Você está na página 1de 2

ANEXOS

A operação urbana Bairros do Tamanduateí tem como objetivo a criação de


estratégias que visam orientar o desenvolvimento dos bairros na várzea do rio
Tamanduateí, com a definição de diretrizes que apontam para a reconversão do
patrimônio industrial, o adensamento populacional, a criação de novos empregos e
atividades econômicas, e sanar a carência de equipamentos públicos, principalmente
nas proximidades dos eixos de transporte.

Os principais objetivos da operação são:

1. Socializar os ganhos de produção na região, estratégia que tem como objetivos


como o incentivo de parcelamento de grandes lotes, a incrementação de potencial
construtivo e aplicar recursos de adesão no perímetro expandido. (OUCBT, Página 6)

2. Assegurar o direito a moradia à quem precisa, estratégias que tem como objetivos
a promoção de uma regularização fundiária das áreas de assentamentos precários nas
regiões da Vila Prudente, Vila Carioca, e Cambuci, a redução do déficit habitacional
atendendo 20 mil famílias, o incentivo de produção de HIS fora dos perímetros das ZEIS,
a promoção do chamamento público para aquisição de terrenos para HIS e
equipamentos públicos, a destinação de 15% dos recursos para equipamentos e 25%
para habitação de interesse social. (OUCBT, Página 7)

3. Melhorar a mobilidade urbana, estratégia que tem como objetivos a aplicação do


recurso são a execução de conexões entre os bairros, a implantação de passarelas para
pedestres e ciclistas nas regiões das avenidas novas e estações de trem e a
implantação de um plano cicloviário que ligue os bairros. (OUCBT, Página 8)

4. Qualificar a vida urbana nos bairros, estratégia que tem como objetivos a aplicação
do incentivo de fachadas ativas e usos mistos, o incentivo da fruição pública, a garantia
de calçadas largas, a qualificação dos caminhos históricos e avenidas junto aos rios e
o aumento da arborização urbana. (OUCBT, Página 9)

5. Orientar o crescimento da cidade nas proximidades do transporte público,


estratégia que tem como objetivos o incentivo de adensamento nos eixos principais de
transporte, como por exemplo, a Av. Alcântara Machado, Av. do Estado e das novas
avenidas, a promoção da requalificação de áreas de preservação permanente, o
aproveitamento dos recuos frontais, adensamento proximo às estações de metrô e trem,
e a otimização do uso da terra utilizando da cota máxima de 20m² e o uso do coeficiente
de aproveitamento 4 para os novos empreendimentos. (OUCBT, Página 10)
6. Reorganizar as dinâmicas metropolitanas promovendo o desenvolvimento
econômico da cidade, estratégia que tem como objetivos a sustentação das atividades
industriais, e a criação de padrões urbanísticos específicos como por exemplo: O
gabarito controlado de 28 metros e a isenção de parcelamento obrigatório no setor
Henry Ford, a implantação de uma plataforma logística que vise a organização e
distribuição de cargas no setor da Vila Carioca, a aquisição de edifícios tombados para
promover o restauro e a reconversão dos seus usos, voltando-os para a economia
criativa, e o incentivo de usos mistos nos corredores de centralidade. (OUCBT, Página
11)

7. Incorporar a agenda ambiental ao desenvolvimento da cidade, objetivo que tem


como estratégias a ampliação de áreas verdes, estratégia que tem como objetivos a
ampliação de áreas verdes com a implantação de 11 novos parques, o incentivo da
permeabilidade nas áreas de encosta e áreas de várzea, diminuir a ilha de calor
utilizando de recursos da quota ambiental e a aplicação do incentivo de certificação dos
novos empreendimentos. (OUCBT, Página 12)

8. Fortalecer a participação popular nas decisões dos rumos da cidade, estratégia


que tem como objetivos a criação de um conselho gestor partidário formado por
membros do governo e da sociedade, e a implantação de um sistema que monitore a
participação da sociedade nas questões de aprimoramento e controle social da OUCBT.
(OUCBT, Página 13)

9. Preservar o patrimônio e valorizar as iniciativas culturais, estratégia que tem


como objetivo a destinação de 4% dos recursos para preservação dos bens tombados,
a aquisição dos imóveis tombados para o restauro e reconversão de usos, em especial
para atividades ligadas à economia criativa, o incentivo a preservação de bens culturais
por meio de transferência de potencial construtivo, o controle do gabarito e tamanho
dos terrenos no subsetor hipódromo, e a recuperação da visibilidade do monumento à
independência. (OUCBT, Página 14)