Você está na página 1de 64

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

FACULDADE DE DIREITO
CURSO DE GRADUAÇÃO EM DIREITO

CAMILA ROCHA BEZERRA

A OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA COMO PRÁTICA ABUSIVA ANTE O


SISTEMA DE PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR INSTITUÍDO NO BRASIL

FORTALEZA
2017
CAMILA ROCHA BEZERRA

A OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA COMO PRÁTICA ABUSIVA ANTE O SISTEMA


DE PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR INSTITUÍDO NO BRASIL

Monografia apresentada à Coordenação do


Curso de Graduação em Direito da
Universidade Federal do Ceará, como requisito
parcial para a obtenção de grau de Bacharel
em Direito.
Área de concentração: Direito do Consumidor.

Orientador: Prof. Dr. William Paiva Marques


Júnior.

FORTALEZA
2017
CAMILA ROCHA BEZERRA

A OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA COMO PRÁTICA ABUSIVA ANTE O SISTEMA


DE PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR INSTITUÍDO NO BRASIL

Monografia apresentada à Coordenação do


Curso de Graduação em Direito da
Universidade Federal do Ceará, como requisito
parcial para a obtenção de grau de Bacharel
em Direito.
Área de concentração: Direito do Consumidor.

Aprovada em: ___/___/______.

BANCA EXAMINADORA

________________________________________
Prof. Dr. William Paiva Marques Júnior (Orientador)
Universidade Federal do Ceará (UFC)

_________________________________________
Prof. Msc. Fernanda Cláudia Araújo da Silva
Universidade Federal do Ceará (UFC)

_________________________________________
Lara Dourado Mapurunga Pereira
Universidade Federal do Ceará (UFC)
A minha mãe, Cláudia Rocha, por todo o amor
e dedicação.
AGRADECIMENTOS

Inicialmente, agradeço a minha família, em especial a minha mãe, Cláudia Rocha,


por sempre ter me incentivado a estudar e acreditado no meu potencial, além de ter dedicado
todo seu amor a mim e a nossa família, empregando todos os seus esforços para nos ver feliz.
Agradeço ao Prof. William Marques pela orientação e apoio dedicados durante a
elaboração deste trabalho, se mostrando sempre disponível, prestativo e disposto a ajudar em
tudo o que fosse necessário. Um profissional ímpar, de quem tenho orgulho de ter sido
orientanda, querido por todos na Faculdade de Direito em razão de seu carisma, da sua
inteligência e do seu profissionalismo.
Agradeço aos demais participantes da Banca examinadora pela generosidade em
aceitar fazer parte da realização deste trabalho, Prof. Fernanda Cláudia e Lara Dourado, de
quem tive o prazer de ser colega de classe e hoje me inspira pela inteligência e dedicação.
Agradeço ainda aos amigos que me acompanharam durante a jornada da
graduação, por vezes árdua, tornando esses anos mais leves e felizes, em especial: Rebeca
Fontenele, Rafaelle Paiva, Melissa Rodrigues, Dayane Aquino, Isadora Ribeiro, Bernardo
Martins, Davi Guimarães e Brenda Vasconcelos.
Agradeço também às amigas que me acompanham desde o Ensino Fundamental e,
até hoje, me apoiam e incentivam em todas as ocasiões. A elas sou muito grata por me
ensinarem o verdadeiro valor da amizade e por me mostrarem que, apesar de seguirmos
caminhos diferentes, estaremos sempre juntas: Rejane Furtado, Amanda Rocha, Aline Aires,
Manuella Van-Der Linden, Gabriela Guerra, Ingrid Collyer e Thais Neiva.
Agradeço ao Matheus Gois por ter se tornado meu companheiro de vida e por
todas as vezes em que acreditou em mim quando nem mesmo eu acreditava.
Por fim, agradeço às instituições em que tive o prazer de fazer parte enquanto
estagiária – Valença & Associados e 11ª Vara Criminal da Justiça Federal do Ceará – onde me
foram proporcionados grandes ensinamentos tanto profissionais quanto pessoais. Agradeço
especialmente à Dra. Grace Queiroz e ao Dr. Bruno Pereira, chefes com quem aprendi lições
valiosas sobre a aplicação do Direito na prática, sobre dedicação e sobre profissionalismo.
“Os antigos egípcios construíram monumentos
para durar por gerações sem fins, cerca de tudo
que produzimos na América do Norte é feito para
quebrar.”

(Giles Slade)
RESUMO

O presente trabalho almeja estudar a prática da obsolescência programada pelos fornecedores


no mercado de consumo contemporâneo, analisando seu caráter abusivo diante do sistema de
proteção ao consumidor instituído no Brasil. O estudo foi baseado em pesquisa bibliográfica
utilizando-se livros, artigos, dissertações de mestrado e teses de doutorado, além da legislação
pertinente ao tema. Analisa-se, inicialmente, a proteção constitucional conferida ao
consumidor no Brasil, o surgimento do Código de Defesa do Consumidor - CDC, fazendo um
estudo dos principais princípios norteadores desse Código. Em seguida, são estudados os
conceitos essenciais dos elementos caracterizadores da relação de consumo, além de ser feita
uma análise das práticas abusivas no âmbito do CDC. Por fim, conceitua-se a prática da
obsolescência programada, dando exemplos de sua utilização e demonstrando que constitui
uma prática abusiva vedada pelo CDC em razão de violar diversos preceitos desse Código.

Palavras-chave: Obsolescência Programada. Prática Abusiva. Proteção ao Consumidor.


ABSTRACT

This work aims to discuss the practice of planned obsolescence by suppliers in the
contemporary consumer market, analyzing how abusive it is regarding to the consumer
protection system established in Brazil. The study was based on bibliographical research, including
books, articles, Master of Arts dissertations and Ph.D thesis, in addition to the legislation pertinent to
the theme. Initially, this paper analyzes the constitutional protection ensured to the consumers
in Brazil, the emergence of the Consumer Defense Code - CDC and it also studies the main
guiding principles of this Code. Next, it studies the consumer relation essential concepts
besides analyzing abusive practices in the CDC ambit. Finally, this work conceptualizes
planned obsolescence, exploring examples of how it is practiced and demonstrating that it
constitutes an abusive practice prohibited by the CDC because it violates several precepts of
this Code.

Keywords: Planned Obsolescence. Abusive Practice. Consumer Protection.


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ADCT Ato das Disposições Constitucionais Transitórias


CDC Código de Defesa do Consumidor
Conmetro Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
Inmetro Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia
Sinmetro Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial
STJ Superior Tribunal de Justiça
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ................................................................................................. 12
2 A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL DO CONSUMIDOR E O
SURGIMENTO DO MICROSSISTEMA DO CDC NO BRASIL ............... 14
2.1 Princípios norteadores do Código de Defesa do Consumidor ....................... 16
2.1.1 Princípio da vulnerabilidade do consumidor .................................................... 17
2.1.2 Princípio da transparência ou da confiança ..................................................... 19
2.1.3 Princípio da informação .................................................................................... 20
2.1.4 Princípio da boa-fé objetiva ............................................................................... 22
2.1.5 Princípio da equidade ......................................................................................... 24
3 OS ELEMENTOS CARACTERIZADORES DA RELAÇÃO DE
CONSUMO E AS PRÁTICAS COMERCIAIS ABUSIVAS ......................... 26
3.1 Elementos estruturais da relação jurídica ...................................................... 26
3.2 Elementos subjetivos da relação de consumo: o consumidor e o
fornecedor .......................................................................................................... 27
3.3 Elementos objetivos da relação de consumo: o produto e o serviço ............. 32
3.4 Práticas comerciais abusivas no âmbito das relações de consumo ............... 34
4 A OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA COMO PRÁTICA
COMERCIAL ABUSIVA NO ÂMBITO DO DIREITO CONSUMIDOR
NO BRASIL ....................................................................................................... 39
4.1 Obsolescência programada: construto histórico e delimitação conceitual .. 39
4.2 Técnicas utilizadas na prática da obsolescência programada ....................... 42
4.3 O caráter abusivo da prática da obsolescência programada ante o sistema
de proteção ao consumidor no Brasil .............................................................. 47
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 57
REFERÊNCIAS ................................................................................................ 59
12

1 INTRODUÇÃO

As relações de consumo na atualidade se caracterizam fortemente pelo grande


aumento do acesso aos bens de consumo pelos indivíduos, de modo que, em relação aos
fornecedores, observa-se, cada vez mais uma busca desenfreada pelo lucro, pelo aumento da
produtividade e das vendas, mesmo que, para isso, tenham que se utilizar de práticas abusivas
do ponto de vista da proteção ao consumidor.
Nesse contexto, a prática da obsolescência programada, consistente na redução
proposital, pelos fornecedores, da vida útil dos produtos colocados no mercado ganha
destaque, em virtude de ser bastante utilizada na contemporaneidade.
Trata-se de técnica relativamente recente na história do mercado de consumo,
tendo seus primeiros registros datando dos anos 1920, cujo conceito e desenvolvimento vêm
apresentando modificações ao longo do tempo, buscando adequar-se cada vez mais à
complexidade do mercado de consumo.
Realmente, com o constante surgimento de novas tecnologias, os fornecedores
passaram a se utilizar desses aspectos com o objetivo de aumentar seus rendimentos. No
entanto, até que ponto essa utilização constitui estratégia legítima de mercado?
A obsolescência programada possui diversos modos de ser posta em prática,
várias são as técnicas utilizadas pelos fabricantes para diminuir a vida útil dos produtos, desde
o emprego de matérias primas que se desgastam com maior facilidade até a introdução
massiva de novos produtos no mercado, apenas com alterações de design, para darem aos
consumidores, com o auxílio de campanhas publicitárias, a ideia de que os bens que possuem
já estão obsoletos.
Nesse sentido, considerando o sistema de proteção ao consumidor instituído no
Brasil com o advento da Lei n° 8.078/90, o chamado Código de Defesa do Consumidor -
CDC, observa-se que essa prática pode (e deve) ser considerada abusiva e, portanto, vedada,
em razão de contrariar diversos princípios fundamentais do CDC, apesar de não estar
expressamente prevista no rol de práticas abusivas trazidas por esse código, vez que se trata
de rol meramente exemplificativo.
No que se refere à metodologia utilizada, a elaboração do presente trabalho foi
desenvolvida a partir de uma revisão bibliográfica. Identificado o tema, buscou-se literaturas
pertinentes, sendo feita análise e síntese, utilizando-se principalmente livros específicos sobre
Direito do Consumidor, bem como artigos científicos, páginas virtuais, monografias e teses de
mestrado e de doutorado relacionados ao tema principal. Ademais, foram feitas análises da
13

legislação pertinente, em especial do Código de Defesa do Consumidor, bem como de


precedentes judiciais de diversos tribunais brasileiros.
A questão central presente neste trabalho, portanto, é conceituar a prática
obsolescência programada, exemplificando as diversas técnicas pelas quais ela pode ser posta
em prática pelos fornecedores, demonstrando seu caráter abusivo diante do sistema de
proteção ao consumidor instituído no Brasil.
Para tanto, inicialmente, serão apresentados aspectos introdutórios essenciais para
a compreensão do tema, contextualizando o sistema de proteção ao consumidor no Brasil, por
meio da explanação acerca do surgimento do CDC, dos princípios que o norteiam e dos
conceitos básicos de consumidor, fornecedor, produto e serviço presentes nesse código.
Ainda no sentido de introdução ao tema principal, será analisada a questão do
abuso de direito e das práticas abusivas no Código de Defesa do Consumidor, demonstrando
que não é necessário que uma prática comercial esteja expressamente prevista nesse código
para ser caracterizada como abusiva.
Posteriormente, adentra-se no objeto principal do presente trabalho, analisando-se
o histórico e o conceito, bem como diversos exemplos da prática da obsolescência
programada, inclusive discriminando algumas técnicas aplicadas pelos fornecedores no
sentido de reduzir a vida útil dos produtos.
Feita essa análise conceitual, serão demonstradas as razões pelas quais essa
prática comercial pode ser caracterizada como abusiva em relação ao sistema de proteção ao
consumidor presente no Brasil, tendo em vista ser contrária aos princípios fundamentais do
CDC, demonstrando-se a necessidade de soluções legislativas inovadoras para prevenir e
combater a utilização dessa prática pelos fornecedores, principalmente no que diz respeito ao
fornecimento de informações aos consumidores.
14

2 A PROTEÇÃO CONSTITUCIONAL DO CONSUMIDOR E O SURGIMENTO DO


MICROSSISTEMA DO CDC NO BRASIL

A sociedade contemporânea está marcada fortemente pelo aumento considerável


do consumo, de modo que as relações consumeristas estão presentes no cotidiano de
praticamente todos os indivíduos.
Para Zygmunt Bauman (2007, p. 73), a sociedade contemporânea influencia as
relações econômicas e jurídicas, de modo que “[...] a liberdade de contratar e o princípio da
autonomia da vontade, que fundamentavam o direito civil clássico tornam-se insuficientes
para assegurar a justiça e o equilíbrio”, em razão da grande influência da cultura do
consumismo, bem como da existência de diversas alternativas e opções de consumo na
contemporaneidade.
Dessa forma, tornou-se necessária uma modificação e atualização do Direito no
sentido de proporcionar maior proteção ao consumidor e permitir um equilíbrio justo entre as
partes da relação de consumo, nascendo, assim, o Direito do Consumidor.
Nesse sentido, Cláudia Lima Marques (2013, p. 31) afirma que:
[...] o chamado direito do consumidor é um ramo novo do direito, disciplina
transversal entre o direito privado e o direito público, que visa proteger um sujeito
de direitos, o consumidor, em todas as suas relações jurídicas frente ao fornecedor,
um profissional, empresário ou comerciante.

Assim, a própria Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em


1988, traz expressamente essa proteção à pessoa do consumidor, tendo em vista a nova
realidade da sociedade contemporânea. Conforme o art. 5º, inciso XXXII, “O Estado
promoverá a defesa do consumidor na forma da lei” (BRASIL, Constituição da República
Federativa do Brasil, 1988).
A proteção ao consumidor é considerada, portanto, uma liberdade positiva do
Estado, ou seja, uma liberdade para verdadeiramente atuar em prol da tutela do consumidor,
por meio da criação de leis e normas que assegurem tratamento especial a esses indivíduos,
diante do desequilíbrio existente nas relações de consumo (GIANCOLI; ARAUJO JUNIOR,
2013, p. 29).
Além disso, a Constituição de 1988, em seu art. 170, inciso V, traz a defesa do
consumidor como princípio da ordem econômica, dispondo:
A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre
iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da
justiça social, observados os seguintes princípios: [...] V - defesa do consumidor;
[...] (BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil, 1988).
15

Observa-se, portanto, que a garantia da proteção e defesa do consumidor


encontram-se sedimentadas na Constituição do Brasil, atenta às transformações do mundo
moderno e das relações de consumo.
Nesse sentido, o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, em seu art. 48
dispõe que “O Congresso Nacional, dentro de cento e vinte dias da promulgação da
Constituição, elaborará código de defesa do consumidor.” (BRASIL, 1988). Desse modo,
entrou em vigor no Brasil a Lei n° 8.078, no ano de 1990, o chamado Código de Defesa do
Consumidor (CDC).
Para Bruno Miragem (2013, p. 44), a expressão “código” utilizada pelo
constituinte indicaria exatamente a elaboração de normas organizadas em um sistema, com a
presença de princípios e regras que tenham o objetivo de proteger o consumidor frente à
relação de consumo.
Dessa forma, apesar de muitos doutrinadores entenderem que o CDC se trata de
apenas de uma lei, o mesmo pode ser qualificado realmente como código, não apenas em
razão de o próprio ADCT assim determinar, mas por criar, conforme leciona Brunno Pandori
Giancoli e Marco Antonio Araujo Junior (2013, p. 30), uma verdadeira estrutura de proteção à
pessoa do consumidor, englobada por um sistema nacional de defesa dos consumidores.
Ademais, é possível afirmar que o CDC é um microssistema jurídico, uma vez
que reúne, em uma única lei, normas de diversos ramos jurídicos, tais como normas de
processo civil, de direito penal, de direito administrativo, etc. Portanto, não se trata de um
diploma legal monotemático, mas que abrange diversas áreas do direito. É importante
destacar que um microssistema não se trata de algo isolado, separado dos demais, mas que
possui comunicação com o todo o sistema jurídico brasileiro, devendo estar subordinado
diretamente à Constituição Federal. (BRAGA NETTO, 2014, p. 39-40).
Em relação à natureza do Código de Defesa do Consumidor, seu art. 1º estabelece
“O presente código estabelece normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública
e interesse social, nos termos dos arts. 5º, inciso XXXII, 170, inciso V da Constituição
Federal e art. 48 de suas Disposições Transitórias.” (BRASIL, Lei n° 8.098, 1990).
De fato, Rizzato Nunes (2015, p. 162) reitera que a Lei nº 8.078 (CDC) é uma
norma de ordem pública e interesse social, como expressado no próprio texto da lei,
destacando ainda que ela possui caráter geral e principiológico, de modo que todas as outras
normas que sejam anteriores a ela ou que, de algum modo, a contrariem, tornam-se revogadas.
Nesse mesmo sentido, ressalta Flávio Tartuce (2013, p. 10), que o Código de
Defesa do Consumidor, do ponto de vista hierárquico, estaria acima das demais leis
16

ordinárias, motivo pelo qual as outras normas que a ele sejam contrárias, são consideradas
revogadas, como destacado acima. No entanto, como qualquer outro diploma legal no Brasil,
o CDC está diretamente subordinado à Constituição Federal de 1988, de modo que deve
respeitar todas as suas regras. Conclui-se, portanto, que o Código de Defesa do Consumidor
possui eficácia supralegal.
Além disso, dizer que as normas do CDC são de ordem pública e interesse social,
significa que elas incidem sobre todas as relações caracterizadas como relações de consumo,
não podendo ser afastadas ou renunciadas. Nesse sentido, como averba José Roberto de
Castro Neves (2006, p. 198), os dispositivos do Código de Defesa do Consumidor não podem
ser afastados por vontade das partes por serem de aplicação obrigatória nos casos envolvendo
uma relação consumerista.
No entanto, é necessário ressaltar que:
[...] a natureza cogente das normas do CDC não afastam a aplicação do princípio da
liberdade de contratar e da autonomia privada. Esta base principiológica continua
irradiando efeitos, mesmo nas relações de consumo, desde que mantenham harmonia
com os demais princípios específicos do direito do consumidor. (GIANCOLI;
ARAUJO JUNIOR, 2013, p. 31).

Assim, para exemplificar, se um indivíduo estuda em um cursinho privado


preparatório para o vestibular e vem a sofrer um acidente na sala de aula, em razão de falha na
manutenção do gesso no teto, vindo a sofrer danos físicos e psicológicos, em caso de
indenização, o prazo para ingresso da ação seria aquele previsto no CDC, de cinco anos,
mesmo que haja cláusula no contrato de prestação de serviços educacionais versando que, em
caso de dano, o prazo para pleitear a reparação seria de três anos, nos termos do Código Civil.
De fato, essa hipotética cláusula não seria válida, uma vez que contraria
dispositivo de proteção ao consumidor e as normas do CDC não admitem renúncia ou
afastamento por disposição particular, sendo obrigatória sua incidência nessa relação
caracterizada como de consumo.
Dessa forma, resta claro que a criação do Código de Defesa do Consumidor no
Brasil foi um marco na proteção do consumidor no âmbito das relações consumeristas, em
uma sociedade que já ansiava por uma atualização do direito, frente a um cenário mundial
cada vez mais marcado pela forte cultura do consumo, pelo avanço tecnológico dos meios de
produção e pela busca muitas vezes desenfreada pelo sucesso e pelo lucro.

2.1 Princípios norteadores do Código de Defesa do Consumidor


17

Diante de uma sociedade contemporânea, inserida no contexto do capitalismo,


fortemente orientada com base em uma cultura de forte consumismo e da busca pelo lucro “a
qualquer custo” por parte dos grandes fornecedores, os princípios que orientam o Direito do
Consumidor, presentes no Código de Defesa do Consumidor, visam a permitir uma maior
proteção da pessoa do consumidor dentro da relação de consumo, de modo a orientar a correta
interpretação e aplicação das normas regulamentadoras dessa relação.
Conforme ressaltado, a criação do CDC foi um marco na atualização do direito no
Brasil frente às novas conjunturas sociais e esse código está repleto de normas
principiológicas, ou seja, normas derivam de princípios, e portanto, transmitem o espírito da
proteção ao consumidor, estabelecendo objetivos a serem alcançados (BRAGA NETTO,
2014, p. 49).
Nas palavras de Felipe Peixoto Braga Netto (2014, p. 49), “[...] os princípios,
assim como os conceitos jurídicos indeterminados, possibilitam uma alteração do direito sem
que texto da lei tenha necessariamente que mudar. Possibilitam, portanto, uma maior
adequação das normas às mudanças sociais, cada vez mais velozes.”.
De fato, os princípios, no âmbito do direito do consumidor, servem,
principalmente, como guia para a aplicação da legislação consumerista no caso concreto,
buscando proteger a parte mais fraca na relação de consumo, o consumidor, e coibir certas
práticas adotadas pelos fornecedores, como serão posteriormente tratadas, que vão de
encontro à proteção conferida aos consumidores pela própria Constituição Federal brasileira.
Realmente, os princípios representam o verdadeiro espírito do Código de Defesa
do Consumidor, de modo que, mesmo que determinadas condutas praticadas dentro da relação
jurídica de consumo não estejam expressamente previstas nesse código como ilícitas, é
possível analisar o caso concreto para perceber se vão de encontro aos princípios
fundamentais do sistema de proteção ao consumidor e, portanto, contra o próprio espírito do
CDC, para fins de responsabilização.
Dessa forma, apresentam-se adiante alguns dos principais princípios extraídos do
CDC que atuam nessa função de adequar as normas ao caso concreto e possibilitar, na prática,
uma proteção mais efetiva do consumidor nas relações de consumo. Lembra-se que outros
princípios também são citados pela doutrina e pela jurisprudência, mas buscou-se, neste
trabalho, trazer a definição apenas dos principais deles, dos quais decorrem outros que lhes
são correlatos, e que serão essenciais para compreender o objeto do principal do estudo, que é
a obsolescência programada no âmbito do Direito do Consumidor.
18

2.1.1 Princípio da vulnerabilidade do consumidor

A vulnerabilidade do consumidor é, certamente, o princípio básico do CDC,


aquele que fundamenta todo o sistema de proteção. De fato, o próprio Código de Defesa do
Consumidor foi criado para desfazer o desequilíbrio presente na relação de consumo entre
consumidor e fornecedor.
Assim, o art. 4º, inciso I do Código de Defesa do Consumidor dispõe:
A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o atendimento das
necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e segurança, a
proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de vida, bem
como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os seguintes
princípios: I - reconhecimento da vulnerabilidade do consumidor no mercado de
consumo. (BRASIL, Lei n° 8.078, 1990).

Observa-se, que o código pretende conceder ao consumidor a condição de


vulnerável nas relações de consumo reconhecendo sua fragilidade, com o objetivo de
equilibrar essa relação jurídica e igualar, no plano infraconstitucional, as partes, que são o
consumidor e o fornecedor (TARTUCE; NEVES, 2013, p. 31).
Assim, considera-se a vulnerabilidade do consumidor como
O princípio do qual o sistema jurídico brasileiro reconhece a qualidade daquele ou
daqueles sujeitos mais fracos na relação de consumo, tendo em vista a possibilidade
de que venham a ser ofendidos ou feridos, na sua incolumidade física ou psíquica,
bem como no âmbito econômico, por parte do sujeito mais potente na mesma
relação. (MORAES, 1999, p. 96).

Nesse sentido, Rizzato Nunes (2015, p. 202) afirma que o CDC, ao reconhecer a
vulnerabilidade do consumidor, admite que este integra a parte mais debilitada da relação de
consumo em razão, basicamente, do fato de que é o fornecedor quem possui os
conhecimentos acerca dos meios de produção, aos quais os consumidores muitas vezes não
têm acesso, e de que, geralmente, é o fornecedor quem possui maior poder econômico, em
relação ao consumidor.
Para Cláudia Lima Marques (2013, p. 98), ainda, existem quatro tipos de
vulnerabilidade, a técnica, a científica, a fática e a informacional, demonstrando que o
consumidor pode ser considerado vulnerável por mais de uma perspectiva, como sob o ponto
de vista da superioridade econômica e dos conhecimentos específicos acerca dos produtos e
serviços, que é o caso da vulnerabilidade fática e técnica respectivamente. Além disso, o
consumidor, muitas vezes não possui conhecimentos jurídicos ou econômicos, que podem
prejudica-lo em relação a identificar uma possível violação de seus direitos, caracterizando a
vulnerabilidade científica, bem como é comum que os fornecedores manipulem as
19

informações sobre as características dos produtos ou serviços, de modo que o consumidor se


torna vulnerável do ponto de vista informacional.
Apresentado o princípio da vulnerabilidade, faz-se necessário distinguir, no
entanto, a vulnerabilidade da hipossuficiência. A hipossuficiência deve ser observada no caso
concreto pelo juiz, que irá analisar as peculiaridades da situação, buscando investigar as
condições do consumidor em provar o que alega e a sua consequência direta é o direito à
inversão do ônus da prova, conforme disposto no art. 6º, inciso VIII do CDC (BRAGA
NETTO, 2014, p. 57).
A vulnerabilidade, por sua vez, goza de presunção absoluta, ou seja, nos termos
do disposto no CDC, todo consumidor é reconhecidamente vulnerável. Nas palavras de Flávio
Tartuce (2013, p. 34) “Assim sendo, todo consumidor é vulnerável, mas nem todo
consumidor é hipossuficiente.”.
Portanto, a vulnerabilidade, ao contrário da hipossuficiência, não depende da
análise das particularidades do caso concreto, sendo presumida, nos termos da lei. Dessa
forma, é possível analisar a presença ou não de vulnerabilidade na prática para estabelecer se
estar-se diante de uma relação de consumo em que há a incidência do CDC ou não, visto que
na relação consumerista ela sempre estará presente.

2.1.2 Princípio da transparência ou da confiança

O princípio da transparência está expressamente previsto no art. 4º, caput, do


CDC e, conforme Marielza Brandão Franco (2012, p. 6039), contribui para que exista uma
maior segurança para as partes da relação de consumo. De fato, é imprescindível que o
consumidor tenha acesso a informações claras e precisas acerca do produto ou serviço que
está adquirindo, de modo que o princípio da transparência busca exatamente evitar a
utilização de técnicas ardilosas pelos fornecedores no intuito de ludibriar os consumidores por
meio de informações incompletas, incompreensíveis ou obscuras.
Ainda nas palavras de Marielza Brandão Franco (2012, p. 6039), observa-se que
esse dever de transparência deve existir
[...] não só no momento da formação do contrato, mas desde o momento da
publicidade que deve apresentar o produto ou serviço de forma real, com suas
características essenciais, e o seu conteúdo do contrato com todas as consequências
quanto a sua aquisição, sem omissões ou intenção de enganar o consumidor,
protegendo e garantindo, assim, sua vontade real e verdadeira.

De fato, observa-se que esse princípio veda, tanto na fase pré-contratual, quanto
no momento da efetiva realização da relação de consumo, a utilização de condutas ardilosas,
20

exigindo transparência entre os sujeitos da relação consumerista, que devem pautar suas
condutas na lealdade recíproca, na cooperação e na boa-fé.
Cabe destacar ainda, sua incidência na fase pós-contratual. Realmente, esses
deveres de cooperação e boa-fé entre as partes também devem estar presentes mesmo após
findo o contrato, conforme salienta Aldemiro Rezende (2006, p. 170) é possível, por exemplo,
que seja necessária a prestação de informações corretas pelo fornecedor sobre a utilização do
bem de consumo ou sobre os procedimentos de assistência técnica mesmo após à resolução
contratual, motivo pelo qual é indispensável a incidência do princípio da transparência
também nessa fase.
Desse modo, como consequência do princípio da transparência tem-se o dever de
informar o consumidor por meio de uma oferta clara, transparente e precisa, sobre as
características do produto ou serviço e sobre as condições do contrato. Deve-se criar,
portanto, uma relação consumerista de lealdade, confiança e transparência, evitando que o
consumidor possa vir a ser enganado e ter suas expectativas sobre o produto ou serviço
frustradas, sendo levado a adquirir algo que pensa ser de uma forma, em razão das
informações erroneamente prestadas pelo fornecedor, mas na verdade não é o que pretendia
adquirir.
Além disso, o próprio contrato deve estar redigido de modo que não existam
cláusulas obscuras, dúbias ou contraditórias para enganar o consumidor no momento da
contratação, principalmente no caso dos contratos de adesão, onde o consumidor não tem
participação no momento da elaboração, mas deve ter o direito de ficar ciente de todo o seu
conteúdo de maneira induvidosa (MARQUES, 2006, p. 719-720).
Cabe destacar ainda, incidência do princípio da transparência na fase pós-
contratual. Realmente, os deveres de cooperação e boa-fé entre as partes também devem estar
presentes mesmo após findo o contrato, conforme salienta Aldemiro Rezende (2006, p. 170) é
possível, por exemplo, que seja necessária a prestação de informações corretas pelo
fornecedor sobre a utilização do bem de consumo ou sobre os procedimentos de assistência
técnica mesmo após à resolução contratual, motivo pelo qual é indispensável a incidência do
princípio da transparência também nessa fase.

2.1.3 Princípio da informação

O princípio da informação está expresso no Código de Defesa do Consumidor em


seus artigos 4º, inciso IV e 6º, inciso III:
21

Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o


atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e
segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de
vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os
seguintes princípios: [...] IV - educação e informação de fornecedores e
consumidores, quanto aos seus direitos e deveres, com vistas à melhoria do mercado
de consumo; [...] (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990).

Art. 6º São direitos básicos do consumidor: [...] III - a informação adequada e clara
sobre os diferentes produtos e serviços, com especificação correta de quantidade,
características, composição, qualidade, tributos incidentes e preço, bem como sobre
os riscos que apresentem; [...] (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990).

Trata-se de princípio diretamente relacionado ao da transparência, sendo


fundamental no sistema de proteção ao consumidor. Esse princípio possui dois núcleos
traduzidos no dever de informar e no direito a ser informado.
Para Alexandre David Malfatti (2003, p. 253):
[...] a informação será adequada quando ajustada ao destinatário da mensagem: o
consumidor. O artigo 6º, inciso III, do Código de Defesa do Consumidor reconhece
em favor do consumidor – traduzindo um dever para o fornecedor – o direito de
receber informações adequadas.

E prossegue:
A informação será clara quando for facilmente percebida, compreendida, entendida
e assimilada pelo consumidor. A clareza serve como instrumento de adequação da
informação. O consumidor não pode ter dúvida de que está diante de uma mensagem
do fornecedor. Além disso o consumidor deve ser capaz de decodificar a mensagem
– informação – enviada pelo fornecedor. (MALFATTI, 2003, p.253).

O STJ, nessa linha, já se manifestou, no âmbito da decisão do Recurso Especial nº


586.316 com relatório do Ministro Herman Benjamin, no sentido de que o dever de
informação pode ser dividido em quatro categorias: a informação-conteúdo, que seria a
informação sobre características intrínsecas do produto e serviço; a informação-utilização,
sobre como se usa o produto ou serviço; a informação-preço, sobre custo, formas e condições
de pagamento; a informação-advertência sobre riscos do produto ou serviço (BRASIL, STJ,
2009).
Assim, é dever do fornecedor apresentar ao consumidor informações claras,
precisas e congruentes de forma simples e acessível, a respeito das características relevantes
dos produtos ou serviços oferecidos. De fato, trata-se da exigência de uma conduta positiva do
fornecedor de modo que uma falha de informação pode gerar responsabilidade e dever de
reparação, bem como a omissão caracteriza publicidade enganosa.
Conforme salienta Aldemiro Rezende (2006, p. 169-170) o dever de informação
deve estar presente na fase pré-contratual, de modo que as partes possam decidir sobre a
conveniência ou não da relação jurídica; durante a realização do contrato, para proteger, por
22

exemplo, a parte de danos causados pelo mau uso do bem; na fase pós-contratual, afim de
continuar garantindo informações sobre o bem e sobre assistência técnica.
Desse modo, a razão de ser do princípio da informação é permitir ao consumidor
o acesso à informação clara, precisa e congruente, assegurando a possibilidade de fazer
escolhas conforme sua necessidade e vontade, além de permitir a correta utilização do produto
ou serviço adquirido, mesmo após o fim do contrato.

2.1.4 Princípio da boa-fé objetiva

Esse princípio tem grande importância no direito contratual contemporâneo,


podendo ser considerado vital para o direito do consumidor como um todo, englobando todos
os demais princípios.
O princípio da boa-fé objetiva está presente no art. 4º, inciso III do CDC, que
enuncia:
Art. 4º A Política Nacional das Relações de Consumo tem por objetivo o
atendimento das necessidades dos consumidores, o respeito à sua dignidade, saúde e
segurança, a proteção de seus interesses econômicos, a melhoria da sua qualidade de
vida, bem como a transparência e harmonia das relações de consumo, atendidos os
seguintes princípios: [...] III - harmonização dos interesses dos participantes das
relações de consumo e compatibilização da proteção do consumidor com a
necessidade de desenvolvimento econômico e tecnológico, de modo a viabilizar os
princípios nos quais se funda a ordem econômica (art. 170, da Constituição Federal),
sempre com base na boa-fé e equilíbrio nas relações entre consumidores e
fornecedores; [...] (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990, grifou-se).

Desse modo, observa-se a necessidade de harmonização entre as partes e


equilíbrio na relação consumerista, visando à proteção do consumidor, bem como a
concretização dos fundamentos da ordem econômica.
Mas o que seria a boa-fé objetiva? Inicialmente, ressalta-se que o conceito de boa-
fé objetiva surgiu da evolução do conceito de boa-fé subjetiva. A boa-fé já era termo utilizado
em nosso ordenamento jurídico, em dispositivos do Código comercial de 1850 e do Código
Civil de 1916, no entanto, foi com o Código do Consumidor que esse termo passou a ter nova
significação, atrelada ao efetivo comportamento humano indicativo de honestidade, ética e
cooperação recíproca (GIANCOLI; ARAUJO JUNIOR, 2013, p. 61 - 62).
Após o surgimento do CDC, em 1990, entrou em vigor no Brasil o novo Código
Civil Brasileiro, em 2002, normatizando em seu artigo 422 o princípio da boa-fé objetiva, ao
dispor: “Os contratantes são obrigados a guardar, assim na conclusão do contrato, como em
sua execução, os princípios de probidade e boa-fé”. (BRASIL, Lei nº 10.406, Código Civil,
2002).
Nesse sentido, ressalta William Paiva Marques Júnior (2013, p. 318) que:
23

O Código Civil de 2002 está permeado de uma estrutura principiológica oriunda da


constitucionalização das relações privadas. Neste jaez, tem-se: (a) uma hermenêutica
civilista contemporânea amalgamada pelo princípio da sociabilidade das relações
privadas em seus mais diversos matizes; (b) a força cogente dos contratos apresenta
uma liberdade contratual mitigada por matérias de ordem pública; (c) a propriedade
e seus consectários (contrato e empresa) denotam o seu viés eminentemente
permeado pela função social; (d) adoção dos postulados gerais da cooperação,
solidariedade e boa-fé; (e) reconhecimento dos direitos da personalidade e a sua
repercussão na responsabilização civil; (f) objetivação da responsabilização civil em
situações cada vez mais numerosas; (g) a eficácia horizontal dos direitos
fundamentais. (grifou-se).

Além disso, destaca que, da passagem do constitucionalismo clássico para o


neoconstitucionalismo, houve uma tendência à humanização do Direito (MARQUES
JÚNIOR, 2013, p. 349).
Assim, observa-se que o princípio da boa-fé objetiva constitui cláusula geral de
Direito Privado presente no Código Civil de 2002, de modo que é notável a aproximação
deste com o Código de Defesa do Consumidor no que concerne aos princípios, visto que
ambos buscam realizar os ideais do Estado Social (LÔBO, 2002, p. 13) e seguem essa
tendência de humanização do Direito.
Judith Martins Costa (2000, p. 411-412), distingue com clareza a boa-fé subjetiva
da boa-fé objetiva, lecionando que
A expressão ‘boa-fé subjetiva’ denota ‘estado de consciência’, ou convencimento
individual de obrar (a parte) em conformidade ao direito (sendo) aplicável, em regra,
ao campo dos direitos reais, especialmente m matéria possessória. Diz-se ‘subjetiva’
justamente porque, para a sua aplicação, deve o intérprete considerar a intenção do
sujeito da relação jurídica, o seu estado psicológico ou íntima convicção. Já por
‘boa-fé objetiva’ se quer significar – segundo a conotação que adveio da
interpretação do parágrafo 242 do Código Civil alemão, de larga força expansionista
em outros ordenamentos e, bem assim, daquela que lhe é atribuída nos países da
commom law – modelo de conduta social, arquétipo ou standard jurídico, segundo o
qual cada pessoa deve ajustar a própria conduta a esse arquétipo, obrando como
obraria um home reto: com honestidade, lealdade, probidade. Por este modelo
objetivo de conduta levam-se em consideração os fatores concretos do caso, tais
como o status pessoal e cultural dos envolvidos, não se admitindo uma aplicação
mecânica do standard, de tipo meramente subsuntivo.

Dessa forma, é possível conceituar a boa-fé objetiva como o dever, na relação


contratual, de agir conforme os ditames da lealdade, da cooperação, da ética, da integridade,
da honestidade, saindo do plano da vontade das partes (boa-fé subjetiva) para o plano da
verdadeira conduta humana.
A boa-fé objetiva desdobra-se em diversos outros deveres anexos, que não
precisam estar previstos, tais como o dever de cuidado, de informar e o de agir de forma
honesta, por isso diz-se que o princípio da boa-fé objetiva engloba os demais (TARTUCE;
NEVES, 2013, p. 37).
24

Ademais, ressalta-se que a boa-fé objetiva possui três funções básicas: servir,
conforme já citado acima, como fonte de novos deveres anexos (função criadora); limitar o
exercício dos direitos subjetivos, definindo certas condutas como abusivas (função
limitadora); ser utilizada como interpretação dos contratos, proibindo intepretações maliciosas
dos dispositivos contratuais de modo a permitir vantagens indevidas (função interpretadora)
(MARQUES; BENJAMIN; MIRAGEM, 2010, p. 125).
Destaca-se que, no Código Civil de 2002, o artigo 113 também traz expressa a
incidência da boa-fé nos negócios jurídicos, de modo que se trata claramente da boa-fé
objetiva explicitada ao longo deste tópico, ou seja, regra de conduta humana, caracterizando a
função interpretadora desse princípio ora citada, nos seguintes termos “Os negócios jurídicos
devem ser interpretados conforme a boa-fé e os usos do lugar de sua celebração.” (BRASIL,
Lei nº 10.406, Código Civil, 2002).
De forma prática, o princípio da boa-fé objetiva encontra-se traduzido em diversos
dispositivos do CDC, sendo o princípio máximo desse Código. Destacam-se, conforme
salienta Flávio Tartuce (2013, p. 38), adiante alguns dos dispositivos em que é possível
observar a incidência da boa-fé objetiva:
No art. 9º do CDC, que estabelece o dever do fornecedor de informar o perigo e
nocividades dos produtos ou serviços colocados no mercado, a boa-fé objetiva é essencial
para determinar a responsabilidade decorrente de falha na informação ou publicidade
enganosa.
No art. 31 do CDC, que estabelece a necessidade de o fornecedor prestar
informações claras e precisas ao consumidor, mais uma vez observa-se a incidência da boa-fé
objetiva em relação à oferta do produto, evitando a publicidade abusiva ou enganosa.
Por fim, o art. 48 do Código de Defesa do Consumidor determina que as
manifestações de vontade, pré-contratuais ou não, vinculam o fornecedor. Assim, observa-se a
necessidade de uma conduta leal e honesta em todas as fases contratuais, visto que as
manifestações de vontade vinculam o fornecedor, de modo que o princípio da boa-fé objetiva
incide nas fases pré-contratual, contratual e pós-contratual.

2.1.5 Princípio da equidade

Para finalizar, o último princípio a ser citado dentre os fundamentais do CDC é o


princípio da equidade. Ressalta-se, inicialmente, que esse princípio não é exclusivo do Direito
do Consumidor, mas em virtude da necessidade do equilíbrio entre as partes na relação de
25

consumo, já mencionado neste trabalho, ele acaba por se tornar um princípio com grande
relevância no sistema de proteção ao consumidor.
O princípio da equidade, nas palavras de Marielza Brandão Franco (2012, p.
6040):
[...] significa dizer que, quanto ao conteúdo dos contratos e seus consequentes
efeitos, é preciso que haja equilíbrio de direitos e deveres, podendo o juiz dispor da
relação contratual para torná-la mais equânime, sobrepondo a vontade das partes
para restabelecer o equilíbrio e promovendo um controle concreto e efetivo do
conteúdo contratual na existência de cláusulas abusivas.

Ou seja, o princípio da equidade busca garantir o equilíbrio aos contratos, visando


à justiça contratual entre os sujeitos da relação de consumo.
Esse princípio está presente no art. 4º, inciso III, já transcrito no tópico anterior
atinente à boa-fé objetiva, e no art. 51 do Código de Defesa do Consumidor, que estatui:
Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais relativas ao
fornecimento de produtos e serviços que: [...] IV - estabeleçam obrigações
consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem
exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade; [...] (BRASIL,
Lei nº 8.078, 1990, grifou-se).

Portanto, a cláusula contratual que contrariar o princípio da equidade, gerando


grande desequilíbrio na relação consumerista, de modo que ponha o consumidor em clara
desvantagem, será declarada nula de pleno direito.
Nessa linha, para Bruno Pandori Giancoli e Marco Antonio Araujo Junior (2013,
p. 63), essa norma dá ao juiz a possibilidade invalidar a cláusula contratual, de forma total ou
parcial, em relação ao que for contrário à equidade e à boa-fé, podendo efetivamente afastar
do campo da incidência aquilo que está caracterizando grande desequilíbrio na relação de
consumo, buscando novamente reequilibrá-la e garantir a justiça contratual entre as partes.
Assim, observa-se que a relação de consumo já é, por si, uma relação
desequilibrada, onde o consumidor integra o polo mais fraco, de modo que o direito do
consumidor e seus princípios fundamentais devem agir no sentido de efetivamente
proporcionar equilíbrio a essa relação, para que o consumidor não seja demasiadamente
prejudicado, o que é garantido pelos dispositivos ora citados.
26

3 OS ELEMENTOS CARACTERIZADORES DA RELAÇÃO DE CONSUMO E AS


PRÁTICAS COMERCIAIS ABUSIVAS

O conjunto de regras presentes no Código de Defesa do Consumidor, incluindo os


princípios norteadores explanados no capítulo anterior, é aplicado somente quando está
presente um vínculo jurídico de consumo entre as partes, ou seja, é necessária a caracterização
de uma relação jurídica de consumo para a aplicação dessas regras. Para Felipe Peixoto Braga
Netto (2014, p. 111), essa relação estará caracterizada quando estiverem vinculados um
consumidor e um fornecedor e quando o objeto for um produto ou um serviço.
Diante, portanto, da efetiva caracterização dessa relação consumerista, o Código
de Defesa do Consumidor apresenta os dispositivos que devem ser aplicados ao caso concreto
para tutelar essa relação. Dentre essas normas, o próprio CDC cuidou de enumerar, em seu
artigo 39, determinadas práticas comerciais consideradas abusivas em relação ao direito do
consumidor e que são, portanto, vedadas pelo Código.
O presente capítulo, dessa forma, aborda os elementos caracterizadores da relação
de consumo, para que seja possível identificar quando se está diante de uma relação
consumerista ou não, bem como traz um estudo das práticas abusivas tipificadas no Código de
Defesa do Consumidor, com o fito de introduzir o objeto principal do presente trabalho, qual
seja a obsolescência programada no âmbito do direito do consumidor.

3.1 Elementos estruturais da relação jurídica

Inicialmente, no entanto, para que seja possível compreender a estrutura da


relação jurídica de consumo, faz-se necessário trazer os elementos estruturais da relação
jurídica de maneira geral.
Francisco Amaral (2006, p. 159) descreve a relação jurídica como “[...] um
vínculo que o direito reconhece entre pessoas ou grupos, atribuindo-lhes poderes e deveres.
Representa uma situação em que duas ou mais pessoas se encontram, a respeito de bens ou
interesses jurídicos”.
Já Paulo Dourado de Gusmão (2003, p. 254) leciona que a relação jurídica
[...] é o vínculo que une duas ou mais pessoas, decorrente de um fato ou de um ato
previsto em norma jurídica, que produz efeitos jurídicos, ou, mais singelamente,
vínculo jurídico estabelecido entre pessoas, em que uma delas pode exigir de outra
determinada obrigação.

A partir das definições ora apresentadas e dos demais entendimentos doutrinários,


os juristas destacam os seguintes elementos estruturais da relação jurídica: os sujeitos, o
27

objeto e os fatos jurídicos, de modo que a relação jurídica seria, realmente, um vínculo entre
duas (ou mais) partes envolvendo direitos e deveres em relação a um determinado objeto.
Ressalta-se que outros elementos são citados pela doutrina como pertencentes à estrutura da
relação jurídica, no entanto, em razão de ainda haver grande divergência sobre o assunto,
destacar-se-ão os elementos mais comumente referidos pelos juristas.
Os sujeitos da relação jurídica são as pessoas ou entes despersonalizados, entre os
quais há uma ligação, sendo um o titular de um direito e outro o titular de um dever.
O objeto, sobre o qual recai o interesse das partes da relação jurídica, segundo
Maria Helena Diniz (2010, p. 516 - 517), pode ser dividido em objeto mediato e imediato. O
objeto mediato é justamente a prestação devida pelo sujeito passivo, que pode ser um dever
positivo ou negativo, e o objeto imediato é o bem jurídico tutelado.
Por fim, os fatos jurídicos são, nas palavras de Silvio de Salvo Venosa (2003, p.
365):
[...] todos os acontecimentos que, de forma direta ou indireta, ocasionam efeito
jurídico. Nesse contexto, admitimos a existência de fatos jurídicos em geral, em
sentido amplo, que compreendem tanto os fatos naturais, sem a interferência do
homem, como os fatos humanos, relacionados com a vontade humana.

Nesse sentido, Maria Helena Diniz (2010, p. 517) ressalta que é o fato jurídico
que tem a capacidade de vincular os sujeitos e de subordinar o objeto ao poder dos mesmos e,
portanto, concretizar a relação jurídica. Dessa forma, o fato jurídico é um acontecimento, que
pode ser natural ou proveniente da vontade humana, previsto em uma norma jurídica, que
pode gerar consequências no plano jurídico.
Apresentada e estrutura de uma relação jurídica, portanto, é possível que passar à
análise dos elementos específicos que caracterizam uma relação de consumo.

3.2 Elementos subjetivos da relação de consumo: o consumidor e o fornecedor

Conforme já esclarecido, somente quando se está diante de uma relação de


consumo, com todas as suas qualificadoras, é que será aplicado ao caso concreto o sistema de
proteção do Código de Defesa do Consumidor. Dessa forma, para o CDC, segundo o
entendimento de Rui Stoco (1996, p. 413), a relação de consumo deve ser compreendida
como sendo aquela que abrange a compra e venda de produtos por um consumidor final ou
prestação de serviços, excluídos os de cunho trabalhista
Nelson Nery Junior (2004, p. 493-495), por sua vez, caracteriza a relação de
consumo abrangida pelo CDC:
28

[...] assim entendida a relação jurídica existente entre fornecedor e consumidor tendo
como objeto a aquisição de produto ou a utilização de serviços pelo consumidor [...].
O CDC não fala de “contrato de consumo”, ato de consumo”, “negócio jurídico de
consumo”, mas de relação de consumo, termo que tem sentido mais amplo do que
aquelas expressões. [...] São sujeitos da relação de consumo o fornecedor e o
consumidor; são objeto da relação de consumo os produtos e serviços. O elemento
teleológico da relação de consumo é a finalidade com que o consumidor adquire os
produtos ou utiliza do serviço, isto é, como destinatário final.

Observa-se, portanto, que a relação jurídica de consumo é composta por sujeitos,


que serão sempre o consumidor e o fornecedor e pelo objeto, que pode ser um produto ou um
serviço. Mas quais seriam as definições de consumidor e fornecedor que caracterizam a
relação de consumo sobre a qual incide o CDC?
O Código de Defesa do Consumidor define o consumidor como “toda pessoa
física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final” (BRASIL,
Lei nº 8.078, 1990, art. 2º). Da leitura do dispositivo, portanto, observa-se o consumidor pode
ser tanto uma pessoa natural, quanto uma pessoa jurídica e que o CDC limitou esse conceito.
De fato, fica claro que apenas aquelas pessoas que adquirem o produto ou serviço como
destinatárias finais poderão ser consideradas consumidoras, nos termos do Código de Defesa
do Consumidor.
Desse modo, as pessoas (físicas ou jurídicas) que adquirem um produto ou
serviço com finalidade profissional, ou seja, como etapa da cadeia de produção, não seriam
consideradas consumidoras para fins de aplicação das normas do Código de Defesa do
Consumidor.
No que diz respeito ao elemento “destinatário final”, no entanto, ainda existem
divergências em relação a sua amplitude, ocasionando o surgimento de duas teorias sobre o
assunto, a finalista e a maximalista.
A corrente finalista, teria sido efetivamente a adotada pelo CDC em seu art. 2º,
prevalecendo o entendimento, na legislação brasileira, de que o consumidor deve ser o
destinatário final do produto ou serviço. Esse conceito de destinatário final deve ser visto sob
dois enfoques, de modo que o consumidor precisa ser o destinatário final tanto do ponto de
vista fático, quanto do ponto de vista econômico. (TARTUCE; NEVES, 2013, p. 73-74).
Cláudia Lima Marques (2013, p. 93-94) assim caracteriza o destinatário final na
perspectiva da teoria finalista:
Destinatário final seria aquele destinatário fático e econômico do bem ou serviço,
seja ele pessoa jurídica ou física. Logo, segundo essa interpretação teleológica, não
basta ser destinatário fático do produto, retirá-lo da cadeia de produção, levá-lo para
o escritório ou residência – é necessário ser destinatário econômico do bem, não
adquiri-lo para revenda, não adquiri-lo para uso profissional, pois o bem seria
novamente um instrumento de produção, cujo preço será incluído no preço final do
29

profissional para adquiri-lo. Nesse caso, não haveria exigida ‘destinação final’ do
produto ou do serviço, ou, como afirma o STJ, haveria consumo intermediário, ainda
dentro das cadeias de produção e de distribuição. Essa interpretação restringe a
figura do consumidor àquele que adquire (utiliza) um produto para uso próprio e de
sua família, consumidor seria o não profissional, pois o fim do CDC é tutelar de
maneira especial um grupo da sociedade que é mais vulnerável.

Já a teoria maximalista busca uma ampliação do conceito de consumidor,


considerando que as normas do CDC também poderiam ser utilizadas pelas pessoas naturais
ou jurídicas que adquirem os produtos ou serviços de forma profissional, desde que não os
utilizem para o fim de revenda (NEVES, 2006, p. 200).
Conforme averba Cláudia Lima Marques (2013, p.95), para os maximalistas, as
normas do CDC devem ser aplicadas ao maior número possível de relações. Para isso, é
necessária uma interpretação bastante extensiva da definição de consumidor trazida pelo
artigo 2º do Código de Defesa do Consumidor, isso porque os adeptos dessa corrente
enxergam o CDC como uma norma geral sobre consumo, de modo que regulamenta todo o
mercado de consumo.
Pode-se mencionar, ainda, a construção, pela doutrina, de uma teoria finalista
mitigada ou aprofundada. Apesar de muitos autores acreditarem que não se trata de uma nova
teoria, mas apenas da aplicação da teoria maximalista, menciona-se essa corrente como sendo
aquela que preceitua que deve ser considerada a configuração da figura do consumidor e,
consequentemente da relação de consumo, em situações em que esteja presente clara
vulnerabilidade, discrepância ou hipossuficiência de uma das partes (TARTUCE; NEVES,
2013, p. 77-78).
Essa corrente, que se apresenta como uma variação das teorias apresentadas
anteriormente, vem surgindo recentemente em precedentes do Supremo Tribunal de Justiça,
principalmente em relação à caracterização de pessoas jurídicas como consumidoras.
Destaca-se que é preciso analisar cuidadosamente o caso concreto, pois nem só a
vulnerabilidade é suficiente para reconhecer o status de consumidor à pessoa jurídica. De fato,
outros aspectos devem ser levados em consideração, em especial a condição de destinatário
final do produto, de modo que a pessoa jurídica não o tenha adquirido simplesmente para
fazer parte de sua atividade profissional (BRAGA NETTO, 2014, p. 127).
Nesse sentido, leciona Cláudia Lima Marques (2013, p. 97), uma das precursoras
dessa teoria na doutrina jurídica brasileira:
Realmente, depois da entrada em vigor do CC/2002 a visão maximalista diminuiu
em força, tendo sido muito importante para isto a atuação do STJ. Desde a entrada
em vigor do CC/2002, parece-me crescer uma tendência nova da jurisprudência,
concentrada na noção de consumidor final imediato (Endverbraucher), e de
30

vulnerabilidade (art. 4º, I), que poderíamos denominar aqui de finalismo


aprofundado.
É uma interpretação finalista mais aprofundada e madura, que deve ser saudada. Em
casos difíceis envolvendo pequenas empresas que utilizam insumos para a sua
produção, mas não em sua área de expertise ou com uma utilização mista,
principalmente na área de serviços, provada a vulnerabilidade, conclui-se pela
destinação final de consumo prevalente. Essa nova linha, em especial do STJ, tem
utilizado, sob o critério finalista e subjetivo, expressamente a equiparação do art. 29
do CDC, em se tratando de pessoa jurídica que comprove ser vulnerável e atue fora
do âmbito de sua especialidade, como hotel que compra gás. Isso porque o CDC
conhece outras definições de consumidor. O conceito-chave aqui é o de
vulnerabilidade.

Foi seguindo o raciocínio dessa corrente, que o STJ decidiu, em 2014, no âmbito
do Agravo Regimental no Recurso Especial 1.321.083/PR, pela existência de relação de
consumo no caso da aquisição de uma aeronave por uma empresa administradora de imóveis,
considerando que a empresa teria adquirido o produto como destinatária final:
AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. CIVIL. DIREITO DO
CONSUMIDOR. COMPRA DE AERONAVE POR EMPRESA
ADMINISTRADORA DE IMÓVEIS. AQUISIÇÃO COMO DESTINATÁRIA
FINAL. EXISTÊNCIA DE RELAÇÃO DE CONSUMO.

1. Controvérsia acerca da existência de relação de consumo na aquisição de


aeronave por empresa administradora de imóveis.

2. Produto adquirido para atender a uma necessidade própria da pessoa jurídica, não
se incorporando ao serviço prestado aos clientes.

3. Existência de relação de consumo, à luz da teoria finalista mitigada. Precedentes.


(BRASIL. STJ. 2014. Agr no Resp nº 1.321.083/PR. Relator Ministro Paulo de
Tarso Sanseverino. Data do julgamento 09/09/2014. DJe 25/09/2014).

Por fim, ainda em relação ao conceito de consumidor, é possível extrair do


parágrafo primeiro do referido art. 2º do CDC (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990) que a definição
de consumidor trazida por este Código abrange uma perspectiva coletiva, além da individual,
nos seguintes termos “equipara-se a consumidor a coletividade de pessoas, ainda que
indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo.” (FRANCO, 2014, p. 33).
O outro sujeito que precisa estar presente na relação jurídica para que ela seja
caracterizada como relação de consumo protegida pelo CDC é o fornecedor. Nesse contexto,
o art. 3º do CDC conceitua fornecedor como sendo
[...] toda pessoa física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira, bem
como os entes despersonalizados, que desenvolvem atividade de produção,
montagem, criação, construção, transformação, importação, exportação, distribuição
ou comercialização de produtos ou prestação de serviços” (BRASIL, Lei nº 8.078,
1990).

É necessário ressaltar que, em relação ao elemento “atividade” previsto no citado


artigo, deve-se considerar a diferença entre atividade típica e atividade eventual. Para
31

caracterizar uma efetiva relação de consumo, é imprescindível que se esteja diante de uma
atividade típica realizada pelo fornecedor.
De fato, esclarece Flávio Tartuce (2013, p. 68-69) que quem atua de forma isolada
não pode ser considerado fornecedor para os parâmetros do Código de Defesa do
Consumidor, em razão do próprio conceito de atividade, que pressupõe a existência de uma
pluralidade de atos, de uma finalidade comum e de um espaço temporal. Além disso, a
atividade deve ter caráter econômico, ou seja, deve haver o intuito de lucro ou vantagens
indiretas.
Cabe esclarecer, contudo, que não somente a intenção de obter lucro
(lucratividade) caracteriza o fornecedor nos termos do Código de Defesa do Consumidor. De
fato, conforme citado, é necessário que se considere o desenvolvimento da atividade de forma
tipicamente profissional, ou seja, de forma contínua, organizada e frequente.
Dessa forma, ainda que a pessoa (natural ou jurídica) tenha a intenção de obter
lucro, se atua de forma esporádica, eventual, isolada, não será reconhecida como fornecedora,
nos termos do CDC, e, consequentemente, não restará configurada uma relação de consumo.
Para exemplificar, José Fernando Simão (2003, p. 38) demonstra que se um indivíduo possui
um carro de uso pessoal e posteriormente decide vendê-lo, ele não seria considerado como
fornecedor para o CDC. No entanto, a situação seria completamente diferente se esse
indivíduo possuísse diversos automóveis de sua propriedade e usualmente os vendesse ao
público em geral, pois nesse caso ele seria caracterizado como fornecedor nos termos do CDC
e essa seria claramente uma relação de consumo.
Diversos outros exemplos podem ser dados nesse contexto. Seguindo o mesmo
raciocínio, uma empresa têxtil que isoladamente vende um computador da recepção para
angariar dinheiro para comprar um novo não se caracteriza como fornecedora e essa relação
não será de consumo, da mesma forma que uma jovem estudante que decide se desfazer
esporadicamente de algumas roupas que não usa mais, na intenção de obter verba para
comprar livros escolares, não integra o conceito de fornecedor previsto no Código de Defesa
do Consumidor.
Dessa forma, demonstrados os elementos subjetivos da relação de consumo, pode-
se concluir que, caso não reste configurada a existência de um consumidor – levando em
consideração o caráter de destinatário final adotado pelo CDC –, bem como inexistindo a
figura do fornecedor – considerando-se o conceito de atividade típica, característica também
adotada pelo Código de Defesa do Consumidor – não se pode falar em relação de consumo,
visto que ambos os elementos são imprescindíveis para caracterizá-la.
32

Assim, na ausência desses elementos, é possível considerar a relação apenas como


relação jurídica comum, sob a qual não incidirão as regras do Código de Defesa do
Consumidor, sendo tutelada, se for o caso, pelas normas do Código Civil.

3.3 Elementos objetivos da relação de consumo: o produto e o serviço

Dando continuidade à caracterização de uma relação consumerista, tem-se o


produto e o serviço como elementos objetivos dessa relação.
Nos termos do art. 3º, § 1° do Código de Defesa do Consumidor (BRASIL, Lei nº
8.078, 1990) “Produto é qualquer bem, móvel ou imóvel, material ou imaterial.”. Observa-se,
portanto, que o CDC pretendeu dar grande amplitude ao conceito de produto, buscando, dessa
forma, evitar exceções indevidas, motivo pelo qual fez uso de conceitos bastante genéricos.
De fato, para José Augusto Delgado (1996, p. 103-107), esse conceito de produto
deve se apresentar de forma elastecida, ampliada, considerando-se como tudo que seja
produzido, seja naturalmente, seja pela ação do homem.
Ademais, observa-se, pela análise do dispositivo citado, conforme esclarece
Flávio Tartuce (2013, p. 92), que o CDC se utiliza de definições clássicas do Direito Civil, ao
determinar que o bem pode ser móvel ou imóvel, diferenciação essa que se encontra presente
na parte peral do Código Civil de 2002. Assim, bem móvel é aquele que pode ser transportado
sem deterioração ou prejuízo e bem imóvel se configura como aquele que não possui essa
capacidade, ou seja, o transporte implica necessariamente em destruição, deterioração ou
prejuízo ao mesmo.
Além disso, o produto de que fala o CDC pode ser um bem material ou imaterial.
Bem material é aquele que possui existência física ou corpórea, enquanto o bem imaterial não
a possui, sendo, portanto, abstrato.
Além dessas classificações clássicas do direito privado, o Código de Defesa do
Consumidor também cuidou de classificar o produto quanto sua durabilidade para efeitos de
determinação do prazo decadencial para exercer o direito de reclamar vícios.
Dessa forma, o art. 26 do CDC traz essa classificação, de modo que, nas palavras
de Rizzato Nunes (2015, p.189-190): “Produto durável é aquele que, como o próprio nome
diz, não se extingue com o uso. Ele dura, leva tempo para se desgastar. Pode – e deve – ser
utilizado muitas vezes.”.
33

E prossegue com distinção se referindo a produto não durável como “ [...] aquele
que se acaba com o uso. Como o próprio nome também diz, não tem qualquer durabilidade.
Usando-o, ele se extingue ou, pelo menos, vai-se extinguindo.” (NUNES, 2015, p. 189-190).
Assim, apresentado o conceito e as classificações de produto, passa-se ao segundo
elemento objetivo da relação jurídica de consumo, o serviço. O art. art. 3º, § 2° do Código de
Defesa do Consumidor (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990) traz o seguinte conceito “Serviço é
qualquer atividade fornecida no mercado de consumo, mediante remuneração, inclusive as de
natureza bancária, financeira, de crédito e securitária, salvo as decorrentes das relações de
caráter trabalhista.”.
Nesse contexto, observa-se que o CDC traz a necessidade de que o serviço seja
realizado mediante remuneração. No entanto, é possível que o caráter oneroso da relação se
evidencie por meio de vantagens indiretas:
De início, cumpre esclarecer que, apesar de a lei mencionar expressamente a
remuneração, dando um caráter oneroso ao negócio, admite-se que o prestador tenha
vantagens indiretas, sem que isso prejudique a qualificação da relação consumerista.
Como primeiro exemplo, invoca-se o caso do estacionamento gratuito em lojas,
shopping centers, supermercados e afins, respondendo a empresa que é beneficiada
pelo serviço, que serve como atrativo aos consumidores. (TARTUCE; NEVES,
2013, p. 96).

Ademais, observa-se em relação ao dispositivo citado que o legislador optou por


mencionar expressamente os serviços de natureza bancária, financeira, de crédito e securitária
como inclusos no rol de atividades sobre as quais incide o CDC.
Segundo Bruno Pandori Giancoli e Marco Antonio Araujo Junior (2013, p. 49),
essa inclusão expressa visou proteger o consumidor no âmbito de algumas das principais
relações de consumo existentes no atual mercado, que é as de fornecimento de crédito e as de
serviços securitários, de modo que não restasse qualquer dúvida ou questionamento sobre a
incidência do CDC sobre elas. A respeito do tema, inclusive, foi editada a Súmula 297 pelo
Superior Tribunal de Justiça (BRASIL, 2004) com o seguinte enunciado: “o Código de
Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras”.
Continuando no estudo do dispositivo, observa-se que ficam excluídos do âmbito
de aplicação do Código de Defesa do Consumidor, as relações de cunho trabalhista, que são
reguladas por legislação específica, qual seja a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT),
tendo jurisdição específica para a solução de seus litígios, a Justiça do Trabalho, conforme
disposto no artigo 114, inciso I da Constituição Federal De 1988.
34

Nesse contexto, ressalta-se que, no que diz respeito aos profissionais liberais, eles
são considerados fornecedores de serviços e, portanto, sujeitam-se às normas do CDC
(BRAGA NETTO, 2014, p. 121).
Assim, para efeitos de conceituação, profissional liberal “[...] se caracteriza pela
inexistência, em geral, de qualquer vinculação hierárquica e pelo exercício
predominantemente técnico e intelectual de conhecimentos especializados, concernentes bens
fundamentais do homem, como a vida, a saúde, a honra, a liberdade” (VASCONCELOS,
2003, p. 187). Ou seja, profissionais liberais são aqueles que exercem atividade de forma
autônoma, sem subordinação e de maneira personalizada (de modo que os serviços são
contratados em razão das características peculiares e personalíssimas do profissional).
Nesses casos, porém, o Código de Defesa do Consumidor optou por dar um
tratamento diferenciado, dispondo, em seu artigo 14, §4º (BRASIL, Lei 8.078, 1990), que a
responsabilidade desses profissionais liberais seria subjetiva, ou seja, dependente da
verificação de culpa.
Por fim, salienta-se que os serviços on-line, oferecidos por meio da utilização da
internet, também são abrangidos pela legislação consumerista, uma vez que, apesar de não
estarem expressamente mencionados no Código de Defesa do Consumidor, também se
enquadram no conceito de serviço trazido pelo CDC.
Aliás, todo o comércio eletrônico (abrangendo a compra e venda de produtos e a
prestação de serviços) está sujeito às normas de proteção ao consumidor, como, inclusive, está
disposto no artigo 7º, inciso XIII da Lei n° 12.695 (BRASIL, 2014), nos seguintes termos:
“Art. 7o O acesso à internet é essencial ao exercício da cidadania, e ao usuário são
assegurados os seguintes direitos: [...] XIII - aplicação das normas de proteção e defesa do
consumidor nas relações de consumo realizadas na internet.”.
Dessa forma, finaliza-se, no presente trabalho, o estudo dos elementos
caracterizadores das relações consumeristas, elementos estes que, reitera-se, precisam estar
imprescindivelmente presentes na relação jurídica para que a mesma possa ser considerada de
consumo e, consequentemente, para que o CDC possa incidir sobre ela.

3.4 Práticas comerciais abusivas no âmbito das relações de consumo

Inicialmente, antes de analisar as práticas comerciais abusivas no âmbito do


Direito do Consumidor, é importante tecer algumas explicações acerca do abuso do direito,
35

conceito que está presente na seara do direito privado e consta expressamente descrito no
Código Civil de 2002.
Ressalta-se que, para muitos juristas, o abuso do direito encontra suas raízes no
Direito Romano. Apesar de essa teoria não ter sido propriamente desenvolvida pelos romanos,
sustenta-se que eles já possuíam certas máximas e institutos que serviram como precursores
para a criação do que se entende na atualidade como teoria do abuso do direito. Esses
primeiros traços do reconhecimento do abuso do direito, segundo Keila Pacheco Ferreira
(2006, p. 16), eram percebidos por meio soluções casuísticas, sem preocupação com uma
sistematização ou generalização.
Renan Lotufo (2003, p. 499) salienta que essa teoria seria decorrente da teoria da
aemulatio do Direito Romano, que seria a utilização de um direito com o intuito de causar
dano a outrem.
Nesse sentido, prossegue Keila Pacheco Ferreira (2006, p. 16-17) lecionando que,
durante o período medieval, essa teoria da aemulatio, com origem no Direito Romano, teria
tido maior desenvolvimento, podendo ser considerada como teoria precedente à do abuso do
direito.
No entanto, o verdadeiro surgimento da teoria do abuso do direito, da forma como
se entende hoje, sendo uma doutrina autônoma e científica, teria acontecido no somente na
segunda metade do século XIX, na França (RODRIGUES, 2003, p. 318), a partir da
jurisprudência francesa.
No Brasil, o Código Civil de 1916 já trazia, ainda que de forma indireta, aspectos
ligados à teoria do abuso do direito, contudo, foi o Código Civil de 2002 que acolheu
expressamente essa teoria (MARCACINI, 2006, p. 25-26). Assim, o artigo 187 explicita que
“Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente
os limites impostos pelo seu fim econômico e social, pela boa-fé ou pelos bons costumes”
(BRASIL, Lei nº 10.406, 2002).
Nesse sentido, ensina Sergio Cavalieri (2012, p. 174)
Em suma, há uma linha divisória entre o exercício regular do direito e o abuso do
direito. O primeiro se transforma em ato ilícito quando ultrapassa os limites
estabelecidos pela lei. O que efetivamente caracteriza o abuso do direito, como já
ressaltado, é o seu anonnal exercício, assim entendido aquele que se afasta da ética,
da boa-fé, da finalidade social ou econômica do direito, enfim, exercido sem motivo
legítimo. O ato será normal ou abusivo seguindo ou não um motivo legítimo; se tiver
ou não por finalidade a satisfação de um interesse sério e legítimo; se servir ou não
para causar dano a outrem, e sem proveito próprio.
36

Dessa forma, observa-se que se trata de um ilícito o cometimento de excessos no


exercício de um direito, surgindo, inclusive o dever de reparação em caso de prejuízo a
outrem, nos termos do próprio Código Civil de 2002.
Salienta-se que, antes mesmo da entrada em vigor do Código Civil de 2002, o
Código de Defesa do Consumidor já proibia a prática do abuso do direito, ao estabelecer a
invalidade das cláusulas contratuais abusivas, bem como ao elencar determinadas práticas
comerciais tidas como abusivas no âmbito das relações consumeristas.
Nesse sentido, o artigo 6º do CDC, em seu inciso IV (BRASIL, Lei nº 8.078,
1990), prevê que são direitos básicos do consumidor a proteção contra “[...] publicidade
enganosa e abusiva, métodos comerciais coercitivos ou desleais, bem como contra práticas e
cláusulas abusivas ou impostas no fornecimento de produtos e serviços; “.
Ademais, mais uma vez o Código de Defesa do Consumidor inovou ao tratar, na
Seção IV do Capítulo V, especificamente das práticas comerciais abusivas que são vedadas ao
fornecedor, trazendo, em seu artigo 39, um rol de situações exemplificativas.
Conforme ressalta Cláudia Lima Marques (2006, p. 813), os dispositivos
poderiam ter tido ainda maior impacto, caso o artigo 45 do CDC não tivesse sido vetado pelo
Presidente da República à época da criação desse Código, vez que ele determinava perdas e
danos punitivos como rigorosa sanção em caso de utilização das práticas vedadas. No entanto,
ressalta a autora, que, apesar do veto presidencial, a vedação às condutas abusivas permanece
e o consumidor pode pleitear, em relação a elas, a reparação de danos conforme previsto nos
artigos 186, 187 e 927 do Código Civil de 2002 (aplicação subsidiária e por implicitude), bem
como no artigo 6º, inciso VI do CDC, que dispõe ser direito do consumidor a reparação de
danos patrimoniais e morais.
É necessário ressaltar, contudo, que esse rol trazido pelo artigo 39 do CDC é
meramente exemplificativo e, conforme leciona Flávio Tartuce (2013, p. 369), qualquer
conduta que vá de encontro aos dispositivos do Código de Defesa do Consumidor, aos
princípios norteadores e ao próprio espírito do sistema de proteção ao consumidor deve ser
considerada abusiva.
Além disso, o próprio CDC traz previsão de outras práticas abusivas, além das
elencadas no artigo 39, de forma esparsa em dispositivos diversos, tais como a cobrança de
forma constrangedora, a publicidade enganosa e a inserção indevida do consumidor em
cadastros de proteção ao crédito (NUNES, 2015, p. 602).
Dessa forma, a prática não precisa estar expressamente prevista em algum
dispositivo do CDC para que possa ser considerada abusiva. Realmente, o rol trazido por esse
37

Código não é exaustivo, mas apenas exemplifica algumas situações, o que não impede que
outras condutas também possam ser configuradas como abusivas.
Isso é possível depreender, inclusive, da própria redação do caput do artigo 39: “É
vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas:” (BRASIL,
Lei nº 8.078, 1990, grifou-se). De fato, o próprio texto indica que as condutas elencadas não
são as únicas consideradas abusivas.
Ora, e assim nem poderiam ser, sob pena de comprometer a proteção ao
consumidor. Com efeito, o mercado de consumo na atual sociedade muda constantemente e
em grande velocidade, de modo que todos os dias surgem novas técnicas dos fornecedores
para aumento da produção e principalmente do lucro e muitas dessas práticas podem ser
contrárias aos fundamentos do sistema brasileiro de proteção ao consumidor.
Esse é, inclusive, o entendimento adotado pelo STJ, conforme é possível observar
no exemplo da seguinte decisão do Recurso Especial nº 1.539.165/MG:
CONSUMIDOR. PRÁTICA ABUSIVA. CLÁUSULAS ABUSIVAS EM
CONTRATO DE ADESÃO A CARTÃO DE CRÉDITO. MULTA
ADMINISTRATIVA APLICADA PELO PROCON AO FORNECEDOR.
INTERPRETAÇÃO DE CLÁUSULAS PARA FINS DE REDUÇÃO DA
SANÇÃO. INVIABILIDADE. SÚMULA 5/STJ. REEXAME DE PROVAS.
DESCABIMENTO. SÚMULA 7/STJ. CONTRATO DE DURAÇÃO.
INCIDÊNCIA DO CDC E DE SUAS ALTERAÇÕES.
1. O Procon-MG instaurou processo administrativo contra fornecedora de serviços
de cartão de crédito, resultando na aplicação de multa por: cobrança de tarifa de
administração; cobrança de taxa de emissão de boleto bancário para emissão
mensal de fatura, independentemente de o pagamento ser realizado por meio de
débito em conta, dinheiro ou cheque pós-datado; cobrança de tarifa de débito em
conta corrente; contratação adesiva de cláusula de débito em conta corrente do
cliente; cobrança de seguro por perda ou roubo do cartão; e envio de produtos
e/ou serviços sem solicitação do consumidor.
2. Prática abusiva (lato sensu) é aquela que contraria as regras mercadológicas de
boa e leal conduta com os consumidores, sendo, de rigor, sua prevenção, reparação e
repressão. O Código de Defesa do Consumidor traz rol meramente
exemplificativo de práticas abusivas (art. 39), cabendo ao juiz identificar, no
caso concreto, hipóteses de violação dos princípios que orientam o
microssistema. [...] (BRASIL. STJ. 2016. Resp nº 1.539.165/MG. Relator Ministro
Humberto Martins. Data do julgamento 23/08/2016. DJe 16/11/2016. Grifou-se).

Nesse sentido, Rizzato Nunes (2015, p. 601-603) também leciona sobre a


abusividade e as práticas comerciais abusivas no âmbito do direito do consumidor:
A ideia da abusividade tem relação com a doutrina do abuso do direito. Foi a
constatação de que o titular de um direito subjetivo pode dele abusar no seu
exercício que acabou levando o legislador e tipificar certas ações como abusivas.
[...] As chamadas “práticas abusivas” são ações e/ou condutas que, uma vez
existentes, caracterizam-se como ilícitas, independentemente de se encontrar ou não
algum consumidor lesado ou que se sinta lesado. São ilícitas em si, apenas por
existirem de fato no mundo fenomênico.
38

Dessa forma, constata-se que a existência de verdadeiro prejuízo ao consumidor


não é requisito indispensável para a caracterização de uma conduta como prática abusiva pelo
Código de Defesa do Consumidor, bastando que ela tenha sido efetivamente praticada pelo
fornecedor.
Sérgio Cavalieri (2010, p. 2016), por sua vez, ensina que as práticas comerciais
abusivas, no âmbito do direito do consumidor são aquelas ações que não estão de acordo com
os bons procedimentos nas relações de consumo, ferindo os limites da boa-fé e caracterizando
abuso do direito.
Assim, é possível concluir que todo fornecedor tem direito a lançar seus produtos
e serviços no mercado de consumo e de agir em prol de seu lucro, de sua permanência no
mercado e de sua competitividade perante os concorrentes, no entanto, existem limites para as
condutas que os fornecedores podem praticar, de modo que não podem abusar desse direito.
De fato, práticas lesivas ao consumidor são veementemente proibidas pelo sistema brasileiro
de proteção ao consumidor e podem ensejar a reparação de danos, morais e patrimoniais, nos
termos do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor, além de possíveis sanções
administrativas e até mesmo sanções penais previstas no próprio CDC.
39

4 A OBSOLESCÊNCIA PROGRAMADA COMO PRÁTICA COMERCIAL ABUSIVA


NO ÂMBITO DO DIREITO DO CONSUMIDOR NO BRASIL

Após explanar, no presente estudo, o modo de funcionamento do sistema de


proteção do consumidor no Brasil, por meio da conceituação dos principais princípios
norteadores do Código de Defesa do Consumidor, bem como da explicação sobre a estrutura
da relação consumerista na legislação brasileira, passando pela análise das práticas abusivas
no CDC, é possível adentrar no objeto principal deste trabalho, qual seja a obsolescência
programada diante desse sistema instituído no Brasil.
Salienta-se que o surgimento das novas tecnologias provocou grandes mudanças
no mercado de consumo de modo que muitas situações relacionadas à tecnologia e à inovação
podem ser questionadas sob o ponto de vista da proteção ao consumidor. De fato, até que
ponto a utilização indiscriminada de inovações constitui direito do fornecedor e estratégia
legítima de mercado sem que seja caracterizada a abusividade?
Assim, será constatado neste capítulo que algumas condutas adotadas pelos
fornecedores, ligadas à inovação e à tecnologia, podem configurar prática abusiva vedada
pelo Código de Defesa do Consumidor, vez que, apesar de não estarem expressamente
elencadas no artigo 39 ou em outros dispositivos do CDC, mostram-se contrárias aos
fundamentos de proteção ao consumidor, na medida em que propositalmente limitam a
existência e a utilização de produtos, o que se chama de obsolescência programada.
Cabe salientar que, consoante já ressaltado anteriormente, mesmo as ações que
não estão descritas no CDC podem configurar prática abusiva vedada pelo Código de Defesa
do Consumidor, podendo ensejar reparação de danos, bastando para isso que sejam contrárias
aos fundamentos desse código.

4.1 Obsolescência programada: construto histórico e delimitação conceitual

Na sociedade de consumo contemporânea, observa-se que os produtos não são


mais fabricados para durar “por toda a vida”, como se fazia antigamente. Realmente, dentre os
consumidores mais tradicionais são comuns queixas no sentido de que, na atualidade, os
objetos se desgastam com muita facilidade e que, tempos atrás, era muito comum manter
produtos em bom estado de funcionamento por vários anos.
De fato, o mercado de consumo mudou bastante e, influenciado pelo surgimento
cada vez mais intenso de tecnologias e inovações, impõe ao consumidor, com maior
frequência, a sucessão de produtos.
40

Nesse sentido, pontua Jean Baudrillard (2007, p. 15-16):


Vivemos o tempo dos objetos: quero dizer que existimos segundo o seu ritmo e em
desconformidade com a sua sucessão permanente. Atualmente, somos nós que os
vemos nascer, produzir-se e morrer, ao passo que em todas as civilizações anteriores
eram os objetos, instrumentos ou monumentos perenes, que sobreviviam às gerações
humanas.

No contexto histórico, destaca-se que a obsolescência programada surgiu na


década de 1920, nos Estados Unidos. Esse período foi marcado pela intensa industrialização e
pelo surgimento de um dilema: os consumidores já não conseguiam adquirir produtos na
velocidade de produção das indústrias (BELLANDI; AUGUSTIN, 2015, p. 514).
Conforme salienta Annie Leonard (2011, p. 23), era necessário, na época, que os
fornecedores adotassem algum tipo de estratégia para aumentar o consumo ou para diminuir a
produção, de modo que os grandes líderes econômicos optaram por aumentar o consumo, e
uma das técnicas desenvolvidas para isso foi a da obsolescência programada.
Nesse contexto, surgiu o primeiro caso em que a obsolescência programada foi
efetivamente posta em prática: o caso das lâmpadas incandescentes. As companhias que
integravam o cartel Phoebus, formado por fabricantes dos Países Baixos e da França, bem
como um fabricante estadunidense, reunidos em Genebra, em 1924, decidiram se utilizar da
estratégia da obsolescência programada para diminuir o tempo de vida útil das lâmpadas
(NEVES, Julio, 2013, p. 321). Assim, mesmo possuindo tecnologia para a fabricação de
lâmpadas que durassem muito mais, o cartel optou por propositalmente reduzir o tempo de
suas vidas úteis, no intuito de aumentar o consumo, fazendo com que elas precisassem ser
trocadas de maneira mais frequente.
Nessa época já era comum que as lâmpadas durassem 2.500 horas ou mais, no
entanto, esse tempo foi diminuído pelo cartel para cerca de 1.000 horas em razão do objetivo
de aumento do consumo e, consequentemente, de seu lucro (KRAJEWSKI, 2014, online).
No entanto, apenas na década de 1930, foi cunhada a teoria da obsolescência
programada, por Bernard London, que efetivamente conceituou essa prática da forma escrita.
No contexto de uma sociedade americana que estava buscando recuperação da crise de 1929,
Bernard London defendia, em seu folheto “Ending the Depression Through Planned
Obsolescence” (acabando com a depressão por meio da obsolescência planejada), a redução
obrigatória da vida útil dos produtos, de modo que o próprio governo deveria estipular um
prazo e, após findo esse prazo, os consumidores deveriam devolver os produtos e adquirir
novos. Essa técnica teria o intuito de aumentar as vendas e, portanto, retirar os Estados
Unidos da crise (CONCEIÇÃO; CONCEIÇÃO; ARAÚJO, 2014, p. 92).
41

Dessa forma, é possível definir a obsolescência programada como técnica


utilizada pelos fornecedores com o intuito de reduzir, propositadamente, o tempo de vida útil
de produtos manufaturados, objetivando impor ao consumidor a troca de bens com maior
frequência, de modo a aumentar as vendas e os rendimentos. Esse encurtamento de vida útil
pode se dar de diversas maneiras, existindo diversas técnicas possíveis de serem aplicadas, o
que será posteriormente analisado neste trabalho.
Realmente, nas palavras de Bruno Miragem (2014, p. 43), a prática da
obsolescência programada trata-se de “[...] uma estratégia negocial de abreviar o ciclo de vida
útil dos produtos, condicionando sua substituição futura, mais ou menos breve.”.
Apesar de a teoria da obsolescência programada não ter tido tanto destaque na
época em que foi criada e divulgada por Bernard London, seus fundamentos sobreviveram e,
com o passar do tempo, evoluíram, se modificaram e se expandiram, de modo a atingir não só
aspectos físicos, como a utilização de matérias-primas com baixa duração nos produtos, mas
também aspectos psicológicos, o que pode ser observado claramente, por exemplo, conforme
denotam Fernando Antônio de Vasconcelos e Arthur Luna (2017, p. 160), no mercado de
moda, em que, muitas vezes, as peças tornam-se rapidamente obsoletas não por estarem com
defeito ou estragadas, mas em virtude da rápida imposição de novas tendências.
De fato, a partir dos anos 1950, a obsolescência programada ressurge de forma
diferente. Conforme retrata o documentário “Comprar, tirar, comprar: a história secreta da
obsolescência programada” (2010), o grande precursor dessa nova visão na sociedade
americana do pós-guerra foi o designer industrial Brooks Stevens, baseando sua proposta de
obsolescência programada no desejo do consumidor, e não mais apenas no produto, buscando
seduzi-lo para que tivesse vontade em possuir algo “um pouco mais novo, um pouco melhor,
um pouco antes do necessário”.
Conforme destaca Julio Gonzaga Andrade Neves (2013, p. 321-341), essa nova
perspectiva da obsolescência busca incitar nos indivíduos a vontade, cada vez mais frequente,
de adquirir novos produtos. Nesse sentido, prossegue pontuando esse autor que o mercado de
consumo precisa que existam clientes satisfeitos o suficiente para que sejam realizadas as
compras de mercadorias, mas ao mesmo tempo insatisfeitos para que realizem novas
aquisições. Para que isso seja garantido, a obsolescência programada tem sido a escolha de
muitos fornecedores, fazendo surgir a necessidade de novas compras em menor espaço de
tempo.
Torna-se necessário destacar ainda que, para garantir a eficácia dessa técnica, em
complementação, é comum a utilização da publicidade pelos fornecedores, na tentativa de
42

convencer mais fortemente a aquisição de novos bens. Assim, são desenvolvidas “[...]
poderosas campanhas publicitárias, que levam os consumidores a descartar rapidamente um
produto, impulsionando-os à aquisição de novidades oferecidas, obedecendo um padrão de
consumismo cada vez mais acelerado.” (CABRAL; RODRIGUES, p. 49).
Dessa forma, uma boa estratégia de marketing pode proporcionar aos fabricantes a
fidelidade dos consumidores, além de incentivar a rápida sucessão de produtos, garantindo
que os fornecedores, portanto, se beneficiem da diminuição da vida útil dos bens, por meio do
aumento considerável das vendas. Observa-se, assim, o importante papel da publicidade, da
mídia e, atualmente, das redes sociais, diante da prática da obsolescência programada.
Por fim, cabe ressaltar que a obsolescência programada difere da obsolescência
tecnológica comum, na medida em que esta representa o avanço da tecnologia que torna a
versão anterior realmente obsoleta do ponto de vista prático, de modo que a nova versão se
mostra muito mais pertinente ao uso, como é o caso do telégrafo e do telefone (LEONARD,
2011, p. 174). De fato, atualmente se torna totalmente inviável utilizar um telégrafo, visto que
ele não é mais eficiente ao que se propõe, em razão do surgimento do telefone.
Já no caso da obsolescência programada, trata-se de os próprios produtores se
utilizarem de artifícios para diminuir a vida útil do bem, seja fazendo com que se desgastem
fisicamente de forma mais fácil, seja incrementando os novos produtos com tecnologias, no
intuito de gerar nos consumidores a sensação de que os que possuem já estão ultrapassados,
fazendo surgir uma vontade cada vez maior de substituição rápida dos bens. Dessa forma,
passa-se a uma melhor análise dessas diferentes estratégias para o encurtamento da vida útil
dos produtos.

4.2 Técnicas utilizadas na prática da obsolescência programada

Conforme citado, a obsolescência programada pode ser aplicada aos produtos de


diversas formas. Desse modo, pode-se afirmar que, no âmbito da obsolescência programada,
existem algumas espécies.
A primeira delas a ser citada é a obsolescência de função. Nesse caso, um produto
torna-se obsoleto em razão do surgimento de outro mais avançado, com melhor tecnologia.
Esse tipo de obsolescência, conforme pontua Daniel Keeble, (2013, p. 12), pode
ser dividida em “natural” ou “forçada”. A obsolescência de função “natural” ocorre em razão
do avanço comum, inerente ao progresso do mercado de consumo.
43

As constantes pesquisas realizadas permitem o surgimento de novas tecnologias e,


consequentemente, produtos mais avançados, com melhores funções e utilidades, que acabam
por se tornarem mais úteis ao consumidor final. Trata-se, portanto, de algo natural, que ocorre
conforme a sociedade, as pesquisas científicas e o mercado avançam.
Diversos exemplos podem ser citados nesse caso, como o avanço dos antigos
telefones celulares que basicamente apenas realizavam ligações para os modernos
smartphones que possuem inúmeras funções para facilitar o dia a dia dos consumidores, ou,
como bem exemplifica Pedro Pavão (2009, online), ao considerar esse um bom tipo
obsolescência, vez que proporciona benefícios aos consumidores, o caso em que um
medicamento que produza muitos efeitos colaterais ruins ao organismo dos pacientes seja
substituído por outro que não o faz.
Já no caso da obsolescência de função “forçada”, entra-se efetivamente no campo
da obsolescência programada, visto que, nessa modalidade, o próprio fabricante atua para a
diminuição do tempo de vida útil de um bem, programando, desde o momento de seu
desenvolvimento, um prazo para que ele se desgaste ou simplesmente pare de funcionar,
utilizando materiais menos resistentes ou com menor qualidade na fabricação do produto.
Esse tipo de obsolescência é chamado de obsolescência física ou de qualidade.
Em relação a esse tipo de obsolescência, o documentário “Comprar, tirar,
comprar: a história secreta da obsolescência programada” (2010) traz o exemplo do
surgimento do nylon, nos anos 1940, material altamente resistente para a fabricação de meias
femininas que, no entanto, fazia com que os consumidores as utilizassem por muito tempo,
prejudicando a venda desses produtos. Assim, os fornecedores optaram por retirar as meias
resistentes da linha de produção e introduzir a fabricação de meias com materiais mais fracos,
que rasgassem com maior facilidade, em uma clara utilização da técnica da obsolescência
programada do tipo física ou de qualidade.
Outro caso relevante, e dessa vez mais atual, que pode ser citado para
exemplificar esse tipo de obsolescência é o das baterias da marca americana Apple. Esse
fabricante criou produtos que continham baterias que não podiam ser removidas pelo próprio
consumidor e com uma capacidade de duração muito baixa, o que acabou por obrigar a troca
dessas baterias pelos consumidores a preços bastante elevados junto ao fornecedor e em curto
espaço de tempo, o que contribuía, também, para que muitas pessoas preferissem adquirir um
novo produto, em vez que gastar um alto valor para substituir apenas a bateria. (KEEBLE,
2013, p. 13).
44

Conforme também retratado no documentário “Comprar, tirar, comprar: a história


secreta da obsolescência programada” (2010), quando do lançamento da primeira geração do
Ipod, aparelho eletrônico da marca Apple utilizado para armazenamento e reprodução de
músicas e vídeos, um artista americano desembolsou uma média de US$ 500,00 por um
desses aparelhos e cerca de 8 a 12 meses após a compra, a bateria do Ipod adquirido
simplesmente deixou de funcionar. Ao entrar em contato com a assistência da marca, foi
orientado a comprar um novo aparelho, pois essa era a política da empresa, que na época,
sequer oferecia um serviço de substituição de baterias.
O caso ganhou grande repercussão na mídia americana e, inclusive, chegou a ser
objeto de uma ação judicial coletiva, envolvendo diversos consumidores do Ipod, no qual se
concluiu que as baterias desses aparelhos haviam sido propositalmente planejadas para
durarem pouco.
Ademais, aliado a isso, os fornecedores podem atuar para que faltem peças de
reposição no mercado para substituição e conserto do produto ou estabelecer que elas somente
possam ser fornecidas pela própria marca ou por assistências técnicas autorizadas,
determinando preços bastante elevados, incentivando os consumidores a substituir o produto
em vez de consertá-lo. Nesse sentido, nas palavras de Hildeliza Cabral e Maria Helena
Rodrigues (2011, p. 52):
[...] tornou-se excessivamente caro consertar um produto, já que os serviços
apresentam um alto custo e as peças de reposição além de caras, muitas vezes são
inexistentes, sendo mais viável a aquisição de outra mercadoria para substituir
aquela que não estava completamente inútil, mas apenas ultrapassada ou
necessitando de pequeno reparo, já que produzida para durar por um período curto
de tempo.

Algumas outras práticas também podem ser incluídas no conceito de


obsolescência programada de qualidade, como no caso de o fornecedor que já é detentor de
uma tecnologia mais avançada para aplicação na melhoria do produto, mas não a lança no
mercado em razão de ainda haver estoque do bem anterior e demanda por ele (COSTA, 2014,
p. 234). Assim, o fabricante espera que os consumidores adquiram o produto anterior para
somente depois lançar a nova tecnologia.
Dessa forma, o fornecedor acaba por impedir o acesso dos consumidores a
produtos melhores, mais eficazes, mais práticos e mais úteis, lançando a nova tecnologia
apenas quando lhe convém. Assim, os consumidores, sem conhecimentos sobre as inovações
que o fabricante já tem disponível, acabam por adquirir produtos que eles não sabem, mas
logo se tornarão obsoletos, uma vez que, após os consumidores adquirirem o produto anterior
45

e gerarem rendimentos, o fornecedor lançará no mercado a nova tecnologia que já tinha


disponível, incentivando novamente a compra do bem.
É possível citar, ainda, em relação à obsolescência de qualidade, o caso, muito
comum em relação a smartphones e computadores, em que o fornecedor realiza o lançamento
constante de novos softwares, agindo propositalmente para que os produtos anteriores ao
lançamento, mesmo em bom estado de conservação, sejam incompatíveis com os novos
sistemas operacionais (FRANCO, 2014, p. 48), impedindo o acesso dos consumidores que
adquiriram produtos antigos às funcionalidades proporcionadas pelo novo software com o
intuito de torná-los obsoletos.
De fato, essa prática é muito usada atualmente pelos fornecedores. O sistema
operacional Android, desenvolvido pela empresa Google, por exemplo, amplamente utilizado
por diversas marcas de smartphones, lança atualizações com enorme frequência e, a cada
nova atualização, diversos aparelhos ficam de fora da lista de compatibilidade, de modo que
somente os consumidores que possuem produtos mais atuais conseguem fazer uso do novo
software e de suas novas funcionalidades.
Por fim, destaca-se a obsolescência de desejabilidade ou de estilo. É muito
comum na sociedade contemporânea observar pessoas substituírem produtos que estão em
perfeito estado de uso simplesmente por estarem “fora de moda”. Essa é exatamente a
estratégia usada pelos fornecedores no caso da obsolescência de desejabilidade ou de estilo:
lançar no mercado, propositalmente, em curto espaço de tempo, bens com design mais
inovador, ou pequenas modificações tecnológicas, no intuito de suscitar nos consumidores a
ideia de que os produtos que possuem já estão obsoletos e do desejo pelo que é mais novo.
Realmente, trata-se de uma estratégia psicológica:
O último e mais complexo tipo de obsolescência é o da desejabilidade, ou
“obsolescência psicológica”, que é quando se adotam mecanismos para mudar o
estilo dos produtos como maneira de manipular os consumidores para irem
repetidamente às compras. Trata-se, na verdade, de gastar o produto na mente das
pessoas. Nesse sentido, os consumidores são levados a associar o novo com o
melhor e o velho com o pior. O estilo e a aparência das coisas tornam-se importantes
como iscas ao consumidor, que passa a desejar o novo. É o design que dá a ilusão de
mudança por meio da criação de um estilo. Essa obsolescência pode ser também
conhecida como “obsolescência percebida”, que faz o consumidor se sentir
desconfortável ao utilizar um produto que se tornou ultrapassado por causa do novo
estilo dos novos modelos. (PADILHA; BONIFÁCIO, 2013).

Dessa forma, em todos os tipos de obsolescência programada adotados pelos


fornecedores, a publicidade e o marketing possuem importante participação, mas
especialmente na obsolescência de estilo ou de desejabilidade eles são imprescindíveis para
46

transmitir aos consumidores essa ideia de desejo pelo novo e pelo mais moderno, em
detrimento do que é antigo, mesmo que ainda esteja em pleno funcionamento.
Dois exemplos da aplicação dessa técnica de obsolescência programada são os
smartphones e os automóveis. Os carros são bens de consumo que tendem a durar muitos
anos (apesar de também poderem ser objetos da obsolescência programada de qualidade, de
modo que o fabricante imponha um prazo para que alguns componentes apresentem mal
funcionamento), mas a indústria automobilística, a cada ano, modifica a aparência dos
automóveis e por vezes inserem algumas pequenas funcionalidades a mais, no intuito de fazer
com que pareçam mais modernos e, portanto, mais atrativos aos consumidores.
Em relação aos smartphones, salienta Daniel Keeble (2013, p. 16-17) que a
indústria da telefonia móvel, atualmente, é umas das que mais se utiliza da obsolescência
programada de estilo ou de desejabilidade, sendo a Apple a empresa líder no uso dessa prática
comercial. De fato, prossegue Keeble destacando que a empresa trabalha para desenvolver
smartphones que se tornem ícones fashion, desejados por todos aqueles que querem estar
integrados nas mais novas tendências e já conseguiu criar um grande mercado de
consumidores e verdadeiros fãs da marca que tendem a sempre adquirir os mais novos
lançamentos da Apple, por acreditarem que nada se compara a eles.
Assim, os smartphones desenvolvidos pela empresa, chamados de Iphones, a cada
ano são atualizados, muitas vezes com mudanças pouco relevantes, mas sempre acabam se
tornando grandes sucessos de vendas, pelo fato de terem sido transformados em verdadeiras
expressões de status social e de moda.
Nesse contexto, para melhor ilustrar a incidência da obsolescência programada no
Brasil e a utilização de diversas das técnicas ora mencionadas pelos fornecedores, destaca-se
uma pesquisa desenvolvida pelo PROTESTE – Associação Brasileira de Defesa do
Consumidor, que constatou que cerca de 45% de bens eletrônicos e eletrodomésticos
adquiridos no País apresentam algum tipo de defeito antes de completarem dois anos de
utilização. Além disso, o mesmo estudo verificou que 74% dos consumidores preferiam
comprar um novo aparelho em vez de acionar a assistência técnica em caso de defeito em seus
bens (PRÔA, et al, 2014, p. 26-28).
Ademais, dentre os consumidores entrevistados que efetivamente levaram seus
produtos nas assistências técnicas para reparos, observou-se que diversos foram os motivos
para não terem realizado o conserto, sendo os mais relevantes: os altos preços cobrados pelas
assistências técnicas (81% dos entrevistados), o tempo para conserto era muito longo (25%
47

dos entrevistados) ou faltavam peças para reposição (7% dos entrevistados) (PRÔA, et al,
2014, p. 26-28).
Dessa forma, a pesquisa ajuda a visualizar, de forma mais concreta, a presença da
prática da obsolescência programada no Brasil, de modo que os produtos, em especial
eletrônicos e eletrodomésticos, em grande parte duram por um curto período de tempo,
demonstrando a existência da obsolescência programada de qualidade. Além disso, são
utilizadas pelos fornecedores algumas das outras técnicas ora mencionadas no sentido de
incentivar a compra de novos bens, tais como os altos preços para conserto, e a falta de peças
de reposição no mercado.

4.3 O caráter abusivo da prática da obsolescência programada ante o sistema de


proteção ao consumidor no Brasil

Todas as práticas que caracterizam a obsolescência programada ora analisadas são


constantemente aplicadas pelos fornecedores de bens de consumo no mercado atual, com o
objetivo de proporcionar maiores lucros e contribuindo fortemente para o incentivo do
consumo desenfreado, para o superendividamento de consumidores e para a valorização do
material em detrimento de outros valores, se utilizando de técnicas ardilosas, das quais os
consumidores raramente têm conhecimento, de modo que podem e devem ser questionadas
sob o ponto de vista da proteção ao consumidor no Brasil.
Observa-se que essas práticas mencionadas, apesar de não estarem expressamente
discriminadas no Código de Defesa do Consumidor, vão de encontro a diversos princípios e
fundamentos do sistema de proteção ao consumidor instituído no Brasil, de modo que podem
ser consideradas abusivas pelo CDC, sendo, portanto, vedadas e passíveis de reparação por
danos caso praticadas pelos fornecedores.
De fato, conforme salienta Maria Carolina de Melo Santos (2017, p. 51):
[...] é patente o enquadramento da obsolescência no âmbito das práticas
consideradas abusivas pelo CDC, em que pese a ausência de dispositivo específico
em relação ao tema. Tais práticas representam uma verdadeira dissonância da
conduta do fornecedor com o que prima a lei consumerista, caminhando arredias aos
princípios tutelados pelo ordenamento.

Nesse sentido, as técnicas utilizadas para a concretização da chamada


obsolescência programada, como já caracterizadas e exemplificadas neste trabalho, atentam
contra os princípios do CDC, em especial, contra os princípios da transparência ou da
confiança, da boa-fé objetiva, da informação e da equidade.
48

Resta claro que a obsolescência programada de qualidade contraria os princípios


da transparência ou da confiança e o dever informação dos fornecedores, visto que os
fabricantes, ao alterarem propositalmente a estrutura física de um produto, objetivando que
ele apresente defeito ou pare de funcionar em curto espaço de tempo, obviamente não
repassam essa informação de maneira clara e precisa aos consumidores, ao contrário, agem
ardilosamente com o intuito de levar o consumidor a erro no momento de adquirir o bem
(SANTOS, 2017, p. 51-52).
O consumidor não tem ideia, na maioria das vezes, de que os materiais
empregados naquele produto são menos resistentes ou de baixa qualidade e de que o
fornecedor propositalmente fez uso desses materiais planejando que o bem dure pouco. Ora, a
falta de informação ao consumidor e de lealdade perante a relação de consumo são inerentes à
prática da obsolescência programada de qualidade, uma vez que o consumidor, muito
provavelmente, não iria adquirir um produto se tivesse plena consciência de que, em um curto
espaço de tempo, ele iria apresentar algum defeito ou simplesmente parar de funcionar.
Assim, o desrespeito a esses princípios acaba privando o consumidor de fazer
escolhas conscientes no momento de adquirir produtos, tendo suas expectativas
posteriormente frustradas, o que demonstra a abusividade da prática.
Ademais, os fornecedores, ao agirem para que estejam ausentes no mercado as
peças de reposição para conserto dos produtos defeituosos, com o intuito de incentivar a
compra de novo bem pelos consumidores, além de também violarem os princípios
fundamentais do CDC, contrariam expressamente o artigo 32, caput e parágrafo único
(BRASIL, Lei nº 8.028, 1990), constantes no capítulo relativo às práticas comerciais desse
código, que assim dispõem:
Art. 32. Os fabricantes e importadores deverão assegurar a oferta de componentes e
peças de reposição enquanto não cessar a fabricação ou importação do produto.

Parágrafo único. Cessadas a produção ou importação, a oferta deverá ser mantida


por período razoável de tempo, na forma da lei.

Dessa forma, ao violar expressamente uma norma do CDC, bem como os


princípios da confiança e da boa-fé objetiva, essa técnica, aplicada no âmbito da
obsolescência programada, também pode ser considerada como abusiva e, portanto, gerar a
responsabilização do fornecedor. Assim, mostra-se clara a abusividade da conduta uma vez
que os consumidores ficam dependentes da vontade dos fornecedores em disponibilizar as
peças de reposição no mercado para o conserto dos produtos bem como os fabricantes, muitas
49

vezes, estabelecem preços altíssimos para essas peças, inviabilizando a reparação do bem e
incentivando a compra de um novo.
Assim, conforme salienta Felipe Peixoto Braga Netto (2014, p. 294), da boa-fé
objetiva decorre a chamada eficácia pós-contratual e diversos deveres anexos (que também
foram mencionados anteriormente neste trabalho), dentre eles está o de garantir ao
consumidor, por certo período razoável de tempo, que ele poderá continuar utilizando
normalmente aquele produto, mesmo que apresente algum defeito, pois poderá ser consertado,
assegurando, portanto, suas legítimas expectativas que estavam presentes no momento em que
adquiriu o bem, o que não é respeitado pela prática da obsolescência programada utilizada
pelos fornecedores.
Dessa forma, muitos tribunais brasileiros têm entendido no sentido de que cabe
indenização pelo fornecedor no caso de ausência de peças no mercado que acarrete a
impossibilidade de continuação do uso do produto, conforme exemplifica o seguinte acórdão
do Tribunal de Justiça de Pernambuco, Apelação Cível nº 3130234, julgada no ano de 2016,
em um caso muito comum de ausência de peças em relação a automóveis e grande demora no
conserto decorrente disso:
RELAÇÃO CONSUMERISTA. LEGITIMIDADE PASSIVA DE AMBAS AS
FORNECEDORAS DO SERVIÇO. LEGITIMIDADE ATIVA DO
PROPRIETÁRIO E DA TITULAR DO SEGURO CONTRATADO. CONSERTO
DE VEÍCULO. DEMORA EXCESSIVA. FALTA DE PEÇAS DE
REPOSIÇÃO. ABUSIVIDADE. DANOS MATERIAL E MORAL.
CONFIGURAÇÃO. RESPONSABILIDADE OBJETIVA E SOLIDÁRIA DA
CONCESSIONÁRIA E DA FABRICANTE. VALOR INDENIZATÓRIO.
MANUTENÇÃO. CABIMENTO. ERRO MATERIAL DECOTADO DA
CONDENAÇÃO. SUCUMBÊNCIA RECÍPROCA. PROPORCIONALIDADE.
RECURSOS PARCIALMENTE PROVIDOS. [...] 3 - Inconteste a demora da
conclusão dos serviços de reparo do veículo pela oficina da concessionária
RIVOLI, ante a falta de peças de reposição no mercado fabricadas pela
PEUGEOT, tendo sido noticiado pelos recorridos, inclusive, que ao ser
resgatado o veículo do conserto, mais de 05 (cinco) meses após o ingresso na
oficina, este continuou a apresentar os mesmos defeitos anteriormente
diagnosticados. A obtenção de informações claras sobre os produtos e serviços
oferecidos no mercado de consumo é direito básico do consumidor (CDC,
Art. 6º, III), assim como a oferta de componentes e peças de reposição
enquanto não cessar fabricação ou importação dos produtos (CDC, Art. 32).
Na sistemática do Código de Defesa do Consumidor, a conduta do fornecedor
de disponibilizar o produto (peça a ser reposta) ao seu exclusivo critério é
considerada abusiva (CDC, Art. 39, XII), afigurando-se como tal no caso em
apreço, em que o consumidor permaneceu sob o alvedrio de meras evasivas
quanto ao efetivo cumprimento da obrigação. O simples fato da necessidade de
sucessivas vistorias e autorizações por parte da seguradora para a liberação dos
reparos não tem o condão de justificar o retardo na prestação do serviço, somente
vindo a reforçar a tese de prolongamento das diligências necessárias ao conserto
do veículo, consectário da dificuldade de obtenção das peças originais de
reposição fabricadas pela PEGEOUT e solicitadas pela RIVOLI. [...] (BRASIL.
Tribunal de Justiça de Pernambuco. Apelação Cível nº 3130234. 2ª Câmara Cível.
Relator Des. Alberto Nogueira Virgínio. Data de julgamento: 16/03/2016. DJe:
08/04/2016, grifou-se).
50

Já em relação à obsolescência de desejabilidade ou de estilo, a abusividade da


conduta dos fornecedores também está presente, visto que se prevalecem da ignorância do
consumidor, por meio de estímulos abusivos, principalmente marketing e publicidade, para
penetrar no psicológico do consumidor e influenciá-lo a adquirir novos produtos, mesmo que
possuam apenas meras mudanças de design e mesmo que seus bens anteriores ainda estejam
em bom funcionamento (SANTOS, 2017, p. 54).
Desse modo, é possível, inclusive, perceber que essa prática consegue ser
encaixada dentre o próprio rol exemplificativo trazido pelo artigo 39 do CDC, já mencionado
neste trabalho, que dispõe, em seu inciso IV, ser considerada prática abusiva vedada aos
fornecedores a conduta de prevalecer-se da falta de conhecimento do consumidor para
“empurrar-lhe” produtos (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990).
Cabe ressaltar, ainda, que a contrariedade ao princípio da boa-fé é patente em
todas as formas de manifestação da obsolescência programada, seja na obsolescência de
qualidade ou de desejabilidade. Considera-se que esse princípio implica no dever, no âmbito
da relação contratual, de agir com lealdade, honestidade e ética, prezando pela cooperação
recíproca entre as partes, criando deveres anexos e servindo como orientação para a
interpretação de casos concretos, sempre com foco na natureza do negócio e na finalidade
pretendida pelas partes da relação jurídica (COSTA, 2011, p. 146).
Dessa forma, claramente não se vislumbra o respeito ao princípio da boa-fé
objetiva na prática da obsolescência programada, vez que os fornecedores visam justamente a
ludibriar os consumidores em relação à vida útil dos produtos adquiridos, seja empregando
materiais ruins para que apresentem defeito em curto espaço de tempo, seja propositalmente
deixando de fornecer peças de reposição para conserto dos bens ou seja modificando apenas o
design de um produto que não apresenta qualquer melhoria significativa apelando ao
marketing para influenciar psicologicamente o consumo.
Além disso, conforme salienta Bruno Miragem (2009, p. 241), a abusividade das
condutas praticadas pelos fornecedores se caracteriza quando estes agem para levar vantagem
em relação à situação de vulnerabilidade inerente aos consumidores.
Assim, percebe-se que os consumidores necessitam de proteção contra a prática
comercial abusiva da obsolescência programada
[...] tanto em razão da sua vulnerabilidade, e da agressiva publicidade das indústrias,
que, satisfazendo os anseios da obsolescência programada, impulsiona-o a buscar
sempre novos produtos, que possuam maior desempenho, ou que sejam mais
envolventes, com um design mais atual, ou meramente porque a nova geração é
visualmente mais atraente que a antiga, fazendo com que o consumidor conserve um
51

sentimento constante de frustração e insatisfação, ameaçando, assim, o princípio da


confiança. (CABRAL; RODRIGUES, 2011, p. 53).

Nesse contexto, pelo que foi exposto, percebe-se que o consumidor já é


considerado a parte mais fraca da relação de consumo pelo sistema de proteção ao
consumidor do CDC e no que diz respeito à obsolescência programada resta inegável sua
vulnerabilidade, necessitando de proteção contra essa prática abusiva.
Essa vulnerabilidade, da qual os fornecedores se aproveitam para obterem maior
lucro, diz respeito à satisfação do consumidor, tendo em vista que, ao adquirir determinado
produto, o consumidor acredita que o mesmo irá satisfazer plenamente sua necessidade, de
modo que os fornecedores, ao encurtarem propositalmente a vida útil do bem adquirido, estão
contribuindo para que o consumidor seja lesado na sua legítima expectativa em relação ao
bem de consumo (BAGGIO; MANCIA, 2008, p. 1752), o que contraria, como já mencionado,
o princípio da boa-fé objetiva nas relações de consumo.
Realmenica claro o agravamento da vulnerabilidade do consumidor diante da
prática da obsolescência programada, vulnerabilidade essa que atinge aspectos técnicos,
jurídicos, socioeconômicos e informacionais em razão do desconhecimento das características
verdadeiras dos produtos presentes no mercado, além do fato de os fornecedores se utilizarem,
em certos casos, de manipulação psicológica e emocional para incentivar a aquisição de novos
produtos pelos consumidores (SANTOS, 2017, p. 55-56).
É necessário ressaltar que, apesar de o artigo 12, §2º do Código de Defesa do
Consumidor dispor que um produto não será considerado defeituoso caso um de melhor
qualidade seja colocado no mercado (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990), em respeito à livre-
iniciativa constitucionalmente garantida aos fornecedores, esse dispositivo não retira da
prática da obsolescência programada seu caráter de abusividade.
De fato, tendo em vista que o ordenamento jurídico brasileiro está pautado nos
ditames da livre iniciativa, os fornecedores têm o direito garantido de atuar em prol do
aumento de seus rendimentos e da sua permanência competitiva no mercado, de modo que a
prática da obsolescência programada acaba se tornando difícil de identificar (FRANCO, 2014,
p. 52).
Realmente, o progresso natural do mercado de consumo, com o advento de novas
tecnologias, fazendo surgir produtos inovadores, constitui atividade lícita e necessária para o
próprio avanço da sociedade.
No entanto, a obsolescência programada não se trata de técnica utilizada em prol
desse progresso natural, sendo cada vez mais adotada pelos fornecedores como estratégia de
52

mercado e constituindo verdadeiramente um abuso desse direito garantido de livre iniciativa,


ultrapassando os limites da licitude das práticas comerciais, de modo a se aproveitar da
vulnerabilidade dos consumidores, contrariando os princípios da boa-fé objetiva, da
transparência e da informação que orientam o Código de Defesa do Consumidor no Brasil.
Nesse sentido, o art. 51, inciso IV e § 1º do CDC, embora sejam dispositivos que
tratem de cláusulas contratuais abusivas, demonstram o verdadeiro espírito do sistema de
proteção ao consumidor, podendo o sentido ser aplicado às práticas comerciais, vez que
dispõem serem abusivas as cláusulas que coloquem o consumidor em grande desvantagem na
relação de consumo ou que estabelecem vantagens ao fornecedor que se mostrem bastante
onerosas para o consumidor (BRASIL, Lei nº 8.078, 1990), o que também é vedado em
relação às práticas comerciais, sendo consideradas abusivas aquelas que se aproveitam da
vulnerabilidade do consumidor e o põe em manifesta desvantagem na relação jurídica de
consumo, em respeito ao princípio da equidade, que também orienta o CDC.
Por tudo quanto foi exposto, observa-se que a obsolescência programada se trata
de uma prática comercial abusiva e, como tal, é vedada pelo Código de Defesa do
Consumidor. No entanto, sua grande incidência no atual mercado de consumo e o fato de,
muitas vezes, ser a sua prática de difícil identificação contribui para que um enorme número
de consumidores acabe sendo bastante prejudicado.
Além da dificuldade de identificar que um produto teve sua vida útil
propositalmente manipulada pelo fornecedor, no Brasil são muito poucos os precedentes
judiciais envolvendo esse assunto, dada também à falta de conhecimento em relação ao tema.
Observa-se que, no Recurso Cível n° 71004479119, julgado pela 1ª Turma
Recursal Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, o fornecedor foi condenado à
reparação de danos em razão do lançamento de software incompatível com o aparelho
smartphone do consumidor requerente, que o impedia de acessar diversas funcionalidades,
inclusive o popular aplicativo de mensagens whatsapp, reconhecendo o órgão julgador que,
por artifício do fabricante, o produto havia se tornado imprestável (RIO GRANDE DO SUL.
Tribunal de Justiça. Recurso Cível 71004479119. Primeira Turma Recursal Cível. Relator
Des. Lucas Maltez Kachny. Data de julgamento: 22/04/2014. DJe: 24/04/2014).
Ressalta-se que, apesar de a prática claramente caracterizar a obsolescência
programada, tendo em vista os conceitos e exemplos já trazidos neste trabalho, o órgão
julgador sequer faz menção a ela, apenas reconhecendo a existência do vício, o que evidencia
o pouco conhecimento em relação à matéria no âmbito do ordenamento jurídico nacional.
53

Salienta-se que, apesar de haver diferença entre vício de qualidade e a prática da


obsolescência programada, é comum observar que muitas jurisprudências aplicam os artigos
relativos aos vícios de qualidade presentes no CDC para casos em que se mostra presente a
obsolescência programada, em razão de haver grande relação entre eles e em razão, conforme
aduzido, da difícil identificação dessa prática. Assim, usualmente aplica-se o artigo. 18 § 1°
do CDC (BRASIL, Lei n° 8.078, 1990) que propõe três opções ao consumidor em caso de o
fornecedor não sanar o vício do produto no prazo de 30 dias, nos seguintes termos:
Art. 18. Os fornecedores de produtos de consumo duráveis ou não duráveis
respondem solidariamente pelos vícios de qualidade ou quantidade que os tornem
impróprios ou inadequados ao consumo a que se destinam ou lhes diminuam o valor,
assim como por aqueles decorrentes da disparidade, com a indicações constantes do
recipiente, da embalagem, rotulagem ou mensagem publicitária, respeitadas as
variações decorrentes de sua natureza, podendo o consumidor exigir a substituição
das partes viciadas.

§ 1° Não sendo o vício sanado no prazo máximo de trinta dias, pode o


consumidor exigir, alternativamente e à sua escolha:

I - a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas


condições de uso;

II - a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem


prejuízo de eventuais perdas e danos;

III - o abatimento proporcional do preço.

Nesse sentido, um dos poucos precedentes judiciais existentes no Brasil sobre


obsolescência programada, em que há efetiva menção a essa prática, surgiu no âmbito do STJ,
com relatório do Ministro Luís Felipe Salomão. O Recurso Especial nº 984.106, julgado em
2012, trata de um caso envolvendo um fornecedor de tratores que estava realizando cobrança
do consumidor por consertos no produto, alegando que o prazo de garantia já havia expirado,
no entanto, ficou constatado que os defeitos apresentados pelo trator não decorriam de mau
uso ou de desgaste natural, mas o produto teria sido propositalmente projetado para durar
pouco, tendo em vista que possuía cerca de três anos de uso, quando um trator em boas
condições tem vida útil de aproximadamente 10 a 12 anos (RODAS, 2015, online).
Dessa forma, o referido Ministro menciona expressamente em seu voto, que foi
seguido pelos demais ministros da 4ª Turma do STJ, a existência da prática da obsolescência
programada, intensificada na atual sociedade de consumo, trazendo seu conceito e exemplos.
Assim entendeu que, independentemente do prazo contratual de garantia, o fornecimento de
produto com a vida útil propositalmente reduzida atenta contra o princípio da boa-fé objetiva
e da informação, concluindo, por fim, pelo desprovimento do recurso do fabricante de
tratores, em razão da existência de vício oculto, configurando defeito de adequação nos
54

termos do artigo 18 do CDC (BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº


984.106/SC. 4ª Turma. Relator Ministro Luis Felipe Salomão. Data de julgamento:
04/10/2012. DJe: 20/11/2012).
Resta claro, dessa forma, que essa prática merece ser melhor combatida.
Realmente, em que pese a obsolescência programada ser contrária aos princípios
fundamentais do CDC, o que já contribui para que seja combatida como prática abusiva, faz-
se necessário uma melhor regulamentação quanto a essa prática no sentido de melhor coibi-la
(DUMKE, 2016, online).
Dentre os principais defensores desse entendimento está o próprio Ministro do
Superior Tribunal de Justiça, Luís Felipe Salomão, que defende a punição de fornecedores
que se utilizarem de técnicas de obsolescência programada. Salienta o Ministro que, apesar de
ser um assunto de grande relevância para a atual sociedade, há bastante dificuldade de
identificar a prática da obsolescência programada no caso concreto, bem como existem
poucas fontes de literatura e pesquisa em relação a ela. Ainda no entendimento do Ministro, a
coibição da obsolescência programada deve encontrar um equilíbrio, não proibindo o avanço
tecnológico em nossa sociedade, nem a evolução inerente a um regime capitalista, mas
buscando, em meio a isso, garantir a proteção aos direitos do consumidor (RODAS, 2015,
online).
Nesse sentido, entre as propostas do Ministro Luís Felipe Salomão para a reforma
do CDC no sentido de melhor combater a prática da obsolescência programada estão a
inclusão de norma expressamente acrescentando a obsolescência programada ao rol das
práticas abusivas; a inclusão de dispositivo prevendo a responsabilização de fornecedores de
bens duráveis levando em conta o prazo de vida útil; a obrigação de os fornecedores
informarem a expectativa de vida útil do produto ou número de vezes que poderá ser
utilizado; a previsão legal ou infralegal da aplicação de multas administrativas caso fique
comprovada a prática da obsolescência programada pelos fornecedores; regulamentação
oficial por órgãos responsáveis sobre a expectativa de vida útil de determinados produtos
como eletroeletrônicos e da indústria automotiva (RODAS, 2015, online).
São válidas, portanto, as considerações do Ministro, principalmente no que
concerne ao equilíbrio entre a proteção ao consumidor e o avanço tecnológico no mercado de
consumo, de modo que toda e qualquer proposta no sentido de criar dispositivos específicos
ao combate à obsolescência programada deve ser muito bem analisada também do ponto de
vista da viabilidade da iniciativa privada, tendo em vista, ainda, que a evolução tecnológica é
de extrema importância para a sociedade:
55

[...] é necessário que se entenda que a proteção do consumidor anda de mãos dadas
com fomento à atividade privada, tanto na indústria quanto no comércio.
Posicionamentos radicais na defesa dos direitos dos consumidores podem dar a
aparência de que cooperam em favor destes, quando na verdade os prejudicam de
forma indireta. O consumo só existe enquanto houve algo para ser consumido. Sem
produtos e sem comércio não há consumidor, mas é preciso haver equilíbrio e os
abusos precisam ser combatidos. (VASCONCELOS; LUNA, 2017, p. 173).

Destaca-se que, além de outras medidas que podem ser tomadas no sentido de
combater a obsolescência programada, a exigência do cumprimento do dever de fornecer
informações claras e precisas ao consumidor é uma das principais chaves para a problemática
apresentada neste trabalho.
Realmente, ao receber informações corretas, claras, específicas e precisas o
consumidor “[...] terá aumentada sua capacidade de defesa contra as más práticas no mercado,
podendo questionar a conduta dos fornecedores e exigir a adoção de práticas menos
enganosas” (CABRAL; RODRIGUES, 2011, p. 53), tendo ainda melhor consciência das
escolhas que fará em relação à aquisição de produtos.
De fato, tendo plena consciência das características daquilo que estão adquirindo,
os consumidores podem se proteger de forma mais efetiva contra eventuais práticas abusivas,
por exemplo, deixando de adquirir produtos de determinados fornecedores ou buscando
assistência de órgãos de proteção ao consumidor e até mesmo do próprio poder judiciário.
Nesse sentido, os órgãos técnicos possuem grande relevância na atuação em prol
do consumidor, visto que, conforme salienta José Reinaldo de Lima Lopes (1992, p. 49), os
consumidores não possuem, em geral, conhecimentos específicos sobre os produtos, não
podendo avaliar corretamente o que adquirem, daí a necessidade da atuação de laboratórios e
institutos de pesquisa, vez que possuem maior capacidade de conhecimento em relação aos
bens, em nível compatível ao dos fornecedores.
No Brasil, o Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial (Sinmetro), composto pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e
Tecnologia (Inmetro) e pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade
Industrial (Conmetro), são órgãos que podem ajudar nessa questão.
Destaca-se que esses órgãos já possuem atuação no sentido de melhor proteger os
consumidores em relação à qualidade dos produtos, tendo em vista o advento da Lei nº
9.933/99, que estabelece as competências do Inmetro e do Conmetro, prevendo a necessidade
de os fornecedores observarem critérios mínimos de qualidade, bem como a de combater as
práticas enganosas no comércio em seu artigo 1º (FRANCO, 2014, p. 57).
56

No entanto, uma ampliação da cooperação desses órgãos pode apresentar grande


avanço no sentido de proteger os consumidores em relação à obsolescência programada, de
modo a prestar informações específicas sobre os produtos e até mesmo fiscalizar o correto
fornecimento de informações pelos produtores.
Por tudo quanto foi exposto, é possível concluir, ainda, que obsolescência
programada viola não só os princípios norteadores do CDC, mas também direitos e valores
constitucionalmente consagrados, tais como a autonomia da vontade, a livre iniciativa, a
função social da propriedade e a própria defesa do consumidor, carecendo de um combate
mais estratégico e expressivo na sociedade brasileira.
Assim, observa-se que, apesar de a obsolescência programada violar diversos
princípios da própria Constituição Federal e do Código de Defesa do Consumidor, o que por
si só já a caracteriza como prática abusiva vedada, sua utilização é bastante recorrente e seu
combate no Brasil ainda é precário, sendo necessário que a legislação brasileira seja
atualizada no sentido de criar soluções inovadoras, com o auxílio da atuação de órgãos
técnicos, para a prevenção e coibição da prática da obsolescência programada que prejudica o
consumidor, mas também atentas às necessidades do mercado e da própria sociedade, visto
que os avanços tecnológicos são essenciais para a sobrevivência e prosperidade humana.
57

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Observa-se que o sistema de proteção ao consumidor instituído no Brasil tem


grande contribuição na defesa dos direitos dos consumidores no âmbito das relações de
consumo.
Na sociedade de consumo contemporânea, no entanto, inserida no contexto do
capitalismo, fortemente orientada por uma cultura de aumento do acesso aos bens de mercado,
onde os fornecedores fazem de tudo para a obtenção de grandes rendimentos, torna-se cada
vez mais comum a utilização de práticas comerciais que contrariam diversos princípios
fundamentais do CDC, em especial o princípio básico da boa-fé objetiva nas relações
consumeristas.
Nesse contexto, observa-se que a obsolescência programada, consistente na
diminuição da vida útil dos produtos pelos fornecedores, pode ser manifestada por meio de
diversas técnicas, tais como propositalmente projetar um produto para que ele apresente
defeitos ou pare de funcionar em curto período de tempo, deixar de fornecer peças de
reposição ou atuar de modo “psicológico” no sentido de incentivar a rápida troca de bens,
mesmo quando o produto ainda está em pleno funcionamento.
O presente estudo permite compreender essa prática, como ela se manifesta no
mercado de consumo e por quais motivos ela pode ser considerada abusiva em relação ao
sistema de proteção ao consumidor instituído no Brasil. De fato, demonstra-se que a
obsolescência programada fere os princípios da informação, da confiança, da boa-fé objetiva e
da equidade, norteadores do CDC, além de violar princípios constitucionais, restando o
consumidor bastante prejudicado na relação de consumo, tendo sua vulnerabilidade agravada
Ademais, verifica-se que o tema ainda é pouco difundido no âmbito do
ordenamento jurídico brasileiro, não havendo dispositivos específicos no Código de Defesa
do Consumidor, bem como existindo escassos precedentes judiciais, motivo pelo qual é
necessária uma melhor regulamentação dessa prática no sentido de preveni-la e combatê-la.
Nesse sentido, são apresentados alguns entendimentos do Ministro do STJ, Luís Felipe
Salomão, em relação à coibição da obsolescência programada, ressalvando-se a necessidade
de preservar o crescimento econômico.
Por fim, resta claro que a problemática apresentada é bastante complexa e
necessita de soluções que possam manter o equilíbrio entre a prosperidade e o avanço do
mercado de consumo e a proteção ao consumidor, visto que isso é benéfico e até mesmo
necessário tanto para fornecedores quanto para consumidores.
58

Demonstra-se, portanto, que a prestação de informações claras, corretas, precisas


e congruentes aos consumidores é a chave para buscar solucionar o problema da prática da
obsolescência programada, visto que permite que o consumidor possa fazer escolhas de modo
mais consciente, podendo, inclusive, se proteger de modo mais efetivo contra eventuais
abusos de direito dos fornecedores. Nesse ínterim, observa-se que a ampliação da participação
e cooperação de órgãos técnicos no sentido de melhor informar os consumidores e até mesmo
fiscalizar o fornecimento de informações pelos fornecedores pode ajudar de forma mais
efetiva nessa questão.
59

REFERÊNCIAS

AMARAL, Francisco. Direito Civil: introdução. 6ª ed. Rio de Janeiro: Renovar. 2006. 672 p.

BAGGIO, Andreza Cristina; MANCIA, Karin Cristina Borio. A proteção do consumidor e o


consumo sustentável: análise jurídica da extensão da durabilidade dos produtos e o
atendimento ao princípio da confiança. In: XVII CONGRESSO NACIONAL DO CONPEDI.
Brasília. Anais... Florianópolis: Fundação Boiteux. 2008. p. 1741 – 1759. Disponível em:
<https://s3.amazonaws.com/conpedi2/anteriores/XVII+Congresso+Nacional++Bras%C3%A
Dlia+(20%2C+21+e+22+de+novembro+de+2008).pdf>. Acesso em: 04 de setembro de 2017.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. 1ª ed. Lisboa: Edições 70, 2007. 350 p.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio
de Janeiro: Jorge Zahar, 2007. 200 p.

BELLANDI, Daniel; AUGUSTIN, Sérgio. Obsolescência programada, consumismo e


sociedade de consumo: uma crítica ao pensamento econômico. In: XXIV Encontro Nacional
do CONPEDI - UFS. Direito, globalização e responsabilidade nas relações de consumo.
Aracaju. Anais... Florianópolis: CONPEDI. 2015, p. 512-529. Disponível em:
<https://www.conpedi.org.br/publicacoes/c178h0tg/i9jl1a02/WQM34KU694IWz9h9.pdf>.
Acesso em: 21 de agosto de 2017.

BRASIL. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, de 5 de outubro de 1988.


Diário Oficial da União, 5 out. 1988. Disponível em <
http://www2.camara.leg.br/legin/fed/conadc/1988/constituicao.adct-1988-5-outubro-1988-
322234-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 12 de agosto de 2017.

______. Constituição Federal de 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível


em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso
em: 12 de agosto de 2017.

______. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Código Civil. Diário Oficial da União, 11
jan. 2002. Brasília. Disponível em <
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm >. Acesso em: 19 de agosto de
2017.

______. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Estabelece princípios, garantias, direitos e


deveres para o uso da Internet no Brasil. Diário Oficial da União, 24 abr. 2014. Brasília.
Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12965.htm>.
Acesso em: 30 de outubro de 2017.

______. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Código de Defesa do Consumidor.


Diário Oficial da União, 12 set. 1990. Brasília. Disponível em
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8078.htm>. Acesso em: 09 de agosto de 2017.

______. Superior Tribunal de Justiça. Agravo Regimental no Recurso Especial nº


1.321.083/PR. Relator Ministro Paulo de Tarso Sanseverino. Terceira Turma. Data de
julgamento: 09 set. 2014 Data de publicação: 25 set. 2014. Disponível em: <
60

https://www.jusbrasil.com.br/diarios/documentos/141384194/agrg-no-recurso-especial-n-
1321083-pr-do-stj >. Acesso em: 09 de agosto de 2017

______. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 586.316/MG. Relator Ministro


Herman Benjamin. Segunda Turma. Data de julgamento: 17 abr. 2007. Data de Publicação: 19
mar. 2009. Disponível em: <https://stj.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/4092403/recurso-
especial-resp-586316>. Acesso em: 15 de agosto de 2017.

______. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 1.539.165/MG. Relator Ministro


Humberto Martins. Segunda Turma. Data de julgamento: 23 ago. 2016. Data de Publicação:
16 nov. 2016. Disponível em:
<https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ATC&sequencial=
64526484&num_registro=201501466853&data=20161116&tipo=5&formato=PDF>. Acesso
em: 20 de agosto de 2017.

______. Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial nº 984.106/SC. 4ª Turma. Relator


Ministro Luis Felipe Salomão. Data de julgamento: 04 out. 2012. Data de Publicação: 20 nov.
2012. Disponível em:
<https://ww2.stj.jus.br/processo/revista/documento/mediado/?componente=ITA&sequencial=
1182088&num_registro=200702079153&data=20121120&formato=PDF>. Acesso em: 04
de setembro de 2017.

______. Superior Tribunal de Justiça. Súmula nº 297. Data de Publicação: 08 set. 2004.
Disponível em: <https://ww2.stj.jus.br/docs_internet/revista/eletronica/stj-revista-sumulas-
2011_23_capSumula297.pdf>. Acesso em: 17 de agosto de 2017.

CABRAL, Hildeliza Lacerda Tinoco Boechat; RODRIGUES, Maria Madalena de Oliveira. A


obsolescência programada na perspectiva da prática abusiva e a tutela do consumidor. Revista
Magister de Direito Empresarial, Concorrencial e do Consumidor. Porto Alegre:
Magister, vol. 7, nº 42, dez. 2011/jan. 2012, p. 35-58.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Direito do Consumidor. 2ª ed. São Paulo:


Atlas, 2010, 381 p.

______. Programa de Responsabilidade do Civil. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2012, 594 p.

Comprar, tirar, comprar: a história secreta da obsolescência programada. Direção:


Cosima Dannoritzer. Produção: Davina Breillet. Espanha/França, 2010 (52 min). Disponível
em: <https://www.youtube.com/watch?v=o0k7UhDpOAo&feature=player_embedded>.
Acesso em: 24 de agosto de 2017.

CONCEIÇÃO, Joelma Telese Pacheco; CONCEIÇÃO, Márcio Magera; ARAÚJO, Paulo


Sérgio Lopes de. Obsolescência programada: tecnologia a serviço do capital. Revista
INOVAE – Journal of Engeneering and Technology Innovation. São Paulo: INOVAE,
vol. 2, n. 1, jan/abr, 2014, p. 90 -105.

COSTA, Ícaro Oliveira. A responsabilidade civil dos fornecedores de bens de consumo


duráveis diante da prática da obsolescência programada. In: SILVA, Joseane Suzart Lopes da
Silva e CERQUEIRA, Alane Silva de (Coord.) Proteção do consumidor diante dos
61

problemas dos produtos e serviços: o que fazer quando quebram ou deixam de funcionar as
coisas? Salvador: Paginoe, 2014, p. 229-277.

COSTA, Judith H. Martins. A incidência do princípio boa fé no período pré-negocial:


reflexões em torno de uma notícia jornalística. Revista de Direito do Consumidor. São
Paulo: Revista dos Tribunais. n. 4. out./dez. 1992, p.140-172.

DANTAS JÚNIOR, Aldemiro Rezende. A teoria dos atos próprios: elementos de


identificação e cotejo com institutos assemelhados. São Paulo. 2006. Tese (Doutorado em
Direito Civil) – Programa de Pós-Graduação em Direito, Pontifícia Universidade Católica de
São Paulo. Disponível em: <https://sapientia.pucsp.br/bitstream/handle/7328/1/DIR%20-
%20Aldemiro%20Rezende%20Dantas%20Jr.pdf>. Acesso em: 18 de outubro de 2017.

DELGADO, José Augusto. Interpretação dos contratos regulados pelo Código de Proteção ao
Consumidor. Informativo Jurídico da Biblioteca Oscar Saraiva. Vol. 8. nº 2. 1996 p. 79-
179 Disponível em: <
http://www.stj.jus.br/publicacaoinstitucional////index.php/informativo/article/view/307/271>.
Acesso em: 17 de agosto de 2017.

DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. 21ª ed. São Paulo:
Saraiva. 2010. 595 p.

DUMKE, Roberto. Obsolescência programada deve ser normatizada, afirmam


especialistas. 10 fev. 2016. Disponível em: <http://www.demarest.com.br/pt-
br/publicacoes/demarestnews-obsolescenciaprogramadadevesernormatizada> Acesso em: 12
de setembro de 2017.

FERREIRA, Keila Pacheco. Abuso do direito nas relações obrigacionais. Belo Horizonte:
Del Rey. 2006, 280 p.

FRANCO, Cristiano de Moraes. A vulnerabilidade do consumidor ante a prática da


obsolescência programada. Porto Alegre. 2014. Monografia (Especialização em Direito) –
Curso de Especialização em Direito do Consumidor e Direitos Fundamentais, Programa de
Pós-Graduação em Direito, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Disponível em:
<https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/129626/000975723.pdf?sequence=1>.
Acesso em: 09 de agosto de 2017.

FRANCO, Marielza Brandão. O superendividamento do consumidor: fenômeno social que


merece regulamentação legal. Revista do Instituto do Direito Brasileiro. Lisboa, ano I, nº
10, 2012. p. 6034-6053. Disponível em: <
http://www.cidp.pt/publicacoes/revistas/ridb/2012/10/2012_10_6033_6053.pdf>. Acesso em:
15 de agosto de 2017.

GIANCOLI, Bruno Pandori; ARAUJO JUNIOR, Marco Antonio. Direito do Consumidor:


difusos e coletivo. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais. 2013. 231 p.

GUSMÃO, Paulo Dourado de. Introdução ao estudo do direito. 33ª ed. Rio de Janeiro:
Forense. 2003. 459 p.
62

KEEBLE, Daniel. The Culture of Planned Obsolescence in Technology Companies. Theseus


[Open Repository of the Universities of Applied Sciences]. 2013. Title of Bachelor’s Thesis in
Business Information Technology. Disponível em:<
http://www.theseus.fi/bitstream/handle/10024/55526/Keeble_Daniel.pdf>. Acesso em: 24 de
agosto de 2017.

KRAJEWSKI, Markus. The Great Lightbulb Conspiracy. Spectrum [Institute of Electrical


and Electronics Engineers], 24 set. 2014. Disponível em: <http://spectrum.ieee.org/tech-
history/dawn-of-electronics/the-great-lightbulb-conspiracy>. Acesso em: 21 de agosto de
2017.

LEONARD, Annie. A história das coisas: da natureza ao lixo, o que acontece com tudo que
consumimos. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. 304 p.

LÔBO, Paulo Luiz Netto. Princípios sociais dos contratos do CDC e no Novo Código Civil.
Revista Jurídica da Unirondon. Cuiabá: Unirondon. n. 3. 2002/1. Disponível em: <
https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/31235998/revista_juridica_3p.pdf?AWS
AccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1508453507&Signature=4gAeKqE
yVN1K%2FnZnjdvZrDX8We0%3D&response-content-
disposition=inline%3B%20filename%3DIncursoes_psicanaliticas_para_pensar_a_r.pdf#page
=12>. Acesso em: 18 de outubro de 2017.

LOPES, José Reinaldo de Lima. Responsabilidade civil do fabricante e a defesa do


consumidor. São Paulo: Revista dos Tribunais. 1992. 151 p.

LOTUFO, Renan. Código Civil comentado: parte geral (arts. 1º a 232). Vol 1. São Paulo:
Saraiva, 2003.

MALFATTI, Alexandre David. O Direito de informação no código de defesa do


consumidor. São Paulo: Editora Alfabeto Jurídico, 2003. 439 p.

MARCACINI, Daniela Tavares Rosa. O abuso do direito. 2006. 148 f. Dissertação


(Mestrado em Direito das Relações Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Direito,
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo. 2006. Disponível em <
https://tede.pucsp.br/bitstream/handle/7426/1/DIR%20%20Daniela%20Tavares%20R%20Ma
rcacini.pdf >. Acesso em: 19 de agosto de 2017.

MARQUES, Cláudia Lima. Contratos no Código de Defesa do Consumidor: o novo regime


das relações contratuais. Vol. 1. 5ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006. 1342 p.

MARQUES, Claudia Lima; BENJAMIN, Antonio Herman de Vasconcellos; MIRAGEM,


Bruno. Comentários ao Código de Defesa do Consumidor. 3ª ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais. 2010. 1693 p.

MARQUES, Cláudia Lima; BENJAMIN, Antonio Herman V.; BESSA, Leonardo Roscoe.
Manual de Direito do Consumidor. 5ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013. 512 p.
63

MARQUES JÚNIOR, William Paiva. Influxos do neoconstitucionalismo na descodificação,


micronormatização e humanizaçãp do direito civil. Revista da Faculdade de Direito – UFC.
Fortaleza. vol. 34. n. 2. Jul/dez 2013. p. 313-353.

MIRAGEM, Bruno. Abuso do direito: proteção da confiança e limite ao exercício das


prerrogativas jurídicas no direito privado. Rio de Janeiro: Forense. 1ª ed. 2009. 263 p.

______. Consumo sustentável e desenvolvimento: por uma agenda comum do direito do


consumidor e do direito ambiental. Revista Luso-Brasileira do Direito do Consumo.
Curitiba: Bonijuris, vol. 04, nº 13, mar. 2014, p. 31-48.

______. Curso de Direito do Consumidor. 4ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.
830 p.

MORAES. Paulo Valerio dal Pai. Código de defesa do consumidor: no contrato, na


publicidade, nas demais práticas comerciais. Porto Alegre: Síntese, 1999. 327 p.

NETTO, Felipe Peixoto Braga. Manual de Direito do Consumidor à Luz da


Jurisprudência do STJ. 10ª ed. Salvador: Editora Juspodivm, 2014. 550 p.

NEVES, José Roberto de Castro. O Direito do Consumidor – de onde viemos e para onde
vamos. Revista Trimestral de Direito Civil. Rio de Janeiro, vol. 7, n. 26, p. 193-212,
abr/jun. 2006.

NEVES, Julio Gonzaga Andrade. A obsolescência programada: desafios contemporâneos da


proteção ao consumidor. Revista do IBRAC – Direito da Concorrência, Consumo e
Comércio Internacional. São Paulo: Revista dos Tribunais, v. 23, I p., jan/jul 2013, p. 321-
341.

NUNES, Luiz Antonio Rizzatto. Comentários ao código de defesa do consumidor. 8ª ed.


São Paulo: Editora Saraiva, 2015. 1019 p.

PADILHA, Valquíria; BONIFÁCIO, Renata Cristina A. Obsolescência planejada:


armadilha silenciosa na sociedade de consumo. 2 set. 2013. Disponível em: <
http://diplomatique.org.br/obsolescencia-planejada-armadilha-silenciosa-na-sociedade-de-
consumo/>. Acesso em: 26 de agosto de 2017.

PAVÃO, Pedro Paulo R. Obsolescência programada de produtos. 03 out. 2009. Disponível


em: <http://www.liraa.com.br/conteudo/2115/obsolescencia-programada-de-produtos>.
Acesso em: 24 de agosto de 2017.

PERNAMBUCO. Tribunal de Justiça. Apelação nº 3130234. 2ª Câmara Cível. Relator Des.


Alberto Nogueira Virgínio. Data de julgamento: 16 mar. 2016. Data de Publicação: 08 abr.
2016. Disponível em: <https://tj-pe.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/339707021/apelacao-apl-
3130234-pe >. Acesso em: 04 de setembro de 2017.

PRÔA, Ana Lúcia et al. (Ed.). Pesquisa: Garantia – 45% dão defeito antes de dois anos.
Revista ProTeste. Rio de Janeiro. Setembro de 2014. Ano XIII, n° 139, p. 26-28.
64

RIO GRANDE DO SUL. Tribunal de Justiça. Recurso Cível nº 71004479119. Primeira


Turma Recursal Cível. Relator Des. Lucas Maltez Kachny. Data de julgamento: 22 abr. 2014.
Data de Publicação: 24 abr. 2014. Disponível em: <https://tj-
rs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/117653792/recurso-civel-71004479119-rs>. Acesso em: 04
de setembro de 2017.

RODAS, Sérgio. CDC deve proteger consumidor da obsolescência programada, diz


ministro. 25 jun. 2015. Disponível em: <http://www.conjur.com.br/2015-jun-25/cdc-
combater-obsolescencia-programada-ministro-salomao>. Acesso em: 12 de setembro de
2017.

RODRIGUES, Silvio. Direito Civil: parte geral. Vol 1. 33ª ed. São Paulo: Saraiva, 2003. 354
p.

SANTOS, Maria Carolina de Melo. Da vulnerabilidade do consumidor à vulnerabilidade


ambiental: análise dos impactos da obsolescência programada no ordenamento jurídico
brasileiro. Uberlândia. 2017. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-
Graduação em Direito, Universidade Federal do Uberlândia. Disponível em: <
http://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/18744/1/VulnerabilidadeConsumidorVulnerabil
idade.pdf >. Acesso em: 04 de setembro de 2017.

SIMÃO, José Fernando. Vícios do produto no novo Código Civil e no Código de Defesa do
Consumidor. São Paulo: Atlas, 2003. 204 p.

STOCO, Rui. Juizado Especial e a defesa do consumidor. Repertório IOB de


Jurisprudência: civil, processual penal e comercial, n. 23, p. 413, dez. 1996.

TARTUCE, Flávio; NEVES, Daniel Amorim Assumpção. Manual de Direito do


consumidor: direito material e processual. Volume Único. 2ª ed. São Paulo: Editora Método,
2013. 784 p.

VASCONCELOS, Fernando Antônio de. Responsabilidade do profissional liberal nas


relações de consumo. Curitiba: Juruá. 2003. 187 p.

VASCONCELOS, Fernando Antônio de; LUNA, Arthur Augusto Barbosa. A atual proteção
do CDC contra riscos de qualidade e a sua eficácia contra a obsolescência programada. In:
XXV Congresso do CONPEDI - CURITIBA. Direito, globalização e responsabilidade nas
relações de consumo II. Curitiba. Anais... Florianópolis: CONPEDI. 2017, p. 158-174.
Disponível em:
<https://www.conpedi.org.br/publicacoes/02q8agmu/k7v7r78l/ilKb1rDaGWvH61s0.pdf>.
Acesso em: 22 de agosto de 2017.