Você está na página 1de 18

DIÁRIO OFICIAL Nº.

30674 de 04/05/2006

SECRETARIA ESPECIAL DE PRODUÇÃO


COMPANHIA PARAENSE DE TURISMO

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 24 DE ABRIL DE 2006.

O Conselho de Administração da Companhia Paraense de Turismo-PARATUR, no uso de


suas atribuições legais,

RESOLVE:

Art. 1º - Aprovar o Regimento Interno da Companhia Paraense de Turismo-PARATUR.

Art. 2º - Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação.

Belém-PA, 24 de abril de 2006.

ADENAUER MARINHO DE OLIVEIRA GÓES

Presidente do Conselho de Administração

JOSÉ CLÁUDIO CARNEIRO ALVES

Membro do Conselho de Administração

ROSINELI GUERREIRO SALAME

Membro do Conselho de Administração

REGIMENTO INTERNO

TÍTULO I
DA NATUREZA JURÍDICA, FINALIDADE E FUNÇÕES BÁSICAS

CAPÍTULO I
Da Natureza Jurídica e Finalidade

Art. 1º. A Companhia Paraense de Turismo do Pará, doravante denominada Paratur,


sociedade de economia mista, órgão da Administração Indireta, vinculada à Secretaria
Especial de Estado de Produção, constituída nos termos da Lei Estadual nº 4.368, de 09 de
dezembro de 1981, e criada através de Decreto nº 8.026, é dotada de autonomia técnica,
administrativa, financeira e patrimonial, e tem por finalidades a promoção e o
desenvolvimento do turismo no Estado do Pará.

CAPÍTULO II
Das Funções Básicas

Art. 2º. São funções básicas da Paratur:


I - estimular o desenvolvimento da cadeia produtiva de turismo;
II - desenvolver as ações reguladoras de Estado junto ao setor turístico;
III - propor a formulação, no âmbito da Secretaria Especial de Estado de Produção, da
Política de Estímulo ao Desenvolvimento do Turismo no Estado do Pará;
IV - cooperar com a Política Estadual do Meio Ambiente, oferecendo subsídios para
utilização atual e futura dos recursos naturais do Estado, na defesa da fauna, flora, água,
ar e do solo, como suporte do desenvolvimento sócio-econômico da região.

TÍTULO II
DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Art. 3º. Para cumprimento de sua finalidade, a Paratur contará com a seguinte
composição organizacional:
I - do Nível de Deliberação e Atuação Colegiada:
a) Assembléia Geral;
b) Conselho de Administração;
c) Conselho Fiscal.

II - do Nível de Direção Superior:


a) Diretor-Presidente;
b) Gabinete;
c) Núcleo de Planejamento;
d) Núcleo de Registro e Qualidade;
e) Núcleo Jurídico;
f) Comissão Permanente de Licitação
g) Controle Interno

III - do Nível de Direção:


a) Diretoria Administrativo-Financeira;
b) Diretoria de Fomento.

IV - do Nível de Gerência Geral:


a) Gerência Geral de Marketing.

V - do Nível de Gerência Operacional:


a) Gerência de Financeira e Contábil;
b) Gerência de Recursos e Serviços;
c) Gerência de Negócios;
d) Gerência de Infra-estrutura Turística;
e) Gerência de Assuntos Nacionais;
f) Gerência de Assuntos Internacionais;
g) Gerência de Comunicação Virtual.

VI - do Nível de Atuação Regional:


a) Escritórios Regionais.

Parágrafo único. A estrutura organizacional, área de abrangência e competências dos


Escritórios Regionais estão previstas nos artigos 32 e 33 deste Regimento Interno.
TÍTULO III
DAS COMPETÊNCIAS DAS UNIDADES ADMINISTRATIVAS

CAPÍTULO I
Do Nível de Direção Superior

Seção I
Do Gabinete

Art. 4°. O Gabinete - Gab, diretamente subordinado ao Diretor-Presidente, tem por


finalidade assessorar e apoiar o Diretor-Presidente na execução de suas atribuições.

Art. 5°. Ao Gabinete - Gab compete:


I - assessorar o Diretor-Presidente na supervisão da ação institucional;
II - assistir ao Diretor-Presidente em suas atividades de representação político-social;
III - coordenar o atendimento do público que demandar ao Gabinete do Diretor-Presidente;
IV - coordenar a pauta de trabalho do Diretor-Presidente controlando suas agendas de
audiências e reuniões;
V - preparar, controlar e expedir todos os documentos e os expedientes pessoais do
Diretor-Presidente;
VI - orientar e controlar as atividades administrativas no âmbito do gabinete;
VII - publicar no órgão oficial do Estado os atos administrativos emanados da Paratur;
VIII - desempenhar as funções de Secretaria-Executiva do Fórum Estadual de Turismo;
IX - desempenhar as funções de Secretaria dos colegiados mantidos pela empresa;
X - coordenar o fluxo de informações e as relações públicas de interesse da Paratur;
XI - manter cadastro de autoridades e personalidades;
XII - elaborar e encaminhar respostas relativas a convites e manifestações dirigidas ao
Diretor-Presidente;
XIII - coordenar o processo de apreciação de matéria parlamentar submetida a exame
Diretor-Presidente;
XIV - elaborar Relatório Anual de Atividades do gabinete; e,
XV - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção II
Do Núcleo de Planejamento

Art. 6°. O Núcleo de Planejamento - NUP, diretamente subordinado ao Diretor-Presidente,


tem por finalidade:
I - subsidiar o Diretor-Presidente com informações necessárias para a fixação das políticas
de fomento e divulgação;
II - determinar a fixação e o cumprimento de metas e objetivos;
III - acompanhar o cumprimento de cronogramas;
IV - realizar a programação e ajustes orçamentários visando o equilíbrio das contas da
empresa para consolidação do planejamento.

Art. 7º. Ao Núcleo de Planejamento - NUP compete:


I - quanto ao Orçamento:
a) orientar, coordenar, supervisionar e elaborar o Plano Plurianual de Trabalho da
Empresa;
b) elaborar a proposta orçamentária, a partir das propostas de trabalho, compatibilizando-
as com os objetivos, metas e alocação de recursos de conformidade com a Lei de
Diretrizes Orçamentárias/LDO, Política Governamental e Plano Plurianual de Trabalho;
c) acompanhar a execução orçamentária da empresa;
d) elaborar relatórios gerenciais sobre a programação orçamentária da empresa;
e) elaborar estudos para subsidiar a definição de critérios para o estabelecimento de
prioridades orçamentárias da empresa;
f) elaborar estudos para estabelecer os parâmetros de alocação dos recursos durante o
processo de elaboração da proposta orçamentária da empresa;
g) elaborar as solicitações de créditos adicionais da empresa e as alterações
orçamentárias de acordo com a LDO e LOA;
h) solicitar à Sepof as alterações de modalidade de aplicações orçamentárias da
empresa;
i) analisar, acompanhar e avaliar o desempenho de todas as despesas realizadas pela
empresa;
j) elaborar, analisar e consolidar a proposta de programação orçamentária da empresa;
l) analisar e avaliar as solicitações de disponibilidade orçamentária e a movimentação de
créditos da empresa;
m) acompanhar e controlar a dotação orçamentária da empresa constantes da Lei
Orçamentária Anual/LOA;
n) identificar fontes de financiamento e apoiar a captação de recursos financeiros internos
e externos, para a aplicação na política de turismo do Estado;
o) elaborar, analisar, controlar e disponibilizar Relatórios de cumprimento de metas e
objetivos;
p) manter atualizado o registro dos atos que disciplinam as atividades na área de sua
competência;
q) elaborar informes técnicos relativos à identificação de fontes de financiamento para
investimentos privado;
r) gerenciar os sistemas de elaboração e acompanhamento orçamentário da empresa;
s) alimentar, mensalmente, os sistemas de acompanhamento de metas e produtos,
previstos no orçamento anual da empresa;e,
t) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

II - quanto aos Contratos e Convênios:


a) auxiliar, quando solicitado, na elaboração de Projetos Básicos e Planos de Trabalho de
convênios, acordos e ajustes;
b) acompanhar a execução do cronograma de desembolso dos convênios e monitorar a
execução das ações dos acordos e ajustes, sob aspectos administrativos, financeiros e
contábeis;
c) manter atualizado o registro dos atos que disciplinam as atividades na área de sua
competência;
d) responsabilizar-se pela análise técnica referente aos processos de parceria, convênio,
contrato e congêneres, no âmbito de suas atividades; e,
e) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

III - quanto ao Planejamento:


a) elaborar, em conjunto com as áreas, coordenar e avaliar a execução do Plano
Plurianual;
b) elaborar, em conjunto com as áreas, instrumentos e normas destinados à
implementação da Política Estadual de Turismo;
c) elaborar, coordenar e avaliar, em conjunto com as áreas, os planos, programas,
projetos e ações desenvolvidas pela empresa;
d) orientar o levantamento e a estruturação de indicadores relativos ao turismo para
subsidiar a avaliação da implementação da Política Estadual de Turismo;
e) acompanhar a dinâmica dos mercados turísticos local, nacional e internacional;
f) propor, formular e acompanhar, em conjunto com a Diretoria de Fomento - DIFOM, o
gerenciamento de políticas, planos, programas e projetos para o ordenamento e
desenvolvimento do turismo no âmbito municipal, regional e estadual;
g) promover ações visando à inserção da temática social, ambiental e cultural, no âmbito
de sua competência, em políticas, planos, programas e projetos que contribuam para o
desenvolvimento do turismo no Estado;
h) prestar apoio técnico ao Fórum Estadual de Turismo;
i) acompanhar a Política Estadual de Turismo nas ações dos conselhos e fóruns estaduais,
municipais e regionais;
j) subsidiar a formulação de políticas, atos normativos e regulamentários para o
ordenamento e a qualificação dos serviços turísticos e da atividade turística em geral;
l) coordenar, executar e/ou promover a elaboração de pesquisa e informes estatísticos
sobre a oferta e a demanda turística no Estado;
m) propor, formatar e apoiar a realização de estudos, pesquisas, levantamentos de dados
e indicadores, com vistas ao monitoramento e ao aperfeiçoamento do processo de
planejamento da Política Estadual de Turismo;
n) promover, coordenar e avaliar o processo de desenvolvimento organizacional da
empresa;
o) acompanhar e avaliar o processo de municipalização do turismo;
p) elaborar Relatório Anual de Atividades da área;
q) sistematizar o Relatório Anual da empresa; e,
r) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção III
Do Núcleo de Registro e Qualidade

Art. 8°. O Núcleo de Registro e Qualidade - NRQ, diretamente subordinado ao Diretor-


Presidente, tem por finalidade exercer os poderes fiscais delegados pela União, bem como
aqueles delegados ao órgão por lei estadual; e promover ações visando qualidade do
produto turístico.

Art. 9º. Ao Núcleo de Registro e Qualidade - NRQ, compete:


I - quanto ao registro:
a) cadastrar as empresas, empreendimentos e profissionais cujas atividades sejam
vinculadas ao segmento turístico;
b) classificar as empresas, empreendimentos e transportes de superfície de prestadores
de serviços turísticos;
c) informar, quando solicitada, a situação cadastral de empresas que pleiteiem a obtenção
de estímulos financeiros;
d) manter atualizado o cadastro dos prestadores de serviços turísticos;
e) realizar as ações descentralizadas delegadas pela União; e,
f) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

II - quanto à qualidade:
a) regulamentar e apoiar a certificação das atividades, empreendimentos e equipamentos
dos prestadores de serviços e fixar os critérios de avaliação dos organismos de
certificação de conformidade;
b) apoiar a qualificação profissional e a melhoria da qualidade da prestação de serviços
para o turista;
c) planejar, em conjunto com as áreas da empresa, promover e coordenar ações de
capacitação voltadas à melhoria de qualidade dos serviços turísticos ofertados no Estado;
d) formatar e implementar os programas e ações voltadas ao desenvolvimento da
qualificação e certificação de profissionais, de equipamentos e serviços turísticos;
e) formular políticas, atos normativos, regulamentares e de fiscalização para a
qualificação dos serviços turísticos e da atividade turística em geral;
f) estabelecer, em conjunto com o Núcleo de Planejamento - NUP, os padrões de
qualidade para referência de empreendimentos, equipamentos e prestadores de serviços
turísticos no Estado;
g) estabelecer, em conjunto com o Núcleo de Planejamento - NUP, parâmetros e critérios
para implantação e/ou implementação de ações e/ou projetos de qualidade em Municípios
paraenses;
h) elaborar e coordenar, em conjunto com o Núcleo de Planejamento - NUP, o Programa
de Qualidade em Turismo da empresa;
i) coordenar e supervisionar a concessão do Selo de Qualidade para o Turismo da
Empresa em empreendimentos e equipamentos dos prestadores de serviço no Estado do
Pará;
j) articular com os demais órgãos e entidades da Administração Federal, Estadual,
Municipal, do setor produtivo e terceiro setor, programas, projetos e ações que tenham
interface com a área;
l) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
m) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção IV
Do Núcleo Jurídico

Art. 10. O Núcleo Jurídico - NUJ, diretamente subordinado ao Diretor-Presidente, tem por
finalidade a realização do controle jurídico da administração da empresa, assessorar o
Diretor-Presidente em assuntos de natureza jurídica no exercício da direção superior.

Art. 11. Ao Núcleo Jurídico - NUJ compete:


I - representar e defender, em juízo ou fora dele, os interesses judiciais da empresa e,
quando necessário, propor ações;
II - elaborar e/ou examinar minutas de contratos, convênios, acordos, parcerias e outros
instrumentos de natureza jurídica de interesse da empresa, manifestando-se sobre a
observância dos preceitos legais;
III - elaborar e providenciar a publicação dos extratos dos contratos, convênios, acordos,
parcerias, termos aditivos e demais instrumentos jurídicos;
IV - controlar os prazos processuais e de publicações oficiais, de vigências de contratos e
convênios, certidões, sindicâncias, das prestações de contas e demais processos
administrativos;
V - Prestar consultoria e assessoramento jurídico às unidades administrativas e, quando
necessário, emitir parecer sobre matérias de interesse da empresa;
VI - supervisionar e controlar, no âmbito da empresa, a coleta de documentos e
informações necessárias para a correta e adequada representação judicial ou extrajudicial
da empresa;
VII - examinar e elaborar anteprojetos de lei e outros atos normativos da empresa;
VIII - elaborar informações em mandados de segurança em que os dirigentes da empresa
figurem como autoridades coatoras;
IX - propor ao Diretor - Presidente declaração de nulidade e/ou revogação de ato
administrativo praticado no âmbito da empresa;
X - organizar e manter atualizados ementários e fichários da legislação relacionada às
atividades da empresa;
XI - sugerir medidas de aperfeiçoamento e de aplicação dos instrumentos legais
pertinentes à área de atuação da empresa;
XII - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
XIII - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção V
Da Comissão Permanente de Licitação

Art. 12. A Comissão Permanente de Licitação - CPL, diretamente subordinado ao Diretor-


Presidente, tem por finalidade realizar e coordenar o procedimento licitatório da Paratur,
na forma da legislação vigente.

Art. 13. À Comissão Permanente de Licitação - CPL compete:


I - coordenar os processos licitatórios para aquisição de materiais e contratação de
serviços para a Empresa;
II - cumprir o cronograma de aquisição de materiais de estoque da Empresa;
III - confeccionar minutas de editais, contratos e atas relativas ao processo licitatório;
IV - processar e julgar as fases de habilitação e julgamento das propostas;
V - classificar e manifestar-se em primeira instância relativamente aos recursos
eventualmente interpostos;
VI - requisitar parecer técnico ou jurídico, quando julgar necessário;
VII - providenciar publicações necessárias de seus atos na forma da legislação vigente;
VIII - realizar pesquisa de mercado de produtos e serviços de interesse da Empresa;
IX - executar atividades de levantamento de custos de materiais e serviços através da
cotação de preços;
X - elaborar e manter atualizado cadastro com os preços de produtos e serviços adquiridos
em licitações e/ou compras diretas pela Empresa;
XI - emitir parecer técnico sobre as propostas apresentadas objeto da licitação;
XII - preparar e providenciar a lavratura de contratos de compras de material ou de
adjudicação de serviços;
XIII - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
XIV - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção VI
Do Controle Interno

Art. 14. O Controle Interno - CI, diretamente subordinado ao Diretor-Presidente, tem por
finalidade a realização da aferição e comprovação da legitimidade, legalidade e
economicidade da gestão orçamentária, financeira e patrimonial da empresa.

Art. 15. Ao Controle Interno - CI compete:


I - examinar e fiscalizar a regularidade dos atos que resultem receitas e despesas em
todas as suas fases;
II - assistir a administração, em caráter preventivo e pedagógico, visando o
aprimoramento dos processos e procedimentos gerenciais;
III - analisar os processos para a prestação de contas da empresa;
IV - aferir e comprovar a legitimidade, legalidade e economicidade da gestão
orçamentária, financeira e patrimonial da empresa;
V - analisar as contas e o custo dos serviços pagos pela empresa;
VI - acompanhar a execução orçamentária da empresa;
VII - elaborar e encaminhar os relatórios sobre as prestações de contas analisadas;
VIII - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
IX - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

CAPÍTULO II
Do Nível de Direção

Seção I
Da Diretoria Administrativo-Financeira

Art. 16. A Diretoria Administrativo-Financeira - DIAFI, diretamente subordinada ao


Diretor-Presidente, tem por finalidade coordenar e supervisionar, através de suas
Gerências, a execução das atividades administrativas relativas a finanças, recursos
humanos, materiais e serviços gerais realizadas pela Empresa.

Seção II
Da Gerência Financeira e Contábil

Art. 17. A Gerência Financeira e Contábil - GFIC, diretamente subordinada à Diretoria


AdministrativoFinanceira - DIAFI, tem por finalidades planejar, coordenar, controlar e
avaliar as execuções orçamentárias, financeiras e contábeis dos recursos oriundos do
Tesouro Estadual e da União, no âmbito da Empresa, em articulação com a Secretaria
Executiva de Estado de Fazenda e órgãos afins.

Art. 18. À Gerência Financeira e Contábil - GFIC compete:


I - quanto à execução orçamentária e financeira:
a) emitir e analisar empenhos, através do Sistema Integrado de Administração Financeira
de Estados e Municípios - SIAFEM das despesas autorizadas pelo Ordenador de Despesa
da empresa;
b) realizar, através do SIAFEM, a liquidação de todas as despesas empenhadas pela
empresa;
c) organizar o processo de liquidação das despesas referentes aos pagamentos efetuadas
pela empresa;
d) cadastrar e providenciar a alteração e o cancelamento no SIAFEM dos fornecedores da
empresa;
e) receber, registrar e controlar recursos orçamentários destinados à empresa, oriundos
do Estado, convênios e/ou receita própria;
f) emitir demonstrativos da situação orçamentária da empresa pelo SIAFEM e/ou outros
meios correlatos;
g) realizar os ajustes de dados inconsistentes lançados no SIAFEM, conforme orientação da
SEPOF;
h) processar o suprimento de fundo e as diárias concedidas pelo Ordenador de Despesa
aos servidores e empregados da Empresa;
i) realizar os pagamentos autorizados pelo Ordenador de Despesa, através de crédito em
conta corrente, ordem bancária ou cheque administrativo das despesas empenhadas e
devidamente liquidadas pela empresa;
j) providenciar e manter atualizados os documentos necessários à realização de convênios
com outros entes da administração pública;
l) manter interfaces com a SEPOF e Cadastro Único de Exigências para Transferências
Voluntárias -CAUC/SIAFI;
m) efetuar o fluxo de caixa dos pagamentos controlando as despesas e saldos bancários
da empresa;
n) realizar conciliação bancária identificando as causas de eventuais diferenças, se for o
caso;
o) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área;
p) controlar o recebimento de relatório de viagens de empregados e servidores da
empresa; e,
q) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

II - quanto à execução contábil:


a) ordenar toda a documentação referente à prestação de contas da Empresa;
b) manter atualizado os lançamentos referentes aos pagamentos orçamentários e extra-
orçamentários da Empresa;
c) realizar a classificação e registro contábil dos documentos da Empresa;
d) manter o cadastro bancário da Empresa;
e) realizar a conciliação bancária dos saldos das contas correntes mantidas pela Empresa;
f) conferir demonstrativos contábeis da Empresa;
g) encaminhar, trimestralmente, devidamente conferido, o balancete da Empresa ao
Tribunal de Contas do Estado - TCE;
h) elaborar, organizar, analisar e manter a prestação de contas da Empresa;
i) manter atualizadas as informações para prestação de contas de suprimento de fundo e
de diárias;
j) manter informado o Ordenador de Despesas quanto às prestações de contas da
Empresa aprovadas e/ou impugnadas;
l) providenciar e manter atualizado os documentos necessários para a realização de
convênios com outros entes da administração pública;
m) providenciar portarias referentes à liberação de diárias e suprimento de fundo a
servidores da Empresa;
n) manter interfaces com a SEPOF sobre o Cadastro Único de Exigências para
Transferências Voluntárias -CAUC/SIAFI;
o) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
p) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção III
Da Gerência de Recursos e Serviços

Art. 19. A Gerência de Recursos e Serviços - GRES, diretamente subordinada a Diretoria


Administrativo-Financeira, tem por finalidades planejar, coordenar, controlar e avaliar a
execução das atividades relativas à administração de pessoal; ao controle dos bens
patrimoniais, materiais e de serviços gerais da Empresa.

Art. 20. À Gerência de Recursos e Serviços - GRES compete:


I - quanto ao controle de pessoal:
a) programar, executar, controlar e supervisionar as atividades relativas ao recrutamento,
admissão, lotação, movimentação, avaliação, dispensa, treinamento, pagamento,
incentivos e benefícios de pessoal lotados na Paratur;
b) aplicar a legislação vigente de acordo com o regime de trabalho dos recursos humanos
lotados na Empresa;
c) analisar, conceder e controlar os benefícios de acordo com o previsto na legislação
vigente, aos servidores e empregados da Empresa;
d) cadastrar e manter atualizado, no sistema corporativo de Recursos Humanos, os
registros funcionais dos servidores e empregados da Empresa;
e) identificar a necessidade de pessoal na empresa, a fim de subsidiar a SEAD para
realização de concurso público;
f) avaliar candidatos habilitados para o preenchimento dos empregos em provimento
efetivo da Paratur;
g) controlar o número de vagas disponíveis no quadro de cargos de carreira e de
provimento efetivo da Empresa;
h) realizar cálculos de salários, direitos, vantagens e descontos de empregados e
servidores para manutenção do sistema corporativo de Recursos Humanos;
i) instruir processos no âmbito de sua competência relativo a vida funcional dos
empregados e servidores da Empresa;
j) realizar observações e consignações referentes a empréstimos, aluguéis e outros de
interesse dos empregados e servidores da Empresa;
l) emitir, quando solicitado, declarações e outros documentos referentes à situação
funcional dos empregados e servidores da Empresa;
m) compatibilizar e publicar a escala de férias dos empregados e servidores da Empresa;
n) realizar cadastramento no PIS/PASEP dos empregados que ingressarem na Empresa;
o) requisitar, conforme o perfil do empregado e o padrão de lotação estabelecido pela
empresa, os candidatos aprovados em concurso público para atendimento de demanda da
Empresa;
p) atualizar no sistema corporativo o Plano de Cargos, Carreiras e Salários-PCCS de
empregados da Empresa;
q) elaborar e encaminhar aos órgão tributários competente Federais, Estaduais e
Municipais as informações econômicas e financeiras da Empresa previstas em Lei;
r) elaborar e publicar os atos administrativos relativos à delegação de competência,
admissão, dispensa, transferência, designações e outros correlatos a pessoal;
s) programar, coordenar, executar, controlar e avaliar as ações pertinentes à higiene e
segurança do trabalho no âmbito da Empresa;
t) coordenar a implantação e implementação do Plano de Cargos, Carreiras e Salários -
PCCS da Empresa;
u) promover, em conjunto com as áreas, o levantamento de necessidades de treinamento
e aperfeiçoamento dos empregados e servidores da Empresa;
v) elaborar e acompanhar, em conjunto com a Diretoria Administrativo-Financeira a
programação e o custo anual de treinamento da Empresa;
x) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
z) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

II - quanto ao controle de materiais:


a) planejar, coordenar, fiscalizar, supervisionar e operacionalizar as atividades relativas ao
controle dos bens patrimoniais, compras, recebimento, armazenamento, controle de
estoque e distribuição de materiais;
b) inventariar anualmente e, quando necessário, os bens patrimoniais pertencentes à
Paratur;
c) providenciar a confecção e o fornecimento de material didático necessários à realização
dos eventos promovidos pela Paratur;
d) realizar, através de compra direta, a aquisição de materiais e serviços para a empresa;
e) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
f) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

III - quanto aos serviços gerais:


a) providenciar e coordenar a execução dos serviços de manutenção e reparos de
equipamentos e materiais permanentes da Paratur;
b) providenciar a conservação e reparos das instalações físicas, elétricas, hidráulicas e
sanitárias da Paratur;
c) executar ou promover as atividades de higiene, limpeza e vigilância das instalações
físicas da Paratur;
d) prestar apoio logístico às áreas na realização de eventos da empresa;
e) controlar a circulação de visitantes e usuários nas instalações da Paratur;
f) controlar, fiscalizar, supervisionar e atestar o cumprimento dos contratos de prestação
de serviços terceirizados pela Paratur;
g) controlar a utilização, a guarda e a conservação dos veículos oficiais da Paratur;
h) controlar o consumo de combustível e a quilometragem dos veículos em uso pela
Paratur;
i) providenciar a legalização dos veículos, junto aos órgãos oficiais, pertencentes a
Paratur;
j) prever despesas relativas a todos os serviços de manutenção e reparos em veículos da
Paratur;
l) providenciar a execução de manutenção preventiva e corretiva nos veículos da Paratur;
m) realizar o transporte de servidores e de cargas autorizados pela Gerência de Recursos
e Serviços;
n) providenciar e controlar a realização de serviços de abastecimento, lavagem,
lubrificação dos veículos pertencentes a Paratur;
o) propor planos de renovação de frota, bem com alienação dos inservíveis e/ou anti-
econômico em uso na Paratur;
p) manter atualizado o cadastro de veículos pertencentes a Paratur;
q) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
r) exercer outras funções que lhe forem atribuídas.

IV - quanto à comunicação e ao protocolo:


a) receber e classificar processos e expedientes que tramitem pela Paratur;
b) registrar no sistema corporativo, distribuir, controlar, expedir e acompanhar a
movimentação de processos, expedientes, correspondências e/ou documentos de
interesse da Paratur;
c) prestar informações, sempre que solicitado, sobre o andamento de processos,
expedientes e/ou documentos de interesse público aos interessados;
d) preparar, franquear e expedir malas de correspondências da empresa;
e) realizar a remessa de processos, expedientes, publicações, boletins de serviços e
outros papéis as unidades da Paratur e a outros órgãos;
f) executar e controlar a guarda e a conservação de atos administrativos de interesse da
Paratur;
g) controlar o uso e a manutenção dos equipamentos de reprodução de documentos,
central telefônica, fax-símile e celulares, bem como de outros equipamentos eletro-
eletrônicos pertencentes à Paratur;
h) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
i) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção IV
Da Diretoria de Fomento

Art. 21. A Diretoria de Fomento - DIFOM, diretamente subordinada ao Diretor-Presidente,


tem por finalidade promover, através de suas Gerências, o desenvolvimento dos
programas de apoio ao estabelecimento da infra-estrutura do turismo receptivo que
estimulem investimentos, bem como negócios turísticos no Estado.

Seção V
Gerência de Negócios

Art. 22. A Gerência de Negócios - GNEG, diretamente subordinada a Diretoria de


Fomento, tem por finalidade o desenvolvimento de ações objetivando o estímulo de
negócios no setor de turismo do Estado.

Art. 23. À Gerência de Negócios - GNEG compete:


I - propor a formulação, apoiar e acompanhar, em conjunto com o Núcleo de Planejamento
- NUP, os programas regionais de desenvolvimento do turismo, que objetivem beneficiar
as populações locais e o incremento da renda gerada pelo turismo nacional e
internacional;
II - desenvolver, implementar e apoiar, em conjunto com o NUP, projetos estruturantes,
em regiões alvo de novos investimentos turísticos geradores de impactos econômicos e
sociais;
III - articular, apoiar e acompanhar a promoção de apoio técnico, institucional e financeiro
necessários às regiões com potencial turístico e de baixa renda per capta, em
conformidade com o Plano de Desenvolvimento Turístico do Estado do Pará;
IV - articular, negociar, coordenar e desenvolver ações voltadas à comercialização,
inclusive rodada de negócios, do produto turístico e demais produtos associados;
V - atender aos empresários do setor turístico, orientando e apoiando a implantação de
projetos turísticos e estimulando a diversificação e adequação dos equipamentos aos
diversos segmentos da demanda;
VI - promover e/ou elaborar estudos e pesquisa necessários ao desenvolvimento de novos
segmentos da atividade turística;
VII - coordenar a formulação, apoiar e acompanhar, em conjunto com o NUP, os planos,
programas e ações voltados para a geração de novas alternativas de desenvolvimento
local com base nos segmentos turísticos e sua cadeia produtiva, de acordo com a Política
Nacional de Turismo;
VIII - articular com os demais órgãos e entidades da Administração Federal, Estadual,
Municipal, do setor produtivo e terceiro setor, programas, projetos e ações que tenham
interface com a área;
IX - articular com entidades públicas e privadas interessadas em desenvolver projetos de
turismo, objetivando a elaboração e execução de programas integrados;
X - promover negociação com empresariado local para a utilização dos padrões de
qualidade definidos pela Paratur para empreendimentos, equipamentos e prestação de
serviços;
XI - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
XII - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção VI
Gerência de Infra-Estrutura Turística

Art. 24. A Gerência de Infra-Estrutura - GINF, órgão diretamente subordinada à Diretoria


de Fomento, tem por finalidades acompanhar, supervisionar e fiscalizar as ações de
execução de infra-estrutura do turismo receptivo e supervisionar a execução de infra-
estrutura básica de interesse turístico em municípios e regiões do Estado.

Art. 25. À Gerência de Infra-Estrutura Turística- GINF, compete:


I - formular, coordenar e acompanhar, em conjunto com o Núcleo de Registro e Qualidade
- NRQ, os planos, programas e ações voltadas à implementação de projetos de infra-
estrutura turística no Estado;
II - acompanhar e avaliar a aplicação de recursos financeiros nos investimentos públicos
de infra-estrutura turística do Estado;
III - acompanhar a execução física, junto aos organismos executores e financiadores das
diversas fases dos projetos de infra-estrutura turísticas no Estado;
IV - propor e apoiar a formulação de propostas de recuperação de patrimônio histórico
integrante de produto turístico estruturado ou em estruturação no Estado;
V - coordenar, realizar e atualizar o inventário da oferta turística do Estado, e desenvolver
a política de descentralização do Sistema de Informações Turísticas - SISTUR;
VI - atualizar o SISTUR com informações do Estado;
VII - articular com os demais órgãos governamentais e entidades da Administração
Federal, Estadual e Municipal em seus programas, projetos e ações de infra-estrutura que
interagem com a Política Estadual de Turismo;
VIII - coordenar a execução da sinalização turística municipal, realizando-a quando for o
caso;
IX - responsabilizar-se pela supervisão e conservação dos materiais permanentes da
sinalização turística estadual em municípios;
X - subsidiar o Núcleo de Planejamento - NUP na formulação e gerenciar as políticas,
planos, programas e projetos para o ordenamento e desenvolvimento do turismo e de
seus segmentos no âmbito local, regional, estadual e nacional, promovendo a inserção da
temática social, ambiental e cultural;
XI - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
XII - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

CAPÍTULO III
Do Nível de Gerência Geral

Seção I
Da Gerência Geral de Marketing

Art. 26. A Gerência Geral de Marketing - GMARK, órgão diretamente subordinado ao


Diretor-Presidente, tem por finalidade o desenvolvimento dos programas, através de suas
Gerências, relativos à promoção e divulgação do Estado do Pará, com vistas ao
crescimento do turismo receptivo.

Seção II
Da Gerência de Assuntos Nacionais

Art. 27. A Gerência de Assuntos Nacionais - GEAN, órgão diretamente subordinado a


Gerência Geral de Marketing - GMARK, tem por finalidade a promoção, apoio e
divulgação, junto aos mercados nacionais, do turismo no Estado, bem como o apoio a
eventos municipais do Estado do Pará.

Art. 28. À Gerência de Assuntos Nacionais - GEAN compete:


I - propor, apoiar, planejar, coordenar e acompanhar as ações e projetos de marketing,
promoção, propaganda e divulgação do turismo no Estado junto aos mercados nacionais;
II - planejar, executar, coordenar e acompanhar os programas de promoção e divulgação
de eventos e dos produtos turísticos brasileiros no mercado nacional;
III - planejar, executar, coordenar e acompanhar a promoção e divulgação de produtos
associados ao turismo no mercado nacional;
IV - planejar, executar e avaliar as ações de divulgação de eventos e de produtos
turísticos do Estado junto aos mercados nacionais;
V - articular com os demais órgãos e entidades da Administração Federal, Estadual,
Municipal, do setor produtivo e terceiro setor, programas, projetos e ações que tenham
interface com a área;
VI - supervisionar e acompanhar, em conjunto com as demais áreas da empresa, a
realização dos eventos turísticos apoiados pela Paratur em Municípios do Estado;
VII - prospectar, captar e analisar eventos turísticos municipais e nacionais, com potencial
estratégico, propondo ações para o fortalecimento do produto turístico paraense;
VIII - propor aos municípios, em conjunto com o Núcleo de Registro e Qualidade - NRQ,
ações estratégicas visando à qualificação de eventos turísticos do Estado do Pará;
IX - fiscalizar a inserção da logomarca da empresa nas ações apoiadas e/ou patrocinadas
pela empresa;
X - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
XI - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção III
Da Gerência de Assuntos Internacionais

Art. 29. A Gerência de Assuntos Internacionais - GEAI, órgão diretamente subordinado a


Gerência Geral de Marketing - GMARK, tem por finalidade a promoção, apoio e
divulgação, junto aos mercados internacionais, do turismo no Estado do Pará.

Art. 30. À Gerência de Assuntos Internacionais - GEAI, compete:


I - planejar, executar, coordenar e acompanhar a atuação e participação do Governo do
Estado em eventos turístico de interesse da Empresa, junto a organismos internacionais;
II - organizar, executar e acompanhar a participação do Estado do Pará em eventos
turísticos Internacionais;
III - apoiar, planejar, coordenar e acompanhar a articulação com os demais órgãos e
instituições governamentais com atuação no cenário internacional;
IV - criar estratégias de marketing visando à inserção de produtos turísticos nos mercados
internacionais;
V - pesquisar, prospectar e atrair novas tecnologias, conhecimentos, eventos e
oportunidades no mercado internacional;
VI - articular com os demais órgãos e entidades da Administração Federal, Estadual,
Municipal, do setor produtivo e terceiro setor, programas, projetos e ações que tenham
interface com a área;
VII - fiscalizar a inserção da logomarca da empresa nas ações apoiadas e/ou patrocinadas
pela empresa;
VIII - elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
IX - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Seção IV
Gerência de Comunicação Virtual

Art. 31. A Gerência de Comunicação Virtual - GECV, órgão diretamente subordinado a


Gerência Geral de Marketing - GMARK, tem por finalidade a realização das ações de
comunicação social e o controle dos sistemas informatizados da Empresa.

Art. 32. À Gerência de Comunicação Virtual - GECV, compete:


I - quanto à área de imprensa:
a) assessorar o Diretor-Presidente em suas relações com a imprensa;
b) promover e acompanhar a formação de opinião pública relativa à empresa;
c) promover e acompanhar o noticiário de mídia impressa e áudio visual relativo ao
turismo como destino em articulação com a Coordenadoria de Comunicação Social da
Governadoria do Estado;
d) promover e acompanhar o noticiário de mídia impressa e áudio visual nacional e
internacional sobre o Pará;
e) articular e promover a vinda de jornalistas e/ou equipe de jornalistas ao Estado para
produção de material de divulgação do Pará;
f) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
g) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

II - quanto à área de comunicação virtual:


a) Implementar e gerenciar o portal da Paratur, as atividades de informática, a rede de
Intranet e os Sistemas de Informação;
b) gerenciar as atividades de informática;
c) gerenciar a rede de Intranet e os Sistemas de Informação;
d) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
e) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

III - quanto às Relações Públicas:


a) executar e coordenar o atendimento ao público na empresa e nos estandes fora da
Empresa;
b) manter relacionamentos sociais, pessoais e institucionais de interesse da Empresa;
c) assessorar o Diretor-Presidente quanto ao cerimonial, relações públicas;
d) realizar as atividades que necessitarem de cerimonial;
e) elaborar o Relatório Anual de Atividades da área; e,
f) executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

CAPÍTULO IV
Do Nível de Atuação Regional

Seção I
Dos Pólos Turísticos

Art. 33. Os pólos turísticos, sediados nos Municípios de maior interesse turístico, contarão
cada um com Escritórios Regionais os quais serão implantados progressivamente.

Seção II
Da Estrutura e Competências dos Escritórios Regionais

Art. 34. Os escritórios regionais, unidades de apoio administrativo, diretamente


subordinados ao Diretor -Presidente, têm por finalidade, desenvolver, no pólo de sua
atuação, os programas da companhia nos municípios de sua área de abrangência, e
compete-lhes:
I - promover a municipalização do turismo;
II - desenvolver no pólo os programas da companhia;
III - executar outras atividades correlatas à sua área de atuação.

Art. 35. Os escritórios regionais possuem a seguinte estrutura básica:


I - Unidade de Apoio Administrativo.
TÍTULO IV
DAS ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES DO DIRETOR-PRESIDENTE,
DOS DIRIGENTES E OUTROS CARGOS COMISSIONADOS

CAPÍTULO I
Das Atribuições do Diretor-Presidente

Art. 36. Ao Diretor-Presidente da Paratur cabem as seguintes atribuições:


I - representar a empresa em juízo ou fora dele, podendo designar prepostos ou
procuradores, para fins judiciais;
II - autorizar a concessão de regime de tempo integral e dedicação exclusiva aos
servidores e empregados
da Paratur, obedecendo a legislação vigente;
III - contratar pessoal para o quadro de pessoal temporário da Empresa, mediante contrato
de trabalho ou locação de serviço;
IV - dispensar pessoal do quadro de pessoal temporário da Empresa;
V - instaurar processos administrativos, elogiar e aplicar penalidades aos servidores e
empregados da Empresa, de acordo com a legislação vigente;
VI - designar e/ou dispensar ocupantes de chefias da Empresa;
VII - requisitar servidores da administração direta e indireta;
VIII - cumprir o orçamento anual, solicitando as modificações que se fizerem necessário;
IX - submeter a prestação de contas à apreciação dos Tribunais de Contas na área de sua
jurisdição;
X - expedir portarias, ordens ou instruções de serviços no âmbito da Empresa;
XI - movimentar as contas de depósito da Paratur, nos estabelecimentos bancários;
XII - ordenar pagamentos e fornecimentos, de acordo com a legislação vigente;
XIII - homologar licitações, nos termos da legislação vigente;
XIV - firmar convênios, acordos, contratos e outros instrumentos equivalentes de interesse
da Empresa;
XV - designar seu substituto eventual;
XVI - manter a sociedade civil informada das atividades da Empresa;
XVII - decidir sobre matéria urgente “ad referendum” do Conselho de Administração, nos
casos inadiáveis e que possam comprometer ou prejudicar o órgão, submetendo cada
decisão àquele colegiado, na primeira reunião;
XVIII - submeter o Regimento Interno e suas alterações propostas para aprovação pelo
Conselho de Administração da empresa;
XIX - delegar o que for de conveniência e interesse;
XX - autorizar a troca ou venda de material e utensílio considerados inservíveis, observada
a legislação em vigor;
XXI - praticar todos os demais atos necessários à realização de seus fins institucionais.
XXII - promover a cooperação e articulação com os órgãos da Administração Federal,
Estadual, do Distrito Federal e Municipal em projetos de suas iniciativas que possam
contribuir para o fortalecimento e desenvolvimento do turismo nacional;
XXIII - promover a cooperação e articulação com os fóruns, conselhos, consórcios e
entidades articuladoras do turismo nos âmbitos estaduais, regionais e municipais; e,
XXIV - articular com os demais órgãos governamentais e entidades da Administração
Pública em seus programas, projetos e ações que interagem com a Política Nacional de
Turismo; e,
XXV - apresentar ao Governador do Estado e aos Órgãos colegiados da Paratur o Relatório
Anual de Gestão da Empresa;
CAPÍTULO II
Das Atribuições de Outros Cargos Comissionados

Seção I
Do Assessor

Art. 37. Ao Assessor cabem as seguintes atribuições:


I - assessorar o Diretor-Presidente sobre assuntos de interesse da empresa, quando for
solicitado;
II - elaborar o Relatório Anual de Atividades desenvolvidas no cargo; e,
III - exercer outras funções que lhes forem atribuídas pelo Diretor-Presidente da Empresa.

Seção II
Da Secretária

Art. 38. À secretária cabe as seguintes atribuições:


I - prestar assistência direta à chefia imediata em assuntos relativos ao expediente
administrativo;
II - receber, protocolar, organizar e distribuir a correspondência oficial ou particular da
chefia;
III - minutar e digitar correspondências, memorandos, documentos diversos solicitados
pela chefia imediata;
IV - colaborar com a organização e cumprimento da agenda de compromissos da chefia
imediata;
V - executar outras atividades correlatas ou que lhes venham a ser atribuída.

CAPÍTULO III
Das Responsabilidades dos Dirigentes

Art. 39. Constituem responsabilidades fundamentais dos dirigentes, em todos os níveis,


além das específicas, as seguintes:
I - planejar, organizar, dirigir e controlar as atividades inerentes a sua área de
competência;
II - promover nas gerências o desenvolvimento de um fluxo de comunicação que venha
propiciar um perfeito inter-relacionamento na empresa;
III - combater o desperdício, em todas as suas formas, com vistas a reduzir custos
operacionais das atividades sob suas responsabilidades;
IV - orientar os subordinados na execução de suas tarefas e promover a prática de rodízio,
a fim de proporcionar-lhes visão integrada da área;
V - proporcionar, aos subordinados, condições para o desenvolvimento de atitudes,
habilidades e conhecimentos voltados para o objetivo da área que pertencem,
assegurando ao público tratamento rápido e satisfatório;
VI - ensejar oportunidade para o progresso individual do subordinado em consonância com
o seu potencial e sua capacidade e até com os objetivos do Governo do Estado;
VII - fomentar, nos subordinados o espírito de lealdade ao Estado e às Autoridades
constituídas, pelo acatamento às ordens e às solicitações, sem prejuízo da participação
política, construtiva e responsável, em favor da ampliação da eficácia na Administração
Pública.

TÍTULO V
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
Art. 40. A representação judicial da Empresa ficará a cargo do Núcleo Jurídico ou será
objeto de contratação de serviços de terceiros, observado, neste último caso, a legislação
federal aplicável às licitações.

Art. 41. Este Regimento poderá ser alterado por proposta do Diretor-Presidente e/ou do
Conselho de Administração da Empresa.

Art. 42. As competências da Assembléia Geral, do Conselho de Administração e do


Conselho Fiscal estão previstas no Estatuto da Empresa e leis correlatas.

Art. 43. O presente Regimento entra em vigor na data de sua publicação, após aprovação
pelo Conselho de Administração da empresa.