Você está na página 1de 9

MATÉRIA: Direito Civil

PROFESSOR: Fábio Figueiredo
AULA E DATA: 03 – 17.04.2010
e-mail- Fabio.figueiredo@damasio.com.br

CLASSIFICAÇÃO DAS OBRIGAÇÕES

I - Simples e complexas

Uma obrigação é simples quando ela tem um credor, um devedor
e um objeto.
Quando tiver mais de um credor ou mais de um devedor ou mais
de um objeto, ela é complexa.

A complexidade obrigacional pode ser objetiva ou subjetiva.

É objetiva quando tiver mais de um objeto
É subjetiva quando tiver mais de um sujeito e pode ser ativa,
passiva ou mista.
Há complexidade subjetiva ativa quando tiver mais de um
credor.
Há complexidade subjetiva passiva quando tiver mais de um
devedor.
Há complexidade subjetiva mista quando tiver mais de um
credor e mais de um devedor.
Há complexidade integral quando tiver mais de um credor, mais
de um devedor e mais de um objeto.
Podem ser usados os seguintes termos: Complexidade subjetiva
passiva solidária
Complexidade subjetiva passiva fracionária - os devedores não
são solidários.

II - Cumulativas, alternativas, facultativas

1

pode ser judicial. Ex. O termo escolha é um instituto jurídico é o instrumento de concentração do objeto prestacional. As regras da escolha . o descumprimento de apenas um dos objetos gera inadimplemento absoluto.são idênticas.Fabio. do devedor ou do terceiro e se este se recusa. A obrigação alternativa também tem complexidade objetiva (tem mais de um objeto). na obrigação alternativa o objeto não está concentrado ainda.figueiredo@damasio. Só saberei qual será o objeto quando houver a escolha.br Uma obrigação cumulativa necessariamente tem complexidade objetiva (tem mais de um objeto) e são ligados pelo inclusivo “e”.ver regras da escolha na obrigação de dar coisa incerta . A obrigação alternativa carece de concentração objetiva. na obrigação cumulativa.2010 e-mail. A avença que é feita é de vários objetos alternativos. mas estes são ligados pelo alternativo “ou”.04. Exemplo: tenho a obrigação de entregar o apagador e o microfone. o sujeito vai entregar o microfone ou o apagador.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17. Recapitulando: A ESCOLHA pode ficar a cargo do credor. exceto pela regra do meio termo.com. Se o sujeito deixar de cumprir um dos objetos há inadimplemento absoluto. 2 . Assim. ou seja.

2010 e-mail.br Mas se for por gênero (um boi. p ex).MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17.Fabio. O devedor escolhe se dá o objeto ou se devolve os valores pagos. SENDO SIMPLES A OBRIGAÇÃO FACULTATIVA NÃO HÁ POSSIBILIDADE DE CONCENTRAÇÃO COMPULSÓRIA DO OBJETO PRESTACIONAL. Só ocorre quando a escolha é do devedor. Na obrigação facultativa parece que se tem complexidade objetiva. os gêneros são diferentes e não é possível escolher o meio termo entre gêneros diferentes.prevista no CC escrito por Teixeira de Freitas. Obrigação facultativa . Mas isso tem que ser convencionado e tem que ter a anuência do credor. Em suma: A obrigação facultativa é simples quanto ao objeto. tem que ser o meio termo.com.figueiredo@damasio. Há faculdade de substituição.04. opera-se a CONCENTRAÇÃO COMPULSÓRIA DO OBJETO PRESTACIONAL. restando apenas um. porque se a escolha era do credor. Sendo a escolha do devedor e perecendo todos os objetos. pois na obrigação alternativa. ele ainda tem escolha: ou ele pode pedir o valor do objeto que pereceu ou o objeto que sobrou. não pode ser o melhor. 3 . Aqui não. porque o segundo objeto não é objeto da obrigação. mas é uma faculdade que foi estabelecida para benefício do devedor. O que se estabelece é uma faculdade de substituição em único e exclusivo benefício do devedor (para sua conveniência e oportunidade). que foi adotado na Argentina e hoje prevista no artigo 643 do CC argentino. nem pode ser o pior.

etc. onerosidade excessiva da obrigação.Fabio. As instantâneas são aquelas que se cumprem imediatamente em um único ato. luz. pagamento à vista. havendo. diferidas e duradouras É uma classificação que se traça quanto ao momento de execução da obrigação.com. As duradouras por execução periódica (execução continuada) - são aquelas que advém de vários contratos que se sucedem (contrato sucessivo) .são vários tratos que se protraem no tempo. 4 . por motivo imprevisível e extraordinário. pagamento em 30 dias. Ex. As duradouras são aquelas que se protraem em vários momentos futuros. 317 cc 478 a 480. As duradouras podem ser por trato sucessivo ou duradouras por execução periódica (execução continuada).instantâneas. água. As diferidas são aquelas que se cumprem em um único ato futuro. pode se dar a revisão do contrato (art.br 3 .04. Ex. As duradouras podem ser por trato sucessivo são aquelas que advém de um único ato que se protrai no tempo.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17.figueiredo@damasio. CC). Ex. aquisição de automóvel em 36 parcelas.2010 e-mail. Ex. A cláusula “rebus sic stantibus” A cláusula “rebus sic stantibus” (teoria da imprevisão/teoria da onerosidade excessiva/princípio da revisão contratual/teoria da objetivação do contrato) determina que.

em regra. CC . Art.2010 e-mail. era solidária. Ex. Digamos que Antônio tenha pagado 30 mil reais. além de indivisível. a obrigação não é solidária.04. V.Fabio. Antonio pode exigir o cavalo de qualquer um dos dois? Pode. resulta da lei ou da vontade das partes. mas não em razão da solidariedade. que não se presume. 265. mas sim porque o objeto é indivisível. ela é fracionária.br A cláusula “rebus sic stantibus” só se aplica em contratos de trato sucessivo ou de execução periódica.com. José e Carlos devem um cavalo para Antônio. mesmo com o perecimento do objeto. CDC .figueiredo@damasio. 6. Se o cavalo perecer. Como 30 mil reais é obrigação divisível.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17. não se pode atribuir a terminologia teoria da imprevisão.se estivermos falando de relação de consumo. a obrigação deixou de ser dar coisa certa e passou a ser de coisa incerta. Assim.Obrigações Solidárias e indivisíveis A conseqüência da indivisibilidade é a mesma da solidariedade. 4 . Art. ele só exige a onerosidade excessiva. Assim.a solidariedade não se presume. 5 . cada um dos devedores será responsável por 15 mil reais. porque o CDC não exige a imprevisibilidade. a obrigação se torna divisível. mas se esta obrigação. Só será solidária se o examinador disser que é. a solidariedade se mantém. perecendo o objeto indivisível. quando há complexidade subjetiva passiva.

Pura e simples. se você for até o Japão e fizer tal coisa. 5 . A obrigação modal é aquela que tem modo ou encargo. condição ou modo.2010 e-mail. você pode exigir o todo de cada um deles.figueiredo@damasio. Termo é prazo.Fabio. Ex.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17. Não há termo. condicional.o que se paga? 4. O termo pode ser final ou inicial. A obrigação a termo tem um prazo para iniciar ou para terminar. ex. a termo e modal A obrigação pura e simples é aquela que não tem elemento acidental. Pagamento é o cumprimento exato da obrigação/da avença. EXTINÇÃO DAS OBRIGAÇÕES I .br Quando a obrigação é solidária. dou meu automóvel para você. não importa se ela é indivisível ou não. Ver elementos acidentais do negócio jurídico. dou meu carro para vc se vc for buscar meu filho 2 vezes por semana na escola. A obrigação condicional tem uma condição (um elemento acidental).com.04.Meio direto de extinção É o pagamento. Regras do pagamento: 1.a quem se paga? 3.quem paga? 2.onde se paga? 6 .

br 5. I.a quem se paga? Ao credor ou a quem ele indique. CC Eles se subrogam nos direitos credor. a menos que se faça um acordo de subrogação. pelo avalista.quem paga? É o devedor. CC. Este morre.Pagamento feito ao incapaz (art. devo 50 mil para o Zé da quitanda.quando se paga? 1. Ex.aart. 309. 2 .Fabio. Subrogação convencional .figueiredo@damasio. Uma semana depois descobre-se que ele não era filho do Zé da quitanda. O adágio “Quem paga mal paga duas vezes” é válido. pago ao filho dele. CC).04. Nesse caso é válido. Em regra. Este acordo tem que ser expresso.será válido se o devedor comprovar que foi revertido em favor do incapaz.Credor putativo . É o pagamento feito por aquele que de qualquer maneira garante a obrigação.2010 e-mail. . 7 . 310. porque presumia-se que ele era o credor. pagamento feito pelo fiador. CC) .o Zezinho. Terceiro interessado é aquele que tem interesse jurídico no pagamento. etc. no entanto há duas exceções: .MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17. para os terceiros não interessados. São aqueles previstos no art.é um credor aparente (art. Ex. Exceção: pagamento feito pelo terceiro interessado. 346. 347.com. não há subrogação.

com.Insolvência judicialmente declarada .br Ex. mas se depois.é aquela paga no domicílio do devedor.2010 e-mail. Tem que ser o objeto que foi convencionado (art. 5-quando se paga? Na data convencionada Exceções: Vencimento antecipado: . A princípio é inválido o pagamento.04. Não há exceção.Concurso de credores 8 .é aquela que é paga no domicílio do credor.Falência . O devedor leva até o credor. Dívida quesível . dou cheque a um garoto de 14 anos.figueiredo@damasio. CC) 4 . O pagamento é válido.Fabio.onde se paga? Se não se disser nada. Divida portável . através de microfilmagem.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17. e ele me dá quitação. presume-se que a obrigação é quesível. 3. descubro que o cheque foi usado para pagar 2 mensalidades atrasadas da escola do menor.O que se paga? É o objeto devido. 314.

é uma convenção doutrinária).o prazo para o vencimento antecipado é de 30 dias (este prazo não está na lei. II . Diante da notificação do credor pode ser que o devedor se manifeste dizendo que não vai reforçar .Meios indiretos de extinção das obrigações . 9 .2010 e-mail.figueiredo@damasio.com. Prazo de manifestação do devedor em 30 dias.aula que vem. Se o devedor não se manifestar .04.MATÉRIA: Direito Civil PROFESSOR: Fábio Figueiredo AULA E DATA: 03 – 17.Fabio.Recusa no reforço da garantia.br .vencimento imediato.