coordenadora de Farmácia: Profª. Nádia Rosana Matos Soares.
Coordenadora de Fisioterapia: Profº. Edilson Mendes.
Coordenadora de Nutrição: Profª. Tassia Remigio Vieira.
Coordenador de Odontologia: Profº. Fernando Henrique Almas.
Coordenador de Psicologia: Profª. Camila Alves Siqueira.
Coordenadora de Serviço Social: Profª. M.ª Juliana Silva Nascimento Menezes.
Coordenador do Núcleo Psicopedagógico: Profº. Denner Macedo.

NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE – NDE


Prof.ª Dra. Sandra Regina Smith Neves - Presidente
Prof.ª M.ª Juliana Silva Nascimento Menezes - Membro
Prof.ª Esp. Séfora Alice Rôla do Carmo – Membro
Prof.º Msc. Tonny Santiago Moreira - Membro
Prof.ª Esp. Valdirene de Fátima Galvão - Secretária
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
2
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO ....................................................................................... 4
JUSTIFICATIVA .......................................................................................... 5
1. ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL ......................................................... 7
1.1 IDENTIFICAÇÃO.................................................................................... 7
1.1.1 Localização...................................................................................... 7
1.1.2 Unidade Mantida.............................................................................. 7
1.2 CONDIÇÃO JURÍDICA .......................................................................... 7
1.2.1 Forma de Constituição ........................................................... 7
1.2.2 Registro Civil .......................................................................... 8
1.3 INSTITUIÇÃO MANTIDA ....................................................................... 8
1.3.1. Denominação, Sede e Dependência Administrativa. ........ 8
1.3.2 Histórico da Mantida........................................................................ 8
1.3.3 Missão Institucional do IMMES........................................................ 9
1.3.4 Visão de Futuro do IMMES.............................................................. 9
1.3.5 Objetivos Institucionais ................................................................... 9
1.3.6 Diretrizes Pedagógicas.................................................................... 10
1.3.7 Valores e Princípios......................................................................... 11
1.3.8 Cursos oferecidos em funcionamento............................................. 11
1.3.9 Principais Áreas de Atuação no Ensino de Graduação.............. 12
2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA........................................... 14
2.1 CONTEXTO EDUCACIONAL DO CURSO....................................................... 14
2.1.1 A Questão Social e a Formação Profissional do Assistente Social
19
no Amapá..................................................................................................
2.2 OBJETIVOS DO CURSO....................................................................... 20
2.2.1 Objetivo Geral.................................................................................. 20
2.2.2 Objetivos Específicos....................................................................... 20
2.3 FINALIDADES DO CURSO.................................................................... 20
2.4 BASES FILOSÓFICAS........................................................................... 21
2.5 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO..................... 21
2.6 PERFIL DO EGRESSO.......................................................................... 22
2.7 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ASSISTENTE SOCIAL ........ 23
2.8 CAMPO DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL ............................................. 25
2.9 COORDENAÇÃO DE CURSO .............................................................. 26
2.9.1 Curriculum resumido da coordenadora do curso ............................ 27
2.9.1.1 Regime de Trabalho .................................................................... 27
2.10 COLEGIADO DO CURSO ................................................................... 28
2.11 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE – NDE ................................. 29
2.12 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO .......................................... 30
2.12.1 Metodologia do Desenvolvimento Curricular................................. 33
2.12.2 Inter-Relação das Disciplinas na Concepção e Execução do
33
Currículo...................................................................................................
2.12.3 Adequação e Atualização das Ementas e Programas das
34
Disciplinas.................................................................................................
2.12.4 Adequação, Atualização e Relevância da Bibliografia................... 34
2.12.5 Dimensionamento da Carga Horária das Disciplinas.................... 34
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
3
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.13..CONTEÚDOS CURRICULARES: INTEGRAÇÃO


35
MULTIDISCIPLINAR ...................................................................................
2.14 DIRETRIZES CURRICULARES PARA O CURSO DE SERVIÇO
38
SOCIAL.........................................................................................................
2.15 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL.............. 41
2.16 EMENTÁRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL ............................. 44
2.16.1 Disciplinas, Ementas e Bibliografia Básica e
44
Complementar..........................................................................................
2.17 COMPONENTES CURRICULARES ................................................... 107
2.17.1 Estágio Supervisionado................................................................. 107
2.17.2 Atividades Complementares.......................................................... 109
2.17.3 Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)....................................... 110
2.18 ABORDAGEM CURRICULAR DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS,
111
DOS DIREITOS HUMANOS E DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL...................
2.18.1 Educação das Relações Étnico-Raciais........................................ 111
2.18.2 Educação em Direitos Humanos .................................................. 112
2.18.3 Educação Ambiental...................................................................... 112
2.18.4 Educação em Saúde Mental ......................................................... 113
2.18.5 Educação em Libras ..................................................................... 113
2.19 APOIO AOS DISCENTES ................................................................... 114
2.20 INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO............ 116
2.21TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO
117
ÂMBITO DO CURSO ...................................................................................
2.22 SISTEMAS DE AUTO AVALIAÇÃO DO CURSO................................ 118
2.22.1 Avaliação Institucional .................................................................. 120
2.22.2 Articulação da auto avaliação do curso com a auto avaliação
122
institucional...............................................................................................
2.22.3 Ações decorrentes dos processos de avaliação ........................... 123
2.23 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-
123
APRENDIZAGEM ........................................................................................
2.23.1 Avaliação e Notas.......................................................................... 124
3. DOCÊNCIA .............................................................................................. 127
3.1 CORPO DOCENTE ............................................................................... 127
3.2 TITULAÇÃO E SUFICIÊNCIA ............................................................... 128
3.3 ATUAÇÃO ............................................................................................. 128
3.4 ATENÇÃO DOCENTE ........................................................................... 129
3.4.1 Implementação das políticas de capacitação no âmbito do curso... 129
4. INSTALAÇÕES ....................................................................................... 131
4.1 INSTITUCIONAL ................................................................................... 131
4.2.INFRAESTRUTURA PLANEJADA PARA PESSOAS COM
132
NECESSIDADES ESPECIAIS .....................................................................
4.3 BIBLIOTECA ......................................................................................... 132
4.4 RECURSOS AUDIOVISUAIS ................................................................ 133
4.5 LABORATÓRIO DE SERVIÇO SOCIAL ............................................... 133
4.6 LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA .................................................... 134
REFERÊNCIAS ........................................................................................... 135
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
4
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

APRESENTAÇÃO

O Instituto Macapaense de Ensino Superior - IMMES foi credenciado através da


Portaria MEC Nº 960 de 27 de março de 2002, iniciando suas atividades acadêmicas em
julho (1º processo seletivo) a agosto de 2002 (atividades de ensino com o inicio do
primeiro semestre letivo).
O IMMES tem como meta educar pessoas para se desenvolverem como cidadãos
e profissionais, com elevado potencial de inserção no mercado de trabalho e flexível às
mudanças pelas quais passa a sociedade brasileira, buscando desenvolver nessas
pessoas os espíritos empreendedores, públicos, críticos e comprometidos com os
problemas da comunidade e do meio ambiente.
Assim, o IMMES pretende cumprir os princípios constitucionais que têm por
finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da
cidadania e sua qualificação para o trabalho, além de viabilizar a igualdade de condições
para o acesso e permanência com liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o
pensamento, a arte e o saber; pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas;
garantia de padrão de qualidade; valorização da experiência extraescolar com vinculação
entre a educação acadêmica, o trabalho e as práticas sociais, além da valorização do
profissional da educação (art. 206o da CF e art. 2o e 3o da Lei no 9.394/96).
Nesse contexto o IMMES visa corroborar as finalidades da educação superior de
estimular a criação, o desenvolvimento científico e o pensamento reflexivo, incentivar o
trabalho de pesquisa e investigação, promover a divulgação dos conhecimentos, suscitar
o desejo permanente de aperfeiçoamento, promover a extensão a todo o universo de
pessoas interessadas na área de Saúde e estimular o conhecimento dos problemas do
mundo presente.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
5
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

JUSTIFICATIVA

Construído coletivamente por profissionais da área, o Projeto Pedagógico explicita


as características gerais da Instituição, consubstanciadas na missão, objetivos,
peculiaridades regionais, princípios norteadores, diretrizes pedagógicas, referenciais
filosóficos, sociológicos, epistemológicos, antropológicos e didático-pedagógicos como
elementos norteadores das intenções da IES e das ações educativas para a
concretização de intencionalidade e propósitos. Dessa forma, significa uma ação
intencional, com um compromisso social definido coletivamente, deixando de ser
meramente um documento formal para tornar-se um mecanismo vivo de desenvolvimento
e avaliação interativa permanente entre o corpo social dessa IES. O Projeto Pedagógico
visa orientar a condução do processo de formação do profissional em Serviço Social, com
o perfil competente, ético-político, comprometido com o desenvolvimento social e
humano, voltados à construção da democracia e da cidadania no país, especialmente da
população da região norte, e também capaz de acompanhar a constante transformação
da sociedade e enfrentar as condições e relações sociais desiguais.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
6
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
7
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1. ORGANIZAÇÃO INSTITUCIONAL

1.1 IDENTIFICAÇÃO:
Nome: Instituto Macapaense de Ensino Superior S. S. Ltda.

Sigla: IMMES.

CNPJ: 04.159.727/0001-77.

CÓDIGO DA IES: 2469.

1.1.1 Localização.

Rua: Jovino Dinoá, 2085 - Centro, Macapá/AP.

CEP: 68900-075.

E-mail: mrivaldo@uol.com.br

Fone: (96) 3223-4244 Fax: (96) 3224-3401.

Site: www.immes.com.br

1.1.2 Unidade Mantida.

Instituto Macapaense de Ensino Superior.

1.2 CONDIÇÃO JURÍDICA


1.2.1 Forma de Constituição.

O IMMES é uma sociedade civil, com fins lucrativo, constituído sob a forma de
sociedade limitada, sendo MOISÉS RIVALDO PEREIRA, Promotor de Justiça do
Ministério Público do Estado do Amapá e MARIA DO CARMO DE CARVALHO
PEREIRA, Economista Doméstica, respectivamente, com capital devidamente
integralizado.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
8
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.2.2 Registro Civil.

A Entidade tem os seus Estatutos Sociais registrados no Cartório Civil de Pessoas


Jurídicas, do Cartório Cristiane Passos, em Macapá/AP, sob nº 128, livro 005 de Pessoas
Jurídicas, fls. 179/180, em 02.05.2000.

1.3 INSTITUIÇÃO MANTIDA

1.3.1. Denominação, Sede e Dependência Administrativa.

Denominação: Instituto Macapaense de Ensino Superior.


Dependência Administrativa: Instituição particular de ensino superior, integrante do
Sistema Federal de Ensino.
Sede: Macapá-AP.
Rua: Jovino Dinoá, 2085- Centro, Macapá/AP.
CEP: 68900-075
E-mail: marydocarmo59@yahoo.com.br
Fone: (96) 3223-4244 Fax: (96) 3224-3401

1.3.2 Histórico da Mantida.


O Instituto Macapaense de Ensino Superior foi credenciado através da Portaria do
MEC n° 960, de 27.03.02, funcionando atualmente com os cursos de Administração
Geral, Engenharia com Habilitação em Florestas Tropicais, Farmácia, Fisioterapia,
Nutrição, Psicologia, Odontologia e Serviço Social,

Trata-se de um grupo com experiência na atividade de manutenção e


administração do ensino e que desenvolve um projeto pedagógico e institucional voltado
para os interesses e necessidades da comunidade local e regional.

Em função desse objetivo, foi criado o Instituto Macapaense de Ensino Superior


S.S. Ltda., Mantenedora do Instituto Macapaense de Ensino Superior, instituição que
responde pelo desenvolvimento das propostas ora apresentadas ao MEC e as
autoridades educacionais.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
9
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

O Instituto Macapaense de Ensino Superior S.S. Ltda. é uma sociedade civil, com
fins lucrativos, com sede e foro na cidade de Macapá e vem desenvolvendo um projeto
pedagógico e institucional, voltado para os interesses e necessidades da comunidade
local e regional.

1.3.3 Missão Institucional do IMMES.


“Formar profissionais - cidadãos comprometidos com a comunidade, com elevado
potencial de inserção no mercado de trabalho e flexíveis às mudanças por que passa a
sociedade brasileira, buscando desenvolver espírito empreendedor, público, crítico e
comprometido com a sociedade, através do processo educativo que envolva todos os
agentes do Instituto e também da sociedade do Amapá e do País”.

1.3.4 Visão de Futuro do IMMES.


Tornar-se uma instituição reconhecida na Amazônia e nacionalmente como grande
centro de excelência do ensino superior, pesquisa e extensão nas áreas de: saúde,
ciências agrárias e socioeconômicas.

1.3.5 Objetivos Institucionais.


Os objetivos específicos do IMMES foram estabelecidos a partir do seu objetivo
geral, seguindo, portanto, as tendências que balizam o ensino superior no país. São os
seguintes:
I. A formação de profissionais e especialistas de nível superior dos cursos por ela
ministrados;
II. O incentivo e o apoio à pesquisa e à produção acadêmica;
III. A realização e o incentivo a atividades criadoras, estimulando vocações e
organizando programas, particularmente vinculados às necessidades regionais e
nacionais;
IV. A extensão do ensino à comunidade, mediante cursos e serviços especiais,
prestando colaboração constante na solução de seus problemas;
V. O oferecimento de condições para a realização de mestrado e doutorado do seu
corpo docente;
VI. O estímulo à criação cultural e ao desenvolvimento do espírito científico;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
10
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

VII. O oferecimento de condições para especialização e aperfeiçoamento do seu corpo


docente e técnico-administrativo;
VIII. A cooperação com a comunidade local, regional e nacional, como organismo de
consulta, assessoria e prestação de serviços a instituições de direito público ou
privado, em matérias vinculadas aos seus fins e às suas atividades;
IX. A divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos através do ensino,
de publicações e ou de outras formas de comunicação.

1.3.6 Diretrizes Pedagógicas.


As diretrizes pedagógicas do IMMES são:
 Estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do
pensamento reflexivo;
 Formar, em cursos de graduação, sequenciais e pós-graduação, presenciais ou à
distância, nas diferentes áreas de conhecimento, profissionais aptos para a
participação no desenvolvimento da sociedade brasileira e colaborar na sua
formação contínua;
 Incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando o
desenvolvimento da ciência, da tecnologia, da criação e difusão da cultura e desse
modo, desenvolver o entendimento do homem e do meio em que vive;
 Promover a divulgação de conhecimentos culturais, científicos e técnicos que
constituem patrimônio da humanidade e comunicar o saber através do ensino, de
publicações ou de outras formas de comunicação;
 Suscitar o desejo permanente de aperfeiçoamento cultural e profissional e
possibilitar a correspondente concretização, integrando os conhecimentos que vão
sendo adquiridos numa estrutura intelectual sistematizadora do conhecimento de
cada geração;
 Estimular o conhecimento dos problemas do mundo presente, em particular os
nacionais e regionais, prestar serviços especializados à comunidade e estabelecer
com esta uma relação de reciprocidade;
 Proporcionar a extensão, aberta à participação da população, visando à difusão das
conquistas e benefícios, resultantes da criação cultural e da pesquisa científica e
tecnologias geradas na instituição.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
11
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.3.7 Valores e Princípios.


O IMMES assume a perspectiva integradora e dialogal na efetivação do seu projeto
educacional, abrigando diferentes valores e convicções, estimulando em seu meio
acadêmico, o respeito às atitudes e pontos de vistas.
Consolidando este compromisso, a educação é entendida como uma prática sócio-
política realizada no âmbito das relações sócio-histórico-culturais, promovedora da
formação de pessoas tecnicamente competentes, mas comprometidas com a qualidade
de vida dos seres humanos.
Fortalecer a dimensão humana e ética como base da formação dos futuros
profissionais do IMMES, parte do princípio que entende a produção do conhecimento
como superação de um modelo de ciência fragmentado, determinado pela racionalidade
técnica. Adotamos a concepção de que o homem e ciência se fazem mediante relações
formativas intencionais, integradoras, criticamente curiosas, no qual pensar e formar
profissionais são antes de tudo, formar pessoas de maneira dinâmica e dialética, por meio
de diálogo que marca a possibilidade de interação e de reconhecimento da diversidade.
Assim, acreditamos que os sujeitos do processo educativo devem assumir-se como seres
sociais e históricos, como pessoas que pensam que sabem se comunicar, e criam
possibilidades de práticas transformadoras.

1.3.8 Cursos oferecidos em funcionamento.


O IMMES foi credenciado através da Portaria do MEC nº 960, de 27.03.02,
funcionando atualmente com os cursos de ADMINISTRAÇÃO, ENGENHARIA
FLORESTAL, FARMÁCIA, FISIOTERAPIA, NUTRIÇÃO, PSICOLOGIA,
ODONTOLOGIA e SERVIÇO SOCIAL.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
12
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.3.9 Principais Áreas de Atuação no Ensino de Graduação:

Atos de Nº de Vagas Atos de Renovação de


Cursos Denominação
Autorização Anuais Reconhecimento Reconhecimento

Portaria do
Administrador Port. MEC nº.677,
Administração MEC nº. 962, 150 ---
Bacharelado de 27/09/2006
Geral de 27/03/2002.

Portaria do
Engenheiro
Engenharia MEC nº. Port. MEC nº.84,
Florestal 120
Florestal 1.922, de de 26/01/2010 ---
Bacharelado
17/10/2002.
Porta do MEC
Farmacêutico Port. MEC nº.124,
Farmácia 3.931, de 100 ---
Bacharelado de 15/03/13
14/11/2005.
Porta do MEC
Fisioterapeuta Port. MEC nº.299,
Fisioterapia 3.930, de 100 ---
Bacharelado de 27/12/12
14/11/2005.
Portaria do
MEC nº. Nutricionista Port. MEC nº.384, Port. MEC nº 046,
80
Nutrição 2.381, de Bacharelado de 19/03/2009 de 14/02/2013
22/08/2002.
Porta do MEC Cirurgião
Odontologia 1.109, de Dentista 100 --- ---
19/12/2008. Bacharelado
Portaria do Formação de Port. MEC nº.151,
Port. MEC nº.
Psicologia MEC n° 3353, Psicólogo 150 de 17/08/12
695, de 17/11/14
de 19/10/2004. Bacharelado
Portaria do Assistente Port. MEC nº.
Port. MEC nº 001,
MEC nº. 961, Social 160 677, de
Serviço Social de 06/01/2012
de 27/03/2002. Bacharelado 27/09/2006
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
13
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
14
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2. ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA

Ato Credenciamento: Portaria Ministerial (MEC) nº 960, de 27.03.02.


Ato de Autorização do Curso: Portaria nº 961, de 27.03.02.
Ato de Reconhecimento do Curso: Portaria nº 677, de 27.09.06.
Mantenedora: Instituto Macapaense de Ensino Superior S-S.LTDA.
Curso: Serviço Social.
Código do Curso: 54308
Título Outorgado: Bacharel em Serviço Social.
Carga Horária Total do Curso: 3.000 horas.
Limite Mínimo para Integralização: 4 anos (Resolução CNE/CES Nº 2, de 18.06.07).
Limite Máximo para Integralização: 8 anos.
Turno de Funcionamento: vespertino e noturno.
Regimento Letivo: Semestral.
Número de vagas anuais: 160 vagas.
Número máximo de alunos por turma teórica: 40 alunos.

2.1 CONTEXTO EDUCACIONAL DO CURSO

O IMMES teve sua autorização de funcionamento no ano de 2002, com o objetivo


contribuir na formação e qualificação de recursos humanos do Amapá, através da oferta
de cursos de graduação e pós-graduação (nível lato sensu). No processo de implantação
de seus cursos foram considerados múltiplos aspectos dentre os quais as potencialidades
da região norte, do estado do Amapá e da cidade de Macapá, representadas por aqueles
fatores, recursos e atividades socioeconômicas existentes. No que se refere ao processo
de construção do Projeto Pedagógico do Curso de Serviço Social, quando da implantação
do curso em 2002, a IES buscou um aprofundamento nas questões regionais em seus
múltiplos aspectos, utilizando dados do Censo da Educação Superior, realizado pelo
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, INEP/MEC,
sobre as “tendências de oferta de cursos e vagas disponíveis para o Serviço Social no
Brasil”, que foram de fundamental importância.
Segundo o Censo do IBGE (2018), constata-se um crescimento da população do
Amapá, principalmente considerável entre os 15 e 29 anos, faixa etária considerada como
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
15
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

demanda ideal para a formação em nível superior. Atualmente o Estado do Amapá


apresenta uma estatística de estudante de ensino médio, conforme tabela abaixo:
MUNICÍPIO POPULAÇÃO MATRICULAS NO ENSINO MÉDIO
Amapá 9.029 474
Calçoene 10.926 396
Cutias 5.864 282
Ferreira Gomes 7.591 327
Itaubal 5.387 301
Laranjal do Jari 49.446 2419
Macapá 493.634 21.837
Mazagão 21.206 996
Oiapoque 26.627 1.393
Pedra Branca do Amapari 15.931 574
Porto Grande 21.484 945
Pracuúba 4.993 212
Santana 119.610 5.792
Serra do Navio 5.306 308
Tartarugalzinho 16.885 572
Vitória do Jari 15.605 600
Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2018.

O processo histórico do Estado do Amapá tem algumas peculiaridades que são


importantes para se analisar a necessidade do curso de Serviço Social, dentre estas: a
sua formação, posição geográfica e riquezas naturais existentes.
O Amapá inicialmente incorporado ao Estado do Pará foi desmembrado em 1943, e
transformado em Território Federal. Com a Promulgação da Constituição Federal em
1988 o antes Território Federal foi transformado em Estado, tendo sido instalado em
1991.
Com a criação do Estado e a autonomia para elaboração de seus próprios
Programas (antes apenas de âmbito Federal) criam-se Políticas de Desenvolvimento
Econômico Social e de Incentivo Fiscais (Área de Livre Comércio Macapá-Santana)
favorecendo novos investimentos. A perspectiva de se ter uma expansão econômica
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
16
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

contribui para um crescimento populacional significativo no Estado e principalmente na


capital Macapá.
O Amapá, ao longo de sua História tem sido ocupado em virtude das grandes
atividades extrativista. Em decorrência da criação de um Novo Estado, formado por 16
municípios (alguns sem a menor estrutura para sua sustentabilidade), com a proposta da
Área de Livre Comércio, implantação do Programa de Desenvolvimento Sustentável no
Amapá, e a expectativa do crescimento econômico geram a perspectiva de novos campos
de trabalho e propiciou o processo migratório principalmente no trecho Macapá-Santana.
A falta de Planejamento para receber a população tem resultado em ocupações em áreas
de ressacas (áreas que deveriam ser preservadas), criação de novos bairros sem
acompanhamento dos meios de consumo coletivos e a ausência de mercado de trabalho,
já que o maior empregador ainda é o Estado.
As diversas expressões da questão social têm se agravado nos últimos anos:
realidades próprias de grandes cidades (como mendicância, crianças nas ruas, assaltos,
alto índice de suicídios entre jovens, favelados) têm feito parte da vida local. Outras
situações fazem parte de toda essa problemática entre elas destacamos: o trabalho
infantil (área rural e urbana), a exploração sexual infantil (tanto em áreas portuárias como
em áreas de garimpos e no próprio centro das cidades). E, contudo, tem-se alguma
peculiaridade como as áreas de quilombo, áreas indígenas, populações que moram à
beira dos rios praticamente isoladas dos centros urbanos e excluídas das Políticas Sociais
existentes.
No âmbito da implantação e implementação da Política de Assistência Social tem-
se observado a ausência de profissionais de Serviço Social nos municípios e mesmo em
setores estaduais e federais que necessitam da atuação profissional e tem sido
desprovida desse serviço.
Hoje, o Estado possui 1.044 profissionais inscritos (Dados CRESS AP, 2019) e
uma carência de profissionais atuando em algumas áreas relevantes ao Serviço Social. A
autorização para inicio do curso de Serviço Social no Estado tem propiciado discussões
sobre a prática profissional, e sobre a falta de oportunidades para capacitações e
qualificações principalmente causadas pela distância dos grandes centros de discussões
das políticas assistenciais e de pós-graduações na área específica do Serviço Social.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
17
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

O curso de Serviço Social do IMMES tem sua concepção contextualizada na dupla


perspectiva: local e global.
Sob a ótica local, o curso tem representado fator de desenvolvimento e agregação
de forças e valores que estão potencializando decisivamente o Estado no que se refere
ao seu desenvolvimento enquanto estado da Região Amazônica, na medida em que
possibilita à sociedade contar com profissionais de Serviço Social, com formação ético-
política, teórico-metodológica e técnico-operativa para enfrentamento da questão social
no Amapá e no Brasil contemporâneo.
O IMMES se pauta em pressupostos que permitam conduzir formação compatível
com os princípios referidos acima, com a realidade brasileira, amazônica e amapaense, e
as exigências do mercado de trabalho. A realidade social brasileira se configura
atualmente como uma das mais desiguais e excludentes do mundo, e nesse sentido, os
bacharéis egressos da instituição serão os Assistentes Sociais formados para
(re)conhecer e dimensionar a realidade social na perspectiva macro e micro, explicitando
suas estruturas e organicidades para efeito de valorização das formas de
desenvolvimento social e da promoção humana, em favor da intervenção nos processos
sociais.
Sob a ótica global, a concepção se inspira na necessidade de redimensionar a
realidade social num contexto de rápidas e substantivas transformações tecnológicas,
científicas, filosóficas com reflexos na dinâmica social que envolve o homem como ser
social em suas múltiplas relações, de forma a orientar sua inclusão decisiva no sentido de
responder eficazmente às demandas da sociedade.
Para tanto, os temas e conteúdos serão tratados pelas múltiplas disciplinas e
atividades acadêmicas tendo em vista os fatos, fenômenos e a problemática local e
global, num processo de ensino aprendizagem que articule teoria e prática em favor da
construção de uma visão sistêmica da realidade.
Nessa perspectiva, a formação extrapolará os meios acadêmicos para ir ao
encontro dos vários segmentos e organizações sociais em constante exercício de
interação da instituição com a comunidade em que se insere e ainda, com outras
comunidades, em fóruns específicos, por meio de seminários, congressos, etc.
O IMMES, fundamentado no compromisso com o desenvolvimento regional, a
cidadania, a democracia e a liberdade e atento aos movimentos da dinâmica realidade do
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
18
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Amapá, propõe-se a ampliar seu campo de atuação do ensino superior, objetivando


contribuir de forma contundente para um crescimento quantitativo e qualitativo na
formação de profissionais de Serviço Social no Amapá. Essa IES concebeu o curso de
Serviço Social em resposta a uma significativa lacuna de formação de profissionais de
serviço social no norte do país. O instituto tem ofertado o curso de Serviço Social em
Macapá, capital marcada por uma injusta distribuição de renda e problemas sociais
graves, fenômenos gerados por sérias crises políticas institucionais históricas,
oportunizando o ensino superior, com qualidade e compromisso com a educação, à
população amapaense. Cumprindo com sua missão “formar profissionais - cidadãos
comprometidos com a comunidade, com elevado potencial de inserção no mercado de
trabalho e flexíveis às mudanças por que passa a sociedade brasileira, buscando
desenvolver espírito empreendedor, público, crítico e comprometido com a sociedade,
através do processo educativo que envolva todos os agentes do Instituto e também da
sociedade do Amapá e do País”, o IMMES, por meio da oferta do Curso de Serviço
Social, empreende ações que asseguram uma formação profissional crítica, competente e
comprometida com a realidade regional e nacional. O curso de Serviço Social do IMMES
tem por objetivo formar profissionais capacitados para apreender o significado social e
histórico da profissão, e para intervir de forma crítica qualificada e ética, nos espaços
sócio ocupacionais de atuação profissional, contribuindo, desta forma, para a melhoria da
qualidade de vida da sociedade amapaense, através da implementação de políticas
sociais que garantam o pleno exercício da cidadania.
O Projeto Pedagógico do Curso de Serviço Social foi concebido à luz da legislação
educacional e articulado às informações reveladas pela análise da realidade
socioeconômica e educacional da região, assim como às mudanças que caracterizam as
transformações oriundas do mundo do trabalho. Da análise desse cenário é que a IES se
preocupou em elaborar um projeto pedagógico que em consonância com seus
documentos legais e com sua missão, privilegiasse a formação de um profissional
generalista crítico e que, no decorrer do curso, possa desenvolver competências e
habilidades que caracterizam um profissional de Serviço Social, atento a realidade sócio
histórica e as mudanças da sociedade contemporânea.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
19
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.1.1 A Questão Social e a Formação Profissional do Assistente Social no


Amapá.
A Questão Social é o elemento principal para a construção da profissão, por estar
nitidamente ligada ao processo histórico-social da realidade que é um elemento
fundamental do Serviço Social. No entanto, nem sempre foi considerada um “problema”
na era pré-industrial, e com a industrialização surgem novos atores e conflitos, portanto a
organização da classe operária passa a denunciar a situação dos pobres e refletir sobre
isso e pressionar o governo a tomar medidas1 que amenizem a situação social existente
como consequência de uma disfunção da sociedade industrial. Cria-se um conceito
denominado a “Nova Questão Social” decorrentes do crescimento do desemprego e
novas formas de pobreza.
Segundo Yazbek (2004), abordar a expressão da questão social é enfrentar uma
temática bastante ampla e complexa, no entanto, um dos pontos seria a “analise da
pobreza e da exclusão social como alguma das resultantes das questões sociais que
permeiam a vida das classes subalternas em nossa sociedade e com as quais nos
defrontamos cotidianamente em nossa prática profissional”. É importante refletir sobre o
precário sistema de proteção social da cidadania, e de que maneira os profissionais estão
intervindo nesta realidade.
No Estado do Amapá, a questão social vem surgindo com o crescimento
populacional, a falta de investimentos em políticas públicas e incentivos em Políticas de
Desenvolvimento que gerem vagas no mercado de trabalho. A ausência de planejamento
e de políticas públicas tem sido evidenciada com o surgimento das ocupações de terras e
das áreas de ressacas de forma desordenada, prostituição, violências urbana,
desemprego, fome e outras graves expressões da questão social que demonstram a
importância da atuação profissional.
O desafio da formação profissional é analisar a prática do Assistente Social que
perpassa pela busca de constante instrumentalização, embasamento teórico,
conhecimento da realidade existente e preparando profissionais aptos a intervir nos
diversos espaços ocupacionais da profissão.

1
Algumas medidas relevantes na época e que deram abertura para o Estado de Bem Estar (Welfare State): Sistema de
Seguridade Social de Bismaark (1880); Sistema de Desemprego de Lloyd George (1911); Extensão dos Benefícios de
Seguridade Social na Itália (1969); Serviço Nacional de Saúde e de Educação Geral na Inglaterra.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
20
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.2 OBJETIVOS DO CURSO

2.2.1 Objetivo Geral:


Formar profissionais capacitados para apreender o significado social e histórico da
profissão, e para intervir de forma crítica qualificada e ética, nos espaços sócio
ocupacionais de atuação profissional com fundamentação teórico-metodológica e
posicionamento ético-político de acordo com a Regulamentação da Profissão (Lei Nº
8.662/93) e com o Código de Ética do Assistente Social (Resolução CFESS – 273/93).

2.2.2 Objetivos Específicos:


1. Proporcionar a graduação em Serviço Social de forma qualificada que permita a
capacidade de análise crítica da realidade.
2. Oferecer à região de influência do Instituto maiores condições de desenvolvimento
social e econômico, a partir das potencialidades existentes, através do
conhecimento da realidade global, local e regional.
3. Contribuir para melhorar a qualidade de vida da região.
4. Oferecer às empresas públicas, privadas e sociedade civil (ONG’s, OSCIP.)
oportunidades de parceria, em projetos sociais voltados para o desenvolvimento e
conhecimento da realidade social onde estão inseridas.
5. Formar graduados com visão dos atuais problemas regionais, brasileiros e
mundiais para que eles se tornem aptos a aderir e integrar os processos e
participar das mudanças.
6. Preparar cidadãos conscientes para o exercício pleno da sua profissão, visando
ampliação da cidadania e da garantia de direitos sociais.

2.3 FINALIDADES DO CURSO

As finalidades do curso de Serviço Social são:


1. Formação de bacharéis em Serviço Social dotados de sólida formação teórico-
metodológica, ético-política e técnico-operativa, críticos e eticamente
comprometidos com a realidade brasileira, com formação humanística para atuar
nos diversos espaços sócio ocupacionais, com planejamento, consultoria,
formação e assessoria, junto aos órgãos públicos, empresas privadas, ONG’s, e
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
21
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

outras instâncias comunitárias;


2. Promover o ensino superior na área de Serviço Social em especial pela busca da
articulação entre o ensino, a pesquisa e extensão.

2.4 BASES FILOSÓFICAS

A proposta do curso de Serviço Social do IMMES é formar profissionais com visão


crítica da sociedade capitalista que busquem se basear nos fundamentos filosóficos
contemporâneos e que tenham concepções de Valores, Ética, Pluralidade, Compromisso
Social com os seus usuários e perspectiva de transformação.

2.5 POLÍTICAS INSTITUCIONAIS NO ÂMBITO DO CURSO

O Curso de Serviço Social do IMMES tem sua política de ensino respaldada nos
princípios e valores da Instituição, visando promover a educação de pessoas para se
desenvolverem como cidadãos e profissionais, com elevado potencial de inserção no
mercado de trabalho e flexível às mudanças por que passa a sociedade brasileira,
buscando desenvolver o espírito crítico e comprometido com os problemas da
comunidade e questões sociais.
O desenvolvimento da pesquisa e extensão acadêmica, numa perspectiva
curricular renovadora, contribui para a vitalidade do processo acadêmico ensino
aprendizagem no âmbito do curso. Este desafio reside em estabelecer um relacionamento
permanente e articulado com a sociedade, possibilitando a cada uma das partes o
enriquecimento necessário para o processo integrador de produção do conhecimento, em
busca da melhoria das condições de vida da sociedade em geral.
O fomento à iniciação científica nos eventos do curso e demais promovidos pela
Instituição corrobora para efetivação desta política, mostrando-se um elemento
diferenciador no processo de ensino-aprendizagem, sendo assim atrelada a excelência da
produção científica na comunidade e à melhoria da qualidade da formação acadêmica dos
egressos do Curso de Graduação em Serviço Social.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
22
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.6 PERFIL DO EGRESSO

A sociedade brasileira torna-se cada vez mais complexa em decorrência de


diversos fatores, podendo-se destacar, dentre outros, a revolução tecnológica e sua
interferência no processo assistencial e na qualidade de vida da população. Também a
complexidade socioeconômica tem exigido novos graus de especialização funcional e
técnica dos profissionais de Serviço Social necessários para atender a demanda pelo
exercício profissional nas suas diferentes áreas de trabalho. Desta forma, é preciso formar
bacharéis com sólida base acerca dos fatores e princípios do Serviço Social.
Neste sentido, o Curso de Graduação em Serviço Social tem como perfil do
formando o egresso/profissional que atua nas expressões da questão social, formulando e
implementando propostas para seu enfrentamento, por meio de políticas sociais públicas,
empresariais, de organização da sociedade civil e movimentos sociais. Profissional
dotado de formação intelectual e cultural generalista crítica, competente em sua área de
desempenho, com capacidade de inserção criativa e propositiva no conjunto das relações
sociais e no mercado de trabalho. Profissional comprometido com os valores e princípios
norteadores do Código de Ética do Assistente Social.
O aluno do Curso de Serviço Social deverá ser portador de cultura humanística,
centrada em áreas do conhecimento das Ciências Humanas e Sociais, possuir
capacidade crítica e analítica frente às realidades brasileiras, local e mundial, e
capacidade criativa e inovadora quanto a formulação e implementação de políticas de
intervenção social frente às mazelas sociais. Portanto, deverá ser um profissional capaz
de:
1. Elaborar, implementar, assessorar, coordenar e executar políticas sociais nas
áreas de saúde, assistência e previdência, educação, habitação, crianças,
adolescentes, idosos, pessoas com deficiência, população LGBT, indígenas,
quilombolas, ribeirinhos, pessoas em situação de rua e outros;
2. Elaborar, coordenar, executar e avaliar programas e projetos na área de serviço
social;
3. Encaminhar providências e prestar orientação social a pessoas, grupos e à
população em geral;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
23
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

4. Orientar os cidadãos dos diferentes segmentos sociais sobre os programas sociais


disponíveis e democratizar o acesso a esses programas;
5. Planejar, executar e avaliar pesquisas para o conhecimento da realidade social a
fim de subsidiar as ações profissionais;
6. Realizar estudo socioeconômico com os usuários para fins de benefícios e serviços
sociais junto a órgãos da administração pública, privada e outras entidades;
7. Realizar vistorias, perícias técnicas, laudos periciais, informações e pareceres
sobre matéria de Serviço Social;
8. Prestar assessoria e consultoria aos órgãos da administração pública, empresas
privadas e entidades, em matéria de Serviço Social;
9. Planejar, organizar e administrar programas e projetos em unidades de Serviço
Social.

2.7 COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ASSISTENTE SOCIAL

Gerais: a formação profissional deve viabilizar capacitação teórico-metodológica e ético-


política, como requisito fundamental para o exercício de atividades técnico operativas,
com vistas à:
1. Autonomia intelectual em favor da visão sistêmica da realidade, com a
percepção do universo socioeconômico brasileiro e em especial da região;
2. Capacidade de identificar, explicitar e intervir na realidade social; pela
formulação e implementação de propostas condizentes com seu contexto
referencial;
3. Capacidades analíticas, possibilitando estabelecer o diálogo e a correlação
entre os fatos, fenômenos e a realidade social, tendo presente o significado
social de sua profissão;
4. Competência na articulação entre teoria, pesquisa e prática social,
promovendo e preservando a dimensão significativa do conhecimento;
5. Compromisso social, suscitado pela percepção crítica no exercício cognitivo
e (re)construção dos referenciais axiológicos da profissão.
Específicas: a formação profissional deverá desenvolver a capacidade de:
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
24
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

a) Formular e executar políticas sociais em órgãos da administração pública,


empresas e organizações da sociedade civil;
b) Elaborar, executar e avaliar planos, programas e projetos na área social;
c) Contribuir para viabilizar a participação dos usuários nas decisões
institucionais;
d) Planejar, organizar e administrar benefícios e serviços sociais;
e) Realizar pesquisas que subsidiem formulação de políticas e ações
profissionais;
f) Prestar assessoria e consultoria a órgãos da administração pública,
empresas privadas e movimentos sociais em matéria relacionada às
políticas sociais e à garantia dos direitos civis, políticos e sociais da
coletividade;
g) Orientar a população na identificação de recursos para atendimento e
defesa de seus direitos;
h) Realizar visitas, perícias técnicas, laudos, informações e pareceres sobre
matéria de Serviço Social;
i) Realizar estudos socioeconômicos para identificação de demandas e
necessidades sociais;
j) Exercer funções de direção em organizações públicas e privadas na área de
Serviço Social;
k) Supervisionar diretamente estagiários de Serviço Social.

Registra-se que o profissional de Serviço Social, conforme a Lei Nº 8.662, de 7 de


junho de 1993, deverá apresentar, ainda, as seguintes competências e habilidades
técnico-operativas:
a) Assumir o magistério de Serviço Social e coordenar cursos e unidades de
ensino;
b) Estabelecer as dimensões investigativa e interpretativa como princípios
formativos e condição central da formação profissional e da relação teoria e
realidade;
c) Propor a interdisciplinaridade como elemento fundante no projeto de
formação profissional, do Assistente Social;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
25
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

d) Exercitar a indissociabilidade das dimensões de ensino, pesquisa e


extensão;
e) Estabelecer o exercício do pluralismo como elemento próprio da vida
acadêmica e profissional, impondo o necessário debate sobre as várias
tendências teóricas que compõem a produção das ciências humanas e
sociais;
f) Compreender a ética como princípio que perpassa toda a formação
profissional;
g) Defender a indissociabilidade entre a supervisão acadêmica e formação
profissional na atividade de estágio.

2.8 CAMPO DE ATUAÇÃO PROFISSIONAL

O Bacharel em Serviço Social a ser formado pelo Instituto deverá ser um


profissional preparado para atuar nos diversos espaços ocupacionais, dos quais citamos
alguns:
1. Assistência Social: Secretarias Estaduais e Municipais de Assistência Social e nos
equipamentos dessa política pública: Centro de Referência de Assistência Social -
CRAS, Centro de Referência Especializada de Assistência Social - CREAS, Instituição
de Acolhimento de Crianças e Adolescentes, Instituições de Longa Permanência,
Órgãos de Controle Social (Conselhos), Entidades Assistenciais e outros;
2. Área Socioeducativa: Unidades que mantém Programas de Internação,
Semiliberdade e Internação Provisória para Adolescentes;
3. Saúde Pública e Privada: Secretarias Estadual e Municipais de Saúde e seus
equipamentos: Unidades Regionais de Saúde, Unidades Básicas de Saúde, Hospitais,
Clínicas, Ambulatórios e Centro de Apoio Psicossocial (CAPS) e outros;
4. Previdência Social: Órgãos da Previdência Social Pública ou Privada em nível
Federal, Estadual e Municipal;
5. Área Empresarial: Indústrias, Empresas Públicas e Privadas, Órgãos Patronais de
Serviço Social (SESC, SENAC, SESI, SENAI, SENAR, SEST/SENAT e SEBRAE,
SESCOOP);
6. Habitação: Secretarias Estadual e Municipais de Habitação e Urbanismo, Órgãos de
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
26
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Financiamento e Planejamento Habitacional, Companhias e Cooperativas


Habitacionais e Movimentos Sociais na área habitacional;
7. Educação: Secretarias Estadual e Municipais de Educação, Escolas Públicas e
Particulares, Centros de Educação Especial, Centros de Readaptação de Crianças,
Institutos Educacionais, Universidades, Órgãos Regulamentares e Controle Social
(Conselhos);
8. Área Sócio Jurídica: Secretarias de Segurança Pública, Delegacias, Polícias, Forças
Armadas, Penitenciárias, Tribunal de Justiça e Juizados, Ministério Público e
Promotorias, Defensorias Públicas e Serviços de Assistência Jurídica;
9. Movimentos Sociais Populares: Associação de Bairros e/ou Moradores,
Movimentos Populares; Comunidade de Base, Núcleos de Produção Comunitária e
Cooperativa;
10. Terceiro Setor: Organizações Não-Governamentais;
11. Conselhos de Direitos e Políticas Públicas: Conselhos de Saúde, Conselhos da
Assistência Social, Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho do
Idoso, Conselho da Pessoa Idosa, Conselho LGBT, etc...

2.9 COORDENAÇÃO DE CURSO

A Coordenação de Curso tem por finalidade o planejamento, o acompanhamento, o


controle e a avaliação das atividades de ensino do respectivo curso e o estabelecimento
de uma ponte com a extensão e a pesquisa.
Norteada pelos princípios fundamentais do IMMES e pelo projeto pedagógico, a
coordenação do curso de Serviço Social é ocupada por um profissional, assistente social,
que desempenha atribuições acadêmicas, gerenciais, políticas e institucionais, auxiliando
os docentes e discentes na área pedagógica, procurando atender as expectativas dos
acadêmicos e incentivando-os a alcançarem seus objetivos. É responsável pela
atualização do projeto pedagógico, seu aprimoramento e atualização com base nas
diretrizes curriculares nacionais e nas necessidades despontadas no dia-a-dia acadêmico
e na dinâmica social e institucional.
O profissional que coordena o curso exerce suas funções, coordenando e
acompanhando todas as atividades pertinentes ao curso: planejamento pedagógico,
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
27
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

seleção de professores, composição de turmas, elaboração de horário, atividades de


extensão, acompanhamento docente e demais atividades necessárias para o bom
funcionamento do curso.
Sob a supervisão da gestão acadêmica e acompanhamento da Diretoria e
contando com os órgãos próprios de apoio e auxiliares administrativos, a coordenação é
responsável pelo perfeito andamento das atividades pedagógicas e seus registros, bem
como pela qualidade e regularidade das avaliações desenvolvidas no curso. Promove
junto com os professores e demais setores da instituição, atividades acadêmicas
complementares, incentivando professores e alunos no desenvolvimento de atividades de
extensão, iniciação científica e pesquisa, buscando os meios necessários para tal.
Convoca reuniões regulares com o corpo docente do curso, quando são
repassadas orientações institucionais, ouvidos professores sobre o andamento dos
trabalhos letivos.

2.9.1 Curriculum resumido da coordenadora do curso


Profa. Juliana Silva Nascimento Menezes
Possui graduação em Serviço Social pelo Instituto Macapaense de Ensino
Superior-IMMES (2006), mestra em Gestão em Saúde (2013), especialista em Gestão de
Projetos Sociais (2007), especialista em Docência do Ensino Superior (2009), especialista
em Acreditação: Qualidade no Serviço de Saúde (2010), especialista em Gestão (2012) e
MBA em Gestão Hospitalar (2018). Atua na área da saúde, atualmente exercendo função
de gerente de serviços de saúde, atua na área da docência desde 2008, como professora,
coordenação, orientação de TCC. Tem experiência na área do Serviço Social, com ênfase
na assistência social e saúde. (http://lattes.cnpq.br/8502653919371427)

2.9.1.1 Regime de Trabalho

A coordenadora do curso Professora Juliana Silva Nascimento Menezes está


enquadrada no regime de tempo parcial com 20h (CLT). Essas horas são utilizadas,
prioritariamente, para atendimento aos discentes (noturno em que ocorrem as aulas do
curso), como também para atendimento aos docentes, direção acadêmica, reuniões com
Núcleo Docente Estruturante (NDE), reuniões com o colegiado de curso, entre outras
atividades necessárias para o excelente exercício da função de coordenação.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
28
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.10 COLEGIADO DO CURSO

O Colegiado do Curso de Graduação em Serviço Social encontra-se devidamente


institucionalizado em franca operação, em consonância com o Título II, Capítulo I,
Subsecção IV e Artigo 31, do Regimento Interno do IMMES – como instância de tomada
de decisões administrativas e acadêmicas, sendo desde sua gênese constituída pelo
coordenador do curso/presidente do Colegiado, professores do curso/membros e
acadêmico de Serviço Social/representante discente.
A partir de então, ficaram estabelecidas como competências do Colegiado do
Curso de Serviço Social:
 Implementar e manter atualizado o Projeto Pedagógico do Curso.
 Desenvolver mecanismos de acompanhamento e avaliação discente.
 Aprovar e alterar os conteúdos programáticos, bem como os currículos e carga
horária das disciplinas.
 Definir os mecanismos e as estratégias de trabalho no âmbito do Curso.
 Propor e implementar alterações em conteúdos programáticos.
 Apreciar e julgar processos de natureza pedagógica.
 Elaborar o calendário de atividades acadêmicas e extensão do curso.
 Definir os procedimentos rotineiros do colegiado.
 Formar comissões para assuntos de natureza acadêmica.
 Cumprir e fazer cumprir os preceitos do Regimento Interno do IMMES.

O Colegiado mantém uma rotina de reuniões ordinárias, as quais são registradas


em Atas, que permanecem arquivadas na Coordenação do Curso.
Atualmente, o Colegiado atua dentro de suas competências em conjunto com o
Núcleo Docente Estruturante do Curso de Serviço Social, sendo este último responsável
diretamente pela concepção, implantação e, principalmente, consolidação do Projeto
Pedagógico do Curso.
Os membros do corpo docente pertencem ao quadro de pessoal da Entidade
Mantenedora, com contratos regidos pela legislação trabalhista, de acordo com o Plano
de Carreira específico, organizado segundo as exigências de elaboração técnica e o
disposto do Regimento Interno do IMMES, sendo admitidos por meio de processo seletivo
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
29
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

regido por regras próprias da instituição, culminando com a realização Banca


Examinadora.
O atual corpo docente do Curso de Serviço Social traz como marcas
preponderantes a dedicação e a responsabilidade na lide com o processo de ensino-
aprendizagem. Afinal, formar, capacitar, qualificar, atualizar e especializar recursos
humanos requer a contribuição de docentes experientes e que tenham possibilidade de
dedicar-se ao curso e de contribuir com o desenvolvimento do conhecimento científico,
tecnológico e cultural, por meio de estudos e pesquisas.
Em sua maioria, os docentes do curso acumulam uma experiência profissional no
âmbito do serviço público e privado, sobretudo, aqueles com formação em Serviço Social.
Além disso, detêm uma sólida experiência acadêmica em nível superior, alguns, também,
em nível técnico-profissionalizante.
Enfim, a formação e experiência do atual corpo docente do curso somado ao
engajamento no processo educacional deste seleto grupo de professores possibilita a
consecução dos objetivos propostos para o Curso de Serviço Social.

2.11 NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE - NDE

O Núcleo Docente Estruturante do Curso de Serviço Social do IMMES foi criado


pela Portaria nº 010, de 28 de Julho de 2014 (atualizado pela Portaria nº 005, de 19 de
Fevereiro de 2016), tendo por base a Portaria MEC nº 147/2007 e Resolução CONAES nº
001/2010. O NDE do Curso de Graduação em Serviço Social tem a função de qualificar o
envolvimento docente no processo de concepção e consolidação do Curso, respondendo
mais diretamente pela implantação, consolidação, avaliação e contínua atualização do
Projeto Pedagógico do Curso. Ele é o elemento diferenciador da qualidade do Curso.
O NDE do Curso de Serviço Social tem como atribuições:
 Zelar pela organização didático-pedagógica do Curso;
 Supervisionar, acompanhar e avaliar periodicamente o Projeto Pedagógico do
Curso;
 Supervisionar as formas de avaliação e acompanhamento do Curso definidas pelo
Colegiado;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
30
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 Conduzir os trabalhos de reestruturação curricular para aprovação no Colegiado,


sempre que for assim necessário;
 Analisar e avaliar os planos de ensino dos componentes curriculares, propondo
revisão de ementas e conteúdos programáticos quando necessários;
 Propor estratégias de melhoria dos resultados do ENADE do Curso;
 Contribuir para consolidação profissional do egresso do Curso;
 Zelar pela integralização curricular interdisciplinar entre as diferentes atividades de
ensino constantes do currículo;
 Indicar formas de incentivo ao desenvolvimento de linhas de pesquisa e extensão,
oriundas de necessidades da graduação, de exigências do mercado de trabalho e
afinadas com as políticas relativas à área de conhecimento do curso;
 Zelar pelo cumprimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de
Graduação em Serviço Social.

O NDE é composto pela coordenadora do curso e por quatro docentes, os quais


participaram plenamente da elaboração do Projeto Pedagógico do Curso e têm clara
responsabilidade com a sua implantação. Possuem titulação acadêmica obtida em
programas de pós-graduação lato/stricto sensu e regime de hora aula.

2.12 ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO

O projeto formação profissional dar-se-á através da articulação entre as dimensões


anteriormente referidas do exercício profissional, favorecida pela nova lógica curricular a
qual explicita a unidade dialética entre elas. Esta nova lógica considera a questão social
como centralidade da profissão hoje, ou seja, caracteriza-se como objeto do fazer do
Serviço Social. Para clarear essa questão, Iamamoto (1997, p.14) define que os
assistentes sociais trabalham com a questão social nas suas mais variadas expressões
quotidianas, tais como os indivíduos as expressam no trabalho, na família, na área
habitacional, na saúde, na assistência social pública, etc. Questão Social que sendo
desigualdade é também rebeldia, por envolver sujeitos que vivenciam as desigualdades e
a elas resistem, se opõem. É nesta tensão entre produção da desigualdade e produção
da rebeldia e da resistência, que trabalham os assistentes sociais, situados nesse terreno
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
31
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

movido por interesses sociais distintos, aos quais não é possível abstrair ou deles fugir
porque tecem a vida em sociedade.
Como parte da totalidade do projeto de formação profissional, estão temas
transversais que, em consonância com os princípios do Código de Ética do Assistente
Social, fomentam o exercício e a postura crítico-democrática do discente. Constitui
exemplo à educação ambiental com vistas ao “incentivo à participação individual e
coletiva, permanente e responsável, na preservação do equilíbrio do meio ambiente,
entendendo-se a defesa da qualidade ambiental como um valor inseparável do exercício
da cidadania” (Lei nº. 9.795, de 27 de abril de 1999). A educação étnico-racial também
está contemplada como temática transversal por buscar, dentre outros objetivos, divulgar
e produzir conhecimentos, atitudes, posturas e valores que eduquem cidadãos quanto à
pluralidade étnico-racial, tornando-os capazes de interagir e de negociar objetivos comuns
que garantam, a todos, respeito aos direitos legais e valorização de identidade, na busca
da consolidação da democracia brasileira (Resolução CNE Nº 1, de 17 de junho de 2004).
A concretude da formação profissional, seus pressupostos, princípios e fundamentações
acontecem através dos componentes curriculares, que, por sua vez, estão embasados
nos três núcleos de fundamentação, posteriormente citados. O Curso de Serviço Social
do IMMES é constituído de disciplinas obrigatórias, disciplinas optativas, seminários
temáticos, dispostas de maneira a atender às orientações dos princípios norteadores da
formação profissional, contando também com atividades complementares (iniciação
científica, cursos de extensão, eventos científicos, atividades culturais, dentre outras). A
Matriz Curricular conta ainda com dois importantes e indispensáveis elementos
constitutivos do currículo: o Estágio Supervisionado enquanto atividade obrigatória e o
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). O IMMES, comprometido com o ensino, a
pesquisa e a extensão, em acordo com a Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa
(ABEPSS), acredita que a formação profissional deve viabilizar uma capacitação teórico-
metodológica e ético-política, como requisito fundamental para o exercício de atividades
técnico-operativas. Nestas condições o Estágio torna-se um momento privilegiado de
aprendizado teórico-prático do trabalho profissional, o que traz implicações diretas à
formação profissional do aluno. O Estágio Supervisionado, assim, é uma atividade
curricular obrigatória que se configura a partir da inserção do aluno no espaço sócio
institucional, objetivando capacitá-lo para o exercício profissional. A supervisão será feita
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
32
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

conjuntamente por um professor supervisor acadêmico e um supervisor de campo,


através da reflexão, acompanhamento e sistematização com base em um plano de
estágio. A supervisão de estágio em serviço social configura-se como atribuição privativa
do Assistente Social regulamentada pela Lei 8.662 que dispõe sobre a profissão. O
Estágio Supervisionado deve ser concomitante ao período letivo escolar. Dentro do
Estágio Supervisionado, existe o campo de estágio, definido como o espaço sócio
institucional, seja de direito público ou privado, onde o aluno é inserido, sob a
responsabilidade da Instituição de Ensino Superior, com o objetivo de ser capacitado para
o exercício profissional, constituindo-se como momento privilegiado de aprendizado
teórico-prático, na formação dos alunos. O instituto firma convênio, na forma da lei, com
instituições públicas e privadas para o desenvolvimento do estágio supervisionado do
Curso de Serviço Social.
O TCC, para o Curso de Serviço Social, constitui um trabalho monográfico de
caráter individual ou dupla, normatizado por um manual. Representa uma exigência para
a obtenção do grau de bacharel, pelo discente, após conclusão de todos os créditos
obrigatórios. Sob a orientação de um professor orientador, e através de apresentação
oral, a monografia será avaliada por uma banca examinadora composta de três membros.
A mesa avaliadora deve ser composta por profissionais com título de especialista, no
mínimo, e experiência na área do objeto de estudo do formando.
O currículo contempla ainda atividades complementares estimuladoras do
desenvolvimento crítico, político, cultural e científico do estudante, objetivando imprimir o
caráter da interdisciplinaridade entre os conteúdos ofertados; integrar teoria e prática;
possibilitar o contato com temas emergentes decorrentes das transformações da
sociedade; articular ensino, pesquisa e extensão; possibilitar aos alunos o exercício de
sua cidadania e do pensamento crítico; e favorecer a ampliação da dimensão curricular
pela pluralidade e diversificação das ações vivenciadas pelos alunos. A carga horária de
90 horas é destinada às atividades complementares e deve ser cumprida
obrigatoriamente até o final do curso, através de participação em cursos, conferências,
monitoria, seminários, fóruns, iniciação científica e outras atividades acadêmicas. A carga
horária do curso é de 3.000h, incluindo 510h referentes à disciplina de Estágio
Supervisionado em Serviço Social e 90h de atividades complementares.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
33
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

O estudante terá acesso ao Curso de Serviço Social através de vestibular,


processos de transferência de outra IES e por situação de reopção, quando caracterizar-
se o caso. O curso acontecerá pela tarde e à noite, com oferta de 40 vagas por turno, com
a exigência de um mínimo de 20 alunos para uma turma funcionar. O tempo mínimo de
duração do curso é de 8 (oito) semestres, ou seja, 4 anos.
A dimensão do corpo docente e demais condições de infraestrutura da IES e do
Curso coerentes com o número de vagas anuais autorizadas.

2.12.1 Metodologia do Desenvolvimento Curricular.


Visto que o curso pretende formar profissionais críticos, comprometidos com o
projeto ético-político e que atue nas expressões da questão social, formulando e
implementando propostas de intervenção para o seu enfrentamento com a capacidade de
promover o pleno exercício da cidadania, contribuindo para o desenvolvimento da
sociedade amapaense, os mesmo estão sendo instrumentalizados para uma atuação
investigativa, interventiva e ética na realidade social. Serão proporcionadas aos discentes,
atividades que desenvolvam este perfil como: seminários, debates, participação em
eventos, visitas técnicas, estudos de textos, realização de projetos e pesquisas junto às
comunidades. A coordenação do curso buscará uma permanente articulação com a
extensão, propiciando aos alunos apoio teórico e orientação acadêmica. Serão
desenvolvidas as atividades complementares, compreendendo: visitas monitoradas,
iniciação científica, projetos e cursos de extensão, produção cientifica, participação em
seminários, publicações e outras definidas no plano acadêmico do curso e de acordo com
o que está previsto nas Diretrizes Curriculares emitidas pelo CNE/CES 492/2001.
A estrutura curricular é contemplada com os núcleos de formação, enquanto
conjunto de conhecimentos e habilidades que se especificam em matérias que por sua
vez se desdobram em Disciplinas; Seminários Temáticos, Oficina e Estágios
Supervisionados.

2.12.2 Inter-Relação das Disciplinas na Concepção e Execução do Currículo.


A forma como foi organizada a matriz curricular permitirá aos professores
ministrarem os vários conteúdos de maneira articulada. A interdisciplinaridade é prevista
na ocasião do planejamento dos professores e viabilizada na escolha de áreas comuns a
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
34
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

serem trabalhadas pelas diferentes disciplinas. Desta maneira procura-se um


entendimento mais profundo do contexto nos quais as intervenções se inserem e, ao
mesmo tempo, busca-se otimizar o tempo dos alunos em deslocamentos para
levantamento de campo. Pretende-se que a inter-relação entre os campos de
conhecimento não só horizontalmente, mas também verticalmente seja enriquecedora e
viável, buscando a flexibilidade na organização do curso de Serviço Social e a
consciência da diversidade/ heterogeneidade do conhecimento do aluno, tanto no que se
refere à sua formação anterior, quanto aos interesses e expectativas em relação ao curso
e ao futuro exercício da profissão.

2.12.3 Adequação e Atualização das Ementas e Programas das Disciplinas.


As ementas e os programas estão em concordância com os objetivos gerais e
específicos do curso. Sempre que necessário, ementas e programas serão pautas nas
reuniões de professores do curso, com ênfase na operacionalização, visto que essa é
uma prática recorrente na IES. Os programas, quando necessário receberão acréscimos
e atualizações, visando acompanhar a dinâmica social, tecnológica, científica e favorecer
a interdisciplinaridade.

2.12.4 Adequação, Atualização e Relevância da Bibliografia.


A bibliografia utilizada foi relacionada pelos docentes responsáveis por cada
disciplina em conjunto com a coordenação do curso e o apoio do pessoal técnico da
Biblioteca. A relação dos títulos foi elaborada com o objetivo de atender as ementas dos
campos de conhecimento e ainda propiciar reflexões sobre questões mais diversas e
atuais na área.

2.12.5 Dimensionamento da Carga Horária das Disciplinas


A carga horária proposta para o curso é de 3.000h, incluindo 510h referentes ao
Estágio Supervisionado em Serviço Social e 90h de Atividades Complementares. A carga
horária de 90 horas é destinada às Atividades Complementares que deve ser cumprida
obrigatoriamente até o final do curso por meio da participação em cursos, conferências,
monitoria, seminários, fóruns, iniciação científica e outras atividades acadêmicas.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
35
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Conforme a Resolução CNE/CES nº 3, de 2 de julho de 2007, a carga horária


mínima dos cursos superiores é mensurada em horas (60 minutos), de atividades
acadêmicas e de trabalho discente efetivo.
No curso de Serviço Social do IMMES a hora aula é de 1 hora relógio
correspondente a 60 minutos de aula presencial. Tendo também como alternativa, 50
minutos de aula presencial e 10 minutos de atividades extraclasses, as quais podem ser
realizadas na biblioteca, como a prática bibliográfica, e nos laboratórios, bem como por
meio de trabalhos individuais e em grupo, buscando o aprofundamento teórico e a
interdisciplinaridade entre os conteúdos ofertados. Podem ser realizados também projetos
de iniciação científica e práticas de ensino, como visitas técnicas e pesquisa na
comunidade, com a finalidade de desenvolver as habilidades relacionadas à disciplina e
integrar teoria e prática. Cabe a cada docente definir suas atividades, de modo a fazer
com que os conteúdos ministrados em classe se consolidem, sendo que o mesmo deve
registrar corretamente através de relatório e/ou próprio diário da disciplina.

2.13 CONTEÚDOS CURRICULARES: INTEGRAÇÃO MULTIDISCIPLINAR.

O processo de formação profissional propõe-se a “preparar cientificamente quadros


profissionais capazes de responder as exigências de um projeto profissional
coletivamente construído e historicamente situado” (IAMAMOTO, 1992), portanto, as
discussões sobre as reformulações curriculares se faziam necessárias para a
compreensão do processo profissional do Assistente Social. A partir de diversas
pesquisas e debates ocorridos durante a década de 90, onde um dos pontos
fundamentais é a constituição dos núcleos de fundamentação e consequentemente
elaboração de um conjunto de conhecimentos que sejam associados e que visem o
estudo da realidade global e local.
Desta forma, a proposta de formação profissional está assentada na reafirmação
do trabalho como atividade central responsável pela hominização, o trabalho como sendo
à base das relações entre os homens, e o homem entendido como um ser que se constrói
inserido em um processo social e em diálogo com a natureza.
Entende-se que o conteúdo curricular remete a um conjunto de conhecimentos
indispensáveis que se traduzem em núcleos de fundamentação constitutivos da formação
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
36
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

profissional. São eles: núcleo de fundamentos teórico-metodológico da vida social; núcleo


de fundamentos da formação sócio histórica da sociedade brasileira e núcleo de
fundamentos do trabalho profissional.
I. Núcleo articulado: fundamentos-teórico-metodológicos da vida social.

É responsável pelo tratamento do ser social enquanto uma totalidade histórica,


analisa os componentes fundamentais da vida social considerando todo “processo de
constituição e desenvolvimento da sociedade burguesa, apreendida em seus elementos
de continuidade e ruptura, frente a momentos anteriores do desenvolvimento histórico”
(ABESS/CEDEPSS, 1996), ou seja, discutir a práxis, o processo social que está em
constante transformação e compreender a realidade em suas múltiplas determinações.
A preocupação e apreender o desenvolvimento da sociedade contemporânea, em
seus aspectos econômicos, sociais, políticos, filosóficos e culturais, e os fenômenos e
manifestações institucionais, culturais em sua relação com o fundamento da ação
profissional. O trabalho é assumido como eixo central do processo de reprodução da vida
social, sendo tratado como práxis.
II. Núcleo Articulador: fundamentos da particularidade da formação sócio
histórica da sociedade brasileira.

Baseia-se nos conhecimentos econômico, social, político e cultural da sociedade


brasileira. Esse núcleo busca apreender os diferentes movimentos que visem a
“consolidação de determinados padrões de desenvolvimento capitalista no país”, as
organizações sociais e as questões sociais que acompanham esse desenvolvimento.
III. Núcleo Central: fundamentos do trabalho profissional.

A questão principal é tratar da “profissionalização do Serviço Social como uma


especialização do trabalho e sua prática como concretização de um processo de trabalho
que tem como objeto as múltiplas expressões da questão social.”, deste modo, a ação
profissional deve ser articulada a um contexto histórico visando todo um processo teórico,
metodológico, estratégico, ético e técnico da prática profissional envolvendo também a
pesquisa e extensão.
As áreas de aprendizagem do Estágio supervisionadas estão vinculadas às
práticas profissionais em setores onde o Serviço Social está inserido no Estado
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
37
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

principalmente na área de Macapá e Santana: Serviço Social na Área da Assistência


Social, Serviço Social na área da Saúde, Serviço Social na área da Educação, na área
Sócio Jurídica, e nas demais áreas em que o fazer profissional é exigido.
Os núcleos constitutivos da formação profissional do Serviço Social propõem a
construção teórico-metodológica, histórica, ético-política, técnico-operativo,
proporcionando ao discente a construção de bases de conhecimentos e valores
profissionais, que garantam a qualificação profissional. É importante ressaltar, que se tem
buscado afunilar as discussões das análises específicas da Amazônia que apresentam
algumas peculiaridades que diferencia a discussão das outras regiões.
Definido o perfil de formação, o curso estruturou-se em três segmentos gerais que
serão apresentados em detalhes ao se descrever a representação gráfica do perfil de
formação profissional e a estrutura curricular. Essa estrutura básica, contudo, já pode ser
vista na Figura 1, a seguir:
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
38
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Núcleo articulado: • Teoria Sociológica;


fundamentos teórico- • Psicologia Social;
metodológicos da vida • Antropologia;
social. • Fundamentos Filosóficos do Serviço; Social.

• Economia Política;
•Formação Sócio Histórica do Brasil;
Núcleo Articulador: • Movimentos Sociais;
fundamentos da
particularidade da • Política Social;
formação sócio histórica • Direito Social;
da sociedade brasileira. • Questão Social na Amazônia;
• Acumulação Capitalista e Desigualdade
Social.

• Fundamentos Históricos, Teóricos e


Metodológicos do Serviço Social I, II, III e IV;
Núcleo Central:
fundamentos do trabalho • Ética do Serviço Social;
• Processo de Trabalho e Serviço Social
profissional.
• Gestão e Planejamento;
• Pesquisa em Serviço Social;
• Trabalho Cientifico.

Figura 1: Momentos da formação do Assistente Social na estrutura geral do Curso.

Os conteúdos curriculares possibilitam adequado desenvolvimento do perfil


profissional do egresso, considerando os aspectos: atualização, adequação das cargas
horárias em horas, da adequação da bibliografia, da abordagem de conteúdos pertinentes
às políticas de educação ambiental, de educação em direitos humanos, de educação das
relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira, africana e
indígena.

2.14 DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE SERVIÇO SOCIAL

O curso de Serviço Social do IMMES atende plenamente as Diretrizes Curriculares


Nacionais para o curso em questão:
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
39
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 Resolução CNE/CES. nº 2, DE 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária


mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de
graduação, bacharelados, na modalidade presencial. Os estágios e as atividades
complementares dos cursos de graduação, bacharelado, modalidade presencial,
não deverão exceder a 20% (vinte por cento) da Carga Horária Total do Curso.
 Considerando a Política Nacional de Estágio da Associação Brasileira de Ensino e
Pesquisa em Serviço Social - ABPESS, a qual destaca que a carga horária
disponibilizada para o Estágio Supervisionado curricular obrigatório deve ser de, no
mínimo, 15% das 3.000 horas estabelecidas como carga horária mínima pelo
Parecer nº 08/2007, o qual foi homologado pela Resolução CNE/CES nº 02/2007.
 Em função do descrito nos itens anterior há no Curso de Serviço Social do IMMES:
17% da carga horária total do curso destinada a estágios e 3% da carga horária
total destinada à atividade complementar.
 Resolução CNE/CES nº 15, de 13 de Março de 2002. Estabelece as Diretrizes
Curriculares para os cursos de Serviço Social.
 Parecer CNE 492/2001. Emite parecer sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais
dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social,
Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia.
 Parecer CNE 1363/2001. Retifica o Parecer CNE/CES nº 492, de 3 abril de 2001,
que aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Arquivologia,
Biblioteconomia, Ciências Sociais – Antropologia, Ciência Política e Sociologia,
Comunicação Social, Filosofia, Geografia, História, Letras, Museologia e Serviço
Social.
 Diretrizes Curriculares da ABEPSS 1999.
 Parecer da Comissão de Especialistas, 1997. Padrão de qualidade para cursos de
graduação presencial em Serviço Social.
 Os conteúdos das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações
Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, Africana e
Indígena, nos termos da Lei Nº 9.394/96, com a redação dada pelas Leis Nº
10.639/2003 e N° 11.645/2008, e da Resolução CNE/CP N° 1/2004, fundamentada
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
40
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

no Parecer CNE/CP Nº 3/2004 (Lei 11.645/2008 e Res. CP/CNE 1/2004) está


contemplado na disciplina Antropologia.
 Os conteúdos das Políticas de Direitos Humanos (Parecer CNE/CP N° 8, de
06/03/2012, que originou a Resolução CNE/CP N° 1, de 30/05/2012, Res. CP/CNE
1/2012) estão contemplados na disciplina Seminários Temáticos: Direitos
Humanos.
 Os conteúdos das Políticas de Educação Ambiental (Lei 9795/1999 e Dec.
4281/2002) está contemplado na disciplina Serviço Social e Meio Ambiente.
 Os conteúdos da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com
Transtorno do Espectro Autista (Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012), estão
contemplados na disciplina Serviço Social e Saúde Mental (optativa).
 Os conteúdos da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que dispõe sobre a
Língua Brasileira de Sinais – Libras estão contemplados na disciplina Libras
(optativa).
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
41
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.15 MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
1 Introdução ao Serviço Social 40 40 ... ...
2 Produção de Textos Acadêmicos 40 40 ... ...
3 Metodologia Científica 60 60 ... ...
Fundamentos Filosóficos ao Serviço
4 60 60 ... ...
Social
5 Teoria Sociológica 60 60 ... ...
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 260 260 0

2º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
1
6 Antropologia 60 60 ... ...
7 Economia Política 60 60 ... ...
8 Psicologia Social 80 80 ... ...
9 Formação Sócio Histórica do Brasil 80 80 ... ...
10 Ciência Política 80 80 ... ...
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 360 360 0

3º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
11 Estatística aplicada ao Serviço Social 60 60 ... ...
12 Questão Social e Serviço Social 60 60 ... ...
Acumulação Capitalista e Desigualdade
13 80 80 ... ...
Social
Fundamentos Históricos, Teóricos e
14 80 80 ... ...
Metodológicos do Serviço Social I
15 Política Social I 80 80 ... ...
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 360 360

4º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
16 Ética Profissional em Serviço Social 80 80 ... ...
17 Direito Social 60 60 ... ...
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
42
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

18 Política Social II 80 80 ... Política Social I


Fundamentos Históricos, Teóricos e
19 80 80 ... FHTM I
Metodológicos do Serviço Social II
20 Seguridade Social 80 80 ... ...
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 380 380 0

5º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
Oficina: Instrumental técnico-operativo
21 60 60 ... ...
do Serviço Social
22 2Optativa I 60 60 ... ...
Fundamentos Históricos, Teóricos e
23 80 80 ... FHTM II
Metodológicos do Serviço Social III
24 Pesquisa em Serviço Social I 80 80 ... ...

25 Gestão e Planejamento Social 80 80 ... ...


CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 360 360 0

6º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
26 3Optativa II 60 60 ... Optativa I
Pesquisa em
27 Pesquisa em Serviço Social II 80 80 ...
Serviço Social I
Fundamentos Históricos, Teóricos e
28 80 80 ... FHTM III
Metodológicos do Serviço Social IV
29 Processo de Trabalho e Serviço Social 80 80 ... ...

30 Estágio Supervisionado I 170 40 130 ...


CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 470 340 130

7º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
31 TCC I 40 40 ... ...
32 Movimentos Sociais 60 60 ... ...
33 Elaboração de Projetos Sociais 60 60 ... ...
34 Questão Social na Amazônia 80 80 ... ...
Estágio
35 Estágio Supervisionado II 170 40 130
Supervisionado I
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 410 280 130
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
43
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

8º SEMESTRE
PRÉ-
Nº DISCIPLINAS CH CHT CHP
REQUISITOS
4
Seminários Temáticos: Direitos ... ...
36 60 60
Humanos
37 5Serviço Social e Meio Ambiente 40 40 ... ...

38 TCC II 40 40 ... TCC I


Estágio
Estágio Supervisionado III 170 40 130
39 Supervisionado II
CARGA HORÁRIA SEMESTRAL 310 180 130

DISCIPLINAS OPTATIVAS (Carga Horária 60 horas)


2 3
OPTATIVAS I OPTATIVAS II
Políticas de proteção à Criança e ao
Serviço Social e Saúde Mental
Adolescente
Serviço Social e Famílias
Serviço Social, Política Social e Envelhecimento
Relações de sexo/gênero, raça/etnia,
Libras
sexualidade e Serviço Social
Inglês Instrumental Francês Instrumental

RESUMO ESTRUTURAL DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO


Carga Horária de Disciplinas Obrigatórias 2280
Disciplinas Optativas 120
Atividades Complementares (monitoria, extensão, iniciação científica e
90
cursos realizados em áreas afins)
Estágio Supervisionado (obrigatório) 510
CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO 3000
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
44
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.16 EMENTÁRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.16.1 Disciplinas, Ementas e Bibliografia Básica e Complementar.

1º SEMESTRE

Disciplina: Introdução ao Serviço Social


1º Semestre Carga Horária: 40 Teórica: 40 Prática: ...
EMENTA
A constituição e o desenvolvimento da profissão na divisão sócio técnica do trabalho. A
inserção e especificidade do Serviço Social como especialização do trabalho coletivo,
determinantes objetivos do trabalho profissional no âmbito da reprodução social.
Contextualização do Serviço Social no cenário das práticas sociais, tendo como eixo de
discussão as expressões da questão social. Elementos constitutivos do processo de trabalho
do assistente social na atualidade. A Lei de regulamentação da profissão, os órgãos de
representação da categoria profissional. As demandas atuais, os campos de
intervenção e o mercado de trabalho.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: A PROFISSÃO DE SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL.


1.1 Caracterização do Serviço Social
1.2 A natureza contraditória do Serviço Social
1.3 A dimensão política da profissão

UNIDADE II: MERCADO DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL: DEMANDAS E


RESPOSTAS.
2.1 A consolidação do Serviço Social enquanto profissão
2.2 Vinculação do Serviço Social com as classes populares
2.3 O Serviço Social e a questão social

UNIDADE III: A ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DA PROFISSÃO.


3.1 A organização política da profissão no Brasile no Amapá
3.2 Demandas atuais, campos de intervenção e mercado de trabalho.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
45
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

CASTRO, M. História do Serviço Social na América Latina. São Paulo: Cortez, 2000.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil – Esboço


de uma interpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 2001.

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social - uma análise do serviço social no Brasil após-64.
São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

MARTINELLI, M. L. Serviço social: identidade e alienação. São Paulo: Cortez. 2011.

NETTO, J.P. Capitalismo monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2001.

___________. Ditadura e serviço social - uma análise do serviço social no Brasil após-64.
São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA, M. O. S. (coord). O serviço social e o popular - resgate teórico-metodológico do


projeto profissional de ruptura. São Paulo: Cortez, 4 ed., 2007.

Disciplina: Produção de Textos Acadêmicos


1º Semestre Carga Horária: 40 Teórica: 40 Prática: ...
EMENTA
Viagem pelo universo da palavra. Estudo do texto: verbal e não verbal. Desvelamento do
texto: leitura do texto do cotidiano. Processo de transfiguração (sublimação) por meio dos
diversos tipos de linguagem. Prática textual como exercício de libertação, de democracia e de
transformação social. Dialética da (re)criação textual entre os atores da comunicação.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: A IMPORTÂNCIA DA LEITURA
1.1 Leitura na escola: um objeto de conquista;
1.2 Por mais leitura: o desmantelamento da censura nas escolas;
1.3 Por melhor leitura: o combate à redundância e a superficialidade teórica;
1.4 Leitura no ensino da língua portuguesa;
1.5 Leitura escolar: a questão de suas finalidades;
1.6 Leitura: da teoria para a prática em sala de aula;
1.7 A formação do leitor.
UNIDADE II: GÊNEROSETIPOSTEXTUAIS:
2.1 Gêneros e tipos: o que são? Para que servem?;
2.2 Gêneros textuais: composição, conteúdo, estilo;
2.3 Tipologia textual: texto narrativo, texto descritivo, texto dissertativo;
2.4 Tipologia textual baseada na intencionalidade/aceitabilidade;
2.5 Os gêneros da internet, as características e a escrita.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
46
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE III: TEXTO/TEXTUALIDADE


3.1 Concepção de texto/Linguística do texto;
3.2 Elementos da textualidade: Critérios de textualidade;
3.3 Coerência e coesão: conceito e fatores;
3.4.Texto, contexto, textualidade, intertextualidade, intencionalidade, aceitabilidade,
informatividade;
3.5. Intertexto;
3.6 Hipertexto;
3.7 O Novo Acordo Ortográfico.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

FIORIN, J.F; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Editora
Ática, 2001.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

VANOYE, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. São


Paulo: Martins Fontes, 1998.

 COMPLEMENTAR:

BARROS, Aidil Jesus Silveira, Fundamentos de metodologia científica. 2 ed. Rio de


Janeiro, Pearson, 2000.

CUNHA, F.; CINTRA, L.F. Nova gramática do português contemporâneo. 3ed. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

FEITOSA, V. C. Redação de textos científicos. 10ed. Campinas, Papirus, 2006.

FIORIN, J. L; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto – Leitura e Redação, 16ª ed. São
Paulo. Ática, 2006.

Disciplina: Metodologia Cientifica


1º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
História da ciência e do conhecimento. Conhecimento não científicos. Conhecimento
científico. A pesquisa científica. Normatização de trabalhos acadêmicos – ABNT. Plataforma
Brasil e Currículo Lattes. A redação científica. Tipos de textos científicos. Internet como
ferramenta de pesquisa. O projeto de pesquisa.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
47
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE I: HISTÓRIA DA CIÊNCIA E DO CONHECIMENTO


1.1. Conhecimento não-científicos.
 Empírico;
 Teológico;
 Filosófico;
 Artístico;
 Jornalístico.
1.2. O conhecimento científico.
 Bases epistemológicas do conhecimento cientifico;
 O método científico como princípio da observação e da investigação de fatos e
fenômenos naturais e do cotidiano.

UNIDADE II: A PESQUISA CIENTÍFICA


2.1. Tipos de pesquisa.
2.2. A pesquisa em ciências humanas e sociais.
 Pesquisa qualitativa;
 Pesquisa quantitativa;
 Aspectos das pesquisas básicas e avançada.

2.3 Os Periódicos Científicos


2.4 Plataforma Brasil: ética na pesquisa
2.5 Currículo Lattes

UNIDADE III: PROJETO DE PESQUISA


3.1 Etapas da Pesquisa Científica: Planejamento, Execução e Divulgação
3.2 Escolha do tema;
3.3 Estrutura Textual do Projeto de Pesquisa
 Introdução (Problema, Hipótese [quando couber]; Justificativa)
 Objetivos;
 Referencial Teórico (Levantamento Bibliográfico ou Pesquisa Bibliográfica);
 Metodologia;
 Recursos e Cronograma.

UNIDADE IV: REDAÇÃO CIENTÍFICA


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
48
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 A redação científica
 O Plágio
 Características;
 Linguagem inequívoca e impessoal;
 Clareza e objetividade;

UNIDADE V: PRODUÇÃO TEXTUAL E TEXTOS CIENTÍFICOS


 Fichamento;
 Resumos acadêmicos: Informativo, Indicativo e Resenha;
 Resumos Científicos
 Artigo Científico; Nota Científica.
 Monografias.

UNIDADE VI: APRESENTAÇÃO GRÁFICA DE UMA MONOGRAFIA


 Margens;
 Espaçamentos;
 Alinhamentos;
 Padrões automáticos do Word (nota de rodapé, sumário, número de página)
 Texto;
 Elementos de uma Monografia de Conclusão de Curso: parte externa (capa); parte
interna (elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais)

UNIDADE VII: NORMATIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICO-CIENTÍFICOS – ABNT.


 Internet como ferramenta de pesquisa e fonte de conhecimento;
 NBR 14724 (Apresentação de Trabalhos Acadêmicos) – ABNT 2011; e demais NBRs
necessárias (10520; 6021, 6022, 6023, 6027, 6028, 6029, 6034, 15287).

BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia Científica. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Cientifico: Procedimentos Básicos. 6 ed. São


Paulo: Atlas, 2001.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
49
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 COMPLEMENTAR:

COSTA, S. F. Método científico: os caminhos da investigação. São Paulo: Harbra, 2001.

FEITOSA, V. C. Redação de textos científicos. 10 ed. Papirus, São Paulo, 2006.

MINAYO, M.C. S. et. al. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro:
Vozes, 2003.

RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa cientifica. 31ed. Rio de Janeiro: Vozes,


2003.

Disciplina: Fundamentos Filosóficos ao Serviço Social


1º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Fundamentos ontológicos do ser social. A dimensão da sociabilidade, trabalho e alienação.
As formas de consciência: política, ciência, religião, moral, arte. As atuais reflexões sobre a
ciência e suas repercussões no mundo do trabalho. Correntes filosóficas e suas influências
no Serviço Social: positivismo, pragmatismo, neotomismo, fenomenologia e marxismo.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: A Filosofia
1.1 O que é a Filosofia?
1.2 O objeto de estudo da Filosofia;
1.3 Os principais conceitos Filosóficos;
1.4 A importância da Filosofia;
1.5 A ética;
1.6 A felicidade para a Filosofia.

UNIDADE II: A CONSCIÊNCIA


2.1 O que é a consciência?
2.2 A consciência mítica;
2.3 O que é mito?;
2.4 Teorias sobre o mito;
2.5 O mito nas civilizações antigas;
2.6 O mito hoje.

UNIDADE III: A RAZÃO.


3.1 Os vários sentidos da palavra razão?;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
50
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.2 A atividade racional e suas modalidades;


3.3 A razão: inata ou adquirida?;
3.4 A razão na filosofia contemporânea.
3.5 A ideologia.

UNIDADE IV: A CIÊNCIA.


4.1 Senso Comum x Ciência;
4.2 A atitude científica;
4.3 A ciência na história;
4.4 As ciências humanas;
4.5 A responsabilidade social do cientista.

UNIDADE V: CORRENTES FILOSOFICAS E SERVIÇO SOCIAL


5.1 O positivismo;
5.2 O pragmatismo;
5.3 O neotomismo;
4.4 A fenomenologia;
4.4 O Marxismo.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

ARANHA, M. L. A; MARTINS, M, H. P. Filosofando: Introdução á filosofia. São Paulo:


Moderna, 2002.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 13 ed., 2009.

REZENDE, A. Curso de Filosofia: para professores e alunos de 2º grau e de graduação. 11


ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

 COMPLEMENTAR:

BUZZI, A. Introdução ao pensar: o ser, o conhecimento, a linguagem. 28 ed. Rio de


Janeiro: Vozes, 2011.

COTRIM, G. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Saraiva, 16 ed., 2006.

MORENTE, G. M. Fundamentos de Filosofia: lições preliminares. São Paulo: Mestre Jou,


1980.

NUNES, C. A. Aprendendo Filosofia. 14 ed. São Paulo, Papirus, 2003.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
51
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Teoria Sociológica


1º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
A origem de uma nova ciência; seu objeto de estudo. A emergência da sociedade burguesa
e a constituição do ser social, a configuração da sociologia no campo científico; os clássicos
da Sociologia e seus respectivos métodos de análise: Comte, Weber, Durkheim, Marx. A
relação da sociologia e o serviço social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O INÍCIO DE UMA NOVA CIÊNCIA


1.1 Os fatores que contribuíram para o surgimento da sociologia;
1.2 O desenvolvimento da sociologia;
1.3 O que é a sociologia? Seu objeto de estudo;
1.4 Os principais conceitos sociológicos.

UNIDADE II: OS PRINCIPAIS CLÁSSICOS DA SOCIOLOGIA

2.1 Auguste Comte e o positivismo;


2.2 Émile Durkheim e o funcionalismo;
2.3 Max Weber e o método compreensivo;
2.4 Karl Marx e o materialismo – histórico - dialético;

UNIDADE III: O OLHAR SOCIOLÓGICO PARA A ATUALIDADE


3.1 A relação indivíduo e a sociedade;
3.2 A globalização: desafios e realidade;
3.3 A Educação ambiental;
3.4 O trabalho na sociedade moderna.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

COSTA, C. Sociologia: Introdução à Ciência da Sociedade. São Paulo, Moderna, 2ª. ed.,
1997.

DURKHEIM, É. As regras do método sociológico. 2 ed. São Paulo: Companhia Editora


Nacional, 1999.

LAKATOS, E. M. Sociologia Geral. 7 ed. São Paulo: Atlas, 1999.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
52
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 COMPLEMENTAR:

CASTRO, A. M. de. Introdução ao Pensamento Sociológico: Durkheim, Weber, Marx e


Parsons. São Paulo: Centauro, 15ª. Edição, 2001.

FAORO, R. Os donos do Poder: Formação do Patronato Político. São Paulo: Globo,


2001.

MARTINS, C. B. O que é Sociologia. 38 ed. São Paulo: Brasiliense, 2001.

VILLA NOVA, S. Introdução à sociologia. 5º ed. São Paulo – SP: Atlas, 2000.

2º PERÍODO

Disciplina: Antropologia
2º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
A Antropologia, seu objeto de estudo e métodos de análise, a construção das identidades e
da subjetividade. Imaginário, representações sociais e expressões culturais dos diferentes
segmentos sociais com ênfase na realidade brasileira e suas particularidades regionais. A
cultura, sua classificação e estrutura. As relações étnico-raciais e o ensino de História e
Cultura Afro-brasileira e Indígena.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I – A ANTROPOLOGIA
1.1 O que é a antropologia?
1.2 O objeto de estudo da antropologia;
1.3 Os principais conceitos antropológicos;
1.4 A antropologia e o trabalho de Campo;
1.5 Teorias Antropológicas: Evolucionista; Funcionalista; Estruturalista.

UNIDADE II – A CULTURA BRASILEIRA.


2.1 O que é cultura?
2.2 A importância da antropologia cultural;
2.3 Os principais conceitos na antropologia cultural;
2.4 Expressões culturais brasileiras.

UNIDADE III – A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL.


3.1 Raça; etnia; povo; nação;
3.2 O que é identidade para a antropologia;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
53
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.3 A construção de identidades sociais;


3.4 As Tribos Urbanas.
UNIDADE IV - FORMAÇÃO ÉTNICA E CULTURAL NO AMAPÁ.
4.1 O elemento Indígena:
 Aspectos Históricos
 Aspectos Sociais
 Aspectos Culturais
 Aspectos Religiosos
 Principais Lutas Políticas
4.2 O Elemento Negro:
 Aspectos Históricos
 Aspectos Sociais
 Aspectos Culturais
 Aspectos Religiosos
 Principais Lutas Políticas
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

LA PLANTINI, F. Aprender antropologia. Ed. Brasiliense. São Paulo, 2000.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 16. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,
2003.

MARCONI, M. A. Antropologia: uma introdução. 5 ed. São Paulo: Ed. Atlas, 2001.

 COMPLEMENTAR:

CHAUÍ, M. Cultura e Democracia. 10 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2003.

DAMATTA, R. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

HALL, S. A identidade Cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro, 2006.

VELHO, G. Individualismo e Cultura: notas para uma Antropologia da Sociedade


Contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

Disciplina: Economia Política


2º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Bases históricas da passagem do feudalismo ao capitalismo e a necessidade/possibilidade
de surgimento da Economia Política. O Liberalismo, o Keynesianismo, o neoliberalismo e a
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
54
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

crítica marxista da economia política. . As categorias fundamentais da produção capitalista,


segundo a crítica marxiana. O trabalho como fonte criadora de valor. A exploração do
trabalho assalariado a as formas de extração da mais valia. Os projetos societários gestados
nos modos de organização das relações econômicos-políticas de produção e reprodução. As
mudanças contemporâneas no padrão de acumulação e suas expressões na economia
brasileira e internacional.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O SURGIMENTO DA ECONOMIA POLITICA


1.1 Bases históricas da passagem do Feudalismo ao Capitalismo.
1.2 Conceitos fundamentais da economia política.

UNIDADE II: A CRÍTICA MARXISTA DA ECONOMIA POLÍTICA


2.1 O método crítico marxiano.
2.2 O processo histórico da acumulação primitiva.
2.3 A mercadoria e o valor de uso e valor de troca.
2.4 O fetichismo da mercadoria.
2.5 O trabalho como fonte criadora de valor.
2.6 A exploração do trabalho assalariado e sua transformação em mais-valia.

UNIDADE III: A CRISE DO SISTEMA DO CAPITAL


3.1 A solução Keinesiana e Neoliberal.
3.2 as mudanças contemporâneas no padrão de acumulação e suas expressões na
economia brasileira e internacional.
3.3 Contradições da produção capitalista e a redução tendencial do trabalho vivo.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do


mundo do trabalho. 7 ed. São Paulo: Copyright, 2000.

DOBB, M. A evolução do capitalismo. 9 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.

SWEEZY, P. A transição do feudalismo para o capitalismo. 4 ed. Rio de Janeiro: Paz e


Terra, 1977.

 COMPLEMENTAR:

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. Tradução de Silvana Finzi Foa. São


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
55
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Paulo: Xamã, 1996.

HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem. Rio de Janeiro: LTC, 1986.


MAZZEO, Antônio Carlos. Burguesia e capitalismo no Brasil. 2 edição. Ática,
1995.

KUMAR SEM, Amartya. Desenvolvimento como Liberdade. São Paulo: Companhia das
Letras, 2000.

Disciplina: Psicologia Social


2º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A constituição da Psicologia como campo científico. As principais matrizes teóricas do
debate contemporâneo das relações individuo-sociedade. A fundamentação das questões
relativas ao desenvolvimento da personalidade e dos grupos sociais. A constituição da
subjetividade no processo de produção e reprodução da vida social. Raízes históricas e
epistemológicas da Psicologia Social. Conceitos básicos: pensamento e linguagem,
identidade social, ideologia e representação social.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I – A CONSTITUIÇÃO DA PSICOLOGIA COMO CAMPO CIENTÍFICO


1.1 O conceito de Psicologia
1.2 Desenvolvimento histórico da Psicologia
a) As influências filosóficas na Psicologia
b) As influências fisiológicas na Psicologia
1.3 O surgimento da Psicologia Científica no Brasil no século XIX

UNIDADE II – AS PRINCIPAIS MATRIZES TEÓRICAS DO DEBATE CONTEMPORÂNEO


DAS RELAÇÕES INDIVIDUO-SOCIEDADE
2.1 Raízes históricas da Psicologia Social
2.2 Raízes epistemológicas da Psicologia Social
2.3 Psicologia Social moderna: um fenômeno caracteristicamente americano
2.4 As formas sociológica e psicológica da psicologia social

UNIDADE III – A FUNDAMENTAÇÃO DAS QUESTÕES RELATIVAS AO


DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE E DOS GRUPOS SOCIAIS
3.1 Conceito, formação, medida da personalidade
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
56
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.2 Fundamentos sociológicos do comportamento:


a) O comportamento social do indivíduo (Socialização; Percepção Social; e Atitudes)
b) O comportamento do grupo (Grupo, posição, status e papel; Liderança)

UNIDADE IV – CONCEITOS BÁSICOS


4.1 Pensamento e linguagem
4.2 Identidade social
4.3 Ideologia
4.4 Representações sociais

UNIDADE V – A CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO


E REPRODUÇÃO DA VIDA SOCIAL
5.1 O conceito de subjetividade
5.2 A história das relações entre a Psicologia e o mundo do trabalho
5.3 O vínculo entre formação do indivíduo e trabalho
5.4 A concepção de trabalho.

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BRAGHIROLLI, E. M. et al. Temas de Psicologia Social. 9 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

LANE, S; T. M. Novas veredas da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1995.

STREY, M. N. et al. Psicologia Social Contemporânea: livro-texto. 8 ed. – Petrópolis, RJ:


Vozes, 2003.

 COMPLEMENTAR:

BAREMBLITT, G. (org.). Grupos – Teoria e Técnica. 4 ed. Rio de Janeiro: Graal/Ibrapsi,


1986.

SHULTZ, D. P.; SCHULTZ, S. E. História da psicologia moderna. 14. ed. São Paulo:
Cultrix, 2001.

LANE, S. O que é Psicologia Social. 12 ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.

RODRIGUES, S. Psicanálise dos Sintomas Sociais. São Paulo: Escuta 1988.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
57
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Formação Sócio Histórica do Brasil


2º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A herança colonial e a constituição do Estado Nacional. Emergência e Crise da República
Velha. Instauração e colapso do Estado Novo. Industrialização, urbanização e surgimento
de novos sujeitos políticos. Nacionalismo e desenvolvimentismo e a inserção dependente no
sistema capitalista mundial. A modernização conservadora no pós-64 e seu ocaso em fins da
década de 70. Transição democrática e neoliberalismo.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O BRASIL COLONIA


1.1 A Colonização
1.2 O Sistema Agro Exportador
1.3 A Construção Social e Política do Brasil

UNIDADE II: O BRASIL DE 30 A 64.


2.1 A Revolução de 30 e o Estado Novo
2.2 A Industrialização e o Desenvolvimentismo Brasileiro
2.3 O Populismo

UNIDADE III: O GOLPE DE ESTADO DE 1964


3.1 Antecedentes Históricos ao Golpe de Estado de 1964.
3.2 A Ditadura militar
3.3 O Novo Modelo de Desenvolvimento
3.4 Os Governos Brasileiros de 64 a 84
3.5 O milagre econômico

UNIDADE IV: A RECONSTRUÇÃO DEMOCRÁTICA


4.1 O Processo de Abertura Democrática pós 84.
4.2 A Reestruturação Produtiva e o Novo Modelo Econômico.
4.3 A Ideologia Neoliberal no Modelo de Estado Brasileiro.
4.4 A cidadania após a redemocratização.
4.5 Consequências socioeconômicas do neoliberalismo. O Brasil no limiar do século XX.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

PRADO JUNIOR, C. Evolução politica do Brasil: colônia e império. 21ed. São Paulo:
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
58
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Brasiliense, 2001.

________________. História econômica do Brasil. 43 ed. São Paulo: Brasiliense, 2000.

MAZZEO, Antônio C. Burguesia e Capitalismo no Brasil. São Paulo: Ática, 1995.

 COMPLEMENTAR:

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço


de uma interpretação histórico-metodológica. 15. ed. – São Paulo: Cortez/CELATS,
2003.

FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Companhia Editorial Nacional,


2001.

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social - uma análise do serviço social no Brasil após-64.
São Paulo: Cortez, 2002.

VELLOSO, João Paulo dos Reis; ALBUQUUERQUE, Roberto Cavalcante. Cinco décadas
de questão social e os grandes desafios do crescimento sustentado. Rio de Janeiro:
José Olympio, 2005.

Disciplina: Ciência Política


2º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A constituição da Ciência Política como campo científico e a formação do Estado Moderno e
da Sociedade Civil. Teoria política clássica. Os clássicos da teoria política (Maquiavel,
Hobbes, Locke e Rousseau). A teoria política na tradição marxista (Marx, Engels, Lênin,
Trotsky e Gramsci). As contribuições da ciência política para análise do Estado Brasileiro. O
debate contemporâneo e a questão da democracia, cidadania, soberania, autocracia e
socialismo. A relação entre o público e o privado.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: CIÊNCIA POLÍTICA


1.1 Conceitos Fundamentais.
1.2 A ciência política e o Direito constitucional.
1.3 A Sociologia Política, uma nova ameaça à ciência política?

UNIDADE II: ESTADO, SOCIEDADE E RELAÇÕES DE PODER.


2.1 Sociedade
2.2 Estado. (Conceito e Origem) CONCEITOS BÁSICOS: ESTADO, GOVERNO,
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, SOCIEDADE CIVIL.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
59
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.3 Poder.
2.4 Soberania
2.5 Democracia.

UNIDADE III: FORMAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO MODERNO.


3.1 Origem do Estado Moderno.
3.2 Formas de Estado.
3.3 Formas de Governo.
3.4 Sistemas de Governo.
3.5 Estado, separação dos poderes.

UNIDADE IV: TEORIAS POLÍTICAS DOS ESTADOS NACIONAIS


4.1 Estado Liberal.
4.2 O Estado de Bem-Estar Social.
4.3 Estado Neoliberal.
4.4 Estado Socialdemocrata.

UNIDADE V: O CONTEXTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONOMICO MUNDIAL E


NACIONAL.
5.1 Os Regimes Políticos.
5.2 O Processo de Redemocratização no Século XX.
5.3 Reformas Estruturais e Conjunturais nos Estados Nacionais.

UNIDADE VI: OS PARTIDOS POLÍTICOS


a. Os sistemas de partidos.
b. Sistemas Eleitorais e Sufrágio Universal.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

ALVES, M. H. M. Estado e Oposição no Brasil (1964-1984). São Paulo: Educ, 2005.

BONAVIDES, P. Ciência Política. 10 ed. São Paulo: Malheiros, 2001.

WEFFORT, F. C. Os clássicos da política: Maquiavel, Hobbes, Locke, Montesquieu.


13 ed. São Paulo: Ática, 2002.

 COMPLEMENTAR:

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social - uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64.
16ª. ed. Cortez. São Paulo. 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
60
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

SANTOS, Boaventura. Pela mão de Alice. O social e o político na pós-modernidade.


São Paulo: Cortez, 2008.

WEBER, Max. Ciência e política. 11ed. São Paulo: Cultrix, 2002.

TEIXEIRA, F. Brasil História e Sociedade. São Paulo: Ática, 2006.

3º PERÍODO

Disciplina: Estatística aplicada ao Serviço Social


3º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Conceito básico da Estatística. Aplicação e análise de pesquisas e estudos no campo social
- amostragem, distribuição de frequências, representação gráfica, medidas de posição de
variabilidade de curtose e de assimetria. Noções de Probabilidade.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: BASES FUNDAMENTAIS DA ESTATÍSTICA


1.1 Introdução
1.2 Definição de população e amostra
1.3 Exemplos da aplicação da estatística
1.4 Estatística e as pesquisas psicológicas
1.5 Variável
1.6 Introdução à utilização do pacote BioEstat 5.0
1.7 funcionalidade do BioEstat 5.0

UNIDADE II: MEDIDAS DE POSIÇÃO/SEPARATRIZES


2.1 Média aritmética
2.2 Média ponderada
2.3 Mediana
2.4 Moda
2.5 Separatrizes: quartil, decil, percentil.

UNIDADE III: DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA


3.1 Tabela primitiva (rol)
3.2 Elementos de uma distribuição de frequência.
3.3 Representação gráfica de uma distribuição de frequência.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
61
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE IV: SERIES E GRÁFICOS ESTATÍSTICOS


4.1 Tabelas
4.2 Diagramas: linhas, colunas e setores.
4.3 Gráfico polar, cartograma e pictograma

UNIDADE V: MEDIDAS DE DISPERSÃO


5.1 Amplitude total
5.2 Desvio médio
5.3 Variância
5.4 Desvio padrão
5.5 Coeficiente de variação

UNIDADE VI: MEDIDAS DE ASSIMETRIA, CURTOSE, CORRELAÇÃO E REGRESSÃO.


6.1 Coeficiente de assimetria.
6.2 Coeficiente de curtose.
6.3 Análise de correlação e regressão.

UNIDADE VII: Análise de variância.


BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

MORETTIN, P. A; BUSSAB, W. O. Estatística Básica. São Paulo, Editora saraiva 2002.

TOLEDO, G. L., OVALLE, I. J. Estatística básica. São Paulo: Atlas, 2002.

TRIOLLA, M. Introdução à estatística. 7 ed. Rio de Janeiro. 1997.

 COMPLEMENTAR:

FARIAS, A. A.; SOARES, J. F.; CÉSAR, C. C. Introdução á Estatística. 2. ed., Rio de


Janeiro: LTC, 2003

LEVIN, J; FOX, J. A. Estatística para Ciências Humanas. 9. ed., São Paulo : Prentice Hall,
2004.

SPIEGEL, M. R. Estatística. São Paulo: McGraw-Hill, 1993.

VIEIRA, S. Estatística para Qualidade. Rio de Janeiro: Campos, 1999.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
62
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Questão Social e Serviço Social


3º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
O significado e interpretações da questão social. As particularidades da questão social no
Brasil Processos de reprodução da questão social na sociedade capitalista, numa
perspectiva de aproximação ao objeto do trabalho profissional. O enfrentamento da
questão social pelo Estado. A questão social e o Serviço Social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA


1.1 Concepção, emergência, desenvolvimento e transformação do Modo de Produção
Capitalista.
1.2 Reestruturação produtiva, neoliberalismo e globalização.
1.3 Elementos para compreender a concepção e a gênese da “questão social”

UNIDADE II: GENESE E DESENVOLVIMENTO DA QUESTÃO SOCIAL


2.1 As particularidades da questão social no Brasil.
2.2 O acirramento da questão social pós década de 70 aos dias atuais.
2.3 Pobreza e exclusão social e as múltiplas expressões da questão social.

III UNIDADE: ESTADO E QUESTÃO SOCIAL


3.1 As políticas sociais como respostas do Estado ao enfrentamento à questão social.
3.2 As lutas sociais nas Expressões da questão social.

IV UNIDADE: QUESTÃO SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL


4.1 A questão social como matéria prima do exercício profissional.
4.2 O trabalho do assistente social frente às mudanças do padrão de acumulação e
regulação social.
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

CASTRO. M. M. História do Serviço Social na América Latina. Cortez. São Paulo. 2000.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e conservadorismo no serviço social - ensaios críticos.


São Paulo: Cortez, 2004.

______________. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma


interpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 2001.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
63
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 COMPLEMENTAR:

IAMAMOTO, M. V. Serviço social em tempo de capital fetiche - capital financeiro, trabalho


e questão social. São Paulo: Cortez, 2008.

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social - uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64.
16ª. ed. Cortez. São Paulo. 2002.

__________. Estado e “questão social” no capitalismo dos monopólios. In: Capitalismo


monopolista e serviço social. São Paulo: Cortez, 2001.

SERRA, R. M. S. Crise de materialidade no Serviço Social - repercussões no mercado


profissional. 3ª ed., Cortez. São Paulo. 2000.

Disciplina: Acumulação Capitalista e Desigualdades Sociais


3º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
O processo de acumulação capitalista e a origem da questão social. A inserção do Brasil na
divisão internacional do trabalho e a constituição das classes sociais, do Estado e das
particularidades regionais. Desenvolvimento desigual e a reprodução da pobreza e da
exclusão social nos contextos urbano e rural. Mundialização do capital, reestruturação
produtiva, acumulação flexível.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: PRODUÇÃO DE MERCADORIA E O MODO DE PRODUÇÃO CAPITALISTA.


1.1 Mercadoria e produção mercantil.
1.2 O modo de produção capitalista e a exploração do trabalho.
1.3 Acumulação capitalista e origem da questão social.

UNIDADE II: AS CLASSES SOCIAIS E O ESTADO.


2.1 A constituição das classes sociais.
2.2 A luta de classes.
2.3 O Estado e a sociedade civil.
2.4 A inserção do Brasil na divisão internacional do trabalho e as classes sociais.

UNIDADE III: GLOBALIZAÇÃO DA ECONOMIA E EXCLUSÃO SOCIAL.


3.1 Sociedade capitalista e globalização.
3.2 O Brasil e a globalização.
3.3 A exclusão social.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
64
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.4 Exclusão e pobreza.

UNIDADE IV: REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA DO CAPITAL E AS TRANSFORMAÇÕES


NO MUNDO DO TRABALHO.
4.1 Crise estrutural do capital.
4.2 Metamorfoses no mundo do trabalho.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do


mundo do trabalho. São Paulo: Copyright, 2010.

CHESNAIS, F. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

DOBB, M. A evolução do capitalismo. 9 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1997.

 COMPLEMENTAR:

HUBERMAN, L. História da Riqueza do Homem. 21ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

MAZZEO, A. C. Burguesia e capitalismo no Brasil. 2 ed. Ática, 1995.

PRADO JUNIOR, C. História econômica do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1974.

TAVARES, M. C. Poder e dinheiro: uma economia política da globalização. 6 ed.


Petropolis-RJ: Vozes, 1998.

Disciplina: Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social I


3º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A influência Europeia, a Doutrina Social da Igreja. Positivismo e as propostas e práticas do
Serviço Social no período e seus fundamentos teórico-metodológicos: Serviço Social de caso,
grupo e comunidade. Origem, funcionalidade e desenvolvimento do Serviço Social no Brasil na
conjuntura dos anos 30 a 50.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O MODELO CARITATIVO, RELIGIOSO E FILANTRÓPICO.


1.1.Tomás de Aquino e a Prática da Caridade.
1.2.Luís Vives e o “Socorro dos Pobres”.
1.3.A Institucionalização das Santas Casas.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
65
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE II: O PROCESSO DE INSTITUCIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO


SECULO XIX E XX.
2.1.Na Europa:
2.1.1.A doutrina social da Igreja Católica e as Encíclicas Papais.
2.1.2.O pensamento de OctáviaHilI.
2.2. Nos Estados Unidos:
2.2.1.O pragmatismo em John Dewey.
2.2.2.A produção de Mary Richmond.
2.3. Sujeitos e Organizações na Constituição do Serviço Social como profissão

UNIDADE III: ASPECTOS DA HISTORIA DO SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL.


3.1. Questão Social na Primeira República.
3.2. Relações Igreja-Estado.
3.3. Primeiras escolas de Serviço Social.
3.4. Elementos do discurso do Serviço Social.
3.5. Humanismo cristão e vocação.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

CARVALHO, R. IAMAMOTO, M. V. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 14ed.


São Paulo: Cortez, 2001.

MARTINELLI, M. L. Serviço Social: identidade e alienação. 7 ed. São Paulo: Cortez,


2001.

NETTO, J. P. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

 COMPLEMENTAR:

ABREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática


profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

CASTRO, M. M. História do Serviço Social na América Latina. 5 ed. São Paulo: Cortez,
2006.

HAMILTON, G. Teoria e prática do serviço social de casos. 6 ed. Rio de Janeiro: Agir,
1987.

SILVA, Maria Ozanira da Silva e. Serviço Social e o Popular: resgate teorico-metodológico


do projeto profissional de ruptura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
66
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Política Social I


3º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
As concepções da política social em diferentes perspectivas teóricas. Aborda a evolução e
formulação das políticas sociais no Brasil. Analisa o papel do Estado e as novas formas de
regulação social. Discute a questão social e o desenvolvimento do Sistema Brasileiro de
Proteção Social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: AS CONCEPÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS DO PENSAMENTO


SOCIAL E A ANÁLISE DA POLÍTICA SOCIAL.
1.1 A perspectiva Funcionalista;
1.2 O Idealismo;
1.3 A tradição Marxista.

UNIDADE II: ORIGEM E CONCEITUAÇÃO DA POLÍTICA SOCIAL


2.1 Origem da Política Social e sua relação com a questão social;
2.2 A questão Social no contexto da globalização.

UNIDADE III: POLÍTICA SOCIAL E ESTADO DE BEM ESTAR SOCIAL


3.1 O conceito de Welfare State ou Estado de Bem-Estar Social;
3.2 Os fundamentos do Welfare State.

UNIDADE IV: A POLÍTICA SOCIAL NP BRASIL: NATUREZA E DESENVOLVIMENTO


4.1 Questão Social e Estado: a construção da Política Social no Brasil;
4.2 O Sistema Social Brasileiro de Proteção Social;
4.3 Brasil: da ditadura à democratização e seus impactos nas políticas sociais;
4.4 As Políticas Sociais e a Constituição Federal de 88;
4.5 Brasil nos anos 90: contrarreforma e a perda de direitos;
4.6 Cenário atual da Política Social no Brasil e no Amapá.

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BEHRING, E. R. Política Social no Capitalismo Tardio. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

FREIRE, Lúcia M. B. O Serviço Social na Reestruturação Produtiva: espaços,


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
67
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

programas e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2003.

RAICHELIS, Raquel. Esfera pública e conselhos de assistência social - caminhos de


construção democrática. São Paulo: Cortez, 2000.

 COMPLEMENTAR

CARNOY, M. Estado e Teoria Política. 7 ed. Campina: Papirus, 2001.

____________. (Org.) Política Social, Família e Juventude: uma questão de direito. 2 ed.
São Paulo: Cortez, 2006.

CASTEL, R. A metamorfose da questão social: uma crônica do salário. 7 ed.


Petrópolis: Vozes, 2008.

SPOSATI, A. O. Assistência na trajetória das políticas sociais brasileiras: uma questão


em análise. 11 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

4º PERÍODO
Disciplina: Ética Profissional em Serviço Social
4º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...

EMENTA
Os fundamentos ontológico-sociais da dimensão ético-moral da vida social e seus
rebatimentos na ética profissional. O processo de construção de um ethos profissional o
significado de seus valores e as implicações ético-políticas de seu trabalho. O debate teórico-
filosófico sobre as questões éticas da atualidade. Os Códigos de Ética profissional na história
do Serviço Social brasileiro. O Projeto Ético-Político do Serviço Social. A Lei nº 8.662 de
1993 de Regulamentação da profissão.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: ASPECTOS FILOSÓFICOS DA ÉTICA


1.1 Conhecer as diversas correntes filosóficas e questão ética;
1.2 Ética e moral, conceitos e diferenças;
1.3 Deontologia e bioética.

UNIDADE II: ABORDAGEM CONCEITUAL.


2.1 conceitos e terminologias do código de ética profissional;
2.2 Órgãos representativos e de fiscalização do dever e dos direitos profissionais do
assistente social
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
68
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE III: ÉTICA E PRÁTICA INSTITUCIONAL


3.1 Código de ética profissional;
3.2 Ética na instituição de serviço social;
3.2 Ética e fazer profissional interdisciplinar;
3.3 O Projeto Ético-Político do Serviço Social

UNIDADE IV: LEI DE REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO


4.1 Lei nº 8.662 de 7 de junho de 1993e a alteração trazida pela Lei nº 12.317, de 26 de
agosto de 2010.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BRASIL. Código de ética do Assistente Social. Lei 8.662/93 de 1997, CFESS.

BARROCO, M. L. S. Ética: fundamentos sócio-históricos. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2008 –


(biblioteca básica do Serviço Social).

BONETTI, D. A. Serviço social e ética: convite a uma nova práxis. São Paulo: Cortez, 2005.

 COMPLEMENTAR:

BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 7 ed. São Paulo:


Cortez, 2008.

GALLO, S. Ética e cidadania. Campinas: Papirus, 2004.

NALINI, J. R. Ética geral e profissional. São Paulo: Tribunais, 2004.

VALLS, Á. L. M. O que é ética. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Disciplina: Direito Social


4º Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
Semestre
EMENTA
A construção das instituições de direito no Brasil, bem como das formas de estruturação dos
direitos e garantias fundamentais da cidadania. A organização do Estado, dos poderes e da
ordem social. A Constituição Federal e suas interfaces com o Serviço Social. A legislação
social: CLT, LOAS, ECA, SUS, etc. O direito internacional e suas implicações nas relações
políticas de trabalho e de seguridade social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: DEMOCRACIA, CIDADANIA E AS CONCEPÇÕES DE DIREITO NA


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
69
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

MODERNIDADE
1.1 Os direitos na perspectiva de Marx e Engels: emancipação política e emancipação
humana
1.2 A ideia tripartite do direito: civis políticos e sociais
1.3 Declaração Universal dos Direitos humanos
UNIDADE II: DIREITOS SOCIAIS E LEGISLAÇÕES SOCIAIS NO BRASIL
2.1 A Constituição Federal, a organização do Estado e os Direitos Fundamentais
2.2 Garantia do acesso universal aos direitos
2.3 Ampliação dos direitos e Serviço Social
2.3 Legislações sociais no Brasil: CLT, LOAS, ECA, SUS, SUAS, etc.

UNIDADE III: ESTADO NEOLIBERAL E DIREITOS SOCIAIS


3.1 A ofensiva contra os direitos sociais constitucionalizados
3.2 O impacto na Política de Seguridade Social
3.3 As reformas trabalhistas e a perda de direitos
3.4 O direito internacional e suas implicações nas relações políticas de trabalho e de
seguridade social.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

DEMO, P. Política social, educação e cidadania. Campinas-SP: Papirus, 2010.

HADDAD, E. G. M. O direito à velhice: os aposentados e a previdência social, questões da


nossa época. São Paulo: Cortez, 2001.

RAICHELIS, Raquel. Esfera pública e conselhos de assistência social - caminhos de


construção democrática. São Paulo: Cortez, 2000.

 COMPLEMENTAR:
AMORIM, Ricardo; POCHMANM, Marcio. Atlas de exclusão social no Brasil. São Paulo:
Cortez, 2004.

BRASIL, Senado Federal. (Senador João Capiberibe). Estatuto da criança e do


adolescente e normas correlatas: dispositivos constitucionais pertinentes. Brasília:
Senado Federal, 2017.

EISENBERG, J. A democracia depois do liberalismo - ensaios sobre ética, direito e


política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

MAENO, Maria; CARMO, José Carlos de. Saúde do trabalhador no SUS: aprender com o
passado, trabalhar o presente, construir o futuro. São Paulo: Hucitec, 2005.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
70
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Política Social II


4º Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
Semestre
EMENTA
As perspectivas da política social como proteção e regulação social. Formulação e gestão
das políticas sociais. O papel dos sujeitos políticos na formulação das Políticas Sociais
Públicas e Privadas. As políticas setoriais e a legislação social. A análise comparada de
políticas sociais. O papel das políticas sociais na constituição da esfera pública e o
significado do debate público e privado. As novas formas de regulação social e as
transformações no mundo do trabalho.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: O DEBATE CONTEMPORANEO DAS POLITICAS SOCIAIS
1.1 Abordagens teóricas da Política Social e cidadania
1.2 Desenvolvimento das políticas sociais no Brasil
1.3 O movimento de democratização das políticas sociais

UNIDADE II: ALTARAÇÕES NA REGULAÇÃO DO ESTADO A PARTIR DOS ANOS 90


2.1 A Reforma do Estado e a nova relação Estado/Sociedade/Mercado
2.2 As novas formas de regulação social e as transformações no mundo do trabalho
2.3 A agenda política brasileira, os mínimos sociais e proteção social
2.4 Os programas de transferência de renda

UNIDADE III: PROJETO NEOLIBERAL E POLÍTICA SOCIAL


3.1 Ajuste neoliberal, democracia e pobreza
3.2 O impacto do Ajuste sobre a desigualdade social e pobreza
3.1 Questão social e reestruturação das políticas sociais
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BEHRING, E. R. Política Social no Capitalismo Tardio. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

_____________. Desigualdade e questão social. 2 ed. São Paulo: Educ, 2004.

RAICHELIS, R. Esfera pública e conselhos de assistência social - caminhos de


construção democrática. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

 COMPLEMENTAR:

COUTO, B. R. Direito Social e a Assistência Social na Sociedade Brasileira (O): Uma


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
71
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

equação possível? 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

DEMO, P. Política social, educação e cidadania. São Paulo: Papirus, 2010.

SCHONS, S. M. Assistência Social entre a ordem e a desordem. São Paulo: Cortez:


1999.

PONTES, R. N. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2002.

Disciplina: Seguridade Social


4º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
Perspectiva Histórica da Seguridade Social no Brasil de sua gênese a contemporaneidade;
Política de Assistência Social, Saúde e Previdência Social. Análise da atuação do Serviço
Social frente às políticas de Seguridade Social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: PARTICULARIDADE HISTÓRICA DA SEGURIDADE SOCIAL


1.1 Seguridade Social: Fundamentos, conceitos e evolução da proteção social no Brasil
1.2 A trajetória histórica das políticas de saúde, assistência e de previdência social nas
sociedades capitalistas.
1.3 Seguridade Social, participação, controle democrático e descentralização política e
administrativa.
1.4 A atual crise da proteção social brasileira, do domínio do mercado e do ressurgimento
das ações voluntárias.
1.5 Contra reforma do Estado e a política de Seguridade Social

UNIDADE II: SEGURIDADE SOCIAL E SAÚDE


2.1 A Reforma Sanitária e construção do SUS – Sistema Único de Saúde
2.2 A Saúde como direito universal
2.3 As políticas de saúde no âmbito da Seguridade Social: interfaces com a Previdência e
Assistência Social
2.4 O financiamento do SUS
2.5 O atual processo de privatização da política de Saúde
2.6 A contribuição do Serviço Social na produção e no redimensionamento do conhecimento
teórico-prático das políticas de saúde.

UNIDADE III: SEGURIDADE E PREVIDENCIA SOCIAL


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
72
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.1 Política de Previdência: gênese e determinantes.


3.2 Organização e funcionamento da Previdência Social.
3.3 Gestão, Financiamento, Controle e benefícios.
3.4 Sistema previdenciário brasileiro público e privado.
3.5 Reforma da previdência no Brasil e o rebatimento na classe trabalhadora.
3.6 O processo de trabalho do serviço social na política de previdência

UNIDADE IV: SEGURIDADE E ASSISTENCIA SOCIAL


4.1 Assistência Social: contradições, perspectivas e desafios.
4.2 A política de Assistência Social brasileira.
4.3 A lei Orgânica da Assistência Social-LOAS.
4.4 O Sistema descentralizado e participativo: Conselhos, Planos, Fundos e Conferencias
de Assistência Social.
4.5 O sistema Único de Assistência Social – SUAS.
4.6 A Norma Operacional Básica do SUAS – NOB – SUAS.
4.7 Serviço Social e Assistência Social.
4.8 O exercício profissional no atual contexto da Política de Assistência Social
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

BARROCO, M. L. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 2 ed. São Paulo:


Cortez, 2003.

COUTO, B. R. Direito Social e a Assistência Social na Sociedade Brasileira (O): Uma


equação possível? 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SCHONS, S. M. Assistência Social entre a ordem e a desordem. São Paulo: Cortez:


1999.

 COMPLEMENTAR:

ALAYON, N. Assistência e assistencialismo: controle dos pobres ou erradicação da


pobreza? 2 ed. São Paulo: Cortez, 1995.

LIMA, N. T. Saúde e democracia: história e perspectiva do SUS. Rio de Janeiro: Fiocruz,


2008.

RAICHELIS, R. Esfera pública e conselhos de assistência social: caminhos de


construção democrática. São Paulo: Cortez, 2000.

SILVA. A. A. A Gestão da Seguridade Social Brasileira: entre a política pública e o


mercado. São Paulo, Cortez, 2004.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
73
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social II


4º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
O Serviço Social e a conjuntura brasileira e na América Latina nos anos 60-70. O processo
de renovação e o Movimento de Reconceituação do Serviço Social na América Latina e no
Brasil. O papel do Desenvolvimento de Comunidade. A contestação à modernização: a
crítica ao conservadorismo e ao reformismo nos anos 60. Araxá e Teresópolis. A ditadura
implantada em 1964 e a laicização do Serviço Social.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O SERVIÇO SOCIAL E A CONJUNTURA BRASILEIRA NA DÉCADA DE


1960-70
1.1 O Regime Militar de 1964;
1.2 O Documento de Araxá
1.3 O Documento de Teresópolis
1.4 O documento de Sumaré
1.5 O desenvolvimento de Comunidade

UNIDADE II: EMERGÊNCIA DE UMA NOVA PRATICA PROFISSIONAL NO CONTEXTO


DE EFERVESCÊNCIA DO POPULISMO.
2.1 A crítica ao conservadorismo e ao reformismo nos anos 60.
2.2 A atualização da herança conservadora
2.3 O Serviço Social no contexto da ditadura militar

UNIDADE III: SERVIÇO SOCIAL NO BRASIL: O PROJETO PROFISSIONAL DE


RUPTURA
3.1. O processo de renovação e o Movimento de Reconceituação no Serviço Social
3.2A tentativa de ruptura com o conservadorismo profissional
3.3 A importância do Movimento de Reconceituação para o Serviço Social brasileiro
3.4 A Fenomenologia e a reatualização do conservadorismo
3.4 O Método BH e a vertente marxista
3.5 O Congresso da Virada
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

IAMAMOTO, M. V. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
74
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

interpretação histórico-metodológica. São Paulo: Cortez, 2001.

NETTO, J. P. Ditadura e serviço social - uma análise do serviço social no Brasil após-64.
São Paulo: Cortez, 2002.

SILVA E SILVA, M. O. O Serviço Social e o Popular: resgate teórico-metodológico do


projeto profissional de ruptura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:
ABREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática
profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINELLI, M. L. Serviço social - identidade e alienação. São Paulo: Cortez, 2001.

NETTO, J. P. Capitalismo monopolista e serviço social. São Paulo: Cortez, 2001.

SOUZA, Maria Luiza. Desenvolvimento de Comunidade e participação. São Paulo:


Cortez, 1999.

5º PERÍODO

Disciplina: Instrumental técnico-operativo do Serviço Social


5º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Análise dos conteúdos teóricos referentes à instrumentalidade do Serviço Social em seu
cotidiano profissional. Discussão do conjunto dos instrumentais técnico-operativos utilizados
pelo assistente social em sua intervenção profissional junto aos seus usuários.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: POSSIBILIDADES E LIMITES DA INTERVENÇÃO PROFISSIONAL.


1.1 Serviço Social e questão social.
1.2 A dimensão interventiva e investigativa da profissão.
1.3 Forças, mediações e estratégias em Serviço Social.
1.4 Instrumentalidade: categoria no processo de trabalho do assistente social.
1.4.1 Instrumentalidade no Serviço Social.
1.4.2 Dimensões de Serviço Social.
1.4.3 Diferença entre Instrumentalidade, Instrumental e Instrumentos.

UNIDADE II: Avaliação e linguagem: Instrumentais técnico-operativos


2.1 O cotidiano de trabalho no espaço institucional.
2.2 Palavras, linguagem e os meandros da comunicação.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
75
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.3 A forma textual dos relatórios, laudos e pareceres.

UNIDADE III: O PROJETO ÉTICO-POLÍTICO DO SERVIÇO SOCIAL E OS PROCESSOS


OPERATIVOS INSTRUMENTAIS.
3.1 Gestão e elaboração de projetos sociais.
3.2 A aplicação dos instrumentais e sua articulação com o projeto ético-político profissional.
3.3 Instrumentais técnico-operativos necessários a atuação profissional.
3.3.1 Abordagem;
3.3.2 Observação;
3.3.3 Entrevista;
3.3.4 Relacionamento;
3.3.5 Reunião;
3.3.6 Documentação;
3.3.7 Visita Domiciliar;
3.3.8 Relatório;
3.3.9 Estudo de Caso
3.3.10 Estudo Social;
3.3.11 Perícia Social;
3.3.12 Laudo;
3.3.13 Parecer Social.
3.3.14 Visita Institucional;
3.3.15 Dinâmica de Grupo;
3.3.16 Diário de Campo;
3.3.17 Livro de Registro.

UNIDADE IV: ASPECTOS LEGAIS


4.1 - RESOLUÇÃO CFESS Nº 557/2009: Dispõem sobre a emissão de pareceres, laudos,
opiniões técnicas conjuntos entre o assistente social e outros profissionais.
4.2 - Código de Ética: Das relações com outros profissionais.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

CFESS (org.). Estudo social em perícias, laudos e pareceres técnicos: contribuição ao


debate no judiciário, penitenciário e na previdência social. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2005.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
76
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

GUERRA, Y. A instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2002.

PONTES, R. N. Mediação e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

BRASIL. Código de ética do Assistente Social. Lei 8.662/93 de 1997, CFESS.

FALEIROS, V. P. Estratégias em serviço social. São Paulo: Cortez, 2001.

HAMILTON, G. Teoria e prática do serviço social de casos. Rio de Janeiro: Agir, 1987.

NETTO, J. P. "Ditadura e Serviço Social: Uma análise do Serviço Social no Brasil pós-
64”. São Paulo. Cortez, 1991.

Disciplina: Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social III


5º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
As construções teórico-metodológicas que emergiram pós-movimento de reconceituação do
Serviço Social (décadas de 80 a 90). O resgate teórico metodológico do Movimento de
Intenção de Ruptura. O Serviço Social e a tradição marxista. A organização política dos
assistentes sociais brasileiros nos anos 80: ABESS/CEDEPSS, CFAS/CRAS (CFESS/CRESS),
ANAS. Pluralismo e luta pela hegemonia na formação e na prática profissional: revisão
curricular e o código de ética na década de 80. A perspectiva hegemônica da profissão
fundada no marxismo e o “projeto ético-político”. A organização política e a formação dos
assistentes sociais nos anos 90.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO, AS POLITICAS SOCIAIS E O


SERVIÇO SOCIAL
1.1 Conjuntura dos anos 80-90
1.2 As novas formas de expressão da questão social
1.3 As novas configurações do Estado capitalista

UNIDADE II: O RESGATE TEÓRICO METODOLÓGICO DO MOVIMENTO DE INTENSÃO DE


RUPTURA
2.1Os desdobramentos da Reconceituação
2.2 O aprofundamento da corrente marxista
2.3 Serviço Social e a tradição marxista
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
77
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

UNIDADE III: ORGANIZAÇÃO POLITICA DOS ASSISTENTES SOCIAIS NOS ANOS 80


3.1 Pluralismo e luta pela hegemonia na formação e na prática profissional
3.2 Revisão Curricular
3.3 O Código de Ética

UNIDADE IV: A PERSPECTIVA HEGEMONICA DO SERVIÇO SOCIAL FUNDADA NO


MARXISMO E O PROJETO ÉTICO-POLÍTICO
4.1 Confronto com o neoliberalismo
4.2 Constituição do projeto ético-político profissional
4.3 Organização política e formação dos assistentes sociais nos anos 90.

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

ANTUNES, R. Adeus ao trabalhador? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do


mundo do trabalho. 7 ed. São Paulo: Copyright, 2000.

CARVALHO, R. IAMAMOTO, M. V. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 22 ed. São


Paulo: Cortez, 2011.

SILVA, M. O. O Serviço Social e a popular: resgate teórico-metodológico do projeto


profissional de ruptura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

ABREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática


profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: ensaios críticos. 7


ed. São Paulo: Cortez, 2004.

NETO. J. P. Ditadura e Serviço Social. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SERRA, R. M. S. Crise de materialidade no Serviço Social - repercussões no mercado


profissional. 3 ed. São Paulo: Cortez. 2000.

Disciplina: Pesquisa em Serviço Social I


5º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
Natureza, método e processo de construção de conhecimento: o debate teórico-metodológico.
A elaboração e análise de indicadores socioeconômicos. Embasamento epistemológico e
metodológico acerca dos diversos tipos de pesquisa, analisando diferentes estratégias e
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
78
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

técnicas qualitativas e quantitativas de coleta e interpretação de dados.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: PESQUISA SOCIAL: CRIATIVIDADE, CIENTIFICIDADE E MÉTODO


1.1 Pesquisa e cientificidade.
1.2 O desafio da pesquisa social.
1.3 O “mito do método”: refletindo sobre os caminhos para construção da ciência.

UNIDADE II: A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO E O SERVIÇO SOCIAL.


2.1 Principais orientações teórico-filosóficas presentes na pesquisa social: positivismo,
fenomenologia e materialismo histórico e dialético e suas expressões no Serviço Social.

UNIDADE III: O PROJETO DE PESQUISA E O PROCESSO DE PRODUÇÃO DO SABER.


3.2 A estrutura e característica de um projeto de investigação
3.3 A definição de um projeto de investigação
3.4 Levantamento bibliográfico e revisão da literatura: construindo o diário entre a teoria e a
empiria.
3.5 Métodos e Técnicas de pesquisa, abordagem quantitativa e qualitativa de pesquisa,
pesquisa participante, pesquisa-ação, métodos e coletas de dados, análise de dados.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas, 3º ed., São Paulo: Atlas, 2003.

SETUBAL, A. Pesquisa em Serviço Social: Utopia e Realidade. São Paulo: Cortez, 2001.

 COMPLEMENTAR:

MAZZOTI, A. J. A. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e


qualitativa. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 2002.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 31 ed. Petrópolis-RJ:


Vozes, 2003.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Serviço social e interdisciplinaridade: dos fundamentos


filosóficos à prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 4 ed. São Paulo: Cortez,
1987.

SILVEIRA, Aidil Jesus. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
79
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Gestão e Planejamento Social


5º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
As teorias organizacionais e os modelos gerenciais na organização do trabalho e nas políticas
sociais. Planejamento e gestão de serviços nas diversas áreas sociais. Elaboração,
coordenação e execução de programas e projetos na área de Serviço Social. Funções de
Administração e Planejamento em órgãos da Administração pública, empresas e
organizações da sociedade civil.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: AS TEORIAS ORGANIZACIONAIS E OS MODELOS GERENCIAIS NA
ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO E NAS POLITICAS SOCIAIS
1.1 Administração e organização: conceitos e contextualização;
1.2 Paradigmas da Administração;
1.3 Modelos de organização no contexto da dinâmica social.

UNIDADE II: PLANEJAMENTO E GESTÃO DOS SERVIÇOS NA ÁREA SOCIAL


2.1 Fundamentos do planejamento social.
2.2 O planejamento no processo de trabalho dos assistentes sociais e seus instrumentos:
projetos, planos e programas.
2.3 Planejamento estratégico.
2.4 Novas modalidades de organização do trabalho de gestão, controle social e
financiamento.
2.5 A responsabilidade social.

UNIDADE III: ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO EM ORGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO


PÚBLICA, EMPRESASE E ORGANIZAÇÕES DA SOCIAEDADE CIVIL
3.1 O processo de trabalho do assistente social na gestão das organizações públicas e
privadas.
3.2 Funções técnicas do assistente social enquanto administrador de serviços: coordenação,
direção, assessoria, supervisão e avaliação de projetos e programas sociais.
3.3 Os desafios do trabalho em equipe Inter profissionais.

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

ABREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
80
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

RAICHELIS, R. Esfera pública e conselhos de assistência social - caminhos de construção


democrática. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

NETO, J. P. Estado e a questão social no capitalismo dos monopólios. In: Capitalismo


Monopolista e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

 COMPLEMENTAR:

FREIRE, L. M. B. O serviço social na reestruturação produtiva. São Paulo: Cortez, 2003.

GENRO, T. & SOUZA, U. Orçamento Participativo: A Experiência de Porto Alegre. 4 ed.


São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001. (Coleção Ponto de Partida)

IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

JANNUZZI, P. M. Indicadores Sociais no Brasil: Conceitos, Fontes de Dados e


Aplicações. 3 ed. São Paulo: Alínea, 2004.

6º PERÍODO

Disciplina: Pesquisa em Serviço Social II


6º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A elaboração e análise de indicadores socioeconômicos. Instrumentalização para construção
do projeto de pesquisa e a compreensão da investigação como dimensão constitutiva do
trabalho do assistente social e como subsídio para a produção do conhecimento sobre
processos sociais e reconstrução do objeto da ação profissional.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O PROJETO DE PESQUISA.


1.1 Elaboração do projeto de Pesquisa.
1.2 A escolha do tema, justificativa e problematização.

UNIDADE II: LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO E REVISÃO DA LITERATURA.


2.1 Construindo o diário entre a teoria e a empiria.

UNIDADE III: MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA, ABORDAGEM QUANTITATIVA E


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
81
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

QUALITATIVA DE PESQUISA, PESQUISA PARTICIPANTE, PESQUISA-AÇÃO, MÉTODOS


E COLETAS DE DADOS, ANÁLISE DE DADOS.
3.1 Pesquisa de Campo.
3.2 Análise e sistematização dos dados.
3.3 Elaboração dos resultados.
3.4 Elaboração do relatório de pesquisa.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed., São Paulo: Atlas, 1991.

MINAYO, M. C (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 22 ed. Rio de Janeiro:
Vozes, 2003.

SETUBAL, A. Pesquisa em Serviço Social: Utopia e Realidade. São Paulo: Cortez, 1995.

 COMPLEMENTAR:

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SELLTIZ, W. Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. 2 ed. São Paulo: Epu, 2005.

MAZZOTI, A. J. A. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e


qualitativa. 2 ed. São Paulo: Pioneira, 2002.

RUDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 31 ed. Petrópolis-RJ: Vozes,


2003.

Disciplina: Fundamentos Históricos, Teóricos e Metodológicos do Serviço Social IV


6º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
O Serviço Social na contemporaneidade. O debate sobre a questão social brasileira e suas
interfaces com a globalização da economia O Serviço Social e suas diferentes respostas às
diferentes manifestações da questão social. Principais correntes teóricas em debate: a pós-
modernidade e o marxismo.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O SERVIÇO SOCIAL NA CENA CONTEMPORÂNEA.


1.1 Questão social e suas diversas manifestações
1.2 O perfil do profissional de Serviço Social
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
82
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.3 A defesa intransigente dos direitos humanos

UNIDADE II: A CRISE DA SOCIEDADE DO TRABALHO.


2.1 A centralidade do trabalho na sociedade atual.
2.2 Restruturação produtiva, precarização do trabalho e desemprego.

UNIDADE III: POLITICA SOCIAL E POBREZA.


3.1 Politica Social e pobreza no Brasil
3.2 Crise financeira como manifestação da crise estrutural do capital
3.3 Os programas de transferência de renda como estratégia de enfrentamento a pobreza

UNIDADE IV: POLITICA SOCIAL E QUESTÃO SOCIAL.


4.1 Questão social e serviço social.
4.2 O impacto das transformações societárias no Serviço Social como profissão.
4.3 As diferentes respostas as manifestações da questão social.
4.4 Principais correntes teóricas em debate.
4.4.1 A pós-modernidade.
4.4.2 A atualização do marxismo.

BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:

ANTUNES, R. Adeus ao Trabalho? Ensaios sobre a metamorfose e a centralidade do mundo


do trabalho. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática


profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

GUERRA, Y. A instrumentalidade do Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

FALEIROS, Vicente de Paula. Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2008.

PONTES, R. Mediação e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SERRA, R. M. S. Crise de materialidade no Serviço Social - repercussões no mercado


profissional. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SILVA, M. O. O Serviço Social e a popular: resgate teórico-metodológico do projeto


profissional de ruptura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
83
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Processos de Trabalho e Serviço Social.


6º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
O trabalho como elemento fundante do ser social. Especificidade do trabalho na sociedade
burguesa e a inserção do Serviço Social como especialização do trabalho coletivo. O trabalho
profissional em face as mudanças no padrão de acumulação capitalista e regulação social. Os
elementos constitutivos do processo de trabalho do assistente social. A análise dos fenômenos
e das políticas sociais, o estudo da dinâmica institucional. O projeto de intervenção
profissional. As demandas postas ao Serviço Social nos espaços ocupacionais da profissão e
as respostas profissionais a essas demandas. O assistente social como trabalhador e o
produto do seu trabalho. Supervisão do processo de trabalho e o estágio.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I – A CENTRALIDADE DO TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA


1.1 As contradições da relação capital x trabalho
1.2 A divisão social do trabalho
1.3 Processo de trabalho, produção e reprodução das relações sociais
1.4 O desenvolvimento das forças produtivas

UNIDADE II – TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL


2.1 As mudanças no padrão de acumulação capitalista e o Serviço Social
2.2 Estado, relações sociais na contemporaneidade e as implicações para o Serviço Social
2.3 O debate sobre trabalho produtivo, improdutivo e o trabalho imaterial
2.4 As metamorfoses do trabalho no século XX e os impactos no trabalho profissional

UNIDADE III – PROCESSO DE TRABALHO E SERVIÇO SOCIAL


3.1 A inserção do Serviço Social na divisão sócio-técnica do trabalho
3.2 O processo de trabalho do assistente social e seus elementos constitutivos
3.3 As contradições institucionais e a inserção do assistente social
3.4 Espaços sócio-ocupacionais, relações de trabalho e o Serviço Social.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e conservadorismo no Serviço Social. 7 ed. São Paulo:


Cortez, 2004.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
84
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

_______________. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. Esboço de uma


interpretação teórico-metodológica. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

 COMPLEMENTAR:

ABREU, M. M. Serviço Social e a organização da cultura: Perfis pedagógicos da prática


profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

FREIRE, L. M. B. O serviço Social na reestruturação produtiva. São Paulo: Cortez, 2003.

IASCHONS, S. M. Assistência social entre a ordem e a desordem. São Paulo: Cortez,


1999.

PONTES, R. Mediação e serviço social. Um estudo preliminar sobre a categoria teórica e sua
apropriação pelo Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Disciplina: Estágio Supervisionado I


6º Semestre Carga Horária: 170 Teórica: 40 Prática: 130
EMENTA
Os espaços sócios ocupacionais de realização de estágio. Aproximação com a realidade
prática, de forma a contemplar permanentemente o exercício de articulação com o conteúdo
de outras disciplinas curriculares do curso O conhecimento da realidade organizacional de
maneira a identificar as demandas dos usuários, bem como as possibilidades profissionais
Caracterização dos campos de estágio em Serviço Social no Estado do Amapá.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO


1.1 Conceituação de estágio e o processo de ensino-aprendizagem.
1.2 Encaminhamentos e esclarecimento para inserção no campo de estágio.
1.3 Introdução à prática profissional e problematização do contexto sócio institucional.
1.4 Conhecendo o local de realização do estágio.

UNIDADE II: ESTÁGIO E SUPERVISÃO


2.1 O estágio e o projeto ético-político do Serviço Social
2.2 Oficina de elaboração de Plano de Estágio
2.3 Interdisciplinaridade, estágio e formação profissional. Relatos e reflexões sobre estágio e
supervisão.

UNIDADE III: O ESPAÇO SOCIO-OCUPACIONAL


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
85
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.1 Apreensão e exercício do trabalho do assistente social nas dimensões teórico-


metodológica, ético-política e técnico-operativa.
3.2 O diário de campo
3.3 Estudo das expressões da questão social junto ao processo de trabalho do assistente
social.
3.4 Elaboração de Relatório Técnico-Científico do Estágio.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BURIOLLA, M. A. Supervisão em Serviço Social: o supervisor, sua relação e seus papéis.


São Paulo: Cortez, 2003.

FALEIROS, V. P. Estratégias em Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

PONTES, R. Mediação e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:
BARROCO, M. L. S. Ética e serviço social: fundamentos ontológicos. 2 ed. São Paulo:
Cortez, 2003.

BAPTISTA. M. V. A investigação em Serviço Social. São Paulo: Veras, 2006.

BRASIL. Código de ética do Assistente Social. Lei 8.662/93 de 1997, CFESS.

IAMAMOTO, M. V. O serviço social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

7º PERÍODO

Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso I


7º Semestre Carga Horária: 40 Teórica: 40 Prática: ...
EMENTA
Estudo do referencial teórico-metodológico necessário ao desenvolvimento do projeto de
Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Elaboração do projeto de monografia a partir da
experiência de estágio, de temáticas desenvolvidas em projetos de pesquisa ou, ainda,
relacionada a reflexões teóricas. Diretrizes metodológicas para a elaboração do projeto
de TCC: a escolha do tema, a elaboração da justificativa, a definição dos objetivos, a
construção da problemática, procedimentos metodológicos e coleta de dados.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
86
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.1 A estrutura do projeto enquanto texto – ABNT


1.2 Levantamento das fontes e documentos
1.3 As fontes bibliográficas
1.4 A internet como fonte de pesquisa
1.5 A redação do texto
1.6 A construção do parágrafo

UNIDADE II: O PROJETO DE PESQUISA


2.1 O título do Projeto
2.2 Determinação e delimitação do tema
2.3 O problema da pesquisa
2.4 Pergunta norteadora
2.5 A formulação das hipóteses
2.6 Justificativa
2.7 Explicação do quadro teórico (Revisão de Literatura)
2.8 Indicação do procedimentos metodológicos e técnicos
2.9 Estabelecimento do cronograma de pesquisa
2.10 Indicação da bibliografia
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BRANDÃO, C. R. (org.) Repensando a Pesquisa Participante. 3 ed. São Paulo: Brasiliense,


2001.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Metodologia do Trabalho Científico. 22 ed. São Paulo:


Atlas, 2002.

 COMPLEMENTAR:

BASTOS, C.; KELLER, V. Aprendendo a Aprender. Introdução a Metodologia Científica.


16 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

BASTOS, L. R.; PAIXÃO, L.; FERNANDES, L. M.; DELUIZ, N. Manual para a elaboração de
projetos e relatórios de pesquisas, teses, dissertações e monografias. 6 ed. Rio de
Janeiro: LTC, 2004.

PÁDUA, E. M. M. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prático. 10 ed. Campinas-


SP: Papirus, 2004.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
87
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

SEVERINO, A. J. Metodologia do Trabalho Científico. 22 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Disciplina: Movimentos Sociais


7º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Teorias Sobre os Movimentos Sociais. O Estado, o Trabalho, as Classes Subalternas no
Capitalismo Global. A Dinâmica de Intervenção dos Movimentos Sociais nas últimas
décadas. Novos Movimentos Sociais. O confronto das forças sociais e a constituição política
da sociedade brasileira. Lutas sociais na Amazônia.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: AS TEORIAS SOBRE OS MOVIMENTOS SOCIAIS


1.1. Paradigmas Norte Americano;
1.2. Paradigmas Europeus;
1.3. Paradigma Latino Americano;
1.4 Sociedade Civil
1.5 Sujeitos políticos, atores e agentes sociais.

UNIDADE II: ESTADO CAPITALISTA, MOVIMENTOS SOCIAIS E CLASSES


SUBALTERNAS.
2.1.Conceito de movimento social;
2.2.Trabalho, classe e movimentos sociais no capitalismo global;
2.3.Estado capitalista: transformações na dinâmica da intervenção dos movimentos sociais
nas ultimas décadas;
2.4. Os novos movimentos sociais.

UNIDADE III: TIPOS E CARACTERIZAÇÕES DOS MOVIMENTOS SOCIAIS.


3.1. Movimentos Sociais Urbanos.
3.2 . Movimentos Sociais Rurais.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

GOHN, M. G. Teorias dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e


contemporâneos. 3 ed. São Paulo: Loyola, 2002.

______________. Os sem terra, ONGs e cidadania. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

PEREIRA, W. C. C. Nas trilhas do trabalho comunitário e social: teoria e prática. 2 ed.


Belo Horizonte: Vozes, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
88
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 COMPLEMENTAR:

AMMANN, S. Movimento popular de bairro. São Paulo: Cortez, 1991.

DALLARI, D. A. O que é participação política. São Paulo: Brasiliense, 2004.

RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental, abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed,


2002.

WALDMAN, M. Ecologia e lutas sociais no Brasil. 6 ed. São Paulo: contexto, 2002.

Disciplina: Elaboração de Projetos Sociais


7º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Estudo do processo de elaboração, execução e avaliação dos projetos sociais. Principais
fontes de captação de recursos. Concepção de gestão de projetos na iniciativa privada e
pública. Os projetos sociais do terceiro setor.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
UNIDADE I: A IMPORTANCIA DO PLANEJAMENTO
1.1 Políticas, Programas e Projetos na lógica do planejamento.
1.2 Planejamento e a elaboração de planos, programas e projetos sociais.

UNIDADE II: ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS


2.1 A análise do contexto.
2.2 Os objetivos.
2.3 As atividades.
2.4 Os recursos humanos, materiais, físicos e financeiros.
2.5 A elaboração do documento do projeto.
2.6 O orçamento das políticas públicas.
2.7 O terceiro setor e os projetos sociais.
2.8 As principais fontes de captação de recursos.

UNIDADE III: AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS


3.1 Por que avaliar.
3.2 Fazes da avaliação.
3.3 Monitoramento e acompanhamento avaliativo.
3.4 Avaliação participativa.
3.5 Formulação de indicadores de avaliação em projetos sociais.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
89
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

ARMANI, D. Como Elaborar Projetos? Tomo Editorial/Amencar – 2004.

DEMO, P. Participação é conquista. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

FALEIROS, V. P. Metodologia e Ideologia do Trabalho Social. 9 ed. São Paulo: Cortez,


1997.

 COMPLEMENTAR:

DEMO, P. Política social, educação e cidadania. Campinas: Papiros, 2010.

FREIRE, L.M.B; FREIRE, S. M.; CASTRO, A. T. Barroso de (org). Serviço social, política
social e trabalho: desafios e perspectivas para o século XXI. São Paulo: Cortez, 2010.

MARTINELLI, Maria Lúcia. Serviço social: identidade e alienação. São Paulo: Cortez,
2011.

SERRA, Rose M. S. Crise de materialidade no Serviço Social: repercussões no mercado


profissional. 3ª ed. São Paulo: Cortez, 2010.

Disciplina: Questão Social na Amazônia


7º Semestre Carga Horária: 80 Teórica: 80 Prática: ...
EMENTA
A Amazônia no contexto de acumulação capitalista no Estado brasileiro. Questão
Socioambiental na Amazônia; Políticas de Integração Social na Amazônia; Movimentos
Migratórios na Amazônia; O Serviço Social frente às questões étnico-culturais do Amapá.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: AMAZÔNIA: TRANSFORMAÇÕES RECENTES E REORGANIZAÇÃO


ESPACIAL
1.1 A Amazônia na dinâmica das transformações do Estado brasileiro
1.2 A ocupação da Amazônia a partir da metade do século XX
1.3 Movimentos migratórios na Amazônia
1.4 O processo de ocupação do espaço amapaense no contexto da Amazônia

UNIDADE II: AS POLÍTICAS DE INTEGRAÇÃO SOCIAL NA AMAZÔNIA.


2.1 O papel do Estado no processo de desenvolvimento da Amazônia
2.2 Integração da Amazônia via modernização conservadora
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
90
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.3 Ocupação recente via “Grandes Projetos”


2.4 O compromisso do Estado na defesa dos interesses do grande capital

UNIDADE III: A QUESTÃO SOCIAL NA AMAZÔNIA NO CAPITALISMO


CONTEMPORÂNEO.
3.1 A relação campo e cidade.
3.2 O crescimento populacional nos espaços urbanos.
3.3 As expressões da questão social na Amazônia.
3.4 Amapá: a urbanização da pobreza.

UNIDADE IV: A QUESTÃO SOCIAL E O DESAFIO ÉTICO-POLÍTICO PARA O TRABALHO


DO ASSISTENTE SOCIAL.
4.1 A vulnerabilidade social na Amazônia e no Amapá.
4.2 A desigualdade social na Amazônia.
4.3 Questão Social e Serviço Social.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

FREIRE, L. M. B. O Serviço Social na Reestruturação Produtiva. São Paulo: Cortez, 2003.

NETO, J. P. Estado e questão social no capitalismo dos monopólios. In: Capitalismo


Monopolista e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

SERRA, R. M. S. Crise de materialidade no Serviço Social: repercussões no mercado


profissional. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

 COMPLEMENTAR:

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico. São Paulo:


Cortez: 2004.

FALEIROS, V. P. Estratégias em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2008.

NETTO, J. P. Capitalismo monopolista e serviço social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

REIGOTA, M. Meio Ambiente e Representação Social. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Disciplina: Estágio Supervisionado II


7º Semestre Carga Horária: 170 Teórica: 40 Prática: 130
EMENTA
Execução de atividades teórico-práticas à luz do referencial teórico-metodológico do Serviço
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
91
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Social e aperfeiçoamento do exercício da prática profissional operacionalização e recriação


das formas de intervenção prática. Implementação do plano de intervenção de estágio. Orientação
para sistematização da prática profissional: elaboração do relatório final de estágio.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I - PRÁTICA SOCIAL E PRÁTICA INSTITUCIONAL.


1.1 O Serviço Social e a interação com outras áreas profissionais: reflexões interdisciplinares.
1.2 O caráter propositivo e interventivo na prática do Serviço Social.
1.3 O Plano de estágio.

UNIDADE II: O PROJETO DE INTERVENÇÃO


2.1 Análise institucional.
2.2 Elaboração do projeto de intervenção.
2.3 Execução do Projeto de Intervenção.
2.4 O diário de campo.
2.5 Monitoramento e avaliação.
2.6 Relatório final de estágio.
2.7 Publicitação das ações do Projeto de Intervenção.
2.8 Relatos de experiências em intervenção social
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BRANDÃO, C. R. (org.) Repensando a Pesquisa Participante. 3 ed. São Paulo: Brasiliense,


2001.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

FREIRE, L. M. B. O Serviço Social na Reestruturação Produtiva. São Paulo: Cortez, 2003.

 COMPLEMENTAR:

SEVERINO, A. J. Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à


prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LUCK, H. Metodologia de Projetos: uma ferramenta de planejamento e gestão. 2 ed.


Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

PÁDUA, E. M. M. Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prático. 10 ed. Campinas-


SP: Papirus, 2004.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
92
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

THIOLLENT. M. Metodologia da Pesquisa-Ação. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

8º PERÍODO

Disciplina: Serviço Social e Meio Ambiente


8º Semestre Carga Horária: 40 Teórica: 40 Prática: ...
EMENTA
A Relação sociedade e meio ambiente. A questão do desenvolvimento social na Amazônia
e na América Latina. Relação entre o meio ambiente e a questão social, econômica e
cultural regional. Problemas e questões ambientais globais, o movimento ecológico e a
educação ambiental no Brasil. Serviço Social e meio ambiente.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: A RELAÇÃO SOCIEDADE EMEIO AMBIENTE


1.1 Teorias para o entendimento da questão do meio ambiente
1.2 A questão ambiental no Brasil
1.3 A questão ambiental na Amazônia

UNIDADE II: QUESTÃO SOCIAL E MEIO AMBIENTE


2.1 Os problemas ambientais como questão social
2.2 Degradação ambiental e pobreza
2.3 Os mais afetados pelas questões ambientais

UNIDADE III: A QUESTÃO AMBIENTAL NA PRATICA PROFISSIONAL DOS


ASSISTENTES SOCIAIS
3.1 A Política Nacional do Meio Ambiente
3.2 O movimento ecológico
3.3 A educação ambiental
3.4 A prática do assistente social frente às questões ambientais
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: A formação do sujeito ecológico. Isabel


Cristina. Cortez: 2004.

LAYRARGUES, P. P; CASTRO, R. S.; LOUREIRO, C. F. Educação ambiental -


repensando o espaço da cidadania. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2005.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
93
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REIGOTA, M. Meio Ambiente e Representação Social. 5 ed. São Paulo: Cortez. 2002.

 COMPLEMENTAR:

FREIRE, L. M B. O Serviço Social na Reconstrução Produtiva Espaços, Programas e


trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2003.

IAMAMOTTO, M. V. Renovação e Conservadorismo do Serviço Social no Brasil. São


Paulo, Cortez, 2004.

RUSCHEINSKY, A. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed,


2002.

SILVA, M. O. O Serviço Social e o Popular. Resgate teórico metodológico do Serviço


Social de Ruptura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso II


8º Semestre Carga Horária: 40 Teórica: 40 Prática: ...
EMENTA
Aborda o desenvolvimento de trabalho científico, utilizando conhecimento teórico-prático -
metodológicos e éticos. E elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA EM SERVIÇO SOCIAL.


1.1 A importância da Pesquisa em Serviço Social.

UNIDADE II: FUNDAMENTAÇÕES DA MONOGRAFIA CIENTÍFICA.


2.1 Padrões metodológicos e exigências acadêmicas e científicas.
2.2 As Regras da ABNT

UNIDADE III: ORIENTAÇÃO À EXECUÇÃO DA PESQUISA.


3.1 Aplicação dos instrumentos e técnicas, e coleta de dados.
3.2 Análise e sistematização dos dados.
3.3 Orientação para elaboração do relatório da pesquisa.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

COSTA, S. F. Método científico: os caminhos da investigação. São Paulo: Harbra,


2001.

MAZZOTI, A. J. A. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e


qualitativa. São Paulo: Pioneira, 2002.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
94
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

A ser definida de acordo com a área temática de estudo.

Disciplina: Seminários Temáticos: Direitos Humanos.


8º Semestre Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Noções, pressupostos e o desafio dos direitos humanos. Universalização dos direitos
humanos e a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Proteção internacional dos
direitos humanos. Os direitos humanos na Constituição Federal brasileira de 1988. Direitos
humanos e Serviço Social no Brasil. Ética e direitos humanos em face dos processos de
(des)humanização da vida social. Ética e bioética: temas emergentes.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: FUNDAMENTOS E HISTÓRIA DOS DIREITOS HUMANOS.


1.1 Fundamentação histórica e filosófica dos direitos humanos.
1.2 Os direitos individuais
1.3 Os direitos coletivos
1.4 As múltiplas dimensões dos direitos humanos

UNIDADE II: OS DIREITOS HUMANOS NAS DECLARAÇÕES E NAS LEIS


2.1 O significado histórico da Declaração Universal dos Direitos Humanos.
2.2 Os efeitos da Declaração: as gerações de direitos.
2.3 Revoluções burguesas e história mundial: os direitos de liberdade.
2.4 A Ditadura Militar e a cassação de direitos.
2.5 A reconstrução democrática e os direitos humanos.
2.6 A Constituição Federal de 1988 e a concepção contemporânea de direitos humanos.

UNIDADE III: DIREITOS HUMANOS E SERVIÇO SOCIAL.


3.1 O projeto ético-político do Serviço Social e a defesa intransigente dos direitos
humanos.
3.2 O Código de Ética de 1993
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
95
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.3 Conflitos globais e violação de direitos


3.4 Serviço Social e a tradição de luta pelos direitos humanos
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 2 ed. São Paulo:


Cortez, 2003.

FERREIRA FILHO, M. G. Direitos humanos fundamentais. 6 ed. São Paulo: Saraiva,


2004.

IAMAMOTO, M. V. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social: ensaios


críticos. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2004.

 COMPLEMENTAR:

BRASIL. Código de ética do Assistente Social. Lei 8.662/93 de 1997, CFESS.

HUBERMAN, L. História da Riqueza do Homem. 21 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1986.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social em tempo de capital fetiche. 3 ed. São Paulo: Cortez,
2008.

____________. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Disciplina: Estágio Supervisionado III


8º Semestre Carga Horária: 170 Teórica: 40 Prática: 130
EMENTA
Orientação para uma análise crítica sobre a prática profissional e suas possibilidades
considerando do contexto institucional. O desenvolvimento de habilidades com relação ao
fazer profissional, a elaboração do projeto de intervenção e a formulação de estratégias de
ação para sua efetivação.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O PROCESSO DE TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NOS ESPAÇOS


SÓCIO-OCUPACIONAIS.
1.1 O contexto institucional dos espaços sócio ocupacionais do campo de estágio.
1.2 A análise institucional e estratégias de ação nos espaços sócio ocupacionais.

UNIDADE II – O ASSISTENTE SOCIAL E A INTERVENÇÃO PROFISSIONAL.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
96
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.1 - O projeto de intervenção: operacionalização e complementaridade teórico-


metodológica.
2.2 - A elaboração do Projeto de Intervenção.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BURIOLLA, Maria Alice. Supervisão em Serviço Social: o supervisor, sua relação w seus
papéis. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

SCHONS, S. M. Assistência social entre a ordem e a desordem. 3 ed. São Paulo:


Cortez, 1999.

SEVERINO, A. J. Serviço Social e interdisciplinaridade: dos fundamentos filosóficos à


prática interdisciplinar no ensino, pesquisa e extensão. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2002.

 COMPLEMENTAR:

BARROCO, M. L. S. Ética e Serviço Social - Fundamentos Ontológicos. 8ª edição.


Editora Cortez. 7 ed. São Paulo. 2008.

BAPTISTA, M. V. Investigação em Serviço Social. São Paulo: Veras, 2006.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 20 ed. Petrópolis-RJ.


2001.

BONETTI, D. A. Serviço social e ética: convite a uma nova práxis. 6 ed. São Paulo:
CORTEZ, 2005.

OPTATIVAS I

Disciplina: Políticas de Proteção à Criança e ao Adolescente


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
A história da Infância no Brasil. Da Situação Irregular a Proteção Integral. O Estatuto da
Criança e do Adolescente. A prática do Serviço Social no campo sócio – jurídico: práticas
institucionais e alternativas. O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo – SINASE.
O controle social: conselhos de direitos e conselhos tutelares. Tendências contemporâneas
da proteção à criança e ao adolescente: polêmicas e perspectivas.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: HISTÓRIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE.


1.1 A história da infância no Brasil
1.2 Código de Menores de 1927.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
97
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

1.3 Doutrina da Situação Irregular: Código de Menores de 1979.


1.4 Declaração Universal dos Direitos Humanos.
1.5 Declaração Universal dos Direitos da Criança.
1.6 A Constituição Federal de 1988.
UNIDADE II: A DOUTRINA DA PROTEÇÃO INTEGRAL
2.1 Crianças e Adolescentes sujeitos de direitos.
2.2 A condição peculiar de desenvolvimento.
2.3 O princípio da prioridade absoluta.

UNIDADE III: O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCETE


3.1 Os direitos fundamentais.
3.2 O Sistema de Garantia de Diretos.
3.3 As medidas de proteção.
3.4 As medidas socioeducativas.
3.5 A política de atendimento.
3.6 Os Conselhos de direitos.
3.7 Os Conselhos tutelares.
UNIDADE IV: O ADOLESCENTE E O ATO INFRACIONAL
4.1 Conceito de Ato Infracional.
4.2 Direitos Individuais e Garantias Processuais do adolescente em conflito com a lei.
4.3 As Medidas Socioeducativas.
4.4 A inimputabilidade penal.
4.5 O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo - SINASE
BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA:
ARIES, P. História Social da Criança e da Família. São Paulo: LTC, 1981.

BRASIL, Senado Federal. (Senador João Capiberibe). Estatuto da criança e do


adolescente e normas correlatas: dispositivos constitucionais pertinentes. Brasília:
Senado Federal, 2017.
FREITAS, M. C. História social da infância no Brasil. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

 COMPLEMENTAR:
SALES, M. A. et al. Política social, família e juventude. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade, educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 8 ed.


Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

SARTI, C. A. A família como espelho – um estudo sobre a moral dos pobres. 5 ed. São
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
98
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Paulo: Cortez, 2009.

SCHONS, S. M. Assistência social entre a ordem e a desordem. 3 ed. São Paulo:


Cortez, 1999.

Disciplina: Serviço Social, Política Social e Envelhecimento


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
O envelhecimento como expressão da questão social. O idoso no contexto da
globalização, tecnologia e pós-modernidade. Institucionalização e movimento social. A
política nacional do Idoso. O Estatuto do Idoso. Cidadania, direitos e políticas sociais. O
processo saúde/doença e a envelhecimento. Violência e o mito da fragilidade. O Serviço
Social e o envelhecimento.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL


1.1 O aumento da expectativa de vida
1.2 O envelhecimento no mundo e no Brasil
1.3 A feminização do envelhecimento
1.4 Renda, consumo e escolaridade dos idosos

UNIDADE II: O ENVELHECIMENTO COMO EXPRESSÃO DA QUESTÃO SOCIAL


2.2 A velhice como categoria social
2.3 O envelhecimento e a questão da violência
2.4 Velhice, pobreza e abandono
2.5 O direito à convivência familiar e comunitária

UNIDADE III: POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO E O SERVIÇO SOCIAL


3.1 A política Nacional do Idoso
3.2 O Estatuto do Idoso
3.3 Serviço Social e envelhecimento.
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

HADDAD, E. G. M. O direito à velhice: os aposentados e a previdência social questões da


nossa época. 10 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

NERI, A. L. Velhice e Sociedade. 2 ed. São Paulo: Papirus, 2004.


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
99
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

_________. Proteção Social e Cidadania: inclusão de idosos e pessoas com


deficiência. São Paulo, Cortez, 2004.

 COMPLEMENTAR:

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. 20 ed. Rio de Janeiro,


2001.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização


do envelhecimento. São Paulo: Edusp, 2004.

FREIRE, L.; FREIRE, S. M; CASTRO, A. T. (Org) Serviço Social, política social e


trabalho: desafios e perspectivas para o século XXI. São Paulo: Cortez, 2010.

ZIMERMANN, G. I. Velhice. Aspectos Biopsicossociais. Porto Alegre: Artes Médicas


Sul, 2000.

Disciplina: Relações de sexo/gênero, raça/etnia, e sexualidade e o Serviço Social


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Re(construção)das categorias sexo/gênero, raça/etnia e sexualidade e seu rebatimento nas
ciências sociais; movimentos de mulheres e a apropriação e reflexão destes conceitos.
Marcadores sociais da diferença: sexualidade, corpo, raça e classe. O Serviço Social e as
relações de exploração/opressão de sexo/gênero, raça/etnia e sexualidades.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: CONCEPÇÕES HISTÓRICAS DAS CATEGORIAS SEXO/GENERO,


RAÇA/ETNIA E SEXUALIDADE
1.1 Cultura, diversidade cultural, etnocentrismo, estereótipo, preconceito e discriminação.
1.2 A construção social das identidades de gênero.
1.3 A desigualdade entre homens e mulheres na sociedade brasileira.
1.4 Preconceito e racismo no Brasil.

UNIDADE II: SEXO/GENERO, RAÇA/ETNIA E SEXUALIDADE COMO EXPRESSÕES DA


QUESTÃO SOCIAL.
2.1 Violência de sexo/gênero, raça/etnia e sexualidade
2.2 Situação de pobreza e discriminação
2.4 Discriminação social contra mulheres ou contra minorias sexuais, e/ou raciais/étnicas
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
100
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.5 A posição subordinada ocupada pelas mulheres negra em relação aos homens e a
outras mulheres
2.6 O movimento feminista, o movimento de mulheres negras, o movimento de mulheres
indígenas e o movimento de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis.

UNIDADE III: SEXUALIDADE E SOCIEDADE


3.1 O fenômeno multifacetado da sexualidade
3.2 As convenções relativas ao corpo, à identidade de gênero e identidade sexual
3.3 A diversidade de valores, comportamentos e identidades sexuais
3.4 Discriminação e violência, associadas aos diferentes comportamentos, expressões e
experiências da sexualidade.
3.5 Identidade sexual e de gênero e homofobia.

UNIDADE IV: O SERVIÇO SOCIAL E AS RELAÇÕES DE EXPLORAÇÃO/OPRESSÃO


DE SEXO/GÊNERO, RAÇA/ETNIA E SEXUALIDADES.
4.1 Sexo/gênero, raça/etnia e sexualidade e classe social
4.2 Políticas públicas e os desafios para atuação do assistente social
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

ABREU, M. M. Serviço social e a organização da cultura: perfis pedagógicos da prática


profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

BEHRING, E. R. Desigualdade e questão social. 2 ed. São Paulo, Educ, 2004.

PRIORE, M. D. História das mulheres no Brasil. 8 ed. São Paulo: Companhia das letras,
2006.

 COMPLEMENTAR:

BENTO. M. A. S.; CARONE, I. Psicologia social do racismo – estudos sobre branquitude


e branqueamento no Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2007.

CASTEL, R. As metamorfoses da questão social – uma crônica do salário. Rio de


Janeiro: Petrópolis: Vozes, 2008.

HADDAD, E. G. M. O direito à velhice: os aposentados e a previdência social questões da


nossa época. São Paulo: Cortez, 2001.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade, educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 8 ed.


Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
101
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Disciplina: Inglês Instrumental


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
O processo de leitura e compreensão em língua inglesa. Técnicas de leitura em diferentes
níveis de compreensão. Estudo de itens lexicais categoriais. Estudo da estrutura textual dos
gêneros mais usados na área de serviço social. Estudo do vocabulário inerente à área.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A LEITURA E APRENDIZAGEM DE LE


E SUA IMPORTÂNCIA PARA A CIÊNCIA.
1.1 Conscientização do processo de leitura. A língua inglesa e negócios. O ensino
instrumental para negócios.
1.2 Relação entre técnicas de leitura e os níveis de compreensão do texto; conhecimento de
mundo, textual e linguístico.

UNIDADE II: ESTRATÉGIA DE LEITURA.


2.1 Layout de diversos gêneros.
2.2 Skimming/scanning nos gêneros resumo de artigo cientifico, artigo de jornal e revista.
2.3 Utilização de informação não-linear: indicações de referências; informações não verbais.
(gráficos, tabelas, imagens).
2.4 Uso da inferência contextual e do conhecimento prévio.
2.5 Cognatesand false cognates.

UNIDADE III: ESTUDOS GRAMATICAIS.


3.1 Grupos nominais.
3.1.1 Subjetcpronouns, objetcpronouns.
3.1.2 Conjunções
3.2 Word formation (prefixes and sufixes)
3.3 Padrão de oração em ingles.
3.4 Grupos verbais.
3.4.1 Simple presente e presente continuous
3.4.2 Presente perfect e simple past
3.4.3 Past continuous e past perfect
3.4.4 Future
3.4.5 Verbos auxiliaries e modal verbs
3.5 Vocabulário especifico da área
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
102
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3.6 Ensino fundamental para negócios


BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

BRITTO, M. M. J.; GREGORIM, C. O. Michaelis: Inglês gramática prática. 22. ed. São
Paulo: Melhoramentos, 2006.

GALLO, L. Inglês instrumental para informática: módulo I. São Paulo: Icone, 2008.

MARINOTTO, D. Reading info tech: Inglês para informática. 2. ed. são Paulo: Nova tech,
2008.

 COMPLEMENTAR:

MUNHOZ, R. Inglês instrumental: estratégia de leitura: módulo I. São Paulo: Texto novo,
2001.

MURPHY, R. English grammar in use: a self-study reference and practice book for
intermediate students of English: with answer. 3. ed. Cambridge: Cambridge University
Press, 2004.

PARNWELL, E. C. The new Oxford picture dictionary. New York: Oxford University Press,
1998.

PERRI, E.; LOBO, H. Way out: inglês básico, técnico e comercial. São Paulo: FTD, 1992.

OPTATIVAS II

Disciplina: Serviço Social e Saúde Mental


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Aspectos sócio históricos da subjetividade e da loucura. Reforma Psiquiátrica. Política de
saúde mental na atualidade. O trabalho do Serviço Social no campo da saúde mental.
Aspectos contemporâneo do campo da saúde mental.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: SUBJETIVIDADE E SOFRIMENTO HUMANO


1.1 A história da loucura
1.2 A construção social da subjetividade

UNIDADE II: A REFORMA PSIQUIATRICA


2.1 Reforma psiquiátrica: antecedentes históricos
2.2 Atualidade da Reforma Psiquiátrica
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
103
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.3 A Política de Saúde Mental

UNIDADE III: SERVIÇO SOCIAL E SAÚDE MENTAL


3.1 O Serviço Social no campo da saúde mental
3.2Processo de trabalho em saúde mental e as interfaces com o Serviço Social
3.3Saúde mental e direitos humanos
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

IAMAMOTO, M. V. Renovação e Conservadorismo no Serviço Social. São Paulo. Cortez.


2004.

RODRIGUE Z, S. A; BERLINCK, M. T. Psicanálise de Sintomas Sociais. São Paulo:


Escuta, 1988.

TUNDIS, S. A; COSTA, N.R. Cidadania e Loucura: Políticas de saúde mental no Brasil. Rio
de Janeiro: Vozes, 2007.

 COMPLEMENTAR:

DSM-IV-TR. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Trad. Cláudia


Dornelles, 4 ed. Porto Alegre: Artmed, 2002.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008.

IAMAMOTO, M. V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação


profissional. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2001.

KAWAMOTO, E; SANTOS, M.C.H; MATTOS, T. M. Enfermagem Comunitária. São Paulo:


EPU, 1995.

Disciplina: Serviço Social e Famílias


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
A Organização da Família através de diferentes referenciais teóricos A Família na
sociedade capitalista e na sociedade Brasileira. O trabalho do Assistente Social junto a
Família.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: A ORGANIZAÇÃO DA FAMÍLIA ATRAVÉS DE DIFERENTES


REFERÊNCIAS TEÓRICOS.
1.1 A Família a partir do Método Funcionalista, Positivista e do Materialismo Histórico
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
104
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Dialético

UNIDADE II: A FAMÍLIA NA SOCIEDADE CAPITALISTA E NA SOCIEDADE


BRASILEIRA.
2.1. A Concepção de família na contemporaneidade
2.2. Políticas públicas de atenção a família
2.3 A violência no cotidiano das Famílias de camadas populares brasileiras.

UNIDADE III: O TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL JUNTO A FAMÍLIA.


3.1. Diretrizes do SUAS: matricialidade familiar a partir dos níveis de proteção social: básica
e especial
3.2. A intervenção profissional do Assistente Social no espaço organizacional
3.3.Metodologias de trabalho com famílias: CRAS/CREAS/NASF/ e outros
3.4.da Família; Análise crítica das propostas de atuação.

BIBLIOGRAFIA
 BÁSICA

ARIES, P. História Social da Criança e da Família. São Paulo: LTC, 1981.

SALES, M. A. et al. Política social, família e juventude. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

SCHONS, S. M. Assistência social entre a ordem e a desordem. 3 ed. São Paulo:


Cortez, 1999.

 COMPLEMENTAR

BERGER, Peter. L.; LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade. 20 ed.


Petrópolis-RJ: Vozes, 2001.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade, educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 8


ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

PONTES, R. Mediação e Serviço Social. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2002. (3 ed. 2002 10ex)

SARTI, C. A. A família como espelho - um estudo sobre a moral dos pobres. 5 ed. São
Paulo: Cortez, 2009.

Disciplina: Libras
Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Ser conhecedor do movimento e da cultura surda e conhecer, minimamente, a Língua
Brasileira de Sinais. Ter expressão corporal capaz de comunicar. Conhecer e entender a
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
105
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

cultura surda como um movimento surdo.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

UNIDADE I: HISTORIA DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO MUNDO


1.1 O surdo antigamente
1.2 o surdo na Idade Moderna;
1.3 O surdo no Século XX
1.4 História da Educação dos Surdos no Brasil

UNIDADE II: LEI E DECRETO DE LIBRAS


2.1 Lei 10.436, de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a língua Brasileira de Sinais-Libras
2.2 Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005

UNIDADE III: OS CINCO PARÂMETROS EM LIBRAS


3.1 Configuração das mãos;
3.2 Ponto de articulação;
3.3 Movimento;
3.4 Orientação ou direcionalidade;
3.5 Expressão facial e ou corporal;

UNIDADE IV: CULTURA E IDENTIDADE SURDA.


PRÁTICO
4.1 Alfabeto manual
4.2 Números cardinais e números para quantidade
4.3 Calendário
4.4 Cumprimentos/saudações
4.5 Pronomes
4.6 Famílias
4.7 Profissões
4.8 Alimentos
4.9 Escola/materiais
BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

HONORA, M. Livro Ilustrado de Língua Brasileira de Sinais: Desvendando a Comunicação


PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
106
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

usada pelas pessoas com surdez. São Paulo: Ciranda Cultural, 2011.

...
...

 COMPLEMENTAR:

...
...
...
...

Disciplina: Francês Instrumental


Carga Horária: 60 Teórica: 60 Prática: ...
EMENTA
Aquisição de vocabulário básico e específico e de conhecimentos da estrutura da Língua
Francesa, visando à expressão oral e escrita e o acesso à cultura da França e de países
francófonos.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

i. Conscientização do processo de leitura e transferência de conhecimento da língua


materna para o francês língua estrangeira;
ii. Ensino de estratégias de leitura: predição, inferência, campos semânticos, palavras-
chave, contextos imediato e global, conhecimento prévio, índices tipográficos,
seletividade, balayage, repérage;
iii. Gramática aplicada a textos: artigos, adjetivos, pronomes, construções negativas e
interrogativas, tempos verbais e suas respectivas noções, marcadores do discurso e
suas funções retóricas, a voz passiva;
iv. Ensino de vocabulário: cognatos e falsos cognatos, formação de palavras por afixos
(prefixos e sufixos), inferência lexical, uso do dicionário e as diferentes funções e usos
do léxico;
v. Organização textual: percepção da estrutura e compreensão dos textos do ponto de
vista retórico, formal e estético; trabalho sobre a estrutura organizacional de Résumé
(Abstract).

BIBLIOGRAFIA

 BÁSICA:

...
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
107
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

...
...

 COMPLEMENTAR:

...
...
...
...

2.17 COMPONENTES CURRICULARES

2.17.1 Estágio Supervisionado.


O IMMES em sua estrutura acadêmica valoriza e incentiva o estágio do alunado
abrindo espaço para a prática, entendendo que é o caminho para a formação integral do
futuro profissional.
O Projeto Pedagógico define o estágio supervisionado como “uma atividade
curricular obrigatória que se configura a partir da inserção do aluno no espaço sócio
institucional, objetivando capacitá-lo para o exercício profissional, o que pressupõe
supervisão sistemática”. Esta supervisão será feita pelo professor e pelo profissional do
campo, através da reflexão, acompanhamento e sistematização, com base em planos de
estágio elaborados em conjunto pelas unidades de ensino e organizações que oferecem
estágio.
O estágio se insere no espaço de ação profissional, via organizações públicas,
privadas, governamentais, não-governamentais e movimentos sociais. O estágio também
é oferecido em projetos de Iniciação Científica e Projetos de Extensão.
A formação do Assistente Social inclui a realização de estágios curriculares sob a
supervisão de docentes e orientação de profissionais da área. Estes estágios são
desenvolvidos de forma articulada e com complexidade crescente ao longo do processo
de formação.
A necessidade da experiência e vivência profissional enquanto aluno em formação
é voz presente em todos os segmentos envolvidos no processo, ou seja, empresas,
instituições e o próprio discente. Por outro lado, os benefícios gerados também são
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
108
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

absorvidos e integrados de maneira a constituir-se em novas ideias e por muitas vezes


em novos empreendimentos. Assim, será considerada nesta nova Matriz a Política
Nacional de Estágio da Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social -
ABPESS, a qual destaca que a carga horária disponibilizada para o Estágio
Supervisionado curricular obrigatório deve ser de, no mínimo, 15% das 3.000 horas
estabelecidas como carga horária mínima pelo Parecer CNE/CES nº 08/2007, o qual foi
homologado pela Resolução CNE/CES nº 02/2007.
A carga horária é de 510 horas, independente das 90 horas para atividades
complementares, esse processo é iniciado no 6º semestre, para o estágio supervisionado
I, no 7º semestre para o estágio supervisionado II e no 8º semestre para o estágio
supervisionado III, assim distribuídas:
 O Estágio Supervisionado em Serviço Social I corresponde ao período do 6º
semestre e terá 170 carga horária prática e 40 carga horária teórica.
 O Estágio Supervisionado em Serviço Social II corresponde ao período do 7º
semestre e terá 170 carga horária prática e 40 carga horária teórica.
 O Estágio Supervisionado em Serviço Social III corresponde ao período do 8º
semestre e terá 170 carga horária prática e 40 carga horária teórica.

Serviço Social - Áreas de Atuação.


1. Assistência Social: Secretarias Estaduais e Municipais de Assistência Social e nos
equipamentos dessa política pública: Centro de Referência de Assistência Social -
CRAS, Centro de Referência Especializada de Assistência Social - CREAS, Instituição
de Acolhimento de Crianças e Adolescentes, Instituições de Longa Permanência,
Órgãos de Controle Social (Conselhos), Entidades Assistenciais e outros;
2. Área Socioeducativa: Unidades que mantém Programas de Internação,
Semiliberdade e Internação Provisória para Adolescentes;
3. Saúde Pública e Privada: Secretarias Estadual e Municipais de Saúde e seus
equipamentos: Unidades Regionais de Saúde, Unidades Básicas de Saúde, Hospitais,
Clínicas, Ambulatórios e Centro de Apoio Psicossocial (CAPS) e outros;
4. Previdência Social: Órgãos da Previdência Social Pública ou Privada em nível
Federal, Estadual e Municipal;
5. Área Empresarial: Indústrias, Empresas Públicas e Privadas, Órgãos Patronais de
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
109
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Serviço Social (SESC, SENAC, SESI, SENAI, SENAR, SEST/SENAT e SEBRAE,


SESCOOP);
6. Habitação: Secretarias Estadual e Municipais de Habitação e Urbanismo, Órgãos de
Financiamento e Planejamento Habitacional, Companhias e Cooperativas
Habitacionais e Movimentos Sociais na área habitacional;
7. Educação: Secretarias Estadual e Municipais de Educação, Escolas Públicas e
Particulares, Centros de Educação Especial, Centros de Readaptação de Crianças,
Institutos Educacionais, Universidades, Órgãos Regulamentares e Controle Social
(Conselhos);
8. Área Sócio Jurídica: Secretarias de Segurança Pública, Delegacias, Polícias, Forças
Armadas, Penitenciárias, Tribunal de Justiça e Juizados, Ministério Público e
Promotorias, Defensorias Públicas e Serviços de Assistência Jurídica;
9. Movimentos Sociais Populares: Associação de Bairros e/ou Moradores,
Movimentos Populares; Comunidade de Base, Núcleos de Produção Comunitária e
Cooperativa;
10. Terceiro Setor: Organizações Não-Governamentais;
11. Conselhos de Direitos e Políticas Públicas: Conselhos de Saúde, Conselhos da
Assistência Social, Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho do
Idoso, Conselho da Pessoa Idosa, Conselho LGBT, etc...

Observação: Para maiores informações, deverá consultar o Regulamento de Estágio do


curso de serviço social.

2.17.2 Atividades Complementares


As Atividades Complementares, componente curricular obrigatório a ser ofertado
ao longo do curso, possibilitam o reconhecimento, por avaliação, de habilidades e
competências do aluno, inclusive adquiridas fora do ambiente escolar, hipóteses em que o
aluno alarga o seu currículo com experimentos e vivências acadêmicas, internas ou
externas ao curso.
Orientam-se, desta maneira, a estimular a prática de estudos independentes,
transversais, opcionais, de interdisciplinaridade, de permanente e contextualizada
atualização profissional específica; sobretudo nas relações com o mundo do trabalho,
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
110
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

estabelecidas ao longo do curso, notadamente integrando-as às diversas peculiaridades


regionais e culturais. Nesse sentido, as Atividades Complementares incluem projetos de
pesquisa, monitoria, iniciação científica, projetos de extensão, módulos temáticos,
seminários, simpósios, congressos, conferências, visitas técnicas, além de disciplinas
oferecidas por outras instituições de ensino ou de regulamentação e supervisão do
exercício profissional, ainda que esses conteúdos não estejam previstos no currículo do
curso, mas nele podem ser aproveitados porque circulam em um mesmo currículo, de
forma interdisciplinar, e se integram com os demais conteúdos realizados.
Serão consideradas automaticamente concluídas as atividades complementares
quando o discente realizar 90 (noventa) horas de atividades, devidamente comprovadas e
homologadas pela coordenação do Curso de Serviço Social, nos termos do Regulamento
de Atividades Complementares.

Observação: Para maiores informações, deverá consultar o Regulamento de Atividades


Complementares do curso de Serviço Social.

2.17.3 Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)


O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) integra a formação do graduando no
Curso de Bacharelado em Serviço Social, e tem caráter obrigatório para a conclusão do
curso.
O TCC consiste em pesquisa orientada, relatada sob forma de monografia,
podendo ser realizada individualmente ou em dupla, tomando por base as DCN’s
(Resolução CNE/CES nº 492, de 03/04/2001) e o Regulamento de TCC Geral do IMMES
(Portaria nº 029, de 09/11/2005).
Os objetivos gerais do Trabalho de Conclusão de Curso são os de propiciar aos
alunos ocasiões de demonstrar o grau de habilitação adquirido, o aprofundamento
temático, o estímulo à produção científica, a consulta de bibliografia especializada e o
aprimoramento da capacidade de interpretação e crítica.
O TCC poderá ser elaborado individualmente ou no máximo, possuir dois
discentes-autores sendo o tema de livre escolha, desde que situado dentro do campo de
atuação do Serviço Social, tomando como referências as linhas temáticas de pesquisa da
Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social - ABEPSS, experiências
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
111
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

em núcleos temáticos ou em projetos de pesquisa e de extensão do IMMES, bem como


as experiências em campo de estágio. O mesmo será ofertado nos últimos semestres (7º
e 8º), para cumprimento da matriz curricular obrigatória, ocorrendo, concomitantemente,
ao processo de orientação para elaboração do trabalho de conclusão de curso realizado
no último período.
A apresentação do trabalho deve seguir as normas técnicas da ABNT, bem como o
padrão adotado pelo IMMES (disponíveis no homepage, no link Biblioteca- Manual de
TCC on-line). A entrega da versão final do TCC é requisito indispensável para a colação
de grau.

Observação: Para maiores informações, deverá consultar o Regulamento do Trabalho de


Conclusão de Serviço Social.

2.18 ABORDAGEM CURRICULAR DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS, DOS


DIREITOS HUMANOS, DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL, DO AUTISMO E LIBRAS.

Considerando as Resoluções do Ministério da Educação nº 01, de 17 de junho de


2004, que institui as Diretrizes Curriculares para a Educação das Relações Étnico–
Raciais, nº 01, de 30 de maio de 2012, que estabelece as Diretrizes Nacionais para a
Educação em Direitos Humanos, e nº 02, de 15 de junho de 2012, que estabelece as
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, apresentamos a
abordagem das temáticas referidas na matriz Curricular do Curso de Serviço Social do
IMMES.

2.18.1 Educação das Relações Étnico-Raciais


A proposta do curso, para as relações étnico-raciais, considera a pluralidade
existente na sociedade brasileira, reconhecendo a influência africana, indígena e europeia
na sua constituição, assim como a sua importância dentro das instituições e
organizações. Nesse sentindo, há o estudo de conteúdos voltados para a temática
especificamente em uma disciplina e transversalmente nos debates de outras disciplinas
que estudam a relações étnico-raciais.
 Antropologia: seu objeto de estudo e métodos de análise, a construção das
identidades e da subjetividade. Imaginário, representações sociais e expressões
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
112
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

culturais dos diferentes segmentos sociais com ênfase na realidade brasileira e


suas particularidades regionais. A cultura, sua classificação e estrutura. As
relações étnico-raciais e o ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena.

2.18.2 Educação em Direitos Humanos


A efetivação da Educação em Direitos Humanos no Curso de Serviço Social se
expressa nos três núcleos de fundamentação constitutivos da formação profissional:
núcleo de fundamentos teórico-metodológicos da vida social; núcleo de fundamentos da
particularidade da formação sócio histórica da sociedade brasileira e o núcleo de
fundamentos do trabalho profissional, refletindo a importância sócio histórica, ética e
política da apreensão das várias formas de realização dos Direitos Humanos e dos limites
históricos à sua realização. Esta discussão segue relacionada ao projeto ético-político do
Serviço Social e sua interface com a defesa intransigente dos Direitos Humanos. Nesse
sentido, há o estudo de conteúdos voltados para a temática especificamente em uma
disciplina e transversalmente nos debates de outras disciplinas que educação em Direitos
Humanos.
 Seminários Temáticos: Direitos Humanos: tem como objetivo possibilitar aos
discentes um entendimento preciso, coerente e global sobre a importância dos
direitos humanos no mundo contemporâneo no que se refere a sua garantia,
concebida como estratégia para viabilizar ações ético-políticas comprometidas com
a justiça social, a equidade e o desenvolvimento humano.

2.18.3 Educação Ambiental


O estudo da Educação Ambiental no Curso de Serviço Social relaciona as
discussões sobre o meio ambiente e a questão social, destacando as relações sociais de
produção e expropriação dos recursos naturais e ambientais e promovendo a consciência
ecológica e a educação ambiental. Em relação à Educação Ambiental, há o estudo de
conteúdos voltados para a temática especificamente em uma disciplina e
transversalmente nos debates de outras disciplinas que estudam o ser social e suas
interações com o meio ambiente.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
113
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

 Serviço Social e Meio Ambiente: tem como objetivo analisar como se expressam as
questões ambientais na sociedade contemporânea e como o Serviço Social tem
enfrentado às questões relacionadas ao meio ambiente.

2.18.4 Educação em Saúde Mental


A proposta do curso, para atender a Política Nacional de Proteção dos Direitos da
Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Lei nº 12.764, de 27/12/2012), está
contemplada na disciplina Serviço Social e Saúde Mental (optativa). A mesma
possibilitará ao discente estudo crítico da evolução histórica do conceito de saúde mental,
paradigmas e seus pressupostos e bases teóricas na perspectiva da educação inclusiva.
 Serviço Social e Saúde Mental: tem como objetivo identificar estratégias em saúde
mental que, possibilitem a redução do estigma social e familiar produzidos pelos
transtornos mentais, compartilhando experiências e práticas alicerçadas no
contexto da saúde coletiva, e nos princípios do Sistema Único de Saúde.

2.18.5 Educação em Libras


Os conteúdos para atender a Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que
dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras estão contemplados na disciplina
Libras (optativa). A disciplina possibilitará ao discente ser conhecedor do movimento da
cultura surda e conhecer, minimamente, a Língua Brasileira de Sinais. Ter expressão
corporal capaz de comunicar. Conhecer e entender a cultura surda como um movimento
surdo.

Com isso, o Curso oferece uma formação sólida ao graduado, embasada no


respeito às diferenças étnicas raciais, no conhecimento sobre os direitos humanos, suas
lutas, conquistas e desafios e às questões ambientais para a construção de uma
sociedade democrática e justa. Assim, o presente Projeto Pedagógico permite discutir
temáticas apontadas na legislação, com os conteúdos transitando de forma
interdisciplinar.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
114
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

2.19 APOIO AOS DISCENTES

Os programas voltados ao apoio aos discentes do curso objetivam a melhoria da


qualidade de socialização entre os alunos, docente e funcionários, bem como o efetivo
acompanhamento de sua vida acadêmica. Estão presentes no Curso de Graduação em
Serviço Social, com destaque para:
a) Programa de Nivelamento: em consonância com a IES, os ingressantes do Curso
de Serviço Social participam do Programa de Nivelamento, que pretende
proporcionar um aumento qualitativo no conhecimento do aluno em relação ao
ensino de disciplinas essenciais para um bom desempenho acadêmico,
minimizando a deficiência dos acadêmicos em relação aos conteúdos
fundamentais da Educação Básica. Como objetivos específicos, pretende levar o
aluno a reconhecer e aplicar as regras de ortografia, acentuação e pontuação;
identificar os diferentes níveis de linguagem em momentos de leitura e produção
textual; entender e usar adequadamente os mecanismos de coesão e coerência
textuais; compreender, analisar e resolver questões de lógica e matemática de
nível intermediário.
b) Programa de Monitoria.
A Monitoria é exercida por discentes regularmente matriculados em cursos de
graduação do IMMES, sendo regida pela Portaria nº 002/2007, que homologou o
Regulamento de Monitoria do IMMES. A Seleção é realizada por meio de Editais
próprios, que estabelecem as regras do certame, contando com a avaliação
inclusive do docente na disciplina para a qual está sendo indicado e designado por
portaria da Direção e deve apresentar bom desempenho em atividades técnico-
pedagógicas.
A monitoria pode ser exercida na forma de auxílio ao docente em atividades
didáticas, orientação a colegas matriculados no curso e estudos e pesquisas que
propiciem a melhoria de seus conhecimentos da disciplina, além da atuação em
comitês de organização de eventos institucionais. O Monitor exerce sua função sob
a orientação do professor da disciplina, ou da Comissão de Organização.
Além de bom desempenho na disciplina na qual pleiteia a monitoria, o monitor deve
ter as características de quem vai exercer o magistério superior ou a capacidade
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
115
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

de adquiri-las no decorrer do exercício da monitoria. São elas: ética profissional;


integração no trabalho; lealdade; disciplina; iniciativa; organização e método.
Em suma, tem-se a Monitoria como um instrumento de melhoria do ensino,
proporcionando um melhor aparelhamento dos Cursos através do aproveitamento
de alunos que apresentem atributos de inteligência, cultura, e aptidão para a
função.
c) Apoio Financeiro: como apoio e incentivo ao estudo, a instituição possui, em seu
plano financeiro, descontos a funcionários e parentes, convênios com empresas e
parceria com a Caixa Econômica Federal através do Programa Financeiro
Estudantil – FIES, PROUNI, etc.
d) Atendimento Extraclasse: Os professores do Curso, dentro de sua especialidade
e carga horária, realizam atendimento pessoal aos alunos para apoio pedagógico e
esclarecimento de dúvidas, utilizando, para isso, a sala dos professores. Quando
necessário, os estudantes são orientados, em conjunto com a coordenação, a
procurar o Núcleo de Apoio Psicossocial - NAPS.
e) Apoio Psicopedagógico ao Discente: os estudantes do Curso de Serviço Social
são encaminhados, quando da detecção de deficiência ou dificuldade de
aprendizagem para o Núcleo de Apoio Psicossocial – NAPS, com o intuito de
trabalhar diferentes questões, inclusive as extramuros, de forma a contribuir para
um ambiente favorável à aprendizagem.
f) Acesso às Informações (Registro Acadêmico e Atendimento ao Estudante):
Os alunos do curso têm acesso às informações acadêmicas, como notas,
históricos, matérias de aula, por meio da secretaria acadêmica (para informar e
esclarecer as indagações e questionamentos, bem como providenciar a
comprovantes, declarações, abonos etc.). Há também o portal da IES, com o uso
exclusivo de senhas e logins.
g) Apoio em participação em eventos: O IMMES procura estimular o acadêmico e
suas representações discentes a promover congressos, seminários, simpósios etc.,
que propiciem a participação dos alunos, sejam como organizadores, bem como
apresentadores de trabalhos.
h) Ouvidoria: implantada para ampliar a rede de relacionamento com a comunidade
acadêmica do IMMES e a sociedade de maneira geral. Corresponde a um canal
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
116
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

acessível e direto criado para atender, encaminhar e acompanhar as


manifestações dos usuários sobre os serviços prestados pela IES. O usuário pode
tirar dúvidas, sugerir, criticar ou elogiar, ajudando a consolidar uma Instituição cada
vez mais voltada para a qualidade em todas as suas dimensões.
i) Comissão de Iniciação Científica (CIC) - tem como finalidade principal apoiar o
desenvolvimento das atividades científicas do seu corpo de alunos e professores;
j) Acessibilidade: a instituição procura ao máximo promover acessibilidade para
portadores de necessidades especiais que adentram na IES.
k) Revista Arquivos Científicos IMMES: Os trabalhos de Conclusão de Curso e
outros trabalhos científicos de alunos do curso de Serviço Social do IMMES
orientados por docentes podem ser publicados na Revista Institucional Arquivos
Científicos IMMES. A mesma caracteriza-se por ser uma revista eletrônica
multidisciplinar que conta com publicações de docentes e discentes do IMMES,
assim como de docentes e discentes de outras IES e da comunidade científica em
geral.
l) Coordenação de Estágio: a coordenação de estágio possui um espaço físico
apropriado para a organização de documentação referente ao processo de estágio
e atendimento aos discentes. Entendendo de suma importância o processo de
estágio na formação profissional do graduando, é dada uma especial atenção a
este processo formativo, para que este momento tão primordial na vida acadêmica
do aluno seja, de fato, cumprido ao que se propõe o Projeto Pedagógico.

2.20 INTEGRAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

O curso de Serviço Social do IMMES visa à associação das práticas investigativas


às ações sociais e aos conteúdos didáticos recebidos durante a formação do aluno, com
o objetivo de formar um profissional apto a resolver diferentes situações que possam
ocorrer no cotidiano.
Esta associação proporciona condições de crescimento profissional em diversos
setores da formação do profissional, oportunizando o contato com a pesquisa,
aprendizagem na aquisição e atualização do conhecimento, estudos de casos, trabalhos
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
117
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

de campo relacionados a programas de extensão sob a orientação docente, dentre


outros.
Os alunos realizarão também trabalhos de campo, envolvendo as práticas de vida
que as condicionam e por ações de intervenção, visando o desenvolvimento de
habilidades e competências essenciais ao assistente social. Estudos dessa natureza
colocam o acadêmico em contato com processos investigativos rigorosos, possibilitando
o conhecimento de procedimentos e metodologias científicas, de forma a estimular nos
alunos o desenvolvimento da capacidade investigativa, a familiaridade com as diversas
expressões da questão social, a capacidade de sistematizar e interpretar os dados
produzidos em campo, além das habilidades de atuar em equipes multiprofissionais.
As práticas investigativas poderão associar-se às atividades de pesquisa dos
cursos de pós-graduação lato sensu do IMMES. A atividade da pesquisa apresenta-se
como um dos elementos capazes de responder às exigências de formação da sociedade
moderna. É nesse contexto que a iniciação científica assume papel de grande relevância
dada a decisiva contribuição que ela empresta para a formação de futuros pesquisadores.

2.21 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ÂMBITO DO CURSO

No curso serão adotadas tecnologias de informação e comunicação didático-


pedagógicas que venham enriquecer e qualificar o processo de ensino-aprendizagem,
principalmente o desenvolvimento dos conteúdos e atividades propostos pelos cursos. As
principais tecnologias de informação e comunicação a serem adotadas serão: softwares
para disciplinas específicas do curso, a serem trabalhadas no Laboratório de Informática;
criação de página do curso no site da IES e/ou em redes sociais, visando discutir
questões didático-pedagógicas cotidianas do curso; utilização de recursos audiovisuais e
multimídia em aulas teóricas e/ou práticas; outras tecnologias poderão ser integradas
durante o desenvolvimento do curso, desde que venham favorecer o processo de ensino-
aprendizagem.
Compreendendo a importância das tecnologias de informação e comunicação e
todos os seus benefícios ao processo de ensino e aprendizagem, o IMMES busca
primeiro facilitar a aquisição desses recursos por parte de seus professores,
oportunizando inclusive uma linha de financiamento próprio para compra de notebook,
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
118
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

projetor multimídia etc. Segundo, adquirir novas tecnologias para a verticalização da


qualidade das aulas teóricas e práticas.

2.22 SISTEMAS DE AUTO AVALIAÇÃO DO CURSO

O IMMES possui uma Comissão Própria de Avaliação - CPA que prevê princípios,
procedimentos e critérios das dimensões relevantes do processo de ensino-
aprendizagem, do processo de gestão, da avaliação de desempenho de funcionários e
docentes sob a ótica de um processo de avaliação embasado em duas lógicas:
a) Processo de avaliação interno que contará com a participação de toda a
comunidade acadêmica;
b) Processo de avaliação externa através de indicadores de avaliação
institucionalizados pelo MEC, Capes, CNPq, etc. Os desdobramentos institucionais
advindos desta proposta serão oportunamente discutidos e aprovados pelos
conselhos competentes.

No caso do curso de Serviço Social, a auto avaliação se dá por diversos processos


que, em conjunto, permitem um diagnóstico periódico, tais como: reuniões de professores;
fórum conjuntos com alunos – representantes discentes, professores e coordenação de
curso; acompanhamento da execução do plano de ensino pelos docentes e coordenação
de curso.
O coordenador do curso e o Núcleo Docente Estruturante acompanha o dia-a-dia
do desenvolvimento do projeto pedagógico do curso no contato direto com professores e
alunos. Os representantes de sala mantêm contato permanente com o coordenador e
com os professores do colegiado de curso. Sendo assim, problemas e dificuldades dos
alunos podem ser acompanhados, encaminhados e, sempre que possível, atendidos
prontamente.
No âmbito da auto avaliação do curso de Serviço Social, o colegiado de curso tem
como missão conduzir o processo de avaliação do desempenho didático dos docentes e
acadêmicos dos discentes, visando a identificação de problemas, das mudanças
necessárias e das inovações que a cada dia são exigidas pelo mercado de trabalho. A
auto avaliação do curso constitui instrumento valioso para a elaboração de medidas
corretivas ao longo do processo ensino-aprendizagem.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
119
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

A auto avaliação é, portanto, caracterizada como um empreendimento científico,


sendo sempre orientado para a busca do aperfeiçoamento e de subsídios para o processo
de tomada de decisões que visem garantir a equidade e a eficácia do ensino. Nesse
sentido e, partindo do pressuposto de que a auto avaliação é um indutor de melhoria da
qualidade da educação, a comunidade acadêmica, especialmente os professores e os
discentes, é conscientizada de que ela deverá ser coletiva e participativa.
Aperfeiçoamentos e correções são providenciados junto às disciplinas, através da
avaliação docente, discente, da coordenação de curso e do Núcleo Docente Estruturante,
e implantadas período a período, trazendo providências que visam resultados práticos
importantes, tais como atualizações no conteúdo das disciplinas e atividades, conforme
modificações na realidade sócio histórica; forma de abordagem didática dos assuntos
visando à eficiência e eficácia; a inter-relação nas abordagens de assuntos comuns
tratados por diferentes disciplinas; proposição de atividades contextualizadas e mais
próximas das situações e dos problemas locais e regionais; organização de atividades
extraclasse com os alunos (palestras, fóruns, debates, seminários, etc.).
As propostas que impliquem modificações nas bases do Projeto Pedagógico do
Curso são efetuadas com a implantação de uma atualização curricular, sendo objeto de
discussão junto ao NDE do curso. Exemplos dessas alterações envolvem: modificações
referentes a carga horária das disciplinas; modificações de conteúdos de disciplinas para
adequação da sequência de aprendizado; substituição ou supressão de disciplinas,
modificação ou complementação do nome da disciplina.
Logo, na qualidade de processo permanente, a avaliação é utilizada como um
instrumento para identificar problemas, para corrigir erros e para introduzir as mudanças
que signifiquem uma melhoria imediata da qualidade do ensino e da instituição.
Objetivos do sistema de auto avaliação do curso:
1. Avaliar o projeto acadêmico e político do curso visando a melhoria da qualidade
de ensino, das atividades desenvolvidas nos projetos de ensino, pesquisa e extensão;
2. Fazer um diagnóstico constante das atividades do curso, visando a identificação
de seus problemas, das mudanças necessárias e as inovações exigidas pelo mercado de
trabalho;
3. Sensibilizar constantemente os diferentes segmentos: professores, funcionários
e alunos, para a importância da avaliação como instrumento de melhoria da qualidade e
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
120
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

como recurso a ser utilizado para prestar contas aos próprios alunos e a sociedade em
que o curso está inserido;
4. Fazer um diagnóstico permanente das atividades curriculares e extracurriculares
a fim de verificar de que maneira elas atendem as necessidades do mercado de trabalho;
5. Propor mudanças do projeto pedagógico ouvindo os alunos, professores e
funcionários técnico-administrativos e estimulando-os a participarem ativamente do
processo.
Assim, o Sistema de Auto avaliação do Curso Superior de Serviço Social
desenvolve ações de avaliação institucional interna e externa, integra as dimensões da
organização didático-pedagógico, o corpo docente, discente, técnico-administrativo e
egressos, inter-relacionando essas relações de compromisso social, atividades de ensino,
pesquisa extensão, finalidades e responsabilidades sociais do curso, e prioriza o caráter
público de todos os procedimentos, dados, análise, dos processos avaliativos.
As escolhas metodológicas do Sistema de Auto avaliação do curso de Serviço
Social do IMMES foram norteadas pelos seguintes pressupostos:
- Garantia de um clima de acolhimento ao Programa pelos segmentos da
comunidade acadêmica, o que lhes assegura a participação em todo o processo e
a utilização dos resultados;
- Obtenção de dados quantitativos e qualitativos na coleta de informações,
objetivando à formulação de um diagnóstico institucional multidimensional; -
Conjugação das avaliações interna e externa, como vertentes complementares
inseparáveis, para reflexão sobre suas várias dimensões;
- Acolhimento pela administração da Instituição das sugestões elencadas no
processo avaliativo.

2.22.1 Avaliação institucional.


A Avaliação Institucional é um dos procedimentos indispensáveis para a verificação
e aprimoramento do projeto educacional. É pelo recurso da avaliação que se analisam as
dificuldades e problemas enfrentados no processo de desenvolvimento visando superá-
los. Por essa razão, a Instituição toma para si o desvendar-se como uma opção político-
pedagógica, por meio do Programa de Avaliação Institucional.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
121
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Na realidade, a prática avaliativa sempre permeou a trajetória histórica do IMMES,


indicando seu crescimento contínuo, suas dificuldades e avanços. Porém, considerou-se
a necessidade de sistematizar essa prática, estruturando um Programa de Avaliação que
esclarece e projeta as formas de avaliação interna e externa. Uma comissão permanente
e representando todos os segmentos da Instituição encaminha esse programa com
objetivos e estratégias definidos de forma a vencer etapas, diagnosticando, analisando e,
principalmente, redimensionando as ações previstas.
A Avaliação Institucional caracteriza-se no IMMES como um processo de
aperfeiçoamento do desempenho acadêmico que constitui ferramenta fundamental para o
planejamento da gestão e do desenvolvimento da Instituição.
Tem como objetivo articular informações e garantir uma visão de conjunto da
qualidade do Instituto.
No percurso realizado pela Instituição, foram realizadas diversas ações avaliativas
que, embora não se configurassem como um Programa Institucional desenvolveram-se
como processo de auto avaliação e de aperfeiçoamento constante e criterioso.
Recentemente foram efetuadas avaliações internas na Instituição, com objetivo de se
obter um diagnóstico situacional. Foi aplicado aos alunos, professores e funcionários do
IMMES um instrumento que, como base no Diagnóstico Institucional e em dados e
informações coletadas, expressa o resultado do processo avaliatório.
Todos os resultados das avaliações desenvolvidas no IMMES vêm sendo
apresentados de forma a serem interpretados e utilizados por coordenadores,
professores, alunos e comunidade, favorecendo a tomada de decisão em todos os níveis
e, sobretudo, a elaboração e/ou reestruturação do Projeto Pedagógico dos cursos e do
Plano de Desenvolvimento Institucional.
O processo avaliativo de caráter institucional, atualmente em desenvolvimento no
IMMES, constitui o instrumento básico para repensar, sistematizar e aperfeiçoar as
diferentes formas de avaliação que vêm sendo praticadas nos últimos anos.
O escopo do Programa de Avaliação Institucional é contribuir para a melhoria da
qualidade dos serviços que a Faculdade presta à sua clientela e à região, enquanto
fortalece o seu compromisso social. Tem como finalidade primordial contribuir para
revisão e aperfeiçoamento do projeto acadêmico e sócio político da Instituição e para
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
122
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

estabelecer diagnósticos capazes de sinalizar as necessárias mudanças no processo de


seu crescimento.
O processo de auto avaliação se apresenta como oportunidade para que o IMMES
aperfeiçoe a sua atuação, planeje o seu futuro e envolvendo toda a comunidade
acadêmica tome as decisões para implementação das ações necessárias para o seu
autodesenvolvimento.
Ao Programa de Avaliação Institucional Interna, somam-se os resultados da
avaliação externa, advindos do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes –
ENADE e da Avaliação das Condições de Ensino, assim como da Avaliação Externa,
modelos instituídos pelo MEC como objetivo de garantir ensino de qualidade frente às
exigências da sociedade.
A análise integrada dos resultados obtidos em todas as modalidades de avaliação,
permitindo a percepção atual da Instituição, do desempenho médio dos alunos e da
adequação das condições de ensino dos cursos, fornece à Instituição melhores condições
para definir prioridades, estabelecer metas e estratégias determinantes das ações nos
vários níveis da gestão acadêmica. É, ainda, essa análise integrada que permite atribuir
valores aos resultados apresentados e definir, com segurança, o que é significativo para a
Instituição e para as pessoas que usufruem os seus serviços, gerando elementos para o
estabelecimento de novos referenciais de qualidade.

2.22.2 Articulação da auto avaliação do curso com a auto avaliação


institucional.
O IMMES considera a avaliação como uma prática sócio educacional com a
finalidade política de promover transformações sociais. Desta forma, as análises obtidas
através do processo avaliativo devem consistir em análises críticas que permitirá a
consecução dos objetivos educacionais.
Desta forma, tanto a auto avaliação do curso como a auto avaliação institucional
estão ancoradas dentro dos mesmos princípios que as compõem e consideradas o
empreendimento científico orientado para aperfeiçoar e subsidiar o processo de tomada
de decisões que visem garantir a eficiência do ensino e a aprendizagem do aluno.
Neste sentido, tanto a auto avaliação do curso como a auto avaliação institucional
priorizam o caráter democrático, contemplando a participação de todos os envolvidos no
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
123
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

processo de acordo com o seu papel institucional, especialmente, no que diz respeito à
tomada de decisões em face dos resultados alcançados na avaliação.

2.22.3 Ações decorrentes dos processos de avaliação


Os resultados obtidos decorrentes das avaliações são levados ao NDE e colegiado
do curso. Onde os resultados negativos obtidos no processo avaliativo são discutidos de
modo a corrigir, melhorar, incluir ou reformular o PPC.
Nos casos de avaliação docente, o professor que por ventura apresentar avaliação
negativa cabe à coordenação do curso, proporcionar orientação, capacitação e
treinamento didática e em caso de reincidência poderá ser substituído.
No que se referir à estrutura física, seja, salas de aulas, cantinas, espaços de lazer
e convivência, as reivindicações com embasamento e fundamentação, analisadas pela
coordenação, NDE e colegiado de curso são tratadas diretamente com a direção do IES.
Outras decisões são tomadas decorrentes dos resultados obtidos.

2.23 PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-


APRENDIZAGEM

A avaliação da aprendizagem do IMMES é um processo contínuo, cumulativo e


sistemático do desenvolvimento das habilidades e competências do estudante, tendo em
vista os objetivos do projeto pedagógico de cada curso. Há sempre que ser verificada
através da utilização de diversos instrumentos formais e informais, para fins de
aprovação, ou não, em cada disciplina, ao final do semestre, buscando contemplar o
estudante no aspecto global, considerando o domínio do conhecimento que conduza ao
processo de investigação científica.
Destacam-se, a seguir, os princípios norteadores do processo de avaliação no
âmbito do IMMES:
a) Consistência entre os processos de avaliação e as aprendizagens e as competências
pretendidas, de acordo com os contextos em que ocorrem;
b) Utilização de técnicas e instrumentos pedagógicos de avaliação diversificados,
garantindo uma avaliação contínua, sistemática e cumulativa;
c) Primazia da Avaliação Processual Formativa que permita ao aluno o conhecimento de
seus erros e acertos, ao mesmo tempo em que oportuniza ao professor um momento de
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
124
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

reflexão de sua práxis pedagógica, com o intuito de aperfeiçoar o processo de ensino-


aprendizagem;
d) Resgate da dimensão humana de estar junto, valorizando o desenvolvimento integral
do aluno (competências, habilidades e conteúdos curriculares) e desenvolvendo uma
educação com valor social;
e) Verificação da consecução e alcance dos objetivos propostos para cada área
disciplinar, tendo como foco a reavaliação das metodologias e técnicas de ensino
aplicadas, tudo com a finalidade de otimizar ato de ensinar e de aprender.
O rendimento escolar do discente é verificado por disciplina/semestre, em função
de assiduidade e eficiência nos estudos, ambas eliminatórias por si mesmas.
O processo de avaliação de desempenho dos alunos conta com uma diversificação
de metodologias as quais procuram explorar os potenciais intelectuais de cada aluno.
Atualmente, o curso de Serviço Social do IMMES utiliza:
a) Seminários com apresentações em grupos;
b) Dinâmicas de grupo e simulações;
c) Trabalhos de pesquisa individual ou em grupo;
d) Utilização de recursos de ensino: vídeos, softwares, periódicos, projeto multimídia,
Internet, laboratório de informática; laboratório de serviço social;
e) Palestras e visitas técnicas;
f) Ações comunitárias;
g) Exposições de painéis;
h) Trabalhos interdisciplinares;
i) Pesquisas de campo, etc.

2.23.1 Avaliação e Notas.

Os procedimentos de avaliação utilizados para medir a eficiência nos estudos,


deverão ser registrados sob as seguintes siglas:
I. PAS - Primeira Avaliação Semestral;
II. SAS - Segunda Avaliação Semestral;
III. TAS – Terceira Avaliação Semestral;
IV. MAS - Média das Avaliações Semestrais
V. NRF - Nota de Recuperação Final.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
125
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Em cada semestre, todos os estudantes regularmente matriculados realizarão três


avaliações semestrais (PAS, SAS e TAS), das quais resultará como média aritmética a
MAS.
 PAS e SAS - A nota da PAS e SAS será determinada pelos processos avaliativos
alcançados atendo 6,0 (seis) pontos. Na prova devem constar 5 (cinco) questões
de múltipla escolha e 5 (cinco) questões subjetivas, devendo o acadêmico alcançar
a média de 6,0 (seis). Neste processo inclui-se 3,0 (três) para a prática de estágio
supervisionado, como também 1,0 (um) de nota pedagógica.
 TAS - A nota da TAS será determinada pela média dos processos avaliativos
alcançados na PAS e SAS atendo 6,0 (seis) pontos. A TAS tem como objetivo
principal a preparação para o ENADE, sendo constituída de uma prova objetiva
com 30 questões (5 a 10 questões de múltipla escolha por disciplina), onde o
acadêmico é avaliado de maneira integrada as disciplinas do semestre em curso.
 NRF - A nota de NRF será determinada pela média insuficiente dos processos
avaliativos alcançados na PAS e SAS que não alcançaram 6,0 (seis) pontos.
Aprova objetiva devem constar 10 questões de múltipla escolha, devendo o
acadêmico alcançar a média de aprovação.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
126
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DOCÊNCIA
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
127
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

3. DOCÊNCIA
3.1 CORPO DOCENTE

O corpo docente deste curso é formado por profissionais com larga experiência no
mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que possui forte atuação nas áreas de
concentração do curso, somada as experiências no âmbito das políticas públicas na
esfera municipal e estadual, em organismos da sociedade civil organizada, na iniciativa
privada.
O Corpo Docente do Instituto é constituído de:
I. Professores Doutores;
II. Professores Mestres;
III. Professores Especialistas.

Os professores docentes são indicados à Mantenedora pelo Diretor Geral, após


aprovação em Banca Examinadora, cujo regulamento será fixado pelo Conselho dos
Cursos, devendo a admissão ser efetivada pela Entidade Mantenedora.
A qualificação básica e indispensável do docente proposto à admissão deve ser
demonstrada pela posse de diploma de graduação e pós-graduação, devidamente
registrado, expedido por instituição superior em que tenha cursado matéria ou disciplina
idêntica ou afim à que vai lecionar ou, pelo menos, no mesmo nível de complexidade.
O professor é o responsável pela orientação e pela eficiência do ensino na disciplina
a seu cargo, competindo-lhe:
I. coordenar e controlar o ensino da disciplina e assegurar a execução dos programas
aprovados;
II. elaborar, semestralmente, o plano de ensino da disciplina e submetê-lo, na época
regulamentar, ao Coordenador do Curso respectivo;
III. ministrar aulas, de acordo com o horário estabelecido, registrando a matéria
lecionada e fiscalizando a anotação da frequência dos alunos, na forma regimental;
IV. responder pela ordem nas salas de aula e pelo bom uso e conservação do material
utilizado;
V. orientar os trabalhos escolares, em TCC e quaisquer atividades extracurriculares
relacionadas com a disciplina;
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
128
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

VI. determinar e controlar a execução dos trabalhos escolares;


VII. cumprir e fazer cumprir as disposições regimentais referentes à verificação do
aproveitamento dos alunos;
VIII. fornecer à Diretoria Acadêmica as notas correspondentes a trabalhos, provas e
exames, observados os prazos específicos;
IX. comparecer às reuniões convocadas pelo Instituto, pelos Coordenadores de Curso
ou pelos Órgãos Colegiados;
X. propor ao Colegiado de Curso respectivo medidas que julgue necessárias para a
maior eficiência do ensino;
XI. propor ao Colegiado de Curso a admissão ou dispensa de Professor;
XII. realizar ou promover estudos e publicações;
XIII. participar, salvo impedimento legal ou regimental, de Comissões Julgadoras e
outras para que for designado ou eleito;

OBS: As comprovações são organizadas em pastas individuais e arquivadas no


Setor de Recursos Humanos da IES.

3.2 TITULAÇÃO E SUFICIÊNCIA

O corpo docente do curso é formado por profissionais com experiência pedagógica


e formação adequada para ministrar as disciplinas pelas quais são responsáveis.
O quadro docente referente aos dois primeiros anos do Curso é formado por 08
professores, dos quais 01 é doutora (12,5%), 02 mestre (25%) e 5 são especialistas
(62,5%).

3.3 ATUAÇÃO

O corpo docente tem uma atuação marcada pelo desempenho dinâmico nas
atividades acadêmicas. Isso ocorre a partir do planejamento para cada semestre, quando
são discutidas as estratégias e as ações a serem desenvolvidas.
As tarefas não se restringem à sala de aula, pois os professores são estimulados e
incentivados a desenvolver atividades que possam motivar os discentes fora da IES.
Deste modo, dedicados e comprometidos com a melhoria do curso, os docentes
encontram-se totalmente envolvidos com a execução de atividades que visam o melhor
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
129
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

desempenho do aluno e do curso, como práticas de investigação em instituições e


comunidades, participação em eventos, projetos de extensão, aulas práticas e visitas
técnicas.

3.4 ATENÇÃO DOCENTE

3.4.1 Implementação das políticas de capacitação no âmbito do curso


O IMMES, preocupado com a formação pedagógica dos docentes, tem como
política promover o desenvolvimento, aprimoramento e qualificação do profissional como
agente de transformação social.
O exercício do ensino superior, além de estar ancorado no manejo do
conhecimento específico da área em que o professor atua, não pode prescindir do
domínio do saber pedagógico, o que favorece o emprego de instrumentos didáticos
adequados na realização do planejamento, do desenvolvimento e avaliação do processo
educativo.
A formação pedagógica do professor é essencial para a melhoria do processo de
ensino/aprendizagem. Com o objetivo de criar condições para uma reflexão contínua e
coletiva sobre o fazer docente, entendido como processo dinâmico de ação-reflexão-ação.
As ações desenvolvidas estão fundamentadas em estudos que vêm demonstrando
que os procedimentos bem sucedidos de formação continuada de docentes são aqueles
contextualizados, ou seja, desenvolvidos nas próprias unidades de ensino e são
constituídas por cursos, oficinas, ações com coordenadores, grupos de reflexão e
pesquisa, utilização de textos de apoios e grupos de discussão.
Os encontros com coordenadores e professores são regulares e sistemáticos.
Neles, o compartilhamento de prática e a discussão dos problemas do processo de
ensino-aprendizagem peculiares de cada curso, são um espaço privilegiado para a
melhoria do processo educativo.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
130
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

INSTALAÇÕES
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
131
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

4. INSTALAÇÕES

4.1 INSTITUCIONAL

A IES oferece à comunidade acadêmica uma infraestrutura física e de serviços


essenciais para o bom desempenho das atividades acadêmicas. Integram essa estrutura
duas unidades, ambas localizada na Rua Jovino Dinoá, 2085 – Centro. O IMMES se
beneficia de sua localização geográfica (próxima a avenidas principais).
Na Unidade I, encontram-se, além das áreas destinadas à direção e às gestões
(acadêmica, administrativa, financeira e coordenação de cursos), as salas de aulas, de
estudos, de professores, os laboratórios, o atendimento ao estudante, o Núcleo de Apoio
Psicossocial, a Ouvidoria, espaços de convivência, biblioteca e o auditório.
A instituição conta com 28 salas de aula com aproximadamente 50 m² em média,
comportando turmas de, até, 60 alunos. Esses ambientes atendem aos padrões exigidos
quanto à dimensão, limpeza, luminosidade, acústica e ventilação, bem como quanto ao
estado de conservação dos mobiliários e equipamentos e a comodidade dos envolvidos
às atividades planejadas.
Para o Curso de Serviço Social o IMMES possui a infraestrutura necessária para o
desenvolvimento das várias atividades previstas neste Projeto Pedagógico.
O Curso conta com a disponibilidade de salas de aulas específicas e
especializadas para as aulas, biblioteca, auditório, laboratórios específicos, instalações
administrativas, instalações para professores (sala de professores), instalações para a
coordenação do curso e NDE. Esses espaços são equipados com internet para facilitar o
trabalho docente.
Em relação à infraestrutura tecnológica, o IMMES possui um laboratório de
informática, moderno e adequado para atender às exigências dos cursos. Sua instalação,
com capacidade para 25 alunos, dispõe de bancadas apropriadas para operação de
microcomputadores, bem como mesas e cadeiras para os professores.
Os serviços de conservação das instalações gerais e dos equipamentos são
mantidos de forma satisfatória por um quadro de funcionários e técnicos com
responsabilidade setorizada na instituição, para que possa ser oferecido amplo
atendimento aos corpos docente e discente.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
132
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Além de representar os lócus das atividades de ensino, pesquisa e extensão, o


espaço acadêmico também significa o ambiente em que as relações sociais ocorrem.
Desse modo, há área de convivência social com espaços destinados ao relacionamento
social e para a realização de eventos, além de cantinas.

4.2 INFRAESTRUTURA PLANEJADA PARA PESSOAS COM NECESSIDADES


ESPECIAIS

Localizado no centro da cidade, o IMMES funciona em um prédio de seis andares


(unidade I), devidamente planejado para atender a pessoas com necessidades especiais.
O mesmo dispõe de salas de aula amplas, uma sala de estudos individuais e/ou grupos,
auditório, etc. Todas estas instalações estão equipadas de acordo com a finalidade e as
características de cada ambiente, contemplando ainda o seu uso por pessoas com
necessidades especiais, com rampas de acesso, piso tátil, elevadores e sanitários em
conformidade portaria ministerial 1.679/99.

4.3 BIBLIOTECA

O IMMES possui uma biblioteca e computadores para serem utilizados pelos


alunos na pesquisa e referências bibliográficas.
O acesso à Biblioteca é restrito ao meio acadêmico – alunos, professores e
funcionários – por meio de identificação do registro institucional e aberta para consulta à
comunidade externa.
Estes serviços estão disponíveis aos alunos do curso de Serviço Social para a
realização de suas atividades acadêmicas.

Horário de funcionamento:
 De segunda a sexta: 08h00 às 22h00. Sábados: 08h00 às 18h00.

Serviços oferecidos:
 Empréstimo domiciliar e local, levantamento (pesquisa) bibliográfico via internet,
orientação bibliográfica e auxilio a pesquisa e elaboração de ficha catalográfica.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
133
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

4.4 RECURSOS AUDIOVISUAIS

O Curso de Serviço Social tem à disposição dos professores data show assim
como também tem livre acesso aos equipamentos de multimídia para complementar as
atividades em sala de aula, disponíveis com prévio agendamento para o corpo docente e
discente em caso de apresentação de trabalho entre outros. Tais equipamentos
correspondem a aparelho de som, microfone, data show entre outros para que os
professores possam incrementar e diferenciar suas aulas.

4.5 LABORATÓRIO DE SERVIÇO SOCIAL

O Laboratório de Serviço Social está localizado na Rua Coaracy Nunes N° 1.000, Bairro:
Centro, próximo à Unidade 1 do IMMES. A sua logística está centralizada no atendimento social
oferecendo suporte aos professores e acadêmicos com o uso de técnicas e metodologias do
serviço social. Dentre as diversas atividades, a sua equipe realiza: acolhimento; desenvolvimento
de dinâmicas; entrevistas; visitas institucionais e domiciliares; realiza triagem; faz
encaminhamentos, articulação com a rede pública e privada de serviços à população; elabora
parecer social, relatórios e projetos sociais, dentre outras atividades. As atividades do Laboratório
têm relação direta com rede técnica e científica do IMMES através das clínicas-escolas, no
entanto, a sua atuação se dá além do espaço Institucional no qual está vinculado, uma vez que,
as demandas apresentadas, exigem ampla comunicação com a rede pública e privada de
serviços.
A institucionalidade do Laboratório de Serviço Social é ressonante da matriz pedagógica
do Curso de Serviço Social, estando prioritariamente vinculado às disciplinas Estágio
supervisionado I, II e III; Oficina instrumental técnico-operativo do Serviço Social; assim como,
com as demais disciplinas profissionalizantes.
Outro campo operativo do Laboratório de Serviço Social é o Banco de Estágio. Os
acadêmicos consolidam nesse espaço o “pensamento crítico e capacidade reflexiva sobre seus
processos de produção do conhecimento, estudos, pesquisas e intervenções sociais planejadas e
operacionalizadas”. É lugar em que se oportuniza a produção do conhecimento acadêmico
expressado através da construção de projetos sociais de extensão e projetos de pesquisa, com
visão crítica e propositiva sobre temáticas de relevância sociopolítica.
A multifuncionalidade programática do Laboratório de Serviço Social tem dimensão
metodológica pluralista do conhecimento. Oferece espaço para a formalização de grupos de
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
134
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

estudos e/ou de pesquisas no âmbito social, como por exemplo, o Círculo Dialógico do Amapá,
que é uma representação da Filosofia social e clínica para estudos reflexivos sobre situações
existenciais problematizadas e evidenciadas nas questões sociais excludentes. Além de
promover, eventualmente, e de forma articulada com o corpo docente do colegiado de Serviço
Social e demais cursos da instituição, cursos de extensão, treinamentos, capacitações, projetos
sociais nas áreas aplicadas ao Serviço Social, incluído eventos culturais, agenda de atividades
complementares e oficinas de interesse da comunidade estudantil.

4.6 LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA

A Instituição conta com laboratórios de informática moderno e bem equipado,


conectados em rede local com acesso à internet, com recursos de multimídia, destinados
prioritariamente para o desenvolvimento de aulas práticas das disciplinas que assim o
exigem, ficando aberto à disposição dos alunos e professores para consulta(s) e
pesquisa(s). O planejamento da sua utilização é de responsabilidade de uma equipe de
funcionários ligados ao setor de informática do instituto, que cuida da implantação e
manutenção dos equipamentos e dos aplicativos solicitados pelos coordenadores de
cursos.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
135
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ABEPSS. Diretrizes Gerais para Curso de Serviço Social (com base no Currículo
mínimo aprovado em Assembleia Geral Extraordinária de 8 de novembro de 1996). Rio de
Janeiro, Novembro, 1996.

_______. Formação Profissional: Trajetórias e Desafios. São Paulo: Cortez Editora,


1997.

CFESS. Código de Ética do Assistente Social. Brasília: CFESS, 1993.

BRASIL, Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação.. Parecer no CNE/CES


492/2001.

_____. Resolução no 2, de 02 de julho de 2007. Institui procedimentos a serem adotados


quanto ao conceito de hora aula, e dá outras providências.

_____. Resolução no 3, de 18 de junho de 2007. Institui carga horária mínima dos cursos
em
Bacharelado e Licenciatura.

_____. Resolução CNE/CES 15, de 13 de março de 2002.

_____. Parecer no CNE/CES 1363/2001.

INSTITUTO MACAPAENSE DE ENSINO SUPERIOR. Regulamento Geral de Estágio


Supervisionado, Macapá, Atualizado em 2016.

____________________________________________. Portaria 010, 01 de março de


2007.

____________________________________________. Portaria 029, 08 de novembro de


2005.

____________________________________________. Regulamento Interno, Atualizado


em 2013.

_____________________________________________. Portaria 028, 09 de novembro


de 2005.

_____________________________________________. Comissão Própria de Avaliação,


2013. Atualizado em 2015.
PROJETO PEDAGÓGICO PÁG
136
DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que dispõe sobre a Língua Brasileira de


Sinais – Libras.

Parecer CNE 492/2001. Emite parecer sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais dos
cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências
Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia.

Parecer CNE 1363/2001. Retifica o Parecer CNE/CES nº 492, de 3 abril de 2001, que
aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia,
Ciências Sociais – Antropologia, Ciência Política e Sociologia, Comunicação Social,
Filosofia, Geografia, História, Letras, Museologia e Serviço Social.

Parecer da Comissão de Especialistas, 1997. Padrão de qualidade para cursos de


graduação presencial em Serviço Social.

Políticas de Educação Ambiental (Lei 9795/1999 e Dec. 4281/2002).

Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista
(Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012).

Resolução CNE/CES. nº 2, DE 18 de junho de 2007. Dispõe sobre carga horária mínima e


procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação,
bacharelados, na modalidade presencial.

Resolução CNE/CES nº 15, de 13 de Março de 2002. Estabelece as Diretrizes


Curriculares para os cursos de Serviço Social.

Resolução CNE/CP N° 1/2004, fundamentada no Parecer CNE/CP Nº 3/2004 (Lei


11.645/2008 e Res. CP/CNE 1/2004), Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação
das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira,
Africana e Indígena.

Resolução CNE/CP N° 1, de 30/05/2012, Res. CP/CNE 1/2012, Políticas de Direitos


Humanos.