Você está na página 1de 2

A Invenção da Escrita – Um Novo Rumo para a Humanidade

O aparecimento e desenvolvimento da escrita é uma das características das Sociedades Humanas onde existe, já,
um verdadeiro sistema de redistribuição administrada. Isto é, os primeiros registros que são conhecidos eram na
realidade listas de conteúdos de armazenagem de produtos. No entanto desde cedo que este sistema de escrita
foi utilizado no registro de mitos, lendas e poesias assim como na administração. Neste sentido os arquivos
constituem desde sempre a memória das instituições e das pessoas, e existem desde que o Homem fixou por
escrito as suas relações como ser social.
Assim, os arquivos surgem desde que a escrita começou a estar ao serviço da sociedade, e terão nascido de
forma espontânea no seio das Antigas Civilizações do Médio Oriente há vários milênios atrás.
Sendo a escrita a representação do pensamento em caracteres convencionais, o homem, desde cedo começa por
traçar desenhos mágicos, e deles acaba por se servir como meio de comunicação. A escrita é, pois, o processo de
registro de caracteres através de um meio, com a intenção de formar signos e representações de linguagem. A
invenção e aparecimento da escrita condicionaram de tal forma a humanidade, que esta tomou consciência de
era necessária conservar os registros produzidos para mais tarde poderem ser utilizados.
Ao longo da História, podemos encontrar estes registros em diferentes suportes, desde as placas de argila, o
papiro, o papel, entre outros.
Hoje, a variedade de suportes aumentou, o que por sua vez aumentou o conteúdo destes que se tornou bastante
variado.
A escrita surge a partir de simples desenhos de ideogramas (simbolizando um objeto ou uma idéia), por
exemplo, o desenho de um javali representaria um javali ou a idéia de caça. A partir daí os símbolos vão-se
tornando mais abstratos, terminando por evoluir em símbolos sem aparente relação aos caracteres originais. O
homem pré-histórico procura comunicar através de desenhos, sendo conhecidos hoje alguns em paredes de
cavernas, etc. Através deste tipo de representação (pintura rupestre), eram trocadas mensagens, passavam-se
idéias e transmitiam-se desejos e necessidades. No entanto, estas pinturas ainda não eram nenhum tipo de
escrita, pois não havia organização, nem mesmo padronização das representações gráficas.
É na antiga Mesopotâmia que a escrita nos aparece pela primeira vez, por volta de 4000 a.C., onde os Sumérios
desenvolveram a escrita cuneiforme (onde cada sinal representava uma silaba). Eram gravadas figuras sobre
tábuas de argila utilizando-se de estilete. Muito do que sabemos hoje sobre este período da história, devemos ás
placas de argila com registros diários, administrativos, econômicos e políticos da época.
No Antigo Egito, também, a escrita nos aparece quase na mesma época que os Sumérios. Eram praticadas duas
formas de escrita: a demótica (mais simplificada) e a hieroglífica (mais complexa e formada por desenhos e
símbolos). Os hieróglifos egípcios figuravam uma idéia ou uma silaba. Nas paredes internas das pirâmides eram
representados hieróglifos sobre a vida do faraó, mensagens do quotidiano, etc. Uma espécie de papel chamada
papiro, que era produzida a partir de uma planta de mesmo nome, também era utilizado para escrever.
Com as Civilizações Clássicas, Grega e Romana surge um novo um sistema de escrita modificado pelos gregos,
que tinha sido criado pelos fenícios.
A partir daqui com os gregos desenvolve-se a escrita em trabalhos de filosofia, dramaturgia e poesia, assim
como a sistematização da história, das artes plásticas, da arquitetura e narrativas mitológicas, uma das
características destas sociedades. Podemos assim encontrar no historiador grego Homero, obras como a “Guerra
de Tróia”.
http://www.scribd.com/doc/17473961/A-Invencao-da-Escrita-Um-Novo-Rumo-para-a-Humanidade