Você está na página 1de 39

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL

PARA EDIFICAÇÕES
COM O SISTEMA CONSTRUTIVO
EM STEEL FRAMING
TABELAS DE DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL (1)

1 APRESENTAÇÃO

O presente documento apresenta alguns detalhes de construção e as tabelas mais


importantes para o dimensionamento prático da estrutura metálica de edificações
residenciais com até 2 pavimentos, projetadas segundo os conceitos do “steel framing”
em perfis formados a frio de aço zincado. Para isto, foi considerado como base
principal o documento Prescriptive Method For Residencial Cold-Formed Steel Framing
– North American Steel Framing Alliance (NASFA) [1], publicado em 2000.

O método apresentado padroniza os perfis U enrijecidos (Ue) para as barras estruturais


e U simples (U) para as guias.

Os aços utilizados na fabricação dos perfis devem ser obtidos através do processo de
imersão a quente ou por eletrodeposição, podendo ser do tipo revestidos com zinco ou
liga alumínio-zinco, e portanto, resistentes à corrosão atmosférica. Para o limite de
escoamento dos aços foram considerados os valores de 230 MPa e 345 MPa, tendo as
chapas espessuras de 0,95mm a 2,46mm.

O sistema “steel framing” também é empregado em edificações com mais de dois


pavimentos. No entanto, nestes casos, o dimensionamento deve ser realizado
empregando-se as normas brasileiras específicas para os perfis formados a frio, por
profissional de comprovada competência e que tenha os conhecimentos necessários
ao projeto de estruturas em perfis leves de aço revestidos.

2 CONCEITUAÇÃO

Os perfis formados a frio estão sendo amplamente adotados nas construções metálicas
brasileiras, sendo tradicionalmente empregados como barras de estruturas treliçadas
de coberturas, tal como em edifícios industriais, postos de gasolina, etc. Só
recentemente estão sendo empregados em novas soluções para construções
residenciais. Para isto, algumas siderúrgicas e fabricantes de estruturas têm-se
encorajado em desenvolverem novos conceitos de soluções construtivas simples e de
custo relativamente baixo, podendo ser aplicados também em larga escala em
programas habitacionais de interesse social.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------
Documento elaborado pelo Prof. Dr. Francisco Carlos Rodrigues, do Departamento de Engenharia de
Estruturas / Escola de Engenharia / UFMG - Belo Horizonte, MG, Brasil.
0xx31-32381044. francisco@dees.ufmg.

2
Embora a tecnologia para construções rápidas e de custo economicamente viável não
seja muito complexa e insinua em soluções de projetos estruturais simples, a escolha
de materiais apropriados e técnicas de construção é talvez o ponto central para a
definição de tecnologia aplicada.

As edificações residenciais constituem um campo muito importante para aplicações dos


sistemas construtivos em perfis formados a frio. Nestes sistemas não podemos
considerar soluções técnicas muito sofisticadas mas tão simples quanto possível,
permitindo construções rápidas e freqüentemente admitindo o emprego de
trabalhadores locais orientados tecnicamente.

O sistema construtivo “steel framing” tem uma concepção racional, para fabricação e
montagem industrializada e em grande escala, quase todo a seco, onde os perfis
formados a frio, em chapa de aço zincado de bitola leve, são utilizados para a
composição das paredes (estruturais ou não), vigas de piso e vigas secundárias,
servindo ainda apenas como forma-laje em pisos de concreto armado ou como
armadura positiva nas lajes mistas com forma de aço incorporada (“steel decks”). Estes
perfis são também empregados nas estruturas dos telhados.

As vedações e o sistema de acabamento utilizam um método que combina uma alta


capacidade isolante com uma aparência atraente, com o emprego de variadas
soluções construtivas, entre elas: i) tela expandida de aço zincado com argamassa
projetada, para paredes internas e externas; ii) chapa de OSB (Oriented Strand Board)
com barreira de vapor e tela de poliester aplicadas sobre a mesma, e revestida com
argamassa projetada, para paredes internas e externas; iii) placa cimentícia revestida
com argamassa projetada ou outros revestimentos convencionais de cobertura, para
paredes internas e externas.

A estrutura de aço fica então encapsulada e protegida dentro das paredes.

Este sistema construtivo destinado às edificações residenciais de alta qualidade com


estrutura metálica ilustra o fato de que o aço é uma alternativa viável em relação às
estruturas executadas com outros materiais e que a construção metálica não significa
formas totalmente novas de construção. As construções podem ser projetadas para
substituir as vedações em alvenaria e as formas dos pisos por aço, peça por peça,
incluindo as treliças do telhado. As estruturas das paredes são pré-fabricadas em
painéis, podendo ser enviadas para o local da construção já montadas.

Os perfis utilizados e as formas-laje podem ser fabricados em equipamentos simples


ou especiais, com controle numérico, que permitam a furação, a perfilagem e o corte
automatizados, em escala de produção industrial.

3 DEFINIÇÕES

A seguir, são apresentadas as principais definições para auxiliar o projetista nas etapas
da concepção e do dimensionamento do sistema estrutural.

A menos de alguma ressalva, todas as figuras apresentadas no texto foram adaptadas


da referência [2] – Low-Rise Residential Construction – Details, publicada pela NASFA
em 2000.

3
A Figura 3.1 apresenta um esquema típico e geral de uma residência em sistema steel
framing e a Figura 3.2 apresenta o esquema particularizado para o documento da
CAIXA.

Figura 3.1 – Esquema típico de uma residência em steel framing (caso geral) [2].

De acordo com a Figura 3.2 - para o documento da CAIXA, a idéia central do sistema é
combinar os produtos em aço resistente a corrosão com os materiais de construção
atualmente disponíveis no mercado nacional, como os painéis de gesso acartonado, as
placas cimentícias, a argamassa projetada sobre tela expandida de aço zincado ou
chapa de OSB com barreira de vapor e tela de poliéster aplicadas sobre a mesma e
revestida com argamassa projetada. Para os pisos dos pavimentos superiores e
cobertura podem ser empregadas as lajes pré-moldadas de concreto ou lajes em steel
decks. Para a cobertura deverá ser considerada apenas a utilização de telhas
cerâmicas, de concreto, metálicas ou de cimento reforçado por fios sintéticos.

Para as barras metálicas, estruturais ou não, são adotados os perfis U ou Ue, sendo as
ligações executadas por meio de parafusos e porcas, parafusos autoatarrachantes e
outros conectores especiais.

4
Figura 3.2 – Esquema típico de uma residência em steel framing, particularizado para o
documento da CAIXA [2].

A Figura 3.3 apresenta a nomenclatura e as dimensões dos perfis U e Ue e a Figura 3.4


apresenta novamente estes perfis e também o perfil cartola, considerando-se a
nomenclatura da NBR 6355 - Perfis Estruturais, de Aço, Formados a Frio –
Padronização, cujo projeto de norma se encontra em votação nacional na Associação
Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

5
Figura 3.3 – Dimensões dos elementos componentes dos perfis U enrijecdido (Ue)
e U simples.

U simples U enrijecido Cartola


(Guia) (Montante e Terças) (Ripas)

Figura 3.4 - Perfis típicos para uso em Steel Framing: U simples, U enrijecido e
cartola (nomenclatura conforme a NBR 6355)

6
3.1 Guias

As guias são usadas na horizontal para formar a base e o topo dos montantes. São
também utilizadas - combinadas ou não com as fitas - para o travamento de vigas e
montantes, e montagem das vergas (Figura 3.5).

Figura 3.5 – Esquema apresentando guia, montante e viga.

Tanto para as guias das paredes internas quanto para as guias das paredes externas,
o dimensionamento é realizado para as solicitações de compressão. Para a ligação de
painéis (entre pisos), deve-se considerar para o dimensionamento a seção transversal
constituída por dois perfis U simples ligados pela alma. Para a ligação do painel à
fundação, deve-se considerar para o dimensionamento a seção transversal constituída
por um perfil U simples

3.2 Montantes

Os montantes (Figura 3.5) podem ser simples ou compostos, são constituídos por
perfis Ue com as dimensões apresentadas nas tabelas de dimensionamento e devem
apresentar espaçamento mínimo entre si de 400mm e máximo de 600 mm.

Os montantes das paredes internas são dimensionados à flexo-compressão e à tração


atuando isoladamente. Os montantes das paredes externas são dimensionados à flexo-
compressão e à flexo-tração.

7
3.3 Vigas

As vigas apresentam espaçamento entre si em função dos espaçamentos entre os


montantes, conforme mostram as figuras 1 e 5.

As vigas de piso são dimensionadas à flexão, ao cortante e à combinação cortante-


momento fletor (para as vigas contínuas).

Para impedir a flambagem lateral com torção, as vigas devem ser lateralmente
travadas duas a duas por meio de perfis Ue colocados em cada terço do vão, conforme
ilustra a Figura 3.6.

Figura 3.6 – Travamento lateral de vigas [2].

3.4 Barras diagonais

Quando necessário o seu emprego, as diagonais em fitas (barras chatas) trabalham


somente à tração e devem receber protensão durante sua instalação.

3.5 - Vergas

As vergas podem ser constituídas conforme mostra a Figura 3.7 ou por dois perfis Ue
ligados pela alma através de parafusos autobrocantes espaçados a cada 600 mm, com
o mínimo de 2 autobrocantes por seção.

As vergas são dimensionadas à flexão; ao cortante; ao enrugamento da alma; à


combinação cortante-momento fletor e ao enrugamento da alma-momento fletor.

8
Figura 8 – Vista geral das vergas (emcabeçamento de aberturas) [2].

4 NORMAS E DOCUMENTOS CONSULTADOS

1. NASFA - Prescriptive Method for Residential Cold-Formed Steel Framing. North


American Steel Framing Alliance, October 2000.

2. NASFA – Low-Rise Residential Construction - Details. North American Steel


Framing Alliance, March 2000.

3. ABNT - NBR 6355: Perfis Estruturais, de Aço, Formados a Frio – Padronização.


Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2003.

4. AISI – Specification for the Design of Col-Formed Steel Structural Members.


American Iron and Steel Institute, 1996.

5. ABNT - NBR 14762: Dimensionamento de estruturas de aço constituídas por


perfis formados a frio – Procedimento. Associação Brasileira de Normas
Técnicas, 2001.

6. ABNT - NBR 8800: Projeto e Execução de Estruturas de Aço de Edifícios.


Associação Brasileira de Normas Técnicas, 1986.

7. SCI,1997. Building design using Cold Formed Steel Sections – Construction


Detailing and Practice. The Steel Construction Institute. SCI Publication P165.

9
8. Eurocode 3: Design of steel structures.Part 1.3: General Rules.Supplementary
Rules For Cold Formed Thin Gauge Members And Sheeting, Env 1993-1-3,
February,1996.

9. Australian / New Zealand Standart. AS/NZS 4600:1996.Cold-formed stell


structures.Standards New Zealand, 1996.

5 PRESCRIÇÕES DE NORMAS TÉCNICAS

As tabelas constantes da referência [1] e adaptadas no presente documento foram


elaboradas com base nas prescrições da norma norte-americana do American Iron and
Steel Institute, em sua versão de 1996 (AISI/96 [4]), com os princípios do Método dos
Estados Limites.

No entanto, o sistema “Steel Framing” pode também ser dimensionamento


empregando as prescrições da NBR 14762 [5], também fundamenta nos princípios dos
Método dos Estados Limites.

O texto da NBR 14762 foi elaborado com base nas prescrições do AISI /96 [4],
incluindo algumas recomendações e procedimentos do Eurocode 3 [8] e da norma
australiana [9], procurando sempre estabelecer compatibilidade com outras normas
brasileiras relacionadas ao tema.

Para um melhor entendimento das normas citadas, neste trabalho são apresentadas
comparações entre as especificações do AISI/96 e da norma brasileira, com relação ao
dimensionamento de perfis formados a frio submetidos a esforços de tração,
compressão, flexão e solicitações combinadas segundo o método dos estados limites.

5.1 - Barras submetidas à tração

Com relação ao dimensionamento das barras tracionadas, a resistência de cálculo é


dada por:

A - Ligações soldadas

Norma Brasileira (Subseção 7.6.1):


Nt,Rd = Afy / γ (γ = 1,1) (5.1)
Nt,Rd = CtAnfu / γ (γ = 1,35) (5.2)

AISI/96 (Seção C2):


Td = φtTn (φt =0,95) (5.3)
Tn = Anfy (5.4)

onde:
γ,φt: coeficientes de ponderação da resistência e fator de resistência,
respectivamente;
A: área da seção transversal bruta da barra;
An : área da seção líquida da barra.
fu : resistência à ruptura do aço;
fy : resistência ao escoamento do aço;

10
Ct : coeficiente de redução da área líquida.

O estado limite último de escoamento da seção bruta é considerado pela Norma


Brasileira e AISI/96, uma vez que nas ligações soldadas An = A. O estado limite último
de ruptura da seção líquida efetiva é considerado somente pela Norma Brasileira,
através da equação (5.2).

B - Ligações parafusadas

AISI/96 (Seção C2 e E3.2):


Pd = φtPn (φt =0,95) (5.5)
Pn = Anfy (5.6)

Caso I - Ligações com arruelas sob a cabeça do parafuso e porca


Pd = φtPn (5.7)
Pn = (1,0 - 0,9r+3rd/s)fuAn ≤ fuAn (5.8)
φt = 0,65 para cisalhamemto duplo
φt = 0,55 para cisalhamento simples

Caso II - Ligações sem arruelas ou com apenas uma arruela


Pd = φtPn (5.9)
Pn = (1,0 - r+2,5rd/s)fuAn ≤ fuAn (φt = 0,65) (5.10)

Norma Brasileira (Subseção 7.6.1):


Nt,Rd = Afy / γ (γ = 1,1) (5.11)
Nt,Rd = CtAnfu / γ (γ = 1,35) (5.12)

Para ligações parafusadas, devem ser analisadas as prováveis linhas de ruptura,


sendo a seção crítica aquela correspondente ao menor valor da área líquida. A área
líquida da seção de ruptura analisada deve ser calculada por:

(
A n = 0,9 A − n f d f t + Σts 2 / 4g ) (5.13)

Para ligações soldadas, considerar An = A. Nos casos em que houver apenas soldas
transversais (soldas de topo), An deve ser considerada igual à área bruta da(s) parte(s)
conectada(s) apenas.

df é a dimensão do furo;

nf é a quantidade de furos contidos na linha de ruptura analisada.

s é o espaçamento dos furos na direção da solicitação;

g é o espaçamento dos furos na direção perpendicular à solicitação;

t é a espessura da parte conectada analisada.

Ct é o coeficiente de redução da área líquida, dado por:

a) chapas com ligações parafusadas:

11
- todos os parafusos da ligação contidos em uma única seção transversal:

Ct = 2,5(d/g) ≤ 1,0

- dois parafusos na direção da solicitação, alinhados ou em zig-zag:

Ct = 0,5 + 1,25(d/g) ≤ 1,0

- três parafusos na direção da solicitação, alinhados ou em zig-zag:

Ct = 0,67 + 0,83(d/g) ≤ 1,0

- quatro ou mais parafusos na direção da solicitação, alinhados ou em zig-zag:

Ct = 0,75 + 0,625(d/g) ≤ 1,0

d é o diâmetro nominal do parafuso;

Em casos de espaçamentos diferentes, tomar sempre o maior valor de g para


cálculo de Ct;

Nos casos em que o espaçamento entre furos g for inferior à soma das distâncias
entre os centros dos furos de extremidade às respectivas bordas, na direção
perpendicular à solicitação (e1 + e2), Ct deve ser calculado substituindo g por e1 +
e2.

Havendo um único parafuso na seção analisada, Ct deve ser calculado tomando-se


g como a própria largura bruta da chapa.

Nos casos de furos com disposição em zig-zag, com g inferior a 3d, Ct deve ser
calculado tomando-se g igual ao maior valor entre 3d e a soma e1 + e2.

b) perfis com ligações parafusadas:

- todos os elementos conectados, com dois ou mais parafusos na direção da


solicitação:

Ct = 1,0

- cantoneiras com dois ou mais parafusos na direção da solicitação:

Ct = 1 – 1,2(x/L) < 0,9 (porém, não inferior a 0,4)

- perfis U com dois ou mais parafusos na direção da solicitação:

Ct = 1 – 0,36(x/L) < 0,9 (porém, não inferior a 0,5)

Nos casos onde todos os parafusos estão contidos em uma única seção transversal, o
perfil deve ser tratado como chapa equivalente (Figura 3.5b), conforme a), com Ct dado
por:

12
Ct = 2,5(d/g) ≤ 1,0

c) chapas com ligações soldadas:

- soldas longitudinais associadas a soldas transversais:

Ct = 1,0

- somente soldas longitudinais ao longo de ambas as bordas:

para b ≤ L < 1,5b: Ct = 0,75

para 1,5b ≤ L < 2b: Ct = 0,87

para L ≥ 2b: Ct = 1,0

d) perfis com ligações soldadas:

- todos os elementos conectados:

Ct = 1,0

- cantoneiras com soldas longitudinais:

Ct = 1 – 1,2(x/L) < 0,9 (porém, não inferior a 0,4)

- perfis U com soldas longitudinais:

Ct = 1 – 0,36(x/L) < 0,9 (porém, não inferior a 0,5)

b é a largura da chapa;

L é o comprimento da ligação parafusada ou o comprimento da solda;

x é a excentricidade da ligação, tomada como a distância entre o plano da ligação e


o centróide da seção transversal do perfil.

É recomendado que o índice de esbeltez KL/r das barras tracionadas não exceda 300.
Para as barras compostas tracionadas, ou seja, aquelas constituídas por um ou mais
perfis associados, é também recomendado que o índice de esbeltez de cada perfil
componente da barra não exceda 300.

5.2 - Determinação das larguras efetivas dos elementos

Para a determinação das larguras efetivas dos elementos, a Norma Brasileira [5] adota,
com algumas adaptações, as formulações do AISI/96 [4] e do Eurocode 3 [8].

13
Norma Brasileira (Subseção 7.2.1) - Esta Subseção trata do cálculo das larguras
efetivas dos elementos da seção transversal do perfil. As expressões adotadas para o
cálculo das larguras efetivas são dadas por:

bef = bc(1-0,22/λp) / λp ≤ bc para os casos com inversão de sinal da tensão


(17)
bef = b(1-0,22/λp) / λp ≤ b para os casos sem inversão de sinal da tensão
(18)
bt
λp = (5.14)
0,95(kE / σ ) 0,5
onde:
b: largura do elemento;
bc : largura da região comprimida do elemento;
λp : índice de esbeltez reduzido do elemento, para λp ≤ 0,673 a largura efetiva
é a própria largura do elemento;
t: espessura do elemento;
k : coeficiente de flambagem local, a ser calculado de acordo com as
correspondentes tabelas da Norma Brasileira;
σ: máxima tensão normal de compressão no elemento, para elementos
totalmente comprimidos;
σ = σ1, para elementos parcialmente comprimidos
σ1 : máxima tensão de compressão no elemento, conforme as
correspondentes tabelas da Norma Brasileira.

AISI/96 (Seção B2 a Subseção B4.2) - Estas seções tratam do cálculo das larguras
efetivas dos elementos da seção transversal do perfil. As expressões usadas para
determinar a largura efetiva dos elementos não enrijecidos uniformemente comprimidos
(Subseção B2.1), dos elementos enrijecidos uniformemente comprimidos (Subseção
B3.1), dos elementos com borda enrijecidora uniformemente comprimidos (Subseção
B4.2) são as mesmas expressões apresentadas para o procedimento adotado pela
Norma Brasileira. A única diferença é a forma de apresentação das equações.

AISI/96 (Subseção B2.3) - Para os elementos enrijecidos e elementos parcialmente


enrijecidos submetidos a gradiente de tensões as larguras efetivas b1 e b2 (Figura1) são
determinadas como a seguir:

ψ = f2/f1 (5.15)
k = 4+2(1-ψ)3+2(1-ψ) (5.16)
b1 = be /(3-ψ) (5.17)
b2 = be /2, para ψ ≤ -0,236 (5.18)
b2 = be-b1, para ψ > -0,236 (5.19)
b1+b2 não pode exceder a porção comprimida da alma;

onde:
f1, f2 : tensões atuantes no elemento, mostradas na figura 5.1. f1 é a maior tensão
de compressão(+) e f2 pode ser de tração (-) ou compressão (+);
k : coeficiente de flambagem local ;
be : largura efetiva de acordo com a Subseção B3.1 substituindo f por f1 e k
determinado como acima;

14
f 1 (compressão) f 1 (compressão)

b1
b1

w
b2

b2

f 2 (tração)
f 2 (compressão)

Figura 5.1. Elemento enrijecido ou parcialmente enrijecido submetido a gradiente de


tensões

A Norma Brasileira considera três tipos de distribuição de tensões. O AISI/96, utiliza


somente o cálculo da largura efetiva dos elementos enrijecidos ou parcialmente
enrijecidos, conforme o procedimento apresentado acima. Dependendo da distribuição
das tensões no elemento, os casos b, c e d da tabela correspondente da Norma
Brasileira apresentam expressões para a determinação do coeficiente de flambagem
local k e das larguras efetivas bef,1 e bef,2.

AISI/96 (Subseção B2.3) - De forma simplificada, para os elementos não enrijecidos


submetidos a gradiente de tensões (Figura 5.2), o AISI/96 adota o coeficiente de
flambagem local com valor k = 0,43 e tensão f = f3. Esta norma trata esse elemento
como se fosse totalmente comprimido com a tensão igual à máxima tensão de
compressão f3.

A Norma Brasileira considera três tipos de distribuição de tensões. De acordo com os


valores dados na tabela correspondente da norma, o coeficiente de flambagem local
pode chegar ao valor máximo de 23,8.

tensão f 3

Figura 5.2. Elemento não enrijecido submetido a gradiente de tensão.

5.3 - Barras comprimidas

A Norma Brasileira (Subseção 7.7.1) considera três casos de curvas de flambagem


para a determinação da resistência de barras submetidas à compressão centrada.
Cada curva está associada a um coeficiente α de imperfeição global. A tensão nominal
de flambagem atuante nos elementos é dada pelo produto ρfy. A formulação adotada é
da Norma do Eurocode 3 (ENV 1993-1-3 [4]).

15
O fator de redução ρ que leva em consideração a influência da flambagem global na
resistência da barra, pode ser obtido pelas tabelas correspondentes da norma ou
calculado como a seguir:

ρ = 1/[β+(β2 - λo2)0,5] ≤ 1,0 (5.20)


β = 0,5[1+α(λo - 0,2)+λo2] (5.21)

onde:
α: fator de imperfeições iniciais, cujos valores variam de acordo com o tipo de
seção e eixo de flambagem, conforme Tabela 7 da NBR 14762;
λo: índice de esbeltez reduzido para barras comprimidas:
0 ,5
 Aef f y 
λ0 =   (5.22)
 Ne 
Aef : área efetiva da seção transversal da barra, calculada com base nas larguras
efetivas dos elementos, adotando σ = ρfy;
Ne : força normal de flambagem elástica da barra

O AISI/96 (Seção C4) adota uma única curva de dimensionamento para barras
submetidas à compressão centrada. A tensão nominal de flambagem é determinada
como a seguir:

λc = (fy/fe)0,5 (5.23)
Para λc ≤ 1,5 (Flambagem inelástica)
f n =  0,658 λc  f y
2
(5.24)
 
Para λc > 1,5 (Flambagem elástica)

5.4 - Estado limite último por distorção da seção transversal

O AISI/96 não leva em conta a flambagem local por distorção da seção transversal. O
texto base da Norma Brasileira (Subseções 7.7.3 e 7.8.1.3) aborda o dimensionamento
das seções U simples, U enrijecida e Z enrijecida quanto ao estado limite último de
distorção da seção transversal. A formulação utilizada é baseada nas prescrições da
Norma Australiana [9], com algumas adaptações.

5.5 - Estado limite último por flambagem lateral

Em relação ao estado limite último por flambagem lateral, a Norma Brasileira


(Subseção 7.8.1.2) somente verifica a flexão em torno do eixo de maior inércia. Já o
AISI/96 (Subseção C3.1.2) verifica a flexão em torno do eixo de simetria e em torno do
eixo perpendicular ao eixo de simetria. Na NBR 14762, as expressões usadas para
determinar a resistência de cálculo à flambagem lateral são as mesmas expressões
apresentadas pelo procedimento do AISI/96. A única diferença é a forma de
apresentação das equações.

5.6 - Verificação à web crippiling

Na verificação a Web Crippiling segundo o AISI/96 (Subseção C3.4) as equações para


a determinação da resistência de cálculo devem satisfazer a relação R/t ≤ 6. Para

16
seções tipo Z tendo uma das mesas parafusadas na extremidade da viga a equação
correspondente pode ser multiplicada 1,3 se as condições a seguir forem atendidas:
- h/t ≤ 150
- R/t ≤ 4
- espessura da seção da viga, t ≥ 1,52 mm
- espesssura do apoio da viga, t ≥ 4,76 mm

Na Norma Brasileira nenhuma relação precisa ser atendida.

5.7 - Procedimento baseado na reserva de capacidade inelástica


O AISI/96 permite determinar o momento de resistência nominal através de um
procedimento baseado na reserva de capacidade inelástica. A Norma Brasileira não
apresenta nenhum procedimento referente a este estado limite último.

5.8 - Coeficientes de ponderação das resistências do perfil

O coeficiente que considera as incertezas com relação à resistência do perfil da Norma


Brasileira (Subseção 7.7) para barras comprimidas tem valor igual a γ=1,1. A
resistência nominal é multiplicada por 1/1,1 = 0,909. No AISI/96 (Seção C4) a
resistência nominal é multiplicada por φc = 0,85. As incertezas são maiores no AISI/96
do que na Norma Brasileira.

O coeficiente de ponderação da resistência do perfil da Norma Brasileira (Subseção


7.8.1) para barras submetidas à flexão simples tem valor igual a γ=1,1 para todos os
estados limites últimos considerados. O momento nominal é multiplicado por 0,909. No
AISI/96 (Subseção C3.1.1) para o estado limite último de escoamento da seção efetiva
o coeficiente que multiplica a resistência nominal tem valor φb =0.95 para as situações
onde os flanges enrijecidos ou parcialmente enrijecidos estão comprimidos.

Com relação ao estado limite último de flambagem lateral com torção, os coeficientes
são praticamente os mesmos para ambas as normas, ou seja 1/γ=0,909 e φb =0,90.

O coeficiente de ponderação da Norma Brasileira para barras fletidas submetidas a


força cortante (Subseção 7.8.2) tem valor igual a γ=1,1 para o caso correspondente a
h/t ≤ 0,96(Ekv/fy)0,5. A resistência nominal é multiplicada por 1/1,1 = 0,909. No AISI/96
(Subseção C3.2) a resistência nominal é multiplicada por φc = 1,00 dentro do limite
acima.

Para barras sujeitas a forças concentradas sem enrijecedores transversais, o


coeficiente de ponderação da resistência (Anexo F da Norma Brasileira) tem valor igual
a γ=1,35, independentemente do tipo de seção transversal. A resistência nominal é
multiplicada por 1/1,35 ≈ 0,75. No AISI/96 (Subseção C3.4) a resistência nominal é
multiplicada por :

φc = 0,75 para perfis com almas simples;


φc = 0,80 para perfis I ou similares;
φc = 0,85 para perfis duplo Z para a situação de flange interior carregado.

17
6 PREMISSAS DE CÁLCULO

Além das cargas permanentes e sobrecargas máximas indicadas nas tabelas de


dimensionamento, foi considerada a carga acidental devida à deposição de neve no
valor máximo de 0,95 kN/m2.

Quanto à ação do vento, foram assumidos valores para a velocidade básica do vento,
V0, iguais a 30, 35, 40, 45 e 50 m/s, sendo consideradas as seguintes categorias de
terreno:

II: Terrenos abertos em nível ou aproximadamente em nível, com poucos


obstáculos isolados, tais como árvores e edificações baixas.
Exemplos: zonas costeiras planas; pântanos; campos de aviação.

III: Terrenos planos ou ondulados com obstáculos, tais como sabes e muros,
poucos quebra-ventos de árvores, edificações baixas e esparsas.
Exemplos: granjas e casas de campo, com exceção das partes com matos;
subúrbios a considerável distância do centro, com casas baixas e esparsas.

IV: Terrenos cobertos por obstáculos numerosos e pouco espaçados, em zona


florestal, industrial ou urbanizada
Exemplos: zonas de parques e bosques com muitas árvores; cidades
pequenas e seus arredores; subúrbios densamente construídos de grandes
cidades; áreas industriais plena ou parcialmente desenvolvidas

7 DEFINIÇÕES E CONSIDERAÇÕES GERAIS

Largura da edificação: dimensão paralela à das vigas de piso suportadas


pelas paredes auto-portantes.

Comprimento da edificação: dimensão perpendicular à das vigas de piso, vigas de


cobertura/forro ou tesouras do telhado.

Para as dimensões de largura da edificação e distância entre os montantes foram


considerados valores inteiros, sempre os menores, tomados a partir da conversão de
unidades do Sistema Inglês para o Sistema Internacional de Medidas (SI),
considerando-se ainda as possíveis modulações das edificações.

Espessura das chapas: comumente, são apresentadas em catálogos as


espessuras da chapa, incluindo o revestimento. Neste
caso, da espessura da chapa deve-se subtrair, em
média, 0,04mm para se determinar a espessura de
cálculo.

18
Correspondências de espessuras:

USA (mills) USA (mm) BRASIL (mm)


33 0.83 0,95
43 1.09 1,25
54 1.37 1,55
68 1.72 2,25
97 2.46 2,46

Nomenclatura:

M90x40
M: montante
90: altura da alma
40: largura da mesa

L150x40
L: cantoneira de abas desiguais
150: largura da aba maior
40: largura da aba menor

Correspondências de perfis:

Perfil U enrijecido: Ue bw x bf x D x tn (NBR 6355)

USA BRASIL
Steel NBR 6355
Framing
350S162 M90x40 Ue 90 x 40 x D x t
550S162 M140x40 Ue 140 x 40 x D x t
800S162 M200x40 Ue 200 x 40 x D x t
1000S162 M250x40 Ue 250 x 40 x D x t
1200S162 M300x40 Ue 300 x 40 x D x t
600L150 L150x40 -
800L150 L200x40 -
1000L150 L250x40 -

19
Observação: Para a largura da mesa igual a 40 mm deve-se adotar um comprimento
mínimo do enrijecedor, Dmin , igual a 12 mm.

TABELAS DE DIMENSIONAMENTO

Tabela 1 – Vãos máximos para vigas de piso.


Vãos simples com enrijecedores de alma
(Peso próprio do piso = 0,479 kN/m2)

SOBRECARGA DE SOBRECARGA DE
Designação 1,437 kN/m2 1,916 kN/m2
Espaçamento entre vigas Espaçamento entre vigas
(mm) (mm)
304 406 487 609 304 406 487 609
M140x40-0,95 3530 3225 3022 2768 3225 2921 2743 2463
M140x40-1,25 3860 3505 3302 3048 3505 3175 2997 2768
M140x40-1,55 4140 3759 3530 3276 3759 3403 3200 2971
M140x40-2,25 4445 4038 3784 3505 4038 3657 3454 3200
M140x40-2,46 4927 4495 4216 3911 4495 4064 3835 3556
M200x40-0,95 4775 4089 3733 3352 4267 3657 3352 2794
M200x40-1,25 5207 4724 4445 4140 4724 4292 4038 3733
M200x40-1,55 5588 5080 4800 4445 5080 4622 4343 4038
M200x40-2,25 5994 5461 5130 4749 5461 4953 4673 4318
M200x40-2,46 6705 6096 5740 5308 6096 5537 5207 4826
M250x40-1,25 6248 5689 5181 4648 5689 5080 4648 4140
M250x40-1,55 6731 6121 5740 5334 6121 5562 5232 4851
M250x40-2,25 7213 6553 6172 5740 6553 5969 5613 5207
M250x40-2,46 8077 7340 6908 6400 7340 6654 6273 5816
M300x40-1,25 7137 6172 5638 5054 6375 5537 5054 4064
M300x40-1,55 7848 7112 7213 5969 7112 6477 6553 5334
M300x40-2,25 8432 7645 7213 6680 7645 6959 6553 6070
M300x40-2,46 9423 8559 8051 7467 8559 7772 7315 6781

20
Tabela 2 - Vãos máximos para vigas de piso.
Vãos múltiplos com enrijecedores de alma
(Peso próprio do piso = 0,479 kN/m2)

SOBRECARGA DE SOBRECARGA DE
Designação 1,437 kN/m2 1,916 kN/m2
Espaçamento entre vigas Espaçamento entre vigas
(mm) (mm)
304 406 487 609 304 406 487 609
M140x40-0,95 3911 3403 3098 2768 3505 3022 2768 2413
M140x40-1,25 4775 4114 3759 3352 4267 3683 3352 2997
M140x40-1,55 5359 4648 4241 3784 4800 4165 3784 3403
M140x40-2,25 5943 5232 4775 4267 5384 4673 4267 3810
M140x40-2,46 6629 6019 5664 5080 6019 5461 5130 4572
M200x40-0,95 4394 3556 3098 2616 3733 2997 2616 2184
M200x40-1,25 5918 5080 4673 3810 5308 4343 4191 3251
M200x40-1,55 7010 6070 5537 4953 6248 5410 4953 4419
M200x40-2,25 7874 6832 6223 5562 7061 6096 5562 4978
M200x40-2,46 8991 8178 7518 6705 8178 7366 6705 5994
M250x40-1,25 6553 5461 4800 4089 5715 4673 4089 3454
M250x40-1,55 7772 6731 6146 5486 6959 6019 5486 4724
M250x40-2,25 9296 8051 7975 6578 8331 7213 5613 5867
M250x40-2,46 10820 9728 8864 7924 9829 8686 7924 7086
M300x40-1,25 6502 5257 4597 3860 5537 4445 3860 3225
M300x40-1,55 8432 7239 6654 5435 7543 6197 5842 4622
M300x40-2,25 9931 8610 7848 7010 8890 7696 7035 6273
M300x40-2,46 12573 11176 10210 9144 11480 10007 9144 8178

21
Tabela 3 - Vãos máximos para vigas de piso.
Vãos simples sem enrijecedores de alma
(Peso próprio do piso = 0,479 kN/m2)

SOBRECARGA DE SOBRECARGA DE
Designação 1,437 kN/m2 1,916 kN/m2
Espaçamento entre vigas Espaçamento entre vigas
(mm) (mm)
304 406 487 609 304 406 487 609
M140x40-0,95 2489 1879 1549 1244 1981 1498 1244 990
M140x40-1,25 3860 3505 3302 2413 3505 2921 2413 1930
M140x40-1,55 4140 3759 3276 3530 3759 3403 3200 2971
M140x40-2,25 4445 4038 3784 3505 4038 3657 3454 3200
M140x40-2,46 4927 4495 4216 3911 4495 4368 3835 3556
M200x40-0,95 - - - - - - - -
M200x40-1,25 4216 3175 2641 2108 3378 2540 2108 1676
M200x40-1,55 5588 5080 4470 3556 5080 4470 3708 2971
M200x40-2,25 5994 5461 5130 4749 5461 4953 4673 4318
M200x40-2,46 6705 6096 5740 5308 6096 5537 5207 4826
M250x40-1,25 - - - - - - - -
M250x40-1,55 6527 4902 4064 3251 5207 3911 3251 2590
M250x40-2,25 7239 6553 6172 5588 6553 5969 5613 4470
M250x40-2,46 8077 7340 6908 6400 7340 6654 6273 5816
M300x40-1,25 - - - - - - - -
M300x40-1,55 - - - - - - - -
M300x40-2,25 8432 7645 6502 5207 7645 6248 5207 4165
M300x40-2,46 9423 8559 8051 7467 8559 7772 7315 6781

22
Tabela 4 – Vãos máximos para vigas de piso.
Vãos múltiplos sem enrijecedores de alma
(Peso próprio do piso = 0,479 kN/m2)

SOBRECARGA DE SOBRECARGA DE
Designação 1,437 kN/m2 1,916 kN/m2
Espaçamento entre vigas Espaçamento entre vigas
(mm) (mm)
304 406 487 609 304 406 487 609
M140x40-0,95 2514 2006 1727 1422 2108 1676 1422 1168
M140x40-1,25 3556 2870 2489 2082 3022 2413 2082 1752
M140x40-1,55 4470 3657 3225 2743 3835 3124 2743 2311
M140x40-2,25 5588 48234 4114 3530 4826 3987 3530 3022
M140x40-2,46 6629 6019 5664 4953 6019 5461 4953 4292
M200x40-0,95 - - - - - - - -
M200x40-1,25 3759 2997 2565 2133 3149 2489 2133 1752
M200x40-1,55 5105 4114 3556 2997 4318 3454 2997 2489
M200x40-2,25 6578 5384 4724 4013 5638 4597 4013 3403
M200x40-2,46 8991 7747 6883 6578 8051 6705 5969 5130
M250x40-1,25 - - - - - - - -
M250x40-1,55 5156 4114 3556 2946 4343 3429 2946 2438
M250x40-2,25 7137 5791 5029 4241 6070 4876 4241 3556
M250x40-2,46 10414 8636 7670 6578 9017 7467 6578 5638
M300x40-1,25 - - - - - - - -
M300x40-1,55 - - - - - - - -
M300x40-2,25 7239 5816 5054 4241 6121 4902 4241 3530
M300x40-2,46 11379 9398 8280 7086 9804 7747 7086 6019

23
Tabela 5 - Montantes para pé-direito de 2450mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)

Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 0,95 0,95 0,95 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 1,25 1,25
50 45 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 1,25 1,25 1,25

24
Tabela 6 - Montantes para pé-direito de 2450mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 1,25 1,25 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 0,95 0,95 1,25 1,25
40 35 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
45 40 600 1,55 1,55 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,55 1,55
50 45 600 2,25 2,25 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 1,25
600 1,25 1,55 1,55 1,55

25
Tabela 7 - Montantes para pé-direito de 2700mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)
Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 0,95 0,95 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 45 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25

26
Tabela 8 - Montantes para pé-direito de 2700mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 1,25 1,25 1,25 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 1,25
35 30 600 1,25 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
40 35 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,55
45 40 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 45 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,55 1,55 1,55
M90x40 400 2,25 2,25 2,25 2,25
50 600 2,46 2,46 2,46 -
M140x40 400 0,95 1,25 1,25 1,25
600 1,55 1,55 1,55 1,55

27
Tabela 9 - Montantes para pé-direito de 3000mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)
Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
45 40 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 45 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 2,25 2,25 2,25 2,25
50 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,55 1,55 1,55 1,55

28
Tabela 10 - Montantes para pé-direito de 3000mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 230 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 1,25 1,25
30 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
35 30 600 1,55 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,55
40 35 600 2,25 2,25 2,25 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,55
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
45 40 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 2,25 2,25 2,25 2,25
50 45 600 2,46 - - -
M140x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
600 1,55 1,55 1,55 2,25
M90x40 400 2,25 2,46 2,46 2,46
50 600 - - - -
M140x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
600 2,25 2,25 2,25 2,25

29
Tabela 11 - Montantes para pé-direito de 2450mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
50 45 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
50 600 1,25 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95

30
Tabela 12 - Montantes para pé-direito de 2450mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 1,25 1,25 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 45 600 1,55 1,55 1,55 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 600 1,55 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25

31
Tabela 13 - Montantes para pé-direito de 2700mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
50 45 600 1,25 1,25 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95

32
Tabela 14 - Montantes para pé-direito de 2700mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 1,25 1,25 1,25 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 1,25 1,25
45 40 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 45 600 1,55 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,55 1,55
50 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25

33
Tabela 15 - Montantes para pé-direito de 3000mm, suportando
somente telhado e forro.
(Residência de um pavimento ou o segundo andar de uma residência de dois
pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
35 30 600 0,95 0,95 0,95 0,95
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
40 35 600 1,25 1,25 1,25 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
45 40 600 1,25 1,25 1,25 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
50 45 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,55
50 600 2,25 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25

34
Tabela 16 - Montantes para pé-direito de 3000mm, suportando
um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos)
Aço 345 MPa

Espessura dos perfis


Velocidade (mm)
básica do Vento Designação Espaçamento
Largura da edificação
V0 (mm)
(mm)
(m/s)
III e IV II 7250 8500 9750 11000
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
30 600 1,25 1,25 1,25 1,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 0,95 0,95 1,25
35 30 600 1,25 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 0,95
M90x40 400 0,95 1,25 1,25 1,25
40 35 600 1,55 1,55 1,55 1,55
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 0,95 0,95 0,95 1,25
M90x40 400 1,25 1,25 1,25 1,25
45 40 600 1,55 2,25 2,25 2,25
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 45 600 2,25 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 0,95
600 1,25 1,25 1,25 1,25
M90x40 400 1,55 1,55 1,55 1,55
50 600 2,46 2,46 2,46 2,46
M140x40 400 0,95 0,95 0,95 1,25
600 1,25 1,55 1,55 1,55

35
Tabela 17- Vãos máximos de encabeçamento de aberturas (vergas),
suportando somente telhado e forro.

Aço 230 MPa

Designação Vãos máximos


(mm)
Largura da edificação
(mm)
7250 8500 9750 11000
2 M90x40x0,95 1193 1117 1041 990
2 M90x40x1,25 1447 1346 1270 1219
2 M90x40x1,55 1625 1524 1447 1371
2 M90x40x2,25 1828 1701 1600 1524
2 M90x40x2,46 2159 2032 1905 1803
2 M140x40x0,95 1193 1041 914 838
2 M140x40x1,25 1955 1524 1727 1651
2 M140x40x1,55 2209 1778 1955 1854
2 M140x40x2,25 2489 2336 2184 2082
2 M140x40x2,46 2971 2768 2616 2489
2 M200x40x0,95 914 812 711 635
2 M200x40x1,25 2032 1778 1574 1422
2 M200x40x1,55 2895 2692 2540 2413
2 M200x40x2,25 3251 3048 2870 2717
2 M200x40x2,46 3911 3632 3429 3251
2 M250x40x1,25 1701 1473 1320 1193
2 M250x40x1,55 3200 2946 2616 2362
2 M250x40x2,25 3835 3581 3378 3200
2 M250x40x2,46 4622 4318 4064 3860
2 M300x40x1,25 1447 1270 1117 990
2 M300x40x1,55 2895 2514 2235 1981
2 M300x40x2,25 4089 3835 3606 3429
2 M300x40x2,46 5308 4953 4368 4445

36
Tabela 18 - Vãos máximos de encabeçamento de aberturas (vergas),
suportando um pavimento, telhado e forro.

Aço 230 MPa

Designação Vãos máximos


(mm)
Largura da edificação
(mm)
7250 8500 9750 11000
2 M90x40x0,95 685 - - -
2 M90x40x1,25 1016 939 889 838
2 M90x40x1,55 1143 1066 1016 965
2 M90x40x2,25 1270 1193 1143 1066
2 M90x40x2,46 1498 1422 1346 1270
2 M140x40x0,95 - - - -
2 M140x40x1,25 1270 1143 1016 914
2 M140x40x1,55 1549 1447 1371 1295
2 M140x40x2,25 1727 1625 1549 1473
2 M140x40x2,46 2057 1930 1828 1752
2 M200x40x0,95 - - - -
2 M200x40x1,25 990 863 787 711
2 M200x40x1,55 1955 1727 1244 1397
2 M200x40x2,25 2260 2133 1701 1930
2 M200x40x2,46 2717 2540 2108 2311
2 M250x40x1,25 812 736 660 609
2 M250x40x1,55 1625 1447 1295 1168
2 M250x40x2,25 2667 2514 2387 2260
2 M250x40x2,46 3200 3022 2844 2717
2 M300x40x1,25 711 635 - -
2 M300x40x1,55 1397 1244 1117 1016
2 M300x40x2,25 2819 2489 2235 2032
2 M300x40x2,46 3683 3479 3276 3124

37
Tabela 19 - Vãos máximos de encabeçamento de aberturas (vergas),
suportando um pavimento, telhado e forro.
(Primeiro pavimento de uma residência de dois pavimentos, com viga estrutural central)

Aço 230 MPa

Designação Vãos máximos


(mm)
Largura da edificação
(mm)
7250 8500 9750 11000
2 M90x40x0,95 863 762 609 -
2 M90x40x1,25 1143 1066 1016 965
2 M90x40x1,55 1270 1219 1143 1092
2 M90x40x2,25 1422 1346 1270 1219
2 M90x40x2,46 1676 1600 1524 1447
2 M140x40x0,95 736 660 - -
2 M140x40x1,25 1066 1549 1447 1295
2 M140x40x1,55 1727 1625 1549 1473
2 M140x40x2,25 1955 1828 1752 1676
2 M140x40x2,46 2336 2184 2082 1981
2 M200x40x0,95 - - - -
2 M200x40x1,25 1270 990 990 914
2 M200x40x1,55 2260 2133 1981 1828
2 M200x40x2,25 2540 2413 2286 2159
2 M200x40x2,46 3048 2971 2743 2590
2 M250x40x1,25 1041 914 838 1066
2 M250x40x1,55 2082 1219 1676 1524
2 M250x40x2,25 2997 2844 2717 2565
2 M250x40x2,46 3606 3403 3225 3073
2 M300x40x1,25 889 787 711 635
2 M300x40x1,55 1778 1574 1422 1295
2 M300x40x2,25 3200 3048 2870 2590
2 M300x40x2,46 4165 3911 3708 3556

38
Tabela 20 - Encabeçamento de aberturas (vergas) em cantoneira dupla,
suportando somente telhado e forro.

Designação Vãos máximos


(mm)
Largura da edificação
(mm)
7250 8500 9750 11000
2L150x40x1,25 1422 1320 1244 1193
2L150x40x1,55 1625 1498 1422 1346
2L150x40x2,25 1854 1727 1625 1524
2L200x40x1,25 1879 1727 1625 1549
2L200x40x1,55 2108 1981 1854 1752
2L200x40x2,25 2413 2235 2108 1981
2L250x40x1,25 2057 1930 1803 1701
2L250x40x1,55 2616 2184 2032 1930
2L250x40x2,25 2946 2743 2590 2184

Tabela 21 - Encabeçamento de aberturas (vergas) em cantoneira dupla,


suportando um pavimento, telhado e forro.

Designação Vãos máximos


(mm)
Largura da edificação
(mm)
7250 8500 9750 11000
2L150x40x1,25 965 914 838 812
2L150x40x1,55 1092 1016 965 914
2L150x40x2,25 1244 1168 1092 1041
2L200x40x1,25 1270 1168 1117 1041
2L200x40x1,55 1422 1346 1270 1193
2L200x40x2,25 1625 1524 1422 1346
2L250x40x1,25 1397 1295 1219 1168
2L250x40x1,55 1574 1473 1397 1320
2L250x40x2,25 1778 1676 1574 1498

39