Você está na página 1de 140

Curso de análise

de projeto de
energia limpa

reeep
O Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa RETScreen International foi
criado para uso em instituições educacionais e de ensino localizadas em todo
o mundo, como também para uso de profissionais e estudantes participantes
em cursos a distância. Cada módulo de treinamento pode ser apresentado
como um seminário ou workshop separado, ou como parte de um curso univer-
sitário.Os módulos combinados podem ser apresentados num curso intensivo
de duas semanas ou como um curso regular com duração de um semestre.
Além dos slides de apresentação, gravação das palestras dos palestrantes
e notas de rodapé, o material de treinamento inclui também uma coleção de
estudos de caso e um Livrotexto de engenharia (www.retscreen.net).
Curso de análise de projeto de energia limpa

INTRODUÇÃO AO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA


LIMPA
Panorama do curso
Status de tecnologias de energia limpa
Análise de projeto de energia limpa com Software RETScreen®
Análise da emissão de GEE com o Software RETScreen®
Análise de risco e financeira com o Software RETScreen®
Resumo

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA EÓLICA

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE PEQUENAS HIDRO

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO FOTOVOLTÁICO

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE COGERAÇÃO

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE CALOR A PARTIR


DA BIOMASSA

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR DO AR

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR


DA ÁGUA

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR


PASSIVO

MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE BOMBAS DE CALOR DE


FONTE SUBTERRÂNEA
Disclaimer
This publication is distributed for informational purposes only and does not necessarily reflect the views
of the Government of Canada nor constitute an endorsement of any commercial product or person.
Neither Canada, nor its ministers, officers, employees and agents make any warranty in respect to this
publication nor assume any liability arising out of this publication.

© Minister of Natural Resources Canada 2001-2006.


INTRODUÇÃO AO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE
ENERGIA LIMPA
· Panorama do curso
· Status de tecnologias de energia limpa
· Análise de projeto de energia limpa com Software RETScreen®
· Análise da emissão de GEE com o Software RETScreen®
· Análise de risco e financeira com o Software RETScreen®
· Resumo
Introduç
Introdução a Aná
Análise de
Projetos de Energia Limpa
Curso de Aná
Análise de Projetos de Energia Limpa

“Aná
Análise de Projeto de Energia
Limpa”
Limpa” é um curso baseado
em um estudo de caso, para
profissionais e estudantes
universitá
universitários, que desejam
aprender a melhor forma de
analisar té
técnica e
financeiramente os possí
possíveis
projetos de energia limpa.

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

RETScreen® International
Centro de Suporte de Decisão
Decisão de Energia Limpa

• Desenvolver ferramentas que facilitem a avaliaç


avaliação de
tecnologias em eficiência energé
energética e energias
renová
renováveis, por parte de planejadores, niveis
decisó
decisórios e indú
indústrias, principalmente no estagio
inicial de planejamento.

• Disponibilzar ferramentas reduzindo


substancialmente o custo de avaliaç
avaliação de possí
possíveis
projetos

• Disseminar essas ferramentas sem custos, para


usuá
usuários ao redor do mundo, atravé
através da Internet &
CD-
CD-ROM

• Fornecer atravé
através de uma rede internacional de
®
Treinadores de RETScreen , treinamento e suporte
técnico

• Disponibilizar localmente, Produtos e Serviç


Serviços para a
indú
indústria, atravé
através da Internet © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Ao completar o curso

• Você estará
estará mais familiarizado com
Parede solar – Prédio residencial
aplicaç
aplicações viá
viáveis de energia limpa

• E você estará
estará habilitado a desenvolver
estudos de viabilidade preliminares de alta
qualidade à baixo custo, utilizando o
Software RETScreen®
Casa de Professores, Botswana

Foto cedida por: Enermodal

Foto cedida por: Vadim Belotserkovsky

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

1
Visão
Visão Geral do Curso

Introduç
Introdução à Aná
Análise de Projetos de Energia Limpa

Aná
Análise de Projetos de Energia Eó
Eólica
Aná
Análise de projetos de Pequenas Hidroelé
Hidroelétricas
Aná
Análise de Projetos Fotovoltaicos
Aná
Análise de Projetos de Cogeraç
Cogeração

Aná
Análise de Projetos de Calor por Biomassa
Aná
Análise de Projetos de Aquecimento do Ar por energia Solar
Aná
Análise de Projetos de Aquecimento d`Á
d`Água por energia Solar
Aná
Análise de Projetos de Aquecimento Solar Passivo

Aná
Análise de Projetos de Bomba de Calor de fonte subterrânea
Aná
Análise de Projeto de Refrigeraç
Refrigeração
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Materiais do Curso

Baixar Grá
Grátis em: www.retscreen.net
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
Software & Dados

RETScreen® International Software de Aná


Análise de Projetos de Energia Limpa

• Modelos de Tecnologias de Energia Limpa


• Dados de Produtos Internacionais
1.000 Fornecedores de Equipmentos

• Dados climá
climáticos Internacionais
 1.000 estações de monitoramento
terrestre
 Conjunto de dados meteorológicos e de
energia solar fornecidos por Satélites da
NASA

• Manual do Usuá
Usuário Online

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Material de Treinamento

• Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa
Aquecedor Solar de Água –
 Slides de apresentação Piscina Municipal

 Ferramentas de e-Aprendizado
ƒ Voz
ƒ Notas do Palestrante

 e-Livrotexto & Estudos de Caso

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

e-Livrotexto & Estudos de Caso

• Aná ®
Análise de Projeto de Energia Limpa: RETScreen Engenharia & Casos

 Livrotexto eletrônico para nível Universitário e Profissional


 Embasamento em tecnologias
 Descrição detalhada dos algorítmos do RETScreen®
 60+ estudos de caso internacionais de projetos reais
 Disponível sem custo em Inglês & Francês

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

3
Area de Atuaç
Atuação & Calendario

• Area de Atuaç
Atuação Baseada na Internet

 Ligando indústria e clientes online


 Busca por objetivo, tecnologia & região
 Exemplos:
ƒ Fornecedores de equipamentos, FV,
América do Norte
ƒ Prestadores de serviço, energia eólica,
Europa

• Forums de Internet
Públicos & Privados

• Calendá
Calendário e registro para
Treinamento Online
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Panorama do
Módulo de Introduç
Introdução

• Panorama do Curso (completado)


• Status das Tecnologias de Energia Limpa
®
• Aná
Análise de Projetos de Energia Limpa com o software RETScreen
®
• Aná
Análise das Emissões de Gas de Efeito Estufa com o Software RETScreen
RETScreen
®
• Aná
Análise de Risco e Financeira com o Software RETScreen
• Resumo

Centro de Tecnologia em Energia CANMET - Varennes

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

4
Status das Tecnologias de
Energia Limpa
Curso Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Fazenda Eólica

Casa Solar Passiva

Foto cedida por: Nordex Gmbh

Foto cedida por: McFadden, Pam DOE/NREL

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Objetivo

• Disseminar a informaç
informação sobre as tecnologias em energias
renová
renováveis (RETs) e medidas de eficiencia energé
energética
 Mercados
 Aplicações típicas

Geração de Eletricidade com Resíduos de Madeira Aquecimento Solar e Fotovoltaico da Água


Foto cedida por: Warren Gretz, NREL PIX Foto cedida por: Vadim Belotserkovsky

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Definiç
Definições

Eficiencia Energé
Energética
Utilizar menos recursos energéticos
Tecnologias de 
para atender a mesma demanda por
Energia Limpa energia

Energia Renová
Renovável
 Utilizar recursos naturais não
esgotáveis para atender às
necessidades energéticas
100%
Energy Demand

75%
Demanda de Energia

50%

25%

0%
Conventional
Convencional Efficient
Eficiente Efficient
Eficiente e &
Casa Solar Passiva Super Isolada Renewable
Renovável
Foto cedida por: Jerry Shaw
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

1
Motivos para Tecnologias de
Energia Limpa

• Ambientais Energia Eólica: Custo geração de eletricidade


 Mudanças climáticas 40

 Poluição local 30

• Economicas Custo Eletricidade 20

 Custos do ciclo de vida 10

 Esgotamento dos
0
combustíveis fósseis 1980 1990 2000

• Sociais Anos
Fonte: National Laboratory Directors
Para o U.S. Department of Energy (1997)
 Geração de empregos
 Redução das perdas de receitas locais
 Crescimento da demanda energética (x3 em 2050)
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Caracterí
Características comuns às
Tecnologias de Energia Limpa

• Em relaç
relação às tecnologias convencionais:
 Normalmente, custos iniciais mais altos

 Geralmente, menores custos operacionais

 Ambientalmente mais limpas

 Normalmente com bom retorno em


relação ao ciclo de vida

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Custo Total de um Sistema de


Geraç
Geração ou Consumo de Energia

• Custo total ≠ Custo de aquisiç


aquisição

• Custo total = Custo de aquisiç


aquisição

+ custo anual com combustí


combustível e
O&M
+ custo com grandes manutenç
manutenções
+ custo com desativaç
desativação
+ custo financeiro
+ etc.
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
Tecnologias de Geraç
Geração de Eletricidade
à partir de Fontes Renová
Renováveis

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Energia Eó
Eólica
Tecnologia & Aplicaç
Aplicações
• Precisa de bons ventos
Lâmina do rotor  (>4 m/s @ 10 m/s)
 Areas costeiras, montanhas curvas, planícies
Vento
abertas
Nascele com
embreagem • Aplicaç
Aplicações:
ões:
e Gerador

Altura
do rotor
Vento Torre

Rede Central Rede Isolada Fora da Rede


Warren Gretz, NREL PIX Phil Owens, Nunavut Power Southwest Windpower, NREL PIX

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Mercado de Energia Eó
Eólica

Instalação Anual de Turbinas Eólicas pelo Mundo

8.000 8.000
Capacidade mundial instalada (2003): 39.000 MW
7.000 (~20,6 milhões casas @ 5.000 kWh/casa/ano e 30% fator de capacidade) 7.000

6.000 Alemanha: 14.600 MW 6.000


Espanha: 6.400 MW
5.000 5.000
Estados Unidos: 6.400 MW
MW

4.000 Dinamarca: 3.100 MW 4.000

3.000 83.000 MW em 2007 (previsão) 3.000

2.000 2.000

1.000 1.000

0 0
2000

2003
1984
1985

1986
1987

1988
1989

1990
1991

1993
1994

1995
1996

1997
1998

1999

2001
2002
1983

1992

Fontes: Danish Wind Turbine Manufacturers Association, BTM Consult, World Wind Energy Association, Renewable Energy World

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

3
Pequenas Hidroelé
Hidroelétricas
Tecnologia & Aplicaç
Aplicações
• Tipos de
Projetos:
COMPONENTES DE UM SISTEMA HIDROELÉTRICO
Reservatório
Barragem À fio d´àgua
• Aplicaç
Comportas
Cabeceira Aplicações:
Rede Central
Rede Isolada
Fora da Rede
Turbina Francis
Adução
Casa de Força

Linha de
transmissão Gerador
Turbina
Corredeira
Tubo de dreno

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Mercado de Pequenas Hidroelé


Hidroelétricas

• 19% da eletricidade no mundo é produzida por pequenas


e grandes hidroelé
hidroelétricas
• No mundo:
 20.000 MW instalados (potência < 10 MW)
 Previsão: 50.000 a 75.000 MW em 2020
• China:
 43.000 plantas existentes (potência < 25 MW)
 19.000 MW instalados
 Além de 100.000 MW econ. viáveis
• Europa:
 10.000 MW instalados
 Além de 4.500 MW econ. viáveis
• Canadá
Canadá:
 2.000 MW instalados
 Além de 1.600 MW econ. viáveis
Pequena Central Hidroelétrica
Fontes de dados: ABB, Renewable Energy World, and International Small Hydro Atlas

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Fotovoltaica (PV)
Tecnologia & Aplicaç
Aplicações
Sistema PV doméstico
Células PV Central de
Geração PV

Medidor
Acumulador
Geração
Distrubuída

Medidor

Foto cedida por: Tsuo, Simon DOE/NREL Rede


Elétrica

Bateria

Luz Bombeio de água PV


Prédio integrado conectado à rede PV

Foto cedida por: Strong, Steven DOE/NREL

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

4
Mercado Fotovoltaico

Instalações Anuais Fotovoltaicas no Mundo


800 800

700 Capacidade Mundial instalada (2003): 2.950 MWp 700


(~1,2 milhões casas @ 5.000 kWh/casa/ano)
600 600
32% Aumento de encomendas 2003
500 500
MWp

400 400

300 300

200 200

100 100

0 0
2001

2002

2003
1986

1987

1988

1989

1990

1991

1992

1993

1994

1995

1996

1997

1998

1999

2000

Fonte: PV News
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Cogeraç
Cogeração (CHP)

• Produç
Produção simultânea de dois ou mais tipos de energias úteis, a partir
de uma única fonte energé
energética

Gas de Exaustão
Eficiência da recuperação de calor (55/70) = 78,6% 15 unidades
Calor
Eficiência Total ((30+55)/100) = 85,0%
55 unidades
Caldeira de Carga
Recuperação térmica

Calor + Exaustão

Combustível 70 unidades
100 unidades Eletricidade
30 unid.
Carga
Sistema de Energia Gerador
Elétrica

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Cogeraç
Cogeração
Aplicaç
Aplicações,
ões, Combustí
Combustíveis e Equipamentos
Várias Aplicações Vários Combustíveis

Ciclo de Coleta do
Produção de Vapor
Gás do Aterro
Sanitário
Processo

Sistema de tubos para


coleta do Gás Compressor
Resfriador
/secador Produção de Energia
Filtro
Biomass for CHP
Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL Tocha

Vários Equipamentos Foto cedida por: Gaz Metropolitan

Máquina Alternativa para Geração de Energia


Foto cedida por: Rolls-Royce plc © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

5
Cogeraç
Cogeração
Aplicaç
Aplicações

• Pré
Prédios individuais
• Comerciais e industriais
• Condominios
• Sistemas energé
energéticos
distritais (p.ex.
Comunidades)
• Processos industriais Cogeração, Prefeitura de Kitchener
Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan

Cogeração à GFL para aquecimento distrital, Suécia Micro turbina em estufa


Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Cogeraç
Cogeração
Tipos de Combustí
Combustível

• Combustí
Combustíveis Renová
Renováveis
 Resíduos de madeira
 Gas de Lixo (LFG)
 Biogás
 Subprodutos agrícolas
 Bagaço
 Reflorestamentos Biomassa para Cogeração
 etc. Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL

• Combustí
Combustíveis fó
fósseis Geiser Geotérmico

 Gas natural
 Diesel (óleo tipo #2)
 Carvão, etc.
• Energia Geoté
Geotérmica
• Hidrogênio, etc.
Foto cedida por: Joel Renner, DOE/ NREL PIX

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Cogeraç
Cogeração
Equipmentos & Tecnologias

• Equipamento de Resfriamento
 Compressores
 Chillers de Absorção
 Resfriamento livre

• Geraç
Geração de eletricidade
 Turbina à Gás
 Turbina à Gás de ciclo combinado
Turbina à Gás
 Turbina à vapor Foto cedida por: Rolls-Royce plc

 Máquina Alternativa
 Célula de combustível
 Etc.

• Equipamento de Calor
 Caldeiras
 Recuperadores de calor
Equipamento de Resfriamento
Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

6
Cogeraç
Cogeração
Mercado
Região
Região Capacidade Comentá
Comentários
Canadá
Canadá 12 GW Maioria para papel e celulose e indú
indústria de óleo
EEUU 67 GW Em expansão
expansão,, polí
políticas de apoio p/ Cogeraç
Cogeração
China 32 GW Cogeraç
Cogeração predominantemente à carvão
Rússia 65 GW Cerca de 30% da eletricidade de Cogeraç
Cogeração
Alemanha 11 GW Mercado crescente para Cogeraç
Cogeração municipal
Inglaterra 4,9 GW Fortes incentivos para energias renová
renováveis
Brasil 2,8 GW Ger. distribuí
distribuída associada à instal. fora da rede
Índia 4,1 GW Maioria Cogeraç
Cogeração de bagaç
bagaço p/ usinas de açú
açúcar
car
África do 0,5 GW Substituindo energia de carvão
carvão
Sul
Mundo 247 GW Previsão
Previsão de crescimento de 10 GW por ano
Fonte: World Survey of Decentralized Energy 2004, WADE

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Energias Renová
Renováveis
Tecnologias para Calor e Refrigeraç
Refrigeração

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Calor a partir da Biomassa


Tecnologia & Aplicaç
Aplicações

Cavaco de Madeira
• Combustão
Combustão controlada de madeira,
resí
resíduos agrí
agrícolas, resí
resíduos
municipais, etc., para geraç
geração de calor

Prédios individuais e/ou aquecimento distrital

Foto cedida por: Wiseloger, Art DOE/NREL

Foto cedida por: Oujé-Bougoumou Cree Nation


Planta de Calor
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

7
Mercado de Calor a partir da
Biomassa
• No mundo:
 A combustão de Biomassa fornece 11% das Fontes
Primárias de Energia (TPES) no mundo
 Mais de 20 GWth de sistemas de aquecimento à
combustão controlada
• Paí
Países em desenvolvimento:
 Cocinação, aquecimento
 Nem sempre sustentável
Câmara de combustão
 Africa: 50% da TPES Foto: Ken Sheinkopf/ Solstice CREST

 India: 39% da TPES 8.000 8.000


 China: 19% da TPES 7.000
Novas Instalações de
New Installations of Small 7.000
• Paí
Pequenos Sistemas de
Países industrializados: 6.000 Scale (<100 kW)
Aquecimento Biomass
à Biomassa 6.000
5.000 5.000
 Calor, eletricidade, fogões à lenha 4.000
(< 100 kW)
Heating na Áustria
Systems in Austria
4.000
 Finlandia: 19% da TPES 3.000 3.000
 Suécia: 16% da TPES 2.000 2.000
 Áustria: 9% da TPES 1.000 1.000
 Dinamarca: 8% da TPES 0 0
 Canadá: 4% da TPES
88

90

92

94

96

98

00

02
EEUU: 68% de todos os renováveis
19

19

19

19

19

19

20

20

Fonte: Ingwald Obernberger citing the Chamber of Agriculture and Forestry, Lower Austria
Fonte: IEA Statistics– Renewables Information 2003,
Renewable Energy World 02/2003 © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Aquecimento Solar do Ar
Tecnologia & Aplicaç
Aplicações

• Coletor não
não
envidraç
envidraçado para pré
pré-
aquecimento do ar
Difusor da
parede
• O ar frio é aquecido
Painel
quando passa pelos solar Ventilador
pequenos orifií
orifiícios na perfurado
placa metá
metálica de
Ar
absorç
absorção (SolarwallTM) Fresco

• Um ventilador circula o
ar quente pelo pré
prédio
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Mercado para Aquecimento Solar


do Ar
Prédio Industrial
• Pré
Pré aquecimento do ar de
ventilaç
ventilação, dos pré
prédios com
grandes volumes de ar fresco
• També
Também para secagem da
colheita Foto cedida por: Conserval Engineering

• Custo competitivo para


pré
prédios novos ou grandes
reformas

Secagem solar da colheita


Foto cedida por: Conserval Engineering

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

8
Aquecimento Solar da Água
Tecnologia & Aplicaç
Aplicações

• Coletores Envidraç
Envidraçados e não
não envidraç
envidraçados
• Armazenamento de Água (tanque ou piscina)
Prédios Comerciais/Institucionais e Piscinas Aquacultura – Viveiro de Salmão

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Mercado para Aquecimento Solar


da Água

• Mais de 30 milhões
milhões de m2 de Conjuntos Residenciais e Piscinas

coletores pelo mundo


• Europa:
 10 milhões de m2 de coletores em
operação
 Crescimento anual de 12%
Prédios Residenciais
 Alemanha, Grécia e Áustria
 Meta para 2010: 100 milhões de m2

• Forte mercado mundial para


aquecedores solares de piscinas
• Barbados possui 35.000 sistemas
Fonte: Renewable Energy World, Oak Ridge National Laboratory Foto cedida por: Chromagen
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Aquecimento Solar Passivo


Tecnologia & Aplicaç
Aplicações

• Fornecimento de 20 a 50% Verão


do aquecimento ambiental
necessá
necessário na temporada Inverno
de aquecimento
• Ganhos solares obtidos
com janelas de alto
rendimento direcionadas Aquecimento solar passivo de apartamentos
para o Equador
• Armazenam calor na
estrutura do pré
prédio
• Utilizam sombra para
reduzir ganhos do calor do Foto: Fraunhofer ISE (from Siemens Research and Innovation Website)

verão
verão © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

9
Mercado para
Aquecimento Solar Passivo

• Uso de janelas eficientes é Prédios comerciais

prá
prática comum nos padrões
atuais de aquecimento solar
passivo

• Para novas construç


construções –
acré
acréscimo mí
mínimo de custos
Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL

Prédios residenciais
 Janelas de Alta eficiência
 Orientação do Prédio
 Sombra adequada

• Custo competitivo para novos


pré
prédios e reformas
Foto cedida por: DOE/NREL

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Bomba de Calor de Fonte Subterrânea


Tecnologia & Aplicaç
Aplicações

Loop Vertical no solo • Resfriamento e aquecimento


de água/ambiental
• Eletricidade opera em ciclo de
compressão a vapor
• Calor extraí
extraído do solo no
inverno e rejeitado do solo no
verão
Horizontal Ground-Loop

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Mercado para
Bomba de Calor de Fonte Subterrânea

GSHP Residencial • No mundo:


 800.000 unidades instaladas
 Capacidade Total de 9.500 MWth
 Taxa de crescimento anual de 10%
• EEUU: 50.000 instalaç
instalações
anualmente
• Sué
Suécia, Alemanha e Suiç
Suiça são
são
maiores mercados Europeus
Prédios Comerciais, Industriais e Institucionais

• Canada:
 30.000+ unidades residenciais
 3.000+ unidades industriais e
comerciais
 435 MWth instalados

Foto cedida por : Geothermal Heat Pump Consortium (GHPC) DOE/NREL


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

10
Outras Tecnologias de
Energia Limpa Comerciais

• Combustí
Combustíveis: etanol e biodiesel
• Sistemas eficientes de refrigeraç
refrigeração
• Motores de velocidade variá
variável
• Sistemas de iluminaç
iluminação e Luz do
dia eficientes
Combustível oriundo de resíduo agrícola
• Recuperaç
Recuperação de calor de ventilaç
ventilação Foto cedida por: David and Associates DOE/NREL

• Outros

Refrigeração eficiente no Rinque de Patinação Iluminação eficiente e Luz do dia


Foto cedida por: Robb Williamson/ NREL Pix
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Tecnologias de Energia Limpa


Emergentes

• Energia té
térmica Solar

• Energia té
térmica Oceânica

• Energia das maré


marés Planta de Energia Solar através de Parabólicas
Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL

• Energia das correntes


oceânicas

• Energia das ondas

• etc. Receptor central da Planta de Energia Solar


Foto cedida por: Sandia National Laboratories DOE/NREL

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Conclusões
Conclusões

• Existem oportunidades de Sistema Hibrido Parks Canada de PV-Eólica (Arctico em 81°N)

retorno comprovado

• Muitos casos de sucesso

• Mercado em expansão
expansão
Foto cedida por: Michael Ross Renewable Energy Research

• Estão disponí
disponíveis
oportunidades para a
eficiência energé
energética e
recursos para energias Instalação de turbina eólica de 600 kW Telefone PV
renová
renováveis Foto cedida por: Nordex Gmbh Foto cedida por: Price, Chuck

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

11
Perguntas ?

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

12
Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa
com o Software RETScreen®
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Os Cinco Passos – análise padrão


Análise de
Modelo Análise de Análise Resumo Sensibilidade
Energia custo de GEE Financeiro e Risco

Opcional
Opcional

Clique no Hyperlink azul ou no ícone


flutuante para acessar dados Fluxo de caixa do projeto

Sub-Planilha(s)

Pronto para tomar decisão

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Objetivos

• Ilustrar resultados de estudos de


viabilidade preliminares

• Demonstrar como funciona o Software


RETScreen®

• Demonstrar como RETScreen® facilita


na identificaç
identificação e avaliaç
avaliação de projetos
potenciais

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Processo de Implementaç
Implementação de
Projetos de Energia

Aná
An álise de
Análise de
Pré
Pré-viabilidade
Pré-viabilidade
Aná
An álise de
Análise de
Viabilidade
Viabilidade
Engenharia
Engenharia&&
Desenvolvimento
Desenvolvimento
Barreiras
Significativas Construç
Constru ção &&
Construção
Comissionamento
Comissionamento
Os projetos de Energia
Limpa não
não serem
considerados inicialmente!
inicialmente! © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

1
Perguntas

• O que é um ní
nível aceitá
aceitável de
precisão
precisão para estimativas de
custos de projetos?
projetos?

• Quanto custam esses estudos


normalmente?

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

O Dilema da Precisão
Precisão vs. Custo do Investmento

Faixa de precisão da estimativa, igual ao custo


estimado dividido pelo custo final, assumindo
moeda estável

Custo estimado antes da cotação


com precisão de +/- 10%

Propostas recebidas com precisão


de +/- 5%

Custo final

Construção

Estudo de Viabilidade com precisão do


custo entre 15% e 25%

Estudo de pré-viabilidade
com precisão do custo
100 $ a 1.
1.000.
000.000 $!
entre 40% e 50%
Tempo

Quando deveriam ser consideradas


tecnologias de energia limpa?

• Necessidade de sistema de energia

• Construç
Construção nova ou reforma
Aná
An álise de
Análise de planejada
Pré
Pré-viabilidade
Pré-viabilidade • Altos custos da energia convencional
Aná
An álise de
Análise de • Interesse por parte dos principais
Viabilidade participantes
Viabilidade
• Possiveis aprovaç
aprovações

• Investimento e Financiamento
Estudo de acessí
acessíveis
Viabilidade • Bom recurso local de energia limpa,
Preliminar etc.

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
A Viabilidade do Projeto (Exemplo
Eólico) Depende de Diversos Fatores

• Recurso energé
energético disponí
disponível no local Torre e turbina eólica

do projeto
(p.ex. Velocidade do vento)

• Desempenho do equipamento
(p.ex. Curva de potência da turbina eólica)

• Custo inicial do projeto


(p.ex. Turbinas eólicas, torres, engenharia)

• Cré
Créditos do “Caso base”
base”
(p.ex. Geradores diesel para unidades remotas)

• Custos regulares e perió


periódicos do projeto
(p.ex. Limpeza das lâminas da turbina eólica)
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

A Viabilidade do Projeto (Exemplo Eó


Eólico)
Depende de Diversos Fatores - cont
Energia Eólica
• Custo evitado com energia
(p.ex. Preço final da eletricidade)

• Financiamento
(p.ex. Relação e extensão da dívida, taxa
de juros)
Foto cedida por: Middelgrunden Wind Turbine Co-operative

• Impostos sobre equipamentos & receita (ou economia)


• Caracterí
Características ambientais da energia desmobilizada
(p.ex. Carvão, gás natural, óleo, grandes hidroelétricas, nucleares)

• Cré
Créditos ambientals e/ou subsí
subsídios
(p.ex. Tarifas da energia tarifas, Créditos de carbono, créditos de GEE,
fundo perdido)
• Definiç
Definição do Tomador de decisão sobre custo efetivo
(p.ex. Período de retorno, TIR, VPL, Custos de Produção de energia)

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Por que usar RETScreen®?

• Simplifica avaliaç
avaliações preliminares
 Necessita de relativamente poucas “entradas”
 Calcula indicadores técnicos e financeiros importantes,
automaticamente

• Custa 1/10 do valor de outros mé


métodos de
avaliaç
avaliação

• Procedimentos padrão
padrão possibilitam comparaç
comparações
objetivas

• Aumenta o potencial de sucesso na implementaç


implementação
de projetos de energia limpa
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

3
Validação RETScreen®
Exemplos de Validaç

• Todos os modelos 100%

validados por 80% Fabricante

Eficiência (%)
RETScreen
comparaç
comparação com 60%
dados de fabricantes e 40%
monitorados…
monitorados… 20%
Curvas de eficiencia turbina hidráulica:
RETScreen vs. Fabricante
160
0%
HOMER
140 RETScreen
0% 20% 40% 60% 80% 100%
120 Porcentagem da vazão nominal
(kWh)

100
PV (kWh)
PV Power

80
Energia

• … e/ou por comparaç


60

40 comparação
20
com ferramentas de
0
Jan Feb Mar Apr May Jun
Month
Jul Aug Sep Oct Nov Dec simulaç
simulação horá
horárias
Mês

Comparando a Produção de Energia PV Calculada pelo RETScreen e HOMER


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

®
Demonstraç
Demonstração do Software RETScreen
(Exemplo de Modelo de Projeto de Energia Eó
Eólica)

Os Cinco Passos - análise padrão


Análise de
Modelo de Análise Análise Resumo Sensibilidade
Energia de Custo de GEE Financeiro e Risco
Opcional

Opcional

Clique no Hyperlink azul ou no ícone


flutuante para acessar dados
Fluxo de caixa do projeto

Sub – Planilha(s)

Pronto para tomar uma decisão

Características Integradas
Dados Dados do Manual • Curso de treinamento
climáticos produto Online • Livro texto de engenharia
• Estudos de Caso
• Mercado Online
• Forums de Internet

4
Codificaç
Codificação das cores das Cé
Células

Células de entrada e saída

branco Saída do modelo – calculado pelo modelo

Entrada usuário – necessário para operar


amarelo
modelo

azul Entrada usuário – necessário para operar


modelo e banco de dados online

cinza Entrada usuário – apenas para referência.


Não é necessário para operar modelo

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

5
Conjunto de Dados de Energia Solar e meteorologia da superfície

6
7
Dados
Foram selecionados

Modelo escolhido do RETScreen:


Energia Eólica

Software RETScreen®
Método de Aná
Análise Financeira

Comparaç
Comparação:
ão:
• Caso Base vs. Caso Proposto

• Sistema convencional vs.


sistema de energia limpa

Exemplo:
• Cladding do edifí
edifício padrão
padrão
(siding) e um aquecedor de
ar à gás natural
vs.
• Cladding da Parede solar Parede solar da Escola Yellowknife, em construção
Foto cedida port: Arctic Energy Alliance
com aquecimento solar do ar
mais o aquecedor do ar
convencional à gás natural © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

8
Demo do Software
Projeto de Energia Eó
Eólica de 20 MW

Entrada/Saí
Entrada/Saída Cená
Cenário #1 Cená
Cenário # 2
(RETScreen®) (Planta Merchant) (Planta de Energia Verde)

• Local do Projeto: • Calgary, AB • Pincher Creek, AB


• Velocidade do Vento: • 4,4 m/s • Lethbridge → 7,0 m/s
• Reduç
Redução das emissões de GEE:
GEE: • 25.
25.123 tCO2/ano • → 63.
63.486 tCO2/ano
• Custo da turbina Eó
Eólica: • 1.200 $/kW • → 1.000 $/kW
• Cré
Crédito pela produç
produção de ER:
ER: • 0 $/kWh • → 0,025 $/kWh
• Cré
Crédito GEE (planta à carvão
carvão):
): • 0 $/ton • → 5 $/ton
• Prazo da Dí
Dívida: • 10 anos • → 15 anos
• Fluxo de Caixa Positivo: • 42,
42,7 anos • 5,2 anos
• Retorno do Investimento: • - 7,1% • 22,
22,8%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Demo do Software
Cená
Cenário 1

Cená
Cenário #1
(Planta Merchant)
Calgary, AB
4,4 m/s
1.200 $/kW
25.
25.123 tCO2/ano
0 $/kWh
0 $/ton
10 anos
42,
42,7 anos
- 7,1%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Demo do Software
Velocidade do Vento & Reduç
Redução das Emissões de GEE

Cená
Cenário # 1a

(Planta de Energia
Verde)
Pincher Creek, AB
Lethbridge → 7,0 m/s

63.
63.486 tCO2/ano

18,
18,2 anos
4,8%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

9
Demo do Software
Custo da Turbina Eó
Eólica

Cená
Cenário # 1b

1.000 $/kW

16,
16,5 anos
6,5%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Demo do Software
Cré
Crédito relativo à Produç
Produção de ER

Cená
Cenário # 1c

0,025 $/kWh

10,
10,1 anos
17,
17,7%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Demo do Software
Cré
Créditos relativos à Emissões
Emissões de GEE

Cená
Cenário # 1d

5 $/ton

7,5 anos
20,
20,1%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

10
Demo do Software
Condiç
Condições da Dí
Dívida

Cená
Cenário # 2

15 anos

5,2 anos
22,
22,8%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Perguntas ?

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

11
Aná
Análise da Emissão de Gas de
Efeito Estufa com o
Software RETScreen®
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Photo Credit: Environment Canada

© Minister of Natual Resources Canada 2001 – 2005.

Objetivos

• Introduzir uma metodologia para


calcular as reduç
reduções das emissões
de gas de efeito estufa (GEE)

• Demonstrar o Modelo RETScreen®


de Aná
Análise da Reduç
Redução das
Emissões de GEE

© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

O que precisa ser calculado?

• Reduç
Redução Anual de emissão de gas de efeito estufa

 Caso Base (tecnologia tipicamente convencional) vs. Caso


Proposto (tecnologia de energia limpa)

 Unidades: toneladas de CO2 por ano

 Emissões de CH4 e N2O convertidas para emissões


equivalentes de CO2 em termos de seu potencial de
aquecimento global

© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

1
Como é calculado?

Reduç
Redução da emissão annual de GEE
=
(t CO2)

Caso Base Caso Proposto Uso final


Fator de Fator de Energia
emissão
emissão de GEE - emissão
emissão de GEE
x
utilizada
(t CO2 /MWh) (t CO2 /MWh) anualmente
(MWh)

• RETScreen® adjusta a reduç


redução anual para considerar perdas por
transmissão & distribuiç
distribuição, bem como taxas de remuneraç
remuneração por
transaç
transações com GEE (Versão
(Versão 3.0 ou superior)
© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

Modelo RETScreen® de Aná


Análise da
Reduç
Redução da Emissão de GEE
• Metodologia padronizada
desenvolvida pelo NRCan
em conjunto com o
Programa Ambiental das
Naç
Nações Unidas (UNEP), o
Centro UNEP RISØ
RISØ de
Energia, Clima e
Desenvolvimento
Sustentá
Sustentável (URC), e o
Fundo de Protó
Protótipo de
Carbono do Banco Mundial
(PCF)

• Validado por um grupo de


especialistas do Governo e
da Indú
Indústria
© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

Tipo de Aná
Análise

• Aná
Análise Padrão:
®
Padrão: RETScreen utiliza automaticamente os valores
padrões da indú
indústria e do IPCC para:
 Fatores de equivalencia de CO2 para CH4 e N2O

 Emissões de CO2, CH4 e N2O para combustíveis comuns

 Eficiência para conversão de combustível para calor ou


eletricidade

• Aná
Análise Customizada:
Customizada: o usuá
usuário especifica esses valores

• Aná
Análise definida pelo usuá
usuário:
rio: o usuá
usuário entra diretamente com
os fatores de emissão de GEE (Versão 3.0 ou superior)
 Não especifica combustíveis e eficiencias de conversão

© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

2
Definindo a Linha de Base

• Diferentes linhas de base para cá


cálculos de emissões de GEE:
 Linha de Base estática histórica (toda a capacidade de geração existente)
 Linha de Base estática histórica baseada em tendencias recentes
 Linha de Base estática futura baseada em projetos de expansão
 Linha de Base dinâmica marginal futura
 Outros

• RETScreen® permite uma mudanç


mudança da linha de base durante o
curso do projeto (Versão 3.0 ou superior)
• Pode ser baseado em áreas internacionais, nacionais ou sub-
sub-
nacionais
• Ainda em negociaç
negociação atravé
através do Protocolo de Kyoto
• O usuá
usuário deve ser habilitado a decidir pelo tipo de linha de base e
não superestimar a reduç
redução de emissões
© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

®
RETScreen® Facilita os Projetos de
MDL e IC do Protocolo de Kyoto

• Projetos do Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) :


 Países industrializados or empresas que investem em projetos de redução de
emissão de GEE em países em desenvolvimento, granham créditos por esses
projetos

• Projetos de “pequena escala”


escala” de MDL podem utilizar metodos de linha
de base simplificados
 Projetos de eletricidade ≤ 15 MW
 Projetos de Eficiência Energética com economia ≤ 15 GWh por ano

• Projetos de Implementaç
Implementação Conjunta (IC) :
 Países industrializados ou empresas ganham créditos por redução de emissão
através de investimento em projeto em outro país que tenha metas de redução de
emissão pelo Protocolo de Kyoto (p.ex. Países do Anexo I)
 Projetos típicos de países com economia em tansição

• Projetos de MDL e IC precisam comprovar “adicionalidade”


adicionalidade” – reduç
reduções
de emissão superiores àquelas obtidas no cená
cenário da linha de base
© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

3
Conclusões
Conclusões

• RETScreen® calcula a reduç


redução anual de emissão de GEE
para um projeto de energia limpa comparado a um
sistema de caso de base

• Fácil de usar, poré


porém exige que o usuá
usuário defina o
cená
cenário do caso base cuidadosamente, para projetos de
maior porte

• Modelo considera novas regras do Protocolo de Kyoto a


nível de estudo de pré
pré viabilidade

• Para manter a credibilidade, o usuá


usuário não
não deve
superestimar a reduç
redução de emissões de GEE do projeto
proposto

© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

Perguntas?

Photo Credit: Environment Canada

www.retscreen.net
© Minister of Natural Resources Canada 2001 – 2005.

4
Aná
Análise Financeira e de Risco
com o Software RETScreen®
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Foto cedida por: Green Mountain Power Corporation/ NRELPix

© Minister of Natual Resources Canada 2001 – 2005.

Objetivos

• Apresentar a metodologia RETScreen® para avaliar a viabilidade


financeira de um projeto de energia limpa potencial
 Observar parâmetros (entrada) financeiros importantes
 Revisar indicadores chave da viabilidade financeira
 Examinar premissas para o cálculo do fluxo de caixa
 Ressaltar diferenças entre custos iniciais, payback simples
e indicadores financeiros chave

• Demonstrar a Planilha de Resumo Financeiro do RETScreen®


• Mostrar como incentivos, cré
créditos de produç
produção, cré
créditos de GEE e
impostos podem ser incluí
incluídos na aná
análise financeira

• Apresentar aná
análise de sensibilidade e de risco com o RETScreen®

• Demonstrar a Planilha RETScreen® de Aná


Análise de Sensibilidade e
de Risco (Versão
(Versão 3.0 ou superior)
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

1
Custo Inicial versus Custos Operacionais:
Exemplo de Telecomunicaç
Telecomunicações Remota

15
• Gerador+bateria (caso base):
Revisão Gerador
Custo (k$)

Combustível
10 Troca da Bateria
 Custo inicial: 6.000 $ Custo inicial
5
 Custo Anual: 1.000 $ para combustível*
 Troca da Bateria a cada 4 anos (1.500 $)* 0
0 5 10 15 20 25
 Revisão do Gerador a cada 2 anos (1.000 $)* Ano

15
Troca da bateria
Custo (k$)

• Fotovoltaica+bateria (caso proposto): 10 Custo inicial

 Custo inicial: 15.000 $ 5


 Troca da Bateria a cada 5 anos (2.000 $)*
0
0 5 10 15 20 25
Ano

*Inflação e aumento da tarifa de energia de 2,5%


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Determinando a Viabilidade Financeira:


Exemplo de Telecomunicaç
Telecomunicações Remota

• Como podemos comparar G. Gerador & Sist. Fotovoltaico?


 G. Gerador: menor custo inicial
 Fotovoltaicos: menores custos anuais e periódicos

• RETScreen® calcula
indicadores que
consideram receitas e
despesas ao longo da
vida do projeto!

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
Cálculo do Fluxo de Caixa:
O que faz o RETScreen®?

Entradas Fluxo Caixa 50,000,000

Fluxo Caixa Cumulativo


40,000,000

Economia Combustí
Combustível 30,000,000

Economia O&M
$
20,000,000

Economias Perió
Periódicas
Fluxo de Caixa anual
40 10,000,000

Incentivos 0

20 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

Cré
Créditos de Produç
Produção (10,000,000)

0 Time (yr)
Cré
Créditos de GEE 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 (20,000,000)
Tempo (anos)
Milhars de $

Years

-20

Indicadores
-40

Saí
Saídas Fluxo Caixa -60
Valor Presente Lí
Líquido
Investimento de Capital -80
Payback simples
Pagamentos anuais Dí
Dívidas
TIR
-100

Pagamentos de O&M Ano


Cobertura serviç
serviço dí
dívida
Custos Perió
Periódicos
Etc.
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Parâmetros Financeiros (Entradas)


usados pelo RETScreen®

• Taxa de desconto: taxa usada para converter fluxo de caixa futuro


futuro ao presente
• Custo evitado de energia:
 Para projetos de aquecimento e resfriamento: preço do combustível no cenário do caso base
 Para projetos de venda de eletricidade à rede: preço pago por unidade de eletricidade limpa
vendida (para desenvolvedores) ou custo marginal (para distribuidoras)

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Indicadores Chave (Saí


(Saídas)
da Viabilidade Financeira
Payback Simples Valor Presente Taxa Interna de
Líquido Retorno (TIR &
(VPL) RDI)
Significado # de anos para recuperar Valor total do projeto Ganhos do projeto
custos adicionais das atualizado em dó
dólares durante o seu ciclo de
economias anuais vida

Exemplo Payback simples 3 anos 1,5 $ milhões


milhões VPL 17 % TIR

Crité
Critério Payback < n anos Positivo indica TIR > taxa de custo
projeto lucrativo

Comentário • Misleading
Comentá • Boa medida • Pode estar equivocado
• Ignora financiamento & • Usuá
Usuário deve quando fluxo de caixa
fluxo de caixa longo especificar taxa de fica positivo-
positivo-negativo-
negativo-
prazo desconto positivo
• Usar quando fluxo de
caixa restrito

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

3
Comparaç
Comparação dos Indicadores:
Exemplo de Telecomunicaç
Telecomunicações Remota

Payback Simples Valor Presente Taxa Interna de


Líquido Retorno (TIR &
(VPL) RDI)
FV vs 9 anos 4.800 $ 22%
Gerador*
Decisão
Decisão Gerador FV FV
* Taxa de desconto de 12%; 50% dívida financiada em 15 anos à 7% taxa de juros

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Indicadores de Viabilidade Financeira:


Exemplo de Telecomunicaç
Telecomunicações Remota

• RETScreen®
proporciona uma 3,8 anos para fluxo de caixa positivo
gama de
indicadores e um
grá
gráfico de fluxo de
caixa cumulativo
para o projeto
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Lidando com Incertezas:


Aná
Análise de Sensibilidade e Risco

• No ní
nível de viabilidade
preliminar, existem muitas
incertezas com relaç
relação a vá
vários
parâmetros de entrada

• Como é afetada a
lucratividade do projeto, por
valores errados fornecidos
pelo usuá
usuário?

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

4
Aná
Análise de Sensibilidade

• Mostra como muda a lucratividade do projeto quando dois


parâmetros importantes são
são alterados simultâneamente
• Por exemplo:
 Custos iniciais 10% maiores do que estimados
 Custo evitado de energia 20% maior do que estimado
 A TIR supera o limite de 15% desejada pelo usuário?

Custos iniciais

• Sim, fica em 15,


15,2%
 Combinações de custos iniciais e custos evitados de energia abaixo do limite estão
sombreados
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

5
Aná
Análise de Sensibilidade:
Parâmetros

• RETScreen® calcula a sensibilidade de…


de…
 Taxa Interna de Retorno (TIR/RDI)
 Ano-para-Fluxo de Caixa Positivo
 Valor Presente Líquido (VPL)

• …para mudar simulâneamente (por exemplo)…


exemplo)…
 ER fornecida & custo evitado de energia
 Custo inicial & custo evitado de energia
 Taxa de juros da dívida & prazo da dívida
 Redução de emissões GEE líquida & crédito por redução de emissões GEE
 ER fornecida & ER e crédito por produção

• …com mudanç
mudanças de ±x, ±½x, e 0, onde x é a faixa de sensibilidade
especificada pelo usuá
usuário
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Aná
Análise de Risco

• O usuá
usuário inseguro sobre vá
vários parâmetros:

 Usuário especifica faixa de incerteza para cada parâmetro (p.ex., ±5%)

 Todos os parâmetros simultâneamente e independentemente desviam-se da


estimativa

• Como isso afeta os indicadores financeiros?


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Aná
Análise de Risco:
Simulaç
Simulação Monte Carlo
• RETScreen® calcula a distribuiç
distribuição de frequência dos indicadores
financeiros (TIR, VPL, ano-
ano-para-
para-fluxo de caixa positivo) calculando os
valores de 500 combinaç
combinações de parâmetros
 Parâmetros variam aleatóriamente de acordo com incertezas especificadas pelo
usuário
7% do tempo TIR é 18,
18,2±0,7%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

6
Aná
Análise de Risco:
Nível de Risco
• É de apenas 10% o risco de que a TIR ocorra fora dessa faixa

7% of the time IRR is


18.2±
18.2±0.7%

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Aná
Análise de Risco:
Influência dos Parâmetros

• “Grá
Gráfico Tornado”
Tornado” revela:
 Quais parâmetros são os mais influentes

 Como alterações de parâmetros afetam após impostos TIR, VPL ou ano-para-fluxo


de caixa positivo

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Conclusões
Conclusões

• RETScreen® contabiliza fluxos de caixa devido a custos iniciais,


economia de energia, O&M, custo de combustí
combustíveis, impostos, GEE e
cré
créditos por produç
produção de ER

• RETScreen® calcula automaticamente


indicadores importantes de viabilidade financeira

• A sensibilidade dos indicadores financeiros chave®à mudanç


mudanças nas
entradas, podem ser avaliadas com o RETScreen

• Indicadores que considerem lucratividade pelo tempo de vida do


projeto, tais como TIR e VPL, são
são preferí
preferíveis ao mé
método do payback
simples

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

7
Perguntas?

www.retscreen.net
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

8
Resumo do Mó
Módulo Introdutó
Introdutório
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Foto : Nordex Gmbh

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Conclusões
Conclusões

• As tecnologias de energia limpa têm evoluido, já


já existem diversas
aplicaç
aplicações economicamente viáviáveis e os mercados estão crescendo
rápidamente

• O está
estágio de planejamento inicial é onde as tecnologias de energia limpa
devem ser corretamente avaliadas por planejadores, tomadores de decisão
e a indú
indústria

• RETScreen® simplifica avaliaç


avaliações preliminares

 Requer relativamente poucos dados de entrada


 Calcula automaticamente indicadores de viabilidade técnica & financeira
 Custa 1/10 de outros métodos de avaliação
 Procedimentos padronizados possibilitam comparações objetivas
 Aumenta o potencial para implementações bem sucedidas de projetos de energia limpa

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Crescimento da Base de Usuá


Usuários
do Software RETScreen

1
Uma Ferramenta para a Formaç
Formação
& Suporte à Decisão

Plataforma Comum para Avaliaç


Avaliação
de Projeto & Desenvolvimento

Doadores &
Financiadores

Planejadores, Software Reguladores


Empreen- & Criadores
dedores & de Políticas
Proprietários
RETScreen

Consultores &
Fornecedores de
Produtos

Perguntas?

www.retscreen.net
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA EÓLICA
Aná
Análise de Projetos de Energia Eó
Eólica
Curso Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Turbina para Distribuidora

Foto cedida por: Nordex AG

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar fundamentos dos


Sistemas de Energia Eó
Eólica

• Ilustrar consideraç
considerações importantes
para a aná
análise de projetos de Energia
Eólica

• Apresentar o Modelo de Projeto de Energia Eó


Eólica
RETScreen®

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que pode ser fornecido pelos


sistemas de energia eó
eólica?

• Eletricidade para Fazenda Eólica San Gorgino, Palm Springs, California, EUA

 Rede Central
 Redes isoladas
 Fornecimento remoto de
energia
 Bombeamento de água
…porém também…
 Reforço para redes fracas
 Exposição reduzida a
variações de preço da
energia
 Perdas reduzidas na
Foto cedida por : Warren Gretz/ NREL Pix
transmissão e distribuição
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Descriç
Descrição da Turbina Eó
Eólica

• Componentes Diagrama Esquemático de Turbina com Eixo Horizontal


Lâmina
 Rotor do rotor

 Embreagem
Área de giro Nascele com
 Torre das lâminas Diâmetro do embreagem e
Rotor Gerador
 Fundação
 Contrôles
 Gerador

• Tipos Altura do
rotor
Torre
 Eixo horizontal
ƒ Mais comun
ƒ Controles ou desenho
movimentam o rotor
contra o vento

 Eixo vertical
Ligações elétricas subterrâneas Fundação
ƒ Menos comum
(vista frontal) (vista lateral)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Utilizaç
Utilização da Energia Eó
Eólica

• Fora da Rede Fora da rede, Turbina10 kW, Mexico

 Pequenas turbinas (50 W a 10 kW)


 Carregamento de Baterias
 Bombeamento de água

• Redes Isoladas
 Turbinas típicas de 10 a 200 kW
 Reduz custo de geração em áreas
remotas: sistemas híbridos diesel-
eólicos
 Penetração alta ou baixa

• Redes Interligadas (Central)


 Turbinas típicas 200 kW a 2 MW
 Fazendas eólicas de múltiplas turbinas Foto cedida por: Charles Newcomber/ NREL Pix
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Elementos de Projetos de Energia Eó


Eólica

• Avaliaç
Avaliação dos
recursos eó
eólicos
• Avaliaç
Avaliação ambiental
• Aprovaç
Aprovação legal
• Projeto Instalação Mastro Meteorológico de 40-m, Quebec, Canada
Foto cedida por: GPCo Inc.

• Construç
Construção
 Estradas
 Linha de transmissão
 Subestações

Subestação, California, EUA


Foto cedida por: Warren Gretz/NREL Pix

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Recurso Eó
Eólico

• Alta velocidade mé
média dos ventos é
essencial
 Média anual de 4 m/s é o mínimo
 Pessoas tendem a superestimar o vento
 A velocidade do vento tende a aumentar com a
altura

• Bom recurso
1 MW Curva de Potência da Turbina
1.200
Áreas costeiras
Potência (kW)
 1.000
 Encostas de grande declividade 800
 Passagens 600
 Terrenos abertos 400
 Vales que canalizem os ventos 200

• Tipicamente mais ventilados 0


0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24
 No inverno do que no verão Velocidade do vento (m/s)
 Durante o dia do que durante a noite
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Custo do Sistema de Energia Eó


Eólica

• Fazendas Eó
Eólicas Estudo viabilidade
 1.500$/kW instalado
Desenvolvimento
 O&M: 0,01$/kWh
Engenharia
 Preço venda: 0,04$-0,10$/kWh
Turbinas
• Turbinas individuais
& redes isoladas Balanço da Planta

 Maiores custos 0% 20% 40% 60% 80%


(depende mais de cada caso) Porção do custo de instalação

 Estudo de Viabilidade, desenvolvimento


& engenharia, representam a maior parte dos custos

• Prever uma troca significativa de componentes da ordem de 20 a


25% do custo inicial
 Lâminas do rotor ou caixa de embreagem
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Consideraç
Considerações sobre Projeto de
Energia Eó
Eólica
• Bons recursos eó
eólicos reduzem drasticamente custo de
produç
produção
 Boa avaliação deste recurso é um investimento de valor

• Outras fontes de receita


 Créditos de produção da distribuidora/governo ou receitas de energia “verde”
 Venda de certificados de redução de emissões (CERs)
• Limitaç
Limitações e crité
critérios
 Aceitação ambiental
 Aceitação da população local
 Capacidade de transmissão e
interconexão à Rede

• Financiamento, taxas de juros,


taxas cambiais
Turbina da Fazenda Eólica Le Nordais, Quebec, Canada

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Exemplos: Europa e EUA
Sistemas de Energia Eó
Eólica na Rede Central

• Geraç
Geração intermitente não é problema: Fazenda eólica costeira, Dinamarca
17% da eletricidade da Dinamarca
provem de eó
eólica sem geraç
geração reserva
• Projetos de implantaç
implantação rá
rápida (2 a 4
anos) que podem crescer para atender
demanda

Foto cedida por: Danmarks Tekniske Universitet

• Terra pode ser utilizada para outros


propó
propósitos, como agricultura
• Indiví
Indivíduos, empresas e cooperativas,
as vezes possuem e operam uma
turbina individual

Fazenda Eólica em Palm Springs, California,EUA


Foto cedida por: Warren Gretz/ NREL Pix
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Índia e Canadá


Canadá
Sistemas de Energia Eó
Eólica em Rede Isolada

• Geraç
Geração de eletricidade é cara em funç
função do custo do
transporte do diesel para áreas remotas
 Turbinas eólicas reduzem o consumo de diesel

• Confiabilidade & manutenç


manutenção são importantes
Turbina 50-kW, Nunavut, Canadá

Instalação Turbina 50-kW , West Bengal, Índia

Foto cedida por: Paul Pynn/ Atlantic Orient Canada Foto cedida por: Phil Owens/ Nunavut Power Corp.
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: EUA, Brasil e Chile


Sistemas de Energia Eó
Eólica Fora da Rede

• Eletricidade para pequenas cargas em areas fora da rede, com ventos


ventos
• Baterias independentes fornecem eletricidade em perí
períodos de
calmaria
• Bombeamento de água: os reservató
reservatórios funcionam como pulmões
• Podem ser usados em combinaç
combinação com grupos geradores a
combustivel fó
fóssil e/ou com sistemas fotovoltá
fotovoltáicos em sistemas
“híbridos”
bridos”
Energia para Torre de Energia para uma vila
Sistema híbrido Energia Eólica, Chile
Telecomunicações, Arizona, EUA remota, Brasil

Foto cedida por: Foto cedida por : Roger Taylor/ NREL Pix Foto cedida por : Arturo Kunstmann/ NREL Pix
Southwest Windpower/ NREL Pix © Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
RETScreen® Modelo de Projeto de
Energia Eó
Eólica
• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de
vida e reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Rede central, rede isolada e fora
darede
 Turbinas individuais ou fazendas
eólicas
 Rayleigh, Weibull, ou distribuição
do vento definida por usuário

• Apenas 1 ponto de dado para


RETScreen® vs. 8.760 para
modelos de simulaç
simulação horá
horária

• Atualmente não incluido:


 Sistemas independentes que
necessitem de armazenamento
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen®
Cálculo de Energia Eó
Eólica
Calcular curva de
energia

Calcular produção de
energia não ajustada

Calcular produção
bruta de energia

Calcular energia
renovável coletada

Calcular energia
renovável despachada

Ver e-Manual
Análise de Projeto de Energia Limpa: Calcular outros
RETScreen® Engenharia e Casos valores auxiliares

Capitulo de Análise de Projeto de Energia Eólica

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo de Validaç
Validação de Modelo de Projeto
de Energia Eó
Eólica RETScreen®

• RETScreen® comparado com o simulador horá


horário HOMER
 10 turbinas de 50 kW cada instaladas em Kotzebue, Alaska

 Estimativa anual de produção de energia RETScreen divergiu 1,1% do HOMER

• RETScreen® comparado a dados monitorados do mesmo


sistema:

Perí
Período RETScreen Energia Diferenç
Diferença
Energia Monitorada
(MWh) (MWh)

1998 250 271 -8%


(3 turbinas)
1999-
1999-2000 1.057 1.170 -10%

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Conclusões

• Turbinas eó
eólicas fornecem eletricidade interligadas ou não
às redes, em qualquer lugar do mundo
• Uma boa disponibilidade de vento é um fator importante
para um projeto bem sucedido
• Disponibilidade de cré
créditos de produç
produção ou tarifas de
“energia verde”
verde” são importantes para projetos interligados
à rede
• RETScreen® calcula a produç
produção de energia usando dados
anuais, com precisão compará
comparável às simulaç
simulações horá
horárias
• RETScreen® pode gerar economia significativa no custo
do estudo de viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Energia Eólica


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE PEQUENAS HIDRO
Aná
Análise de Projeto de Pequenas Hidro
Curso Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Projeto de pequena hidro à fio dágua, Canadá

Foto cedida por: SNC-Lavalin

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisão dos conceitos bá


básicos
Sistemas de Pequenas Hidro

• Ilustrar consideraç
considerações chave para
aná
análise de projetos de Pequenas Hidro

• Apresentar RETScreen® Modelo de Projeto de Pequenas


Hidro

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que fornecem sistemas de pequenas


hidro?

• Eletricidade para
 Rede Central
 Redes isoladas

 Fornecimentos remotos de
energia

…mas também…
 Confiabilidade
Foto cedida por : Robin Hughes/ PNS

 Custos operacionais muito baixos


 Exposição reduzida à volatilidade no preço
da energia

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Descriç
Descrição do Sistema de Pequena
Hidro

Lâmina d`água
Barragem Altura (m)
e captação

Casa de Força

Grade de proteção
adução Painel de contrôle
Conexão à rede
Pátio de
manobra

Vazão (m3/s)
gerador Tubo de
dreno
turbina
Potência ≈ 7 x Altura x Vazão Corredeira

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Projetos de “Pequenas”
Pequenas” Hidro

• “Pequena”
Pequena” não é uma definiç
definição universal
 Porte do projeto relacionado não apenas à capacidade elétrica,
porém também altura da queda d`água

Potência RETScreen® RETScreen®


Típica Vazão diâmetro do fluxo

Micro < 100 kW < 0,4 m3/s < 0,3 m

Mini 100 a 1,000 kW 0,4 a 12,8 m3/s 0,3 a 0,8 m

Pequena 1 a 50 MW > 12,8 m3/s > 0,8 m

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Tipos de Projetos de Pequenas Hidro

• Tipos de rede 17,6-MW Projeto de Hidro à Fio d`água,


Massachusetts, EUA

 Rede central
 Rede isolada ou fora da rede

• Tipos de obras civis


 A fio d`água (de passada) Foto cedida por : PG&E National Energy Group/
Low Impact Hydropower Institute

ƒ Sem reservatório de água 4,3-MW Projeto de Hidro à Fio d`água,


Oregon, EUA
ƒ Potência varia conforme vazão do rio:
menor potência firme
 Reservatório
ƒ Maior potência firme durante ano
ƒ Normalmente necessita grande barragem

Foto cedida por : Frontier


Technology/ Low Impact Hydropower Institute
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Componentes: Obras civis

• Tipicamente responsá
responsável por 60% dos custos iniciais da planta
• Barragem de transbordamento
 Barragem baixa de construção simples para fio d`água
 Concreto, madeira, alvenaria
 Custo da barragem pode inviabilizar projeto

• Passagem da Água
 Captação com grade e comporta; tubo de descarga
na saída
 Tunel escavado, tunel subterrâneo ou adutora
 Válvulas/comportas na entrada/saída da turbina,
para manutenção Foto cedida por : Ottawa Engineering

• Casa de Forç
Força
 Abriga Turbinas, equipamentos elétricos e mecânicos
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Componentes: Turbina

• Versões reduzidas das grandes turbinas hidro Turbina Pelton

• Possivel eficiência de 90%


• Em fio d`á
d`água, vazão é bastante variá
variável
 Turbina deve funcionar bem para variações de vazão
ou utilizar múltiplas turbinas Foto cedida por : PO Sjöman Hydrotech
Consulting

• Reaç
Reação: Francis, hé
hélices fixas, Kaplan Turbina Francis

 Para uso em alturas baixas a médias


 Turbinas submersas usam pressão da água e energia
cinética

• Impulso: Pelton, Turgo, fluxo transversal


 Para uso em grandes alturas
 Usa energia cinética de um jato d`água de alta velocidade Foto cedida por : PO Sjöman Hydrotech
Consulting
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Componentes:
Equipamentos Elé
Elétricos e Outros

• Gerador
 Indução
ƒ Deve ser ligado a outros geradores
ƒ Usado para enviar eletricidade a grandes redes

 Síncrono
ƒ Pode funcionar isoladamente de outros geradores
ƒ Para uso individual e redes isoladas

• Outros equipamentos
 Ampliador de velocidade para compatibilizar turbina ao gerador
 Válvulas, controles eletrônicos, dispositivos de proteção
 Transformador

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Recursos Hí
Hídricos Mundiais

• Caem mais chuvas nos continentes do que deles se evaporam


• Para equilibrio, chuvas devem retornar aos oceanos atravé
através
dos rios
Potencial Técnico % Desenvolvido
(TWh/ano)
Africa 1.150 3
Sul da Asia e Médio Oriente 2.280 8
China 1.920 6
Antiga União Soviética 3.830 6
América do Norte 970 55
América do Sul 3.190 11
América Central 350 9
Europa 1.070 45
Australásia 200 19
Fonte: Renewable Energy: Sources for Fuels and Electricity, 1993, Island Press.
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Recursos Hí
Hídricos na Planta

• Dependem da planta: um rio explorá


explorável é necessá
necessário!
 Varia a elevação em distancias relativamente pequenas (altura / queda)
 Variação aceitável do fluxo ao longo do tempo: curva de duração da
vazão
ƒ Fluxo residual reduz fluxo disponível para potência

• Estimar variaç
variação da Curva de duração da vazão
curva de duraç
duração da
50,0
Vazão (m³/s)

vazão com base em 40,0


30,0
 Medições da vazão ao
20,0
longo do tempo
10,0
 Dimensão do dreno acima
da planta, extravazão
específica e forma da 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
curva de duração da Porcentagem vazão tempo equalizada ou excedida (%)

vazão
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Custo do Sistema de Pequena Hidro

• 75% dos custos dependem da planta


• Altos custos iniciais
 Porém obras civis e equipamentos podem durar > 50 anos

• Custos de manutenç
manutenção e operaç
operação muito baixos Foto cedida por : Ottawa Engineering

 Um operador a tempo parcial é suficiente

 Manutenção periódica de equipamentos principais requer serviço externo

• Desenvolvimento de grandes quedas(alturas) tendem a ser menos caro


caro

• Faixa títípica: 1.200$ a 6.000$ por kW instalado

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
Projeto de Pequenas Hidro
Consideraç
Considerações
• Manter custos baixos com desenho prá
prático e simples, estruturas
civis de fá
fácil construç
construção

• Barragens e estruturas civis existentes podem ser utilizadas


• Perí
Período de desenvolvimento de 2 a 5 anos
 Estudos ambientais e de recursos: aprovação

• Quatro fases para trabalho de engenharia:


 Estudos hidráulicos e pesquisas de
reconhecimento
 Estudo de pré-viabilidade
 Estudo de viabilidade
Foto cedida por : Ottawa Engineering

 Planejamento do sistema e projeto de engenharia


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Pequenas Hidro
Consideraç
Considerações Ambientais
• Desenvolvimento de pequenas hidro pode mudar
 Habitat de peixes

 Estética da planta

 Uso recreativo / navegacional

• Exigências de estudos de impacto e ambientais dependem da planta e


do tipo de projeto:
 À fio d`água em barragens existentes: relativamente menor

 À fio d`água em locais subdesenvolvidos : construção de


barragem/vertedouro/extravazadouro

 Desenvolvimento do armazenamento de água: impacto maior que


aumenta com a escala do projeto
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Eslovakia, Canadá


Canadá e EUA
Sistemas de Pequenas Hidro
na Rede Central
Desenvolvimento Pequena
Hidro, Sudeste, EUA

• Usinas à fio d`á


d`água alimentarão a rede
quando vazão disponí
disponível
• De concessioná
concessionária ou produtor independente
com PPA de longo prazo
Foto cedida por : CHI Energy

2,3-MW, 2 Turbinas, Jasenie, Eslovakia Desenvolvimento Pequena Hidro,Newfoundland,Canadá

Foto cedida por : Emil Bedi (Foundation for Alternative Energy)/ Inforse Foto cedida por : CHI Energy
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Exemplos: EUA e China
Sistemas de Pequenas Hidro em Rede
Isolada
Geradores Pequena Hidro, China

• Comunidades remotas

• Residencias remotas &


indú
indústria

Foto cedida por : International Network


on Small Hydro Power

• Preç
Preço mais alto pago pela
eletricidade

• Projetos à fio d`á


d`água
tipicamente necessitam de
capacidade suplementar e
King Cove 800 kW Sistema Pequena Hidro,
Cidade de 700 Pessoas podem ter excesso de vazão
Foto cedida por : Duane Hippe/ NREL Pix
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Pequenas Hidro


Modelo de Projeto

• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de
vida e reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Rede central, rede isolada e fora
da rede
 Micro hidro de turbina simples a
pequena hidro de multiplas turbinas
 Método de custeio por “Formula”

• Atualmente não cobertos:


 Variações sazonais em cargas
de rede isolada
 Variações da altura em projetos
de armazenamento (usuário deve
fornecer valor médio)
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Pequenas
Hidro Cá
Cálculo de Energia Curva de
duração da
vazão
Curva de
duração da
carga

Cálculo da curva
de eficiência da
turbina

Cálculo da
capacidade da
planta

Cálculo da curva
de duração da
potência

Cálculo da energia
renovável disponível

Ver e-Manual
Análise de Projeto de Energia Limpa:
Cálculo da energia
RETScreen® Engenharia e Casos Cálculo da energia renovável
renovável despachada (rede
Capítulo de Análise de Projeto de Pequenas Hidro despachada (rede isolada e Fora da
central) rede)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
Exemplo Validaç
Validação do RETScreen® Modelo
de Projeto de Pequenas Hidro

• Eficiência da Turbina
100%
 Comparada com dados
dos fabricantes para uma 80% Fabricante

Eficiência (%)
instalação de 7 MW GEC RETScreen
turbina Alsthom Francis 60%

• Capacidade da planta & 40%

saí
saída 20%
Curvas eficiência turbinas:
RETScreen vs. Fabricante
 Comparado com HydrA 0%
para planta na Escócia 0% 20% 40% 60% 80% 100%
Porcentagem vazão nominal
 Todos os resultados com
6,5%
• Método de custeio pela fó
fórmula
®
 Comparado com RETScreen , com 11% da estimativa detalhada de custo
para um projeto de 6 MW project em Newfoundland
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Conclusões

• Projetos de pequenas hidro (até


(até 50 MW) podem fornecer
eletricidade para redes central ou isolada e para fornecimento
remoto de energia
• Projetos à fio d`á
d`água:
 Menores custos e menor impacto ambiental
 Mas necessitam de energia reserva em sistemas isolados

• Custos iniciais altos e 75% dependem do local


• RETScreen® estima a capacidade, a capacidade firme, saí
saída e
custos baseados nas caracterí
características do local, tais como curva de
duraç
duração da vazão e queda(altura)
• RETScreen® pode trazer economias significativas dos custos do
estudo de viabilidade preliminar © Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Pequenas Hidro


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

7
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO FOTOVOLTÁICO
Aná
Análise de Projeto Fotovoltaico (FV)
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Fotovoltaicos no National Research Laboratory, Quebec, Canada

Foto cedida por: CANMET Energy Technology Centre -Varennes

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisão bá
básica sobre sistemas
Fotovoltaicos (FV)

• IIustrar consideraç
considerações chave para
aná
análise de projeto FV

• Apresentar o Modelo de Projeto


RETScreen FV ®

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que pode fornecer um sistema FV?

Sistema de Iluminação Casa Solar,


• Eletricidade (CA/CC) West Bengal, India

• Água Bombeada
…mas também…

 Confiabilidade

 Simplicidade

 Modularidade

 Imagem

 Silêncio

Foto cedida por : Harin Ullal (NREL PIX)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Componentes dos Sistemas FV

• Módulos
Células

• Armazenamento: baterias,
tanque

• Condicionador de Forç
Força
 Inversor
 Controlador de carga Células FV
Módulo
 Retificador Fonte: Photovoltaics in Cold Climates, Ross & Royer, eds.

 Conversor CC-CC

• Outros geradores : diesel/gasolina, turbina eó


eólica

• Bomba
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sistemas em Rede

• Integraç
Integração FV Central de Geração FV

 Distribuida
 Centralizada

• Tipo de Rede
 Central Medidor

 Isolada Geração
distribuída
Medidor

• Normalmente não Rede


Elétrica

é viá
viável sem
subsí
subsídio
Fonte: Photovoltaics in Cold Climates, Ross & Royer, eds.

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sistemas fora da rede

• Configuraç
Configuração Células FV
Grupo

 Individual Gerador

 Híbrido Acumulador de
Energia

• Normalmente bastante viá


viável
 Melhor pequenas cargas (< 10 kWp)
Banco de
Baterias
 Menor custo de capital do que Transmissor de Rádio - TV

expansão da Rede

 Menor custo de O&M do que grupos


geradores e baterias primárias

Fonte: Photovoltaics in Cold Climates,


Ross & Royer, eds.

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Sistemas de Bombeamento de Água

• Sistema de classe especial de fora Células PV

da rede

• Normalmente custo viá


viável Acumulador de
Energia

 Água para animais


Bomba
 Fornecimento de água local

 Fornecimento de água doméstico

Fonte: Photovoltaics in Cold Climates,


Ross & Royer, eds.

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Recurso Solar

• 1 Wp de FV= 800 a 2.000 Wh por ano


 Latitude
 Nebulosidade

• Recurso solar no inverno crí


crítico para
sistemas fora da rede
 Maiores ângulos de absorção (latitude +15º)
 Sistemas híbridos
Foto cedida por : Environment Canada

• Recurso solar anual crí


crítico para sistemas em rede
 Ajuste quando grande proporção de radiação luminosa

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Correlaç
Correlação Carga-
Carga-Solar

Positivo Negativo

• Correlaç
Correlação Sazonal
 Irrigação

 Sistemas cabana
Foto cedida por : Fonte: Photovoltaics in Cold
Sandia Nat. Lab. (NREL PIX) Climates, Ross & Royer, eds.

• Correlaç
Zero
Correlação Diurna
 Positiva, zero & negativa

Foto cedida por : BP Solarex (NREL PIX)


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Exemplos de Custos de Sistemas FV

 Casa em rede,  Telecom hibrida fora da rede,


1 kW (38ºN, California) 2,5 kW (50ºS, Argentina)

Célula
Bateria
célula
Des.&Instal.
Inversor Grupo ger.
Instal combustível
Misc. Operação
Misc

 Energia = 1,6 MWh/ano  Energia = 5 MWh/ano, (FV=50%)


 Custo = 0,35$/kWh  Custo = 2,70$/kWh
 Custo Rede = 0,08$/kWh  Custo Grupo gerador/Bateria =
4,00$/kWh
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Consideraç
Considerações Projeto Fotovoltaico

• Distancia até
até a rede • Aspectos Sociais
• Custo das visitas de campo • Valores intangí
intangíveis
 Imagem
• Custos de O&M  Beneficios ambientais

• Confiabilidade vs. custo  Barulho e poluição visual


reduzidos
• Gerenciamento expectativas  Modularidade & simplicidade

Estação Repetidora NorthwesTel Mountaintop, Northern British Columbia, Canadá

Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Tibet, Botswana, Swazilandia e Kenya


Luz solar e Sistemas Domé
Domésticos FV

• Custo ampliaç
ampliação da rede proibitivo

• Pequenas cargas Batik para fins educacionais Sistema solar residencial

• Manutenç
Manutenção local

• Simples
• Confiá
Confiável Foto cedida por : Frank Van Der Vleuten Foto cedida por : Simon Tsuo (NREL PIX)
(Renewable Energy World)

Residencia do pessoal da clínica médica Sistema solar residencial

Foto cedida
por: Energy Foto cedida por : Energy Research Center
Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky
Research
of the Netherlands
Center of the
Netherlands
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
Exemplos: Finlandia e Canadá
Canadá
Cabanas Remotas e Residências

• Modular Cabana Residencia

• Simples
• Ruido reduzido
• Sem rede de Foto cedida por : Fortum NAPS (Photovoltaics in Cold
Climates)
Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky

energia Sistema Híbrido

• Cabanas:
correlaç
correlações sazonais de
carga

• Ao longo do ano:
sistemas hí
híbridos Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Morocos e Brasil


Sistemas de Energia em Vilas Hí
Híbridas

• Custo ampliaç
ampliação da rede proibitivo
• Custo do diesel e da manutenç
manutenção do grupo gerador altos
• Aspectos humanos
Vila
 Expectativas
 Necessidade de gestão
 Impactos sociais

Escola rural

Foto cedida por : BP Solarex (NREL PIX) Foto cedida por : Roger Taylor (NREL PIX)
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Antá
Antártida e Canadá
Canadá
Sistema Industrial:
Industrial: Telecomunicaç
Telecomunicações &
Monitoramento

• Locais muito remotos…


remotos…
 Custo de O&M
 Grupo gerador e FV
complementares

• …e mesmo Sistema de monitoramento sísmico

locais prox. de redes …


Foto cedida por : Northern Power Systems
(NREL PIX)

 Custo do transformador
 Pode ser realocado
Sistema Monitoramento Poço Gás
 Mais confiável do que rede Foto cedida por : Soltek Solar Energy

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Exemplos: Suiç
Suiça e Japão
Edifí
Edifícios em Rede com FV

• Normalmente não
viá
viável sem subsí
subsídio

• Justificá
Justificável por:
 Imagem
Sistema telhado solar
Foto cedida por : Atlantis Solar Systeme AG
 Benefícios ambientais
 Estímulo do mercado

• Compromissos de longo prazo entre


governos, fabricantes e concessioná
concessionárias
têm reduzido os custos
Revestimento escritórios PV
Foto cedida por : Solar Design
Associates (IEA PVPS)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Índia e EUA


Sistemas FV de Bombeamento d`Á
d`Água
Água domiciliar

• Viá
Viável quando fora da rede

• Correlaç
Correlação de carga
 Armazenamento em tanque d`água
 Correlação sazonal de carga

• Melhoria da qualidade da água


Sistema de água para gado

• Conveniente

• Confiá
Confiável

• Simples Foto cedida por : Jerry Anderson, Foto cedida por : Harin Ullal,
Northwest Rural Public Power District (NREL PIX) Central Electronics Ltd. (NREL PIX)
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Fotovoltaico
Modelo de Projeto

• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de vida e
reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Em rede (central ou isolada)
 Fora de rede (FV-bateria ou
FV-grupogerador-bateria)
 Bombeamento de água

• Apenas 12 pontos de dados


®
para RETScreen vs. 8.760 para
modelos de simulaç
simulação horá
horária

• Atualmente não incluidos:


 Sistemas concentradores
 Cálculos da probabilidade de perda
de carga
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
RETScreen®
FV Cálculo de Energia
Calcular radiação
solar no plano da
célula FV

Calcular energia
fornecida pela célula FV

Modelo de
Modelo em rede Modelo fora da rede bombeamento d`água

Calcular demanda atendida Multiplicar pela


Calcular perdas
diretamente pela célula FV Eficiência média
no inversor
(demanda atendida) bomba/sistema

Calcular falta de Calcular demanda Converter em


absorção pela rede atendida por baterias energia hidráulica

Calcular demanda
atendida por
grupo gerador
Ver e-Manual
Análise de Projeto de Energia Limpa:
RETScreen® Engenharia e Casos
Calcular energia despachada
Capítulo de Análise de Projeto Fotovoltaico

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo Validaç
Validação do
RETScreen® Modelo de Projeto FV

• PV/grupogerador/bateria sistema hí
híbrido na Argentina
comparado com simulador horá
horário HOMER
 500 WAC carga
 1 kWp célula, 60 kWh bateria, 7,5 kW grupogerador, 1 kW inversor

160 250

HOMER HOMER
140 RETScreen RETScreen

200
120
Grupo gerador Consumo (L)
FV Energia (kWh)

100
150

80

100
60

40
50
20

0 0
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Mês Mês

Comparando Produção Energia FV calculada por RETScreen e HOMER Comparando Consumo combustível Grupogerador calculado RETScreen e HOMER

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Conclusões

• Eletricidade FV em rede & fora rede, bombeamento d`á


d`água
• O recurso solar é bom em todo o mundo
 Sistemas FV instalados em todos os climas

• Custo de capital é alto


 Viável fora da rede
 Necessita subsídio quando em rede

• RETScreen permite aná


análise anual com recurso de cá
cálculos ®

mensais que pode atingir precisão compará


comparável a modelos
de simulaç
simulação horá
horária
• RETScreen pode propiciar reduç
redução substancial dos custos ®

do estudo de pré
pré viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

7
Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto Fotovoltáico


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

8
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE COGERAÇÃO
Aná
Análise de
Projeto de Cogeraç
Cogeração
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Planta de Cogeração
Foto cedida por: Warren Gretz, DOE/NREL PIX
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Objetivos

• Revisar conceitos bá
básicos de Sistemas de
Cogeraç
Cogeração

• Ilustrar consideraç
considerações bá
básicas sobre a
aná
análise de projetos de Cogeraç
Cogeração

• Introduç
Introdução ao Modelo de Projeto de
Cogeraç
Cogeração do RETScreen
® ®

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

O que fornece um sistema de


Cogeraç
Cogeração ?

• Eletricidade
Usina alimentada à Biomassa, USA
• Calor
 Edifícios
 Comunidades
 Processos Industriais

…porém também…
• Aumento da eficiência
energé
energética
• Reduç
Redução de resí
resíduos e
emissões
• Reduç
Redução de perdas por T&D
Foto cedida por: Andrew Carlin, Tracy Operators/NREL PIX

• Uma oportunidade para utilizar


sistemas de energia distritais
• Refrigeraç
Refrigeração © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

1
Motivaç
Motivação para Sistema de
Cogeraç
Cogeração

• Sistema de energia central traditional, é ineficiente


 Metade a dois terços da energia é perdida em calor
 Esse calor, de outra forma perdido, pode ser utilizado em processos
industriais, aquecimento de água ou ambiente, refrigeração, etc.

• Normalmente,
Biomassa renovável

eletricidade tem geotérmica 1.024


Planta de
Carvão 17.075 Energia para

mais valor do
Perdas de conversão da uso próprio
produção térmica 24.726 963

Perdas na

que o calor Óleo 3.215


Fornecimento
total de energia
transmissão e
distribuição
1.338
primária para
Gás 8.384 produção de
eletricidade Indústria 5.683
40.180 Produção Produção líquida Eletricidade
bruta de de eletricidade fornecida a
Nuclear 7.777 eletricidade 14.491 clientes Não indústria 7.470
15.454 13.153
Hidro 2.705

Adaptado de: World Alliance for Decentralized Energy


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

O Conceito da Cogeraç
Cogeração

• Produç
Produção simultânea de dois ou mais tipos de energia, a partir de
uma única fonte de energia.
• Uso do calor de exaustão de um equipamento de geraç
geração de
eletricidade.

Gas de Exaustão
Eficiência da recuperação de calor (55/70) = 78,6% 15 unidades
Calor
Eficiência Total ((30+55)/100) = 85,0%
55 unidades
Caldeira de Carga
Recuperação térmica

Calor + Exaustão

Combustível 70 unidades
100 unidades Eletricidade
30 unid.
Carga
Sistema de Energia Gerador
Elétrica

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Descriç
Descrição da Cogeraç
Cogeração
Equipamentos & Tecnologias

• Equipamento de Refrigeraç
Refrigeração
 Compressor
 Chiller de Absorção
 Bomba de calor, etc.

• Equipamento de Calor
 Caldeira/Forno/Aquecedor
 Recuperação de calor residual Turbina à Gas
 Bomba de calor, etc. Foto cedida por: Rolls-Royce plc

• Equipamento de Eletricidade
 Turbina a Gas
 Turbina à Gas de ciclo combinado
 Turbina à vapor
 Máquina alternativa
 Célula de combustível, etc.
Equipamento de Refrigeração
Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

2
Descriç
Descrição da Cogeraç
Cogeração (cont.)
Tipos de Combustí
Combustível

• Combustí
Combustíveis fó
fósseis
 Gas natural
 Diesel (óleo tipo #2)
 Carvão, etc.

• Combustí
Combustíveis Renová
Renováveis
 Resíduos de madeira
Biomassa para Cogeração
 Gas de Lixo (LFG) Foto cedida por: Warren Gretz, DOE/NREL

 Biogás Geiser Geotérmico


 Subprodutos agrícolas
 Bagaço
 Reflorestamentos, etc.

• Energia Geoté
Geotérmica
• Hidrogênio, etc. Foto cedida por: Joel Renner, DOE/ NREL PIX

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Descriç
Descrição da Cogeraç
Cogeração (cont.)
Aplicaç
Aplicações

• Edifí
Edifícios individuais Cogeração Prefeitura de Kitchener

• Comé
Comércio e Indú
Indústria
• Condomí
Condomínios
• Sistemas de energia distritais
(ex. comunidades)
• Processos industriais Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan

Cogeração de GFL para sistema de calefação distrital, Suécia

Micro turbina em estufa


Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Sistemas de Energia Distritais

• O calor de uma planta de Cogeraç


Cogeração pode ser distribuido para
vários pré
prédios vizinhos, para aquecimento e refrigeraç
refrigeração
 Tubos de aço isolados são enterrados entre 0,6 e 0,8 m

• Vantagens na comparaç
comparação com sistemas independentes para
cada pré
prédio: Planta de Energia distrital Rede de distrib. de água quente
 Maior eficiência
 Controle de emissões em
uma única planta
 Segurança
 Conforto
 Conveniência operacional
Foto cedida por: SweHeat Foto cedida por: SweHeat

• Custos iniciais normalmente mais altos


© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

3
Custos do Sistema de Cogeraç
Cogeração

• Grande variaç
variação de custos
• Custos iniciais RETScreen tipo de equipamento de energia Custo típico instalado ($/kW)

Equipamento para
Máquina à pistão 700 a 2.000

Turbina à gas 550 a 2.500
geração de eletricidade Turbina à gas – ciclo combinado 700 a 1.500
Turbina à vapor 500 a 1.500
 Equipamento de calefação Sistema geotérmico 1.800 a 2.100

 Equipamento de refrigeração Célula de combustível 4.000 a 7.700


Turbina eólica 1.000 a 3.000
 Interconexão elétrica Turbina hidráulica 550 a 4.500

 Vias de acesso Módulo fotovoltáico 8.000 a 12.000


Nota: Custo tipico instalado em dólares Canadenses $, base 1 de janeiro 2005. Taxa de

 Rede de energia distrital


câmbio aproximada à época: 1 CAD = 0,81 USD e 1 CAD = 0,62 EUR

• Custos incidentes
 Combustível
 Operação e manutenção
 Reparo e reposição de
equipamentos
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Consideraç
Considerações sobre projetos de
Cogeraç
Cogeração

• Fornecimento de combustí
combustível por longo prazo e confiá
confiável
• Investimentos devem ser mantidos sob contrôle
• Necessita de “clientes”
clientes” para calor e eletricidade
 Deve-se negociar a venda da eletricidade para a rede, caso não utilizada
integralmente na planta

• Normalmente a planta é dimensionada para a carga té


térmica de base
(p.ex. Carga té
térmica mí
mínima sob condiç
condiçoes normais de operaç
operação)
 Demanda térmica normalmente equivale a algo entre 100% e 200% da demanda
elétrica.
 O calor pode ser utilizado para geração de frio através de chillers de absorção)

• Risco associado à incerteza de custos futuros da eletricidade/gas


natural

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Exemplo: Canadá
Canadá
Pré
Prédios Individuais

• Pré
Prédios que necessitam de
aquecimento, refrigeraç
refrigeração e uma fonte
confiá
confiável de eletricidade
 Hospitais, escolas, edifícios comerciais, prédios
agrícolas, etc.
Hospital, Ontario, Canada
Foto cedida por: GE Jenbacher

Máquina de pistão Caldeira de Recuperação de calor


Foto cedida por: GE Jenbacher Foto cedida por: GE Jenbacher
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

4
Exemplo: Sué
Suécia e EEUU
Condomí
Condomínios

• Condomí
Condomínios atendidos por uma central de calor e
eletricidade
 Universidades, complexos comerciais, comunidades, hospitais,
complexos industriais, etc.
 Sistema energético distrital

Planta de energia distrital Turbina utilizada em MIT, Cambridge, Mass. EEUU


Foto cedida por: SweHeat

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Exemplo: Brasil
Processos Industriais

Bagaço para calor de processo em Usina, Brasill


• Indú
Indústrias com demandas altas e
constantes de calor e refrigeraç
refrigeração, são
bons candidatos à Cogeraç
Cogeração
Combustível

Combustor

Turbina à Carga
Compressor gás Gerador elétrica

Foto cedida por: Ralph Overend/ NREL Pix


Gás de exaustão

• També
Combustível –
Ar
duto de
alimentação
Caldeira de
recuperação
vapor
Também é o caso de
Turbina à vapor Gerador
Carga empresas que
elétrica
produzem resí
resíduos que
Porta de
extração
Porta de contra-
pressão
podem ser utilizados
Água de
Carga Carga
para gerar calor e
eletricidade
alimentação
térmica térmica

Condensador

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Examplo: Canadá
Canadá e Sué
Suécia
Gás de aterro sanitá
sanitário

• Aterros sanitá
sanitários produzem
metano à medida em que ocorre Ciclo de Coleta do
a decomposiç
decomposição da maté
matéria Gás do Aterro Produção de Vapor

orgânica Sanitário
• Que pode ser usado como
combustí
combustível para refrigeraç
refrigeração, Processo

calor ou projetos de eletricidade Sistema de tubos para


coleta do Gás Compressor
Resfriador
/secador Produção de Energia
Filtro

Tocha

Foto cedida por: Gaz Metropolitan

Cogeração com GFL para sistema de calefação distrital, Suécia


Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

5
Modelo de Projeto de Cogeraç
Cogeração
RETScreen ®

• Aná
Análise global de produç
produção de energia, custo do ciclo de vida e reduç
redução
das emissões de gases de efeito estufa
 Refrigeração, calor, eletricidade e
todas as suas possíveis combinações
 Turbinas à Gás ou à vapor, máquinas
à pistão , células de combustível,
caldeiras, compressores, etc…
 Vasta gama de combustíveis, desde
combustíveis fósseis até biomassa e
geotérmica
 Variedade de estratégias de operação
 Ferramenta de gás de aterro sanitário
 Sistemas de energia distritais

• També
Também incluem:
 Múltiplos idiomas, seletor de
unidades, e ferramentas do usuário

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Modelo de Projeto de ®
Combustível
Sistema Calor Carga
de calor calor
Cogeraç
Cogeração RETScreen

• Aplicá
Aplicável para vá
vários Calor Calor
tipos de projetos Recuperado

 Apenas Calor
 Apenas eletricidade Sistema de Frio Carga
resfria- resfria-
 Apenas refrigeração mento mento

 Combinação de calor e
eletricidade
 Combinação de refrigeração e Eletricidade
eletricidade
 Combinação de calor e
refrigeração Combustível Sistema Eletricidade Carga
de
Energia elétrica
 Combinação de refrigeração,
calor e eletricidade
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Modelo de Projeto de Cogeraç


Cogeração
RETScreen - Sistemas de Calor ®

Carga de
Carga (kW)

ponta de
calor

Carga intermediária
de calor

Carga de base de
calor

jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez

Meses

calor eletricidade resfriamento

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

6
Modelo de Projeto de Cogeraç
Cogeração
RETScreen - Sistema Refrigeraç
Refrigeração ®
Carga (kW)

Pico de carga
resfriamento

Carga de base
resfriamento
jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez

Meses

calor eletricidade resfriamento

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Modelo de Projeto de Cogeraç


Cogeração
RETScreen - Sistemas Elé
Elétricos ®
Carga (kW)

Carga de pico
eletricidade

Carga intermediária
eletricidade

Carga de base
eletricidade

jan fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez

Meses

calor eletricidade resfriamento

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

RETScreen ®

Cálculo de Energia Cogeraç


Cogeração Estimar carga e demanda:
• Projeto de calor
• Projeto de resfriamento
• Projeto de eletricidade

Definir características dos


equipamentos

Calcular a energia utilizada e o


consumo de combustível
correspondente

Ver e-Livrotexto
Análise de Projeto Energia Limpa:
RETScreen® Engenharia e Casos
Fluxograma simplificado do Modelo de
Capítulo de Análise de Projeto de Calor e Eletricidade Cogeraç
Cogeração de energia
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

7
Validação do Modelo de
Exemplo Validaç
Cogeração RETScreen
Projeto de Cogeraç ®

• Validaç
Validação geral por consultor independente (FVB Energy Inc.) e
diversos testadores beta de indú
indústrias, distribuidoras, governos e
acadêmicos
• Comparado com diversos outros modelos e/ou dados medidos,
com resultados excelentes (p.ex. Cá
Cálculos da eficiência de
simulação de processo da
turbinas comparados com software de simulaç
GE chamado GateCycle)
Comparação do Cálculo da Eficiência da Turbina à Vapor
Teste Vazão de Vazão de Saída Vazão de Eficiência GateCycle RETScreen
Entrada, P, T Extração, Pot. Saída (MW) Cogeração
P, T Kpph/psia/F P, T Pot. Saída (MW)
1 50/1000/750 40/14/210 10/60/293 80% 3.896 3.883

2 50/1000/545 50/60/293 0 80% 2.396 2.404

3 50/450/457 50/60/293 0 80% 1.805 1.827

4 50/450/457 50/14,7/212 0 81% 2.913 2.915

Kpph = 1.000 lbs/hr © Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Conclusões
Conclusões

• Sistemas de Cogeraç
Cogeração usam de forma eficiente o calor
que seria perdido

• RETScreen calcula as curvas de demanda e consumo,


energia fornecida e consumo de combustí
combustível para vávárias
combinaç
combinações de calor, refrigeraç
refrigeração e/ou eletricidade,
utilizando dados mí
mínimos de entrada

• RETScreen fornece valores representativos de economia


para estudos de viabilidade preliminares

© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Cogeração


®
RETScreen International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais, favor visitar o Website do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministério de Recursos Naturais do Canadá 2001 – 2005.

8
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE CALOR A PARTIR DA BIOMASSA
Calor a partir da Biomassa
Aná
Análise de Projeto
Curso Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Planta Aquecimento Distrital por Biomassa, Suécia

Foto cedida por: Bioenerginovator

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar conceitos bá
básicos
do Sistemas de Calor a partir da
Biomassa

• Ilustrar consideraç
considerações a respeito da
Aná
Análise de Calor a partir da Biomassa

• Introduzir o Modelo RETScreen® de Projeto de Calor a


partir da Biomassa

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que fornece um sistema de


calor a partir da Biomassa?

• Aquecimento para
 Edificios Planta de Aquecimento Distrital,
Calor oriundo de semente de girasol, Alemanha
 Comunidades
 Processos Industriais

…porém também…

 Criação de empregos
 Utilização para materiais
residuais
 Uma oportunidade para
utilizar aquecimento distrital
e recuperação de calor Foto cedida por : Centrales Agrar-Rohstoff-Marketing- und Entwicklungs-Netzwork
residual

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Descriç
Descrição do Sistema de Calor a partir
da Biomassa
• Planta de Aquecimento
Pequeno pacote de resíduo de madeira em Bales, Finlandia
 Sistema de recuperação de calor
residual
 Sistema de combustão à Biomassa
para carga de base
 Systema de aquecimento para carga
de Pico
 Sistema redundante opcional

• Sistema Distribuiç
Distribuição de Calor
 Fornecimento de água quente,
retorno de água fria
Foto cedida por : Bioenergia Suomessa
 Para edificios individuais ou aquecimento distrital

• Operaç
Operação de fornecimento de combustí
combustível
 Recepção, armazenagem e transporte de combustíveis
 Automatismo típico para transfêrencia do combustível do tanque diário para a
combustão
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Descriç
Descrição do Sistema de Calor a partir
da Biomassa(Cont.)

Recepção de
combustível Biomassa
Fornecimento de Sistema de exaustão
(alimentador) Caldeira de
água quente e chaminé
apoio e pico
Trocador de calor

Armazenamento Coletor de
de combustível partículas
Biomassa
Transferência
(alimentador)

Transporte de combustível Câmara de combustão Remoção e armazenamento


Biomassa (alimentador) de cinzas

Diagrama: Guia do Comprador de Pequenos Sistemas Comerciais de Combustão de Biomassa NRCan

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sistemas de Carga de Base vs. de


Pico

Os sistemas de Biomassa podem ser dimensionados por:

• Carga de Pico Gráfico de Projeto do Sistema


RCR Biomassa Pico

 Uso de bio-combustível maximizado e de combustível


fóssil minimizado
 Sistemas maiores e mais caros
 Operação em carga parcial reduz eficiência caso carga Carga Demanda
variável (Potência) (Energia)

• Carga de Base Gráfico de Projeto do Sistema


RCR Biomassa Pico

 Opera próximo a capacidade de projeto, portanto


eficiência alta
 Investimento muito menor
Carga Demanda
 Sistema convencional requerido para carga de pico (Potência) (Energia)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Sistemas de Aquecimento Distrital

• Calor de uma planta central pode ser distribuí


distribuído para outros
edifí
edifícios pró
próximos para aquecimento de água para calefaç
calefação e
serviç
serviço
 Tubos de aço isolados são enterrados entre 0,6 e 0,8 m no solo

• Vantagens comparativas a cada edifí


edifício tendo sua pró
própria planta:
 Maior Eficiência
 Menores emissões Planta Aquecimento Distrital Rede Água p/ aquec. Distrital
 Segurança
 Conforto
 Conveniência Operacional

• Altos custos iniciais


• Requer mais atenç
atenção do
que plantas de combustí
combustível
fóssil Foto cedida por : SweHeat Foto cedida por : SweHeat

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Combustí
Combustíveis Biomassa

• Combustí
Combustíveis Biomassa (alimentadores) Madeira para Combustão por Biomassa

incluem
 Madeiras & resíduos (cavaco, serragem, peletes,
pedaços)

 Resíduos agrícolas (palha, chaff, cascas, estercos Foto cedida por : ECOMatters Inc
e urina animais) Casca de castanha para Combustão

 Cementes Energéticas (choupos híbridos, grama


alteradas, salgueiros)

 Resíduo Sólido Municipal (RSM)

• Consideraç
Considerações importantes sobre estocagem
 Poder calorífico e teor de umidade

 Confiabilidade, segurança e estabilidade de preços

 Condições de Transporte e Armazenamento


Foto cedida por : Warren Gretz/ NREL Pix

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Atributos Ambientais dos Combustí


Combustíveis
Biomassa

• Se cultivados de maneira sustentá


sustentável:
Cavaco de madeira

 Produção líquida de gases de efeito estufa Zero

• Baixo teor de enxofre reduz chuva


ácida
Foto cedida por : Bioenerginovator

• Emissões de poluidores locais do ar


 Particulados (grãos)

 Poluição gasosa

 Traços carcinogênicos

 Pode estar sujeito à regulação


Bagaço
Foto cedida por : Warren Gretz/NREL Pix
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Exemplos de Custos de Sistemas de
Calor a partir da Biomassa
Óleo Cavaco
Custo inicial 21.000 $ 80.000 $
• Para um sistema de
150 kW para aquecer O&M anual 1.000 $ 8.000 $
edificio de 800 m2: Combustí
Combustível
18.000 $ 1.700 $
anual
Preço Custo do
calor
($/GJ)
• Altos custos iniciais, Eletricidade 0,08$/kWh 22,50
potencialmente baixo Propano 0,40$/L 15,60
custo de combustí
combustível: Óleo combustí
combustível 0,30$/L 8,50
Gas 0,20$/m3 5,80
Resí
Resíduo moinho 10$/tonne 1,70
Cavaco árvore 40$/tonne 6,70
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Projeto de Calor a partir da Biomassa


Consideraç
Considerações

• Disponibilidade, qualidade e preç


preço do suprimento de Biomassa
contra o de combustí
combustível fó
fóssil
 Futuro uso não energético da biomassa (p.ex., celulose)
 Contratos de longo prazo

• Área disponí
disponível para recepç
recepção, armazenamento de combustí
combustível e
grande caldeira

• Necessidade de operadores dedicados e confiá


confiáveis
 Compra de combustível e manuseio da retirada de cinzas

• Regulamento ambiental da qualidade do ar e despejo de cinzas


• Consideraç
Considerações de seguros e de seguranç
segurança
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Áustria, Alemanha e Eslovênia


Sistemas de Energia Comunitá
Comunitários
Manuseio Alimentador Automático

• Conjuntos de edifí
edifícios incluindo
escolas, hospitais e
condomí
condomínios residenciais

AD Convertido de Comb. Fóssil p/ Biomassa, Slovenia Caldeira à Lenha

Foto cedida por : Centrales Foto cedida por :


Agrar-Rohstoff-Marketing-und Ken Sheinkopf/ Solstice CREST
Entwicklungs-Netzwerk
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
Exemplo: Canadá
Canadá
Edifí
Edifícios Comerciais e Institucionais

• Pré
Prédios individuais podem prover seu aquecimento a
partir da Biomassa
 Institucionais: escolas, hospitais, edifícios municipais
 Comerciais: lojas, estacionamentos, etc.

Pequeno Sist. Aquec. Comercial por Biomassa, Canada


Foto cedida por : ECOMatters Inc. Foto cedida por : Grove Wood Heat
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Brasil e EUA


Aquecimento de Processo

• Freqü
Freqüentemente encontrado onde a biomassa é
produzida e há
há necessidade de aquecimento
 Serrarias, usinas de açúcar e alcool, fábricas de móveis e sistemas de
secagem para processos agrícolas

Cana de Açúcar para Aquec. Bagaço para Aquec. de Processo Interior de Câmara de Combustão
de Processo, Hawaii em Moinho, Brazil

Foto cedida por : Warren Gretz/ NREL Pix Foto cedida por : Ralph Overend/ NREL Pix Foto cedida por : Ken Sheinkopf/ Solstice CREST

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Modelo de Projeto de


Calor a partir da Biomassa

• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia,
custo do ciclo de vida e reduç
redução
de emissões dos gases de
efeito estufa
 Edificios individuais até grandes
condominios com aquecimento distrital
 Recuperação de calor residual
de pico e de apoio da Biomassa
 Dimensionamento e custo da rede de
distribuição de calor distrital

• Atualmente não incluidos:


 Aquecimento distrital de grande escala
(> 2,5 MW)
ƒ Usar alternativamente o modelo de
Co-geração

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
RETScreen® Cálculo da Energia
de Calor a partir da Biomassa

Calcular equiv. Graus-


dias para aquecimento Calcular pico da
de água quente carga de
domiciliar aquecimento

Calcular curvas
duração da carga e de
energia e equiv. horas
plena carga

Calcular demanda
total de energia

Determinar Mix Determinar dimensão


de energia das linhas da rede

Ver e-Manual
Análise de Projeto de Energia Limpa:
RETScreen® Engenharia e Casos Calcular necessidade
de combustível
Capítulo de Análise de Projeto de Calor
a partir da Biomassa

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Validação do RETScreen®
Exemplo Validaç
Modelo de Projeto de Calor a partir da Biomassa

• Calculo da duraç
duração
da curva de carga Curva duração da carga para Uppsala, Suécia
Porcentagem da Carga de Pico

100
 Comparado com o
modelo Sueco DD-IL 80
para 4 cidades da RETScreen
Europa e América do 60 DD-IL
Norte
40
• Dimensionamento da 20
tubulaç
tubulação da rede de
aquecimeto distrital 0
0 2.000 4.000 6.000 8.000
 Comparado com o Número de Horas
programa R22 da ABB
– Bons resultados

• Poder calorí
calorífico da Madeira
 Comparando com 87 amostras de casca de árvore do Leste do Canadá
®
 RETScreen estima o residuo de madeira em 5% da amostra colhida
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Conclusões

• O custo do aquecimento por Biomassa pode ser bem


menor do que o custo convencional para aquecimento,
mesmo considerando um maior investimento inicial do
sistema de biomassa

• RETScreen® calcula as curvas de duraç


duração da carga,
biomassa necessá
necessária e capacidade de pico da planta,
alé
além do diâmetro dos tubos da rede de aquecimento
distrital, utilizando entradas de dados mí
mínimas

• RETScreen® proporciona grande economia de custo do


estudo preliminar

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Calor a partir da Biomassa


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

7
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR DO AR
Aquecimento Solar do Ar (ASA)
Aná
Análise de Projeto
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Sistema de Aquecimento Solar do Ar, Quebec, Canada

Foto cedida por : Conserval Engineering

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar conceitos bá
básicos sobre
sistema de Aquecimento Solar do Ar
(ASA)

• Ilustrar consideraç
considerações importantes
para a aná
análise de projetos de ASA

• Apresentar o Modelo de Projeto de ASA


RETScreen®

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que fornecem sistemas de ASA?

• Ar quente para ventilaç


ventilação Escola, Yellowknife, Canadá

• Ar quente para processo

…mas também…

 Atenuação do clima
 Redução de perdas térmicas
pelas paredes Coletor Solar
Foto cedida por : Arctic Energy
Alliance
 Extratificação reduzida
 Melhor qualidade do ar
 Redução de problemas com
pressão negativa

Foto cedida por : Enermodal Engineering


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Operaç
Operação do Sistema ASA

1. Absorvedor negro perfurado


captura energia solar
2. Ventilador forç
força o ar atravé
através do 3
coletor & canopia
7 2 4
3. Controles regulam temperatura
DUTO DE DISTRIBUIÇÃO
6
VENTILADOR

 Válvulas
PERDA DE CALOR AR EXTERNO É AQUECIDO

Aquecimento auxiliar
PELA PAREDE PASSANDO PELO ABSORVEDOR
 RETORNANDO PELO
PASSAGEM DE AR
AR DE ENTRADA

4. Ar é distribuido atravé
através do edificio 5

5. Perda de calor pela parede 1 ESPAÇO DE AR SOB


PRESSÃO NEGATIVA
recuperada ESPAÇO
DE AR

6. Desestratificaç
Desestratificação ABSORVEDOR DO
AQUECIMENTO SOLAR LÂMINA EM PERFIL
CONSTITUINDO CAMADA DE

7. Válvula de bypass para verão SEPARAÇÃO DO VENTO

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sistemas ASA
Comercial/Residencial

• Dois tipos de sistemas


 Ventilação dedicada (apartamentos & escolas)
 Aquecimento, refrigeração & ventilação com 10-20% ar fresco

• ASA coletor se conecta a ventiladores convencionais e dutos


• Aquecimento
convencional
adicionado conforme
necessidade
• Sem desestratificaç
desestratificação
• Ciclo economizador
permite uso de mais ar
fresco
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sistemas Industriais ASA

• Para ar de ventilaç
ventilação em fá
fábricas, depó
depósitos, etc

• Dutos perfurados distribuem o ar ao ní


nível do teto

• Controle de
temperatura:mistura
ar fresco com
recirculado,
adicionar calor se
necessá
necessário
• Desestratificaç
Desestratificação:
ar frio mistura com
ar do teto e desce

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
ASA Sistema para Calor de Processo

• Coletor montado em qualquer superfí


superfície
apropriada

• Saí
Saída do coletor canalizada para Galpão de Secagem de Chá, West Java, Indonesia

processo

• Temperatura pode ser regulada por


 Aquecedor convencional
 Válvula de Bypass

• Secagem de safra
 Requer baixas temperaturas para Foto cedida por : Conserval Engineering

evitar danos à safra

• Pré
Pré-aquecer ar para processo industrial

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Recurso Solar vs.


Demanda por Calor de Ventilaç
Ventilação

Iqaluit, Canada, 64ºN Lanzhou, China, 36ºN


6 6
Horas de Pico solar por dia no Plano do Coletor

4 4

2 2

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Moscou, Russia, 55ºN Jakarta, Indonesia, 6ºS


6 6

4 4

2 2

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Buffalo, EUA, 43ºN  Meses com temperatura média <10ºC


6 estão sombreados
4
 Superficies verticais, faceando o
2 equador, à excessão de Jakarta
0
(horizontal)
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
 Fração do mês utilizado
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

ASA Economia e Custos do Sistema

1 m2 de coletor
Custo instalado:
 Coletor: 100$ a 250$/m2
Sistema de ventilação: 0$ a 100$/m2
Energia Coletada: 
 Total: 100$ a 350$/m2
 1 a 3 GJ/ano menos custo de atenuação convencional

Eletricidade 0,05$/kWh 0,12$/kWh


Diesel 0,30$/L 0,70$/L Economia Anual
Gas 0,17$/m3 0,45$/m3 para 2 GJ Saída

0$ 20$ 40$ 60$


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Projeto de Aquecimento Solar do Ar
Consideraç
Considerações

• Mais viá
viável em construç
construção nova e reforma
 Crédito por atenuação
 Garantir que sistema de ventilação atual é compatível com ASA facilmente

• Mais cores negras tem absorviç


absorvição de 0,80-
0,80-0,95
 Preocupação arquitetônica pode ser muito importante
Aquecimento Solar do Ar
• Alta ocupaç
ocupação, mais Componentes do Sistema

viá
viável Ventilador de Exaustão Duto de
distribuição do Ar

• Pode ser instalado ao Canopia


Válvula de bypass
do ar de recirculação

redor de janelas e portas


Válvula de face
Válvula de bypass
do verão

• Ventiladores e dutos Ventilador

existentes podem ser


utilizados
• Baixo ou nenhum custo
adicional de manutenç
manutenção
Absorvedor de placas perfuradas

Foto cedida por : NRCan


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Canadá
Canadá e EUA
Sistemas de Aquecimento do Ar de Ventilaç
Ventilação
Edificio de Apartamentos
• Melhoria da qualidade do ar a baixo custo Ontario, Canada

• Tamanho varia de alguns m2 até


até 10.000 m2
• Dutos podem ser localizados pró
próximo parede sul
• Payback de 2 a 5 anos tipicamente Coletor Brown em edificio

• Sistemas industriais normalmente


industrial, Connecticut, USA

têm retorno mais rá


rápido
Sala de aula volante, Ontario, Canada

Foto cedida por : Conserval Engineering Foto cedida por : Conserval Engineering

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo: Indoné
Indonésia
Sistemas de Calor de Processo

• Normalmente sistemas de
vazão constante com Galpão de Secagem de Chá, West Java, Indonesia

automaç
automação muto simples

• Usados para secagem de


colheita recolhida ao longo
do ano

• Melhor se estaç
estação solar Foto cedida por : Conserval
Engineering

coincidir com colheita

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
RETScreen® Aquecimento Solar do Ar
Modelo de Projeto

• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de
vida e reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Ventilação do ar
 Calor para processo
 Recuperação de calor
 Desestratificação

• Apenas 12 pontos de dados


p/ RETScreen® vs. 8.760 para
modelos de simulaç
simulação horá
horária

• Atualmente não incluido:


 Sistemas avançados de HRV
 Tecnologia Parede Não Solar®
 Sistemas de ventilação desbalanceados
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen®
ASA Cá
Cálculo da Energia
Calcular energia
solar útil

Sistemas
industriais:
3 iterações

Calcular
eficiência
do coletor

Calcular
aumento de
temperatura e
fator de
utilização solar

Economia de Economia de energia Economia de


energia solar por calor recuperado energia
coletada desestratificação

Ver e-Manual
Análise de Projeto de Energia Limpa:
RETScreen® Engenharia e Casos
Economia total: Economia total: Economia total:
Capítulo de Análise de Projeto de Aquecimento aquecimento do aquecimento do ar
edificios comercial / Aquecimento ar
ar de processo prédio industrial
Solar do Ar residencial

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo de Validaç
Validação do
RETScreen® Modelo de Projeto ASA

Comparacão com SWiftTM RETScreen SWift Diferença


[kWh/m2/d] [kWh/m2/d]

Toronto, Ontario, Canada


Industrial (Aumento Temp Alta) 1,23 1,21 2%
Industrial (Alta Eficiência) 1,64 1,79 -8%
Comercial (Alta Eficiência) 1,39 1,28 9%
Winnipeg, Manitoba, Canada
Industrial (Aumento Temp Alta) 1,40 1,64 -15%
Industrial (Alta Eficiência) 2,00 2,20 -9%
Comercial (Alta Eficiência) 2,03 1,93 5%

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Conclusões

• ASA fornece ventilaç


ventilação e aquecimento do ar de processo
• Locais atravé
através do mundo possuem energia solar disponí
disponível quando há

necessidade de aquecimento do ar de ventilaç
ventilação
• ASA serve como atenuador climá
climático e é compatí
compatível com sistemas de
ventilaç
ventilação convencionais
• Para sistemas ASA, RETScreen® calcula
 Energia coletada, eficiência e aumento de temperatura
 Recuperação da perda de calor pelas paredes
 Redução da perda de calor por desestratificação

• RETScreen® realiza aná


análise annual com cá
cálculo dos recursos mensais
e pode obter precisão compará
comparável a modelos de simulaç
simulação horá
horária

• RETScreen® pode gerar economia significativa no custo do estudo de


viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Aquecimento Solar do Ar


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR DA ÁGUA
Aquecimento Solar da Água (ASAg)
Aná
Análise de Projeto
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Coletores Planos Revestidos, Ontario, Canada

Foto cedida por: NRCan

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar conceitos bá
básicos
sistemas de Aquecimento Solar
da Água (ASAg)

• Ilustrar consideraç
considerações chave para
aná
análise de projeto ASAg

• Apresentar RETScreen® ASAg Modelo de Projeto

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que fornece um sistema ASAg?

Centro de Conferencias, Bethel, Lesotho

• Água quente domé


doméstica
• Calor de processo
• Aquecimento de piscina

…mas também… Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky

Desenvolvimento de Moradias, Kungsbacka, Suécia


 Aumento da água quente
armazenada
 Extensão da temporada de
natação (aquecimento da
piscina)

Foto cedida por : Alpo Winberg/ Solar Energy Association of Sweden

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Componentes do Sistema ASAg

Diagrama esquemático de um
Painel
fotovoltaico Coletores solares
sistema de aquecimento solar da água
Termosifão
Circuito de aquecimento da água Água quente
para casa

Água aquecida pelo sol


Caixa de junção

Tubo de glicol de
alimentação e retorno
Pré-aquecimento Tanque
Bomba de glicol Tanque acumula padrão
Água Aquecida
pelo sol

Troca
de
calor
Suprimento
de Água
Dreno de fria
sedimento
Foto cedida por : NRCan

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Coletor Solar sem Revestimento

• Baixo custo
COLETOR SOLAR SEM REVESTIMENTO
• Baixa temperatura
Orificios para medição de vazão

• Escarpado Entrada do canal


Canal de fluxo produz

• Leve Fluxo constante através tubos

Tubo do2o.
• Aquecimento distribuidor

sazonal da piscina
Fluxo da piscina

• Baixa pressão Foto cedida por : NRCan

• Baixa eficiência com clima frio ou com ventos

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Coletor Solar de Prato Plano Revestido

• Custo moderado Revestimento vidro

• Operaç
Operação com
temperaturas mais Invólucro

altas

• Pode operar com


pressão da água Placa de
controlada absorção
Tubos
ascendentes

• Mais pesado e
mais frá
frágil
Distribuidor

Isolação

Foto cedida por : NRCan

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Coletores de Tubo Evacuado

• Custo mais alto


Tubo Evacuado

• Sem perdas por


convexão

• Temperatura alta

• Climas frios
Vapor e líquido condensado no
tubo de calor
• Frá
Frágil Placa de absorção
Tubo de calor
• Instalaç
Instalação pode ser Foto cedida por : NRCan

mais complicada

• Neve é apenas um pequeno


problema Tubo Desenvolvido e Fabricado na China
Foto cedida por : Nautilus

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Aquecimento Solar da Água em Vá


Vários
Climas

• Para um sistema domé


doméstico de aquecimento solar da água com 6 m2
de coletor revestido,
revestido, a demanda de 300 L/dia de água quentea 60º
60ºC e
300 L armazenamento,
armazenamento, a fraç
fração solar é:

21% em Tromsø, Noruega (70ºN) 81% em Matam, Senegal (16ºN)


40% em Yellowknife, Canadá (62ºN) 59% em Puerto Limón, Costa Rica (10ºN)
32% em Warsaw, Polonia (52ºN) 59% em Jakarta, Indonesia (6ºS)
51% em Harbin, China (46ºN) 86% em Huancayo, Peru (12ºS)
67% em Sacramento, EUA (39ºN) 69% em Harare, Zimbabwe (18ºS)
39% em Tokyo, Japão (36ºN) 65% em Sydney, Australia (34ºS)
78% em Marrakech, Morrocos (32ºN) 39% em Punta Arenas, Chile (53ºS)
75% em Be’er-Sheva, Israel (31ºN)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos de Custos e Beneficios de


Sistemas ASAg

Sistema revestido ao longo do


Eletricidade @ 0,05$/kWh

Eletricidade @ 0,15$/kWh

100
Gas @ 0,50$/m3
Gas @ 0,15$/m3

ano (w/armazenamento)
90
Economia Anual ($/m )
2

80
70
60 La Paz, Bolivia
50
40 2,2 GJ/m2
30
20 400$/m2
10
0
5 15 25 35 45

Custo da energia ($/GJ) Sistema de Tubo Evacuado


(w/armazenamento)
Piscina sem revestimento apenas no verão
Copenhagen, Dinamarca
Montreal, Canadá
Canadá 1,8 GJ/m2
1,5 GJ/m2
1.000$/m2
150$/m2

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Consideraç
Considerações sobre
Projeto de Aquecimento Solar da Água

• Fatores para um projeto bem sucedido:


 Grande demanda por água quente par areduzir importância dos custos fixos
 Alto custo da energia (p.ex. Gas natural não disponível)
 Sem fornecimento confiável de energia convencional
 Grande interesse ambiental pelo operador/proprietário do prédio

• Carga de água quente necessá


necessária durante o dia
requer menos armazenamento

• Sistemas sazonais de custo mais baixo, podem ser


financeiramente preferí
preferíveis, a sistemas de maior custo ao longo
do ano

• Manutenç
Manutenção semelhante a qualquer sistema hidrá
hidráulico, poré
porém
operador deve estar comprometido a atender à tempo tanto
manutenç
manutenção quanto reparos © Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Austrá
Austrália, Botswana e Sué
Suécia
Sistemas Domé
Domésticos de Água Quente

• Em rede, necessita proprietá


proprietário comprometido Sistema Termosifão, Australia

 Pode ter retorno longo quando energia barata


 Sistemas fornecem 20 a 80% da água quente
• Fora da rede ou onde fornecimento de energia
não confiá
confiável
Foto cedida por : The Australian Greenhouse Office

Casas, Malmö, Suécia Casa para equipe médica em Área Rural, Botswana

Foto cedida por : Marie Andrén, Solar Energy Association of Sweden Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: EUA e Canadá


Canadá
Sistemas de Piscinas
• Coletores sem revestimento baixo custo Piscina, EUA

 Piscinas de verão em climas frios


 Prolonga temporada em climas temperados
 Para uso no verão em piscina de uso anual em
climas frios
 Pode ter retorno de 1 a 5 anos
• Coletores revestidos para calor ao
longo do ano
• Sistemas de filtragem servem como
bombas
Piscina Pública, Ontario, Canadá

Foto cedida por : Aquatherm Industries/ NREL Pix

Foto cedida por : NRCan


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
Exemplos: Gré
Grécia e Canadá
Canadá
Sistemas de Água Quente Comercial/Industrial

• Hoté
Hotéis/moté
is/motéis, apartamentos e edifí
edifícios de escritó
escritórios
• Centros de saú
saúde & hospitais
• Lavagem de carros, laundromats, restaurantes
• Centros esportivos, escolas, Chuveiros em vestiá
vestiários
• Aquacultura, outras pequenas indú
indústrias
Hotel, Agio Nikolaos, Creta Operação Aquacultura, British Columbia, Canadá

Foto cedida por : Regional Energy Agency of Crete/ISES Foto cedida por : NRCan
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Aquecimento Solar da Água


Modelo de Projeto
• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de
vida e reduç
redução das emissões dos
gases de efeito estufa
 Revestido, sem revestimento e tubo
evacuado
 Piscinas internas e externas
(c/ ou s/ cobertura)
 Sistemas de água quente de serviço
(c/ ou s/ armazenamento)

• Apenas 12 pontos dados RETScreen®


vs. 8.760 modelos simulaç
simulação horá
horária
• Atualmente não cobertos:
 Mudanças nas cargas diárias de água
quente de serviço
 Serviço individual de água quente
 Sistemas sem armazenamento tendo altas frações solares
 Ajuste ao sol, concentrador & coletor solar integrado
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen®
ASAg Cálculo de Energia
Calcular variáveis
ambientais, incluindo
radiação solar
no plano do coletor

Calcular energia solar


que pode ser coletada

Água quente de serviço Água quente de serviço


com armazenagem Piscinas
sem armazenagem

Avaliar
Método de necessidade
Método f-Chart energética da
Utilizabilidade
piscina

Calcular energia
renovável
despachada e
necessidade de
aquecimento
Ver e-Manual auxiliar

Análise de Projeto de Energia Limpa:


RETScreen® Engenharia e Casos
Outros cálculos:
Capítulo de Análise de Projeto de Aquecimento área sugerida do coletor,
necessidade de
Solar da Água bombeamento, etc..

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Exemplo de Validaç
Validação do
RETScreen® ASAg Modelo de Projeto

RETScreen® comparado a:
RETScreen WATSUN Dif.
• WATSUN para sistema de água Radiação incidente (GJ) 24,34 24,79 -1,8%
quente domé
doméstica em Toronto, Carga (GJ) 19,64 19,73 -0,5%
Canadá
Canadá: Energia fornecida (GJ) 8,02 8,01 0,1%
Horas operação bomba (h) 1.874 1.800 4,1%

• ENERPOOL para 48-


48-m2 piscina
RETScreen fornecimento anual estimado energia solar

3.000

2.500
verão em Montreal, Canada
 Energia necessária com 2%
2.000

• Dados monitorados de uma


(kWh)

1.500 pscina de verão 1.200 m2 em


RETScreen vs. dados
monitorados de 10 sistemas
Möhringen, Alemanha
1.000
domésticos de água quente  Energia necessária com 3% e
em Guelph, Canadá produção de energia solar
500
500 1.000 1.500 2.000 2.500 3.000 com 14%
Fornecimento anual medido de energia solar (kWh)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Conclusões

• Coletores sem revestimento, revestidos e tubo evacuado fornecem


água quente para muitos usos em qualquer clima

• Grande demanda de água quente, alto custo da energia e forte


interesse da parte do operador/proprietá
operador/proprietário, são fatores importantes
para o sucesso

• RETScreen® calcula:
 Carga de água quente de serviço e carga da piscina

 Desempenho da piscina solar e do sistema de água quente de serviço, com e sem


armazenamento

• RETScreen® realiza aná


análise anual com cá
cálculo dos recursos mensais e
pode obter precisão compará
comparável a modelos de simulaç
simulação horá
horária
• RETScreen® pode gerar economia significativa no custo do estudo de
viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Aquecimento Solar da Água


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO
Aná
Análise de Projetos de
Aquecimento Solar Passivo
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Residencia com Aquecimento Solar Passivo, França

Foto cedida por: Pamm McFadden (NREL Pix)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar fundamentos dos


Sistemas de Aquecimento Solar
Passivo (ASP)

• Ilustrar consideraç
considerações importantes
sobre aná
análise de projetos de ASP

• Apresentar o Modelo de Projeto de Energia


ASP RETScreen®

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que pode ser fornecido pelos


sistemas de ASP ?
Edificio residencial projetado com

• 20 a 50% das exigências Aquecimento Solar Passivo, Alemanha

para aquecimento ambiental

…mas também…

Foto cedida por : Fraunhofer ISE


 Mais conforto (from Siemens Research and Innovation Website)

Prédio do NREL em Golden, Colorado


 Melhor luz do dia
 Pode reduzir custos com
refrigeração
 Menor condensação na janela
 Pode requerer um equipamento
menor para
aquecimento/refrigeração
Foto cedida por : Warren Gretz (NREL Pix)
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Principios da Operaç
Operação do ASP

Convencional

Verão Inverno
ASP

Dispositivos Janelas
de sombra avançadas
Massa Térmica

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Tecnologias de Janelas Avanç


Avançadas

• Lâminas duplas ou triplas • Espaç


Espaçadores isolantes
• Baixa emissividade • Bordas isoladas,
• Preenchida com gas inerte Atenuador té
térmico

Lâminas e Enchi-
Enchi- Espaç
Espaçador Borda
mento U-valor (W/(m2°C)) Coef. Ganho do Aquec. Solar

3 0,1 Inerte Isol. Madeira


Centro
3 0,8 Ar Alumin. Madeira do vidro

2 0,1 Inerte Isol. Madeira Toda a


Janela
2 0,8 Ar Alumin. Madeira

2 0,8 Ar Alumin. Aluminum

1 0,8 - - Aluminum

0 2 4 6 8 0 0,2 0,4 0,6 0,8

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Sombreamento e Massa Té
Térmica

• Sombreamento evita superaquecimento durante verão


 Protege o lado exposto ao equador para quando o sol estiver alto
 Árvores perenes próximas a prédios e estruturas
 Cortinas, Telas, persianas, janelas com venezianas, etc.

• Massa té
térmica acumula calor, minimizando variaç
variações de
temperatura
 Caso a área da janela que faceia o equador exceda 8 – 10% da área
aquecida do piso, as casas com construção leve e tradicional, irão
superaquecer

 Use paredes duplas, lage, pisos cerâmicos, lareira de tijolos, etc.

• Sistemas ativos podem ser utilizados para distribuir calor pelo


pré
prédio
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
Recurso Solar vs.
Exigências para Aquecimento Ambiental

Iqaluit, Canada, 64º


64ºN Buffalo, USA, 43º
43ºN
6 6

Horas de sol a pique por dia


Horas de Sol a pique por dia

4 4

2 2

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Moscow, Russia, 55º


55ºN Lanzhou, China, 36º
36ºN
6 6

4 4

2 2

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

 Meses em que a temperatura mé


média é menor ou igual a 10º
10ºC estão
sombreados
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo de ASP Custos & Economias

Residencia Uni familiar Canadense

Vidro duplo
+baixa e • Custo da Janela
+argônio adicional
+espaçador isolado  5 a 35%
+3o vidro  400$ a 2.000$ por
casa
0 100 200 300
Custo da janela+instalação($/m2)

• Economia de 20 a 50% do custo do aquecimento ambiental


 Gas 0,25$/m3 150$ a 380$ por ano
 Óleo 0,35$/l 210$ a 520$ por ano
 Eletricidade 0,06$/kWh 270$ a 680$ por ano
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Projeto de Aquecimento Solar Passivo


Consideraç
Considerações

• Nova construç
construção tem maior beneficio
 Liberdade para orientar janela para facear o equador
e evitar o oeste
 Dimensionamento do sistema de aquecimento
e aquecimento periférico podem ser reduzidos

• Retrofit é viá
viável no caso de necessidade de troca da janela
• O beneficio é maior onde a carga té
térmica é alta comparada a
carga de refrigeraç
refrigeração
 Residencias baixas em clima de moderado a frio, são as melhores
 Edificios comerciais e industriais têm ganho altos ganhos internos

• Considere janelas em conjunto com o resto das medidas


© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Exemplos: Canadá
Canadá e EUA
Edifí
Edifícios de Baixo Consumo de Energia

• Técnicas de aquecimento solar passivo incorporadas em


edificios de aspecto convencionais
• Consideraç
Considerações financeiras nem sempre são primordiais:
conforto, reduç
redução de ruí
ruído, valorizaç
valorização da qualidade e meio
ambiente
Boa sombra e janelas avançadas, EUA Casa Verde Waterloo, Ontario, Canadá

Foto cedida por : Hickory Corporation (NREL Pix) Foto cedida por : Waterloo Green Home

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Alemanha and Lesotho


Casas Solares Auto-
Auto-suficientes
• Mais isolamento do vidro, mais massa té
térmica e mais controle
da distribuiç
distribuição do ar
• Todas as necessidades de aquecimento ambiental podem ser
atendidas pelo aquecimento solar
• Tecnologias de janelas avanç
avançadas, permitem mais
flexibilidade na sua localizaç
localização, ganhos de calor pela
radiaç
radiação difusa Freiburg, Casa Solar
Solar Rondavel, Thaba-Tseka, Lesotho

Foto cedida por : Fraunhofer ISE


(from Siemens Research and Innovation Website)
Foto cedida por : Vadim Belotserkovsky

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen® Aquecimento Solar Passivo


Modelo de Projeto
• Aná
Análise mundial da produç
produção de energia, custo do ciclo de vida
e reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Residencias baixas e pequenos prédios
comerciais
 Em climas que necessitem aquecimento
 Perdas e ganhos das janelas
 Efeitos médios do sombreamento

• Apenas 12 pontos de dados para


RETScreen® vs. 8.760 para
modelos de simulaç
simulação horá
horária
• Atualmente não incluidos:
 Janelas não verticais
 Efeitos instantâneos do sombreamento
 Massa térmica de edificio especifico

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
RETScreen®
Cálculo da Energia ASP ECONOMIA EM ENERGIA
PARA AQUECIMENTO
ECONOMIA EM ENERGIA
PARA REFRIGERAÇÃO
Ajustar janela
propriedades térmicas

Calcular demanda Calcular demanda


térmica resfriamento
base/proposta base/proposta

Calcular ganhos
internos

Calcular ganhos Calcular aumento da


solar utilizáveis na carga resfriamento
estação de
base/proposto devido
aquecimento
base/proposta ganhos solares

Calcular economia Calcular economia


energia durante energia durante
estação aquecimento estação resfriamento

Calcular economia
Ver e-Manual total de energia

Análise de Projeto de Energia Limpa:


RETScreen® Engenharia e Casos
Calcular reduções
Capítulo de Análise de Projeto de Aquecimento carga aquecimento
Solar Passivo pico e carga
resfriamento pico

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo de Validaç
Validação do
Modelo de Projeto ASP RETScreen®

• RETScreen® comparado com HOT2-


HOT2-XP para uma casa tí
típica de
200 m2 em construç
construção de madeira
 Janelas de vidro duplo melhoradas para vidro duplo com baixa-e com argônio
 RETScreen® com 18% da precisão do HOT2-XP

• RETScreen també
também compardo com o Mé
Método de Rateio de Energia
 Economia de energia annual para 8 janelas de dsempenho superior comparados
com o caso base de janelas com vidro duplo
Econ. Anual energia (kWh/m2)

300
250 Método Rateio Energia
RETScreen
200
150
100

50
0
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Conclusões

• ASP envolve orientaç


orientação do edificio, janelas energé
energéticamente
eficientes, sombreamento e massa té
térmica para reduzir aquecimento
ambiental

• Um investimento mí
mínimo nas janelas pode melhorar substancialmente
do envelope do pré
prédio com beneficios econômicos de longo prazo

• RETScreen® calcula:
 Efeito da orientação da janela, tamanho e tecnologia em ganho solar
 Efeito da tecnologia das janelas nas perdas de calor
 Efeito do sombreamento na carga de resfriamento

• RETScreen® permite aná


análise anual com recurso de cá
cálculos mensais
que pode atingir precisão compará
comparável a modelos de simulaç
simulação horá
horária

• RETScreen® pode propiciar reduç


redução substancial dos custos do estudo
de pré
pré viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Aquecimento Solar Passivo


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE BOMBAS DE CALOR DE
FONTE SUBTERRÂNEA
Aná
Análise de Projeto de Bomba de
Calor de Fonte Subterrânea
Curso de Aná
Análise de Projeto de Energia Limpa

Philadelphia Enterprise Centre, EUA – 28 BCFSs para Aquecimento e Refrigeração

Foto cedida por : Geothermal Heat Pump Consortium (NREL PIX)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Objetivos

• Revisar conceitos bá
básicos sobre
sistemas com Bomba de Calor
de Fonte Subterrânea (BCFS)

• Ilustrar consideraç
considerações chave para
aná
análise de projeto para BCFS

• Apresentar o Modelo de Projeto


RETScreen® BCFS

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

O que fornece um sistema BCFS ?

Casa Impact 2000, Massachusetts, EUA


• Aquecimento
• Refrigeraç
Refrigeração

• Água Quente
Foto cedida por : Solar Design Associates

• Sólidas fundaç
(NREL PIX)

fundações anti
congelantes
…mas também… Bomba de Calor Residencial

 Eficiência  Capacidade estável


 Menos Manutenção  Conforto e qualidade do ar
 Menos necessidade de espaço  Reduzido pico de eletricidade
 Baixo custo operacional para ar condicionado
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

1
Componentes de um sistema BCFS

1. Conexão à terra
 Acoplado ao solo
 Água do solo
 Água da superfície 3
2. Bomba de calor de fonte 2
líquida

3. Subsistema de
distribuiç
distribuição de
aquecimento/resfriamento 1
interior
 Dutos convencionais

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Bomba de Calor de Fonte Lí


Líquida

• Bomba de Calor Compressor

Água-
gua-para-
para-ar Vapor de Alta Temperatura Vapor de Baixa Pressão
e Alta Pressão e Baixa Temperatura
• Direç
Direção Reversa

• 3,5 a 35 kW de
refrigeraç
refrigeração por
unidade Condensador
Evaporador

• Unidades mú
múltiplas
para grandes Líquido de Alta Pressão
e Alta Temperatura
Líquido de Baixa Pressão
e Baixa Temperatura
edifí
edifícios Válvula de Expansão

• Calor residual oriundo da compressão gera água quente


atravé
através de desuperaquecedor

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Tipos de Ligaç
Ligação à Terra

Vertical Horizontal Água do solo


 Solo rochoso  Usa mais terra  Aquífero + Injeção
 Mais caro  Menos caro  O menos caro
 Pouca terra usada  Pequenos edifícios  Regulamentação
 Alta eficiência  Variação de temperatura  Sujeira

• També
Também trocadores de calor de água superficial e de coluna
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

2
BCFS Recursos:
Temperaturas do solo

• O solo absorve aprox.


Metade da energia
incidente do sol
• O solo atenua variaç
variações

TEMPERATURA
TEMPERATURA
de temperatura
 BCFS mais eficiente

• Variaç
Variação de temperatura
diminui com profundidade
INVERNO VERÃO OUTONO
 Irrelevante abaixo de 15 m Gráfico: Guia Canadense de Edifícios

• Temperaturas do solo no local dependem do clima, solo &


capa neve, declividade, propriedades do solo, etc…
etc…

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos de Custos de Sistema BCFS

Finla ndia , ca sa com 150 m 2


custos Calor Ene rgia
iniciais Anual Anual
Eletric. 8.000$ 800$ 20 MW h
BCFS 13.000$ 350$ 6,5 MW h

• Custos com energia ascendentes


• Preocupaç
Preocupações ambientais
• Ar condicionado é Bonus
Foto cedida por : Suomen Lämpöpumpputekniikka Oy

Connecticut, EUA, casa com 275 m 2


Custos Aquec. Refrig. Total Energia
iniciais Anual Anual Anual Anual
Óleo/AC 16.000$ 600$ 900$ 1.500$ 27 MW h
BCFS 20.500$ 450$ 600$ 1.050$ 11 MW h

• Concessioná
Concessionária subsidia cargas de
ar condicionado com menor pico
Foto cedida por : GeoExchange Consortium
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Consideraç
Considerações sobre Projeto de
Bombas de Calor de Fonte Subterrânea
Layout de trocador de calor,
• Melhor relaç
relação de custo quando: Edifício Comercial

 Necessita de aquecimento e refrigeração


 Grandes variações sazonais de temperatura
 Construção nova ou troca do HVAC
 Para aquecimento: baixo custo de eletricidade e
alto custo de óleo e gás Instalação de BCFS

 Para resfriamento: alto custo com eletricidade e


encargos por carga de pico

• Disponibilidade de equipamentos de
perfuraç
perfuração e escavaç
escavação
• Incerteza sobre custo de instalaç
instalação do
trocador
• Crité
Critério do cliente para determinaç
determinação de
viabilidade econômica Foto cedida por :
Craig Miller Productions and DOE (NREL PIX)

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

3
Exemplos: Australia, Alemanha e Suíç
Suíça
a
Sistemas de Edifí
Edifícios Residenciais

Bomba de Calor de água do solo de 20 kW, Broca de Perfuração p/ poço


Alemanha vertical, Residencia Suiça
• Casas em extremos
elevados

 Maior custo de capital

 Visão de retorno de
longo prazo
Foto cedida por :
Bundesverband WärmePumpe (BWP) e.V.
 Beneficios ambientais ou 320 Apartmentos, Sul Australia
de conforto

• Estí
Estímulo da
concessioná
concessionária pode ser
um fator significativo

Foto cedida por : GeoExchange Consortium Foto cedida por :


Eberhard & Partner AG
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: RU e EUA
Sistemas de Edifí
Edifícios Comerciais
• Normalmente exigem retorno de
curto prazo (< 5 anos) Edificio Comercial, Croydon, RU

• Disponibilidade de terra pode


ser um problema

• Menor utilizaç
utilização de espaç
espaço
interno

• Automaç
Automação simples e distribuí
distribuída Foto cedida por : Groenholland B.V.

Condominio de Edificios, Posto de Gasolina, Kansas, EUA


• Reduzido risco Kentucky, EUA

de vandalismo

• Tarifas reduzidas de carga


na ponta

• Desnecessá
Desnecessário aquecimento Foto cedida por :
Marion Pinckley (NREL PIX)
Foto cedida por : International Ground Source
Heat Pump Association
auxiliar © Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplos: Canada e EUA


Sistemas de Edifí
Edifícios Institucionais

• Retornos mais longos aceitá


aceitáveis
Vala para Trocador Horizontal

• Mais receptivos a inovaç


inovações

• Cargas de aquecimento e
refrigeraç
refrigeração simultâneas Foto cedida por : Robert R. Jones/Oklahoma
State University (NREL PIX)

Escola, Quebec, Canadá

Foto cedida por : Natural Resources Canada © Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

4
RETScreen® Bomba de Calor de Fonte
Subterrânea – Modelo de Projeto

• Aná
Análise mundial de produç
produção de energia, custo do ciclo de
vida e reduç
redução das emissões dos gases de efeito estufa
 Circuito fechado Horizontal & vertical
 Circuito aberto de água do solo
 Residencial, comercial,
institucional & industrial

• Atualmente não incluí


incluídos:
 BCFSs águas superficiais
 Avaliações térmicas de longo prazo,
no solo
 Aquecimento & refrigeração
simultâneos (apenas cargas em bloco)
 Aquecimento de água
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

RETScreen®
BCFS Cá
Cálculo de Energia Sistema BCFS Edifício Dados climáticos
Entrada do usuário Entrada do usuário Entrada do usuário

Gerar relação entre Gerar gradientes


carga vs. de temperatura
temperatura, e calcular
projetar pontos de temperatura do
carga e de equilíbrio solo

Estimar
capacidade
instalada da
Bomba de Calor Calcular carga
do edifício para
cada depósito
Avaliar dimensão
do circuito do solo
ou vazão da água Avaliar desempenho
do solo da bomba de calor
atual e a capacidade
de cada depósito

Ver e-Manual Calcular aquecimento


suplementar ou
Análise de Projeto de Energia Limpa: necessidade de
RETScreen® Engenharia e Casos refrigeração e uso anual
de energia do sistema
BCFS (aquecimento e
Capítulo de Análise de Projeto de Bomba de Calor refrigeração)
de Fonte Subterrânea

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Exemplo Validaç
Validação do
RETScreen® Modelo de Projeto BCFS
Energia aquecimento
• Uso da energia comparado para kWh
Diferença %

compartimentos sintetizados Toronto


RETScreen 37.202
1,4

versus dados monitorados


Monitorado 36.686
RETScreen 36.138
Montreal 1,8


Monitorado 35.490
Comprimento GHX comparado Charlottetown
RETScreen 37.158
0,6
a 6 programas de Monitorado 36.922

dimensionamento e programa
RETScreen 33.243
Winnipeg 1,0
Monitorado 32.926
de simulaç
simulação detalhada Vancouver
RETScreen 37.888
-3,0
Monitorado 39.016

Projeto 1 ano * Projeto 10 anos

Residência 1 Residência 2 Comercial Residência 1 Residência 2 Comercial


Programa Louisiana Wisconsin Nebraska Louisiana Wisconsin Nebraska

Média de outros 266 124 141 293 129 148


softwares

vs. RETScreen 257 -4% 135 9% 121 -14% 257 -12% 135 5% 121 -18%
Descritivo

vs. RETScreen 236 -11% 127 2% 132 -6% 236 -19% 127 -2% 132 -12%
Uso de Energia

vs. Atual 344 29% 160 29% 141 0% 344 17% 160 24% 141 -5%

* Valores do projeto de 1 ano usados para comparação com RETScreen

© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

5
Conclusões

• BCFSs fornece aquecimento, refrigeraç


refrigeração & água quente
• O solo atenua variaç
variações de temperatura e ocasionam altas eficiências
da BCFS
• Custos iniciais da BCFS são maiores, poré
porém custos de O&M menores
 Climas que requerem aquecimento e refrigeração são mais promissores
• RETScreen® estima:
 Distribuição de freqüência da temperatura externa
 Cargas do edifício como função da temperatura externa
 Beneficio do aquecimento ambiental e energia de refrigeração anuais

• RETScreen® fornece aná


análise de cá
cálculo anual que pode ter precisão
compará
comparável a modelos de simulaç
simulações de horas
• RETScreen® pode fornecer reduç
reduções significativas dos custos para
desenvolvimento do estudo de viabilidade
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

Perguntas?

Módulo de Análise de Projeto de Bombas de Calor de Fonte Subterrânea


RETScreen® International Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa

Para informações adicionais consultar a página Web do RETScreen em


www.retscreen.net
© Ministro de Recursos Naturais Canada 2001 – 2006.

6
www.retscreen.net