Você está na página 1de 46

Hoje:

Uma ágil síntese de nosso encontro anterior:


A interpretação é um dizer que
promove ondas
Lacan, anos 1970, conferência aos universitários norte-americanos
TÍTULO PROPOSTO:
HOMOLÓGO AO
PRÓPRIO
ITINERÁRIO DE UMA
ANÁLISE
O AVANÇAR DE UMA

ANÁLISE
SE DÁ POR MEIO DE
UM

PERCURSO
DO SIMBÓLICO
MAIS COMO UM
AO ENCAMINHAMENTO ESPIRALAR DO
ALÉM DO SIMBÓLICO: QUE A LIGAÇÃO DE UM PONTO DE
PARTIDA A UM PONTO DE CHEGADA
DO SIMBÓLICO AO

REAL
MAS, ISTO NÃO IMPEDE QUE
CONSIDEREMOS DISTINTAS VERTENTES
DE TRABALHO
NA ANÁLISE:
A poiesis do percurso analítico

“É de suturas e emendas que se trata


na análise”
(Jacques Lacan. Seminário 23 - O sinthoma, p. 71)
&
PORTANTO,
VEJAMOS MAIS
DE PERTO ESTAS
2 PERSPECTIVAS
ESTRUTURA DA
ASSOCIAÇÃO -LIVRE
HÁ UMA
NÃO-OBVIEDADE
QUE REQUER,
COMO
CONTRAPONTO,
A ESCUTA
ALERTA DE LACAN:
OU SEJA:
O IMPORTANTE NÃO É A PALAVRA COMO MEIO
OU

VEÍCULO
(TRANSMISSOR DE FATOS, TESTEMUNHOS OU DE
AFETOS)
Clínica e
minimalismo

O sujeito e
sua captura
sujeito e objeto

fragmento do abraço de
afogado e o fantasma
Cena do mal-estar:

- Carlos, 40 anos de idade;


- dolorosa ruptura com uma mulher;
- relação conflituosa e agressiva;
- a saída de casa: ‘Que mulher é essa?’
- sintomatologia ansiogênica;
Cena clínica:

- Bordejamento da relação;
- Pesadelos, sonhos: o dizer e o redizer;
- Recolocação em cena do ‘Que mulher é essa?’, sob vários
aspectos;
- O saber analítico: Marina // Mariana;
- A presença de filmes e livros;
- No ar rarefeito e O leitor;
Na Alemanha pós-guerra, o adolescente Michael Berg
inicia um relacionamento apaixonado por Hanna
Schmitz, uma mulher que tem o dobro de sua idade. Os
dois vivem uma intensa história de amor. Um dia, Hanna
desaparece misteriosamente, deixando Michael à
deriva. Anos mais tarde, Michael, que agora é um
estudante de direito, se surpreende ao reencontrar
Hanna em um polêmico julgamento por crimes de
guerra cometidos pelos nazistas.
Cena clínica:

- “O que me dá medo/terror é ela.... O que me angustia é


ele”;
- Dupla posição: objeto fóbico // objeto causador de
angústia;
Cena clínica:

- Lembrança: um sítio, à beira de um rio; ele, junto de


alguns garotos. De repente, surge um rapaz que não
integrava o grupo. Entra no rio; começa a se afogar;
Paciente: entra para salvá-lo. Ao se aproximar:
o “abraço de afogado”;

- Salvar a mulher;
- Ele se faz capturar;
- Deslocamento: ‘Que mulher é essa?’ -> ‘Quem/ o que sou
diante da mulher?’
ALEXANDRE
SIMÕES
® Todos os
direitos de
autor
reservados.
AlexandreSimoesPsicanalista alexandresimoespsicanalista

alexandresimoes@terra.com.br (37) 99902-9230 ALEXANDRE


SIMÕES
® Todos os
direitos de
autor
reservados.