Você está na página 1de 4

FACULDADE CASTELO BRANCO

PÓS GRADUAÇÃO EM "IDEOLOGIA"

“O SONHO DE UM MUNDO MELHOR NASCE DAS ENTRANHAS DO SEU CONTRÁRIO”:


O FRACASSO ESCOLAR COMO ESTIMULO AOS EDUCADORES .
VITÓRIA
2010

BRUNA ARAUJO DE CASTRO

“O SONHO DE UM MUNDO MELHOR NASCE DAS ENTRANHAS DO SEU CONTRÁRIO”:


O FRACASSO ESCOLAR COMO ESTIMULO AOS EDUCADORES .

Trabalho de Conclusão de disciplina ,


apresentado ao professor fulano de tal do
curso tal para pós graduação na faculdade
Castelo Branco, como requisito para
obtenção de crédito na disciplina.

VITÓRIA
2010

OBJETIVO:

Reformular pensamentos pré estabelecidos a respeito da ética e sua função na educação,


evidenciando um ponto de vista critico a respeito do que ela pode representar para allguns
indivíduos, denotando assim as origens do fracasso escolar :discutir formas esdrúxulas de
avaliação orientadas nos moldes políticos-econômicos desagregadores da qualidade do
pensamento.DESAFIAR A FUNÇÃO MÉTRICA DA AVALIAÇÃO.

JUSTIFICATIVA

O Sucateamento das escolas públicas ,A desvalorização do professor,O comodismo de


ambas as partes.A falta de crítica consistente da realidade .

INTRODUÇÃO

Faz se as palavras do livro a Introdução: “A avaliação deve promover aprendizagens que


criem vida, nas sociedades, nas comunidades, nas famílias , nas escolas ,nos mais diversos
recantos desste planeta, deve ativar práticas educativas que produzam conhecimento do
mundo e um bem querer ao outro e à outra, a alegria da convivencia: da participação, do
brincar, da curiosidade epistemologica, da investigação, do falar e ser ouvido(a),do avaliar
sem medo de ser punido(a),aprendizagem que torne a vida plena de dignidade ,justiça e
solidariedade.”

DESENVOLVIMENTO
Quando a educação falha em sua missão de se tornar apenas um mecanismo de coerção
social, que leva a conformação dos indivíduos à sociedade em que vivem havendo assim a
internalização das regras como se fossem hábitos pessoais, eis que surge o fracasso escolar
a ser trabalhado pelos educadores.
A avaliação da aprendizagem é, especificamente neste caso, apenas um método para
diagnosticar desvios de uma visão não padronizada a respeito (ou será despeito) da
generalização do ser e de uma ética facilmente assimilável desde criança, que quando exalta
a ineficácia de pessoas em se enquadrarem só reflete um desafio, muitas vezes ignorado
pelos professores, que não buscam saber as origens do seu significado ou não tem tempo de
se ater a estes “defeitos” sociais.
Este fato a ser discutido nas escolas deve ser motivo de profundo debate entre os
educadores, pois a forma de avaliação não pode depender das forças sociais que as movem
tornando-se apenas mais um processo seletivo ou estratégia de políticas excludentes, pois é
nesse ponto que o sistema pode falhar.
O educador ao ensinar tem por obrigação se desprender das concepções de uma “ética de
mercado” proposta num mundo globalizado e ater-se ao desafio em que se propõe o MAU
desempenho escolar : O de educar para o conhecimento, para o saber transformar os
problemas e dificuldades da vida em sucessos.É se propor a vencer os paradigmas , a
sobrepor a uma lógica absurda do cotidiano , de preparar todos para que possam no futuro
vencer seus contrários.

CONCLUSÃO

È ludibriar a ética ignorar o seu revés.

REFERENCIAS BIBLIOGÀFICAS

Albuquerque, Targelia S.;Oliveira,Eloísa S. G.,Avaliação da Educação e


aprendizagem, IESDE.Brasil S.A.,2008.
Durkheim, E. As regras do método sociológico. São Paulo, Ed. Martin Claret,
2002.