Você está na página 1de 34

FAHESA Faculdade de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos

Ciências Contábeis

TCC - TRABALHO DE CONCLUSÃO CURSO

Elizane Pereira Lima Soraia do Socorro Alves dos Santos

Araguaína -TO Dezembro 2010

Elizane Pereira Lima Soraia do Socorro Alves dos Santos

TCC - TRABALHO DE CONCLUSÃO CURSO

Trabalho apresentado como requisito para a obtenção do título de bacharel em Ciências Contábeis do FAHESA ITPAC. Profª. Orientadora Fernanda Bandeira

Araguaína/ TO

Dez

2010

Elizane Pereira Lima Soraia do Socorro A. dos Santos

TCC - TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao FAHESA ITPAC como requisito parcial para a obtenção de grau de Bacharel em Ciências Contábeis submetido à Banca Examinadora em 14 de Dezembro de 2010.

BANCA

Presidente (Fernanda Rodrigues Bandeira)

Professor (Eugênio José Piva)

Professor (Adriano Nepomuceno)

AGRADECIMENTOS

Maria das Neves, minha mãe por estar sempre rezando por mim e pedindo a Deus que ilumine o meu caminho. Aristóteles Junior meu marido que é a pessoa que eu amo e que me ajuda a enfrentar e ultrapassar os obstáculos que sempre estou enfrentando. Soraia do Socorro minha amiga por ter me confiado esse cargo de companheira de trabalho de conclusão de curso. A Fernanda Bandeira que foi uma orientadora muito presente e companheira. E a todos que contribuíram diretamente e indiretamente nestes quatro anos para a realização deste trabalho.

Elizane Pereira Lima

Em Primeiro lugar, agradeço a Deus por ter me dado a oportunidade de realizar mais um sonho em minha vida, me deu força, coragem de enfrentar as várias dificuldades que passaram ao longo destes quatro anos. A minha Família que sempre esteve do meu lado, e todos aqueles que me apoiaram nos momentos difíceis. A minha amiga Elizane e seu esposo Aristóteles Junior, pois sempre tiveram me ajudando nos momentos que mais precisei, sendo assim uma segunda família pra mim. As minhas amigas de grupo de estudo por estarem sempre dispostas e enfrentaram noites e noites em claro na busca do conhecimento, para assim podermos chegar ao final do período e dizer que valeu a pena. A nossa orientadora Fernanda Bandeira, pela paciência e compreensão. Enfim, a todo o corpo docente, a todos que torceram por mim e acreditaram que eu fosse capaz.

Soraia do Socorro Alves dos Santos

SUMÁRIO

 

Págs.

1.

INTRODUÇÃO

6

2.

OBJETIVOS

8

2.1 Objetivos

Gerais do Estágio

8

2.2 Objetivos

Específicos

8

3.

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

9

4.

ATIVIDADES PREVISTAS

10

4.1

Estágio Supervisionado

10

4.1.1 Constituição da empresa

10

4.1.2 Área

Fiscal

10

4.1.3 Área

trabalhista

10

4.2

Estágio Supervisionado

11

4.2.1 Lançamentos contábeis

11

4.2.2 Descrição dos Fatos Contábeis

12

4.2.3 Relatórios

Contábeis

12

4.2.4 Obrigações

Acessórias Federais

13

4.2.5 Análise das Demonstrações Contábeis

13

5

ATIVIDADES EFETIVAMENTE REALIZADAS

15

5.1

Constituição e Legalização da Empresa

15

5.1.1 Área Fiscal

15

5.1.2 Área Trabalhista

16

5.2

Estágio Supervisionado V

16

5.2.1 Lançamentos Contábeis

16

5.2.2 Descrição dos Fatos Contábeis

17

5.2.3 Relatórios

Contábeis

17

5.2.4 Obrigações

Acessórias

18

5.2.5 Análise das Demonstrações Contábeis

18

 

Análise

5.2.5.1 Horizontal da DRE

18

Análise

5.2.5.2 Vertical da DRE

19

5.2.5.3 Análise Horizontal do Balanço Patrimonial

19

5.2.5.4 Análise Vertical do Balanço Patrimonial

19

5.2.5.5 Indicadores de Capacidade de Pagamento

21

5.2.5.6 Índices de liquidez

21

5.2.5.7 Indicadores de Endividamento

23

5.2.5.8 Índices de endividamento

23

5.2.5.9 Índice de participação do capital de terceiros

23

5.2.5.10 Composição de endividamento

24

5.2.5.11 Indicadores de Atividade

24

5.2.5.12 Índices de atividade

25

5.2.5.13 Indicadores de Rentabilidade

26

COMENTÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

6

28

7 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES

29

7.1 Estágio Supervisionado IV

29

7.2 Estágio Supervisionado V

29

8 CONCLUSÃO

30

9 REFERÊNCIAS

32

ANEXOS

Anexo I- Demonstração do Resultado do Exercício

Anexo II- Balanço Patrimonial

Anexo III- Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido

Anexo IV- Demonstração dos Fluxos de Caixa Direto e Indireto

Anexo V- Demonstração do Valor Adicionado

Anexo VI- Nota Explicativa

Anexo VII- Demonstração do Resultado do Exercício com Análise

Anexo VIII- Balanço Patrimonial com Análise

Anexo IX- Índices Econômicos e Financeiros

Anexo X- Gráfico de Análise Vertical do Balanço Patrimonial

Anexo XI- Gráfico de Análise Horizontal do Balanço Patrimonial

Anexo XII- Gráfico dos Indicadores de Endividamento e Indicadores Capacidade de

Pagamento

Anexo XIII- Gráfico dos Indicadores de Rentabilidade e Indicadores de Atividade

Anexo XIV- Gráfico de Análise Vertical e Horizontal da DRE

6

1. INTRODUÇÃO

Atualmente mais do que nunca, é preciso à conscientização da importância da pesquisa em relação à construção do conhecimento. Para o ser humano ser criativo e conseguir solucionar todos os problemas encontrados no decorrer da vida profissional, é necessário que o mesmo esteja por dentro de todos os assuntos relativos à sua área de atuação, tenha bastante desenvoltura e inovação. O mundo moderno exige que os profissionais busquem melhorar a cada dia, pessoalmente e tecnicamente. Diante das exigências feitas à profissão, a instituição de ensino superior tem que adaptar o curso de contabilidade a esta nova realidade, e reavaliar a estrutura da formação do profissional contábil para mantê-lo de acordo com o processo de evolução da profissão no mundo. Por muito tempo a sociedade e grande parte dos empresários viam o profissional contábil somente como responsável para registrar e controlar fatos administrativos, gerar guias e escriturar livros. E com isso o mesmo não tinha seu reconhecimento merecido. Hoje o novo contador tem que andar junto com a empresa, levando-a para o caminho do sucesso. O contador com sua capacidade de interpretar os números fornecem informações que facilitam as tomadas de decisões dos administradores, proprietários e daqueles que pretendem investir na empresa. Segundo Marion (2007, p.23), a contabilidade é o grande instrumento que auxilia a administração a tomar decisões. Na verdade ela coleta todos os dados econômicos, mensurando-os monetariamente, registrando-os e sumarizando-os em forma de relatórios ou de comunicados, que contribuem sobremaneira para a tomada de decisões. Com isso pode se dizer que o profissional contábil é fundamental para a sobrevivência da empresa, sendo que as informações prestadas por ele é de grande importância e inquestionável para a tomada de decisão. Nos últimos tempos a contabilidade deu um salto importante no qual impulsionou os profissionais no sentido de alcançar o seu merecido lugar no cenário econômico e social. Sendo que é necessário que ele esteja constantemente

7

aprimorando seus conhecimentos para acompanhar as mudanças que ocorrem no ambiente empresarial. Antes de ingressar no mercado, o profissional nessa área passa por todo um processo educacional no intuito de obter conhecimentos técnicos, desenvolver uma personalidade adequada com a profissão escolhida, descobrir qual papel ele quer desempenhar, entre outros. Na busca do profissionalismo, a instituição de ensino superior ITPAC - Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos mostra que tem parcela de grande responsabilidade, fazendo com que acadêmicos do curso de Ciências Contábeis tenham a oportunidade de se preparar, acertar, errar e aprender com seus erros, através da disciplina de estágio supervisionado, no qual faz com que todos conheçam através da prática os processos contábeis, fiscais e trabalhistas, métodos estes mais próximos da realidade interna de uma empresa. Fez com que buscássemos conhecimento de diversas áreas em que a contabilidade poderia atuar, e através de pesquisa de campo obtemos informações para assim desenvolver nosso trabalho simulando a criação de uma empresa. Se preocupando com a qualidade da educação transmitida e fazendo por em prática o que foi aprendido no decorrer do curso, para assim sairmos com a visão exata do que nos espera lá fora. Contudo nos incentivaram diante do trabalho apresentado a pesquisa, a criação, a inovação e a construção do conhecimento. A Instituição através desta disciplina reúne a teoria e a prática contribuindo para o crescimento e valorização do profissional e preparando-nos para enfrentar o mercado atual. Auxiliou-nos a encontrar o nosso próprio caminho, e nos fez estar cientes de nossa capacidade e oportunidade incentivando o constante desenvolvimento. Será apresentado no decorrer deste, o nosso real aproveitamento de quatro anos de estudo árduo e cansativo por que além de estudar também trabalhávamos. E assim mostraremos o desenvolvimento do nosso trabalho no decorrer das próximas páginas deste relatório.

8

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivos Gerais do Estágio

Proporcionar a nos acadêmicos um maior conhecimento de contabilidade, através da criação de uma empresa fictícia em que será feito simulações bem próximas da realidade com diversos tipos de contabilizações, incentivando também a leitura e pesquisa na área, e nos fazendo observar como é o dia de trabalho do profissional contábil.

2.2 Objetivos Específicos

-

Complementar o ensino da aprendizagem acumulado ao longo do curso

-

Preparar o acadêmico para ingresso no mercado de trabalho

 

-

Integrar prática e teoria

 

-

Propiciar

ao

acadêmico

a

consolidação

de

conhecimentos

e espírito

empreendedor e integrador, para atuar como gestor nos mais diversos tipos de

entidades, no vasto campo de atuação do profissional da contabilidade.

9

3. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA

Alves & Lima Indústria, Comércio e Serviço Ltda é uma empresa fictícia sobre a forma de sociedade limitada, atua na fabricação de vasos de cimento, comercializa mudas e presta serviços de Paisagismo. A empresa está constituída com duas sócias que são Elizane Pereira Lima e Soraia do Socorro A. dos Santos ambas com 50% do capital subscrito, sendo um total de R$ 300.000,00. No qual R$ 150.000,00 foi integralizado por cada sócia. Foi escolhida a forma de tributação da empresa pelo lucro presumido e a mesma está localizada à Rua Bogotá, 155, Setor Anhanguera em Araguaína-TO. Apresentando um quadro de dez funcionários treinados e bem capacitados para exercer as seguintes funções; Produtor de Vasos, Pintor, Motorista, Jardineiro dentre outros. Foram adquiridas máquinas, equipamentos, veículo, móveis e utensílios novos para o bom desenvolvimento de suas atividades. As atividades foram iniciadas em 01 de outubro de 2009.

10

4. ATIVIDADES PREVISTAS

4.1 Estágio Supervisionado

4.1.1 Constituição da empresa

Simular a Constituição de uma Companhia, em todos os aspectos formais e legais, inclusive quanto aos custos iniciais;

Criar Organograma da Companhia;

Apresentar orçamento de Produção; de Compras; de Vendas de Pessoal e de Investimentos;

Fazer os lançamentos contábeis de abertura da Companhia.

4.1.2

Área Fiscal

a) Simular, no mínimo 20 notas fiscais referentes as entradas, decorrentes de

compras de mercadorias (CIF e FOB), de materiais de consumo, de bens do ativo permanente, de insumos para industrialização e as entradas por devolução e para demonstração.

b) Simular, no mínimo 20 notas fiscais referentes às saídas decorrentes de

vendas de mercadorias para revenda, venda de produtos industrializados, remessa para conserto, devoluções de compras e relativas à prestação de serviços.

c) Preencher os livros fiscais pertinentes ao ICMS, ao IPI e ao ISS.

d) As transações devem abranger contribuintes do TO e de outros Estados,

sujeitas ao ICMS e ao IPI.

e) Emitir as declarações de impostos (GIAM) apuradas mensalmente, com as

respectivas guias de recolhimento, obedecendo aos prazos legais. f) Fazer lançamentos contábeis da área fiscal.

4.1.3 Área trabalhista

a) Apresentar a folha de pagamento, para cada um dos meses de atividade

da empresa (inclusão obrigatória de remuneração sujeita ao IRRF, com salário-

11

família) e com as devidas provisões e documentação pertinente(GPS,FGTS, DARFs, GFIPs, etc).

b) Admitir todos os funcionários necessários para a operacionalização dos

negócios da empresa, apresentando a documentação pertinente.

c) Demitir funcionários, sendo um a pedido, dois sem justa causa, com aviso-

prévio trabalhado e indenizado, e um por justa causa, apresentando a alegação

devida, providenciando os formulários de rescisão de contrato de trabalho.

d) Apresentar o CAGED quando necessário.

e) Fazer os lançamentos contábeis da área trabalhista.

Obs: Apresentar os papéis de trabalho de todas as tarefas, com relação aos seguintes atos, não será necessário a apresentação de todas as vias e cópias Xerox, devendo ser apresentado uma única vez o jogo completo de documentos e

no processo próprio fazer referências aos documentos.

4.2 Estágio Supervisionado

4.2.1 Lançamentos contábeis

a) Constituir Fundo Fixo de Caixa, definindo a quantia fixa fornecida ao

responsável pelo fundo, suficiente para pagamento de pequenas despesas a ocorrerem no período de 15 dias.

b) Aplicar os excessos de disponibilidade no mercado financeiro e registrar os

rendimentos pelo regime de competência, em função do prazo transcorrido, pelo método linear, sendo 1 com rendimento pré- fixados e 1 com rendimento pós- fixados efetuando a liquidação de pelo menos um deles ate o final do exercício.

c) Visando suprir o capital de giro da empresa, efetuar descontos de

duplicatas (desconto comercial composto e desconto racional simples) referentes as

vendas a prazo, incluindo as hipóteses de liquidação pelo sacado e pela empresa e com vencimentos até e após o final do exercício e com transferência para cobrança simples. d) Providenciar os registros de empréstimos a longo prazo. Sendo um empréstimo em moeda estrangeira, com inclusão de variação cambial e juros de 2% a.m e outro em moeda nacional. Efetuar operação de empréstimo com emissão de nota promissória, com prestação vencível até e após o término do exercício.

12

e) Efetuar lançamentos contábeis de baixa de bens do Ativo Imobilizado, com

depreciações acumuladas, apurando-se ganho e perda.

f) Efetuar a aquisição de participações societárias em 2 empresas, das quais

1 seja avaliada pelo método de equivalência patrimonial.

g) Calcular e contabilizar a estimativa mensal da CSSL e do IRPJ, de acordo

com a forma de tributação escolhida;

h) Calcular e contabilizar PIS e a COFINS

i) Contabilizar uma despesa não dedutível.

j) Constituir reserva de capital.

k) Calcular e contabilizar pagamento de juros sobre capital próprio;

l) Incluir venda de produtos industrializados por exportação, com incentivos

fiscais (isenção/redução dos impostos e contribuições), com as devidas anotações

nos livros fiscais, lalur e registros contábeis;

m) Fazer a incorporação de uma determinada empresa por um valor acima do

valor patrimonial anexando o balanço patrimonial da empresa incorporada na data da incorporação e termo de incorporação com a descrição dos valores da transação.

n) Calcular e contabilizar a provisão para devedores duvidosos.

o) Constituir, caso a empresa esteja nas condições exigidas pela lei, a reserva

de lucros a realizar.

p) Calcular e contabilizar a participação nos lucros da empresa com os

seguintes percentuais:

10% Empregados; 10% Administradores.

q) Fazer a Apuração do Resultado do Exercício, constituindo a(s) reserva(s)

obrigatória(s) e a distribuição dos lucros de acordo com a lei 6.404/76 e suas

alterações posteriores.

4.2.2 Descrição dos Fatos Contábeis

a) Descrever, sucintamente, todos os fatos contábeis ocorridos na empresa.

4.2.3 Relatórios Contábeis

a) Livros Diário e Razão (3 meses);

13

b)

Balancete de Verificação (3 meses);

 

c)

Demonstração de Resultado de Exercício;

d)

Balanço Patrimonial;

 

e)

Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido;

 

f)

Demonstração de Fluxo de Caixa (modelo Direto e Indireto);

 

g)

Demonstração do Valor Adicionado;

 

h)

Notas

Explicativas

às

demonstrações

financeiras

nos

termos

da

lei

6404/1976.

4.2.4 Obrigações Acessórias Federais

a) DIRF

b) DCTF

c) RAIS

d) DACON

e) LALUR

f) REGISTRO DE INVENTARIO

4.2.5 Análise das Demonstrações Contábeis

a) Fazer a padronização das Demonstrações Contábeis para fins de análise;

b) Fazer a Análise Horizontal e Vertical;

c) Fazer a análise por quocientes, abordando no mínimo:

c.1) Indicadores de Capacidade de Pagamento:

c.1.1) Liquidez Corrente;

c.1.2) Liquidez Seca; c.1.3) Liquidez Imediata; c.1.4) Liquidez Geral; c.2) Indicadores de Endividamento:

c.2.1) Participação de Capital de Terceiros; c.2.2) Composição de Endividamento; c.3) Indicadores de Atividades c.3.1) Prazo Médio de Recebimento c.3.2) Prazo Médio de Pagamento

14

c.3.3) Giro dos Estoques c.3.4) Giro do Ativo Total; c.4) Indicadores de Rentabilidade c.4.1) Margem Bruta sobre as vendas c.4.2) Margem Operacional sobre as vendas c.4.3) Margem líquida sobre as vendas c.4.4) Rentabilidade do Ativo Total c.4.5) Rentabilidade do Patrimônio Líquido; d) Elaborar um Relatório de Análise

Obs:

O aluno deverá apresentar papéis de trabalho de todas as tarefas executadas valendo 10 pontos; A empresa, obrigatoriamente, deverá apresentar lucro contábil e lucro fiscal;

15

5 ATIVIDADES EFETIVAMENTE REALIZADAS

5.1 Constituição e Legalização da Empresa

Foi dado início ao trabalho com a criação de uma empresa fictícia sendo definido o capital que cada sócia iria integralizar, seus gastos iniciais e em seguida as documentações devidamente exigidas para a abertura e registro nos órgãos como Receita Federal, Junta Comercial, Estado e Município. Sendo feito todos os aspectos formais e legais para a existência de uma empresa real como contrato de constituição da empresa, contrato de locação do imóvel, alvará de licenciamento e localização, documentação dos sócios dentre outros.

Elaboramos em seguida nosso organograma definindo assim os setores da empresa. E por fim, elaboramos orçamento de produção; de compras; de vendas, de pessoal e de investimentos para assim a empresa começar suas atividades. A empresa recebeu a denominação social de Alves & Lima Indústria, Comércio e Serviços Ltda. Seu ramo de atividade é produzir vasos de cimento, comercializar mudas e prestar serviços de paisagismo.

5.1.1 Área Fiscal

Na área fiscal a empresa realizou compras para suprir as necessidades das atividades de produção, do comércio e da prestação de serviço, começamos adquirindo o imobilizado entre eles estão ferramentas, móveis e utensílios, máquinas e equipamentos, computadores e periféricos, compramos também material de higiene e limpeza, material de escritório, combustível, tivemos despesas com fretes, aluguel, água, energia, telefone entre outros, compramos a nossa matéria prima, nosso material intermediário direto e indireto e material auxiliar e compramos nossa mercadoria para revenda a empresa começou suas atividades de vendas de mercadorias, produtos e prestação de serviços emitindo notas fiscais de saída entre elas estão notas de vendas de mercadorias, produtos e serviços, nota fiscal de

16

remessa de mercadoria para demonstração, nota fiscal de devolução de venda de mercadoria e nota fiscal de remessa para conserto. Vale ressaltar, que através da utilização de um software contábil, todos os procedimentos relacionados à legislação fiscal foram devidamente realizados entre os procedimentos estão registro mensal de entrada e saída de notas fiscais, apuração de saldos de ICMS, IPI e ISSQN, emissão de guias para pagamentos de impostos, cálculo do PIS, cálculo do COFINS, cálculo do IRPJ, cálculo da Contribuição Social, informamos a secretaria da fazenda a (GIAM) guia de informação e apuração mensal do ICMS, efetuamos todos os lançamentos contábeis da área fiscal, fizemos ficha de controle de estoque (MPM), fizemos lançamentos de pagamentos de compras efetuadas e fizemos o CPV, CMV e CSP.

5.1.2 Área Trabalhista

A empresa deu início a suas atividades contratando dez funcionários, no qual apresentaram a documentação legal exigida pelo ministério do trabalho como a carteira de trabalho, atestado admissional, documentos pessoais dentre outros. Para cada um dos meses que a empresa mostrou atividade foi apresentado no final de cada um a folha de pagamento. Um dos empregados apresentou remuneração sujeita ao IRRF e outra foi solicitada licença maternidade e salário-família. Houve demissões com aviso prévio indenizado e sem justa causa e apresentamos as provisões e as devidas documentações exigidas. Foram feitas as obrigações como GPS, DARF, GFIP e CAGED sendo recolhido mensalmente o INSS dos funcionários e sobre a folha fizemos os cálculos devidos ao INSS, FGTS e Imposto de renda.

5.2 Estágio Supervisionado V

5.2.1 Lançamentos Contábeis

Esta etapa começou sendo feita constituição de fundo fixo de caixa mensal para pagamento de pequenas despesas, logo após fizemos o cálculo e aplicamos os excessos de disponibilidades em contas com retorno pré-fixado e pós-fixado, foi feito desconto de duplicatas referente vendas a prazo com cálculo de desconto comercial

17

composto e desconto racional simples, fizemos empréstimo em moeda estrangeira a longo prazo com juros de 2% ao mês, calculamos e lançamos a variação cambial, fizemos também um empréstimo no Banco do Brasil este a curto prazo com juros de 4% ao mês, vendemos bens do ativo imobilizado no qual em um obtivemos ganho e em outro perda, contabilizamos também participação societária na Cia Bom Vaso avaliada pelo método de equivalência patrimonial e na Cia Vaso & Vida, pelo método de custo, fizemos cálculo e contabilizamos a estimativa mensal da CSLL e do IRPJ no lucro presumido que é forma de tributação escolhida pela empresa e calculamos e contabilizamos o PIS e a COFINS, contabilizamos uma despesa não dedutível multa de trânsito por não utilização do cinto de segurança na área urbana. Foi constituída reserva de capital referente doação de uma moto Honda recebida da empresa Revemar Moto Center Ltda, foi calculado e contabilizado juros sobre capital próprio, fizemos incorporação de 100% da empresa Borges & Borges Ltda, efetuamos e contabilizamos venda de produto ao mercado externo, calculamos e contabilizamos provisão para devedores duvidosos. Ao final do exercício de 2009 fizemos a apuração do resultado do exercício e do lucro líquido e mensalmente destinamos 10% para participação de empregados e 10% para administradores, no final do período constituímos a reserva legal e fizemos a distribuição de lucros.

5.2.2 Descrição dos Fatos Contábeis

Descrevemos nessa etapa, todos os fatos ocorridos dentro da empresa desde o início de suas atividades até o ultimo dia de exercício, mostramos em cada dia o que foi contabilizado.

5.2.3 Relatórios Contábeis

Nesta etapa apresentamos o livro diário, razão e balancete de verificação dos meses de outubro novembro e dezembro, elaboramos as Demonstrações contábeis DRE, Balanço Patrimonial, DMPL, DFC Direta, DFC Indireta e DVA vale ressaltar que as demonstrações apresentadas estão de acordo com a lei 11.638/07 que alterou a lei 6.404/76.

18

5.2.4 Obrigações Acessórias

Foram preenchidas no decorrer das tarefas as declarações; DCTF- Declaração de débitos e créditos tributários federais, DIRF- Declaração de Imposto de renda retido na fonte, DIPJ- Declaração de informações econômico-fiscais da pessoa jurídica, DACON- Demonstrativo de apuração de contribuições sociais, RAIS- Relação Anual de Informações Sociais e apresentamos o Inventário de Estoque da Empresa.

5.2.5 Análise das Demonstrações Contábeis

Nesta etapa foi feito análise horizontal e vertical do Balanço Patrimonial da DRE e ainda para melhor visualização e representamos graficamente estas analises dos meses de outubro novembro e dezembro. Foram calculados, analisados e demonstrados graficamente também os índices de liquidez, liquidez geral, liquidez corrente, liquidez seca e liquidez imediata, fizemos também indicadores de endividamento, índice de participação do capital de terceiros, índice de endividamento geral e índice de composição de endividamento, foram feitos os indicadores de rentabilidade índice de margem bruta, índice de margem operacional, índice de margem líquida, índice de retorno ativo e índice de rentabilidade do patrimônio liquido, e os índices de atividade, índice de giro do ativo total, índice de giro do estoque, prazo médio de recebimento, prazo médio de pagamento.

5.2.5.1 Análise Horizontal da DRE

Na análise horizontal da DRE podemos observar que as vendas líquidas teve um pequeno crescimento de 1% no mês de outubro para novembro, já em relação a outubro para dezembro houve uma diminuição de 8%. Podemos verificar com uma rápida análise que o aumento do lucro bruto no mês de outubro acompanha o aumento das receitas líquidas de vendas de novembro sendo esse percentual de 1%, denotando um pequeno consumo dessas receitas pelos custos. E em dezembro a situação é a mesma não ocorre evolução do lucro bruto em relação as receitas.

19

As despesas operacionais diminuíram no mês de novembro para dezembro 17%, já o resultado operacional antes do IR e CSLL, no mês de outubro para novembro teve uma variação de 6% mais de outubro para dezembro diminuiu 7%. O Lucro líquido do exercício no mês de outubro para novembro teve um aumento de 7%, já com base em outubro comparando dezembro teve uma diminuição de 6% devido as participações terem aumentado nesse período.

5.2.5.2 Análise Vertical da DRE

O custo das vendas de outubro e dezembro representa apenas 20% da

receita de vendas. Com relação a receita líquida de vendas o lucro bruto representa no mês

outubro e de dezembro 80% comparado a novembro tem uma diminuição de 1%.

As despesas operacionais representam apenas 6% em outubro e novembro e

diminuindo 1% no mês de dezembro. Já o resultado antes do IR e CSLL teve uma variação de outubro para novembro de 4%, já no mês de dezembro diminuiu 3%.

O lucro líquido aumentou 1% comparando outubro e dezembro.

5.2.5.3 Análise Horizontal do Balanço Patrimonial - Ativo

A análise horizontal caracteriza-se por demonstrar a evolução de cada conta

ou grupo de contas de uma empresa em diferentes períodos Através desta análise podemos observar que no mês de outubro, há uma situação favorável com uma concentração de recursos no ativo circulante, que

somam 206%, contra 106% que pode ser verificado no ativo não circulante. Sendo que no nosso ativo total evoluiu 76% no decorrer dos meses.

5.2.5.4 Análise Horizontal do Balanço Patrimonial Passivo

A análise vertical possibilita verificar o desempenho de uma conta e o grupo

que ela faz parte.

20

Observa-se que no passivo circulante há uma elevada variação no mês de dezembro, podemos afirmar que é devido a empresa ter contraído um empréstimo em moeda estrangeira neste mês.

O passivo não circulante teve uma pequena variação de outubro para

dezembro de 18%, já o patrimônio líquido no mês de novembro para dezembro teve uma diminuição de 16% devido a reserva de lucros distribuída no mês de dezembro.

5.2.5.5 Análise Vertical do Balanço Patrimonial Ativo

O ativo circulante apresenta uma pequena mudança em sua estrutura,

representando no mês de outubro 70% de ativo total, já em dezembro há um aumento de 12%, sendo este representado por 82% do ativo toal da empresa.

Sendo representada essa variação devido a conta banco, que representa no final do período 51,2%.

O ativo não circulante é composto pelos investimentos, imobilizado e

intangível, sendo este representado por 18% no mês de dezembro, de outubro para

novembro ouve uma diminuição desse grupo de 5% devido a depreciação acumulada.

5.2.5.6 Análise Vertical do Balanço Patrimonial Passivo

O passivo circulante está composto de empréstimo estrangeiro e financiamentos e os impostos federais no qual representam 44% do passivo total da empresa, enquanto que o passivo não circulante representa os empréstimos nacionais e empréstimo da empresa que foi incorporada, tendo este uma diminuição no decorrer do trimestre de 5%. O patrimônio líquido em outubro representa 68% com relação ao ativo total, mas de outubro para dezembro houve uma diminuição de 21%.

21

5.2.5.7 Indicadores de Capacidade de Pagamento

Fórmula I = (A + B) / (C + D)

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Liquidez Geral

3,162

4,405

1,888

(A)

- Ativo Circulante

 

466.595,97

603.303,37

962.283,70

(B)

- Ativo não Circulante

201.653,01

204.215,25

213.298,74

(C)

- Passivo Circulante

120.153,56

171.773,74

514.898,57

(D)

- Passivo não circulante

91.200,00

11.563,00

107.687,50

Fórmula I = (A / B)

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Índice

de

Liquidez

     

Corrente

 

3,88

3,51

1,87

(A)

- Ativo Circulante

 

466.595,97

603.303,37

962.283,70

(B)

- Passivo Circulante

120.153,56

171.773,74

514.898,57

Fórmula I = (A - B) / C

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Liquidez Seca

3,87

3,50

1,86

(A)

- Ativo Circulante

 

466.595,97

603.303,37

962.283,70

(B)

- Estoques

 

1.200,00

1.481,27

2.459,99

(C)

- Passivo Circulante

120.153,56

171.773,74

514.898,57

Fórmula I = (A / B)

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Índice

de

Liquidez

     

Imediata

 

3,17

1,36

1,17

(A)

- Disponibilidade

 

380.628,37

233.821,46

603.381,57

(B)

- Passivo Circulante

120.153,56

171.773,74

514.898,57

5.2.5.8 Índices de liquidez

Os índices de liquidez avaliam a capacidade de pagamento da empresa frente

as suas obrigações sendo de grande importância para administração da

continuidade da empresa.

22

O índice de liquidez geral demonstra quanto a empresa possui de recursos

não imobilizados para saldar dívidas de curto e longo prazo.

O índice de liquidez geral corresponde a 3,16 em outubro, 4,40 em novembro

e 1,88 em dezembro apesar da baixa no mês de dezembro a empresa consegue

pagar suas dívidas de curto e longo prazo com folga.

O índice de liquidez corrente indica a capacidade da empresa para liquidar

seus compromissos financeiros no curto prazo.

A liquidez corrente da empresa corresponde a 3,88 em outubro, 3,51 em

novembro e 1,87 em dezembro índice este que também baixou mas consegue liquidar seus compromissos financeiros no curto prazo tranquilamente.

O índice de liquidez seca avalia a capacidade da empresa para liquidar suas

dívidas de curto prazo, considerando os ativos de maior liquidez, ou seja excluindo o

estoque que é uma fonte de incerteza.

A liquidez seca em outubro foi de 3,87, em novembro foi de 3,50 e em

dezembro de 1,86 ou seja temos sim capacidade o bastante para de liquidarmos nossas dívidas de curto prazo sem depender da fonte de incerteza que é o estoque.

O índice de liquidez imediata indica a capacidade da empresa para liquidar

seus compromissos correntes utilizando unicamente de seu saldo de disponível (caixa, banco e aplicações) Se a empresa aqui analisada quiser pagar suas dívidas correntes em outubro consegue pagá-las sobrando ainda boa parte para o exercício seguinte em outubro, novembro e dezembro a empresa tem respectivamente 3,17, 1,36 e 1,17 ou seja paga suas dívidas somente com o seu saldo disponível com sobras. Analisando os quatro índices de forma simultânea e comparativa no período de outubro à dezembro conclui-se que a empresa tem capacidade de liquidar suas dívidas sejam elas de curto e longo prazo com folga.

23

5.2.5.9 Indicadores de Endividamento

Fórmula I = (A + B) / C

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Índice

de

Participação

de

     

Capital de Terceiros

32%

23%

53%

(A)

- Passivo Circulante

 

120.153,56

171.773,74

514.898,57

(B)

-Passivo não Circulante

 

91.200,00

11.563,00

107.687,50

(C)

- Passivo Total

 

668.248,98

807.518,62

1.175.582,44

Fórmula I = A / (A + B)

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Índice

de

Composição

de

     

Endividamento

 

57%

94%

83%

(A)

- Passívo Circulante

 

120.153,56

171.773,74

514.898,57

(B)

- Passivo não Circulante

 

91.200,00

11.563,00

107.687,50

5.2.5.10 Índices de endividamento

Os índices de endividamento demonstram a participação de recursos de

terceiros em relação ao capital próprio e ao ativo total da empresa, este índice deixa

bem explicito se a empresa vem financiando o seu ativo com recursos próprios ou

de terceiros e em que proporção isso ocorre.

5.2.5.11 Índice de participação do capital de terceiros

Este índice retrata a dependência da empresa em relação aos recursos

externos, ou seja é um indicador de risco ou de dependência à terceiros por parte da

empresa tendo como função principal medir o grau de endividamento.

Obtém-se em outubro 32% que significa que para cada 1,00 de capital próprio

a empresa utiliza 0,32 de recursos de terceiros.

Em novembro 23% que significa que para cada 1,00 de capital próprio a

empresa utiliza 0,23 e em dezembro 53% significando que para cada 1,00 de capital

próprio a empresa utiliza 0,53 de recursos de terceiros este índice dita que quanto

maior pior, mas no caso da empresa aqui analisada ela se encontra instável, pois

como podemos constatar apesar do aumento não estamos utilizando muito capital

de terceiros tendo assim a liberdade de decisão financeira da empresa sem

depender totalmente de recursos externos.

24

5.2.5.12 Composição de endividamento

Indica quanto da dívida total da empresa deverá ser paga em curto prazo

comparado com as obrigações totais.

A referida empresa em outubro deve pagar a curto prazo 57% das suas

dívidas totais em novembro 94% e em dezembro 83% a nossa composição de

endividamento deu algumas osciladas em novembro e dezembro para maior o que

não é muito bom para a empresa, mas não traz preocupação visto que sua

capacidade de pagamento e muito boa, como é apresentado nos índices de liquidez.

5.2.5.13 Indicadores de Atividade

Fórmula I = (A / B)

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice

de Giro do Ativo

     

Total

 

0,50

0,41

0,26

(A)

- Venda Bruta

332.311,05

332.774,35

305.006,52

(B)

- Ativo Total

668.248,98

807.518,62

1.175.582,44

Fórmula I = (A / B)

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I) - Índice de Giro do Estoque

2,02

2,56

4,54

(A)

ESTOQUE x 90

 

1200,00x90

1481,27x90

2459,99x90

(B)

- CPV, CSP, CMV

 

53.389,52

51.904,70

48.701,00

Fórmula I = (A / B)x90

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Prazo

Médio

de

     

Recebimento

 

22,95

15,54

3,45

(A)

- Duplicatas a receber

 

84.767,60

57.471,88

11.704,28

(B)

- Venda Bruta

332.311,05

332.774,35

305.006,52

Fórmula I = (A /B)X 9

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Prazo

Médio

de

     

Pagamento

 

5,12

5,03

5

(A)

Fornecedores

2.100,00

2.100,00

2.100,00

(B)

Compras

36.851,55

37.566,50

37.650,50

25

5.2.5.14 Índices de atividade

Prazo médio de recebimento é o período compreendido entre o momento em

que foram efetuadas as vendas e o momento do pagamento destas vendas indicando quanto tempo em média e empresa leva para receber as suas vendas.

O prazo médio de recebimento da empresa analisada em outubro foi de 23

dias em novembro foi de 16 e em dezembro 4 dias, variação esta que não chega a

causar nenhum impacto ao empreendimento. Prazo médio de pagamento este índice é útil para identificar a idade média das duplicatas a pagar ou em quantos dias pagamos nossas duplicatas.

A empresa conseguiu quitar suas duplicatas em uma média de 5 dias para

cada período. Giro do ativo total este índice indica a capacidade da empresa em usar todos

seus ativos para gerar vendas.

O giro do ativo total da empresa foi de 0,50 vezes em outubro, 0,41 vezes em

novembro e 0,26 vezes em dezembro, ou seja, os ativos não estão sendo utilizados eficientemente.

O giro de estoque foi de 2 dias em outubro, 3 dias em novembro e 5 dias em

dezembro.

26

5.2.5.15 Indicadores de Rentabilidade

Fórmula I = (A / B) x 100

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Margem Bruta

 

66%

67%

66%

(A)

- Lucro Bruto

 

218.869,50

221.769,09

200.819,62

(B)

- Venda Bruta

 

332.311,05

332.774,35

305.006,52

Fórmula I = (A / B) x 100

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Margem Operacional

 

80%

81%

80%

(A)

- Lucro Operacional

 

218.869,50

221.769,09

200.819,62

(B)

- Vendas Líquidas

 

272.259,02

273.673,79

249.520,62

Fórmula I = (A / B) x 100

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Margem Líquida

 

58%

61%

59%

(A)

- Lucro Líquido

 

156.895,42

167.286,46

147.192,17

(B)

- Receita Líquida

 

272.259,02

273.673,79

249.520,62

Fórmula I = (A / B) x 100

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

- Índice de Retorno Ativo

 

23%

21%

13%

(A)

- Lucro Líquido

 

156.895,42

167.286,46

147.192,17

(B)

- Ativo Total

 

668.248,98

807.518,62

1.175.582,44

Fórmula I = (A / B) x 100

 

OUTUBRO

NOVEMBRO

DEZEMBRO

(I)

-

Índice

de

Rentabilidade

do

     

Patrimônio Líquido

 

34%

27%

15%

(A)

- Lucro Líquido

 

156.895,42

167.286,46

82.431,74

(B)

- PL

 

456.895,42

624.182,10

552.996,37

5.2.5.16 Índices de rentabilidade

Estes índices procuram evidenciar qual foi a rentabilidade dos capitais

investidos, ou seja o resultado das operações realizadas pela empresa,

preocupando-se com a situação econômica da empresa.

As rentabilidades da empresa margem bruta, margem operacional e margem

líquida no período analisado foram bem próximos com poucas oscilações a empresa

27

pode então arriscar um pouco mais na produção para assim tentar aumentar esta rentabilidade. Verificando graficamente o índice de retorno do ativo e o índice de rentabilidade do patrimônio liquido no período de outubro a dezembro estes índices demonstram um decréscimo no decorrer do período, mesmo assim continua favorável. Na rentabilidade do ativo em outubro para cada 100,00 reais investidos a empresa ganhou 23,00 em novembro 21,00 e em dezembro 13,00. Na rentabilidade do patrimônio líquido em outubro para cada 100,00 reais de capital próprio investido obteve-se um retorno de 34,00 em novembro o retorno foi de 27,00 e em dezembro de 15,00.

28

6 COMENTÁRIO REALIZADAS

SOBRE

O

DESENVOLVIMENTO

DAS

ATIVIDADES

As atividades desenvolvidas nesse trabalho são frutos da experiência adquirida no decorrer de nossa vida acadêmica, tivemos a oportunidade de integrar prática e teoria utilizando as nossas diversas matérias ministradas nestes quatro anos como base para a preparação do nosso trabalho de conclusão de curso. Realizando as atividades propostas pelo estágio supervisionado, este trabalho simula as diversas rotinas e atividades desenvolvidas pelo profissional contábil. A partir das rotinas e atividades este trabalho ainda nos dá suporte para relatar de forma simplificada as análises de demonstrações que influenciarão diretamente na tomada de decisões dos administradores e gestores. Assim, o estágio supervisionado foi de suma importância para conseguirmos aplicar os conhecimentos adquiridos e colocá-los em prática no desenvolvimento deste trabalho, além de servir de base para nossa vida profissional e ingresso no mercado de trabalho.

29

7 CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES

7.1 Estágio Supervisionado IV

Atividades

Período

1.1 Constituição da Empresa

15/03/2010 à 31/03/2010

1.2 Área Fiscal

01/04/2010 à 23/04/2010

1.3 Área Trabalhista

24/04/2010 à 30/05/2010

7.2 Estágio Supervisionado V

Atividades

Data de entrega

2.1- Lançamentos Contábeis

08/08/2010 à 30/09/2010

2.2 Descrição dos Fatos Contábeis

01/10/2010 à 11/10/2010

2.3 Relatórios Contábeis

12/10/2010 à 01/11/2010

2.4 Obrigações Acessórias Federais

02/11/2010 à 10/11/2010

2.5 Análise das Demonstrações Contábeis

11/11/2010 à 22/11/2010

30

8 CONCLUSÃO

Dadas as funções realizadas que foram citadas anteriormente, podemos

concluir que o estágio foi de grande valia para nosso crescimento e aprimoramento na área que escolhemos atuar profissionalmente.

A disciplina é de fundamental importância para o acadêmico do curso de

Ciências Contábeis, sendo assim a mola mestra do caminho do sucesso para os profissionais. Pois através dela se desenvolve um trabalho no qual dar suporte ao acadêmico a viver e aprender na prática o desenvolvimento das tarefas do profissional contábil. No decorrer do curso aprendemos a cada momento. E no nosso limite de

tempo aprimoramos os nossos conhecimentos, com a finalização desta caminhada nos fez em um ano, acadêmicos com sede de conhecimento e fez com que nos apaixonássemos cada dia mais pelo nosso curso. Sentimos na pele o dia a dia do profissional contábil, convivendo com casos

reais, e sem dúvidas esta matéria contribuiu para uma melhor formação de muitos acadêmicos.

A vivência na prática é de primordial relevância para a formação de um

profissional competente, no qual obterá uma visão mais ampla na área em que irá atuar.

Esta vivência real, de registrar empresa nos órgãos da esfera federal, municipal e estadual é fenomenal, e faz o acadêmico abrir a mente para os procedimentos a serem efetuados.

A junção de toda a burocracia perfeitamente seguida gera a constituição da

empresa. A contabilização através de software e o levantamento dos demonstrativos fazem com que os acadêmicos já se sintam incluídos no mercado de trabalho.

É gratificante quando se conclui um dia de estudo com seu demonstrativo

fechado isso faz à auto-estima subir. É também gratificante quando depois de dias e

dias tentando fechar um demonstrativo obtendo a ajuda de um e de outro, quando se consegue o sentimento é de realização. As análises são incríveis, pois através de fórmulas criteriosas se consegue uma conclusão da situação da empresa, se houve melhora ou piora no decorrer de

31

períodos, podemos dizer então que o trabalho nos deu uma boa noção de algumas áreas relacionadas à nossa profissão. Enfim, esta matéria integra a prática e teoria possibilitando que o acadêmico se torne um bacharel em Ciências Contábeis e chegue ao mercado de trabalho apto para um bom desenvolvimento de sua função em qualquer campo que optar por atuar.

32

9

REFERÊNCIAS

AZEVEDO, Osmar Reis. DFC e DVA. 2. ed. São Paulo: IOB, 2009, 66-83p.

Cômite

consultoria.com.br/pdf/CPC_09.pdf.

de

Pronunciamentos

Contabéis.

Disponível

em:

http://www.insigne

DIAS, Adriana M.; CALDARELLI, Carlos A. Lei 11.638 uma revolução na contabilidade das empresas. São Paulo: Trevisan, 2008. 62 p.

IUDÍCIBUS, Sérgio; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto R. 7. ed. São Paulo:

Atlas, 2007, 646p.

MARION, José C. Análise das Demonstrações Contábeis. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2006, 57-171p.

MARION, José C. Contabilidade Empresarial. 13. ed. São Paulo: Atlas, 2007, 245-

260p.

Secretaria da Receita Federal. Disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/ pessoaJuridica/Dacon/DefaultProgramas.htm. Acessado em: 07/11/2010.

Secretaria da Receita Federal. Disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/ TextConcat/Default.asp?Pos=17&Div=PessoaJuridica/dirf/2010/orienta/. Acessado em: 07/11/2010

Secretaria da Receita Federal. Disponível em: http://www.receita.fazenda.gov.br/ PessoaFisica/ReceitaNet/default.htm. Acessado em: 07/11/2010.

SILVA, Alexandre A. Estrutura, análise e interpretações das demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas, 2007.

SILVA, Lourival L. Contabilidade geral e tributária. 5. ed. São Paulo: IOB, 2009.

550p.

VICECONTI, Paulo E.; NEVES, Silvério. 8. ed. São Paulo: Frase, 2008, 302p.

ANEXOS