Você está na página 1de 15

Gestão orientada por Processos.

Estratégia Iniciar e
definida Preparar desenvolver
projetos gestão da
mudança 6
Entender modelo Entender e
de negócios estruturar Definir Levantar Realizar
(RBV) estratégia (BSC) padrões situação outros
(JAD, BPMN) atual projetos

Verificar
3
Planejar
sustentabilidade Preparar
gestào da
e ambiente interno Levantamento
grau de inovação
mudança
6 concluído

Desenhar cadeia Analisar,


de valor diagnosticar
e definir
premissas

Analisar valor Priorizar Especificar


dos processos processos Desenhar Simular
tecnologia
modelo modelo
(SOA, BPMS,
futuro com kpi's futuro
EA)

4
Analisar ROI Modelo de
processos
1 aprovado

Estratégia de
processos Definir tipo de
definida Verificar ajuste gestor e Ajustar
de cargos/papéis descrever organização
perfil

Prover Selecionar
metodologia ferramenta Criar
Treinar,
(TOC, 6Sigma) (BPA, BPMS) ambiente
implementar e
sustentável
padronizar
2 (BAM, EP, MM)

5
Preparação
interna Gestão por
concluída Processos
implementada
Tendências.
Arquiteturas organizacionais.
Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes Competência?
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos? Grau de inovação?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?
Flexibilidade?

Recursos? Gestão? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Resource Based View.

Esta é uma corrente de pensamento estratégico que desde os anos 30 aparece em vários
autores e que recebeu uma importante contribuição através de J.Barney nos anos 90.
Ela se baseia no princípio de que é o conjunto de recursos estratégicos disponíveis para
uma organização, a base para gerar vantagens competitivas para a mesma.
O conjunto de recursos estrategicamente importantes incluem os físicos, financeiros,
humanos e organizacionais.
O modelo desenvolvido por J.Barney para aplicar o conceito é mostrado na figura a
seguir:

Valiosos
Recursos heterogêneos Raros Vantagem competitiva
Grau de imobilidade Imitação imperfeita sustentável
Competência organizacional
Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?

Recursos? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Diferenciação. A Estratégia do Oceano Azul.
Matriz de análises de valor
Intensidade Alta

Baixa

Propostas de valor

Modelo das quatro ações

REDUZIR
(abaixo dos padrões setoriais)
ELIMINAR CRIAR
(considerados indispensáveis) (nunca oferecidos)
ELEVAR
(bem acima dos padrões setoriais)

Extraído de: A Estratégia do Oceano Azul – Kim e Mauborgne


Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?

Recursos? Gestão? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Gestão Orientada por Processos.

Processo

Gestão de Processos

Gestão por Processos


Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes Competência?
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?

Recursos? Gestão? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Gestão de Pessoas por Competência.

CONHECIMENTOS HABILIDADES ATITUDES


C H A
Constituído pela
tecnologia, pelas Modo de proceder ou
políticas, pelos Capacidade que a agir, comportamento,
procedimentos, pelas pessoa possui para procedimento, etc.
bases de dados aplicar o Conjunto de valores,
documentos e pelo conhecimento que crenças e
conjunto de detém. princípios,formado ao
experiências do longo da vida,
colaborador
Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes Competência?
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos? Grau de inovação?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?

Recursos? Gestão? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Organização para Inovação.

Alta
Estratégia multi domestica Estratégia de globalização
e multi doméstica
Através de subsidiárias, Características matriciais e
Atratividade nacional

características geográficas. globais necessárias.

Inovação na matriz e nas subsidiarias

Estratégia de exportação Estratégia de globalização


Por terceiros ou com
dpto/div. internacional.
Priorizando produto ou
serviço global.
Baixa

Inovação na matriz
Baixa Alta

Atratividade internacional
Arquiteturas organizacionais.
Aderência entre os componentes Competência?
Pessoas

Diferenciação? Que perfil fará


a diferença?
Como atender ou criar Como iremos fazer
mercados? para atingir objetivos? Grau de inovação?

Mercado Modelo de Estratégia Processos Estrutura


1 negócio 2 organizacional

Como é hoje e quais O que se pode alcançar Qual o posicionamento


as tendências? nos mercados definidos? nacional/internacional?
Flexibilidade?

Recursos? Gestão? Tecnologia

Qual a melhor
ferramental disponível?
Tecnologia Orientada ao Negocio.

SOA pode ser definido como uma metodologia de implementação e


desenho de aplicações (“Architecture”), mesmo não acopladas, de
baixa granularidade e com artefatos reusáveis (“Serviços”), que podem
ser integrados uns com os outros através de serviços de interfaces,
independente das plataformas utilizadas.